Você está na página 1de 4

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DO JUIZADO

ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL DA ZONA SUDESTE TERESINA – PI.

Processo nº 0014507-97.2014.818.0001

MARY DORAN ROCHA MOTA, já qualificada nos autos do


processo em epigrafe que promove em face da ENGETEC – ENGENHARIA,
TECNOLOGIA E COMERCIO LTDA e BANCO DO BRASIL S/A, em
atendimento ao despacho de evento nº 57, vem , respeitosamente , por seu
advogado infra – firmado, T E M P E S T I V A M E N T E , nos termos legais
apresentar suas

CONTRARAZÕES AOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO

oposto pela ENGETEC – ENGENHARIA, TECNOLOGIA E COMERCIO LTDA,


pelos fatos e fundamentos que abaixo aduz:

1. DOS FATOS

Cuida - se de ação movida pela embargada em face da


ENGETEC – ENGENHARIA, TECNOLOGIA E COMERCIO LTDA e BANCO
DO BRASIL S/A, objetivando a declaração de inexistência de débitos referentes
a 15 boletos de R$ 1.000,00 (um mil reais) cada.
2. DOS FATOS ALEGADOS PELA EMBARGANTE

1. Da Obscuridade:

Alega a embargante que a dívida de R$ 15.000,00 (quinze mil


reais) representada pelos boletos, que a Requerente pagou sempre em atraso,
não pagando multa e jugos devidos sobre os mesmos.

2. Da Contradição:

Alega a embargante que na primeira parte da condenação o MM


Juiz determina quais boletos tem sua quitação por meio da presente ação. Mas
revisando os parágrafos de fundamentação de sua r. decisão vê-se que o MM
Juiz deixa em aberto um dos boletos, o qual ainda deve ser quitado pela
Requerente.

3. Da Omissão:

Alega a embargante que o MM Juiz foi omisso ao deixar de


analisar o contrato de compra e venda, que estabelece a incidência de correção
monetária por meio do índice IGP-M mais juros de 1% (um por cento) ao mês
sobre o saldo devedor.

2. DO MERITO

A veneranda decisão embargada não merece qualquer reforma


vez que, data vênia, é justa e foi prolatada em sintonia com as normas vigentes
que regem a matéria e pacífica jurisprudência dos tribunais.

No entanto, inconformada, pretende a reclamada ver reformada


a veneranda sentença de primeira instância sob os argumentos de que, não se
sustentam visto que logo depois que a embargada entrou com a ação
declaratória de inexistência de debito a embargante emitiu o seguinte
documento (abaixo).
Ora excelência esse documento por si só já esclarece toda
e qualquer dúvida quanto ao pagamento dos boletos indevidamente
protestados.
III – CONCLUSÃO

Por todo o exposto, conclui-se que os Embargos não devem


prevalecer.

Assim, requer, sejam os pedidos deduzidos nos presentes


Embargos julgados improcedentes por Vossa Excelência e determinado o
regular prosseguimento do feito.

Termos em que,

Pede deferimento.

Teresina 01 de abril de 2016.

ELANO LIMA MENDES E SILVA

OAB/PI 6.905