Você está na página 1de 13

FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

TÓPICOS COMPLEMENTARES EM ENGENHARIA DE


CONTROLE E AUTOMAÇÃO
Prof: Odair

Gilberto de Araujo Leite Junior RA: 228357511930

Gabriel Moura Ferri RA: 213956011930

Getulio Rodrigo Lucas RA: 226012511930

Clodoaldo dos Santos RA:


FACULDADE ANHANGUERA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP

Disjuntores para proteção de sobre correntes para


instalações domesticas NBR60898
Solução de painéis e quadros de distribuição NBR
5410 – 60439
Material e métodos.

Atualmente no Brasil podemos encontrar dois modelos de disjuntores, DIM que


e o padrão europeu e atende o mercado de acordo com a norma da ABNT NBR
NM60898 e NEMA padrão norte-americano baseado na norma RTQ contida na
portaria do INMENTRO 243, apesar de que os disjuntores no Brasil precisão
seguir parâmetros estipulados pela NBR-5361 (Disjuntores de Baixa Tensão)
que no momento passa por um cancelamento provisório, e consecutivamente a
IEC 60947-2 (Disjuntores Industriais) IEC 60898 (Disjuntores Residenciais). As
normas IEC “International Eletrotechnical Comission” como falada são
elaboradas através de representantes de diversos países visando estabelecer
um padrão mínimo de qualidade e segurança aceita pelas diversas nações
participantes. E a RTQ “Regulamento técnico da Qualidade“ e estabelecido
pelos técnicos do INMETRO com o intuito de padronizar uma norma.

Fig 1: Modelos de disjuntor IEC e NEMA


Fonte: https://www.mundodaeletrica.com.br/como-funcionam-os-disjuntores/

A principal vantagem dos disjuntores e que fazem ser mais viáveis


financeiramente e devido ao sua atuação em dois tipos distintos de sinistros,
curto-circuito e sobrecarga, evitando assim o uso em certas ocasiões de dois
equipamentos de proteção, além de serem religáveis e de fácil manuseio os
disjuntores são considerados um dispositivo de
manobra e proteção, vantagens estas em relação aos fusíveis que são de difícil
manuseio e autodestrutivos e são considerado um equipamento apenas de
proteção.

Funcionamento.

Para começarmos a estudar como especificar os disjuntores e fundamental


que saibamos como e seu funcionamento, por isso o primeiro termo a ser
entendido será o termo “Termomagnético”, método de funcionamento de todos
os disjuntores usados no Brasil.
Termomagnético e a junção de duas palavras, Térmica mais magnética, ou
seja existem duas forma de desarme dos disjuntores. A primeira maneira a ser
estudada a térmica consiste na aplicação da “integral de Joule” e nos estudos
de dilatação térmica e transferência de calor, entre materiais metálicos. Já o
segundo método de atuação tem como origem as “Equações de Maxwell” em
relação ao campo magnético (MAMEDE FILHO 2012, p345).
Os dois métodos de atuação dos disjuntores consistem em uma relação
direta com a corrente elétrica, que e a sofre alteração com todas as anomalias
que por ventura venha a ocorrer em um circuito elétrico.

Fig 2. Partes internas de um disjunto


Fonte:http://www.ebah.com.br/content/ABAAAesc4AL/instalacoes-eletrica-
industrial-fusiveis- disjuntores?part=2
Como monstra na fig 2 os disjuntores possuem dois modos de disparos, um
trata-se de um bobina na qual abre os contatos do disjuntor quando houver um
curo-circuito, o outro método e disparado através de uma lamina bi metálica
que ao sofre um sobrecarga ira se dilatar mais que o normal e abrirá o circuito
de acordo com o calculo i²t. Os disjuntores também possuem uma câmera de
extinção que tem como finalidade a extinção de arcos elétricos provocado
durante a abertura e fechamento de seus contatos (COTRIN 2013, p 205).

Especificações técnicas dos disjuntores.

Para especificarmos corretamente nossos dispositivos e precisa saber as


peculiaridades de cada disjuntor e para isso iremos estudar suas curvas de
atuação, e corresponde-las com as curvas características de cada tipo de
carga. Os disjuntores de norma IEC ou DIN nome comumente conhecido
possuem três curvas de atuação que são com características distintas, estas
curvas são conhecidas como curvas B,C e D, (NERY 2014, p 2014).
Os disjuntores de curva B mais adequado para residências e cargas de baixas
intensidades característica de cagas resistivas, tem atuação de 3 a 5 vezes de
sua corrente nominal.
Exemplo: fornos elétricos e ferro de passar.

Fig 3: Grafico com curvas de atuação de curvas B e C.


