Você está na página 1de 185

Cálculo Diferencial e Integral II

Claudio Aguinaldo Buzzi

Departamento de Matemática

UNESP - Campus de São José do Rio Preto


Índice
1 Superfı́cies especiais 4
1.1 Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.2 Cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.3 Quádricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2 Funções reais de duas variáveis reais 9


2.1 Domı́nio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.2 Gráfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.3 Curvas de nı́vel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

3 Funções reais de três variáveis reais 12


3.1 Domı́nio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3.2 Superfı́cies de nı́vel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

4 Noções topológicas no plano e no espaço 14


Primeira Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

5 Limites e continuidade: definição e propriedades 17


Segunda Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

6 Derivadas parciais 25
6.1 Definição e interpretação geométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
6.2 Diferenciabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Terceira Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
6.3 Vetor Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Quarta Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
6.4 Regra da Cadeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
6.5 Derivação de funções definidas implicitamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Quinta Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Primeira Prova . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
6.6 Derivada Direcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
6.7 Derivadas parciais de ordem superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Sexta Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
6.8 Generalização do Teorema do Valor Médio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
6.9 Fórmula de Taylor com resto de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
6.10 Extremos Locais: Máximos e Mı́nimos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
Sétima Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
Segunda Prova . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
6.11 Multiplicadores de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
Revisão de Integrais de funções de uma variável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97

7 Integral dupla 100


7.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
7.2 Propriedades da integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
7.3 Teorema de Fubini . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Oitava Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
7.4 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

ii
7.5 Mudança de Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
Nona Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

8 Integral tripla 129


8.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
8.2 Propriedades da integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
8.3 Mudança de Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
8.4 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
Décima Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136

9 Funções Vetoriais 137


9.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
9.2 Operações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
9.3 Limite e Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
9.4 Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
9.5 Curvas parametrizadas: vetores tangentes, comprimento de arco . . . . . . . . 138

10 Integral de Linha 140


Terceira Prova . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Décima Primeira Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
10.1 Função Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
10.2 Diferenciais Exatas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
10.3 Independência dos Caminhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
10.4 Teorema de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
Décima Segunda Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

11 Integral de Superfı́cies 164


11.1 Noções sobre superfı́cies e planos tangentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
11.2 Integral de Superfı́cies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
11.3 Teoremas de Gauss e de Stokes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
11.4 Aplicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
Décima Terceira Lista de Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
Quarta Prova . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180

iii
Aula 1: 24/02/2010

Conteúdo Programático do Curso

1. Superfı́cies especiais.

(a) Planos
(b) Cilindros
(c) Quádricas

2. Funções reais de duas variáveis reais.

(a) Domı́nio
(b) Gráfico
(c) Curvas de nı́vel

3. Funções reais de três variáveis reais.

(a) Domı́nio
(b) Superfı́cies de nı́vel

4. Noções topológicas no plano e no espaço.

5. Limites e continuidade: definição e propriedades.

6. Derivadas parciais.

(a) Definição e interpretação geométrica


(b) Diferenciabilidade
(c) Vetor gradiente
(d) Regra da cadeia
(e) Derivação de funções definidas implicitamente
(f) Derivada direcional
(g) Derivadas parciais de ordem superior
(h) Generalização do Teorema do Valor Médio
(i) Fórmula de Taylor com resto de Lagrange
(j) Aproximação linear
(k) Diferenciais
(l) Extremos locais: máximos e mı́nimos
(m) Multiplicadores de Lagrange
(n) Aplicações

1
7. Integral dupla.

(a) Definição
(b) Propriedades
(c) Teorema de Fubini
(d) Mudança de variáveis
(e) Aplicações

8. Integral tripla.

(a) Definição
(b) Propriedades
(c) Mudança de variáveis
(d) Aplicações

9. Funções vetoriais.

(a) Definição
(b) Operações
(c) Limite e continuidade
(d) Derivada
(e) Curvas parametrizadas: vetores tangentes, comprimento de arco

10. Integral de linha.

(a) Independência de caminhos


(b) Diferenciais exatas
(c) Função potencial
(d) Teorema de Green

11. Integral de superfı́cie.

(a) Teoremas de Gauss e de Stokes


(b) Aplicações

Bibliografia
1. Guidorizzi, H. L. - Um curso de cálculo, Vol. 2 e 3, LTC, Rio de Janeiro, 2001.

2. Pinto, D. e Cândida, F. M. - Cálculo diferencial e integral de várias variáveis, UFRJ,


Rio de Janeiro, 2003.

3. Stewart, J. - Cálculo, Vol. 2, Thompson, São Paulo, 2004

2
4. Flemming, D. M. e Gonçalves, M. B. - Cálculo B, Pearson Prentice Hall, São Paulo,
2007.

5. Anton, H. - Cálculo: um novo horizonte, Bookman, 2000.

6. Thomas, G. B. - Cálculo, Vol. 2, Addison-Wesley, São Paulo, 2003.

Avaliação
Serão aplicadas 4 provas. A média final será obtida como uma média aritmética entre as
notas dos semestres. A matéria da primeira prova será tudo o que for visto até o dia da prova.
A matéria da segunda prova será toda a matéria do primeiro semestre. A matéria da terceira
prova será a matéria que for vista do inı́cio do segundo semestre até o dia da terceira prova.
A matéria da quarta prova será toda a matéria do segundo semestre.
Se a nota da segunda prova for maior que a nota da primeira prova, então a nota do
primeiro semestre será a nota da segunda prova. Se a nota da segunda prova for menor ou
igual a nota da primeira prova, então a nota do primeiro semestre será a média aritmética
das notas da primeira e segunda provas.
Se a nota da quarta prova for maior que a nota da terceira prova, então a nota do segundo
semestre será a nota da quarta prova. Se a nota da quarta prova for menor ou igual a nota
da terceira prova, então a nota do segundo semestre será a média aritmética das notas da
terceira e quarta provas.
Somente os alunos que perderem uma das 4 provas, por motivo justificado, poderão fazer
outra prova no dia 02/12.
Ao final do curso os alunos que obtiverem média igual ou superior a 5,0 (cinco) e pelo
menos 70% de freqüência serão aprovados. Os alunos que tiverem média inferior a 5,0 (cinco)
e pelo menos 70% de freqüência poderão fazer uma prova de recuperação. Nesse caso a média
final é obtida fazendo-se a média aritmética entre a média anterior com a nota da recuperação.
Se a média final for igual ou superior a 5,0 (cinco) o aluno será aprovado, caso contrário será
reprovado. Os alunos que tiverem freqüência inferior a 70% serão reprovados por faltas.
As datas das provas:
Prova 1: Sexta, 30 de abril.
Prova 2: Sexta, 18 de junho.
Prova 3: Quinta, 30 de setembro.
Prova 4: Terça, 30 de novembro.
Prova Perdida: Quinta, 02 de dezembro.
Recuperação: Quinta, 09 de dezembro.

3
Aula 2: 26/02/2010

1 Superfı́cies especiais
1.1 Planos
Um plano no espaço fica completamente determinado por um ponto P0 (x0 , y0 , z0 ) do plano
e um vetor n que é ortogonal ao plano. Este vetor ortogonal n é chamado vetor normal.
Seja P (x, y, z) um ponto arbitrário do plano, e sejam r0 e r os vetores posição de P0 e P . O
vetor r − r0 é representado pelo segmento orientado com origem em P0 e extremidade em P .
O vetor n é perpendicular a r − r0 e também ortogonal a todos os vetores paralelos ao plano.

Figura 1: Plano em R3 .

Daı́ temos a equação


˙ − r0 ) = 0.
n(r
A equação anterior é chamada equação vetorial do plano.
Se n = (a, b, c), r = (x, y, z) e r0 = (x0 , y0 , z0 ) então a equação anterior se torna
a(x − x0 ) + b(y − y0 ) + c(z − z0 ) = 0
que é chamada equação escalar do plano.
Colecionando todos os termos constantes da equação, ela pode ser escrita na forma
ax + by + cz + d = 0
que é chamada equação geral do plano.
Exemplo: Encontre a equação geral do plano que passa pelos pontos P (1, 3, 2), Q(3, −1, 6)
e R(5, 2, 0).
Temos que determinar um vetor normal ao plano. Para isso considere dois vetores paralelos
ao plano u = Q − P = (2, −4, 4) e v = R − P = (4, −1, −2). Seja agora o vetor n que é o
produto vetorial entre u e v:

i j k

n = u × v = 2 −4 4 = (12, 20, 14).
4 −1 −2

A equação do plano fica


12(x − 1) + 20(y − 3) + 14(z − 2) = 0, ou seja, 6x + 10y + 7z − 50 = 0.

4
1.2 Cilindros
Um método muito eficiente de esboçar superfı́cies no espaço tridimensional é calcular as
intersecções da superfı́cie com planos. Nesta e na próxima seção usaremos esse método para
esboçar as superfı́cies.

Definição 1. Um cilindro é uma superfı́cie que consiste de retas paralelas a uma reta dada
(chamada geratriz) e que passam por uma curva plana dada (chamada diretriz).

Figura 2: Superfı́cie z = x2 .

Exemplo: Esboce a superfı́cie z = x2 .


Note que a equação não envolve a variável y. Isso significa que todo plano da forma
y = k (paralelo ao plano xz) intersepta em uma curva de equação z = x2 . Essas curvas são
parábolas. A figura 2 mostra como o esboço é formado tomando a parábola z = x2 no plano
xz e movendo-a na direção do eixo y. Esta superfı́cie é chamada cilindro parabólico. Nesse
caso a parábola z = x2 , no plano xz, é a diretriz e o eixo y é a geratriz.
O fato ocorrido no exemplo anterior, de uma das variáveis não aparecer na equação da
superfı́cie, é tı́pico das superfı́cies que possuem como geratriz um dos eixos coordenados.

(a) (b)

Figura 3: Superfı́cies x2 + y 2 = 1 e y 2 + z 2 = 1.

Exemplo: Esboce as superfı́cies (a) x2 + y 2 = 1 e (b) y 2 + z 2 = 1.


(a) Como z está ausente na equação, então a intersecção com planos da forma z = k representa
uma circunferência de raio 1, no plano z = k e centrado no ponto (0, 0, k).
(b) Como x está ausente na equação, então a intersecção com planos da forma x = k representa
uma circunferência de raio 1, no plano x = k e centrado no ponto (k, 0, 0).

5
1.3 Quádricas
Definição 2. Quádrica é o lugar geométrico dos pontos (x, y, z) de R3 que satisfazem uma
equação do segundo grau do tipo

Ax2 + By 2 + Cz 2 + Dxy + Exz + F yz + Gx + Hy + Iz + J = 0,

onde A, B, C, . . . , J são constantes.

Observamos que através de rotações e translações toda quádrica pode ser colocada em
uma das seguintes formas normais

Ax2 + By 2 + Cz 2 + J = 0 ou Ax2 + By 2 + Iz = 0.

Exemplo: Esboce a quádrica


y2 z2
x2 + + = 1.
9 4
2
Substituindo z = 0 na equação, obtemos x2 + y9 = 1 que é a equação de uma elipse no
plano z = 0 de vértices (±1, 0, 0) e (0, ±3, 0). De forma geral, calculando a intersecção com
planos paralelos aos planos coordenados obtemos:

y2 k2
x2 + = 1 − , z = k (se − 2 ≤ k ≤ 2),
9 4
y2 z2
+ = 1 − k 2 , x = k (se − 1 ≤ k ≤ 1),
9 4
z2 k2
x2 + = 1 − , y = k (se − 3 ≤ k ≤ 3).
4 9
A figura 4 mostra o esboço da quádrica que é chamada elipsóide pois a intersecção com os
planos coordenados são elipses.

Figura 4: Elipsóide.

Exemplo: Esboce a superfı́cie z = 4x2 + y 2 .


Colocando x = 0 obtemos a parábola z = y 2 no plano yz. Se colocamos x = k, obtemos
z = 4x2 + k 2 . Isso significa que se fatiamos a quádrica com planos paralelos ao plano yz
obtemos ainda parábolas mas com o vértice cada vez mais alto. Se colocamos z = k, com
k > 0, obtemos elipses 4x2 +y 2 = k. Conhecendo essas intersecções com os planos paralelos aos
planos coordenados podemos esboçar a quádrica conforme a figura 5. Devido as intersecções
darem elipses e parábolas, essa superfı́cie é chamada parabolóide elı́ptico.

6
Figura 5: Parabolóide Elı́ptico.

7
Aula 3: 03/03/2010
Exemplo: Esboce a superfı́cie z = y 2 − x2 .
Colocando x = k obtemos parábolas z = y 2 − k 2 com concavidade voltada para cima (veja
figura 6 (a) e (d)). Quando fatiamos por planos y = k obtemos parábolas z = −x2 + k 2 com
concavidade voltada para baixo (veja figura 6 (b) e (e)). Se colocamos z = k, com k 6= 0,
obtemos hipérboles y 2 − x2 = k. E se z = 0, obtemos retas y = ±x (ver figura 6 (c) e (f)).

(a) (b) (c)

(d) (e) (f )

Figura 6: Cortes na quádrica z = y 2 − x2 .

Juntando essas informações obtemos a quádrica dada na figura 7. Devido as intersecções


darem hipérboles e parábolas, essa superfı́cie é chamada parabolóide hiperbólico.

Figura 7: Parabolóide Hiperbólico.

x2 z2
Exemplo: Esboce a superfı́cie + y2 − = 1.
4 4
A intersecção com planos da forma z = k obtemos a elipse
x2 k2
+ y2 = 1 + ,
4 4
e as intersecções com os planos coordenados xz e yz são as hipérboles
x2 z 2 z2
− = 1 e y2 − = 1.
4 4 4
A superfı́cie obtida é chamada hiperbolóide de uma folha e é apresentada na figura 8.

8
Figura 8: Hiperbolóide de uma folha.

2 Funções reais de duas variáveis reais


2.1 Domı́nio
Definição 3. Seja D um conjunto de pares ordenados de números reais. Uma função real
de duas variáveis reais é uma correspondência f : D ⊂ R × R → R que associa a cada
par (x, y) ∈ D um único número real denotado por f (x, y). Nesse caso o conjunto D é o
domı́nio de f .

y R

D
(x, y)
f (x, y)

Figura 9: Função real de duas variáveis reais.

Observamos que se for apresentado apenas a lei de definição da função então fica suben-
tendido que o o domı́nio é o maior conjunto possı́vel de pares de números reais onde aquela
lei pode ser aplicada. Veja o exemplo a seguir:
Exemplo: Encontre o domı́nio da função
xy − 5
f (x, y) = √ .
2 y−x

Para que a raiz quadrada do denominador esteja bem definida temos que ter y ≥ x, e
como está no denominador, não podemos ter y = x. Portanto o domı́nio de f é D = {(x, y) ∈
R2 : y > x}. Na Figura 10 está representado o domı́nio de f .

9
y>x
y

Figura 10: Domı́nio de f .

2.2 Gráfico
Definição 4. Seja D ⊂ R2 e f : D → R. O gráfico de f é o conjunto

Graf (f ) = {(x, y, f (x, y)) ∈ R3 : (x, y) ∈ D}.


p
Exemplo: Considere a função f (x, y) = 9 − x2 − y 2 . Observe que o domı́nio é o conjunto
dos pontos onde 9 − x2 − y 2 ≥ 0, ou seja, D = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ 9}. O conjunto D é
formado pela circunferência de centro (0, 0) e raio 3 e todos os pontos no seu interior. Para
calcular o gráfico, substituı́mos f (x, y) por z e elevamos ao quadrado obtendo x2 +y 2 +z 2 = 9.
E como z ≥ 0 então o gráfico é o hemisfério superior da esfera centrada em (0, 0, 0) e raio 3.
Veja figura 11.

Figura 11: Gráfico de f .

2.3 Curvas de nı́vel


Definição 5. Seja D ⊂ R2 e f : D → R. A curva de nı́vel k de f é o conjunto

f −1 (k) = {(x, y) ∈ D : f (x, y) = k}.

As curvas de nı́vel servem por exemplo para aplicações em topografia. Veja figura 12.

10
10m

4m

10m 4m 2m
2m

Figura 12: Topografia.

11
Aula 4: 05/03/2010
Exemplo: Esbocepalgumas curvas de nı́vel do exemplo anterior.
f (x, y) = k ⇔ 9 − x2 − y 2 = k ⇔ x2 + y 2 = 9 − k 2 .

Figura 13: Curvas de nı́vel de f .

Exemplo: Esboce algumas curvas de nı́vel de g(x, y) = −x2 + y 2.


O gráfico de g é o parabolóide hiperbólico. Seja k > 0,√então o g −1 (k) = {(x, y) ∈ R2 :
y 2 − x2 = k}, ou seja é uma hipérbole de vértices (0, ± k). Se k = 0, então g −1(0) =
{(x, y) ∈ R2 : y 2 − x2 = 0}, ou seja é o par de retas y = ±x. Seja √ k < 0, então o
g −1 (k) = {(x, y) ∈ R2 : y 2 − x2 = k}, ou seja é uma hipérbole de vértices (± −k, 0).
k=1
k=2 k=0
k = −1
k = −2

Figura 14: Curvas de nı́vel de g.

3 Funções reais de três variáveis reais


3.1 Domı́nio
Definição 6. Seja D um conjunto de triplas ordenadas de números reais. Uma função real
de três variáveis reais é uma correspondência f : D ⊂ R3 → R que associa a cada tripla
(x, y, z) ∈ D um único número real denotado por f (x, y, z). Nesse caso o conjunto D é o
domı́nio de f .

Conforme no caso de duas variáveis, se for apresentado apenas a lei de definição da função
então fica subentendido que o o domı́nio é o maior conjunto possı́vel de triplas de números
reais onde aquela lei pode ser aplicada.

12
z R
D
(x, y)
f (x, y)

Figura 15: Função real de três variáveis reais.

3.2 Superfı́cies de nı́vel


Definição 7. Seja D ⊂ R3 e f : D → R. A superfı́cie de nı́vel k de f é o conjunto

f −1 (k) = {(x, y, z) ∈ D : f (x, y, z) = k}.


p
Exemplo: Esboce algumas superfı́cies de p nı́vel de f (x, y, z) = z − x2 + y 2 .
Observe que para k = 0 temos z = x2 + y 2 , que ép a equação do cone com vértice em
(0, 0, 0). Quando fazemos f (x, y, z) = k temos z − k = x2 + y 2 , que é a equação do cone
com vértice em (0, 0, k). Veja a figura 16.

k=1
k=0
k = −1

Figura 16: Superfı́cies de nı́vel de f .

Exemplo: Descreva as superfı́cies de nı́vel de f (x, y, z) = x2 − y 2 + z 2 .


As superfı́cies de nı́vel são dadas pela equação x2 −y 2 +z 2 = k. Observe que se k é positivo
então a superfı́cie é um hiperbolóide de uma folha, se k = 0 então a superfı́cie é um cone
de duas folhas e se k é negativo então a superfı́cie é um hiperbolóide de duas folhas. Veja a
figura 17.

k>0
k=0
k<0

Figura 17: Superfı́cies de nı́vel de g.

13
4 Noções topológicas no plano e no espaço
Definição 8. Definimos a norma de um vetor (x, y) ∈ R2 como sendo o número real
p
k(x, y)k = x2 + y 2.

Com o conceito de norma, podemos definir o conceito de bola aberta.

Definição 9. Sejam (x0 , y0 ) um ponto de R2 e r > 0 um número real. O conjunto

{(x, y) ∈ R2 : k(x, y) − (x0 , y0)k < r}

chama-se bola aberta de centro (x0 , y0) e raio r.

Exemplo: Esboce a bola aberta de centro (2, 1) e raio 1.


2
Devemos esboçar o conjunto
p {(x, y) ∈ R : k(x, y) − (2, 1)k < 1}. Em outras palavras, os
pontos (x, y) que satisfazem (x − 2) + (y − 1) < 1, ou ainda, (x − 2) + (y − 1)2 < 1. Esse
2 2 2

conjunto é formado pelos pontos do que estão dentro da circunferência de centro (2, 1) e raio
1.

Figura 18: Bola Aberta.

Observe que na figura 18 a circunferência está tracejada pois seus pontos não pertence à
bola aberta.

Definição 10 (Ponto Interior). Seja A um subconjunto não vazio de R2 . Dizemos que (x0 , y0)
é um ponto interior de A se existir uma bola aberta de centro (x0 , y0 ) contida em A.

14
Primeira Lista de Exercı́cios

1. Encontre a equação do plano nas seguintes situações:


(a) Plano que passa pelos pontos (0, 1, 1), (1, 0, 1) e (1, 1, 0).
(b) Plano que passa pelo ponto (−2, 8, 10) e é perpendicular à reta x = 1 + t, y = 2t
e z = 4 − 3t.
(c) Plano que contem as retas x = 3 + 2t, y = t, z = 8 − t e x = 3t, y = 1 + t, z = 7 − t.
2. Esboce as superfı́cies:
(a) y 2 + 4z 2 = 4.
(b) z = 4 − x2 .
(c) x − y 2 = 0.
(d) z = cos x.
3. Descreva o domı́nio de f e ache os valores funcionais indicados
y+2
(a) f (x, y) = ; f (3, 1), f (1, 3) e f (2, 0).
x
uv
(b) f (u, v) = ; f (2, 3), f (−1, 4) e f (0, 1).
u − 2v
(c) f (x, y, z) = 2 + tg(x) + ysen(z); f ( π4 , 4, π6 ) e f (0, 0, 0).
4. Esboce o gráfico de f .
(a) f (x, y) = 6 − 2x − 3y.
p
(b) f (x, y) = 72 + 4x2 − 9y 2.
p
(c) f (x, y) = y 2 − 4x2 − 16.
5. Esboce as curvas de nı́vel para os dados valores do nı́vel k.
(a) f (x, y) = y 2 − x2 , em k = −4, 0, 9.
(b) f (x, y) = x2 − y, em k = −2, 0, 3.
(c) f (x, y) = (x − 2)2 + (y + 3)2 , em k = 1, 4, 9.
6. Ache a equação da superfı́cie de nı́vel que contém o ponto P .
(a) f (x, y, z) = x2 + 4y 2 − z 2 , em P = (2, −1, 3).
(b) f (x, y) = z 2 y + x, em P = (1, 4, −2).
7. Se x é a velocidade do vento (em m/seg) e y é a temperatura (em o C), então o fator de
resfriamento eólico F (em (kcal/m2 )/hr) é dado por

F = (33 − y)(10 x − x + 10, 5).
(a) Ache as velocidades e temperaturas para as quais F é 0. (Admita que 0 ≤ x ≤ 50
e −50 ≤ y ≤ 50.)
(b) Se F ≥ 1400, pode ocorrer congelamento em partes expostas do corpo humano.
Esboce o gráfico da curva de nı́vel F = 1400.

15
Aula 5: 10/03/2010
Exemplo: Seja A = {(x, y) ∈ R2 : x ≥ 0 e y ≥ 0}.

Figura 19: Pontos interiores.

Qualquer ponto (x, y), com x > 0 e y > 0, é ponto interior de A. Basta escolher o raio
da bola menor que o mı́nimo entre x e y. No entanto, os pontos da forma (x, y), com x = 0
ou y = 0, não são pontos interiores. Qualquer bola aberta centrada em um ponto da forma
(x, 0) não está contida no conjunto A. Veja a figura 19.

Definição 11 (Conjunto Aberto). Dizemos que um subconjunto A ⊂ R2 é aberto se todo


ponto de A é ponto interior de A.

Exemplos:

• O conjunto A = {(x, y) ∈ R2 : x ≥ 0 e y ≥ 0} não é aberto, pois como vimos no


exemplo anterior ele possui pontos da forma (x, 0) e (0, y) que não são pontos interiores.

• O conjunto A = {(x, y) ∈ R2 : x > 0 e y > 0} é aberto, pois todos os seus pontos são
pontos interiores.
y2
• O conjunto B = {(x, y) ∈ R2 : x2 + < 1} é aberto. Veja a figura 20.
2

Figura 20: Interior da elipse.

Definição 12 (Ponto de Acumulação). Seja A um subconjunto de R2 e seja (a, b) um ponto


de R2 . Dizemos que (a, b) é um ponto de acumulação de A se toda bola aberta de centro
(a, b) contiver pelo menos um ponto (x, y) de A, com (x, y) 6= (a, b).

16
Em outras palavras, (a, b) é ponto de acumulação de A se existem pontos de A, distintos
de (a, b), tão próximos de (a, b) quanto se queira.

Exemplo: Seja A = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 < 1}.

• (0, 0) é ponto de acumulação de A.

• (1, 0) é ponto de acumulação de A.

• (2, 0) não é ponto de acumulação de A.

Figura 21: Interior do cı́rculo.

Observamos que podem ocorrer casos em que um ponto (a, b) pertence ao conjunto A, mas
não é ponto de acumulação de A. Nesse caso, esses pontos são chamados de pontos isolados
de A. Por exemplo, em um conjunto com um número finito de pontos todos os pontos são
isolados. Para cada ponto (a, b), basta escolher uma bola aberta que tenha como raio um
número menor que a distância mı́nima de (a, b) aos outros pontos do conjunto.

Observação: Observamos que as noções topológicas no espaço são exatamentepas mesmas do


plano. A única diferença é que a norma de um vetor (x, y, z) de R3 é dada por x2 + y 2 + z 2 .
Por exemplo a bola aberta em R3 de centro (2, 1, 1) e raio 1 é constituı́da pelos pontos interiores
à esfera de centro (2, 1, 1) e raio 1.

5 Limites e continuidade: definição e propriedades


De posse da definição de ponto de acumulação de um conjunto, podemos definir a noção de
limite para funções reais de duas variáveis reais.

Definição 13 (Limite). Sejam f : A ⊂ R2 → R uma função, (x0 , y0 ) um ponto de acumulação


de A e L um número real. Dizemos que o limite de f (x, y), quando (x, y) tende a (x0 , y0) é
L e escrevemos
lim f (x, y) = L
(x,y)→(x0 ,y0 )

se para todo ε > 0 dado, existe δ > 0 tal que todo (x, y) ∈ A com a propriedade
0 < k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ se tenha |f (x, y) − L| < ε.

17
A

δ
y0

x0
L−ε L L+ε

Figura 22: Definição de limite.

Escrevendo de maneira mais resumida temos lim(x,y)→(x0 ,y0 ) f (x, y) = L se :

∀ε > 0 ∃δ > 0 : (x, y) ∈ A e 0 < k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ ⇒ |f (x, y) − L| < ε.

O limite de f (x, y), quando (x, y) tende a (x0 , y0 ) é L significa que se (x, y) está no domı́nio
de f e pertence à bola de centro (x0 , y0) e raio δ e (x, y) 6= (x0 , y0 ), então a imagem f (x, y)
pertence ao intervalo (L − ε, L + ε). Veja a figura 22.

Exemplo: Seja f (x, y) = k uma função constante. Mostre que lim(x,y)→(x0 ,y0 ) f (x, y) = k.

De fato, dado ε > 0, basta tomar um δ > 0 qualquer. Daı́ se 0 < k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ
então temos |f (x, y) − L| = |k − k| = 0 < ε.

Exemplo: Seja f : R2 → R dada por f (x, y) = x. Mostre que lim(x,y)→(x0 ,y0 ) f (x, y) = x0 .
p p
Inicialmente observe que |x − x0 | = (x − x0 )2 ≤ (x − x0 )2 + (y − y0 )2 = k(x, y) −
(x0 , y0 )k.
De posse da observação anterior, dado ε > 0 qualquer, temos que encontrar δ > 0 que
satisfaça a definição de limite. Muito bem, escolha δ igual ao ε > 0 dado. Nesse caso, temos
que para todo (x, y) ∈ R2 vale:

0 < k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ =⇒ |f (x, y) − x0 | = |x − x0 | ≤ k(x, y) − (x0 , y0)k < δ = ε.

Ou seja, mostramos que

0 < k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ =⇒ |f (x, y) − x0 | < ε.

18
Aula 6: 12/03/2010
−x2 + y 2
Exemplo: A função f (x, y) = tem limite em (0, 0)?
x2 + y 2
A resposta dessa pergunta é não, pois quando calculamos f nos pontos da forma (x, 0)
temos f (x, 0) = −1 e em pontos da forma (0, y) temos f (0, y) = 1. Para provarmos de
maneira rigorosa, suponha que o limite exista e seja L. Se L ≤ 0, temos

|f (0, y) − L| = |1 − L| = 1 − L ≥ 1.

Se L > 0, temos
|f (x, 0) − L| = | − 1 − L| = 1 + L > 1.
Portanto, dado ε = 1, não é possı́vel encontrar δ > 0 de tal forma que todos os pontos (x, y),
com 0 < k(x, y)k < δ, satisfaçam |f (x, y) − L| < ε.

Para a próxima definição necessitaremos do conceito de função vetorial contı́nua, a ser


estudada em um capı́tulo posterior. Uma aplicação de um intervalo I ⊂ R em R2 é uma
correspondência α : I → R2 que a cada t ∈ I associa um α(t) = (α1 (t), α2 (t)) ∈ R2 . Dizer
que α é contı́nua, é o mesmo que dizer que α1 : I → R e α2 : I → R são contı́nuas.

Definição 14 (Curva ou caminho). Seja I ⊂ R um intervalo. Uma curva ou caminho em


R2 é uma aplicação contı́nua α : I → R2 .

Exemplo: A equação vetorial da reta α(t) = (x0 + at, y0 + bt) é um exemplo de caminho. É
a reta que passa pelo ponto (x0 , y0 ) e tem a direção do vetor (a, b). Veja figura 23-(a). Outro
exemplo de caminho é dado por β(t) = (t2 , t). Observe que esse caminho é a parábola x = y 2.
Veja figura 23-(b).

(x0 , y0 )

(a, b)

(a) (b)

Figura 23: Caminhos.

Definição 15. Dados (x0 , y0 ) ∈ D ⊂ R2 , uma função f : D → R e um caminho α : I → D


passando por (x0 , y0 ), isto é α(t0 ) = (x0 , y0 ) para algum t0 ∈ I, então definimos o limite
pelo caminho α, da função f quando (x, y) tende a (x0 , y0 ) por

lim f (α(t)).
t→t0

19
−x2 + y 2
Exemplo: Considere a função f (x, y) = e (x0 , y0 ) = (0, 0). Considere ainda os
x2 + y 2
caminhos α1 (t) = (t, 0) e α2 (t) = (0, t). Ambos caminhos passam pelo (0, 0) quando t = 0.
Temos
−t2
lim f (α1 (t)) = lim 2 = −1, e
t→0 t→0 t

t2
lim f (α2 (t)) = lim 2 = 1.
t→0 t→0 t

Proposição 1. Se existem pelo menos dois caminhos α1 e α2 , passando pelo ponto (x0 , y0),
tais que limt→t0 f (α1 (t)) 6= limt→t0 f (α2 (t)), então não existe lim(x,y)→(x0 ,y0 ) f (x, y).

Proposição 2. Se para algum caminho α o limite limt→t0 f (α(t)) não existe, então não existe
lim(x,y)→(x0 ,y0 ) f (x, y).
x
Exemplo: Usando a proposição anterior temos que não existe. De fato,
lim cos
(x,y)→(0,0) + y2 x2
1
se considerarmos o caminho α(t) = (t, 0), então o limite de uma variável real lim cos não
t→0 t
existe.

xy 2
Exemplo: Mostre que lim não existe. Para isso, considere os seguintes caminhos
(x,y)→(0,0) x2 − y 2
α1 (t) = (t + t2 , t) e α2 (t) = (t − t2 , t). Daı́ temos

t4 + t3 1+t 1
lim f (α1 (t)) = lim 4 3 2 2
= lim = , e
t→0 t→0 t + 2t + t − t t→0 2 + t 2
−t4 + t3 1−t 1
lim f (α2 (t)) = lim 4 3 2 2
= lim =− .
t→0 t→0 t − 2t + t − t t→0 −2 + t 2
Portanto não existe o limite.

Teorema 1 (Teorema do Confronto). Sejam f, g, h : D ⊂ R2 → R e (x0 , y0 ) um ponto de


acumulação de D. Se f (x, y) ≤ g(x, y) ≤ h(x, y) para todo (x, y) ∈ D, lim f (x, y) = L
(x,y)→(x0 ,y0 )
e lim h(x, y) = L, então lim g(x, y) = L.
(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

Proposição 3. Sejam f, g : D ⊂ R2 → R e (x0 , y0) um ponto de acumulação de D. Se g é


limitada e lim f (x, y) = 0, então lim f (x, y)g(x, y) = 0.
(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )

Observação: Uma função g : D ⊂ R2 → R é limitada se existe M ∈ R tal que |g(x, y)| < M
para todo (x, y) ∈ D.

x3
Exemplo: Calcule lim .
(x,y)→(0,0) x2 + y 2
x2
Inicialmente observe que x2 + y 2 ≥ x2 ≥ 0, portanto x2 +y 2
≤ 1. Então consideramos
x2 x3
f (x, y) = x e g(x, y) = x2 +y 2
. Dai f (x, y)g(x, y) = x2 +y 2
, g é limitada e lim f (x, y) = 0.
(x,y)→(0,0)
Portando usando a proposição anterior concluı́mos que o limite é zero.

20
Aula 7: 17/03/2010

Proposição 4 (Propriedades operatórias). Se lim f (x, y) = L1 e lim g(x, y) =


(x,y)→(x0 ,y0 ) (x,y)→(x0 ,y0 )
L2 então

• lim [f (x, y) + g(x, y)] = L1 + L2 ;


(x,y)→(x0 ,y0 )

• lim [kf (x, y)] = kL1 ;


(x,y)→(x0 ,y0 )

• lim [f (x, y)g(x, y)] = L1 L2 ;


(x,y)→(x0 ,y0 )

f (x, y) L1
• lim = se L2 6= 0.
(x,y)→(x0 ,y0 ) g(x, y) L2

Definição 16 (Continuidade). Sejam U ⊂ R2 , f : U → R e (x0 , y0 ) ∈ U. Dizemos que f é


contı́nua em (x0 , y0 ) se para todo ε > 0 dado, existe δ > 0 tal que para todo (x, y) ∈ U, com
k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ, implica |f (x, y) − f (x0 , y0 )| < ε.

De maneira mais abreviada f é contı́nua em (x0 , y0 ) ∈ U se:

∀ε > 0 ∃δ > 0 : (x, y) ∈ U e k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ ⇒ |f (x, y) − f (x0 , y0 )| < ε.

Observações:

1. Se (x0 , y0) é um ponto isolado de U, então f é contı́nua. Observe que independe da f


pois se o ponto é isolado então existe uma bola aberta de centro (x0 , y0) e raio δ tal que
o único ponto de U na bola é (x, y) = (x0 , y0 ). E nesse caso, |f (x, y) − f (x0 , y0 )| = 0.

2. Se (x0 , y0 ) é um ponto de acumulação de U então f é contı́nua em (x0 , y0) se:

• (x0 , y0) ∈ U.
• Existe lim f (x, y).
(x,y)→(x0 ,y0 )

• lim f (x, y) = f (x0 , y0 ).


(x,y)→(x0 ,y0 )

Exemplos:

1. A função constante f : R2 → R dada por f (x, y) = k é contı́nua em todo ponto


(x0 , y0 ) ∈ R2 pois lim f (x, y) = k = f (x0 , y0 ).
(x,y)→(x0 ,y0 )

2. A função f : R2 → R dada por f (x, y) = x é contı́nua em todo ponto (x0 , y0 ) ∈ R2 pois


lim f (x, y) = x0 = f (x0 , y0 ).
(x,y)→(x0 ,y0 )

21
3. A função f : R2 → R dada por
 2
x − y2
se (x, y) 6= (0, 0),


 2
f (x, y) = x + y2


0 se (x, y) = (0, 0),

não é contı́nua em (0, 0) pois não existe lim f (x, y).


(x,y)→(0,0)

De fato, tomando-se os caminhos α1 (t) = (t, t) e α2 (t) = (0, t) temos

0 −t2 1
lim f (α1 (t)) = lim 2
= 0 e lim f (α 2 (t)) = lim 2
=− .
t→0 t→0 2t t→0 t→0 2t 2

4. Verifique que a função do exemplo anterior é contı́nua no ponto (1, 0).


De fato, já provamos que o limite da função h(x, y) = x quando (x, y) tende a (x0 , y0)
é x0 . Portanto lim(x,y)→(1,0) h(x, y) = 1. Utilizando o item (3) da Proposição 4 temos
lim(x,y)→(1,0) h(x, y).h(x, y) = 1.1 = 1, ou seja,

lim x2 = 1.
(x,y)→(1,0)

De maneira análoga, usando o fato que o limite da função g(x, y) = y quando (x, y)
tende a (x0 , y0 ) é y0 e o item (3) da Proposição 4, prova-se que

lim y 2 = 0.0 = 0.
(x,y)→(1,0)

Agora, utilizamos o item (2) da Proposição 4 para garantir que

lim (−1)y 2 = (−1).0 = 0.


(x,y)→(1,0)

O item (1) da Proposição 4 garante que lim(x,y)→(1,0) x2 + (−1)y 2 = 1 + 0 = 1. Com a


mesma idéia provamos que lim(x,y)→(1,0) x2 + y 2 = 1 + 0 = 1. Finalmente usamos o ı́tem
(4) da Proposição 4 para concluir que

x2 − y 2 1
lim 2 2
= = 1.
(x,y)→(1,0) x + y 1

Pelo fato de (1, 0) ser um ponto de acumulação de R2 e f (1, 0) = 1 = lim(x,y)→(1,0) f (x, y),
concluı́mos que f é contı́nua no ponto (1, 0).

Teorema 2. Sejam f : A ⊂ R2 → R e g : B ⊂ R → R duas funções tais que f (A) ⊂ B. Se


f é contı́nua em (x0 , y0 ) ∈ A e g é contı́nua em f (x0 , y0 ), então a composta h : A → R, dada
por h(x, y) = g(f (x, y)) é contı́nua em (x0 , y0 ).

Demonstração: Dado ε > 0, inicialmente usamos a hipótese que g é contı́nua em f (x0 , y0)
para assegurar que existe δ1 > 0 tal que

u ∈ B e |u − f (x0 , y0 )| < δ1 =⇒ |g(u) − g(f (x0, y0 ))| < ε. (1)

22
A

f g
(x0 , y0)

f (x0 , y0) ∈ B g(f (x0 , y0))

g◦f

Figura 24: Composição de funções contı́nuas.

Posteriormente usamos esse δ1 > 0 encontrado, desempenhando o papel do ε na hipótese de


que f é contı́nua em (x0 , y0), para assegurar a existência de δ > 0 que satisfaz

(x, y) ∈ A e k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ =⇒ |f (x, y) − f (x0 , y0)| < δ1 . (2)

De (1) e (2) segue que

(x, y) ∈ A e k(x, y) − (x0 , y0 )k < δ =⇒ |g(f (x, y)) − g(f (x0 , y0 ))| < ε.

Portanto g ◦ f é contı́nua em (x0 , y0 ). 

Proposição 5. Sejam f, g : X ⊂ R2 → R funções contı́nuas em (x0 , y0 ) ∈ X e k uma


constante real. Então

1. A função f + g é contı́nua em (x0 , y0 ).

2. A função kf é contı́nua em (x0 , y0 ).

3. A função f.g é contı́nua em (x0 , y0 ).


f
4. A função é contı́nua em (x0 , y0), desde que g(x0 , y0 ) 6= 0.
g
Exemplo: Já vimos que f (x, y) = x é contı́nua e do curso de cálculo I sabemos que g(u) = u2
é contı́nua. Portanto, usando o Teorema 2 temos que h(x, y) = g ◦ f (x, y) = x2 é contı́nua. Da
mesma forma concluı́mos que L(x, y) = y 2 é contı́nua. Usando agora o item 1) da proposição
anterior temos que a função (h + L)(x, y) = x2 + y 2 é contı́nua. Da mesma forma que
3
provamos que h é contı́nua, temos que M(x,  y) = x é contı́nua. Finalmente, usando o item
M x3
4) da proposição anterior, temos (x, y) = 2 é contı́nua em (x0 , y0) desde que
h+L x + y2
(h + L)(x0 , y0) 6= 0, ou seja, desde que (x0 , y0 ) 6= (0, 0). Portanto, a função

x3
, se (x, y) 6= (0, 0)

F (x, y) = x2 + y 2
0, se (x, y) = (0, 0)

é contı́nua em todo ponto (x0 , y0 ) 6= (0, 0). A pergunta é: E no ponto (0, 0)? F é contı́nua?
Como f (0, 0) = 0 e (0, 0) é ponto de acumulação do domı́nio de F , devemos verificar se
3 2 2
lim(x,y)→(0,0) F (x, y) = 0. Observamos que x2x+y2 = x. x2x+y2 , onde x2x+y2 é limitada e x tende a
zero. Portanto F é contı́nua em todos os pontos de R2 .

23
Segunda Lista de Exercı́cios

1. Verifique quais dos conjuntos abaixo são abertos do R2 .

(a) {(x, y) ∈ R2 |x = 1 e 1 < y < 3}.


(b) {(x, y) ∈ R2 |x + y > 3 e x2 + y 2 < 16}.
(c) {(x, y) ∈ R2 |xy > 0}.

2. Determine o conjunto dos pontos de acumulação do conjunto dado.

(a) {(x, y) ∈ R2 |x2 + y 2 < 1}.


(b) {(x, y) ∈ R2 |x e y inteiros}.
(c) {(x, y) ∈ R2 |x + y ≥ 1}.

3. Calcule, caso exista.


1 x
(a) lim x · sen , (b) lim ,
x2 + y2
p
(x,y)→(0,0) (x,y)→(0,0) x2 + y 2
x2 x+y
(c) lim p , (d) lim ,
(x,y)→(0,0) x2 + y 2 (x,y)→(0,0) x − y
xy 2 xy
(e) lim , (f ) lim
(x,y)→(0,0) x2 − y 2 (x,y)→(0,0) y − x3

2xy 2
4. Seja f (x, y) = .
x2 + y 4
(a) Considere a reta γ(t) = (at, bt), com a2 + b2 > 0; mostre que quaisquer que sejam
a e b,
lim f (γ(t)) = 0.
t→0

(b) Calcule lim f (δ(t)) = 0, onde δ(t) = (t2 , t).


t→0
(c) O limite abaixo existe? Por quê?

2xy 2
lim
(x,y)→(0,0) x2 + y 4

5. Calcule
f (x + h, y + k) − f (x, y) − 2xh − k
lim ,
(x,y)→(0,0) ||(h, k)||
onde f (x, y) = x2 + y.

6. Determine o conjunto dos pontos de descontinuidade. Justifique a resposta.

(a) f (x, y) = 3x2 y 2 − 5xy + 6.


