Você está na página 1de 16

ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PARA OS ALUNOS COM

NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS - SÍNDROME DE


DOWN
Universidade do Estado do Pará
Curso de Licenciatura Plena em Educação Física
Disciplina: Fundamentos da Educação Física Adaptada

Profa. Dra. Simone de La Rocque Cardoso


SINDROME DE DOWN

• Descrita por Langdon Down no ano de 1866 e somente


em 1959 que foi demonstrada por Jerôme Lejeune.a
presença de 47 cromossomos ao invés de 46, em cada
célula.

• O cromossomo extra se localiza no par 21, por isso


usa-se o nome de trissomia do cromossomo 21.
• A causa da anomalia cromossômica não é conhecida.
SINDROME DE DOWN
Segundo o IBGE (Pedrinelli e Verengue, 2008) 14, 5 % da
população brasileira apresenta deficiências.
Hoje em todo o mundo, entre 600 crianças que nascem,
uma possui Síndrome de Down. Para bem desempenhar seu
potencial, elas precisam de ajuda, compreensão e claro seu
respeito.
• Fatores de risco:

 Pais com defeitos nos cromossomos;


 Pais expostos a agentes lesivos geneticamente tais como
um vírus, raios-X ou exposição química.
 Mulher em idade gestacional avançada (aos 25 anos 1
caso em cada 1.000 (aos 45 – 1 caso em cada 50).
• Diagnóstico Pré-natal: Biópsia coriônica (amostra do vilo
coriônico (Simoni et al, 1983) ( Trata-se de um método de
aspiração com cateter guiado por ultra – som, realizado
entre 8 e 10 semanas de gestação. É considerado o método
mais seguro.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
• Trissomia 21 > Um cromossomo extra >
produção de + ensimas.
• Tendências metabólicas:

  Superoxidesnitase > Envelhecimento


precoce (degradação cerebral = doença de
Alzheimer)
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
  Fosfo-frutocinase > Diabetes, obesidade, hiperadiposidade.

  Gliciamida-fosforibosilsintase e aminocimidasil –
fosforibosilsintase > Excesso de ácido úrico.

  Genes relacionados a uma proteína que é sensível ao


interferon > Sensibilidade a muitas infecções. São susceptíveis a
infecções e a natação é indicada, porém, deve-se orientar o
responsável pelo aluno para a secagem da cabeça e do corpo
logo após o término da atividade.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
• Metabolismo dos Monocarbonos causa:

 Diminuição do desempenho do sistema cerebral, e de maneira geral, a


deficiência mental. (Lejeune, J. – Novos caminhos na pesquisa sobre a
Síndrome de Down. III Conferência Internacional da Síndrome de
down). É a causa mais comum de deficiência mental, sendo
responsável por cerca de1/3 dos casos de DM grave.

 Instabilidade Atlantoaxial: A instabilidade atlantoaxial pode contribuir


para o deslocamento da Atlas, que por sua vez pode lesionar a medula
espinhal. Pode ocorrer pela inclinação exagerada da cabeça para
frente ou para trás (Sherriel, 1986). Ocorre em 10% dos casos.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
Recomendação e Cuidados que o Professor deve ter:
solicitar exames: Eletrocardiograma, RX da Cervical e Ultrassom
abdominal

 Cardiopatias congênitas: Orientações médicas quanto às limitações.

Hérnias umbilicais em 90%. OBS: Evitar atividades até obter o


diagnóstico (Cooke, 1984).

• Evitar elevações das pernas estendidas, pois causa grande pressão na


hérnia. Normalmente encontrada na infância, pode ser corrigida por si
só. Selecionar exercícios adequados.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
• Características físicas:
• Olhos puxados (prega epicantal-formato oblíquo da fenda
palpebral).

• Mãos e pés largos; (forma grossa e curta, com dedo mínimo


arqueado. Dobra palmar.

• Nariz achatado e Língua produza – Sulcada, com palato


elevado e dentes pequenos.

• Crânio occipital achatado


SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA

• Problemas posturais e ou ortopédicos: hipercifose


dorso lombar, luxação congênita, tórax de pombo ou
tonel.
• Crescimento lento e cessa mais cedo, resultando em
baixa estatura ou nanismo.
• Pouca elasticidade da pele.
• Dentição menor e anormal.
• Visão com estrabismo, miopia e astigmatismo.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA

Limitações Funcionais:
 Desenvolvimento do S.N.C. tardio.
 Má postura.
 Menor força (devido à hipotonia).
 Menor coordenação.
 Dificuldade respiratória e cardíaca (alguns casos).
 Dificuldade na linguagem (alguns casos).
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
 Hipotonia nos músculos. Encontrada em bebes com déficits neurológicos
severos. Diminui com a idade, mas não desaparece completamente.

 Articulações com flexibilidade exagerada.

 Frouxidão ligamentar: afeta principalmente o pé (pronado e ou chato)


Exercícios diários devem ser feitos, afim de fortalecimento da musculatura
plantar.

 Capacidades Motoras: O equilíbrio tem a maior deficiência, tendo um


atraso de 1 a 3 anos de idade em relação a outras crianças com deficiência
mental sem síndrome. Dificuldade de ficar em um só pé por alguns segundos.
 Gostam de atividades rítmicas e recreativas.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
• Maturidade Social: É superior ao esperado para a idade mental.
Apresentam bons modos, são responsáveis, cooperativos, escrupulosos,
alegres/animados. Embora cooperem, podem ser algumas vezes
extremamente teimosos.
• Gostam de rotina e resistem a mudanças. Um déficit no S.N.C faz com que
o estágio no “não”, criança de dois anos esteja presente. Deve-se lidar
adequadamente ao invés de punir.

• Quociente Intelectual (QI) tende a decrescer durante a adolescência.


Tornam –se menos atentos, mais lentos, e o processo de ensino é mais
difícil.
• Pesquisas mais recentes sugerem a presença da doença de Alzheimer.
Existe um déficit na interpretação da percepção sinestésica e tátil.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
• Pessoas com SD apresentam determinadas condições físicas,
cognitivas ou sensoriais que podem lhe trazer algumas
limitações ou dificuldades para a realização de algumas
atividades com total independência.

• A INCLUSÃO DO ALUNO COM SD. Na escola, todos os


alunos devem estar convivendo diariamente juntos,
percebendo uns aos outros. Relacionando-se com diferentes
amigos, percebendo-se “parte” de um grupo, aprendendo
juntos outras formas de conviver e ser em uma mesma sala de
aula. Todos devem participar das atividades juntos.
SINDROME DE DOWN - considerações

• É necessário entender que todas as pessoas, sem exceção, têm


direito ao acesso de melhores vivências, proporcionadas pelo
meio, a fim de terem oportunidades que favorecerão seu bom
desenvolvimento e potencial, principalmente crianças em idade
escolar.

• Vale ressaltar, que nessa conjuntura não importa o tamanho do


potencial que cada aluno tem. Não importa quem dos dlunos
tem mais ou menos potencial para isso ou aquilo. O que
verdadeiramente significa em toda essa atitude inclusiva é o
respeito a diversidade humana e a luta por igualdade de direitos.
SINDROME DE DOWN E ATIVIDADE MOTORA
ADAPTADA
• A oportunidade deve ser proporcionada ao aluno com
NEES na escola, no ceio familiar onde possa desfrutar
da convivência coletiva do dia a dia. Seja no
relacionamento com pais, irmãos, parentes, etc.

• Na escola, o simples fato de “fazer parte” é muito


importante para o aluno incluído. Isso já lhe trás muito
prazer e satisfação.

• BOM TRABALHO!! BJOS