Você está na página 1de 99

JULIANA CARVALHO FERREIRA

Avaliação da mecânica do sistema respiratório

através da obtenção de curva PV em pacientes

com pneumonia intersticial idiopática

Tese apresentada à Faculdade de Medicina da


Universidade de São Paulo para obtenção do título de
Doutor em Ciências

Área de concentração: Pneumologia

Orientador: Prof. Dr. Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho

São Paulo
2008
DEDICATÓRIA
Esta tese de doutorado é dedicada ao meu primeiro paciente,

“seu” Manoel, que veio de Alagoas para se tratar no Hospital das

Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São

Paulo, e depositou em mim, na época acadêmica do quarto ano,

e nos médicos do HC, uma confiança ilimitada, sempre se

dizendo “feliz, sastifeito e contente”. E a todos os pacientes que

como ele procuram o HC e põem suas vidas em nossas mãos

todos os dias. Que esta e outras teses possam ajudar a

compreender e tratar melhor os nossos pacientes.


AGRADECIMENTOS
Tive a sorte de ter crescido e me formado cercada de pessoas muito
especiais, sem as quais esta tese nunca teria sido feita ou escrita.
Agradeço primeiro aos meus padrinhos: minha avó paterna Lila e meu
avô materno Magalha, duas pessoas muito diferentes mas igualmente
extraordinárias, batalhadoras, autodidatas, que lutaram muito pra que meus
pais pudessem ter mais oportunidades do que eles tiveram, e que são a
base do que minha família é hoje.
À Téia e ao Tonico, meus pais, por tudo: por agüentarem minha
boemia desde pequena, por terem me criado numa atmosfera de
honestidade e cheia de bons exemplos, por me apoiarem nas minhas
escolhas, e principalmente por terem me proporcionado uma infância feliz.
Pai, obrigada por ter insistido nas aulas de inglês, mas também ter
concordado com as aulas de saxofone no ano do cursinho. Mãe, obrigada
por aturar (e responder) minhas perguntas sobre o Big Bang tarde da noite,
minhas opiniões sobre tudo, pelos livros que você sempre me dava pra ler, e
pelo primeiro CD de jazz que ganhei. Também agradeço à Marina, mulher
do Tonico, pela paciência e carinho com que nos tratou todos esse anos e
pelo apoio que sempre me deu. Às minhas irmãs Fernanda, Laura e Luisa,
por terem partilhado tudo isso, e até sido vítimas de minhas primeiras
experiências científicas. E a toda a minha família, pois eu não poderia ter
tido mais sorte: vocês são incríveis, uma verdadeira Equipe.
Na Faculdade de medicina da USP, encontrei Professores cuja
influência foi marcante, que sempre me incentivaram e inspiraram a querer
um dia ser também pesquisadora. Meus agradecimentos especiais aos
Professores Paulo Lotufo e Isabela Benseñor, que me ensinaram clínica
médica, e me mostraram as maravilhas de Boston pela primeira vez, ao
Professor Paulo Saldiva, por ter me recebido na Harvard School of Public
Health em 2001 e me apresentado um mundo novo, aos Professores Milton
de Arruda Martins e Patrô, pela maneira incrível com que ensinam e formam
clínicos gerais e com que o Departamento de Clínica Médica influencia os
alunos da FMUSP.
No Departamento de Pneumologia, agradeço ao Professor Francisco
Vargas pelas oportunidades e apoio quando decidi fazer o Doutorado
“Sanduíche”, e aos Professores Alberto Cukier, Lisete Teixeira e Mário
Terra, que se tornaram também amigos. À Dra. Teresa (Doc) por ter me
ensinado tanta coisa e por pilotar a enfermaria com a sabedoria Oriental e o
bom humor Ocidental.
Agradeço também pela ajuda que recebi dos anestesistas do HC, em
especial a Rita, Paula e Fábio Benseñor. E aos residentes de UTI Ricardo e
Ivana, que algumas vezes foram comigo ao centro cirúrgico e ajudaram na
captura das curvas PV.
Meu enorme Obrigado aos pacientes que concordaram a participar
desse estudo, sem eles nada disso teria sido possível.
Agradeço ao apoio dado pela CAPES para que eu pudesse fazer o
estágio de Doutorado “Sanduíche” em Boston, onde convivi com pessoas
especiais. Ao Prof. Bob Kacmarek, por ter me ensinado tanto sobre
ventilação mecânica, por ter confiado em mim e me dado a liberdade de
conduzir 3 projetos mesmo com meus horários pouco ortodoxos e por me
ensinar a escrever papers. Aos colegas de laboratório Mohamed e Yafen,
pela companhia e por proporcionarem boas risadas, e principalmente à
querida Maria Paula, pelas dicas de irmã mais velha, os cafés da tarde, a
conversa divertida, e por ser essa pessoa maravilhosa e cativante,
representando tão bem o Brasil no exterior. Também agradeço aos queridos
Rogério e Ninive pelo apoio, companheirismo, e amizade, por estarem
sempre presentes nos momentos importantes, de mochila nas costas no
Grand Canyon ou copo na mão no Dugout. E ao Arnab, pelas eternas
discussões sobre curva PV que começavam com café e terminavam em
cerveja.
Também tive muita sorte em ter complementado minha formação
como pneumologista na UTI-Respiratória, pois não conheço nenhum lugar
melhor no mundo para aprender e trabalhar. Me sinto honrada de participar
do time “júnior” da UTI pneumo , e ter convivido nos últimos 5 anos com
pesquisadores de alto nível e pessoas tão incríveis, sempre dispostas a
discutir um caso, um protocolo, ajudar com um bug do Labview, com bom
humor e espírito de equipe. Obrigada a todos, sem exceção, mas em
especial à Carmen, nossa secretária, por tudo, à Janaína, pela amizade e
companheirismo, à Valdelis, pelo exemplo e por ter me levado ao MECOR,
ao Maurão, pelas mil ajudas com o Labview, ao Schettino e Pedro Caruso,
por me acolherem no Laboratório de Ventilação Mecânica e me ensinarem a
trabalhar com simuladores. Ao Rogério, pela ajuda com as coisas da Pós-
Graduação, pela inspiração da ROJOMAR, e por ser um grande amigo. Ao
João Marcos e Marcelo Jacó, companheiros de doutorado e amigos
queridos, pela ajuda com os dados, e por partilharem de opiniões
irreverentes sobre o papel das pequenas vias aéreas na FPI. Ao Daniel
Deheizelein, por ter me dado a oportunidade de trabalhar na UTI do AC
Camargo, o segundo melhor lugar do mundo pra trabalhar, por sempre
pegar no meu pé pra escrever os papers, e por ser um chefe fora de série.
Também agradeço muito ao Marcelo Amato, por sempre achar um tempo
pra discutir dados, estatística ou simplesmente idéias malucas de projetos
ousados, por fazer do Labview o programa com melhor ajuda on-line que
existe, por sempre incentivar os “juniores” a dar suas opiniões e participarem
ativamente dos projetos de pesquisa da UTI e do LIM, por botar lenha na
fogueira e SEMPRE enxergar alguma coisa interessante e uma maneira de
melhorar qualquer projeto, por ser uma excelente companhia no trabalho e
depois do trabalho, e por ser uma inspiração para todos da UTI pneumo.
Ao Carlos Carvalho, por ter me aberto as portas para a UTI pneumo,
o “Dream Team”, por ter me ensinado terapia intensiva, pneumologia,
radiologia, metodologia científica e fisiologia, por sempre ter me incentivado
em tudo, por agüentar minhas crises existenciais durante a tese, e sempre
me animar quando eu ficava descrente, já que essa palavra não parece
fazer parte do seu dicionário. Obrigada por ser o melhor exemplo que
conheço do que é ser Professor Universitário, por ter feito uma UTI de 4
leitos ser tão grande graças a sua dedicação, seu espírito de equipe e seu
enorme conhecimento. Obrigada por ter me dado asas pra tocar projetos na
UTI, no Laboratório de VM, e por sempre achar que ainda dava pra girar
mais um prato. Por ter me aberto as portas pra dar aulas em outros
Departamentos e outras Universidades, pra ver pacientes em outros
hospitais, onde aprendi muito. Por ter me apoiado incondicionalmente
quando decidi ir pra Boston no meio do meu Doutorado, e por ter acreditado
que eu ia voltar e terminar esta tese. Por ser o responsável pelo clima de
amizade, companheirismo, otimismo e bom humor que domina a UTI. Por
ser um chefe fora de série, para mim e pra todos na UTI Pneumo, fazendo
da UTI o que ela é hoje. Por ser um orientador que orienta de verdade, e por
ter sido tão legal comigo desde que nos conhecemos.
Agradeço a maior sorte de todas, ter conhecido meu marido Adriano
numa ATS há 4 anos. Dri, obrigada por ter me ensinado a usar o Grace pra
fazer os gráficos dessa tese, por ter me ajudado a corrigir o texto, por ter
várias vezes discutido comigo os resultados e seus significados, e por
acreditar nessa idéia e me incentivar a levá-la adiante. Obrigada pela sua
paciência e encorajamento quando eu ficava desanimada com a tese, por
ficar acordado até tarde comigo fazendo gráficos, por sempre me apoiar. E
por ser meu companheiro, meu amigo, meu amor, e por ter me dado a
alegria de ser mãe. Sem você, tudo perderia um pouco da graça. Obrigada
também ao Eduardo, nosso filho, que tem sido tão bonzinho na minha
barriga e que agüentou firme várias madrugadas pra que essa tese ficasse
pronta, e por dividir com esse trabalho as minhas atenções.
SUMÁRIO
SUMÁRIO

Lista de Abreviaturas
Lista de Tabelas
Lista de Figuras
Resumo
Summary
1 INTRODUÇÃO 1
1.1 Pneumonias Intersticiais Idiopáticas 2
1.2 Fibrose Pulmonar Idiopática 3
1.3 Patogênese da Fibrose Pulmonar Idiopática 5
1.4 Acometimento de pequenas vias aéreas na FPI 6
1.5 Curvas Pressão-Volume nas Pneumonias intersticiais fibrosantes 10
2 OBJETIVOS 13
3 MÉTODOS 15
3.1 Aspectos éticos 16
3.2 Pacientes 16
3.3 Equipamentos utilizados 17
3.4 Realização da curva pressão-volume 21
3.5 Análise dos dados 23
4 RESULTADOS 33
4.1 Aspectos clínicos 34
4.2 Curvas Pressão – Volume 39
4.3 Ajuste das curvas com os modelos exponencial e sigmóide 50
4.4 Curvas PV normalizadas 54
5 DISCUSSÃO 58
5.1 Aspectos gerais 59
5.2 Limitações do Estudo 60
5.3 O ajuste sigmóide para curvas PV na FPI 62
5.4 Comprometimento de pequenas vias aéreas na FPI 66
5.5 Normalização das curvas PV 68
6 CONCLUSÕES 69
7 REFERÊNCIAS 71
APÊNDICES
LISTA DE ABREVIATURAS