(b) f (x, y) = ln xx−y
2 +y 2 .
 x−3y
x2 +y 2
se (x, y) 6= (0, 0)
(c) f (x, y) = .
0 se (x, y) = (0, 0)

24
Aula 8: 24/03/2010

6 Derivadas parciais
6.1 Definição e interpretação geométrica
Antes de estudarmos derivadas de funções reais de mais de uma variável real vamos recordar
a definição de derivabilidade de funções reais de uma única variável real. Seja I um intervalo
aberto de R e x0 ∈ I. Dizemos que uma função f : I → R é derivável em x0 se existe o
limite
f (x) − f (x0 )
lim .
x→x0 x − x0
Esse limite é denotado por f 0 (x0 ) e é chamado de derivada de f em x0 .
Geometricamente esse limite é interpretado como o coeficiente angular da reta tangente
ao gráfico de f no ponto (x0 , f (x0 )), isto é, se a reta tangente faz ângulo θ com o eixo x, então
f 0 (x0 ) = tan θ. Veja a figura 25.

f (x0 )
θ
x0

Figura 25: Interpretação geométrica da derivada de funções de uma variável real.

Considere agora U ⊂ R2 um subconjunto aberto de R2 , (x0 , y0) ∈ U e f : U → R


uma função real de duas variáveis. Se fixamos y0 então temos uma função de uma variável
g : A → R definida por g(x) = f (x, y0 ), onde A = {x ∈ R : (x, y0 ) ∈ U}. Por exemplo, se
f (x, y) = 7x2 + 3y 3 + 5xy e fixamos y = 2 temos g(x) = f (x, 2) = 7x2 + 10x + 24.
Da mesma forma, fixado x0 , temos uma função de uma variável h : B → R definida por
h(y) = f (x0 , y), onde B = {y ∈ R : (x0 , y) ∈ U}.
A derivada da função g(x) = f (x, y0 ) no ponto x = x0 , quando existe, chama-se derivada
∂f
parcial de f , em relação a x, no ponto (x0 , y0 ), e denotamos por (x0 , y0 ). Analogamente,
∂x
a derivada da função h(y) = f (x0 , y) no ponto y = y0 , quando existe, chama-se derivada
∂f
parcial de f , em relação a y, no ponto (x0 , y0 ), e denotamos por (x0 , y0 ). De maneira mais
∂y
resumida temos:

Definição 17. Sejam f : U ⊂ R2 → R uma função definida no aberto U e x0 , y0 ) ∈ U.


Definimos a derivada parcial de f, em relação a x, no ponto (x0 , y0) (quando existe) e
a derivada parcial de f, em relação a y, no ponto (x0 , y0 ) (quando existe) por

∂f f (x, y0 ) − f (x0 , y0 ) ∂f f (x0 , y) − f (x0 , y0 )


(x0 , y0 ) = lim e (x0 , y0) = lim .
∂x x→x0 x − x0 ∂y y→y0 y − y0

25
Se os limites da definição anterior existem para todo (x, y) ∈ U então podemos definir as
∂f ∂f ∂f
funções :U →Re : U → R. A função é chamada derivada parcial de primeira
∂x ∂y ∂x
∂f
ordem de f em relação a x e a função é chamada derivada parcial de primeira ordem de
∂y
f em relação a y.
∂f ∂f
Exemplo: Seja f : R2 → R dada por f (x, y) = x2 + 5y 3 + 3xy. Calcule (1, 2), (1, 2),
∂x ∂y
∂f ∂f
(x, y) e (x, y).
∂x ∂y
Considere g(x) = f (x, 2) = x2 +6x+40 e h(y) = f (1, y) = 5y 3 +3y +1. Logo g 0 (x) = 2x+6
e h0 (y) = 15y 2 + 3. Portanto

∂f ∂f
(1, 2) = g 0(1) = 8 e (1, 2) = h0 (2) = 63.
∂x ∂y
∂f ∂f
As funções ∂x
e ∂y
são dadas por

∂f ∂f
(x, y) = 2x + 3y e (x, y) = 15y 2 + 3x.
∂x ∂y

Exemplo: Considere agora f (x, y) = 2xy − 4y. Logo temos

∂f ∂f
(x, y) = 2y e (x, y) = 2x − 4.
∂x ∂y

Exemplo: Considere agora f (x, y) = exy . Logo temos

∂f ∂f
(x, y) = yexy e (x, y) = xexy .
∂x ∂y
∂f
Exemplo: Calcule a função ∂x
, onde a função f : R2 → R é dada por
 3
x − y2
, se (x, y) 6= (0, 0),


 2 2
f (x, y) = x + y


0, se (x, y) = (0, 0).

Para os
 pontos
0 (x, y) 6= (0, 0), usamos a regra de derivação de funções de uma variável
f f 0g − f g0
dada por = e calculamos
g g2

∂f [3x2 ][x2 + y 2 ] − [x3 − y 2][2x] x4 + 3x2 y 2 + 2xy 2


(x, y) = = .
∂x [x2 + y 2]2 [x2 + y 2 ]2

Para o ponto (x, y) = (0, 0) temos que calcular usando a definição de derivada parcial.
x3 −02
∂f f (x, 0) − f (0, 0) −0
x2 +02 x
(0, 0) = lim = lim = lim = 1.
∂x x→0 x−0 x→0 x−0 x→0 x

26
Portanto temos que
 4
x + 3x2 y 2 + 2xy 2
, se (x, y) 6= (0, 0),


∂f 
[x2 + y 2]2
(x, y) =
∂x 

1, se (x, y) = (0, 0).

Agora veremos a interpretação geométrica da derivada parcial. Observe que se f : U ⊂


R2 → R é uma função de duas variáveis e (x0 , y0) ∈ U, então o gráfico da função g(x) =
f (x, y0 ) é a intersecção do gráfico de f com o plano y = y0 . Portanto ∂f
∂x
(x0 , y0 ) = g 0 (x0 ) é o
coeficiente angular da reta tangente ao gráfico de f contida no plano y = y0 e que passa pelo
ponto (x0 , y0, f (x0 , y0)). Veja a figura 26.

f (x0 , y0)

y0
x0
θ

Figura 26: Interpretação geométrica da derivada parcial.

Analogamente temos que ∂f ∂y


(x0 , y0) é o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico de
f contida no plano x = x0 e que passa pelo ponto (x0 , y0 , f (x0 , y0 )).

27
Aula 9: 26/03/2010
No Cálculo I vale o seguinte resultado “Se f : A ⊂ R → R é derivável em x0 ∈ A, então f
é contı́nua em x0 ”. Veremos no próximo exemplo que uma função f : A ⊂ R2 → R pode ter
as derivadas parciais em um ponto (x0 , y0 ) ∈ A e mesmo assim não ser contı́nua nesse ponto.

Exemplo: Mostre que a função


 xy
 x2 + y 2 ,
 se (x, y) 6= (0, 0),
f (x, y) =

0, se (x, y) = (0, 0).

tem derivadas parciais em (0, 0), mas não é contı́nua em (0, 0).
∂f
Inicialmente vamos calcular (0, 0) usando a definição
∂x
∂f f (x, 0) − f (0, 0) 0−0
(0, 0) = lim = lim = 0.
∂x x→0 x−0 x→0 x − 0

Analogamente temos
∂f f (0, y) − f (0, 0) 0−0
(0, 0) = lim = lim = 0.
∂y y→0 y−0 y→0 y−0
Para mostrar que f não é contı́nua em (0, 0), vamos mostrar que o limite lim f (x, y)
(x,y)→(0,0)
não existe. Para isso consideramos os caminhos α1 (t) = (t, t) e α2 (t) = (t, 0). Logo
t2 1 t.0
lim f (α1 (t)) = lim 2
= e lim f (α2 (t)) = lim 2 = 0.
t→0 t→0 2t 2 t→0 t→0 t + 02

Derivadas parciais de funções de três ou mais variáveis

Da mesma forma que definimos as derivadas parciais para funções de duas variáveis pode-
mos definir para funções de três variáveis da seguinte forma:
Definição 18. Sejam U ⊂ R3 um aberto, f : U → R uma função e (x0 , y0 , z0 ) ∈ U. Defini-
mos as derivadas parciais com respeito a x, y e z no ponto (x0 , y0 , z0 ) respectivamente pelos
seguintes limites (quando eles existem):
∂f f (x, y0 , z0 ) − f (x0 , y0 , z0 )
(x0 , y0 , z0 ) = lim ,
∂x x→x0 x − x0
∂f f (x0 , y, z0) − f (x0 , y0 , z0 )
(x0 , y0 , z0 ) = lim e
∂y y→y0 y − y0
∂f f (x0 , y0 , z) − f (x0 , y0, z0 )
(x0 , y0 , z0 ) = lim ;
∂z z→z 0 z − z0
Exemplo: Calcule as derivadas parciais da função f (x, y, z, w) = exyz + w 2z. Temos
∂f ∂f
(x, y, z, w) = exyz yz, (x, y, z, w) = exyz xz,
∂x ∂y
∂f ∂f
(x, y, z, w) = exyz xy + w 2 e (x, y, z, w) = 2wz.
∂z ∂w

28
6.2 Diferenciabilidade
No curso de Cálculo I, dizemos que uma função f : A ⊂ R → R é diferenciável em x0 ∈ A se
existe o limite
f (x) − f (x0 ) f (x0 + h) − f (x0 )
lim = lim .
x→x0 x − x0 h→0 h
E como
f (x0 + h) − f (x0 ) f (x0 + h) − f (x0 ) − ah
lim = a ⇐⇒ lim = 0,
h→0 h h→0 h
podemos afirmar que f : A ⊂ R → R é diferenciável em x0 ∈ A se existe a ∈ R tal que
f (x0 + h) − f (x0 ) − ah
lim = 0.
h→0 |h|
Inspirado na observação anterior temos a seguinte definição de diferenciabilidade para
funções de duas variáveis.
Definição 19. Sejam A ⊂ R2 um aberto, f : A → R uma função e (x0 , y0 ) ∈ A. Dizemos
que f é diferenciável em (x0 , y0) se existem a, b ∈ R tais que
f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0) − ah − bk
lim = 0.
(h,k)→(0,0) k(h, k)k
Exemplo: Prove que a função f (x, y) = x2 y é diferenciável em todo ponto (x0 , y0) ∈ R2 .
Considere a = 2x0 y0 e b = x20 . Temos
f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0) − ah − bk
lim =
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

(x0 + h)2 (y0 + k) − x20 y0 − 2x0 y0 h − x20 k


lim √ =
(h,k)→(0,0) h2 + k 2

2x0 hk + h2 y0 + h2 k
lim √ =
(h,k)→(0,0) h2 + k 2
 
h h h
lim 2x0 k √ + hy0 √ + hk √ = 0.
(h,k)→(0,0) h2 + k 2 h2 + k 2 h2 + k 2
h
Na última linha acima usamos o fato que a função √ é limitada e as funções 2x0 k,
h2 + k2
hy0 e hk tendem a zero quando (h, k) → (0, 0).
Teorema 3. Sejam A ⊂ R2 um aberto, f : A → R uma função e (x0 , y0) ∈ A. Se f é
diferenciável em (x0 , y0) então f é contı́nua em (x0 , y0).

Demonstração: Como (x0 , y0) ∈ A é um ponto de acumulação de A, basta mostrar que


existe o limite lim(x,y)→(x0 ,y0 ) f (x, y) e que é igual a f (x0 , y0 ).
Por hipótese f é diferenciável em (x0 , y0 ), logo existem a, b ∈ R tais que

f (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0 ) + ah + bk + E(h, k) com

E(h, k)
lim =0
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

29
E(h, k)
Observe que lim k(h, k)k = 0 e lim = 0 implica que lim E(h, k) =
(h,k)→(0,0) (h,k)→(0,0) k(h, k)k (h,k)→(0,0)
0.
Observamos ainda que lim [ah+bk] = 0. Portanto, passando o limite quando (h, k) →
(h,k)→(0,0)
(0, 0) na expressão f (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0 ) + ah + bk + E(h, k), obtemos

lim f (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0).


(h,k)→(0,0)

Portanto
lim f (x, y) = f (x0 , y0 ),
(x,y)→(x0 ,y0 )

concluindo a demonstração. 

30
Aula 10: 31/03/2010

Teorema 4. Sejam A ⊂ R2 um aberto, f : A → R uma função e (x0 , y0) ∈ A. Se f é


diferenciável em (x0 , y0) então f tem derivadas parciais em (x0 , y0 ).

Demonstração: Por hipótese f é diferenciável em (x0 , y0 ), logo existem a, b ∈ R tais que

f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0) − ah − bk


lim = 0.
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

Fazendo k = 0 na expressão do limite anterior temos

f (x0 + h, y0 ) − f (x0 , y0 ) − ah f (x0 + h, y0 ) − f (x0 , y0 )


lim = 0 ⇐⇒ lim = a,
h→0 k(h, 0)k h→0 h

∂f
ou seja, (x0 , y0 ) = a.
∂x
Analogamente, fazendo h = 0 temos

f (x0 , y0 + k) − f (x0 , y0 ) − bk f (x0 , y0 + bk) − f (x0 , y0 )


lim = 0 ⇐⇒ lim = b,
k→0 k(h, 0)k k→0 h

∂f
ou seja, (x0 , y0 ) = b. 
∂y

Observação 1. Da demonstração do teorema anterior concluı́mos que os números reais a e


b da definição de diferenciabilidade são exatamente as derivadas parciais com respeito a x e
a y respectivamente.

Corolário 1. Sejam A ⊂ R2 um aberto, f : A → R uma função e (x0 , y0 ) ∈ A. A função f


é diferenciável em (x0 , y0 ) se, e somente se,

1. f admite derivadas parciais em (x0 , y0 ), e


E(h, k)
2. lim = 0, onde
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

∂f ∂f
E(h, k) = f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 ) − (x0 , y0 ).h + (x0 , y0 ).k.
∂x ∂y

Observações:

1. Se uma das derivadas parciais não existir, então f não será diferenciável nesse ponto.

2. Se ambas derivadas parciais existirem em (x0 , y0 ), mas o limite do corolário anterior não
existir ou não for zero, então f não será diferenciável em (x0 , y0 ).

3. Se f não for contı́nua em (x0 , y0 ), então f não será diferenciável em (x0 , y0 ).

31
Exemplos:
p
1. A função f : R2 → R dada por f (x, y) = x2 + y 2 é contı́nua em (0, 0), mas não é
diferenciável nesse ponto.
De fato, as funções h(x, y) = x2 e m(x, y) = y 2 são contı́nuas logo a função n(x, y) =
2 2
(h + m)(x,
√ y) = x + y é contı́nua. Sabemos do curso de Cálculo I que a função
r(u) = u é contı́nua. E comop a composição de funções contı́nua é uma função contı́nua,
concluı́mos que f (x, y) = x2 + y 2 = r(n(x, y)) é contı́nua em qualquer ponto (x, y).
Em particular ela é contı́nua em (0, 0).
Para provar que f não é diferenciável em (0, 0) veremos que f não possui as derivadas
parciais em (0, 0). Observe que

∂f f (x, 0) − f (0, 0) x2
(0, 0) = lim = lim .
∂x x→0 x−0 x→0 x

√ √
x2 x2
Esse limite não existe pois para x > 0 temos = 1 e para x < 0 temos = −1.
x x
∂f
Isto é, os limites laterais são distintos. O mesmo ocorre para (0, 0).
∂y
2. A função 
2xy 2
, se (x, y) 6= (0, 0),


x2 + y 4

f (x, y) =


0, se (x, y) = (0, 0),

é diferenciável em (0, 0)? Justifique.


A função f não é diferenciável em (0, 0), pois f não é contı́nua em (0, 0). Para ver que
f não é contı́nua em (0, 0) basta considerar os caminhos α1 (t) = (t, 0) e α2 (t) = (t2 , t).
Daı́
2t02
lim f (α1 (t)) = lim 2 =0
t→0 t→0 t + 04
e
2t2 t2
lim f (α2 (t)) = lim 4 = 1.
t→0 t→0 t + t4

3. A função
x3

, se (x, y) 6= (0, 0),


x2 + y 2

f (x, y) =


0, se (x, y) = (0, 0),

é diferenciável em (0, 0)? Justifique.


Inicialmente observe que f é contı́nua pois

x2
lim x=0 e é limitada
(x,y)→(0,0) x2 + y 2

Portanto
x3
lim = 0 = f (0, 0).
(x,y)→(0,0) x2 + y 2

32
∂f ∂f
Agora vamos verificar se existem as derivadas parciais (0, 0) e (0, 0).
∂x ∂y
x3
∂f f (x, 0) − f (0, 0) −0
x2 +02 x3
(0, 0) = lim = lim = lim 3 = 1
∂x x→0 x−0 x→0 x−0 x→0 x

∂f f (0, y) − f (0, 0) 0−0


(0, 0) = lim = lim =0
∂y y→0 y−0 x→0 y−0

Resta verificar se
E(h, k)
lim = 0,
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

h3
onde E(h, k) = f (0 + h, 0 + k) − f (0, 0) − 1.h − 0.k = − h. Chame
h2 + k 2
h 3
E(h, k) h2 +k 2
−h −hk 2
G(h, k) = = √ = √ .
k(h, k)k h2 + k 2 (h2 + k 2 ) h2 + k 2

Tome o caminho α(t) = (t, t). Daı́

−t3 −t
lim G(α(t)) = lim √ = lim √ ,
t→0 t→0 (t2 + t2 ) 2t2 t→0 2 2|t|

o qual não existe pois


−t 1 −t 1
lim+ √ = − √ e lim− √ = √ .
t→0 2 2|t| 2 2 t→0 2 2|t| 2 2

Portanto o limite
f (0 + h, 0 + k) − f (0, 0) − 1.h − 0.k
lim
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

não existe e então f não é diferenciável em (0, 0).

33
Terceira Lista de Exercı́cios

1. Determine as derivadas parciais.

(a) f (x, y) = 5x4 y 2 + xy 3 + 4.


x3 +y 2
(b) f (x, y) = x2 +y 2
.
2 −y 2
(c) f (x, y) = e−x .
xy
(d) f (x, y) = xye .
(e) f (x, y) = arctg xy .
(f) f (x, y) = (x2 + y 2)ln(x2 + y 2).
(g) f (x, y) = cosxsen y
(x2 +y 2 )
.

xy 2 ∂z ∂z
2. Considere a função z = x2 +y 2
. Verifique que x +y = z.
∂x ∂y
∂z ∂z
3. Considere a função z = xsen xy . Verifique que x +y = z.
∂x ∂y
4. Seja φ : R → R uma função de uma variável real, diferenciável e tal que φ0 (1) = 4. Seja
g(x, y) = φ( xy ). Calcule
∂g
(a) ∂x
(1, 1).
∂g
(b) ∂y
(1, 1).
(
x+y 4
∂f ∂f x2 +y 2
se (x, y) 6= (0, 0)
5. Determine ∂x
e ∂y
sendo f (x, y) = .
0 se (x, y) = (0, 0)

6. Dizemos que (x0 , y0) é um ponto crı́tico de z = f (x, y) se ∂f


∂x
(x0 , y0) = 0 e ∂f
∂y
(x0 , y0) = 0.
Determine caso existam, os pontos crı́ticos da função dada:

(a) f (x, y) = x2 + y 2 .
(b) f (x, y) = 2x + y 3 .
(c) f (x, y) = x2 − 2xy + 3y 2 + x − y.
(d) f (x, y) = x4 + 4xy + y 4 .

7. Prove que as funções dadas são diferenciáveis.

(a) f (x, y) = x2 y 2.
1
(b) f (x, y) = .
xy
1
(c) f (x, y) = .
x+y
8. A função f é diferenciável? Justifique com detalhes.
x2 − y 2
(a) f (x, y) = se (x, y) 6= (0, 0) e f (0, 0) = 0.
x2 + y 2

34
x2 y
(b) f (x, y) = se (x, y) 6= (0, 0) e f (0, 0) = 0.
x2 + y 2
x4
(c) f (x, y) = 2 se (x, y) 6= (0, 0) e f (0, 0) = 0.
x + y2
(d) f (x, y) = x4 + y 3 .
(e) f (x, y) = ln(1 + x2 + y 2 ).
(f) f (x, y) = cos(x2 + y 2).

9. Determine o conjunto dos pontos em que a função dada é diferenciável. Justifique com
detalhes.
 xy
x2 +y 2
se (x, y) 6= (0, 0)
(a) f (x, y) = .
0 se (x, y) = (0, 0)
 x3
x2 +y 2
se (x, y) 6= (0, 0)
(b) f (x, y) = .
0 se (x, y) = (0, 0)
(
xy 3
x2 +y 2
se (x, y) 6= (0, 0)
(c) f (x, y) = .
0 se (x, y) = (0, 0)

35
Aula 11: 07/04/2010
Agora vamos discutir uma condição suficiente para diferenciabilidade. Vamos mostrar que
se as derivadas parciais existem em todo ponto de uma vizinhança de (x0 , y0) e são funções
contı́nuas em (x0 , y0 ), então a função é diferenciável em (x0 , y0 ).
Antes de enunciarmos o teorema que dá uma condição suficiente de diferenciabilidade,
vamos recordar um dos mais importantes teoremas do curso de Cálculo I.

Teorema do Valor Médio Se f : [a, b] → R é uma função contı́nua em [a, b] e diferenciável


em (a, b), então existe c ∈ (a, b) tal que

f (b) − f (a)
= f 0 (c).
b−a

Observe que se chamarmos b = a + h a expressão anterior fica

f (a + h) − f (a) = f 0 (c)h.

Teorema 5. Sejam A ⊂ R2 um aberto, f : A → R uma função e (x0 , y0 ) um ponto de


A. Se as derivadas parciais ∂f
∂x
e ∂f
∂y
existem em A e são contı́nuas em (x0 , y0 ), então f é
diferenciável em (x0 , y0).

Demonstração: Como A é aberto e (x0 , y0) ∈ A, segue que existe uma bola aberta de
centro em (x0 , y0 ) contida em A. Sejam h e k números reais pequenos o suficiente para que
(x0 + h, y0 + k) ∈ B. Podemos escrever

f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0) = f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 + k) + f (x0 , y0 + k) − f (x0 , y0 ).

Façamos G(x) = f (x, y0 + k). Logo f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 + k) = G(x0 + h) − G(x0 ). E


pelo Teorema do Valor Médio temos que existe x̄ entre x0 e x0 + h tal que
∂f
G(x0 + h) − G(x0 ) = G0 (x̄)h = (x̄, y0 + k)h.
∂x
Da mesma forma existe ȳ entre y0 e y0 + k tal que
∂f
f (x0 , y0 + k) − f (x0 , y0) = (x0 , ȳ)k.
∂y
Portanto temos
∂f ∂f
f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0) = (x̄, y0 + k)h + (x0 , ȳ)k.
∂x ∂y
∂f ∂f
Subtraindo de ambos os membros ∂x
(x0 , y0 )h + ∂y
(x0 , y0 )k, ficamos com

∂f ∂f
f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 ) − (x0 , y0 )h − (x0 , y0)k =
∂x ∂y
   
∂f ∂f ∂f ∂f
(x̄, y0 + k) − (x0 , y0) h + (x0 , ȳ) − (x0 , y0) k.
∂x ∂x ∂y ∂y

36

Dividindo a expressão por k(h, k)k = h2 + k 2 temos
∂f ∂f
f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 ) − ∂x
(x0 , y0 )h − ∂y
(x0 , y0 )k
=
k(h, k)k
   
∂f ∂f h ∂f ∂f k
(x̄, y0 + k) − (x0 , y0 ) √ + (x0 , ȳ) − (x0 , y0) √ .
∂x ∂x h2 + k 2 ∂y ∂y h2 + k 2
Agora fazemos o limite com (h, k) tendendo a (0, 0). Pelo fato das funções derivadas parciais
∂f
∂x
e ∂f
∂y
serem contı́nuas em (x0 , y0 ) segue que as expressões entre colchetes na equação anterior
tendem a zero. Por outro lado, as funções √h2h+k2 e √h2k+k2 são limitadas. Concluı́mos que
∂f ∂f
f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 ) − ∂x
(x0 , y0)h − ∂y
(x0 , y0 )k
lim = 0.
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

Portanto a função f é diferenciável no ponto (x0 , y0). 

Definição 20. Dizemos que uma função f : A ⊂ R2 → R, A aberto, é de classe C 1 em A se


∂f
∂x
e ∂f
∂y
existem e são contı́nuas em todos os pontos de A.
Daı́ temos a seguinte consequência do Teorema 5.
Corolário 2. Seja f : A ⊂ R2 → R onde A é aberto. Se f é de classe C 1 em A então f é
diferenciável em todos os pontos de A.
Exemplo: Mostre que a função f (x, y) = sen(x2 + y 2) é diferenciável em todos os pontos de
R2 .
Basta observar que as derivadas parciais
∂f ∂f
(x, y) = cos(x2 + y 2 ).2x e (x, y) = cos(x2 + y 2).2y
∂x ∂y
são funções contı́nuas. Logo aplicando o teorema anterior temos que f é diferenciável em todo
ponto de R2 .

Exemplo: Seja f : R2 → R a função dada por


1
 2
(x + y 2)sen x2 +y 2, se (x, y) 6= (0, 0),
f (x, y) =
0, se (x, y) = (0, 0).

Mostre que f é diferenciável em (0, 0), mas as funções derivadas parciais ∂f


∂x
e ∂f
∂y
não são
contı́nuas em (0, 0).
Primeiro vejamos que f é diferenciável em (0, 0). Calculamos as derivadas parciais em
(0, 0).
∂f x2 sen x12 − 0 1
(0, 0) = lim = lim x sen 2 = 0.
∂x x→0 x−0 x→0 x
Nesse limite anterior usamos o fato da função g(x) = x tender a zero e a função h(x) = sen x12
ser limitada. De maneira análoga temos
∂f
(0, 0) = 0.
∂y

37
Calculando agora
∂f ∂f
f (0 + h, 0 + k) − f (0, 0) − ∂x
(0, 0)h − ∂y
(0, 0)k
lim =
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

h2 + k 2 1 √ 1
lim √ sen 2 2
= lim h2 + k 2 sen 2 = 0,
(h,k)→(0,0) 2
h +k 2 h +k (h,k)→(0,0) h + k2
√ 1
pois h2 + k 2 tende a zero e sen h2 +k 2 é limitada.

Passamos agora a provar que as derivadas parciais não são contı́nuas em (0, 0). Vimos que
∂f
∂x
(0, 0) = 0. Nos pontos (x, y) 6= (0, 0) derivamos usando a regra do produto e obtemos

1 2x 1
2xsen 2 − 2 cos 2 , se (x, y) 6= (0, 0),


∂f 
x +y 2 x +y 2 x + y2
(x, y) =
∂x 

 0, se (x, y) = (0, 0).

Tomando-se o caminho α(t) = (t, t) vemos que o limite

∂f
lim (α(t))
t→0 ∂x
∂f
não existe. Logo ∂x
não é contı́nua em (0, 0).
∂f
De modo análogo prova-se que ∂y
não é contı́nua em (0, 0).

38
Aula 12: 09/04/2010
Vimos que se uma função f : A ⊂ R2 → R, com A aberto, é diferenciável em (x0 , y0) ∈ A
temos
f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 ) − ∂f
∂x
(x0 , y0)h − ∂f
∂y
(x0 , y0 )k
lim = 0.
(h,k)→(0,0) k(h, k)k
Chamando x = x0 + h e y = y0 + k temos
∂f ∂f
f (x, y) − f (x0 , y0 ) − ∂x
(x0 , y0)(x − x0 ) − ∂y
(x0 , y0 )(y − y0 )
lim = 0.
(x,y)→(x0 ,y0 ) k(x, y) − (x0 , y0)k
Agora vamos chamar

E(x, y) = f (x, y) − f (x0 , y0 ) − ∂f ∂x


(x0 , y0 )(x − x0 ) − ∂f
∂y
(x0 , y0 )(y − y0 ),
∂f ∂f
T (x, y) = f (x0 , y0 ) + ∂x (x0 , y0 )(x − x0 ) + ∂y (x0 , y0 )(y − y0 ).

Portanto temos
f (x, y) = T (x, y) + E(x, y) com

E(x, y)
lim = 0.
(x,y)→(x0 ,y0 ) k(x, y) − (x0 , y0 )k

Observações:
1. A função T (x, y) é a única função afim (isto é, uma função que tem como gráfico um
plano) que aproxima f (x, y) com um erro E(x, y) que tende a zero “mais rapidamente”
que k(x, y) − (x0 , y0 )k quando (x, y) tende a (x0 , y0).

2. Se f não for diferenciável no ponto (x0 , y0 ), mas existirem ∂f∂x


(x0 , y0 ) e ∂f
∂y
(x0 , y0), então
o plano dado pelo gráfico de T (x, y) existirá, mas não será um plano tangente ao gráfico
de f .
Definição 21. Seja f : A ⊂ R2 → R uma função definida no aberto A e diferenciável em
(x0 , y0 ) ∈ A. O plano
∂f ∂f
z − f (x0 , y0 ) = (x0 , y0)(x − x0 ) + (x0 , y0)(y − y0 )
∂x ∂y
é o plano tangente ao gráfico de f pelo ponto (x0 , y0 , f (x0 , y0 )).
Observe que um vetor normal ao plano tangente é o vetor
 
∂f ∂f
n= (x0 , y0 ), (x0 , y0 ), −1 .
∂x ∂y
Usando essa observação podemos definir a reta normal ao gráfico de f .
Definição 22. Seja f : A ⊂ R2 → R uma função definida no aberto A e diferenciável em
(x0 , y0 ) ∈ A. A reta
 
∂f ∂f
(x, y, z) = (x0 , y0 , f (x0 , y0 )) + λ (x0 , y0 ), (x0 , y0 ), −1 , para todo λ ∈ R,
∂x ∂y
é a reta normal ao gráfico de f pelo ponto (x0 , y0, f (x0 , y0)).

39
Exemplo: Seja f (x, y) = 3x3 y − x2 . Determine as equações do plano tangente e da reta
normal ao gráfico de f pelo ponto (1, 1, f (1, 1)).
Calculando f (1, 1) obtemos f (1, 1) = 3.13 .1 − 12 = 2. As derivadas parciais são dadas
por ∂f
∂x
(x, y) = 9x2 y − 2x e ∂f
∂y
(x, y) = 3x3 . Calculando no ponto (1, 1) vem ∂f ∂x
(1, 1) = 7 e
∂f ∂f ∂f
∂y
(1, 1) = 3. Como a equação do plano tangente é z −f (1, 1) = ∂x (1, 1)(x−1)+ ∂y (1, 1)(y −1)
obtemos z − 2 = 7(x − 1) + 3(y − 1), ou seja, a equação do plano tangente é

7x + 3y − z = 8

e a reta normal é
(x, y, z) = (1, 1, 2) + λ(7, 3, −1), λ ∈ R.

Exemplo: Determine o plano tangente e a reta normal ao gráfico de f (x, y) = x2 + y 2 em


(0, 1, f (0, 1)).
Temos f (0, 1) = 1, ∂f
∂x
(x, y) = 2x e ∂f
∂y
(x, y) = 2y. Logo ∂f
∂x
(0, 1) = 0 e ∂f
∂y
(0, 1) = 2.
Portanto a equação do plano é z − 1 = 2(y − 1), ou seja,

2y − z = 1

e a equação da reta normal é

(x, y, z) = (0, 1, 1) + λ(0, 2, −1), λ ∈ R.

Exemplo: Determine o plano que passa pelos pontos (1, 1, 2) e (−1, 1, 1) e que seja tangente
ao gráfico de f (x, y) = xy.
Seja (a, b, f (a, b)) o ponto em que o plano tangencia o gráfico de f . Esse plano é dado por

z − ab = b(x − a) + a(y − b).

Como os pontos (1, 1, 2) e (−1, 1, 1) pertencem ao plano, basta substituir esses valores na
equação do plano e determinar os valores de a e b. Temos

b + a − 2 = ab,
−b + a − 1 = ab.

Resolvendo esse sistema obtemos a = 3 e b = 21 . Portanto o plano procurado é

x + 6y − 2z = 3.

x3
Exemplo: Considere f (x, y) = . Mostre que todos os planos tangentes ao gráfico de
x2 + y 2
f passam pela origem.
Calculando as derivadas parciais temos

∂f 3x2 (x2 + y 2) − x3 (2x) x4 + 3x2 y 2


(x, y) = =
∂x (x2 + y 2)2 (x2 + y 2 )2

40
∂f −x3 (2y) −2x3 y
(x, y) = 2 = .
∂y (x + y 2 )2 (x2 + y 2 )2
Os planos tangentes ao gráfico de f pelo ponto (a, b, f (a, b)) são dados por

a3 a4 + 3a2 b2 −2a3 b
z− = (x − a) + (y − b).
a2 + b2 (a2 + b2 )2 (a2 + b2 )2

Substituindo x = 0 e y = 0 no lado direito da equação acima obtemos

(a4 + 3a2 b2 )(−a) + (−2a3 b)(−b) −a5 − 3a3 b2 + 2a3 b2 −a3


= = .
(a2 + b2 )2 (a2 + b2 )2 a2 + b2

Exemplo: Seja f : R2 → R a função dada por



 xy 2
, se (x, y) 6= (0, 0),
f (x, y) = x2 + y 2
0, se (x, y) = (0, 0).

Mostre que o gráfico de f não admite plano tangente em (0, 0, 0).


Basta mostrarmos que f não é diferenciável em (0, 0). Calculando as derivadas parciais
em (0, 0) temos ∂f
∂x
(0, 0) = 0 e ∂f
∂y
(0, 0) = 0. Denotando

f (0 + h, 0 + k) − f (0, 0) − ∂f
∂x
(0, 0)h − ∂f
∂y
(0, 0)k hk 2
G(h, k) = √ =√
h2 + k 2 h2 + k 2
e escolhendo o caminho α(t) = (t, t) temos

t3 1 t
lim G(α(t)) = lim √ = lim √
t→0 t→0 2t2 2t2 t→0 2 2 |t|
o qual não existe.

41
Aula 13: 14/04/2010
Sejam A ⊂ R2 um aberto e f : A → R uma função diferenciável em (x0 , y0) ∈ A. Considere
a transformação linear (função linear)
∂f ∂f
L : R2 → R dada por L(h, k) = (x0 , y0 )h + (x0 , y0)k.
∂x ∂y

A função L é a única transformação linear de R2 em R que aproxima o acréscimo f (x0 +


h, y0 + k) − f (x0 , y0 ) com erro E(h, k) que tende a zero “mais rápido” do que k(h, k)k quando
(h, k) tende a (0, 0), isto é,

f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0) = L(h, k) + E(h, k)

E(h, k)
lim =0
(h,k)→(0,0) k(h, k)k

Definição 23. A transformação linear L : R2 → R dada por


∂f ∂f
L(h, k) = (x0 , y0)h + (x0 , y0 )k
∂x ∂y
é chamada diferencial de f no ponto (x0 , y0 ).

Sabemos que o gráfico de


∂f ∂f
T (x, y) = f (x0 , y0 ) + (x0 , y0 )(x − x0 ) + (x0 , y0)(y − y0 )
∂x ∂y
é o plano tangente ao gráfico de f no ponto (x0 , y0 , f (x0 , y0)).
Fazendo x = x0 + h e y = y0 + k temos
∂f ∂f
T (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0 ) + (x0 , y0)h + (x0 , y0 )k,
∂x ∂y
isto é,
T (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0) + L(h, k) = T (x0 , y0 ) + L(h, k).
Portanto L(h, k) é a variação que T sofre quando passa de (x0 , y0 ) para (x0 + h, y0 + k). Por
outro lado, f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0) é a variação que f sofre quando passa de (x0 , y0) para
(x0 + h, y0 + k). Usaremos o sı́mbolo ∆f para denotar a variação que f sofre quando passa
de (x, y) para (x + dx, y + dy), isto é,

∆f = f (x + dx, y + dy) − f (x, y)

e denotaremos a diferencial de f por df , isto é,


∂f ∂f
df = (x, y)dx + (x, y)dy.
∂x ∂y
Como conclusão temos ∆f é aproximadamente df e escrevemos

∆f ∼
= df.

42
Exemplo: Seja f : R2 → R dada por f (x, y) = x2 y.
1. Calcule a diferencial df .
2. Usando a diferencial, calcule um valor aproximado para ∆f , quando passa de x = 1 e
y = 2 para x = 1, 02 e y = 2, 01.
3. Qual é o erro cometido na aproximação.
Solução: Para o ı́tem 1., a diferencial é dada por
∂f ∂f
df = (x, y)dx + (x, y)dy.
∂x ∂y
Portanto
df = 2xydx + x2 dy.
Para o ı́tem 2., usamos o fato que ∆f ∼
= df . Daı́
∆f ∼
= df = 2xydx + x2 dy = 2.1.2.(0, 02) + 12 .(0, 01) = 0, 08 + 0, 01 = 0, 09.
Para o ı́tem 3., calculamos ∆f e depois comparamos com df .
∆f = f (1.02, 2.01) − f (1, 2) = (1.02)2 (2.01) − 2 = 0.091204
Portanto o erro é 0.001204.
Exemplo: Calcule um valor aproximado para a variação ∆A na área de um retângulo quando
os lados variam de x = 2 e y = 3 para x = 2.01 e y = 2.97.
Solução: Considere a função A(x, y) = xy. Logo
∂A ∂A
dA = (x, y)dx + (x, y)dy = ydx + xdy.
∂x ∂y
Logo
∆A ∼
= dA = 3(0.01) + 2(−0.03) = −0.03
Por curiosidade ∆A = (2.01)(2.97) − (2)(3) = 5.9697 − 6 = −0.0303, logo o erro cometido é
de 0.0003.

6.3 Vetor Gradiente


Definição 24. Sejam A ⊂ R2 um aberto e f : A → R uma função que possui derivadas
parciais em (x0 , y0 ) o vetor
 
∂f ∂f
∇f (x0 , y0 ) = (x0 , y0), (x0 , y0 ) ,
∂x ∂y
chama-se vetor gradiente de f em (x0 , y0 ).
Exemplo: Considere a função f : R2 → R dada por f (x, y) = x3 + y 4 . Calcule o vetor
gradiente de f no ponto (1, 1).
Solução: Inicialmente calculamos as derivadas parciais
∂f ∂f
(x, y) = 3x2 e (x, y) = 4y 3,
∂x ∂y
logo, avaliando no ponto (1, 1) temos
∇f (1, 1) = (3, 4).

43
Quarta Lista de Exercı́cios

1. Determine as equações do plano tangente e da reta normal ao gráfico da função dada


no ponto dado.

(a) f (x, y) = 2x2 y em (1, 1, f (1, 1)).


(b) f (x, y) = 3x3 y − xy em (1, −1, f (1, −1)).
2 −y 2
(c) f (x, y) = xex em (2, 2, f (2, 2)).

2. Determine o plano que seja paralelo ao plano z = 2x + y e tangente ao gráfico de


f (x, y) = x2 + y 2 .

3. Sabendo-se que z = 2x + y é o plano tangente ao gráfico de f (x, y) no ponto (1, 1, 3),


calcule ∂f
∂x
(1, 1) e ∂f
∂y
(1, 1).

4. Determine os planos que sejam tangentes ao gráfico de f (x, y) = x2 +y 2 e que contenham


a intersecção dos planos x + y + z = 3 e z = 0.

5. Seja β um plano que é tangente aos gráficos de f (x, y) = 2+x2 +y 2 e g(x, y) = −x2 −y 2 .
Mostre que a2 + b2 = 1, sendo (a, b, f (a, b) o ponto em que β tangencia o gráfico de f .

6. Calcule a diferencial.

(a) z = x3 y 2.
(b) z = sen(xy).
(c) T = ln(1 + p2 + v 2 ).
2 −y 2
7. Seja z = xex .

(a) Calcule um valor aproximado para a variação ∆z em z, quando passa de x = 1 e


y = 1 para x = 1, 01 e y = 1, 002.
(b) Calcule um valor aproximado para z, correspondente a x = 1, 01 e y = 1, 002.

8. A altura de um cone é h = 20cm e o raio da base é r = 12cm. Calcule um valor


aproximado para a variação ∆V no volume quando h aumenta 2mm e r decresce 1mm.

9. Calcule ∇f (x, y) sendo.

(a) f (x, y) = x2 y.
(b) f (x, y) = xy .
2 −y 2
(c) f (x, y) = ex .

10. Seja f (x, y) = x2 − y 2. Represente geometricamente ∇f (x0 , y0), sendo (x0 , y0 ) =

(a) (1, 1).


(b) (−1, 1).
(c) (1, −1).
(d) (−1, −1).

44
Aula 14: 16/04/2010

6.4 Regra da Cadeia


Quando estudamos limites por caminhos, vimos que uma curva ou caminho é uma aplicação
definida em um intervalo I ⊂ R com valores em R2 .
Definição 25 (Curva Diferenciável). Uma curva α : I ⊂ R → R2 da forma α(t) =
(α1 (t), α2 (t)) é diferenciável em t0 ∈ I se α1 : I → R e α2 : I → R são deriváveis em
t0 . E nesse caso,
α0 (t0 ) = (α10 (t0 ), α20 (t0 )).
Exemplo: Considere a curva α(t) = (cos t, 2sent). Como as funções α1 (t) = cos t e α2 (t) =
2sent são deriváveis em t0 = π2 segue que α é diferenciável em t0 = π2 e
π π
α0 (t0 ) = (−sen( ), 2 cos( )) = (−1, 0).
2 2
Como curiosidade, se chamamos x = cos t e y = 2sent temos que para todo t os pontos da
y2
curva α pertencem à elipse x2 + = 1. O ponto α( π2 ) = (0, 2) é um dos vértices da elipse. Se
4
representamos o vetor α0 ( π2 ) = (−1, 0) com origem no ponto (0, 2) temos a figura 27. De fato
isso é a interpretação fı́sica de que α(t0 ) é a posição da partı́cula na trajetória α no instante
t = t0 e α0 (t0 ) é a velocidade instantânea da partı́cula no instante t = t0 .

α0 ( π2 )
(0, 2)

Figura 27: Uma curva diferenciável e sua derivada.

