Você está na página 1de 5

1

UNINOVE - UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO

Trabalho em grupo apresentado a disciplina de Metodologia do Ensino de História: Responder um questionário


referente ao uso dos livros didáticos e sua complexidade que envolve a produção e a apresentação em sala de
aula.

do curso de licenciatura plena Historia (modalidade EAD) da

Universidade nove de Julho – UNINOVE, como requisito

parcial avaliativo para composição de nota,

referente ao 2º Semestre de 2017

Professor : Prof. Dr. Juliano Custódio Sobrinho do componente Curricular


História EAD

SÃO PAULO,
2017

ATIVIDADE DISCURSIVA

Está atividade será realizada em grupo de no máximo cinco alunos, após a formação do grupo os mesmos
deveram produzir um texto autônomo e autoral para cada questão, aqui relacionada e argumentar em cima do
conteúdo fornecido para o estudo:
.

Cristina Ferreira- RA: 1716101589

Enéas Thomaz de Lima - RA: 2116100648

VALMIR RODRIGUES DE LIMA- RA: 2316100983


2

Produzir um texto para cada questão, aqui relacionada e argumentar sobre as fontes
fornecidas para o estudo:
a) Qual sua utilidade para a aprendizagem significativa da História, ou
seja, aquela que confere alguma reflexão sobre a minha realidade?
b) A leitura provoca interesse para a formação do aluno autônomo
diante do conhecimento histórico, ou seja, aquele aluno que saberá
apurar, confrontar e checar informações?
c) Você considera que o texto das autoras só traz informação ou
provoca o leitor no sentido de refletir sobre o que lê?
d) Como a temporalidade é pensada nos textos do capítulo? Só há
uma perspectiva cronológica? As autoras investem em explicar que
cada processo histórico é composto por permanências de períodos
passados e mudanças?
e) Quanto às fontes históricas, acredita que elas causam apenas um
efeito decorativo ou os alunos são convidados a interpretar as
imagens e os documentos escritos? Essas fontes estão apenas
presente no capítulo do livro ou as autoras estimulam a leitura e
interpretação destes elementos?
f) Como os trechos do capítulo trabalham a diversidade de idéias e
ações dos sujeitos históricos?
g) Acredita que – a partir do que considerou da análise do capítulo do
livro didático – ele promoveu um ensino de História reflexivo, que
leve o aluno a “pensar historicamente”, como afirma Daniel Helene?
h) Enquanto futuro professor, o que você mais valoriza neste capítulo,
se fosse utilizá-lo em uma aula sobre a temática?
Ao estudar o material exposto para está atividade podemos observar o quanto é
complexo o ensino, e para termos a compreensão, temos que realizar as perguntas
corretas, acreditamos que as “perguntas” certas são mais importante do que só, o
passar os textos em uma lousa para os alunos copiarem em seus cadernos. O texto
por si só trará informações relevantes, mais quando fazemos as perguntas,
descobrimos uma série de informações que estão contidas no contexto geral.
Podemos realizar um questionário muito rico com os textos e as imagens 1, 2, 3 e 4.
Na primeira figura podemos reparar que na “Tecelagem Mariângela, das Indústrias
Reunidas F. Matarazzo” a predominância dos trabalhadores da ala fotografada era
de mulheres e para o senso comum, as mulheres só trabalhavam em serviços
domésticos e a partir das décadas 70 e 80, quando elas conseguiram maior espaço
na sociedade foi que iniciaram no setor fabril, embora em uma boa parte dos lares, a
principal renda ou a única fonte de sustento vinham destas mulheres. Como vivemos
em uma sociedade machista e patriarcal que evoluiu em alguns pontos, mais que
ainda oprime o sexo feminino e precisa evoluir e muitos em outros aspectos. Não
3

podemos esquecer que esta foto foi tirada na década de 1920, portanto 50 anos
antes. Ao observar este material concluímos que as mulheres sempre contribuíram
direta e indiretamente com o desenvolvimento de nosso país. Portanto este material
faz com que o aluno ou a pessoa que esteja lendo, o documento consiga entender
uma série de questões referente aos temas.
Se o aluno compreender o que o autor propôs ele terá a percepção, e fará ligações
que até os dias atuais afligem nossa sociedade, voltando ao exemplo da fonte
documental, da primeira imagem do segundo capitulo do livro “O Brasil na Primeira
República” página 27, poderá observar que as mulheres até os dias atuais recebem
cerca 30% menos que os homens pela a mesma função, uma injustiça quer perdura
até os dias atuais que precisa ser modificada. Para isso o professor tem um papel
primordial no desenvolvimento destes discentes, incutir o desejo do conhecimento
autônomo, por isso os questionários têm uma grande relevância e deverão ser bem
estudados e elaborados por seus professores, quanto à aplicação em sala de aula!
Em outro exemplo podemos ver que o desenvolvimento de nossos bairros e cidades
não foram projetados e nem organizados, pensando para o futuro e crescimento de
nossa população que hoje é 207.660,929 habitante segundo IBGE, governo após
governo vem jogando a culpa um no outro e nada fazem para dar dignidade e
infraestrutura adequada a população, suas politicas públicas são apenas, políticas
tampões e imediatista que não vão na causa, é o mesmo que jogar a sujeira de
baixo do tapete, você não vê más ainda está lá. Como podemos observa no começo
do Brasil como república, as políticas adotadas pelo o então, “Presidente Rodrigues
Alves (1902 -1906)” início do século XX, política de desenvolvimento da capital do
Brasil, a cidade do Rio de Janeiro que precisava passar por uma modernização na
infraestrutura, saneamento-básico e moradia. A transformação da capital do país era
necessária, mais a que preço? Demolindo milhares de habitação de operários de
baixa renda, que moravam nos cortiços, pessoas sem voz que viviam a margem da
sociedade, uma política excludente que empurrou estas famílias para os morros do
Rio, a ida desta população causou uma série de prejuízo ambiental para cidade, pois
acentuou o desmatamento da floresta Atlântica com a construção de seus barracos.
Formando as atuais favelas que falta quase tudo, menos a esperança de melhores
dias que trará dignidade a essa população.
Na leitura dos textos propostos é perceptível que as autoras apresentam uma
temporalidade que estabelece uma relação entre passado e presente que vão além
de uma mera sequência de fatos em ordem cronológica. No entanto, o tempo
histórico é o que traz uma relevância no corpo do texto, para que em sala de aula os
professores possam levar seus alunos a pensar historicamente, possibilitando aos
alunos uma reflexão sobre o presente, tomando o passado como referência. No
caso o tema gerador seria o desenvolvimento da indústria, os movimentos urbanos e
as revoltas do Brasil na primeira República. Este tipo de abordagem pode levar os
educandos à percepção de continuidades, mudanças e permanências a partir
desses contextos históricos do período em análise, o que sem dúvidas possibilita
uma reflexão acerca de diferenças e semelhanças a eles associados na atualidade.
4

