Você está na página 1de 6

16/11/2019 Aventuras na História · Proclamação da República: 130 anos do golpe que derrubou Dom Pedro II

MATÉRIAS » BRASIL

PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA: 130 ANOS DO GOLPE


QUE DERRUBOU DOM PEDRO II
Do acontecimento emblemático ao golpe de 1964, os militares estiveram sempre a
postos para tomar o poder
MÁRCIO SAMPAIO DE CASTRO PUBLICADO EM 15/11/2019, ÀS 00H00

Quadro ilustra o momento em que a República foi proclamada - Wikimedia Commons

"Sigam-me os que forem brasileiros!” De espada em punho, o comandante das tropas do Brasil na Guerra
do Paraguai, Luís Alves de Lima e Silva, abandona sua confortável posição na retaguarda e, do alto de seus
65 anos, lidera a conquista da ponte do rio Itororó, defendida com unhas e dentes pelos paraguaios.

A batalha daquele 6 de dezembro de 1868, que antes desse ato de heroísmo parecia perdida, foi decisiva
para a vitória na guerra, que acabou em 1870. O con ito deu grande poder e prestígio para o Exército
brasileiro – do qual Silva, depois nomeado duque de Caxias, viraria patrono.

Apenas 21 anos após a batalha de Itororó, aqueles que eram brasileiros tiveram que seguir os militares em
outra manobra arrojada: a proclamação da República. Foi o início de um período de quase 100 anos em que
os civis alternaram o poder com os militares. Muitos destes se candidatavam em eleições, é verdade.
Mas, sempre que pintava um período de instabilidade política, havia a expectativa de que os militares
sairiam dos quartéis e tomariam o governo na marra.

“Ao voltar da Guerra do Paraguai, os militares não queriam mais car submetidos à ordem civil. Nasceu aí
um projeto de tomada do poder que se arrastaria por quase todo o século 20 e culminaria com o golpe de
1964”, diz Hernani Maia Costa, historiador da Universidade Estadual de Campinas.

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-brasil-militares-no-poder.phtml 1/6
16/11/2019 Aventuras na História · Proclamação da República: 130 anos do golpe que derrubou Dom Pedro II

Se o Exército foi protagonista da história brasileira em vários momentos da República, no Império a coisa
não era bem assim. A corporação foi criada após a independência, junto com a Armada (antigo nome da
Marinha). Mas, em vez de ser motivo de orgulho, atuar como soldado ou marinheiro em meados do século
19 era um castigo reservado a pobres acusados de delinquência ou vadiagem.

Foi a Guerra do Paraguai que obrigou o Império a valorizar o Exército. Quando voltaram do campo de
batalha, os o ciais passaram a se envolver mais nos grandes debates da época – que incluíam o
questionamento da própria monarquia.

No anoitecer de 14 de novembro de 1889, boatos diziam que o marechal Deodoro da Fonseca, herói no
Paraguai, havia sido preso por desacatar o então primeiro-ministro, visconde de Ouro Preto. Reagindo a
isso, soldados de vários regimentos saíram às ruas da capital, o Rio de Janeiro, na manhã do dia 15.

A notícia era falsa, mas o marechal aproveitou as tropas rebeladas para depor Ouro Preto, seu antigo
adversário político. Enquanto isso, conspiradores militares e civis se apressaram em escrever, na Câmara
Municipal, uma declaração dizendo que o Brasil deixava de ser um império para se tornar uma república.
Deodoro, que estava doente e voltou logo para casa, só assinou o documento à noite.

Apesar de nunca ter sido republicano, o marechal havia saído de casa para derrubar um governo e acabou
derrubando um regime. A proclamação da República se tornava, assim, o primeiro grande golpe militar de
nossa história.

Conduzido à presidência, Deodoro não suportou as intrigas do poder e acabou cedendo o lugar ao seu vice.
O também militar Floriano Peixoto assumiu e, quando teve que passar o cargo para o primeiro presidente
civil, Prudente de Morais, em 15 de novembro de 1894, não apareceu. Decidiu car em sua casa de chinelos,
regando o jardim.

A vez dos jovens

Nos anos seguintes, enquanto fazendeiros paulistas e mineiros se revezavam na presidência, os altos postos
das Forças Armadas eram ocupados por o ciais eruditos, dedicados a esparsos trabalhos burocráticos. Na
outra ponta da hierarquia estavam os jovens o ciais que tocavam as tarefas diárias nos quartéis.