Teorema 6 (Regra da Cadeia). Sejam A ⊂ R2 aberto, f : A → R uma função, I ⊂ R um


intervalo aberto e γ : I → R2 uma curva tal que γ(t) ∈ A para todo t ∈ I. Nessas condições,
se γ for diferenciável em t0 e f diferenciável em γ(t0 ), então a composta F (t) = f (γ(t)) será
diferenciável em t0 e
F 0 (t0 ) = h∇f (γ(t0 )), γ 0(t0 )i.
Demonstração: Chamando γ(t0 ) = (x0 , y0) e usando o fato que f é diferenciável em
(x0 , y0 ) temos
∂f ∂f
f (x, y) − f (x0 , y0 ) = (x0 , y0 )(x − x0 ) + (x0 , y0 )(y − y0 ) + E(x, y)
∂x ∂y

E(x, y)
com lim = 0.
(x,y)→(x0 ,y0 ) k(x, y) − (x0 , y0 )k

45
Substituindo x = γ1 (t) e y = γ2 (t) temos
∂f ∂f
f (γ(t)) − f (γ(t0 )) = (γ(t0 ))(γ1 (t) − γ1 (t0 )) + (γ(t0 ))(γ2 (t) − γ2 (t0 )) + E(γ(t)).
∂x ∂y
Em outras palavras

f (γ(t)) − f (γ(t0 )) = h∇(γ(t0 )), (γ(t) − γ(t0 ))i + E(γ(t)).


Dividindo por (t − t0 ) temos
f (γ(t)) − f (γ(t0 )) γ(t) − γ(t0 ) E(γ(t))
= h∇(γ(t0 )), i+ .
t − t0 t − t0 t − t0
Fazendo o limite quando t tende a t0 obtemos

F 0 (t0 ) = h∇(γ(t0 )), γ 0 (t0 )i.

Exemplo: Considere f (x, y) = xy e γ(t) = (t3 , t2 ). Inicialmente vamos calcular a composta


e depois a derivada da composta.

F (t) = f (γ(t)) = f (t3 , t2 ) = t3 t2 = t5 .


Dai a derivada é F 0 (t) = 5t4 . Agora vamos calcular usando a fórmula da Regra da Cadeia
F 0 (t) = h∇(γ(t)), γ 0(t)i. Observe que
∂f ∂f
(x, y) = y ⇒ (γ(t)) = t2 ,
∂x ∂x
∂f ∂f
(x, y) = x ⇒ (γ(t)) = t3 .
∂y ∂y
Dai temos
h∇(γ(t)), γ 0 (t)i = h(t2 , t3 ), (3t2 , 2t)i = 3t4 + 2t4 = 5t4 .
Agora veremos uma outra notação para a Regra da Cadeia. Fazendo γ(t) = (x(t), y(t))
temos    
∂f ∂f 0 dx dy
∇f (γ(t)) = (x(t), y(t)), (x(t), y(t)) e γ (t) = (t), (t) .
∂x ∂y dt dt
Omitindo a variável t na fórmula F 0 (t) = h∇(γ(t)), γ 0 (t)i obtemos
dF ∂f dx ∂f dy
= + .
dt ∂x dt ∂y dt
2 dz
Exemplo: Sejam z = f (x, y) = x2 y, x = x(t) = et e y = y(t) = 2t + 1. Calcule .
dt
Utilizando a fórmula anterior temos
dz ∂f dx ∂f dy 2 2 2 2 2
= + = 2xy[2tet ] + x2 [2] = 2et (2t + 1)(2tet ) + [et ]2 2 = e2t [8t2 + 4t + 2].
dt ∂x dt ∂y dt
De uma outra forma, calculando a composta primeiro temos
2 dz 2 2 2
z = x2 y = e2t (2t + 1) ⇒ = 4te2t (2t + 1) + e2t 2 = e2t [8t2 + 4t + 2].
dt

46
2
Exemplo: Seja F (t) = f (et , sent) onde f (x, y) é uma função diferenciável.

1. Expresse F 0 (t) em termos das derivadas parciais de f .


∂f
2. Calcule F 0 (0) sabendo que (1, 0) = 5.
∂y
Solução: Para o ı́tem 1. temos
∂f t2 2 ∂f t2
F 0 (t) = (e , sent).2tet + (e , sent). cos t.
∂x ∂y
Para o ı́tem 2. temos
∂f ∂f ∂f
F 0 (0) = 2.0.e0 (1, 0) + 1 (1, 0) = (1, 0) = 5.
∂x ∂y ∂y

47
Aula 15: 23/04/2010
Exemplo: Suponha que f : R2 → R é diferenciável e que f (3x + 1, 3x − 1) = 4 para todo x.
Mostre que
∂f ∂f
(3x + 1, 3x − 1) = − (3x + 1, 3x − 1).
∂x ∂y
Solução: Chamando x = t e derivando vem
∂f dx ∂f dy ∂f ∂f
0= (3t + 1, 3t − 1) + (3t + 1, 3t − 1) = 3 (3t + 1, 3t − 1) + 3 (3t + 1, 3t − 1).
∂x dt ∂y dt ∂x ∂y
Daı́, dividindo por 3 e voltando a chamar t = x temos o requerido.
Sejam A ⊂ R2 e B ⊂ R2 conjuntos abertos, f : A → R e g, h : B → R funções
diferenciáveis tais que g(B) × h(B) ⊂ A. Considere a função F : B → R dada por F (u, v) =
f (g(u, v), h(u, v)). O objetivo agora é calcular

∂F ∂F
e .
∂u ∂v
∂F
Para calcular ∂u
, basta fazer v constante e aplicar a regra da cadeia. Portanto temos

∂F ∂f ∂g ∂f ∂h
= + .
∂u ∂x ∂u ∂y ∂u
∂F
Para calcular ∂v
, basta fazer u constante e aplicar a regra da cadeia. Portanto temos

∂F ∂f ∂g ∂f ∂h
= + .
∂v ∂x ∂v ∂y ∂v
∂F ∂F
Exemplo: Seja F (r, θ) = f (x, y), onde x = r cos θ e y = rsenθ, calcule e .
∂r ∂θ
Utilizando a fórmula anterior temos
∂F ∂f ∂x ∂f ∂y ∂f ∂f
(r, θ) = (x, y) (r, θ) + (x, y) (r, θ) = (x, y) cos θ + (x, y)senθ
∂r ∂x ∂r ∂y ∂r ∂x ∂y
e
∂F ∂f ∂x ∂f ∂y ∂f ∂f
(r, θ) = (x, y) (r, θ) + (x, y) (r, θ) = (x, y)(−rsenθ) + (x, y)r cos θ,
∂θ ∂x ∂θ ∂y ∂θ ∂x ∂y
portanto
∂F ∂f ∂f
(r, θ) = cos θ (r cos θ, rsenθ) + senθ (r cos θ, rsenθ)
∂r ∂x ∂y
e
∂F ∂f ∂f
(r, θ) = −rsenθ (r cos θ, rsenθ) + r cos θ (r cos θ, rsenθ).
∂θ ∂x ∂y

6.5 Derivação de funções definidas implicitamente


Em muitas situações uma função não é definida de forma explı́cita. Ela é definida de forma
implı́cita. Mais precisamente, temos a seguinte definição.

48
Definição 26. Sejam A ⊂ R2 , f : A → R, e g : I ⊂ R → R uma função tal que o gráfico
de g está contido em A. Dizemos que a função g é definida implicitamente pela equação
f (x, y) = 0 se para todo x ∈ I tivermos f (x, g(x)) = 0.

Exemplo: A função y(x) = 1 − x2 é definida implicitamente por x2 + y 2 = 1.

A idéia agora é calcular a derivada g 0(x) de uma função derivável y = g(x) definida
implicitamente por uma equação f (x, y) = 0, onde f é uma função diferenciável. Sabemos
que f (x, g(x)) = 0 para todo x. Então é só derivar e aplicar a regra da cadeia. Logo

∂f dx ∂f dg
(x, y) + (x, y) (x) = 0
∂x dx ∂y dx
isto é
∂f ∂f
(x, y) + (x, y)g 0(x) = 0,
∂x ∂y
portanto temos
∂f
(x, y)
g 0(x) = − ∂x ,
∂f
(x, y)
∂y
∂f
desde que (x, y) 6= 0.
∂y
No exemplo anterior temos f (x, y) = x2 + y 2 − 1, logo

∂f
(x, y) 2x x
g 0(x) = − ∂x =− = −√ .
∂f 2y 1 − x2
(x, y)
∂y

Analogamente, pode-se calcular a derivada h0 (y) de uma função derivável x = h(y) definida
implicitamente por uma equação f (x, y) = 0, onde f é uma função diferenciável. Sabemos
que f (h(y), y) = 0 para todo y. Então é só derivar e aplicar a regra da cadeia. Logo

∂f dh ∂f dy
(x, y) (y) + (x, y) = 0
∂x dy ∂y dy
isto é
∂f ∂f
(x, y)h0(y) + (x, y) = 0,
∂x ∂y
portanto temos
∂f
(x, y)
0 ∂y
h (y) = − ,
∂f
(x, y)
∂x
∂f
desde que (x, y) 6= 0.
∂x

49
Exemplo: A função diferenciável y = y(x) é definida implicitamente pela equação y 3 + xy +
dy
x3 = 3. Expresse em termos de x e y.
dx
Solução 1 : Considere f (x, y) = y 3 + xy + x3 − 3. Daı́ temos

∂f
(x, y) 3x2 + y
y 0 (x) = − ∂x =− 2 .
∂f 3y + x
(x, y)
∂y

Solução 2 : Derivamos a expressão y 3 + xy + x3 = 3 em relação a x e obtemos


d 3 d
[y + xy + x3 ] = [3] ⇒ 3y 2 y 0(x) + y + xy 0 (x) + 3x2 = 0.
dx dx

Daı́ isolamos y 0(x) na expressão anterior e obtemos

3x2 + y
y 0 (x)(3y 2 + x) + (3x2 + y) = 0 ⇒ y 0(x) = − .
3y 2 + x

50
Quinta Lista de Exercı́cios

1. Seja f (x, y) = x2 + y 2 e seja γ(t) = (x(t), y(t)) uma curva diferenciável cuja imagem
está contida na curva de nı́vel f (x, y) = 1. Seja γ(t0 ) = (x0 , y0). Prove que o produto
escalar de γ 0 (t0 ) com ∇f (x0 , y0 ) é zero. Interprete geometricamente.
dz
2. Calcule dt
nos casos abaixo.

(a) z = senxy, x = 3t e y = t2 .
(b) z = x2 + 3y 2, x = sent e y = cost.
(c) z = ln(1 + x2 + y 2 ), x = sen3t e y = cos3t.

3. Seja g(t) = f (3t, 2t2 − 1).

(a) Expresse g 0 (t) em termos das derivadas parciais de f .


∂f
(b) Calcule g 0(0) admitindo que ∂x
(0, −1) = 31 .

4. Suponha que, para todo x, f (3x, x3 ) = arctgx.


∂f ∂f
(a) Calcule ∂x
(3, 1) admitindo ∂y
(3, 1) = 2.
(b) Determine a equação do plano tangente ao gráfico de f no ponto (3, 1, f (3, 1)).

5. Admita que, para todo (x, y),

∂f ∂f
4y (x, y) − x (x, y) = 2.
∂x ∂y

Calcule g 0 (t), sendo g(t) = f (2cost, sent).

6. Admita que, para todo (x, y),

∂f ∂f
4y (x, y) − x (x, y) = 0.
∂x ∂y
x2
Prove que f é constante sobre a elipse 4
+ y 2 = 1.

7. A imagem da curva γ(t) = (2t, t2 , z(t)) está contida no gráfico de z = f (x, y). Sabe-se
que f (2, 1) = 3, ∂f
∂x
(2, 1) = 1 e ∂f
∂y
(2, 1) = −1 Determine a equação da reta tangente a γ
no ponto γ(1).

8. Admita que, para todo (x, y),

∂f ∂f
x (x, y) − y (x, y) = 0.
∂x ∂y

Mostre que g(t) = f (t, 2t ), t > 0, é constante.

9. Sejam f = f (t) e g = g(x, y) funções diferenciáveis tais que g(t, f (t)) = 0, para todo
∂g ∂g
t. Suponha que f (0) = 1, ∂x (0, 1) = 2 e ∂y (0, 1) = 4. Determine a equação da reta
tangente a γ(t) = (t, f (t)), no ponto γ(0).

51
10. Sejam f = f (x, y, z) e g = g(x, y) funções diferenciáveis tais que para todo (x, y) no
domı́nio de g, f (x, y, g(x, y)) = 0. Suponha que g(1, 1) = 3, ∂f
∂x
(1, 1, 3) = 2, ∂f
∂y
(1, 1, 3) =
∂f
5 e ∂z (1, 1, 3) = 10. Determine a equação do plano tangente ao gráfico de g, no ponto
(1, 1, 3).
 
x y z
11. Seja F (x, y, z) = f y , z , x . Mostre que

∂F ∂F ∂F
x +y +z = 0.
∂x ∂y ∂z

52
Aula 16: 28/04/2010

Aula de Dúvidas, Revisão e Exercı́cios.

53
Aula 17: 30/04/2010

Primeira Prova de Cálculo II

1 1
1. Esboce a curva de nı́vel c = da função f (x, y) = .
2
x + 2y 2
2

2. Calcule, caso exista.


x2
(a) lim p .
(x,y)→(0,0) x2 + y 2
xy(x − y)
(b) lim .
(x,y)→(0,0) x4 + y 4

p
3. Seja f (x, y) = x2 + y 2, (x, y) ∈ R2 . Calcule o plano tangente ao gráfico de f passando
pelo ponto (3, −4, 5).

2
(
√x , se (x, y) 6= (0, 0)
4. Considere a função f (x, y) = x2 +y 2 .
0, se (x, y) = (0, 0)

(a) Verifique se f é contı́nua em (0, 0).


∂f ∂f
(b) Calcule ∂x
(0, 0) e ∂y
(0, 0).
(c) Verifique se f é diferenciável em (0, 0).

5. Sejam f : R2 → R e (x0 , y0 ) ∈ R2 . Verifique se cada uma das sentenças abaixo é


verdadeira ou falsa. Justifique com detalhes.
∂f ∂f
(a) Se as derivadas parciais ∂x
e ∂y
são contı́nuas, então f é contı́nua.
∂f ∂f
(b) Se ∂x
(x0 , y0 ) e ∂y
(x0 , y0 ) existem, então f é diferenciável em (x0 , y0).

Boa Prova!

54
Resolução da Prova

1. Temos que f (x, y) = c se, e somente se, x2 + 2y 2 = 2. Portanto a curva de nı́vel é a


elipse dada por
x2
+ y 2 = 1.
2
O esboço é apresentado na figura abaixo.

√ √
− 2 2
−1

Figura 28: Curva de nı́vel c = 12 .

2
2. (a) A função √ x2 pode ser escrita como x. √ x
. Usando o fato que a função
x +y 2 x2 +y 2
√x é limitada e a função x tende a zero quando (x, y) tende a (0, 0). Concluı́mos
x2 +y 2
que
x2
lim p = 0.
(x,y)→(0,0) x2 + y 2
(b) O limite não existe. Pois se considerarmos o caminho α(t) = (t, −t) teremos

−2t3 −1
lim f (α(t)) = lim = lim .
t→0 t→0 2t4 t→0 t

O limite anterior não existe, pois os limites laterais são −∞ e +∞.

3. A equação do plano tangente é dada por


∂f ∂f
z − f (3, −4) = (3, −4)(x − 3) + (3, −4)(y + 4).
∂x ∂y
∂f x ∂f y
Calculando as derivadas parciais temos (x, y) = p e (x, y) = p .
∂x x2 + y 2 ∂y x2 + y 2
Portanto a equação do plano é
3 −4
z − 5 = (x − 3) + (y + 4),
5 5
ou seja,
3x − 4y − 5z = 0.

55
4. (a) A função f é contı́nua, pois o ponto (0, 0) é um ponto de acumulação do domı́nio
de f e nesse caso basta verificar se o limite de f (x, y) quando (x, y) tende a (0, 0)
é igual a f (0, 0). Pelo item a) da questão 2 o limite é zero e da definição da função
o valor de f (0, 0) também é zero.
∂f
(b) Temos que ∂x
(0, 0) não existe pois

∂f f (x, 0) − f (0, 0) x
(0, 0) = lim = lim
∂x x→0 x−0 x→0 |x|

e esse limite não existe pois possui limites laterais distintos.


Já ∂f
∂y
(0, 0) existe e é igual a zero pois

∂f f (0, y) − f (0, 0) 0
(0, 0) = lim = lim = 0.
∂y y→0 y−0 y→0 y

(c) A função f não é diferenciável em (0, 0) pois não possui a derivada parcial com
relação à variável x nesse ponto.

5. (a) A afirmação é verdadeira, pois se as derivadas parciais existem e são contı́nuas,


então f é diferenciável. E se f é diferenciável, então f é contı́nua.
(b) A afirmação é falsa. Existem funções que possuem derivadas parciais em um ponto,
mas não são contı́nuas nesse ponto. Portanto, nesse
 xycaso, não são diferenciáveis
x2 +y 2
, se (x, y) 6= (0, 0)
nesse ponto. Por exemplo a função f (x, y) = . As
0, se (x, y) = (0, 0)
derivadas parciais em (0, 0) existem pois

∂f f (x, 0) − f (0, 0) 0
(0, 0) = lim = lim = 0 e
∂x x→0 x−0 x→0 x

∂f f (0, y) − f (0, 0) 0
(0, 0) = lim = lim = 0 e
∂y y→0 y−0 y→0 y

se considerarmos os caminhos α1 (t) = (t, 0) e α2 (t) = (t, t) teremos


1
lim f (α1 (t)) = 0 e lim f (α2 (t)) = .
t→0 t→0 2

56
Aula 18: 05/05/2010
Exemplo: Suponha que a função diferenciável z = g(x, y) é dada implicitamente pela equação
∂g ∂g
f (x, y, z) = 0, onde f é diferenciável. Calcule e .
∂x ∂y
∂z
Solução: Para obter , derivamos em relação a x a expressão
∂x
f (x, y, g(x, y)) = 0.

Logo
∂f ∂ ∂f ∂ ∂f ∂
(x, y, z) [x] + (x, y, z) [y] + (x, y, z) [g(x, y)] = 0.
∂x ∂x ∂y ∂x ∂z ∂x
∂ ∂
Usando o fato que ∂x
[x] =1e ∂x
[y] = 0 temos

∂f
∂g (x, y, z)
(x, y) = − ∂x .
∂x ∂f
(x, y, z)
∂z

De maneira análoga obtemos


∂f
(x, y, z)
∂g ∂y
(x, y) = − .
∂y ∂f
(x, y, z)
∂z

Teorema 7 (Teorema das Funções Implı́citas). Seja F : A ⊂ R2 → R uma função de classe


C 1 (isto é, com as derivadas parciais contı́nuas), num aberto A ⊂ R2 e (x0 , y0 ) ∈ A, com
∂F
F (x0 , y0 ) = 0. Nessas condições, se (x0 , y0 ) 6= 0, então existirão intervalos abertos I e J,
∂y
com x0 ∈ I e y0 ∈ J, tais que para cada x ∈ I, existe um único g(x) ∈ J, com F (x, g(x)) = 0.
A função g : I → J é diferenciável e
∂F
(x, g(x))
g 0 (x) = − ∂x .
∂F
(x, g(x))
∂y

Exemplo: A equação y 3 + xy + x3 = 4 define implicitamente alguma função diferenciável


y = g(x)? Em caso afirmativo, expresse g 0 (x) em termos de x e y.

Solução: Considere a função F (x, y) = y 3 + xy + x3 − 4. F é uma função√de classe C 1 , pois


suas derivadas parciais são contı́nuas. Considere o ponto (x0 , y0 ) = (0, 3 4). Observe que
√ √ ∂F
F (x0 , y0 ) = ( 3 4)3 + 0. 3 4 + 03 − 4 = 0. Observe ainda que (x, y) = 3y 2 + x, ou seja,
∂y
∂F √3 2
(x0 , y0) = 3( 4) + 0 6= 0. Portanto pelo Teorema das Funções Implı́citas segue que existe
∂y

57
uma função diferenciável y = g(x) que é definida implicitamente por y 3 + xy + x3 = 4 e sua
derivada é dada por
∂F
(x, y) y + 3x2
g 0(x) = − ∂x =− .
∂F x + 3y 2
(x, y)
∂y

∂F
Observação: No Teorema das Funções Implı́citas, se a hipótese (x0 , y0 ) 6= 0 for sub-
∂y
∂F
stituı́da por (x0 , y0 ) 6= 0, então existirão intervalos I e J, com x0 ∈ I e y0 ∈ J, tais que
∂x
para cada y ∈ J, existe um único h(y) ∈ I, com F (h(y), y) = 0. A função h : J → I é
diferenciável e
∂F
(h(y), y)
∂y
h0 (y) = − .
∂F
(h(y), y)
∂x

Exemplo: Considerando a equação do exemplo anterior, existe alguma função diferenciável


x = h(y) definida implicitamente pela equação y 3 +xy +x3 = 4? Em caso afirmativo, expresse
h0 (y) em termos de x e y.
√ ∂F √
(x0 , y0 ) = 3( 4)2 .
3
Solução: Sim. Fazendo (x0 , y0) = ( 3 4, 0) temos F (x0 , y0 ) = 0 e
∂y
Portanto existe uma função diferenciável x = h(y) que é definida implicitamente por y 3 +
xy + x3 = 4 e sua derivada é dada por
∂F
(x, y)
0 ∂y x + 3y 2
h (y) = − =− .
∂F y + 3x2
(x, y)
∂x

Teorema 8 (Teorema das Funções Implı́citas (Caso F (x, y, z) = 0)). Seja F : A ⊂ R3 → R


uma função de classe C 1 (isto é, com as derivadas parciais contı́nuas), num aberto A ⊂ R3 e
∂F
(x0 , y0 , z0 ) ∈ A, com F (x0 , y0, z0 ) = 0. Nessas condições, se (x0 , y0 , z0 ) 6= 0, então existirá
∂z
uma bola aberta B de centro (x0 , y0) e um intervalo aberto J, com z0 ∈ J, tais que para cada
(x, y) ∈ B, existe um único g(x, y) ∈ J, com F (x, y, g(x, y)) = 0. A função g : B → J é
diferenciável e

∂F ∂F
(x, y, g(x, y)) (x, y, g(x, y))
∂g ∂x ∂f ∂y
(x, y) = − e (x, y) = − .
∂x ∂F ∂y ∂F
(x, y, g(x, y)) (x, y, g(x, y))
∂z ∂z

58
Exemplo: Mostre que a equação ex+y+z + xyz = 1 define implicitamente pelo menos uma
∂g ∂g
função diferenciável z = g(x, y) e expresse ∂x e ∂y em temos de x, y e z.

Solução: Considere a função de classe C 1 dada por F (x, y, z) = ex+y+z + xyz − 1. Temos que
∂F
(x, y, z) = ex+y+z + xy. Portanto fazendo (x0 , y0, z0 ) = (0, 0, 0) temos F (x0 , y0, z0 ) = 0 e
∂z
∂F
(x0 , y0, z0 ) = 1 6= 0. Portanto, pelo Teorema das Funções Implı́citas, segue que existe uma
∂z
função diferenciável z = g(x, y) que é definida implicitamente por ex+y+z + xyz = 1 e suas
derivadas parciais são dadas por
∂F
∂g (x, y, z) ex+y+z + yz
(x, y) = − ∂x = − x+y+z
∂x ∂F e + xy
(x, y, z)
∂z
e
∂F
(x, y, z)
∂g ∂y ex+y+z + xz
(x, y) = − = − x+y+z .
∂y ∂F e + xy
(x, y, z)
∂z

59
Aula 19: 07/05/2010

6.6 Derivada Direcional


Sejam A ⊂ R2 um conjunto aberto, (x0 , y0) um ponto de A, f : A → R uma função e u = (a, b)
um vetor não nulo de R2 . Observe que como A é um conjunto aberto e (x0 , y0 ) ∈ A, então
para t ∈ R suficientemente pequeno temos (x0 + ta, y0 + tb) ∈ A. Portanto temos a seguinte
definição.
Definição 27. O limite
∂f f (x0 + ta, y0 + tb) − f (x0 , y0 )
(x0 , y0 ) = lim
∂u t→0 t
quando existe e é finito, denomina-se derivada direcional de f , no ponto (x0 , y0 ) e na
direção do vetor u = (a, b).
Exemplo: Seja f (x, y) = x2 + y 2 . Calcule ∂f ∂v
(1, 1), onde v = (−1, 1).
Solução: Utilizando a definição anterior temos
∂f f (1 − t, 1 + t) − f (1, 1) (1 − t)2 + (1 + t)2 − 2 2t2
(1, 1) = lim = lim = lim = 0.
∂v t→0 t t→0 t t→0 t

Observe na figura 29 que o vetor v é tangente à curva de nı́vel que passa por (1, 1).

(1, 1)

Figura 29: Vetor tangente à Curva de nı́vel.

Observação: Quando tomamos o vetor u = (1, 0) e calculamos a derivada direcional, obtemos


∂f f (x0 + t.1, y0 + t.0) − f (x0 , y0 ) f (x, y0 ) − f (x0 , y0 ) ∂f
(x0 , y0) = lim = lim = (x0 , y0).
∂u t→0 t x→x0 x − x0 ∂x
E quando tomamos o vetor u = (0, 1) e calculamos a derivada direcional, obtemos
∂f f (x0 + t.0, y0 + t.1) − f (x0 , y0 ) f (x0 , y) − f (x0 , y0) ∂f
(x0 , y0 ) = lim = lim = (x0 , y0 ).
∂u t→0 t y→y 0 y − y0 ∂y
Ou seja, as derivadas parciais são casos particulares das derivadas direcionais.

Interpretação geométrica da derivada direcional


Seja u = (a, b) e considere a função g(t) = f (x0 + at, y0 + bt), então
∂f
(x0 , y0 ) = g 0 (0).
∂u
60
Portanto a derivada direcional ∂f ∂u
(x0 , y0 ) é o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico de
f , no ponto (x0 , y0 , f (x0 , y0 )), e que está contida no plano que passa pelo ponto (x0 , y0 , f (x0 , y0 ))
e possui vetores diretores (a, b, 0) e (0, 0, 1). Nesse caso, se β é o ângulo que essa reta tangente
∂f
faz com o plano z = 0, temos ∂u (x0 , y0 ) = tan β. Veja a figura 30.

u
β (x0 , y0)

Figura 30: Interpretação geométrica da derivada direcional.

A partir de agora veremos qual a relação que existe entre o vetor gradiente e as curvas de
nı́veis de uma função diferenciável.
Aproveitamos esse momento para recordar que um vetor u é perpendicular a um vetor w
se, e somente se,
hu, wi = 0.

Definição 28. Dizemos que um vetor v ∈ R2 é perpendicular a uma curva γ : I → R2 em


t = t0 se v é perpendicular ao vetor tangente à curva γ no ponto γ(t0 ), isto é, se

hv, γ 0 (t0 )i = 0.
√ √
Exemplo: Considere a curva γ : [0, 2π] → R2 dada por γ(t) = ( 2sent, 2 cos t). Mostre
que o vetor u = (3, 3) é perpendicular à curva γ no ponto t = π4 .

Solução: Inicialmente √ observamos que o traço da√curva γ está √ contido na circunferência de


centro (0, 0) e raio 2. Para ver isso, chame x = 2sent e y = 2 cos t. Logo temos
√ √
x2 + y 2 = ( 2sent)2 + ( 2 cos t)2 = 2(cos2 t + sen2 t) = 2.
π 0
√ √
Agora provemos que u é perpendicular a γ em t = 4
. Como γ (t) = ( 2 cos t, − 2sent),
√ √ √ √
então γ 0 ( π4 ) = ( 2 22 , − 2 22 ) = (1, −1). Portanto temos

hu, γ 0 ( π4 )i = h(3, 3), (1, −1)i = 3.1 + 3(−1) = 0.

61
Aula 20: 12/05/2010
Já vimos que se f : A → R é uma função diferenciável definida no aberto A ⊂ R2 , então
o vetor gradiente de f no ponto (x0 , y0 ) ∈ A é dado por
 
∂f ∂f
∇f (x0 , y0 ) = (x0 , y0), (x0 , y0 ) .
∂x ∂y

Vimos também na regra da cadeia que se h(t) = f (γ(t)) é a composição de duas funções
diferenciáveis, então h é diferenciável e

h0 (t) = h∇f (γ(t)), γ 0(t)i.

Teorema 9. Sejam f : A ⊂ R2 → R uma função de classe C 1 num aberto A ⊂ R2 e


(x0 , y0 ) um ponto da curva de nı́vel f (x, y) = c. Suponhamos que ∇f (x0 , y0) 6= (0, 0). Então
∇f (x0 , y0 ) é perpendicular a qualquer curva diferenciável γ : I → R2 , passando por (x0 , y0),
e contida na curva de nı́vel f (x, y) = c.

Demonstração: Inicialmente observamos que as curvas diferenciáveis γ : I → R2 , pas-


sando por (x0 , y0), e contidas na curva de nı́vel f (x, y) = c existem. De fato, como ∇f (x0 , y0 ) 6=
(0, 0) temos que ∂f ∂x
(x0 , y0) 6= 0 ou ∂f∂y
(x0 , y0) 6= 0. Daı́ usamos o Teorema das Funções
Implı́citas para garantir que a equação f (x, y) = c possui uma função implı́cita diferenciável
da forma x = h(y) ou y = g(x), ou seja, γ(t) = (t, g(t)) ou γ(t) = (h(t), t).
Portanto temos que f (γ(t)) = c para todo t. Derivando e aplicando a Regra da Cadeia
temos
d d
[f (γ(t))] = [c] ⇒ h∇f (γ(t0 )), γ 0 (t0 )i = 0.
dt dt
Portanto ∇f (γ(t0 )) é perpendicular à curva γ : I → R2 em t = t0 . 

Exemplo: Considere a função diferenciável f (x, y) = x3 y 3 − xy. Seja γ(t) uma curva diferen-
ciável que passa pelo ponto (1, 2) e que está contida na curva de nı́vel f (x, y) = 6. Determine
a equação da reta tangente à curva γ(t) passando pelo ponto (1, 2).

Solução: Antes de calcularmos a equação da reta procurada faremos uma recordação de


Geometria Analı́tica Plana. No plano, a equação da reta que passa pelo ponto (x0 , y0 ) e que
possui vetor normal n = (a, b) é dada por

h(a, b), (x − x0 , y − y0 )i = 0.

Agora passamos a resolver o exercı́cio. Pelo teorema anterior sabemos que ∇f (1, 2) é perpen-
dicular a curva γ no ponto (1, 2). Temos que
 
∂f ∂f
∇f (1, 2) = (1, 2), (1, 2) .
∂x ∂y

As derivadas parciais são ∂f∂x


(x, y) = 3x2 y 3 − y e ∂f
∂y
(x, y) = 3y 2x3 − x, logo ∂f
∂x
(1, 2) = 22 e
∂f
∂y
(1, 2) = 11. Daı́ ∇f (1, 2) = (22, 11) e portanto a reta tangente a γ, que é perpendicular a
∇f (1, 2), é dada por

h(22, 11), (x − 1, y − 2)i = 0 ⇐⇒ 2x + y − 4 = 0.

62
Teorema 10. Sejam f : A ⊂ R2 → R uma função definida em um aberto A ⊂ R2 , (x0 , y0) ∈
∂f
A e u = (a, b) 6= (0, 0) um vetor de R2 . Se f é diferenciável em (x0 , y0), então (x0 , y0)
∂u
existe e
∂f
(x0 , y0) = h∇f (x0 , y0), ui.
∂u
Demonstração: Considere g(t) = f (x0 + at, y0 + bt). Como f é diferenciável, então g é
diferenciável. E pela Regra da Cadeia temos
∂f ∂f
g 0(0) = (x0 , y0 )a + (x0 , y0 )b = h∇f (x0 , y0 ), (a, b)i = h∇f (x0 , y0 ), ui.
∂x ∂y

∂f ∂f
E como g 0 (0) = ∂u
(x0 , y0 ) segue que (x0 , y0 ) = h∇f (x0 , y0 ), ui. 
∂u
Antes de enunciarmos o próximo resultado, recordamos um resultado de Geometria Analı́tica

hu, vi = kuk.kvk. cos θ,

onde θ é o ângulo entre u e v.

Teorema 11. Seja f : A ⊂ R2 → R uma função diferenciável em um ponto (x0 , y0 ) do aberto


∂f
A, e tal que ∇f (x0 , y0) 6= (0, 0). Então, sendo u unitário, o valor máximo que (x0 , y0)
∂u
pode atingir ocorre quando u é o versor de ∇f (x0 , y0 ), isto é, quando

∇f (x0 , y0)
u= .
k∇f (x0 , y0)k

∂f
E nesse caso, o valor de (x0 , y0 ) é k∇f (x0 , y0 )k.
∂u
∂f
Demonstração: Pelo Teorema 10 temos ∂u
(x0 , y0 ) = h∇f (x0 , y0 ), ui, e pela observação
anterior ao Teorema 11 temos

h∇f (x0 , y0 ), ui = k∇f (x0 , y0 )k.kuk. cos θ.

Como u é unitário, então temos


∂f
(x0 , y0) = k∇f (x0 , y0)k. cos θ.
∂u
Portanto o valor máximo é atingido quando θ = 0, ou seja, quando u é paralelo a ∇f (x0 , y0)
e é unitário. Nesse caso
∇f (x0 , y0 )
u=
k∇f (x0 , y0 )k
∂f
e daı́ (x0 , y0 ) = k∇f (x0 , y0 )k. cos 0 = k∇f (x0 , y0 )k. 
∂u

63
Aula 21: 14/05/2010
Observação: O Teorema 11 diz que, estando em (x0 , y0 ), a direção e sentido que se deve
tomar para que f cresça mais rapidamente é a do vetor ∇f (x0 , y0 ), ou seja, o vetor gradiente
aponta na direção de maior crescimento da função.

Exemplo: Seja f (x, y) = x2 y.


√ √
∂f 2 2
1. Calcule ∂v
(1, 1), onde v = ( 2
, 2
).
∂f
2. Determine u unitário para que ∂u
(1, 1) seja máximo.
∂f
3. Qual o valor máximo de ∂u
(1, 1) para u unitário?
4. Estando em (1, 1), que direção e sentido deve-se tomar para que f cresça mais rapida-
mente?
Solução: ∇f (x, y) = (2xy, x2) =⇒ ∇f (1, 1) = (2, 1).
√ √ √ √ √
∂f 2
1. ∂v
(1, 1) = h∇f (1, 1), ( 2
, 22 )i = h(2, 1), ( 2
2
, 22 )i = 3 2
2
.
∇f (1,1)
2. u = = √1 (2, 1)
= ( √25 , √15 ).
k∇f (1,1)k 5

3. O valor máximo é k∇f (1, 1)k = 5.
4. Deve-se tomar a direção e sentido de v = ( √25 , √15 ).
Exemplo: Admita que T (x, y) = x2 + 3y 2 represente a distribuição de temperatura no plano
xy, isto é, T (x, y) é a temperatura no ponto (x, y). Estando em (2, 21 ), qual é a direção e
sentido de maior crescimento da temperatura?

Solução: É a direção e sentido do vetor gradiente ∇T (2, 12 ). E como ∇T (x, y) = (2x, 6y),
então é a direção e sentido do vetor (4, 3).

6.7 Derivadas parciais de ordem superior


Seja z = f (x, y) uma função diferenciável de duas variáveis. Já vimos como construir as
∂f ∂f
funções e . Agora, se essas funções forem diferenciáveis, podemos deriva-las com
∂x ∂y
relação a x ou a y, obtendo
       
∂ ∂f ∂ ∂f ∂ ∂f ∂ ∂f
, , e ,
∂x ∂x ∂y ∂x ∂x ∂y ∂y ∂y
que serão denotadas respectivamente por
∂2f ∂2f ∂2f ∂2f
, , e .
∂x2 ∂y∂x ∂x∂y ∂y 2
Essas funções são chamadas derivadas parciais de segunda ordem. A partir dai, se também
forem diferenciáveis, podemos derivar essas 4 funções e obter as derivadas parciais de terceira
ordem, como por exemplo
∂ ∂2f ∂3f
 2 
∂3f
 
∂ ∂ f
= e = .
∂x ∂x2 ∂x3 ∂x ∂x∂y ∂x2 ∂y

64
Exemplo: Seja f (x, y) = 3x4 y 5 − 4x3 y + 4. Calcule todas as derivadas parciais de segunda
ordem.

Solução: Inicialmente calculamos as derivadas parciais de primeira ordem


∂f ∂f
(x, y) = 12x3 y 5 − 12x2 y e (x, y) = 15x4 y 4 − 4x3 .
∂x ∂y
Daı́ temos
∂2f
 
∂ ∂f ∂ 
12x3 y 5 − 12x2 y = 36x2 y 5 − 24xy,

2
(x, y) = (x, y) =
∂x ∂x ∂x ∂x

∂2f
 
∂ ∂f ∂ 
12x3 y 5 − 12x2 y = 60x3 y 4 − 12x2 ,

(x, y) = (x, y) =
∂y∂x ∂y ∂x ∂y

∂2f
 
∂ ∂f ∂  4 4 3
= 60x4 y 2,

(x, y) = (x, y) = 15x y − 4x
∂y 2 ∂y ∂y ∂y

∂2f
 
∂ ∂f ∂ 
15x4 y 4 − 4x3 = 60x3 y 4 − 12x2 .

(x, y) = (x, y) =
∂x∂y ∂x ∂y ∂x

∂2f ∂2f
Observe que (x, y) = (x, y).
∂x∂y ∂y∂x
Exemplo: Considere a função

xy 3
, se (x, y) 6= (0, 0),


x2 + y 2

f (x, y) =


0, se (x, y) = (0, 0).

∂2f ∂2f
Calcule (0, 0) e (0, 0).
∂x∂y ∂y∂x
∂f
Solução: Vamos calcular . Inicialmente para os pontos (x, y) 6= (0, 0).
∂y

∂f 3xy 2 (x2 + y 2) − xy 3 (2y) 3x3 y 2 + xy 4


(x, y) = = .
∂y (x2 + y 2 )2 (x2 + y 2)2

Agora para o ponto (0, 0)

∂f f (0, t) − f (0, 0)
(0, 0) = lim = 0.
∂y t→0 t
∂f
Portanto a função é dada por
∂y

3x3 y 2 + xy 4

, se (x, y) 6= (0, 0),


∂f 
(x2 + y 2)2
(x, y) =
∂y 

0, se (x, y) = (0, 0).

65
Agora podemos calcular a derivada de segunda ordem
∂f ∂f
(t, 0) − (0, 0)
 
∂ ∂f ∂y ∂y 0−0
(0, 0) = lim = lim = 0.
∂x ∂y t→0 t t→0 t

∂2f
Portanto (0, 0) = 0.
∂x∂y
∂f
Agora vamos calcular . Inicialmente para os pontos (x, y) 6= (0, 0).
∂x
∂f y 3(x2 + y 2 ) − xy 3 (2x) y 5 − x2 y 3
(x, y) = = .
∂x (x2 + y 2 )2 (x2 + y 2)2

Agora para o ponto (0, 0)

∂f f (t, 0) − f (0, 0)
(0, 0) = lim = 0.
∂x t→0 t
∂f
Portanto a função é dada por
∂x
 5
y − x2 y 3
, se (x, y) 6= (0, 0),


∂f 
(x2 + y 2)2
(x, y) =
∂x 

0, se (x, y) = (0, 0).

Agora podemos calcular a derivada de segunda ordem


∂f ∂f t5 −0
(0, t) − (0, 0) −0 t5
 
∂ ∂f ∂x ∂x t4
(0, 0) = lim = lim = lim = 1.
∂y ∂x t→0 t t→0 t t→0 t5

∂2f ∂2f ∂2f


Portanto (0, 0) = 1. Observe que (0, 0) 6= (0, 0).
∂y∂x ∂x∂y ∂y∂x

66
Aula 22: 19/05/2010
Na última aula vimos dois exemplos em que em um deles tivemos as derivadas parciais
de segunda ordem mistas iguais, e no outro diferentes. O próximo resultado fornece uma
condição suficiente para que as derivadas mistas sejam iguais.

Definição 29. Uma função f : A ⊂ R2 → R, com A aberto, é dita ser de classe C r em A se


f admitir todas as derivadas parciais de ordem r contı́nuas.

Teorema 12 (Teorema de Schwarz). Seja f : A ⊂ R2 → R uma função definida no aberto


A. Se f for de classe C 2 em A, então
∂2f ∂2f
(x, y) = (x, y) ∀(x, y) ∈ A.
∂x∂y ∂y∂x
Demonstração: Considere (x0 , y0) ∈ A. Como A é aberto existe uma bola B de centro
(x0 , y0 ) e raio δ contida em A. Considere (h, k) tal que (x0 + h, y0 + k) ∈ B ⊂ A. Defina
H(h, k) = f (x0 + h, y0 + k) − f (x0 , y0 + k) − f (x0 + h, y0) + f (x0 , y0 ).
Considere
ϕ(t) = f (t, y0 + k) − f (t, y0) e ρ(s) = f (x0 + h, s) − f (x0 , s).
Logo
H(h, k) = ϕ(x0 + h) − ϕ(x0 ) = ρ(y0 + k) − ρ(y0 ).
Pelo Teorema do Valor Médio, existe um t1 entre x0 + h e x0 tal que
 
0 ∂f ∂f
ϕ(x0 + h) − ϕ(x0 ) = ϕ (t1 ).h = (t1 , y0 + k) − (t1 , y0 ) h.
∂x ∂x
∂f
Pelo Teorema do Valor Médio aplicado à função g(t) = (t1 , t) temos que existe um s1 entre
∂x
y0 e y0 + k tal que
∂f ∂f 0 ∂2f
(t1 , y0 + k) − (t1 , y0 ) = g(y0 + k) − g(y0 ) = g (s1 )k = (t1 , s1 ).k.
∂x ∂x ∂y∂x
Portanto temos
∂2f
H(h, k) = ϕ(x0 + h) − ϕ(x0 ) = (t1 , s1 )hk.
∂y∂x
Analogamente prova-se que existem t2 entre x0 + h e x0 e s2 entre y0 + k e y0 tais que
∂2f
H(h, k) = ρ(y0 + k) − ρ(y0 ) = (t2 , s2 )hk.
∂x∂y
E portanto concluı́mos que
∂2f ∂2f
(t1 , s1 ) = (t2 , s2 ).
∂y∂x ∂x∂y
Fazendo-se h → 0 e k → 0 temos que t1 → x0 , t2 → x0 , s1 → y0 e s2 → y0 . E da continuidade
∂2f ∂2f
das funções ∂y∂x e ∂x∂y segue que
∂2f ∂2f
(x0 , y0 ) = (x0 , y0 ).
∂y∂x ∂x∂y


67
Aplicações da derivada de ordem superior
Sejam z = f (x, y), x = x(t) e y = y(t) diferenciáveis. Pela Regra da Cadeia sabemos que
dz ∂f dx ∂f dy
= (x, y) + (x, y) .
dt ∂x dt ∂y dt
∂f
Se a função também é diferenciável então
∂x
∂2f ∂2f
     
d ∂f ∂ ∂f dx ∂ ∂f dy dx dy
(x, y) = (x, y) + (x, y) = 2
(x, y) + (x, y) .
dt ∂x ∂x ∂x dt ∂y ∂x dt ∂x dt ∂y∂x dt

Exemplo: Seja f uma função de classe C 2 e seja ainda g(t) = f (3t, 2t + 1). Expresse g 00 (t)
em termos das derivadas parciais de f .
Solução: Chame g(t) = f (x, y) com x = 3t e y = 2t + 1. Daı́ temos
d ∂f dx ∂f dy ∂f ∂f
g 0(t) = [f (x, y)] = + =3 +2 .
dt ∂x dt ∂y dt ∂x ∂y
Logo    
00 d ∂f d ∂f
g (t) = 3 (x, y) + 2 (x, y) .
dt ∂x dt ∂y
Mas
∂2f ∂2f
     
d ∂f ∂ ∂f dx ∂ ∂f dy
(x, y) = (x, y) + (x, y) = 3 2 (x, y) + 2 (x, y)
dt ∂x ∂x ∂x dt ∂y ∂x dt ∂x ∂y∂x
e
∂2f ∂2f
     
d ∂f ∂ ∂f dx ∂ ∂f dy
(x, y) = (x, y) + (x, y) = 3 (x, y) + 2 2 (x, y)
dt ∂y ∂x ∂y dt ∂y ∂y dt ∂x∂y ∂y
Portanto
 2
∂2f
 2
∂2f
 
00 ∂ f ∂ f
g (t) = 3 3 2 (x, y) + 2 (x, y) + 2 3 (x, y) + 2 2 (x, y) ,
∂x ∂y∂x ∂x∂y ∂y
e usando o Teorema de Schwarz obtemos
∂2f ∂2f ∂2f
g 00(t) = 9 (x, y) + 12 (x, y) + 4 (x, y),
∂x2 ∂x∂y ∂y 2
onde x = 3t e y = 2t + 1.

