Você está na página 1de 6

1- As encefalopatias espongiformes transmissíveis humanas são doenças associadas a formas anormais da proteína príon (PrP),

normalmente expressada em neurônios e codificada pelo gene PRNP, localizado no cromossomo 20. Fazem parte do grupo a doença
de Creutzfeldt-Jakob (CJD), a síndrome de Gerstmann-Sträussler-Scheinker (GSS), a insônia familiar fatal (FFI) e o kuru. Nos casos
familiais (herdados) (aproximadamente 15% do total de casos), foram identificadas certas mutações no gene PRNP. Tais mutações
favorecem a ocorrência da doença ou de certos padrões patológicos. Como exemplo, podemos citar mutações relacionadas à
transcrição do códon 129. Indivíduos homozigotos para a metionina ou para a valina nessa região são proporcionalmente mais
numerosos entre os casos de CJD, enquanto a heterozigose met/val ao nível deste códon parece proteger da doença. A doença ocorre
quando a proteína príon sofre uma alteração conformacional, passando de sua isoforma normal (Prpc – rica em estrutura a-hélice)
para uma isoforma alterada (PrPsc – rica em estrutura b-pregueada). A alteração conformacional pode ocorrer espontaneamente a
taxas extremamente baixas, resultando nos casos esporádicos; com freqüência mais alta como em certas mutações no gene PRNP; ou
mesmo através da dieta ou inoculação em hospedeiros susceptíveis (forma infecciosa). Se o animal tiver sido geneticamente
modificado para não produzir a proteína PrP através de inativação do gene PRNP, este animal será resistente à infecção. Que
argumento biologicamente correto pode ser usado para justificar a frase sublinhada?
a) A proteína alterada (PrPsc), quando presente, promove a alteração conformacional nas moléculas vizinhas da proteína PrP normal.
b) A proteína alterada (PrPsc), quando ausente, promove a alteração conformacional nas moléculas vizinhas da proteína PrP normal.
c) A proteína normal (PrPc), quando presente, promove a alteração conformacional nas moléculas vizinhas da proteína PrP normal.
d) A proteína normal (PrPs), quando presente, promove a alteração isoforma nas moléculas vizinhas da proteína PrP normal.
e) Não há nenhuma relação estabelecida entre as proteínas alteradas e a alteração conformacional nas moléculas vizinhas da proteína
PrP normal.

2- Nos últimos dias a mídia tem repercutido as discussões da Convenção sobre Mudança Climática, que entre tantos temas, tratou de
forma mais enfática, da questão do Efeito (de) Estufa. É verdade que ações antropogênicas têm sido a grande causa deste
desequilíbrio, que, por sua vez, acentua a cada ano, uma diferença de temperatura na biosfera. Biologicamente é correto admitir, a
ainda que pequena variação de temperatura, como sendo um agente (fator) de seleção natural. Já há estudos em suficiência,
demonstrando que tal incremento térmico produz insidiosamente efeitos negativos no ciclo de vida de muitas espécies. A seleção
natural co-participa dos mecanismos evolutivos que concorrem para a especiação. Um outro exemplo que reforça tais mecanismos é
o relatado a seguir:

“A jararaca-ilhoa (Bothrops insularis), serpente peçonhenta da Ilha da Queimada Grande, litoral de são Paulo, possui peçonha
(veneno) até cinco vezes mais potente do que a espécie mais aparentada existente no continente, a jararaca-comum (Bothrops
jararaca). Ao contrário da jararaca-comum, cujos adultos se alimentam, principalmente de roedores, a jararaca-ilhoa se alimenta
basicamente de pássaros, uma vez que na ilha não existem mamíferos de pequeno porte, é do seu nicho também subir em árvores e
possuir hábitos noturnos. Essas duas espécies, de acordo com a idéias atuais, de evolução e biodiversidade, tiveram um ancestral
comum, com ampla distribuição. Mas com a formação da ilha, uma população teria ficado isolada, pela elevação do nível do
mar, diferenciando-se em jararaca-ilhoa.”

