Você está na página 1de 14

Instituto Superior Politécnico de Songo

Disciplina: Física I

Tema: Medição 2 Teoria de erros e medição [2]

Curso: Engenharia Termotécnica

Discentes:
Aristides Alberto Joaquim Mahave

Belmiro da Encarnação Nortamo Zumbira Júnior

Ercílio Januário Cardoso

Real Manuel Jone Saborinho

Docente:
Manuel da Costa

Songo, Abril de 2019


Instituto Superior Politécnico de Songo

Disciplina: Física I

Tema: Medição 2

Curso: Engenharia Termotécnica

Discentes:
Aristides Alberto Joaquim Mahave

Belmiro da Encarnação Nortamo Zumbira Júnior

Ercílio Januário Cardoso

Real Manuel Jone Saborinho

Songo, Abril de 2019


Conteúdo
Medição 2 ..................................................................................................................................................... 6
Teoria dos erros ........................................................................................................................................ 6
Material Necessário ...................................................................................................................................... 6
1. Paquímetro ....................................................................................................................................... 6
2. Micrometro ....................................................................................................................................... 9
3. Balança ............................................................................................................................................ 10
4. Régua graduada em mm ................................................................................................................. 11
5. Cronômetro ..................................................................................................................................... 12
Referências Bibliográficas ........................................................................................................................... 14
Introdução
Neste presente trabalho, aborda-se o tema de Medição 2 relacionado com a cadeira de Física 1, é
de extrema importância abordar e estudar este tema porque vai aperfeiçoar os conhecimentos que
já existe em torno da medição no quotidiano, tanto na ciência aplicada.

No actual trabalho, vem com o objectivo geral persuadir o leitor à saber determinar

??
experimentalmente a densidade de figuras regulares e familiarizar-se com a teoria de erros e algarismos
significativos na apresentação de resultados experimentais. No seu decorrer, se abordará profundamente
acerca da teoria de erro e também dos materiais de medição, como o paquímetro, balança, régua
graduada em, entre outros materiais.
Objectivos
Geral:

• Determinar experimentalmente a densidade de figuras regulares;


• Familiarizar-se com a teoria de erros e algarismos significativos na apresentação de
resultados experimentais.

Específico:

• Adquirir mais conhecimentos sobre a medição 2;

retirar
Medição 2
Medição: É o processo de determinar experimentalmente um valor de magnitude numérica por
uma característica que possa ser atribuída a um objecto ou evento, no contexto de um quadro ou
referência que permita fazer comparações com objectos ou eventos.

Medir: É um processo que nos permite atribuir um número a uma propriedade físico como
resultado de comparações entre quantidades semelhantes, sendo uma delas padronizada e
adotada como unidade.

Teoria dos erros


Em metrologia, o erro é o resultado de uma medição menos o valor verdadeiro do mensurando,
isto é, é a diferença entre o resultado de uma medição e o valor verdadeiro dessa grandeza.
Quando se procura obter resultados através de análises experimentais, deve-se ter em mente que
as observações das pessoas que medem serão sempre limitadas, ou seja, não representarão com
perfeição absoluta a natureza observada. Portanto, quando se relata o resultado da medição de
uma grandeza, é importante que se saiba quantificar o resultado, ou seja, deve-se mostrar qual foi
o nível de acerto da medição realizada.

Material Necessário
1. Paquímetro
O paquímetro é um instrumento que fornece medidas de comprimento, espressura, diâmetro,
com precisão da ordem de centésimos de milímetro e é usado para se obter medidas precisas.
Ao medirmos com uma régua, a menor divisão presente é o mm. Para se medir décimos de mm
ou até centésimos de mm, bastaria então acrescentar mais traços à escala. Na prática isto é
inviável, visto que os traços ficariam tão próximos que seria impossível visualizá-los.
Uma forma de contornar este problema é utilizando um paquímetro. O paquímetro é uma régua
normal equipada com um dispositivo chamado nônio ou vernier que permite medições de
décimos ou centésimos de mm, dependendo do instrumento.
Figura 1 (Exemplo de um Paquímetro).

Legenda:
1: Bicos (esquerdo fixo e direito móvel);
2: Orelhas (esquerda fixa e direita móvel);
3: Haste de profundidade;
4: Escala fixa inferior (graduada em centímetros);
5: Escala fixa superior (graduada em polegadas);
6: Escala móvel (nônio ou vernier) inferior (cm);
7: Escala móvel (nônio ou vernier) superior (polegada);
8: Trava.

Nônio ou Vernier

O nônio ou vernier é a parte do paquímetro cuja finalidade é proporcionar uma medida com uma
resolução menor (mais precisa) do que a feita somente com a escala fixa. O nome desta escala é
em homenagem ao português Pedro Nunes e ao francês Pierre Vernier, considerados seus
inventores.
O nônio é uma escala móvel deslizante que permite a leitura de frações da escala fixa sobre a
qual desliza. Para entender melhor, vamos apresentar um exemplo de um nônio simples, cuja
escala tem 10 divisões e comprimento total de 9 mm.
Figura 2 (Exemplo de um Nônio ou Vernier).

Para realizar uma medida com o paquímetro, deve-se:

a) Posicionar a peça a ser medida na região correta do paquímetro, colocar a peça entre os
bicos para medidas de dimensões externas, colocar as orelhas dentro da peça para
medidas de dimensões internas ou colocar a haste dentro da peça para medidas de
profundidade.
b) Após o posicionamento da peça, mova as partes móveis com o polegar atuando no
impulsor até que a parte móvel (bico, orelha ou haste) encoste suavemente na peça.