PII - Pneumonias Intersticiais Idiopáticas


ATS/ERS - American Thoracic Society / European Respiratory Society
FPI - fibrose pulmonar idiopática
UIP - pneumonia intersticial usual
PH - Pneumonite de Hipersensibilidade
NSIP - Pneumonia intersticial não específica
TCAR - tomografia computadorizada de alta resolução
Curvas PV - Curvas Pressão-Volume
SDRA - Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
CRF -Capacidade Residual Funcional
CONEP - Comissão Nacional de Ética em Pesquisa
CAPPesq - Comissão de Ética para Análise de Projetos de Pesquisa do
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São
Paulo
FMUSP - Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
UTI – Unidade de terapia Intensiva
LIM-09 – Laboratório de Investigação Médica -09
PPROX - pressão proximal na via aérea
PES - pressão esofágica
PEEP - pressão expiratória ao final de expiração
CPAP - Positiva Contínua de Vias Aéreas
PFLEX - ponto de inflexão inferior da curva PV
CPT - capacidade pulmonar total
EELV - volume pulmonar expiratório final
VR - volume residual
CV - Capacidade vital
DRGE - Doença do Refluxo Gastro-Esofágico
VEF1% - porcentagem do valor predito para o Volume Expiratório Forçado
no primeiro segundo
CVF% - porcentagem do valor predito para a Capacidade Vital Forçada
CPT% - porcentagem do valor predito para a Capacidade Pulmonar Total
DLCO% - porcentagem do valor predito para a Difusão por Monóxido de
carbono
FIO2 - fração inspirada de oxigênio
IRpA - Insuficiência Respiratória Aguda
LISTA DE TABELAS

Tabela 1. Dados demográficos e diagnóstico histológico dos pacientes

Tabela 2. Dados clínicos dos pacientes

Tabela 3. Dados clínicos e funcionais nos grupos de pacientes

Tabela 4. Parâmetros obtidos com o ajuste exponencial para cada paciente

Tabela 5. Parâmetros obtidos com o ajuste sigmóide para cada paciente


LISTA DE FIGURAS

Figura 1. Esquema de captura de dados


Figura 2. Exemplo do método de identificação da região de interesse para
construção da curva PV.
Figura 3. Cálculo do Ponto de Inflexão Inferior (PFLEX)
Figura 4. Curva Pressão – Volume teórica, ajustada com o modelo sigmóide,
mostrando os parâmetros a,b,c e d
Figura 5. Curva PV inspiratória do paciente 1, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 6. Curva PV inspiratória do paciente 2, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 7. Curva PV inspiratória do paciente 4, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 8. Curva PV inspiratória do paciente 5, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 9. Curva PV inspiratória do paciente 7, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 10. Curva PV inspiratória do paciente 8, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 11. Curva PV inspiratória do paciente 9, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 12. Curva PV inspiratória do paciente 10, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 13. Curva PV inspiratória do paciente 11, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 14. Curva PV inspiratória do paciente 12, ajustada para os modelos
exponencial e sigmóide.
Figura 15. Curva PV normalizada para todos os pacientes, ajustada para o
modelos sigmóide.
Figura 16. Curva PV normalizada para os pacientes com FPI, ajustada para
o modelo sigmóide.
Figura 17. Curva PV normalizada para os pacientes com PH, ajustada para o
modelo sigmóide.
Ferreira, JC. Avaliação da mecânica do sistema respiratório através da

obtenção de curva PV em pacientes com pneumonia intersticial

idiopática [tese]. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de

São Paulo; 2008.

O objetivo desse estudo foi avaliar o comprometimento de pequenas vias

aéreas na Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI) analisando curvas Pressão-

Volume (PV) do sistema respiratório. Coletamos curvas PV de doze

pacientes antes da biopsia pulmonar, que confirmou FPI em sete pacientes

e Pneumonite de Hipersensibilidade em cinco. Todas as curvas foram

ajustadas com modelo sigmóide, V = a + b / (1 + e -(P-c/d)), e exponencial

V = A – B . e -k.P (aplicado apenas à parte superior). O modelo exponencial,

apesar do bom ajuste à parte superior, não representou a parte inicial da

curva, gerando parâmetros sem significado. O modelo sigmóide ajustou bem

toda a curva e gerou parâmetros com significado fisiológico, que sugerem a

presença de colapso de pequenas vias aéreas na FPI.

Descritores: 1. Fibrose Pulmonar/fisiopatologia; 2. Mecânica respiratória; 3.


Sistema Respiratório; 4. Doenças pulmonares intersticiais.
Ferreira, JC. Evaluation of the mechanics of the Respiratory System

using PV curves in patients with Idiopathic Pulmonary Fibrosis [tese].

São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo; 2008.

The objective of this study was to evaluate small airways compromise in

Idiopathic Pulmonary Fibrosis (IPF) using pressure-volume (PV) curves of

the respiratory system. We collected PV curves from twelve patients before

lung biopsy, which confirmed IPF in seven patients and Hipersensitivity

Pneumonia in five. All curves were fitted with a sigmoid model,

V = a + b / (1 + e -(P-c/d)), and an exponential model, V = A – B . e -k.P (applied

only to the superior part of the curve). The exponential model, despite having

a good fit to the superior part of the curve, did not represent the initial part,

and yielded parameters with no physiological meaning. The sigmoid model

had a good fit to the entire curve and yielded parameters with physiological

meaning, suggesting the presence of small airways collapse in IPF.

Descriptors: 1. Pulmonary Fibrosis/ physiopathology; 2. Respiratory


Mechanics; 3. Respiratory System; 4. Interstitial Lung Diseases .
1 – INTRODUÇÃO
2

1. INTRODUÇÃO

1.1. Pneumonias Intersticiais Idiopáticas

Pneumopatia intersticial difusa é um termo genérico que inclui um

largo espectro de doenças pulmonares que têm em comum a manifestação

de dispnéia e/ou tosse associados a infiltrados intersticiais difusos e


1
bilaterais à radiografia e tomografia computadorizada de tórax . As

Pneumonias Intersticiais Idiopáticas (PII) são um subgrupo das

pneumopatias intersticiais difusas de causa desconhecida, caracterizadas

por graus variados de fibrose e inflamação do interstício pulmonar, alvéolos,

vias aéreas e vasos sangüíneos. Caracteristicamente, as PIIs têm evolução

crônica e início insidioso, sendo o diagnóstico muitas vezes feito numa fase

mais avançada da doença 2.

As diversas formas de PII já foram consideradas como espectros de

uma mesma doença, pois possuem em comum vários aspectos clínicos e

radiológicos, o que dificulta uma classificação utilizando apenas essas

ferramentas. Atualmente entende-se que vários ramos desse espectro

compõe patologias distintas e que uma classificação histopatológica é

fundamental para definir tratamento e principalmente prognóstico das PIIs. A

última classificação da American Thoracic Society / European Respiratory


3
Society (ATS/ERS) é baseada unicamente em achados histopatológicos,

obtidos geralmente por biopsia pulmonar a céu aberto, e divide as PII em:

- Fibrose pulmonar idiopática


3

- Pneumonia intersticial não específica

- Pneumonia intersticial descamativa

- Bronquiolite respiratória associada à doença intersticial pulmonar

- Pneumonia intersticial aguda

- Pneumonia em organização criptogênica

- Pneumonia intersticial linfóide

1.2. Fibrose Pulmonar Idiopática

A forma mais comum de pneumonias intersticiais idiopáticas é a

fibrose pulmonar idiopática (FPI), acometendo principalmente o sexo

masculino. A prevalência é estimada em 14 a 43 casos por 100.000

habitantes e a incidência anual em 7 a 16 casos/100.000, dependendo do


4
critério diagnóstico usado . Tanto a prevalência quanto a incidência

aumentam com a idade. Os sintomas mais freqüentes são dispnéia de início

gradual e tosse seca, sendo raras as manifestações sistêmicas 2. A maioria

dos casos é esporádica, atingindo mais homens do que mulheres,

geralmente a partir da sexta década de vida, mas há raros casos familiares

descritos 5, 6.

O padrão histológico característico da FPI é denominado pneumonia

intersticial usual (UIP), caracterizado pelo acometimento heterogêneo do

parênquima pulmonar com áreas de fibrose localizadas predominantemente

na região subpleural. O achado histológico típico é a concomitância de áreas

normais, inflamação, fibroproliferação e fibrose terminal em regiões


4

relativamente próximas. A presença de fibrose avançada e alvéolos

relativamente normais na mesma região do parênquima é denominada

heterogeneidade espacial, e a presença de processo fibroproliferativo com

focos de fibroblastos jovens, ao lado de áreas de fibrose avançada com

deposição de colágeno e alteração da arquitetura pulmonar, é denominada

heterogeneidade temporal 7.

A função pulmonar caracteristicamente revela um padrão restritivo

com redução dos volumes pulmonares, e nos casos mais avançados

diminuição da difusão do monóxido de carbono. Hipoxemia e dessaturação

de oxigênio podem surgir inicialmente aos esforços e, em fases mais

avançadas, mesmo ao repouso.

Os achados radiológicos costumam revelar opacidades intersticiais

difusas e redução do volume pulmonar. A Tomografia de tórax,

preferencialmente de alta resolução, apresenta opacidades em vidro

despolido periférico e bi-basal associado à distorção arquitetural, incluindo

faveolamento e bronquiectasias de tração subpleural 8.

Outras pneumonias intersticiais podem ter apresentação semelhante

à FPI em sua forma crônica, entre elas a Pneumonite de Hipersensibilidade

(PH) crônica e a Pneumonia intersticial não específica (NSIP). A NSIP é uma

Pneumonia Intersticial Idiopática de evolução mais lenta e com menor

mortalidade que a FPI, porém em suas formas mais graves e avançadas

pode assemelhar-se à FPI 7. A PH é uma pneumonia intersticial difusa

causada por diversos agentes inalatórios, que pode gerar um quadro agudo

e reversível caso o agente agressor seja evitado, ou apresentar evolução


5

crônica quando há exposição prolongada ao estímulo antigênico em

indivíduo susceptível. A PH crônica se assemelha à FPI em suas

características clinicas, funcionais e radiológicas 1, e ambas fazem parte do

subgrupo de pneumopatias usualmente chamado de Pneumonias

Intersticiais fibrosantes.

A evolução da FPI costuma ser crônica e progressiva, com sobrevida


2, 9
média de cinco anos , e até o momento nenhum tratamento se mostrou
10
benéfico para redução da mortalidade . Um dos motivos da inexistência de

tratamento efetivo é o atual desconhecimento dos fatores desencadeantes e

de perpetuação da lesão pulmonar, em especial nas fases iniciais,

oligossintomáticas, da doença.

1.3. Patogênese da Fibrose Pulmonar Idiopática

A patogênese da FPI não é bem conhecida, e a seqüência de eventos

que levam ao desencadeamento e perpetuação da lesão são ainda pouco

entendidos.

Alguns fatores como tabagismo, infecções, poluentes ambientais,

aspiração crônica de conteúdo gástrico e medicações foram apontados


11
como possíveis desencadeantes, porém sem confirmação definitiva . Um

ou mais desses fatores levariam a uma série de agressões inespecíficas ao

parênquima pulmonar e à barreira alvéolo-capilar, desencadeando um

processo de inflamação e reparo repetitivos que levam à fibrose do

parênquima 12.
6

Episódios de inflamação repetitiva, no passado considerados como o

mecanismo inicial de lesão, parecem ser um fenômeno pouco proeminente

na FPI, e teorias atuais sugerem que a FPI é decorrente de um mecanismo

de reparação tecidual anormal, que leva a formação de focos de fibrose.

Segundo essa teoria, um fator agressor desencadeante leva à destruição do

pneumócito tipo  com conseqüente exposição da membrana basal alveolar.

Os pneumócitos tipo II não são capazes de restaurar a membrana basal e o

processo de reparação ocorre de maneira anormal, através da proliferação

de fibroblastos e miofibroblastos, acúmulo de matriz extracelular,


13
principalmente colágeno, e fibrose . Segundo esse modelo, a participação

de células inflamatórias é mínima e não essencial para a perpetuação da

lesão.

O surgimento desse processo de reparação tecidual anormal pode

depender de fatores genéticos, imunológicos e de desencadeantes

ambientais.