Que processos (mecanismos) evolutivos, dentro da visão sistemática filogenética, estão diretamente
relacionados ao surgimento das duas espécies referidas nas partes grafadas texto?
a) Raciação e parapatria.
b) Cladogênese e anagênese.
c) Peripatria e raciação.
d) Anagênese e mutação.
e) Crossing-over e cladogênese.

3- Leia atentamente as informações sobre o medicamento abaixo:

PANKREOFLAT ®
PANCREATINA, DIMETICONA
Composição - Cada drágea contém:
*Pancreatina Triplex.................................... 170 mg*
Dimeticona ................................................ 80 mg
*Pancreatina de origem suína contendo 6.500 unidades FIP de lipase, 5.500 unidades FIP de amilase e 400 unidades FIP de protease.
Informação ao Paciente:
Pankreoflat está indicado para os distúrbios digestivos decorrentes de problemas do pâncreas, particularmente quando estes
problemas estão associados à formação excessiva de gases no intestino e à produção insuficiente de enzimas digestivas.
A administração concomitante de antiácidos (hidróxido de alumínio, carbonato de magnésio) pode prejudicar a ação de alguns
componentes deste medicamento.
Cuidados de armazenamento:
Conserve o produto na embalagem original e ao abrigo do calor.

Considerando o conteúdo enzimático do Pankreoflat, podemos afirmar que:


a) A administração concomitante de antiácidos (hidróxido de alumínio, carbonato de magnésio) não pode prejudicar a ação de alguns
componentes deste medicamento pois as enzimas independem do pH do meio para atuar em seu substrato específico.
b) A administração concomitante de antiácidos (hidróxido de alumínio, carbonato de magnésio) não pode prejudicar a ação de alguns
componentes deste medicamento pois o efeito que interfere diretamente neste caso é a temperatura.
c) A administração concomitante de antiácidos (hidróxido de alumínio, carbonato de magnésio) pode prejudicar a ação de alguns
componentes deste medicamento pois a concentração do substrato não é adequada para tal.
d) A administração concomitante de antiácidos (hidróxido de alumínio, carbonato de magnésio) pode prejudicar a ação de alguns
componentes deste medicamento pois as enzimas estomacais dependem do pH ácido para atuar em seu substrato específico.
e) A administração concomitante de antiácidos (hidróxido de alumínio, carbonato de magnésio) não pode prejudicar a ação de alguns
componentes deste medicamento pois o pH ótimo para a atuação das enzimas estomacais é alcalino.

4- Suíça testa nova droga anti-insônia

Um grupo de pesquisadores que estuda a narcolepsia, doença que faz as pessoas adormecerem subitamente, está transformando o
conhecimento que produziu em uma nova maneira de ajudar outro grupo de pessoas: os insones. Em estudo publicado na "Nature
Medicine" cientistas de um laboratório suíço relataram como conseguiram reverter o problema dos insones ao bloquear a ação de
uma molécula chamada orexina no cérebro de animais e pessoas. Essa substância é importante para manter o estado de vigília e é
uma molécula ausente no cérebro dos narcolépticos (ver informações fornecidas nos dados ). Por isso os portadores dessa doença não
conseguem dormir e acordar em ciclos normais. A equipe que publicou o estudo conseguiu produzir uma droga anti-insônia que imita
a ação da orexina em pacientes com narcolepsia. Estudos estão sendo feitos agora para avaliar a dosagem ideal para o medicamento.
(Folha on line, 29/01/2007, com adaptações)

Dados:
A orexina ou hipocretina é um precursor de dois neurotransmissores polipeptídeos - orexina A e orexina B - que são produzidos pelas
células de um pequeno núcleo do hipotálamo e estão relacionados com a regulação do sono/vigília, fome, metabolismo e homeostase.
A orexina/hipocretina apresenta 131 aminoácidos e é produzida a partir de um RNAm maduro de 577 bases, transcrito pelo gene
HCRT, região do DNA localizada no cromossomo 17 com 1.393 pb (pares de bases). Os neuropeptídeos orexina A e orexina B
maduros são produzidos por um processo proteolítico (póstraducional) a partir do precursor orexina/hipocretina: a orexina A
corresponde, na proteína precursora, aos aminoácidos de posição 34 (glutamina) a 67 (glicina) e a orexina B, aos aminoácidos de
posição 70 (arginina) a 97 (metionina). Uma mutação no gene HCRT que provoca a substituição de uma leucina por uma arginina na
posição 16 da proteína precursora (LEU16ARG) foi associada à narcolepsia. Abaixo são dadas as seqüências parentais (recebidas de
cada um dos pais) responsáveis pela tradução do aminoácido 16 de três indivíduos.

