Você está na página 1de 365

6

REI DE CICATRIZES | 1


T R A D U Z I D O P O R : CORTE DE TRADUÇÃO

B E C A P A U L A J E S S I C A V I V I A N L O R E N A
REI DE CICATRIZES | 2

Também de Leigh Bardugo


Trilogia Sombra e Ossos
Sombra e Ossos

Sol e Tormenta

Ruina e Ascenção
Duologia Six Of Crows
Six Of Crows – Sangue e Mentiras

Crooked Kingdom – Vingança e Redenção


The Language of Thorns

REI DE CICATRIZES | 3

Para Morgan Fahey-

General nos tempos de guerra Conselheira nos tempos de paz A mais querida das amigas (Na
maioria das vezes) rainha benevolente

REI DE CICATRIZES | 4

REI DE CICATRIZES | 5

REI DE CICATRIZES | 6

REI DE CICATRIZES | 7

Dima ouviu as portas do celeiro baterem antes de qualquer outra pessoa. Dentro da pequena casa
de fazenda, a cozinha borbulhava como uma panela no fogão, as janelas fechadas contra a
tempestade, o ar da sala úmido e quente. As paredes chacoalharam com o som barulhento dos
irmãos de Dima conversando um com o outro, enquanto sua mãe cantarolava e batia o pé em uma
música que Dima não conhecia. Ela segurava a manga rasgada de uma das camisas de seu pai
esticada no colo, a agulha bicando o tecido no ritmo desigual de um pardal ansioso, um novelo de
fios de lã arrastando entre seus dedos como um verme escolhido.

Dima era o mais novo de seis garotos, o bebê que chegara atrasado para a mãe, muito depois que o
médico que passava pela aldeia todos os verões lhe dissera que não haveria mais filhos. Uma
bênção inesperada, mamãe gostava de dizer, segurando-o de perto e preocupando-se com ele
quando os outros saíam para suas tarefas. Uma boca indesejada para se alimentar, seu irmão mais
velho, Pyotr, murmurava.

Porque Dima era tão pequeno, ele era frequentemente deixado de fora das piadas de seus irmãos,
esquecido nos barulhentos argumentos da casa, e era por isso que, naquela noite de outono, de pé
na bacia, ensaboando o último dos potes que seus irmãos tinha feito questão de sujar para ele, ele
ouviu o ruído das portas do celeiro. Dima começou a esfregar com mais força, determinado a
terminar seu trabalho e ir dormir antes que alguém pudesse pensar em mandá-lo para a escuridão.
Ele podia ouvir o cachorro deles, Molniya, choramingando na varanda da cozinha, implorando por
restos e um lugar quente para dormir enquanto o vento aumentava em um uivo furioso.

Galhos açoitavam as janelas. Mamãe levantou a cabeça, os sulcos sombrios ao redor de sua boca se
aprofundaram. Ela fez uma careta como se pudesse mandar o vento para a cama sem jantar. "O
inverno chega cedo e fica muito longo."

REI DE CICATRIZES | 8

"Hmm", disse papai, "como sua mãe", e mamãe deu-lhe um pontapé com a bota.

Ela deixou um copo de kvas atrás do fogão naquela noite, um presente para os fantasmas da casa
que vigiavam a fazenda e que dormiam atrás do antigo fogão de ferro para se aquecerem. Ou então
mamãe disse. Papai só revirou os olhos e reclamou que era um desperdício de bons kvas.

Dima sabia que, quando todos se deitassem, Pyotr o comeria e comeria a fatia de bolo de mel que
mamãe deixara envolta em pano. “O

fantasma da bisavó vai assombrá-lo”, alertou Dima às vezes. Mas Pyotr apenas passava a manga
pelo queixo e dizia: “Não há fantasma, seu pequeno idiota. Baba Galina foi almoço para os vermes
do cemitério, e a mesma coisa acontecerá com você se você não ficar de boca fechada. ”

Agora Pyotr se inclinou e deu a Dima um soco forte. Dima sempre se perguntava se Pyotr fazia
exercícios especiais para tornar os cotovelos mais pontudos. "Você ouviu isso?", perguntou seu
irmão.

"Não há nada para ouvir", disse Dima quando seu coração afundou.

Se Pyotr tivesse ouvido as portas do celeiro. . .

"Algo está lá fora, montando a tempestade."

Então seu irmão estava apenas tentando assustá-lo. "Não seja idiota", disse Dima, mas ficou
aliviado.

“Escute.” Disse Pyotr, e quando o vento sacudiu o telhado da casa e o fogo crepitou na lareira, Dima
pensou ter ouvido algo mais do que a tempestade, um grito alto e distante, como o uivo de um
animal faminto ou lamento de uma criança. “Quando o vento sopra pelo cemitério, ele desperta os
espíritos de todos os bebês que morreram antes que pudessem receber o nome de seus sanktos”
Malenchki. “Eles vão procurar almas para roubar para poderem trocar seu caminho para o céu.”
Pyotr se inclinou e enfiou o dedo no ombro de Dima. "Eles sempre levam o mais novo."

Dima tinha oito anos, era velho o suficiente para saber melhor, mas ainda assim seus olhos se
desviaram para as janelas escuras, para o pátio enluarado, onde as árvores se curvavam e tremiam
ao vento. Ele se encolheu. Ele poderia jurar - só por um momento, ele poderia jurar que viu uma
sombra no quintal, a mancha escura de algo muito maior do que um pássaro.

REI DE CICATRIZES | 9

Pyotr riu e jogou água com sabão. “Eu juro que você fica mais estúpido a cada dia que passa. Quem
quereria o seu pouco nada de alma?”

Pyotr só está com raiva porque, antes de você, ele era o bebê, mamãe sempre dizia a Dima. Você
deve tentar ser gentil com seu irmão, mesmo quando ele é mais velho, mas não mais sábio. Dima
tentou. Ele realmente o fez. Mas às vezes ele só queria bater Pyotr em seu traseiro e ver como ele
gostava de se sentir pequeno.

O vento diminuiu e, na súbita rajada de silêncio, não houve como disfarçar a pancada forte que
ecoou pelo pátio.

"Quem deixou as portas do celeiro abertas?", perguntou o pai.

"Era o trabalho de Dima ver as barracas hoje à noite", Pytor disse virtuosamente, e seus irmãos,
reunidos em volta da mesa, riram como galinhas nervosas.

"Fechei", protestou Dima. "Eu coloquei a barra rápido!"

Papai recostou-se na cadeira. “Então eu imagino esse som?”

"Ele provavelmente acha que um fantasma fez isso", disse Pyotr.

Mamãe levantou os olhos do remendo. "Dima, você deve ir e barrar as portas."

"Eu vou fazer isso", disse Pyotr com um suspiro resignado. "Todos nós sabemos que Dima tem medo
do escuro".

Mas Dima percebeu que isso era um teste. Papai esperaria que ele assumisse a responsabilidade.

"Eu não tenho medo", disse ele. "Claro que vou fechar as portas."

Dima ignorou o olhar convencido de Pyotr; ele limpou as mãos e colocou o casaco e o chapéu.
Mamãe lhe entregou uma lanterna de lata.

"Apresse-se agora", disse ela, levantando o colarinho para manter o pescoço quente. "Corra de volta
e eu vou te enfiar e contar uma história."

"Uma nova?"
"Sim, e uma boa, sobre as sereias do norte."

"Tem magia nisso?"

“Muito. Agora vá em frente.”

REI DE CICATRIZES | 10

Dima lançou os olhos uma vez para o ícone de Sankta Feliks na parede junto à porta, a luz das velas
piscando sobre o rosto triste, o olhar cheio de simpatia, como se soubesse que estava frio lá fora.
Feliks tinha sido empalado em um espeto de ramos de maçã e cozinhado vivo poucas horas depois
de ter realizado o milagre dos pomares. Ele não tinha gritado ou chorado, apenas sugeriu que os
aldeões o virassem para que as chamas pudessem chegar ao outro lado. Feliks não teria medo de
uma tempestade.

Assim que Dima abriu a porta da cozinha, o vento tentou arrancá-lo de seu aperto. Ele bateu atrás
dele e ouviu o trinco virando do outro lado.

Ele sabia que era temporário, uma necessidade, mas ainda parecia que ele estava sendo punido. Ele
olhou de volta para as janelas brilhantes enquanto forçava os pés a descer os degraus até a briga
seca do quintal, e teve o terrível pensamento de que, assim que ele deixara o calor da cozinha, sua
família o esquecera, que se ele nunca voltasse, ninguém gritaria ou levantaria o alarme. O vento
limparia Dima de sua memória.

Ele considerou o longo trecho enluarado que ele teria que atravessar além dos galinheiros e do
galinheiro para o celeiro, onde eles abrigaram seu velho cavalo, Gerasim, e sua vaca, Mathilde.

Os gansos buzinaram e farfalharam em seu barracão, irritados com o tempo ou os passos nervosos
de Dima quando ele passou. Adiante, ele viu as grandes portas de madeira do celeiro se abrindo e
fechando como se o prédio estivesse suspirando, como se a porta fosse uma boca que pudesse sugá-
lo com um único suspiro. Ele gostava do celeiro durante o dia, quando a luz do sol caía através das
ripas do telhado e tudo era cheiro de feno, cheirando Gerasim, o mugido desaprovador de Mathilde.

Mas à noite, o celeiro se transformava em uma concha oca, um lugar vazio esperando por alguma
criatura terrível para preenchê-lo - alguma coisa astuta que poderia deixar as portas se abrirem
para atrair um garoto tolo do lado de fora. Porque Dima sabia que ele havia fechado as portas. Ele
tinha certeza disso, e não pôde deixar de pensar no Malenchki de Pyotr, pequenos fantasmas
procurando uma alma para roubar.

Pare com isso, Dima se repreendeu. Pyotr abriu as portas sozinho para que você tivesse que sair no
frio ou se envergonhar recusando. Mas Dima havia mostrado a seus irmãos e a seu pai que ele podia
ser corajoso, e esse pensamento o aqueceu, ao mesmo tempo em que ele puxava a gola para cima
em torno de suas orelhas e estremecia com a mordida do vento. Só então ele percebeu que não
podia mais ouvir Molniya latindo.

REI DE CICATRIZES | 11

Ela não estava na porta, tentando abrir caminho para a cozinha, quando Dima se aventurou a sair.

"Molniya?", Ele disse, e o vento dominou sua voz, jogando-a fora.

"Molniya!", Ele chamou, mas apenas um pouco mais alto - no caso de algo diferente de seu cão estar
lá fora ouvindo.

Passo a passo, ele atravessou o pátio, as sombras das árvores saltando e estremecendo no chão.
Além da floresta, ele podia ver a larga faixa da estrada. Levava todo o caminho até a cidade, todo o
caminho até o cemitério da igreja. Dima não deixou que seus olhos o seguissem. Era muito fácil
imaginar algum corpo trôpego vestido com roupas esfarrapadas viajando pela estrada, arrastando
torrões de terra do cemitério atrás dele.

Ele ouviu um gemido suave de algum lugar nas árvores. Dima gritou. Olhos amarelos olhavam para
ele do escuro. O brilho de sua lanterna caiu sobre um par de patas negras, pêlo arrepiado, dentes
expostos.

" Molniya!" Ele disse em um aliviado suspiro de respiração. Ele estava grato pelo alto gemido da
tempestade. O pensamento de seus irmãos ouvindo seu grito alto e vergonhoso e vindo correndo só
para encontrar seu pobre cachorro encolhido no mato era horrível demais para ser contemplado.
"Venha cá, garota", ele persuadiu. Molniya pressionou a barriga no chão; as orelhas dela estavam
contra a cabeça dela. Ela não se mexeu.

Dima olhou para o celeiro. A prancha que deveria ter ficado do outro lado das portas e as mantera
no lugar estava esmagada em pedaços no mato. De algum lugar lá dentro, ele ouviu um suave e
úmido bufar.

Teria um animal ferido encontrado seu caminho para dentro? Ou um lobo?

A luz dourada das janelas da fazenda parecia impossivelmente distante. Talvez ele devesse voltar e
buscar ajuda. Certamente ele não poderia ser esperado para enfrentar um lobo sozinho. Mas e se
não houvesse nada lá dentro? Ou algum gato inofensivo do qual Molniya conseguiu tirar um
pedaço? Então todos os seus irmãos ririam dele, não apenas Pyotr.

Dima se arrastou para frente, mantendo a lanterna longe na frente dele. Esperou que a tempestade
se acalmasse e agarrou a pesada porta pela borda, para que não o atingisse quando ele entrasse.

REI DE CICATRIZES | 12

O celeiro estava escuro, mal tocado pelas lâminas do luar. Dima afundou um pouco mais na
escuridão. Ele pensou em Sankto Feliks Os olhos gentis, o ramo de maçã perfurando seu coração.
Então, como se a tempestade tivesse acabado de recuperar o fôlego, o vento saltou. As portas atrás
de Dima se fecharam e a luz fraca de sua lanterna se acendeu em nada.

Lá fora, ele podia ouvir a tempestade, mas o celeiro estava quieto.

Os animais ficaram em silêncio, como se estivessem esperando, e ele podia sentir o cheiro do medo
amargo sobre a doçura do feno - e outra coisa. Dima conhecia aquele cheiro quando abateram os
gansos para a mesa de férias: o cheiro quente de cobre do sangue.

Volte, ele disse a si mesmo.

Na escuridão, algo se moveu. Dima captou um brilho de luar, o brilho do que poderia ter sido olhos.
E então foi como se um pedaço de sombra se soltasse e deslizasse pelo celeiro.

Dima deu um passo para trás, segurando a lanterna inútil no peito.

A sombra usava os restos rasgados do que poderia ter sido uma boa roupa, e por um breve e
esperançoso momento, Dima pensou que um viajante tivesse tropeçado no celeiro para dormir e
esperar a tempestade.

Mas não se moveu como um homem. Era gracioso demais, silencioso demais, quando o corpo se
desenrolava agachado. Dima choramingou quando a sombra se aproximou. Seus olhos eram negros
como espelhos, e veias negras se espalhavam pelas pontas de seus dedos como se suas mãos
estivessem mergulhadas em tinta. Os tentáculos da sombra traçando sua pele pareciam pulsar.

Corra, Dima disse a si mesmo. Grite. Pensou no modo como os gansos chegavam a Pyotr com tanta
confiança, que não fizeram nenhum som de protesto nos escassos segundos antes de seu irmão
quebrar o pescoço. Estúpidos, pensou Dima na época, mas agora ele entendia.

A coisa levantou-se de suas coxas, uma silhueta negra e duas grandes asas abertas de costas, as
bordas se curvando como fumaça.

"Papa!" Dima tentou chorar, mas a palavra saiu como pouco mais que uma lufada de ar.

A coisa parou como se a palavra fosse de algum modo familiar.

Ouviu, a cabeça inclinada para o lado, e Dima deu outro passo para trás, depois outro.

REI DE CICATRIZES | 13

Os olhos do monstro estalaram para Dima e a criatura estava de repente a poucos centímetros de
distância, pairando sobre ele. Com o luar cinzento caindo sobre seu corpo, Dima podia ver que as
manchas escuras ao redor da boca e no peito eram sangue.
A criatura se inclinou para frente, inalando profundamente. De perto, tinha as feições de um jovem -
até que seus lábios se abriram, os cantos de sua boca se afastaram para revelar longas presas
negras.

Estava sorrindo. O monstro estava sorrindo - porque sabia que logo estaria bem alimentado. Dima
sentiu algo esquentar por sua perna e percebeu que ele havia se molhado.

O monstro atacou.

As portas atrás de Dima se abriram, a tempestade exigindo entrada.

Um estalo alto soou quando a rajada derrubou a criatura de suas garras e arremessou seu corpo
alado contra a parede oposta. As vigas de madeira se despedaçaram com a força e a coisa caiu no
chão.

Uma figura entrou no celeiro com um casaco cinzento e um estranho vento erguendo seus longos
cabelos negros. A lua pegou suas feições, e Dima chorou mais, porque ela era linda demais para ser
uma pessoa comum, e isso significava que ela deveria ser uma sankta. Ele tinha morrido e ela veio
para escoltá-lo para as terras brilhantes.

Mas ela não se inclinou para abraçá-lo ou murmurar orações suaves ou palavras de conforto. Em
vez disso, ela se aproximou do monstro, as mãos estendidas diante dela. Ela era uma guerreira
sankta, então, como Sankta Juris, como Sankta Alina da Dobra das Sombras.

"Tenha cuidado", Dima conseguiu sussurrar, com medo de ser prejudicada. "Tem . . . tais dentes. ”

Mas sua sankta não tinha medo. Ela cutucou o monstro com a ponta da bota e rolou para o lado. A
criatura rosnou, e Dima apertou a lanterna mais forte como se pudesse se tornar um escudo.

Em alguns movimentos rápidos, o sankto tinha segurado as mãos com garras da criatura em
grilhões pesados. Ela puxou com força a corrente, forçando o monstro a ficar de pé. Ele estalou os
dentes para ela, mas ela não gritou nem se encolheu. Ela golpeou a criatura no nariz como se fosse
um animal de estimação mal comportado.

REI DE CICATRIZES | 14

A coisa assobiou, puxando futilmente suas restrições. Suas asas varreram uma vez, duas vezes,
tentando levantá-la, mas ela segurou a corrente em seu punho e empurrou a outra mão para frente.
Outra rajada de vento atingiu o monstro, batendo-o na parede do celeiro. Atingiu o chão, caiu de
joelhos, tropeçou para trás, tecendo e instável de um jeito que fez parecer curiosamente humano,
como papai quando ele estava fora até tarde na taverna. A Sanlta murmurou alguma coisa e a
criatura sibilou novamente enquanto o vento se aproximava deles.

Não é uma sankta, Dima percebeu. Grisha. Uma soldada do Segundo Exército. Uma Aero que
poderia controlar o vento.

Ela pegou o casaco e jogou-o sobre a cabeça e os ombros da criatura, levando sua presa capturada
além de Dima, o monstro ainda lutando e estalando.

Ela jogou uma moeda de prata para Dima. "Pelo dano", disse ela, seus olhos brilhantes como jóias à
luz da lua. “Você não viu nada esta noite, entendeu? Segure sua língua ou da próxima vez eu não
vou mantê-

lo em sua coleira.”

Dima assentiu com a cabeça, sentindo novas lágrimas escorrerem por suas bochechas. A Grisha
levantou uma sobrancelha. Ele jamais vira um rosto como o dela, mais lindo do que qualquer ícone
pintado, olhos azuis como as águas mais profundas do rio. Ela jogou-lhe outra moeda e ele apenas
conseguiu arrancá-la do ar. “Essa é para você. Não compartilhe com seus irmãos.”

Dima viu como ela desapareceu pelas portas do celeiro, então forçou seus pés a se moverem. Ele
queria voltar para casa, encontrar sua mãe e enterrar-se em suas saias, mas estava desesperado por
uma última olhada na Grisha e seu monstro. Ele seguiu atrás deles o mais silenciosamente que
pôde. Nas sombras da estrada iluminada pela lua, um grande cocheiro esperava, o motorista
encapuzado de preto. Um cocheiro pulou e agarrou a corrente, ajudando a arrastar a criatura para
dentro.

Dima sabia que devia estar sonhando, apesar do peso frio da prata na palma da mão, porque o
cocheiro não olhou para o monstro e disse; Vá em frente, sua fera! ou você nunca mais incomodará
essas pessoas!

como um herói faria em uma história.

REI DE CICATRIZES | 15

Em vez disso, nas sombras profundas projetadas pelos pinheiros oscilantes, Dima pensou ter ouvido
o cocheiro dizer: " Cuidado com a cabeça, Alteza".

O fedor de sangue pesou no vagão. Zoya pressionou a manga contra o nariz para afastar o cheiro,
mas o odor de mofo de lã suja não melhorou muito.

Já era ruim o suficiente que ela tivesse que atravessar a região rural de Ravka na calada da noite
em uma carruagem emprestada, mal armada, mas que ela tinha que fazê-lo em uma peça como
esta? Inaceitável. Ela tirou o casaco de seu corpo. O fedor ainda se agarrava à seda de seu kefta
azul bordado, mas agora ela se sentia um pouco mais parecida com ela.

Estavam a 16 quilômetros de Ivets, a quase 160 quilômetros da segurança da capital, correndo


pelas estradas estreitas que os levariam de volta à casa de seu anfitrião para a cúpula do comércio,
o duque Radimov. Zoya não era muito de rezar, então ela só podia esperar que ninguém tivesse visto
Nikolai escapar de seus aposentos e ir para o céu.

Se eles estivessem de volta em casa, na capital, isso nunca teria acontecido.

REI DE CICATRIZES | 16

Os cascos do cavalo trovejaram, as rodas da carruagem fazendo barulho e saltando, enquanto ao


lado dela o rei de Ravka rangia os dentes afiados e puxava as correntes.

Zoya manteve distância. Ela viu o que uma das mordidas de Nikolai poderia fazer quando ele estava
neste estado, e ela não tinha interesse em perder um membro ou pior. Parte dela queria pedir a
Tolya ou Tamar para andar dentro da carruagem com ela até que Nikolai retomasse sua forma
humana. Mas ela sabia o que isso lhe custaria. Já era ruim o suficiente que ela testemunhasse sua
miséria.

