Você está na página 1de 2

Comparecem a este santuário(fulano) e(fulana) para

solenemente unirem-se em matrimônio, havendo sido


cumpridas as formalidades legais, conforme consta do
documento nº_________________ expedido
pelo______________________, etc.

• O oficiante perguntará se entre os presentes há alguém que se oponha a


este ato. (Esta
pergunta consta das formalidades capituladas no Código Civil.)
• Em seguida o oficiante fará ao noivo a seguinte pergunta:

(Nome do noivo) persiste no firme propósito de, por livre e


espontânea vontade, casar-se
Com (nome da noiva)?

(O "Sim!" deve ser ouvido, sem o que não houve a manifestação da


vontade para a
efetivação do casamento.)

• A mesma pergunta acima será repetida à noiva que por sua vez deverá
também responder:
"Sim!”

(Nome do noiva) persiste no firme propósito de, por livre e


espontânea vontade, casar-se
Com (nome da noivo)?

• Ato seguido, o oficiante pronunciará as seguintes palavras:

“Diante de vossa manifestação de vontade, de vos


receberdes em matrimônio, eu, representando, neste momento
o magistrado civil, em nome da Lei vos declaro casados.

• O oficiante anunciará a leitura do termo de casamento que será


efetuado pelo escrivão "ad hoc”. Após a leitura, seguir-se-ão as assinaturas
no termo do livro da igreja, na ordem prevista na lei: oficiante, noivo,
noiva, testemunhas.
Logo após as assinaturas, o ministro iniciará o ato religioso, com uma
leitura bíblica, seguida de uma breve oração, estando todos de pé
. Os textos lidos podem ser, por exemplo: Gênesis 2.18-24;
Hebreus 13.1a; Efésios 5.22-33; João 21.11, etc... Feita a leitura e a
oração, o ministro fará as explanações, conforme a direção do Espírito
Santo. O tempo para esta elocução não deve ir além de 15 minutos. Se
houver mais de um cântico, coral, conjunto, ou solo, deve o primeiro
ser executado logo após a leitura da Palavra e antes de qualquer
explanação. Os demais logo após a palavra de aconselhamento.
Recomenda-se não incluir no programa mais de dois louvores.
A palavra
• Feita a explanação da Palavra de Deus, o ministro se dirigirá aos
nubentes com as
seguintes perguntas:

O irmão(fulano) promete diante de Deus, tomar a irmã ( fu


la n a ) como sua legitima esposa, ajudá-la, assistir-lhe, protegê-la
em todos os momentos da vida sejam de bonança ou de
adversidade?
A irmã ( fu la n a ) promete diante de Deus, tomar O
irmão(fulano) como seu legitimo esposo, ajudá-lo, assistir-lhe,
protegê-lo em todos os momentos da vida sejam de bonança ou de
adversidade?

Após, o ministro dirá: “Diante do que acabais de afirmar


perante mim, _de vos receberdes em matrimônio conforme a
Palavra de Deus, eu, ministro do Evangelho de nosso Senhor
Jesus Cristo, vos proclamo casados, constituídos em família,
marido e mulher."

Colocação das alianças:

O ministro, tomando as alianças nas mãos, as levantará um pouco e,


separando-as uma da outra, dirá: "Que estas alianças, feitas de metal nobre,
sirvam como memorial deste pacto feito diante das testemunhas presentes",
etc. O ministro entregará ao noivo a aliança da noiva para que nela a
coloque no dedo e mão correspondente. O mesmo fará com a noiva.
Após, o ministro os fará ajoelhar para receberem as bênçãos Com os
presentes de pé orará especificamente pela vida que os nubentes iniciarão, a
partir daquele momento, na qualidade de casados. Ato seguido, o ministro
impetrará a bênção apostólica sobre o casal na mesma forma que o faz ao
fim de cada culto. Só que terá em conta as pessoas dos nubentes e não à
congregação. Conclui dizendo: "O que Deus ajuntou não o separe
o homem."