Você está na página 1de 24

Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A

Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

NORMA ABNT NBR


BRASILEIRA 6327

Segunda edição
31.05.2004

Válida a partir de
30.06.2004

Versão corrigida
31.01.2006

Cabo de aço para uso geral

Steel wire ropes for general purposes

Palavra-chave: Cabo de aço


Descriptor: Wire rope

ICS 77.140.65

Número de referência
ABNT NBR 6327:2004
20 páginas

© ABNT 2004
Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

© ABNT 2004
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser
reproduzida ou utilizada em qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e
microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT.

Sede da ABNT
Av. Treze de Maio, 13 – 28º andar
20003-900 – Rio de Janeiro – RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 2220-1762
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br

Impresso no Brasil

ii © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Sumário Página

Prefácio............................................................................................................................................................... iv
1 Objetivo ..................................................................................................................................................1
2 Referências normativas ........................................................................................................................1
3 Definições ..............................................................................................................................................2
4 Classes e construções de cabos de aço ............................................................................................3
4.1 Classificação..........................................................................................................................................3
4.2 Construção.............................................................................................................................................4
4.3 Resistência à tração..............................................................................................................................4
4.4 Sentidos e tipo de torção .....................................................................................................................4
5 Materiais .................................................................................................................................................4
5.1 Arame do cabo.......................................................................................................................................4
5.2 Almas ......................................................................................................................................................4
5.2.1 Almas de fibra........................................................................................................................................4
5.2.2 Almas de aço .........................................................................................................................................5
5.3 Lubrificantes ..........................................................................................................................................5
6 Características do cabo........................................................................................................................5
6.1 Perna.......................................................................................................................................................5
6.2 Cabos......................................................................................................................................................5
6.3 Lubrificação do cabo ............................................................................................................................6
6.4 Diâmetro do cabo ..................................................................................................................................6
6.4.1 Diâmetro nominal, d ..............................................................................................................................6
6.4.2 Diâmetro medido (real) .........................................................................................................................6
6.4.3 Tolerância...............................................................................................................................................6
6.5 Comprimento .........................................................................................................................................6
6.6 Passo ......................................................................................................................................................7
6.7 Pré-formação .........................................................................................................................................7
6.8 Massa, M.................................................................................................................................................7
6.9 Carga de ruptura....................................................................................................................................7
6.9.1 Método de ensaio para obtenção da carga de ruptura do cabo através do ensaio por
pernas .....................................................................................................................................................7
6.9.2 Método de ensaio para obtenção da carga de ruptura do cabo através do ensaio de
arames ....................................................................................................................................................8
7 Certificado da qualidade.......................................................................................................................8
8 Embalagem, marcação e identificação ...............................................................................................9
8.1 Embalagem ............................................................................................................................................9
8.2 Marcação ................................................................................................................................................9
8.3 Identificação...........................................................................................................................................9

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados iii


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Prefácio
A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização.
As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos
Organismos de Normalização Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias
(ABNT/CEET), são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores
envolvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

A ABNT NBR 6327 foi elaborada no Comitê Brasileiro de Siderurgia (ABNT/CB–28) e Comitê Brasileiro de
Materiais, Equipamentos e Estruturas Offshore para Indústria de Petróleo e Gás Natural (ABNT/CB–50), pela
Comissão de Estudo Mista de Cabo de Aço (CEM–00:002.01). O Projeto circulou em Consulta Pública
conforme Edital nº 12 de 31.12.2003, com o número Projeto NBR 6327.

A ABNT NBR 6327 adotou a ISO 2408:1985 - Steel wire ropes for general purposes - Characteristics e a
ISO 8369:1986, Large diameter steel wire ropes - como substrato, mas seguiu a API Spec 9A - Specification
for wire rope - em alguns aspectos como, por exemplo, os diâmetros nominais e os requisitos para
fornecimento de fibras para a formação das almas, por estarem mais de acordo com a realidade do mercado
nacional. A ABNT NBR 6327 criou também uma alternativa para a determinação da carga de ruptura mínima,
baseada nas regras do Bureau Veritas, que permite reduzir o custo de ensaio dos cabos de aço.