1.4. Acometimento de pequenas vias aéreas na FPI

Como discutido acima, a maioria dos estudos sobre a patogênese da

FPI concentra-se nas alterações do parênquima alveolar, com poucos

relatos sobre a morfologia e participação das vias aéreas no

desencadeamento da lesão tecidual. O acometimento de vias áreas na FPI

classicamente tem sido considerado ausente ou como secundário às

alterações parenquimatosas, ou seja, sem importância na patogênese da


7

doença. Além disso, muitos dos estudos que avaliaram especificamente o

acometimento de pequenas vias aéreas na FPI foram feitos antes da nova

classificação histológica das PII, em 2002 3, e podem ter incluído pacientes

que na verdade tinham outras doenças intersticiais pulmonares que não a

FPI.

Desse modo, as evidências de acometimento de pequenas vias

aéreas na FPI são ainda escassas e novos estudos necessários para que o

papel das pequenas vias aéreas na patogênese da FPI seja mais bem

entendido.

1.4.1. Evidências Radiológicas

A introdução da tomografia computadorizada de alta resolução

(TCAR) como ferramenta de avaliação de pacientes com FPI, de utilização

relativamente recente, revelou o achado freqüente de espessamento de


14
paredes bronquiolares, bronquiolectasias de tração e formações císticas .

As alterações tendem a ser difusas, porém heterogêneas, não restritas às

regiões subpleurais, mas acometendo também pequenas vias aéreas.

Recentemente, um estudo tomográfico que incluiu 18 pacientes com FPI e


15
12 controles, Rocha et al. demonstrou a ocorrência de colapso de

pequenas vias aéreas e alveolar em decúbito dorsal, durante a respiração

espontânea.
8

1.4.2. Evidências Funcionais

16
Quanto às alterações funcionais, Ostrow, em 1973 , publicou os

primeiros relatos sugerindo a presença de anormalidades obstrutivas em

pacientes com fibrose pulmonar de diversas etiologias, entre elas a FPI.

Entretanto, as causas de fibrose pulmonar no grupo de pacientes estudadas

eram diversas e não havia confirmação histológica, além da alta prevalência

de tabagismo nos pacientes estudados, o que dificulta a sua interpretação.


17
Num dos principais artigos sobre o tema, Fulmer et al. , em 1977,

avaliaram 18 pacientes com diagnóstico clínico, radiológico e histopatológico

de fibrose pulmonar. O estudo envolvia a realização de testes funcionais e

revisão das lâminas de biopsia pulmonar, com a intenção de correlacionar

os achados histolopatológicos e funcionais, com especial atenção para as

pequenas vias aéreas. Os pesquisadores encontraram fibrose peribrônquica

com estreitamento do diâmetro das vias aéreas em 67% dos casos e

alterações da complacência dinâmica (queda da complacência com o

aumento da freqüência respiratória, indicando disfunção das pequenas vias

aéreas) em 59% dos pacientes. Houve uma boa correlação entre os


18
achados morfológicos e funcionais. Em 1988, Myre et al. demonstraram

obstrução das pequenas vias aéreas e presença de fibrose peribronquiolar


19
em 13 pacientes com FPI em estágio inicial. Recentemente, Salge et al.

demonstraram diminuição da complacência dinâmica com o aumento da

freqüência respiratória em um grupo de pacientes com FPI.


9

Entretanto, há também estudos contraditórios em que fluxo

expiratórios normais ou até aumentados foram encontrados em pacientes


20, 21
com pneumopatias fibrosantes . Parte da dificuldade de interpretação

desses resultados se deve ao fato de muitos desses estudos terem incluído

pacientes com pneumopatias fibrosantes de diversas etiologias, quando a

classificação das PII era diferente da classificação atual 3.

1.4.3. Evidências Morfológicas

Há também evidências do acometimento das pequenas vias aéreas

em termos morfológicos na FPI. Além dos estudos citados acima, que

demonstraram alterações de pequenas vias aéreas (fibrose peribronquiolar,

inflamação bronquiolar e bronquiolite) em grupos mais heterogêneos de

pneumonites fibrosantes, e as correlacionaram com alterações funcionais,

há estudos morfológicos evidenciando alterações de pequenas vias aéreas

na FPI 17 e na Pneumonia de Hipersensibilidade (PH) 22.

Um estudo recente avaliou e quantificou alterações morfométricas de

pequenas vias aéreas em pacientes com FPI, PH crônica, NSIP e as


23
comparou a vias aéreas de pessoas normais . Foi caracterizado

espessamento significativo das áreas das diferentes camadas da parede de

pequenas vias aéreas de pacientes em relação às medidas de pulmões

normais, mas não houve diferença significante entre pacientes com FPI, PH

crônica ou NSIP.
10

Há também evidências indiretas de acometimento de pequenas vias

aéreas na FPI, entre elas a presença ruídos de crepitações durante a

respiração espontânea. O ruído de crepitação foi associado à re-abertura de


24-26
pequenas vias aéreas em animais e em seres humanos . Esse achado

clínico freqüentemente presente em pacientes com FPI sugere a ocorrência

de abertura e fechamento cíclicos das pequenas vias aéreas durante a

respiração espontânea nos pacientes portadores de FPI.

1.5. Curvas Pressão-Volume nas Pneumonias Intersticiais fibrosantes

Curvas Pressão-Volume (PV) têm sido usadas por muitos anos para

descrever características mecânicas do sistema respiratório e compreender

a fisiologia pulmonar 27-29.

Em pacientes com insuficiência respiratória aguda, especialmente em

pacientes com Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e

necessidade de suporte ventilatório, as curvas PV foram utilizadas para

diagnóstico, prognóstico e ajuste da estratégia de ventilação mecânica 30-32.

Em pacientes com Pneumonias Intersticiais fibrosantes, curvas PV

foram estudadas como uma ferramenta para avaliação funcional. O ajuste

das curvas PV por uma equação exponencial aplicada à porção superior do

ramo expiratório foi utilizada para caracterizar a gravidade e até o


33, 34
prognóstico dos pacientes . A porção inferior do ramo expiratório,

próximo à Capacidade Residual Funcional (CRF), desvia-se do formato

exponencial e foi sistematicamente excluída das análises, por acreditar-se


11

33-35
que a informação contida na parte inferior da curva não era importante .

O significado fisiológico da menor inclinação da curva PV (queda da

complacência) nos pacientes com PII nas regiões iniciais da curva PV,

(baixos volumes e baixas pressões) e suas implicações receberam pouca

atenção na literatura. Regiões de menor inclinação na fase inicial das curvas

PV foram atribuídas ao fechamento de pequenas vias aéreas em pacientes


36, 37
normais em volumes pulmonares muito baixos e ao colapso alveolar e
29, 38
fechamento de pequenas vias aéreas na SDRA . Até o presente

momento, encontra-se aberta a discussão a respeito da melhor metodologia

a ser empregada no estudo da relação PV, assim como ainda se questiona

qual a real informação que pode ser dela extraída, tanto para compreensão

da fisiologia pulmonar quanto para o ajuste da estratégia ventilatória em

pacientes sob ventilação mecânica 28, 29 .

Ao invés de excluir os pontos da parte inicial da curva PV para ajustá-

la com um modelo exponencial, uma abordagem melhor poderia ser utilizar

um modelo que incluísse todos os pontos da curva coletada e que seja

capaz de descrever todas as mudanças de inclinação da curva à medida

que os pulmões são insuflados. Equações sigmóides, ajustadas para todos

os pontos coletados, foram usadas em curvas PV inspiratórias de indivíduos

normais 39 e pacientes com SDRA 40-42, mas nunca para pacientes com FPI.

Uma análise das curvas PV inspiratórias de pacientes com FPI

usando um modelo sigmóide ajustado a todos os pontos da curva pode

revelar informações sobre as propriedades mecânicas do sistema

respiratório desse pacientes, em especial sobre a presença de colapso de


12

pequenas vias aéreas. Tal modelo poderia não somente gerar parâmetros

com significado fisiológico, mas, mais importante, ajudar a compreender

melhor a fisiopatologia da FPI, o que, por sua vez, poderá contribuir para a

busca de tratamentos efetivos.


2 – OBJETIVOS
14

2. OBJETIVOS

Nossos objetivos nesse estudo foram:

a) Avaliar o envolvimento das pequenas vias aéreas na Fibrose

Pulmonar Idiopática, utilizando a curva pressão-volume do sistema

respiratório;

b) Comparar os modelos exponencial e sigmóide de ajuste do ramo

inspiratório da curva pressão-volume em pacientes com Fibrose

Pulmonar Idiopática, e determinar o mais adequado

c) Determinar as diferenças entre as curvas pressão-volume de

pacientes com Fibrose Pulmonar Idiopática e de pacientes com outros

tipos de Pneumonia Intersticial Idiopática.


3 – MÉTODOS
16

3. MÉTODOS

3.1. Aspectos éticos

Esse estudo foi devidamente aprovado pela Comissão Nacional de

Ética em Pesquisa (CONEP n° CAAE-0582.0.015.000-04) e pela Comissão

de Ética para Análise de Projetos de Pesquisa do Hospital das Clínicas da

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (CAPPesq n°

687/04).

Os pacientes convidados a participar do estudo foram devidamente

informados sobre os procedimentos relacionados ao estudo, o motivo do

estudo, seus potenciais riscos e da não obrigatoriedade de participação,

através do termo de consentimento pós-informação. Todos os pacientes

incluídos no estudo concordaram com sua participação e assinaram o termo

de consentimento pós-informação.

3.2 Pacientes

A coleta de dados foi realizada no Hospital das Clinicas da Faculdade

de Medicina da USP no intervalo entre Outubro de 2004 a Junho de 2005.

Durante o período de coleta de dados, foram convidados a participar do

estudo todos os pacientes em acompanhamento no Ambulatório de Doenças

Pulmonares Intersticiais do Serviço de Pneumologia do Hospital das Clinicas


17

da FMUSP encaminhados para biopsia pulmonar a céu aberto para

confirmação diagnóstica de pneumonia intersticial.

Os critérios para indicação da biopsia eram clínicos e a indicação feita

pelos médicos assistentes do ambulatório, sem interferência do pesquisador.

Dados demográficos, de duração dos sintomas, exposição ambiental e

tabagismo, além de dados de radiografias de tórax, tomografias e provas de

função pulmonar foram coletados.

Doze pacientes foram incluídos no estudo nesse período. Desses,

apenas um paciente não foi recrutado no Ambulatório de Doenças

Intersticiais Pulmonares, mas sim durante sua internação da UTI

Respiratória do Hospital das Clínicas da FMUSP. O paciente estava

iniciando a investigação de pneumonia intersticial e foi internado na UTI por

Insuficiência Respiratória Aguda, sendo necessária a intubação e aplicação

de ventilação mecânica.

3.3 Equipamentos utilizados

Nesse estudo, utilizamos um sistema especialmente desenvolvido no

Laboratório de Investigação Médica (LIM-09) da Disciplina de Pneumologia

da FMUSP para coleta de dados de mecânica pulmonar em projetos de

pesquisa. O sistema utiliza dois canais de medida de pressão e um de fluxo,

permitindo o registro simultâneo da pressão proximal na via aérea (PPROX),

da pressão esofágica (PES) e dos fluxos respiratórios, transmitidos para um

microcomputador para análise dos resultados online e posteriormente offline.


