Você está na página 1de 21

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Guia de Pratica Envolvendo Redes Profibus / AS-I / Profinet

Autor: Matheus Delfino Durães


Disciplina: Laboratório de redes de computadores
Curso: Engenahria de Controle e Automação
Prof.: Marco Aurélio de Souza Birchal

1
Sumário

Objetivo da Pratica............................................................................................3

1. Redes Utilizadas e materiais necessários:.............................................3

2. Configuração de módulos I/O..................................................................7

3. Conversor DP/AS-I:...............................................................................12

4. Profibus DP:..........................................................................................16

5. ProfiNet:.................................................................................................18

6. Comunicação dos dispositivos via software:........................................18

6.1 - Conversor DP/AS-I:.............................................................................18

6.2 - Telas de supervisão:...........................................................................20

2
Objetivo da Pratica.
O seguinte guia tem como principal objetivo apresentar a configuração
passo a passo e utilização das redes industriais.

1. Redes Utilizadas e materiais necessários:


AS-I:
Para utilizar a filosofia de acionamento baseada em protocolo
sensor/atuador AS-I, tem disponível no laboratório um barramento com cartões
endereçáveis de entrada e saída que formam a estrutura da rede. Os
dispositivos são conectados através de um conector próprio também
disponível. Esses dispositivos e recursos estão relacionados abaixo:
 Barramento AS-I:

Figura 1 - Barramento da rede AS-I

A estrutura disponível conta com fonte de alimentação 30Vcc, conversor


de protocolo AS-I/ProfiBus, necessário para o desenvolvimento da arquitetura,
cabeamento estruturado, sensor indutivo, na foto já conectado como exemplo.

3
 Módulo de I/O:
É importante ressaltar que os módulos que contêm saída devem ser
conectados o conector inferior este plug na verdade é a entrada de tensão para
os bits de saída que são transistorizados.

Figura 2 - Módulo de entrada e saída endereçável da rede AS-I

4
 Dispositivo de configuração:

Figura 1 - Dispositivo para configuração e endereçamento dos módulos AS-I

ProfiBus:
Para os dispositivos da rede ProfiBus, o laboratório também possui
equipamentos com suporte a esta rede, bem como o cabeamento estruturado,
cartões de entrada e saída do CLP, conforme relação abaixo:

 Conversor de protocolo AS-I/ProfiBus DP:

5
Figura 4 - Conversor de protocolo AS-I/ProfiBus DP

 CLP Siemens S7-300 CPU- 315F 2PN/DP:

Figura 5 - CLP Siemens S7-315F 2PN/DP

Este CLP possui uma porta para comunicação em protocolo ProfiBus DP, e
duas portas para comunicação em protocolo Profinet.

ProfiNet:
Utilizada na comunicação entre o CLP e a estação de supervisão, que
neste caso será utilizado uma IHM Siemens KTP600 Basic Color.

 IHM Siemens KTP600 Basic Color

6
Figura 6 - IHM

Ethernet:
Este protocolo é utilizado na comunicação do computador com o CLP e
IHM, esta conexão é necessária para que os softwares desenvolvidos sejam
descarregados nos dispositivos.

Manual de configuração das redes:


AS-Interface:
Módulos de entrada e saída:
Para a utilização dos módulos AS-I apresentados, é necessário que os
mesmos sejam endereçados através do dispositivo de configuração e
endereçamento.
Os módulos AS-I são compostos por duas partes, uma dianteira onde
estão localizados os conectores M12 das entradas e/ou saídas, e a parte
traseira onde o cabo da rede AS-I é prensado e o circuito do módulo é
alimentado.

7
2. Configuração de módulos I/O
Para esta configuração é necessário
seguir os passos abaixo:

2.1 - Remova a parte dianteira do


módulo utilizando uma chave
Philips, desparafusando os 4
parafusos que prendem as
duas partes.

2.2 - Desacople a parte dianteira


do módulo da parte traseira.

2.3 - Observar a polaridade do


módulo, sendo a parte
superior positiva e a parte
inferior negativa, estes contatos devem ser observados para que

8
no passo seguinte o módulo
seja acoplado de forma
correta ao dispositivo de
configuração e
endereçamento.

2.4 - Acoplar o módulo AS-I no


dispositivo de configuração e endereçamento. Observar a
polaridade do módulo, e o encaixe do mesmo com o configurador.
Caso o módulo esteja invertido, o encaixe não será perfeito e o
endereçamento não será realizado.

9
2.5 - Com o módulo acoplado,
pressione o botão ADR para
ligar o dispositivo de
configuração e
endereçamento.

2.6 - Após o dispositivo de


configuração e
endereçamento ligar, ele
mostrará em seu display o
endereço (ADDR), de leitura
(RD), 12. Portanto este
módulo está configurado no
endereço 12 da rede AS-I.

10
2.7 - Selecione um novo
endereço para este módulo
AS-I, utilizando as setas para
cima (↑) e para baixo (↓),
neste caso foi escolhido o
endereço 04. Observe que
no display o configurador não
mostra a leitura deste
endereço (RD), porém na
parte de baixo mostra o
endereço na qual no módulo
está endereçado, endereço
12.

