Você está na página 1de 15

0

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

LINCON

DUPLA

PROJETO DE ESTRUTURA METÁLICA PARA ARMAZENAMENTO


DE BARRIS: ANÁLISE DE ELEMENTOS FINITOS FEMAP/NASTRAN

Salvador
2015
1

LINCON

DUPLA

PROJETO DE ESTRUTURA METÁLICA PARA ARMAZENAMENTO


DE BARRIS: ANÁLISE DE ELEMENTOS FINITOS FEMAP/NASTRAN

Trabalho apresentado ao Curso de Engenharia


Mecânica da Universidade Salvador - UNIFACS,
como avaliação final da disciplina Engenharia
Assistida por computador.

Orientador: Rafael Bispo.

Salvador
2015
2

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 03
2 DADOS DO PROJETO 03
3 ANÁLISE DA ESTRUTURA – FEMAP/NASTRAN 06
4 CONCLUSÃO 13
REFERÊNCIAS 14
3

1. INTRODUÇÃO

O presente trabalho consiste na criação do projeto de uma estrutura metálica para


armazenamento de barris contendo um determinado produto. Tal estrutura deverá ser
construída em caráter de urgência em um galpão já existente, portanto, desconsiderando a
ação do vento. Seis barris devem ser armazenados pesando 98 kg cada, com 450mm de
diâmetro e 1000mm de altura, elevados à 2m de distância mínima em relação ao piso. A altura
total da estrutura com os barris não pode chegar a 3,5m.
Este trabalho apresenta e explica o passo a passo da criação do projeto da estrutura
através do software FEMAP/NASTRAN, que engloba a escolha dos perfis metálicos e suas
matérias-primas, desenhos do conjunto, propriedades inerentes ao software e por fim, a
análise de elementos finitos com apresentação e discussão dos resultados considerando
tensões, deformações, reações e outros aspectos do projeto que indiquem ou não sua
capacidade de suportar as cargas aplicadas.

2. DADOS DO PROJETO

As figuras a seguir mostram desenhos de diferentes vistas da estrutura em milímetros.


Os barris estão colocados na posição vertical apoiados em 3 barras quadradas colocadas à 2m
do piso. A distância de todos os barris em relação as quatro barras laterais da estrutura, bem
como entre si é de 100mm, totalizando o comprimento de 3,40m e largura 650mm. Para
manter a estabilidade da estrutura no eixo z, foram colocadas duas barras laterais no centro
das barras de 2m. No plano xy, são colocadas duas barras cruzadas na diagonal em ambas as
extremidades, bem como uma barra horizontal no centro da estrutura à 1m de altura ligando
as outras duas extremidades. Estes dispositivos têm a função de manter a montagem mais
rígida, minimizando esforços nos eixos x e z. Na parte superior do conjunto, uma longarina é
colocada no eixo x de ponta a ponta como proteção posterior, sustentando barras guias no
eixo z que dividem a base de armazenamento em 6 partes iguais, para melhor organização dos
barris. Além disso, barras de proteção lateral são colocadas. Toda a estrutura é suportada por
4 barras horizontais fixadas no piso por engaste, o que não permite qualquer tipo de
movimento.
4

Figura 1: Vistas lateral e frontal

Fonte: Dos autores

Figura 2: vista inferior

Fonte: Dos autores


5

Figura 3: vista tridimensional

Fonte: Dos autores

As vigas utilizadas no projeto possuem a mesma dimensão de fábrica segundo


catálogo Gerdau de barras quadradas, com bitola de 2” (50,80mm).
Um aço carbono bastante comum na fabricação destas barras é o AISI 1025 produzido
pela Gerdau, sendo ele escolhido para este estudo. Possui aplicabilidade em diversas áreas da
indústria mecânica em geral, principalmente em estruturas metálicas e serralheria por seu fácil
manuseio, boa soldabilidade e resistência mecânica. O AISI 1025 tem valores de Limite de
escoamento e resistência à ruptura de 370 Mpa e 440 Mpa respectivamente, além de um
módulo de elasticidade de 210 GPa.
6