Exemplo: Sejam f (x, y) = x5 y 4 , x = 3t e y = 2t + 1. Calcule g 00 (t) sendo g(t) = f (3t, 2t + 1).


Solução: Pelo exemplo anterior temos
∂2f ∂2f ∂2f
g 00(t) = 9 (x, y) + 12 (x, y) + 4 (x, y).
∂x2 ∂x∂y ∂y 2
Logo

g 00 (t) = 9(20x3 y 4)+12(20x4 y 3)+4(12x5 y 2 ) = 180(3t)3 (2t+1)4 +240(3t)4(2t+1)3 +48(3t)5 (2t+1)2 .

68
∂f
Exemplo: Seja f (x, y) de classe C 2 e seja g dada por g(t) = t2 (x, y), onde x = t2 e y = t3 .
∂x
Expresse g 0(t) em termos das parciais de f .
Solução:
 
d ∂f 2 d ∂f
[g(t)] = 2t (x, y) + t (x, y) =
dt ∂x dt ∂x
     
∂f 2 ∂ ∂f dx ∂ ∂f dy
= 2t (x, y) + t (x, y) + (x, y) =
∂x ∂x ∂x dt ∂y ∂x dt
 2
∂2f

∂f 2 ∂ f 2
= 2t (x, y) + t (x, y)2t + (x, y)3t
∂x ∂x2 ∂y∂x

Portanto
∂f ∂2f ∂2f
g 0 (t) = 2t (x, y) + 2t3 2 (x, y) + 3t4 (x, y),
∂x ∂x ∂y∂x
onde x = t2 e y = t3 .

69
Sexta Lista de Exercı́cios

1. Mostre que cada uma das equações abaixo define implicitamente pelo menos uma função
dy
diferenciável y = y(x). Expresse dx em termos de x e y.

(a) x2 y + seny = x.
(b) y 4 + x2 y 2 + x4 = 3.

2. Mostre que x3 + y 3 + z 3 = x + y + z define implicitamente pelo menos uma função


∂z ∂z
diferenciável z = z(x, y). Expresse ∂x e ∂x em termos de x, y e z.

3. A função diferenciável z = z(x, y) é dada implicitamente pela equação


 
x
f , z = 0,
y
∂f
onde f (u, v) é suposta diferenciável e ∂v
(u, v) 6= 0. Verifique que
∂z ∂z
x +y = 0.
∂x ∂y

4. A função diferenciável z = z(x, y) é dada implicitamente pela equação


 
x z
f , =0
y xλ
∂f
(λ 6= 0 um real fixo), onde f (u, v) é suposta diferenciável e ∂v
(u, v) 6= 0. Verifique que
∂z ∂z
x +y = λz.
∂x ∂y

5. É dada uma curva γ que passa pelo ponto γ(t0 ) = (1, 3) e cuja imagem está contida na
curva de nı́vel x2 + y 2 = 10. Suponha que γ 0 (t0 ) 6= (0, 0).

(a) Determine a equação da reta tangente a γ no ponto (1, 3).


(b) Determine uma curva γ(t) satisfazendo as condições acima.

6. Determine a equação da reta tangente à curva de nı́vel dada no ponto dado.


(a) x2 + xy + y 2 − 3y = 1 no ponto (1, 2).
(b) e2x−y + 2x + 2y = 4 no ponto ( 21 , 1).

7. Determine uma reta que seja tangente à elipse 2x2 + y 2 = 3 e paralela à reta 2x + y = 5.

8. Determine uma reta que seja tangente à curva x2 + xy + y 2 = 7 e paralela à reta


4x + 5y = 17.

9. Seja z = f (x, y) diferenciável em R2 e tal que ∇f (x, y) = g(x, y).(x, y), para todo (x, y)
em R2 , onde g(x, y) é uma função de R2 em R dada.

(a) Com argumentos geométricos, verifique que é razoável esperar que f seja constante
sobre cada circunferência de centro na origem.

70
(b) Prove que f é constante sobre cada circunferência de centro na origem.
Sugestão: g(t) = f (Rcost, Rsent) fornece os valores de f sobre a circunferência
x2 + y 2 = R2 .
∂f
10. Calcule (x0 , y0 ) sendo dados:
∂v
(a) f (x, y) = x2 − 3y 2, (x0 , y0 ) = (1, 2) e v o versor de (2, 1).
2 −y 2
(b) f (x, y) = ex , (x0 , y0) = (1, 1) e v = (3, 4).
 
x
(c) f (x, y) = arctg , (x0 , y0 ) = (3, 3) e v o versor de (1, 1).
y
 
x ∂f
11. Seja f (x, y) = x.arctg . Calcule (1, 1), onde u é unitário e aponta na direção e
y ∂u
sentido de maior crescimento de f no ponto (1, 1).
12. Uma função diferenciável f (x, y) tem, no ponto (1, 1), derivada direcional igual a 3 na
direção (3, 4) e igual a −1 na direção (4, −3). Calcule:
(a) ∇f (1, 1).
∂f
(b) (1, 1) onde v o versor de (1, 1).
∂v
13. Seja f (x, y) = xy. Determine a reta tangente ao gráfico de f no ponto (1, 2, f (1, 2)),
que forma com o plano xy ângulo máximo.
x3
14. Seja f (x, y) = se (x, y) 6= (0, 0) e f (0, 0) = 0. Mostre que
x2 + y 2
∂f
(0, 0) 6= ∇f (0, 0).u,
∂u
 
onde u = √1 , √1 . Explique.
2 2

∂2f ∂2f
15. Verifique que + = 0, onde f (x, y) = ln(x2 + y 2 ).
∂x2 ∂y 2
( 2 −y 2
xy xx2 +y 2 se (x, y) 6= (0, 0) ∂2f ∂2f
16. Seja f (x, y) = . Calcule (0, 0) e (0, 0).
0 se (x, y) = (0, 0) ∂x∂y ∂y∂x

17. Seja u = f (x − at) + g(x + at), onde f e g são duas funções quaisquer de uma variável
real e deriváveis até a segunda ordem. Verifique que
∂2u 2
2∂ u
= a .
∂t2 ∂x2
18. Expresse g 00 (t) em termos de derivadas parciais de f , sendo g(t) = f (5t, 4t).
∂f
19. Considere a função z = x (2x, x3 ). Verifique que
∂x
 2 2

dz ∂f 3 ∂ f 3 2∂ f 3
= (2x, x ) + x 2 (2x, x ) + 3x (2x, x ) .
dx ∂x ∂x∂y ∂y 2

71
Aula 23: 21/05/2010

6.8 Generalização do Teorema do Valor Médio


Antes de qualquer coisa, vamos introduzir os conceitos de segmento e poligonal.
Definição 30. Sejam P0 e P1 pontos de R2 . O conjunto

P0 P1 = {P ∈ R2 : P = P0 + λ(P1 − P0 ) com 0 ≤ λ ≤ 1}

chama-se segmento de extremidades P0 e P1 .


Exemplo: Represente o segmento de extremidades P0 = (1, 1) e P1 = (2, 3). De acordo com
a definição anterior temos

P0 P1 = {(x, y) ∈ R2 : (x, y) = (1, 1) + λ(1, 2) com 0 ≤ λ ≤ 1}.

1 2

Figura 31: Segmento.

Definição 31. Sejam P0 , P1 , . . . , Pn , n + 1 pontos de R2 . O conjunto

P0 P1 ∪ P1 P2 ∪ · · · ∪ Pn−1 Pn

chama-se poligonal de vértices P0 , P1 , . . . , Pn .

P0
P3

P1

P4
P2

Figura 32: Poligonal.

Recordação: (Teorema do Valor Médio) Seja g : [a, b] → R contı́nua em [a, b] e diferenciável


em (a, b). Então existe c ∈ (a, b) tal que

f (b) − f (a) = f 0 (c)(b − a).

72
Teorema 13 (Generalização do Teorema do Valor Médio). Sejam A um conjunto aberto do
R2 , P0 e P1 dois pontos de A tais que o segmento P0 P1 ⊂ A. Nessas condições, se f : A → R
for diferenciável em A, então existirá pelo menos um ponto P interno ao segmento P0 P1 (isto
é, pertence ao segmento P0 P1 mas não é extremidade), tal que

f (P1 ) − f (P0 ) = h∇f (P ), (P1 − P0 )i.

Demonstração: Considere g : [0, 1] → R dada por g(t) = f (P0 + t(P1 − P0 )). Como
f é diferenciável em A e P0 P1 ⊂ A, então g é contı́nua em [0, 1] e diferenciável em (0, 1).
Aplicando o Teorema do Valor Médio, existe t ∈ (0, 1) tal que

g(1) − g(0) = g 0(t)(1 − 0) = g 0(t).

Observe que g(1) = f (P1 ) e g(0) = f (P0 ). Daı́ concluı́mos que

f (P1 ) − f (P0 ) = g 0 (t).

Pela Regra da Cadeia temos g 0 (t) = h∇f (γ(t)), γ 0(t)i, onde γ(t) = P0 + t(P1 − P0 ). Logo
γ 0 (t) = (P1 − P0 ). Portanto

f (P1 ) − f (P0 ) = h∇f (P ), (P1 − P0 )i

onde P = P0 + t(P1 − P0 ) é um ponto interno ao segmento P0 P1 . 

Observação: Pode ocorrer de uma função ter gradiente nulo em todos os pontos de um
aberto sem que seja constante nesse aberto. Por exemplo, considere o aberto A = {(x, y) ∈
R2 : 0 < x < 2, 0 < y < 1 e x 6= 1}, e f : A → R definida por

2, se 0 < x < 1 e 0 < y < 1,
f (x, y) =
1, se 1 < x < 2 e 0 < y < 1.

Definição 32. Um conjunto A ⊂ R2 é conexo por poligonais se quaisquer que forem os


pontos P e Q de A, existir uma poligonal de extremidades P e Q, contida em A.

Figura 33: Conjunto conexo por poligonais.

Exemplos:

1. O conjunto A = R2 é conexo por poligonais.

73
2. O conjunto da figura 33 é conexo por poligonais.

3. O conjunto A = {(x, y) ∈ R2 : 0 < x < 2, 0 < y < 1 e x 6= 1} não é conexo por


poligonais, pois dado um ponto P = (x1 , y1 ) e Q = (x2 , y2) em A, com x1 < 1 e x2 > 1,
não podem ser conectados por uma poligonal contida em A.

Teorema 14. Seja f : A ⊂ R2 → R diferenciável, com A aberto e conexo por poligonais.


Nessas condições, se ∇f (x, y) = (0, 0) para todo (x, y) ∈ A, então f é constante em A.

Demonstração: Seja P0 = (x0 , y0 ) um ponto de A. Vamos mostrar que para qualquer outro
ponto P = (x, y) ∈ A temos f (x, y) = f (x0 , y0 ). Como A é conexo por poligonais existem
pontos P1 , P2 , . . . , Pn = P em A tais que P0 P1 ∪ · · · ∪ Pn−1 Pn ⊂ A. Daı́, pela Generalização
do Teorema do Valor Médio, vale que para todo i = 1, 2, . . . , n, existe Pi interno a Pi−1 Pi tal
que
f (Pi ) − f (Pi−1 ) = h∇f (Pi ), (Pi − Pi−1 )i = h0, (Pi − Pi−1 )i = 0.
Portanto f (Pi ) = f (Pi−1) para todo i, e daı́ f (P ) = f (Pn−1 ) = · · · = f (P0 ), ou seja, f (x, y) =
f (x0 , y0 ). 

74
Aula 24: 26/05/2010
Observações:

1. Multiplicando a expressão que aparece na Generalização do Teorema do Valor Médio


1
por obtemos
kP1 − P0 k

f (P1 ) − f (P0 ) P1 − P0
= h∇f (P ), i.
kP1 − P0 k kP1 − P0 k

P1 − P0 f (P1 ) − f (P0 ) ∂f
E se chamamos v = , temos = (P ).
kP1 − P0 k kP1 − P0 k ∂v
2. Se uma função diferenciável f (x, y) é constante em um aberto A ⊂ R2 , então ∇f (x, y) =
(0, 0) para todo (x, y) ∈ A.

Teorema 15. Sejam f, g : A ⊂ R2 → R diferenciáveis, A aberto e conexo por poligonais.


Nessas condições, se ∇f (x, y) = ∇g(x, y) para todo (x, y) em A, então existe uma constante
k tal que g(x, y) = f (x, y) + k.

Demonstração: Considere h : A → R dada por h(x, y) = g(x, y) − f (x, y). Nesse caso
temos que h está definida em um conjunto aberto conexo por poligonais e

∇h(x, y) = ∇g(x, y) − ∇f (x, y) = (0, 0).

Daı́, usando o Teorema 14, temos que h é constante. Seja k tal que h(x, y) = k para todo
(x, y) em A. Logo g(x, y) − f (x, y) = k, ou seja, g(x, y) = f (x, y) + k. 

Agora definiremos os campos de vetores.

Definição 33. Dadas duas funções Q, P : A ⊂ R2 → R, chamamos de campo de vetores


de A em R2 a função F : A → R2 dada por F (x, y) = (P (x, y), Q(x, y)).

Exemplo: F (x, y) = (xy, x2 − x3 y).

Definição 34. Um campo de vetores F : A → R2 dado por F (x, y) = (P (x, y), Q(x, y)) é
conservativo se existe uma função ϕ : A → R diferenciável tal que ∇ϕ(x, y) = F (x, y) para
todo (x, y) de A. Nesse caso, a função ϕ é chamada função potencial de F .

Exemplo: Dado F (x, y) = (5x4 y 4 , 4x5 y 3), temos que a função ϕ(x, y) = x5 y 4 é uma função
potencial para F .
Uma pergunta natural que se pode fazer é a seguinte. Todos os campos de vetores são
conservativos? A resposta é que em geral não. Veremos a seguir uma condição necessária
para ser conservativo.

Teorema 16. Para que um campo de vetores F : A ⊂ R2 → R2 de classe C 1 , dado por


F (x, y) = (P (x, y), Q(x, y)), seja conservativo é necessário que

∂P ∂Q
= .
∂y ∂x

75
Demonstração: Se F é conservativo, então existe uma função ϕ : A → R tal que
∂ϕ ∂ϕ
=P e = Q.
∂x ∂y

Observe que se P e Q são de classe C 1 , então ϕ é de classe C 2 . Daı́, aplicando o Teorema de


Schwarz, temos que as derivadas mistas de ϕ são iguais. Logo

∂Q ∂2ϕ ∂2ϕ ∂P
= = = .
∂x ∂x∂y ∂y∂x ∂y


6.9 Fórmula de Taylor com resto de Lagrange


Seja f : A ⊂ R2 → R uma função de classe C 2 definida no aberto A ⊂ R2 . Sejam ainda
(x0 , y0 ) ∈ A e (h, k) 6= (0, 0) tais que o segmento de extremidades (x0 , y0 ) e (x0 + h, y0 + k)
esteja contido em A. Considere g : [0, 1] → R dada por g(t) = f (x0 + th, y0 + tk).
Pela Fórmula de Taylor com resto de Lagrange do cálculo 1, temos

g 00 (t)
g(1) = g(0) + g 0 (0)(1 − 0) + (1 − 0)2 , (1)
2!
com t ∈ (0, 1). Agora vamos usar a Regra da Cadeia para calcular g 0 (t) e g 00 (t).

d ∂f ∂f
g 0 (t) =
[f (x0 + th, y0 + tk)] = (x0 + th, y0 + tk)h + (x0 + th, y0 + tk)k
dt ∂x ∂y
 
00 d ∂f ∂f
g (t) = (x0 + th, y0 + tk)h + (x0 + th, y0 + tk)k =
dt ∂x ∂y
   
d ∂f d ∂f
=h (x0 + th, y0 + tk) + k (x0 + th, y0 + tk) =
dt ∂x dt ∂y
     
∂ ∂f ∂ ∂f
=h (x0 + th, y0 + tk)h + (x0 + th, y0 + tk)k +
∂x ∂x ∂y ∂x
     
∂ ∂f ∂ ∂f
+k (x0 + th, y0 + tk)h + (x0 + th, y0 + tk)k =
∂x ∂y ∂y ∂y

∂2f 2 ∂2f ∂2f


= 2
(x0 + th, y 0 + tk)h + 2 (x0 + th, y 0 + tk)hk + 2
(x0 + th, y0 + tk)k 2
∂x ∂x∂y ∂y
Portanto temos


 g(1) = f (x0 + h, y0 + k),
g(0) = f (x0 , y0 ),






 0 ∂f ∂f
g (0) = (x0 , y0 )h + (x0 , y0)k,
∂x ∂y
 ∂2f 2 ∂2f ∂2f
(x, y)k 2 ,
 00
g (t) = (x, y)h + 2 (x, y)hk +




 ∂x 2 ∂x∂y ∂y 2

 onde x = x + th e y = y + tk.
0 0

76
Substituindo essas informações em (1) temos

∂f ∂f
f (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0) + (x0 , y0)h + (x0 , y0 )k+
∂x ∂y

1 ∂2f ∂2f ∂2f


 
2 2
+ (x, y)h + 2 (x, y)hk + 2 (x, y)k .
2! ∂x2 ∂x∂y ∂y

Agora chame x = x0 + h e y = y0 + k. Logo temos h = x − x0 e k = y − y0 . Portanto


ficamos com
f (x, y) = P1 (x, y) + E1 (x, y),
onde
∂f ∂f
P1 (x, y) = f (x0 , y0 ) + (x0 , y0 )(x − x0 ) + (x0 , y0 )(y − y0 )
∂x ∂y
é chamado polinômio de Taylor de ordem 1 de f em (x0 , y0 ). E o erro

1 ∂2f ∂2f ∂2f


 
2 2
E1 (x, y) = (x, y)(x − x0 ) + 2 (x, y)(x − x0 )(y − y0 ) + 2 (x, y)(y − y0 )
2! ∂x2 ∂x∂y ∂y

é chamado resto de Lagrange de ordem 1.

77
Aula 25: 28/05/2010
Exemplo: Calcule o polinômio de Taylor de ordem 1 da função f (x, y) = ex+5y no ponto
(x0 , y0 ) = (1, 0).
∂f ∂f
Solução: Inicialmente calculamos as derivadas parciais (x, y) = ex+5y e (x, y) = 5ex+5y .
∂x ∂y
Dai vem
P1 (x, y) = f (1, 0) + ∂f
∂x
(1, 0)(x − 1) + ∂f
∂y
(1, 0)(y − 0) =
= e + e(x − 1) + 5ey =
= ex + 5ey.
Nesse momento recordaremos o polinômio de Taylor de ordem r − 1 e o resto de Lagrange
para funções g : [a, a+h] → R de classe C r . O teorema principal afirma que, nessas condições,
existe t ∈ (a, a + h) tal que

g (r−1) (a) r−1 g (r) (t) r


g(a + h) = g(a) + g 0 (a)h + · · · + h + h.
(r − 1)! (r)!
(r−1)
A expressão g(a) + g 0(a)h + · · · + g (r−1)!(a) hr−1 é chamada o polinômio de Taylor de ordem r − 1
(r)
de g em a e a expressão g (r)!(t) hr é chamada de resto de Lagrange.
Na aula passada vimos que se f : A ⊂ R2 → R é de classe C 2 e o segmento [(x0 , y0 ), (x, y)] ⊂
A, então existe (x, y) interno ao segmento [(x0 , y0 ), (x, y)] tal que

f (x, y) = P1 (x, y) + E1 (x, y),

onde
∂f ∂f
P1 (x, y) = f (x0 , y0 ) + (x0 , y0 )(x − x0 ) + (x0 , y0 )(y − y0 )
∂x ∂y
e
1 ∂2f ∂2f ∂2f
 
2 2
E1 (x, y) = (x, y)(x − x0 ) + 2 (x, y)(x − x0 )(y − y0 ) + 2 (x, y)(y − y0 ) .
2! ∂x2 ∂x∂y ∂y

Para obtê-lo foi usada a função g(t) = f (x0 + th, y0 + tk). Nesse caso temos

∂f ∂f
g 0 (t) = h+ k,
∂x ∂y

∂2f 2 ∂2f ∂2f 2


g 00 (t) = h + 2 hk + k ,
∂x2 ∂x∂y ∂y 2

∂3f 3 ∂3f 2 ∂3f 2 ∂3f 3


g 000 (t) = h + 3 h k + 3 hk + k ,
∂x3 ∂x2 ∂y ∂x∂y 2 ∂y 3

onde as derivadas parciais são calculadas no ponto (x0 + th, y0 + tk).


Portanto o polinômio de Taylor de ordem 2 é dado por
∂f ∂f
P2 (x, y) = f (x0 , y0 ) + (x0 , y0)(x − x0 ) + (x0 , y0)(y − y0 )+
 2 ∂x ∂y
∂2f ∂2f

1 ∂ f 2 2
+ (x0 , y0 )(x − x0 ) + 2 (x0 , y0 )(x − x0 )(y − y0 ) + 2 (x0 , y0 )(y − y0 ) ,
2! ∂x2 ∂x∂y ∂y

78
e o resto de Lagrange é

1 ∂3f ∂3f

3
E2 (x, y) = (x, y)(x − x0 ) + 3 (x, y)(x − x0 )2 (y − y0 )+
3! ∂x3 ∂x2 ∂y

∂3f ∂3f

2 3
+3 (x, y)(x − x0 )(y − y0 ) + 3 (x, y)(y − y0 ) .
∂x∂y 2 ∂y
De maneira análoga podemos calcular o polinômio de Taylor de ordem r
r
" i   #
X 1 X i ∂if
Pr (x, y) = f (x0 , y0 ) + (x , y )(x − x0 )i−j (y − y0 )j
i! j ∂xi−j ∂y j 0 0
i=1 j=0

e o resto de Lagrange é dado por


" r+1  #
1 X r + 1  ∂ r+1 f
Er (x, y) = (x, y)(x − x0 )r+1−j (y − y0 )j ,
(r + 1)! j=0 j ∂xr+1−j ∂y j

onde  
i i!
= .
j j!(i − j)!
Exemplo: Calcule o polinômio de Taylor de ordem 3 da função f (x, y) = ex+5y no ponto
(x0 , y0 ) = (0, 0).
∂f
Solução: Inicialmente calculamos as derivadas parciais de ordem 1, 2 e 3. Temos (x, y) =
∂x
2 2 2
∂f ∂ f ∂ f ∂ f
ex+5y , (x, y) = 5ex+5y , 2
(x, y) = ex+5y , (x, y) = 5ex+5y , 2
(x, y) = 25ex+5y ,
∂y ∂x ∂x∂y ∂y
∂3f ∂ 3
f ∂ 3
f ∂ 3
f
(x, y) = ex+5y , (x, y) = 5ex+5y , (x, y) = 25ex+5y e (x, y) = 125ex+5y .
∂x3 ∂x2 ∂y ∂x∂y 2 ∂y 3
∂f ∂f ∂2f ∂2f ∂2f
Portanto temos (0, 0) = 1, (0, 0) = 5, 2 (0, 0) = 1, (0, 0) = 5, 2 (0, 0) = 25,
∂x ∂y ∂x ∂x∂y ∂y
∂3f ∂3f ∂3f ∂3f
(0, 0) = 1, (0, 0) = 5, (0, 0) = 25 e = 125.
∂x3 ∂x2 ∂y ∂x∂y 2 ∂y 3
Portanto o polinômio de Taylor é
1 1
P3 (x, y) = 1 + [1(x − 0) + 5(y − 0)] + [1(x − 0)2 + 2.5(x − 0)(y − 0) + 25(y − 0)2 ]
1! 2!
1
[1(x − 0) + 3.5(x − 0) (y − 0) + 3.25(x − 0)(y − 0)2 + 125(y − 0)3 ],
3 2
3!
e daı́
1 25 1 5 25 125 3
P3 (x, y) = 1 + x + 5y + x2 + 5xy + y 2 + x3 + x2 y + xy 2 + y .
2 2 6 2 2 6

6.10 Extremos Locais: Máximos e Mı́nimos


Definição 35. Seja f : A ⊂ R2 → R uma função de duas variáveis reais.
1. Um ponto (x0 , y0 ) ∈ A é chamado um ponto de máximo global de f se f (x, y) ≤
f (x0 , y0) para todo (x, y) ∈ A.

79
2. Um ponto (x0 , y0) ∈ A é chamado um ponto de mı́nimo global de f se f (x, y) ≥
f (x0 , y0) para todo (x, y) ∈ A.

3. No caso do ı́tem 1, f (x0 , y0 ) é chamado valor máximo de f .

4. No caso do ı́tem 2, f (x0 , y0 ) é chamado valor mı́nimo de f .

5. Um ponto (x0 , y0 ) ∈ A é chamado um ponto de máximo local de f se existir uma


bola aberta B, de centro (x0 , y0 ) tal que f (x, y) ≤ f (x0 , y0) para todo (x, y) ∈ B.

6. Um ponto (x0 , y0 ) ∈ A é chamado um ponto de mı́nimo local de f se existir uma


bola aberta B, de centro (x0 , y0 ) tal que f (x, y) ≥ f (x0 , y0) para todo (x, y) ∈ B.

80
Aula 26: 02/06/2010
Exemplo: Considere f (x, y) = x2 + y 2 . Temos que (0, 0) é uma ponto de mı́nimo global de
f e 0 é valor mı́nimo de f , pois 0 = f (0, 0) ≤ f (x, y) para todo (x, y) em R2 .

Exemplo: Seja f a função dada por f (x, y) = 2x − y e definida no conjunto A = {(x, y) ∈


R2 : x ≥ 0, y ≥ x e x + y ≤ 3}. Encontre os pontos de máximo e mı́nimo globais de f .
Solução: Observe inicialmente que o conjunto A é o triângulo de vértices (0, 0), (3/2, 3/2) e
(0, 3). Observe ainda que as curvas de nı́vel de f são dadas por 2x − y = k, ou seja, são retas
paralelas à reta y = 2x. Veja a figura 34. Percebe-se que a curva de nı́vel, com maior valor do
k = −3
k=0
k = 3/2

Figura 34: Curvas de nı́vel e domı́nio.

nı́vel, e que intercepta o triângulo é a curva de nı́vel k = 3/2 e a de menor nı́vel é em k = −3.
Portanto o ponto de máximo global é (3/2, 3/2) e o ponto de mı́nimo global é (0, 3).

Exemplo: Considere agora a função definida por


 2
x + y 2, se x2 + y 2 ≤ 4,
f (x, y) =
1 − (x − 3)2 − y 2 , se x2 + y 2 > 4.

O gráfico de f é dado na figura 35. Nesse caso, o ponto (0, 0) é um ponto de mı́nimo local,

Figura 35: Gráfico de f .

(3, 0) é um ponto de máximo local e todos os pontos (x, y) que satisfazem x2 + y 2 = 4 são
pontos de máximo globais.

81
Definição 36. Seja f : A ⊂ R2 → R diferenciável. Um ponto (x0 , y0 ) ∈ A é chamado um
∂f ∂f
ponto crı́tico de f , ou ponto singular de f , se (x0 , y0 ) = 0 e (x0 , y0) = 0, isto é, se
∂x ∂y
∇f (x0 , y0 ) = (0, 0).

Teorema 17. Sejam f : A ⊂ R2 → R uma função diferenciável no aberto A e (x0 , y0 ) um


ponto de máximo (ou de mı́nimo) local de f , então (x0 , y0 ) é um ponto singular de f .

Demonstração: Se (x0 , y0 ) é um ponto de máximo local, então existe uma bola aberta B
de centro (x0 , y0 ) e raio ε > 0, tal que f (x, y) ≤ f (x0 , y0 ) para todo (x, y) ∈ B. Considere
g, h : (−ε, ε) → R dadas por g(t) = f (x0 + t, y0 ) e h(t) = f (x0 , y0 + t). Temos que h(t) ≤ h(0)
e g(t) ≤ g(0) para todo t ∈ (−ε, ε), ou seja, 0 é ponto de máximo para g e para h. Dai, por
∂f
resultado do Cálculo I, segue que g 0 (0) = 0 e h0 (0) = 0. Mas temos que g 0(0) = (x0 , y0 ) e
∂x
∂f
h0 (0) = (x0 , y0 ). Portanto (x0 , y0) é ponto singular de f . 
∂y

Exemplo: A recı́proca do teorema anterior não é válida. Por exemplo, a função f (x, y) =
x2 −y 2 possui (0, 0) como ponto singular, mas (0, 0) não é nem ponto de máximo local e nem de
∂f ∂f
mı́nimo local. De fato, temos que (x, y) = 2x e (x, y) = −2y, ou seja, ∇f (0, 0) = (0, 0).
∂x ∂y
Porém f (0, 0) = 0 e existem pontos arbitrariamente próximos de (0, 0) nos quais f assume
valores positivos e pontos nos quais f assume valores negativos.

Teorema 18. Sejam f : A ⊂ R2 → R uma função de classe C 2 no aberto A e (x0 , y0) um


ponto de A, então
∂f ∂f
1. Se (x0 , y0 ) é um ponto de máximo local de f , então (x0 , y0 ) = 0, (x0 , y0) = 0,
∂x ∂y
∂2f ∂2f
(x ,
0 0y ) ≤ 0 e (x0 , y0) ≤ 0.
∂x2 ∂y 2
∂f ∂f
2. Se (x0 , y0) é um ponto de mı́nimo local de f , então (x0 , y0) = 0, (x0 , y0) = 0,
∂x ∂y
∂2f ∂2f
(x0 , y 0 ) ≥ 0 e (x0 , y0) ≥ 0.
∂x2 ∂y 2

Demonstração: A demonstração segue diretamente da demonstração do teorema anterior


∂2f ∂2f
simplesmente observando que g 00 (0) = (x ,
0 0y ) e h00
(0) = (x0 , y0). 
∂x2 ∂y 2

Observação: Pelo que vimos nos dois últimos teoremas, se um ponto (x0 , y0 ) está o interior
do domı́nio da função e é um extremo local (isto é, um ponto de máximo local ou um ponto
de mı́nimo local), então ele necessariamente é um ponto singular. Portanto, quando queremos
encontrar pontos de máximo ou de mı́nimo, devemos procurar primeiro os pontos singulares.

Exemplo: Determine os candidatos a extremos locais da função f (x, y) = x3 − y 2 + xy + 5.

82
Solução: Vejamos quem são os pontos singulares. Calculando as derivadas parciais e igualando
a zero temos o seguinte sistema de equações:
∂f


 (x, y) = 3x2 + y = 0
∂x
∂f

 (x, y) = −2y + x = 0
∂y
Pela segunda equação obtemos x = 2y e substituindo na primeira temos

3(2y)2 + y = 0,

ou seja, y = 0 ou y = −1/12. Portanto temos os seguintes pontos singulares


 
1 1
(0, 0) e − ,− .
6 12

∂2f ∂2f
Calculando agora as derivadas de segunda ordem temos (x, y) = 6x e (x, y) = −2.
∂x2 ∂y 2
Portanto temos
∂2f ∂2f
(0, 0) = 0 ≤ 0 e (0, 0) = −2 ≤ 0.
∂x2 ∂y 2
Então (0, 0) é candidato a ponto de máximo local.
Temos ainda
∂2f ∂2f
   
1 1 1 1
− ,− = −1 ≤ 0 e − ,− = −2 ≤ 0.
∂x2 6 12 ∂y 2 6 12
 
1 1
Então − , − também é candidato a ponto de máximo local.
6 12

83
Aula 27: 09/06/2010

Definição 37. Seja f : A ⊂ R2 → R uma função de classe C 2 definida no aberto A. A função


dada por  2
∂2f

∂ f
 ∂x2 (x, y) ∂x∂y (x, y) 
 
H(x, y) = det 
 2

2

 ∂ f ∂ f 
(x, y) (x, y)
∂x∂y ∂y 2
denomina-se hessiano de f .
O próximo resultado apresenta uma condição suficiente para um ponto singular ser extremo
local.
Teorema 19. Sejam f : A ⊂ R2 → R uma função de classe C 2 definida no aberto A e
(x0 , y0 ) ∈ A. Suponhamos que (x0 , y0 ) seja um ponto singular de f , então
∂2f
1. Se (x0 , y0) > 0 e H(x0 , y0 ) > 0, então (x0 , y0) é um ponto de mı́nimo local de f .
∂x2
∂2f
2. Se (x0 , y0) < 0 e H(x0 , y0 ) > 0, então (x0 , y0) é um ponto de máximo local de f .
∂x2
3. Se H(x0 , y0) < 0, então (x0 , y0) não é extremo local. Nesse caso, ele é chamado um
ponto de sela de f .

4. Se H(x0 , y0 ) = 0, então nada se pode concluir.

Demonstração: (do ı́tem 1.) Inicialmente sejam a 6= 0 e Q(h, k) = ah2 + 2bhk + ck 2 .


Observe que
a b
2
b c 2

b
Q(h, k) = a h + k + k .
a a

a b
Logo, se a > 0 e > 0 então Q(h, k) > 0.
b c
∂2f
Por hipótese temos que f é de classe C 2 , daı́ e a função hessiana H são contı́nuas.
∂x2
∂2f
Pela hipótese do ı́tem (1.) tem-se (x0 , y0 ) > 0 e H(x0 , y0 ) > 0. Da continuidade das
∂x2
funções segue que existe uma bola aberta B de centro (x0 , y0 ) tal que para todo (x, y) ∈ B
vale
∂2f
(x, y) > 0 e H(x, y) > 0.
∂x2
Pelo polinômio de Taylor de ordem 1 temos que se (x0 + h, y0 + k) ∈ B, então existe
(x, y) ∈ B tal que
∂f ∂f 1
f (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0 ) + (x0 , y0 )h + (x0 , y0 )k + Q(h, k),
∂x ∂y 2!

∂2f ∂2f ∂2f


onde a = (x, y) > 0, b = (x, y) e c = (x, y).
∂x2 ∂x∂y ∂y 2

84

∂f ∂f a b
Das hipóteses temos (x0 , y0 ) = (x0 , y0) = 0, a > 0 e > 0. Pelo que vimos
∂x ∂y b c
no inı́cio da demonstração também temos Q(h, k) ≥ 0. Logo
1
f (x0 + h, y0 + k) = f (x0 , y0) + Q(h, k) ≥ f (x0 , y0).
2!
Portanto f (x, y) ≥ f (x0 , y0) para todo (x, y) na bola B, e daı́ (x0 , y0 ) é ponto de mı́nimo local
de f . 

Exemplo: Seja f (x, y) = x3 + y 3 − 3x − 3y + 4. Achar os pontos de máximo e mı́nimo locais.


∂f
Solução: Inicialmente calculamos os pontos singulares de f . Temos ∂x
(x, y) = 3x2 − 3 e
∂f
∂y
(x, y) = 3y 2 − 3. Resolvendo as equações

3x2 − 3 = 0,

3y 2 − 3 = 0,

encontramos os pontos singulares

(1, 1), (1, −1), (−1, 1) e (−1, −1).

Calculando a função hessiana temos


2
∂f ∂2f
∂x2 ∂x∂y

6x 0

H(x, y) = = = 36xy.

∂2f ∂2f 0 6y
∂y 2
∂x∂y

2
Portanto H(1, 1) > 0, H(−1, −1) > 0, H(−1, 1) < 0 e H(1, −1) < 0, e também ∂∂xf2 (1, 1) =
2
6 > 0 e ∂∂xf2 (−1, −1) = −6 < 0. A conclusão é que (1, 1) é ponto de mı́nimo local, (−1, −1) é
ponto de máximo local e (−1, 1) e (1, −1) são pontos de sela.

Exemplo: Construir uma caixa sem tampa com a forma de um paralelepı́pedo retângulo
com 1m3 de volume conforme a figura 36. O material utilizado nas laterais custa o triplo
do material usado no fundo. Determine as dimensões da caixa que minimizam o custo do
material.

Figura 36: Caixa.

85
1
Solução: Sejam a, b e c as dimensões da caixa. Temos que abc = 1, logo c = ab . A área lateral
da caixa é 2ac + 2bc e a área do fundo da caixa é ab. Então a função que deve ser minimizada

f (a, b) = 3(2ac + 2bc) + ab,
1
onde c = ab
. Portanto temos
6 6
f (a, b) = + + ab.
b a
Calculando as derivadas parciais temos
 
∂f 1
=6 − 2 +b=0
∂a a
e  
∂f 1
=6 − 2 +a=0
∂b b

Portanto temos ba2 = ab2 = 6, ou seja, a = b. Daı́ a3 = 6 implica que a = b = 3 6. Vamos
verificar agora o sinal da função hessiana e da derivada de segunda ordem em relação a a.
Temos
∂2f 12 ∂2f ∂2f 12
2
= 3
, = 1 e 2
= 3,
∂a a ∂a∂b ∂b b
logo
√ √ 2 √ √

= 4 − 1 = 3 > 0 e ∂ f ( 3 6, 3 6) = 2 > 0
3 3
2 1
H( 6, 6) =
1 2 ∂a 2

3

3

3

3
Portanto
√ ( 6, 6) é um ponto de mı́nimo e as dimensões da caixa devem ser a = 6, b = 6
3
6
ec= .
6

86
Aula 28: 11/06/2010
A partir de agora, estudaremos problemas de máximos e mı́nimos em conjuntos compactos.
Vejamos algumas definições.
Definição 38.
1. Um conjunto A ⊂ R2 é limitado se existe uma bola aberta B de centro (0, 0) e raio k
tal que A ⊂ B, isto é, k(x, y)k < k para todo (x, y) em A.

2. Um conjunto A ⊂ R2 é fechado se seu complementar Ac é aberto.

3. Um conjunto A ⊂ R2 é compacto se é fechado e limitado.


Exemplos:
1. O conjunto A = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ 1} é compacto.

2. O conjunto A = {(x, y) ∈ R2 : y ≥ x2 } não é compacto, pois não é limitado.


Teorema 20 (Teorema de Weierstrass). Se f : A ⊂ R2 → R é contı́nua e A é compacto,
então existem (x1 , y1 ) e (x2 , y2 ) em A tais que

f (x1 , y1) ≤ f (x, y) ≤ f (x2 , y2 ) ∀(x, y) ∈ A,

em outras palavras, f possui ponto de máximo global e ponto de mı́nimo global.


Exemplo: Encontre os pontos de máximo e mı́nimo globais de f (x, y) = x2 + 3xy − 3x em
A = {(x, y) ∈ R2 : x ≥ 0, y ≥ 0 e x + y ≤ 1}.

Solução: Inicialmente procuramos pontos de máximo e mı́nimo no interior de A. Calculando


as derivadas parciais temos
∂f ∂f
= 2x + 3y − 3 = 0 e = 3x = 0.
∂x ∂y
Portanto o único ponto singular é (0, 1) que não pertence ao interior de A. Pois A é o triângulo
de vértices P = (0, 1), Q = (0, 0) e M = (1, 0).
Vejamos ao longo do segmento P Q. Temos que g(t) = f (0, t) = 0 para todo t entre 0 e 1,
ou seja, f é constante.
Agora vejamos ao longo do segmento P M. Uma parametrização para o segmento P M é
(t, 1 − t), com t variando de 0 a 1. Seja g(t) = f (t, 1 − t) = t2 + 3t(1 − t) − 3t = −2t2 . O
valor máximo de f em P M é 0 que ocorre em P e o valor mı́nimo é −2 que ocorre em M.
No segmento QM. Uma parametrização para QM é (t, 0) com t variando de 0 a 1. Seja
g(t) = f (t, 0) = t2 − 3t. Observe que g 0 (t) = 2t − 3 que é negativa para todo t entre 0 e
1. Logo g é decrescente e daı́ o valor máximo é 0 e ocorre em Q e o valor mı́nimo é −2 que
ocorre em M.
A conclusão do exercı́cio é que (1, 0) é ponto de mı́nimo global de f e todos os pontos da
forma (0, t) com t entre 0 e 1 são pontos de máximo globais de f .

Exemplo: Ache os pontos de máximo e mı́nimo globais de f (x, y) = xy em A = {(x, y) ∈


R2 : x2 + y 2 ≤ 1}.