2.8 - Após selecionar o endereço


desejado, pressione o botão
PRG para programar no
módulo AS-I o endereço
escolhido, a programação
será executada quando o
display do dispositivo de
configuração estiver
mostrando o endereço

11
(ADDR), de escrita (WR), endereço 04. Na parte de baixo do
display é mostrado o novo endereço 04 e o endereço antigo 12.

2.9 - Pressionando o botão ADR o dispositivo de configuração e


endereçamento confirmará o endereço selecionado. Apresentará
no seu display o endereço (ADDR), de leitura (RD), 04.

Figuras 7 a 15 – Configuração de endereços nos módulos


de entrada e saída da rede AS-I

Este procedimento deverá ser repetido


para todos os módulos que compõe a rede
AS-I, sabendo que nenhum dos endereços
pode ser repetido e o usuário possui uma
faixa de 32 endereços disponíveis, variando
do endereço 0 ao endereço 31.

3. Conversor DP/AS-I:
O conversor DP/AS-I possui 9 menus,
sendo eles:

12
 Status Display: neste menu é possível saber o status do conversor DP/AS-I,
através de informações como falha na rede Profibus DP, erro no dispositivo,
alimentação insuficiente para os escravos AS-I, novo escravo AS-I adicionado,
modo de configuração e etc.
 Display de escravos: este menu é composto por 7 displays, nas quais em
cada display o conversor DP/AS-I apresentará o endereço do módulo AS-I
configurado à ele.
 Endereço Profibus DP: é neste menu onde o usuário configura o nó na rede
Profibus DP em que o conversor DP/AS-I está conectado, este endereço
deverá ser a mesmo endereço da configuração de Hardware feita pelo software
do CLP.

Figura 16 - Menus existentes no conversor DP/AS-I

Após endereçar todos os módulos AS-I é necessário que eles sejam


identificados pelo conversor DP/AS-I, para isso os módulos devem ser
recolocados um a um, na sua parte traseira, seguindo o procedimento contrário
ao procedimento de retirada.

13
Figura 17 - Conversor DP/AS-I em modo de configuração

3.1 - Para colocar o conversor DP/AS-I no modo de configuração é


necessário que o mesmo esteja no menu Status Display, para
facilitar que este menu seja encontrado certifique que o cabo
Profibus DP não esteja conectado ao módulo, isso fará com que o
conversor DP/AS-I identifique um erro de comunicação em rede
(BF - vermelho). Estando no menu Status Display o próximo
passo é pressionar o botão SET, localizado na parte inferior do
conversor DP/AS-I, ao pressionar este botão o led CM ascenderá
na cor amarela, indicando modo de configuração.

Figura 18 - Novo escravo AS-I encontrado pelo conversor DP/AS-I

14
3.2 - Sempre que um novo módulo AS-I é adicionado à rede do
conversor o led CER ascenderá em amarelo, indicando que este
novo escravo foi encontrado.

Figura 19 - Ir para menu de escravos conectados

3.3 - Para visualizar o endereço na qual o escravo conectado foi


configurado, deve-se ir para o menu de escravos conectados,
para isso basta apertar o botão DISPLAY na parte inferior do
conversor DP/AS-I.

15
Figura 20 - Endereço dos escravos AS-I conectados à rede

3.4 - No primeiro menu de escravos conectados são mostrados quais


escravos estão conectados do endereço 0 ao endereço 4, sendo
assim nos próximos menus de escravos conectados aparecerão
os escravos que estão conectados do endereço 5 ao 31 sempre
mostrando em cada menu 5 escravos por vez. Na figura nota-se
que os escravos conectados possuem o endereço 1, 2 e 3
conforme os respectivos led’s (ALP, CER, APF). O último escravo
adicionado (passo 2), tem o endereço 3 e este deve ser
confirmado pelo usuário pressionando o botão SET.

16
Figura 21 - Rede configurada

3.5 - Após pressionar o botão SET o conversor DP/AS-I retorna ao


menu Status Display, finaliza-se então a configuração deste
dispositivo.
Vale ressaltar que este procedimento deverá ser repetido para todos os
escravos AS-I que compõe a rede.