A enorme distância que os separava dos velhos militares daria origem a um movimento com profundo
impacto no país: o tenentismo. Ele surgiu em 1913, com a revista Defesa Nacional, lançada por tenentes que
criticavam as condições precárias das Forças Armadas. Em menos de uma década, a insatisfação com os
superiores e com a corrupta política brasileira levaria aqueles jovens a uma série de rebeliões.

Em 5 de julho de 1922, no Rio de Janeiro, um pequeno grupo tomou o Forte de Copacabana. Quase todos
foram mortos. Entre os sobreviventes estava Eduardo Gomes, que participou do levante seguinte, ocorrido
dois anos depois, em São Paulo. A cidade foi ocupada por quase um mês e os confrontos deixaram 500
mortos e 5 mil feridos.

Derrotados, os tenentistas fugiram para o sul. Revoltas parecidas ocorriam em todas as regiões do Brasil. No
Rio Grande do Sul, o capitão Luís Carlos Prestes e seus homens escaparam das tropas federais e, com os
rebeldes paulistas, iniciaram uma longa marcha por diversos estados, procurando seguidores e fugindo do
governo. Em 1927, a Coluna Prestes, como cou conhecida, entraria na Bolívia em busca de asilo político –
havia percorrido cerca de 25 mil quilômetros.

A indignação nos quartéis continuava. Sob denúncias de fraude eleitoral, em março de 1930, Júlio Prestes foi
eleito presidente, derrotando o gaúcho Getúlio Vargas. Com a ajuda dos tenentistas, surgiu uma
conspiração para impedir que o paulista tomasse posse. Em 24 de outubro de 1930, o ainda presidente
Washington Luís foi deposto, enquanto 3 mil soldados gaúchos, liderados pelo tenente-coronel Góis
Monteiro, chegavam ao Rio de Janeiro. Vargas veio com eles e se rmou como líder da nação.

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-brasil-militares-no-poder.phtml 2/6
16/11/2019 Aventuras na História · Proclamação da República: 130 anos do golpe que derrubou Dom Pedro II

Prestes e Vargas / Crédito: Wikimedia Commons

Pouco a pouco, contudo, o novo governo foi excluindo os tenentistas do poder. Luís Carlos Prestes, que
desde o início tinha se recusado a apoiar Vargas, tentou derrubá-lo com a Intentona Comunista, em
novembro de 1935 – o levante, que ocorreu em Natal, Recife e Rio de Janeiro, foi sufocado rapidamente.
Dois anos depois, usando como pretexto um suposto novo plano comunista de tomar o poder, Vargas
conseguiu o apoio das Forças Armadas para dar um golpe e se consolidar como ditador. 

Quando explodiu a Segunda Guerra, em 1939, Vargas hesitou um bocado, mas acabou optando por mandar
tropas para apoiar os aliados – a Força Expedicionária Brasileira, a FEB, desembarcou na Itália em 1944.
Após o m do con ito, os militares brasileiros caram numa situação estranha: haviam lutado contra o
autoritarismo, mas, ao retornar à pátria, depararam com uma ditadura.

Vargas não poderia mais continuar no poder e, nos bastidores, foi convencido por militares a se retirar. Nas
eleições de 1945, dois deles disputaram a presidência: o agora brigadeiro Eduardo Gomes e o general Eurico
Gaspar Dutra, ex-ministro da Guerra. Dutra venceu e se tornou o segundo e último militar a ser eleito
presidente do Brasil nas urnas – o outro fora o marechal Hermes da Fonseca, que cou no poder entre 1910
e 1914.

Civis na corda bamba

A Segunda Guerra deu lugar à Guerra Fria, com a União Soviética e os Estados Unidos disputando áreas de
in uência ao redor do mundo. No Brasil, as Forças Armadas se alinharam aos americanos. Isso bateu de
frente com o segundo governo de Vargas (que derrotara Eduardo Gomes na eleição para suceder Dutra, em
1951).

De acordo com seus críticos, como o jornalista Carlos Lacerda, o nacionalismo getulista era um sinal de
simpatia pelos soviéticos. Em agosto de 1954, quando um atentado a tiros contra Lacerda matou o major da
aeronáutica Rubens Vaz no Rio de Janeiro, a Força Aérea passou a se opor abertamente a Vargas. Sem o
apoio das outras armas e desmoralizado por ser ligado ao assassinato, o presidente recorreu ao suicídio.