87
Solução: Calculando as derivadas parciais de f e igualando a zero vemos que o único ponto
singular de f é (0, 0). O hessiano nesse ponto é H(0, 0) = −1 < 0 e daı́ (0, 0) é um ponto de
sela.
Para os pontos da fronteira de A, usamos a parametrização (cos t, sent), com t variando
de 0 a 2π. Logo analisamos os pontos de máximo e mı́nimo da função g(t) = f (cos t, sent) =
sen(2t)
cos tsent = , com 0 ≤ t ≤ 2π. Temos
2
 
0 π 3π 5π 7π
g (t) = cos(2t) = 0 ⇐⇒ t ∈ , , , .
4 4 4 4

Nesses pontos temos que


π       
00 00 3π 00 5π 00 7π
g = −2, g = 2, g = −2 e g = 2,
4 4 4 4
π 5π 3π 7π
portanto os pontos e são pontos de máximo de g e e são pontos de mı́nimo.
4 4 √ √4 ! 4 √ √ !
2 2 2 2
Portanto os pontos de máximo globais de f são , e − ,− e os pontos
2 2 2 2
√ √ ! √ √ !
2 2 2 2
de mı́nimo globais de f são − , e ,− .
2 2 2 2

88
Sétima Lista de Exercı́cios

1. Determine o polinômio de Taylor de ordem 1 da função dada, em torno do ponto (x0 , y0)
dado.

(a) f (x, y) = ex+5y e (x0 , y0) = (0, 0).


(b) f (x, y) = x3 + y 3 − x2 + 4y e (x0 , y0 ) = (1, 1).
(c) f (x, y) = sen(3x + 4y) e (x0 , y0 ) = (0, 0).

2. Determine o polinômio de Taylor de ordem 2 da função dada, em torno do ponto (x0 , y0)
dado.

(a) f (x, y) = xseny e (x0 , y0) = (0, 0).


(b) f (x, y) = x3 + 2x2 y + 3y 3 + x − y e (x0 , y0 ) = (1, 1).

3. Selecione os candidatos a extremantes locais, sendo f (x, y) =

(a) 2x2 + y 2 − 2xy + x − y.


(b) x3 − y 2 + xy + 5.
(c) x5 + y 5 − 5x − 5y.

4. Estude com relação a máximos e mı́nimos locais a função f (x, y) =

(a) x2 + 3xy + 4y 2 − 6x + 2y.


(b) x3 + 2xy + y 2 − 5x.
(c) x2 − 4xy + 4y 2 − x + 3y + 1.
(d) x4 + y 4 − 2x2 − 2y 2.
(e) x4 + xy + y 2 − 6x − 5y.

5. Determine o ponto do plano x + 2y − z = 4 que se encontra mais próximo da origem.

6. Considere as retas reversas r e s de equações (x, y, z) = (0, 0, 2) + λ(1, 2, 0), λ ∈ R, e


(x, y, z) = (0, 0, 4) + µ(1, 1, 1), µ ∈ R, respectivamente. Determine P e Q, com P ∈ r e
Q ∈ s, de modo que a distância de P a Q seja a menor possı́vel.

7. Determinada empresa produz dois produtos cujas quantidades são indicadas por x e
y. Tais produtos são oferecidos ao mercado consumidor a preços unitários p1 e p2 ,
respectivamente, que dependem de x e de y conforme equações: p1 = 120 − 2x e p2 =
200−y. O custo total da empresa para produzir e vender quantidades x e y dos produtos
é dado por C = x2 +2y 2 +2xy. Admitindo que toda produção da empresa seja absorvida
pelo mercado, determine a produção que maximiza o lucro.

8. Para produzir determinado produto cuja quantidade é representada por z, uma empresa
utiliza dois fatores de produção (insumos) cujas quantidades serão indicadas por x e y.
Os preços unitários dos fatores de produção são, respectivamente, 2 e 1. O produto será
oferecido ao mercado a um preço unitário 5. A função produção da empresa é dada por
z = 900 − x2 − y 2 + 32x + 41y. Determine a produção que maximiza o lucro.

89
9. Determine o ponto do plano 3x + 2y + z = 12 cuja soma dos quadrados das distâncias
a (0, 0, 0) e (1, 1, 1) seja mı́nima.

10. Seja f (x, y) = x2 (y 4 − x2 ) e considere, para cada vetor v = (h, k), a função gv (t) =
f (ht, kt). Verifique que t = 0 é ponto de máximo local de cada gv , mas que (0, 0) não é
ponto de máximo local de f .

11. Estude a função dada com relação a máximo e mı́nimo no conjunto dado.

(a) f (x, y) = x2 + 3xy − 3x em A = {(x, y) ∈ R2 : x ≥ 0, y ≥ 0, x + y ≤ 1}.


(b) f (x, y) = xy em A = {(x, y) ∈ R2 : x ≥ 0, y ≥ 0, 2x + y ≤ 5}.
(c) f (x, y) = y 2 − x2 em A = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ 4}.

12. Suponha que T (x, y) = 4−x2 −y 2 represente uma distribuição de temperatura no plano.
Seja A = {(x, y) ∈ R2 : x ≥ 0, y ≥ x, 2y + x ≤ 4}. Determine o ponto de A de menor
temperatura.

13. Estude com relação a máximos e mı́nimos a função dada com as restrições dadas.

(a) f (x, y) = x2 − 2xy + y 2 e x2 + y 2 = 1.


(b) f (x, y) = x2 − 2y 2 e x2 + y 2 − 2x = 0.

14. Determine o paralelepı́pedo-retângulo de volume máximo, com arestas paralelas aos


eixos, inscrito no elipsóide
x2 y 2 z 2
+ + = 1.
4 9 16

90
Aula 29: 16/06/2010

Aula de Dúvidas, Revisão e Exercı́cios.

91
Aula 30: 18/06/2010

Segunda Prova de Cálculo II

1. Seja f : R2 → R uma função de classe C 2 e defina g : R → R por


∂f 2
g(t) = t3 (3t , 2t).
∂x
Calcule g 0 (t) em termos das derivadas parciais de f .

2. Mostre que a equação x2 y + seny = x define implicitamente pelo menos uma função
dy
diferenciável y = y(x) e expresse em termos de x e y.
dx

3. Determine o polinômio de Taylor de ordem dois da função definida pela expressão


f (x, y) = x2 + xy + sen(3x + 4y) em torno do ponto (x0 , y0) = (0, 0).

3y 2
4. Determine o ponto, situado no primeiro quadrante, da elipse de equação 3x2 + = 18
2
no qual a reta tangente é paralela à reta x + y = 10.

5. Estude com relação a máximos e mı́nimos locais a função 2x2 − 4xy + 4y 2 − x + 3y + 1.

Boa Prova!

92
Resolução da Prova

1. Aplicando a Regra da Cadeia temos


∂2f 2 ∂2f
 
0 2 ∂f 2 3 2
g (t) = 3t (3t , 2t) + t (3t , 2t)6t + (3t , 2t)2 ,
∂x ∂x2 ∂x∂y
ou seja,
∂f 2 ∂2f ∂2f
g 0 (t) = 3t2 (3t , 2t) + 6t4 2 (3t2 , 2t) + 2t3 (3t2 , 2t).
∂x ∂x ∂x∂y
2. Considere a função F (x, y) = x2 y + seny − x. Observe que F é de classe C 1 e
∂F
(x, y) = x2 + cos y.
∂y
Tomando-se o ponto (x0 , y0 ) = (0, 0) tem-se
∂F
F (x0 , y0 ) = 0 e (x0 , y0 ) = 1 6= 0.
∂y
Portanto o Teorema da Função Implı́cita garante que a equação F (x, y) = 0 define
implicitamente pelo menos uma função diferenciável y = y(x). E o mesmo teorema
afirma que
∂F
dy (x, y) 2xy − 1
= − ∂x =− 2 .
dx ∂F x + cos y
(x, y)
∂y
3. O polinômio de Taylor de ordem 2 de f em torno do ponto (0, 0) é dada por
∂f ∂f
P2 (x, y) = f (0, 0) + (0, 0)x + (0, 0)y+
 2 ∂x  ∂y  2
∂2f

1 ∂ f 2 2 ∂ f 2
(0, 0)x + (0, 0)xy + 2 (0, 0)y .
2! ∂x2 0 ∂x∂y ∂y
As derivadas parciais de f são dadas por
∂f ∂f
(x, y) = 2x + y + 3 cos(3x + 4y) (0, 0) = 3
∂x ∂x
∂f ∂f
(x, y) = x + 4 cos(3x + 4y) (0, 0) = 4
∂y ∂y

∂2f ∂2f
(x, y) = 2 − 9sen(3x + 4y) (0, 0) = 2
∂x2 ∂x2

∂2f ∂2f
(x, y) = 1 − 12sen(3x + 4y) (0, 0) = 1
∂x∂y ∂x∂y

∂2f ∂2f
(x, y) = −16sen(3x + 4y) (0, 0) = 0
∂y 2 ∂y 2
Portanto
P2 (x, y) = 3x + 4y + x2 + xy.

93
4. Usando a propriedade que o vetor gradiente é perpendicular à curva de nı́vel, temos que
o vetor normal à reta tangente à elipse num ponto (a, b) é

∇f (a, b) = (6a, 3b).

Para que a reta tangente à elipse seja paralela à reta x+y = 10, devemos ter que (6a, 3b)
seja paralelo ao vetor (1, 1). Portanto concluı́mos que b = 2a. Por outro lado, o ponto
3y 2
(a, b) tem que satisfazer a equação da elipse 3x2 + = 18 e ainda tem que estar no
2
primeiro quadrante, ou seja, a > 0 e b > 0. Logo

3(2a)2
3a2 + = 18 ⇒ a2 = 2.
2
Finalmente temos que o ponto é
√ √
P = ( 2, 2 2).

5. Calculando as derivadas parciais de primeira ordem e igualando a zero temos



4x − 4y − 1 = 0
−4x + 8y + 3 = 0

Resolvendo o sistema acima temos um único ponto singular dado por


 
1 1
− ,− .
4 2

Além disso, calculando a segunda derivada parcial de f em relação a x e a função


hessiana temos
2
∂2f ∂ f (x, y) ∂ 2 f (x, y)
4 −4

2
(x, y) = 4 > 0 e H(x, y) = ∂∂x2 f ∂x∂y
= = 16 > 0.

2
∂x 2 ∂x∂y (x, y) ∂∂yf2 (x, y) −4 8

 
1 1
Portanto o ponto − , − é um ponto de mı́nimo local de f .
4 2

94
Aula 31: 23/06/2010

6.11 Multiplicadores de Lagrange


Para se resolver problemas do tipo: “Encontrar máximos e mı́nimos de uma função f : A ⊂
R2 → R sujeito a um vı́nculo g(x, y) = 0, onde g : A ⊂ R2 → R.” Usaremos o método dos
Multiplicadores de Lagrange.
Teorema 21 (Teorema de Lagrange). Sejam f, g : A ⊂ R2 → R de classe C 1 . Suponhamos
que ∇g(x, y) 6= (0, 0) para todo (x, y) em g −1 (0). Se (x0 , y0 ) ∈ A é um extremo (máximo ou
mı́nimo) de f , sujeito ao vı́nculo g(x, y) = 0, então existe λ ∈ R tal que
∇f (x0 , y0) = λ∇g(x0 , y0).

Demonstração: Seja α(t) = (α1 (t), α2 (t)) uma parametrização de g(x, y) = 0 e suponha-
mos que α(t0 ) = (x0 , y0). Defina uma função de uma variável t por F (t) = f (α(t)). Como
f (x0 , y0 ) é um extremo, então F 0 (t0 ) = 0. Mas
F 0 (t) = h∇f (α(t)), α0(t)i.
Daı́ 0 = F 0 (t0 ) = h∇f (α(t0 )), α0 (t0 )i = h∇f (x0 , y0), α0 (t0 )i. Então o vetor ∇f (x0 , y0) é
ortogonal a α0 (t0 ). Mas α0 (t0 ) é tangente a curva g(x, y) = 0 e ∇g(x0 , y0 ) é ortogonal a
curva g(x, y) = 0. Portanto ∇f (x0 , y0) é paralelo a ∇g(x0 , y0), ou seja, existe λ ∈ R tal que
∇f (x0 , y0 ) = λ∇g(x0 , y0 ). 

Observação: Para procurar pontos extremos de uma função f : A ⊂ R2 → R sujeito a um


vı́nculo g(x, y) = 0, onde g : A ⊂ R2 → R, devemos encontrar (x, y, λ) que satisfaz
∂f ∂g


 (x, y) = λ (x, y),



 ∂x ∂x


∂f ∂g
(x, y) = λ (x, y),



 ∂y ∂y



g(x, y) = 0.

Exemplo: Ache os extremos de f (x, y) = xy se (x, y) está restrito à elipse 4x2 + y 2 = 4.

Solução: O vı́nculo é dado por g(x, y) = 4x2 + y 2 − 4. Calculando as derivadas parciais da f


e da g e substituindo no sistema
∂f ∂g


 (x, y) = λ (x, y),



 ∂x ∂x


∂f ∂g
(x, y) = λ (x, y),



 ∂y ∂y



g(x, y) = 0,

temos 
 y = λ8x,
x = λ2y,
 2
4x + y 2 − 4 = 0.

95
Das duas primeiras equações temos y = 16λ2 y, ou seja, y = 0 ou λ = ± 14 . Claro que
se y = 0 então pela segunda equação temos x = 0 e a terceira equação não é satisfeita.
Para λ = 41 temos y = 2x e dai calculando
 √ √  a intersecçãoda reta y = 2x com a elipse
√ √
4x2 + y 2 = 4 encontramos os pontos 22 , 2 e − 22 , − 2 . Para λ = − 41 temos y = −2x
2 2
e dai calculando a√ intersecção
√ √   da reta y = −2x com a elipse 4x +y = 4 encontramos os pontos
2 2
√ √ √
2
− 2 , 2 e 2 , − 2 . Calculando os valores de f nesses pontos temos f ( 2 , 2) = 1,
√ √ √ √ √ √
f ( 22 , − 2) = −1, f (− 22 , 2) = −1 e f (− 22 , − 2) = 1. Logo os pontos de máximo são
√ ! √ !
2 √ 2 √
, 2 e − ,− 2 ,
2 2

e os pontos de mı́nimo são


√ ! √ !
2 √ 2 √
− , 2 e ,− 2 .
2 2

Teorema 22 (Extensão do Teorema de Lagrange). Sejam g, f : A ⊂ R3 → R de classe C 1 .


Suponhamos que ∇g(x, y, z) 6= (0, 0, 0) para todo (x, y, z) ∈ g −1(0). Se f tem um extremo em
(x0 , y0 , z0 ) sujeito ao vı́nculo g(x, y, z) = 0, então existe λ ∈ R tal que

∇f (x0 , y0 , z0 ) = λ∇g(x0 , y0, z0 ).

Exemplo: Ache o volume da maior caixa retangular de lados paralelos aos planos coordena-
dos, que possa ser inscrita no elipsóide 16x2 + 4y 2 + 9z 2 = 144.

Solução: A função que queremos maximizar é V (x, y, z) = (2x)(2y)(2z) = 8xyz e o vı́nculo é


g(x, y, z) = 16x2 + 4y 2 + 9z 2 − 144. Portanto temos o sistema de equações


 8yz = λ32x,
8xz = λ8y,


 8xy = λ18z,
16x2 + 4y 2 + 9z 2 − 144 = 0.

Multiplicando a primeira equação por x, a segunda por y, a terceira por z e somando obtemos
24xyz = 2λ(16x2 + 4y 2 + 9z 2 ) = 288λ. Portanto xyz = 12λ.
Multiplicando a√primeira equação por x e substituindo xyz = 12λ, chegamos à conclusão
que λ = 0 ou x = 3. A solução λ = 0 tem que ser desprezada, senão terı́amos volume zero.
Multiplicando a segunda
√ equação por y e substituindo xyz = 12λ, chegamos à conclusão
que λ = 0 ou y = 2 3. Finalmente multiplicando a√terceira equação por z e substituindo
xyz = 12λ, chegamos à conclusão que λ = 0 ou z = 4 3. Portanto, o maior volume da caixa
inscrita é √ √ √ √
V ( 3, 2 3, 4 3) = 192 3 ' 333.
Observação: Algumas aplicações podem envolver mais de um vı́nculo. Por exemplo achar
os extremos de f (x, y, z) sujeita a dois vı́nculos g(x, y, z) = 0 e h(x, y, z) = 0. Nesse caso a
condição que tem que ser satisfeita é

∇f (x, y, z) = λ∇g(x, y, z) + µ∇h(x, y, z).

96
Aula 32: 25/06/2010

Revisão de Integrais de funções de uma variável

Inicialmente apresentamos as primitivas de algumas funções elementares:


Z
ex dx = ex + k,
xn
Z
xn dx = + k(n 6= −1),
n+1
1
Z
dx = ln |x| + k,
Z x
cos xdx = senx + k,
Z
senxdx = − cos x + k,
1
Z
dx = arctan x + k,
Z 1 + x2
1
√ dx = arcsenx + k.
1 − x2
Agora vamos calcular alguns exemplos.

Exemplo: Calcule cos2 xdx.


R

Solução: Inicialmente observamos que

cos 2x = cos(x+x) = cos x cos x−senxsenx = cos2 x−sen2 x = cos2 x−(1−cos2 x) = 2 cos2 x−1.
cos 2x 1
Portanto temos cos2 x = + e daı́
2 2
Z  
cos 2x 1 sen2x 1
Z
2
cos xdx = + dx = + x + k.
2 2 4 2

Integração por Substituição


Z
Para calcular uma integral da forma f (g(x))g 0(x)dx, podemos fazer a substituição

u = g(x) ⇒ du = g 0 (x)dx.

Daı́ temos a seguinte expressão


Z Z
0
f (g(x))g (x)dx = f (u)du.

97
Exemplos:
Z √π
2
1. Calcule x cos x2 dx.
0
Solução: Fazendo a substituição u = x2 temos du = 2xdx. Logo xdx = 12 du. Portanto
temos
1 1 1
Z Z
2
x cos x dx = cos udu = senu + k = senx2 + k.
2 2 2
Daı́
Z √π  √ π2
2 1 1 1
x cos x2 dx = senx2 = −0= .
0 2 0 2 2
x
Z
2. Calcule dx.
1 + x2
Solução: Fazemos a substituição u = x2 + 1. Daı́ du = 2xdx e daı́ vem
x 11 1 1
Z Z
2
dx = du = ln u + k = ln(1 + x2 ) + k.
1+x 2u 2 2

x
Z
3. Calcule dx.
1 + x4
Solução: A substituição u = 1 + x4 não dá certo, mas a substituição u = x2 leva a
du = 2xdx e
x 1 1 1 1
Z Z
4
dx = 2
du = arctan u + k = arctan(x2 ) + k.
1+x 21+u 2 2
Z √
4. Calcule x3 1 + x2 dx.

Solução: Fazemos a substituição u = 1 + x2 , logo du = 2xdx. Daı́


Z
3
√ Z
1 2√
Z
1 √ 1  3
Z
1

x 1 + x dx =2 2
x 1 + x 2xdx = (u − 1) udu = u 2 − u 2 du =
2 2 2
" 5 3
# √ √ p p
1 u2 u2 u5 u3 (1 + x2 )5 (1 + x2 )3
− + k = − + k = − + k.
2 52 3
2
5 3 5 3

senx
Z
5. Calcule dx.
cos3 x
Solução: Fazemos a substituição u = cos x, logo du = −senxdx. Daı́
senx 1 1 1
Z Z
3
dx = − 3
du = 2 + k = + k.
cos x u 2u 2 cos2 x
Z
6. Calcule sen4 x cos3 xdx.

Solução: Observe que podemos escrever

sen4 x cos3 x = sen4 x cos2 x cos x = sen4 x(1 − sen2 x) cos x = (−sen6 x + sen4 x) cos x.

98
Então, fazendo a substituição u = senx temos
Z Z Z
sen x cos xdx = (−sen x + sen x) cos xdx = (−u6 + u4 )du =
4 3 6 4

u7 u5 sen7 x sen5 x
− + +k =− + + k.
7 5 7 5
2
Z
7. Calcule dx.
3 + 2x2
Solução: Observe que podemos escrever

2 2 1 2 1
2
= 2 2 = 2 .
3 + 2x 3 1 + 3x 3
q
2
1+ 3
x
r r
2 2
Fazendo a substituição x = u, temos du = dx e daı́
3 3
r Z √ r !
2 3 2 1 6 2
Z
2
dx = 2
du = arctan x + k.
3 + 2x 2 31+u 3 3

Integração por partes


Observando que [f (x).g(x)]0 = f 0 (x).g(x)+f (x).g 0 (x), segue que f 0 (x).g(x) = [f (x).g(x)]0 −
f (x).g 0 (x) e portanto temos
Z Z
f (x).g(x) = f (x).g(x) − f (x).g 0 (x).
0

Chamando u = f (x) e v = g(x) temos du = f 0 (x)dx e dv = g 0 (x)dx e podemos escrever a


expressão anterior como Z Z
udv = uv − vdu.
Exemplos:
Z
1. Calcule x cos xdx.
Solução: Fazendo u = x e dv = cos xdx temos que v = senx e du = dx logo
Z Z
x cos xdx = xsenx − senxdx = xsenx + cos x + k.
Z
2. Calcule arctan xdx.
1
Solução: Fazendo u = arctan x e dv = dx temos que v = x e du = dx logo
1 + x2
x
Z Z
arctan xdx = x arctan x − dx.
1 + x2
Fazendo uma integração por substituição na última integral temos
1
Z
arctan xdx = x arctan x − ln(1 + x2 ) + k.
2

99
Aula 33: 03/08/2010

7 Integral dupla
7.1 Definição
Inicialmente faremos a definição de somas de Riemann. Considere um retângulo R = {(x, y) ∈
R2 : a ≤ x ≤ b e c ≤ y ≤ d}. Sejam P1 = {a = x0 < x1 < x2 < · · · < xn = b} e
P2 = {c = y0 < y1 < y2 < · · · < ym = d}. O conjunto

P = {(xi , yj ) : i = 1, 2, . . . , n e j = 1, 2, . . . , m}

é chamado partição do retângulo R. Uma partição determina mn retângulos Rij =


{(x, y) ∈ R2 : xi−1 ≤ x ≤ xi e yi−1 ≤ y ≤ yi }. Veja a figura 37.
Rij
d

a b

Figura 37: Partição de um retângulo.

Seja B ⊂ R2 . Se B é limitado, então existe um retângulo R com B ⊂ R.

∆yj

∆xi Xij

Figura 38: Conjunto limitado em R2 .

Definição 39. Sejam B um conjunto limitado, f : B ⊂ R2 → R uma função, R um retângulo


com B ⊂ R e P = {(xi , yj ) : i = 1, 2, . . . , n e j = 1, 2, . . . , m} uma partição de R. Para cada
i = 1, . . . , n e j = 1, . . . , m seja Xij ∈ Rij um ponto escolhido arbitrariamente. O número
n X
X m
f (Xij )∆xi ∆yj ,
i=1 j=1

100
onde f (Xij ) = 0 se Xij 6∈ B, ∆xi = xi −xi−1 , ∆yj = yj −yj−1 , chama-se soma de Riemann
de f relacionada à partição P e aos Xij .
Observe que se f (Xij ) > 0, então f (Xij )∆xi ∆yj é o volume do paralelepı́pedo de altura
f (Xij ) e base Rij . Veja a figura 39.

Figura 39: Interpretação geométrica da Soma de Riemann.

Indicaremos por ∆ o maior dos ∆x1 , ∆x2 , . . . , ∆xn e ∆y1 , ∆y2 , . . . , ∆ym . Observe que se
∆ tende a zero, então todos os ∆xi e ∆yj tendem a zero.

n X
X m
Definição 40. Dizemos que o número f (Xij )∆xi ∆yj tende a L quando ∆ tende a
i=1 j=1
zero e escrevemos m
n X
X
lim f (Xij )∆xi ∆yj = L
∆→0
i=1 j=1

se ∀ε > 0 dado, ∃δ > 0, que depende apenas de ε, tal que



Xn Xm
f (Xij )∆xi ∆yj − L < ε



i=1 j=1

para toda partição


RR P com ∆ < δ. O número L chama-se integral dupla de f sobre B e
indica-se por B f (x, y)dxdy. Ou seja,
ZZ X m
n X
f (x, y)dxdy = lim f (Xij )∆xi ∆yj .
B ∆→0
i=1 j=1

Se o limite acima existe dizemos que f é integrável em B.

Observação 2.
RR
• A área de B é igual a B
dxdy.
• Se f : B ⊂ R2 → R é integrável em B com f (x, y) ≥ 0 para todo (x, y) ∈ B, então o
volume do conjunto A = {(x, y, z) ∈ R3 : (x, y) ∈ B e 0 ≤ z ≤ f (x, y)} é dado por
ZZ
Volume de A = f (x, y)dxdy.
B

101
Exemplo: Seja f (x, y) = kRRdefinida no retângulo R = {(x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b e c ≤ y ≤ d}.
Prove que f é integrável e R f (x, y)dxdy = k(b − a)(d − c).

Solução: Dado qualquer partição P = {(xi , yj ) ∈ R2P: i = 1, 2, . . . , n e j =P1, 2, . . . , m} temos


que f (Xij ) = k para qualquer Xij ∈ Rij e ainda i=1 ∆xi = b − a e m
n
j=1 ∆yj = d − c.
Portanto temos
n Xm n
! m !
X X X
lim f (Xij )∆xi ∆yj = lim k ∆xi ∆yj = k(b − a)(d − c).
∆→0 ∆→0
i=1 j=1 i=1 j=1

102
Aula 34: 05/08/2010

7.2 Propriedades da integral


Proposição 6. Se f, g : B ⊂ R2 → R são integráveis em B,RRe k é uma constante, então
as
RR funções f + g RRe kf são integráveis
RR em B. Além disso,
RR B
(f (x, y) + g(x, y))dxdy =
B
f (x, y)dxdy + B g(x, y)dxdy e B kf (x, y)dxdy = k B f (x, y)dxdy.

Demonstração: Como f é integrável, então o limite


n X
X m
lim f (Xij )∆xi ∆yj
∆→0
i=1 j=1

existe. Como g é integrável, então o limite


n X
X m
lim g(Xij )∆xi ∆yj
∆→0
i=1 j=1

existe. Sabemos que


n X
X m n X
X m n X
X m
(f (Xij ) + g(Xij ))∆xi ∆yj = f (Xij )∆xi ∆yj + g(Xij )∆xi ∆yj .
i=1 j=1 i=1 j=1 i=1 j=1

Passando ao limite temos


n X
X m n X
X m n X
X m
lim (f (Xij )+g(Xij ))∆xi ∆yj = lim f (Xij )∆xi ∆yj + lim g(Xij )∆xi ∆yj .
∆→0 ∆→0 ∆→0
i=1 j=1 i=1 j=1 i=1 j=1

Portanto f + g é integrável e
ZZ ZZ ZZ
(f (x, y) + g(x, y))dxdy = f (x, y)dxdy + g(x, y)dxdy.
B B B

Para a função kf , basta observar que


n X
X m n X
X m
kf (Xij )∆xi ∆yj = k f (Xij )∆xi ∆yj
i=1 j=1 i=1 j=1

e dai passando ao limite vem que kf é integrável e


ZZ ZZ
kf (x, y)dxdy = k f (x, y)dxdy.
B B

Proposição
RR 7. Se f : B ⊂ R2 → R é integrável em B e f (x, y) ≥ 0 para todo (x, y) ∈ B,
então B f (x, y)dxdy ≥ 0.

103
Demonstração: Como f (x, y) ≥ 0 para todo (x, y) ∈ B, então dado qualquer partição
P = {(xi , yj ) : i = 1, 2, . . . , n e j = 1, 2, . . . , m} temos que
n X
X m
f (Xij )∆xi ∆yj ≥ 0.
i=1 j=1

Portanto, passando ao limite temos


n X
X m
lim f (Xij )∆xi ∆yj ≥ 0.
∆→0
i=1 j=1

Portanto ZZ
f (x, y)dxdy ≥ 0.
B

2
Proposição 8. SeRR f, g : B ⊂ R →RR R são integráveis em B e f (x, y) ≤ g(x, y) para todo
(x, y) ∈ B, então B f (x, y)dxdy ≤ B g(x, y)dxdy.

Demonstração: Como f (x, y) ≤ g(x, y) para todo (x, y) ∈ B, então g(x, y) − f (x, y) ≥ 0
para todo (x, y) ∈ B. Daı́, pela Proposição 7 segue que
ZZ
(g(x, y) − f (x, y))dxdy ≥ 0.
B

Usando agora a Proposição 6 temos


ZZ ZZ ZZ ZZ
g(x, y)dxdy − f (x, y)dxdy ≥ 0, ou seja, f (x, y)dxdy ≤ g(x, y)dxdy.
B B B B

7.3 Teorema de Fubini


Nesta seção veremos um teorema que será muito útil para o cálculo de integrais duplas.
Transformaremos o problema de encontrar uma integral dupla por um problema de calcular
duas integrais (de uma variável) repetidas.

∆yj
Figura 40: Interpretação geométrica do Teorema de Fubini.

104
Seja R = {(x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b e c ≤ y ≤ d} um retângulo e f : R ⊂ R2 → R uma
função integrável em R. Para cada y fixo em [c, d] podemos considerar a função x 7→ f (x, y).
Chamemos de fy (x) = f (x, y). Se para cada y a função fy é integrável em [a, b], então
podemos considerar a função Z b
α(y) = f (x, y)dx.
a

Observe que se f (x, y) ≥ 0 para todo (x, y), então α(y) é a área da figura hachurada na figura
40.
Em breve vamos enunciar o Teorema de Fubini que afirma que
ZZ Z d Z b 
f (x, y)dxdy = f (x, y)dx dy.
R c a

Portanto teremos ZZ Z d
f (x, y)dxdy = α(y)dy.
R c

Observe que se tomamos uma partição P2 = {c = y0 < y1 < · · · < ym = d} de [c, d] então a
somas de Riemann da função α são da forma
m
X
α(ξj )∆yj .
j=1

E α(ξj )∆yj é o volume do sólido de base α(ξj ) (figura hachurada na figura 40) e altura ∆yj ,
ou seja, as somas de Riemann de α se aproximam das somas de Riemann de f .

105
Aula 35: 10/08/2010

Teorema 23 (Teorema de Fubini). Seja f : R ⊂ R2 → R uma função integrável no retângulo


Rb
R = {(x, y) ∈ R2 : a ≤ x ≤ b e c ≤ y ≤ d}. Suponhamos que a f (x, y)dx exista para todo
Rd
y ∈ [c, d] e que c f (x, y)dy exista para todo x ∈ [a, b]. Então
ZZ Z d Z b  Z b Z d 
f (x, y)dxdy = f (x, y)dx dy = f (x, y)dy dx.
R c a a c

Demonstração: Sejam P1 = {a = x0 < x1 < · · · < xn = b} partição de [a, b] e P2 = {c =


y0 < y1 < · · · < ym = d} partição de [c, d]. Vamos chamar de mij = min{f (x, y) : xi−1 ≤
x ≤ xi e yj−1 ≤ y ≤ yj } e de Mij = max{f (x, y) : xi−1 ≤ x ≤ xi e yj−1 ≤ y ≤ yj }. Portanto
temos
mij ≤ f (x, y) ≤ Mij ∀(x, y) ∈ Rij ,
logo Z xi
mij ∆xi ≤ f (x, y)dx ≤ Mij ∆xi .
xi−1

Daı́ segue
n
X Z b n
X
mij ∆xi ≤ f (x, y)dx ≤ Mij ∆xi ,
i=1 a i=1

ou seja,
n
X n
X
mij ∆xi ≤ α(y) ≤ Mij ∆xi .
i=1 i=1

Para qualquer ξj ∈ [yj−1, yj ] temos que vale


n
X n
X
mij ∆xi ∆yj ≤ α(ξj )∆yj ≤ Mij ∆xi ∆yj
i=1 i=1

e portanto calculando as somas de Riemann vem


m X
X n m
X m X
X n
mij ∆xi ∆yj ≤ α(ξj )∆yj ≤ Mij ∆xi ∆yj ,
j=1 i=1 j=1 j=1 i=1

e passando ao limite quando ∆ → 0, vem


ZZ Z d ZZ
f (x, y)dxdy ≤ α(y)dy ≤ f (x, y)dxdy.
R c R

Dessa forma provamos que


ZZ Z d Z d Z b 
f (x, y)dxdy = α(y)dy = f (x, y)dx dy.
R c c a

A outra igualdade do enunciado prova-se de maneira análoga. 

106
A partir de agora faremos diversas aplicações das propriedades das integrais duplas e do
Teorema de Fubini.

Exemplos:
RR
1. Calcule R
(x + y)dxdy, onde R = [0, 1] × [1, 2].
Solução: Usando o teorema de Fubini temos
Z 2 Z 1 " 1 #
2
x2
ZZ  Z
(x + y)dxdy = (x + y)dx dy = + xy dy =
R 1 0 1 2 0

2 2
y y2
  
1 1 1
Z
+ y dy = + = 1 + 2 − − = 2.
1 2 2 2 1 2 2
Observe que invertendo a ordem de integração, também podemos resolver da seguinte
forma
Z 1 Z 2 Z 1 " 2 #
y2
ZZ 
(x + y)dxdy = (x + y)dy dx = xy + dx =
R 0 1 0 2 1
Z 1   2 1
1 x 3x 1 3
2x + 2 − x − dy = + = + = 2.
0 2 2 2 0 2 2
R1 R2 R2R1
2. Calcule −1 0 xy 2 dxdy e 0 −1 xy 2 dydx.
Solução:
" 2 # 1
1 2 1 2 2 1
2y 3

xy 4
Z Z Z Z
2 2
xy dxdy = dy = 2y dy = = .
−1 0 −1 2 0 −1 3 −1 3
2Z 1 Z 2 "  #
3 1 2 2
x2

xy 2x 4
Z Z
xy 2 dydx = dy = dy = = .
0 −1 0 3 −1 0 3 3 0 3

3. Calcule o volume do conjunto A formado pelos pontos (x, y, z) tais que 0 ≤ x ≤ 1,


0 ≤ y ≤ 1 e 0 ≤ z ≤ x2 + y 2 . Veja figura 41.

Figura 41: Volume do conjunto A.

Solução: Pelo que vimos, se chamarmos R = {(x, y) : 0 ≤ x ≤ 1 e 0 ≤ y ≤ 1}, então o


volume de A é dado por
Z 1 Z 1  Z 1 " 3 1 #
x
ZZ
V ol A = (x2 + y 2)dxdy = (x2 + y 2)dx dy = + xy 2 dy =
R 0 0 0 3 0
Z 1 1
y y3
 
1 2 1 1 2
+ y dy = + = + = .
0 3 3 3 0 3 3 3

107
xydxdy, onde B = {(x, y) ∈ R2 : 0 ≤ x ≤ 1 e 0 ≤ y ≤ x2 }.
RR
4. Calcule B
Solução: A região B é mostrada na figura 42. Seja R = [0, 1] × [0, 1]. E defina uma

1
Figura 42: Região B.

função F : R ⊂ R2 → R por

xy se (x, y) ∈ B,
F (x, y) =
0 se (x, y) 6∈ B.

Portanto temos que


ZZ ZZ Z 1 Z 1 
xydxdy = F (x, y)dxdy = F (x, y)dy dx.
B R 0 0

Observe que para cada y fixado temos que


1 x2 1 x2 x2
xy 2 x5
Z Z Z Z 
F (x, y)dy = F (x, y)dy + F (x, y)dy = xydy + 0 = = .
0 0 x2 0 2 0 2

Portanto 1
1
x5 x6

1
ZZ Z
xydxdy = dx = = .
B 0 2 12 0 12

Corolário 3. Sejam c, d : [a, b] → R duas funções contı́nuas em [a, b] tais que para todo
x ∈ [a, b], c(x) ≤ d(x). Seja B o conjunto de todos os pontos (x, y) tais que a ≤ x ≤ b e
c(x) ≤ y ≤ d(x). Conforme na figura 43. Se f for contı́nua em B, então
ZZ Z "Z #
b d(x)
f (x, y)dxdy = f (x, y)dy dx.
B a c(x)

d(x)

c(x)

a b

Figura 43: Região B.

108
Aula 36: 12/08/2010
Corolário 4. Sejam a, b : [c, d] → R duas funções contı́nuas em [c, d] tais que para todo
y ∈ [c, d], a(y) ≤ b(y). Seja B o conjunto de todos os pontos (x, y) tais que c ≤ y ≤ d e
a(y) ≤ x ≤ b(y). Conforme na figura 44. Se f for contı́nua em B, então
ZZ Z "Z d
#
b(y)
f (x, y)dxdy = f (x, y)dx dy.
B c a(y)

B b(y)

c
a(y)

Figura 44: Região B.

Exemplos:

(x − y)dxdy, onde B é o semicı́rculo x2 + y 2 ≤ 1 e x ≥ 0. Veja figura 45.


RR
1. Calcule B

1 √
1 − x2


− 1 − x2
−1

Figura 45: Semicı́rculo x2 + y 2 ≤ 1 e x ≥ 0.

Solução: Observe que podemos aplicar√o Corolário 3 √ colocando a variação de x no


intervalo [0, 1] e a variação de y como − 1 − x2 ≤ y ≤ 1 − x2 . Daı́ temos
Z 1 "Z √1−x2 # Z 1 √1−x2
y2
ZZ
(x − y)dxdy = √
(x − y)dy dx = xy − dx =
B 0 − 1−x2 0 2 −√1−x2
1
1 √

2p 2
Z
= 2x 1 − x2 dx = − (1 − x2 )3 = .
0 3 0 3
Para encontrar uma primitiva dessa última integral usamos integração por substituição
fazendo u = 1 − x2 , logo du = −2xdx. Daı́
3
Z √ Z
√ u2 2p
2
2x 1 − x dx = − udu = − 3 = − (1 − x2 )3 .
2
3

109
Uma outra solução possı́vel é usando o Corolário 4.pPodemos colocar a variação de y
no intervalo [−1, 1] e a variação de x como 0 ≤ x ≤ 1 − y 2 . Daı́ temos
Z 1 "Z √1−y2 # Z 1 2 √1−y2
x
ZZ
(x − y)dxdy = (x − y)dx dy = − xy dy =
B −1 0 −1 2 0

1
1 y2
Z  p 
= − 2
− y 1 − y dy =
−1 2 2
1
y y3 2 p

1 1 1 1 2
= − + (1 − y 2)3 = − + − = .
2 6 6 −1 2 6 2 6 3

2. Calcule o volume do conjunto


V = {(x, y, z) ∈ R3 : x ≥ 0, y ≥ 0, x + y ≤ 1 e 0 ≤ z ≤ 1 − x2 }.
A figura 46-(a) mostra o gráfico da função f (x, y) = 1 − x2 , a figura 46-(b) mostra o
conjunto V e a figura 46-(c) mostra a região onde a integral deve ser calculada, isto é,
a região dos pontos (x, y) que satisfazem x ≥ 0, y ≥ 0, x + y ≤ 1.

1
y = 1−x

(a) (b) (c)

Figura 46: Figuras do exemplo 2.

Solução:
Z 1 Z 1−x Z 1 1−x
Z 1
2 2
V ol V = (1 − x )dydx = (1 − x )y 0
dx = (1 − x − x2 + x3 )dx =
0 0 0 0

1
x2 x3 x4

1 1 1 12 − 6 − 4 + 3 5
= x− − + =1− − + = = .
2 3 4 0 2 3 4 12 12
RR
3. Calcule B
xydxdy onde B é o triângulo de vértices (−1, 0), (0, 1) e (1, 0).
Solução: A reta que liga os pontos (−1, 0) e (0, 1) é y = x + 1 e a reta que liga os pontos
(0, 1) e (1, 0) é y = −x + 1. Portanto se usarmos o Corolário 4, colocamos y variando
no intervalo [0, 1] e x variando de y − 1 a −y + 1, portanto
Z 1 Z −y+1 Z 1  2 −y+1 Z 1
(1 − y)2y (1 − y)2 y

xy
xydxdy = dy = − dy = 0.
0 y−1 0 2 y−1 0 2 2

Se usarmos o Corolário 3, podemos separar a região de integração em duas partes


colocando na primeira parte o x variando no intervalo [−1, 0] e y variando entre 0 e

110
(0, 1)

y =x+1
y = −x + 1

(1, 0)
(−1, 0)

Figura 47: Figura do exemplo 3.

x + 1, e na segunda parte x variando no intervalo [0, 1] e y variando entre 0 e −x + 1.


Temos
Z 0 Z x+1 Z 1 Z −x+1 Z 0  2 x+1 Z 1  2 −x+1
xy xy
xydydx + xydydx = dx + dx =
Z−10 0 3  0 0Z 1  3  2 0
−1 0 2 0
x x x x
+ x2 + dx + − x2 + dx =
−1 2 2 0 2 2
 4 0 1
x3 x2
 4
x3 x2
   
x x 1 1 1 1 1 1
+ + + − + =− − + + − + = 0.
8 3 2 −1 8 3 2 0 8 3 4 8 3 4

4. Inverta a ordem de integração e calcule


Z 1Z 1

sen(x3 )dxdy.
0 y

Solução: Inicialmente, devemos fazer a figura com a região de integração. Temos que y
√ √
varia no intervalo [0, 1] e x varia entre y e 1. A curva x = y é a mesma que y = x2 .
Veja a figura 48. Então invertendo temos

0 1

Figura 48: Figura do exemplo 4.

Z 1 Z x2 R1 x2 R1
sen(x3 )dydx = 0
(ysen(x3 ))0 dx = 0
x2 sen(x3 )dx =
0 0

 1
1 1
= − cos(x3 ) = − (cos(1) − 1).
3 0 3

111
Oitava Lista de Exercı́cios
RR
1. Seja A o retângulo 1 ≤ x ≤ 2, 0 ≤ y ≤ 1. Calcule A
f (x, y)dxdy sendo f (x, y) igual a

(a) f (x, y) = ycosxy.


1
(b) f (x, y) = (x+y)2
.
(c) f (x, y) = yexy .
(d) f (x, y) = xy 2 .

2. Calcule

(a) A xlnydxdy, onde A é o retângulo 0 ≤ x ≤ 1, − π4 ≤ y ≤ π4 .


RR
2 2
(b) A xyex −y dxdy, onde A é o retângulo −1 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 3.
RR
RR sen2 x
(c) dxdy, onde A é o retângulo 0 ≤ x ≤ π , 0 ≤ y ≤ 1 .
A 1+4y 2 2 2

3. Calcule o volume do conjunto dado



(a) {(x, y, z) ∈ R3 : 0 ≤ x ≤ 2, 1 ≤ y ≤ 2, 0 ≤ z ≤ xy}.
(b) {(x, y, z) ∈ R3 : 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1, x2 + y 2 ≤ z ≤ 2}.
(c) {(x, y, z) ∈ R3 : 1 ≤ x ≤ 2, 0 ≤ y ≤ 1, x + y ≤ z ≤ x + y + 2}.
(d) {(x, y, z) ∈ R3 : 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1, 1 ≤ z ≤ ex+y }.
RR
4. Calcule Calcule B ydxdy, onde B é o conjunto dado

(a) B é o triângulo de vértices (0, 0), (1, 0) e (2, 1).


(b) B é a região compreendida entre os gráficos de y = x e y = x2 , com 0 ≤ x ≤ 2.
(c) B é o paralelogramo de vértices (−1, 0), (0, 0), (1, 1) e (0, 1).
(d) B é o semicı́rculo x2 + y 2 ≤ 4, y ≥ 0.
RR
5. Calcule B f (x, y)dxdy sendo dados
p
(a) f (x, y) = xy x2 + y 2 e B o retângulo 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1.
(b) f (x, y) = x + y e B o paralelogramo de vértices (0, 0), (1, 1), (3, 1) e (2, 0).
 
1 2 1
(c) f (x, y) = e B = (x, y) ∈ R : 2 ≤ y ≤ 3, 0 ≤ x ≤ .
ln y y
(d) f (x, y) = xycosx2 e B = {(x, y) ∈ R2 : 0 ≤ x ≤ 1, x2 ≤ y ≤ 1}.
(e) f (x, y) = x + y e B a região compreendida entre os gráficos das funções y = x e
y = ex , com 0 ≤ x ≤ 1.
2
(f) f (x, y) = y 3 exy e B o retângulo 0 ≤ x ≤ 1, 1 ≤ y ≤ 2.
(g) f (x, y) = x5 y 3 e B = {(x, y) ∈ R2 : y ≥ x2 , x2 + y 2 ≤ 2}.
(h) f (x, y) = x2 e B o conjunto de todos os (x, y) tais que x ≤ y ≤ −x2 + 2x + 2.
(i) f (x, y) = 1 e B o conjunto de todos os (x, y) tais que y ≥ x2 e x ≤ y ≤ x + 2.

112
6. Inverta a ordem de integração
Z 1 Z x 
(a) f (x, y)dy dx.
0 0
Z "Z √ 2
1 1−x
#
(b) √
f (x, y)dy dx.
−1 − 1−x2
Z 1 Z 1 
(c) f (x, y)dy dx.
0 x2
"Z √ #
Z 1 2x
(d) √
f (x, y)dy dx.
0 x−x2
Z π Z cosx 
4
(e) f (x, y)dy dx.
0 senx
"Z x+7
#
Z 2 3
(f) q f (x, y)dy dx.
7+5x2
−1 3
"Z √ #
Z 3 3x
(g) f (x, y)dy dx.
0 x2 −2x

7. Calcule o volume do conjunto dado

(a) {(x, y, z) ∈ R3 : x ≥ 0, y ≥ 0, x + y ≤ 1 e 0 ≤ z ≤ x2 + y 2}.


(b) {(x, y, z) ∈ R3 : 0 ≤ y ≤ 1 − x2 e 0 ≤ z ≤ 1 − x2 }.
(c) {(x, y, z) ∈ R3 : x2 + 4y 2 ≤ 4 e x + y ≤ z ≤ x + y + 1}.
2
(d) {(x, y, z) ∈ R3 : x ≥ 0, x ≤ y ≤ 1 e 0 ≤ z ≤ ey }.
(e) {(x, y, z) ∈ R3 : x2 + y 2 ≤ a2 e y 2 + z 2 ≤ a2 }, (a > 0).
(f) {(x, y, z) ∈ R3 : x ≤ z ≤ 1 − y 2 e x ≥ 0}.
(g) {(x, y, z) ∈ R3 : 4x + 2y ≤ z ≤ 3x + y + 1, x ≥ 0 e y ≥ 0}.

8. Utilizando integral dupla, calcule a área do conjunto B dado



(a) B = {(x, y) ∈ R2 : x3 ≤ y ≤ x}.
(b) B é determinado pelas desigualdades xy ≤ 2, x ≤ y ≤ x + 1 e x ≥ 0.
 
2 4 2
(c) B = (x, y) ∈ R : x > 0, ≤ 3y ≤ −3x + 7x .
x

113
Aula 37: 17/08/2010
Exemplos:

Z 1 Z 2−x2
1. Inverta a ordem de integração de f (x, y)dydx.
0 x
Solução: Da forma √como está definido, o x está variando no intervalo [0,
√1] e o y está
variando entre x e 2 − x2 . A curva y = x √ é uma reta e a curva y = 2 − x2 é um
arco de circunferência de centro (0, 0) e raio 2. Veja a figura 49. Como podemos ver


2

0 1

Figura 49: Figura do exemplo 1.



na figura 49, teremos o y variando no intervalo [0, 2] e a variação de x vai depender
se y < 1 ou se y√> 1: para y entre 0 e 1 teremos x variandop de 0 até a reta x = y, e
para y entre 1 e 2 teremos x variando de 0 até a curva x = 2 − y 2 . Portanto
Z Z √1 2−x2 Z Z 1 Z √ Z √ y 2 2−y 2
f (x, y)dydx = f (x, y)dxdy + f (x, y)dxdy.
0 x 0 0 1 0


2. Utilizando a integral dupla calcule a área de B, onde B = {(x, y) ∈ R2 : x3 ≤ y ≤ x.

Solução: As curvas y = x3 e y = x são dadas na figura 50.

y= x

1
y = x3

Figura 50: Figura do exemplo 2.



Logo, a variação de x é de 0 a 1 e a variação de y é de x3 a x. Temos então
Z 1 Z √x Z 1  √ 1
√ 3 2 3 x4 2 1 5
Área B = dydx = ( x − x )dx = x − = − = .
0 x3 0 3 4 0 3 4 12

114
7.4 Aplicações
Volume de um sólido de revolução
Vejamos um problema de calcular o volume de um sólido de revolução, obtido pela rotação
do gráfico de uma função f : [a, b] → R, com f (x) ≥ 0, em torno do eixo x. Veja a figura 51.

f (Mi )

f (mi )

∆xi

Figura 51: Sólido de Revolução.

Solução: Inicialmente tomamos uma partição P = {a = x0 < x1 < . . . xn = b}. Em cada


intervalo [xi−1 , xi ] sejam mi e Mi um ponto de mı́nimo e de máximo de f , respectivamente.
Observamos que π[f (mi )]2 ∆xi é o volume do cilindro de altura ∆xi e raio f (mi ), ou seja, é o
volume do cilindro menor. Analogamente π[f (Mi )]2 ∆xi é o volume do cilindro de altura ∆xi e
raio f (Mi ), ou seja, é o volume do cilindro maior. Portanto temos as seguintes desigualdades:
n
X n
X
2
π [f (mi )] ∆xi ≤ Volume B ≤ π [f (Mi )]2 ∆xi .
i=1 i=1

Passando as desigualdades ao limite quando o maior dos intervalos da partição ∆ tende a


zero obtemos Z b Z b
2
π [f (x)] dx ≤ Volume B ≤ π [f (x)]2 dx.
a a
Portanto Z b
Volume B = π [f (x)]2 dx.
a
Exemplo: Calcular o volume de uma esfera de raio r.
Solução: A esfera de raio r pode ser obtida como a revolução da circunferência de raio r
em torno de seu diâmetro. Considere então a função f : [−r, r] → R definida por f (x) =

r 2 − x2 . Aplicando a fórmula anterior temos
Z r Z r r
x3

2 2 2 2
Volume B = π [f (x)] dx = π [r − x ]dx = π r x − =
−r −r 3 −r

r3 r3 2r 3 4πr 3
    
3 3 3
=π r − − −r + = π 2r − = .
3 3 3 3

115
Área lateral de um sólido de revolução
Vejamos um problema de calcular a área lateral de um sólido de revolução, obtido pela
rotação do gráfico de uma função f : [a, b] → R, com f (x) ≥ 0, em torno do eixo x. Veja a
figura 51.
Solução: Inicialmente calculamos a área lateral de um cone de geratriz G e raio da base R.
Podemos “planificar” o cone conforme na figura 52.

R
2πR

Figura 52: Área lateral do cone.

A área total do cı́rculo πG2 está para o perı́metro 2πG assim como a área do cone está
para o arco 2πR. Portanto, resolvendo a regra de três temos que

Área cone = πRG.

Agora calcularemos a área lateral de um tronco de cone. Veja a figura 53.

x
r G

g
R

Figura 53: Área lateral do tronco de cone.

Vamos obter x e G em termos de r, R e g. Observe que G = x + g. Usando semelhança


de triângulos temos
x+g x rg
= ⇒ xR = xr + rg ⇒ x = ,
R r R−r
e
rg + g(R − r) Rg
G=x+g = = .
R−r R−r
Portanto a área do tronco, será a área do cone grande, menos a área do cone pequeno, logo
 2
R − r2
    
Rg rg R+r
Área Tronco = πR − πr = πg = 2πg .
R−g R−g R−g 2

Podemos dizer que a área do tronco de cone é 2πg vezes o ponto médio dos raios.

116
Aula 38: 19/08/2010
Voltamos agora ao problema de se calcular a área lateral de um sólido de revolução, obtido
pela rotação do gráfico de uma função positiva f : [a, b] → R em torno do eixo x. Tomamos
uma partição P = {a = x0 < x1 < · · · < xn = b} do intervalo [a, b]. Aproximamos a área
lateral do sólido de revolução pela soma das áreas laterais dos n troncos de cone Ti mostrados
na figura 54.

θi
∆xi

xi−1 ti xi

Figura 54: Área lateral do sólido de revolução.

Observe que se ti é o ponto médio do intervalo [xi−1 , xi ], então f (ti ) é o ponto médio dos
raios do tronco de cone Ti . Daı́, pelo que vimos acima, a área lateral do tronco de cone Ti é
2πgf (ti ). Ainda olhando para a figura 54 temos f 0 (ti ) = tan θi , logo
p p p 1 1 g
1 + (f 0 (ti ))2 = 1 + (tan θi )2 = sec2 θi = | sec θi | = = ∆xi = .
| cos θi | g
∆xi
p
Portanto g = 1 + (f 0 (ti ))2 ∆xi , ou seja,
p
Área lateral Ti = 2πf (ti ) 1 + (f 0(ti ))2 ∆xi .

Somando todas as áreas laterais do troncos de cone e passando ao limite quando a partição
tende a zero obtemos
n
X Z b
p p
Área lateral Sólido = lim 2πf (ti ) 1 + (f 0 (ti ))2 ∆xi = 2πf (x) 1 + (f 0 (x))2 dx.
∆→0 a
i=1

Exemplo: Calcule a área de uma esfera de raio r.


Solução: Da√mesma forma que calculamos o volume, usaremos a função f : [−r, r] → R dada
por f (x) = r 2 − x2 . Temos
s 2 r
x2

p −2x r
1 + (f 0 (x))2 = 1 + √ = 1+ 2 2
=√ .
2 r 2 − x2 r −x r 2 − x2
Portanto, aplicando a fórmula anterior, temos
Z r√ Z r
r
Área da Esfera = 2π 2
r −x √2 dx = 2πr dx = 2πr(2r) = 4πr 2 .
r 2 − x2
−r −r

117
Coordenadas Polares

Fixado um semi-eixo Ox no plano, cada ponto P fica determinado por suas coordenadas
polares (θ, ρ), onde θ é o ângulo entre OP e Ox e ρ é a medida de OP . Veja a figura 55.

y P
ρ

θ
O x X

Figura 55: Coordenadas polares.

A relação entre coordenadas polares e coordenadas cartesianas é dada por


( p
cos θ = xρ ρ = x2 +y 2
 
x = ρ cos θ
⇒ ⇒
senθ = yρ y = ρsenθ θ = arctan xy

Quando ρ < 0 interpretamos o ponto (θ, ρ) como o ponto simétrico, em relação à origem, do
ponto (θ, −ρ).
π 
Exemplo: Marque o ponto , −2 em coordenadas polares.
4
Solução: Veja a figura 56.

(π/4, 2)
2
π/4
2

(π/4, −2)
π 
Figura 56: Ponto , −2 em coordenadas polares.
4

Exemplo: Um ponto P desloca-se no plano de modo que a relação entre suas coordenadas
polares é ρ = θ, com 0 ≤ θ ≤ 2π. Desenhe o lugar geométrico descrito por P .
Solução: Um método prático para fazer um esboço da curva, consiste em montar uma tabela
colocando os valores conforme abaixo
θ 0 π/4 π/2 3π/4 π 5π/4 3π/2 7π/4 2π
ρ 0 π/4 π/2 3π/4 π 5π/4 3π/2 7π/4 2π

depois marcamos os pontos no plano em coordenadas polares e unimos formando a curva.


Veja a figura 57.

118
Figura 57: Curva ρ = θ em coordenadas polares.

Exemplo: Qual é a curva ρ = senθ em coordenadas polares?


Solução: Como ρ = senθ, então ρ2 = ρsenθ. Recordando as relações entre coordenadas
polares e coordenadas cartesianas temos que x2 + y 2 = y, ou seja, x2 + (y − 1/2)2 = 1/4.
Portanto a curva nada mais é do que a circunferência de centro (0, 1/2) e raio 1/2.
Exemplo: Desenhe o lugar geométrico de equação em coordenadas polares ρ = 1 − cos θ.
Esta curva é chamada Cardióide.
Solução: Os seguintes pontos satisfazem a equação

θ 0 π/3 π/2 2π/3 π 4π/3 3π/2 5π/3 2π


ρ 0 1/2 1 3/2 2 3/2 1 1/2 0

Figura 58: Cardióide.

119
Aula 39: 24/08/2010
Exemplo: Desenhe o lugar geométrico de equação em coordenadas polares ρ = cos(2θ). Esta
curva é chamada Rosácea.
Solução: Os seguintes pontos satisfazem a equação
θ 0 √π/8 π/4 3π/8
√ π/2 5π/8
√ 3π/4 √
7π/8 π . . .
ρ 1 2/2 0 − 2/2 −1 − 2/2 0 2/2 1 . . .

Figura 59: Rosácea.

Áreas em coordenadas polares


O objetivo agora é determinar áreas de regiões delimitadas por curvas dadas em coorde-
nadas polares. Primeiramente recordemos que a área de um setor circular de raio R e ângulo
∆θ pode ser calculada através de uma regra de três. A área total do cı́rculo πR2 está para
2π assim como a área do setor circular está para o ângulo ∆θ. Assim obtemos que
R2 ∆θ
Área Setor = .
2
Consideremos agora a função ρ = ρ(θ) com ρ(θ) ≥ 0 para todo θ ∈ [α, β]. Queremos
determinar a área da região
A = {(θ, ρ) : α ≤ θ ≤ β e 0 ≤ ρ ≤ ρ(θ)}.

θ
θi−1

α
β

Figura 60: Área em coordenadas polares.

Seja P = {α = θ0 < θ1 < · · · < θn = β} uma partição do intervalo [α, β]. Veja a figura 60.
Sejam θi0 o ponto de mı́nimo de ρ = ρ(θ) em [θi−1 , θi ], e θi00 o ponto de máximo de ρ = ρ(θ)
em [θi−1 , θi ]. Vamos denotar por
Ai = {(θ, ρ) : θi−1 ≤ θ ≤ θi e 0 ≤ ρ ≤ ρ(θ)}.

120
Usando a fórmula de área de setor circular que vimos antes e a propriedade que θi0 e θi00 são
pontos de mı́nimo e de máximo de ρ = ρ(θ) temos

ρ(θi0 )2 ∆θi ρ(θi00 )2 ∆θi


≤ Área Ai ≤ .
2 2
Fazendo-se a soma vem
n n
X ρ(θ0 )2 ∆θi
i
X ρ(θ00 )2 ∆θi
i
≤ Área A ≤ .
i=1
2 i=1
2

Passando ao limite quando o maior dos intervalos da partição tende a zero vem
n n
X ρ(θ0 )2 ∆θi
i
X ρ(θ00 )2 ∆θi
i
lim ≤ Área A ≤ lim .
∆→0
i=1
2 ∆→0
i=1
2

E portanto
β β
ρ(θ)2 ρ(θ)2
Z Z
dθ ≤ Área A ≤ dθ,
α 2 α 2
ou seja,
β
1
Z
Área A = ρ(θ)2 dθ.
2 α

Exemplo: Calcule a área da região delimitada pela cardióide ρ = 1 − cos θ.


Solução: Para cobrir toda a região da cardióide temos que ter o θ variando de 0 a 2π. Temos

1 2π 1 2π
Z Z
2
Área da Cardióide = (1 − cos θ) dθ = (1 − 2 cos θ + cos2 θ)dθ.
2 0 2 0
1 cos 2θ 1 sen2θ
Recorde que cos2 θ = + . Então uma primitiva de cos2 θ é θ + . Daı́
2 2 2 4
 2π
1 1 sen2θ 3π
Área da Cardióide = θ − 2senθ + θ + = .
2 2 4 0 2

Exemplo: Calcule a área da região delimitada pela circunferência ρ = cos θ, com 0 ≤ θ ≤ π,


em coordenadas polares.
Solução:

1 π

1 1 sen2θ π
Z
2
Área da Circunferência = (cos θ) dθ = θ+ = .
2 0 2 2 4 0 4

7.5 Mudança de Variáveis

Antes de vermos como efetuarmos mudanças de variáveis na integração dupla, veremos


uma outra aplicação de integral que é o cálculo do comprimento de curvas. Sabemos que uma
curva de classe C 1 em R2 é uma aplicação γ : [a, b] → R2 dada por γ(s) = (γ1 (s), γ2 (s)) tal
que γ 0 (s) = (γ10 (s), γ20(s)) é contı́nua em [a, b]. Veremos agora como calcular o comprimento

121
da curva. Seja P = {a = s0 < s1 < · · · < sn = b} uma partição do intervalo [a, b]. Chame de
L(γ, P ) o comprimento da poligonal que passa pelos pontos γ(s0 ), γ(s1 ), . . . , γ(sn ). Temos

L(γ, P ) = ||γ(s1 ) − γ(s0 )|| + · · · + ||γ(sn ) − γ(sn−1 )||.

Para cada i = 1, . . . , n, podemos usar o Teorema do Valor Médio para dizer que existe um ξi
entre si−1 e si tal que
||γ(si ) − γ(si−1 )|| = ||γ 0 (ξi )||∆si .
E portanto temos
n
X
L(γ, P ) = ||γ 0 (ξi )||∆si ,
i=0

e passando ao limite quando o maior dos intervalos da partição ∆ tende a zero temos por um
lado que L(γ, P ) tende ao comprimento de γ e por outro lado as somas de Riemann convergem
para a integral, então temos que
Z b
Comprimento de γ = ||γ 0(s)||ds.
a

Podemos definir a função s(t), que é o comprimento da curva γ de γ(a) até γ(t), por
Z t
s(t) = ||γ 0(s)||ds
a

e aplicando o Teorema Fundamental do Cálculo na expressão anterior temos


ds
= ||γ 0 (t)|| ⇒ ∆s ∼
= ||γ 0 (t)||∆t.
dt
Pela expressão acima pode-se perceber que a variação do comprimento da curva ∆s é aprox-
imadamente a variação de t, dado por ∆t, vezes o comprimento do vetor tangente ||γ 0 (t)||.
Nesse caso, ||γ 0 (t)|| funciona como um fator de ampliação ou contração do comprimento da
curva γ.

122
Aula 40: 26/08/2010
Considere agora um retângulo R = [u0 , u0 + ∆u] × [v0 , v0 + ∆v] e ϕ : Ω ⊂ R2 → R2 uma
aplicação de classe C 1 no aberto Ω tal que R ⊂ Ω. Veja a figura 61.

v y
Q
∂ϕ
v0 + ∆v ∂v P
ϕ
R ∂ϕ
∂u
v0
y0 M N
u
u0 u0 + ∆u x0 x

Figura 61: Mudança de Variáveis.

Sejam (x0 , y0) = ϕ(u0 , v0 ) e B = ϕ(R) = {ϕ(u, v) : (u, v) ∈ R}. A curva v 7→ ϕ(u0 , v)
desempenha o mesmo papel da curva γ(s) da aula passada, e o vetor ∂ϕ ∂v
(u0, v) desempenha o
0
mesmo papel de γ (s). Então

∂ϕ
o comprimento de MQ é aproximadamente (u0 , v0 )

∆v
∂v

e, analogamente

∂ϕ
∂u (u0 , v0 ) ∆u.
o comprimento de MN é aproximadamente

A área de B = ϕ(R) é aproximadamente a área do paralelogramo gerado pelos vetores


∂ϕ
∂v
(u0 , v0 )∆ve ∂ϕ
∂u
(u0 , v0 )∆u. Recordando que a área de um paralelogramo gerado por dois
vetores é a norma do produto vetorial destes dois vetores, então temos

∂ϕ ∂ϕ
a área de B é aproximadamente (u0 , v0 ) ∧
(u0 , v0 )
∆u∆v.
∂u ∂v

∂ϕ ∂ϕ
Observe que ∆u∆v é a área de R e ∂u (u0 , v0 ) ∧ ∂v (u0, v0 ) é um fator de contração ou

ampliação da área.
Agora veremos uma notação mais simples para esse fator de contração ou ampliação. Se
temos (x, y) = ϕ(u, v), então x = x(u, v) e y = y(u, v). Portanto temos
   
∂ϕ ∂ϕ1 ∂ϕ2 ∂x ∂y
(u, v) = (u, v), (u, v) = ,
∂u ∂u ∂u ∂u ∂u
   
∂ϕ ∂ϕ1 ∂ϕ2 ∂x ∂y
(u, v) = (u, v), (u, v) = ,
∂v ∂v ∂v ∂v ∂v

123
Portanto, calculando o produto vetorial temos


i j k



∂x ∂x

∂ϕ ∂ϕ ∂x ∂y ∂u ∂v
(u, v) ∧ (u, v) =
0 = k.

∂u ∂v ∂u ∂u



∂y ∂y
∂x ∂y
∂u ∂v

0
∂v ∂v

O último determinante é chamado determinante jacobiano da transformação (x, y) =


ϕ(u, v), e é denotado por
∂x ∂x

∂(x, y) ∂u ∂v
= .

∂(u, v) ∂y ∂y

∂u ∂v


∂ϕ ∂ϕ ∂(x, y)
Chegamos à conclusão que ∂u (u0 , v0 ) ∧ ∂v (u0 , v0 ) = ∂(u, v) , e portanto


∂(x, y)
a área de B é aproximadamente ∆u∆v.
∂(u, v)

Rij Bij

Figura 62: Mudança de Variáveis.

Tomando-se partições como demonstrado na figura 62, temos


n X m n X m
X X ∂(x, y)
f (x̄i , y¯j )ÁreaBij = f (ϕ(ūi , v¯j )) ∆ui ∆vj
i=1 j=1 i=1 j=1
∂(u, v)

e passando ao limite vem



∂(x, y)
ZZ ZZ
f (x, y)dxdy = f (ϕ(u, v)) dudv.
B Buv ∂(u, v)
Toda essa discussão pode ser resumida com o próximo teorema.
Teorema 24 (Mudança de Variáveis na Integral Dupla). Seja ϕ : Ω ⊂ R2 → R2 , Ω aberto,
de classe C 1 , sendo ϕ dada por (x, y) = ϕ(u, v), com x = x(u, v), y = y(u, v). Seja Buv ⊂ Ω.
Seja B a imagem de Buv , isto é, B = ϕ(Buv ), então

∂(x, y)
ZZ ZZ
f (x, y)dxdy = f (ϕ(u, v)) dudv.
B Buv ∂(u, v)

124
Exemplos:
sen(x2 + y 2)dxdy, onde B = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ 1, y ≥ 0}.
RR
1. Calcule B
Solução: A idéia é usar as coordenadas polares

x = ρ cos θ,
y = ρsenθ.

Observe que quando ρ varia de 0 a 1 e θ varia de 0 a π temos a região B. Observe ainda


que ao calcular o determinante jacobiano temos
∂x ∂x


∂(x, y) ∂ρ ∂θ
cos θ −ρsenθ

= = = ρ(cos2 θ + sen2 θ) = ρ.
∂(ρ, θ) ∂y ∂y senθ ρ cos θ

∂ρ ∂θ

Aplicando a fórmula de mudança de variáveis temos


ZZ ZZ Z π Z 1
2 2 2
sen(x + y )dxdy = sen(ρ )ρdρdθ = sen(ρ2 )ρdρdθ =
B Bρθ 0 0

π  1 π  
1 1 1 π
Z Z
= − cos(ρ2 ) dθ = − cos(1) + dθ = (1 − cos(1)).
0 2 0 0 2 2 2

cos(x − y)
ZZ
2. Calcule dxdy, onde B é o trapézio 1 ≤ x + y ≤ 2, x ≥ 0 e y ≥ 0.
B sen(x + y)
Solução: Usaremos a seguinte mudança de coordenadas

x = u+v
 
u = x − y, 2
,
⇒ u−v
v = x + y. y= 2 .

2
ϕ
Buv
1 B

1 2

Figura 63: Mudança de Variáveis.

Nesse caso, o determinante jacobiano é



∂x ∂x

∂(x, y) ∂u ∂v 1 1

2 1
= = 1 2 = .
1
∂(u, v) ∂y ∂y −2 2
2

∂u ∂v

125
Observe que as retas x + y = 1 e x + y = 2 são levadas nas retas v = 1 e v = 2
respectivamente. E as retas x = 0 e y = 0 são levadas nas retas u = −v e u = v
respectivamente. Olhe a figura 63. Então, usando a fórmula de mudança de variáveis,
temos
cos(x − y) cos(u) 1 1 2 v cos(u)
ZZ ZZ Z Z
dxdy = dudv = dudv =
B sen(x + y) Buv sen(v) 2 2 1 −v sen(v)
2  v 2   Z 2
1 sen(u) 1 2sen(v)
Z Z
= dv = dv = dv = 1.
2 1 sen(v) −v 2 1 sen(v) 1

126
Nona Lista de Exercı́cios

1. Encontre o Volume e a Área Lateral do sólido obtido pela revolução do gráfico da função
y = f (x) em torno do eixo x em cada um dos casos abaixo.

(a) f (x) = x + 2 com 1 ≤ x ≤ 3.


(b) f (x) = x2 com 0 ≤ x ≤ 1.

2. Trace o gráfico da equação ρ = ρ(θ) em coordenadas polares em cada um dos casos


abaixo:

(a) ρ(θ) = 2 + 2cosθ.


(b) ρ(θ) = 2 + 4cosθ.

3. Determine a área da região delimitada pelo gráfico da equação em coordenadas polares.

(a) ρ = 1 − cosθ.
(b) ρ = 6 − 6senθ.
(c) ρ = sen(2θ).

4. Ache a área exterior ao gráfico da primeira equação e interior ao gráfico da segunda


equação.

(a) ρ = 2 e ρ = 4cosθ.
(b) ρ = 1 − senθ e ρ = 3senθ.

5. Calcule

(a) B (x2 + 2y)dxdy onde B é o cı́rculo x2 + y 2 ≤ 4.


RR
RR
(b) B (x2 + y 2 )dxdy onde B = {(x, y) ∈ R2 : 1 ≤ x2 + y 2 ≤ 4}.
(c) B x2 dxdy onde B é o conjunto 4x2 + y 2 ≤ 1.
RR

(d) B sen(4x2 + y 2 )dxdy onde B é o conjunto de todos os (x, y) tais que 4x2 + y 2 ≤ 1
RR

e y ≥ 0.

RR 3
y−x 2
(e) B (x + 2y)dxdy onde B é o triângulo de vértices (0, 0), (1, 0) e (0, 1).
1+y+x
RR
(f) B xdxdy onde B é o conjunto, no plano xy, limitado pela cardióide ρ = 1 − cosθ.

6. Passe para coordenadas polares e calcule


Z 1 "Z √2−x2 p #
(a) x2 + y 2 dy dx.
0 x2
Z 1 "Z √ #
x−x2
(b) xdy dx.
0 0
Z a Z x p

(c) x2 + y 2 dy dx (a > 0).
0 0

127
ZZ
(d) xdxdy, onde B é a região, no plano xy, limitada pela curva (dada em coorde-
B
π π
nadas polares) ρ = cos3θ, − ≤ θ ≤ .
6 6
ZZ
(e) dxdy, onde B é a região, no plano xy, limitada pela curva (dada em coorde-
B
π π
nadas polares) ρ = cos2θ, − ≤ θ ≤ .
8 4
x2 y 2
7. Calcule a área da região delimitada pela elipse + 2 = 1 com (a > 0) e (b > 0).
a2 b
8. Sejam A = {(x, y) ∈ R2 : 1 + x2 ≤ y ≤ 2 + x2 , x ≥ 0 e y ≥ x + x2 } e B = (u, v) ∈ R2 :
1 ≤ v ≤ 2, v ≥ u e u ≥ 0}.

(a) Verifique que B = ϕ(A), onde (u, v) = ϕ(x, y), com u = x e v = y − x2 .


(b) Verifique que a área de A é igual a área de B.

128
Aula 41: 31/08/2010
ZZ p
Exemplo: Calcule x2 + y 2 dxdy, onde B é o triângulo de vértices (0, 0), (1, 0) e (1, 1).
B 
x = ρ cos θ,
Solução: Faremos a mudança de coordenadas polares A reta y = 0 corresponde
y = ρsenθ.
à reta θ = 0, a reta y = x corresponde à reta θ = π4 e a reta x = 1 corresponde à curva ρ = sec θ
(pois ρ cos θ = 1). Aplicando a fórmula de mudança de variáveis temos
π π sec θ π
sec θ
ρ3

1
ZZ p Z Z Z Z
4 p 4 4
2 2
x + y dxdy = ρ2 ρdρdθ = dθ = sec3 θdθ.
B 0 0 0 3 0 3 0

Observamos que uma primitiva de sec3 θ é 21 [sec θ tan θ + ln | sec θ + tan θ|] + k. Daı́

1 √ √
 
1 2 2
ZZ p

2 2
x + y dxdy = √ + ln √ + 1 − ln |1| = ( 2 + ln(1 + 2)).

B 6 2 2 6

8 Integral tripla
8.1 Definição
Inicialmente faremos a definição de somas de Riemann. Considere um Bloco A = {(x, y, z) ∈
R3 : a ≤ x ≤ a1 , b ≤ y ≤ b1 e c ≤ z ≤ c1 }. Sejam P1 = {a = x0 < x1 < x2 < · · · < xm = a1 },
P2 = {b = y0 < y1 < y2 < · · · < yn = b1 } e P3 = {c = z0 < z1 < z2 < · · · < zp = c1 }. O
conjunto
P = {(xi , yj , zk ) : i = 1, 2, . . . , m, j = 1, 2, . . . , n e k = 1, 2, . . . , p}
é chamado partição do bloco A. Uma partição determina mnp blocos Rijk = {(x, y, z) ∈
R3 : xi−1 ≤ x ≤ xi , yj−1 ≤ y ≤ yj e zk−1 ≤ z ≤ zk }. Veja a figura 64.

Figura 64: Partição de um Bloco.

Seja B ⊂ R3 . Se B é limitado, então existe um bloco A com B ⊂ A.

Definição 41. Sejam B um conjunto limitado, f : B ⊂ R3 → R uma função, A um bloco com


B ⊂ A e P = {(xi , yj , zk ) : i = 1, 2, . . . , m, j = 1, 2, . . . , n e k = 1, 2, . . . , p} uma partição de

129
A. Para cada i = 1, . . . , m, j = 1, . . . , n e k = 1, . . . , p seja Xijk ∈ Rijk um ponto escolhido
arbitrariamente. O número
m X n X p
X
f (Xijk )∆xi ∆yj ∆zk ,
i=1 j=1 k=1

onde f (Xijk ) = 0 se Xijk 6∈ B, ∆xi = xi − xi−1 , ∆yj = yj − yj−1 , ∆zk = zk − zk−1 , chama-se
soma de Riemann de f relacionada à partição P e aos Xijk .
Indicaremos por ∆ o maior dos ∆x1 , ∆x2 , . . . , ∆xm , ∆y1 , ∆y2 , . . . , ∆yn e ∆z1 , ∆z2 , . . . , ∆zp .
Observe que se ∆ tende a zero, então todos os ∆xi , ∆yj e ∆zk tendem a zero.

m X p
n X
X
Definição 42. Dizemos que o número f (Xijk )∆xi ∆yj ∆zk tende a L quando ∆
i=1 j=1 k=1
tende a zero e escrevemos
m X p
n X
X
lim f (Xijk )∆xi ∆yj ∆zk = L
∆→0
i=1 j=1 k=1

se ∀ε > 0 dado, ∃δ > 0, que depende apenas de ε, tal que


p

Xm X n X
f (Xijk )∆xi ∆yj ∆zk − L < ε



i=1 j=1 k=1

para toda partição


RRR P com ∆ < δ. O número L chama-se integral tripla de f sobre B e
indica-se por B f (x, y, z)dxdydz. Ou seja,
ZZZ m X p
n X
X
f (x, y, z)dxdydz = lim f (Xijk )∆xi ∆yj ∆zk .
B ∆→0
i=1 j=1 k=1

Se o limite acima existe dizemos que f é integrável em B.

RRR
Observação 3. O volume de B é igual a B
dxdydz.

8.2 Propriedades da integral


Proposição 9. Se f, g : B ⊂ R3 → R são integráveis em RRRB, e k é uma constante, então as
funções
RRR f + g e kf sãoRRRintegráveis em B. Além
RRR disso, B
(f (x, y, z) +RRRg(x, y, z))dxdydz =
B
f (x, y, z)dxdydz+ B
g(x, y, z)dxdydz e B
kf (x, y, z)dxdydz = k B f (x, y, z)dxdydz.

Demonstração: É análoga à demonstração da Proposição 6. 


3
Proposição
RRR 10. Se f : B ⊂ R → R é integrável em B e f (x, y, z) ≥ 0 para todo (x, y, z) ∈
B, então B f (x, y, z)dxdydz ≥ 0.

Demonstração: É análoga à demonstração da Proposição 7. 


: B ⊂ R3 → R são integráveis
Proposição 11. Se f, g RRR RRR em B e f (x, y, z) ≤ g(x, y, z) para
todo (x, y, z) ∈ B, então B f (x, y, z)dxdydz ≤ B g(x, y, z)dxdydz.

Demonstração: É análoga à demonstração da Proposição 8. 

130
Aula 42: 02/09/2010

Redução de uma integral tripla a uma integral dupla

O Teorema de Fubini também é válido para integrais triplas e através dele pode-se demons-
trar os seguintes resultados. Considere K ⊂ R2 e g, h : K → R duas funções contı́nuas tais
que g(x, y) ≤ h(x, y) para todo (x, y) ∈ K. Considerando o conjunto

B = {(x, y, z) ∈ R3 : (x, y) ∈ K e g(x, y) ≤ z ≤ h(x, y)},

então Z Z "Z #
ZZZ h(x,y)
f (x, y, z)dxdydz = f (x, y, z)dz dxdy.
B K g(x,y)

De maneira análoga, podemos obter o mesmo resultado quando o conjunto B é dado por

B = {(x, y, z) ∈ R3 : (x, z) ∈ K e g(x, z) ≤ y ≤ h(x, z)},

então Z Z "Z #
ZZZ h(x,z)
f (x, y, z)dxdydz = f (x, y, z)dy dxdz,
B K g(x,z)

e quando o conjunto B é dado por

B = {(x, y, z) ∈ R3 : (y, z) ∈ K e g(y, z) ≤ x ≤ h(y, z)},

então Z Z "Z #
ZZZ h(y,z)
f (x, y, z)dxdydz = f (x, y, z)dx dydz.
B K g(y,z)

ZZZ
Exemplo: Calcule xdxdydz, onde
B

B = {(x, y, z) ∈ R3 : 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ x e 0 ≤ z ≤ x + y}.

Solução: Seja K = {(x, y) ∈ R2 : 0 ≤ x ≤ 1 e 0 ≤ y ≤ x}. Então temos


ZZZ Z Z Z x+y  Z 1 Z x Z x+y 
xdzdydx = xdz dxdy = xdz dydx =
B K 0 0 0 0

Z 1 Z x Z x+y Z 1 Z x Z 1 Z x
xdzdydx = [xz]x+y
0 dydx = (x2 + xy)dydx =
0 0 0 0 0 0 0

1 x 1  4 1
xy 2 3x3
  
3x 3
Z Z
2
x y+ dx = dx = = .
0 2 0 0 2 8 0 8

Exemplo: Calcule o volume do conjunto B formado por todos os pontos (x, y, z) de R3 que
satisfazem x2 + y 2 ≤ z ≤ 2 − x2 − y 2 .

131
Solução: Inicialmente observamos que o gráfico de f (x, y) = x2 + y 2 é um parabolóide com
concavidade para cima e o gráfico de g(x, y) = 2 − x2 − y 2 é um parabolóide com concavidade
para baixo. Calculando a intersecção de z = x2 + y 2 com z = 2 − x2 − y 2 é dada por z = 1
e x2 + y 2 = 1. Seja K = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ 1}. O conjunto B do enunciado pode ser
escrito como

B = {(x, y, z) ∈ R3 : (x, y) ∈ K e x2 + y 2 ≤ z ≤ 2 − x2 − y 2 }.

Temos
ZZZ Z Z "Z 2−x2 −y 2
# ZZ
V ol B = dxdydz = dz dxdy = (2 − 2x2 − 2y 2 )dxdy.
B K x2 +y 2 K

Para resolver essa última integral, podemos usar uma mudança de coordenadas polares x =
ρ cos θ e y = ρsenθ. Como a região K é um cı́rculo de centro (0, 0) e raio 1, então a variação
é de ρ é de 0 a 1 e a variação de θ é de 0 a 2π. Portanto
1 2π 1 1
ρ2 ρ4
ZZ Z Z Z 
2 2 2 3
(2 − 2x − 2y )dxdy = (2 − 2ρ )ρdθdρ = 4π (ρ − ρ )dρ = 4π − = π.
K 0 0 0 2 4 0

8.3 Mudança de Variáveis


O teorema de mudança de variáveis também é válido para integrais triplas.

Teorema 25 (Mudança de Variáveis na Integral Tripla). Seja ϕ : Ω ⊂ R3 → R3 , Ω aberto,


de classe C 1 , sendo ϕ dada por (x, y, z) = ϕ(u, v, w), com x = x(u, v, w), y = y(u, v, w) e
z = z(u, v, w). Seja Buvw ⊂ Ω. Seja B a imagem de Buvw , isto é, B = ϕ(Buvw ), então

∂(x, y, z)
ZZZ ZZZ
f (x, y, z)dxdydz = f (ϕ(u, v, w)) dudvdw.
B Buvw ∂(u, v, w)

∂(x, y, z)
A notação denota o determinante Jacobiano
∂(u, v, w)
∂x ∂x ∂x
 
 ∂u ∂v ∂w 
 
 
 ∂y ∂y ∂y 
 ∂u ∂v ∂w  .
det  
 
 
 ∂z ∂z ∂z 
∂u ∂v ∂w

132
Aula 43: 09/09/2010
sen(x + y − z)
ZZZ
Exemplo: Calcule dxdydz, onde
B x + 2y + z
n π o
B = (x, y, z) ∈ R3 : 1 ≤ x + 2y + z ≤ 2, 0 ≤ x + y − z ≤ e0≤z≤1 .
4
Considere a seguinte mudança de variáveis

 u = x + y − z,
v = x + 2y + z,
w = z.

Da última equação temos z = w e subtraindo a primeira da segunda equação temos v − u =


y + 2w. Portanto temos 
 x = 2u − v + 3w,
y = −u + v − 2w,
z = w.

Daı́
∂x ∂x ∂x
 
 ∂u ∂v ∂w 
   
  2 −1 3
∂(x, y, z)  ∂y ∂y ∂y 

= det  = det  −1 1 −2  = 1.
∂(u, v, w)  ∂u ∂v ∂w 



 0 0 1
 ∂z ∂z ∂z 
∂u ∂v ∂w
Portanto temos
Z π Z 2Z 1 Z πZ 2
sen(x + y − z) senu senu
ZZZ
4 4
dxdydz = dwdvdu = dvdu =
B x + 2y + z 0 1 0 v 0 1 v
Z π Z π √ !
4 4 π 2
senu [ln v]21 du = ln 2senudu = ln 2 [− cos u]04 = 1 − ln 2.
0 0 2

Exemplo: Calcule o volume do conjunto B do exemplo anterior.


Solução: Usando a mesma mudança de coordenadas temos
Z π Z 2Z 1
π π
ZZZ
4
V olB = dxdydz = 1dwdvdu = 1.1. = .
B 0 1 0 4 4

8.4 Aplicações

Coordenadas Esféricas

Da mesma forma que conseguimos localizar um ponto do plano usando coordenadas po-
lares, podemos localizar um ponto do espaço usando coordenadas esféricas. Seja P = (x, y, z)
um ponto do espaço e considere P1 a projeção de P no plano xy, isto é, P1 = (x, y, 0). Veja a

133
z

P
φ ρ
y

θ w
x
P1

Figura 65: Coordenadas Esféricas.

figura 65. Sejam ρ = kOP k e w = kOP1 k. Sejam ainda θ a medida do ângulo entre OP1 e OX
e φ a medida do ângulo entre OP e OZ. O ponto P fica completamente determinado pelas
coordenadas esféricas (ρ, φ, θ). Podemos facilmente encontrar a relação entre as coordenadas
esféricas e as coordenadas cartesianas usando a trigonometria. Observe que
 w
 senφ =

 ρ 
w = ρsenφ
=⇒
z = ρ cos φ.
 cos φ = z


ρ
Também temos a relação
 x
 cos θ =
w
 
x = w cos θ

=⇒
y = wsenθ.
 senθ = y


w
Portanto a mudança de variáveis é dada por

 x = ρsenφ cos θ,
y = ρsenφsenθ,
z = ρ cos φ.

Calculando o determinante jacobiano vem



senφ cos θ ρ cos φ cos θ −ρsenφsenθ
∂(x, y, z)
= senφsenθ ρ cos φsenθ ρsenφ cos θ = ρ2 senφ.

∂(ρ, φ, θ)
cos φ −ρsenφ 0

Exemplo: Calcule o volume da esfera de raio r.


Solução: Aplicando uma mudança de variáveis temos
Z 2π Z π Z r 2π π r
ρ3 senφ
ZZZ Z Z 
2
V ol Sr = dxdydz = ρ senφdρdφdθ = dφdθ =
Sr 0 0 0 0 0 3 0

2π π 2π π 2π
r 3 senφ r 3 cos φ 2r 3 2r 3

4
Z Z Z Z
dφdθ = − dθ = dθ = 2π = πr 3 .
0 0 3 0 3 0 0 3 3 3

134
Coordenadas Cilı́ndricas

Da mesma forma que foi feito para as coordenadas esféricas, podemos identificar um
ponto P = (x, y, z) de R3 da seguinte forma. Seja P1 a projeção de P sobre o plano xy, isto é,
P1 = (x, y, 0). Consideramos θ a medida do ângulo entre OP1 e OX e consideramos ρ = kP1 k.
Dessa forma o ponto P fica completamente determinado pelas suas coordenadas cilı́ndricas
(ρ, θ, z). Veja a figura 66.

P
y

θ ρ
x
P1

Figura 66: Coordenadas Cilı́ndricas.

A relação entre as coordenadas cilı́ndricas e cartesianas é dada pelas relações



 x = ρ cos θ,
y = ρsenθ,
z = z.

Portanto o determinante jacobiano é dado por



cos θ −ρsenθ 0
∂(x, y, z)
= senθ ρ cos θ 0 = ρ.
∂(ρ, θ, z)
0 0 1

Exemplo: Calcule o volume do cilindro de raio r e altura h.


Solução: Aplicando a fórmula de mudança de variáveis temos
ZZZ Z r Z 2π Z h Z rZ 2π
V ol Cr,h = dxdydz = ρdzdθdρ = [ρz]h0 dθdρ =
Cr,h 0 0 0 0 0

Z rZ 2π r r r
ρ2
Z Z 
ρhdθdρ = [ρhθ]2π
0 dρ = 2πρhdρ = 2πh = πr 2 h.
0 0 0 0 2 0

135
Décima Lista de Exercı́cios

1. Calcule
RRR √
(a) 1 − z 2 dxdydz onde B é o conjunto 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ z ≤ 1, 0 ≤ y ≤ z.
RRRB
(b) B
dxdydz onde B é o conjunto x2 + y 2 ≤ z ≤ 2x + 2y − 1.
RRR x2
(c) e dxdydz onde B é o conjunto 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ x e 0 ≤ z ≤ 1.
RRRB
(d) B
xdxdydz onde B é o conjunto x2 ≤ y ≤ x, 0 ≤ z ≤ x + y.

2. Use coordenadas esféricas e calcule


RRR
(a) B
xdxdydz onde B é o conjunto x ≥ 0 e x2 + y 2 + z 2 ≤ 4.
zdxdydz onde B é o conjunto z ≥ 0 e 1 ≤ x2 + y 2 + z 2 ≤ 4.
RRR
(b) B

3. Calcule o volume do elipsóide


x2 y 2 z 2
+ 2 + 2 ≤ 1.
a2 b c
RRR
4. Calcule B
xdxdydz onde B é o conjunto

x2 y 2
+ + z 2 ≤ 1, x ≥ 0.
4 9
p
5. Calcule o volume do conjunto z ≥ x2 + y 2 e x2 + y 2 + z 2 ≤ 2ax, com a > 0.

6. Use coordenadas cilı́ndricas e calcule


RRR p
(a) B
x2 + y 2 + z 2 dxdydz onde B é o cilindro x2 + y 2 ≤ 1 e 0 ≤ z ≤ 1.
(x2 + y 2 + z 2 )dxdydz onde B é o sólido x2 + y 2 − 2x ≤ 0, 0 ≤ z ≤ x + y, x ≥ 0
RRR
(b) B
e y ≥ 0.

136
Aula 44: 14/09/2010

9 Funções Vetoriais
Nesta seção estudaremos as funções com valores vetoriais, introduziremos os conceitos de
limite e continuidade e de derivada.

9.1 Definição
Definição 43. Uma função cujo domı́nio é um conjunto de números reais e cuja imagem é
um conjunto de vetores é chamada uma função vetorial.
Uma função vetorial definida em um intervalo I ⊂ R, com valores em R3 , é denotada por
α(t) = (x(t), y(t), z(t)), t ∈ I,
onde x(t), y(t) e z(t) são funções reais definidas em I.

9.2 Operações
Definimos as operações de adição de duas funções vetoriais e multiplicação de uma cons-
tante por uma função vetorial, da mesma forma que para vetores. Logo, se k ∈ R e α, β : I ⊂
R → R3 são funções vetoriais dadas por α(t) = (x1 (t), y1 (t), z1 (t)) e β(t) = (x2 (t), y2 (t), z2 (t)),
então definimos a soma α + β e a multiplicação kα por:
(α + β)(t) = α(t) + β(t) = (x1 (t) + x2 (t), y1(t) + y2 (t), z1 (t) + z2 (t)),

(kα)(t) = kα(t) = (kx1 (t), ky1 (t), kz1 (t)).


Além das operações de adição e multiplicação, podemos definir a operação de composição
de uma função real f : J ⊂ R → R com uma função vetorial α : I ⊂ R → R3 dada por
α(t) = (x(t), y(t), z(t)), desde que f (J) ⊂ I, por
α ◦ f (t) = (x ◦ f (t), y ◦ f (t), z ◦ f (t)).

9.3 Limite e Continuidade


Definição 44. O limite de α(t) quando t tende a t0 é definido por
 
lim α(t) = lim x(t), lim y(t), lim z(t) ,
t→t0 t→t0 t→t0 t→t0

quando limt→t0 x(t), limt→t0 y(t) e limt→t0 z(t) existem.


Definição 45. A função α(t) é contı́nua em t0 ∈ I se
lim α(t) = α(t0 ).
t→t0

Quando α(t) é contı́nua para todo t ∈ I, dizemos que α(t) é contı́nua em I.


Segue das definições 44 e 45 que α(t) é contı́nua em t0 se, e somente se, x(t), y(t) e z(t)
são contı́nuas em t0 .

137
9.4 Derivada
Definição 46. A derivada da função vetorial α : I ⊂ R → R3 é a função α0 : X ⊂ I → R3 ,
definida por
α(t + ∆t) − α(t)
α0 (t) = lim ,
∆t→0 ∆t
onde X é o conjunto dos pontos t ∈ I para os quais o limite acima existe.

Segue das definições 44, 46 e da definição de derivada de uma função real que

α0 (t) = (x0 (t), y 0(t), z 0 (t))

se x0 (t), y 0 (t) e z 0 (t) existem.

9.5 Curvas parametrizadas: vetores tangentes, comprimento de


arco
Quando α : I → R3 é contı́nua em I, o ponto final P do vetor α(t) = (x(t), y(t), z(t))
descreve uma curva C no R3 , ou seja, para cada t ∈ I, obtemos um ponto P = (x, y, z) ∈ C,
onde x = x(t), y = y(t) e z = z(t). Essas equações são chamadas equações paramétricas
da curva C, e a variável t é o parâmetro. Se for possı́vel eliminar o parâmetro nas equações
acima então obteremos uma expressão cartesiana da curva C.

Exemplo: A imagem de α : R → R2 , dada por α(t) = (t, t2 ), possui equação cartesiana


y = x2 , ou seja representa uma parábola. A curva β : R → R2 , dada por β(t) = (2 cos t, 2sent),
tem equação cartesiana x2 + y 2 = 4 e representa uma circunferência de centro (0, 0) e raio 2.

Se uma curva α : I ⊂ R → R3 é diferenciável, então o vetor α0(t) é interpretado geo-


metricamente como o vetor tangente à curva C (imagem de α) no ponto α0 (t). De fato,
para cada t temos que o vetor que dá a direção da reta que passa por α(t) e α(t + ∆t) é
α(t + ∆t) − α(t)
. Fazendo ∆t → 0 temos que o ponto α(t + ∆t) se aproxima do ponto α(t)
∆t 0
e portanto α (t) é um vetor tangente à curva no ponto α(t).
Conforme vimos um pouco antes do Teorema de Mudança de Variáveis na integral dupla,
podemos calcular o comprimento de uma curva α : [a, b] ⊂ R → R3 através da seguinte
fórmula Z b
Comprimento de α = kα0 (t)kdt.
a
Exemplo: Mostre que o comprimento de uma circunferência de raio r é 2πr.
Solução: Consideremos a circunferência C de centro na origem e raio r. Podemos parametrizá-
la por α : [0, 2π] → R2 , onde α(t) = (r cos t, rsent). Logo, calculando o vetor tangente temos
α0 (t) = (−rsent, r cos t). Daı́ kα0(t)k = r e
Z 2π Z 2π
0
Comprimento de α = kα (t)kdt = rdt = 2πr.
0 0

Exemplo: Esboce a curva parametrizada por α(t) = (cos 3t, sen3t, 4t), com 0 ≤ t ≤ 4π e
calcule o seu comprimento.
Solução: Inicialmente observamos que as duas primeiras componentes da curva satisfazem a
equação x2 +y 2 = 1. Logo a curva “vive” em um cilindro que possui como base a circunferência

138
de centro na origem e raio 1. Observe ainda que enquanto t varia de 0 a 4π, temos que 3t varia
de 0 a 12π, ou seja, a circunferência é percorrida 6 vezes. Portanto a curva é uma hélice que
vai do ponto (1, 0, 0) ao ponto (1, 0, 16π) dando 6 voltas em torno do eixo z. Veja o esboço
na figura 67.

Figura 67: Hélice.

Calculando o vetor tangente temos α0 (t) = (−3sen3t, 3 cos 3t, 4). Daı́

kα0 (t)k = 9sen2 3t + 9 cos2 3t + 16 = 5

e Z 4π Z 4π
0
Comprimento de α = kα (t)kdt = 5dt = 20π.
0 0

139
Aula 45: 23/09/2010

10 Integral de Linha
Agora definiremos os campos de vetores.

Definição 47. Dadas duas funções P, Q : Ω ⊂ R2 → R, com Ω aberto, chamamos de campo


de vetores de Ω em R2 a função F : Ω → R2 dada por F (x, y) = (P (x, y), Q(x, y)). Dadas
três funções P, Q, R : Ω ⊂ R3 → R, com Ω aberto, chamamos de campo de vetores de Ω
em R3 a função F : Ω → R3 dada por F (x, y, z) = (P (x, y, z), Q(x, y, z), R(x, y, z)).

Exemplo: F (x, y) = (x, y) (veja Figura 68−(a)) e G(x, y) = (x, 0) (veja Figura 68−(b)).

(a) (b)

Figura 68: Campos F (x, y) = (x, y) e G(x, 0) = (x, 0).

Sejam F : Ω ⊂ R3 → R3 um campo de vetores e γ : [a, b] ⊂ R → Ω uma curva dife-


renciável. Para motivar a definição de integral de linha de F ao longo de C (imagem de γ),
suponhamos que F representa um campo de forças e calculemos o trabalho realizado pela
força F ao deslocar uma partı́cula ao longo de C.

Observação 4. Recordemos que o trabalho τ realizado por uma força constante F para deslo-
car uma partı́cula de α(a) até α(b), onde a imagem de α é um segmento de reta, é dado por

τ = F.d = hF, α(b) − α(a)i.

A fim de calcular o trabalho ao longo de C (imagem de γ) tome uma partição P de [a, b]


dada por P = {a = t0 < t1 < · · · < tn = b}. Para cada i = 1, 2, . . . , n, o Teorema do Valor
Médio garante que existe ξi ∈ (ti−1 , ti ) tal que γ(ti ) − γ(ti−1 ) = γ 0 (ξi )∆ti , onde ∆ti = ti − ti−1 .
Uma aproximação para o trabalho τ é dado por
n
X n
X
hF (γ(ξi )), γ(ti ) − γ(ti−1 )i = hF (γ(ξi )), γ 0 (ξi )i∆ti .
i=0 i=0

Usando o fato que F é contı́nua ao longo de C e γ é de classe C 1 , seque que hF (γ(t)), γ 0(t)i
é integrável e portanto
n
X Z b
0
τ = lim hF (γ(ξi )), γ (ξi )i∆ti = hF (γ(t)), γ 0(t)idt.
∆→0 a
i=1

140
γ(tn )

γ(t1 )
γ(t2 )

γ(t0 )

Figura 69: Poligonal aproximando a curva γ.

Definição 48. Consideremos uma curva C em R3 parametrizada por γ(t) = (x(t), y(t), z(t)),
com t ∈ [a, b], onde γ é de classe C 1 e F (x, y, z) = (F1 (x, y, z), F2 (x, y, z), F3 (x, y, z)) um
campo vetorial contı́nuo definido em C. Definimos a integral de linha de F ao longo de C por
Z Z b
F dγ = hF (γ(t)), γ 0(t)idt. (2)
C a

Quando a curva C é fechada, isto é, γ(a) = γ(b), então a integral de linha é denotada por
I
F dγ.
C

Se usarmos as componentes de F e de γ na equação (2) temos


Z Z b
F dγ = F1 (γ(t))x0 (t)dt + F2 (γ(t))y 0 (t)dt + F3 (γ(t))z 0 (t)dt.
C a

Por essa razão é usual denotar a integral de linha por


Z Z
F dγ = F1 dx + F2 dy + F3 dz.
C C
Z
Exemplo: Calcule F dγ onde F (x, y) = (x, y) e C é parametrizada por γ(t) = (t, t2 ) para
C
t ∈ [−1, 1].
Solução:
b 1 1 1
t2 2t4
Z Z Z Z 
0 2 3
F dγ = hF (γ(t), γ (t)idt = h(t, t ), (1, 2t)idt = (t + 2t )dt = + = 0.
C a −1 −1 2 4 −1

 
−y x
Z
Exemplo: Calcule F dγ onde F (x, y) = , 2 e C é parametrizada por
C x + y x + y2
2 2

γ(t) = (cos t, sent) para t ∈ [0, 2π].


Solução:
Z b 2π    2π
−sent cos t
Z Z Z
0
F dγ = hF (γ(t), γ (t)idt = , , (−sent, cos t) dt = 1dt = 2π.
C a 0 1 1 0

141
Z
Exemplo: Calcule xdx+(x2 +y+z)dy+xyzdz onde C é parametrizada por γ(t) = (t, 2t, 1)
C
para t ∈ [0, 1].
Solução: Nesse caso, o campo vetorial é F (x, y, z) = (x, x2 + y + z, xyz) e γ 0 (t) = (1, 2, 0).
Z Z b Z 1
0
F dγ = hF (γ(t), γ (t)idt = h(t, t2 + 2t + 1, 2t2 ), (1, 2, 0)idt =
C a 0

1 1
2t3 5t2

2 5 31
Z
2
(2t + 5t + 2)dt = + + 2t = + + 2 = .
0 3 2 0 3 2 6

x2 y2
Z
Exemplo: Calcule −ydx + xdy onde C é a elipse + = 1, orientada no sentido
C 4 9
anti-horário.
Solução: A elipse pode ser escrita como
 x 2  y 2
+ = 1.
2 3
x y
Assim chamamos de cos t e de sent. Portanto uma parametrização da elipse orientada
2 3
no sentido anti-horário é dada por γ(t) = (2 cos t, 3sent), com t ∈ [0, 2π]. Dai temos
Z Z 2π Z 2π
F dγ = h(−3sent, 2 cos t), (−2sent, 3 cos t)idt = 6dt = 12π.
C 0 0

142
Aula 46: 28/09/2010

Aula de Dúvidas, Revisão e Exercı́cios.

143
Aula 47: 30/09/2010

Terceira Prova de Cálculo II

1. (a) Enuncie o Teorema de Fubini.


ZZ
(b) Usando o Teorema de Fubini calcule xy 3 dxdy, onde R é o retângulo [1, 2] ×
R
[0, 1].

2. Inverta a ordem de integração.


Z 1Z 1
(a) f (x, y)dydx.
−2 x3
Z 1 Z 1−y
(b) √ f (x, y)dxdy.
0 − 1−y 2

3. Considere as funções f, g : [0, 1] → R dadas por f (x) = x2 e g(x) = 2x + 1. Sejam Bf


o sólido obtido pela revolução do gráfico de f em torno do eixo dos x, e Bg o sólido
obtido pela revolução do gráfico de g em torno do eixo dos x.

(a) Calcule o volume de Bf .


(b) Calcule a área lateral de Bg .

4. Calcule o volume dos seguintes conjuntos:

(a) {(x, y, z) ∈ R3 : 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1, x2 + y 2 ≤ z ≤ 2}.


(b) {(x, y, z) ∈ R3 : 3x ≤ y ≤ 4 − x2 e 0 ≤ z ≤ x + 4}.

5. Passe para coordenadas apropriadas e calcule.


ZZ
(a) ydxdy, onde B é a região, no plano xy, limitada pela curva (dada em coorde-
B
π π
nadas polares) ρ = cosθ, − ≤ θ ≤ .
ZZ 6 6
(b) ydxdy, onde B é o cı́rculo x2 + (y − 1)2 ≤ 1.
B
(Dica: Lembrar que cos2 θ + sen2 θ = 1.)

Boa Prova!
144
Resolução da Prova

1. (a) Seja f : R ⊂ R2 → R uma função integrável no retângulo R = {(x, y) ∈ R2 : a ≤


Rb
x ≤ b e c ≤ y ≤ d}. Suponhamos que a f (x, y)dx exista para todo y ∈ [c, d] e que
Rd
c
f (x, y)dy exista para todo x ∈ [a, b]. Então
ZZ Z d Z b  Z b Z d 
f (x, y)dxdy = f (x, y)dx dy = f (x, y)dy dx.
R c a a c

2 1 2 1 2 2
xy 4 x2
ZZ Z Z  Z  Z hxi 
3 3
(b) xy dxdy = xy dy dx = dx = dx = =
R 1 0 1 4 0 1 4 8 1
4 1 3
− = .
8 8 8
2. (a) De acordo com a figura 70-(a) temos

3
Z 1 Z y
f (x, y)dxdy.
−8 −2

(b) De acordo com a figura 70-(b) temos



Z 0 Z 1−x2 Z 1 Z 1−x
f (x, y)dydx + f (x, y)dydx.
−1 0 0 0

1
1

−2
1 −1 1

−8

(a) (b)

Figura 70: Exercı́cio 2.

1 1 1
x5

π
Z Z
2 4
3. (a) V olume Bf = π f (x) dx = π x dx = π = .
0 0 5 0 5
Z 1 1 √
p Z
(b) Área Bg = 2π g(x) 1 + (g 0(x))2 dx = 2π (2x + 1) 1 + 4dx =
0 0
√ Z 1 √ √
2 5π (2x + 1)dx = 2 5π(x2 + x)10 = 4 5π.
0

145
1 1 1 1 1
x3
  
1
Z Z Z Z
2 2
4. (a) (2 − x − y )dxdy = dy = 2x − − xy 2 2
2 − − y dy =
0 0 0 0 0 3 3
3 1
 
5y y 4
− = .
3 3 0 3
(b) Inicialmente, para descobrir a variação de x, calculamos a intersecção das curvas
y = 3x e y = 4 − x2 . Logo a equação 3x = 4 − x2 implica nas soluções x = 1 e
x = −4. Veja a figura 71. Portnto temos
Z 1 Z 4−x2 Z 1
(x + 4)dydx = (x + 4)(4 − x2 − 3x)dx =
−4 3x −4

1 1
−x4 7x3
Z 
3 2 2
(−x − 7x − 8x + 16)dx = − − 4x + 16x =
−4 4 3 −4

43 1 7 455 1 2448 − 1820 − 3 625


43 − 7 + 43 + 43 − − − 4 + 16 = 204 − − = = .
3 4 3 3 4 12 12

−4

Figura 71: Exercı́cio 4. (b).

5. (a) Usando coordenadas polares temos


Z π/6 Z cos θ π/6 cos θ
ρ3 senθ
ZZ Z 
ydxdy = ρsenθρdρdθ = dθ =
B −π/6 0 −π/6 3 0

π/6 π/6
cos3 θsenθ cos4 θ

9/16 9/16
Z
dθ = − =− + = 0.
−π/6 3 12 −π/6 12 12

(b) Usamos a mudança de coordenadas x = ρ cos θ e y = 1+ρsenθ. Para essa mudança


∂(x, y)
de coordenadas o determinante jacobiano é = ρ. Então
∂(ρ, θ)
Z 2π Z 1 Z 2π  2 1
ρ ρ3 senθ
ZZ
ydxdy = (1 + ρsenθ)ρdρdθ = + dθ =
B 0 0 0 2 3 0

2π    2π
1 senθ θ cos θ
Z
+ dθ = − = π.
0 2 3 2 3 0

146
Décima Primeira Lista de Exercı́cios

1. Para cada um dos seguintes pares de equações paramétricas, esboce a curva e determine
sua equação cartesiana.

(a) x = −1 + t, y = 2 − t, t ∈ R.
(b) x = cos2 t, y = sen2 t, t ∈ R.
(c) x = t2 − 4, y = 1 − t, t ∈ R.
(d) x = cos t, y = −3 + sent, t ∈ [0, 2π].

2. Dê uma parametrização para cada uma das curvas

(a) a reta 2x − 3y = 6.
(b) a parábola x2 = 4ay.
(c) a circunferência (x − a)2 + (y − b)2 = r 2 .
x2 y 2
(d) a elipse + 2 = 1, x ≥ 0.
a2 b
3. Encontre o comprimento do caminho percorrido por uma partı́cula que se move ao longo
das curvas de equações dadas durante o intervalo de tempo especificado em cada um
dos casos abaixo:

(a) α(t) = (et cos t, et sent), 0 ≤ t ≤ 2.


(b) α(t) = (a(cos t + tsent), a(sent − t cos t), 0 ≤ t ≤ 2π.
(c) α(t) = (sent, 1, 1 − cos t), 0 ≤ t ≤ 2π.


Z
4. Calcule F dγ sendo dados
γ


− →

(a) F (x, y, z) = (x + y + z) k e γ(t) = (t, t, 1 − t2 ), com 0 ≤ t ≤ 1.

− →

(b) F (x, y) = x2 j e γ(t) = (t2 , 3), com −1 ≤ t ≤ 1.

− →
− →

(c) F (x, y) = x2 i + (x − y) j e γ(t) = (t, sent), com 0 ≤ t ≤ π.

− →
− →
− →

(d) F (x, y, z) = x2 i + y 2 j + z 2 k e γ(t) = (2cost, 3sent, t), com 0 ≤ t ≤ 2π.
Z
5. Calcule xdx − ydy, onde γ é o segmento de extremidades (1, 1) e (2, 3), percorrido no
γ
sentido de (1, 1) para (2, 3).
Z
6. Calcule xdx + dy + 2dz, onde γ é a interseção do parabolóide z = x2 + y 2 com o plano
γ
z = 2x + 2y − 1; o sentido de percurso deve ser escolhido de modo que a projeção de
γ(t), no plano xy, caminhe no sentido anti-horário.
Z
7. Calcule dx+dy +dz, onde γ é a interseção entre as superfı́cies y = x2 e z = 2−x2 −y 2 ,
γ
x ≥ 0, y ≥ 0 e z ≥ 0, sendo o sentido de percurso do ponto (1, 1, 0) para o ponto (0, 0, 2).

8. O campo vetorial dado é conservativo? Justifique.

147

− →
− →

(a) F (x, y) = y i + x j .

− →
− →
− →

(b) F (x, y, z) = (x − y) i + (x + y + z) j + z 2 k .

− →
− →
− →

(c) F (x, y, z) = x i + y j + z k .

9. Verifique se a forma diferencial dada é exata. Justifique.

(a) 2xydx + x2 dy.


(b) yzdx + xzdy + xydz.
(c) (x + y)dx + (x − y)dy.
(d) (x + y)dx + (y − x)dy.
(e) xydx + y 2dy + xyzdz.


10. Seja f : R → R uma função contı́nua e seja F o campo vetorial central


→ →

r
F (x, y, z) = f (r) ,
r

− →
− →
− →

onde −
→r = x i + y j + z k e r = ||−

r ||. Prove que F é conservativo.

− p 
(Sugestão: Verifique que ∇ϕ = F onde ϕ(x, y, z) = g x2 + y 2 + z 2 , sendo g uma
primitiva de f .)

148
Aula 48: 05/10/2010
Z
Exemplo: Calcule xdx + xydy onde C é a curva parametrizada por γ(t) = (t, |t|), com
C
t ∈ [−1, 1].
Solução: Observe que a curva γ(t) é dada por (t, −t) para t variando de −1 a 0 e é dada por
(t, t) para t variando de 0 a 1. Veja a figura 72.

−1 1

Figura 72: Curva parametrizada por γ(t) = (t, |t|).

Logo
Z Z 0 Z 1 Z 0 Z 1
2
F dγ = hF (t, −t), (1, −1)idt + hF (t, t), (1, 1)idt = (t + t )dt + (t + t2 )dt =
C −1 0 −1 0

1 1
t2 t3

1 1 1 1 2
Z
2
(t + t )dt = + = + − + = .
−1 2 3 −1 2 3 2 3 3

Z
Exemplo: Calcule xdx + ydy onde C é a curva cuja imagem é a poligonal de vértices
C
(0, 0), (2, 0) e (2, 1), orientada de (0, 0) para (2, 1).
Solução: Inicialmente desenhamos a curva conforme a figura 73.

(2, 1)

(0, 0) (2, 0)

Figura 73: Poligonal.

Próximo passo é achar uma parametrização para a curva. Seja C1 o segmento de reta que
vai de (0, 0) a (2, 0) e C2 o segmento que vai de (2, 0) a (2, 1). Uma parametrização para C1

149
pode ser γ1 (t) = (t, 0), com t ∈ [0, 2]. E uma parametrização para C2 pode ser γ2 (t) = (2, t),
com t ∈ [0, 1]. Portanto temos
Z 2 Z 1  2 2  2 1
t t 1 5
Z Z Z
xdx+ydy = xdx+ydy + xdx+ydy = tdt+ tdt = + = 2+ = .
C C1 C2 0 0 2 0 2 0 2 2

Z
Exemplo: Calcule −ydx + xdy onde C é a curva cuja imagem é o triângulo de vértices
C
(0, 0), (1, 0) e (1, 1), orientado no sentido anti-horário.
Solução: Conforme no exemplo anterior, dividimos a curva C em três componentes C1 , C2 e C3
que são os lados do triângulo. As parametrizações para C1 , C2 e C3 são dadas respectivamente
por γ1 (t) = (t, 0), com t ∈ [0, 1], γ2 (t) = (1, t), com t ∈ [0, 1] e γ3 (t) = (−t, −t), com
t ∈ [−1, 0]. Portanto temos
Z Z Z Z
−ydx + xdy = −ydx + xdy + −ydx + xdy + −ydx + xdy =
C C1 C2 C3

Z 1 Z 1 Z 0
(0.1 − t.0)dt + (−t.0 + 1.1)dt + (t.(−1) + (−t).(−1))dt = 1.
0 0 −1

10.1 Função Potencial

Definição 49. Um campo vetorial F : Ω ⊂ Rn → Rn chama-se conservativo se existe uma


função ϕ : Ω → R diferenciável e tal que ∇ϕ = F em Ω. A função ϕ é chamada função
potencial.
Definição 50. Seja F : Ω ⊂ R3 → R3 um campo vetorial dado por F (x, y, z) = (P (x, y, z),
Q(x, y, z), R(x, y, z)), definimos o rotacional de F por
 
∂R ∂Q ∂P ∂R ∂Q ∂P
RotF = − , − , − .
∂y ∂z ∂z ∂x ∂x ∂y
Uma forma prática de recordar a definição de campo gradiente e campo rotacional é
denotar por  
∂ ∂ ∂
∇= , ,
∂x ∂y ∂z
e lembrar que o gradiente é o produto por escalar e o rotacional é o produto vetorial. Por
exemplo se F = (P, Q, R) é um campo vetorial e f é uma função real de três variáveis temos
 
∂f ∂f ∂f
∇f = , ,
∂x ∂y ∂z
e
i j k  
∂ ∂ ∂ ∂R ∂Q ∂P ∂R ∂Q ∂P
RotF = ∇ ∧ F = ∂x ∂y ∂z = − , − , − .
P ∂y ∂z ∂z ∂x ∂x ∂y
Q R

Teorema 26. Seja F : Ω ⊂ Rn → Rn (n = 2 ou 3) um campo vetorial de classe C 1 . Se F é


um campo conservativo, então RotF = 0 em Ω.

150
Demonstração: Por hipótese o campo F é conservativo, então existe uma função ϕ tal
que ∇ϕ = F . O fato de F ser de classe C 1 implica que ϕ é de classe C 2 . Portanto podemos
aplicar o Teorema de Schwarz nas componentes de F . Sejam P , Q e R as componentes de F .
Quando n = 2 admitimos R = 0. Portanto temos
∂ϕ ∂ϕ ∂ϕ
P = , Q= eR= .
∂x ∂y ∂z
Dai segue que
∂R ∂Q ∂2ϕ ∂2ϕ
− = − = 0,
∂y ∂z ∂y∂z ∂z∂y
∂P ∂R ∂2ϕ ∂2ϕ
− = − =0e
∂z ∂x ∂z∂x ∂x∂z
∂Q ∂P ∂2ϕ ∂2ϕ
− = − = 0.
∂x ∂y ∂x∂y ∂y∂x
Portanto RotF = 0. 

Exemplos: Verifique se os campos abaixo são conservativos.

1. F (x, y) = (−y, x). Para esse caso, temos



i j k
∂ ∂ ∂

RotF = ∂x ∂y

∂z
= (0, 0, 2) 6= (0, 0, 0).

−y x 0

Portanto F não é conservativo.

2. F (x, y) = (x, y). Para esse caso, temos



i j k
∂ ∂ ∂
RotF = ∂x ∂y ∂z = (0, 0, 0).
x y 0

Portanto, usando o teorema anterior, não dá para decidir se o campo é ou não conser-
vativo. Vamos tentar encontrar uma função potencial para o campo.
∂ϕ
Se ϕ for uma função potencial para F , então = x. Logo
∂x
x2
ϕ(x, y) = + f (y).
2
∂ϕ y2
Derivando em relação a y obtemos = f 0 (y) = y. Portanto f (y) = + c e assim
∂y 2
uma função potencial para o campo F é dada por

x2 y 2
ϕ(x, y) = + +c
2 2
e assim F é conservativo.

151
Aula 49: 07/10/2010

10.2 Diferenciais Exatas


Vimos que se F (x, y) = (P (x, y), Q(x, y)) é um campo de vetores, então uma notação para a
integral de linha de F ao longo de γ é
Z
P (x, y)dx + Q(x, y)dy.
γ

Definição 51. A expressão P (x, y)dx + Q(x, y)dy será chamada forma diferencial. Dize-
mos que uma forma diferencial P (x, y)dx + Q(x, y)dy é uma forma diferencial exata se
existe uma função diferenciável ϕ tal que
∂ϕ ∂ϕ
(x, y) = P (x, y) e (x, y) = Q(x, y).
∂x ∂y
Em outras palavras, uma forma diferencial P (x, y)dx + Q(x, y)dy é exata se o campo
F (x, y) = (P (x, y), Q(x, y)) é um campo conservativo. Daı́, temos o seguinte resultado
Proposição 12. Se P (x, y)dx+Q(x, y)dy é uma forma diferencial exata definida em Ω, então
então RotF = 0 em Ω.

Demonstração: Se a forma é exata, então o campo é conservativo e daı́ aplicamos o


Teorema 26. 

Agora é o momento de recordarmos um dos teoremas mais importantes do Cálculo Dife-


rencial e Integral I, o Teorema Fundamental do Cálculo. O referido teorema afirma que se f
é uma função de uma variável diferenciável tal que ϕ é uma primitiva de f , isto é, ϕ0 = f ,
então Z b Z b
f (x)dx = ϕ0 (x)dx = ϕ(b) − ϕ(a).
a a
O próximo teorema é uma versão do teorema anterior para integrais de linha.
Teorema 27. Se F é um campo conservativo em Ω, isto é, existe uma função diferenciável
ϕ : Ω → R tal que ∇ϕ = F e γ : [a, b] → Ω, então
Z
F dγ = ϕ(B) − ϕ(A),
γ

onde B = γ(b) e A = γ(a).

Demonstração: Pela regra da cadeia temos


d
ϕ(γ(t)) = h∇ϕ(γ(t)), γ 0 (t)i = hF (γ(t)), γ 0(t)i.
dt
Logo temos
Z b Z b 
d
Z
0
F dγ = hF (γ(t)), γ (t)idt = ϕ(γ(t)) dt = ϕ(γ(b)) − ϕ(γ(a)) = ϕ(B) − ϕ(A).
γ a a dt
Na penúltima igualdade foi usado o Teorema Fundamental do Cálculo. 

152
Z
Exemplo: Calcule xdx + ydy, onde C é parametrizada por γ(t) = (arctan t, sent3 ), com
C
t ∈ [0, 1].
Solução: Inicialmente, observamos que F (x, y) = (x, y) é um campo conservativo, que possui
x2 y 2
uma função potencial dada por ϕ(x, y) = + . Então, aplicando o teorema anterior temos
2 2
π π 2 sen(1)2
Z 
xdx + ydy = ϕ(γ(1)) − ϕ(γ(0)) = ϕ , sen(1) − ϕ(0, 0) = − .
C 4 32 2

Exemplo: Daremos um exemplo agora de um campo não conservativo e que possui o rota-
cional zero. Considere
 
−y x
F (x, y) = , , com (x, y) 6= (0, 0).
x2 + y 2 x2 + y 2

(i) Vejamos inicialmente que o rotacional é zero:


    
∂ x ∂ −y
rot F = 0, 0, − =
∂x x2 + y 2 ∂y x2 + y 2

(x2 + y 2 ) − x.2x (x2 + y 2) − y.2y


 
= 0, 0, − = (0, 0, 0).
(x2 + y 2)2 (x2 + y 2 )2

(ii) Vamos mostrar que F não é conservativo argumentando por contradição. Suponhamos
que F seja conservativo, logo existe uma função potencial ϕ para F . Seja γ(t) = (cos t, sent).
Como γ(0) = γ(2π), aplicando o teorema anterior temos
Z
F dγ = ϕ(γ(2π)) − ϕ(γ(0)) = 0.
γ

Por outro lado, efetuando a conta, temos


Z Z 2π Z 2π
0
F dγ = hF (γ(t)), γ (t)idt = 1dt = 2π.
γ 0 0

Essa contradição mostra que o campo F não é conservativo.

10.3 Independência dos Caminhos


R
Definição 52. Dizemos que a integral de linha F dγ é independente do caminho Z de
integração em Ω se, quaisquer que forem os pontos A e B de Ω, o valor da integral F dγ
γ
permanecer o mesmo para toda curva γ : [a, b] → Ω, com γ(a) = A e γ(b) = B. E nesse caso
escrevemos Z Z B
F dγ = F dγ.
γ A

153
Teorema 28. Seja F um campo de classe C 1 em Ω. Se F é conservativo, então
R
F dγ é
independente do caminho.

Demonstração: Sejam A e B pontos quaisquer de Ω e γ : [a, b] → Ω uma curva diferen-


ciável qualquer, tal que γ(a) = A e γ(b) = B. Como F é conservativo, existe uma função
potencial ϕ com ∇ϕ = F . Logo temos
Z
F dγ = ϕ(γ(b)) − ϕ(γ(a)) = ϕ(B) − ϕ(A),
γ
Z
ou seja, independentemente da curva γ temos F dγ = ϕ(B) − ϕ(A). 
γ

No próximo resultado usaremos a noção de conjunto conexo por caminhos. Dizemos que
um conjunto Ω é conexo por caminhos se para quaisquer dois pontos A e B de Ω existir um
caminho γ : [a, b] → Ω com γ(a) = A e γ(b) = B.

Teorema
R 29. Seja F um campo de classe C 0 em Ω e Ω é um conjunto conexo por caminhos.
Se F dγ é independente do caminho, então F é conservativo.

Demonstração: Fixe um ponto A ∈ Ω e defina a função ϕ : Ω → R por


Z X
ϕ(X) = F dγ.
A

∂ϕ ∂ϕ ∂ϕ
Vamos denotar o campo F por F = (P, Q, R) e provemos que = P, =Qe = R.
∂x ∂y ∂z
Seja X = (x, y, z) ∈ Ω. Como Ω é aberto, existe uma bola de centro X contida em Ω. Escolha
h > 0 tal que (x + h, y, z) ∈ Ω. Logo temos
R X+(h,0,0) RX R X+(h,0,0)
ϕ(x + h, y, z) − ϕ(x, y, z) A
F dγ − A
F dγ X
F dγ
lim = lim = lim .
h→0 h h→0 h h→0 h
∂ϕ
Na próxima aula usaremos a expressão anterior para mostrar que = P e concluir a
∂x
demonstração.

154
Aula 50: 14/10/2010

Na aula passada estávamos provando o teorema 29. Havı́amos definido ϕ : Ω → R por


Z X
ϕ(X) = F dγ
A

e chegado a conclusão que


R X+(h,0,0)
∂ϕ X
F dγ
(x, y, z) = lim .
∂x h→0 h
Como a integral de linha é idependente do caminho, então podemos escolher qualquer caminho
de X a X + (h, 0, 0). Escolhemos então o segmento de reta γ(t) = (x + t, y, z), com t ∈ [0, h].
Logo
Z X+(h,0,0) Z h Z h
F dγ = h(P (x+t, y, z), Q(x+t, y, z), R(x+t, y, z)), (1, 0, 0)idt = P (x+t, y, z)dt
X 0 0

Daı́
R X+(h,0,0) Rh
∂ϕ X
F dγ 0
P (x + t, y, z)dt P (x + h, y, z)
(x, y, z) = lim = lim = lim = P (x, y, z).
∂x h→0 h h→0 h h→0 1
Na penúltima igualdade foi aplicado a regra de L’ Hospital. E de maneira análoga prova-se
∂ϕ ∂ϕ
que =Qe = R. 
∂y ∂z

10.4 Teorema de Green


Nesta seção vamos estudar o seguinte teorema.
Teorema 30 (Teorema de Green). Seja K ⊂ R2 um compacto, com interior não vazio, cuja
fronteira é a imagem de uma curva C 1 por partes γ : [a, b] → R2 , fechada, simples e orientada
no sentido anti-horário. Sejam P e Q de classe C 1 num aberto contendo K. Nessas condições
temos ZZ  
∂Q ∂P
Z
P dx + Qdy = − dxdy.
γ K ∂x ∂y
Vamos demonstrar esse teorema apenas em um caso mais simples que é quando o compacto
K = [a, b] × [c, d] conforme a figura 74.

d
K
c

a b

Figura 74: Teorema de Green no retângulo.

155
Demonstração: Observamos que
Z Z Z Z Z
P dx + Qdy = P dx + Qdy + P dx + Qdy P dx + Qdy + P dx + Qdy,
γ γ1 γ2 γ3 γ4

onde γ1 (t) = (t, c), com a ≤ t ≤ b, γ2 (t) = (b, t), com c ≤ t ≤ d, γ3 (t) = (b − t, d), com
0 ≤ t ≤ b − a, e γ4 (t) = (a, d − t), com 0 ≤ t ≤ d − c. Assim temos
Z Z b Z Z d
P dx + Qdy = P (t, c)dt, P dx + Qdy = Q(b, t)dt,
γ1 a γ2 c

Z Z b−a Z Z d−c
P dx + Qdy = −P (b − t, d)dt e P dx + Qdy = −Q(a, d − t)dt.
γ3 0 γ4 0

Na terceira integral acima, podemos fazer a substituição s = b − t, logo se t varia de 0 a b − a,


s varia de b a a, ou seja, ficamos com
Z Z b−a Z a Z b
P dx + Qdy = −P (b − t, d)dt = P (s, d)ds = − P (t, d)dt.
γ3 0 b a

E de maneira análoga temos


Z Z d−c Z c Z d
P dx + Qdy = −Q(a, d − t)dt = Q(a, s)ds = − Q(a, t)dt.
γ4 0 d c

Portanto, substituindo estas expressões ficamos com


Z Z b Z d
P dx + Qdy = [P (t, c) − P (t, d)]dt + [Q(b, t) − Q(a, t)]dt.
γ a c

Por outro lado temos


Z b Z d  Z b Z b
∂P ∂P
ZZ
d
(x, y)dxdy = (x, y)dy dx = [P (x, y)]c dx = [P (x, d) − P (x, c)]dx,
K ∂y a c ∂y a a

e
d Z b  Z d Z d
∂Q ∂Q
ZZ Z
b
(x, y)dxdy = (x, y)dx dy = [Q(x, y)]a dy = [Q(b, y) − Q(a, y)]dy.
K ∂x c a ∂x c c

E assim concluı́mos que


ZZ  
∂Q ∂P
Z
P dx + Qdy = − dxdy.
γ K ∂x ∂y


Z
Exemplo: Usando o Teorema de Green, transforme a integral de linha (x4 − y 3 )dx + (x3 +
γ
y 5 )dy numa integral dupla e calcule, sendo γ(t) = (cos t, sent) com t ∈ [0, 2π].

Solução: Inicialmente observamos que a região K delimitada pela curva é a região interior à
circunferência de raio 1 e centro (0, 0). Portanto, poderemos usar coordenadas polares com o

156
ρ variando de 0 a 1 e θ variando de 0 a 2π. Pela forma que foi dada a integral de linha temos
que P (x, y) = x4 − y 3 e Q(x, y) = x3 + y 5 . Portanto temos

∂Q ∂P
− = 3x2 + 3y 2.
∂x ∂y
E aplicando o Teorema de Green obtemos
1 2π 1
ρ4


Z ZZ Z Z
4 3 3 5 2 2 3
(x − y )dx + (x + y )dy = (3x + 3y )dxdy = 3ρ dθdρ = 6π = .
γ K 0 0 4 0 2

Exemplo: Não se pode aplicar o Teorema de Green à integral de linha


−y x
Z
2 2
dx + 2 dy
γ x +y x + y2

−y x
onde γ(t) = (cos t, sent), com t ∈ [0, 2π]. De fato, as funções e são de classe
x2 + y 2 x2 + y 2
C 1 no aberto Ω = R2 \ {(0, 0)} e γ é a fronteira do cı́rculo K = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ 1}.
Porém, K 6⊂ Ω, pois (0, 0) ∈ K e (0, 0) 6∈ Ω.

157
Aula 51: 19/10/2010

SEMANA DA MATEMÁTICA.

158
Aula 52: 21/10/2010

SEMANA DA MATEMÁTICA.

159
Aula 53: 26/10/2010
Exemplo: Dadas duas curvas conforme a figura 75, mostre que
ZZ  
∂Q ∂P
Z Z
P dx + Qdy + P dx + Qdy = − dxdy.
γ1 γ2 K ∂x ∂y

K1 V
K
γ1
A B γ2
K2 C
D
Z

Figura 75: Extensão do Teorema de Green.

Solução: Considere os pontos A, B, C, D, S, V , Z e Y conforme na figura 75. Usaremos


a seguinte notação. Para denotar a curva γ2 (anel externo) usaremos a notação DSAY D.
Seja K1 a região interna à curva DSABV CD e K2 a região interna à curva DCZBAY D.
Portanto temos que
ZZ   ZZ   ZZ  
∂Q ∂P ∂Q ∂P ∂Q ∂P
− dxdy = − dxdy + − dxdy.
K ∂x ∂y K1 ∂x ∂y K2 ∂x ∂y

Aplicando o Teorema de Green nas regiões K1 e K2 temos que a última expressão é igual a
Z Z
P dx + Qdy + P dx + Qdy =
DSABV CD DCZBAY D
Z Z Z Z
P dx + Qdy + P dx + Qdy + P dx + Qdy + P dx + Qdy+
DSA AB BV C CD
Z Z Z Z
P dx + Qdy + P dx + Qdy + P dx + Qdy P dx + Qdy =
DC CZB BA AY D
Z Z Z Z
P dx + Qdy + P dx + Qdy = P dx + Qdy P dx + Qdy.
DSAY D BKCZB γ1 γ2

Agora veremos uma outra versão do Teorema de Green em função do rotacional.


Teorema 31 (Teorema de Stokes no plano). Sejam F = (P, Q) um campo de classe C 1
definido em um aberto Ω ⊂ R2 e γ e K como no Teorema de Green. Então
Z ZZ
F dγ = hrotF, kidxdy,
γ K

onde k = (0, 0, 1).

160
Demonstração: Basta observar que o rotacional de F é dado por
 
∂R ∂Q ∂P ∂R ∂Q ∂P
− , − , −
∂y ∂z ∂z ∂x ∂x ∂y

∂Q ∂P
e portanto o produto do Rotacional de F com o vetor k = (0, 0, 1) é − . Daı́ o resultado
∂x ∂y
segue direto do Teorema de Green. 

Fluxo de um campo através de uma curva

Antes de definir o fluxo através de uma curva, vejamos uma definição de curva regular e
de campo de vetores normais unitários ao longo da curva.

Definição 53 (Curva Regular). Seja γ : [a, b] → R2 uma curva. Se γ é de classe C 1 e


γ 0 (t) 6= (0, 0) para todo t, dizemos que γ é uma curva regular.

Seja γ(t) = (x(t), y(t)) uma curva regular e injetora em [a, b]. Vamos considerar dois
campos de vetores ao longo de γ:
1
n1 (t) = (y 0 (t), −x0 (t))
||γ 0(t)||
e
1
n2 (t) = (−y 0(t), x0 (t)) .
||γ 0 (t)||
Observe que n1 e n2 são vetores normais à curva γ, pois hn1 (t), γ 0 (t)i = 0 e hn2 (t), γ 0 (t)i = 0
para todo t ∈ [a, b]. E também são unitários, pois tem norma 1 para todo t ∈ [a, b].
Sejam F : Ω ⊂ R2 → R2 um campo contı́nuo, γ : [a, b] → Ω uma curva regular injetora e
n um dos campos vetoriais n1 ou n2 definidos logo acima. Considere Fn (t) : [a, b] → R dada
por Fn (t) = hF (γ(t)), n(t)i. Temos que Fn é a componente escalar de F ao longo de γ na
direção de n. Veja a figura 76.

Fn (t)

θ
γ(t) F (γ(t))

Figura 76: Fluxo através de uma curva.

De fato, hF (γ(t)), n(t)i = ||F (γ(t))||.||n(t)||. cos θ = ||F (γ(t))|| cos θ.

Definição 54. Definimos o fluxo de F através de γ, na direção de n, por


Z Z b
hF, nidt = hF (γ(t)), n(t)i||γ 0(t)||dt.
γ a

161
Definição 55 (Divergente). Dado um campo de vetores F = (P, Q, R) de classe C 1 , definido
em um aberto Ω ⊂ R3 , definimos o divergente de F por
∂P ∂Q ∂R
divF = + + .
∂x ∂y ∂z
Recordamos aqui que um métodoprático para  lembrar as definições de gradiente, diver-
∂ ∂ ∂
gente e rotacional é considerar ∇ = , , e daı́ o gradiente é o produto por escalar
∂x ∂y ∂z
entre ∇ e f , divergente é o produto escalar entre ∇ e F = (P, Q, R) e o rotacional é o produto
vetorial entre ∇ e F = (P, Q, R).
Para interpretar o divergente de um campo F = (P, Q) definido em um aberto de R2 ,
basta considerar R = 0 na definição anterior.
Teorema 32 (Teorema da Divergência no Plano). Sejam F = (P, Q) um campo de classe
C 1 em um aberto Ω ⊂ R2 e K um compacto, com interior não vazio, contido em Ω, cuja
fronteira é a imagem de uma curva γ(t) = (x(t), y(t)), t ∈ [a, b], fechada, simples, regular e
orientada no sentido anti-horário. Seja n a normal exterior a K, então
Z ZZ
hF, nidt = divF dxdy.
γ K

Demonstração: Antes de mais nada, observamos que nas condições das hipóteses do teo-
rema temos que a normal exterior a K é dada por n(t) = n1 (t). Logo temos
Z b Z b
(y 0(t), −x0 (t))
Z 
0
hF, nidt = hF (γ(t)), n(t)i||γ (t)||dt = F (γ(t)), 0 (t)||
||γ 0(t)||dt =
γ a a ||γ
Z b
= h(P (γ(t)), Q(γ(t))), (y 0(t), −x0 (t))i dt =
a

b ZZ  
∂P ∂Q
Z
Green
= −Qdx + P dy = + dxdy =
a K ∂x ∂y
ZZ
= divF dxdy.
K


x2 y 2
Exemplo: Usando o Teorema de Green, calcule a área da elipse + 2 = 1.
a2 b
∂Q ∂P
Solução: Inicialmente observamos que se Q(x, y) = x e P (x, y) = 0 então temos − = 1.
∂x ∂y
Para γ e K nas condições do Teorema de Green temos
Z ZZ
xdy = 1dxdy = Área de K.
γ K

Uma curva que parametriza a elipse no sentido anti-horário é γ(t) = (a cos t, bsent), com
t ∈ [0, 2π]. Logo
Z Z 2π Z 2π
Área de K = xdy = a cos tb cos tdt = ab cos2 tdt = abπ.
γ 0 0

162
Décima Segunda Lista de Exercı́cios
Z
1. Calcule F dγ, onde γ é uma curva fechada, simples, C 1 por partes, cuja imagem é a
γ
fronteira de um conjunto compacto B e F (x, y) = (2x + y, 3x − y).
Z
2. Calcule F dγ, onde F (x, y) = (4x3 y 3 , 3x4 y 2 + 5x) e γ é a fronteira do quadrado de
γ
vértices (−1, 0), (0, −1), (1, 0) e (0, 1).
Z
3. Calcule hF, nidt sendo dados
γ

(a) F (x, y) = (0, y), γ a fronteira do quadrado de vértices (0, 0), (1, 0), (1, 1), (0, 1) e n
a normal unitária que aponta para fora do quadrado, sendo γ orientada no sentido
anti-horário.
(b) F (x, y) = (x2 , 0), γ(t) = (2cost, sent), 0 ≤ t ≤ π, e n a normal unitária com
componente y ≥ 0.
(c) F (x, y) = (x, y), γ(t) = (t, t2 ), 0 ≤ t ≤ 1, e n a normal unitária com componente
y < 0.

163
Aula 54: 28/10/2010

11 Integral de Superfı́cies
11.1 Noções sobre superfı́cies e planos tangentes
Definição 56. Por superfı́cie parametrizada σ entendemos a imagem de uma aplicação
σ : A → R3 , onde A ⊂ R2 é aberto e as componentes de σ são diferenciáveis.

Chamando as componentes de σ de x = x(u, v), y = y(u, v) e z = z(u, v) costumamos


escrever a superfı́cie parametrizada σ por

 x = x(u, v),
σ: y = y(u, v), (u, v) ∈ A,
z = z(u, v),

para indicar σ(u, v) = (x(u, v), y(u, v), z(u, v)).


A imagem de σ é dada por Im σ = {σ(u, v) ∈ R3 : (u, v) ∈ A}. Na figura 77 representamos
o domı́nio e a imagem de uma aplicação que dá origem a uma superfı́cie parametrizada.

Im σ
z

σ(u, v)
v
A σ

(u, v) y

u
x

Figura 77: Domı́nio e Imagem de σ.

Exemplo: Considere a superfı́cie dada por σ : R2 → R3 onde



 x = u + 2v,
σ: y = 2u − v + 1, (u, v) ∈ R2 .
z = u + v + 2,

Podemos escrever σ da seguinte forma

(x, y, z) = (u + 2v, 2u − v + 1, u + v + 2) = (0, 1, 2) + u(1, 2, 1) + v(2, −1, 1).

Portanto a imagem de σ é o plano que passa pelo ponto (0, 1, 2) e tem como vetores diretores
(1, 2, 1) e (2, −1, 1).

164
Exemplo: Considere a superfı́cie dada por σ : A ⊂ R2 → R3 , onde A = [0, 2π] × [0, 1] e

 x = cos u,
σ: y = senu, (u, v) ∈ A.
z = v,

Esta superfı́cie é um cilindro que tem como base a circunferência contida no plano xy, centrada
na origem e de raio 1, e de altura 1. Veja a figura 78.

Figura 78: Cilindro.

Exemplo: Uma parametrização para a superfı́cie esférica {(x, y, z) ∈ R3 : x2 + y 2 + z 2 = r 2 }


é dada por 
 x = rsenu cos v,
σ: y = rsenusenv, 0 ≤ u ≤ π e 0 ≤ v ≤ 2π.
z = r cos u,

Plano Tangente

Considere agora uma superfı́cie dada por σ : A ⊂ R2 → R3 , A aberto, de classe C 1 .


∂σ
Fixado u0 temos que a função v 7→ σ(u0 , v) é uma curva de classe C 1 . E se (u0 , v0 ) é um
∂v
∂σ
vetor não nulo, então (u0 , v0 ) é um vetor tangente a essa curva no ponto σ(u0 , v0 ). De
∂v
∂σ
maneira análoga temos que (u0 , v0 ) é um vetor tangente à curva u 7→ σ(u, v0 ) no ponto
∂u
σ(u0 , v0 ). Veja a figura 79.
Im σ
z
σ(u, v)
v
A σ

(u, v) y

u
x

Figura 79: Curvas que geram o plano tangente.

165
Definição 57. O plano tangente à uma superfı́cie σ no ponto σ(u0, v0 ) é o plano que passa
∂σ ∂σ
por σ(u0 , v0 ) e possui vetores diretores (u0 , v0 ) e (u0 , v0 ). A equação vetorial do plano
∂u ∂v

∂σ ∂σ
π : (x, y, z) = σ(u0, v0 ) + s (u0 , v0 ) + t (u0 , v0 ),
∂u ∂v
e a equação geral é
 
∂σ ∂σ
(u0 , v0 ) ∧ (u0 , v0 ), [(x, y, z) − σ(u0 , v0 )] = 0.
∂u ∂v

Exemplo: Esboce a superfı́cie σ(u, v) = (u, u2 + v 2 , v) e calcule o plano tangente no ponto


σ(0, 1) = (0, 1, 1).
Solução: Observe que se chamamos x = u, y = u2 + v 2 e z = v temos que y = x2 + z 2 . Ou
seja a superfı́cie é um parabolóide como na figura 80.
z

Figura 80: Parabolóide.

Aplicando a definição temos que os vetores diretores do plano tangente são


 
∂σ ∂x ∂y ∂z
(u, v) = (u, v), (u, v), (u, v) = (1, 2u, 0),
∂u ∂u ∂u ∂u
 
∂σ ∂x ∂y ∂z
(u, v) = (u, v), (u, v), (u, v) = (0, 2v, 1),
∂v ∂v ∂v ∂v
que quando avaliados no ponto (0, 1) obtém-se (1, 0, 0) e (0, 2, 1). Portanto

i j k
∂σ ∂σ
(0, 1) ∧ (0, 1) = 1 0 0 = (0, −1, 2).
∂u ∂v 0 2 1

Portanto o plano tangente, obtido por

h(0, −1, 2), (x − 0, y − 1, z − 1)i = 0,


y − 2z + 1 = 0.

166
Aula 55: 09/11/2010
Antes de falarmos de integral de superfı́cies, vamos estudar um método para calcular a
área de uma superfı́cie. Considere a figura 81.

v z
D
v0 + ∆v
∂σ
∆v C
σ ∂v
R ∂σ
∂u
∆u
v0
A B
u
u0 u0 + ∆u y

Figura 81: Área de Superfı́cie.

A aplicação σ transforma o retângulo R de lados ∆u e ∆v no “paralelogramo curvilı́neo”


ABCD. Mas a área do “paralelogramo curvilı́neo” ABCD é aproximadamente a área do
∂σ ∂σ
paralelogramo gerado pelos vetores ∆u e ∆v, que pela geometria analı́tica, é dada por
∂u ∂v

∂σ ∂σ ∂σ ∂σ
∆u ∧ ∆v
= ∂u ∧ ∂v ∆u∆v.

∂u ∂v
Logo a área da superfı́cie σ : A ⊂ R2 → R3 é dada por
ZZ
∂σ ∂σ
Área σ = ∂u ∧ ∂v dudv.

A

Exemplo: Calcular a área da superfı́cie σ(u, v) = (u, v, 2 − u − v), com u2 + v 2 ≤ 1.

Solução: Inicialmente calculando as derivadas parciais temos ∂σ


∂u
= (1, 0, −1) e ∂σ
∂v
= (0, 1, −1).
∂σ ∂σ
Daı́ segue que ∂u ∧ ∂v = (1, 1, 1). Portanto
ZZ ZZ √ √ √
∂σ ∂σ
Área σ = ∧ dudv = 3dudv = 3 Área A = 3π.
A ∂u ∂v

A

Exemplo: Calcular a área da esfera de raio r .

Solução: Conforme vimos antes, uma parametrização para a esfera é dada por

σ(u, v) = (rsenu cos v, rsenusenv, r cos u) 0 ≤ u ≤ π e 0 ≤ v ≤ 2π.

Calculando as derivadas parciais temos


∂σ ∂σ
= (r cos u cos v, r cos usenv, −rsenu) e = (−rsenusenv, rsenu cos v, 0).
∂u ∂v
167
Calculando agora o produto vetorial e a norma, após algumas simplificações, obtemos

∂σ ∂σ 2
∂u ∧ ∂v = r senu.

Portanto temos
Z π Z 2π Z π
2
Área da Esfera = r senudvdu = 2πr 2 senudu = 2πr 2[1 + 1] = 4πr 2.
0 0 0

11.2 Integral de Superfı́cies


Seja σ : A ⊂ R2 → R3 uma superfı́cie de classe C 1 . Dizemos que σ é regular se
∂σ ∂σ
(u, v) ∧ (u, v) 6= (0, 0, 0) ∀(u, v) ∈ A.
∂u ∂v
Definição 58. Seja σ : A ⊂ R2 → R3 uma superfı́cie de classe C 1 , regular e injetora. Seja
ainda f : Ω ⊂ R3 → R uma função contı́nua tal que Im σ ⊂ Ω. Definimos a integral de
superfı́cie de f sobre σ por

∂σ ∂σ
ZZ ZZ
f (x, y, z)dS = f (σ(u, v))
∂u ∧ ∂v dudv.

σ A

Exemplo: Calcule a integral de superfı́cie de f sobre σ sendo f (x, y, z) = x e σ(u, v) =


(u, v, u2 + v), com 0 ≤ u ≤ 1 e u2 ≤ v ≤ 1.
Solução: Inicialmente calculamos as derivadas parciais ∂σ
∂u
= (1, 0, 2u) e ∂σ
∂v
= (0, 1, 1). Daı́
∂σ ∂σ
segue que ∂u ∧ ∂v = (−2u, −1, 1).
Agora aplicando a definição anterior temos
ZZ Z 1Z 1
2
√ Z 1 √
f (x, y, z)dS = 2
f (u, v, u + v) 4u + 2dvdu = (1 − u2 )u 4u2 + 2du.
σ 0 u2 0

Vamos calcular uma primitiva fazendo integração por substituição. Chamamos x = 4u2 + 2,
1 x−2 6−x
logo udu = dx. Observe que u2 = , e daı́ 1 − u2 = . Portanto a última integral
8 4 4
fica
6 − x 1√ 6 2√ 3 1 2√ 5 1p 2 1p 2
Z
xdx = x − x = (4u + 2)3 − (4u + 2)5 .
4 8 32 3 32 5 8 80
Dai aplicando em 1 e em 0 temos que a integral de superfı́cie é

1√ 3 1√ 5
 √
1√ 5 1 √ √

1 3
6 − 6 − 2 − 2 = (3 6 − 2 2).
8 80 8 80 10

168
Aula 56: 11/11/2010

11.3 Teoremas de Gauss e de Stokes


Antes de os teoremas principais sobre integrais de superfı́cies vamos estudar o fluxo de um
campo vetorial através de uma superfı́cie. Seja σ : A ⊂ R2 → R3 uma superfı́cie de classe
C 1 , definida em um compacto A, regular e injetora. Podemos considerar dois campos vetoriais
normais a σ:
∂σ ∂σ
(u, v) ∧ (u, v)
n1 (σ(u, v)) = ∂u ∂v
∂σ
(u, v) ∧ ∂σ (u, v)

∂u ∂v
e
∂σ ∂σ
(u, v) ∧ (u, v)
n2 (σ(u, v)) = −
∂u ∂v
∂σ
(u, v) ∧ ∂σ
∂u (u, v)
∂v

Seja agora F : Im σ → R3 um campo vetorial contı́nuo e n um dos campos normais a σ:


n1 ou n2 . Consideramos
Fn = hF, ni,
a componente escalar de F na direção de n. Análogo ao que foi feito para curvas.

Definição 59. Definimos o fluxo de F através de σ, na direção n, por


ZZ
hF, nidS.
σ

Observamos que o fluxo de F através de σ é o volume total de fluı́do que atravessa a


superfı́cie σ em unidade de tempo. Se para uma superfı́cie fechada como a esfera escolhermos
n como a normal exterior, então o fluxo mede o fluxo lı́quido para fora da esfera em unidade
de tempo. Por exemplo, se o fluxo for positivo é porque saiu mais do que entrou. Nesse
caso teria uma fonte dentro da esfera. Por outro lado, se o fluxo for negativo, então é porque
entrou mais do que saiu e portanto temos um poço dentro da esfera.

Teorema 33 (Teorema da Divergência de Gauss). Seja Q uma região em 3 dimensões de-


limitada por uma superfı́cie fechada σ. Seja ainda n o vetor normal e exterior a σ. Se F é
um campo de classe C 1 em Q então:
ZZ ZZZ
hF, nidS = divF dxdydz.
σ Q

Demonstração: Vamos chamar o campo F de F = (M, N, P ). Denotando por i, j e k os


vetores da base canônica de R3 , podemos escrever F = Mi + Nj + P k. Temos de provar que
ZZZ  
∂M ∂N ∂P
ZZ
hMi + Nj + P k, nidS = + + dxdydz.
σ Q ∂x ∂y ∂z

169
É suficiente mostrar as seguintes igualdades
∂M
ZZ ZZZ
(i) Mhi, nidS = dxdydz,
σ Q ∂x

∂N
ZZ ZZZ
(ii) Nhj, nidS = dxdydz,
σ Q ∂y

∂P
ZZ ZZZ
(iii) P hk, nidS = dxdydz.
σ Q ∂z

Vamos provar apenas a igualdade (iii) para o caso em que a região é dada como na figura
82, isto é, Q = {(x, y, z) ∈ R3 : (x, y) ∈ R e g(x, y) ≤ z ≤ f (x, y)}.

z
S1 z = f (x, y)

S3
Q

z = g(x, y)
S2
y

x R

Figura 82: Região Q.

Vamos denotar por S1 a superfı́cie superior, S2 a superfı́cie inferior e S3 a superfı́cie lateral.


Sobre a superfı́cie S3 a componente k de n é nula, isto é, em S3 temos hk, ni = 0. Portanto
temos ZZ ZZ ZZ
P hk, nidS = P hk, nidS + P hk, nidS (3)
σ S1 S2

A superfı́cie S1 é parametrizada por S1 (x, y) = (x, y, f (x, y)). Sabemos que a normal
exterior é dada por
∂S1 ∂S1

∂x ∂y
n=
.
∂S1 ∧ ∂S1
∂x ∂y
     
∂S1 ∂f ∂S1 ∂f ∂S1 ∂S1 ∂f ∂f
Temos = 1, 0, , = 0, 1, e ∧ = − , − , 1 . Logo
∂x ∂x ∂y ∂y ∂x ∂y ∂x ∂y
 
∂f ∂f
− ,− ,1
∂x ∂y
n= ∂S1 ∂S1 .

∂x ∧ ∂y

170
E portanto
1
∂S1 ∂S1 .
hk, ni =
∂x ∧ ∂y

Calculando o fluxo sobre S1 temos


P
ZZ ZZ ZZ
P hk, nidS = ∂S1 ∂S1 dS =
P dxdy.
S1 S1 R
∂x ∧ ∂y

Portanto temos ZZ ZZ
P hk, nidS = P (x, y, f (x, y))dxdy. (4)
S1 R

Analogamente prova-se que


ZZ ZZ
P hk, nidS = −P (x, y, g(x, y))dxdy. (5)
S2 R

De (3), (4) e (5) segue que


ZZ ZZ
P hk, nidS = [P (x, y, f (x, y)) − P (x, y, g(x, y))]dxdy =
σ R

Z Z "Z f (x,y)
#
∂P ∂P
ZZZ
(x, y, z)dz dxdy = (x, y, z)dxdydz.
R g(x,y) ∂z Q ∂z

171
Aula 57: 16/11/2010

Teorema 34 (Teorema de Stokes). Sejam D ⊂ R2 um aberto e γ ∗ a fronteira de D conforme


no Teorema de Green, g : D → R de classe C 2 , σ(u, v) = (u, v, g(u, v)) uma superfı́cie,
γ = g(γ ∗) a fronteira de σ, F um campo de classe C 1 ao longo de σ e n um vetor normal a
σ e unitário, então Z ZZ
F dγ = hrotF, nidS.
γ σ

z σ

D γ∗
x

Figura 83: Teorema de Stokes.

Demonstração: A primeira observação a ser feita é que a superfı́cie σ é dada por z =


g(x, y) e portanto ao calcular a diferencial temos

∂g ∂g
dz = dx + dy.
∂x ∂y

Consideramos agora o campo F como F = (P, Q, R). Então a integral de linha fica
Z Z
F dγ = P dx + Qdy + Rdz =
γ γ

 
∂g ∂g
Z
P (x, y, g(x, y))dx + Q(x, y, g(x, y))dy + R(x, y, g(x, y)) dx + dy =
γ∗ ∂x ∂y
Z    
∂g ∂g
P (x, y, g(x, y)) + R(x, y, g(x, y)) dx + Q(x, y, g(x, y)) + R(x, y, g(x, y)) dy.
γ∗ ∂x ∂y

Chamamos  
∂g
P1 (x, y) = P (x, y, g(x, y)) + R(x, y, g(x, y)) ,
∂x
 
∂g
Q1 (x, y) = Q(x, y, g(x, y)) + R(x, y, g(x, y))
∂y

172
e aplicamos o Teorema de Green para concluir que a última integral de linha é igual a

∂2g
ZZ   Z Z     
∂Q1 ∂P1 ∂Q ∂Q ∂g ∂R ∂R ∂g ∂g
− dxdy = + + + +R
D ∂x ∂y D ∂x ∂z ∂x ∂x ∂z ∂x ∂y ∂x∂y

∂2g
     
∂P ∂P ∂g ∂R ∂R ∂g ∂g
− + − + −R dxdy =
∂y ∂z ∂y ∂y ∂z ∂y ∂x ∂x∂y
Z Z         
∂Q ∂P ∂Q ∂R ∂g ∂R ∂P ∂g
− + − + − dxdy =
D ∂x ∂y ∂z ∂y ∂x ∂x ∂z ∂y
Z Z        
∂R ∂Q ∂g ∂P ∂R ∂g ∂Q ∂P
− − + − − + − dxdy =
D ∂y ∂z ∂x ∂z ∂x ∂y ∂x ∂y
Z Z    
∂R ∂Q ∂P ∂R ∂Q ∂P ∂g ∂g
− , − , − , − ,− ,1 dxdy =
D ∂y ∂z ∂z ∂x ∂x ∂y ∂x ∂y
ZZ  
∂σ ∂σ ∂σ ∂σ
ZZ ZZ
∂x ∧ ∂y dxdy =
rotF, n hrotF, ni
∂x ∧ ∂y dxdy =
hrotF, nidS.
D D σ

11.4 Aplicações
2 y 3
Exemplo: Z Seja F (x, y, z) = (3z − senx, x + e , y − cos z). Use do Teorema de Stokes para
calcular F dγ onde γ(t) = (cos t, sent, 1) com t ∈ [0, 2π].
γ

Solução: A curva γ é uma circunferência no plano z = 1, logo ela pode ser vista como o bordo
da superfı́cie σ(x, y) = (x, y, 1) com (x, y) ∈ K = {(x, y) : x2 + y 2 ≤ 1}.
Agora calculamos o rotacional do campo F

i j k
∂ ∂ ∂ = (3y 2 , −3, 2x)

rotF = ∂x ∂y ∂z
3z − senx x2 + ey y 3 − cos z

e o vetor normal a σ
i j k

n = 1 0 0 = (0, 0, 1).

0 1 0
Portanto usando Stokes temos
Z ZZ ZZ ZZ Z 2π Z 1
F dγ = hrotF, nidS = 2xdS = 2x.1dxdy = 2ρ2 cos θdρdθ =
γ σ σ K 0 0

2π 1 2π
2ρ3 cos θ

2
Z Z
dθ = cos θdθ = 0.
0 3 0 3 0

173
Décima Terceira Lista de Exercı́cios

1. Desenhe a imagem da superfı́cie parametrizada dada:

(a) σ(u, v) = (u, v, 1 − u − v), u ≥ 0, v ≥ 0 e u + v ≤ 1.


√ 
(b) σ(u, v) = u, v, 1 − u2 − v 2 , u2 + v 2 ≤ 1.
(c) σ(u, v) = (u, v, 1 − u2 ), u ≥ 0, v ≥ 0 e u + v ≤ 1.

2. Determine uma parametrização para o conjunto dado


2
y2 z2
 
3 x
(a) (x, y, z) ∈ R : 2 + 2 + 2 = 1 onde a, b e c são constantes positivas dadas.
a b c
(b) (x, y, z) ∈ R3 : x2 + 4y 2 = 1 .


(c) (x, y, z) ∈ R3 : 2x + y + 4z = 5 .


3. Determine o plano tangente à superfı́cie dada no ponto dado.

(a) σ(u, v) = (2u + v, u − v, 3u + 2v) no ponto σ(0, 0).


(b) σ(u, v) = (u − v, u2 + v 2 , uv) no ponto σ(1, 1).

4. Calcule a área da superfı́cie

(a) σ(u, v) = (u, v, u2 + v 2 ), u2 + v 2 ≤ 4.


(b) σ(u, v) = (cosu, v, senu), u2 + 4v 2 ≤ 1.

5. Calcule a área da parte da superfı́cie z = xy que se encontra dentro do cilindro x2 +y 2 ≤ 4


e fora do cilindro x2 + y 2 ≤ 1.

6. Calcule a área da parte do parabolóide elı́ptico z = x2 + 2y 2 que se encontra dentro do


cilindro 4x2 + 16y 2 ≤ 1.
ZZ
7. Calcule f (x, y, z)dS, sendo
σ

(a) f (x, y, z) = x2 + y 2 e σ(u, v) = (u, v, u2 + v 2 ) com u2 + v 2 ≤ 1.


(b) f (x, y, z) = xy e σ a intersecção do parabolóide z = x2 + y 2 com o conjunto
x2 + y 2 ≤ 1, y ≥ 0, x ≥ 0.
(c) f (x, y, z) = x e σ a parte da superfı́cie z 2 = x2 + y 2 situada entre os planos z = 1
e z = 3.

8. Sejam B = {(x, y, z) ∈ R3 |x ≥ 0, y ≥ 0, e 0 ≤ z ≤ 1 − x − y}, σ a fronteira de B e


F = (x, y, z). Verifique que
ZZ ZZZ
hF, nidS = divF dxdydz,
σ B

onde n é a normal unitária que aponta para fora de B.

174
9. Seja B o cilindro {(x, y, z) ∈ R3 |x2 + y 2 ≤ 1 e 0 ≤ z ≤ 1}, σ a fronteira de B. Mostre
que ZZ ZZZ
hF, nidS = divF dxdydz,
σ B

onde n é a normal unitária que aponta para fora de B e F = (xy, −1, z 2 ).


2 2 2
10. Seja F (x,
Z Zy, z) = (0, 0, x + y + z ) e σ a fronteira do cilindro x + y ≤ 4 e 0 ≤ z ≤ 3.
Calcule hF, nidS onde n é a normal unitária que aponta para fora do cilindro.
σ

11. Seja r = (x, y, z) e seja B um compacto no qual o Teorema da Divergência de Gauss se


aplica. Prove que
1
ZZ
VolB = hr, nidS
3 σ
onde σ é a fronteira de B e n é a normal unitária que aponta para fora de B.
ZZ
12. Utilizando o Teorema de Stokes, transforme a integral hrotF, nidS numa integral
σ
de linha e calcule

(a) F (x, y, z) = (0, 0, y), σ(u, v) = (u, v, u2 + v 2 ), com u2 + v 2 ≤ 1, sendo n a normal


unitária apontando para cima.
(b) F (x, y, z) = (y, x2, z), σ(u, v) = (u, v, 2u + v + 1), com u ≥ 0 e u + v ≤ 2, sendo n
a normal unitária apontando para baixo.
(c) F (x, y, z) = (0, x, 0), σ a superfı́cie {(x, y, z) ∈ R3 |0 ≤ z ≤ 1, x2 + y 2 = 1, x ≥
0 e y ≥ 0}, sendo n a normal unitária com componente x positiva.
(d) F (x, y, z) = (y, 0, 0), σ a superfı́cie x2 + y 2 + z 2 = 2, x2 + y 2 ≤ 1 e z ≥ 0, sendo n
a normal unitária apontando para cima.
y2
(e) F (x, y, z) = (−y 2 , x2 , z 2 ), σ a superfı́cie z = x + y + 2 e x2 + ≤ 1, sendo n a
4
normal unitária apontando para cima.

175
Aula 58: 18/11/2010
ZZ
Exemplo: Calcule hF, nidS, onde F = (x2 + senyz, y − xe−z , z 2 ) e σ é a superfı́cie de-
σ
limitada pelo cilindro x2 + y 2 = 4 e os planos x + z = 2 e z = 0.

Solução: Pelo Teorema da Divergência de Gauss temos


ZZ ZZZ
hF, nidS = divF dxdydz.
σ Q

Chamamos C = {(x, y) ∈ R2 : x2 +y 2 ≤ 4} e calculamos o divergente de F , divF = 2x+1+2z.


Logo temos
ZZZ Z Z Z 2−x  ZZ
divF dxdydz = (2x + 1 + 2z)dz dxdy = [2xz + z + z 2 ]2−x
0 dxdy =
Q C 0 C

ZZ ZZ
2
(2x(2 − x) + (2 − x) + (2 − x) )dxdy = (4x − 2x2 + 2 − x + 4 − 4x + x2 )dxdy =
C C

ZZ Z 2π Z 2
2
(−x − x + 6)dxdy = (−ρ3 cos2 θ − ρ2 cos θ + 6)dρdθ =
C 0 0

2π  4 2 Z 2π 
ρ3

ρ 8
Z
2 2
− cos θ − cos θ + 6ρ dθ = −4 cos θ − cos θ + 12 dθ =
0 4 3 0 0 3
 2π
1 1 8
−4 θ + sen2θ − (senθ)2π 2π
0 + (12θ)0 = 20π.
2 4 0 3

Exemplo: Verifique o Teorema de Stokes para F (x, y, z) = (z, x, y) e σ o hemisfério


p
z = a2 − x2 − y 2.

Solução: A fronteira da superfı́cie é a curva z = 0 e x2 + y 2 = a2 , e uma parametrização para


ela é γ(t) = (a cos t, asent, 0), com t ∈ [0, 2π]. Daı́ calculando diretamente a integral de linha
obtemos
Z 2π Z 2π  2π
2 1 1
Z
2 2 2 2
F dγ = 0 + a cos tdt + sent0 = a cos tdt = a t + sen2t = πa2 .
γ 0 0 2 4 0

Por outro lado, o rotacional do campo F é



i j k
∂ ∂ ∂
rotF = ∂x ∂y ∂z = (1, 1, 1).

z x y

Calculando as derivadas parciais de σ obtemos


! !
∂σ x ∂σ y
= 1, 0, − p e = 0, 1, − p .
∂x a2 − x2 − y 2 ∂y a2 − x2 − y 2

176
E portanto o produto vetorial é
!
∂σ ∂σ x y
∧ = p ,p ,1
∂x ∂y a2 − x2 − y 2 a2 − x2 − y 2

e sua norma é
s
∂σ ∂σ x2 y2 a
∧ =
∂x ∂y 2 2 2
+ 2 2 2
+1= p .
a −x −y a −x −y a − x2 − y 2
2

Então sua normal unitária é


p !
x y a2 − x2 − y 2
n= , , .
a a a

Temos
p !
x y a2 − x2 − y 2
ZZ ZZ
hRotF, nidS = + + dS =
σ σ a a a
p
x+y+ a2 − x2 − y 2 ∂σ ∂σ
ZZ

∧ dxdy =
K a ∂x ∂y
p
x+y+ a2 − x2 − y 2 a
ZZ
p dxdy =
K a a − x2 − y 2
2

a 2π
p Z a Z 2π " #
ρ(cos θ + senθ) a2 − ρ2 ρ2
Z Z
p ρdθdρ = p (cos θ + senθ) + ρ dθdρ =
0 0 a2 − ρ2 0 0 a2 − ρ2
" #2π
a a
ρ2
Z Z
p (senθ − cos θ) + ρθ dρ = 2πρdρ = π[ρ2 ]a0 = πa2 .
a2 − ρ2
0 0
0
ZZ
Exemplo: Calcule hF, nidS, onde σ é a fronteira do cubo 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1 e
σ
0 ≤ z ≤ 1, F é dado por F (x, y, z) = (x2 , −1, 1) e n é a normal unitária apontando para fora.

Solução 1 : Podemos considerar σ1 , σ2 , . . . σ6 as seis faces do cubo e daı́ ficamos com


ZZ ZZ ZZ
hF, nidS = hF, nidS + · · · + hF, nidS,
σ σ1 σ6

onde σ1 (u, v) = (u, v, 1), σ2 (u, v) = (u, 1, v), σ3 (u, v) = (1, u, v), σ4 (u, v) = (u, v, 0), σ5 (u, v) =
(u, 0, v) e σ6 (u, v) = (0, u, v), e os vetores normais respectivamente são n1 = (0, 0, 1), n2 =
(0, 1, 0), n3 = (1, 0, 0), n4 = (0, 0, −1), n5 = (0, −1, 0) e n6 = (−1, 0, 0). Temos
ZZ Z 1Z 1 Z 1Z 1
2
hF, n1 idS = h(u , −1, 1), (0, 0, 1)idudv = 1dudv = 1,
σ1 0 0 0 0
ZZ Z 1 Z 1 Z 1 Z 1
2
hF, n2 idS = h(u , −1, 1), (0, 1, 0)idudv = −1dudv = −1,
σ2 0 0 0 0

177
ZZ Z 1 Z 1 Z 1 Z 1
hF, n3 idS = h(1, −1, 1), (1, 0, 0)idudv = 1dudv = 1,
σ3 0 0 0 0
ZZ Z 1 Z 1 Z 1 Z 1
2
hF, n4 idS = h(u , −1, 1), (0, 0, −1)idudv = −1dudv = −1,
σ4 0 0 0 0
ZZ Z 1 Z 1 Z 1 Z 1
2
hF, n5 idS = h(u , −1, 1), (0, −1, 0)idudv = 1dudv = 1 e
σ5 0 0 0 0
ZZ Z 1 Z 1 Z 1 Z 1
hF, n6 idS = h(0, −1, 1), (−1, 0, 0)idudv = 0dudv = 0.
σ6 0 0 0 0

Portanto ZZ
hF, nidS = 1 + (−1) + 1 + (−1) + 1 + 0 = 1.
σ
Solução 2 : Usando o Teorema da Divergência temos
ZZ ZZZ Z 1Z 1Z 1 Z 1 Z 1
hF, nidS = divF dxdydz = 2xdxdydz = [x2 ]10 dydz = 1.
σ K 0 0 0 0 0

178
Aula 59: 25/11/2010

Aula de Dúvidas, Revisão e Exercı́cios.

179
Aula 60: 30/11/2010

Quarta Prova de Cálculo II

1. O campo vetorial dado é conservativo? Justifique.


(a) F (x, y) = (2x + y, 3y 2 + x).
(b) F (x, y, z) = (x − y, x + y + z, z 2 ).

2. Utilizando o Teorema de Green, transforme a integral de linha


Z
(x4 − y 3)dx + (x3 + y 5)dy
γ

numa integral dupla e calcule, onde γ(t) = (cost, sent), com 0 ≤ t ≤ 2π.

3. Considere a superfı́cie σ(u, v) = (2u + v, u − v, 3u + 2v) definida em


B = {(u, v) ∈ R2 : 2u2 + v 2 ≤ 1}.
(a) Calcule o plano tangente à superfı́cie no ponto σ(0, 0).
(b) Calcule a área da superfı́cie.

4. Utilizando o Teorema da Divergência de Gauss, calcule


ZZ
hF, nidS
σ

onde σ é a fronteira do cilindro B = {(x, y, z) ∈ R3 : x2 + y 2 ≤ 1 e 0 ≤ z ≤ 1},


F = (x, y, z 2 ) e n é a normal unitária apontando para fora de B.

ZZ
5. Calcule f (x, y, z)dS, sendo f (x, y, z) = x2 + y 2 e σ(u, v) = (u, v, u2 + v 2 ) com
σ
u2 + v 2 ≤ 1.

Boa Prova!
180
Resolução da Prova

1. (a) O primeiro passo seria calcular o rotacional do campo F , mas nesse caso temos


i j k

∂ ∂ ∂
rotF = ∂x

∂x ∂x
= (0, 0, 0).
2x + y 3y 2 + x 0

Portanto o teste é inconclusivo. Passamos a buscar uma função potencial para o


campo F . Temos
∂ϕ
= 2x + y ⇒ ϕ(x, y) = x2 + xy + h(y).
∂x
Derivando em relação a y e igualando com 3y 2 + x obtemos
∂ϕ
= 3y 2 + x = x + h0 (y) ⇒ h(y) = y 3 + c.
∂y
Portanto o campo F é conservativo e uma função potencial para F é ϕ(x, y) =
x2 + xy + y 3.
(b) Calculando o rotacional de F temos

i j k
∂ ∂ ∂

rotF = ∂x ∂x ∂x
= (−1, 0, 2) 6= (0, 0, 0).

x − y x + y + z z2

Portanto o campo F não é conservativo.


2. Inicialmente observamos que a região K delimitada pela curva é a região interior à
circunferência de raio 1 e centro (0, 0). Portanto, poderemos usar coordenadas polares
com o ρ variando de 0 a 1 e θ variando de 0 a 2π. Pela forma que foi dada a integral de
linha temos que P (x, y) = x4 − y 3 e Q(x, y) = x3 + y 5 . Portanto temos
∂Q ∂P
− = 3x2 + 3y 2.
∂x ∂y
E aplicando o Teorema de Green obtemos
1 2π 1
ρ4


Z ZZ Z Z
4 3 3 5 2 2 3
(x −y )dx+(x +y )dy = (3x +3y )dxdy = 3ρ dθdρ = 6π = .
γ K 0 0 4 0 2

3. (a) O plano tangente é calculado através de


 
∂σ ∂σ
(u0 , v0 ) ∧ (u0 , v0 ), [(x, y, z) − σ(u0 , v0 )] = 0.
∂u ∂v
E como a superfı́cie é dada por σ(u, v) = (2u + v, u − v, 3u + 2v), a expressão
acima fica
h(2, 1, 3) ∧ (1, −1, 2), (x, y, z)i = h(5, −1, −3), (x, y, z)i = 0.
Assim, a equação do plano tangente a σ no ponto (0, 0, 0) é 5x − y − 3z = 0.

181
(b) A área da superfı́cie é dada por
ZZ ZZ √
∂σ ∂σ
ZZ
Área de σ = ∧ dudv = k(5, −1, −3)k dudv = 35dudv.
B ∂u ∂v

B B

Como B é a região interna a uma elipse, usamos a seguinte mudança de coordenadas


 √
 2
 u=
 ρ cos θ
2


 v = ρsenθ

E daı́ a área da superfı́cie é


ZZ √ √ √  2 1 √
Z 2π Z 1 √ 2 √ 2 ρ 70π
Área de σ = 35dudv = 35 ρdρdθ = 35 2π = .
B 0 0 2 2 2 0 2

4. Pelo Teorema da Divergência de Gauss temos


ZZ ZZZ
hF, nidS = divF dxdydz.
σ Q

Chamamos C = {(x, y) ∈ R2 : x2 + y 2 ≤ 1} e calculamos o divergente de F , divF =


2 + 2z. Logo temos
ZZZ Z Z Z 1  ZZ
divF dxdydz = (2 + 2z)dz dxdy = [2z + z 2 ]10 dxdy =
Q C 0 C

2π 1 2π 1 2π
3ρ2

3 3
ZZ Z Z Z Z
3dxdy = 3ρdρdθ = dθ = dθ = 2π = 3π.
C 0 0 0 2 0 0 2 2

5. Pela definição de integral de superfı́cies, chamando K = {(u, v) ∈ R2 : u2 + v 2 ≤ 1},


temos

∂σ ∂σ
ZZ ZZ
f (x, y, z)dS = ∂u ∧ ∂v dudv =
f (σ(u, v))
σ K

ZZ p Z 2π Z 1 p
2 2
(u + v ) (−2u)2 + (−2v)2 + 1dudv = ρ2 4ρ2 + 1ρdρdθ
K 0 0

z−1 dz
Chamando z = 4ρ2 + 1, temos ρ2 = e ρdρ = . Portanto
4 8
Z  3/2
z − 1√ 1 z 1/2 2 z 5/2 2 z 3/2

z
Z p Z
2 2
ρ 4ρ + 1ρdρ = z dz = − dz = − =
4 8 32 32 5 32 3 32

1p 2 1p 2
(4ρ + 1)5 − (4ρ + 1)3 .
80 48
 √ √ √

1 1 1 1 π
Dai a integral de superfı́cies é 2π 55 − 53 − + = [25 5 + 1].
80 48 80 48 60

182