Indivíduo 1
GAA (seqüência materna)
GAG (seqüência paterna)

Indivíduo 2
GAC (seqüência materna)
GCC (seqüência paterna)

Indivíduo 3
GCC (seqüência materna)
TCT (seqüência paterna)

Levando em conta as informações contidas no texto e nos dados e sabendo que os códons da leucina são UUA, UUG, CUU, CUC,
CUA e CUG, e que os códons da arginina são CGU, CGC, CGA, CGG, AGA E AGG, responda qual(is) do(s) indivíduo(s)
provavelmente sofre(m) de narcolepsia.
a) 1
b) 2
c) 3
d) 1 e 2
e) 1 e 3

INSTRUÇÃO: Para responder à próxima questão, leia as informações a seguir e assinale com V (verdadeiro) ou F (falso) os
parênteses que preenchem as afirmativas sugeridas para completar o texto.
A cadeia normal da β-globina da hemoglobina humana é codificada pelo alelo A. Na anemia falciforme, a cadeia da β-globina
encontra-se alterada em decorrência de um alelo mutado (alelo S). Essa alteração faz com que a hemoglobina forme agregados,
causando deficiências nas células vermelhas do sangue. Em regiões onde a malária é endêmica, verificou- se que portadores do alelo
S possuem boa proteção contra ela, pois conseguem degradar com rapidez os eritrócitos infectados pelo parasito. Nas regiões onde há
presença de malária e de anemia falciforme, portanto, indivíduos
( )homozigotos AA são os que possuem mais vantagens na população.
( )heterozigotos AS apresentam anemia falciforme e malária.
( )heterozigotos AS resistem à malária com facilidade.
( )homozigotos SS são afetados pela anemia falciforme.
A seqüência correta de preenchimento dos parênteses, de cima para baixo, é
A) V – V – V – F
B) V – V – F – F
C) V – F – V – V
D) F – F – V – V
E) F – V – F – V

6- Leia o texto abaixo:


As mitocôndrias contra-atacam

Quando o primeiro Parasite Eve (Sony) foi lançado, há dois anos, muitos gamemaníacos aprenderam um pouco de
Biologia na marra. As vilãs do jogo são mitocôndrias geneticamente evoluídas, que resolvem acabar com a humanidade (vista por
elas como parasitas de sua raça) e criar o ser perfeito. A heroína do game é uma policial chamada Aya, que consegue vencer as
criaturas. Ou pensava que tinha vencido, pois anos depois a ameaça das mitocôndrias está de volta. Misturando ação, terror e
elementos de RPG, o jogo prima pelo visual e pelos complicados enigmas. E ensina um pouquinho mais de biologia...
Denis Russo Burgierman.
(Superinteressante, ano 14, n.º 12, dezembro2000)

Se o jogo citado no artigo realmente colabora ensinando um pouquinho de biologia eu não sei, até porque, se levarmos em
consideração a teoria na qual este jogo provavelmente está baseado, a relação de parasitismo relatada no mesmo não é real. Que
teoria é essa e por que a relação de parasitismo citada não está correta?
a) Protocooperacionismo, não sendo parasitismo porque neste caso ambos ambos têm vantagens que a eles conferem melhorar sua
condição metabólica.
b) Inquilinismo, pois no parasitismo ambos têm desvantagens evolutivas.
c) Forésia, neste caso difere do parasitismo pois não há indícios de prejuízo para a espécie transportada.
d) Antibiose, pois está caracterizada uma associação antagonística em que um organismo causa efeito prejudicial no crescimento
ou desenvolvimento de outro.
e) Endossimbiose, que difere do parasitismo pois neste último há o prejuízo de uma espécie para o benefício de outra, o que não
ocorre no primeiro, pois ambos tem vantagens metabólicas no processo.

