Você está na página 1de 7

Centro de Formação de Professores de Cascais

Formação de Professores

Acção de Formação nº 16/A – “ Indisciplina Escolar e Estratégias


de Resolução de Conflitos”
Reflexão sobre o Bulling

Formadora: Isabel Castro Lopes

Trabalho realizado por: Helena Maria Lima França

S. João do Estoril, 20 de Outubro de 2010

Página 2
“A não-violência absoluta é a ausência absoluta de danos
provocados a todo o ser vivo. A não-violência, na sua forma activa,
é uma boa disposição para tudo o que vive. É o amor na sua
perfeição.”
Mahatma Gandhi

A violência escolar não é fácil de entender. Aparentemente não há


nenhuma razão para que os alunos se tornam violentos. Alguns estão apenas
seguindo o comportamento que eles viram em casa, nas ruas, ou em jogos de
vídeo, filmes ou televisão. A violência surge muitas vezes de factores exteriores
como causa primordial, no entanto, há excepções pois certos alunos possuem
um historial de problemas psíquicos ou seja intrínsecos à sua personalidade.
Mas, o que interessa reflectir é que foi devido a uma “ revolução” do modelo
escolar depois do período histórico do vinte e cinco de Abril de 1974, em que
se procurou atingir metas de uma escola inclusiva, democrática e massificada.
Há que referir que essa mesma escola não se encontrava preparada quer ao
nível da sua estrutura física, quer ao nível dos seus docentes que não
trabalhavam em parceria, pois o paradigma da realidade tinha mudado e a
família já não era uma mas sim múltipla com modificações diversas, assim
como a sociedade. No entanto, na procura de tudo fazer de tudo incluir, sem
uma estrutura organizada de parcerias com técnicos especializados, no sentido
de sinalizar problemas diversos que alguns alunos transportam para o
ambiente escola, ficou um vazio e então surge o procurar de uma polivalência
escolar sem que os seus agentes consigam, porque não possuem formação
adequada para responder a todos os problemas. Assim, a violência da
Sociedade atinge como um furacão a Escola. Muitos negam, sabe-se também
que os docentes interessados tudo fazem e conseguem por vezes verdadeiros
milagres no seu quotidiano. Mas a profissão de um docente não é ser um “
Santo milagreiro”, mas sim conseguir sentir um clima de trabalho organizado e
confortável não tendo medo de assistir a Bulling1 ou de ser vítima deste, ou
seja, que o docente esteja já fornecido de estratégias e assim saiba como agir

1
1- Bullying é um termo em inglês utilizado para descrever actos de violência física ou psicológica, intencionais e
repetidos, praticados por um indivíduo (bully - «tiranete» ou «valentão») ou grupo de indivíduos com o objectivo de
intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Também existem as
vítimas/agressoras, ou autores/alvos, que em determinados momentos cometem agressões, porém também são
vítimas de bullying pela turma. Retirado da Wikipédia - Helena Maria Lima França -

Página 3
nesses casos. Às vezes, as pessoas que se tornam violentas são vítimas de
provocações que já atingiram um limite e por isso se tornam Bullies, mas por
vezes nem sequer possuem qualquer historial para produzirem acções
atentando contra a vida dos outros. Existem alguns sinais característicos para
detecção do problema: o stress de desordem pós traumática, ansiedade,
problemas gástricos, perda de auto – estima, dores não especificadas, medo
de expressões e emoções, problemas de relacionamento, abuso de drogas e
álcool, auto – mutilação, suicídio também conhecido como bullycídio. Na escola
os docentes deverão estar atentos a níveis elevados de absentismo e ao
desrespeito pelos professores. Os Docentes deverão procurar antes de mais
trabalhar em parceria com todos os agentes que possam intervir e ajudar, ou
seja, devem promover parcerias internas no sentido de conhecer, identificar e
interagir para a resolução deste e outros problemas. Como sugestão pessoal:
prioritariamente deverão ser efectuadas várias acções de sensibilização tanto
ao nível da escola, como na turma assim como com os Encarregados de
Educação que deverão ser chamados e responsabilizados pela conduta dos
seus educandos. Essas acções servirão como alertas e consciencialização
para o problema, assim como, deverão apontar pistas de resolução para os
casos de Bullying (1). Deverão existir Mediadores cuja figura será promotora de
diálogo conducente a boas práticas sociais e educativas e cuja função seria
também de identificação de alguns problemas que possam surgir. O Mediador
procuraria um acordo justo e mutuamente satisfatório sem que os
intervenientes não tivessem que ser retirados da turma caso fossem os
agressores ou os agredidos. Essa função de Mediação teria que ser
desempenhada por um técnico imparcial e penso que a figura de um Psicólogo
Educacional seria talvez a mais adequada. Poderia existir ainda na escola uma
linha telefónica anónima ou uma caixa de ocorrências / reclamações ou
sugestões à qual só o Mediador teria acesso para que os alunos pudessem
partilhar as suas preocupações ou pudessem relatar o bullying ou algum
aspecto relevante de forma anónima. Outro aspecto que considerava útil, era a
promoção de Colóquios / Escola / Turma com testemunhos quer de vítimas
quer de agressores no sentido de promover uma prevenção contra o Bullying e
melhorar a qualidade relacional positiva na Comunidade Educativa. Perante
casos de Bullying o que é necessário efectuar a priori, promover o diálogo, não

