Você está na página 1de 61

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ


CENTRO DE TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS,
GEOTECNIA E SANEAMENTO AMBIENTAL

Ecologia
Interações Bióticas e Abióticas
Pegada ecológica

Professor: Carlos Braúna


Ecológo
Profissional (pesquisador, cientista) que trabalha no
campo da Ecologia

Ecologista
Militante de organização em defesa do meio
ambiente
Definições de Ecologia

– Ecologia é a área do conhecimento que estuda a


relação dos seres vivos entre si e deles com seu meio
ambiente (HAECKEL, 1866).

– Ecologia é o ramo da ciência que estuda a estrutura e


função da natureza, considerando que a humanidade
é parte dela (ODUM, 1972).

– Estudo da economia da natureza. Ela estuda o modo


como é organizado o aproveitamento e a distribuição
da energia e matéria na biosfera (BRANCO, 1978).
Definição de meio ambiente

• Conforme a Lei nº 6.938/1981 (Política Nacional do Meio


Ambiente):

– Conjunto de leis, influências e interações de ordem física


(luz, temperatura, pressão...), química (salinidade,
oxigênio dissolvido...) e biológica (relações com outros
seres vivos) que permite, abriga e rege a vida em todas
as suas formas.
Conceitos básicos da Ecologia

• Hábitat ‘endereço’ de um organismo é o local onde ele


vive; ou ainda, é o ambiente que oferece um conjunto de
condições favoráveis ao desenvolvimento de suas
necessidades básicas - nutrição, proteção e reprodução.

• Nicho ecológico ‘profissão’ - é o papel de uma espécie


numa comunidade - como ela faz para satisfazer as suas
necessidades.
Conceitos básicos da Ecologia

Nicho ecológico

• Conjunto de condições dentro das quais uma espécie pode


manter uma população viável no ecossistema;

• Essas condições podem mudar de acordo com o ciclo de vida do


animal (indivíduos jovens ou adultos, épocas de reprodução ou
hibernação) e a geografia onde ele se encontra (áreas mais
secas ou chuvosas, montanhosas ou planícies).
Conceitos básicos da Ecologia

• Em um ecossistema equilibrado, cada espécie possui um


nicho diferente do nicho de outras espécies.

• Espécies que ocupam nichos semelhantes, em regiões


distintas, são denominadas de equivalentes ecológicos.
Conceitos básicos da Ecologia

Homeostase

• O termo foi criado em 1932 por Walter Bradford Cannon -


do grego homeo similar ou igual, stasis estático;

• Os ecossistemas são abertos e se mantém através do fluxo


de energia solar;

• Os ecossistemas resistem às mudanças, pois são auto-


reguladores;
Conceitos básicos da Ecologia

Homeostase

• Entre a mudança e o acionamento dos mecanismos de auto-


regulação - tempo de resposta;

• Modificações naturais (erupção vulcânica) e artificiais (poluição


do rio);

• Reversibilidade???

• Impacto ambiental – restauração X recuperação.


Conceitos básicos da Ecologia

• Ecótono - região de transição entre dois biomas diferentes.

• Apresenta uma biodiversidade maior; pois nele se


encontram espécies de ambos os biomas.
Componentes bióticos e abióticos do ecossistema

• Componentes bióticos são os seres vivos: animais


(inclusive o homem), vegetais, fungos, protozoários e
bactérias. Os seres vivos organizam-se em três grupos
distintos: produtores, consumidores e decompositores.

• Componentes abióticos são aqueles que não têm vida e


interferem no desenvolvimento e sobrevivência dos seres
vivos: água, gases atmosféricos, sais minerais,
temperatura, umidade, solo e todos os tipos de radiação.
Interações bióticas e abióticas

• No hábitat, a espécie atinge o ponto ótimo - desenvolve o seu potencial


biótico - e a resistência ambiental para a espécie é mínima;

Abióticos X Bióticos

Favoráveis Clima Desfavoráveis


Potencial Nutrientes Resistência
biótico Competição ambiental
Predatismo
Parasitismo
Conceitos básicos da Ecologia

• Os ecólogos estudam as interações dentro e entre cinco


níveis: organismos, populações, comunidades, ecossistemas e
biosfera;