Esta Norma é baseada na ISO 2408.

Esta Norma substitui a ABNT NBR 6327:1998.

Esta versão corrigida da ABNT NBR 6327:2004 incorpora a Errata 1 de 30.12.2005.

iv © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 6327:2004

Cabo de aço para uso geral

1 Objetivo
Esta Norma especifica cabos de aço para uso geral agrupados de acordo com o número de pernas e o
número de arames externos nas pernas.

Os seguintes tipos de cabo de aço não são abrangidos por esta Norma:

― cabos fechados para mineração;

― cabos para comandos de aeronave;

― cabos fechados para transportadores aéreos e funiculares;

― cabos de ancoragem para indústria de petróleo e gás;

― cabos para elevadores;

― cabos para concreto protendido.

2 Referências normativas
As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem
prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação.
Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que
verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir.
A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.

ABNT NBR 5314:1999 – Carretéis plásticos para acondicionamento de fios para enrolamentos –
Especificação

ABNT NBR 11137:2002 – Carretel de madeira para acondicionamento de fios e cabos elétricos – Dimensões
e estruturas

ABNT NBR ISO 3108:1998 – Cabos de aço para uso geral - Determinação da carga de ruptura real

ABNT NBR ISO 4346:1998 – Cabos de aço para uso geral – Lubrificantes – Requisitos básicos

ISO 2232:1990 – Round drawn wire for general purpose non-alloy steel wire ropes and for large diameter
steel wire ropes – Specifications

ISO 4345:1988 – Steel wire rope – Fibre main core – Specification

ISO 10425:2003 – Steel wire ropes for the petroleum and natural gas industries – Minimum requirements and
terms of acceptance

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 1


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

3 Definições
Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:

3.1 arame: Fio de aço obtido por trefilação.

3.2 perna: Conjunto de arames torcidos em forma de hélice, podendo ou não ter um núcleo ou alma
constituído por um arame, outro material metálico ou fibra.

3.3 cabo de aço: Conjunto de pernas dispostas em forma de hélice, podendo ou não ter uma alma de
material metálico ou de fibra.

3.4 cabo de aço polido: Cabo de aço constituído por arames de aço sem qualquer revestimento.

3.5 cabo de aço galvanizado: Cabo de aço constituído por arames galvanizados. Podem ser
galvanizados na bitola final (sem retrefilação posterior) ou em uma bitola intermediária e retrefilados
posteriormente.

3.6 alma: Núcleo em torno do qual as pernas são dispostas em forma de hélice. A alma pode ser
constituída de fibra natural ou artificial, podendo ainda ser formada por uma perna ou um cabo de aço
independente.

3.6.1 AF (alma de fibra): Símbolo usado para designar a alma constituída de fibra.

NOTA No Brasil, o símbolo AF é normalmente empregado para designar alma de fibra natural.

3.6.2 AFA (alma de fibra artificial): Símbolo usado para designar a alma constituída de fibra artificial.

3.6.3 AACI (alma de aço de cabo independente): Símbolo usado para designar a alma constituída de
cabo independente.

3.6.4 AA (alma de aço): Símbolo usado para designar a alma constituída de uma perna.

3.7 construção: Termo genérico usado para indicar o número de pernas, o número de arames de cada
perna, a sua disposição e o tipo da alma.

3.8 composição dos cabos: Maneira como os arames estão dispostos nas pernas.

3.8.1 cabos compostos com arames de mesmo diâmetro: Designação utilizada para indicar que na
composição das pernas os diâmetros dos arames são aproximadamente iguais. O processo de fabricação
deste cabo envolve normalmente uma ou mais operações de fechamento da perna.

3.8.2 cabos compostos com arames de diâmetros diferentes: Designação utilizada para indicar que na
composição das pernas existem arames com diâmetros diferentes. As composições mais conhecidas são
Seale, Filler e Warrington.

