Você está na página 1de 24

ANALÓGICA

1. SUMÁRIO

2. Introdução..............................................................................................................3
3. Oscilador................................................................................................................4
4. onda quadrada com operacional........................................................................7
5. onda triangular com operacional........................................................................8
6. Circuito.................................................................................................................10
7. Placa.....................................................................................................................17
8. ConclusÃo...........................................................................................................23
ConclusÃo
2. INTRODUÇÃO

Este relatório tem por finalidade demonstrar de forma teórica e prática os


conceitos para sistemas de geração de freqüência via corrente continua e a devida
transformação de ondas senoidais em quadradas e triangulares.

Estudos baseados em aplicações em operacionais, realizando configurações


de conectividade seguindo modelagens dinâmicas e estáticas de resistores,
capacitores e alimentação de corrente continua permite a geração de uma
determinada freqüência com uma determinada amplitude a posteriormente uma
possível adaptabilidade de formatos de ondas.

Um estudo detalhado a respeito da ponde de Wien é de suma importância


para o entendimento da geração de onda senoidal via operacional. A transformação
da onda senoidal para quadrada será realizada por Comparador com Referencia
Nula e a conseguinte transformação triangular será efetivada por um integrador

.
3. OSCILADOR

Oscilador ou um gerador de onda é necessário a inúmeros circuitos eletrônicos dado


a necessidade de se ter uma fonte regular enxertada no circuito, qualquer maquina
que necessite realizar operações cíclicas necessariamente devera possuir uma certa
freqüência para enquadrar-se no tempo adequado. Sendo um circuito oscilador tão
essencial quanto um de fonte de alimentação.

Para baixa ou media tensão o oscilador em ponte Wien é de grande utilidade sendo
que tal gera ondas senoidais muito puras.

A figura que segue mostra o oscilador em ponte Wien onde a freqüência de


oscilação é dada por :

Esta montagem consiste em um amplificador operacional configurado como um


amplificador não inversor. Este circuito tem o feedback simultaneamente negativo e
positivo, sendo o negativo realizado através das resistências R1 e R2 e o positivo
realizado pelas duas malhas RC sendo uma em paralelo e outra em serie.

Figure 1
A oscilação é provenientes do desfazimento do sinal da malha de feedback positivo
e do ganho de malha fechada unitário. Tal circunstancia são denominadas de
Critério de Barkhausen.

O ganho diferenciado de 1 gera situações de instabilidades. A exemplo disso tem-se


quando o ganho é superior a 1 uma oscilação cuja amplitude cresce
exponencialmente e quando é inferior a 1 diminui exponencialmente , sendo
claramente perceptível o ponto de equilíbrio.

Em pratica percebe-se que não é tão simples quanto aparenta, pois o ganho unitário
em malha fechada mantém-se com uma amplitude constante SE e SÓ se
previamente existirem. Fazendo necessário o que chamamos de Arranque dos
osciladores.

O arranque consiste no aproveitamento da instabilidade, onde quando o ganho é


superior a 1, obtendo um aumento exponencial, efeito este desejável somente em
uma primeira etapa, logo após deve-se controlar este crescimento afim de se obter a
amplitude desejada. Este objetivo é facilmente atingível desde que se consiga um
ganho em malha fechada ligeiramente inferior a 1. A figura seguinte ilustra tal
situação.

Figure 2
4. ONDA QUADRADA COM OPERACIONAL

O circuito implementado com operacional na forma de comparador com referencia


nula como segue a figura seguinte, tem por finalidade transformar um sinal senoidal
em onda quadrada.

Quando a tensão de entrada passar por zero a saída comutara de seu estado
saturado atual, p. ex. se a saída estiver em +Vsat e a tensão de entrada inverter
sua polaridade a saída passa a ser –Vsat instantaneamente . Na verdade o fator que
pré-julga se esta comutação será instantânea será a impedância de realimentação.

A matemática a seguir descreve o comportamento da onda em função do resistor


(R) e do capacitor(C) , impedância de realimentação.

Figure 3

Figure 4
5. ONDA TRIANGULAR COM OPERACIONAL

Para triangular uma onda quadrada faz-se necessário o uso de um integrador


pratico. O circuito representado na figura seguinte mostra que a realimentação dá
pelo feedback negativo utilizando de uma impedância composta por um capacitor(C)
e uma resistência (R2), alem do mais uma outra resistência (R1) é posta em serie
com o sinal quadrado que chega diretamente no feedback negativo.

Figure 5

É de extrema importância entender primeiramente como funciona um integrador.

O circuito abaixo representa um integrador.


Figure 6

Pode-se concluir alguns pontos importantes ao examinar atenciosamente tal circuito,


tais como:

Vo= - (1/rc) int vidt

Vop= (vpT/4RC)

Não é utiliza desta maneira, pois acarretaria em um problema ao utilizar-se de


freqüências baixas. Para a compreensão, devemos analisar o capacitor de
realimentação. Fica claramente exposto que ao colocar freqüências baixas nele ele
ira comportar-se como uma malha aberta, sendo assim a solução é, acrescer uma
resistência em paralelo, fazendo com que ao ser exposto a baixas freqüências o
circuito funcione como um amplificador inversor simples, com seu devido ganho
(razão entre as resistências).

