Você está na página 1de 7

Ementa disciplinas – Curso Especialização

Políticas Públicas

1 - Balanço do campo de públicas: análise e avaliação no Brasil pós anos


1980

O campo de públicas é uma área multidisciplinar e multifacetada. No Brasil


ganha força a partir dos anos 1980, por influência da agenda acadêmica
internacional ligada à administração pública e das organizações internacionais
de monitoramento e avaliação das políticas públicas. O propósito dessa
disciplina é conhecer a constituição do campo de análise e avaliação de políticas
públicas no Brasil. Serão trabalhadas as premissas básicas orientadoras das
pesquisas e as principais perspectivas teóricas trabalhadas.

CAPELLA, A.; BRASIL, F. Análise de políticas públicas: uma revisão da literatura


sobre o papel dos subsistemas, comunidades e redes. Novos estudos
CEBRAP, São Paulo, n. 101, jan./mar. 2015.

FARIA, C. (2013). A multidisciplinariedade no estudo das políticas públicas. In:


MARQUES, E.; FARIA, C. (org.). A Política Pública como campo
multidisciplinar. São Paulo: Unesp; RJ: Fiocruz.

FARAH, Marta Ferreira Santos. Análisis de políticas públicas en Brasil: de


una práctica non nombrada a la institucionalización del "campo de
públicas". Rev. Adm. Pública [online]. 2016, vol.50, n.6, pp.959-979. ISSN
0034-7612. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612150981.

FREY, K. (2000). Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes


à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas
Públicas, Brasília, n. 21, p. 211-259, jun.

GURZA LAVALLE, Adrian (org). O Horizonte da Política: Questões emergentes


e agendas de pesquisa. São Paulo: Ed. Unesp/CEM/Cebrap, 2012.

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C. R.. As três versões do neo-


institucionalismo. Lua Nova, São Paulo, n. 58, p. 193-223, 2003 .
Howlett, Michael e Ramesh, M. Studying public policy: policy cycles and policy
subsystems. Oxford: Oxford University Press, 2003.

______. “Policy subsystem configurations and policy change: operationalizing


the postpositivist analysis of the politics of the policy process”. Policy Studies
Journal, vol. 26, nº 3, 1998 (466-481).

Kingdon, John. Agendas, alternatives, and public policies. 3. ed. Nova York:
Harper Collins, 2003[1984].

MARQUES, E; FARIA, C. (2013). A Política Pública como campo


multidisciplinar. São Paulo: Unesp; RJ: Fiocruz.

McCool, Daniel. Public policy theories, models, and concepts: an anthology.


Nova Jersey: Prentice-Hall, 1995.

Palier, Bruno, et Yves Surel. « Les « trois I » et l'analyse de l'État en


action », Revue française de science politique, vol. vol. 55, no. 1, 2005, pp. 7-32.

Sabatier, Paul A. “The advocacy coalition framework: revisions and relevance for
Europe”. Journal of European Public Policy, vol. 5, nº 1, 1998 (pp. 98-130).

______. “Toward better theories of public policy”. PS: Political Science and
Politics, 24, 1991 (pp.147–56).

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto


Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez, 2006.

Pierson, P. Public Policies as Institutions. In: Rethinking Political Institutions. The


art of the state. Org. Ian Shapiro, Stephen Skowronek, Daniel Galvin. (pp.114-
131) New York/London: New York University Press, 2006.

Smith, R. Which comes first, the ideas or the institutions? In: Rethinking Political
Institutions. The art of the state. Org. Ian Shapiro, Stephen Skowronek, Daniel
Galvin. (pp. 91-113). New York/London: New York University Press, 2006.

2 - Concepções de Estado e justiça social: Políticas públicas e justiça


social no Brasil contemporâneo.

O propósito dessa disciplina é pensar a análise e avaliação de políticas públicas


a partir de uma perspectiva substantiva, questionando seus sentidos, valores e
ideias que perpassam o processo de produção das políticas públicas e seus
resultados. O parâmetro normativo que orientará esse debate é o da justiça
social, buscaremos no debate das teorias da justiça embasamento para refletir
sobre o papel das políticas públicas no contexto de desigualdade brasileiro.

ARRETCHE, Marta (org.) Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou


nos últimos 50 anos. São Paulo: Editora Unesp; CEM, 2015.

COBO, B; LAVINAS, L. (2014). Percepções sobre desigualdade e pobreza: o


que pensam os brasileiros da política social. Rio de Janeiro: Folio Digital e Centro
Celso Furtado.

COSTA, Valeriano. Políticas Públicas no Brasil: uma agenda de pesquisas. In:


Idéias – Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/Universidade
Estadual de Campinas. Vol.06, N.02, 2015.

DE MARIO, C. (2016a). Saúde como questão de justiça. São Paulo: Paco


Editorial.

______. (2016b) Concepções de justiça e a análise de políticas públicas.


Administração Pública e Gestão Social, v. 8, p. 5-14.

FLEISCHACKER, S. (2006). Uma breve história da justiça distributiva. São


Paulo: Martins Fontes.