7- A novela Vale Tudo marcou época, porque os vilões eram tão ou mais carismáticos que os mocinhos. Todos se lembram de
Maria de Fátima (Glória Pires) e da megera Odete Roitman (Beatriz Segall) e sua filha alcoólatra, Heleninha Roitman (Renata
Sorrah, nos tempos pré-Nazaré). Heleninha vivia bêbada, com rompantes de violência, e entrava em coma alcoólico várias vezes
durante a trama. Por fim, tratou-se e conseguiu livrar-se do vício, fato que fez a atriz ganhar vários fãs e lugar cativo em reuniões
dos Alcoólatras Anônimos. A revelação do assassino, ou melhor, assassina (Leila, personagem de Cássia Kiss) de Odete fez o
país parar. Sessões de teatro e de cinema foram canceladas, companhias aéreas mudaram horários de vôos, algo nunca visto. Ainda
assim, a discussão sobre o alcoolismo foi importante, alertando a população para o vício tão comum. Concentrações de álcool acima
de 400 mg/dL de sangue provocam insuficiência respiratória, coma e morte. Que região do SNC seria deprimida pela ação do álcool
nesta situação?
a) Mesencéfalo
b)Tronco encefálico (bulbo)
c) Ponte
d) Tálamo
e) Hipocampo