Se, já com a resistência, a freqüência for alta o capacitor conduzira fazendo com que
a resistência não drene corrente e atuara como um integrador.

Necessariamente deve-se saber o quão alta ou baixa é a freqüência para poder-se


ter um parâmetro. O limiar destas freqüências é chamado de freqüência de corte e
pode ser obtida pela seguinte expressão matemática:

Fc=1/2pir2c

Sendo as condições de projeto:

R2=10R

Fc < fosc/20

R1=1.2k

R2 =12k

C<8.2nF
Figure 7
6. CIRCUITO

A freqüência utilizado é de 27KHz com uma tensão de alimentação de 20V corrente


continua e uma saída Vo de no mínimo 15V.

Primeiramente, o gerador se onda senoidal:

Foi utilizado um gerador de onda de ponde de wien.

Como a intenção é de gerar uma onda de 27Khz calculamos a resistência e o


capacitor pela seguinte expressão:

R=1.515k

C=3.89nF

Como necessitamos de valores comerciais foi utilizado resistências de 1.5k e


capacitores de 3.9nF

O circuito esta demonstrado na figura seguinte.

Figura

Posteriormente, a transformação da onda senoidal em quadrada.

A utilização do operacional como comparador com referencia nula foi a forma


escolhida devido sua praticidade.

Finalmente, a transformação da onda quadra em triangular.

Foi realizado com um operacional agindo como integrador, onde o sinal Vout é a
integração do sinal Vin. Neste processo alguns parâmetros são importantes para a
configuração, tais como as resistências e o capacitor, estes já previamente
calculados.
A simulação no Pspice foi realizada a partir de 3ms até 3.1ms com um máximo
degrau de 0.1ms.

O pico positivo da onda triangular ficou com amplitude de 12V e no pico


negativo sua amplitude ficou situada em -12V. Logo, a onda triangular tem um Vpp
de 24V.
Esquemático

Figure 8 Circuito
Figure 9 Simulação
Figure 10 Onda senoidal

Figure 11 Onda quadrada

Figure 12 Onda triangular


É interessante notarmos que a estabilidade é atingida após um certo tempo, os
gráficos seguinte demonstram esta situação

Figure 13 De 0s a 100us

Figure 14 De 0.4ms a 1.2ms

Figure 15 De 0s a 2.2ms
7. PLACA

Para a parte prática usamos uma protoboard, 3 amplificadores operacionais


(3LM318), um osciloscópio, uma fonte simétrica e uma série de resistores, trimpots e
capacitores.

Como houve necessidade de alterar os valores dos resistores previamente


calculados na teoria e na simulação houve a necessidade de utilizarmos trimpots
(similares aos potenciômetros) para atingir os resultados exatos.

Com a utilização dos trimpots há a vantagem de analisar os resultados nas


ondas durante a variação das resistências.

Posteriormente realizamos o rotiamento do circuito no orcad, layout plus, e o


montamos no laboratório de eletrônica.

Com o layout impresso realiza-se o processo de estampagem de XXXX em


XXXX ,seguindo de XXXX e por ultimo o broqueamento dos pontos de conexão.

Com os componentes em mão, utilizando do mesmo método da protoboard –


resistores variados- realiza-se a montagem.

As figuras que seguem mostram o circuito rotiado e a placa montada.


Layout
Placa
8. ANALISE GRAFICA REAL

As imagens que seguem mostram o real comportamento da onda deste projeto.


9. CONCLUSÃO

A infinidade de circuitos que se faz uso hoje em dia é proveniente de árdua


análise e inúmeros experimentos. Ao depararmos com uma teoria muito bem
fundada e argumentada, seja complexa ou simplória não a o faz isenta a
diferenciação da pratica da teoria tornando o processo construtivo altamente
sofisticado e conjugado.

No estréio da articulação do problema proposto, ocorreu uma pré-analise de


parâmetros estabelecidos via intenção de resultado, que no caso foi de atingirmos
uma onda com uma freqüência de 27Khz.

A modelagem do sistema foi elaborada com base aos princípios dos


operacionais. Tal etapa foi meramente formulativa e mecanizada, utilizando de
cálculos pré-determinados e de arranjos pré-estipulados. Obviamente a boa know-
how foi de suma importância para o desencadeamento do processo.

Ao que diz respeito do rotiamento do circuito para posterior fabricação foi de


autônoma efetivação, apresentando design próprio e otimização adequada.

Ao efetivarmos por fim a placa com o circuito impresso e montado foi


evidenciado inúmeros defeitos que somente a boa pratica e macetes puderam
resolver, evidenciando que a teoria é boa, contudo inoperante sozinha.