3.8.2.1 Filler: Designação utilizada para indicar que na composição das pernas existem arames
principais e arames finos, que servem de enchimento para a boa acomodação dos outros arames. Os arames
de enchimento não entram no cálculo da carga de ruptura dos cabos, nem estão sujeitos ao atendimento de
requisitos que os arames principais devem satisfazer.

3.8.2.2 Seale: Designação utilizada para indicar que na composição das pernas existem pelo menos
duas camadas adjacentes com mesmo número de arames. Todos os arames de uma mesma camada
possuem o mesmo diâmetro.

3.8.2.3 Warrington: Designação utilizada para indicar que na composição das pernas existe pelo menos
uma camada constituída de arames de dois diâmetros diferentes e alternados.

2 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

3.9 torção regular: Designação utilizada quando o torcimento dos arames da camada externa da perna
tem sentido oposto ao torcimento das pernas no cabo. Na torção regular, o sentido de torção das pernas
pode ser tanto da esquerda para a direita (torção regular à direita) como da direita para a esquerda (torção
regular à esquerda).

3.10 torção Lang: Designação utilizada quando o sentido da torção da camada externa dos arames nas
pernas é igual ao do torcimento das pernas no cabo. Na torção Lang, o sentido de torção das pernas pode
ser tanto da esquerda para a direita (torção Lang à direita) como da direita para a esquerda (torção Lang à
esquerda).

3.11 cabo pré-formado: Cabo constituído de pernas, nas quais a forma helicoidal é dada antes do
fechamento do cabo.

3.12 passo do cabo: Comprimento correspondente a uma volta completa de uma perna ao redor da alma.

4 Classes e construções de cabos de aço


O comprador deve especificar a construção e/ou a classe do cabo.

Quando somente a classe do cabo for especificada pelo comprador, a escolha da construção dentro da
classe deve ser acordada entre as partes.

4.1 Classificação

A classe do cabo deve ser definida conforme tabela 1.

Tabela 1 — Classe de cabos de aço

Classe Descrição

6x7 Até 7 arames externos em uma perna, uma camada de arame sobre o arame central

De 15 a 26 arames com, no máximo, 12 arames externos em uma perna, duas ou três camadas
6 x 19
de arame sobre um arame central
De 27 a 49 arames com, no máximo, 18 arames externos em uma perna, três ou mais camadas
6 x 37
de arame sobre um arame central
De 15 a 26 arames com, no máximo, 12 arames externos em uma perna, duas ou três camadas
8 x 19
de arame sobre um arame central
De 27 a 49 arames com, no máximo, 18 arames externos em uma perna, três ou mais camadas
8 x 37
de arame sobre um arame central
18 x 7 18 pernas no cabo. Duas camadas de perna sobre alma de fibra ou aço
34 x 7 34 pernas no cabo. Três camadas de perna sobre alma de fibra ou aço

6 x 24 12 a 15 arames externos em uma perna. Duas camadas de arame sobre alma de fibra da perna
NOTA 1 - As almas principais de cabos de classe 6 x 24 devem ser constituídas apenas de fibra.
NOTA 2 - As almas de cabos de classe 18 x 7 e 34 x 7 devem ser de fibra ou aço, a critério do fornecedor.
NOTA 3 - Os arames Filler não constituem uma camada separada de arame.

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 3


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

4.2 Construção

A construção do cabo deve ser definida conforme figuras 1 a 8.

4.3 Resistência à tração

A resistência nominal à tração dos arames deve ser definida conforme tabelas 5 a 9.

4.4 Sentidos e tipo de torção

Os cabos podem ser fabricados com sentido de torçao à direita ou à esquerda, nos tipos regular ou Lang.

5 Materiais
Os materiais usados na fabricação dos cabos estão descritos a seguir. Os requisitos de material fazem parte
dos termos de aceitação do cabo (ver ISO 2232).

5.1 Arame do cabo

O arame usado na fabricação desses cabos deve estar de acordo com os requisitos estabelecidos na
ISO 2232.