Figura 4: dimensões de barra quadrada

Fonte: Tabela de bolso barras e perfis – GERDAU

3. ANÁLISE DA ESTRUTURA – FEMAP/NASTRAN

Para a análise da estrutura pelo FEMAP, foi feito o desenho completo do modelo no
software de acordo com as cotas previamente definidas, onde as barras são vetores que
posteriormente tomarão forma de acordo com as propriedades atribuídas a eles. Como na
estrutura estudada todas as barras possuem as mesmas especificações de material e bitola, a
propriedade de viga (Beam) foi atribuída igualmente a todos os vetores. O elemento beam
exige do usuário o formato e dimensões da viga a ser criada, bem como seu material. Desta
forma, foi atribuído o material AISI 1025 com modulo de elasticidade de 210 GPa e demais
propriedades conforme biblioteca padrão do FEMAP, além do formato barra quadrada e a
bitola de 50,80mm às vigas.
Em seguida são configurados os apoios da estrutura que devem ser fiéis às
características reais do modelo a ser fabricado. Os pontos escolhidos conforme mostra a
figura 5 têm a sua fixação pelo FEMAP do tipo “fixed” que simula uma barra engastada.
Desta forma não existem quaisquer tipos de movimentos em todas os eixos e direções nos
pontos determinados.
A carga a ser aplicada no estudo é determinada de forma que simule corretamente a
ação do peso dos 6 barris na estrutura. Considerando-se o valor da ação da gravidade como 10
m/s², a força peso de cada barril será de 980 N, já que a mesma é determina pelo produto de
sua massa pela aceleração da gravidade. O peso total de 6 barris (5880 N) é distribuído
7

igualmente ao longo das 3 barras de 3,40 m de comprimento que os sustentam, gerando uma
carga distribuída de 577 N/m em cada viga, correspondente ao peso total dividido por 3
barras, divido pelo seu comprimento total.
A figura 5 mostra a estrutura após todas as configurações serem aplicadas e
imediatamente antes da análise.

Figura 5: configuração da estrutura FEMAP

Fonte: Dos autores

Após realizada a análise, serão estudadas as medidas de deslocamento, forças de apoio


e tensão na estrutura. A figura 6 mostra a visão aumentada do deslocamento da estrutura
diante dos esforços aplicados com a indicação de valores pelo diagrama de cores. Desta forma
ficam identificados os pontos críticos para coleta dos dados de deslocamento em metros.
8

Figura 6: diagrama de cores de deslocamento

Fonte: Dos autores

As vistas frontal e lateral do diagrama mostram a concentração dos pontos de


deslocamento máximo nas 3 barras que sustentam os barris como esperado, com uma ligeira
diferença na barra central que possui o deslocamento máximo do sistema em seu nó central. O
resto da estrutura que não sofre ação direta da carga aplicada sofre deslocamento quase nulo
em sua totalidade. Para verificação dos valores exatos nos nós críticos foram escolhidos 3 nós
em cada uma das 3 barras em destaque. Devido à simetria do conjunto no plano YZ, foram
selecionados os nós centrais de cada barra e os dois nós seguintes à sua esquerda como mostra
a figura 7, garantindo os mesmos valores para os nós equivalentes na outra metade do
conjunto. Os nós foram identificados como 1, 2 e 3 e a tabela 1 mostra os valores de
deslocamento dos mesmos em cada barra. As barras são identificadas como 1ª, 2ª e 3ª da
frente para trás, com a central sendo a 2ª.
9

Figura 7: identificação dos nós críticos (deslocamento)

Fonte: Dos autores

Tabela 1: valores de deslocamento (metros)

Os dados de deslocamento mostram que os maiores valores ocorrem em direção ao


eixo Y, que acompanha o sentido das cargas. O máximo valor encontrado foi de 0,00373m em
Y no nó central da barra central (NÓ 1, BARRA 2) como previu o diagrama. Para se
determinar se a flecha de uma viga tem deslocamento aceitável, comumente se utiliza como
parâmetro o valor do comprimento total dividido por 360. Neste caso para as vigas de 3,40m,
a flecha máxima aceitável seria de 0,00944m, validando o valor máximo encontrado neste
estudo.
10

Os próximos esforços a serem avaliados são as forças de restrição nos apoios da


estrutura. O equilíbrio do sistema se dá quando o somatório de todas as forças e momentos
aplicados é igual ao somatório das forças de restrição dos apoios. Os pontos escolhidos foram
aqueles localizados na lateral no eixo z pela simetria do sistema no plano YZ, sendo o apoio 1
localizado na parte de trás.

