Você está na página 1de 78

MANUAL DE SEGURANÇA

EM MOVIMENTAÇÃO DE
CARGAS COM LINGAS DE
CORRENTE E CABO DE AÇO

Engº Alexandre Rogerio Roque


Objetivo
 Treinar operador para operação segurança na movimentação de
Materiais;

Informar sobre o método seguro de movimentação dos

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
ferramentais;

 Capacitar operadores a conhecer os riscos da operação fora dos


procedimentos;

 Capacitar operadores a inspecionar e segregar os equipamentos


inseguros;

 Capacitar operadores para manter os equipamentos em boa


estado de conservação;
Identificação de carga

 Todo equipamento deverá ter indicado em

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
lugar visível, a carga máxima de trabalho
permitida
 Talhas e pontes
 Tambores e mandril
Regras Gerais – Check Talhas
Polias:
Canais desgastados e/ou desgastados desigualmente.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Freios:
Atuação firme e absolutamente segura.

Aspectos Gerais:
Sinais de corrosão no equipamento e/ou acessório
Capacidade de carga não definida;
Trava de segurança do gancho em más condições.

Parte Elétrica:
Estado das botoeiras de comando
Sinalização das botoeiras de comando
Fios sem isolação
Manual de movimentação de cargas
Nunca ficar sobre as cargas, pois
tem o risco do material cair

Nunca ficar sob cargas, pois


tem o risco do material cair,
tomo cuidado com as pernas
e pés.
Manual de movimentação de cargas

Levantar a carga sempre na


vertical, pois existe o risco
de movimento involuntário

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
da carga ao sair do chão

Tenha cuidado onde você está com


relação à carga ao levantar. A carga
pôde deslizar e causar ferimento.
Mantenha sua parte traseira
desobstruída
Manual de movimentação de cargas

Nunca use o equipamento para


levantar arrastando o material

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
. Não exponha o equipamento à
tensão desnecessária, como
empurrões repentinos
Manual de movimentação de cargas
Deite a corrente com cuidado. Não o puxe e ela
estiver prensa. Use espaçadores. A corrente pode Use a linga correta para cada
danificar-se e uma corrente enfraquecida pode içamento
quebrar da próxima vez que você for usar

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Posicione sempre a carga de uma
maneira que linga possa se removido
sem usar a força.

Elaborado pelo Sesmt Gates do Brasil - ARR


Manual de movimentação de cargas
Nunca ponha carga do ponto o
gancho. Use um alça com um
olho maior ou conecte-o com um
manilha ou gancho apropriado.
De

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR Nunca tente forçar uma
ligação demasiado grande no
gancho. Substitua o gancho
por outro com uma abertura
mais larga.
Manual de movimentação de cargas

Teste-levante com cuidado


levantando a carga apenas o
necessário do piso. Verifique a
segurança e os ângulos da

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


carga antes de continuar

ARR
Use suporte adequados para
içar chapa de metal. Evite o
carregamento do ponto dos
ganchos.
Manual de movimentação de cargas

Segure a carga com cuidado.


Abaixe-o delicadamente para

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
evitar empurrões

Prenda o gancho pelo lado,


nunca com sua mão inteira.
Senão seus dedos podem ser
prensados.
Manual de movimentação de cargas

Não carregue o gancho


lateralmente

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Ao conectar os ganchos
certifique-se de que os ganchos
estão são na posição correta
(indicar).
Manual de movimentação de cargas

Certifique-se de que a carga é


distribuída uniformente como
possível.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR Nunca levante com as cordas ou
arames envolvendo a carga.
Pode ser usados para manter os
materiais juntos não para
levantar.
Manual de movimentação de cargas

Uso correto da pressão.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Note que a pressão aumenta
quanto maior o ângulo de
pegar. Use a pressão
corretamente.
Manual de movimentação de cargas

Use um suporte do propagador. Ao usar


balancim, faça uma volta extra em torno
da carga para começar uma preensão
firme no material

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR Use uma corda para
controlar a rotação
quando içar peças
longas.
Manual de movimentação de cargas