Página 4
ignorar a situação, procurar manter a calma, mostrar que sabe o que está a
acontecer, não agredir ou intimidar, tentar demonstrar que o acto de violência
não resolve o problema do aluno, contactar com a hierarquia da escola
( Director de Turma, Auxiliares, Director, Psicólogo, Tutores, Mediador de
Conflitos, etc…), comunicar ao Encarregado de Educação, promover o diálogo
entre o agressor e o agredido no sentido de o consciencializar sobre os erros
cometidos e ainda reforçar a auto estima de ambos. Seria importante ainda,
nas aulas de Formação Cívica abordar esta temática através da visualização
de filmes e ainda de casos que surgem na imprensa e procurar efectuar
reflexões e trabalhos para que os alunos possam ter conhecimento e sejam
agentes na consciencialização do problema, estes até poderiam ir a outras
turmas entregar panfletos e explicar essa problemática, poderiam ainda
efectuar cartazes, assim como, se a Escola possuir um jornal escreverem
artigos sobre o Bullying como factor de prevenção. Pode-se dizer assim, que a
palavra contra o Bullying está na Prevenção e na Discussão do problema,
então seria importante efectuar inquéritos para se conhecer melhor essa
problemática.
Sugiro assim um tipo de inquérito que poderia ser aplicado à escola ou à
turma.
Este será o meu trabalho prático que irei aplicar como Directora de Turma
numa aula de Formação Cívica. Primeiro os alunos irão visualizar o filme
http://vimeo.com/3754928 e posteriormente irão responder a um inquérito para
reflexão sobre essa realidade. Finalmente, depois de efectuar o levantamento
dos dados, mostrarei à turma os seus resultados para os alunos constatarem
os locais mais problemáticos e analisarem certas situações vivenciadas.
Concluindo, este trabalho pretende ser só uma breve abordagem sobre o
Bullying, fornece algumas pistas facilitadoras para a identificação e tentativa da
resolução desse problema. O Bullying apresenta muitas complexidades e não
existe uma só solução para esta violência escolar. Assim, como o Mundo se
encontra em constante transformação e apresenta muitas faces agressivas,
também o Bullying em especial, espelha essa agressividade, surgindo como
um “vírus comportamental”. Assim, considero como Isaac Asimov que: “ A
violência é o último refúgio do incompetente”.

Página 5
Escola ____________________________

Nome:________________ Nº: ____

Ano/Turma: ____ “A violência não é força,


mas fraqueza, nem nunca
poderá ser criadora de coisa
alguma, apenas destruidora.”

Benedetto Croce

Após teres visualizado o vídeo procura responder ao


Inquérito:

1. Já foste vítima de Bullying?


Sim  Não 

2. Se respondeste Sim indica:

Por um rapaz  Por uma rapariga 

3. Quantas vezes: 1- 2 - 3-  4 ou mais vezes 

4. Indica a idade:

Entre 10 e 12 anos  Entre 12 e 17 anos  Com mais de 17 anos 

5. Onde ocorreu esse facto:

Na escola : Sala de aula  Corredores  Balneários  Portaria


Refeitório  Recreio  Campo de Jogos  Bar 

Fora da escola: Na entrada da escola  No caminho para a escola


No transporte para a escola  Num café perto  Noutro local

Página 6
6. Qual achas que foi a razão dessa agressão?
Cor da pele  Religião  Ser deficiente  Nível sócio económico 
Desempenho escolar  Aspecto físico  Desempenho escolar  Outros 

7. Queixaste-te a alguém?
Sim  Não 

8. Se respondeste não responde:


Por medo  Resolução amigável  Outra 

9. Já praticaste agressão verbal este ano de 2010 / 2011:


Sim  Não 

10. Já praticaste agressão física este ano de 2010/ 2011:


Sim  Não 

11. Já praticaste agressão emocional este ano de 2010/ 2011:


Sim  Não 

12. Já te sentistes excluído por algum grupo de alunos:


Sim  Não 

13. Agora procura responder: Sabes o que é o Bullying?


Não sei  Violência no Desporto  Violência física, verbal, emocional entre
colegas 

14. O que pensas sobre o Bullying?

________________________________________________________________
________________________________________________________________
________________________________________________________________
________________________________________________________________
.

Página 7