Você está na página 1de 5

Como a lei de segurança nacional da China pode mudar

Hong Kong para sempre


cnbc.com/2020/07/01/chinas-national-security-law-hong-kong-global-financial-center.html

1 de julho de 2020

O status de Hong Kong como um dos centros financeiros mais importantes do mundo
parece estar ameaçado.

Pequim aprovou por unanimidade uma nova lei de segurança nacional para o território,
que alguns especialistas alertam que tem o potencial de corroer as próprias estruturas
que concedem à região grandes privilégios no cenário internacional.

A legislação proíbe sedição, secessão e traição contra a China, crimes que podem
significar vida na prisão.

“A China usa constantemente a segurança nacional como motivo para dizer: ’Não
preciso cumprir nenhuma regra. Eu posso prendê-lo sem nenhuma necessidade de
explicação ’”, disse Robert Koepp, fundador e diretor da Geoeconomix.

O primeiro-ministro da China diz que a lei foi projetada para proteger a prosperidade
da cidade a longo prazo, que é dominada por protestos desde 2019, mas os críticos
temem que o movimento da China para aumentar sua influência ponha em risco as
liberdades que a China garantiu a Hong Kong por 50 anos quando o Reino Unido
entregou em 1997.

“Não esperávamos esse ataque frontal em grande escala”, disse Claudia Mo., legisladora
de Hong Kong. “Pequim obviamente acha que isso será um golpe de nocaute para o
movimento democrático de Hong Kong. ... Este é o fim de Hong Kong como a
conhecemos. ”

Porque agora?
With the West largely distracted by the global coronavirus pandemic — and
superpowers like the U.S. already retrenching under increasingly isolationist policies —
experts say the timing of the national security law actually makes a lot of sense for
China.

Also at play? A need to shore up support at home. China’s handling of the outbreak in
Wuhan drew the wrath not just of the international community but also of some
mainland Chinese citizens.

In addition, China’s economy is in bad shape. It took a big hit from Covid-19, but even
before that, growth was slowing. 2020 marked the first time in decades the Communist
Party opted not to set a growth target for the economy.

1/5
Alguns analistas dizem que Pequim precisava de uma solução rápida para reparar sua
imagem em casa. Fazer Hong Kong se alinhar é uma missão extremamente popular
entre a população em geral - que pode ajudar a distrair-se de outros problemas.

Talvez o maior fator em jogo seja que a China simplesmente não precisa de Hong Kong
quase tanto quanto costumava.

Nos anos 90, Hong Kong representava 27% da economia chinesa. Agora, representa
menos de 3%.

Megacidades da China como Shenzhen, Pequim, Xangai, Chongqing e Guangzhou


registraram um crescimento explosivo desde os anos 90. Em vez de ter uma cidade
central atraindo investimentos e trabalhadores estrangeiros, a China agora tem várias, e
sem a burocracia que acompanha o status especial de Hong Kong.

Isso significa que o governo chinês tem cada vez menos incentivos para manter Hong
Kong feliz e economicamente independente.

Por que Hong Kong ainda importa


A China confia cada vez menos em Hong Kong há anos. Xangai se tornou um
importante centro de negócios, atraindo multinacionais de todo o mundo. E Shenzhen,
uma metrópole ao norte de Hong Kong, tornou-se uma potência produtiva e
massivamente produtiva que ajudou a transformar a China no maior exportador do
mundo.

Mas o status de Hong Kong como um dos centros financeiros mais importantes da Ásia
será difícil de mudar. A interface perfeita da cidade com o Ocidente, para não
mencionar seu enorme porto, o torna um lugar muito fácil de fazer negócios com
2/5
investidores globais.

Durante grande parte de sua história, Hong Kong funcionou como um importante canal
leste-oeste para finanças e comércio globais, graças em grande parte ao seu judiciário e
reguladores independentes, que garantem um estado de direito rígido.

Embora as empresas multinacionais agora fiquem fora da China continental e Hong


Kong, empresas e investidores internacionais confiam no sistema jurídico de Hong
Kong. Operar fora da China continental é uma proposta mais complicada, com seu
sistema legal autoritário e rigorosos controles de capital.

Portanto, embora Hong Kong não contribua quase tanto para o PIB anual da China
como antes, continua sendo a linha de vida da China para receber dinheiro do Ocidente.

A maior parte do investimento direto estrangeiro que entra e sai da China passa por
Hong Kong.

As empresas chinesas também preferem Hong Kong quando se trata de angariar e


emprestar dinheiro. Dê uma olhada neste gráfico comparando a quantia de dinheiro
levantada pelas empresas do continente que estão sendo abertas nas principais bolsas
de valores. A bolsa de Hong Kong domina.