A resistência nominal à tração dos arames está sujeita aos limites estabelecidos na tabela 2.

Tabela 2 — Resistência nominal à tração dos


arames (excluindo arames centrais e de enchimento)

Faixa de resistência nominal à tração dos


Categoria
arames
do Cabo
MPa
1 570 1 370 a 1 770
1 770 1 570 a 1 960
1 960 1 770 a 2 160
2 160 1 960 a 2 160
NOTA - Todos os arames de mesmo diâmetro nominal na
mesma camada devem ser de mesma resistência nominal à
tração.

5.2 Almas

A alma de cabo pode ser de aço, fibra, combinações destes ou polímeros sólidos.

5.2.1 Almas de fibra

A alma de fibra deve estar em conformidade com a ISO 4345 e, para cabo de diâmetro igual ou maior que
8 mm, deve ser constituída de, no mínimo, três pernas torcidas.

4 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

5.2.2 Almas de aço

Para cabos com diâmetro maior ou igual a 9,5 mm, a alma de aço deve ser um cabo de aço independente
(AACI). Para diâmetros abaixo deste valor pode ser usada uma perna (AA).

NOTA Quando a alma de aço de um cabo, for um cabo de aço independente (AACI) ela deve ser:

― Lang para cabo regular;

― Regular para cabo Lang.

5.3 Lubrificantes

Os lubrificantes usados nos cabos de aço especificados nesta Norma devem atender à ABNT NBR ISO 4346.

6 Características do cabo

6.1 Perna

6.1.1 A perna deve ser uniforme e estar isenta de arames frouxos.

6.1.2 Para as classes 6X19 e 8X19, os arames da perna do cabo devem ser torcidos em uma única
operação, com exceção dos cabos com diâmetro abaixo de 4,0 mm.

Para as classes 6x37 e 8x37, os arames da perna do cabo devem ser torcidos em, no máximo, duas
operações, com exceção dos cabos com diâmetro abaixo de 6,40 mm.

6.1.3 Quando o arame central da perna se tornar tão grosso a ponto de ser considerado indesejável,
pode-se substituí-lo, a critério do fabricante, por uma perna composta de diversos arames, fabricada em uma
operação de torção separada, sendo que a classe do cabo permanecerá inalterada.

6.1.4 Os arames centrais e as almas de fibra das pernas devem ter tamanho que permita dar suporte
suficiente à disposição dos arames de cobertura de maneira uniforme.

6.2 Cabos

6.2.1 O cabo deve ser uniforme e as pernas devem acomodar-se firmemente na alma ou nas camadas
subjacentes. Quando desenrolado e sem carga, o cabo não deve apresentar ondulação.

6.2.2 A construção e a torção de todas as pernas em uma determinada camada devem ser iguais. O passo
das pernas em um cabo não deve variar de maneira que comprometa o seu desempenho.

6.2.3 O diâmetro da alma deve ser tal que possa dar suporte suficiente para possibilitar que as pernas
sejam dispostas de maneira uniforme.

6.2.4 Em cabos galvanizados, todos os arames devem ser galvanizados, inclusive aqueles pertencentes à
alma de aço.

6.2.5 Para cabo com arames de acabamento polido, as substituições de arames polidos por arames
galvanizados devem ser limitadas aos arames internos, arames centrais, arames de enchimento e arames da
alma.

6.2.6 Arames com diâmetro acima de 0,4 mm devem ser ligados por brasagem ou soldagem. Arames com
diâmetro de até 0,4 mm (inclusive) podem ser ligados por brasagem, soldagem ou entrelaçamento.

6.2.7 Caso necessário, as pontas livres de todos os cabos de aço podem ser amarradas para serem
protegidas contra distorção.

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 5


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

6.2.8 Se durante o fechamento do cabo forem verificados fios rompidos, as pontas rompidas dos fios
devem ser removidas.

6.2.9 O sentido e o tipo de torção do cabo devem ser acordados entre comprador e fornecedor, entre um
dos seguintes itens:

a) torção regular à direita (sZ);

b) torção regular à esquerda (zS);

c) torção Lang à direita (zZ).

d) torção Lang à esquerda (sS).