Lá fora o vento uivava. Era menos o latido de um animal do que o riso alto e selvagem de um velho
amigo, dirigindo-os. O vento fazia o que ela queria, desde criança, mas em noites como essa, não
podia deixar de sentir que não era seu criado, mas seu aliado: uma tempestade que subia para
mascarar os rosnados de uma criatura, para esconder os sons de uma briga em um celeiro frágil,
para criar problemas em ruas e tavernas de aldeias. Este era o vento ocidental, Adezku, o criador de
travessuras.

Mesmo que aquele garoto dissesse a todos em Ivets o que ele tinha visto, eles iriam até Adezku, o
vento patife que levava as mulheres para as camas dos vizinhos e fazia os pensamentos malucos
deslizarem nas cabeças dos homens como verrugas de folhas mortas.

Uma milha depois, os grunhidos na carruagem se aquietaram; as correntes não batiam quando a
criatura parecia afundar mais e mais nas sombras do assento. Por fim, uma voz rouca e sitiada
disse: "Suponho que você não me trouxe uma camisa nova?"

Zoya tirou a mochila do chão da carruagem e tirou uma camisa branca limpa e um casaco forrado
de pele, ambos finamente feitos, mas completamente amarrotados, traje apropriado para um
membro da realeza que passara a noite a festejar.

Silenciosamente, Nikolai levantou os pulsos algemados. As garras tinham se retraído, mas suas
mãos ainda estavam marcadas pelas linhas pretas que ele carregara desde o fim da guerra civil. O
rei muitas vezes usava luvas para escondê-los, e Zoya achava que isso era um erro. As cicatrizes
eram um lembrete da tortura que ele suportou nas mãos do Darkling, que ele pagou um preço ao
lado de seu país. Claro, isso era apenas parte da história, mas era a parte que o povo ravkano estava
melhor equipado para lidar.

REI DE CICATRIZES | 17

Zoya destrancou as correntes com a chave pesada que ela usava em volta do pescoço. Ela esperava
que fosse sua imaginação, mas as cicatrizes nas mãos de Nikolai pareciam mais escuras
ultimamente, como se decididas a não desaparecer.

Uma vez que suas mãos estavam livres, Nikolai tirou a camisa arruinada de seu corpo. Ele usou o
lençol e a água do frasco que ela lhe deu para lavar o sangue do peito e da boca. Ele espirrou mais
nas mãos e correu pelo cabelo, a água escorrendo pelo pescoço e pelos ombros. Ele estava
tremendo muito.

"Onde você me achou desta vez?" Ele perguntou, mantendo a maior parte do tremor de sua voz.

Zoya franziu o nariz com a lembrança. "Uma fazenda de ganso."

"Espero que tenha sido uma das fazendas de ganso mais elegantes."

Ele se atrapalhou com os botões de sua camisa limpa, os dedos trêmulos. "Nós sabemos o que eu
matei?"

Ou quem? A pergunta ficou pendente no ar.

Zoya empurrou as mãos de Nikolai para longe dos botões e começou a trabalhar sozinha. Através do
algodão fino, ela podia sentir o frio que a noite deixara em sua pele.

"Que excelente valete você é", ele murmurou. Mas ela sabia que ele odiava se submeter a essas
pequenas atenções, que ele era fraco o suficiente para exigi-las.

A simpatia só faria piorar, então ela manteve a voz brusca. “Eu presumo que você tenha matado
uma grande quantidade de gansos.

Possivelmente um pônei desgrenhado.” Mas isso era tudo? Zoya não tinha como saber o que o
monstro poderia ter feito antes de o encontrarem. "Você não lembra de nada?"

“Apenas flashes.”

Eles teriam apenas que esperar por quaisquer relatos de mortes ou mutilações. O problema
começara seis meses antes, quando Nikolai acordara em um campo a quase cinquenta quilômetros
de Os Alta, ensangüentado e coberto de hematomas, sem se lembrar de como saíra do palácio ou do
que fizera à noite. Parece que eu comecei a ter sonambulismo, ele declarou para Zoya e o resto do
Triunvirato quando ele passeava tarde para a reunião da manhã, um longo arranhão no rosto.
Eles estavam preocupados, mas também confusos. Seus guardas REI DE CICATRIZES | 18

pessoais, os gêmeos Tolya e Tamar, dificilmente eram do tipo que deixariam Nikolai passar. Como
você passou por eles? Zoya perguntou-lhe quando Genya eliminou o arranhão. Mas se Nikolai
estivesse com problemas, ele não mostrara. Eu sou excelente na maioria das coisas, ele disse, por
que não isso também? Ele tinha colocado novas fechaduras nas portas de seu quarto e insistiu para
que eles passassem para os negócios do dia. Três semanas depois, Tolya estava lendo em uma
cadeira do lado de fora do quarto do rei quando ouviu o som de vidro quebrado e explodiu pela
porta para ver Nikolai pular do parapeito da janela, com as costas quebradas pelas asas da sombra
ondulada.

Tolya acordou Zoya e eles seguiram o rei até o telhado de um grainery a quinze quilômetros de
distância. Eles haviam começado a acorrentar o rei à sua cama - uma solução eficaz, viável apenas
porque os criados de Nikolai não eram permitidos dentro de seu quarto de dormir no palácio. O rei
era um herói de guerra, afinal de contas, e conhecido por sofrer pesadelos. Durante seis meses,
Zoya o trancava todas as noites e o soltava todas as manhãs, e eles mantiveram o segredo de
Nikolai.

Apenas Tolya, Tamar e o Triunvirato Grisha sabiam a verdade. Se alguém descobrisse que o rei de
Ravka passava suas noites amarrado em correntes, ele seria um alvo perfeito para assassinato ou
golpe, para não mencionar um motivo de riso.

Foi isso que tornou as viagens tão perigosas. Mas Nikolai se recusara a ficar escondido atrás das
muralhas de Os Alta.

"Um rei não pode ficar trancado em seu próprio castelo", declarou ele. "Há o risco de se parecer
menos com um monarca e mais como um refém."

“Você tem emissários para administrar esses assuntos de estado”, argumentou Zoya,
“embaixadores, subordinados”.

“O público pode esquecer como eu sou bonito.”

“Eu duvido disso. Seu rosto está no dinheiro.”

Mas Nikolai se recusou a ceder, e Zoya podia admitir que ele não estava totalmente errado. Seu pai
cometera o erro de deixar que os outros conduzissem o negócio de governar, e isso lhe custara.

Como Nikolai e Zoya não podiam viajar muito bem com um baú cheio de correntes para os servos
curiosos descobrirem, sempre que estavam longe da segurança do palácio, contavam com um
poderoso sedativo para manter Nikolai na cama e o monstro à distância.

REI DE CICATRIZES | 19

"Genya terá que tornar meu tônico mais forte", disse ele, encolhendo os ombros em seu casaco.

"Ou você poderia ficar na capital e deixar de assumir esses riscos tolos." Até agora, o monstro
estava contente com ataques a gado, suas baixas limitadas a ovelhas estripadas e gado drenado.
Mas ambos sabiam que era apenas uma questão de tempo. O que quer que o poder do Darkling
tivesse deixado fervendo dentro de Nikolai, ansiava por mais do que carne animal.

"O último incidente foi há apenas uma semana." Ele esfregou a mão sobre o rosto. "Deveríamos ter
tido mais tempo."

"Está ficando pior."

“Eu gosto de manter você na ponta dos pés, Nazyalensky. A ansiedade constante faz maravilhas pela
aparência. ”

"Vou enviar-lhe um cartão de agradecimento."

“Certifique-se disso. Você está brilhando positivamente.”

Eles ouviram um assobio agudo do lado de fora quando a carruagem diminuiu a velocidade.

"Estamos nos aproximando da ponte", disse Zoya.


A cúpula do comércio em Ivets fora essencial para as negociações com Kerch e Novyi Zem, mas o
negócio de tarifas e impostos também servia de cobertura para sua verdadeira missão: uma visita
ao local do mais recente milagre de Ravka.

Há uma semana, os aldeões de Ivets tinham se posicionado atrás do carrinho enfeitado com fitas de
Duke Radimov para celebrar o Festival de Sankta Grigori, batendo tambores e tocando pequenas
harpas para imitar o instrumento que Grigori criara para acalmar as feras da floresta. Mas quando
chegaram ao Sokol, a ponte de madeira que atravessava o desfiladeiro do rio havia cedido. Antes
que o duque e seus vassalos pudessem mergulhar na furiosa água branca abaixo, outra ponte havia
surgido embaixo deles, parecendo desabrochar nas próprias paredes do abismo e nas pedras
irregulares do fundo do cânion.

Zoya espiou pela janela da carruagem enquanto eles davam a volta na estrada e a nova ponte
aparecia, seus pilares altos e delgados e longas vigas reluzindo brancas ao luar. Ela já tinha visto
isso antes, andou com o rei, mas a visão ainda era surpreendente. De longe, parecia algo feito em
REI DE CICATRIZES | 20

alabastro. Foi só quando se aproximou que ficou claro que a ponte não era de todo de pedra.

Nikolai sacudiu a cabeça. "Como um homem que se transforma regularmente em um monstro,


percebo que não deveria estar fazendo julgamentos, mas temos certeza de que é estável?"

“Não”, disse Zoya, obrigando-a a respirar e os punhos a se abrirem -, mas é o único caminho através
do desfiladeiro.

"Talvez eu devesse ter praticado minhas orações."

O som das rodas mudou quando a carruagem rolou para a ponte, do barulho da estrada para um
baque constante, um baque surdo. A ponte que surgira tão miraculosamente do nada não era pedra,
tijolo ou viga de madeira. Suas vigas brancas e traseiras eram osso e tendão, seus pilares unidos por
feixes roliços de cartilagem. Thump, thump, thump.

Eles estavam viajando em uma espinha.

"Eu não me importo com esse som", disse Zoya.

"Tem cadência. Um milagre deveria soar mais digno. Alguns sinos, talvez, ou um coro de vozes
celestiais.”

"Não o chame assim", retrucou Zoya. "Um coral?"

“Um milagre.” Zoya sussurrara preces fúteis suficientes em sua infância para saber que os santos
nunca respondiam. A ponte era de artesanato Grisha e havia uma explicação para sua aparência que
ela pretendia encontrar.

"O que você chamaria de uma ponte feita de ossos aparecendo a tempo de salvar uma cidade inteira
da morte?"

"Não foi uma cidade inteira."

"Metade de uma cidade", emendou Nikolai.

"Uma ocorrência inesperada."

"As pessoas podem sentir que a descrição está aquém da maravilha."

E era uma maravilha. Ao mesmo tempo elegante e grotesco, uma massa de cruzar vigas e arcos
erguidos. Desde que apareceu, os peregrinos acamparam em ambos os lados, mantendo vigília dia e
noite.

Eles não levantaram a cabeça quando a carruagem passou.

REI DE CICATRIZES | 21

"Como você chamaria o terremoto em Chernast?", Perguntou Nikolai. "Ou a estátua de Sankta
Anastasia chorando lágrimas de sangue do lado de fora de Tsemna?"

"Problemas", disse Zoya. As ocorrências começaram exatamente na mesma hora que os feitiços
noturnos de Nikolai. Poderia ser uma coincidência, mas parecia possível que os estranhos
acontecimentos em seu país estivessem ligados ao poder que sobrecarregava seu rei. Eles tinham
ido a Ivets na esperança de encontrar alguma pista, alguma conexão que pudesse ajudá-los a livrar
Nikolai da vontade do monstro.

"Você ainda acha que é o trabalho de um Grisha usando parem?", Ele perguntou.

"De que outra forma alguém criaria uma ponte ou um terremoto sob encomenda?"

Jurda parem. Zoya desejou nunca ter ouvido aquelas palavras. A droga foi o produto da
experimentação em um laboratório dos Shu. Pode levar o poder de um Grisha e transformá-lo em
algo totalmente novo e totalmente perigoso mas o preço desse breve pedaço de glória era o vício e,
por fim, a morte. Poderia tornar possível a um Fabricador desonesto sacudir a terra ou que um
Corporalnik fizesse uma ponte de um corpo.

Mas para que fim? E como isso estava ligado ao poder sombrio que se abrigava dentro de Nikolai?
Eles chegaram ao outro lado da ponte, e o ronco tranquilizador da estrada de terra encheu a
carruagem mais uma vez. Era como se um feitiço tivesse se levantado.

"Teremos que deixar o Duque Radimov hoje", disse Nikolai. "E

espero que ninguém tenha me visto voando em volta do terreno."

Parte de Zoya queria concordar, mas desde que eles fizeram a viagem... “Eu posso dobrar sua dose.
Há mais um dia nas negociações.”

“Deixe Ulyashin lidar com eles. Eu quero voltar para a capital.

Temos amostras da ponte para o David. Ele pode aprender algo que podemos usar para lidar com o
meu…”

“Incômodo?”

“Convidado não convidado.”

Zoya revirou os olhos. Ele falou como se estivesse sendo atormentado por uma tia biliosa. Mas havia
outro motivo para eles ficarem. Ela bateu os dedos no assento de veludo, sem saber como REI DE
CICATRIZES | 22

proceder. Ela esperava orquestrar uma reunião entre Nikolai e as meninas Schenck sem ele
perceber que ela estava se intrometendo. O rei não gostava de ser levado, e quando ele sentia que
estava sendo empurrado, ele podia ser tão teimoso quanto...bem, como Zoya.

“Fale, Nazyalensky. Quando você aperta seus lábios assim, parece que você fez amor com um
limão.”

"Limão sortudo", disse Zoya com uma fungada. Ela alisou o tecido de seu kefta sobre o colo. "A
família Schenck chega amanhã."

"E?"

"Eles têm duas filhas."

Nikolai riu. “É por isso que você concordou com essa viagem tão prontamente? Para que você possa
se dedicar ao seu casamento?”

“Eu concordei porque alguém precisa garantir que você não coma ninguém quando seu hóspede
não convidado decide ficar com fome no meio da noite. E eu não sou uma mamãe interferente que
quer ver seu querido filho casado. Eu estou tentando proteger seu trono. Hiram Schenck é um
membro sênior do Conselho da Mercante. Ele podia garantir clemência aos empréstimos de Ravka
de Kerch, para não mencionar a enorme fortuna que uma de suas lindas filhas herdará.”

“Quão bonitas?”

“Quem se importa?”
“Não eu, certamente. Mas dois anos trabalhando com você desgastaram meu orgulho. Eu quero ter
certeza de que não vou passar a minha vida vendo outros homens cobiçando minha esposa. ”

“Se eles o fizerem, você pode mandar decapitá-los.”

“Os homens ou minha esposa?”

"Ambos. Apenas certifique-se de conseguir seu dote primeiro. ”

“ Impiedoso. ”

"Prático. Se ficássemos outra noite …”

"Zoya, eu não posso cortejar uma noiva se houver uma chance que eu possa tentar transformá-la em
um jantar."

"Você é um rei. O trono, as joias e o título fazem o cortejo por você e, uma vez casada, sua rainha se
tornará sua aliada.”

REI DE CICATRIZES | 23

“Ou ela pode correr gritando do nosso pavilhão de casamento e dizer ao pai que comecei a
mordiscar o lóbulo da orelha dela e depois tentei consumir o ouvido dela. Ela poderia começar uma
guerra.”

“Mas ela não vai, Nikolai. Porque no momento em que vocês dois tiverem feito seus votos, você a
encantará para te amar e então será problema dela cuidar disso. ”

“Até meu charme tem seus limites, Zoya.”

Se assim fosse, ela ainda não os encontrara. Zoya lançou-lhe um olhar incrédulo. “Um marido
monstro bonito que colocou uma coroa em sua cabeça? É um conto de fadas perfeito para vender
para uma garota de olhos estrelados. Ela pode trancá-lo à noite e beijá-lo docemente pela manhã, e
Ravka estará segura.”

"Por que você nunca me beija docemente pela manhã, Zoya?"

"Eu não faço nada docemente, Sua Alteza." Ela sacudiu as algemas.

“Por que você hesita? Até você se casar, até ter um herdeiro, Ravka continuará vulnerável.”

O comportamento superficial de Nikolai desapareceu. “Eu não posso tomar uma esposa enquanto
estou neste estado. Não posso forjar um casamento baseado em mentiras.”

"Não mais?"

“Sempre o romântico."

"Sempre o prático.”

Outro apito agudo soou do lado de fora da carruagem, duas notas rápidas - o sinal de Tolya de que
eles estavam se aproximando da guarita.

Zoya sabia que haveria alguma confusão entre os guardas.

Ninguém tinha visto a carruagem sair e não tinha selo real. Tolya e Tamar mantiveram-no à beira da
propriedade do duque, para o caso de Nikolai ter escorregado a coleira. Ela foi encontrá-los assim
que percebeu que ele estava desaparecido. Era perigoso verificar ele em seus aposentos. Ela sabia
que os rumores já eram grossos que o relacionamento deles era mais do que político. Não
importava. Pior ainda havia rumores sobre líderes antes.

Eles tiveram sorte hoje à noite. Eles encontraram o rei antes de ele ter ido longe demais. Quando
Nikolai voou, ela podia senti-lo cavalgando os ventos e usar o rompimento em seu padrão para
rastrear seus movimentos. Mas se ela não tivesse chegado àquela fazenda, o que REI DE
CICATRIZES | 24

poderia ter acontecido? Nikolai teria matado aquele menino? A coisa dentro dele não era apenas um
animal faminto, mas algo muito pior, e ela sabia com absoluta certeza que ansiava por presas
humanas. De alguma forma, o rei manteve seus piores impulsos à distância, mas por quanto tempo?

"Nós não podemos ir por este caminho, Nikolai." Eventualmente, eles seriam descobertos.
Eventualmente, essas caçadas noturnas e noites sem dormir tirariam o melhor deles. "Todos nós
devemos fazer o que é necessário."

Nikolai suspirou e abriu os braços para ela quando a carruagem sacudiu até parar. “Então venha
aqui, Zoya, e me beije docemente como uma nova noiva faria.”

Tanto por propriedade. Zoya tirou um segundo frasco do pacote e limpou o uísque em seus pontos
de pulsação como perfume antes de entregá-lo a Nikolai, que tomou um longo gole e depois
espalhou o resto sobre o casaco. Zoya arrepiou os cabelos, deixou que o kefta escorregasse de um
ombro e se acomodou nos braços do rei. Era um papel fácil de interpretar, às vezes fácil demais.

Ele enterrou o rosto no cabelo dela, inalando profundamente.

"Como é que eu cheiro como merda de ganso e uísque barato e você cheira como se tivesse acabado
de correr por um prado de flores silvestres?"

"Crueldade".

Ele respirou novamente. “O que é esse perfume? Isso me lembra de algo, mas eu não posso dizer o
que.”

“A última criança que você tentou comer?”

“Deve ser isso.”

A porta da carruagem se abriu.

"Sua Alteza, nós não percebemos que você tinha saído hoje à noite."

Zoya não podia ver o rosto do guarda, mas ela podia ouvir a suspeita em sua voz.

"Seu rei não tem o hábito de pedir nada, muito menos permissão", disse Nikolai, com a voz
preguiçosa, mas com a borda desdenhosa de um monarca que não sabia nada além de indulgência.

"Claro, claro", disse o guarda. “Nós tínhamos apenas a sua segurança em mente, meu rei.” Zoya
duvidou disso. Ravka Ocidental REI DE CICATRIZES | 25

havia freado sob os novos impostos e leis que haviam chegado com a unificação. Esses guardas
podiam usar a águia dupla, mas sua lealdade pertencia ao duque que administrava essa propriedade
e que havia se oposto ao governo de Nikolai a cada esquina. Sem dúvida seu mestre ficaria feliz em
descobrir os segredos do rei.

Zoya invocou seu tom mais melancólico e disse: "Por que não estamos nos movendo?"

Ela sentiu a mudança no interesse deles.

"Uma boa noite, então?", Disse o guarda, e ela quase podia vê-lo olhando para dentro do ônibus
para dar uma olhada melhor.

Zoya jogou os longos cabelos escuros e disse com o som sonolento e desalinhado de uma mulher
bem caída: “Uma noite muito boa.”

“Ela só brinca com a realeza?“ perguntou o guarda. "Ela parece divertida."

Zoya sentiu Nikolai ficar tenso. Ela estava ao mesmo tempo tocada e irritada por ele achar que ela
se importava com o que algum palhaço acreditava, mas não havia necessidade de tocar no
cavalheirismo hoje à noite.

Ela olhou longamente para o guarda e disse: “Você não tem ideia.”

Ele deu uma gargalhada e acenou para eles passarem.

Zoya esperou que Nikolai a soltasse, mas quando a carruagem seguiu em frente, ele manteve os
braços ao redor dela. Ela podia sentir o leve tremor da transformação ainda ecoando através dele e
sua própria exaustão rastejando sobre ela. Seria muito fácil deixar seus olhos se fecharem para
ceder à ilusão de conforto. Mas eles não podiam se dar ao luxo de descansar por muito tempo.
"Eventualmente alguém vai ver ou falar", disse ela. “Não tivemos sorte em encontrar uma cura.
Case. Forje uma aliança. Faça um herdeiro. Assegure o trono e o futuro de Ravka.”

"Eu irei", ele disse cansado. "Eu farei tudo isso. Mas não esta noite.

Hoje vamos fingir que somos casados.”

Se qualquer outro homem tivesse dito tal coisa, ela o teria dado um soco no queixo. Ou
possivelmente levado-o para a cama. "E o que isso implica?"

