Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO – UFRPE

UNIDADE ACADÊMICA DE CABO DE SANTO AGOSTINHO – UACSA


LEGISLAÇÃO PARA ENGENHARIA
Prof.: FRANCISCO VALÉRIO
MA6 – SEMESTRE I – 2019.1

Resumo sobre direito penal

O direito penal é o conjunto de normas punitivas e que tem como premissa a


punição de crimes, no qual o estado tem medidas e sanções para quem viola as
regras do convívio harmonioso em sociedade, porém, vemos dificuldades do estado
em ter uma eficaz aplicabilidade do direito penal no Brasil, devido a problemas
como: corrupção e a grande extensão do nosso país. À medida que se avançou na
historia foram retiradas penas cruéis do código penal, como condenação a morte e
enforcamento, no código atual pena de morte limita-se a casos de guerra declarada.
O código penal vigente é dividido em duas partes a geral e a especial, aqui
abordaremos a geral que trata de crimes, penas e medidas de segurança no âmbito
geral, sua fonte dá-se no legislativo da união. O direito penal possui vários princípios
que o regem, como exemplo, o principio da legalidade só haverá crime se existir
uma lei anterior ao crime que o defina como tal e o principio da irretroatividade na
qual a lei não pode retroagir, se não, para beneficio do réu. A vigência da lei penal
pode ser tanto no tempo quando depende se crime realizado perdurou por um tempo
longo ou aconteceram vários crimes de forma continuada, quanto no espaço quando
vigora em todo o território nacional atingindo tanto brasileiros como estrangeiros. O
lugar do crime é onde foi praticado o ato ilícito que estando em território nacional ou
começando no exterior e terminando no Brasil será punível com as leis brasileiras.
Dentro da infração penal temos as espécies que podem ser: o crime ou a
contravenção, que possui diferenças quanto à severidade de suas punições. O
sujeito ativo é o autor que executa o crime, podendo ser um ou vários autores, onde
podemos ter o executor direto que realiza o ato criminoso, como também, o executor
indireto, podendo ser mandatário do crime, já os sujeitos passivos podem ser o
estado, que está a cargo da sentença e punição do autor do crime, e a vitima do
crime que recebe proteção do estado. Temos situações nas quais se devem verificar
o caminho de um crime, podendo este ser maior ou menor, para definir este caminho
foi criado fases que os subdividem são elas, fase de ideação, na qual o crime é
pensado, a fase de atos preparatórios, onde o futuro executor do crime vai procurar
os meios e ferramentas para a consumação do seu ato, a fase de execução, sendo
a etapa que o crime começa a ser executado, e a fase de consumação, na qual o
crime foi realizado. O direito penal distingue as punições de acordo com o avanço
nas fases de um crime onde temos: crime consumado, quando temos todos os
elementos de sua definição, e da tentativa, nesse caso temos uma interrupção no
ato criminoso antes de sua consumação, sendo julgados de forma diferente, mas
mantendo-se a proporcionalidade. Os crimes também podem ser: dolosos, quando
se verifica que o autor do crime teve intenção de realizar aquele ato ilícito, mesmo
sabendo de suas consequências, os culposos, no qual temos os casos de acidentes
e situações onde o autor do crime não poderia prever as consequências de seus
atos tanto por imprudência, imperícia ou negligencia, e os preterdolosos, têm nesse
caso uma combinação das situações de ser doloso e culposo, pois o infrator não
assume o risco, porém, por intermediu de elementos externos a ação, o crime vem a
ser consumado. Temos situações em que há de certa forma, uma ausência da
aplicação do direito penal, chamamos de antijuridicidade, que são os casos em que
tivermos: o estado de necessidade, quando se toma atitudes inevitáveis em
situações extremas com risco à vida, a legítima defesa, na qual tomamos medidas
moderadas frente a uma violação de seus direitos, e em estrito comprimento do
dever legal, o agente reage de forma razoável à execução de um crime com objetivo
de impedir a sua consumação. Das penas previstas no direito penal temos: a
privação de liberdade, sendo estas por regimes que vão desde poucos dias a vários
anos de reclusão, a restrição de direitos, no qual a pessoa perde direitos adquiridos
mediante qualificações, e as multas de caráter financeiro. Temos no direito penal as
pessoas que são inimputáveis perante a lei como os inimputáveis por menoridade,
que não são maiores de 18 anos e estão numa legislação especial, por doenças
mentais, no qual não é capaz de entender o ato criminoso que está cometendo, por
embriaguez, quando não foi capaz de entender a natureza do ato ilícito, e por
emoção ou paixão, quando a vitima lançou provações injustas o réu obterá uma
redução da pena. As situações relacionadas a prescrição de um crime está
relacionada com o julgamento do crime pelo estado, existindo prazo legal para a
realização do julgamento e execução da pena que pode variar de acordo com o
crime cometido, caso contrário, o crime prescreve e o réu é absolvido, existe duas
formas de prescrição sendo elas: prescrição de pretensão punitiva e da pretensão
executória.