6.3 Lubrificação do cabo

Visando a proteção contra corrosão e desgaste, os cabos polidos devem ser lubrificados interna e
externamente, salvo especificação em contrário por parte do comprador.

Os cabos galvanizados podem não ser lubrificados.

6.4 Diâmetro do cabo

6.4.1 Diâmetro nominal, d

O diâmetro nominal do cabo, expresso em milímetros, é aquele pelo qual o cabo é designado.

Os diâmetros nominais para cada uma das classes de cabo encontram-se apresentados nas tabelas 5 a 9.

6.4.2 Diâmetro medido (real)

O diâmetro medido (real) do cabo deve ser obtido medindo-se o cabo conforme método descrito na
ISO 10425.

6.4.3 Tolerância

O diâmetro real do cabo deve ficar dentro da tolerância do diâmetro nominal entre - 1% e + 5%.

Podem surgir dúvidas quanto à conformidade do cabo de aço com a tolerância superior. Nesses casos, o
cabo pode ser medido ao se aplicar a ele uma carga de no mínimo 10% e no máximo 20% da sua carga de
ruptura mínima.

A diferença de diâmetro entre a maior e a menor medidas (ovalização), na mesma seção, defasada em 90°,
não deve exceder 4%.

6.5 Comprimento

O comprimento nominal deve ser conforme o valor especificado pelo comprador.

O comprimento real do cabo deve atender às seguintes tolerâncias:

a) até 400 m inclusive: entre 0 e + 5% do comprimento nominal especificado;

b) acima de 400 m até 1 000 m (inclusive): entre 0 e + 20 m do comprimento nominal;

6 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

c) acima de 1 000 m: entre 0 e +2% do comprimento nominal.

O comprimento do cabo deve ser medido sem carga.

NOTA Tolerâncias menores que as estabelecidas nesta Norma podem ser acordadas entre o comprador e o
fornecedor.

6.6 Passo

O passo máximo de um cabo não deve exceder a 7,25 vezes o seu diâmetro nominal (d), exceção à
classe 6x7, que pode chegar a 8 vezes o seu diâmetro nominal (d).

6.7 Pré-formação

O cabo deve ser pré-formado, a menos que seja especificado pelo comprador.

NOTA Alguns tipos de cabos, tais como de torção tipo Lang ou não-rotativos podem ser não pré-formados ou ser
apenas parcialmente pré-formados.

6.8 Massa, M

A massa aproximada do cabo, expressa em quilogramas, em função dos diâmetros nominais está
apresentada nas tabelas 5 a 9.

6.9 Carga de ruptura

Os cabos devem atender no mínimo as cargas especificadas nas tabelas de 5 a 9, quando ensaiados a
tração até a ruptura. O ensaio de tração deve ser realizado conforme um dos metodos abaixo:

a) ruptura do cabo completo (ABNT NBR ISO 3108);

b) ruptura das pernas do cabo (ver 6.9.1);

c) ruptura dos fios de uma perna do cabo (ver 6.9.2).

A carga de ruptura mínima deve estar em conformidade com o especificado nas tabelas 5 a 9.

6.9.1 Método de ensaio para obtenção da carga de ruptura do cabo através do ensaio por pernas

A metade da quantidade de pernas que compõem o cabo deve ser ensaiada até a ruptura. As cargas de
ruptura obtidas devem ser somadas e o resultado, multiplicado pelos coeficientes a seguir:

a) 1,90 (para cabos com alma de fibra);

b) 2,05 (para cabos com alma de aço).

A distância entre garras deve ser a estabelecida na tabela 3.