4. Profibus DP:
Conversor DP/AS-I:
Para configurar o nó do conversor DP/AS-I na rede Profibus DP, é
necessário que o mesmo esteja no menu Endereço Profibus, este menu pode
ser encontrado pressionando seguidamente o botão DISPLAY até que o led
ADR apareça vermelho, não importando as cores dos led’s BF e DIA.
Quando o menu for acessado, pressione o botão SET para iniciar a
configuração.
A partir disso cada vez que o botão SET for pressionado um led
ascenderá, indicando aquele valor que compõe o endereço. Já o botão
DISPLAY faz a varredura dos valores de endereço de nó possível.
O nó Profibus DP será composto pelos seguintes valores individuais:

17
Figura 22 - Composição de valores para o nó Profibus DP

No exemplo acima, foram tomados os seguintes passos para configurar


o nó Profibus DP com o valor 69.
4.1 - Após o configurador estar no menu de endereçamento Profibus
DP (led ADR em vermelho), pressionou-se uma ver o botão SET;
4.2 - Pressionou-se o botão SET para selecionar o led
correspondente a BF;
4.3 - Pressionou-se o botão DISPLAY 4 vezes saltando os valores
correspondentes dos led’s de SF, RUN, APF;
4.4 - Pressionou-se o botão SET para selecionar o led
correspondente a CER;
4.5 - Pressionou-se o botão DISPLAY 2 vezes saltando o valor
correspondente do led de AUP;
4.6 - Pressionou-se o botão SET para selecionar o led
correspondente a CM;
4.7 - Pressionou-se o botão DISPLAY para salvar a configuração de
endereço do nó Profibus DP e retornar para o menu Status
Display.
Vale ressaltar que qualquer combinação de led’s é possível, fornecendo
ao endereço do nó o valor desejado pelo usuário e que a numeração é definida
em binário. Além disso, na configuração do Hardware este dispositivo o nó
configurado no CLP deverá ter o mesmo valor do nó configurado no conversor
DP/AS-I.

18
5. ProfiNet:
Para a configuração dos endereços de rede e dos dispositivos que
utilizam o protocolo Profinet deve-se utilizar o software de automação da
Siemens, neste caso foi utilizado o TIA Portal V13, neste software é possível
endereçar todos os dispositivos, e interliga-los.
O manual de configuração dessa rede foi elaborado com o auxílio de um
software de captura de vídeo da tela, assim é possível verificar o passo a
passo da criação de um novo projeto, adição de dispositivos, configuração
desses dispositivos e interligação dos dispositivos entre si.

6. Comunicação dos dispositivos via software:


Conforme comentado no manual de configuração para a rede ProfiNet,
faz parte deste trabalho um vídeo onde é mostrado como os dispositivos são
adicionados e configurados no software de automação, como complemento
demonstra-se como é possível haver a troca de dados entre o CLP e os
dispositivos através de programação ladder para facilitar o entendimento do
mesmo.

6.1 - Conversor DP/AS-I:


Para utilizar os módulos de entrada e saída da rede AS-Interface, é
necessário que o Conversor DP/AS-I esteja endereçado corretamente e
conectado ao mestre da rede Profibus DP no software de automação. Após
isso é necessário adicionar ao Conversor DP/AS-I qual a quantidade de Bytes
que serão transmitidos via rede.

19
Figura 23 - Catálogo de Bytes disponíveis para o Conversor DP/AS-I

Os Bytes de comunicação disponíveis estão listados no catálogo do


hardware, na coluna da direita da figura acima. Na coluna central estão listados
quais Bytes já foram adicionados e qual é a faixa de endereços e entradas e/ou
saídas do mesmo.
Neste caso, adicionou-se 16 Bytes de entrada e/ou 16 Bytes de saída
não divididos em blocos. Esses 16 Bytes tem a capacidade de monitorar 32
módulos escravos com quatro bits cada. O endereço desses Bytes é mostrado
nas colunas “I address” e “Q address”, pode-se perceber que eles possuem a
mesma faixa, isso deve-se ao fato de que os módulos podem existir nas
seguintes configurações:
 4 entradas digitais;
 4 saídas digitais;
 2 entradas digitais e 2 saídas digitais.
Portanto o usuário pode declarar entradas e saídas bit a bit, como foi
demonstrado na relação de entradas e saídas da rede AS-Interface.
O manual do Conversor DP/AS-I mostra como deve-se relacionar os 8
bits de cada Byte dentre os escravos.

20
Figura 24 - Associação de bits de entrada e saída do Conversor DP/AS-I

A intenção desta figura é fornecer ao usuário a distribuição dos bits


dentre os escravos configurados na rede AS-Interface, portanto caso o usuário
queira configurar o endereço de um módulo AS-Interface, basta ele saber qual
escravo é este módulo, lembrando que o número do escravo sempre começa
com 1 independente do endereço que este escravo foi configurado no
Conversor DP/AS-I. Suponha-se que exista um módulo híbrido (2 entradas e 2
saídas) como escravo número 3, seus endereços de acesso para leitura ou
escrita a serem configurados no CLP serão respectivamente I1.0, I1.1, Q1.2 e
Q1.3.
A relação de entradas e saídas da rede AS-Interface, auxilia no
endereçamento de múltiplos módulos.
Com o endereçamento realizado é possível elaborar a lógica de
programação ladder pelo software de automação, associando a cada elemento
da linha o endereço correspondente do sensor e/ou atuador presentes na rede
AS-I.

6.2 - Telas de supervisão:


Para acompanhar o processo e comandar os equipamentos, é possível
desenvolver telas de comando e supervisão em uma IHM. Este
desenvolvimento é realizado no software de automação TIA Portal V13.

21