Tabela 2: valores de força e momento de restrição nos apoios (Newton e N.m)

Na tabela 2 é possível se observar que a força total de restrição é ligeiramente maior


no apoio 2, por ser aquele localizado onde há maior peso no sistema pela presença da barra
superior traseira de proteção. É perceptível também o baixo valor do momento total de
restrição nos apoios, sinal de que a estrutura tem suas vigas bem distribuídas de forma a gerar
baixo momento de flexão em sua totalidade, exigindo pouco dos apoios neste quesito.
Forças de reação também foram analisadas nas 3 barras que tiveram seus
deslocamentos estudados anteriormente, nos nós que simulam seu engaste na estrutura.

Tabela 3: valores de força e momento aplicados nas barras 1, 2 e 3 (Newton e N.m)

Nota-se que os valores são iguais para todas as barras, onde força e momento totais
correspondem somente aos seus componentes em Y. isso indica que a ação das cargas
11

aplicadas pelo peso dos barris não geram reação em X e Z, o que coincide com os valores de
deslocamento nas mesmas barras, com valores máximos em Y e quase nulos em X e Z.
O último esforço a ser avaliado na estrutura é a tensão nas 3 barras de suporte dos
barris. Este dado tem a função de determinar se a viga suporta a força à qual é submetida sem
se deformar plasticamente. Para garantir que isso não aconteça, o valor máximo de tensão
encontrado não deve ultrapassar o limite de escoamento do material que é 370 Mpa. Os
elementos das barras a serem analisados seguem o padrão da análise de deslocamento feita
anteriormente, conforme mostra a figura 8. As barras analisadas foram dividas em 6
elementos cada pelo FEMAP para facilitar o estudo. A condição de simetria mencionada
anteriormente se aplica novamente.

Figura 8: identificação dos nós críticos (deslocamento)

Fonte: Dos autores


12

Figura 9: valores de tensão nas barras 1, 2 e 3 (Pascal)

Fonte: Dos autores

Na análise de vigas o FEMAP divide os elementos pelo lado A e lado B, que


correspondem as pontos de inicio e fim, respectivamente, de seu vetor. O elemento 1 é aquele
mais distante do engaste das barras, apresentando valores próximos de tensões combinadas
em A e B. Já o elemento 3, mais próximo ao engaste, apresenta seus valores de tensão
máxima no ponto A (engaste) e mínimo no ponto B. A barra 2 apresentou em seu elemento 1
o valor máximo de tensão de toda a análise, com 19,95 Mpa. Desta forma fica definido que as
vigas suportam a carga sem apresentar deformação plástica ou ruptura, já que a máxima
tensão encontrada, em comparação com o limite de escoamento do material gera um fator de
segurança de 18,9.
13

4. CONCLUSÃO

Os resultados da análise de elementos finitos realizada na estrutura projetada


mostraram que a mesma suporta com alta confiabilidade as cargas solicitadas. Os valores de
tensão não demonstraram quaisquer possibilidades de falha de seus componentes pela ação
dos esforços comuns de projeto, assim como o deslocamento da estrutura provou não
comprometer a segurança do armazenamento e do entorno na instalação. Todas as vigas do
conjunto possuem o mesmo material na mesma medida de seção, o que facilita todos os
aspectos de sua execução, como compra de materiais, manuseio, montagem, soldagem,
ajustagem e etc.
O layout de montagem das barras se mostrou eficiente não somente em suportar os
esforços, como também manter a segurança do local. As vigas colocadas de forma cruzada na
parte frontal da estrutura, bem como as vigas laterais na horizontal impedem o acesso à parte
interior da estante, retirando qualquer risco de acidente. Um espaço aberto pra colocação das
cargas poderia gerar uma desorganização que traria riscos de acidentes no momento do
manuseio dos barris. As barras guias na parte superior que dividem a base da estrutura em 6
áreas iguais garantem uma arrumação organizada e segura dos barris.
14

REFERÊNCIAS

GERDAU. Tabela de barras e perfis – Julho 2009. Catálogo Técnico. Disponível em: <
http://www.gerdau.com.br/produtos-catalogo-e-manuais/5038.global.pt-BR.force.axd>.
Acesso em: 1 dez 2015.