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 7


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Tabela 3 — Distância entre garras para


ensaio das pernas

Diâmetro do cabo Comprimento mínimo para


(d) ensaio
d ≤ 6 mm 300 mm
6 mm < d ≤ 20 mm 600 mm
d > 20 mm 30 x d

6.9.2 Método de ensaio para obtenção da carga de ruptura do cabo através do ensaio de arames

Deve-se compor uma perna a partir de arames escolhidos aleatoriamente de todas as pernas que compõem
o cabo. Os arames devem ser ensaiados individualmente, conforme estabelecido na ISO 2232, e o somatório
das cargas de ruptura dos arames deve ser multiplicado pelo número de pernas do cabo. O resultado obtido
deve ser multiplicado pelos coeficientes da tabela 4.

Tabela 4 - Coeficiente para cálculo da carga de ruptura do cabo

Alma de aço

Alma de fibra
1 570 MPa (PS) e 1 960 MPa (EIPS)
1 770 MPa (IPS) 2 160 MPa (EEIPS)

6x7 0,90 0,97 0,99


6 x 19
8 x 19 0,86 0,92 0,95
6 x 37/ 8 x 37

Não-rotativo 0,82 0,88 0,90

7 Certificado da qualidade
O certificado a ser emitido pelo fabricante deve atestar que o material produzido atende aos requisitos desta
Norma, contendo no mínimo as informações abaixo:

a) número do certificado;

b) número do pedido do comprador;

c) nome, endereço e país de origem do fabricante;

d) comprimento do cabo;

e) diâmetro nominal do cabo;

f) construção do cabo;

8 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

g) pré-formação do cabo;

h) acabamento dos arames;

i) tipo e sentido de torção do cabo;

j) resistência nominal à tração dos arames;

k) carga de ruptura mínima do cabo;

l) peso bruto do material;

m) data de emissão do certificado da qualidade;

n) tipo do lubrificante;

o) número da bobina.

8 Embalagem, marcação e identificação

8.1 Embalagem

O cabo com diâmetro nominal até 26 mm (1”) deve ser acondicionado em bobina de madeira conforme
ABNT NBR 11137, bobina plástica conforme ABNT NBR 5314 ou em bobina metálica conforme desenho do
fabricante.

NOTA Caso seja necessário usar bobina com dimensões diferentes da ABNT NBR 11137 ou ABNT NBR 5314, ela
deve atender às dimensões da tabela 10 e figura 9.

8.2 Marcação

Nos flanges da bobina devem ser escritos, de forma legível, o nome do fabricante e o país de origem. Deve
ser fixada em um dos flanges etiqueta legível e indelével, com nome e endereço do comprador, número da
bobina, diâmetro, construção, carga de ruptura mínima do cabo, acabamento dos arames e país de origem
do fabricante.

8.3 Identificação

Cabos com diâmetro igual ou maior que 8,0 mm devem ser identificados com um fitilho com o nome do
fabricante, posicionado na alma do cabo.

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 9


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Tabela 5 - Classe 6 x 7 - Carga de ruptura mínima em função da resistência nominal à tração

Diâmetro
nominal 1 570 MPa
Massa aproximada dos cabos 1 770 MPa (IPS)
(PS)
d
Alma de fibra
Alma de aço Alma de fibra Alma de fibra Alma de aço
mm natural
kg/100 m KN kN kN
kg/100 m
2 1,38 1,52 2,04 2,35 2,54

2,4 1,90 2,09 2,94 3,33 3,58

2,5 2,06 2,27 3,19 3,61 3,88

3 3,11 3,43 4,60 5,29 5,72

3,2 3,40 3,74 5,10 5,88 6,33

4 5,54 6,10 8,18 9,40 10,2

4,8 7,80 8,58 11,6 13,2 14,2

5 8,65 9,53 12,8 14,7 15,9

6 12,5 13,7 18,4 21,2 22,9

6,4 14,0 15,4 20,5 23,4 25,2

7 17,0 18,7 25,1 28,8 31,1

8 22,1 24,4 32,7 37,6 40,7

9,5 31,0 34,1 45,4 52,1 56,0

11,5 43,0 47,3 61,4 70,5 75,8

13 57,0 62,7 79,7 91,6 98,5

14,5 71,0 78,1 101 116 125

16 88,0 96,8 124 141 152

19 125 138 176 202 217

22 171 188 238 273 293

26 223 245 307 353 379

10 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Figura 1 – Cabo de aço 6 x 7