“Vamos dizer um ao outro mentiras como casais casados. Será um bom jogo. Vá em frente, esposa.
Diga-me que sou um sujeito bonito que REI DE CICATRIZES | 26

nunca envelhece e que vai morrer com todos os seus próprios dentes na cabeça. Me faça acreditar.”

"Eu não vou."

"Compreendo. Você nunca teve talento para enganar.” Zoya sabia que ele a estava provocando, mas
seu orgulho era espetacular de qualquer maneira. "Talvez a lista de meus talentos seja tão longa
que você não tenha chegado até o fim."

"Vá em frente, Nazyalensky."

"Querido marido", ela disse, fazendo sua voz doce, "você sabia que as mulheres da minha família
podem ver o futuro nas estrelas?"

Ele bufou uma risada. "Eu não."

"Ah, sim. E eu vi seu destino nas constelações. Você ficará velho, gordo e feliz, pai de muitas
crianças mal-comportadas, e eles contarão sua história em lendas e canções ”.

"Muito convincente", disse Nikolai. "Você é boa neste jogo." Um longo silêncio se seguiu, preenchido
com nada além do barulho das rodas do carro. "Agora me diga que vou encontrar uma maneira de
sair disso.

Diga-me que tudo ficará bem.”

Seu tom era alegre, provocador, mas Zoya o conhecia muito bem.

"Vai dar tudo certo", disse ela com toda a convicção que poderia reunir.

"Nós vamos resolver este problema como nós resolvemos todos os outros antes." Ela inclinou a
cabeça para olhar para ele. Seus olhos estavam fechados; um vinco preocupado marcou sua testa.
“Você acredita em mim?”

“Sim,” disse a ela enquanto descansava a cabeça no peito dele e sentiu o último tremor deixar seu
corpo. "Você é bom neste jogo também."

REI DE CICATRIZES | 27

Nina agarrou a faca e tentou ignorar a carnificina que a rodeava. Ela olhou para sua vítima, outro
corpo estendido desamparado diante dela.

"Desculpe, amigo", ela murmurou em Fjerdano. Ela enfiou a lâmina na barriga do peixe, puxou-a em
direção à sua cabeça, agarrou a sujeira rosada e úmida de suas entranhas e jogou-as nas ripas
imundas, onde seriam retiradas.

A carcaça limpa entrou em um barril à sua esquerda, para ser liberada por um dos corredores e
retirada para a embalagem. Ou processando. Ou decapagem.

Nina não tinha ideia do que realmente aconteceu com o peixe e ela não se importava muito. Depois
de duas semanas trabalhando em uma fábrica de conservas com vista para o porto de Elling, ela não
pretendia comer nada com escamas ou barbatanas novamente.

Imagine-se em um banho morno com um prato cheio de caramelos.

Talvez ela simplesmente enchesse a banheira com caramelo e ficasse realmente decadente com o
esforço. Pode tornar-se bastante a raiva. Banhos de caramelo e waffle scrubs.

Nina balançou a cabeça. Este lugar estava lentamente a enlouquecendo.

Suas mãos eram perpetuamente podadas, a pele cortada por pequenos cortes de seu jeito
desajeitado com a faca de filetagem; o cheiro de peixe nunca deixou seu cabelo; e suas costas doíam
de estar de pé em frente à fábrica de conservas, do amanhecer ao crepúsculo, chuva ou sol,
protegidos dos elementos por nada além de um toldo de lata corrugado. Mas não havia muitos
empregos para mulheres solteiras em Fjerda, então Nina - sob o nome de Mila Jandersdat - assumiu
o cargo com prazer. O trabalho era miserável, mas facilitava que o contato local conseguisse suas
mensagens, e seu ponto de vista entre os barris de peixe dava-lhe uma visão perfeita dos guardas
que patrulhavam o porto.

Havia muitos deles hoje, vagando pelas docas em seus informes azuis.

Kalfisk, os moradores locais os chamavam - lula - porque eles tinham seus tentáculos em tudo.
Elling foi um dos poucos portos ao longo da costa rochosa noroeste de Fjerda, com fácil acesso ao
mar para grandes embarcações. Foi onde o rio Stelge encontrou o Isenvee, e era conhecido por
duas coisas: contrabando e peixe. Caranguejo, tamboril, arinca; salmão e esturjão das cidades
ribeirinhas a leste; Peixe-rei e carapau prateado das águas profundas da costa.

Nina trabalhava ao lado de duas mulheres - uma viúva chamada Annabelle e Marta, uma solteirona
de Djerholm que era tão estreita quanto um REI DE CICATRIZES | 28

vão no assoalho e constantemente balançava a cabeça como se tudo a desagradasse. Sua conversa
ajudou a manter

Nina se distraiu e foi uma fonte bem-vinda de fofoca e informação legítima, embora pudesse ser
difícil dizer a diferença entre os dois.

”Dizem que o capitão Birgir tem uma nova amante”Annabelle começaria.

Marta passava os lábios. "Com os subornos que ele leva, ele certamente pode se dar ao luxo de
mantê-la."

"Eles estão aumentando as patrulhas desde que os clandestinos foram pegos".

Marta tocava a língua dela. "Significa mais empregos, mas provavelmente mais problemas."

“Mais homens de Gäfvalle hoje. O rio foi azedado pelo velho forte.

A cabeça de Marta se contorcia para a frente e para trás como a cauda de um cachorro feliz. “Um
sinal de desfavor de Djel. Alguém deveria mandar um padre para orar.

Gäfvalle. Uma das cidades do rio. Nina nunca tinha estado lá, nunca tinha ouvido falar disso até que
ela chegou com Adrik e Leoni dois meses atrás, sob ordens do rei Nikolai, mas seu nome sempre a
deixava desconfortável, o som disso acompanhado por uma espécie de suspiro dentro dela. como se
o nome da cidade fosse menos uma palavra do que o começo de um encantamento.

Agora Marta bateu a base da faca contra a superfície de madeira da mesa de trabalho. "Foreman
vindo."

Hilbrand, o capataz de rosto severo, percorria as fileiras de barracas, chamando os corredores para
remover os baldes de peixe.

"Seu ritmo está fraco novamente", ele retrucou na Nina. "É como se você nunca tivesse estripado
peixe antes."

Imagine isso. "Sinto muito, senhor", disse ela. "Farei melhor."

Ele cortou a mão pelo ar. "Muito devagar. A remessa que estávamos esperando chegou. Nós vamos
levá-lo ao chão da sala de embalagem.

"Sim, senhor", disse Nina com tristeza. Ela deixou cair os ombros e abaixou a cabeça quando o que
ela realmente queria fazer era quebrar a música. O pagamento por trabalhos de embalagem era
consideravelmente menor, então ela teve que dar uma boa demonstração de sua derrota, mas ela
entendeu a verdadeira mensagem de Hilbrand: o último dos fugitivos Grisha REI DE CICATRIZES
| 29

que eles estavam esperando tinha chegado à casa segura de Elling. último.
Agora cabia a Nina, Adrik e Leoni levá-los a bordo do Verstoten.

Ela seguiu logo atrás de Hilbrand enquanto ele a levava de volta para a fábrica de conservas.

"Você terá que se mover rapidamente", ele murmurou sem olhar para ela. "Fala-se de uma inspeção
surpresa hoje à noite."

"Tudo certo."

"Há mais", disse ele. "Birgir está de plantão."

Claro que ele é. Sem dúvida, a inspeção foi ideia de Birgir. De todos os kalfisk, ele era o mais
corrupto, mas também o mais esperto e observador. Se você quisesse uma remessa legal para
atravessar o porto sem ficar preso para sempre na alfândega ou se você quisesse um pouco de
carga ilegal para evitar aviso, então o capitão Birgir era o guardasubornar.

Um homem sem honra, disse a voz de Matthias em sua cabeça. Ele deveria ter vergonha.

Nina bufou. Se os homens tivessem vergonha quando deveriam, não teriam tempo para mais nada.

"É algo divertido?", Perguntou Hilbrand.

"Só lutando contra um resfriado", ela mentiu. Mas mesmo as maneiras rudes de Hilbrand davam
uma pontada em seu coração. Ele era de ombros largos, sem humor, e lembrou-a dolorosamente de
Matthias.

Ele não é nada como eu. O que você é fanático, Nina Zenik. Nem todos os Fjerdans são parecidos.

"Você sabe o que ele fez com aqueles clandestinos", disse Hilbrand. "Eu não tenho que dizer a você
para ter cuidado."

"Não, você não." Nina era boa em seu trabalho e ela sabia exatamente o que estava em jogo. Em sua
primeira manhã nas docas, ela viu Birgir e um de seus capangas favoritos, Casper, arrastar uma
mãe e filha de um baleeiro com destino a Novyi Zem e espancá-los. O capitão havia pendurado
pesadas correntes em volta do pescoço, pesadas com sinais que diziam drüsje - bruxa.

Depois, ele os jogou em uma lixeira de resíduos e tripas de peixe das fábricas de enlatados e os
amarrou do lado de fora da estação do porto sob o sol escaldante. Enquanto seus homens olhavam,
rindo, o fedor e a promessa de comida atraíam as gaivotas. Nina passara o turno observando a
mulher tentando proteger o corpo de sua filha e ouvindo os prisioneiros gritarem em agonia
enquanto as gaivotas bicavam e arranhavam seus corpos. Sua mente girou mil fantasias de
assassinar os guardas do porto onde eles estavam, de levar a mãe e a filha para a segurança. Ela
poderia roubar um barco. Ela poderia forçar um capitão a levá-los para longe. Ela poderia fazer
alguma coisa.

REI DE CICATRIZES | 30

Mas ela lembrava com clareza o que Zoya havia dito ao rei Nikolai sobre a adequação de Nina para
uma missão de cobertura profunda. "Ela não tem um osso sutil em seu corpo. Pedir a Nina que não
chame atenção é como pedir à água que não desça a colina.

O rei havia se arriscado com Nina e ela não desperdiçaria a oportunidade. Ela não comprometeria a
missão. Ela não comprometeria seu disfarce e colocaria Adrik e Leoni em risco. Pelo menos não em
plena luz do dia. Assim que o sol se pôs, ela voltou para o porto para libertar os prisioneiros. Eles se
foram. Mas para onde? E sofrer os horrores? Ela não acreditava mais que o pior terror aguardando
Grisha nas mãos dos soldados fjerdanos era a morte. Jarl Brum e seus caçadores de bruxas haviam
lhe ensinado muito bem.

Quando Nina seguiu Hilbrand para a fábrica de conservas, a moagem de máquinas sacudiu seu
crânio, o fedor de bacalhau esmagando-a. Ela não ficaria triste em deixar Elling por um tempo. O
controle da Verstoten estava cheio de Grisha que sua equipe - ou a equipe de Adrik, na verdade -
havia ajudado a resgatar e trazer para Elling. Desde o fim da guerra civil, o rei Nikolai havia
desviado fundos e recursos para apoiar uma rede subterrânea de informantes que existiam há anos
em Fjerda com o objetivo de ajudar Grisha a viver em segredo para escapar do país. Eles se
chamavam Hringsa, a árvore da vida, depois da grande cinza sagrada para Djel. Nina sabia que
Adrik já havia recebido novas informações do grupo, e uma vez que os Verstoten estivessem a
caminho de Ravka, Nina e os outros estariam livres para ir para o interior e localizar mais Grishas.

Hilbrand conduziu-a ao escritório, fechou a porta atrás deles e correu os dedos pela parede oposta.
Um clique soou e uma segunda porta oculta se abriu na Fiskstrahd, a rua movimentada onde
peixarias faziam seus negócios e onde uma garota sozinha poderia evitar ser notada pela polícia do
porto simplesmente desaparecendo na multidão.

"Obrigado", disse Nina. "Vamos enviar mais o seu caminho em breve."

"Espere." Hilbrand agarrou seu braçadeira para que ela pudesse cair na luz do sol. Ele hesitou,
depois soltou: “Você é mesmo ela? A garota que derrotou o Jarl Brum e o deixou sangrando em uma
doca de Djerholm?

Nina puxou o braço do aperto dele. Ela fez o que tinha que fazer para libertar seus amigos, para
manter o segredo de jurda parem fora das mãos de Fjerdan. Mas foi a droga que tornou possível a
vitória e exigiu um preço terrível, mudando o curso da vida de Nina e a própria natureza de seu
poder Grisha. Se nunca tivéssemos ido à Corte de Gelo, Matthias ainda estaria vivo?

Meu coração ainda estaria completo? Perguntas sem sentido. Não houve resposta que o trouxesse
de volta.

Nina consertou Hilbrand com o olhar fulminante que aprendera com a própria Zoya Nazyalensky.
"Eu sou Mila Jandersdat. Uma jovem viúva que REI DE CICATRIZES | 31

procura emprego estranho para sobreviver e espera garantir o trabalho como tradutor. Que tipo de
tolo brigaria com o comandante Jarl Brum? Hilbrand abriu a boca, mas Nina continuou: - E que tipo
de risco arriscaria comprometer a cobertura de um agente quando tantas vidas estão em jogo?

Nina virou as costas para ele e entrou na maré humana. Perigoso. Um homem que viveu sua vida em
profunda cobertura não deve ser tão descuidado. Mas Hilbrand era leal e sua própria segurança
dependia de sua discrição. Ele perdeu a esposa para os homens de Brum, o drüskelle cruel treinado
para caçar e matar Grisha. Desde então, ele se tornou um dos agentes mais confiáveis do rei
Nikolais em Fjerda. Mas a solidão pode deixá-lo tolo, com fome de falar algo diferente de mentiras.


Nina levou menos de dez minutos para chegar ao endereço que Hilbrand lhe dera, outra fábrica de
enlatados idêntica aos prédios que a sustentavam -

exceto pelo mural em seu lado oeste. À primeira vista, parecia uma cena agradável na boca do
Stelge: um grupo de pescadores jogando as redes no mar enquanto os aldeões felizes olhavam sob o
sol poente. Mas se você soubesse o que procurar, poderia notar a garota de cabelo branco no meio
da multidão, seu perfil emoldurado pelo sol como se fosse um halo. Sankta Alina. A Deusa do Sol.
Um sinal de que este armazém era um lugar de refúgio.

Os sanktos nunca tinham sido populares entre as pessoas do norte - até que Alina Starkov destruiu a
Dobra. Então altares para ela começaram a surgir em países distantes de Ravka. As autoridades
fjerdanas haviam feito o melhor que podiam para reprimir o culto ao Sankto São, rotulando-o de
religião de influência estrangeira, mas ainda assim, pequenos bolsões de fiéis floresceram, jardins
cultivados em segredo. As histórias dos santos, seus milagres e martírios, haviam se tornado um
código para os simpatizantes de Grisha. Uma rosa para Sankta Lizabeta. Um sol para Sankta Alina.
Um cavaleiro espetando um dragão em sua lança pode ser Dagr, o Corajoso, de algum conto infantil
-

ou pode ser Sankto Juris, que matou uma grande fera e foi consumido em suas chamas. Até mesmo
as tatuagens que passavam sobre os antebraços de Hilbrand eram mais do que pareciam - um
emaranhado de chifres, muitas vezes usados por caçadores do norte, mas dispostos em faixas
circulares para simbolizar o poderoso amplificador que Santa Alina usara uma vez.

Nina bateu na porta lateral da fábrica de conservas e, um momento depois, abriu-se. Adrik a
conduziu para dentro, o rosto de menino pálido sob as sardas. Instantaneamente, os olhos de Nina
começaram a lacrimejar.

"Eu sei", disse Adrik sombriamente. “Elling. Se o frio não te mata, o cheiro vai.

“Nenhum peixe cheira assim. Meus olhos estão queimando."

“É soda cáustica. Cubas disso. Aparentemente eles preservam o peixe como uma espécie de iguaria
local ”.

REI DE CICATRIZES | 32

Ela quase podia ouvir o protesto indignado de Matthias. É delicioso. Nós servimos na torrada.
Santos, ela sentia falta dele. A dor de sua ausência parecia um anzol alojado sob seu coração. A
mágoa estava sempre presente, mas em momentos como estes, era como se alguém tivesse
agarrado a linha e puxado.

Nina respirou fundo. Matthias gostaria que ela se concentrasse na missão. "Eles estão aqui?"

"Eles estao. Mas há um problema.

Nina viu Leoni primeiro, debruçada sobre uma escrivaninha improvisada ao lado de uma fileira de
cubas, uma lanterna acesa perto do cotovelo. As mechas de seu cabelo tinham um nó no estilo
zemeni e sua pele marrom-escura estava coberta de suor. No chão ao lado dela, ela abriu o kit -

potes de tinta e pigmentos em pó, rolos de papel e pergaminho. Mas isso não fazia sentido. Os
documentos de emigração já haviam terminado há muito tempo.

A compreensão veio quando os olhos de Nina se ajustaram e ela viu as figuras amontoadas nas
sombras - um homem barbado com um casaco cor de rato almiscarado e um homem muito mais
velho com uma espessa cabeleira branca. Dois garotinhos espiaram por trás deles, os olhos
arregalados e assustados.

Leoni olhou para Nina. “Ela é uma amiga. Não se preocupe."

Eles não pareciam tranqüilos.

"Jormanen e denam danne näskelle", disse Nina, a tradicional saudação fjerdana aos viajantes. Seja
bem vindo e aguarde a tempestade. Não era totalmente apropriado para a situação deles, mas era o
melhor que ela podia oferecer. Os homens pareciam relaxar com as palavras, embora as crianças
ainda parecessem aterrorizadas.

"Grannem final kerjenning grante jut onter kelholm", o homem mais velho disse em resposta
tradicional. Agradeço e trago apenas gratidão a sua casa. Nina esperava que isso não fosse verdade.
Ravka não precisava de gratidão, precisava de mais Grisha. Precisava de soldados. Ela só podia
imaginar o que Zoya faria desses recrutas.

"Onde estão os outros?" Nina perguntou a Adrik. "Eles não encontraram o seu manipulador."

"Capturado?"

"Possivelmente."

"Talvez eles tenham mudado de idéia", disse Leoni, esperançosa, abrindo uma garrafa de algo azul.
"Não é fácil deixar tudo o que você ama para trás."

REI DE CICATRIZES | 33

"É quando tudo que você ama cheira a peixe e desespero", resmungou Adrik.

"Os documentos de emigração?" Nina perguntou tão gentilmente quanto podia.

"Estou fazendo o meu melhor", disse Leoni. “Nós deveríamos ter mais três chegadas hoje, todas
mulheres. Foi assim que escrevi os recibos para as famílias. ”

Nina conhecia esse sentimento, esse pânico. Mas ela também sabia que Leoni era um dos
Fabricadored mais talentosos que ela conheceu.

Nos últimos anos, o governo de Fjerdano começou a vigiar suas fronteiras mais de perto e proibir
viagens para seus cidadãos. As autoridades estavam à procura de Grisha tentando escapar, mas eles
também queriam desacelerar a maré de pessoas viajando através do Mar Verdadeiro até Novyi Zem
buscando melhores empregos e clima mais quente, pessoas dispostas a enfrentar um novo mundo
para viver livre da ameaça. De guerra. Muitos Ravkanod fizeram o mesmo.


As autoridades de Fjerda não gostavam de deixar homens em bom estado e futuros soldados
emigrarem, e tinha feito os documentos necessários quase impossíveis de forjar. Foi por isso que
Leoni esteve aqui. A menina zemeni não era uma falsificadora comum, mas uma Fabricadors que
podia combinar tintas e papel em um nível molecular.

Nina tirou um lenço limpo do bolso e limpou a testa de Leoni. "Você pode gerenciar isso."

Ela balançou a cabeça. “Eu preciso de mais tempo.” “Nós não temos isso.”

"Precisamos", disse Leoni. Ela era da mesma idade que Nina, mas como muitos Fabricadores, ela
nunca tinha visto combate. Leoni passou a maior parte de sua vida em Novyi Zem antes de viajar
para Ravka para treinar com o Segundo Exército. “Podemos mandar um recado para os Verstoten,
pedir que esperem até …”

"Não é bom", disse Nina. “Esse navio tem que estar fora do porto ao pôr do sol. O capitão Birgir
está planejando uma de suas invasões surpresa hoje à noite.

Leoni soltou um longo suspiro e depois inclinou o queixo para o homem de casaco cor de rato
almiscarado. "Nina, vamos ter que passar por você como sua esposa. E eu posso retrabalhar os
documentos de emigração, mas não há tempo para corrigir os recortes. ”

REI DE CICATRIZES | 34

Não era bom. Nina trabalhava no porto havia semanas e havia uma chance de ser reconhecida. Mas
era um risco que valeria a pena. "Qual é o seu nome?", Ela perguntou ao homem.

"Enok"

"Esses são seus filhos?"

Ele assentiu. "E este é meu pai."

“Bem, sorte você, Enok. Você está prestes a me adquirir como esposa. Eu gosto de longos cochilos e
compromissos curtos, e eu prefiro o lado esquerdo da cama. ”

Enok piscou e seu pai pareceu positivamente escandalizado. Genya havia adaptado Nina para
parecer o mais fjerdano possível, mas os modos recatados das mulheres do norte eram muito mais
exaustivos de dominar.

Nina tentou não andar enquanto Leoni trabalhava e Adrik falou em voz baixa com os fugitivos
Grisha. O que aconteceu com os outros três Grisha?