O ser humano está rodeado por uma infinidade de imagens, cada uma delas móveis
ou fixas segundo especialistas, constituem-se como elementos formadores da nossa
forma de pensar, sentir e perceber o mundo a nossa volta. No entanto aprendemos
que a maioria, das imagens chegam aos alunos no universo escolar como
elementos educativos através do livro didático. Sabe-se, entretanto principalmente
nos livros históricos que essas imagens não são meras ilustrações para decorarem
os livros, mas acima de tudo elas estão ali como fontes históricas com propósitos
pedagógicos. Tais fontes podem ser lidas interpretadas e ser usadas para entender
ou questionar os textos, afim de instigarem os alunos a pensar sobre elas, como
vimos na disciplina iconografia em sala de aula. No texto das autoras vemos essas
possibilidades sendo apresentada nas fontes utiliza.
Os textos em análise destacam temas e questões do passado, que são totalmente
relevantes para nossa sociedade atual. Questões como o desenvolvimento
industrial, que leva ao entendimento de como a indústria influência no
desenvolvimento da economia, e que ainda tem grande relevância nos dias atuais
causando impacto negativo, quanto à queda de sua produção o desemprego sendo
o fator mais grave. A relevância consiste na possibilidade de os alunos identificarem
os sujeitos históricos e formarem a concepção de que eles também são sujeitos da
história levando em consideração que ainda hoje é possível sentir os impactos
desses movimentos, e como sujeitos da história podem lidar com a diversidade de
que os envolvem no dia a dia.
Analisando o capitulo do livro didático proposto, compreendemos que as autoras
trazem as informações de maneira narrativa das informações e de fatos acontecidos.
O que percebemos é que os temas são descritos de forma bastante sintética,
mencionados sem discorrer muito sobre eles. O que consideramos um ponto
positivo é a utilização de documentos históricos, este recurso leva o leitor a uma
reflexão sobre o assunto estudado e gera interesse sobre ele, a diversidade de
fontes pode funcionar como uma ponte entre o passado e atualidade. Como todos
livros didáticos observamos que esta obra têm seus pontos positivos e negativos,
texto aborda os principais temas de maneira bem objetiva, porem a partir desses
temas permite-se que o assunto seja discutido questionado e confrontado. O texto
não deve ser somente lido, como se o livro didático fosse uma verdade
inquestionável, mais sim que o conhecimento da história seja construído. Portanto
chegamos à conclusão que esta obra promove um ensino de historia reflexivo. O
tema que abordaríamos do capitulo do livro, seria "O movimento Operário", pois
possibilita analisar como e de que maneira este movimento iniciou e quais eram
suas reivindicações, conquistas, de que forma ocorreram se passivamente ou por
pressão e enfretamento, como pensavam os patrões e quais foram às mudanças
significativas que esses movimentos conquistaram.
Sabemos que as condições precárias de trabalho levaram os operários a se
mobilizarem, por melhorias no sistema fabril e a uma legislação trabalhista, a
procura por melhores condições de trabalho e a influência anarquistas cominou na
criação dos sindicatos, que inicialmente atendia aos operários, más com o passar do
tempo os interesses foram distorcidos e deixaram de atender os propósitos de sua
criação. A mobilização dos operários, surte efeitos e em 01, maio de 1943 o
5

Presidente Getúlio Vargas sede a pressão e sanciona o decreto de lei nº 5.452


criando a (CLT ) Consolidação das do Leis de Trabalho. Dando direitos que até
então os trabalhadores não tinham, conquista como o 13º salário, férias
remuneradas e jornada de 8 horas diárias. Foram grandes conquistas pela
mobilização da sociedade.

Referencias: Guia do Livro Didático de História para o Ensino Médio, ano 2015, páginas 09-
14. Disponível em: http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/guias-do-
pnld/item/5940-guia-pnld-2015;
Revista Nova Escola, “A leitura crítica de fontes históricas”,
http://revistaescola.abril.com.br/historia/pratica-pedagogica/leitura-critica-fontes-historicas-
526597.shtml?page=0;
LUCA, Tania Regina e MIRANDA, Sonia Regina. O livro didático de história hoje: um
panorama a partir do PNLD. Revista Brasileira de História. SP, v.24. n.38, 2004. Também
disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
01882004000200006;
Plataforma Ava Metodologia do Ensino de História: Texto e Vídeo Aulas.