Tabela 6 - Classe 6 x 19 e 6 x 37 Carga de ruptura mínima em função da resistência nominal à tração

Diâmetro Massa
nominal aproximada 1 960 MPa 2160 MPa
1 370 MPa 1 570 MPa 1 770 MPa (IPS)
(EIPS) (EEIPS)
d dos cabos (MPS) (PS)
Alma de
fibra Alma Alma Alma Alma
Alma de Alma de Alma Alma de
de aço de de de
mm natural fibra fibra de aço aço
fibra fibra aço
kg/100
kg/100 kN kN kN kN
m kN kN kN
m
3,2 3,9 4,3 - 5,1 6,2 6,5 7,1 7,6 -
4,8 8,8 9,7 - 11,6 13,7 14,7 15,8 17,0 -
6,4 15,6 17,2 - 20,5 24,3 26,1 28,1 30,2 -
8,0 24,4 26,8 - 31,7 37,9 40,7 43,6 46,9 -
9,5 35 39 - 45,4 54,2 58,3 62,4 67,1 -
11,5 48 52 - 61,4 73,6 79,0 84,4 90,7 -
13 63 68 - 83,2 95,2 102 105 118 130
14,5 79 88 - 106 120 129 132 149 165
16 98 107 112 129 149 159 163 183 202
19 141 155 160 184 212 228 233 262 288
22 192 211 216 249 286 308 315 354 389
26 250 275 - 324 372 399 409 460 506
29 317 348 - 407 468 503 514 678 636
32 391 430 - 500 575 617 632 711 782
35 473 521 - - 691 743 760 854 943
38 563 619 - - 818 880 898 1 010 1 112
42 661 726 - - 952 1 020 1 050 1 170 1 300
45 766 844 - - 1 100 1 180 1 220 1 360 1 500

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 11


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Tabela 6 (conclusão)

Diâmetro Massa
nominal aproximada 1 960 MPa 2160 MPa
1 370 MPa 1 570 MPa 1 770 MPa (IPS)
(EIPS) (EEIPS)
d dos cabos (MPS) (PS)
Alma de
fibra Alma Alma Alma Alma
Alma de Alma de Alma Alma de
de aço de de de
mm natural fibra fibra de aço aço
fibra fibra aço
kg/100
kg/100 kN kN kN kN
m kN kN kN
m
48 880 967 - - 1 250 1 350 1 390 1 550 1 710
52 1 000 1100 - - 1 420 1 530 1 560 1 760 1 930
54 - 1 240 - - - 1 710 - 1 970 2 170
58 - 1 390 - - - 1 910 - 2 200 2 420
60 - 1 550 - - 2 130 - 2 440 2 690

12 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Figura 2 — Cabos da classe 6 x 19

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 13


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Figura 3 — Cabo de aço da classe 6 x 37

14 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Tabela 7 — Classe 8 x 19 e 8 x 37 - Carga de ruptura mínima em função da


resistência nominal à tração

Diâmetro
nominal Massa aproximada dos
1 770 MPa (IPS) 1 960 MPa (EIPS)
cabos
d
Alma de
Alma de
fibra Alma de fibra Alma de aço Alma de aço
mm aço
natural
kN kN KN
kg/100 m
kg/100 m

13 58 70 82 90 104

14,5 74 89 103 113 131

16 91 107 128 140 161

19 131 151 182 200 230

22 178 202 246 271 311

26 234 282 320 352 405

29 296 351 403 443 507

32 365 427 495 545 627

35 442 511 597 657 756

38 501 602 736 809 931

42 612 736 8 097 987 1 136

45 703 844 1 030 1 133 1 303

48 799 961 1 187 1 295 1 491

52 902 1 080 1 324 1 456 1 667

54 1 010 1 220 1 481 1 628 1 873

58 1 130 1 350 1 657 1 824 2 099

60 1 250 1 500 1 834 2 020 2 324

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 15


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Figura 4 — Cabo de aço de classe 8 x 19