8- A denominação C3 advém do fato da maioria das plantas verdes formarem como primeiro produto estável da cadeia bioquímica da
fotossíntese o ácido 3-fosfoglicérico (3-PGA), uma molécula com 3 carbonos. De forma bastante simplificada, a fotossíntese C3
envolve a adição de uma molécula de CO2 – reação de carboxilação – em uma molécula aceptora constituída de 5 carbonos e dois
átomos de fósforo, a ribulose 1,5 bisfosfato (RUBP). A Rubisco (ou seja, a ribulose 1,5 bisfosfato carboxilaseoxigenase) é a enzima
responsável pela carboxilação no ciclo C3¸ também conhecido como ciclo de Calvin-Benson. A RUBP sofre uma série de mudanças
envolvendo gasto de NADPH e ATP – reações de redução – originando no final do processo a triose fosfato. Ao mesmo, através de
reações de regeneração, novas moléculas de RUBP são formadas, garantindo a continuidade da fixação do carbono. Na carboxilação
da fotossíntese C3, o CO2 é introduzido na molécula de RUBP (5 carbonos) através da RUDP carboxilase (Rubisco), originando uma
hexose (6 carbonos) instável que é rapidamente hidrolisada, formando 2 moléculas com 3 carbonos cada, o 3-PGA. As plantas C4
são assim chamadas por formarem como primeiro produto da fotossíntese o ácido oxalacético (4C), o qual é rapidamente reduzido à
ácido málico e ácido aspártico, ambos com 4C, porém mais estáveis. Estruturalmente, outra diferença entre as plantas C3 e C4 é a
presença nestas últimas de uma camada proeminente de células clorofiladas envolvendo os feixes condutores da folha (“anatomia
Kranz” ou “síndrome de Kranz”). Nestas plantas, além da presença da Rubisco, confinada às células da bainha Kranz, é encontrada
nas células do mesofilo foliar a fosfoenolpirúvico carboxilase (PEPcase), uma enzima com uma afinidade muito maior pelo CO2 do
que a primeira. A compartimentação espacial das duas enzimas faz com que o CO2 fixado pela PEPcase se transloque, via malato e
aspartato, até a bainha dos feixes vasculares, onde ocorre a descarboxilação com a entrada do carbono no ciclo de Calvin-Benson.
Plantas suculentas de deserto ou habitats sujeitos a secas periódicas apresentam fotossíntese diferenciada das plantas C3 e C4. Elas
apresentam o metabolismo ácido crassuláceo, por isso são conhecidas como plantas MAC ou CAM. São caracterizadas por fecharem
os estômatos durante o dia, assimilando o CO2 durante a noite (PEPcase; malato/4C). A descarboxilação do malato acumulado no
vacúolo durante a noite permite que o CO2 liberado durante o dia seja incorporado ao ciclo de Calvin- Benson (Rubisco). Embora
bioquimicamente estes processo de fixação de CO2 seja igual ao realizado pelas plantas C4, uma das diferenças mais acentuadas
entre ambos é a ocorrência da compartimentação temporal nas plantas CAM.
Explique, do ponto de vista evolutivo, a existência da fotossíntese CAM em muitas plantas que vivem nos desertos.
a) O CO2 é captado através dos estômatos que, quando se abrem, permitem também a saída de água. Nos desertos, manter os
estômatos fechados durante o dia quando a temperatura é mais alta, deve ter representado uma adaptação muito vantajosa, pois reduz
a perda de água.
b) O CO2 é captado através dos estômatos que, quando se fecham, permitem também a saída de água. Nos desertos, manter os
estômatos fechados durante o dia quando a temperatura é mais alta, deve ter representado uma adaptação muito vantajosa, pois reduz
a perda de água.
c) O CO2 é captado através dos estômatos que, quando se abrem, permitem também a saída de água. Nos desertos, manter os
estômatos abertos durante o dia quando a temperatura é mais alta, deve ter representado uma adaptação muito vantajosa, pois reduz a
perda de água.
d) O CO2 é captado através dos folíolos que, quando se abrem, permitem também a entrada de água. Na taiga, manter os estômatos
fechados durante o dia quando a temperatura é mais alta, deve ter representado uma adaptação muito vantajosa, pois reduz a perda de
água.
e) O CO2 é captado através dos estômatos que, quando se abrem, permitem também a saída de água. Nos desertos, manter os
estômatos fechados durante o dia quando a temperatura é mais baixa, deve ter representado uma adaptação muito vantajosa, pois
reduz a perda de água.
9- O HIV, vírus que causa a Aids, infecta principalmente células que apresentam em sua superfície uma molécula chamada CD4 —
presente especialmente nos linfócitos T-helper (os que 'coordenam* a resposta do organismo a agentes invasores) e nos macrófagos
(leucócitos que 'ingerem' e digerem os agentes invasores, apresentando ao sistema imunológico os antígenos que desencadeiam a
resposta contra os mesmos). A molécula CD4 serve como receptor do vírus, assemelhando-se a uma 'fechadura* que ele precisa abrir
para entrar na célula. Para infectar células humanas, porém, é preciso abrir, ao mesmo tempo, outra fechadura (uma molécula
denominada receptor de quimiocinas), que serve de co-receptor para o vírus. Quimiocinas são substâncias usadas por células do
sistema de defesa como um sistema de comunicação, e a presença de seus receptores (entre eles a molécula CCR 5) na superfície de
células também é essencial para que a infecção ocorra. Segundo dados já conhecidos, os indivíduos que apresentam mutação em
ambos os alelos do gene que codifica a CCR 5 (cerca de 1% da população caucasiana) seriam menos suscetíveis à infecção pelo HIV,
pois este não conseguiria abrir essa fechadura modificada. Nos que têm apenas um alelo mutado (cerca de 15% das pessoas com
ascendência européia), a progressão da imunodeficiência causada por esse vírus é mais lenta. (Ciência Hoje, vol. 31 - n° 185, agosto
2002)
Baseando-se no texto e em conhecimentos correlatos, diga qual a freqüência desse alelo na população sabendo-se que o
alelo mutado é recessivo e a população caucasiana panmítica e estável.
a) 0,001
b) 0,01
c) 0,1
d) 1
e) 10

10- “Quem já viajou pelo Brasil, certamente atravessou extensos chapadões, cobertos por uma vegetação de pequenas árvores
retorcidas, dispersas em meio a um tapete de gramíneas. Durante os meses quentes de verão, quando as chuvas se concentram e os
dias são mais longos, tudo ali é muito verde. No inverno, ao contrário, o capim amarelece e seca; quase todas as árvores e arbustos,
por sua vez, trocam a folhagem senescente por outra totalmente nova. Mas não o fazem todos os indivíduos a um só tempo. Enquanto
alguns ainda mantém suas folhas verdes, outros já as apresentam amarelas ou pardacentas, e outros já se despiram totalmente delas”.
(Disponível em: http://eco.ib.usp.br/cerrado/ . Acessado em: 23/ agosto/2008)
Sobre esse bioma pode-se afirmar que apresenta ainda:
I. Muitas variedades de árvores com casca grossa lembrando a cortiça, devido ao excesso de nutrientes do solo.
II. Muitas plantas com raízes longas, que permitem a absorção da água em lençóis freáticos muito distantes da superfície.
III. Plantas com folhas modificadas em espinhos, caules que armazenam água e cutícula altamente permeável.
IV. Muitas trepadeiras e epífitas, ausência de samambaias e avencas, muitas espécies de anfíbios e animais invertebrados.
Está correto o contido em
(A) II, apenas.
(B) III e IV, apenas.
(C) IV e V, apenas.
(D) I, II e IV, apenas.
(E) I, II, III e V.

