Você está na página 1de 5

Pele e Anexos

A pele é um órgão protetor que cobre toda a superfície corporal e que se


continuam, sem interrupção, as várias aberturas corporais. É uma importante
barreira protetora contra a ação de agentes físicos, químicos, bacterianos
sobre tecidos profundos. A pele participa na regulação da temperatura do
corpo; pela sudação, excreta agua, gordura e vários produtos residuais de
catabolismo; é o mais extenso órgão sensitivo do corpo, atingindo 16% do peso
corporal. Desempenha múltiplas funções, graças à camada queratinizada da
epiderme, protege o organismo contra a desidratação e o atrito, para recepção
de estímulos tácteis, térmicos e dolorosos. A pele recobre a superfície do corpo
e apresenta-se constituída por uma porção epitelial de origem ectodérmica, a
epiderme, e uma porção conjuntiva de origem mesodérmica, a derme.
Dependendo da espessura da epiderme, distingue-se a pele delgada e
espessa. A pele espessa é aquela que reveste a palma das mãos e a planta
dos és, e se caracteriza pela larga camada epitelial, particularmente pela sua
ampla queratina e por não possuir pelos nem glândulas sebáceas. A delgada
caracteriza-se por possuir epiderme relativamente mais fina e por ter pelos e
glândulas sebáceas, que constitui a pele de todas as demais regiões do corpo.
Em ambos os tipos de pele existem glândulas sudoríparas.
São chamados anexos da pele, suas glândulas, os pelos, as unhas e,
segundo alguns, as glândulas mamárias. A junção entre a epiderme e a derme
é irregular. A derme possui projeções, as papilas dérmicas, que se encaixam
em reentrâncias da epiderme, as cristas epidérmicas, aumentando a coesão
entre essas camadas.

Epiderme

Sempre constituída por epitélio pavimentoso estratificado queratinizado,


constituído fundamentalmente por células chamadas queratinócitos, que
sofrem diferenciação, ao qual culmina em uma camada de células superficiais
mortas, empacotadas com a proteína queratina, responsável pela conhecida
resistência e inercia da epiderme, camada córnea ou de queratina.
Consiste de cinco camadas: camada basal, camada espinhosa, camada
granulosa, camada lucida e camada córnea.

• Camada basal
Onde existem frequentes células em mitose, pois aí se originam as
células que vão formar os demais estratos. Calcula-se que a epiderme humana
se renova a cada 15 a 30 dias, dependendo pincipalmente do local e idade da
pessoa.
• Camada Espinhosa
O local onde é sintetizada a queratina sob a forma de tonofilamentos e
classicamente conhecidas como tonofibrilas. Formada por células cuboides ou
ligeiramente achatadas, de núcleo central, citoplasma com curtas expansões
que contem feixes de filamentos de queratina. Esse nome “espinhoso” dá-se
pois nesse estrato existe entre as células as pontes intercelulares, os
desmossomas, com o processo de diferenciação os tonofilamentos produzem
ligações cruzadas para formar o estrato granuloso, caracterizado pela presença
de grânulos de queratoialina no citoplasma dos queratinócitos.

• Camada granulosa
Consiste de três a cinco fileiras de células achatadas, de longo eixo
paralelo a superfície cutânea. No citoplasma destas células há grânulos de
querato-hialina, irregulares, que tomam alguns corantes ácidos e certos
básicos.
À medida que os grânulos aumentam em tamanho e numero, o núcleo
se torna pálido, indistinto, com alterações degenerativas. As pontes
intercelulares e tonofibrilas também perdem a nitidez. É nesta camada que
morrem as células da epiderme.

• Camada lúcida
É mais evidente na pele espessa, é constituída por uma delgada
camada de células achatadas, eosinófilas e translucidas, cujos núcleos e
organelas citoplasmáticas foram digeridos por enzimas dos lisossomos e
desapareceram. O citoplasma mostra numerosos filamentos de queratina
compactados e envolvidos por material elétron-denso. Ainda é possível ver
desmossomos entre as células.