A cidade é tão popular quando se trata de ajudar as empresas do continente a


emprestar dinheiro por meio de títulos ou empréstimos.

Hong Kong também abriga operações de private banking, fintech e derivativos. Mas
talvez a maior diferença entre Pequim e Hong Kong seja o acesso ao mercado global de
moedas.

3/5
A China usou as instituições financeiras de Hong Kong para ajudar a sustentar sua
moeda nacional. Em junho, a diretora executiva Carrie Lam apresentou uma nova
proposta para transformar a cidade em um centro offshore mais proeminente para o
yuan chinês, parte de uma iniciativa maior para integrar ainda mais a cidade aos
mercados financeiros da China continental.

Alguns especialistas dizem que a maior vantagem da cidade é sua posição como um
importante centro de financiamento offshore de dólares americanos.

O dólar de Hong Kong está atrelado ao dólar desde 1983, o que foi fundamental para
garantir a estabilidade financeira. Os investidores geralmente se sentem seguros
deixando seu dinheiro em Hong Kong e negociando na moeda local de Hong Kong,
porque é facilmente conversível em dólares americanos

Essa é uma grande parte do que levou Hong Kong a se tornar o principal centro
financeiro que é hoje. E é, de acordo com analistas, uma de suas contribuições mais
importantes para a China.

“O que mudou para Hong Kong ao longo dos anos é que hoje é uma parte muito menor
do PIB da China do que há 20 anos”, disse Ravi Agrawal, editor-gerente de Política
Externa. “Mas, mesmo assim, ainda é um componente vital, na medida em que fornece
financiamento em dólares para muitas das grandes empresas chinesas que usam Hong
Kong exatamente por esse fato. Portanto, qualquer pressão dos Estados Unidos pode
doer. ”

Alguns observadores da China dizem que as ameaças americanas de diminuir os


privilégios especiais de Hong Kong podem incluir a limitação do acesso da cidade ao
dólar americano - uma medida que pode desencadear um efeito dominó, começando
com a fuga de capitais e culminando em um colapso da moeda e enormes prejuízos para
os investidores.

Mas esse resultado faz parte do “cenário nuclear” - que os analistas consideram
altamente improvável.

Um centro financeiro em risco


A estabilidade econômica de Hong Kong estava em questão mesmo antes do anúncio da
nova lei de segurança nacional.

Hong Kong já havia caído do terceiro para o sexto lugar de setembro de 2019 a março
de 2020 em um ranking semestral dos centros financeiros globais do mundo,
ultrapassado por Tóquio, Xangai e Cingapura - e com Pequim ficando atrás do número
sete.

Os protestos pró-democracia de 2019 fecham efetivamente o comércio. Ninguém estava


saindo, as lojas e os restaurantes fecharam cedo, e o turismo sofreu um enorme golpe.
Isso, combinado com uma atmosfera de erosão da liberdade, levou a economia do
4/5
território a uma recessão em 2019.

A nova legislação, que proíbe a subversão do poder estatal, atividades terroristas e


interferência estrangeira, serviu apenas para fomentar ainda mais a agitação em todo o
território.

Mais de 1.300 empresas americanas operam em Hong Kong e mais de 80% das
empresas americanas no território pesquisado pela Câmara de Comércio Americana
disseram estar preocupadas com a decisão da China de aprovar a nova lei de segurança
nacional, citando temores sobre o potencial impacto nas “liberdades civis básicas”.

Também estão em jogo os grandes privilégios concedidos a Hong Kong por força da Lei
de Política EUA-Hong Kong de 1992 . O comércio entre os Estados Unidos e Hong Kong
foi de cerca de US $ 66 bilhões em 2019.

O National Australia Bank disse em nota em 28 de maio que os EUA abriram “a porta
para possíveis tarifas sobre importações de Hong Kong, restrições de visto ou
congelamento de ativos para altos funcionários”.

O governo Trump já começou a agir. O secretário de Estado Mike Pompeo anunciou na


sexta-feira novas restrições de visto às autoridades chinesas responsáveis ​​pela
restrição de liberdades em Hong Kong.

No entanto, os EUA têm o maior potencial de infligir dor se decidir restringir as


importações de tecnologia sensível a empresas com sede em Hong Kong.

“Hong Kong se tornará como outra cidade chinesa”, disse Koepp. “Para as empresas que
têm interesses em que os dados são muito importantes, digamos finanças, digamos
qualquer coisa relacionada à medicina ou informações de negócios, inteligência de
negócios. Bem, muitas dessas operações podem acabar indo para um lugar como
Cingapura, que é visto como não contaminado pela ameaça das leis de segurança
nacional da China. ”

5/5