• Ecossistemas: conjunto resultante da interação entre a


comunidade e o ambiente.
biocenose (conjunto de seres vivos)
+
biótopo (lugar que abriga uma biocenose)
Ecossistemas

• Ecossistema Naturais
A formação/transformação do ambiente depende dos fatores
bióticos e abióticos, das interações entre os organismos e fluxos de
energia pelos ecossistemas;
Nenhuma interferência humana nessa formação/transformação;

• Ecossistemas Artificiais
Teve interferência humana a fim de replicar um ecossistema que
existiu em determinado local;
Exemplo: áreas reflorestadas.
Ecossistemas

• Ecossistema Naturais

Aquáticos – marinho e de água doce;

Terrestres – biomas, como: florestas, desertos, etc;


Como funcionam os ecossistemas?

• Ecossistema
- Captar energia luminosa;
- Sintetizar compostos orgânicos;
- Estabelecer economia de energia e matéria.

• Cadeias alimentares ou tróficas


- Transferência de energia alimentar, a partir dos vegetais,
por uma série de organismos.

• Níveis tróficos
- São os diversos estágios da cadeia alimentar.
Cadeia Alimentar

Primeiro Segundo Terceiro Quarto


Nível Trófico Nível Trófico Nível Trófico Nível Trófico

Consumidores
Produtores Consumidores Consumidores terciários
(plantas) primários secundários (carnívoros
(herbívoros) (carnívoros) superiores)

Calor Calor Calor Calor

Energia
solar

Calor

Calor Calor

Decompositores e
detritívoros
Fonte: Miller e Spoolman (2012).
Organização de um
ecossistema

TEIA ALIMENTAR
Complexa rede de
cadeias alimentares
interagindo.

Fonte: Miller e Spoolman (2012).


Pirâmide de Fluxo de Energia

Calor

Consumidores terciários 10
(humanos)
Calor

Consumidores
secundários (perda) 100
Calor Calor
Decompositores

Consumidores
primários 1.000
(zooplâncton)
Calor

10.000
Produtores
(fitoplâncton)

Fonte: Miller e Spoolman (2012).


Produtividade nos ecossistemas

• Transferência para os consumidores ao longo das sequências


alimentares.

Produção Primária (PP) – produtor


Produção Secundária (PS) – consumidor 1
Produção Terciária (PT) – consumidor 2
Produtividade nos ecossistemas

• Produção Primária Bruta (PPB) – quantidade de energia fixada


pelas plantas no processo de fotossíntese.

• Respiração (R) – energia dissipada no processo de respiração


do autótrofo.

• Produção Primária Líquida (PPL) – energia incorporada à


biomassa vegetal e transferida para os consumidores.

PPB= PPL + R
Produtividade nos ecossistemas

• PPB/R – indicador da comunidade clímax ou da sucessão ecológica.

• Sucessão ecológica – desenvolvimento de um ecossistema desde


sua fase inicial até a obtenção de sua estabilidade e do equilíbrio
entre seus componentes.

• O ecossistema adquire auto-suficiência, tornando-se um sistema


fechado por meio do desenvolvimento de processos de reciclagem
de matéria orgânica.

• A primeira comunidade que se instala é denominada comunidade


pioneira e a última comunidade da sucessão é denominada
comunidade clímax.
Produtividade nos ecossistemas

• PPB/R = 1 (Ecossistema maduro) – toda a produção primária


líquida de um certo intervalo de tempo é consumida pela
fauna em intervalo de tempo igual (PPL = 0).

• PPB/R > 1 (Ecossistema sucessional) – apenas parte da


produção primária líquida é consumida, ou seja, fica saldo de
energia para manter novos consumidores (PPL > 0).
Estágios da sucessão ecológica

Diferenças entre o ecossistema sucessional e maduro


Características Ecossistema sucessional Ecossistema maduro
Diversidade biológica Baixa Alta
Biomassa total Pequena Grande
Número de relações Pequeno Grande
Teia alimentar Simples Complexa
Relação produção/consumo Maior que 1 Menor que 1
Estabilidade Instável Estável
Resistência aos distúrbios
Baixa Alta
externos
Sucessão Ecológica

• Sucessão primária – quando a sucessão de inicia em uma área nunca


antes povoada.

– Sem solo em um sistema terrestre;


– Sem sedimentos de fundo no sistema aquático;
– Demora milhares a milhões de anos;
– Necessário criar solos/sedimentos para prover os nutrientes
necessários.
Sucessão Ecológica Primária

Comunidades de
florestas de
Pinheiros, bálsamos,
bétulas e abetos
abetos e brancos
Ervas e Vegetação álamos
Líquens e arbustos rasteira
Rochas musgos
expostas

Fonte: Miller e Spoolman (2012).


Sucessão Ecológica

• Sucessão secundária – a sucessão se inicia em área já anteriormente


povoada e cuja comunidade tenha sido quase extinta:

– Algum solo permanece em um sistema terrestre;


– Alguns sedimentos de fundo permanecem em um sistema
aquático;
– O ecossistema foi: perturbado, removido e/ou destruído.

• A sucessão secundária se processa mais rápido do que a primária,


pois alguns organismos ou mesmo sementes da povoação anterior
permanecem no local.
Sucessão Ecológica Secundária

Floresta madura de
carvalhos e nogueiras
Floresta de pinheiros jovens
Arbustos e com desenvolvimento de
Ervas pequenas sub-bosques de carvalhos e
daninhas e mudas de nogueiras
Ervas gramíneas pinheiros
daninhas perenes
anuais

Stepped Art
Fonte: Miller e Spoolman (2012).
Desequilíbrio nos ecossistemas

• Biomagnificação – alterações provocadas pela ação de


poluentes químicos.
• Os últimos níveis tróficos são os mais prejudicados.
Mergulhão (2500)

Peixes carnívoros (22 a 221) Inseticida


transferido
Peixes planctófagos (7 a 9) por via
alimentar
Zooplâncton (3,0)

Fitoplâncton (0,5)

Água (0,014)
Pirâmide de biomassa do Lago Clear, na Califórnia (concentração em ppm)
Fonte: Charbonneau, et al. (1979).
Desequilíbrio nos ecossistemas

• Os desequilíbrios também podem ocorrer devido:

– Às alterações do ambiente que impedem a camuflagem de


determinadas espécies, expondo-as aos seus inimigos;

– Uso de inseticidas que diminuem ou eliminam espécies


polinizadoras, levando ao desaparecimento de vegetais e,
consequentemente, animais;

– Ao lançamento de efluentes, ricos em matéria orgânica,


nos corpos d’água, favorecendo as bactérias aeróbias em
detrimento dos peixes.
Conceitos básicos da Ecologia

• Biosfera ou ecosfera - sistema que inclui todos os organismos


vivos da Terra, interagindo com o ambiente físico, como um todo.

– Litosfera - camada superficial sólida da Terra, constituída de


rochas e solos, acima do nível das águas. Apresenta
variações de temperatura, umidade, luz, etc. e possui
enorme variedade de flora e de fauna.
Conceitos básicos da Ecologia

• Biosfera ou ecosfera - sistema que inclui todos os organismos


vivos da Terra, interagindo com o ambiente físico, como um todo.

– Hidrosfera - representada pelo ambiente líquido: rios, lagos


e oceanos. Apresenta condições climáticas bem mais
constantes do que na litosfera, salinidade variável (nos
oceanos chega a 35 gramas/litro) e possui menor variedade
de plantas e de animais que a litosfera.
Conceitos básicos da Ecologia

• Biosfera ou ecosfera - sistema que inclui todos os organismos


vivos da Terra, interagindo com o ambiente físico, como um todo.

– Atmosfera - camada gasosa que circunda toda a superfície


da Terra, envolvendo portanto, os dois ambientes acima
citados.
Atividades humanas e desequilíbrios na biosfera

• As indústrias com suas chaminés e o uso dos veículos


movidos a gasolina ou a óleo alteram a composição da
atmosfera;

• Os resíduos lançados pelos esgotos das fábricas e das casas


alteram a composição da hidrosfera;

• A disposição inadequado dos resíduos, dos entulhos de


construção, dos rejeitos da mineração, dos inseticidas, dos
adubos, etc., alteram a composição da litosfera.
Pegada Ecológica

Conceito:

“quantidade de terra biologicamente produtiva e água


necessária para prover as pessoas de um determinado país ou
região com uma oferta ilimitada de recursos renováveis, e de
absorver e reciclar os resíduos e a poluição produzida pela
utilização de tais recursos” (MILLER e SPOOLMAN, 2012).
Pegada Ecológica

• Mudanças culturais aumentaram nossas pegadas ecológicas;

• 12.000 anos atrás: caçadores e coletores;

• Três grandes eventos culturais:


– Revolução agrícola
– Revolução médica-industrial
– Revolução da globalização-informação

• Necessidade atual por uma revolução sustentável.


Três grandes eventos culturais

Revolução da globalização-informação
População humana

Revolução médica-industrial
Revolução agrícola

12.500 anos 275 anos 50 anos Presente


atrás atrás atrás

Tempo (sem escala)

Fonte: MILLER e SPOOLMAN (2012).


Ciclos Biogeoquímicos

• Fluxos de energia e matéria:

– A transferência de energia, a partir da captação realizada pelos


organismos que fazem fotossíntese, percorre de forma unidirecional
uma cadeia formada por diversos níveis (compostas de seres vivos),
mantida por essa energia - cadeia alimentar, constituindo uma
estrutura trófica.

– O fluxo da matéria segue por meio da mesma estrutura trófica (as


comunidades de seres vivos), contudo, esse fluxo é cíclico,
diferentemente do fluxo de energia.
Ciclos Biogeoquímicos
Seres vivos interagem Representam
nos processos de ciclos de
síntese e decomposição elementos
dos elementos. químicos.

O meio
terrestre/litosfera é a
principal fonte dos
elementos.

A biogeoquímica é a ciência que estuda a troca ou a circulação da


matéria entre os componentes vivos e físico-químicos da biosfera
(ODUM, 1971).
Ciclos Biogeoquímicos

Classificação:

• Ciclos locais: envolve elementos que não apresentam


mecanismos de transferência à longa distância (P).

• Ciclos globais: envolve trocas entre a atmosfera e o


ecossistema – na biosfera (N, C, O e H2O).
Ciclos Biogeoquímicos

Classificação:

• Ciclos gasosos: o depósito está na atmosfera ou hidrosfera.


• Carbono - grande reservatório está na hidrosfera, na forma de gás carbônico,
embora também esteja presente na atmosfera;
• Nitrogênio - reservatório é a atmosfera.

• Ciclos sedimentares: depósito está na crosta terrestre.


• Fósforo - reservatórios são as rochas formadas em remotas eras geológicas;
• Enxofre - o maior reservatório são as rochas e sedimentos.
Ciclos Biogeoquímicos

• Principais características:
- Um depósito ou reservatório (litosfera, atmosfera ou
hidrosfera);
- Inclusão dos seres vivos (vegetais, animais e microrganismos);
- Câmbios químicos;
- Movimento do elemento químico desde o meio físico até os
organismos e seu retorno a este;
- Os componentes bióticos e abióticos aparecem intimamente
entrelaçados.
Ciclo da Água

• Renovação natural da qualidade da água - três processos principais:


– Evaporação
– Precipitação
– Transpiração
Ciclo da água Condensação
Gelo e
Condensação

neve

Transpiração
das plantas
Precipitação à
terra Evaporação da
água de superfície Evaporação
do oceano
Escoamento

Lagos e
reservatórios
Precipitação
sobre o oceano
Escoamento
Aumento do escoamento
em terrenos cobertos
Infiltração e com culturas, edifícios e
percolação pavimentação Aumento do
no aquífero escoamento do
desmatamento de
Escoamento florestas e uso das
zonas úmidas

Águas Extração
subterrâneas excessiva dos Poluição da água
em aquíferos aquíferos Escoamento

Oceano

Processo natural
Reservatório natural
Impactos humanos
Caminho natural
Caminho afetado por atividades humanas Fonte: Miller e Spoolman (2012).
Ciclo do Carbono

• O CO2 é um componente-chave do termostato da natureza: se o ciclo


remove muito CO2 da atmosfera, ela esfria; se o ciclo gera um excesso
de CO2, a atmosfera esquenta;

• Esse ciclo tem início a partir do momento em que as plantas, ou


outros organismos autótrofos, absorvem o CO2 da atmosfera e o
utilizam na fotossíntese (ou quimiossíntese no caso de alguns
organismos) incorporando-o às suas moléculas;

• As plantas utilizam CO2 e o vapor de água da atmosfera para, na


presença de luz solar, sintetizar compostos orgânicos de carbono,
hidrogênio e oxigênio, tais como a glicose (C6H12O6).
Ciclo do Carbono
6CO2 + 6H2O + Energia Solar C6H12O6 + 6O2
(Reação da Fotossíntese)

• A fixação do carbono em sua forma orgânica indica que a fotossíntese


é a base da vida na Terra;
• A energia solar é armazenada como energia química nas moléculas
orgânicas da glicose;
• A energia armazenada nas moléculas orgânicas é liberada no processo
inverso ao da fotossíntese: a respiração;
• Na respiração, acontece a quebra das moléculas com a consequente
liberação de energia para a realização das atividades vitais dos
organismos.
C6H12O6 + 6O2 6CO2 + 6H2O + 640 Kcal/mol de glicose
(Reação da Respiração)
Ciclo do Carbono

CO2 atmosférico

CO2 + H2O H2CO3 H+ + HCO3- 2H+ + CO3-

Ácido carbônico Bicarbonato Carbonato

• A reação é reversível e realiza-se no sentido da maior para a menor


concentração;
Ciclo do Carbono

• Ciclo Principal
• Produtores, consumidores e decompositores participam,
respectivamente, dos processos de fotossíntese e respiração;

• Ciclo Secundário (mais lento)


• Decaimento de plantas e animais que foram incorporados por
processos geológicos na crosta terrestre. Nesses processos, os
organismos foram transformados em combustíveis fósseis;

• Esse carbono não é liberado em forma de CO2 para a reciclagem


até que os combustíveis sejam extraídos e queimados, ou até que
longos processos geológicos exponham esses depósitos ao ar.
Ciclo do Carbono Dióxido de carbono
na atmosfera Respiração

Fotossíntese

Animais
(consumidores) Queima de
Incêndios combustíveis
Difusão fósseis
florestais

Plantas
Desmatamento (produtores)

Transporte Respiração
Carbono em
plantas
(produtores)
Dióxido de carbono Carbono em
animais
dissolvido no oceano (consumidores)
Decomposição
Carbono em
Teias alimentares marinhas
Produtores, consumidores, combustíveis
decompositores fósseis

Carbono em
sedimentos de Compactação
calcário ou dolomita

Processo
Reservatório
Via afetada por humanos
Via natural Fonte: Miller e Spoolman (2012).
Ciclo do Nitrogênio

Aumento da população humana

Aumento da produtividade agrícola

– Tanto o nitrogênio como o fósforo são fatores limitantes do crescimento


dos vegetais e, por isso, tornaram-se alguns dos principais fertilizantes
utilizados na agricultura;
Ciclo do Nitrogênio

– Quatro mecanismos:

1) Fixação do nitrogênio atmosférico em nitratos:


- Ocorre por meio dos organismos simbióticos fixadores de nitrogênio.
Exemplo: espécie Rhizobium, que vive em associação simbiótica
(mutualismo) com raízes vegetais leguminosas (ervilha, soja, feijão,
etc.);
- O nitrogênio fixado é rapidamente dissolvido na água do solo e fica
disponível para as plantas na forma de nitrato;
- As plantas transformam os nitratos em grandes moléculas que contém
nitrogênio e outras moléculas orgânicas nitrogenadas, necessárias á
vida;
Ciclo do Nitrogênio

2) Amonificação
- Bactérias mineralizam o nitrogênio produzindo gás amônia (NH3) e
sais de amônio (NH4+).

3) Nitrificação
- NH4+ e NH3 são convertidos em nitritos no processo de nitrificação.

4) Desnitrificação
- Nitritos são transformados em nitratos por um grupo de bactérias
quimiossintetizantes.
Ciclo do Nitrogênio

N2 NH3 NO2 NO3


Nitrogênio Amônia Nitrito Nitrato
atmosférico

Rhizobium Nitrosomonas Nitrobacter

NITROSAÇÃO NITRATAÇÃO

NITRIFICAÇÃO
As bactérias do solo alteram os íons
de amônia e de amônio para íons
nitrato (NO3). Pseudomonas
DESNITRIFICAÇÃO Os íons de nitrato voltam
a ser gás nitrogênio.
Processo Desnitrificação por bactérias
Nitrogênio na
Reservatório atmosfera Nitrificação por bactérias
Via afetada por humanos
Caminho natural
Nitrogênio em
Tempestades elétricas animais
Ciclo do Nitrogênio

O nitrogênio oxida na (consumidores)


queima de combustíveis Atividade
e na utilização de vulcânica
fertilizantes inorgânicos

Nitrogênio
em plantas
(produtores)

Decomposição
Nitratos de
fertilizantes
escoamento e Absorção pelas plantas
decomposição

Nitrato no solo

Perda de nitrogênio Nitrogênio


para sedimentos do em sedimentos Bactérias
oceano profundo oceânicos
Amônia no solo

Fonte: Miller e Spoolman (2012).


Alterações Antrópicas no Ciclo do Nitrogênio

– Adição de nitratos em excesso nos ecossistemas


aquáticos através dos escoamentos agrícolas e das
descargas dos sistemas de esgotos sanitários;

– Retirada de nitrogênio da camada superficial do solo


ao colher safras ricas em nitrogênio, irrigar as
plantações, queimar ou remover a vegetação de
campos e florestas antes de efetuar o plantio.
Ciclo do Fósforo

• Percorre a água, a crosta terrestre e organismos vivos;

• O fósforo é um elemento de ciclo fundamentalmente sedimentar;

• Por meio de processos erosivos, ocorre a liberação do fósforo na forma


de fosfatos, que serão utilizados pelos produtores;

• Parte é carregada para os oceanos, onde fica depositado a grandes


profundidades ou é consumida pelo fitoplâncton;

• Os meios de retorno são insuficientes do fosfato para os ecossistemas


a partir dos oceanos são insuficientes para compensar a parcela que se
perde;
Processo Ciclo do Fósforo
Reservatório
Via afetada pelos seres humanos
Via natural
Fosfatos em Fosfatos em
esgoto fertilizantes Placas
Fosfatos em tectônicas
resíduos de Escoamento Escoamento
mineração
Aves
marinhas
Escoamento
Fosfato em
rochas (ossos
Erosão fósseis, Teias
guano) alimentares
oceânicas
Animais
(consumidores) Fosfato Fosfato em
dissolvido sedimentos
na água oceânicos rasos
Fosfato em
sedimentos
Plantas oceânicos
(produtores) profundos

Bactérias

Fonte: Miller e Spoolman (2012).


Ciclo do Enxofre

• Muito do enxofre da Terra está armazenado no subsolo , em rochas


e minerais, na forma de sais de sulfato enterrados sob sedimentos
oceânicos;

• O enxofre também entra na atmosfera por várias fontes naturais:

– O sufeto de hidrogênio é liberado por vulcões ativos e por matéria orgânica


em decomposição por decompositores anaeróbios em áreas alagadas,
pântanos e planícies de maré;

– O dióxido de enxofre também é proveniente dos vulcões;


Ciclo do Enxofre

• O enxofre também entra na atmosfera por várias fontes naturais:

– Partículas de sais de sulfato, entram na atmosfera a partir da água do mar,


tempestades de poeira e incêndios florestais;

– As raízes de plantas absorve os íons de sulfato e incorporam o enxofre como


um componente essencial de muitas proteínas.
Ciclo de Enxofre
Dióxido de
enxofre na
atmosfera

Ácido sulfúrico e
Refino de Sulfato
Queima do
Fundições combustíveis depositados
carvão
fósseis como chuva ácida
Dimetil Enxofre em
sulfeto o animais
subproduto (consumidores)
de uma
bactéria

Enxofre em
plantas
Mineração e (produtores)
extração Absorção
pelas
Enxofre
plantas
em
sedimentos Decomposição
oceânicos
Decomposição

Processo Enxofre
no solo, rocha
Reservatório
e combustíveis fósseis
Caminho afetado por humanos
Caminho natural
Fonte: Miller e Spoolman (2012).
Alterações Antrópicas no Ciclo do Enxofre

• Queima de carvão e petróleo contendo enxofre;

• Refinar petróleo contendo enxofre para fabricar


gasolina;

• Converter minérios de minerais metálicos contendo


enxofre em metais livres , como o cobre, o chumbo e o
zinco – atividade que libera grandes quantidades de
dióxido de enxofre no meio ambiente.