Nina pegou os documentos de emigração abandonados. Duas mulheres e uma garota de dezesseis
desaparecidas. Teriam elas decidido que uma vida escondida era melhor que um futuro incerto em
uma terra estrangeira? Ou elas foram feitas prisioneiras? Els estavam em algum lugar lá fora,
assustadas e sozinhas? Nina franziu a testa para os papéis. "As mulheres eram realmente de
Kejerut?"

Leoni assentiu. "Parecia mais simples manter a cidade do mesmo jeito."

O pai de Enok fez um sinal de proteção no ar. Era um gesto antigo, destinado a lavar pensamentos
malignos com a força das águas de Djel.

"Meninas desaparecem de Kejerut."

Nina estremeceu quando aquele estranho sussurro encheu sua cabeça novamente. Kejerut ficava a
apenas alguns quilômetros de Gäfvalle. Mas tudo isso pode significar nada.

Ela desejou que Hilbrand não tivesse mencionado Jarl Brum. Apesar de tudo o que ela passou, era
um nome que ainda tinha poder sobre ela. Nina havia derrotado ele e seus homens. Seus amigos
tinham explodido o laboratório secreto de Brum e roubado seu refém mais valioso. Ele deveria ter
sido desonrado. Deveria ter significado o fim de seu comando da drüskelle e seus experimentos
brutais com prisioneiros jurda Parem e Grisha. E, no entanto, de alguma forma, Brum havia
sobrevivido e continuado a prosperar nas mais altas fileiras do exército fjerdano. Eu deveria tê-lo
matado quando tive a chance.

Você mostrou misericórdia, Nina. Nunca me arrependo disso.

REI DE CICATRIZES | 35

Mas a misericórdia era um luxo que Matthias podia pagar. Ele estava morto afinal.

Parece rude mencionar isso, meu amor.

O que você espera de uma Ravkana? Além disso, Brum e eu não terminamos.

É por isso que você está aqui?

Eu estou aqui para enterrar você, Matthias, ela pensou, e a voz em sua cabeça ficou em silêncio,
como sempre acontecia quando ela se lembrava do que tinha perdido.

Nina tentou sacudir o pensamento do corpo de Matthias, preservado pela nave Fabricafora,
amarrado em cordas e lona como lastro, escondido sob cobertores e caixotes no trenó que esperava
na pensão. Ela jurou que o levaria para casa, que ela enterraria seu corpo na terra que ele amava
para que ele pudesse encontrar o caminho para seu deus. E por quase dois meses eles viajaram com
aquele corpo, arrastaram aquele fardo sombrio de cidade em cidade. Ela teve inúmeras
oportunidades para descansar e se despedir. Mas ela não fez isso.

Tem que ser o lugar certo, meu amor. Você saberá quando vir.

Mas ela iria? Ou ela continuaria marchando, incapaz de deixá-lo ir?


Em algum lugar ao longe, um sino tocou, sinalizando o fim do dia de trabalho.

"Estamos sem tempo", disse Adrik.

Leoni não protestou, apenas se espreguiçou e disse: "Venha secar a tinta".

Adrik acenou com a mão, direcionando uma suave rajada de ar quente sobre os documentos. "É bom
ser útil."

"Tenho certeza que você será muito útil quando precisarmos de pipas."

Eles trocaram um sorriso e Nina sentiu uma pontada de irritação, depois sentiu vontade de se
mostrar injusta. Se eles quisessem se apaixonar, deveriam ir em frente e fazer isso.

Mas quando se dirigiram para as docas, Nina sentiu seu temperamento novamente quando Adrik
instruiu-os a ficarem alertas. Embora ele fosse seu comandante, ela perdeu o hábito de receber
ordens durante seu tempo em Ketterdam.

REI DE CICATRIZES | 36

Leoni e Adrik lideraram o caminho para o Verstoten. Eles eram visíveis, mas de uma maneira que se
encaixava com o tumulto do porto - uma mulher zemenita e seu marido, um casal com negócios nas
docas. Nina passou o braço pelo de Enok e se afastou um pouco com a nova família, mantendo uma
distância cuidadosa.

Ela revirou os ombros, tentando se concentrar, mas mesmo isso não conseguiu resolvê-la. Seu corpo
parecia errado. De volta a Os Alta, Genya a adaptara à beira do que suas habilidades permitiriam. O
novo cabelo de Nina estava liso, quase branco como gelo; seus olhos eram mais estreitos, o verde de
suas íris mudava para o azul pálido de uma geleira do norte. Suas maçãs do rosto estavam mais
altas, as sobrancelhas mais baixas, a boca mais larga. Suas coxas ainda estavam sólidas, sua cintura
ainda grossa, mas Genya tinha empurrado as orelhas de Nina, achatado seus seios, e até mudou o
conjunto de seus ombros. O processo tinha sido doloroso, por vezes, como o osso foi alterado, mas
Nina não se importava. Ela não queria ser a garota que ela era, a garota que Matthias amava. Se
Genya pudesse torná-la alguém novo por fora, talvez o coração de Nina também o obrigasse a bater
com um novo ritmo.

Claro, não funcionou. Os fjerdanos viram Mila Jandersdat, mas ela ainda era Nina Zenik, lendária
Grisha e assassina impenitente. Ela ainda era a garota que ansiava por waffles e que chorava até
dormir à noite quando pensava em Matthias e não encontrava ninguém ali.

Talvez fosse a perspectiva de voltar ao gelo que a incomodava, a pressão de encontrar um local de
descanso para o corpo de Matthias. Ela sabia que Leoni e Adrik não queriam levantar a questão com
ela, mas não poderiam se emocionar por serem membros de uma procissão funerária que durava
meses.

Ela sentiu o braço de Enok sob seus dedos e viu que dois membros da polícia do porto estavam
esperando no corredor que levava ao Verstoten.

"Vai ficar tudo bem", murmurou Nina. "Nós vamos vê-lo todo o caminho para o navio."

"E depois?", Perguntou Enok, com a voz trêmula.

"Assim que sairmos da baía, levarei um barco a remo para a praia com os outros. Você e sua família
viajarão para Ravka, onde você estará livre para viver sem medo.”

“Eles vão levar meus garotos? Eles vão levá-los para aquela escola especial?”

"Só se é isso que você deseja", disse Nina. “Nós não somos monstros.

Não mais do que você é. Agora fique quieto.”

Mas parte dela queria se virar e marchar de volta para a casa segura quando viu que um dos dois
guardas era o capanga campeão de Birgir, Casper.

Ela enfiou o rosto na gola do casaco.

REI DE CICATRIZES | 37

"Zemeni?" Casper perguntou, olhando para Leoni. Ela assentiu em resposta.

Casper fez um gesto para o braço faltando de Adrik. "Como você perdeu isso?"

"Acidente agrícola", respondeu Adrik em Fjerdano. Ele não sabia muito da língua, mas podia falar
em pedaços sem o sotaque ravkano, e essa mentira em particular era uma que ele havia contado
muitas vezes. Quase todos os que encontraram perguntaram sobre o braço assim que viram a
manga presa. Ele teve que deixar o braço mecânico que David tinha feito para ele na capital porque
era muito reconhecível como obra de Grisha. Os guardas perguntaram-lhes a habitual série de
perguntas: quanto tempo tinham estado no país? Onde eles haviam visitado durante a sua estada?
Será que eles tinham conhecimento de agentes estrangeiros trabalhando dentro das fronteiras de
Fjerda? - então os cumprimentaram com pouca cerimônia.

Agora foi a vez de Enok. Ela deu um aperto no braço dele e ele deu um passo à frente. Nina podia
ver o suor na sua testa, sentir o leve tremor nas mãos dele. Se ela pudesse ter roubado os papéis e
os entregue aos guardas, ela teria. Mas as esposas fjerdanas sempre se submetiam aos maridos.

"A família Grahn." Casper olhou para os papéis por um tempo desconfortavelmente longo.
“Indentures? Onde você vai estar trabalhando?"

"Uma fazenda jurda perto de Cofton."

"Trabalho duro. É muito difícil para o velho pai lá.”


"Ele estará na casa principal com os meninos", disse Enok. "Ele é dotado de uma agulha e linha e os
meninos podem ser corredores até que eles tenham idade suficiente para os campos."

Nina ficou impressionada com a facilidade com que Enok mentiu, mas se ele passou a vida se
escondendo como um Grisha, ele deve ter muita prática.

“É difícil encontrar recortes”, pensou Casper. "Meu tio assegurou-os para nós."

“E por que uma vida quebrando suas costas em Novyi Zem é preferível a uma que faz um trabalho
honesto em Fjerda?”

"Eu viveria e morreria no gelo se fosse do meu jeito", disse Enok com tanto fervor que Nina sabia
que ele estava falando a verdade. "Mas os empregos são escassos e os pulmões do meu filho não
gostam do frio."

“Tempos difíceis ao redor.” O guarda se virou para Nina. "E o que você vai fazer em Cofton?"

REI DE CICATRIZES | 38

"Costura se eu puder, trabalhar nos campos se for necessário." Ela baixou a cabeça. Ela poderia ser
sutil, droga. Não importava o que Zoya pensasse. "Como meu marido deseja."

Casper continuou a olhar para os papéis, batendo-os contra a palma da mão, e Nina cutucou Enok
com o cotovelo. Olhando como se ele pudesse estar doente em todas as docas, Enok enfiou a mão no
bolso e tirou um pacote recheado com moeda fjerdana.

Ele entregou a Casper, que levantou uma sobrancelha. Então o rosto do guarda abriu um sorriso
satisfeito. Nina lembrou-se dele observando as gaivotas rasgarem os gregos para sofrerem em
correntes.

Ele acenou para eles. "Que Djel viaje com vocês."

Mas eles não puseram os pés no corredor quando Nina ouviu uma voz dizer: "Só um momento".

Birgir. Eles não poderiam ter um pouco de sorte? O sol nem se pôs.

Eles deveriam ter tido mais tempo. O pai de Enok hesitou no corredor ao lado de Leoni, e Adrik deu
a Nina um simples gesto de cabeça. A mensagem foi clara: não comece com problemas.

Birgir ficou entre Casper e o outro guarda. Ele era baixo para um Fjerdano, seus ombros estavam
inclinados como um touro, e seu uniforme se encaixava tão impecavelmente que ela suspeitava que
tivesse sido costurada profissionalmente.

Nina ficou atrás de Enok e sussurrou para os garotos: "Vá para o seu avô". Mas eles não se
mexeram.”

"Foi um dia de viagem difícil para todos nós", Enok disse a Birgir amigavelmente. "Os meninos estão
ansiosos para se instalar."

"Eu vou ver seus papéis primeiro."

"Acabamos de mostrá-los ao seu homem."

"Os olhos de Casper não são tão bons quanto os meus."

"Mas o dinheiro" protestou Enok.

"Que dinheiro foi esse?"

Casper e o outro guarda encolheram os ombros. "Eu não sei sobre dinheiro."

"Talvez", disse o pai de Enok, "pudéssemos chegar a um novo acordo?"

"Fique onde você está", disse Birgir.

REI DE CICATRIZES | 39

"Mas o nosso navio está prestes a partir", disse Nina por trás do ombro de Enok.

Birgir olhou para o Verstoten, para os garotos que puxavam sem descanso as mãos do pai. "Eles vão
ser um punhado confinado para uma viagem marítima." Então ele olhou de volta para Enok e Nina.
"Esse navio não vai a lugar nenhum. Nós temos uma inspeção para fazer. ”Ele gesticulou para
Casper. “Tem algo aqui. Sinalize os outros.

Casper pegou o apito, mas antes que pudesse respirar fundo, o braço de Nina disparou. Dois
fragmentos finos de ossos voaram das bainhas costuradas nos antebraços de seu casaco. Tudo o que
ela usava era atado a eles. Os dardos se alojaram na traquéia de Casper, e um chiado agudo
guinchou de sua boca.

Nina torceu os dedos e os cacos de osso se voltaram. O guarda caiu na doca arranhando seu
pescoço.

“Casper? ”Birgir e o outro guarda sacaram suas armas.

Nina empurrou Enok e as crianças atrás dela. "Coloque-os no barco", ela rosnou. Ela não tinha
começado esse problema, mas pretendia terminar.

“Eu conheço você” disse Birgir, estreitando os olhos, mantendo a arma apontada para ela.


"Essa é uma afirmação ousada."

“Você trabalha na fábrica de salmão. Uma das garotas barril.”

“Eu sabia que havia algo errado sobre você.” Nina não pôde deixar de sorrir. "Muitas coisas."

"Mila", Adrik disse em aviso, usando seu nome de capa. Como se isso importasse agora. O tempo
para subornos e negociações acabou. Ela gostou desses momentos melhor. Quando os segredos
desapareceram.

Nina sacudiu os dedos e os fragmentos de osso saíram da traqueia de Casper e deslizaram de volta
para as bainhas escondidas em seu braço. Ele caiu no banco dos réus, seus lábios molhados de
sangue, seus olhos rolando para trás em sua cabeça enquanto lutava para respirar.

"Drüsje", Birgir sibilou. Bruxa.

"Eu não gosto dessa palavra", disse Nina, avançando. “Chame-me Grisha. Me chame de zowa. Me
chame de morte, se quiser.”

Birgir riu. “Duas armas estão apontadas para você. Você acha que pode nos matar antes que um de
nós seja abatido?”

"Mas você já está morrendo, capitão", ela murmurou gentilmente. A armadura óssea que os
Fabricadores tinham feito para ela em Os Alta era um REI DE CICATRIZES | 40

conforto e provou ser útil mais vezes do que ela podia contar. Mas às vezes ela podia sentir a morte
em seus alvos, como agora, esse homem que estava diante dela, o queixo saliente para a frente, os
botões de latão em seu uniforme fino brilhando. Ele era mais jovem do que ela percebeu, sua barba
de ouro irregular em alguns lugares, como se ele não conseguisse fazer barba. Ela deveria sentir
muito por ele? Ela não sentia.

Nina. A voz de Matthias, repreendendo, desapontada. Talvez ela estivesse condenada a ficar nas
docas e matar Fjerdanos. Havia destinos piores.

"Você sabe disso, não é?", Ela continuou. “Em algum lugar dentro. Seu corpo sabe. Ela se
aproximou. "Essa tosse você não pode abalar. A dor que você disse a si mesmo era uma costela
machucada. A maneira como a comida perdeu o sabor.”

Na luz fraca do dia, ela viu o medo entrar no rosto de Birgir, uma sombra caindo. Alimentava-a e
aquele estranho coro sussurrante parecia se elevar nela, como se em encorajamento, mesmo
quando a voz de Matthias recuou.

"Você trabalha em um porto", ela continuou. "Você sabe como é fácil para os ratos entrarem nas
paredes, comer um lugar por dentro." A mão de pistola de Birgir mergulhou um pouco. Ele estava
observando-a agora, de perto, não com os olhos afiados do policial, mas com o olhar de um homem
que não queria ouvir, mas tinha que saber o fim da história. “O inimigo já está dentro de você, as
células ruins comendo os outros lentamente, bem ali em seus pulmões. Incomum em um homem tão
jovem. Você está morrendo, capitão Birgir”- ela disse suavemente, quase gentilmente. "Eu só vou
ajudar você."

O capitão pareceu acordar de um transe. Ele levantou a pistola, mas ele estava muito lento. O poder
de Nina já se apoderara daquele aglomerado de células doentes dentro dele, e a morte desfraldada,
uma terrível multiplicação.

Ele poderia ter vivido mais um ano, talvez dois, mas agora as células se tornaram uma maré negra,
destruindo tudo emseu caminho. O capitão Birgir soltou um gemido baixo e caiu. Antes que o outro
guarda pudesse reagir, Nina sacudiu os dedos e enfiou um pedaço de osso em seu coração.

As docas estavam curiosamente paradas. Ela podia ouvir as ondas batendo no casco do Verstoten, as
altas chamadas de aves marinhas. Dentro dela, o coro sussurrante soou quase tonto. Então um dos
meninos começou a chorar.

Por um momento, Nina ficou sozinha com a morte nas docas, mas agora percebia o modo como os
outros a observavam - os fugitivos Grisha, Adrik e Leoni, até o capitão do navio e sua tripulação
debruçados sobre o corrimão do navio. Talvez ela devesse ter se importado, talvez alguma parte
dela tenha se importado.

REI DE CICATRIZES | 41

O poder de Nina era assustador, mas se tornou caro para ela. Matthias aceitou a coisa escura nela e
a encorajou a fazer o mesmo, mas o que Nina sentia não era aceitação. Foi amor.

Alguns homens merecem sua misericórdia, Nina.

Eu avisarei quando eu conhecer um.

Adrik suspirou. "Eu não vou sentir falta desta cidade." Ele chamou a tripulação do navio. “Pare de
olhar e nos ajude a colocar os corpos a bordo.

Nós vamos eliminá-los quando chegarmos a águas abertas. ”

Nina jurou que tentaria fazer melhor. Ser melhor. Amanhã.


REI DE CICATRIZES | 42

APESAR DOS PROTESTOS DE ZOYA, Nikolai se recusou a permanecer em Ivets. O começo de um


plano havia se formado em sua mente, e ele não queria desperdiçar outro dia definhando em uma
cúpula comercial.

Ele não estava interessado em Hiram Schenck ou em suas filhas casáveis, e na próxima vez que
Nikolai conversasse com um membro do Conselho Mercante de Kerch, seria em seus próprios
termos.Para esse fim, embora tivesse muitos negócios à sua espera na capital, sua primeira parada
deveria ser no conde Kirigin. Ele precisava coletar um pouco de informação junto com sua
Fabricadora mais valiosa - e, via de regra, se alguém tivesse a oportunidade de visitar um palácio de
prazeres, deveria. Especialmente se o Palácio do Prazer serviu de cobertura para um laboratório
secreto.

O mais velho conde Kirigin era um comerciante do oeste de Ravka que tinha feito vastas somas de
dinheiro trocando armas e inteligência - e qualquer outra coisa que não tivesse sido acertada - para
os inimigos de Ravka.

Mas seu filho serviu com Nikolai em Halmhend, e em troca de conseguir manter sua fortuna
considerável, bem como evitar a desgraça de ser despojado de seu título e ver seu pai ser preso por
traição, o jovem Kirigin prometeu dinheiro e fidelidade à coroa. Uma barganha mais do que
razoável. As exigências de Nikolai eram pouco ortodoxas: Kirigin já era um pouco arriscado. Agora
ele deveria viver decadente, gastar muito e manter a reputação de notório alpinista libertino e
social.

O jovem conde assumiu o papel com zelo, encenando festas elaboradas, renomadas por sua
devassidão e fazendo o melhor que pôde para entrar nas casas dos nobres ravkanos que possuíam
títulos mais ilustres e fortunas mais antigas, embora menos abundantes. Vestia-se absurdamente,
bebia excessivamente e se sacudia com tanta boa estupidez que seu nome se tornara sinônimo de
riqueza e bufonaria: Ah, o Gritzkis'son é um terror e improvável de fazer muito de si mesmo, mas
pelo menos ele não é um Kirigin.

Foi por isso que, quando Kirigin comprou uma vasta faixa de terra a leste de Os Alta, ninguém
piscou. É claro que o Kirigin quer estar perto da capital, sussurraram em salões e salas de estar.
Tentando agradar ao rei e às velhas famílias, sem dúvida.

REI DE CICATRIZES | 43

Mas que homem de bom senso e criação jamais deixaria sua filha se aproximar daquela nova? E
quando Kirigin comissionou um mentor zemeni para projetar um complexo de prazer para ele como
nunca visto em solo ravkano - completo com terraplenagem que exigia a contratação de milhares de
homens para cavar um vale onde antes não havia, uma adega para se esticar por uma milha
subterrânea e um vasto lago que exigia que os Grishas Hidrod a preenchessem e levassem dias para
atravessar de barco?

Bem, ninguém bateu um olho. Eles balançaram a cabeça quando Kirigin pegou balão de ar quente e
riu por trás de suas mãos quando os prados onde ele fazia excursões eram tão freqüentemente
atormentados pela neblina.

Desperdiçado, grotesco, obsceno, eles eles diziam. E todos esperavam convites para uma das festas
espetaculares de Kirigin.

Kirigin apelidou seu magnífico composto de Lazlayon, o Oco Dourado-embora fosse tão
frequentemente envolto em névoas e úmidade que era comumente referido como o Pântano
Dourado - e as festas que ele fez ali eram realmente lendárias. Mas eles também faziam parte de
uma grande mentira, uma mentira essencial para o futuro de Ravka.

Acontece que a adega de vinhos de Kirigin corria por oito quilômetros, não um, e não era uma
adega, mas um abrigo subterrâneo dedicado ao desenvolvimento de armas. O lago foi usado para
protótipos de embarcações submarinas e os novos empreendimentos de guerra naval de Nikolai. O
denso nevoeiro que envolvia o vale era frequentemente ajudado por Grisha Aeros para se proteger
de olhares indiscretos e vigilância aérea de Fjerda.

O prado de balonismo era na verdade um aeródromo; os jardins elaborados escondiam duas pistas
longas e retas para testar aeronaves experimentais; e os freqüentes fogos de artifício encenados por
Kirigin disfarçavam o som de fogo de rifle e bombardeios. Não havia, é claro, nenhum misterioso
arquiteto zemeni. Nikolai havia desenhado a próprio Pântano Dourado - embora a fortuna do conde
Kirigin pagasse pela construção.

O rei visitava ocasionalmente como convidado de festa, para montar ou caçar ou beber excelentes
vinhos de Kirigin. Mas com mais frequência, ele chegou em segredo através de uma de suas
entradas privadas e foi imediatamente para ver o progresso de seu mais recente esforço. Nikolai
sempre sentiu uma sensação de excitação quando entrou no Pântano Dourado.