Vargas se foi, mas a tal “ameaça soviética” continuava incomodando. Aos olhos de alguns militares, ela era
encarnada por Juscelino Kubitschek, eleito presidente em outubro de 1955. No mês seguinte, parte das
Forças Armadas, associada a Carlos Lacerda e ao presidente interino Carlos Luz, pôs em prática a
Novembrada – uma tentativa de golpe para impedir Juscelino de tomar posse.

O general Henrique Teixeira Lott, defensor do resultado das urnas, soube do movimento e, em 11 de
novembro, botou tropas nas ruas do Rio de Janeiro, conseguindo a renúncia de Luz. O general havia dado
um golpe para evitar outro.

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-brasil-militares-no-poder.phtml 3/6
16/11/2019 Aventuras na História · Proclamação da República: 130 anos do golpe que derrubou Dom Pedro II

Nas eleições de 1960, Lott se candidatou à presidência. Perdeu para o imprevisível Jânio Quadros, que
acabou renunciando em 24 de agosto de 1961. Seu vice, João Goulart, o Jango, estava em viagem na Ásia. Os
ministros da Marinha, do Exército e da Aeronáutica logo divulgaram um manifesto em que a rmavam
categoricamente a “inconveniência” do retorno de Jango – considerado esquerdista demais – ao Brasil.

Surgiu um clima de tensão poucas vezes visto no Brasil. Assim como Lott garantira a posse de Juscelino, o
general Machado Lopes, sob in uência do governador gaúcho Leonel Brizola, ameaçou colocar o Terceiro
Exército em combate para levar Jango ao poder. Deu certo. Os comandantes das Forças Armadas recuaram
e permitiram o retorno do presidente, que assumiu em 7 de setembro de 1961.

Durante seu governo, Jango propôs reformas econômicas e comprou brigas com militares e com civis. Em 13
de março de 1964, durante um comício, assinou o decreto da reforma agrária – sinal de que ele estava
mesmo disposto a mexer com os grandes proprietários.

Longos 21 anos

Rapidamente espalhou-se o boato de que Jango daria um golpe para se tornar ditador. Mas quem deu o
golpe foram os militares – e, desta vez, nenhum deles se ergueu para defender a “legalidade”. A mobilização
começou tímida, na tarde de 31 de março, com a quartelada de uma divisão de infantaria na cidade mineira
de Juiz de Fora.

Enquanto o governo hesitava, militares que não acreditavam num golpe começaram a aderir ao movimento.
Não houve resistência. Na noite de 1º de abril, Jango se conformou de que aquilo tudo não era mentira:
deixou o cargo e partiu para Porto Alegre, seguindo para o exílio no Uruguai.

O general Humberto de Alencar Castello Branco, um veterano da FEB, assumiu a presidência em 15 de abril
de 1964. Para acabar com a oposição, o novo governo destituiu de seus cargos centenas de juízes, políticos
eleitos e militares. Ainda assim, havia a impressão de que a democracia poderia voltar logo.

“A presença militar, que na política sempre se apresentou para restabelecer a ordem, poderia ter terminado
ainda nos anos 60”, diz o general Sérgio Augusto de Avelar Coutinho, diretor do Clube Militar.

Segundo ele, acontecimentos como o fracassado atentado a bomba de 1966 contra o então ministro da
Guerra, Artur da Costa e Silva, em Recife, deram argumentos para quem se opunha ao m rápido do regime.
“Ações terroristas como essa acabaram reforçando uma corrente messiânica dentro das Forças Armadas,
que só deixaria o poder muito tempo depois.”

Essa “corrente messiânica” era composta por o ciais que acreditavam que o comunismo era uma ameaça
constante e devia ser aniquilado a qualquer preço – por meio de espionagem, tortura e perseguição política.
Costa e Silva, que sucedeu Castello em 1967, era um legítimo membro dessa estirpe, conhecida como “linha
dura”.

Em dezembro de 1968, ele assinou o Ato Institucional número 5, o AI-5, que suspendeu direitos jurídicos dos
cidadãos e abriu caminho para que atrocidades fossem cometidas sem que o regime tivesse que responder
por elas. Emílio Garrastazu Médici, que assumiu a presidência em 1969, endureceu ainda mais o regime.