Figura 3 (Exemplo de como posicionar um objecto para a medida do seu diâmetro externo).
Figura 4 (Exemplo de como posicionar um objecto para a medida do seu diâmetro interno).

Figura 5 (Exemplo de como posicionar um objecto para a medida da sua profundidade).

2. Micrometro
O micrômetro é um instrumento de medida de alta precisão que permite efetuar medições de até
milésimos do milímetro. Um micrômetro típico é composto basicamente por um parafuso
especial chamado de parafuso micrométrico cujo passo é de 0,5 mm por volta completa do
parafuso. Isto significa que, a cada volta, o parafuso avança ou recua uma distância equivalente a
0,5mm.
Figura 6 (Micrometro)

Para realizar uma medida com o micrômetro, deve-se:

a) Posicionar o objeto a ser medido entre as faces da ponta fixa e da ponta móvel do micrômetro;

b) Girar o tambor até que as faces encostem no objeto suavemente. Para tanto, deve-se utilizar o
parafuso de fricção ou catraca fornecendo a pressão adequada para a medida;

c) Ler quais os milímetros inteiros na escala fixa que estão visíveis antes da borda tambor;

d) Ver se a marcação de meio milímetro, superior ao último milímetro inteiro medido, já está
visível;

e) Ler os centésimos de milímetros na escala móvel, ou seja, no tambor.

3. Balança
É o instrumento usado para determinar a massa de um corpo. Existem muitos tipo de balanças
para medir a massa de um objecto, são deslocadas massas já calibradas ao longo de 4 barras fixas
horizontalmente, já graduada. As divisões das 4 barras da balança são as seguintes: de 100g-
200g, 10g-100g, 1g-10g e 0.1g-1g. Antes de se usar a balança deve se determinar o erro da
balança. Essa medida é determinada colocando no ponto do equilíbrio a balança com os usos das
diferentes escalas desde a menor até a maior.
Figura 7 (Balança)

Quanto ao tipo, uma balança pode ser:

Analítica: quando se destina à análise de determinada grandeza sob certas condições ambientais;

De precisão: quando seu mecanismo possui elevada sensibilidade de leitura e indicação;

Industrial: quando se destina a medições de cargas muito pesadas;

Rodoviária: quando se destina a medição do peso de veículos em trânsito;

4. Régua graduada em mm
É uma ferramenta que se fabrica com um material sólido e que possibilita a realização de
medições e a criação de linhas rectas. É um instrumento que dispõe de uma escala de valores
para conhecer o comprimento de algo.
5. Cronômetro
É o nome dado a um tipo especifico de relógio usado para medir pequenos intervalos de tempo,
geralmente em ate milésimos de segundo.

Cálculo do Volume do Paralelepípedo


i a(mm) b(mm) c(mm) V(mm3)
1 49,1 11,6 11,7 6, 663, 852
2 49,8 11,6 11,6 6, 701, 088
3 49,8 11,7 11,7 6, 817, 122
4 49,7 11,7 11,7 6, 803, 433
5 498 11,7 11,7 6, 817, 122

Calculo do Volume do Cilindro


i d(mm) h(mm) V(mm3)
1 11,6 48,9 51, 652, 874
2 11,6 49 51, 758, 504
3 11,7 48,3 51, 898, 736
4 11,6 49 51, 758, 504
5 11,7 48,9 52, 543, 441

Trabalho não
coerente com
objectivos Cá dê a
densidade?
Conclusão
Terminando o trabalho, conclui-se de forma segura que a medição é o processo de determinar
experimentalmente um valor de magnitude numérica por uma característica que possa ser
atribuída a um objecto ou evento, há que recordar que resultado de uma medição menos o valor
verdadeiro do mensurando designa-se erro.

Aprendeu-se que o paquímetro, micrômetro, balança, régua graduada em mm, cronômetro,


pararelopípedo, e cilindro, são os materiais da medição, pois paquímetro é um instrumento que
fornece medidas de comprimento, espessura, diâmetro, com precisão da ordem de centésimos de
milímetro, o micrômetro é um instrumento de medida de alta precisão que permite efetuar
medições de até milésimos do milímetro, a balança é o instrumento usado para determinar
a massa de um corpo, enquanto que a recta graduada em mm é ferramenta que se fabrica com um
material sólido e que possibilita a realização de medições e a criação de linhas rectas, a o passo
que o cronometro é o nome dado a um tipo especifico de relógio usado para medir pequenos
intervalos de tempo, geralmente em ate milésimos de segundo.

Trabalho não coerente com


os objectivos;

Conclusão nao coerente com


os objectivos do trabalho;
Referências Bibliográficas

Alonso, M; Finn, E. Física um curso Universitário, Vol.1, 2ª Edição, Editora Adison Wesley
S.P.
Halliday e Resnick, (2008), Fundamentos de Física, Vol. 1, 8ª edição, R.J, Editora LTC;
Maia; Ana Figueireido et al (2008); Apostila de Apostila de Física A de Laboratório;
Departamento de Física, Universidade Federal de Sergipe;
Piancetini; João et all (2005); Introdução ao laboratório de Física; 2ª edição; Editora da UFSC;
Florianópoles-SC.

Expressões matemáticas e figuras


devem ter uma identificação
Toda
informação
vem dessas
referências?