18

Um gerador de fluxo contínuo e constante de O2 (Fluxômetro de alta

precisão - Intermed - São Paulo) era conectado à rede de oxigênio hospitalar

para fornecer um fluxo lento, de 1 a 2 L/min, e gerar uma curva pressão-


43
volume (PV) quase-estática . O sistema era conectado à rede hospitalar de

oxigênio através de uma válvula redutora de pressão regulada à pressão de

6 a 7 atmosferas. A necessidade de uma fonte de alta pressão é a garantia

de um fluxo constante mesmo ao final da inspiração, quando as elevadas

pressões em vias aéreas tendem a diminuir o fluxo inspiratório.

O sistema de aquisição de dados era composto por dois sensores de

pressão (Valydine® MP45 ± 100 cmH2O -Engineering Corp. - Northridge CA,

EUA) para o registro de PPROX e PES, e por um sensor de fluxo do tipo

transdutor diferencial de pressão (Valydine® DP45 ± 2 cmH2O Engineering

Corp. - Northridge CA, EUA). Um cateter esofágico (SmartCath Esophageal

Cathether®, Viasys, Palm Springs CA, EUA), dotada de um balão inflável de

10 cm de extensão na sua extremidade, era posicionado no terço distal do

esôfago e conectado a um dos transdutores de pressão para registro da

variação da PES.

O pneumotacógrafo (Hans Rudolph® - Kansas OH, EUA) e o

transdutor diferencial de pressão eram conectados em série à cânula de

intubação oro-traqueal por uma extensão tubular de látex. Os dados obtidos

eram digitalizados por uma placa analógico-digital (National Instruments –

Texas, EUA) e transmitidos para o microcomputador. As informações eram

manipuladas no microcomputador por um programa (LabView® National

Instruments – Texas TX, EUA) configurado especificamente para manusear


19

dados de mecânica respiratória, desenvolvido no LIM-09 e UTI-Respiratória

do Hospital das Clínicas da FMUSP. O programa inclui uma rotina de coleta

de curva pressão-volume, que permite a visualização da curva durante sua

captura online, armazenamento e análise offline (Figura 1). A freqüência de

aquisição dos sinais durante a captura da curva PV foi programada em

50 Hz. Antes de monitorar cada paciente, era feita a calibração dos

transdutores de pressão utilizando-se uma coluna de água graduada em

centímetros (zero e 20 cmH2O acima da pressão atmosférica). O sensor de

fluxo também recebia uma calibração com auxílio de uma seringa de

precisão com volume de 2 L.


20

Figura 1. Esquema de captura de dados


21

3.4 Realização da curva pressão-volume

A curva pressão-volume era realizada no Centro Cirúrgico,

imediatamente antes da realização da biopsia pulmonar. O paciente era

anestesiado e submetido à intubação oro-traqueal pelo anestesista

responsável, conforme protocolo estabelecido pela equipe de anestesistas,

sem nenhuma interferência do pesquisador. O anestesista utilizava

geralmente a combinação de dois agentes anestésicos endovenosos,

freqüentemente, mas não necessariamente, midazolan e fentanil, associado

ao uso de agente inalatório, geralmente isoforane, e um bloqueador neuro-

muscular (atracúrio).

A maioria dos pacientes chegava ao centro cirúrgico com um balão

esofágico locado no terço distal do esôfago, após passagem por via trans-

nasal, realizada com o paciente acordado, em respiração espontânea,

algumas horas antes do procedimento cirúrgico, para realização de testes


19
funcionais pulmonares . Seu posicionamento era ajustado com auxílio de

um teste de oclusão em que o indivíduo executava esforços inspiratórios e


44
expiratórios alternados, registrando-se as variações de PPROX e PES . A

posição ideal para o balão esofágico era aquela que produzisse relação

PPROX/PES mais próxima da unidade. Nos pacientes que não realizaram

os testes funcionais prévios à biopsia, o balão esofágico foi passado no

centro cirúrgico, após a indução anestésica, sob visão direta com a ajuda de
22

um laringoscópio. Nesse caso, não era possível verificar seu posicionamento

adequado. A PES foi utilizada como meio de se aferir a pressão pleural.

Apos a intubação, o paciente era mantido sob ventilação mecânica,

com parâmetros ventilatórios estabelecidos pelo anestesista, sem

interferência do pesquisador. O protocolo do grupo de anestesistas para

ventilação mecânica nas cirurgias torácicas utiliza modo volume controlado,

com volumes correntes entre 8 e 10 mL/Kg de peso ideal, freqüências

respiratórias entre 12 e 15, fração inspirada de oxigênio entre 0,3 e 0,4 e

pressão expiratória ao final de expiração (PEEP) de 5 cmH2O. Os pacientes

eram monitorados com monitor cardíaco e de pressão arterial, oximetria de

pulso e CO2 no ar expirado (ETCO2).

Durante a indução anestésica, o pneumotacógrafo era ligado a uma

fonte de calor para mantê-lo aquecido às condições corporais de

temperatura e em seguida o sistema de aquisição era calibrado.

Assim que o anestesista considerava que o paciente estava bem

sedado, paralisado e estável na ventilação mecânica, era iniciada a

realização da curva pressão-volume.

Antes da coleta da curva PV propriamente dita, era realizada uma

manobra de homogeneização da história pulmonar utilizando Pressão

Positiva Contínua de Vias Aéreas (CPAP) de 40 cmH2O por 40 segundos,

aplicada pelo ventilador mecânico da anestesia, seguida de desconexão do

ventilador e expiração passiva até a Capacidade Residual Funcional (CRF).

Ao final da expiração passiva, o fluxômetro era conectado em série

aos sensores de pressão de vias aéreas e fluxo, os quais por sua vez
23

estavam conectados à cânula oro-traqueal, e iniciava-se a realização da

curva PV. O fluxo constante, de 1 a 2 L/min, era mantido até que a PPROX

atingisse 40 cmH2O. Em seguida, o fluxômetro era desconectado e o

paciente realizava uma expiração passiva até a CRF. A aquisição de dados

era interrompida nesse ponto e o paciente era re-conectado ao ventilador

mecânico, sendo instituída a ventilação mecânica a critério do anestesista

responsável, para início da cirurgia.

Durante a aquisição da curva, que durava de 1 a 3 minutos, o

paciente era continuamente monitorado e a curva era visualizada online na

tela do computador.

3.5 Análise dos dados

3.5.1 Construção da curva pressão-volume

Uma vez armazenados os sinais de pressão das vias aéreas (PPROX),

pressão esofágica (PES) e fluxo, o arquivo gerado era manipulado pelo

software desenvolvido em linguagem LabView. Para tal, utilizamos uma

rotina desenvolvida para construir curvas PV. Em um primeiro passo, o

pesquisador deve abrir o arquivo com o programa em LabView e selecionar

a região de interesse na curva PV, entre os pontos em que o equipamento é

conectado e desconectado do paciente (Figura 2).


24

Figura 2. Exemplo do método de identificação da região de


interesse para construção da curva PV.

Legenda: A escolha é feita observado-se a curva de Pressão de Vias


Aéreas ao longo do tempo e identificando os momentos de conexão e
desconexão do gerador de fluxo contínuo.
25

Utilizando apenas os dados da região de interesse, o programa

integra o sinal de fluxo para obter o volume insuflado durante a manobra e,

automaticamente, cria um gráfico com pressão de vias aéreas no eixo das

abscissas (x) e volume insuflado no eixo das ordenadas (y), a curva PV.

Optamos pela construção de curvas PV do sistema respiratório, utilizando a

pressão proximal de vias aéreas (PPROX) e não a pressão esofágica (PES),

uma vez que não houve esforços dos pacientes.


26

3.5.2 Cálculo do Ponto de Inflexão Inferior

O ponto de inflexão inferior da curva PV (PFLEX) é o ponto em que há

uma mudança abrupta na inclinação da curva inspiratória, e corresponde ao

momento em que um grande número de unidades alveolares, colapsadas ao

final da expiração anterior, são recrutadas, passando a participar da

distribuição do ar insuflado. Quanto maior a quantidade de unidades

recrutadas simultaneamente, maior a mudança de inclinação da curva e

mais evidente o PFLEX. Lesões homogêneas do parênquima pulmonar, nas

quais as pressões criticas de abertura dos alvéolos colapsados ao final de

expiração sejam similares, produzem um PFLEX bem definido. Por outro lado,

lesões heterogêneas do parênquima pulmonar costumam produzir um PFLEX

quase irreconhecível, pois o recrutamento alveolar se dá de maneira

progressiva, à medida que os pulmões vão sendo insuflados.

O programa desenvolvido pelo LIM-9 na plataforma LabView permite

o cálculo automatizado do ponto de inflexão inferior (PFLEX) utilizando o


45
método descrito por Brochard . O programa utiliza um modelo de

regressão linear simples (técnica dos mínimos quadrados) para ajustar retas

a dois segmentos distintos da curva PV. Uma reta é ajustada ao segmento

central da curva, em que a inclinação da curva PV é máxima, e a outra reta

é ajustada ao segmento inicial da curva, em que a inclinação é mínima. A

projeção no eixo x do ponto de intersecção dessas duas retas é o Ponto de

Inflexão Inferior (PFLEX).(Figura 3).


27

Figura 3. Cálculo do Ponto de Inflexão Inferior (PFLEX)

Legenda: Exemplo de cálculo automatizado do PFLEX. Uma reta é


ajustada à parte inicial, de menor complacência da curva PV (reta magenta),
e a outra é ajustada à parte central, de maior complacência da curva (reta
amarela). A projeção no eixo x do ponto de intersecção dessas duas retas é
o PFLEX.
28

3.5.3 Ajuste das curvas PV com modelos exponencial e sigmóide

As curvas foram ajustadas pelo programa Grace (GNU-General Public

License, Boston, MA, USA), utilizando o método iterativo de Levenberg-

Marquardt 46.

As curvas foram primeiramente ajustadas com uma equação

exponencial restritas aos pontos acima de 50% do volume insuflado

proposta por Colebatch 47, com três parâmetros:

V = A – B . e -k.P,

V é o volume insuflado, P é a pressão proximal de vias aéreas (PPROX), A é

a assíntota superior e estima a capacidade pulmonar total (CPT), B é o

volume abaixo de A em que PPROX é zero e k é a constante exponencial que

descreve o formato da curva.

Em seguida, ajustamos as curvas com a equação sigmóide proposta

por Paiva et al. 39, modificada por Venegas et al. 40, com quatro parâmetros:

V = a + b / (1 + e –(P-c)/d),

V é o volume insuflado absoluto, P é a pressão proximal de vias aéreas

(PPROX), a é a diferença de volume entre o volume pulmonar expiratório final

(EELV, do inglês End Expiratory Lung Volume) e o volume residual (VR). O


29

EELV é o ponto de repouso do sistema respiratório, em que a PPROX é zero,

e o VR corresponde à assíntota inferior. É importante notar que o valor de a

em módulo, expresso em mL, não reflete o VR propriamente dito, pois este

não tem como ser estimado através da curva PV, mas sim o volume de ar

presente no sistema respiratório acima do VR e abaixo do EELV, ponto de

início da curva PV inspiratória; b é o volume entre a assíntota inferior e a

assíntota superior e estima a capacidade vital (CV); c é a pressão de vias

aéreas no ponto de inflexão matemático da sigmóide, representando o ponto

de maior complacência do sistema respiratório; o parâmetro d é medido em

cmH2O e é proporcional à faixa de pressão de vias aéreas em que a maior

parte das mudanças em volume ocorrem (Figura 4).