O palácio de Os Alta estava cheio de fantasmas. Os crimes do pai dele.

Falhas de sua mãe. A memória do corpo de seu irmão sangrando no chão como a do Darkling.
Soldados das sombras atravessavam as janelas do Ninho da Águia. Mas Lazlayon foi a criação de
Nikolai. Aqui, por um curto período de tempo, o demônio que governou suas noites e perturbou seus
sonhos recuou, mantido à distância pela lógica, a esperança de progresso e o feliz passatempo de
construir coisas gigantescas destinadas a explodir.

REI DE CICATRIZES | 44

Mas o Pântano Dourado não era apenas um playground para suas invenções - era também onde as
forças do Primeiro e do Segundo Exércitos, do armamento tradicional e do poder dos Grishas,
seriam forjadas em algo novo.

Esperançosamente, pensou Nikolai quando ele e Tolya chegaram aos degraus da frente da casa
principal.

Ou é onde vou gastar o último baú de guerra de Ravka e não tenho nada para mostrar, a não ser
uma pilha de hélices enferrujadas e um lago gelado que faz a navegação medíocre. Ravka era
muitas coisas para ele: uma grande dama que necessitava de namoro constante, uma criança
teimosa que não queria ficar sozinha e, na maioria das vezes, um homem que se afogava -

quanto mais Nikolai lutava para salvá-lo, mais ele se afogava. Mas com a ajuda dos cientistas e
soldados do Pântano Dourado, ele poderia simplesmente arrastar seu país para a costa ainda.

"Sua Alteza!" Kirigin disse enquanto descia as escadas para cumprimentar Nikolai. Seus cabelos cor
de laranja tinham sido arranjados em um penteado elegante, e ele estava com um casaco violeta e
brocado de ouro totalmente inadequado para a hora. Ao lado de Tolya, vestido de oliva monótona e
monótono e montado em seu imponente cavalo, Kirigin parecia um ator na peça errada. "Como eu
posso preparar os melhores entretenimentos quando você não me der nenhum aviso de sua
chegada?"

"Ah, Kirigin", disse Nikolai, ignorando a formalidade do arco do conde para abraçá-lo e dar um tapa
nas costas dele. “Eu sei que você gosta de improvisar.”

“Uma visita à adega é o lugar perfeito para começar. Venha para dentro.”

“Tolya e eu preferimos dar uma volta no seu terreno. Você vai apostar na temporada?”

“Claro, Alteza. Temos que ter esporte para nos manter aquecidos neste inverno, e se não, as
trezentas garrafas de aguardente de Kerch nas quais eu coloquei minhas mãos devem fazer o
truque.
Uma Santa Causa. Nikolai às vezes se preocupava que Kirigin assumisse seu papel de reprovado
com um pouco de entusiasmo. "Só não pegue tudo do meu estoque", disse ele. "Eu preciso de alguns
ministros coerentes na mão."

"Claro, é claro", disse Kirigin, olhando para o caminho, a esperança clara em seu rosto. Pobre tolo.

"Zoya foi diretamente para a capital."

Kirigin limpou a garganta. “Não importa para mim. Eu só queria saber se deveria ser mais cordial,
ela gosta de esperar. A Comandante Nazyalensky está bem?”

REI DE CICATRIZES | 45

“Bonita como uma foto e cheio de despeito”

“Ela é adorável, não é?” perguntou Kirigin sonhadoramente. "Eu vou deixar você para isso, então. E
se você… enviasse a ela meus cumprimentos?”

“Pelos os Sanktos,” retumbou Tolya.

"Ela teria você no café da manhã."

O conde sorriu. "Pode não ser uma maneira tão ruim de ir, hein?"

"Kirigin, velho amigo", disse Nikolai, "você é um bom sujeito. Por que não se encontrar uma garota
legal que gosta de caçar e pode se sentir calorosamente em direção a um pedestre?”

Kirigin arrastou os pés como um estudante. "Eu simplesmente não posso deixar de sentir que o
comportamento gelado da Comandante Nazyalensky mascara um espírito terno."

Tolya bufou. “Ela vai apertar seu coração e beber.” Kirigin parecia horrorizado, mas Nikolai
suspeitava que Tolya estava certo.

Ele chegou a reconhecer o fenômeno bizarro da beleza de Zoya, a forma como os homens adoravam
criar histórias em torno dela. Eles disseram que ela era cruel porque ela tinha sido prejudicada no
passado. Eles alegaram que ela estava com frio porque ela simplesmente não tinha encontrado o
companheiro certo para aquecê-la. Qualquer coisa para suavizar suas bordas e adoçar sua
disposição - e qual era a graça disso? A empresa de Zoya era como uma bebida forte. Preparando-se
- e melhor se abster se você não conseguisse lidar com o chute.

Nikolai voltou a subir na sela. “O exterior gelado da Comandante Nazyalensky mascara um interior
ainda mais gelado, mas eu certamente vou deixá-la saber que você deseja sua saúde.” Ele cutucou
seu cavalo em um trote e Tolya seguiu o exemplo. Eles seguiram pelo caminho de cascalho branco
que corria paralelamente ao lado leste da casa principal. Através das janelas, Nikolai ouvia música
dos salões e salas de jogos. Ele vislumbrou corpos envoltos em seda e jóias e viu um homem
vestindo apenas um chapéu de almirante e batendo uma panela grande com uma colher enquanto
corria pelo corredor.

A carranca de Tolya era profunda o suficiente para semear as sementes. “A coroa não deveria estar
associada a tais exibições”.

“Talvez não”, admitiu Nikolai. “Mas o povo ravkano gosta de seus líderes com apenas um toque
impróprio sobre eles. Eles não confiam em um homem de muita virtude.”

Tolya estreitou seus olhos dourados. “E você realmente confia em um homem de tão pouco?”

REI DE CICATRIZES | 46

“Eu sei que você não aprova. Mas Kirigin fez o papel que eu pedi para ele. Ele pode não ser o sujeito
mais inteligente, mas é leal.”

“ Ele não pode pensar que Zoya pouparia seu tempo.”

“ Vamos rezar para que ela nunca faça isso. Pobre Kirigin seria melhor tentar valsar com um urso.”
Mesmo assim, Nikolai achava que nem Zoya nem Tolya davam crédito suficiente aos jovens. O afeto
e a falta de ambição de Kirigin escondiam um bom coração.

Ele era um homem honrado, com idéias românticas de dever para com seu país e profunda
vergonha pelo modo como seu pai se comportara - algo com o qual Nikolai podia simpatizar. Nikolai
estava ciente da reputação de seu pai. Foi uma das muitas razões pelas quais ele manteve suas
visitas públicas ao mínimo de Lazlayon. Desde o momento em que pensara em assumir o trono,
Nikolai sabia que teria de ser um homem melhor do que seu pai e um rei melhor do que seu irmão
poderia ter esperado ser.

Vasily havia sido morto pelo Darkling, e Nikolai fizera o melhor para chorar por ele, mas a verdade
era que a morte prematura de seu irmão havia se revelado bastante oportuna.

Nikolai ficou satisfeito ao ver dois pedestres emergirem das sebes assim que ele e Tolya deixassem
o caminho de cascalho. Todo o pessoal de Kirigin, da copeira ao noivo e chefe de casa, era composto
pelos espiões do rei.

"Algum falcão nos céus?" Nikolai chamou, usando o código que permitiria que eles passassem sem
disparar protocolos de segurança.

"Não, mas ouvimos que há raposas na floresta", um dos homens respondeu, e eles voltaram para o
trabalho. Os códigos mudavam a cada semana e eram apenas uma das maneiras de manter seguros
os negócios reais do Pântano Dourado. A margem sul do lago estava carregada de névoa não
natural, e só quando ele e Tolya passaram pela neblina viram as docas movimentadas com os
engenheiros Grishas e do Primeiro Exército.

As águas foram equipadas com os mais recentes protótipos da frota hidrofólio de Nikolai. A frota
real seria construída em uma base escondida na costa de Ravka - pequenos artilheiros e enormes
navios de transporte que poderiam carregar tudo, desde tropas até aviões. Supondo que Nikolai
pudesse de alguma forma encontrar o dinheiro para financiar o projeto. Nem mesmo Kirigin era rico
o suficiente para modernizar uma marinha inteira.

Nikolai teria gostado de ficar e assistir aos testes, mas ele tinha outras prioridades hoje. Ele e Tolya
amarraram seus cavalos em uma das grutas cobertas de musgo e entraram nas cavernas. O ar
deveria estar úmido, mas a gruta não era real, e a umidade nos laboratórios e nas passagens
internas era estritamente regulada pelos Aeros.

REI DE CICATRIZES | 47

Nikolai encontrou o entalhe apropriado na pedra junto a um grupo de lírios de sal e fincou o polegar
no broto. A pedra mudou, revelando uma câmara de latão. Ele puxou uma alavanca, a porta se
fechou, e ele e Tolya estavam descendo, descendo, descendo, seis andares na terra até a infame
“adega de vinho” de Kirigin. Ela podia ser alcançada de elevadores ocultos localizados em toda a
propriedade.

"Eu odeio essa parte", murmurou Tolya. “Parece que está sendo enterrado.”

Nikolai sabia que Tolya quase foi morto em um desmoronamento durante seu tempo com a
Conjuradora do Sol.

“Você deveria esperar la encima. Assista-os testar os novos motores. Eu poderia usar um relatório
sobre o sucesso deles.”

Ele apertou o nó que continha seus longos cabelos negros e dobrou seus enormes braços tatuados.
“Tamar diz que os medos são como ervas daninhas.

Eles crescem selvagens se deixados desacompanhados.”

”Bem e bom para Tamar - a gêmea de Tolya era essencialmente destemida.

“Então se forçar no subsolo é um pouco de jardinagem leve?”

Tolya rangeu os dentes. "Se eu não enfrentar isso, eu nunca vou superar isso."

Nikolai escolheu segurar sua língua. Se o suor na sobrancelha maciça de Tolya e sua mandíbula
cerrada fossem alguma indicação, essas excursões sob a terra não estavam lhe fazendo bem algum.
Mas a guerra deixara todos feridos, e Tolya tinha o direito de cuidar dele como bem entendesse.

Nikolai flexionou os dedos nas luvas e pensou nas cicatrizes negras manchando seus dedos. Eu teria
coragem de olhar o monstro nos olhos? Ele realmente não sabia.

Quando as portas do elevador se abriram, saíram para outra câmara de latão, com a passagem
bloqueada por uma grossa porta de aço. Nikolai começou a abrir as fechaduras da porta que ele
aprendeu com um certo ladrão em Ketterdam. Um momento depois, a porta se abriu e ele estava em
casa.

Os laboratórios estavam divididos em quatro divisões principais, embora todas trabalhassem juntas
quando necessário: artilharia e coletes, guerra naval, guerra aérea e os laboratórios dedicados a
tentar desenvolver tanto um antídoto para jurda parem quanto uma cepa da droga que pode
permitir que Grisha aumente seus poderes sem torná-los viciados.

Sua primeira parada foi sempre nos laboratórios. Ele falou brevemente com seu Alquimista para
confirmar o que ele suspeitava sobre o antídoto baseado em seu último relatório, e coletou um
pequeno frasco do material para compartilhar com o Triumvirato.

REI DE CICATRIZES | 48

Nikolai queria algo concreto para balançar diante de seus conselheiros, dado o que pretendia
propor. Demoraram um pouco mais para encontrar David Kostyk, já que o Fabricador trabalhava em
todas as divisões do laboratório. Mas, eventualmente, eles o descobriram debruçado sobre uma
série de plantas pelos vastos tanques onde os últimos protótipos de seus novos submersíveis
estavam sendo construídos em miniatura.

As mangas do kefta roxa do Fabricador estavam surradas e seu cabelo castanho mal cortado lhe
dava a aparência de um cão peludo, imerso em pensamentos. Através do vidro, Nikolai viu a versão
mais recente de sua izmars'ya, sua frota submarina. Em terra, eles pareciam desajeitados: largos,
achatados e desajeitados, como se alguém tivesse pegado um pedaço de metal de qualidade e
jogado em uma panqueca alada. Mas abaixo da superfície, eles se tornaram algo elegante, sinuoso
predadores que deslizavam através das profundezas, seus movimentos guiados por hidros, suas
tripulações providas de ar respirável através de uma combinação de poder de Aeros e um filtro que
levara Nikolai e David a melhor parte de um ano para aperfeiçoar.

O verdadeiro desafio seria armar a frota. Só então seus navios se tornariam uma verdadeira escola
de tubarões. Depois disso? Não importa quantos navios de guerra os inimigos de Ravka
construíram. O izmars'ya seria capaz de se mover pelos oceanos do mundo sem ser visto e atacar
sem nunca aparecer. Eles mudariam a face da guerra naval.

David olhou de onde estava consultando com Nadia Zhabin sobre o sistema de pêndulo e válvula
que eles estavam desenvolvendo para mira-alvo.

"Eles estão testando os motores de superfície hoje", disse ele.

"E bom dia para você, David."

"É de manhã?"

"O nascer do sol foi a minha primeira indicação", disse Nikolai. "Como os novos mísseis parecem?"

"Ainda estamos tentando fazer com que eles mantenham o rumo", disse Nadia, com as feições
pálidas e pontiagudas tingidas de azul pela luz refletida no tanque. Ela era uma Aero que lutou ao
lado da controladora do sol com seu irmão mais novo, Adrik, mas ela mostrou seu verdadeiro
potencial no design de armas.

Ela foi integral no desenvolvimento do izmars'ya. "Acho que estamos perto."

Embora o inventor em Nikolai tenha ficado entusiasmado com a notícia, seu entusiasmo foi
temperado pela conversa que teve com Hiram Schenck em Ivets. Ele podia praticamente sentir o
Kerch respirando no seu pescoço, e não era uma sensação que ele gostava. Nikolai tinha duas
regras para seus Nolniki - os cientistas e soldados que trabalhavam no Pântano Dourado, seus Zeros
que não eram nem Primeiro nem Segundo Exército, mas REI DE CICATRIZES | 49

ambos. Acima de tudo, sejam ladrões. Pegue o trabalho de seus inimigos e vire-os contra eles. Não
importava se Ravka chegasse primeiro à tecnologia, desde que encontrassem maneiras de melhorar.
Os fjerdanos tinham desenvolvido um motor para conduzir vagões e batalhões de tanques blindados,
de modo que os ravkanos o tornaram poderoso o suficiente para mover navios enormes.
Os Fjerdans construíram aeronaves de aço que não exigiam habilidade dos Aeros para pilotar, então
os Fabricadores da Ravka roubaram o projeto e construíram flyers mais finos em alumínio mais leve
e seguro.

A segunda regra? Seja rápido. Fjerda deu grandes saltos em tecnologia militar no último ano - como
ele ainda não saber - e Ravka tinha que encontrar um jeito de manter o ritmo.

Nikolai bateu as plantas na mesa. “Se os testes de combustível para os motores de superfície forem
bem, quanto tempo até que o izmars’ya esteja operacional?”

“Uma questão de semanas”, disse Nadia.

"Excelente".

"Mas não podemos colocar nada em produção sem mais aço."

"E você vai ter", Nikolai prometeu. Ele só podia esperar que ele estivesse dizendo a verdade.

"Obrigado, Alteza", disse Nadia com um sorriso e uma reverência. De alguma forma, ela ainda tinha
fé em seu rei, mas Nikolai não tinha certeza se ele achava sua pronta confiança tranquilizadora ou
preocupante. Ele sempre encontrara uma maneira de manter a máquina enferrujada e caindo aos
pedaços, que Ravka trabalhava - encontrando aquele dinheiro extra quando eles mais precisavam,
fazendo a aliança certa na hora certa, montando uma invenção que faria seu escasso exército
permanente a uma partida para as vastas forças comandadas pelos inimigos em suas fronteiras.

Para Nikolai, um problema sempre apresentou uma oportunidade não diferente da oferecida por um
mecanismo Fjerdano. Você desmontou suas partes, descobriu o que o levou, então usou essas peças
para construir algo que funcionou para você, em vez de contra você. O demônio discordou. O

demônio não estava interessado na resolução de problemas, na política ou no futuro. Não era nada
além de fome, a necessidade do momento, o que poderia ser morto e consumido. Eu vou encontrar
uma maneira.

Toda a sua vida, Nikolai acreditava nisso. Sua vontade fora suficiente para moldar não apenas seu
destino, mas sua própria identidade. Ele havia escolhido o que queria que as pessoas vissem - o filho
obediente, o patife irresponsável, o soldado capaz, o político confiante. O monstro ameaçou tudo
isso. E eles não estavam mais perto de encontrar uma maneira de expulsar a coisa do que há seis
meses. O que havia para fazer senão continuar andando?

REI DE CICATRIZES | 50

Animais menores gemiam e lutavam quando eles foram pegos em uma armadilha. A raposa
encontrou uma saída.

"David, você dormiu aqui ontem à noite?" Nikolai perguntou.

O Fabricador franziu a testa. "Eu não penso assim."

"Ele passou a noite aqui", esclareceu Nadia. "Ele realmente não dormiu."

"Você dormiu?" Perguntou Nikolai.

"Eu ... cochilei um pouco", respondeu Nadia evasivamente.

"Estou levando você para Tamar."

"Mas preciso dela para os testes de combustível", objetou David.

"E eu vou levar você para casa. Genya", acrescentou Nikolai.

"Mas ..."

"Não discuta, David. Me faz querer explodir algo para afirmar minha autoridade. Eu preciso do
Triumvirate juntos. E vou precisar de você e de Nadia para começar a trabalhar em um novo
protótipo dos izmars'ya.”

Nadia afastou os cabelos loiros dos olhos. "Eu posso começar agora, Sua Alteza."

"Não saia correndo para mostrar sua competência excessiva ainda.


Quero que você se certifique de que esse protótipo em particular não funcione.”

David começou a armar suas plantas, cuidadosamente arrumando suas canetas e instrumentos. "Eu
não gosto quando ele não faz sentido."

Nadia ergueu as sobrancelhas. "Eu assumo que Sua Alteza tem um motivo?"

“Eu sempre tenho”.

Ele arrastaria o homem que estava se afogando para a costa, chutando e gritando se precisasse -
não importando o que o demônio exigisse.

"Vou fazer uma pequena brincadeira", disse Nikolai, já imaginando um lago iluminado pela lua e
todo o caos glorioso que ele pretendia incitar lá. “Isso significa que eu preciso dos acessórios
certos.”

REI DE CICATRIZES | 51

GÄFVALLE.

Quanto mais perto eles chegavam da cidade, mais difícil era ignorar os sussurros murmurando em
sua cabeça. Às vezes Nina podia jurar que ouvia vozes, as formas obscuras das palavras apenas
além da compreensão. Outras vezes o som diminuia para o tumulto do vento através dos juncos.

Diga-lhes, meu amor.

Mas o que havia para contar? O som pode não ser nada. Pode ser uma alucinação auditiva, alguns
remanescentes dela com parem.

Ou pode ser o morto, atraindo-a.

A cidade em si estava localizada à sombra de uma cadeia montanhosa baixa, sob a enorme forma do
que outrora fora um forte e depois uma fábrica de munições localizada no alto do penhasco acima
dela. Não demorou muito para perceber que a antiga fábrica tinha sido recondicionada para algo
novo - o tráfego de vagões e homens viajando dentro e fora da instalação deixou isso claro - mas
para quê?

Não havia pousadas adequadas, apenas uma casa pública com dois quartos de hóspedes que já
estavam ocupados. O proprietário disselhes que o convento subindo a colina às vezes acolhia os
hóspedes.

"As senhoras do convento levam roupas lavadas para os soldados", disse ele. "Eles não se importam
de ter algumas mãos extras para tarefas domésticas".
"Deve estar ocupado nestes dias com a antiga fábrica funcionando", disse Nina em Fjerdano. "Bom
para os negócios."

O dono sacudiu a cabeça. “Soldados chegaram aqui a cerca de um ano atrás. Não contrataram
nenhum local, jogaram sua sujeira no rio.”

"Você não sabe disso", disse uma mulher corpulenta descascando ervilhas no bar. "O rio estava
cheio de escoamento das minas antes de os soldados começarem a subir as chaminés de novo." Ela
lançou um longo olhar para Nina e os outros. "Não pague para falar mal de estranhos."

REI DE CICATRIZES | 52

Eles pegaram a dica e saíram para a rua principal. Era uma cidade surpreendentemente bonita, os
prédios pequenos e confortáveis, os telhados altos, as portas brilhantemente pintadas de amarelo,
rosa e azul.

Leoni olhou para o alto da montanha onde a antiga fábrica se erguia, seus grandes prédios
quadrados cheios de janelas escuras. "Eles poderiam apenas fabricar rifles ou munição".

A expressão de Adrik era mais sombria do que o habitual. "Ou alguns desses novos tanques
blindados que eles gostam tanto."

"Se for esse o caso, teremos algumas informações para repassar para a capital", disse Nina. Ela
esperava que isso não fosse tudo.

