Você está na página 1de 25

Texto: Apocalipse 2.

8-11

A carta a Igreja de Esmirna.

Apocalipse 1:11 “Que dizia: Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro; e o que vês,
escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a
Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia.”

Temática: Carta as sete Igrejas.

Tema: A Escatologia da saúde da Igreja local ( COMO SER UM CRISTÃO FIEL ATÉ A MORTE)

Segunda carta: A IGREJA DE ESMIRNA.

O nome da Igreja.

Os significados dos nomes, característica e época no tempo:

 ESMIRNA Mirra (latim) Igreja perseguida, atribulada 100 a 313 d.C.


 Profeticamente a Igreja subterrânea de Cristo nos nações inimigas de Cristo.
 Esmirna (Apocalipse 2:8-11)
 Esmirna significa “mirra,” uma resina perfumada produzia por uma árvore que era utilizada
para produzir um perfume, era também usado como óleo da unção no Antigo Testamento e
foi um dos presentes levados pelo rios magos a Cristo.
 Ocorrências do termo é ciado em Mateus 2.11; Marcos 15.23; João 19.39).

A perspectiva de Deus.

Estrutura do Texto: Apocalipse 2.8-11 Primeira igreja: Éfeso.

ESMIRNA – Uma igreja perseguida.( somente duas igreja elogio diretos Esmirna e Filadélfia )

1) Apresentação: 2.8
2) Elogio: 2.9
3) Conselho: 2.10
4) Promessa: 2.11

No livro do apocalipse antes de Jesus se revelar ao mundo com seus juízos é poder é
grande glória se revela a sua igreja ( 1Pe 4.7 ), por isto demostra sua avalição as sete igrejas
(Ap.1-3) antes de revelar ao mundo (Ap.4-22).

Geografia:

A cidade de Esmirna situada a aproximadamente 55 quilômetros de Éfeso e era um grande centro


portuári (continente da Ásia Menor ) Em 195 a.C., O centro da idolatria do mundo na época: Já
existia ali o templo da deusa Roma, e em 26 a.C. foi construído o templo ao imperador Tibério.
Essa cidade tinha seus próprios deuses. Assim, para os que ali moravam, “idólatras” eram os
cristãos, pois professavam e adoravam apenas um Deus, que não tinha parte com os deuses
deles, tenha uma população aproximadamente de 63000 habitantes (absolutos) é uma população
relativa de mais 40%. A beleza da cidade era muito grande ao ponto de ser chamada de a perola
da Ásia ou a flor da terra e serviu de inspiração aos poetas em especial a Homero.

Analise do texto de Apocalipse 2.8-11

Apocalipse 2:8 “E ao anjo da igreja em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi
morto, e reviveu:”

“escreve:” ( 2.8)

O termo grego γράφω / grafo / termina na desinência pronominal “eu” ou seja “eu escrevo” o
que indica um ato pessoal na transmissão da mensagem, portanto a mensagem tem um caráter
coletivo ou “igreja no sentido de assembleia” mais tem uma ênfase como correspondência
individual.

“Isto diz” (2.8)

O termo grego τόδε / tode / do artigo demonstrativo ὁ , ἡ , τό no sentido enclítico (δέ) tem o
sentido de um discurso direto é objetivo no qual a pessoa do discurso está no centro da
mensagem, logo Cristo é centro da mensagem como fonte de informação vinda de Deus.(s3004).

O verbo grego λέγω / no original também é utilizado e reforça o pensamento de um discurso


diretamente do vindo do personagem central ou seja Cristo.(s3304).

O verbo “dizer” ocorre no inicio de cada carta referindo-se a pessoa do discurso que é Jesus
Cristo, portanto a voz de Cristo é a mesma que a voz do Espírito Santo, por exemplo:

Éfeso: “Ao anjo da igreja de Éfeso escreve: Estas cousas diz aquele que conserva na mão direita as
sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro” (Apc. 2:1).

Esmirna: “Ao anjo da igreja de Esmirna escreve: Estas cousas diz o primeiro e o último, que esteve e
morto e tornou a viver” (Apc. 2:8).

Pérgamo: “Ao anjo da igreja de Pérgamo escreve: Estas cousas diz aquele que tem a espada afiada de
dois gumes”(Apc 2:12).

Tiatira: “Ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Estas cousas diz o Filho de Deus, que tem os olhos como
chama de fogo e os pés semelhante ao bronze polido” (Apc 2:18).

Sardes: “Ao anjo da igreja de Sardes escreve: Estas cousas diz aquele que tem os sete espíritos de
Deus e as sete estrelas: (Apc 3:1).

Filadéfia:“Ao anjo da igreja de Filadéfia escreve: Estas cousas diz o santo, o verdadeiro, aquele que tem
a chave de Davi, que abre e ninguém fechará, e que fecha e ninguém abrirá” (Apc 3:7).

Laodicéia :“Ao anjo da igreja de Laodicéia escreve: Estas cousas diz o Amém, a testemunha fiel
e verdadeira, o princípio da criação” (Apc 3:14).
“E ao anjo ” (2.8)

O termo anjo em grego ἄγγελος / angelos / definição mensageiro (sobrenatural) de Deus ou


mensageiro de forma direta é mais uma vez citado como um personagem real existente na Igreja.

Considerando que o “anjo da Igreja” indica também o “pastor” da Igreja neste caso a pessoa
de Policarpo ( cujo o nome significa: muito forte ou frutífero ) que era o pastor da igreja em 69 d.c
quando João estava recebendo a revelação na Ilha de Patmos.

O historiador Eusébio afirma que Policarpo foi levado a arena por ocasião dos jogos
olímpicos em um teatro na Ásia onde se tornou mártir. (História Eclesiástica iv 15 e em Mart. Polyc.
caps. 12 e 13, págs. 1037 e 1042 ).

Os historiadores nos falam muito sobre a morte de Policarpo que foi levando ao martírio em
23 de faveiro de 155 d.c data que ocorria os jugos na cidade. Nos dias ante de sua morte ele teve
um sonho onde ser travesseiro pega fogo é por isto ele falo a ser irmãos em Cristo que morria
queimado.

Os perseguidores de Policarpo para saber onde ele estava torturaram um escravo que
revelo seu local de abrigo, mais quando os perseguidores chegaram ele pediu que antes de ser
levando os mesmo fosse alimentados pois longa era a jornada de volta ao palácio, e que lhes
permitisse que orasse antes de sair o que de fato correu.

Na condução ao imperador, o chefe da guarda por ver sua inocência tento-o converse-lo a
negar a Cristo e confessar a César como Senhor, pois isto, o livraria da morte, mais ele continuo
afirmando que confessaria somente a Cristo.

Quando chegou à área uma voz do céu disse: “Seja forte, Policarpo, aja como um homem."
é neste momento o imperador lhe fez uma proposta: Confesse a César é ofereça um sacrifício de
incenso que será livre caso contraio será queimado vivo.

Ele respondeu é disse:

" Durante oitenta e seis anos o servi. Ele nunca me traiu. Como posso blasfemar o nome de
meu Rei, que me salvou? Ameaça-me com um fogo que queima durante um pouco de tempo e em
seguida se extingue, porque não conhece o fogo que espera os ímpios no juízo vindouro e na
condenação eterna. Que esperas? Faz o que tens pensado fazer. " neste momento a multidão
trazendo postes de madeira colocaram em trono dele e tentarão colocar pregos em seu corpo para
ele não sair mais ele disse: "Deixem-me como estou, porque Aquele que me dará força para
suportar o fogo me permitirá permanecer imóvel sem a segurança de seus pregos. “

De maneira que o deixaram sem atá-lo e acenderam o fogo. Policarpo então orou com
grande voz:
" Ó Deus e Senhor todo-poderoso, Pai de seu bendito e bem-amado filho Jesus Cristo,
através do qual recebemos o conhecimento pleno de Ti, Deus dos anjos e dos poderes e de toda a
criação e de toda a família dos justos que vivem em tua presença! Louvo-te por me haver
concedido este dia e hora para poder sofrer em teu serviço, contando-me no número de suas
mártires, compartilhando a taça de teu Cristo. E te louvo por me dar deste modo parte, também, na
ressurreição à vida eterna, tanto da alma como do corpo, na imortalidade do Espírito Santo.
Concede-me ser recebido hoje em tua presença, junto com todos eles, como sacrifício rico e
aceitável a Ti, tal como aquele que Tu, Deus de toda verdade, em quem não há mentira alguma,
havia preparado de antemão e manifestado aos homens. Por isso também te louvo por todas as
coisas. Bendigo-te e te louvo e te glorifico através do eterno e celestial Sumo Sacerdote Jesus
Cristo, teu Filho amado, por quem te seja a glória com Ele e com o Espírito Santo, agora e na idade
vindoura. Amém." Policarpo morreu em Esmirna, mártir da fé, fiel até a morte.