FORST, R. (2010). Contextos da justiça: filosofia política para além do


liberalismo e comunitarismo. São Paulo: Boitempo.

______. (2012) The Right to justification. Elements of a construtivist theory of


justice. New York: Columbia University Press.

MELO, Rúrion. TEORIA POLÍTICA E PESQUISA SOCIAL. Lua Nova, São


Paulo, n. 102, p. 211-230, dez. 2017.

RAWLS, J. (2008). Uma Teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes.

______. (2005). Political Liberalism. Expanded Ed. New York: Columbia


University Press.

ROTHSTEIN, Bo. Just Institutions Matter. Cambrigde University Press, 1998.

SEN, A. The idea of justice. Massachusetts: Belknap Press of Harvard University


Press, 2009.

______. Well-being, agency and freedom: The Dewey Lectures 1984. Journal of
Philosophy, v. 82, n. 4, pp. 169-221, Apr. 1985.
VITA, Álvaro de. TEORIA POLÍTICA NORMATIVA E JUSTIÇA
RAWLSIANA. Lua Nova, São Paulo, n. 102, p. 93-135, dez. 2017.

3 – Estado e administração pública no Brasil pós-1988: entre o


neoliberalismo e a democracia.

No Brasil a partir dos anos 1990 o Estado, sua estrutura institucional e as


políticas públicas brasileiro são resultado de um conflito entre dois projetos
políticos distintos, o projeto democrático participativo e o projeto neoliberal, o
resultado é um Estado híbrido, marcado por uma reforma administrativa
gerencial que buscou terceirizar e privatizar serviços e políticas públicas e, ao
mesmo tempo, por um projeto que descentralizou a gestão e a implementação
das políticas sociais, e incorporou em sua estrutura instrumentos de participação
e accountability visando a proximidade com as necessidades da população. O
intuito dessa disciplina é discutir os impactos desse conflito na gestão e
administração pública e também nos processos de implementação das políticas
públicas.

ARRETCHE, Marta. Financiamento federal e gestão local de políticas


sociais: o difícil equilíbrio entre regulação, responsabilidade e
autonomia. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2003, vol.8, n.2, pp.331-345. ISSN
1413-8123. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000200002.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Democracia, estado social e reforma


gerencial. Rev. adm. empres. São Paulo , v. 50, n. 1, p. 112-116, Mar. 2010.

____________. Reforma gerencial e legitimação do estado social. RAP –


Revista de administração pública. Rio de Janeiro 51(1):147-156, jan. - fev.
2017

CARVALHO, Laura. Valsa Brasileira. Do boom ao caos econômico. São Paulo:


Todavia, 2018.

Costa, Frederico Lustosa da Brasil: 200 anos de Estado; 200 anos de


administração pública; 200 anos de reformas Revista de Administração Pública
- RAP, vol. 42, núm. 5, septiembre-octubre, 2008, pp. 829-874

DAGNINO, E; OLVERA, A; PANFICHI, A. A disputa pela construção democrática


na América Latina. São Paulo: Paz e Terra, Campinas, SP: Unicamp, 2006.
DAGNINO, Evelina; TEIXEIRA, Ana Claudia Chaves. The Participation of Civil
Society in Lula’s Government, in: Journal of Politics in Latin America, 6, 3, 39–
66, 20

FARAH, Marta Ferreira Santos. Administração pública e políticas públicas. Rev.


Adm. Pública, Rio de Janeiro , v. 45, n. 3, p. 813-836, June 2011 . Available
from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
76122011000300011&lng=en&nrm=iso>. access
on 18 Apr. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122011000300011.

PAULA, A. P. P. de. Administração Pública Brasileira Entre o Gerencialismo e a


Gestão Social. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 1, jan-mar,
p.36-49, 2005. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902005000100005

PEREIRA DA SILVA, F. (2014). Quinze anos da onda rosa latino-americana:


balanço e perspectivas. Observador on-line, v. 9, p. 1.

TEIXEIRA, A. C. C. (2013). Para além do voto: uma narrativa sobre a


democracia participativa no Brasil (1975-2010). Tese de Doutorado. Instituto de
Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

TELLES, V. S. (1999). Direitos sociais: afinal do que se trata? Belo Horizonte:


UFMG

TEIXEIRA, A; TRINDADE, T. Participação e projetos políticos: os horizontes da


democracia brasileira - Entrevista com Evelina Dagnino. In: Idéias – Revista do
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/Universidade Estadual de Campinas.
Vol. 09, N.01, 2018.

SOUZA, Celina. (2004). Governos locais e gestão de políticas sociais universais.


São Paulo em perspectiva, v. 18, n. 2, p. 27-41.