O ângulo máximo de uma linga nunca


deve exceder 120 graus. Use a proteção de
borda se houver umas bordas afiadas.
Quando bloqueador que engata, reduza o
máximo. carga por 20%.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Os materiais que consistem em
peças separadas devem ser fixados
envolvendo a linga ao redor duas
vezes para impedir que a carga
caia distante.
Manual de movimentação de cargas

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
O alinhamento errado causa a
tensão excessiva na manilha ao
levantar ou ao puxar.
Alinhamento correto.
Manual de movimentação de cargas

Nunca use correntes com nó


Uma corrente é nunca mais
Nunca use corrente com torção
forte do que sua ligação mais
Nunca repare correntes com fraca. Não repare correntes
parafusos quebradas com fios, parafusos,
etc

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Substitua o
comprimento da
corrente danificado
inteiro.
Manual de movimentação de cargas

Ao soldar ou ao cortar, certifique-

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


se de que o equipamento de içar

ARR
não está afetado pelo calor
envolvido, que pode danificar o
tratamento de calor da corrente.

Não provoque batidas e


tensões na corrente,
especialmente quando não
esticado
Manual de movimentação de cargas

Use os ganchos apropriado ao levantar


cargas assimétricas.
Evite levantar inclinado

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Use a proteção de borda para impedir
que as bordas afiadas danifiquem a
linga.
Manual de movimentação de cargas

Nunca levante com uma


Nunca conecte a corrente corrente torcida.
diretamente no gancho, use o
anelão para conectar ao gancho

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Manual de movimentação de cargas
A força da cabo de aço é reduzida
Nunca junte lingas dobrando. A resistência é relacionado
amarrando use acessórios ao diâmetro da curvatura como segue:
correto como manilha. (d =diâmetro da corda de aço):

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Manual de movimentação de cargas

Nunca encurte a corrente a


corda de aço dando nó ou
amarrando.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Use luva para manusear
corrente e cabos de aço
Manual de movimentação de cargas

Não use uma linha levantando com se fosse

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


de duas pernas com uma única virola cabida

ARR
como esta pode ser fatal. A força de ruptura na
braçadeira cresce com o ângulo.

Dobrar-se como esta


destruirá imediatamente a
corda. Use estilingues
levantando com ganchos
preferivelmente.
Manual de movimentação de cargas

Use ganchos de tamanho


adequado para trabalhas com
fitas de içamento

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR Use proteção de cabos e quinas
para não cortas o cabo, corrente
ou fita
Manual de movimentação de cargas

As lingas de fitas de poliéster ou


material sintéticos não suportam
temperaturas latas, mantenha
longe de fontes de calor

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR As lingas de fitas de poliéster
ou material sintéticos não
suportam material acido ou
base.
Manual
Manual de
de movimentação
movimentação de
de cargas
cargas

Saiba o peso a ser


Não encurte estilingues levantado e o tipo
Não use cintas de de linga que terá
amarrando. Enfraquecem-se
 içamentos com nós ou que usar
rapidamente.
amarradas S

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Elaborado
Elaborado
pelo
pelo
Sesmt
Sesmt
Gates
Gates
dodo
Brasil
Brasil
Sempre
dimensione o
numero de linga
para o peso a ser
levantado

- ARR
Dd
Içado

- ARR
Armazenamento correto das lingas
 Providencie um lugar
adequado

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM



ARR
Coloque as lingas na
posição vertical

Mantenha a ordem
Tipos de Inspeções
 Programadas
 Podem ser semanais ou mensais

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
 Segue o plano de inspeções das lingas

 Diárias
 Visuais
 Funcionais
Inspeções Diárias

Visuais: Realizadas antes de ligar o


equipamento

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
(cabos, ganchos, cabos auxiliares, fiação, estado da
botoeiras, travas, vazamentos, etc...)

Funcionais: Realizadas durante o


funcionamento do equipamento
(comandos, freios, trepidações, sirenes, etc...)
Inspeções programadas
 Onde Inspecionar?
 Providencie um local com iluminação e uma

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
mesa.
O que é necessário para inspecionar?