“da igreja em Esmirna” (2.8)

O termo grego ἐκκλησία / ekklésia / s1577/ Definição: uma assembleia, congregação, igreja,
todo o corpo dos cristãos, uma analise da palavra nos revela que “ek” chamados para fora revela é
a proposta de Cristo para sua igreja sair cada vez mais do mundo.( a que distância você está do
mundo?).

“em Esmirna” ( 2.8)

 O sentido do termo:

O termo em grego μύρνα / Smurna / s4567 / Definição: Esmirna, um grande porto da


província romana da Ásia.

 O significado termo:

O Nome “Esmirna” vem de “mirra” que significa “perfume” de partida um liquido perfumando
que era usada na partida das pessoas ou em seus corpos quando mortos (embalsamada) o que
está em harmonia como o momento da Igreja de Esmirna manchando até as prisões e sendo fiel
até a morte.

 Ocorrências escriturais:

O termo ocorre três vezes no Novo Testamento em Mateus 2.11; Marcos 15.23; João 19.39.

 O fato histórico:

Um fato histórico liga a cidade à poesia antiga por ser a cidade onde existiu o poeta Homero
da mitologia grega, conhecido como o poeta cego.

 O cenário:

A coroa da vida é citada como galardão reservados aos santos fieis até a morte o que era
real anuam cidade cujo nome era “mirra” uma substancia usada para fabricar perfumes em
embalsamento, esta mirra foi utilizado no sepultamento de Jesus (JO.19.38-40). O sentido de coroa
era muito conhecido na cidade, por ser uma pratica nos jogos todos queria uma coroa, mais a
igreja de Cristo é oferecido por Deus uma coroa superior e coroa da vida.
“Isto diz o primeiro e o último” ( 2.8.)

Dois termos são combinados na expressão para construir o pensamento do texto, os quais
são o termo grego πρῶτος / prótos / s4413 / Definição: primeiro, antes, principal, mais importante.
O que indica um título de grande importância é a união com o termo grego ἔσχατος /
eschatos /s2078 / Definição: no passado, finalmente, até o fim, revela uma ato de existência antes
do princípio e ato posterior ao final, determinado um ciclo perfeito, o que teologicamente
denominamos de eternidade absoluta de Deus.

A mesma expressão é usada com um titulo de Cristo o que indica que Jesus assumir a
natureza da mensagem, é citada em Apocalipse 1:17 que diz: “E eu, quando o vi, caí a seus pés
como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o
último;” esta expressão tem mesmo sentido Alfa e ômega, conforme Apocalipse 22:13 que diz: “ Eu
sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, o primeiro e o derradeiro.”

Portanto assim como o Alfa que é primeira letra do alfabeto grego é indica o principio
absoluto é o Ômega que é a última letra do Alfabeto grego representa o final absoluto ou seja
“primeiro e o último” são expressões simbólicas para representar a eternidade absoluta de Deus e
eternidade aplicada.

Quando falamos em eternidade absoluta de Deus estamos afirmando que Deus (ou seja
Trindade) é eterna, mais não somente por que está no “principio” ou hb.” ‫אשית‬
ִׁ ‫ ֵר‬/ reshith / s7225 da
criação de tudo citado em Gn.1.1. Mais por ser anterior a qualquer princípio é posterior a qualquer
final, logo é absoluto em sua existência.

Este conceito é citado em Isaías 44:6 que diz: “Assim diz o Senhor, Rei de Israel, e seu
Redentor, o Senhor dos Exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há
Deus.” O termo hebraico para primeiro é ( ‫ ִראׁשֹון‬/ Rishon /s7273/pronuncia antiga: ree-
brilhou ) que é uma indicação temporal de um fato que existe antes do próprio tempo existir
sentido gramatical do adjetivo de raiz (sh.7273) e o termo “último” em hb ( ‫ אַ חֲרֹון‬/ acharon / s314 /
definição por traz de... indica uma coisa que fica continuamente após o final do tempo, assim
sendo Deus é ante do tempo ( hb. Rishon ) é posterior ao tempo (hb. Acharon ) sendo eterno
absolutamente, portanto o circulo perfeito da eternidade e como o termo se aplica a Cristo este
também é eterno.

A eternidade aplicada é a possibilidade concedida por Deus aos seres finitos ( a humanidade
que será salva ) em poder desfrutar da eternidade divina ou absoluta, partir de um determinado
ponto na linha do tempo o que estabelecerá uma dependência da existência continua em Deus
que é citada em Colossenses 1:17 que diz: “ E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas
subsistem por ele.” O termo grego “συνίστημι / sunistémi / s4921/ é que “ manter unido todas as
coisas a um ponto central em ato continuo de existência “ para poderemos existir eternamente
com Deus, logo quando adentramos aos céus na pela presença de Deus seremos envolvidos em
sua eternidade e ligados a Ele ( trindade ), podemos desfrutar da imortalidade ao lado de Deus em
ciclo de por Ele é para Ele ao longo de toda eternidade.
A promessa da eternidade é uma bem-aventurança para uma igreja que está na iminência
de ser pressa e executada desta forma as palavra “ fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.”
Toma um sentido sublime de vitória eterna em Cristo Jesus nosso princípio de vida e nosso alvo
final de vida. A visão de João sobre o Cristo eterno é grandiosa em Apocalipse 1:17 diz:” E eu,
quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não
temas; Eu sou o primeiro e o último;”

“que foi morto, e reviveu:” ( 2.8)

Com está expressão “que foi morto, e reviveu ” cristo promete à sua Igreja, na qualidade de
quem morreu é vive, tornados se a “primícia” da vitoriosa ressureição dos santos em corpo
glorioso é que todos deverão seguir conforme a sua imagem para podemos participar de seus
atributos na eternidade com Deus ( 1 Co.15 53-57).

A expressão “que foi” ou “esteve” no grego γίνομαι / ginomai /s1096/ é um verbo que indica
retornar a vida ou nascer novamente pela ação de emergir, tornar-se, a transição de um ponto
(reino, condição) para outro (s1096), gramaticalmente uma mudança de “estado” e de “local” (Vine,
Unger, White, NT , 109). Portanto do mundo dos mortos para o mundo dos vivos e do estado de
morto para ressuscitado.

A mudança de estado é bem definida no texto em foco, sendo do estado de morto ou


νεκρός / nekros / s3498/ Definição:

(a) Adjetivo : morto, sem vida, sujeito à morte, mortal,


(b) O corpo morto, cadáver.

Para o outro estado que em grego é ἔζησεν / ezêsen do verbo zaó que é “viver”
experimentando a dádiva de Deus. De fato é maravilho é impactante que estas palavra que
demostram em detalhe a vitória da vida sobre a morte em uma mudança gloriosa do corpo terreno
para a ressurreição em corpo celestial ( 1 Co.15.58 ) como uma dádiva de Cristo para os fieis da
Igreja que estavam com a morte os cercando.

Cristo consola é encoraja sua Igreja a tomar uma decisão de fidelidade absoluta é ver a
morte apenas como mais uma oportunidade de testemunhar da glória de Deus,que possa existir
em nós o mesmo sentimento de fidelidade voluntária.

Quando Cristo diz: “que foi morto, e reviveu:” conceber a máxima da importância da
ressurreição de Cristo para sua igreja diante da morte, vejam nestes pontos desta máxima:

 Primeiro: Por ser testemunho incomparável do poder de Deus. (1 Co.15.1.2,21,24.27).