Nina ficou surpresa ao vislumbrar sinais dos santos aqui, em lugares que ela sabia que não eram
dedicados à rede Hringsa. Ela também os tinha visto na estrada - altares com o símbolo de Sankta
Alina em vez do freixo sagrado de Djel, um ícone de Sankt Demyan do Rime empoleirado numa
vitrine, dois galhos espinhosos cruzados acima de uma porta para significar a bênção de Sankt
Feliks. Houve conversas sobre milagres e acontecimentos estranhos em toda a Ravka, e parecia um
novo fervor para os santos terem se apossado de Fjerda também. Era arriscado ser tão público a
respeito de heresia com soldados por perto, mas talvez esses fossem pequenos atos de rebelião para
os habitantes da cidade que se ressentiam dos militares vigiando a fábrica.

O convento estava localizado na periferia norte da cidade, quase diretamente descendo a encosta da
fábrica. Era uma laje redonda de pedra branca como leite, com telhado de torre que fazia o prédio
parecer uma torre à procura de um castelo. A grande capela que continha era construída de troncos
robustos e rudimentares, com uma entrada de ramos de cinzas entrelaçados em nós complicados.

Deixaram o trenó nos estábulos e tocaram a campainha na porta lateral do convento. Uma jovem do
avental azul-claro bordado de um noviciado atendeu e, pouco depois, estavam se encontrando com a
Madre. A mulher mais velha usava uma lã azul-escura e tinha um rosto redondo e bochechas de
maçã, a pele profundamente forrada, como se tivesse sido dobrada em dobras limpas e pálidas, em
vez de enrugadas pela idade.

Nina fez as apresentações, explicando que estava servindo como tradutora para um casal de
mercadores vendendo suas mercadorias, e perguntou se poderiam ficar em algum lugar da
propriedade enquanto exploravam a área.

"Eles têm algum fjerdano?"

"Bine", disse Adrik. Alguns.

REI DE CICATRIZES | 53

" De forenen", acrescentou Leoni com um sorriso. Estamos aprendendo.

"E onde está seu marido?", Perguntou a Madre a Nina.

"Foi para as águas", disse Nina, baixando os olhos para o anel de prata em sua mão. "Que Djel possa
vigiá-lo."

"Não é um soldado, então?"

"Um pescador."

“Ah. Bem,” disse ela, como se estivesse insatisfeita com uma morte tão sem sangue. “Eu posso dar a
você e às mulheres Zemenis quartos no andar de baixo perto das cozinhas. Mas o marido dela terá
que ficar nos estábulos.

Duvido que ele seja muito prejudicial para as meninas” ela disse olhando para a manga presa do
casaco de Adrik, “mas mesmo assim.”

Era o tipo de comentário impensado que as pessoas costumavam fazer em torno de Adrik, mas tudo
o que ele fez foi sorrir agradavelmente e oferecer o pagamento da semana com a mão restante.

A Madre instruiu-os sobre a rotina do convento enquanto ela os conduzia pelo refeitório e depois
para o estábulo. “As portas são trancadas ao sino das dez horas todas as noites e não são reabertas
até a manhã seguinte.

Nós pedimos que você continue a ler ou meditação silenciosa nesse momento para não perturbar as
meninas em seus estudos.”

"São todas novatas?", Perguntou Nina.

“Algumas se tornarão Damas da Primavera. Outras estão aqui para serem educadas até que
retornem às suas famílias ou maridos. De qualquer maneira, o que você está transportando para
lá?” perguntou a Madre, erguendo o canto da lona presa ao trenó.

O instinto de Nina era bater na mão da mulher. Em vez disso, ela avançou ansiosamente e alcançou
os laços que prendiam a lona. "Este casal inventou uma nova forma de carregadora de carabina."

Na hora certa, Leoni tirou um panfleto colorido de seu casaco. "Eles têm um preço acessível e
estamos projetando grandes vendas no novo ano", disse ela. "Estamos procurando alguns pequenos
investidores. Se você gostar de uma demonstração...”

"Não, de fato", disse a Madre rapidamente. "Tenho certeza que eles são mais impressionantes, mas
temo que as finanças do convento sejam simplesmente muito apertadas para... empreendimentos
especulativos."

Isso nunca falhava.

REI DE CICATRIZES | 54


“Servimos nossas refeições no sexto sino após as orações matinais - as quais você é
certamente encorajada a participar - e à noite novamente no sexto sino. Pão e sal estão
disponíveis nas cozinhas. A água é racionada.”

"Racionada?", Perguntou Nina.

"Sim, nós tiramos do poço em Felsted, e isso requer uma jornada e tanto."

"Gjela não está mais perto?"

Os lábios gordos da Madre franziram. “Há muitas maneiras em que mostramos o serviço
ao Djel. A viagem oferece boas oportunidades para contemplação silenciosa.”

O rio azedou pelo antigo forte. Então, a Madre não queria que as cargas dela bebessem
deste afluente do rio, mas ela também não estava disposta a discutir isso. Era possível
que as Damas da Primavera estivessem apenas lavando uniformes de soldados, mas
também era provável que soubessem o que estava acontecendo na fábrica.

Assim que a Madre foi embora, Adrik disse: "Vamos andando".

Nina verificou as amarras da lona e eles se dirigiram para o lado da montanha, dando
um passo vagaroso e fazendo um show de conversas em voz alta em Zemeni. Eles
andavam paralelamente à estrada que levava à fábrica, mas levaram tempo para
apontar os pássaros e parar nas vistas que davam para o vale. Três turistas saindo para
passear e nada mais.

"Você vai ficar bem nos estábulos?" Leoni perguntou enquanto eles faziam o seu
caminho através de um bosque de pinheiros.

"Eu vou conseguir", disse Adrik. “Um libertino de um braço só pode atacar os cavalos. A
Madre nunca pensou nisso.”

Leoni riu e disse: “São os lobos que passam despercebidos que comem a maioria das
ovelhas.” Adrik bufou, mas parecia quase satisfeito.

Atrás deles, Nina revirou os olhos. Se ela fosse forçada a continuar uma missão com
duas pessoas iniciando essa dança de elogios cautelosos e rubores repentinos, poderiam
muito bem matá-la. Uma coisa era encontrar felicidade e perdê-la, outra é ter a
felicidade de outra pessoa sendo empurrada para você como uma segunda fatia de bolo
indesejada. Então, novamente, ela nunca recusou uma segunda fatia de bolo. Isso vai ser
bom para mim, ela disse a si mesma. Como verduras e lições de aritmética. E
provavelmente vou gostar tanto disso.

REI DE CICATRIZES | 55

Eventualmente, eles abriram caminho para uma lacuna nas árvores que dava para a
entrada da fábrica. Ao vê-la, o farfalhar das vozes surgiu em sua mente, mais alto do que
o vento agitando os pinheiros. Dois soldados foram postados nas enormes portas duplas
e havia mais posicionados ao longo dos parapeitos.

“Era um forte antes de ser uma fábrica”, disse Nina, apontando para o que pareciam
velhos nichos esculpidos nas paredes de pedra. Um grande reservatório ficava atrás do
prédio principal, e ela se perguntou se a água era usada para resfriar qualquer máquina
que estivesse operando lá dentro.

"É uma boa vantagem estratégica, eu suponho", disse Adrik em sua voz sombria.
"Terreno elevado. Um lugar seguro para se abrigar em um ataque ou quando o rio
transbordar.”

O poder de Djel, pensou Nina. A Primavera do Bem, a ira do rio.


Duas chaminés arrotaram fumaça cinza-azulada no céu do fim da tarde, enquanto
observavam uma carroça coberta rolar até o portão. Era impossível dizer o que se
passava entre os guardas e o motorista.

“O que você acha que está naquela carroça?” Perguntou Adrik.

"Poderia ser qualquer coisa", disse Leoni. “Minério das minas. Peixe.

Alqueires de jurda.”

Nina passou as mãos pelos braços e olhou para as chaminés. “Não jurda.

Eu sentiria o cheiro.” Pequenas doses de jurda comum a ajudaram a sobreviver à


provação com paren, mas a deixaram com uma sensibilidade aguda a ela. “O

que você acha?” Ela perguntou a Adrik. "Nós ficamos?"

"Eu acho que quero um olhar dentro daquele forte, mas vou me conformar em saber o
que diabos eles vazaram na água."

"Poderia ser das minas", disse Leoni.

“Se fossem as minas, os pescadores teriam se revoltado para fecha-los. O

medo é manter as pessoas da cidade quietas.”

"Vamos pegar amostras da água", disse Leoni. "Se eu puder isolar os poluentes,
poderemos descobrir o que eles estão fazendo dentro do forte".

"Você está equipada para isso?" Adrik disse.

"Não exatamente. Eu vim preparada para forjar documentos, não para testar venenos.
Mas eu provavelmente poderia improvisar alguma coisa.”

REI DE CICATRIZES | 56

"Se eu dissesse que precisávamos de um pó mágico para me fazer vomitar hortelã, você
provavelmente diria que poderia improvisar alguma coisa."

"Provavelmente", Leoni respondeu com um sorriso. "Eu só tenho que tentar."

Adrik balançou a cabeça em descrença. "Estou ficando cansado, mesmo contemplando


isso."

"Vou precisar de tempo", disse Leoni, e Nina viu uma sombra perturbada passar por seu
rosto. "Venenos são um trabalho complicado."

"Não podemos ficar aqui por muito tempo sem levantar suspeitas", disse Adrik. “Não há
comércio suficiente para justificá-lo. E eu não quero que a gente fique preso pela neve
se uma tempestade violenta acontecer.”

"Eu sei", disse Nina. Ela pressionou eles para vir aqui, e ela esperava que eles tivessem
mais a encontrar do que uma fábrica de munições recondicionada. "Dê uma semana."

Seguiu-se um silêncio e Nina sentiu a preocupação compartilhada que se passava entre


Leoni e Adrik.

Leoni tocou a mão de Nina gentilmente. "Nina ..." ela começou, e Nina sabia o que ia
dizer.

O sussurro subiu em sua cabeça novamente, mas Nina ignorou. Em vez disso, olhou
para o vale, para a floresta densa, para o afluente reluzente que cortava as árvores
como uma corrente reluzente em uma caixa de jóias, a pequena e arrumada cidade
cortada pela estrada. Não parecia território inimigo aqui. Parecia um lugar calmo onde
as pessoas vinham para construir suas casas e tentar fazer uma vida para si mesmas,
onde o negócio de soldados e guerras não passava de uma invasão.

Em outra vida, ela e Matthias poderiam ter feito sua casa em um lugar como este. Eles
teriam argumentado sobre o quão perto eles deveriam viver de uma cidade. Nina teria
desejado pessoas e excitação; Matthias teria resmungado para ficar quieto. Eles teriam
encontrado uma maneira de comprometer. Eles teriam discutido e se beijado para fazer
as pazes. Mas onde eles se sentiam seguros juntos? Em Fjerda? Em Ravka? Havia algum
lugar onde eles teriam sido verdadeiramente livres e felizes? Outra vida, outro mundo.

Está na hora, Nina. Devolva-me ao meu deus.

Nina respirou fundo e disse: "Vou precisar de dois dias para levá-lo onde a água está
limpa".

REI DE CICATRIZES | 57

Dizer as palavras era como sentir seu coração partido, o balanço pesado do machado, a
lâmina afundando até a madeira branca e macia.

"Você não deveria ir sozinha", disse Adrik sem entusiasmo. Parecia que ele estava
pensando em colocar um par de meias encharcadas.

"Eu posso ir pelo meu..."

Um barulho soou em algum lugar abaixo. Eles pararam, seus corpos tensos, esperando.
Silêncio e depois um grito.

"O prado", sussurrou Nina.

Adrik desceu a colina e fez sinal para eles seguirem, seu comportamento melancólico
desaparecendo em um instante quando o lutador endurecido emergiu. Eles se
mantiveram nas sombras, movendo-se com cuidado, aproximando-se mais.

"Soldados", sibilou Leoni, olhando através dos galhos.

Um grupo de jovens em uniformes cinza de Fjerdan estava reunido ao redor do riacho,


gritando um com o outro. Dois estavam a cavalo; os outros haviam desmontado e
tentavam acalmar um cavalo que de alguma forma se assustara e jogara seu cavaleiro
longe. Nina podia ver a bota do soldado apanhada no estribo e ele estava sendo
arrastado pela corrente enquanto o cavalo galopava de um lado para o outro nas águas
rasas, quase perdendo a cabeça do soldado com seus cascos. Tudo o que precisaria era
de um único golpe pesado e o crânio do garoto seria esmagado.

"Devemos ajudá-los", disse Leoni.

"Devemos voltar para a segurança da cidade", disse Adrik. "Eles vão lidar com isso."

"E esse é um soldado Fjerdano a menos para nos atormentar", disse Nina em voz baixa.

Nina

Adrik e Leoni ficaram olhando para ela. Adrik parecia um enlutado em busca de uma
vigília, e até o sol comum de Leoni estava nublado de preocupação.

Ela não aprovou. Adrik não aprovou. Inferno, em seu coração, Nina também não
aprovou.

Mas desde que Matthias a deixou - foi tirado dela - Nina perdeu a parte dela que se
importava. Qual era o sentido disso tudo? Você salvou uma vida apenas para ver outra
tomada. O bem pereceu. E o ruim? Nina olhou para os REI DE CICATRIZES | 58

jovens fjerdanos em seus uniformes, assassinos em formação. Que direito eles tiveram
de sobreviver quando seu Matthias, seu belo bárbaro, se foi?

Nina

Ela desejou poder bater palmas nas orelhas e dizer a ele para deixá-la sozinha. Mas essa
era a última coisa que ela queria.

Você deve insistir que eu permaneço humana? ela reclamou silenciosamente.

Eu sei o quão forte você é, Nina. Minha morte não será o que vai te derrotar.

“O que devemos fazer?” Nina disse em voz alta.

"Eu sei o meu caminho em torno de cavalos", Leoni ofereceu.

Adrik revirou os olhos. "Aqui vamos nós."

"Isso vai nos agradar aos habitantes locais", insistiu Leoni, já empurrando as árvores.
"Poderíamos usar alguns soldados amigos.”

"Soldado amigos?" Nina perguntou incrédula.

"Vamos", disse Adrik. "Se deixarmos Leoni por conta própria, ela pode convidá-los para
uma festa do pijama."

" Gedrenen" gritou um dos soldados quando eles entraram na clareira.

Estranhos. Ele soou como uma criança.

"Podemos ajudar?" Nina disse em Fjerdan.

"Não!" Ele gritou da margem do rio. "Fique para trás!"

Foi quando Nina percebeu que eles não eram homens - eram mulheres jovens vestidas
como soldados fjerdans.

Nina levantou as mãos para tentar fazer as pazes. “Vamos ajudar seu camarada. Minha
amiga Zemeni conhece cavalos. ”Ela realmente esperava que fosse esse o caso, e não
apenas a opinião otimista de Leoni que Eu uma vez tive um pônei de estimação.

Leoni caminhou até a beira do riacho, emitindo um som baixo e murmurando em


Zemeni. Ela se moveu lentamente para a esquerda, depois para a direita, com os braços
bem abertos.

"Eu preciso de corda", ela disse baixinho, sem desviar o olhar do cavalo.

Uma das cavaleiras se adiantou. Ela tinha que ter um metro e oitenta de altura e era
toda magra e musculosa. Sua pele tinha o tom marrom REI DE CICATRIZES | 59

acastanhado e quente que normalmente indicava a ascendência Hedjut ao norte, e


algumas mechas de cabelos castanho-avermelhados eram visíveis sob o capuz do
exército. Agora que eles estavam mais perto, Nina podia ver que seus uniformes eram
grandes demais, inadequados. Roubado.

O queixo da menina alta se projetou para frente. Ela estava em torno da idade de Nina,
e independentemente do medo que ela teve ao ser descoberta, ela estava se escondendo
bem. Ela jogou a corda para Nina, que passou para Leoni, mantendo distância. O que
essas garotas estavam fazendo? As mulheres não serviam nos exércitos fjerdans. Elas
não andavam com frequência e, quando o faziam, elas certamente não montavam. Elas
nem usavam calças, apenas saias pesadas destinadas a preservar sua modéstia.

A menina apanhada nos estribos gemeu, lutando para se endireitar no raso. Ela tinha
cabelos amarelo-palha que se soltaram ao redor de seus ombros, e ela estava sangrando
gravemente de um corte na testa. Mas ela estava viva e seu crânio ainda estava inteiro -
no momento.

Leoni manteve os olhos fixos no cavalo enquanto torcia a corda em um laço. Ela girou
em loops suaves e preguiçosos, sua voz continuando com aquele murmúrio baixo e
suave enquanto todos observavam. Então, sem quebrar o ritmo, ela jogou o laço em um
arco suave. Aterrissou perfeitamente sobre a cabeça do cavalo, e a fera se levantou com
um alto relincho. Leoni moveu-se para a esquerda e para a direita novamente, girando a
corda, inclinando-se para trás, usando sua força, mas não lutando. Finalmente o cavalo
se acomodou.

A garota alta que dera a Nina a corda se adiantou, mas Leoni sacudiu a cabeça
rapidamente.

"Deixe-a", disse Nina calmamente. Um rubor se espalhou pelo maxilar afiado da garota.

Leoni aproximou-se lentamente do cavalo e apoiou a mão no pescoço, acariciando a


crina até a cernelha. "Algo te assusta?", Ela disse em Zemeni, cautelosamente fazendo o
seu caminho ao redor do flanco do cavalo. Ela se inclinou para o estribo, mas gesticulou
para a menina deitada de olhos esbugalhados na água para ficar parada. Ela não queria
arriscar o cavalo recuando novamente. Nina esperava que a garota estivesse consciente
o suficiente para entender. "Nada para se preocupar", murmurou Leoni.

Ela soltou a bota da garota do estribo, depois puxou rapidamente a corda e conduziu o
cavalo para longe.

REI DE CICATRIZES | 60

Por um longo momento a menina caída ficou deitada na água. Então ela soltou um
soluço e se levantou. Suas companheiras correram para ela, puxando-a do riacho.

Leoni levou o cavalo até onde Nina estava com a garota alta. "Alguma ideia do que o
assustou?", Ela perguntou em Zemeni.

Nina traduziu, mas a garota alta não respondeu, ela apenas estreitou seus olhos
acobreados. "O que você está fazendo aqui fora?"

"Além de salvar a vida de sua amiga?" Nina respondeu suavemente.

"Eu dificilmente acho que ela teria morrido."

"Não? Apenas sangraria até que ela desmaiasse de sua concussão ou até que o cavalo a
atropelasse em coma?”

"Nós tínhamos isso sob controle", ela insistiu. Então ela olhou para as árvores. “Você
veio da floresta do norte. Não há nada lá em cima.”

“Então, logo descobriremos. Somos novos nessas partes. A exploração é considerada


crime em Gäfvalle?”

"Há uma vantagem da fábrica por esse caminho."

"Ah!", Disse Nina, e virou-se para Adrik e Leoni. “O prédio que vimos era algum tipo de
fábrica.” É melhor manter o truque no caso de qualquer uma dessas mulheres falar um
pouco de Zemeni. Ela voltou para o alto. “Achamos que parecia um pouco como um
forte. O que é que eles fazem lá?” ela perguntou inocentemente.

“Não é da minha conta e duvido que seja da sua. Você está no convento?”

O quanto essa garota sabia e por que ela era tão hostil? Talvez ela fosse a irmã de um
soldado, criada para ser suspeita. As mãos de Nina se contorceram e ela sentiu os cacos
de ossos se mexerem. Ela não queria machucar essa garota, mas ela faria se tivesse que
fazer isso. A última coisa que precisavam era de alguém correndo para casa para falar
sobre os estranhos na mata que estavam espionando a fábrica. Então a garota alta
cerrou os punhos e disse: "Eu... você não dirá a Madre que nos viu aqui?"

De repente, a defensiva da garota fez mais sentido. Os uniformes roubados. A excursão


na floresta no meio do dia. Ela vinha tentando atacar, mas estava com medo de ser
descoberta.

"Vocês são noviças?", Perguntou Nina.

REI DE CICATRIZES | 61

“Estamos todas sendo educadas no convento. Algumas vão se casar.

Algumas se tornarão Damas da Primavera e darão suas vidas para Djel.” Ela não soou
como se qualquer outra perspectiva a empolgasse.

Nina adotou um ar mais sério e percebeu que era a maneira de Matthias que ela estava
imitando. "Cavalgando, vestindo calças, pulando na floresta sem acompanhante... Seria
irresponsável para nós não dizer algo para a Madre, especialmente dada a generosidade
de nossos anfitriões."

A garota alta ficou pálida e Nina sentiu uma pontada de culpa. Se ela realmente estava
perto da idade de Nina, ela era muito velha para ser noviça.

Todas elas eram. Então essas eram os estranhos? As meninas que não foram escolhidas
para noivas? O que aconteceu com as mulheres fjerdanas que não encontraram lugar
como esposas ou mães? Ravka foi quebrada de muitas maneiras, mas pelo menos Nina
teve permissão para treinar como soldado, para se tornar o que ela deveria ser.

Livre para lutar e morrer ao lado de seus homens?

Sim, Mathias. Livre.

O que ele teria feito dessas garotas em suas roupas roubadas?

"Onde você conseguiu esses uniformes?", Perguntou Nina.

"A lavanderia. Os soldados mandam suas roupas ao convento para limpeza.”

"Então você é uma ladra também", disse Nina. Ela sentia por essas meninas, mas ela
não estava prestes a acoberta-las.

“Nós só estávamos pegando emprestado! Foi uma brincadeira. Nós não faremos isso
novamente.”