11- O estudo das fases de um ciclo celular completo de 17 h e 30 min, em amostras de tecido cancerígeno, determinou os seguintes
períodos para as subfases S=10 h e 30 min; G2 = 3 h e 30 min G2 + ½ Mitose = 4 h e 45 min. Com base nesses dados, assinale
CORRETAMENTE o período em horas para a subfase G1.
a) ½ hora
b) 1 hora
c) 1 ½ hora
d) 2 horas
e) 3 horas

12- A insulina humana recombinante (lH-r), um dos mais significativos produtos do avanço científico nacional na área
da engenharia genética, está prestes a chegar ao mercado, com o nome de Biohulin: a empresa BIOBRAS, uma das
quatro empresas em todo o mundo e a única no hemisfério sul a deter a tecnologia de produção desta insulina, inicia em
1999 a comercialização do produto. Uma parceria entre a BIOBRÁS e a Universidade de Brasília (UnB), em 1988, deu
início aos trabalhos. Ao grupo da UnB coube a parte de Biologia Molecular, desenvolvendo clones de bactérias
produtores de insulina. Esta conquista tecnológica permitirá o desenvolvimento de outros medicamentos, como o
hormônio de crescimento, o interferon e a calcitonina. Tais clones bacterianos podem ser considerados seres
transgênicos ?
a) Sim, pois as bactérias mencionadas no enunciado foram geneticamente modificados, recebendo um gene da espécie humana, sendo
consideradas transgênicas. As cópias produzidas a partir da matriz são clones geneticamente idênticos.
b) Sim, pois as bactérias mencionadas no enunciado foram geneticamente modificados, recebendo um gene da espécie humana,
sendo consideradas transgênicas. As cópias produzidas a partir da matriz são clones geneticamente diferentes.
c) Sim, pois as bactérias mencionadas no enunciado foram geneticamente modificados, recebendo dois genes atípicos da espécie
humana, sendo consideradas transgênicas. As cópias produzidas a partir da matriz são clones geneticamente idênticos.
d) Sim, pois as bactérias mencionadas no enunciado foram geneticamente modificados, recebendo dois genes da espécie humana,
sendo consideradas mutantes. As cópias produzidas a partir da matriz são clones geneticamente semelhantes.
e) Sim, pois as bactérias mencionadas no enunciado foram transmutadas, recebendo um gene da espécie humana, sendo consideradas
transposons. As cópias produzidas a partir da matriz são clones geneticamente idênticos.

13- Não é possível, para um biólogo atual, imaginar que possa existir vida sem a água. Quando se especula sobre a existência de vida
em outros planetas, um dado fundamental a ser considerado é se, nesses planetas, existe ou não a água, condição obrigatória para a
vida como a conhecemos. Os primeiros organismos, há alguns bilhões de anos, certamente surgiram na água, nos mares primitivos.
Bem mais tarde, alguns seres vivos saíram do mar colonizando o ambiente seco; no entanto, “carregaram” no seu corpo grande
porcentagem de água. É como se ao sair do mar tivessem “levado” parte do mar com eles! A sobrevivência de plantas e de animais
terrestres, assim, depende em grande parte de sua capacidade de conseguirem equilibrar os ganhos e as perdas de água, mantendo
sempre um meio interno favorável. A partir da análise do texto acima e considerando que a vida tenha surgido da matéria inanimada,
por meio de inúmeras reações químicas que culminaram com a produção de matéria orgânica e, posteriormente, do primeiro ser vivo,
qual seria a justificativa mais adequada sobre a citação sublinhada no texto?
a) A água trabalha como solvente universal, dissociando as moléculas maiores em menores.
b) A água é isolante térmica, impedindo que variações bruscas de temperatura possam causar distúrbios no metabolismocelular.
c) A água, além de atuar como meio natural de ocorrência de reações químicas, participa também como reagente e produto nas
reações metabólicas que resultam na formação de matéria orgânica.
d) A água é condutora de eletricidade, desde que as concentrações iônicas sejam adequadas.
e) A água tem alto calor latente de vaporização, o que garante a regulação térmica dos homeotermos (homeostasia).