Fonte. https://www.voltimum.pt/artigos/noticias-do-sector/proteccao-das
Já os disjuntores de curva C são os mais utilizados em industrias por ser
para cargas indutivas, devida as sua alta corrente de partida tem como
atuação de 5 a 10 vezes da sua corrente nominal.
Exenplo: Motores elétrico de indução.
Tendo a mais alta curva de ruptura entre 10 e 20 vezes a corrente nominal
os disjuntores de curva D normalmente conhecidos como disjuntores de
caixa moldada são excelente para proteger transformadores e grandes
sistemas.
Disjuntor Motor: Disjuntor mais recente no mercado, tem a capacidade de
ser ajustado causando um maior capacidade de proteção, podendo
substituir o reles de sobrecargas

Fig 4: Curvas de disjuntores de curva B, C e D.


Fonte:http://deltautomacao.wixsite.com/delta/single-
post/2016/01/06/Disjuntores-e-as- curvas-de-ruptura

Os disjuntores NEMA possuem a capacidade de interrupção para disparos


de curto-circuito menor que os de norma DIM, por exemplo um disjuntor de
25A tem a curva de atuação de 3 KA que equivale a cerca de 66% dos
equivalentes de norma DIN. Já a falto de um disparo bobinado faz com que
o disjuntor tenha um limiar de ativação pouco sensível, atuando através de
um mecanismo bi metálico, com isso o seu funcionamento dependera da
grandeza do curto- circuito.
O que é a norma NBR 5410
Eletricidade é um fenômeno manipulável pelo ser humano. Mas, para isso
existe uma série de normas e recomendações oferecidas para os profissionais
desta área. Elas, em especial a NBR 5410, advertem os profissionais sobre as
normas básicas de instalações elétricas, para que as mesmas não ofereçam
riscos e tenha funcionamento adequado. Segundo a Associação Brasileira de
Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), os dados
estatísticos coletados em 2017 foram alarmantes. Na pesquisa foram
registrados 1.387 acidentes por choque, incêndio ou raio, e 702 pessoas
perderam a vida, todos em decorrência da eletricidade.

Este resultado também é apresentado nas estatísticas do Corpo de Bombeiros,


que apontam as instalações elétricas inadequadas como uma das principais
causas de incêndios.
NBR significa Normas Brasileiras que são aprovadas pela ABNT Associação
Brasileira de Normas Técnicas. Saiba quais os principais pontos da norma NBR
5410 e seus cuidados.
Qual a Principal Função da NBR 5410?

A NBR 5410 é uma norma que determina condições e regras para instalações
elétricas de baixa tensão até 1000V em tensão alternada e 15000V em tensão
ininterrupta no Brasil. A norma foi criada com a função de
garantir qualidade nas instalações, não oferecendo riscos para trabalhadores e
animais, trazendo uniformidade entre instalações e sistemas elétricos.
Está norma é aplicada para instalações elétricas de casas, predios, comercial,
industrial, agropecuário e etc.

Você conhece a diferença entre NR e NBR?

É muito comum confundir NBR e NR, mas além da nomenclatura e as


semelhanças, existem bastante diferença entre as duas.
A NR é estabelecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), fiscalizada
pelas Delegacias Regionais do Trabalho. Desta forma, as instalações elétricas
de edificações destinadas ao trabalho, estão sujeitas a estas normas de
segurança e medicina do trabalho.

A NBR é uma norma técnica estudada e estabelecida por pesquisadores e


profissionais da área, só aprovada por um órgão nacional ou internacional.
Neste caso estabelecidas pela ABNT, e só se tornam obrigatórias quando
estabelecidas pelo poder público.

Quando a NBR 5410 deve ser aplicada?

A NBR 5410, assim como todas as normas, tem situações e locais específicos
que pode ser aplicada. A execução, projeto, verificação e manutenção só deve
ser confiada a profissionais qualificados a executar os trabalhos em
conformidade com esta norma.

1- Pode ser aplicada em:

Instalações Elétricas

 Em áreas descobertas das propriedades, externas às edificações;

 Em canteiros de obras, feiras, exposições e outras instalações temporárias;

 Em áreas de campings, marinas e instalações análogas.

Circuitos

 Circuitos elétricos alimentados sob tensão igual ou inferior a 1000V em


corrente alternada, com frequências inferiores a 400Hz, ou a 1500V em
corrente contínua;

Não se aplica a NBR 5410 em casos de:

 Instalações elétricas de veículos automotores;


 Instalações elétricas de embarcações e aeronaves;

 Instalações de iluminação pública;

 Redes públicas de distribuição de energia;

 Instalações em minas;

 Instalações de cercas eletrificadas;

Principais tópicos de abordagem da NBR 5410

Em 2004 a ABNT publicou um guia de 209 páginas chamado Instalações


Elétricas de Baixa Tensão dividindo a NBR 5410 em 9 capítulos. O guia foi
revisado em 2008 abordando os seguintes pontos:

 Influências externas na instalação elétrica;

 Proteção contra choques com o uso de isolamentos e dispositivos DR;

 Dimensionamento de eletrocalhas, eletrodutos e condutores;

 Uso de disjuntores como sistema de proteção;

 Circuito de motores (equipamentos e proteção);

 Proteção contra sobretensões;

 Equipotencialização e compatibilidades eletromagnéticas;

 O dimensionamento e condutores condicionados à harmônica;

 Quadros de distribuição, iluminação, tomadas e vários outros assuntos


pertinentes.