Nina duvidou disso. Esta não foi a primeira ou a última vez que essas garotas usaram
uniformes ou cavalos. De longe, elas poderiam manter o truque de que eram soldados
para treinar e vagar pelo campo com uma liberdade que elas nunca teriam de outra
forma. Mas com que risco? Nina não podia imaginar o castigo se elas fossem
descobertas.
“O que você diz, Adrik?” Nina perguntou, adiando para o homem da festa como uma
garota fjerdana apropriada - mesmo que ele fosse um estrangeiro.

Adrik lançou um olhar crítico sobre as noviças, fingindo considerar.

"Muito bem. Não vamos falar deste dia.”

REI DE CICATRIZES | 62

Nina acenou com a cabeça para a garota alta, cujos ombros caíram em alívio. As outras
pareciam aliviadas também quando puxaram a amiga ferida para a sela.

“Leve-a para casa e cure-se”, disse Nina com a primorosa superioridade de uma
estudante que jamais infringiria as regras. "Você deveria dizer obrigado esta noite em
suas orações a Djel que ele toleraria tal imprudência em seus criados."

A garota alta se curvou. " Djel jerendem". Ela montou seu cavalo.

"E é melhor não ver você aqui de novo!", Disse Adrik em um desajeitado Fjerdan.

"Não senhor. Claro que não” disse a garota, mas quando se virou, Nina vislumbrou a
faísca desafiadora em seus olhos de cobre. Os outros podem ser intimidados, mas não
essa garota. Ela tinha um tipo diferente de coração. Ela montaria. Ela iria caçar. Ela
lutaria quando pudesse. E era assim que ela continuaria viva.

Quando as noviças saíram da clareira, Nina disse: "Elas não vão falar".

"Não", disse Adrik. “Elas estavam claramente aterrorizadas que nós fôssemos os únicos
a falar com a Madre. Vamos encher nossas cantinas.

Podemos levar as amostras de volta aos estábulos.”

Mas Nina ainda não estava pronta para sair da montanha. O sussurro começou de novo,
e ela não ia ignorar dessa vez. "Eu quero dar uma olhada na fábrica."

"Por quê?"

Como responder isso? "Eu... eu só acho que pode haver mais para ver."

O coro dentro dela suspirou.

Adrik parecia cético. “Vá, mas tenha cuidado. E não se envolva por conta própria,
entendeu?” Nina assentiu, mas aparentemente Adrik viu algo que ele não gostou em sua
expressão. “Nina, não se envolva. Se você for pega, colocará todas as nossas operações
aqui em Fjerda em risco. Isso é uma ordem, não um pedido.”

"Sim, senhor", disse Nina, e ela conseguiu lidar com isso sem a frustração que ela
sentiu. Obediência nunca foi um dos pontos fortes dela, e ela estava tomando suas
próprias decisões por muito tempo. Mas ela queria ser um soldado para Ravka, e isso
significava aprender a fazer o que lhe foi dito mais uma vez.

REI DE CICATRIZES | 63

Trassel não gostou de seguir minhas ordens. Eu o subornei com pedaços de bife.

Sério, Matthias? Devo apenas tentar morder Adrik na próxima vez que ele me irritar? Eu
não sou um lobo. Eu sou uma senhora gentilmente criada...

apesar de o bife parecer bom.


"Leoni e eu vamos colher amostras aqui e no afluente mais perto da cidade", disse Adrik,
e Nina estava feliz por ele não ter lido sua mente. "Volte antes de escurecer."

Nina se dirigiu para as árvores, tomando seu tempo cortando a fábrica na chance de que
ela fosse observada. Ela não seguiu a estrada neste momento.

Em vez disso, ela escutou os sussurros, e não achou que estivesse imaginando a
excitação deles quando escalou a montanha, deixando-os guiá-la mais para o leste. A
antecipação deles levou as pernas cansadas para a frente, o farfalhar cada vez mais alto,
o som de uma multidão tagarelando antes do início de uma peça. Ou talvez uma
execução.

Estava quase no fim do dia quando finalmente viu o forte voltar à vista.

Por que a aventura sempre envolve muita caminhada? ela imaginou. Ela de alguma
forma rastreou atrás do edifício de forma que ela estava no lado distante disto, mais
íntimo para a asa oriental. Nesse ângulo, ela pôde ver que havia uma estrada de terra
que levava a outro portão, dois guardas entediados que o sustentavam. Esta parte da
fábrica parecia ter caído em desuso. Algumas das janelas estavam quebradas e ela não
viu sinais de ocupação.

Ela também tinha uma visão melhor do reservatório, sua parede de retenção esculpida
na forma de um freixo gigante, seus galhos e raízes irradiando grossos e tortuosos
vultos de pedra lavrada. Sem dúvida, foi abençoado quando a represa foi construída.
Onde quer que a água fosse usada ou contida, os fjerdans faziam orações, em moinhos e
portos, nas grandes minas do norte, onde palavras sagradas eram esculpidas no gelo a
cada estação. Uma comporta redonda ficava na base da represa, e Nina podia ver o lixo
na lama que a rodeava. As águas de Soiling Djel eram consideradas um crime punível
com a morte em Fjerda. Talvez esses soldados não fossem particularmente religiosos.

Não havia nada para ver aqui, mas o sussurro na cabeça de Nina tinha sido elevado a
um clamor, e agora ela podia ouvir que as vozes não estavam animadas - estavam
angustiadas.

Nina estendeu a mão com seu poder, a coisa que parem criara dentro dela. Ela sentiu o
fluxo do rio invisível que nenhum homem poderia conter.

Era a morte, uma maré fria e inevitável, e quando ela se concentrava, podia REI DE
CICATRIZES | 64

sentir onde se apressava e onde se aproximava. Ela deixou sua mente mergulhar
naquele frio, buscando aquelas vozes.

Onde está você? ela perguntou a escuridão. Quem é Você?

Ela ofegou quando a corrente a agarrou, como se a arrastasse junto, para puxá-la para o
fundo. O lamento dentro dela subiu como uma inundação terrível. A morte queria
reivindicá-la. Ela podia sentir isso. E alguma parte dela queria deixar acontecer?

Nina, volte.

A água não estava mais fria.

Parecia gentil. Como uma boa vinda.

Nina. Não ceda à maré.

Os olhos de Nina se abriram. O mundo dos vivos a envolveu novamente -

o canto dos pássaros, o cheiro úmido do solo sob suas botas, o som de pequenas
criaturas movendo-se através do mato.
Ela olhou para a forma grosseira da fábrica e sentiu um profundo frio afundar em seus
ossos. As vozes recuaram, mas ela ainda podia ouvi-las chorando. Ela sabia quem elas
eram. Mulheres e meninas às centenas. Todos elas mortas.

Aqui, no topo da montanha, Nina estava cercada de sepulturas.

REI DE CICATRIZES | 65

NIKOLAI E TOLYA TROUXERAM David e Nadia de volta à capital por meio do túnel
subterrâneo que se estendia do Pântano Dourado até os terrenos do Grande Palácio -
quinze milhas de viagem muito abaixo da superfície da Terra. O pobre Tolya murmurou
para si mesmo o caminho todo. Inverso. Nikolai teria gostado de poupar Tolya e seus
próprios ouvidos do trauma da jornada, mas seu chefe de segurança insistira que estava
bem. Além disso, Nikolai recebera a notícia de que a multidão de peregrinos acampados
do lado de fora dos muros da cidade crescera nos últimos dias e que alguns exigiam uma
audiência com o rei. Tudo o que ele precisava era que um fanático excessivamente
zeloso se atirasse sob os cascos de um dos cavaleiros da realeza.

Nikolai não pretendia fazer nenhum mártir hoje. Eles surgiram atrás de uma barulhenta
cachoeira artificial não muito longe dos estábulos reais, o caminho para ele monitorado
por dois dos guardas do palácio mais confiáveis de Nikolai. Em seus uniformes brancos
e dourados, cabelos escuros cuidadosamente separados, ambos os rostos lançados no
solene desinteresse dos soldados em atenção, os guardas poderiam ter sido irmãos, mas
eles não poderiam ter sido menos parecidos.

Trukhin estava sempre rindo e cheio de bravatas; Isaak era tão tímido que muitas vezes
lutava para fazer contato visual. Os guardas não registraram surpresa quando o grupo
de Nikolai apareceu entre as sebes.

"Trukhin", disse Nikolai. "O que eu eu perdi enquanto estava em minhas viagens?"

A expressão severa de Trukhin cedeu instantaneamente a um sorriso fácil.

“Bem-vindo de volta, Alteza. Não há muito a relatar aqui, embora um Infernal tenha
incendiado a mata atrás do lago.

Soa como Kuwei.

Nikolai admirava o dom do menino Shu pelo caos. Especialmente porque o jovem
Infernal era o problema de Zoya para administrar.

"Não parece tão ruim."

O sorriso de Trukhin ficou triste.

“Acredito que o ministro da Defesa foi pego no incêndio. Mas ele não sofreu ferimentos.”

REI DE CICATRIZES | 66

“Desde que ninguém ateou fogo ao ministro das finanças. Cav anenye?”

Nikolai perguntou a Isaak em zemeni. Ele descobriu o dom do guarda para idiomas
durante seu serviço em Halmhend e incentivou Isaak a promover esses talentos. Isaak
curvou-se ligeiramente.

"Seu sotaque está indo bem, Sua Majestade."

"Não me minta, Isaak." O guargda limpou a garganta.

“Bem, a palavra zemeni para o dia é can, não cav. A menos que você tenha pensado em
perguntar como está indo o meu burro.”

“Desejo bem ao seu burro, mas você sempre deve se sentir livre para me corrigir
quando eu cometer erros.”

“Sim, Alteza” disse Isaak, desconfortável.

"Não se preocupe", disse Nikolai, virando as costas para os jardins e indo em direção ao
Grande Palácio.

"Isso não acontece com frequência."

Palavras fáceis. Palavras antigas. Mais difícil de provar a cada dia que passa.

Através das árvores, Nikolai vislumbrou os terraços dourados do Grande Palácio,


empilhados como as camadas foscas do bolo de chá mais caro do mundo.

Seus ancestrais desfrutaram de um excesso de tudo - exceto bom gosto. Mas ele não
estaria parado lá ainda. Ele desviou-se para a esquerda em direção ao Pequeno Palácio,
passando pelos bosques e emergindo à vista de suas cúpulas douradas, o reluzente lago
azul com uma minúscula ilha em seu centro visível logo além.

Nikolai passará muito tempo aqui, e ainda havia algo nesse lugar - as torres altas, as
antigas paredes de madeira incrustadas de madrepérola e entalhadas com todos os tipos
de flores e animais. Ele sempre sentiu que estava viajando para o território estrangeiro,
deixando o novo mundo para trás, em algum lugar onde negociar barganhas poderiam
ser atingidas. Ele provavelmente deveria parar de ler romances.

Os gregos estavam por toda parte em seus kefta de cores vivas - uniformes que Tolya e
Tamar tinham resolutamente se recusado a usar, optando pela oliva monótona dos
soldados do Primeiro Exército.

Os gêmeos mantinham os braços nus, a pele profunda de bronze tatuada com as marcas
da Sankta do Sol. Zoya e Genya já estavam esperando na sala de guerra.

"Você está atrasado", disse Zoya.

"Eu sou o rei", disse Nikolai. “Isso significa que você está adiantada.”

REI DE CICATRIZES | 67

Para a maioria dos assuntos do estado, o Triunvirato Grisha compareceu a Nikolai no


Grande Palácio, na mesma sala onde ele se encontrou com seus ministros e
governadores.

Mas quando precisavam conversar - conversar sem medo de serem ouvidos - eles veio
aqui, para as câmaras que o Darkling tinha construído.

Ele era um homem que se destacou em guardar segredos; a sala de guerra não tinha
janelas e apenas uma única entrada que não podia ser acessada sem romper o próprio
Palácio Pequeno. As paredes estavam alinhadas com mapas de Ravka feitos no estilo
antigo.

Eles teriam encantado Nikolai quando criança - se alguma vez ele tivesse sido
autorizado em qualquer lugar perto do local.

"Estamos com problemas", disse Nikolai sem preâmbulo, e sentou-se em uma cadeira à
cabeceira da mesa com uma xícara de chá empoleirada no joelho.

"Dizer que estamos em apuros é como dizer que Tolya está com fome", respondeu Zoya,
ignorando a carranca de Tolya e servindo-se de chá do samovar. -

“Eu deveria estar surpresa?” Ela se vestira com o kefta de lã azul que a maioria dos
Etherealki usava no tempo frio, bordados de prata nos punhos e na bainha, pele de
raposa cinza no colarinho.

Ela mostrou poucos sinais de fadiga, apesar dos dias e noites de viagem que os
trouxeram de volta a Os Alta. Zoya sempre foi general e sua aparência impecável fazia
parte de sua armadura.

Nikolai olhou para as botas perfeitamente engraxadas. Era uma característica que ele
respeitava.

"Mas isso é um problema particularmente delicioso", disse ele.

"Oh não", gemeu Genya. “Quando você fala dessa maneira, as coisas estão sempre
prestes a dar muito errado.”

Seu kefta era Corporalki vermelha, apenas um tom mais escuro do que o cabelo, os
punhos bordados em azul escuro - uma combinação usada apenas por Genya e seu
regimento de Alfaiates.

Mas os punhos e a bainha do kefta de Genya também foram detalhados com fios
dourados para combinar com o sol estampado em seu tapa-olho em lembrança de Alina
Starkov.

Nikolai acrescentara o sol em ascendência à sua própria heráldica de Lantsov, um gesto


que ele poderia admitir ter sido motivado pela necessidade de cortejar a opinião pública
tanto quanto pelo sentimento pessoal. Ainda assim, às vezes parecia que Alina os seguia
de sala em sala, a presença dela era tão tangível quanto o calor de um sol de verão,
embora a garota tivesse ido embora há muito tempo. Nikolai bateu a colher contra o
copo.

"David e Nadia estão perto de aperfeiçoar o sistema de armas no izmars'ya."


REI DE CICATRIZES | 68

David não se preocupou em olhar para cima da leitura que ele trouxe com ele - um
tratado sobre filtros osmóticos que Nikolai achou mais útil.

"Você está certa, Genya. Isso deve ser um problema muito sério” Genya inclinou a
cabeça para o lado.

“Por que você diz isso? Ele está começando com as boas notícias.”

Nikolai e Zoya trocaram um olhar, e Zoya disse:

“Hiram Schenck se aproximou do rei na cúpula comercial de Ivets. O Kerch Merchant


Council sabe sobre nossa frota submarina.”

Tamar afastou a cadeira em frustração.

"Droga. Eu sabia que tínhamos um vazamento na antiga instalação.

Deveríamos ter nos mudado para Lazlayon antes.”

“Eles acabariam descobrindo” disse Tolya.

David murmurou:

“Existem aplicações pacíficas para os submersíveis. Pesquisa, exploração.”

Ele nunca gostou de pensar em si mesmo como um fabricante de armas. Mas eles não
podiam se dar ao luxo de ser tão ingênuos.

Tamar encostou-se na parede e apoiou o calcanhar.

“Não vamos fingir que não sabemos para que os Kerch pretendem usar nossos
tubarões.”

Hiram Schenck e os mercadores do Conselho de Kerch afirmaram que queriam o


izmars'ya como uma medida defensiva contra seus vizinhos Shu e a possibilidade de
bloqueios de Fjerda.

Mas Nikolai sabia melhor. Todos eles fizeram. O Kerch já tinha um objetivo em mente:
naves zemenis.

Os zemenianos estavam construindo sua marinha e estabelecendo suas próprias rotas


comerciais. Eles não precisavam mais de portas Kerch ou navios Kerch e, pela primeira
vez, o poderoso Kerch, que governara os mares e o comércio mundial por tanto tempo,
tinha competição para se preocupar. Não apenas isso, mas os zemenianos tinham
vantagens que o Kerch não conseguia igualar - terras extensas, madeira e minas
próprias.

Se Nikolai fosse honesto, ele estava com ciúmes do modo como o jovem país prosperará.
Isso era o que uma nação poderia fazer sem inimigos em suas fronteiras, sem a
constante ameaça de guerra. Mas se o Conselho Mercante de Kerch obtivesse os planos
para a frota de tubarões de Ravka, não haveria um quarto para os navios zemenis. Eles
poderiam ser atacados em qualquer lugar, e o Kerch recuperaria REI DE CICATRIZES
| 69

seu monopólio dos mares - um monopólio que os tornará uma das nações mais ricas e
poderosas do mundo, apesar de seu pequeno tamanho.

"Os zemeni foram fortes aliados", disse Tolya. "Eles nos emprestaram ajuda, ficaram
conosco quando ninguém mais faria."

Tamar cruzou os braços.

"Mas eles não podem perdoar nossos empréstimos. O Kerch controla a dívida de Ravka.
Eles poderiam nos aleijar com o golpe de uma caneta.”

Nikolai contemplou o mapa diante dele. Shu Han ao sul. Fjerda ao norte.

Ravka ficou preso entre eles. Se Ravka não pudesse manter suas fronteiras, sua nação
se tornaria pouco mais do que um campo de batalha entre duas grandes potências - e
Nikolai havia prometido paz a seu povo, uma chance de reconstruir.

Tanto os fjerdanos como os shu possuíam vastos exércitos permanentes, enquanto o


exército ravkano se esgotava em anos de guerra em duas frentes.

Quando Nikolai tinha tomado Comando das forças de Ravka após a guerra civil, ele
sabia que eles não poderiam coincidir com os números de seus inimigos.

Ravka só poderia sobreviver usando a inovação para ficar um passo à frente. Seu país
não queria estar em guerra novamente. Ele não queria estar em guerra novamente.

Mas para construir panfletos, navios ou armas em qualquer quantidade que importasse,
eles precisavam de dinheiro e acesso a recursos que somente os empréstimos Kerch
poderiam oferecer. A decisão parecia simples - exceto que nenhuma decisão era simples,
mesmo se alguém estivesse disposto a deixar de lado os pensamentos de honra e
aliados.

"Você está certo", disse Nikolai.

“Precisamos do zemeni e precisamos do Kerch. Mas não podemos escolher dois


parceiros nesta dança.”

“Tudo bem ”, disse Zoya. "Com quem queremos ir para casa quando a música parar?"

Tamar bateu com o calcanhar contra a parede. "Tem que ser o Kerch."

"Não vamos tomar decisões precipitadas", disse Nikolai. "Escolha o parceiro errado e
poderíamos estar em uma noite decepcionante."

Ele retirou um frasco de líquido verde nublado do bolso e colocou-o sobre a mesa. Zoya
respirou fundo e Genya se inclinou para frente.

"É isso que eu acho que é?", Perguntou Zoya. Nikolai assentiu.

“Por causa das informações que coletamos de Kuwei Yul-Bo, nossos Alquimistas estão
perto de aperfeiçoar um antídoto para Parem.”

Genya apertou as mãos. Havia lágrimas em seu único olho âmbar.

REI DE CICATRIZES | 70

“Então” Nikolai detestava a esperança, mas todos precisavam entender a realidade da


situação.

“Infelizmente, a fórmula do antídoto requer enormes quantidades de talo jurda. Dez


vezes o número de plantas necessárias para criar uma onça de jurda parem.”

Zoya pegou o frasco e virou-o nas mãos.

“Jurda só cresce em Novyi Zem. Nenhum outro clima a sustentará.”

“Precisamos de um antídoto”, disse Tamar. "Todos os nossos pontos de inteligência para


o Shu e os Fjerdanos estão mais perto de desenvolver uma tensão utilizável de parem."

"Mais Grisha escravizados", disse Zoya. “Mais Grisha usados como armas contra Ravka.
Mais Grishas mortos.”

Ela colocou o frasco de volta na mesa. “Se dermos a Kerch os planos para a izmars'ya,
perderemos Novyi Zem como aliada e nossa chance de proteger nossa Grisha - talvez a
Grisha do mundo - de parem.”

Com um toque do dedo, ela definiu frasco girando em um círculo lento.

“Se dissermos não ao Kerch, então não teremos dinheiro para armar e equipar
adequadamente o Primeiro Exército. De qualquer forma, perdemos.

Genya se virou para Nikolai.

"Você fará uma viagem diplomática, então. Visite o Kerch, visite o zemeni.

Faça isso quando usar palavras demais para dizer algo simples e confundir o assunto.”

“Eu não gostaria de nada além de outra oportunidade para conversar ”, disse Nikolai.
"Mas eu tenho medo de ter mais más notícias."

Genya afundou na cadeira.

"Há mais?"

"Este é Ravka", disse Zoya. "Há sempre mais."

Nikolai sabia que aquele momento estava chegando, e ainda assim desejava poder fazer
algum tipo de desculpa e interromper a reunião.

Desculpe, amigos. Eu preciso das estufas em questão de segurança nacional. Ninguém


mais pode podar as peônias.

Embora todos aqui soubessem o que estava acontecendo com ele, ainda parecia um
segredo sujo. Ele não queria deixar o demônio entrar no quarto. Mas isso tinha que ser
dito.

Enquanto Zoya e eu estávamos fora, o monstro me segurou novamente.

Eu me livrei na propriedade do duque e fiz uma deliciosa estadia em uma fazenda de


ganso.

“Mas o tônico adormecido ... “

Genya começou.

REI DE CICATRIZES | 71

“O monstro está ficando mais forte.” Lá, agora. Ele disse isso. Nenhum pouco de
hesitação em sua voz, nem mesmo a mais simples nota de preocupação, embora ele
quisesse se engasgar com as palavras.