 Limpe a lingas antes

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
de inspecionar.
O que verificar nas inspeções
 Elos de correntes deformados ou torcidos

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
O que verificar nas inspeções

 Verificar deformações
das dimensões da

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
correntes

 Um gancho mais curto


que o outro pode ser
um sinal que a
corrente está
deformada
Não usar equipamentos
 Ganchos deformados acima de 10% da dimensão original

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
 lingas e acessórios que não passarem na inspeção
Registro das Inspeções Programadas

 Cabe ao setor que utiliza os


equipamentos de

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
movimentação registra todas
as inspeções realizadas nos
mesmos

 Cabe ao depto de segurança


auditar se as inspeções
estão sendo realizadas
Equipamentos fora das normas
 Os equipamentos
reprovados nas

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
inspeções devem ser
descartados de
imediato e anotar o
descarte no livro de
inspeções
Procedimentos corretos e errados

ARR
Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM
Sistema de Içamento por Pórtico

ARR
Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM
Tipos de lingas e Acessórios

ARR
Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM
Tipos de lingas de Corrente

ARR
Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM
Tipos de Acessórios
 Os acessórios deverão ser inspecionados da mesma maneira
da linga

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Cabos de Aço

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
São utilizados nas operações industriais
Regras Gerais

Antes do início da jornada de trabalho, o operador

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
da Ponte Rolante deverá realizar uma inspeção
visual no equipamento, devendo ser observados
os itens a seguir descriminados. Toda e qualquer
anomalia observada, nesta inspeção ou durante a
operação, deverá ser comunicada de imediato à
chefia. Comunique também a existência de outras
situações de riscos, mesmo que fora de sua área
de atuação:
Regras Gerais - Check

Cabos e Correntes:
Sinais de corrosão

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Fios ou elos partidos, quebrados ou trincados
Amassamentos
Sinais de desgastes anormais

Parte Elétrica:
Estado das botoeiras de comando
Sinalização das botoeiras de comando
Fios sem isolação
Regras Gerais - Check

Polias:
Canais desgastados e/ou desgastados desigualmente.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Freios:
Atuação firme e absolutamente segura.

Aspectos Gerais:
Sinais de corrosão no equipamento e/ou acessório
Capacidade de carga não definida;
Trava de segurança do gancho em más condições.
Regras Gerais - Operação
É vedado emendar ou prolongar correntes,
utilizando parafusos ou outras formas

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
rudimentares de conexão;
Antes de levantar a carga, verifique sempre se
os cabos ou correntes não estão cruzados;
Não forcar correntes e/ou cabos presos ou
dobrados;
Não permita pessoas na área em que estiver
sendo movimentada a carga;
Regras Gerais - Operação

Não posicione as mãos / pés debaixo da carga;

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Nunca estique repentinamente cabos ou
correntes;
É terminantemente proibido ultrapassar a
capacidade máxima de carga estabelecida no
equipamento;
Evitar o esmagamento de correntes / cabos ao
abaixar a carga;
Regras Gerais - Operação

Usar protetores para os cabos quando


estes se apoiarem em cantos vivos da

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
carga;
Informe seu superior imediato sempre que
seu EPI estiver danificado e solicite a
troca.
Inspeções Diárias

Visuais: Realizadas antes de ligar o

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
equipamento
(cabos, ganchos, cabos auxiliares, fiação, estado da
botoeiras, travas, vazamentos, etc...)

Funcionais: Realizadas durante o


funcionamento do equipamento
(comandos, freios, trepidações, sirenes, etc...)
O que é um cabo de aço?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
É UM
CONJUNTO
DE ARAMES
TORCIDOS E
ESTIRADOS.
Elementos de é um cabo de aço?