14- Analise a figura a seguir:

(JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO. J. Bio cel e mol. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2000, p. 79.)

Com base na figura e nos conhecimentos sobre o tema, analise as afirmativas a seguir:
I. Graças a seus receptores específicos, a membrana tem a capacidade de reconhecer outras células e diversos tipos de moléculas
como, por exemplo, hormônios. Este reconhecimento, pela ligação de uma molécula específica com o receptor da membrana,
desencadeia uma resposta que varia conforme a célula e o estímulo recebido.
II. Os lipídios das membranas são moléculas longas com uma extremidade hidrofílica e uma cadeia hidrofóbica. As macromoléculas
apresentam uma região hidrofílica e, portanto, solúvel em meio aquoso e uma região hidrofóbica, insolúvel em água, porém solúvel
em lipídios.
III. A membrana celular é permeável à água. Colocadas em uma solução hipertônica, as células aumentam de volume devido à
penetração de água. Se o aumento de volume for acentuado, a membrana plasmática se rompe e o conteúdo da célula extravasa,
fenômeno conhecido como desplasmólise.
IV. Quando colocadas em solução hipotônica, as células diminuem de volume devido à saída de água. Havendo entrada ou saída de
água, a forma da célula fica inalterada, por ser, em parte, determinada pelo estado de hidratação dos colóides celulares e pela rigidez
oferecida pela parede celular.
Assinale a alternativa que contém todas as afirmativas corretas.
a) I e II.
b) I e III.
c) II e IV.
d) I, III e IV.
e) II, III e IV.

15- A explosão demográfica no mundo pobre foi tão sensacional porque as taxas de nascimento básicas nesses países foram em
geral muito mais altas que as dos períodos históricos correspondentes nos países “desenvolvidos”, e porque a enorme taxa de
mortalidade, que antes continha a população, caiu como uma pedra a partir da década de 1940 – quatro ou cinco vezes mais rápido
que a queda correspondente na Europa do século XIX. Pois, enquanto na Europa essa queda teve que esperar a melhoria gradual
dos padrões de vida e ambientais, a tecnologia moderna varreu o mundo dos países pobres como um furacão na Era de Ouro, sob a
forma de remédios modernos e da revolução dos transportes. A partir da década de 1940, a inovação médica e farmacêutica pela
primeira vez estava em condições de salvar vidas em escala maciça (por exemplo, com DDT e antibióticos), o que antes nunca
pudera fazer, a não ser talvez no caso da varíola. Assim, enquanto as taxas de natalidade permaneciam altas, ou mesmo cresciam
em tempos de prosperidade, as taxas de mortalidade despencavam – no México, caíram em mais da metade nos 25 anos após 1944 –
e a população disparava para cima, embora nem a economia, nem as instituições houvessem necessariamente mudado muito.
(Eric Hobsbawm. Era dos extremos. Tradução)
A respeito de algumas informações citadas no texto, foram feitas três afirmações:
I. A varíola não foi controlada no início da década de 40 porque os cientistas não tinham conseguido sinteti-zar um antibiótico eficaz
contra o microrganismo causador dessa doença. Foi após a descoberta da penicilina que a varíola foi erradicada.
II. A varíola é um exemplo de doença que foi erradicada e atualmente existem algumas doenças (como a poliomielite) que podem
ser erradicadas com a aplicação de vacinas específicas.
III. Os antibióticos são formados por substâncias que, basicamente, podem destruir algumas estruturas das bactérias ou impedir a sua
reprodução. Está correto apenas o contido em
a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.

16-