Você está na página 1de 15

Universidade Da Beira Interior

Departamento de Engenharia Electromecânica

Controlo de Qualidade e Manutenção

2010/2011

As Sete Ferramentas Da Qualidade

Pedro Martins Nº21560


Tony Santos Nº21338
Gilberto Batista Nº 21717
Índice

Introdução ...................................................................................................... 3
1. Diagrama de Pareto ................................................................................... 4
2. Diagramas de causa efeito ......................................................................... 4
3. Histogramas ............................................................................................... 5
4. Lista de verificação ................................................................................... 6
5. Diagrama de dispersão .............................................................................. 7
6. Fluxograma................................................................................................ 8
7. Carta de Controlo ...................................................................................... 9
Exemplos ..................................................................................................... 11
Conclusão .................................................................................................... 14
Bibliogafia ................................................................................................... 15

2
Introdução

O controlo de qualidade é uma técnica adoptada pelas empresas que


têm como principal objectivo gerenciar a qualidade e a produtividade
através de estudos estatísticos, a fim de detectar vulnerabilidades e as
causas que poderão afectar os dois factores acima referidos.
Para representar graficamente esses estudos estatísticos recorre-se ás
chamadas Sete Ferramentas da Qualidade, que não são nada mais nada
menos que diferentes formas de apresentar, tabular e colectar os dados em
analise. Entre elas referimos:

1. Diagrama de Pareto
2. Diagrama de Causa e Efeito
3. Histogramas
4. Lista de verificação
5. Diagrama de dispersão
6. Fluxograma
7. Gráfico de controlo

3
1 – Diagrama de Pareto

Corresponde a um gráfico de barras que exibe a contribuição, em termos


absoluto e relativo, das várias causas determinantes de um asituação.
Este tipo de gráfico pretende retratar a estrutura de uma determinada
situação dispondo as várias causas em uma escala de frequência.
Com este gráfico conseguimos identificar as poucas causas dominantes que
têm maior repercussão sobre a situação em análise.

Exemplo 1:
Uma pesquisa sobre o tempo que uma máquina passa estando parada numa
fábrica permitiu construir a seguinte tabela:

Objetivo : Redução do Tempo de Máquina Parada

4
Fácilmente se conclui que a causa dominante da máquina ficar parada é a
manutensão correctiva.

Exemplo 2:

Objectivo: Melhoramento da qualidade do estabelecimento.

Estabelecimento sem clientes


Reclamações Frequência
Matéria prima sem qualidade 7
Mau atendimento 29
Pouca higiene 24
Má organização 32
Produtos sem qualidade 17
Tempo de espera 13

Categorias de causa frequência %frequências acumulada %acumulada


Má organização 32 26,2 32 26,2
Produtos sem qualidade 17 13,9 49 40,1
Pouca higiene 24 19,7 73 59,8
Mau atendimento 29 23,8 102 83,6
Outros 20 16,4 122 100
Total 122 100 122 100

5
2 – Diagramas de causa efeito (espinha de peixe ou diagrama
de Ishikawa)

Permite que seja identificada uma relação significativa entre um efeito e


suas possíveis causas.

As chamadas causas principais de problemas (6 M’s):


· Mão-de-Obra (ou pessoas)
· Materiais (ou componentes)
· Máquinas (ou equipamentos)
· Métodos
· Meio Ambiente
· Medição

Exemplo:
Pretende-se descobrir as causas que levaram a selecção brasileira a à derrota.
Criar um diagrama de pareto com os vários factores e subfactores

6
3 – Histogramas

O histograma é um gráfico composto por rectângulos justapostos em que a


base de cada um deles corresponde ao intervalo de classe e a sua altura à
respectiva frequência. Quando o número de dados aumenta
indefinidamente e o intervalo de classe tende a zero, a distribuição de
frequência passa para uma distribuição de densidade de probabilidades. A
construção de histogramas tem carácter preliminar em qualquer estudo e é
um importante indicador da distribuição de dados. Podem indicar se uma
distribuição aproxima-se de uma função normal, como pode indicar mistura
de populações quando se apresentam bimodais.

Exemplo:

4 - Lista de verificação

Permite uma tabela de dados organizada, facilitando a sua análise e


interpretação.
Existe uma infinidade de tipos de lista de verificação. O mais importante é
que haja facilidade no seu preenchimento e que os dados sejam apontados
de modo correcto.
A forma de tabela de dados depende do objectivo do estudo.

7
Exemplo:

8
5 - Diagrama de dispersão

Visa identificar se existe uma tendência de variação conjunta (correlação)


entre duas ou mais variáveis.

Exemplo:

Objectivo: Ver o número de peças defeituosas fabricadas pelos diversos


operadores com diferentes tipos de idades durante um mês.

Tabela das idades e do número de peças defeituosas

Idade do operador Nº peças defeituosas


25 30
20 55
19 60
20 45
35 10
33 5
25 33
27 20
30 24
33 11
35 27
37 14
40 27
41 29
44 33
45 36
47 36
50 37
56 40
59 46
64 69

9
Com este diagrama podemos visualizar quais as idades que mais fabricam
peças defeituosa.

6 - Fluxograma

Tipo de diagrama que pode ser entendido como uma representação


esquemática de um processo, muitas vezes feito através de gráficos que
ilustram de forma descomplicada a transição de informações entre os
elementos que o compõem. Podemos entendê-lo, na prática, como a
documentação dos passos necessários para a execução de um processo
qualquer.

10
Simbolos:

Exemplo:
Fluxograma de agendamento por telefone:

11
7 - Carta de controlo

Consiste num gráfico, com limites superior e inferior, na qual é marcada a


evolução dos valores estatísticos de medidas para séries de amostras ou
sub-grupos.
Mostra frequentemente uma linha central para ajudar a destecção da
tendência dos valores marcados em relação a qualquer dos limites de
controlo.
É uma ferramenta poderosa para controlo e melhoria do processo que
permite dinâmicamente separar as duas causas de variação.

Objectivos das cartas de controlo:

 Mostrar evidências se um processo está a ser conduzido num estado


de controlo estatístico
 Permitir identificar a presença de causas especiais de variação, por
forma a que as respectivas acções correctivas possam ser tomadas
 Melhoria continuada da capacidade do processo
 Utilizar os limites de controlo como uma forma de decisão em tempo
real do andamento do processo

Benifícios:

 São de uso simples


 Extrmamente eficáses a conseguir o estado de controlo estatístico
 Podem ser mantidas no posto de trabalho pelo próprio operador
 Fornecem informações úteis e de confiança acerca da altura própria
para introduzir acções de correcção
 Fornece uma linguagem comum para as “comunicações” acerca do
desempenho do processo
 Distinguem as causas especiais das causas comuns de variação

12
Pré-requisitos para a implementação de cartas de controlo

1. Criação de um ambiente adequado pela direcção da empresa


2. Definição e compreensão do processo
3. Determinação das características a tratar estatisticamente
4. Definição do sistema de medida
5. Minimizar a variação desnecessária

Fases de elaboração de uma carta de controlo

1. Recolha de dados
2. Controlo e análise
3. Melhoria da capacidade

Tipos de cartas de controlo

 Tipo variável
o Média e Amplitude
o Mediana e Amplitude
o Média móvel e Amplitude móvel
o Valores individuais e Amplitude móvel
o Média

 Tipo atributo
o Nº de unidades defeituosas
o % de unidades defeituosas
o Nº de defeitos
o Nº de defeitos por unidades
o

Exemplo genérico:

13
Conclusão:

As Sete Ferramentas da Qualidade são métodos simples e de ampla


utilização empregados para coletar, processar e dispor conjuntos de
informações, facilitando sua análise, com o objetivo de manter e melhorar
resultados.
Com estas ferramentas é possível analisar dados através de métodos
estatísticos, acompanhar e controlar o processo, analisar problemas,
eliminar deficiências e implementar melhorias e avaliar o desempenho para
identificar a melhoria atingida.

14
Bibliografia:

 Apontamentos das aulas de controlo estatístico do processo

 http://pt.wikipedia.org/wiki/Sete_ferramentas_da_qualidade

 http://www.saude.sc.gov.br/gestores/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ed_
03/pdf/07_01.pdf

 http://remonato.pro.br/documents/07%20-
%20Manual%20De%20Ferramentas%20Da%20Qualidade%20-%20Sebrae.pdf

15