UM CABO DE

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
AÇO E
CONSTITUIDO
DE TRÊS
PARTES
DISTINTAS:
Para que serve ?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
• Içar
•Sustentar
•Fixar
•Tracionar
ARR
Como medir o diâmetro ?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


Devemos conhecer:

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
1-Capacidade - todo cabo de aço
deve ter sinalizado a sua
capacidade máxima de içamento.
Ex: 12 t
2- Qual é a hora da substituição
do cabo?
3- O que inspecionar num cabo?
Identificação da hora
da troca

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Se os arames rompidos visíveis atingirem 6 fios em um passo ou 3
fios em uma perna; se aparecer corrosão acentuada no cabo; se os
arames externos se desgastarem mais do que 1/3 de seu diâmetro
original; se o diâmetro do cabo diminuir mais do que 5% em
relação ao seu diâmetro nominal; se houver danos por alta
temperatura ou qualquer outra distorção no cabo (como dobra,
amassamento ou "gaiola de passarinho") não hesite em substituí-lo
por um novo.
Colocação correta dos grampos
Outro aspecto importante para a conservação e para

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
um bom rendimento dos cabos de aço é a correta
colocação dos grampos (também chamados de clips)
em suas extremidades. Para cabos de diâmetro até
5/8" (16 mm) use, no mínimo, três grampos. Este
número deve ser aumentado quando se lida com cabos
de diâmetros superiores.
E HORA DE UM TESTE!!!
COMO INSTALAR CLIP’s?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
E HORA DE UM TESTE!!!
COMO INSTALAR CLIP’s?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
E HORA DE UM TESTE!!!
COMO INSTALAR CLIP’s?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
E HORA DE UM TESTE!!!
COMO INSTALAR CLIP’s?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Viu!!! Nem sempre o que fazemos esta
dentro da norma do fabricante?

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Preste atenção para sua segurança
Registro da Inspeção em cabo, corrente,
ganchos e lingas.
ELEMENTO:

FICHA DE INSPEÇÃO DE CABOS DE AÇO

REFERÊNCIA:
GERÊNCIA ÁREA SUPERVISOR ANO

DESCRIÇÃO Nº REF. JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
DATA DA INSPEÇÃO:

VISTO DO INSPETOR:

Codificação

DF - Dano físico
EM - Em manutenção
RS - Requisição de suprimentos
EL - Equipamento eliminado
FC - Falta capacidade de carga
Anotações
EI - Estocagem incorreta EX - Equipamento extraviado NT - Não Tagueado

OK - Equipamento em ordem
Inspeção no cabo de aço :
1. Nº arames rompidos:ocorre por abrasão ou fadiga de flexão.deve-se
anotar o nº da arames rompidos e a localização da ruptura em um passo
ou em um comprimento equivalente a seis vezes o diâmetro do cabo.
Observar se as rupturas estão distribuídas uniformemente ou se estão
concentradas em uma ou duas pernas apenas.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
2- Arames gastos por abrasão:
Mesmo que os arames não cheguem a se romper, o seu desgaste reduz a
resistência, tornando seu uso muito perigoso.

3-Deformações: mau uso


a)Ondulação - ocorre quando o eixo de um cabo assume a forma de uma
hélice determina desgaste prematuro e arames partidos.

4-Amassamentos:ocasionado pelo enrolamento desordenado no tambor.


Nas situações em que o enrolamento desordenado não pode ser
evitado,deve-se optar pelo uso de cabos com alma de aço.
6- Gaiola de passarinho.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
Quando o cabo é submetido a
alívio de tensões
repentinamente.

OBS: esta deformidade é crítica


impedindo desta forma a
continuidade do uso do cabo de aço.
7- Alma saltada:também causada

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
pelo alívio repentino de tensão no
cabo e provoca um desequilíbrio de
tensão entre as pernas do cabo.