30

Figura 4. Curva Pressão – Volume teórica, ajustada com o modelo


sigmóide, mostrando os parâmetros a,b,c e d

V = volume insuflado absoluto


P = pressão proximal de vias aéreas
a = diferença de volume entre EELV e o volume residual.
b = volume entre a assíntota inferior e a assíntota superior (estima a
capacidade vital)
c = pressão de vias aéreas no ponto de inflexão matemático da
sigmóide
d = proporcional à faixa de pressão de vias aéreas em que a maior
parte das mudanças em volume ocorrem
31

3.5.4 Normalização das curvas de pressão-volume

Para podermos comparar os pacientes e analisar os dados como um

todo, criamos três curvas PV normalizadas, uma com os dados de todos os

pacientes, e outras duas, cada uma com pacientes agrupados de acordo

com o diagnostico histológico final.

Para tanto, normalizamos volume e PPROX para cada ponto, que foram

então utilizados para a construção das curvas PV normalizadas 41. O volume

normalizado para cada ponto foi obtido subtraindo-se o parâmetro a do

volume observado, e dividindo-se o resultado pelo parâmetro b, o que é

equivalente a ajustar o volume instantâneo pelo volume insuflado total. A

pressão foi normalizada para cada ponto foi obtida subtraindo-se o

parâmetro c da pressão observada, e dividindo-se o resultado pelo

parâmetro d.
32

3.5.5 Análise estatística

Comparações de variáveis demográficas e funcionais entre pacientes

com diagnostico final de Fibrose Pulmonar Idiopática e pacientes com outras

causas de Pneumonia Intersticial Idiopática foram feitas utilizando-se o teste

t de student, utilizando-se o programa SPSS. Correlações entre os

parâmetros encontrados no processo de ajuste das curvas PV e parâmetros

funcionais obtidos pela espirometria foram feitas utilizando o coeficiente r de

Pearson.

Os coeficientes de determinação R2 para cada curva PV individual e

das curvas normalizadas foram obtidos pelo programa Grace (GNU-General

Public License, Boston, MA, USA), durante o processo de ajuste das curvas

com as equações exponencial e sigmóide.


4 – RESULTADOS
34

4. RESULTADOS

4.1. Aspectos clínicos

Durante o período de inclusão, 12 pacientes foram considerados

elegíveis e puderam ser incluídos no estudo. Dois foram posteriormente

excluídos da análise, em um caso por vazamento excessivo durante a

realização da curva PV e no outro por o diagnóstico histológico da biopsia

pulmonar ter revelado um linfoma infiltrativo em pulmão.

A Tabela 1 apresenta os dados demográficos e o diagnóstico

histopatológico individual dos pacientes estudados. A distribuição dos

diagnósticos foi: quatro (33%) pacientes com Pneumonite por

Hipersensibilidade crônica (PH) e sete (58%) pacientes com Fibrose

Pulmonar Idiopática (PFI). Dentre os pacientes com FPI, seis tiveram padrão

definido como Pneumonia Intersticial Usual (UIP) e apenas um não pode ser

classificado sob o ponto de vista histológico.

A Tabela 2 mostra a duração de sintomas, carga tabágica e presença

de Doença do Refluxo Gastro-Esofágico (DRGE) dos pacientes

individualmente.
35

Tabela 1. Dados demográficos e diagnóstico histológico dos


pacientes

ID Sexo Idade Diagnóstico


2 JVS M 66 FPI-UIP
4 VL F 49 FPI
7 AF M 67 FPI-UIP
8 SE M 71 FPI-UIP
9 LG M 62 FPI-UIP
11 AD M 72 FPI-UIP
1 MF F 46 PH
5 JSP F 24 PH
10 AE M 50 PH
12 VLS F 53 PH

PH = Pneumonite por Hipersensibilidade crônica


FPI = Fibrose Pulmonar Idiopática
UIP = padrão Pneumonia Intersticial Usual
36

Tabela 2. Dados clínicos dos pacientes

ID Diagnóstico Sintomas Tabagismo DRGE


(em anos) (anos-maço)

2 JVS FPI-UIP 2.00 20 SIM


4 VL FPI 6.00 0 SIM
7 AF FPI-UIP 4.00 35 NÃO
8 SE FPI-UIP 3.00 0 NÃO
9 LG FPI-UIP 1.00 0 NÃO
11 AD FPI-UIP 2.00 0 NÃO
1 MF PH 5.00 0 SIM
5 JSP PH 1.00 0 NÃO
10 AE PH 5.00 3 NÃO
12 VLS PH 8.00 68 NÃO

PH = Pneumonite por Hipersensibilidade crônica


FPI = Fibrose Pulmonar Idiopática
UIP = padrão Pneumonia Intersticial Usual
DRGE = Doença do Refluxo Gastro-Esofágico
37

Todos os pacientes, com exceção do paciente de número 9, fizeram

avaliação funcional com prova de função pulmonar previamente à cirurgia,

como parte da avaliação de pneumopatias intersticiais no Ambulatório de

Doenças Intersticiais Pulmonares do Serviço de Pneumologia do Hospital

das Clinicas da FMUSP. A maioria dos pacientes fez também medidas de

volumes pulmonares e avaliação da difusão por monóxido de carbono.

Houve grande variabilidade de acometimento funcional entre os pacientes,

com espectros desde mínimo acometimento funcional até pacientes com

acometimento moderado.

Podemos dividir os pacientes em dois grupos para comparações:

pacientes com FPI versus pacientes com PH crônica. A Tabela 3 apresenta

a comparação dados clínicos e funcionais dos pacientes dos dois grupos.

Por serem pequenos e com grande variabilidade funcional intra-grupo, não

houve diferença estatística entre os pacientes com FPI e pacientes com PH

para a maioria dos parâmetros analisados. Os pacientes com FPI eram

predominantemente do sexo masculino (83%) e mais velhos (64.5 ± 8.4

anos), ao passo que pacientes com PH eram predominantemente do sexo

feminino (75%), e mais jovens (43.3 ± 13.1 anos).


38

Tabela 3. Dados clínicos e funcionais nos grupos de pacientes

GRUPO FPI PH p
SEXO (M%) 83% 25%
IDADE 64.5 ± 8.4 43.3 ± 13.1 0.035
Sintomas 3.0 ± 2.0 4.8 ± 2.9 0.348
Tabagismo 9.2 ± 15.0 17.8 ± 33.5 0.656
VEF1% 72.5% ± 19.2% 56.1% ± 24.3% 0.315
CVF% 63.7% ± 16.2% 63.7% ± 5.0% 0.998
CPT% 62.9% ± 10.9% 90.1% ± 24.9% 0.111
DLCO% 30.3% ± 15.5% 45.3% ± 18.2% 0.293
Pflex 10.5 ± 5.7 11.0 ± 8.8 0.937

PH = Pneumonite por Hipersensibilidade crônica


FPI = Fibrose Pulmonar Idiopática
Sintomas = em anos
Tabagismo = em ano-maço
VEF1%= porcentagem do valor predito para o Volume Expiratório
Forçado no primeiro segundo
CVF% = porcentagem do valor predito para a Capacidade Vital Forçada
CPT% = porcentagem do valor predito para a Capacidade Pulmonar
Total
DLCO% = porcentagem do valor predito para a Difusão por Monóxido
de carbono
Pflex= ponto de inflexão inferior na curva PV, em cm H2O
39

4.2. Curvas Pressão - Volume

O procedimento foi bem tolerado por todos os pacientes. Em nenhum

caso houve queda da saturação de oxigênio pela oximetria de pulso ou

elevação significativa da ETCO2, nem qualquer outra intercorrência durante

a realização do estudo. A maioria das curvas PV teve duração inferior a dois

minutos, tempo limite para considerar desprezível a absorção de oxigênio


48
durante a manobra para realização da curva PV . Curvas com duração

superior a dois minutos geralmente levam a absorção de oxigênio em

quantidades suficientes para causar uma super-estimação do volume

pulmonar necessário para a insuflação pulmonar. As curvas individuais de

cada paciente são mostradas nas figuras 5 a14, a seguir.


40

Figura 5. Curva PV inspiratória do paciente 1, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
41

Figura 6. Curva PV inspiratória do paciente 2, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
42

Figura 7. Curva PV inspiratória do paciente 4, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
43

Figura 8. Curva PV inspiratória do paciente 5, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
44

Figura 9. Curva PV inspiratória do paciente 7, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
45

Figura 10. Curva PV inspiratória do paciente 8, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
46

Figura 11. Curva PV inspiratória do paciente 9, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
47

Figura 12. Curva PV inspiratória do paciente 10, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
48

Figura 13. Curva PV inspiratória do paciente 11, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
49

Figura 14. Curva PV inspiratória do paciente 12, ajustada para os


modelos exponencial e sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, a


linha tracejada mostra o ajuste com o modelo exponencial, aplicado apenas
à metade superior da curva PV, e a linha contínua representa o ajuste com
modelo sigmóide.
50

4.3. Ajuste das curvas com os modelos exponencial e sigmóide

O modelo exponencial, aplicado apenas à metade superior das

curvas PV, teve um bom desempenho, gerando um R2 ajustado médio de

0.975 ± 0.018. O desempenho do modelo exponencial foi equivalente para

os grupos de pacientes com FPI e PH, gerando um R2 ajustado médio de

0.972 ± 0.021 para pacientes com FPI e 0.980 ± 0.015 para pacientes com

PH.

Entretanto, o modelo exponencial não descreve a parte inicial da

curva PV, com complacência mais baixa, e a informação dessa região da

curva PV é perdida. Alem disso, os parâmetros A, B e k, gerados pelo

modelo, não têm o mesmo significado que tinham quando tal modelo era

aplicado a curvas PV expiratórias, feitas com o paciente sentado e com

respiração espontânea.

Como discutido anteriormente (seção 3.5.3), estudos anteriores feitos

em curvas PV expiratórias, com a colaboração do paciente, correlacionaram

o parâmetro A com a CPT e o parâmetro k, a constante exponencial que


34
descreve o formato da curva PV, teve correlação com prognóstico . Em

nosso estudo, o parâmetro B não tem significado fisiológico e o parâmetro k

descreve a curvatura da curva PV inspiratória e não da expiratória, como

anteriormente, sendo assim impossível determinar se ainda mantém

correlação com gravidade e prognóstico nas Pneumonias Intersticiais

fibrosantes.
51

O modelo sigmóide, aplicado às curvas PV inteiras, teve também um

bom desempenho, gerando um R2 ajustado médio de 0.999 ± 0.001. O

desempenho do modelo sigmóide foi equivalente para os grupos de

pacientes com FPI e PH, gerando um R2 ajustado médio de 0.999 ± 0.001

para pacientes com FPI e PH. Entretanto, diferentemente do modelo

exponencial, o modelo sigmóide gerou parâmetros com significado

fisiológico.

Não houve correlação estatisticamente significante entre os

parâmetros a, b, c, d ou k com nenhum dos índices funcionais obtidos pela

espirometria, mas o parâmetro c teve boa correlação com o PFLEX tanto para

os pacientes com FPI (r=0.819, p=0.046) quanto para os pacientes com FPI

e PH conjuntamente (r=0.845 p=0.004). Os valores dos parâmetros

encontrados para cada paciente durante o processo de ajuste das curvas

com os modelos exponencial e sigmóide são mostrados nas Tabelas 4 e 5.


