Você está na página 1de 2

Para Carvalho (1989), as habilidades de ensino estruturam o comportamento do professor

diante o alunado, isso é primordial para o desenvolvimento e desempenho das aulas, não
basta o domínio do conteúdo, tem que saber ensiná-lo.

Nesta perspectiva, vemos já a partir do início de uma aula, a necessidade de desenvolver


habilidades de ensino como a habilidade de organizar o contexto que faz com que o
objeto da aprendizagem seja nítido para o aluno através de recursos materiais e
estratégias de ensino, e assim ele possa desenvolver-se melhor no decorrer da aula.
(Cunha, 1989).

Neste decorrer de aula a criação de uma realidade de sala de aula monótona, pode-se
causar dispersão da atenção do alunado e redução de sua participação, por isso, a
importância de técnicas que prendam a atenção dos alunos tem uma significativa
relevância.

A variação de estímulos proporciona ganchos de atenção com o objetivo de manter


o interesse do aluno no conteúdo que está sendo trabalhado. Ela pode ser feita de
várias maneiras. Sant’Anna (1979) propõe ao professor mudança no seu
comportamento, no uso de canais receptores, estilos de interação e pausa.
(Carravetta, 2015, p. 52)

E com a atenção dos alunos, fica mais fácil o trabalho com exemplos, pois no detalhe dos
exemplo encontra-se o aprimoramento da aprendizagem, principalmente, aliados com
uma boa postura, consegue-se uma significativa participação do alunado.(Custódio,
2010).

E esta postura pode ser acompanhada por gestos, falas e movimentos físicos que
possam transmitir tipos de motivações que contribuam para o ânimo e continuação da
atenção conseguida pelo professor.(Ministério Da Educação E Cultura, 1979)

Por meio destas motivações há a necessidade de facilitar a comunicação, tendo em vista


o melhor fluir das informações com a interatividade com os alunos, através da
comunicação oral, verbal, gestual e recursos diversos que contribua com a equidade no
ensino. (Carravetta, 2015)
Na continuidade deste contexto de habilidades de ensino, nasce a necessidade de
formular perguntas para que exercite o cognitivo e acarrete reflexão sobre aquilo que se
estuda e que vá além do intuito de memorização de conceitos e definições.( Carvalho,
1989)

E o conhecimento do acompanhamento do alunado no ensino é crucial para o


desenvolvimento do aprendizado, este feedback que se precisa para o avançar nos
métodos de ensino, pode ser trabalhado com a habilidade de fazer perguntas, por meio
de testes e instrumentos que indiquem o nível de acompanhamento do aluno.(Ministério
Da Educação E Cultura, 1979)