 Segundo: O ponto fundamental na fé é acreditar na ressurreição e crer em Cristo. ( 1
Co.15.12,27.28 ).
 Terceiro: Cristo ao ressuscitar dentre os mortos provo sua superioridade sobre a vida e a
morte. ( 1 Co.15.13.14.15,20 ).
 Quarto: Cristo pelo poder na sua ressurreição prova que é capaz de ressuscitar os
santos no arrebatamento logo a igreja martirizada nada tinha a temer.(1 Co.15.22,23).
 Quinto: A ressurreição de Cristo é comprimento profético de (Isaías 50:6; 53:5) que falo
cerca de 750 anos do acontecimento é por isto atesta a o cumprimento da vontade de
Deus
 Sexto: Em vida terrena Cristo venceu a tentação (1 Pedro 2.22.23) é por resultado venceu
a carne. O pecado trouxe a morte ao homem (Romanos 5:12) é quando Cristo
ressuscitou venceu a morte em decorrência conquisto a própria morte (1 Coríntios
15:26).
 Sétimo: Quando a ressureição chega a sua plenitude Cristo torna-se a pleno autor da vida
(Hebreus 5:8-9) por esse motivo renova a nossa esperança na ressurreição (1 Coríntios 15:22-
23).
 Oitavo: A grandeza de Cristo foi mais de que uma vida, pois a sua grandeza
verdadeiramente vem de poder dar a vida através da ressurreição. Um plano para redimir
o homem é construído nestes fatos e devemos nos aproveitar disso enquanto vivemos. O
plano é dado em (Romanos 6:1-23) Deixamos morrer o velho homem, o sepultando com
Cristo, voltando na novidade da vida para vivermos seguindo o Espírito para sermos os
servos de Deus.
 Nono: Por causa da ressurreição de Cristo quatro pilares da fé são fundamentados: (1) A
Semente morreu e nos trouxe vida através da ressurreição (João 12:23-24; 1 Coríntios 15:35-
38,42-43). (2) Através da morte de Cristo, o Novo Testamento teve efeito (Hebreus 9:15-18). (3)
Através dos fatos da sua ressurreição a nossa fé é fortalecida (1 Coríntios 15:55-57, 1
Tessalonicenses 4:14-17). (4) Assim, Cristo é grande para nós, não como um governante
terrestre, mas como um governante espiritual nos oferecendo a redenção (Colossenses 1:14).
 Décimo: Cristo com está expressão “que foi morto, e reviveu:” conceitua Cristo o mais fiel
de todos os santos em Hebreus 5:8 diz:” Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por
aquilo que padeceu.”

“Conheço” (2.9)

O termo grego οἶδα / eidó / s1492/ Definição: Eu sei, eu conheço para cuidar , aprecio.
Determina o fato que Cristo afirmava conhecer cada detalhe da situação vivida pela igreja de
Esmirna para cuida Dela.

Jesus Cristo nos conhecer é saber quais são as nossas tribulações, dores, medos, situação
econômica, perseguições mais não somente “saber” como tudo está sob seu controle.

Cristo cuida da sua igreja com eterno amor que nas palavras registradas em Jó 10:12 diz:”
Vida e misericórdia me concedeste; e o teu cuidado guardou o meu espírito. Em 1 Pedro 5:7 diz:
”Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.
“as tuas obras” (2.9)

O senhor Jesus Cristo conhecer as obras desta igreja que conseguir realiza “obras” no plural
para o reino de Deus em um ambiente totalmente adverso por tribulações provando sua fé em
Cristo em Tiago 2:22 diz: “Bem vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé
foi aperfeiçoada.” Em um mundo que o relativismo é base das decisões encontramos um igreja
podre, sofredora, perseguida, com lutas internas terríveis, alvo de calunias por religiosos ( falsos
judeus ), prisioneira e na iminência de enfrentar a morte sendo produtiva para o reino de Deus ao
ponto de receber elogio do Senhor isto nos levar a pensar o que estamos produzindo? Ou estamos
mesmo trabalhando para o reino de Cristo? A visão desta igreja produtiva tem referencia no
Salmos 107:24 que diz:” Esses vêem as obras do Senhor, e as suas maravilhas no profundo.” No
Salmos 86:8 diz:” Entre os deuses não há semelhante a ti, Senhor, nem há obras como as tuas.”
Tenhamos esta mesma visão.

“e tribulação” (2.9)

O termo grego θλῖψις / thlipsis /s2347/ Definição: perseguição, aflição, angústia tem o
sentido de uma pressão externa e interna diante de uma tribulação em especial que não se pode
escapar (sem opções ) para desviar o enfretamento do fato, o termo também traz a ideia de peso
na aflição.

Na sociedade atual a teoria da prosperidade plena que contaminar muitos membros das
religiões triunfalistas não teria espeço na mente e vida da Igreja de Esmirna que não deixa vencer
pela pobreza e tribulação antes avança fiel.

A Igreja de Esmirna passava por tentação, tribulação e provação, mais qual a diferença
entre estes termos?

A sinonímia (qualidade das palavras sinônimas; relação de sentido entre dois vocábulos que
têm significação muito próxima. ) portanto o lexicografia (estudo de ou teoria sobre os sinônimos.)
nos conceder a possibilidade de entendimento entre os termos, enxergando que existe um linha
muito tênue no exame dos vocábulos que demostra os tipos de sofrimentos que podemos ter na
vida. Vale ressalta que nem todos os seres humanos passam por esses três aspectos diferentes,
independente de sua fé, ou de sua devoção a Deus.

A elucidação dos termos é manifesta no conceitual termológico com foco no objetivo de cada
ação proposta:

 Tribulação. Pode ser resumida pela ocorrência de qualquer situação adversa que cause
dano, dor, angústia, tristeza, além de outros sentimentos negativos. Cujo a origem pode ser
interna (quando a própria pessoa provoca a situação ) e externa ( quando origem é outra
pessoa ou situação seja espiritual ou natural ). Na Etimologia (origem da palavra tribulação).
Do latim “tribulatio” cujo sentido é Evento ou situação aborrecida, desagradável; aflição,
tormento, adversidade: passou por numerosas tribulações. Portanto o objetivo da tribulação
é sofrimento pela consequência de ato próprio, da investida do inimigo é até do juízo de
Deus sobre os pecadores.
O sofrimento faz parte da vida do homem devido natureza desta vida terrena em
João 16:33 diz: “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições,
mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.“ em razão da queda do homem ( Gênesis 3:17-
19). O segundo motivo que vemos na bíblia ser razão de nosso sofrimento é por
consequência direta de nossos próprios pecados, por exemplo ( 2 Samuel 12:9-10)
conforme Gálatas 6:7 que diz: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o
que o homem semear, isso também ceifará.” É terceiro o juízo de Deus sobre aquele que
não se arrepende de seus pecados (Lucas 13:6-9 ) em Romanos 3:23 diz:” Porque todos
pecaram e destituídos estão da glória de Deus;

A tribulação faz parte da vida daquele que está em Cristo em Filipenses 1:29 diz:
Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também
padecer por ele.” O próprio Cristo nos advertir em Mateus 10:38-39 “E quem não toma a sua
cruz, e não segue após mim, não é digno de mim. Quem achar a sua vida perdê-la-á; e
quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á” O cristão deve e passará por
tribulações, angústias, dúvidas, medos, com um único propósito: lembrar-se de que é um
cidadão dos céus, e é lá que está a sua felicidade. Romanos 8:18. Mas apesar de estar
sujeito às mesmas dores e sofrimentos, o cristão tem algo diferente daquele que não tem a
Cristo: a Paz de que sua herança está guardada! Que esta vida é passageira, efêmera e
vazia, mas as promessas de Deus são eternas! Aqui residir a diferença da nossa tribulação.
A tribulação quando chegar no cristão este buscara Cristo que pode a tranforma em
provação conforme Romanos 5:3 que diz: “E não somente isto, mas também nos gloriamos
nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência,” que benção maravilhosa.