52

Tabela 4. Parâmetros obtidos com o ajuste exponencial para cada


paciente

ID Diagnóstico A (mL) B (mL) k (1/cm H2O)


2 JV FPI-UIP 3996 8951 0.046
4 VL FPI 2886 3295 0.025
7 AF FPI-UIP 3626 5035 0.053
8 SE FPI-UIP 2980 5265 0.037
9 LG FPI-UIP 1025 1418 0.031
11 AD FPI-UIP 4727 10265 0.091
1 MF PH 6728 9725 0.040
5 JSP PH 8933 10757 0.035
10 AE PH 8500 25483 0.055
12 VLS PH 7807 13593 0.049

PH = Pneumonite por Hipersensibilidade crônica


FPI = Fibrose Pulmonar Idiopática
UIP = padrão Pneumonia Intersticial Usual
53

Tabela 5. Parâmetros obtidos com o ajuste sigmóide para cada

paciente

ID Diagnóstico a (mL) b (mL) c (cmH2O) d (cmH2O)


2 JV FPI-UIP -358 3939 29.0 10.2
4 VL FPI -1479 3777 10.4 18.4
7 AF FPI-UIP -1399 4781 11.2 11.5
8 SE FPI-UIP -180 2467 27.2 9.4
9 LG FPI-UIP -219 1150 25.1 16.5
11 AD FPI-UIP -1149 5785 12.3 8.0
1 MF PH -1187 6977 18.9 11.7
5 JSP PH -3395 11104 12.3 14.7
10 AE PH -1076 7498 27.1 6.1
12 VLS PH -1565 7932 19.1 8.2

PH = Pneumonite por Hipersensibilidade crônica


FPI = Fibrose Pulmonar Idiopática
UIP = padrão Pneumonia Intersticial Usual
54

4.4. Curvas PV normalizadas

As curvas normalizadas para todos os pacientes foram ajustadas com

o modelo sigmóide, gerando um R2 ajustado de 0.999. Quando os pacientes

foram agrupados de acordo com o diagnostico histológico, o modelo

sigmóide gerou um R2 ajustado de 0.999 para pacientes com FPI e de 0.999

para pacientes com PH.

As figuras 15, 16 e 17 mostram respectivamente as curvas

normalizadas para todos os pacientes, para pacientes com FPI e para

pacientes com PH.


55

Figura 15. Curva PV normalizada para todos os pacientes, ajustada


para o modelos sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, e a


linha contínua representa o ajuste com modelo sigmóide.
56

Figura 16. Curva PV normalizada para os pacientes com FPI, ajustada


para o modelo sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, e a


linha contínua representa o ajuste com modelo sigmóide.
57

Figura 17. Curva PV normalizada para os pacientes com PH, ajustada


para o modelo sigmóide.

Legenda: os pontos em cinza representam os dados do paciente, e a


linha contínua representa o ajuste com modelo sigmóide.
5 - DISCUSSÃO
59

5. DISCUSSÃO

5.1. Aspectos gerais

Os achados principais desse estudo foram: 1) a equação sigmóide

ajusta as curvas PV inspiratórias de pacientes com FPI e PH crônica muito

bem, gerando parâmetros com significado fisiológico; 2) a equação

exponencial, aplicada apenas à metade superior das curvas, também tem

um bom ajuste, porém 2 dos 3 parâmetros gerados têm significado

fisiológico indeterminado e a porção inicial da curva não é representada pelo

modelo, sendo a informação do formato da parte inicial da curva perdida;

3) quando as curvas foram normalizadas, foi possível agrupar os dados de

todos os pacientes em um único gráfico mestre e ajustá-lo com a equação

sigmóide, com excelente resultado; 4) não houve diferenças significativas

entre os grupos FPI e PH, tanto do ponto de vista clínico e funcional, quanto

para o ajuste das curvas PV com os modelos sigmóide e exponencial,

sugerindo que o comportamento mecânico das duas doenças foi

semelhante; 5) as curvas PV inspiratórias de pacientes com FPI apresentam

regiões de baixa complacência inicial, semelhante às curvas de pacientes

com SDRA.

Nosso estudo é o primeiro a utilizar curvas PV inspiratórias em

pacientes com FPI e o primeiro a ressaltar um evidente desvio do formato


60

exponencial das curvas PV nesses pacientes e evidenciar seu formato

sigmóide, em semelhança ao que ocorre em pacientes com SDRA.

5.2. Limitações do Estudo

A principal limitação desse estudo é a falta de um grupo controle de

pacientes normais. Tal grupo não foi incluído no desenho do estudo pela

falta de acesso a pacientes com pulmão normal que fossem ser submetidos

à anestesia geral e ventilação mecânica, cujas equipes cirúrgica e

anestésica concordassem com a realização da curva. A curva PV inspiratória

com fluxo constante é um procedimento seguro, mas não isento de riscos, e

sua realização à beira do leito, após a anestesia geral e antes da cirurgia,

causa um aumento do tempo anestésico e de ocupação da sala do centro

cirúrgico. Entretanto, acreditamos que esta limitação não invalida nossos

achados, uma vez que estudos prévios utilizando curvas PV em pacientes

normais observaram apenas discretas diminuições da inclinação inicial das


27, 36, 47
curvas , a ponto de considerar que o uso da equação exponencial

acima de 50% da CPT era um método adequado de ajuste das curvas e até
47
superior ao modelo sigmóide . O mesmo ocorreu com estudos utilizando
33, 34
curvas PV em pacientes com fibrose pulmonar . Tais estudos foram

feitos em condições diferentes do nosso, em especial porque geralmente

eram curvas PV expiratórias em pacientes sentados, respirando

espontaneamente.
61

O número de pacientes estudados é pequeno, por limitações técnicas

e por tratar-se de doença de baixa prevalência. Entretanto, o formato

sigmóide foi notado em todos os pacientes e o ajuste com a equação

sigmóide teve bons resultados para todos os pacientes. Conseqüentemente,

acreditamos que a generalização dos dados encontrados é razoável.

Nós utilizamos curvas PV inspiratórias do sistema respiratório,

diferentemente de estudo anteriores, que utilizaram curvas PV expiratórias


33, 34
do pulmão e esta diferença pode ter impacto na interpretação de nosso

resultados. Optamos pela utilização de curvas inspiratórias porque tais

curvas costumam ter mais pontos na parte inicial, de baixos volumes

pulmonares, do que as curvas expiratórias. Utilizamos curvas do sistema

respiratório como um todo, ao invés de curvas apenas do pulmão, porque

não havia esforços do paciente, o que exigiria a separação das curvas do

pulmão e da caixa torácica. Na ausência de esforços inspiratórios, a

informação do sistema respiratório como um todo nos pareceu mais

completa e de maior relevância clinica.

O parâmetro A do ajuste exponencial teve que ser limitado a um valor

pré-determinado em dois pacientes que não atingiram um platô de pressão

ao final da curva PV. Apesar de o uso de um limitador ser usual em casos


49
como esses , sabemos que ausência do platô de pressão final sugere que

o envelope máximo da curva PV não foi alcançado, o que tornou o ajuste

exponencial menos preciso. Entretanto, essa limitação não foi necessária

durante o ajuste com o modelo sigmóide.


62

As curvas PV foram realizadas na posição supina, sob anestesia

geral, as quais tem sido associadas à redução da CRF e colapso alveolar


50
em pessoas normais . Entretanto, o aparecimento de colapso alveolar

durante a anestesia geral está ligada à ausência da aplicação de pressão

positiva ao final da expiração (PEEP) durante a ventilação mecânica e às

altas frações inspiradas de oxigênio (FIO2) utilizadas. O uso de uma

manobra de recrutamento mostrou-se suficiente para reverter

completamente o colapso alveolar associado à anestesia geral, e a


51
utilização de FIO2  0.4 preveniu seu re-aparecimento . Nossos pacientes

foram ventilados com FIO2 entre 0.3 e 0.4 e PEEP de 5 cmH2O, e uma

manobra de recrutamento foi feita imediatamente antes da realização da

curva PV. Portanto, não acreditamos que colapso alveolar induzido pela

anestesia tenha ocorrido e influenciado os resultados aqui apresentados.

5.3. O ajuste sigmóide para curvas PV na FPI

A equação sigmóide fez um ajuste excelente das curvas PV desses

pacientes com diagnóstico recente de Pneumopatias Intersticiais fibrosantes,

em especial dos pacientes com FPI. Os parâmetros a, b, c e d (Tabela 5),

obtidos com o ajuste têm significado fisiológico e podem ser úteis para o

manejo da ventilação mecânica em pacientes com FPI. O parâmetro a, que

é a diferença de volume entre a assíntota inferior (volume residual) e o

EELV, estima o quão perto o volume pulmonar no EELV está do volume

residual. Quanto menor o valor de a, mais próximo do VR e,


63

consequentemente, mais colapsado está o pulmão. A realização de

múltiplas curvas PV à beira do leito, com diferentes PEEPs, poderia revelar o

potencial de recrutamento alveolar associado à PEEP pela mudança do

valor de a. O parâmetro b estima a capacidade vital (CV), utilizada para

avaliar o comprometimento funcional na FPI. Dessa forma, esse parâmetro

(b) pode ser usado como um marcador de gravidade em pacientes sob

ventilação mecânica, nos quais a obtenção de valores da CV por métodos

tradicionais não é possível. Os parâmetros c e d, por sua vez, caracterizam o

formato da curva PV, uma informação não disponível com outras

ferramentas diagnósticas. O parâmetro c pode ser especialmente útil

durante a ventilação mecânica, pois equivale à pressão de vias aéreas em

que a complacência do sistema respiratório é máxima. Essa informação

fisiológica poderia ser usada como guia para ajuste da PEEP e da pressão

inspiratória, objetivando uma pressão média de vias aéreas próxima ao c. O

parâmetro d dá uma idéia de dispersão das pressões críticas de abertura e

de hiperdistensão ao longo da curva. Quanto menor o valor de d, mais

estreita é a faixa de pressão que representa o segmento central da curva,

associado a uma complacência quase constante e máxima. Nesse caso, o

volume corrente utilizado durante a ventilação teria de ser pequeno o

suficiente para evitar que a pressão de vias aéreas ficasse abaixo do PFLEX

no final da expiração e acima do ponto de inflexão superior no final da

inspiração, evitando respectivamente colapso e hiperdistensão alveolar. A

combinação dos parâmetros c e d pode ser usado para se obter os pontos


40, 41
de máximo aumento e queda de complacência ao longo da curva PV ,
64

que são similares aos pontos de inflexão inferior e superior, os quais já

foram usados para o manejo ventilatório de pacientes com SDRA 30-32.

A equação sigmóide já foi usada para ajuste de curvas PV de


40-42
pacientes com SDRA , mas não para pacientes com FPI ou outras

Pneumonias intersticiais fibrosantes. Para esses pacientes, o método de

ajuste mais utilizado foi com a equação exponencial. Estudos anteriores

ajustaram uma equação exponencial às curvas PV expiratórias de pacientes


33-35
respirando espontaneamente, sentados . Entretanto, a maioria das

curvas expiratórias tem poucos pontos em baixos volumes pulmonares,

próximos à CRF, onde a inclinação da curva é menor. Ao excluir os pontos

que estavam abaixo de 50% da CPT, os pesquisadores foram bem


36
sucedidos ao ajustar as curvas expiratórias de indivíduos normais e

pacientes com fibrose pulmonar usando uma equação exponencial. A

conclusão desses estudos foi de que o modelo exponencial gerava um bom

ajuste às curvas PV de pacientes com Pneumopatias Intersticiais fibrosantes

e que o parâmetro k era útil para caracterizar alterações funcionais 33 e grau


34
de fibrose . Entretanto, esse modelo exponencial não explora a informação

obtida pela curva PV a baixos volumes pulmonares.

Em nosso estudo, as curvas foram realizadas em decúbito dorsal e

sob anestesia geral, partindo do EELV, o que nos permitiu coletar dados a

baixos volumes pulmonares e observar o formato sigmóide das curvas PV.