4 – Avaliação de Políticas Públicas: métodos hegemônicos e contra-


hegemônicos

Esta disciplina tem como proposta apresentar e discutir métodos hegemônicos


e contra-hegemônicos de avaliação de políticas públicas. Os primeiros estão, em
sua maioria, preocupados em responder pela eficiência e eficácia das políticas
públicas seguindo orientações de organismos internacionais como o Banco
Mundial que são perpassadas por uma perspectiva neoliberal, tecnocrática e
gerencialista do Estado. Os métodos contra-hegemonicos se desenvolvem em
crítica aos resultados alcançados pelos primeiros e à pretensa neutralidade e
tecnicidade do exercício de avaliação de políticas públicas. São métodos
qualitativos, interdisciplinares, que se baseiam em uma perspectiva substantiva
e participativa, buscando dar voz aos atores envolvidos direta e indiretamente no
processo de produção das políticas públicas e buscam refletir sobre o papel do
avaliador e seu impacto na política.

BOSCHETTI, Ivanete. Avaliação de políticas, programas e projetos sociais. In:


CFESS; ABEPSS. (Org.). Serviço Social: Direitos Sociais e Competências
Profissionais. 1ed.Brasília: CFESS, 2009, v. 1, p. 575-592.

BOULLOSA, R. (Org.) ; ARAÚJO, Edgilson Tavares (Org.) . Avaliação e


Monitoramento de Projetos Sociais. 1. ed. Curitiba: IESDE, 2009. v. 1. 261p.

BROTTO, M. E. ; KLEIN, A. ; ARAÚJO, Edgilson Tavares . Gestão Social e


Avaliação de Políticas Sociais: abordagens e perspectivas. O Social em
Questão, v. 36, p. 9-18, 2016.
DE MARIO, C. Avaliação substantiva de políticas públicas: legitimidade,
concepções de justiça e atores. Aval – Revista de Avaliação de Políticas
Públicas. UFC. No prelo.

DE MARIO, C., LAISNER, R., GRANJA, R. “Avaliação de Políticas Sociais e


participação popular: uma abordagem política”. O Social em questão. (PUC-
RIO), ano XIX, n.36, p. 39-64, 2016.

FARIA, Carlos. As políticas da avaliação de políticas públicas. Revista


Brasileira de Ciências Sociais, v. 20, n. 59, out, 2005.

GUSSI, Alcides Fernando; RODRIGUES, Lea Carvalho. A experiência do Núcleo


Multidisciplinar de Políticas Públicas – NUMAPP do Mestrado em Avaliação de
Políticas Públicas. MORENO, Isidoro; PALENZUELA, Pablo; RODRIGUES, Lea
Carvalho; RUBEN, Guilhermo Raúl (Orgs.). Trabalho, Políticas Públicas e
Estratégias Empresariais. Fortaleza: MAPP/Expressão Gráfica, 2010, p. 23-32

GUSSI, A.F.; OLIVEIRA, B. R. Discutindo paradigmas contra-hegemônicos de


avaliação de políticas públicas. In. Anais do Encontro Nacional de Ensino e
Pesquisa do Campo de Públicas, Brasília, 2017.

JANNUZZI, P.M. Monitoramento e avaliação de programas sociais: uma


introdução aos conceitos e técnicas. Campinas: Alínea, 2016a.
____________. Eficiência econômica, eficácia procedural ou efetividade social:
Três valo-res em disputa na Avaliação de Políticas e Programas Sociais.
Desenvolvimento em Debate, v.4, n.1, 2016b, p. 117-142.

____________. A implementação no centro da Avaliação de Políticas Públicas.


Aval – Revista de Avaliação de Políticas Públicas. UFC. No prelo.

MELO, Rúrion. TEORIA POLÍTICA E PESQUISA SOCIAL. Lua Nova, São


Paulo, n. 102, p. 211-230, dez. 2017.

NEIROTTI, Nerio. Evaluation in Latin America: paradigms and practices. In:


KUSHNER, Saville; ROTONDO, Emma (Org.). Evaluation voices from Latin
America. San Francisco: Jossey-Bass, 2012. p. 128.

LAISNER, R., DE MARIO, C. G. “Os desafios da avaliação de políticas públicas


como instrumento estratégico de gestão e de controle social”. Revista de
Políticas Públicas (UFMA), v.18, p.619 - 630, 2014.

TREVISAN, Andrei Pittol and VAN BELLEN, Hans Michael. Avaliação de


políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. Rev.
Adm. Pública [online]. 2008, vol.42, n.3, pp.529-550.

RAMOS, Marília P.; SCHABBACH, Letícia M. O estado da arte da avaliação de


políticas públicas: conceituação e exemplos de avaliação no Brasil. Rev. Adm.
Pública, v. 46, n. 5, p. 1271-1294, 2012.

RODRIGUES, Lea Carvalho. Propostas para uma avaliação em profundidade de


políticas públicas sociais. Aval – Revista de Avaliação de Políticas Públicas.
UFC, número 1, 2008, p. 7-15.

___________. Avaliação de Políticas Públicas no Brasil: antecedentes, cenário


atual e perspectivas. PRADO, Edna Cristina e DIÓGENES, Elione Maria
Nogueira (org.) Avaliação de Políticas Públicas: entre Educação & Gestão
Escolar. Maceió/AL, EDFAL, 2011.