Provação. Situação muito difícil ou excesso de sofrimento que testa a capacidade de


superação de um indivíduo, sua fé, seus preceitos morais, suas convicções: cada um tem a
provação que é capaz de superar. No contexto bíblico, a provação tem um objetivo espiritual
importante no exercício da fé e no consequente amadurecimento do crente. Na Etimologia
(origem da palavra provação). Do latim “probatio” ou seja O que demonstra a veracidade de
uma proposição, de um fato; comprovação, teste, exame ou questionário sobre algo; A
provação vem de Deus é tem um objetivo definido na intenção de nos faz alcançar uma fé
madura numa dimensão que a provação nos á um estado mais próximo da perfeição. O
texto de Romanos 8:28 que diz: “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente
para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu
propósito.” Aqui está a diferença entre a tribulação e provação o “proposito” de Deus. O
termo grego πειρασμός/ peirasmos /s3986/ que significa experimento, teste, lição ou prova
portanto objetivo central aqui é submeter a pessoa ao aperfeiçoamento do caráter cristã.( Hb
12:6;

As Escrituras sagradas demostram que é motivo de alegrai sermos provados por Deus por
ser um ato de amor de Deus conforme nos ensina o processo da provação em Tiago 1.3-

 A provação produz a paciência: Tiago 1:3 diz: “ Sabendo que a prova da vossa fé opera a
paciência.”
 A paciência traz a obra perfeita: Tiago 1:4 “ Tenha, porém, a paciência a sua obra perfeita,
para que sejais perfeitos e completos, sem faltar em coisa alguma.”
 A paciência gera a promessa: Hebreus 6:15 diz:” E assim, esperando com paciência,
alcançou a promessa.”
 O viver em cristo é maior de todas as provas em 2 Timóteo 3:10 diz: “ Tu, porém, tens
seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor, paciência,”

 Tentação. A tração por coisa proibida. Moimento íntimo que incita o mal, desejo veemente.
Uma atribuição do diabo (1Co 7.5; Tg 1.13). Cujo objetivo é conduzir a pessoa ao mal.

A) Qual é a origem das tentações? Satanás e a cobiça do coração (Tiago 1:13-15).


B) Quem é tentado? Todos (Marcos 1:12-13) .
C) Quando somos tentados? Sempre, especialmente depois de grandes bênçãos (Mateus
4:1).
D) Somos tentados também nas nossas fraquezas? Jesus foi tentado quando teve fome
(Lucas 4:2-3).
E) Em que área somos tentados? Todas (Lucas 4:3, 6, 9)
F) Qual a frequência das tentações? São contínuas (Lucas 4:13).
G) Qual o limite da tenção ? A tentação tem um limite proposto por Deus (1 Coríntios 10:13)

“e pobreza (mas tu és rico),” (2.9.)

A pobreza na igreja era o efeito colateral da tribulação. No grego encontramos dos termos
referentes à pobreza com variação de intensidade ou grau de pobreza, sendo o primeiro termo
grego “penia” é aquele que carece do supérfluo e segundo termo “ptócheia” com aplicação no texto
na forma “ πτωχεία” que designa aquele que não tem nem o essencial ou estado de pobreza
absoluta.

Na santimônia atual existe aqueles que ensinam de uma forma direta ou indireta pela falsa
teoria da prosperidade que alega ser a pobreza um sinal de maldição, mais isto é contrario a
verdade divina que proclama ser estado um momento de bem-aventurança (Lc.6.20 ), o próprio
Deus estando atento aos podres (Tg.2.5).

Um comparativo de grande importância ocorre entre dos “anjos” ou duas “igrejas” a de


Esmirna e de Laodocéia no sentido do que é realmente riqueza conforme destaca Provérbios 13:7
que diz: “ Há alguns que se fazem de ricos, e não têm coisa nenhuma, e outros que se fazem de
pobres e têm muitas riquezas.” Consideremos que a riqueza no sentido de igreja Laodocéia onde
em Apocalipse 3:17ª lemos: “ que diz: “Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho
falta; ” estes pensavam ser absolutamente ricos mais eram diante de Deus estavam pauperismos.

A riqueza no sentido de Esmirna não haver a bens materiais mais a dependência de Deus e
o valor as coisas espirituais os quais os tornam ricos diante de Deus, dai a máxima: “mas tu és
rico”.
- Quais as causas de pobreza de Esmirna?

A Igreja que vivia em um cidade tão rica estava em sentido contrario numa inópia econômica
circunstância poderia ter origem no fato da perseguição por ter seus bens “ confiscados” ou ao fato
de terem de mudarem de residência constantemente devido as perseguições e buscas de
mantados de prisão que havia contra a membresia da igreja, como também a não aceitação na
sociedade por ser cristões o que os levariam a terem poucos bens materiais na terra mais terem
grandes depósitos nos céus. Em Mateus 6:20 diz: “ Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça
nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam.”

A grande lição sobre a riqueza está na boa perspectiva que devemos ter dela, conforme nos
ensina 1 Timóteo 6:17-18 que diz:” Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem
ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas
as coisas para delas gozarmos;” V.18 “ Que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de
boa mente, e sejam comunicáveis;”. A Escritura Sagrada nos revela sobre a verdadeira riqueza:

Em Provérbios 8:18 diz:” Riquezas e honra estão comigo; assim como os bens duráveis e a
justiça.”

No Salmos 24:1 diz: ”Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele
habitam.”

No Salmos 23:1 diz: “O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.”

No ponto de vista do mundo o homem é avaliado pelo “ter” é na avaliação de Cristo o


homem é avaliado pelo “ser”. Nos somos pessoas marcadas pelo que temos ou pelo que somos?

Estamos dispostos a servir a Cristo mesmo sobre o risco de perdemos tudo que temos e
vivermos uma vida de extrema pobreza, e mesmo assim sofremos calunias, perseguição e depois
a morte por amor a Cristo?

“e a blasfêmia” (2.9)

O termo grego βλασφημία / blasphémia / S988 /Definição: linguagem abusiva ou


grosseira, blasfêmia, ato de resistência até o fim, lutar com ofensa até o fim, trocar o certo pelo
errado. Tal sendo é claramente citado em Romanos 1:25 diz:” Pois mudaram a verdade de Deus
em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente.
Amém.” É importante esclarecer que o ato de blasfêmia é um ato continuo ou seja começa em vida
e conclui-se de forma irrevogável na morte.

A blasfêmia é ato contra a pessoa de Deus é que atingia também a Igreja de Esmirna
praticado por religiosos que deveria ser descendentes de Abraão (João 8:39-47; Romanos 2:28-29)
que era agora por ato de blasfêmia perseguiam os santos do altíssimo e tornavam-se servos de
Satanás ( João 8.44).

O pai da mentira com suas blasfêmias (difamação e calunias ) se utilizava de três grupos
para divulgarem suas mentiras contra a igreja de Esmirna os quais eram os Romanos, a população
da cidade e os judeus incrédulos, sendo este último os agentes de maior atuação nas blasfêmias
contra a igreja dos santos. Atualmente existem muitos centros de blasfêmias que produzem com
suas novelas, noticias e programas tudo tipo de blasfêmias com a igreja e a doutrina de Cristo por
meio de seus altares a satanás. Consideremos dois textos fundamentais.

No Salmos 101:2 diz: “ Portar-me-ei com inteligência no caminho reto. Quando virás a mim?
Andarei em minha casa com um coração sincero.”

No Salmos 101:3 diz: ” Não porei coisa má diante dos meus olhos. Odeio a obra daqueles
que se desviam; não se me pegará a mim.”

As blasfêmias produziam uma clara indicação uma perseguição contra a igreja a


semelhança do que ocorreu em vários locais antes, a exemplo:

 Em Antioquia (Atos 13:50).


 Em Icônio (Atos 14:2, 5).
 Em Listra (Atos 14:19).
 Em Tessalônica (at 17.5)

Mais diante de tanta difamação os cristões de Esmirna estava preocupados mesmo era com
avalição de Cristo o primogênito da ressurreição testemunho este que deve ser seguindo pela
igreja atual onde vemos pessoas deixarem o evangelho por receberam uma “palavra” mais dura
vinda de alguém !. Mais o que isto comparado a uma blasfêmia gerada no inferno é divagada pelos
membros da sinagoga de satanás?! Antes sejamos fiéis até a morte.

“ dos que se dizem judeus, e não o são,” (2.9)

O termo grego Ἰουδαῖος / Ioudaios / s2453 / definição: pertencentes à raça judaica é ligado
ao verbo εἰμί / eimi / que por definição é “Sou,” “existo.” Por consequente deixa claro que estas
“pessoas” reivindicavam uma postura do judaísmo sem de fato serem. Era tal falsos que na
expressão “e não o são” encontramos o termo negativo grego “uk” que é “não” no sentido
sintomático é não absolutamente.

- O falso grupo.

Existia rodeando a igreja uma classe pessoas que eram arrogantes e presunçosos se
julgavam os únicos legítimos da promessa ao seja “judeus” todavia na avalição de Deus não eram
dignos da promessa ou falsos israelitas. De acordo com:

Romanos 9:6 que diz: “Não que a palavra de Deus haja faltado, porque nem todos os que são de
Israel são israelitas;” pois o verdadeiro digno da promessa é caracterizado pelo seu interior e não
exterior.