Além disso, observamos que as curvas PV inspiratórias de nossos pacientes

com FPI se assemelham as curvas PV de pacientes com SDRA, sob


65

ventilação mecânica, nos quais a baixa inclinação inicial da curva tem sido

atribuída ao colapso de pequenas vias aéreas e alvéolos 29, 38.

Esses achados indicam que o colapso pode estar presente durante a

ventilação mecânica desses pacientes em volumes pulmonares próximos à

EELV, isto é, na região onde comumente acontece a ventilação corrente.

Durante o suporte ventilatório mecânico, abertura e fechamento

cíclicos de alvéolos e pequenas vias aéreas poderia contribuir para a

altíssima mortalidade de pacientes com FPI que necessitam de ventilação


52-54
mecânica por Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) . Como esses

pacientes têm baixa complacência do sistema respiratório, são

freqüentemente ventilados com PEEPs baixas, o que provavelmente faz

com que a ventilação corrente ocorra na porção inicial da curva PV. Tal

estratégia ventilatória pode agravar uma lesão aguda por exacerbação da

FPI que tenha causado a IRpA.

Colapso alveolar e de pequenas vias aéreas em baixos volumes

pulmonares durante a anestesia também poderia contribuir para a

ocorrência de exacerbações agudas da FPI após a realização de biopsia

pulmonar a céu aberto, a qual já foi anteriormente relacionada à estratégia


55
ventilatória aplicada durante a anestesia geral desses pacientes . A

combinação colapso de pequenas vias aéreas e de alvéolos, utilização de

PEEPs baixas e volumes corrente altos pode levar à reabertura e

fechamento cíclicos de vias aéreas durante a anestesia e predispor os

pacientes a lesão pulmonar induzida pela ventilação mecânica e

insuficiência respiratória pós-operatória .


66

O formato sigmóide das curvas PV desses pacientes com FPI sugere

que eles possam se beneficiar de uma estratégia ventilatória protetora

similar à usada nos pacientes com SDRA, adicionando PEEP para mover a

ventilação corrente para a região central da curva PV e minimizando a


56
reabertura e fechamento cíclicos de vias aéreas e alvéolos e, ao mesmo

tempo, evitando altos platôs de pressão através da utilização de baixos


57, 58
volumes correntes . A realização de uma curva PV à beira do leito pode
59
ajudar na titulação da PEEP e o ajuste sigmóide da curva pode ajudar a

identificar o ponto de inflexão inferior da curva PV. Nossos resultados

também sugerem que durante a anestesia, baixos PEEPs e altos volumes

correntes devem ser evitados.

5.4. Comprometimento de pequenas vias aéreas na FPI

Comprometimento de pequenas vias aéreas nas Pneumopatias

Intersticiais fibrosantes, e mais especificamente na FPI, já foi relatado por


17, 18, 60
outros autores , mas seu papel na patogênese da doença ainda não é

claro.

Os resultados do ajuste das curvas PV dos pacientes com FPI com o

modelo sigmóide observados nesse estudo são um indício indireto da

ocorrência de colapso de pequenas vias aéreas e alvéolos nesse pacientes,

quando sob anestesia geral, e, talvez, mesmo durante a ventilação

espontânea. A semelhança formato das curvas com as curvas de pacientes


67

com PH crônica, nos quais o acometimento de pequenas vias aéreas é mais

documentado 22, também fala a favor desse fenômeno.

A análise morfológica dos fragmentos histológicos obtidos na biopsia

confirmou que as pequenas vias aéreas de todos os pacientes estudados

eram anormais, apontando para acometimento de pequenas vias aéreas.

Nossos dados foram coletados em pacientes anestesiados e em

posição supina, e conseqüentemente as implicações desses achados para

pacientes em respiração espontânea são desconhecidas. Entretanto, é

possível especular-se que o fenômeno encontrado durante a anestesia geral

possa estar também presente durante a ventilação espontânea nesse

pacientes. Uma vez minimizado o colapso associado à anestesia com a

realização da manobra de recrutamento e uso de baixas FIO2, restariam os

efeitos da posição supina e da ausência de esforços inspiratórios, o que não

é completamente diferente do estado de sono profundo, por exemplo.

Como citado anteriormente, há outras evidências da presença de

colapso alveolar e reabertura cíclica de pequenas vias aéreas e alvéolos

durante a ventilação espontânea em pacientes com FPI, como a ausculta de


24-26
crepitações pulmonares e detecção de colapso pela tomografia
15
computadorizada . Estudos em pacientes com respiração espontânea,

acordados e dormindo, serão necessários para melhor elucidar a presença

de colapso alveolar e de pequenas vias aéreas na FPI e seu papel na

patogênese da doença.
68

5.5. Normalização das curvas PV

Quando os dados de cada paciente foram normalizados pelos

parâmetros encontrados no processo de ajuste de curva com o modelo

sigmóide e combinados em um único gráfico, o formato sigmóide manteve-

se evidente. Tal resultado foi igualmente verdadeiro para pacientes com FPI

apenas (Figura 16), com PH apenas (Figura 17) e para todos os pacientes

juntos (Figura 15).

Apesar de diferenças em grau de acometimento da doença e

diagnóstico histológico final (FPI ou PH crônica) entre os 10 pacientes, os

pontos da curva normalizada convergiram para um sigmóide quase perfeita,

gerando um R2=0.9997.

A curva normalizada pode ser vista como uma curva mestre, capaz de

descrever qualquer paciente com alterações da mecânica pulmonar

associadas às Pneumonias Intersticiais fibrosantes.


38, 61 45, 62
Modelos matemáticos e dados clínicos mostraram que o

ponto de inflexão inferior não é a pressão de vias aéreas em que o

recrutamento pulmonar é máximo e o PFLEX pode não ser o melhor guia para
63
titulação da PEEP na SDRA . Ainda assim, a curva mestre pode ser útil

para ajudar a compreender as propriedades mecânicas do sistema

respiratório e utilizada para o desenvolvimento de novas estratégias

ventilatórias na FPI.
6- CONCLUSÕES
70

1) A equação sigmóide ajusta as curvas PV inspiratórias de pacientes

com FPI e PH crônica muito bem, gerando parâmetros com significado

fisiológico, e é superior à equação exponencial

2) quando as curvas foram normalizadas, foi possível agrupar os

dados de todos os pacientes em um único gráfico mestre e ajustá-lo com a

equação sigmóide, com excelente resultado;

3) as curvas PV inspiratórias de pacientes com FPI apresentam

regiões de baixa complacência inicial, semelhante às curvas de pacientes

com SDRA, sugerindo colapso alveolar e de pequenas vais aérea durante a

anestesia e ventilação mecânica na FPI.


7 - REFERÊNCIAS
72

1. King TE,Jr. Clinical advances in the diagnosis and therapy of the interstitial

lung diseases. Am J Respir Crit Care Med 2005; Aug 1;172(3):268-79.

2. Martinez FJ, Safrin S, Weycker D, Starko KM, Bradford WZ, King TE,Jr, et

al. The clinical course of patients with idiopathic pulmonary fibrosis. Ann

Intern Med 2005; Jun 21;142(12 Pt 1):963-7.

3. American Thoracic Society, European Respiratory Society. American

Thoracic Society/European Respiratory Society International Multidisciplinary

Consensus Classification of the Idiopathic Interstitial Pneumonias. This joint

statement of the American Thoracic Society (ATS), and the European

Respiratory Society (ERS) was adopted by the ATS board of directors, June

2001 and by the ERS Executive Committee, June 2001. Am J Respir Crit

Care Med 2002; Jan 15;165(2):277-304.

4. Raghu G, Weycker D, Edelsberg J, Bradford WZ, Oster G. Incidence and

prevalence of idiopathic pulmonary fibrosis. Am J Respir Crit Care Med 2006;

Oct 1;174(7):810-6.

5. Garcia CK, Raghu G. Inherited interstitial lung disease. Clin Chest Med

2004; Sep;25(3):421-33.

6. Marshall RP, Puddicombe A, Cookson WO, Laurent GJ. Adult familial

cryptogenic fibrosing alveolitis in the United Kingdom. Thorax 2000;

Feb;55(2):143-6.
73

7. Katzenstein AL, Myers JL. Idiopathic pulmonary fibrosis: clinical relevance

of pathologic classification. Am J Respir Crit Care Med 1998; Apr;157(4 Pt

1):1301-15.

8. Orens JB, Kazerooni EA, Martinez FJ, Curtis JL, Gross BH, Flint A, et al.

The sensitivity of high-resolution CT in detecting idiopathic pulmonary fibrosis

proved by open lung biopsy. A prospective study. Chest 1995;

Jul;108(1):109-15.

9. Nicholson AG, Colby TV, du Bois RM, Hansell DM, Wells AU. The

prognostic significance of the histologic pattern of interstitial pneumonia in

patients presenting with the clinical entity of cryptogenic fibrosing alveolitis.

Am J Respir Crit Care Med 2000; Dec;162(6):2213-7.

10. Walter N, Collard HR, King TE,Jr. Current perspectives on the treatment

of idiopathic pulmonary fibrosis. Proc Am Thorac Soc 2006; Jun;3(4):330-8.

11. American Thoracic Society. Idiopathic pulmonary fibrosis: diagnosis and

treatment. International consensus statement. American Thoracic Society

(ATS), and the European Respiratory Society (ERS). Am J Respir Crit Care

Med 2000; Feb;161(2 Pt 1):646-64.

12. Selman M, King TE, Pardo A, American Thoracic Society, European

Respiratory Society, American College of Chest Physicians. Idiopathic

pulmonary fibrosis: prevailing and evolving hypotheses about its

pathogenesis and implications for therapy. Ann Intern Med 2001; Jan

16;134(2):136-51.
74

13. Selman M, Pardo A. The epithelial/fibroblastic pathway in the

pathogenesis of idiopathic pulmonary fibrosis. Am J Respir Cell Mol Biol

2003; Sep;29(3 Suppl):S93-7.

14. Muller NL, Miller RR. Computed tomography of chronic diffuse infiltrative

lung disease. Part 1. Am Rev Respir Dis 1990; Nov;142(5):1206-15.

15. Rocha MJ, Ferreira JC, Salge JM, Borges-Sobrinho JB, Amato MB,

Kairalla RA, et al. Demonstration of Reversible Alveolar Collapse in Patients

with Idiopathic Pulmonary Fibrosis (IPF): An Image Study. Proc Am Thorac

Soc 2006;3(Abstract):A106.

16. Ostrow D, Cherniack RM. Resistance to airflow in patients with diffuse

interstitial lung disease. Am Rev Respir Dis 1973; Aug;108(2):205-10.

17. Fulmer JD, Roberts WC, von Gal ER, Grystal RG. Small airways in

idiopathic pulmonary fibrosis. Comparison of morphologic and physiologic

observations. J Clin Invest 1977; Sep;60(3):595-610.

18. Myre M, Allard S, Bernard C, Martin RR. Clinical, functional and

pathological correspondence in early stage idiopathic pulmonary fibrosis:

evidence for small airway obstruction 1-2. Respiration 1988;53(3):174-86.

19. Salge JM, Sousa R, rocha MJ, Ferreira JC, Amato MB, Kairalla RA, et al.

Physiological Evidence of Small Airway Involvement in IPF. Proc Am Thorac

Soc 2007;(Abstract):A142.
75

20. Schofield NC, Davies RJ, Cameron IR, Green M. Small airways in

fibrosing alveolitis. Am Rev Respir Dis 1976; Jun;113(6):729-35.

21. Tan CS, Tashkin DP. Supernormal maximal mid-expirartory flow rates in

diffuse interstitial lung disease. Respiration 1981;42(3):200-8.

