Você está na página 1de 2

MCDONALD'S INAUGURA LOJA EM MOSCOU

Publicado na Folha de S.Paulo, quarta-feira, 31 de janeiro de 1990

A rede de lanchonetes McDonal's abre hoje na praça Pushkin sua primeira loja em Moscou. Ontem
à noite, apesar do frio de zero grau, havia aglomerações diante da loja, no centro da capital
soviética. Ela será a maior da rede em todo o mundo. Poderá atender 15 mil pessoas/dia. Terá 700
cadeiras em quatro ambientes, decorados com motivos japoneses, europeus, norte-americanos e
sul-americanos. A fachada traz o conhecido logotipo da rede com uma bandeirinha da URSS. Há 14
anos o McDonald's tenta entrar no mercado soviético.

McDonald's promove revolução

De Moscou

A abertura da McDonald's em Moscou tem um impacto na sociedade soviética muito maior do que
se poderia imaginar. Mexe com todos os setores da vida soviética, incluindo costumes e
concepções de como vivem e fazem negócios os estrangeiros.
Em primeiro lugar, nunca existiu fast-food neste país, exceto por experimentos muito limitados,
como um famoso caminhão que vendia pizzas. Fracassou. Restaurantes soviéticos só atendem com
reservas feitas com várias horas de antecedência e cada refeição exige pelo menos duas horas
para ser servida e consumida. Uma rede de fast-food introduz uma possibilidade de mudança do
ritmo de vida.
A McDonald's promete ser um novo local de aglutinação de jovens, especialmente porque está
situada num local nobre de Moscou, a praça Pushkin, que já foi ponto dos dissidentes. Além da
praça, só o calçadão Arbat funciona como um esposo público para este tipo de aglutinação social.
Terceiro, o "modus operandi" da McDonald's abre novas perspectivas para a perestroika. Os
empregados são soviéticos, toda a estrutura de trabalho foi montada aqui, os rublos obtidos com
as vendas pagarão a matéria-prima e os salários em rublos dos funcionários, permitindo a
expansão do capital. Em outros termos, oferece uma saída para o dilema da inconvertibilidade do
rublo.
Por fim, a McDonald's promete que todos serão atendidos com cortesia. Como em Moscou é
"normal" ser atendido por burocratas mal humorados, um serviço cortês pode mostrar que é
possível trabalhar sem empurrões, atropelos e caras feias. Só isso já vai trazer novos ventos para
a perestroika. (JA)

A perestroika dá a primeira mordida no seu "Big Mac"

JOSÉ ARBEX
De Moscou

A subsidiária canadense da rede de lanchonetes McDonald's abre hoje sua primeira loja em
Moscou, depois de 14 anos de projetos e tentativas frustradas. As expectativas dos moscovitas são
enormes e se traduziam até ontem à noite, apesar do frio de zero grau, em grandes aglomerações
diante da loja ainda fechada, situada na praça Pushkin, em pleno coração de Moscou. Espera-se
que hoje as filas cubram os escassos 400 metros da rua Gorki que separam o local da Praça
Vermelha. A perestroika, finalmente, encontrou o "Big Mac".
A McDonald's-Moscou será a maior do mundo, terá capacidade para atender 15 mil pessoas
diariamente, das 9h às 22h, com 27 caixas funcionando sem interrupção.
Normalmente, o atendimento médio diário de cada uma das lojas da rede (11 mil, espalhadas por
51 países) é de 1.800 pessoas. A sala terá 700 cadeiras divididas em 4 ambientes, decorados com
motivos japoneses, europeus, norte-americanos e sul-americanos.
O mais importante é que as refeições serão cobradas em moeda soviética, rublos. Ainda que uma
refeição média seja cara para os padrões soviéticos (algo em torno de 4 rublos, quando o salário
mensal é de 230 rublos), só o fato de a população local ter acesso aos produtos já representa uma
inovação de grande impacto. Os investimentos e os lucros serão igualmente compartilhados por
uma "joint-venture" com a empresa soviética "Mosrestau-ranservice"
Fazendo uma pequena provocação com outras empresas ocidentais que só vendem seus produtos
por dólares, a McDonald's afixou à porta de sua loja um cartaz avisando: "Só vendemos em
rublos". E adverte que os estrangeiros terão que ficar na fila, junto com todos os outros. Isso é
também uma óbvia estratégia de marketing para captar as simpatias dos soviéticos, que têm
razões de sobra para se ressentirem dos "privilégios" comprados por dólares a eles inacessíveis.
Este esquema só foi possível porque a McDonald's montou no próprio país, pagando em rublos,
toda a linha de produção de hambúrgueres, batatas, pepinos e laticínios. Durante dois anos,
técnicos canadenses ensinaram seus métodos para a criação e controle de qualidade aos
trabalhadores de fazendas coletivas (Kolhozes e Sovkhozes) próximas a Moscou. Os produtos são
processados num subúrbio da capital, com capacidade horária para 10 mil hambúrgueres, 3 mil
litros de derivados de leite e 14 mil pães.
Caso a experiência moscovita dê certo, a McDonald's vai abrir 20 outras lojas em Moscou e em
outras capitais, com um investimento inicial de US$ 50 milhões, o que é pouco, considerando o
porte dos negócios e da empresa. Por enquanto, a empresa emprega 630 jovens, com salário
médio de 230 rublos. Cerca de 27 mil jovens se candidataram ao emprego - o equivalente a 42
postulantes por vaga -, imediatamente após a publicação de um anúncio nos principais jornais
soviéticos. Depois da seleção, foram todos treinados segundo os métodos da rede McDonald's.

© Copyright Empresa Folha da Manhã Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em
qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Empresa Folha da Manhã Ltda.