Romanos 2:28 diz:” Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é
exteriormente na carne.”

A segunda classe de judeus que perseguição a Igreja de Esmirna era os judeus eternos ou
incrédulos que faziam apologia contra os santos de Cristo. Em Atos 14:2 diz:” Mas os judeus
incrédulos incitaram e irritaram, contra os irmãos, os ânimos dos gentios.”
Os judeus incrédulos foram a religião do ódio, da perseguição, da rejeição da verdade, das
blasfêmias contra a Igreja de Cristo ao ponto de tronarem-se discípulos de satanás e fundarem a
sinagoga de satanás ( Rm 2.28-29), isto nos prova até que ponto a falsa religiosidade pode
afastas o homem do verdadeiro Deus.

Semelhantemente devemos estar atendo a qualquer tipo e formação de “grupinhos” dentro


da igreja uma vez que estes iniciam-se pequenos mais rapidamente podem ser polarizar formando
depois uma sinagoga de satanás. Leiamos:

 A postura a ser evitada.

Em 1 Coríntios 3:3n diz: “Porque ainda sois carnais; pois, havendo entre vós inveja, contendas e
dissensões, não sois porventura carnais, e não andais segundo os homens?”

 A postura a ser praticada.

Em 1 Coríntios 1:10 diz: “Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que
digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um
mesmo pensamento e em um mesmo parecer.”

“a sinagoga de Satanás.” (2.9)

O termo grego συναγωγή / sunagógé / Definição: uma assembleia, congregação,


sinagoga, seja o “lugar” ou as “pessoas reunidas” era uma local geralmente na porta das sinagogas
onde certos insatisfeitos se reunião ou nas palavras de Paulo “os carnais”.

Analisando o artigo definido (ὁ) ou ( rô) indica de se referindo a grego Σατανᾶς / Satanas / um
adversário como líder da reunião. Percebemos que a presença e atividade do inimigo eram muito
ampla contra a igreja ao ponto de Satanás estalar um trono na cidade.

Na cidade de Esmirna existia um monte totalmente dedicado a idolatria onde havia o templo
dedicado a deusa romana e um templo ao culto do imperador de Roma, neste local de negrume
das idolatrias e prostituições as praticas ocultistas dominavam, por isto era identificados pelos
santos como a “sinagoga de satanás”

-A verdadeira natureza das reuniões.

A expressão sinagoga de Satanás revelavam verdadeira natureza das reuniões judaicas


que por arrogância reivindicava-o o titulo de assemblais dos justo para sua reuniões mais na
concepção de Deus era onde satanás estava. Atualmente comtemplamos muitos “cultos”
dissimulados que sobre a veemência de adora a Deus tem com proposta real a pratica de show,
palanques políticos, culto a vaidade, centros de incentivo a busca de riquezas que podem ser tudo
mesmo a casa de Deus.
Os da sinagoga de satanás tem sua origem de fé e crença no diabo, em João 8:44 diz:” Vós
tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o
princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira,
fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.”
Em 1 João 3:8 diz:” Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio.
Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo.”

Apocalipse 2:10 “ Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de
vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e
dar-te-ei a coroa da vida.”

“Nada temas” (2.10)

O termo grego φοβοῦ / phobu / Definição: Eu não tenho medo, encontra-se no tempo verbal do
aoristo que tem o pensamento de “não termo medo futuro,” confiar no presente por está seguro do
futuro, por consequente tendo o mesmo sentido no hebraico ‫י ֵָרא‬v./ yare' expressão ocorre na bíblia
68 vezes na bíblia tratando-se algumas de caráter especial em ambos os Testamentos. O mesmo
sentido do termo aplicado em:

 No Antigo Testamento:

Gênesis 15,1 - Depois destas coisas veio a palavra do Senhor a Abrão em visão, dizendo: Não
temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão.

Deuteronômio 1,21 - Eis aqui o Senhor teu Deus tem posto esta terra diante de ti; sobe, toma
posse dela, como te falou o Senhor Deus de teus pais; não temas, e não te assustes.

Proverbios 3,25 - Não temas o pavor repentino, nem a investida dos perversos quando vier

 No Novo testamento.

Lucas 1,13 - Mas o anjo lhe disse: Zacarias, não temas, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel,
tua mulher, dará à luz um filho, e lhe porás o nome de João.

Atos 18,9 - E disse o Senhor em visão a Paulo: Não temas, mas fala, e não te cales;

Apocalipse 1,17 - E eu, quando vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra,
dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último;

Diante dos judeus raivoso, de Roma com terrível ódio e Judeus incrédulos da sinagoga de
satanás Cristo alerta não “temas” ou seja Deus está no controle de todo e tem proposito para tudo
(Lc 22.31; Tg 1.2-4; 1Pe 1.7).
Leiamos o texto da vitória de 1 Pe 3.13-18 diz: 13 Quem há de maltratá-los, se vocês forem
zelosos na prática do bem? 14 Todavia, mesmo que venham a sofrer porque praticam a justiça,
vocês serão felizes. “Não temam aquilo que eles temem, não fiquem amedrontados.” 15Antes,
santifiquem Cristo como Senhor em seu coração. Estejam sempre preparados para responder a
qualquer pessoa que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês. 16 Contudo, façam isso
com mansidão e respeito, conservando boa consciência, de forma que os que falam maldosamente
contra o bom procedimento de vocês, porque estão em Cristo, fiquem envergonhados de suas
calúnias. 17 É melhor sofrer por fazer o bem, se for da vontade de Deus, do que por fazer o
mal. 18 Pois também Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o justo pelos injustos, para
conduzir- nos a Deus. Ele foi morto no corpo, mas vivificado pelo Espírito,

“lançará alguns de vós na prisão” (2.10)

O termo grego βάλλειν / balleion / s906 / definição: eu coloco ou permito que coloque deixa
em um local. Indica de forma clara que o destinos dos santos está sendo guiado pela potente mão
de Deus, a final Deus tem poder par nos livra da prisão, assim com fez com José (Gn 39.20-23),
Jeremias (Jr 37.1–40.6), e Paulo (At 8.3; 22.4; 26.10), poderia fazer com sua igreja, mais era na
prisão que residia o púlpito da igreja de Esmirna em Atos 28:31 diz: “Pregando o reino de Deus, e
ensinando com toda a liberdade as coisas pertencentes ao Senhor Jesus Cristo, sem impedimento
algum.”

“ para que sejais tentados;” (2.10)

O termo grego πειράζω / peiorazô / Definição: Eu tento, provoco, teste ou tentação onde
ambos se aplicam simultaneamente como instrumento de purificação da fé em Cristo, a gramatica
expõe um sentido na expressão que revela a origem da tentação encontrando-se de dentro do
indevido tentado é não externo. Consequentemente a decisão de ser fiel até a morte era uma luta
interior travada de modo pessoal por cada membro da igreja.

- Por que Deus permitir que sua igreja passe provações?

O fato de sermos cristões não nós torna imunes as provações da vida, portanto Deus nós
ama sendo que este amor é o que faz passar pelas provações, tentações, tribulações,
perseguições, dor, sofrimentos, é até a morte, mais sempre sabendo que o resultado será para
nosso bem maior, conforme: Romanos 8:28 que diz: “ E sabemos que todas as coisas contribuem
juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu
propósito.”

O propósito final é crescemos mais como a imagem de seu filho (Romanos 8:29), uma vez
que separados para este propósito viveremos uma vida de santificação nos tronaremos como
“ouro” provado para o Senhor (1 Pedro 1:6-7).
A provação desenvolver no santo um caráter cristão é nos faz sentir o amor de Deus em
nossas vidas (Romanos 5:3-5), por sequência sentimos a provisão de Deus por nós em tudo (
Filipenses 4:13 ) gerando livramento estabelece uma rota de vitória. Conforme 1 Coríntios 10:13
diz: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar
acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar.”