OBS: esta deformidade é crítica impedindo


desta forma a continuidade do uso do cabo de
aço.
Inspeção no cabo de aço :

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
8-Dobra ou nó:
é caracterizada por uma descontinuidade
no sentido longitudinal do cabo que em
casos extremos diminui a resistência à
tração do cabo.
Critérios para descarte

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
1-Arames partidos:
Dez arames partidos distribuídos
aleatoriamente em qualquer
comprimento de seis vezes o diâmetro
do cabo.
Critérios para descarte

2) Cinco arames partidos em uma

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
mesma perna em qualquer
comprimento de seis vezes o
diâmetro do cabo.
Critérios para descarte

3) Mais de um arame partido no

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
interior do cabo, em qualquer
comprimento de seis vezes o
diâmetro do cabo.
Especial

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
atenção
deve ser
dada as
roldanas.
Formas de lubrificação do cabo de aço

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
JAMAIS

ARR FAÇA ISTO


Nó no cabo.

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


Plano de Rigging

ARR
Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM
14 Pontos Cruciais que o Plano de Rigging deve ter!

O plano de rigging é a representação gráfica do planejamento de uma movimentação de carga


com guindaste

 1 – Todas as informações básicas e todos os parâmetros de segurança estabelecidos por


normas e pelo fabricante do(s) guindaste (s) envolvido(s) em todas as fases operacionais,
desde o transporte até o posicionamento final
 2 – Definição da área necessária para o posicionamento da peça, para montagem e operação

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
do guindaste, levando em consideração o local, os acessos e as interferências.
 3 – Cálculos, dimensionamentos e listas de materiais de todos os elementos aplicados para
ligação entre o guindaste e a peça, tais como: lingas, acessórios em geral, balancins, etc.
 4 – Configuração do guindaste com a definição de todas as variáveis e recursos do guindaste,
tais como: raio(s) de operação, comprimento de lança, contrapeso, moitão, passadas de cabo,
utilização de jib, mastros, etc…
 5 – Seleção do guindaste mais adequado ao tipo de operação, buscando a melhor estratégia
de içamento, com segurança e economia. Identificação completa do guindaste selecionado tais
como: tipo, marca, modelo, série, capacidade nominal, etc.
 6 – Demonstrar cálculos específicos e fatores de segurança aplicados para içamentos
considerados de “alto grau de risco”, tais como: guindaste embarcado, içamento com 2 ou
mais guindastes, içamento na beira de barrancos, sobre pontes, demolições, proximidade de
redes elétricas, etc.
 7 – Apresentar parâmetros de segurança obtidos na solução, tais como: porcentagem de
utilização do guindaste, capacidade bruta tabelada, tabela de carga aplicada (% de
tombamento),etc.
 8 – Composição da carga bruta aplicada ao guindaste, discriminando todos os itens envolvidos
e os fatores de segurança exigidos.
 9 – Apresentar parâmetros de segurança obtidos na solução, tais como: porcentagem de
utilização do guindaste, capacidade bruta tabelada, tabela de carga aplicada (% de
tombamento),etc.
 10 – Cálculo de fatores que podem influenciar na segurança da operação, tais como: força na

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
sapata, pressão nas esteiras, velocidade máxima de vento permitida para a operação, etc.
 11 – Definir folgas das interferências locais bem como da lança com a peça.
 12 – Prever cuidados especiais em função de condições locais tais como: isolamento da área,
sinalização visual, aterramento do guindaste, iluminação artificial, etc.
 13 – Prever folgas normalizadas para o movimento do guindaste tais como: andar com a
carga, giro do contrapeso próximo às interferências, etc.
 14 – Apresentar todo o “Plano de Rigging” através de desenhos técnicos com todos os
detalhes inteligíveis, juntamente com a “Memória de cálculo” e as Tabelas de Carga aplicadas.
 Fonte: Sobratema – Transporte e Movimentação de Cargas.
Referências

 Manual Thiele, Gunnebo, Conforja, Steall

Elaborado por: EST ARR do SESMT SADEFEM


ARR
 Manual CIMAF
 Manual de Aplicação da NR
 Outros treinamentos dos grupos eletrônicos
de Segurança:
 Prevenção Acidentes
 SESMT
Obrigado
Contato:
Alexandre Rogério Roque
Alexandre.roque@sadefem.com.br
Alexandre.roque@ig.com.br

SESMT SADEFEM
JACAREI SP