Você está na página 1de 2

- haveria uma ordem oculta, implícita e orientadora de uma realidade indivisa

- inventou chaleira automática mas desistiu da idéia quando a foi vender de porta em porta

- Bohm começou a estudar o plasma e achou curioso descobrir que os elétrons, quando nesse
estado, passam a se comportar como um todo coordenado ("mar de elétrons" como coisa
viva....)

- Seu livro sobre MQ, Quantun Theory, de 1957 (ERRO NO TEXTO : o livro de 1951), apresenta
uma clara exposição da interpretação tradicional da MQ.

- o que motivou DB a inquirir os fundamentos da MQ foi a dificuldade de deixar o realismo e


assim passou a procurar propriedades definidas ao invés dos outros físicos que se ocupavam
apenas com medições

- também duvidava do indeterminismo (probabilísitico) e procurou descobrir causas ocultas


por trás do acaso irracional do universo das partículas

- Bohr não respondeu ao livro de Bohm mas Einstein sim. E os dois concordaram a respeito das
mesmas dúvidas quanto à interpretação ortodoxa da MQ apesar de admirarem a capacidade
desta em fazer previsões.

- DB se recusou a dar informações sobre colegas para os macartistas e isso lhe custou o
emprego

- veio pro Brasil, depois Israel e em 1957 fixou-se em Londres

- DB: interpretação causal da FQ e a Ordem Implícita

- em 2 trabalhos depois do livro citado ele volta à interpretação causal: "abre a porta para uma
realidade subjacente, oculta ou, ainda, para um nível sutil de realidade"

- o comportamento das partículas atômicas, para DB, era fruto das forças convencionais mais a
ação do "potencial quântico": ele orienta a movimentação das partículas fornecendo a
"informação de ação" sobre a totalidade ambiental. O PQ permeia todo o espaço unindo
sistemas quânticos

- efeito Aharonov/Bohm: elétrons, em certas circunstâncias, "sentem" um campo magnético


mesmo estando transitando em uma região do espaço com de energia zero

- 1982, Aspect liquidou EPR, demonstrou a não localidade e a possibilidade de sinais super-
luminais, não aceito pelos físicos por ir contra a relatividade.

- DB admitiu sinais não-locais, instantâneos

- Teorias de DB encontraram indiferença e hostilidade mas modernamente (1993) Vigier


explicou o PQ como flutuações subjacentes (ocultas, de difícil detecção) no éter (espaço
cósmico)

- DB começa a se interessar por Totalidade e Ordem Implícita em 1960. Ele disse ter visto na TV
o vídeo que tenho aqui no Discovery na escola da glicerina e tinta.
- Para DB, tinta difusa na glicerina não é desordem: é ordem oculta ou existência não
manifestada

- Na visão de Bohm todos os objetos, entidades, estruturas, eventos do mundo visível ou


explícito à nossa volta são apenas relativamente autônomos, estáveis e temporariamente, são
subtotalidades derivadas da ordem implícita, a ordem oculta do Todo que é indiviso. Bohm
imagina um movimento de fluxos contínuos:

- Holograma como metáfora da teoria de DB: imagem só é mostrada, de qualquer ângulo, na


presença do laser. E, pra dar mais força à metáfora, cada pedaço do holograma traz a imagem
do todo em si.

- Universo: fluxo contínuo de um gigantesco holograma sendo a realidade o holomovimento

- Ordem explícita seria uma projeção de diferentes níveis de realidade

- As partículas atômicas seriam constantemente dasagregadas do corpo da ordem implícita e


reagregadas. O PQ da interpretação causal é essa ordem implícita.

- O PQ é uma energia auto-organizante orientada por um superpotencial quântico, que seria


uma infinita série de ordens hierárquicas, geradora de formas e relações. Essas ordens se
influenciariam umas as outras.

- DB: vida e consciência estão envolvidas em uma ordem oculta

- existência de proto-intelegência na matéria que guiariam as mudanças evolucionárias


(relação integrada entre os diferentes níveis de ordem)

- D: o plano das ordens implícitas que "bem poderia ser chamado plano das Idéias, do Espírito
ou da Consciência. A separação entre espírito e matéria é uma abstração. A essência é sempre
Una"