A tentação consistia em permanecer fiel diante de tantas lutas ou perseguições que sempre
foram um instrumento de provações, nas Escrituras encontramos varias perseguições que viverão
sobre os santos:

 A perseguição de Israel no Egito: Êx 1.1-22


 A perseguição de Israel no deserto: Êx 17.8-16
 A perseguição de Israel no Império Persa: Et 3.1-15
 A Igreja é perseguida em Jerusalém: At 8.1-3
 A Igreja é perseguida no mundo romano: Ap 2.8-11
 A Igreja será perseguida no final dos tempos: Ap 7.9-17

“Eis que o diabo” (2.10)

A presença do inimigo das nossas almas é muito real e constante o termo “diabo” em grego
διάβολος / diabolos / s1228 / Definição: difamar, um falso acusador, em hebraico ‫ ָׂשטַ ן‬/ satan
/s7853/ que é “Inimigo de Deus”

O termo nós deixa o alerta da sua presença, ao ponto de ser citado no Livro de Apocalipse
85 vezes e 5 vezes diretamente relacionada a Igreja, isto é, um grande alerta que suas atividades
são constantes e intensas contra a Igreja de Cristo. Ele também é chamado de Satanás em ( Zc
3.1) ( que significa adversário e opositor), além de vários outros nomes e títulos que revelam sua
natureza. A própria palavra diabo significa caluniador, difamador e acusador (Ap 12.9-10) conforme
constamos no original (s1228).

Quando o texto de Apocalipse cita a presença do diabo em relação a igreja está revelando
que sua existência como um ser espiritual, pessoal e extremamente forte na sua natureza maligna
e opositor de Deus (Mt 13.29), cujo objetivo é ser homicida, pai da mentira ( Jo 8.44).

O diabo é príncipe dos demônios (MC 3.22-23) logo sua presença ligada a Igreja também
revela que os demônios estão atuantes contra a Igreja de Cristo.

A igreja de Cristo está por Deus preparada para enfrentar o diabo, em Efésios 6:11 diz: ”
Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas
do diabo.”

A presença de Cristo no meio dos candeeiros ou igrejas é certeza que as obras do diabo
serão desfeitas , em 1 João 3:8 diz: “Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca
desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo.”
“lançará alguns de vós na prisão,” (2.10)

A prisão da igreja de Esmirna era resultado da perseguição promovida pelo imperador na


alegação de serem traidores do Estado e pelos falsos judeus incrédulos na acusação de não fazerem
parte da aliança da promessa de Deus. Todavia a verdadeira natureza destas acusações são
caraterizadas na sua verdadeira fonte que é o diabo ( o falso acusador ) e pai da mentira, assim eram
dias de intensa perseguição para a igreja como de fato continua sendo atualmente em varias partes do
mundo.
- A sala da morte.

O termo prisão em grego φυλακή / phulaké / s5438 / definição: guarda, prisão, prisão de
frente o que era uma indicação a um local da prisão, comumente chamando de sala da morte que
era uma pequena área que fica muito próxima da arena, cujo objetivo era que os presos
comtemplasse a morte dos condenados na arena. O que sem sombra de duvidas tenha como
estratégia fazem alguém preso a mudar de opinião como medo da morte iminente.

- O genocídio dos santos.

Segundo os historiados em Roma existem varias catacumbas de cristões, sendo que em


uma destas foram encontrados ósseos de cento e setenta e quatro mil cristãos aproximadamente.

O julgamento de Roma era feito em nome da lei mais que tipo de lei?! Roma estava julgado
de forma falsa a vida dos cristões e sua praticas santas, atualmente vejo tribunais em nome da lei
decidirem questões sobre aborto, oração, ensino nas escolas e as chamadas praticais sociais não
será este um prelúdio a volta de velhas praticas de perseguição de Roma ?

“e tereis uma tribulação de dez dias” (2.10 )

Na expressão “dez dias ” encontramos logicamente o número “dez” em grego δέκα / deka
/s1176/ tem o sentido simbólico da “totalidade na provação humana” sempre referindo-se provação,
resistência, avaliação do homem. No campo histórico e profético as perseguições desencadeadas
pelo imperador Diocleciano perduraram dez anos (cf. Nm 14.34 e Ez 4.6). Em Daniel 1:14 diz: ”E
ele consentiu isto, e os experimentou dez dias.” Portanto 10 é numero da provação pela totalidade.

Temos vários exemplos nas Escrituras da aplicabilidade simbólica do número dez:

 Rebeca foi escolhida pelo mordomo de Abraão que representa o Espírito Santo para viver
uma grande promessa mais antes deveria passa dez dias na casa de seus pais na finalidade
de ser avaliada se era digna da promessa,( Gênesis 24:55 “ Então disseram seu irmão e sua
mãe: Fique a donzela conosco alguns dias, ou pelo menos dez dias, depois irá.)
semelhantemente hoje somos provados nesta terra na finalidade de sermos dignos dos
céus. (leia: Gn.24.54-60 ).

 Jaco. Aquele cujo o nome significa “ suplantador” era um homem totalmente de caráter
deformando todavia Deus o peneiro na provação na finalidade de transformar seu caráter
pagando tais machas de sua personalidade é no deserto recresceu sua historia, porém
antes foi enganado provando do seu veneno por dez pelo seu seu tio Labão. Em Gênesis
31:7 “ Mas vosso pai me enganou e mudou o salário dez vezes; porém Deus não lhe
permitiu que me fizesse mal.
 José. Era um homem totalmente integro perante Deus mais os dez irmãos (Gênesis 42:13 “
E eles disseram: Nós, teus servos, somos doze irmãos, filhos de um homem na terra de
Canaã; e eis que o mais novo está com nosso pai hoje; mas um já não existe.”) o trairão e
levarão a José a sofrer varias e grandes provações ao longo da sua vida com tudo foi fiel e
recebeu de Deus toda a honra (leia Gn 46.6).

 Noemi. Se a fasta de Deus para terras estranhas é passa uma provação de dez anos onde
perde seu esposo Elimeleque ( Rt 1.2) e seus filhos se misturam com mulheres
estranhas ( Rt1.4) mais morreram também e Noemi fico sozinha (Rt.1.5), depois de dez anos
de prova em terras estranhas decidir volta para Deus ( Rt.1.7 ) é por isto Deus lhe
abençoou.

 Daniel. Fez uma proposta de dez dias de Jejum para não se contaminar com coisas
estranhas em Daniel 1:8 diz: “ E Daniel propôs no seu coração não se contaminar com a
porção das iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto pediu ao chefe dos
eunucos que lhe permitisse não se contaminar.” Em período de dez dias citados em Daniel
1:12 “Experimenta, peço-te, os teus servos dez dias, e que se nos dêem legumes a comer,
e água a beber.”

 A lei. Vinda de Deus foi entregue a Moises depois de 40 dias de jejum como conceito da
vontade de Deus para provar o caráter e nos santificar em dez palavras sua vontade foi
revelada em Êxodo 34:28 diz: “E esteve ali com o Senhor quarenta dias e quarenta noites;
não comeu pão, nem bebeu água, e escreveu nas tábuas as palavras da aliança, os dez
mandamentos.”

As dez bases do templo. O templo de Jerusalém é símbolo do homem que é templo do


Espírito Santo na terra é portanto sempre provado e avaliador por Deus. No templo tenha:

Dez bases conforme: 1 Reis 7:37 diz:” Conforme a esta fez as dez bases; todas tinham
uma mesma fundição, uma mesma medida, e um mesmo entalhe.” Que fala da provação da
fé.

Dez bacias: 1 Reis 7:38 diz: “Também fez dez pias de cobre; em cada pia cabiam quarenta
batos, e cada pia era de quatro côvados, e sobre cada uma das dez bases estava uma pia.”
Que fala da provação da nossa fidelidade a salvação em Cristo com sacrifício santo e vivo a
Deis ( 2 Cr. 4.6).

Dez candelabros: 2 Crônicas 4:7 diz:” Fez também dez castiçais de ouro, segundo a sua
forma, e pô-los no templo, cinco à direita, e cinco à esquerda.” Para cada transgressão da lei
de Deus prevista no decálogo ( Êx.20) Deus promoveu um uma luz para nos liberta das
trevas e fogo do Espírito Santo para nos purificar e sermos santos ligados a base do
candelabro que é Cristo.