16 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Figura 5 — Cabo de aço de classe 8 x 37

Tabela 8 - Classe 18 x 7 e 34 x 7 (Não-rotativo) - Carga de ruptura mínima


em função da resistência nominal à tração
Diâmetro
nominal 1 770 MPa 1 960 Mpa
Massa aproximada dos cabos
(IPS) (EIPS)
d
Alma de fibra Alma de fibra e Alma de fibra e
Alma de aço
mm natural alma de aço alma de aço
kg/100 m
kg/100 m kN kN

6,4 16 17 23 25

8,0 25 26 36 40

9,5 36 38 52 57

11,5 49 52 71 78

13 64 67 88 96

14,5 82 86 110 121

16 101 106 136 149

19 144 152 194 214

22 196 207 262 289

26 257 271 341 375

29 326 342 429 472

32 402 423 527 579

35 487 510 634 697

38 579 607 751 826

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 17


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Figura 6 — Cabo de aço 18 x 7

Figura 7 - Cabo de aço 34 x 7

18 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Tabela 9 - Classe 6 x 24 - Carga de ruptura mínima em função da resistência nominal


à tração
Diâmetro Massa aproximada
nominal dos cabos 1570 MPa (PS) 1 770 MPa (IPS)
d
Alma de fibra
Alma de fibra Alma de fibra
mm natural
kN kN
kg/100 m
8,0 20,1 28 29
9,5 29,0 39 42
11,5 39,5 51 58
13,0 52,0 65 75
14,5 65,5 86 94
16,0 80,0 106 116
17,5 96,8 133 140
19,0 116 156 166
22,0 158 204 225
26,0 205 273 291
29,0 260 346 367
32,0 321 427 451
35,0 388 518 542
38,0 463 622 643
42,0 542 715 751
45,0 629 833 867
48,0 722 956 988
52,0 821 1 093 1 121
54,0 927 1 217 1 249
58,0 1 039 1 355 1 397

Figura 8 — Classe 6 x 24

© ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados 19


Licença de uso exclusivo para Petrobras S/A
Cópia impressa pelo Sistema Target CENWeb

ABNT NBR 6327:2004

Tabela 10 – Dimensões de bobinas

Dimensões em milímetros

Diâmetro
Diâmetro Raio do Número Diâmetro
Diâmetro Largura Espessura Largura Furo furo Diâmetro
do centro do de nominal
do interna do externa central de interno do
núcleo furo de tirantes dos
disco (B) (E) disco (G) (F) (D) arraste núcleo (H)
(C) arraste (I) mínimo tirantes
(A)

250 200 160 25 +15 280 40 20 35 40 3 9,52

300 200 200 25 +15 280 40 25 60 40 3 9,52

350 200 200 25 +15 280 60 30 60 40 3 9,52

350 270 210 20 + 20 350 60 30 60 180 3 9,52

400 150 200 25 + 15 210 34 34 65 170 3 9,52

400 200 200 25 +15 280 60 30 65 60 3 9,52

400 200 200 25 + 15 260 34 34 65 170 3 9,52

400 230 300 15 + 15 290 60 30 75 270 3 9,52

500 200 240 25 +15 280 60 30 70 60 3 9,52

500 324 250 25 +15 404 60 30 70 60 3 9,52

510 250 250 20 + 20 330 60 30 80 200 3 9,52

600 324 300 25 +15 404 90 30 110 80 4 9,52

600 150 300 25 + 25 230 85 40 90 250 4 9,52

600 240 300 25 + 25 320 85 40 90 250 4 9,52

600 340 300 25 + 25 420 85 40 90 250 4

610 250 350 19 + 19 326 60 30 120 300 4 9,52

630 250 350 25 + 25 350 60 30 120 300 4 9,52

Figura 9 – Bobina de madeira

20 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados