Você está na página 1de 1

Física 2.

Em um movimento curvilíneo:
A velocidade vetorial instantânea tem direção
Professor CARLOS Jennigs tangente à curva, no ponto considerado, e
sentido indicado pela orientação do vetor:
Aula 28

Movimentos circulares
Na Cinemática Escalar, estudamos a descrição
de um movimento em trajetória conhecida, utili- Atenção: uma grandeza vetorial só é constante
zando as grandezas escalares. Agora, veremos se forem constantes sua direção, seu sentido e 01. Considere a Terra perfeitamente esférica e
como obter e correlacionar as grandezas veto- sua intensidade. Assim, o único movimento suponha um aro nela ajustado, na linha do
riais descritivas de um movimento, mesmo que que tem velocidade vetorial constante é o equador (que mede aproximadamente 40
não sejam conhecidas previamente as trajetórias. movimento retilíneo uniforme. 000km).
Deslocamento Vetorial Aceleração Vetorial Instantânea
A figura ilustra um deslocamento escalar (∆S) de É a aceleração vetorial de um móvel em cada
um barco, de A para B, num trecho do rio Purus. ponto de sua trajetória.
→ →
rA e rB são vetores-posição com origem em O. Vamos decompor o vetor aceleração instan-
tânea, tomando como base a direção do vetor
velocidade:


Se o comprimento desse aro for
Ao ir de A para B, o barco realizou um desloca- 1. Aceleração tangencial (at) – Compõe a aumentado de 1m, surgirá uma folga x
mento ∆r, com origem no ponto A e extremidade aceleração vetorial na direção do vetor veloci-
→ entre ele e a Terra, como está indicado na
no B, dado pela diferença entre o vetor-posição dade ( v ) e indica a variação do módulo deste. figura. Dentre as alternativas, assinale
no fim do deslocamento e o vetor-posição no Possui módulo igual ao da aceleração escalar:
aquela que traz o maior animal capaz de
início: ∆v
→ → → ∆t
at = a = ––– passar por essa folga:
∆r = rB – rA
Importante: em trajetória curvilínea, é fácil Importante: a) Pulga. b) Aranha. c) Rato.
→ →
verificar que |∆r| < |∆S|. 1. Em movimentos acelerados, at e v têm o d) Gato. e) Elefante.
mesmo sentido, como na figura, acima.
Velocidade Vetorial Média → → 02. Um móvel parte do repouso e percorre
2. Em movimentos retardados, at e v têm
Numa trajetória qualquer (retilínea ou curvilínea), sentidos contrários. uma trajetória circular de raio 100m, em

a velocidade vetorial média é definida pela razão 3. Em movimentos uniformes, at é nula, já que movimento acelerado uniformemente, de

entre o vetor deslocamento e o correspondente o módulo de v não varia nesses movimentos. aceleração escalar igual 1m/s2. Calcule,
intervalo de tempo: →
após 10s, as componentes tangencial e
∆r
→ 2. Aceleração centrípeta ou normal (ac) –

vm = –––– Componente da aceleração vetorial na direção centrípeta da aceleração.
∆t do raio de curvatura (R); indica a variação da

(o vetor velocidade média tem a mesma direção direção do vetor velocidade ( v ); tem sentido 03. Uma roda gigante de raio igual a 6m está
e o mesmo sentido do vetor deslocamento). apontando para o centro da trajetória (por isso, em rotação uniforme e completa uma volta
centrípeta) e módulo dado por: a cada 50s. A freqüência da roda (em Hz) e
v2 a velocidade angular da roda (em rad/s)
ac = ––––
Aplicação 1 R
→ valem, respectivamente:
Numa curva de rio, em certo instante, um homem Importante: nos movimentos retilíneos, ac é nula
observa um barco deslocar-se desde a posição A, porque o móvel não muda de direção nesses a) 0,2 e 1,3 b) 0,02 e 0,13
a 6m do ponto O em que está posicionado. De- movimentos. c) 0,1 e 0,01 d) 2 e 13
pois de 5s, o barco está na posição B, a 8m do 3. Aceleração vetorial resultante – A obtenção e) 4 e 26
mesmo referencial. Determine o módulo da da intensidade da aceleração resultante pode ser
04. (UFPA) Uma partícula em MCU percorre
250cm em π segundos, com aceleração
velocidade vetorial média do movimento do feita aplicando-se o Teorema de Pitágoras no
barco. triângulo retângulo em destaque na figura acima:
a2 = a2t+ a2c de 500cm/s2. Qual é o período de seu
movimento?
a) 1s b) 2s c) 3s
Aplicação 2 d) 4s e) 5s
Um corpo descreve uma trajetória circular de
diâmetro 20cm, com velocidade escalar de 05. Um ventilador, inicialmente em repouso, é
5m/s, constante. Nessas condições, calcule a ligado e, 2s após, apresenta uma
Dados os módulos dos vetores-posição, r1 = 6m aceleração à qual fica submetido o corpo. velocidade angular de 6rad/s. Determine,
e r2 = 8m, podemos calcular o módulo do em rad/s2, a aceleração angular média do
Como D=20cm, o raio R=10cm=0,1m; v=5m/s.
deslocamento vetorial: ventilador.
O módulo da velocidade não muda (v constante),
então: at = 0. a) 1,0 b) 2,0 c) 3,0
Módulo da velocidade vetorial média: A aceleração do corpo é:
d) 4,0 e) 5,0
→ ∆r 10 v2
vm = –––– = ––––– = 2 m/s a2 = a2t + a2c ⇒ a2 = a2t ⇒ a = ac = ––––
∆t 5 R 06. (FEI–SP) Uma partícula descreve uma
Velocidade Vetorial Instantânea v2 = –––––52 = 250m/s2 circunferência com movimento uniforme.
a =––––
R 0,1 Pode-se concluir que:
A direção, o sentido e a "rapidez" (módulo) do
movimento, em cada ponto da trajetória, são os MOVIMENTOS CIRCULARES a) Sua velocidade vetorial é constante.
elementos que o vetor velocidade instantânea Deslocamento escalar – O perímetro de uma b) Sua aceleração tangencial é não-nula.
representa. circunferência corresponde à medida do arco c) Sua aceleração centrípeta tem módulo
relativo a uma circunferência completa (uma volta): constante.
1. Em um movimento retilíneo:
A velocidade vetorial, em dado instante, tem o S = 2πR (Unidade no SI: metro – m). d) Sua aceleração vetorial resultante é nula.
sentido do movimento e a direção da reta em A correspondente medida, em radianos, desse e) Suas acelerações tangencial e resultante são
que ele ocorre: arco vale: iguais em módulo.
2π R
θ = ––– = ––––– = 2π rad
S
R R