Dez mesas: 2 Crônicas 4:8 diz: “Também fez dez mesas, e pô-las no templo, cinco à direita
e cinco à esquerda; também fez cem bacias de ouro.” Nas mesas eram servidos os pães
que são símbolos da palavra de Deus, logo para cada mandamento citado na lei de Deus
temos uma palavra de Deus colocada na mesa para nosso alimento espiritual e restaurador.
A besta: A besta do Apocalipse que é o Anticristo e seus sistema que colocará a prova
todos os seres diante do período da Grande Tribulação terá dez chifres que reinos que
provaram o mundo com guerra, fome, pestes e mortes. Vejamos:

Em Daniel 7:20 diz: “ E também a respeito dos dez chifres que tinha na cabeça, e do
outro que subiu, e diante do qual caíram três, isto é, daquele que tinha olhos, e uma boca
que falava grandes coisas, e cujo parecer era mais robusto do que o dos seus
companheiros.”

Em Apocalipse 17:12 diz:” E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não
receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta.”

As dez virgens. A mensagem das dez virgens citadas em Mateus 25:1 que diz: “Então o
reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao
encontro do esposo.” É uma alerta para a Igreja ficar preparada para o arrebatamento ou
encontro com o noivo. Sabendo que a igreja é simbolizada pelas dez virgens que passará
pela provação e que somente cinco permanecerão féis devemos tomar cuida para que os
dez dias da nossa provação na prisão permanecemos féis ao Senhor. Em Hebreus 12:1 diz:”
Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de
testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e
corramos com paciência a carreira que nos está proposta,”

 Historicamente.

Os “dez” podem indicar as dez grandes perseguições podem ser relacionadas desta forma:

1) Sob Nero: 64-68 d. C.


2) Sob Dominiciano: 68-96 d. C.
3) Sob Trajano: 104-117 d. C.
4) Sob Aurélio: 161-180 d. C.
5) Sob Severo: 200-211 d. C.
6) Sob Máximo: 235-237 d. C.
7) Sob Décio: 250-253 d. C.
8) Sob Valeriano: 257-260 d. C.
9) Sob Aureliano: 270-275 d. C.
10) Sob Diocleciano: 303-312 d. C.

Durante esse tempo, a matança de cristãos foi tremenda. No campo profético as


perseguições desencadeadas por Diocleciano perduraram dez anos (cf. Nm 14.34 e Ez 4.6).
“Sê fiel até à morte” (2.10)

Devemos ser fieis por nosso Deus uma vez que Ele sempre é fiel para com sua igreja.
Leiamos:

Deuteronômio 7,9: Saberás, pois, que o SENHOR teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel, que
guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e guardam os seus
mandamentos.

Salmos 31,5: Nas tuas mãos encomendo o meu espírito; tu me redimiste, Senhor Deus fiel.

Isaías 49,7: Assim diz o Senhor, o Redentor de Israel, o seu Santo, à alma desprezada, ao
que a nação abomina, ao servo dos que dominam: Os reis o verão, e se levantarão, como
também os príncipes, e eles diante de ti se inclinarão, por amor do Senhor, que é fiel, e do
Santo de Israel, que te escolheu.

Isaías 65,16: Assim que aquele que se bendisser na terra, se bendirá no Deus fiel; e aquele
que jurar na terra, jurará pelo Deus fiel; porque já estão esquecidas as angústias passadas,
e estão escondidas dos meus olhos.

1Coríntios 1,9: Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho
Jesus Cristo nosso Senhor.

1Coríntios 10,13: Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não
vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para
que a possais suportar.

2Corinthians 1,18: Antes, como Deus é fiel, a nossa palavra para convosco não foi sim e
não.

1Tessalonicenses 5,24: Fiel é o que vos chama, o qual também o fará.

2Tessalonicenses 3,3: Mas fiel é o SENHOR, que vos confirmará, e guardará do maligno.

2Timóteo 2,13: Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo.

1João 1,9: Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os
pecados, e nos purificar de toda a injustiça.

Apocalipse 1,5: E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre
os mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou
dos nossos pecados

A palavra fidelidade também é empregada em relação a Deus, como por exemplo, em


Romanos 3:3. Nessa passagem, Paulo escreveu sobre a “fidelidade de Deus” que não pode ser
anulada pela infidelidade humana, expressando assim a própria justiça de Deus, ou seja, a
fidelidade de Deus é um conforto para os fiéis ao mesmo tempo em que é ruína para os infiéis,
porque assim como Deus é fiel a suas promessas, Ele também é fiel aos seus avisos de juízo.
Dessa forma, podemos entender que a fidelidade é um dos atributos morais de Deus, de modo
que tudo que provém dele é verdadeiro e infalivelmente confiável (Hb 10:23). A fidelidade como
uma qualidade de Deus está também ligada a outro de seus atributos: a imutabilidade. Deus é
imutável, ou seja, Ele é sempre o mesmo (Ml 3:6; Hb 13:8). Conforme Tiago escreveu, em
Deus “não pode existir variação, ou sombra de mudança” (Tg 1:17).
Deus não muda seu ser, seus propósitos eternos, sua palavra e suas promessas (Nm
23:19; Sl 102:26,27). No Antigo Testamento, por exemplo, encontramos passagens onde Deus é
chamado de “Rocha”, uma expressão metafórica para se referir ao caráter inabalável de Deus (Dt
32:4,15,18). Como Deus é imutável, sua fidelidade nos encoraja e nos conforta, de modo que
sempre podemos confiar que suas promessas nunca falharão, e que sua aliança é inviolável (Dt
7:9; Ml 3:16; 2Tm 2:13). A imutabilidade de Deus é um de seus atributos incomunicáveis, ou seja,
um atributo que Ele não compartilha ou transmite a ninguém, mas a fidelidade como uma qualidade
do caráter divino pode ser refletida na conduta daqueles que são guiados pelo Espírito, não por
seus próprios méritos, mas porque o Espírito Santo produz neles a virtude da fidelidade (Gl 5:22).

-Analisando o termo fidelidade./fieis

A palavra fieis (sem acento) é uma conjugação do verbo fiar (que vós fieis – segunda pessoa
do plural do presente do subjetivo) cujo a ideia central no português e fazer o verídico.

No Antigo Testamento a palavra fidelidade é tem a tradução do termo hebraico ‘emunah,


que significa “certeza” ou “fidelidade”, como por exemplo, conforme foi utilizado pelo profeta
Habacuque em seu livro (Hc 2:4). No Novo Testamento a palavra fidelidade traduz o
termo grego pistis, “fidelidade”, “lealdade” ou “confiabilidade”, em Tito 2:10. Essa palavra grega é
amplamente utilizada pelos escritores neotestamentários, e na maioria das vezes é traduzida
corretamente como “fé”, e o adjetivo pistos geralmente é traduzido como “fiel”. O plural de fiel é
fiéis (com acento). ]

O termo grego πιστός / pistos/s4103 / definição: confiável, fiel, acreditando é tem o


significado de assumir a responsabilidade de ser obediente de forma voluntaria é assumir uma alto
determinação em ser obediente a outro sem qualquer motivação externa além da interna da
decisão de obediente plenamente.
 Fiel é aquele que age com fidelidade e que cumpre às suas promessas.
 Fiel é aquele que não muda seu comportamento, que é firme, constante e perseverante.
 Fiel é aquele que voluntariamente se entrega a cumprir sua decisão sem servir ao outro (ou
Deus).

A expressão “fiel” ou fidelidade era bem compreendida na cidade de Esmirna era


considerada por Roma a cidade mais fiel ao império ao ponto de ser de receber o status de “a mais
fiel e antiga cidade de Roma,” na cidade dois templos foram construídos como símbolos da
fidelidade a Roma sendo o primeiro a deus de Roma e segundo ao imperador Tibério como templo
de seu espirito divino, portanto a mais fiel cidade de Roma sucumbi-o diante da fé e fidelidade a
Cristo. Não seria este o privilegio dos santos explicado em Filipenses 1:29 que diz: “ Porque a vós
vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele,”

Neste cenário de tanta idolatria a Roma. Nosso Cristo mostra através de seus servos fieis
até a morte qual o verdadeiro sentido da fidelidade e alvo da fé do homem, para estes mártires a
morte apenas era mais uma prova antes da vitória total em Cristo.

O fim desta perseguição, para alguns, poderia ser a própria morte. Mesmo assim, deveriam
ser fiéis. Às vezes, arrumamos qualquer desculpa para não fazer algo que Deus pede. Mas nada,
nem a nossa própria vida, deve ser mais importante do que a nossa fidelidade a Deus.
A palavra entregue ao profeta Daniel no livro de Daniel 12:13 “Tu, porém, vai até ao fim;
porque descansarás, e te levantarás na tua herança, no fim dos dias.” Tem ressonância na Igreja
de Cristo e na sua pratica de fidelidade. “ Essa é ordem do Senhor de ir em frente. Em Hebreus
12:2 diz:” Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava
proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.”

Em mundo onde os pais quebram os votos de criar seus filhos na palavra, os cônjuges na
promessa de ser fiel até a separação pela morte, os membros da igreja em seguir a doutrina de
cristo na ocasião do batismo em águas veem um exemplo inspirador de Igreja que mesmo em
mundo totalmente adverso recebe o selo de fidelidade do Senhor.

Historicamente: Sabemos que a morte em Esmirna era um destino real a todos aqueles que
não aceitavam cultuar a Roma e seus falsos deuses, por exemplo em um vez nos montes Pagos
foram lançados a morte 1200 cristões dias depois mais 800 cristões foram executados era tantas
as pessoas que seus corpos foram deixados sem enterra.

“até à morte” (2.10)

Quando Cristo disse “até” este está falando que “estou no controle da situação.” Neuma
sofrimento pode vós atingir sem minha permissão, e nada além do limite proposto por Ele . O termo
grego Partχρι /ratchoi/s981/ definição: até: com o sentido de limite de duração, determina três
verdade essências sobre a situação em foco:

 Primeira: ação proposta é certa, ou seja, o sofrimento vira.


 Segundo: ação proposta será limitada, ou seja não vamos sofrer foram do controle de Deus.
 Terceiro: ação proposta será breve, ou seja nada além do que suportamos.
 Quarto: ação proposta tem um limite ou termino já estabelecido.

Como é confortante saber que nada pode nos atingir sem a permissão de Deus que tudo
está controla ou “até” (Partχρι /ratchoi) seja na permissão, a intensidade, temporalidade, sentido e
limite todo no controle de Deus, por ventura não foi isto que correu com nosso irmão Jó?!
“e dar-te-ei a coroa da vida.” (2.10)

A coroa da vida é uma das coras celestiais preparadas para os santos como galardão de
Cristo para sua igreja. O termo coroa em grego é στέφανος / stéfhanos / que é coroa de vitória. O
outro termo para coroa é no grego διάδημα / diadéma / propriamente uma coroa real. Sendo que
a coroa é dada aqueles que cumprirem sua missão é permanecerem fiel até o fim, portanto os
galardões são melhor define como estas coroas concedidas.
A preposição “de” indica a qualidade do material ou seja a natureza é revelada pelo
material, por exemplo: o termo “de” logo “justiça” indica da justiça divina.
No Tribunal de Cristo a obra de cada será avaliada e após avalição as obras os aprovados
receberão os galardões entre este está a cora da vida (Tiago.1.12) e demais coroas:
 A Coroa Incorruptível - (1 Coríntios 9:24-25)
 A coroa da justiça (2 Timóteo 4:8).
 A coroa de alegria (1 Tessalonicenses 2:19).
 A Coroa de glória (1 Pedro.5:4).
 A herança incorruptível (1 Pedro 1:3-5).

Apocalipse 2:11 “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não
receberá o dano da segunda morte.”

“Quem tem ouvidos, ouça” (2.11)

O termo grego ἀκούω / akouó /s191 / Definição: ouço, compreendo ouvindo tem o sentido
de chamar para ouvir. Tal expressão central uma chamada de alerta de Cristo aos destinatários
das cartas, é mais uma vez somos convocados a estamos sensíveis e atentos a voz de Deus.
Como anda teu ouvido? Qual a direção que ele esta?. A expressão idiomática “Quem tem
ouvidos, ouça” era de fácil entendimento para os cristões da igreja da época pois era a frase que o
mensageiro do rei quando iria fazer um anuncio real na praça usa como prelúdio para convocar a
atenção de todos para a palavra do rei.

“o que o Espírito diz às igrejas:” (2.11)

O Espírito Santo foi é eternamente o único mensageiro confie de transmitir a mensagem


perfeita de Deus a sua igreja, por tanto em caso de duvida ou deixo de saber mais das escrituras
busque a fonte inesgotável de Deus o Espírito Santo que tem uma mensagem divina para nossa
vida no Salmos 81:8 diz:” Ouve-me, povo meu, e eu te atestarei: Ah, Israel, se me ouvires!”

“O que vencer” (2.11)

O verbo grego νικάω / nikaó /s3528/ Definição: Eu conquisto, sou vitorioso, supero, venço,
subjugo é traz o pensamento da “certeza é objetiva” ao afirma aqueles que permanecem fiéis
diante das perseguições são vencedores com Cristo, por isto o verbo em uma batalha é não ser
ferido mortalmente ou seja vencer a morte (gramatica de K. Wuest).
O mesmo sentido corre em:

 1 Jo 5.5. “Quem é quem vence o mundo,” (δὲ ὁ νικῶν τὸν κόσμον ).


 Ap.2.26 “Aquele que vencer, e quem guarda a” (Καὶ ὁ νικῶν καὶ ὁ ).
 Ap.3.5 “Aquele que vencer será assim vestido” (νικῶν οὕτως περιβαλεῖται )

A perspectiva da igreja de Esmirna não era serem candidatos à morte mais a vitória de vida
eterna uma vez que antes do céu vem a cruz (Lucas 14:27) não foi assim com nosso Senhor
(Filipenses 2:8) é porventura os servos são maiores que seu Senhor?, a final a cruz a grande
pergunta “ o que nos separa do amor de Deus?”( 1 Co.13.1-13). Leia os textos a seguir:

Em Lucas 14:27 diz: ”E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode
ser meu” discípulo.”

Em Filipenses 2:8 diz: “E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo
obediente até à morte, e morte de cruz.”

A fé consistir na disposição de enfrenta a cruz a qualquer momento, o que citado em


Provérbios 24:33 que diz:” Um pouco a dormir, um pouco a cochilar; outro pouco deitado de mãos
cruzadas, para dormir,” ou seja até dormindo devemos está dispostos a ser fiel até a morte.

“O que vencer não receberá o dano da segunda morte.” (2.11)

Para cada momento e destino da nossa vida termos uma promessa de Deus para nós, a
exemplo da Igreja de Éfeso Cristo se apresenta como Aquele que tem as sete igrejas na destra
(Ap.1.20;2.1) na perseguida da igreja de Esmirna se apresenta como aquele que pode os livra da
segunda morte.

Analisando a expressão encontramos os termos:

Primeiro: O termo “não” em gr. μὴ /Mê/ não absolto o qeu indica que ação vem não poderá
ocorre isto se referindo-se a segunda morte.

Segundo: O termo gr; ἀδικηθῇ / adikêthê/ sofrerá dano tem o sentido de um dano terrível é
permanente pela ação que se guir ou seja por efeito e causa da segunda morte. Todavia o cristão não
poderá sofre tal dano.

Terceiro: O termo ἐκ / ek/ é uma preposição que indica colocar fora, retira totalmente,
efetuar um grande afastamento, logo o cristão será plenamente livre ou afastado da segunda
morte.

O vencedor sendo fiel até o fim não sofreria o castigo eterno (Ap. 20:6,14; 21:8). Os
perseguidores poderiam até causar a primeira morte, mas os fiéis não sofrerão a segunda morte (
Mateus 10:28) os quais são citados em Apocalipse 21:8 diz:” Mas, quanto aos tímidos, e aos
incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos
idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a
segunda morte.”

A Segunda morte tem um local certo para sua existência que é o “lago de fogo” onde a
existência dos condenados serão eternamente em:

 Em um "fogo que nunca se apaga" (Mc 9.43).


 Nas “cadeias da escuridão" (2 Pe 2.4).
 Na "fornalha de fogo" (Mt 13.42,50).
 Na “angústia" (Rm 2.9).
 No "pranto e ranger de dentes" (Mt 22.13; 25.30).
 Pelo sofrimento da “eterna perdição" (2 Ts 1.9).
 No “tormento eterno" (Mt 25.46).
 Em um “ardente lago de fogo e de enxofre" (19.20)
 Por toda a eternidade "a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não
têm repouso, nem de dia nem de noite" (14.11).
 Realmente, "horrenda coisa é cair nas mãos de DEUS vivo" (Hb 10.31);

Diante da compreensão que temos como Igreja sobre os terríveis destinos dos pecadores é
o sofrimento eterno da segunda morte, somos desafiados a pregar com amor o evangelho de
Cristo salva a humanidade de tão terrível destino.