Você está na página 1de 33

ATUADORES INDUSTRIAIS

Prof. Me. Alexsandro Brocardo Lopes


alexblopes@gmail.com
alexsandro@fadep.br
Sumário
1. Atuadores Pneumáticos

2. Atuadores Hidráulicos

3. Atuadores Elétricos
3.1 Atuadores Eletromecânicos (Relés)
3.2 Atuadores Eletrônicos (SSR)

4. Especificação

5. Interfaces
Introdução
 Um atuador é um dispositivo destinado a
executar uma ação:
– Ligação um motor;
– Movimentação de uma esteira;
– Abertura/fechamento de uma válvula;
– Dosagem de material.
 Esta ação é o resultado do controle de um
processo de produção, normalmente feito por um
CLP.
Atuadores Pneumáticos

 Os atuadores pneumáticos são os


componentes que transformam toda energia
pneumática (ar comprimido) em movimento
mecânico.
Tipos
 Lineares → convertem a EAC em movimento
retilíneo;

 Rotativos → convertem a EAC em EMEC, através


do momento torsor contínuo;

 Oscilantes → convertem a EAC em EMEC através


de um momento torsor limitado por um
determinado número de graus.
Atuadores Lineares
 Cilindro de simples ação (com e sem retorno
por mola);
 Cilindro de dupla ação (sem amortecimento);
 Cilindro de dupla ação (amortecimento fixo ou
ajustável);
 Cilindro de dupla ação com haste passante;
 Cilindro de membrana;
 Cilindro sem haste;
 Cilindro de múltiplas posições;
 Cilindro Tandem ou cilindro duplex;
 Cilindro duplex geminado;
 Cilindro de percussão ou cilindro de impacto;
 Cilindro telescópico;
 Fole;
Cilindro de simples ação (com e sem
retorno por mola);
 Acionados por AC de um só lado (realizam W
em um só sentido);
 Retorno por mola
 Os cilindros de S.A. com retorno por mola são
muito utilizados em operações de fixação,
marcação, rotulação, expulsão de peças e
alimentação de dispositivos;
 Os cilindros de S.A. com avanço por mola e
retorno por ar comprimido são empregados
em alguns sistemas de freio, segurança,
posições de travamento e trabalhos leves em
geral.
Cilindro de Simples Ação
Retorno por Força Externa
Cilindro de dupla ação
 AC é admitido e liberado por 2 orifícios;
 Quando uma câmara está admitindo ar, a
outra está liberando ar para atmosfera.
Cilindro com amortecimento
 Para controlar movimentos de grandes massas e
desacelerar o pistão nos fins de curso;
Cilindro com haste dupla
 uso em automação de mesas de máquinas
operatrizes e máquinas de injeção.
Cilindro de Impacto
 dispõe de uma pré-câmara;
 aplicado em prensas pneumáticas p/ forjamento,
britadeiras, rebitadeiras, gravações, cortes
Atuadores Rotativos
 Dimensões < motor elétrico de mesma
capacidade;
 Peso bem inferior a motor elétrico de mesmo
porte;
Motor Pneumático tipo Turbina

Os turbo-motores são empregados somente em trabalhos leves como


por exemplo em equipamentos dentários que podem chegar
a 500.000 rpm.
Atuadores Oscilantes
 Transformam o movimento linear do cilindro num
movimento rotativo com ângulo limitado de rotação;
 Excelente escolha para trabalho com eletrônicos,
alimentos e embalagens.
 Mancais termoplásticos autolubrificantes e compostos
especiais de vedação operam mesmo sem
lubrificação (ar seco);
 Bom para manuseio de materiais e robótica devido
revestimento de Teflon que diminui atritos de vedação
Atuadores Hidráulicos
 Um atuador hidráulico é um dispositivo
mecânico capaz de converter a energia hidráulica
em energia mecânica com o intuito de gerar um
movimento linear ou rotativo.
 A energia mecânica produzida é geralmente
utilizada para levantar e transportar objetos,
operação esta, que requer uma grande
quantidade de energia.
 Óleos incomprimíveis
Cilindros hidráulicos
Atuadores rotativos
 Esses mecanismos são compactos, simples e
eficientes. Eles produzem um torque alto e
requerem pouco espaço e montagem simples.
 De um modo geral aplicam-se atuadores em
ferramental de máquina, operações de
dobragem, levantamento ou rotação de objetos
pesados, funções de dobragem, posicionamento,
dispositivos de usinagem, atuadores de leme, etc
Osciladores (semi-rotativos)
Oscilador de cremalheira e pinhão Oscilador de palheta
Motores hidráulicos
 Os motores hidráulicos transformam a energia de
trabalho hidráulico em energia mecânica rotativa,
que é aplicada ao objeto resistivo por meio de um
eixo.
Motor de palheta
 Conforme o fluido passa pela conexão de
entrada, a energia de trabalho hidráulica atua em
qualquer parte da palheta exposta no lado da
entrada.
 Uma vez que a palheta superior tem maior área
exposta à pressão, a força do rotor fica
desbalanceada e o rotor gira
Motores de engrenagem
 Um motor de engrenagem é um motor de
deslocamento positivo que desenvolve um torque
de saída no seu eixo através da ação da pressão
hidráulica nos dentes da engrenagem.
Motor tipo gerotor
 São motores de baixa
velocidade e alto torque,
utilizam o conceito
internamente de rotor
gerotor com vantagens
construtivas. O rotor,
elemento de potência
não orbita, somente gira.
Esta função é executada
pela orbitação do anel
externo, eixo feito de
uma única peça.
Motores de pistão axial
 O motor de pistão é um motor de deslocamento
positivo que desenvolve um torque de saída no
seu eixo por meio da pressão hidráulica que age
nos pistões
Outros componentes
 Bombas Hidráulicas
 Acumuladores
 Multiplicadores de Pressão
 Válvulas de direção
 Válvulas de retenção
 Válvulas redutoras
 Válvulas de alivio e descarga
Atuadores Elétricos
 Estes mecanismos transformam energia elétrica
em movimentos que se pode considerar energia
cinética.
 Menor custo do que seus contrapartes
hidráulicos e pneumáticos.
 Transmissão de potência mais limpa, simples e
mais eficiente do ponto de vista de energia.
 A integração com atuadores elétricos é mais fácil
com controles programáveis
Motores Elétricos
 Motor elétrico CC
 Motor elétrico CA de indução
 Rotor gaiola ou em curto-circuito polifásico ou
Monofásico (Fase dividida, Capacitor de partida,
Capacitor permanente, Polos Sombreados, etc)
 Rotor enrolado ou bobinado polifásico ou
Monofásico
 Motor elétrico CA síncrono
 Ímã permanente, Histerese, Relutância, de passo
Válvula Solenóide
 A válvula solenóide nada mais é do que uma
válvula eletromecânica controlada. Ela recebe o
nome de solenóide devido ao seu componente
principal ser uma bobina elétrica com um núcleo
ferromagnético móvel no centro, sendo este
núcleo chamado de êmbolo.
Cilindros/pistões Elétricos
Bibliografia

 NATALE, Ferdinando. Automação industrial.


3. ed. São Paulo: Érica, 2001. 234 p

 UFPR/DELT – TE149 – Prof. Marlio