Este guia foi elaborado especialmente devido a decorrente existência de


acidentes em instalações elétricas de baixa tensão e a grande preocupação no
setor.
Instalações Elétricas

A NBR 5410 é uma norma antiga, e apesar disso, muitos profissionais da área
desconhecem suas regras. Separamos resumidamente em tópicos
importantes, o que você precisa saber para executar uma instalação elétrica
com segurança. Fique atento a seguir!

 Separação dos circuitos

Esse é um dos problemas mais comuns, pois tem uma má divisão de circuitos
elétricos, que contraria totalmente as determinações da norma NBR 5410.
Muitos circuitos de iluminação são combinados com circuitos de tomadas.
De acordo com a norma, as instalações devem ser separadas em quantos
circuitos forem necessários para iluminação, tomadas e tomadas específicas.
Não ultrapassando 10 A, isso significa que em um circuito de 127 V seria
equivalente a no máximo 1270 VA e em 220 V seria 2200 VA de potência.

 Como conceder potência mínima e dimensionamento de iluminação


A norma NBR 5410 nos orienta no seguinte aspecto: Em cômodos ou
dependências com área igual ou inferior a 6m², deve ser prevista uma carga
mínima de 100VA.
Em cômodo ou dependências com área superior a 6m², deve ser prevista uma
carga mínima de 100VA para os primeiros 6m² e soma-se 60VA para cada 4m²
inteiros.
Em um projeto, a NBR 5410, recomenda no dimensionamento de iluminação
que cada dependência deve ter no mínimo um ponto de luz fixo no teto
comandado por um interruptor de parede.

 Como conceder potência mínima e dimensionamento das tomadas

Para fazer o cálculo do número mínimo de tomadas de uso geral, utiliza-se o


perímetro de cada cômodo. Sendo pelo menos uma tomada a cada 5 metros
ou fração de perímetro, distribuídas o mais semelhante possível.
Porém o proprietário pode desejar um número maior de tomadas além do que é
calculado, é importante orientar o seu cliente.
Além das tomadas de uso geral, tem as tomadas de uso específico (TUE), que
são destinadas a alimentar um equipamento especial. Por exemplo: ar
condicionado, torneira elétrica, entre outros, que necessitam de uma tomada de
uso específico. Na falta delas poderá haver sobrecarga das tomadas que não
possuem potência elevada.

 Qual a seção mínima dos condutores

A bitola dos condutores e cabos e o número de condutores instalados em cada


eletroduto, deve obedecer às especificações de projeto elétrico.
Para iluminação a norma recomenda fios de 1,5 mm² e para tomadas de uso
geral será 2,5 mm², os demais conforme orientação do projeto.

 A escolha ideal do tipo de aterramento

Todo projeto elétrico deve antever o condutor terra instalado em todos os


circuitos elétricos, inclusive nos circuitos de iluminação.
A norma orienta, optar pelo tipo de aterramento TT quando possível, mas caso
não seja possível, optar pelo tipo de aterramento TN-S ou TN-C.
Atualmente, o aterramento é um item obrigatório nas instalações elétricas. Sua
função é a proteção dos equipamentos e evitar choques elétricos.

 O uso obrigatório do Dispositivo DR

Um dispositivo DR tem como finalidade proteger as pessoas de choques


elétricos de pequena intensidade, mas se percorrem o corpo humano pode ser
fatal. Nestes caso, o dispositivo tem esta função por que um disjuntor comum
não consegue detectar estes pequenos choques.

DRs de alta sensibilidade (menor ou igual a 30mA) devem ser instalados em


ambientes molhados, como cozinhas, áreas de serviço, banheiros e entre
outros. Sua instalação é obrigatória em saunas e piscinas e também tomadas
situadas em área externa ou situadas internas que alimentam equipamentos de
área externa.
Por fim, em circuitos que sirvam a pontos de utilização situados em cozinhas,
copas, lavanderias, áreas de serviço, garagens e demais dependências
internas normalmente molhadas ou sujeitas a lavagens.
Neste post você aprendeu sobre o que é a NBR 5410, sua importância, onde
deve ser aplicada e situações onde a norma não se aplica. Achou nosso
conteúdo relevante para sua área? Curta e Compartilhe com a gente sua
opinião!