22. Perez-Padilla R, Gaxiola M, Salas J, Mejia M, Ramos C, Selman M.

Bronchiolitis in chronic pigeon breeder's disease. Morphologic evidence of a

spectrum of small airway lesions in hypersensitivity pneumonitis induced by

avian antigens. Chest 1996; Aug;110(2):371-7.

23. Mello GCF, Dolhnikoff M, Kairalla RA, Carvalho CR, Saldiva PH, Mauad

T. Small airways structural alterations in usual interstitial pneumonia, non-

specific interstitial pneumonia, hypersensitivity pneumonia and chronic

bronchiolitis. Eur Respir J Suppl 2006;28(Suppl 50):308s.

24. Pasterkamp H, Kraman SS, Wodicka GR. Respiratory sounds. Advances

beyond the stethoscope. Am J Respir Crit Care Med 1997; Sep;156(3 Pt

1):974-87.

25. Alencar AM, Hantos Z, Petak F, Tolnai J, Asztalos T, Zapperi S, et al.

Scaling behavior in crackle sound during lung inflation. Phys Rev E Stat Phys

Plasmas Fluids Relat Interdiscip Topics 1999; Oct;60(4 Pt B):4659-63.

26. Hantos Z, Tolnai J, Asztalos T, Petak F, Adamicza A, Alencar AM, et al.

Acoustic evidence of airway opening during recruitment in excised dog lungs.

J Appl Physiol 2004; Aug;97(2):592-8.


76

27. Salazar E, Knowles JH. An Analisys of Pressure-Volume characteristics

of the lungs. J Appl Physiol 1964; Jan;19:97-104.

28. Hickling KG. Reinterpreting the pressure-volume curve in patients with

acute respiratory distress syndrome. Curr Opin Crit Care 2002; Feb;8(1):32-

8.

29. Brochard L. What is a pressure-volume curve?. Crit Care 2006;10(4):156.

30. Amato MB, Barbas CS, Medeiros DM, Magaldi RB, Schettino GP,

Lorenzi-Filho G, et al. Effect of a protective-ventilation strategy on mortality in

the acute respiratory distress syndrome. N Engl J Med 1998; Feb

5;338(6):347-54.

31. Ranieri VM, Suter PM, Tortorella C, De Tullio R, Dayer JM, Brienza A, et

al. Effect of mechanical ventilation on inflammatory mediators in patients with

acute respiratory distress syndrome: a randomized controlled trial. JAMA

1999; Jul 7;282(1):54-61.

32. Villar J, Kacmarek RM, Perez-Mendez L, Aguirre-Jaime A. A high positive

end-expiratory pressure, low tidal volume ventilatory strategy improves

outcome in persistent acute respiratory distress syndrome: a randomized,

controlled trial. Crit Care Med 2006; May;34(5):1311-8.

33. Sansores R, Perez-Padilla R, Pare PD, Selman M. Exponential analysis

of the lung pressure-volume curve in patients with chronic pigeon-breeder's

lung. Chest 1992; May;101(5):1352-6.


77

34. Sansores RH, Ramirez-Venegas A, Perez-Padilla R, Montano M, Ramos

C, Becerril C, et al. Correlation between pulmonary fibrosis and the lung

pressure-volume curve. Lung 1996;174(5):315-23.

35. Thompson MJ, Colebatch HJ. Decreased pulmonary distensibility in

fibrosing alveolitis and its relation to decreased lung volume. Thorax 1989;

Sep;44(9):725-31.

36. Colebatch HJ, Greaves IA, Ng CK. Exponential analysis of elastic recoil

and aging in healthy males and females. J Appl Physiol 1979; Oct;47(4):683-

91.

37. Sutherland PW, Katsura T, Milic-Emili J. Previous volume history of the

lung and regional distribution of gas. J Appl Physiol 1968; Nov;25(5):566-74.

38. Hickling KG. The pressure-volume curve is greatly modified by

recruitment. A mathematical model of ARDS lungs. Am J Respir Crit Care

Med 1998; Jul;158(1):194-202.

39. Paiva M, Yernault JC, Eerdeweghe PV, Englert M. A sigmoid model of

the static volume-pressure curve of human lung. Respir Physiol 1975;

Apr;23(3):317-23.

40. Venegas JG, Harris RS, Simon BA. A comprehensive equation for the

pulmonary pressure-volume curve. J Appl Physiol 1998; Jan;84(1):389-95.


78

41. Harris RS, Hess DR, Venegas JG. An objective analysis of the pressure-

volume curve in the acute respiratory distress syndrome. Am J Respir Crit

Care Med 2000; Feb;161(2 Pt 1):432-9.

42. Pereira C, Bohe J, Rosselli S, Combourieu E, Pommier C, Perdrix JP, et

al. Sigmoidal equation for lung and chest wall volume-pressure curves in

acute respiratory failure. J Appl Physiol 2003; Nov;95(5):2064-71.

43. Gama AM, Meyer EC, Gaudencio AM, Grunauer MA, Amato MB, de

Carvalho CR, et al. Different low constant flows can equally determine the

lower inflection point in acute respiratory distress syndrome patients. Artif

Organs 2001; Nov;25(11):882-9.

44. Baydur A, Behrakis PK, Zin WA, Jaeger M, Milic-Emili J. A simple method

for assessing the validity of the esophageal balloon technique. Am Rev

Respir Dis 1982; Nov;126(5):788-91.

45. Jonson B, Richard JC, Straus C, Mancebo J, Lemaire F, Brochard L.

Pressure-volume curves and compliance in acute lung injury: evidence of

recruitment above the lower inflection point. Am J Respir Crit Care Med

1999; Apr;159(4 Pt 1):1172-8.

46. Motulsky H. How linear regression minimizes the sums-of-squares. In:

Motulsky H. Fitting Models to Biological Data Using Linear and Nonlinear

Regression. 1st ed. New York: Oxford University Press; 2004. p. 91-6.

47. Colebatch HJ, Ng CK, Nikov N. Use of an exponential function for elastic

recoil. J Appl Physiol 1979; Feb;46(2):387-93.


79

48. Gattinoni L, Mascheroni D, Basilico E, Foti G, Pesenti A, Avalli L.

Volume/pressure curve of total respiratory system in paralysed patients:

artefacts and correction factors. Intensive Care Med 1987;13(1):19-25.

49. Motulsky H. Nonlinear Regression Choices. In: Motulsky H. Fitting

Models to Biological Data Using Linear and Nonlinear Regression. 1st ed.

New York: Oxford University Press; 2004. p. 25-7.

50. Tokics L, Hedenstierna G, Strandberg A, Brismar B, Lundquist H. Lung

collapse and gas exchange during general anesthesia: effects of

spontaneous breathing, muscle paralysis, and positive end-expiratory

pressure. Anesthesiology 1987; Feb;66(2):157-67.

51. Rothen HU, Sporre B, Engberg G, Wegenius G, Hogman M,

Hedenstierna G. Influence of gas composition on recurrence of atelectasis

after a reexpansion maneuver during general anesthesia. Anesthesiology

1995; Apr;82(4):832-42.

52. Stern JB, Mal H, Groussard O, Brugiere O, Marceau A, Jebrak G, et al.

Prognosis of patients with advanced idiopathic pulmonary fibrosis requiring

mechanical ventilation for acute respiratory failure. Chest 2001;

Jul;120(1):213-9.

53. Blivet S, Philit F, Sab JM, Langevin B, Paret M, Guerin C, et al. Outcome

of patients with idiopathic pulmonary fibrosis admitted to the ICU for

respiratory failure. Chest 2001; Jul;120(1):209-12.


80

54. Saydain G, Islam A, Afessa B, Ryu JH, Scott JP, Peters SG. Outcome of

patients with idiopathic pulmonary fibrosis admitted to the intensive care unit.

Am J Respir Crit Care Med 2002; Sep 15;166(6):839-42.

55. Kondoh Y, Taniguchi H, Kitaichi M, Yokoi T, Johkoh T, Oishi T, et al.

Acute exacerbation of interstitial pneumonia following surgical lung biopsy.

Respir Med 2006; Oct;100(10):1753-9.

56. Carvalho CR, Kairalla RA, Schettino GP. Acute respiratory failure after

interferon-gamma therapy in IPF. Am J Respir Crit Care Med 2004; Feb

15;169(4):543,4; author reply 544.

57. Amato MB, Barbas CS, Medeiros DM, Schettino Gde P, Lorenzi Filho G,

Kairalla RA, et al. Beneficial effects of the "open lung approach" with low

distending pressures in acute respiratory distress syndrome. A prospective

randomized study on mechanical ventilation. Am J Respir Crit Care Med

1995; Dec;152(6 Pt 1):1835-46.

58. Hager DN, Krishnan JA, Hayden DL, Brower RG, ARDS Clinical Trials

Network. Tidal volume reduction in patients with acute lung injury when

plateau pressures are not high. Am J Respir Crit Care Med 2005; Nov

15;172(10):1241-5.

59. Ferreira JC, Kairalla RA, Borges-Sobrinho JB, de Souza R, Schettino IA,

Carvalho CR. Recruitment maneuver and PEEP response in acute

exacerbation of nonspecific interstitial pneumonia. Sarcoidosis Vasc Diffuse

Lung Dis 2004; Jun;21(2):159-60.


81

60. Fulmer JD, Roberts WC. Small airways and interstitial pulmonary

disease. Chest 1980; Apr;77(4):470-2.

61. Jonson B, Svantesson C. Elastic pressure-volume curves: what

information do they convey?. Thorax 1999; Jan;54(1):82-7.

62. Takeuchi M, Sedeek KA, Schettino GP, Suchodolski K, Kacmarek RM.

Peak pressure during volume history and pressure-volume curve

measurement affects analysis. Am J Respir Crit Care Med 2001; Oct

1;164(7):1225-30.

63. Hickling KG. Best compliance during a decremental, but not incremental,

positive end-expiratory pressure trial is related to open-lung positive end-

expiratory pressure: a mathematical model of acute respiratory distress

syndrome lungs. Am J Respir Crit Care Med 2001; Jan;163(1):69-78.


APÊNDICE
Tabela. Duração das curvas PV de cada paciente

ID Diagnóstico Duração (seg)


2 JVS FPI-UIP 133.78
4 VOL FPI 66.76
7 AF FPI-UIP 91.24
8 SE FPI-UIP 47.7
9 LGCC FPI-UIP 10.06
11 AD FPI-UIP 175.4
1 MSCF PH 217.49
5 JSP PH 147.6
10 AE PH 86.48
12 VLS PH 92.86

PH = Pneumonite por Hipersensibilidade crônica


FPI = Fibrose Pulmonar Idiopática
UIP = padrão Pneumonia Intersticial Usual
84

Tabela. Resultados do ajuste exponencial e sigmóide às curvas PV de


cada paciente

ID Diagnóstico R2 Exponencial R2 Sigmóide


2 JVS FPI-UIP 0.9429 0.9996
4 VOL FPI 0.9978 0.9996
7 AF FPI-UIP 0.9889 0.9997
8 SE FPI-UIP 0.9578 0.9996
9 LGCC FPI-UIP 0.9799 0.9995
11 AD FPI-UIP 0.9643 0.9995
1 MSCF PH 0.9790 0.9998
5 JSP PH 0.9931 0.9998
10 AE PH 0.9599 0.9969
12 VLS PH 0.9876 0.9995
Média 0.9751 0.9993
SD 0.0180 0.0009

PH = Pneumonite por Hipersensibilidade crônica


FPI = Fibrose Pulmonar Idiopática
UIP = padrão Pneumonia Intersticial Usual
SD = Desvio padrão