• Camada Córnea
Compõe-se de células mortas, claras, escamosas, que gradualmente se
achatam e se fundem. Não há núcleo, e o citoplasma é substituído por
queratina, supostamente derivada, em especial, das tonofibrilas das camadas
profundas da epiderme. Esta é a “queratina mole”, pobre em enxofre,
opostamente a ”queratina dura” das unhas e córtex dos pelos. As camadas
mais superficiais do estrato córneo são de placas achatadas, queratosas, que
descamam constantemente. As desta forma, pela superfície da epiderme, há
perda constante de células mortas, que são substituídas por novas células
produzidas por mitose nas camadas profundas, especialmente nos estratos
germinativos e espinhoso, impelidas para a superfície no processo de
queratinização. Esta camada, o estrato córneo, cora-se em róseo pela eosina,
e nas preparações aparece frequentemente delimitado.

Derme
É o tecido conjuntivo onde se apoia a epiderme e une a pele ao tecido
subcutâneo ou hipoderme. A derme apresenta espessura variável de acordo
com a região observada, atingindo um máximo de 3mm na planta do pé. A
derme é constituída por duas camadas, de limites pouco distintos: a papilar e a
reticular.
A camada papilar é delgada, constituída por tecido conjuntivo frouxo que
forma as papilas dérmicas. Os pequenos vasos sanguíneos presentes nessa
camada são responsáveis pela nutrição e oxigenação da epiderme.
A camada reticular é mais espessa, constituída por tecido conjuntivo
denso. Além dos vasos sanguíneos e linfáticos, e dos nervos, também são
encontrados na derme as seguintes estruturas, derivadas da derme: folículos
pilosos, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas.

Pelos
O pelo é constituído por duas partes: a primeira se dá com um pelo
propriamente dito, com uma porção situada na derme, chamada raiz, e outra
que se projeta da epiderme, chamada haste do pelo. A segunda é o folículo
piloso, que é uma estrutura conjuntivo-epitelial, que envolve a raiz.
A porção mais profunda do pelo exibe uma dilatação chamada bulbo,
que é penetrado pelo conjuntivo na papila. A partir do centro para a periferia, o
pelo é constituído por três camadas: a medula, uma periférica, o córtex e, outra
ainda mais externa, a cutícula.
O folículo piloso é revestido por uma bainha de tecido conjuntivo
envolvido por membrana basal, onde sucedem-se camadas denominadas
bainha epitelial externa e bainha epitelial interna.

Unhas
As unhas são placas de células queratinizadas localizadas na superfície
dorsal das falanges terminais dos dedos. Chama-se matriz da unha a porção
posterior, epidérmica, mole, do leito da unha. A porção posterior do limbo
possui uma mancha esbranquiçada, a lúnula, região em que o limbo esta mais
intimamente aderido à epiderme.

Glândulas da Pele

• Glândulas Sebáceas
É um tipo alveolar e encontrado por toda a pele, exceto nas regiões
revestidas por pele espessa. As glândulas sebáceas secretam uma mistura de
lipídeos chamada sebo. Sua secreção contribui para a proteção da pele e age
como lubrificante.

• Glândulas sudoríparas
É do tipo túbulo-enovelada, também originaria da invaginação da
epiderme e possui duas porções distintas: a porção secretora, as vezes situada
profundamente na derme, é, morfologicamente, um túbulo longo, que se
enovela, enrodilhando-se sobre si mesmo. Há também uma porção excretora
que é formada por um túbulo constituído por uma camada de células cubicas,
mais ou menos longo, dependendo da profundidade em que esta a porção
secretora e que, de maneira sinuosa, se dirige para a superfície, se abrindo
como poro.

• Glândula Apócrina
Glândula que deriva diretamente da epiderme ou de folículos pilosos. É
do tipo tubuloenovelada e seu ducto excretor se abre diretamente na epiderme
ou em um folículo piloso.