Novos ares

A situação começaria a mudar em 1974, com a chegada do general Ernesto Geisel ao poder. Com o apoio do
general Golbery do Couto e Silva, chefe da Casa Civil, ele criou um plano para a volta à democracia,
anunciado como uma “lenta, gradativa e segura distensão”. Estudiosos argumentam que a principal razão da
abertura teria sido o medo de perder o controle do regime.

Essa ameaça cou clara durante o governo Geisel. Mesmo que ele tentasse conter a violência dos militares,
os assassinatos políticos não pararam (como o do jornalista Vladimir Herzog, em outubro de 1975).

A insubordinação dos militares contrários à abertura fez Geisel demitir seu ministro do Exército, Sylvio Frota,
em outubro de 1977. A medida tirou do governo o mais graduado linha dura e indicou que o m da ditadura
estava próximo. Outro sinal foi a revogação do AI-5, em janeiro de 1979. Dois meses depois, o general João

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-brasil-militares-no-poder.phtml 4/6
16/11/2019 Aventuras na História · Proclamação da República: 130 anos do golpe que derrubou Dom Pedro II

Baptista Figueiredo assumiu o poder e teve que se acostumar às manifestações populares que contestavam
o regime, culminando com a campanha pelas eleições diretas, em 1984.

Após a morte de Tancredo Neves, Sarney chegou à presidência, no ano seguinte, a transição estava
completa. Na última entrevista que deu antes de sair do poder, Figueiredo deu um recado ao povo
brasileiro: “Me esqueçam”. E, repetindo o gesto de Floriano Peixoto no século 19, ele também não foi à
posse de seu sucessor civil.

Com o desgaste dos militares em decorrência da ditadura e o amadurecimento da democracia, a situação


deles mudou bastante na época. 

+ Saiba mais sobre o tema através de importantes obras

1889: A República Não Esperou o Amanhecer, Hélio Silva, Civilização Brasileira, 1972 -
https://amzn.to/32KoMZl

As Ilusões Armadas – A Ditadura Envergonhada, Élio Gaspari, Cia. das Letras, 2002 (Kindle) -
https://amzn.to/375uxEj

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação
deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a
revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos
links nesta página.
Juscelino Kubitschek Luís Carlos Prestes Washington Luís proclamação da República Floriano Peixoto Getúlio Vargas Eurico Gaspar Dutra

Prudente de Morais Forças Armadas Exército brasileiro Carlos Lacerda militares

Leia também

Personagem Personagem
DOM PEDRO II: O IMPERADOR TURISTA 10 FATOS CURIOSOS SOBRE DOM PEDRO II

Guerras Brasil Brasil


OS 10 LÍDERES MILITARES MAIS VLADIMIR HERZOG: A EXECUÇÃO QUE ABALOU DOM PEDRO II - A HISTÓRIA NÃO CONTADA: O
FRACASSADOS DA HISTÓRIA O BRASIL EM 1975 ÚLTIMO IMPERADOR DO NOVO MUNDO

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-brasil-militares-no-poder.phtml 5/6
16/11/2019 Aventuras na História · Proclamação da República: 130 anos do golpe que derrubou Dom Pedro II

MAIS LIDAS
O que aconteceu com a Família Imperial brasileira
após a queda da monarquia?

Negros ou brancos? A nal, de que raça eram os


egípcios?

8 fatos curiosos sobre a princesa Isabel

Proclamação da República: 130 anos do golpe que


derrubou Dom Pedro II

Como acharam o bunker de Hitler?

Juiz libera o uso de propaganda nazista em Santa


Catarina

GRUPO PERFIL - Argentina, Brasil, Portugal e Uruguai

AnaMaria | Aventuras na História | CARAS | Contigo | Exitoína | Máxima | Sportbuzz | Recreio | Sou+Eu |
VivaMais

AUDIÊNCIA DA PERFIL BRASIL:


Páginas Vistas 252.014.284 (jun/2019)
Visitantes Únicos   65.904.448 (jun/2019)

PERFIL Brasil
Av. Eusébio Matoso, 1.375 5º andar - 05423-905 | São Paulo, SP

Anuncie no Grupo Per l


+55 (11) 2197-2000 ou comercialon@caras.com.br

Clique aqui e conheça nosso Mídia Kit

Copyright Grupo Per l. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Per l.com Ltda.

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/historia-brasil-militares-no-poder.phtml 6/6