Genya estremeceu. Melhor que ninguém, ela entendia a escuridão que vivia dentro de
Nikolai. Estava ligado ao nichevo'ya, aos monstros que a aterrorizavam.

O Darkling havia colocado seus soldados de sombra sobre ela quando ela o traiu. Ela
havia perdido um olho para suas criaturas e suas mordidas deixaram seu corpo coberto
de cicatrizes que não podiam ser costuradas. Nikolai ainda se maravilhava com a
crueldade particular disso. O Darkling sabia que Genya valorizava a beleza como seu
escudo, então ele havia tirado isso dela. Ele sabia que Nikolai confiava em sua mente,
seu talento para pensar em sair de qualquer situação, então deixaria o demônio roubar a
habilidade de Nikolai de falar e pensar racionalmente. O
Darkling poderia ter matado qualquer um deles, mas ele queria puni-los em vez disso.

Ele poderia ter sido um poder antigo, mas ele certamente tinha uma tendência
insignificante.

"David", disse Genya, sua pele pálida sob suas cicatrizes. "Isso é possível?

Poderia estar ficando mais forte?”

David tirou o cabelo castanho desgrenhado dos olhos.

"Não deveria ser", disse ele. “Não depois que ficou dormente por tanto tempo. Mas o
poder que criou a presença dentro do rei não era poder Grisha comum.

Foi merzost.”

“Abominação” murmurou Tolya.

“Estamos chamando isso de presença agora?” Perguntou Nikolai. "Eu prefiro monstro".
Ou. "Demônio". Até mesmo "demônio" tem um belo anel."

O monstro sou eu e eu sou o monstro. E se Nikolai não riu disso, ele tinha quase certeza
de que ficaria louco.

"Podemos chamá-lo de Maribel, se for melhor para você", disse Zoya, afastando a xícara
vazia.

"Não importa o que nós chamamos, apenas o que ele pode fazer."

"É importante se nós estamos entendendo mal a sua natureza", disse David.

“Você leu a teoria de Grisha, os diários de Morozova. O poder de Grisha não pode criar
vida ou matéria animada, apenas manipulá-la. Toda vez que esses limites são violados,
há repercussões.”

“A Dobra das Sombras ”, disse Nikolai. A faixa de escuridão cheia de monstros dividiu
Ravka em dois, até que Alina Starkov a destruiu durante a guerra civil. Mas a ferida
permaneceu - um terreno baldio de areia morta, onde nada de verde tomou conta, como
se o poder do Darkling tivesse perdido a vida da terra.

REI DE CICATRIZES | 72

Merzost criara a Dobra, as criaturas dentro dela, bem como os soldados das sombras do
Darkling - e era o mesmo poder que o Darkling usava para infectar Nikolai.

David encolheu os ombros.

"Esse poder é imprevisível".

"Não sabemos o que pode acontecer a seguir", disse Nikolai. “Geralmente uma proposta
emocionante, menos quando um demônio pode tomar conta de minha consciência e
tentar governar Ravka por roer meus súditos.”

Como as palavras vieram tão facilmente - mesmo quando ele pensou em perder sua
mente e sua vontade? Porque elas sempre tiveram. E ele precisava delas.

Ele precisava construir uma parede de palavras e inteligência e razão para manter a
besta à distância, para lembrar quem ele era. Para se livrar do monstro, Nikolai se
permitiu ser submetido a calor e frio extremos. Ele havia trazido conjuradores do Sol
para usar seu poder sobre ele sem nenhum resultado discernível, exceto a sensação de
que ele estava sendo suavemente assado por dentro.

Seus agentes vasculharam bibliotecas em todo o mundo e recuperaram os diários da


lendária Fabricadora Ilya Morozova depois de meses de escavação nos escombros da
Roda de Fiar - tudo sem nada a mostrar, a não ser por frustração. Essa frustração o
levou a Ivets, à ponte óssea, numa tentativa fútil de estabelecer uma conexão entre a
escuridão dentro dele e os estranhos acontecimentos ao redor de Ravka.

Talvez ele estivesse esperando que os sanktos o apresentassem com um milagre. Mas
até agora, a intervenção divina havia sido escassa.

"Então você vê o problema", disse ele agora. “Não posso viajar sem arriscar a exposição,
mas não posso ficar escondido na capital sem levantar suspeitas e arriscar o futuro de
Ravka com o zemeni e o Kerch. Eu não prometi um problema particularmente
delicioso?”

"Sinto muito", disse Genya. "Exatamente o que é delicioso sobre isso?"

"A maneira como vamos sair disso." Nikolai se acomodou em sua cadeira e esticou as
pernas, cruzando-as no tornozelo. "Vamos dar uma festa."

"Entendo", disse Zoya. "Como eu estou bêbada antes disso tudo começa a parecer
melhor?"

"Temo que não haja vinho suficiente em todas as adegas de Kirigin", admitiu Nikolai. "E
lamento dizer que precisaremos ficar sóbrios para isso. O Kerch, o Zemeni, o Fjerdanos
e o Shu - vamos trazer todos eles para cá. Vamos fazer uma pequena apresentação para
que eles saibam que Ravka e seu rei estão em perfeita saúde.”

“Isso é tudo?” disse Zoya. "Você vai estar fazendo malabarismos também?"

REI DE CICATRIZES | 73

"Não seja ridícula", respondeu Nikolai. “Eu já sei fazer malabarismo.

Literalmente e figurativamente. Vamos renovar nossa aliança com os zemeni…”

“Mas o Kerch …” Genya começou.

"E nós vamos dar ao Kerch uma olhada secreta no nosso protótipo dos izmars'ya."

"Nós vamos?", Perguntou David.

“Será uma catástrofe absoluta, é claro. Talvez uma boa explosão, algum metal voador.
Talvez possamos fingir que afogamos alguns marinheiros. O que quer que convença os
Kerch, nossos tubarões não estão em condições de navegar e nos compram a maior
parte do tempo.”

Nikolai quase podia sentir o demônio retroceder, sentir suas garras se retrairem,
afastadas pela perspectiva de um curso de ação.

"Vamos colocar todos esses diplomatas, mercadores e políticos sob nosso teto. Nós todos
conversamos, e depois ouvimos. Zoya, precisamos dos seus Aeros para criar um mapa
acústico para termos ouvidos em todos os lugares.”

“ Eu não gosto disso ”, disse Tolya.

"Eu sabia que você não iria gostar", disse Nikolai. “Não é ético espionar os próprios
hóspedes.”

“E é por isso que sua irmã é a chefe da minha rede de inteligência. Reis precisam de
espiões, e espiões não podem se dar ao luxo de mexer com a ética. Você tem algum
problema em supervisionar uma campanha de espionagem, Tamar?“

“Não, no mínimo.”

“Aí está.”


Tamar pensou.

"Eu gosto da idéia de atacar todos de uma vez, mas que possível motivo nós podemos ter
para trazer nossos inimigos e aliados sob este teto que não atrairá ainda mais
suspeitas?"

"Podemos celebrar o dia de seu santo", disse Genya entusiasticamente.

“Trenós, fogueiras…”

“Não” disse Nikolai. "Eu não quero esperar pela Festa de Santo Nikolai."

Ele certamente não poderia contar com o demônio para adiar.

REI DE CICATRIZES | 74

"A festa terá lugar daqui a seis semanas. Vamos chamá-lo... O Festival do Outono
Nonsense ou algo parecido. Celebre o equinócio, presentes da colheita, muito simbólico”

"Seis semanas?”, Exclamou Genya." Não podemos organizar um evento desse tamanho
em tão pouco tempo. Só as preocupações de segurança ..."

Nikolai piscou para ela.

“De eu tivesse alguém além de Genya Safin no comando, Eu poderia estar preocupado.”

Zoya revirou os olhos.

"Ela não precisa de sua lisonja. Ela já pensa o suficiente de si mesma.”

"Deixe-o fazer ", disse Genya." David nunca me dá muito elogios." Eu olhei para
David.nEle bateu o bolso distraidamente.

“Eu tenho a lista de suas boas qualidades que você me deu em algum lugar.”

“Você vê o que eu aguento. Eu preciso manter Genya feliz” disse Nikolai “Ou ela pode se
voltar contra mim.”

"Eu posso ligar você ", disse Zoya.

" Oh, isso é inevitável. Mas você é imune a elogios.” Zoya levantou um olho.

“Então eu sugiro presentes em jóias e dinheiro.”


Ela se levantou, e ele podia ver sua mente no trabalho, o general contemplando seu
ataque. Ela andou devagar antes do mapa, a Dobra aparecendo e desaparecendo atrás
dela.

“Vamos trazer esses poderes aqui, precisamos ter uma razão melhor do que um festival
de cabaças e feixes de trigo."

"Zoya", Nikolai advertiu. Ele sabia exatamente o que ela estava pensando.

"Esta é a oportunidade perfeita para você encontrar uma noiva.”

“Absolutamente não.” Mas Zoya tinha o olhar presunçoso de uma mulher que tinha
ganho uma discussão antes de começar.

“Como você disse, você não pode mais viajar, por isso é essencial que as futuras noivas
venham até você.”

Ele balançou a cabeça.

"Eu não posso ter uma noiva. Os riscos são grandes demais.”

"É exatamente por isso que você deve", disse Zoya. "Podemos trazer esses poderes
juntos. Eu até acredito que você tem o charme e astúcia para derrotar nossas REI DE
CICATRIZES | 75

forças inimigas.Mas quanto tempo você pode nos comprar? Seis meses? Um ano?

Então, o que, Sua Alteza?”

"É uma razão ideal para trazer todos eles para cá” disse Genya.
Nikolai fez uma careta

“Eu sabia que você se voltaria contra mim. Só não achei que seria tão cedo”

“ Nikolai” disse Zoya calmamente “Você disse que o monstro está ficando mais forte. Se
isso for verdade, essa pode ser sua melhor chance.”

Sua única chance. As palavras não foram ditas. Ravka precisava de uma rainha. Nikolai
precisava de um herdeiro. E, no entanto, cada parte dele se rebelou ao pensar em
casamento. Ele não teve tempo de cortejar alguém com muito trabalho a ser feito. Ele
não queria se casar com alguém que ele mal conhecia. Ele não se atreveu a revelar seus
segredos para um estranho. O perigo para a mulher que ele escolhesse seria muito
grande.

Todas as boas razões. Todas as desculpas convincentes. Mas o monstro tinha acertado o
relógio. Nikolai olhou ao redor da sala. Essas pessoas o conheciam como ninguém mais
o conhecia. Eles confiavam nele. Mas o demônio que espreita dentro dele pode mudar
tudo isso. E se ficassem mais fortes e continuassem corroendo seu controle, comendo a
vontade que o guiará por tanto tempo?

Abominação. Ele se lembrou da maneira como Genya estremeceu.

E se ele fosse o homem que se afogou e seria Ravka que ele iria arrastar com ele?

Nikolai deu um longo suspiro. Por que adiar o inevitável? Certamente havia algo a ser
dito para o pelotão de fuzilamento em vez de tortura lenta.

"Precisamos apresentar uma lista de candidatos", disse ele. Zoya sorriu.

“Feito.” Ela realmente estava pronta para se livrar dele.

“Você vai administrar isso como uma campanha militar, não é?”

“É uma campanha militar.”

“Meus ministros e embaixadores também terão suas sugestões.”

“Vamos convidar todos eles”, disse Genya. Puxando caneta e tinta na direção dela,
incapaz de disfarçar sua excitação.

“Podemos abrigar todos no palácio. Pense em todos os jantares, chás e danças.”

“Pense em todos os jantares, chás e dança” disse David, sombrio. Genya colocou a
caneta de lado e segurou as mãos dele.

“Eu prometo deixar você se esconder em sua oficina. Apenas me dê cinco eventos e um
banquete.”


“Três eventos e um banquete.”

“Quatro.”

REI DE CICATRIZES | 76

“Muito bem.”

“Você é um negociador terrível”, disse Nikolai.

"Ela teria resolvido por dois." David franziu a testa.

"Isso é verdade?"

"Absolutamente não", disse Genya. "E cale a boca, Alteza"

"Vamos precisar de verificações adicionais em toda a segurança do palácio", disse


Nikolai a Tolya. “Certifique que todo criado, todo guarda, toda dama de companhia será
um espião ou assassino em potencial.”

“Falando nisso” disse Tamar. "Dunyasha Lazareva está morta."

A pretendente de Lantsov. “Quem a pegou?”

“Nenhum dos nossos. Tudo o que sei é que a encontraram esparramada nos
paralelepípedos do lado de fora da Igreja de Barter depois do leilão.

Preocupante. Ela estava em Ketterdam para caçá-lo? Ela não era a única pretendente ao
trono de Lantsov. A cada poucos meses, parecia que uma nova pessoa aparecia para
declarar que era um herdeiro perdido de Lantsov, alguém que insistia em escapar da
matança do Darkling da família real, ou que alegava ser um golpe do pai de Nikolai - o
que, dado o comportamento do velho rei, era inteiramente plausível.

Claro, Nikolai poderia muito bem ter menos direito ao trono de Ravkano do que a
metade deles. Ele era o maior pretendente de todos eles.

"Haverá outro", disse Zoya. “Alguém mais para reivindicar o nome Lantsov.Mais uma
razão para produzir um herdeiro e garantir o trono.”

Eu disse que escolheria uma noiva e o farei” disse Nikolai, tentando não soar tão
petulante quanto se sentia.
"Eu vou me ajoelhar e recitar algumas poesias de amor se você quiser."

"Eu poderia selecionar algumas", ofereceu Tolya, parecendo genuinamente feliz pela
primeira vez desde que eles tinham ido para o subterrâneo no Pântano Dourado.

“Uma excelente ideia. Seja breve e certifique-se de que rima.” Nikolai olhou novamente
para o antigo mapa de Ravka - violento, desesperado, inapagável em sua constante
necessidade. Ravka foi seu primeiro amor, uma paixão que começara em sua infância
solitária e que só se aprofundará com a idade. O que quer que exigisse, ele sabia que
daria. Ele tinha sido imprudente com este país que ele alegava amar, e ele não podia
mais deixar seu medo ditar o futuro de Ravka.

REI DE CICATRIZES | 77

"Envie os convites", disse ele. "Deixe o grande romance real começar"

O resto do dia foi gasto em reuniões com ministros, fazendo planos para estradas e
aquedutos que eles não podiam pagar, escrevendo cartas para o Kerch para solicitar
extensões em seus empréstimos e terminando a correspondência com todos.

o governante Marchal da Ilha Errante para os almirantes em sua marinha solicitando


fundos para reparos na frota Ravkan existente. Tudo isso exigia concentração,
delicadeza e paciência infinita - e tudo isso era menos oneroso do que o trabalho de
encontrar uma rainha. Mas finalmente a noite chegou e Nikolai foi forçado a enfrentar
Zoya e seu exército de noivas em potencial.

Nikolai e sua general trabalhavam sozinhos em sua sala de estar, um fogo crepitando na
lareira. A câmara ainda tinha a marca do pai - a águia dupla trabalhada em ouro, os
pesados tapetes, as cortinas tão cheias de brocado que parecia que eles poderiam ser
derretidos e pressionados em moedas.

A lista de Zoya continuava e seguia, garotas e mais garotas, uma marcha de donzelas
dispostas.

"As noivas servem para cobrir nossas reuniões com os Kerch e os zemeni", disse ele.
“Talvez pudéssemos fazer disso uma jogada de abertura, menos um compromisso do que
um prelúdio para um noivado.”

Zoya endireitou os papéis diante dela. “Dois pássaros com uma só pedra, Alteza. É uma
questão de eficiência. E expectativa. Você precisa de uma noiva e, no momento, ainda é
uma perspectiva digna."

"Agora mesmo?”

" Você ainda é jovem. Você tem todos os seus dentes. E as forças armadas de Ravka
ainda não foram destruídas no solo. Sua hesitação é distintamente desagradável. Não é
como você.”

Não era. Ele se destacou nas decisões. Ele gostava deles. Era como limpar o buraco de
uma floresta para que você pudesse ver um caminho aberto. Mas quando ele pensou em
escolher uma esposa, os galhos se aglomeraram sobre ele e ele se viu feliz por ficar
sozinho no escuro. Talvez não sozinho, precisamente.

Ele gostava muito da quietude desta sala, do calor do fogo e da harpia com dentes de
aço sentados em frente a ele.

Zoya agarrou o papel que estava segurando para chamar sua atenção.

“Princesa Ehri Kir-Taban.”

“Segunda na fila para o trono Shu, sim?”

“Sim, e uma das nossas perspectivas mais ideais. Ela é jovem, amável e muito popular
entre seu próprio povo. Muito talentoso no khatuur.”

“Doze cordas ou dezoito?”

REI DE CICATRIZES | 78

“ Por que isso importa?”

“É importante ter padrões, Nazyalensky. Tem certeza de que os Shu a enviarão?”

“O convite será para a família real. Mas, dada a maneira como as pessoas adoram a
Princesa Ehri, suspeito que sua irmã mais velha não lamentaria vê-la fora do país. Se
eles mandarem uma das irmãs mais novas …” Ela encolheu os ombros.

"Nós sabemos que eles não estão falando sério sobre uma aliança. Mas uma noiva Shu
nos libertaria da necessidade de Ouro Kerch .

“E quanto tempo você acha que Ravka continuaria independente depois de um


casamento? O Shu não precisaria invadir. Nós estaríamos fazendo um convite à mão."

"Não há escolha perfeita", disse Zoya.

"Quem é o próximo?”

Ela suspirou e entregou-lhe outro dossiê.


"Elke Marie Smit." Nikolai olhou para o arquivo.

“Ela tem apenas dezesseis anos!”

“Ela é de uma das famílias mais poderosas de Kerch. Além disso, Alina era apenas
alguns anos mais velha quando você jogou fora a esmeralda Lantsov nela.

“E eu também estava na hora.” Pensar em Alina sempre doeu. Ele sabia que tinha sido
um tolo de propor a ela. Mas na época ele precisava mais de um amigo do que de um
aliado político. Ou pelo menos se sentiu assim.

Zoya recostou-se e lançou-lhe um longo olhar.

"Não me diga que você ainda está de luto pela perda da nossa pequena deusa do sol"

Claro que ele estava. Ele gostava de Alina, talvez ele até tenha começado a amá-la. E
talvez alguma parte arrogante dele simplesmente esperasse que ela dissesse sim. Ele
era um rei, afinal, e um dançarino aceitável. Mas ela conhecia o Darkling melhor que
ninguém. Talvez ela tenha sentido o que estava infectando dentro dele.

Os anos haviam passado e, ainda assim, sua rejeição ainda doía.

"Nunca tive um presente para anseio", disse Nikolai. “Embora eu goste de mostrar meu
perfil olhando tristemente para fora das janelas”

“Os pais de Elke Marie Smit ainda pretendem casa-la, provavelmente com algum
comerciante. Tenho certeza de que ela ficaria mais satisfeita com um rei.”

REI DE CICATRIZES | 79

“Qual é o proximo?”

“Natasha Beritrova ”, disse Zoya.

“A baronesa Beritrova? Zoya olhou atentamente para o papel.

“Ela é a única.”

“Ela tem cinquenta.”

“Ela é uma viúva muito rica, com terras perto de Caryeva que poderiam ser essenciais
em qualquer campanha do sul”

“Não, Zoya.” Zoya revirou os olhos, mas pegou outro papel.

“Linnea Opjer.”

“Não.”

“Oh, para todos os santos e seu sofrimento, Nikolai. Agora você está apenas sendo
difícil. Ela tem vinte e três anos e, por todas as contas, é bonita, temperamental, tem um
talento para a matemática ... “Nikolai tirou um pedaço de algodão de seu punho.

"Eu não esperaria nada menos da minha meia-irmã." Zoya ficou quieta. Ela brilhava
como um ícone pintado em seu kefta, a luz do fogo se apegando a ela como um halo. Ele
sabia que nenhuma mulher parecia melhor em azul.

"Então é verdade?"

"Tão verdadeiro quanto qualquer história", disse Nikolai. Os rumores de sua bastarda
haviam circulado desde bem antes de seu nascimento, e ele fez o seu melhor para fazer
as pazes com eles. Mas ele só falou a verdade de seu parentesco para uma pessoa -
Alina Starkov. Por que ele estava contando a Zoya agora?

Quando ele disse a Alina, ela o tranquilizou, disse que ele ainda seria um grande rei.
Zoya não ofereceria tal gentileza. Mas ainda assim ele destrancou a parte de cima da
escrivaninha e removeu a miniatura que sua mãe passara para ele. Ela tinha dado a ele
antes de ter sido forçada ao exílio, quando ela disse a ele quem realmente era seu pai -
um magnata dos navios Fjerdanos que outrora serviu como emissário do Grande Palácio.

"Santos", Zoya disse enquanto olhava para o retrato.

"A semelhança"

"Impressionante, eu sei."

Somente os olhos eram diferentes - minúsculos toques de azul em vez de avelã - e a


barba, é claro. Mas olhar para a miniatura era como olhar para o futuro, REI DE
CICATRIZES | 80

para um Nikolai um pouco mais velho, um pouco mais grave, com linhas nos cantos dos
olhos. Zoya atirou-o no fogo.

“Zoya!” gritou Nikolai, se lançando na direção da grade.

"Que tipo de tolo você é?", Ela cuspiu. Ele estendeu a mão, mas as chamas estavam
muito altas, e ele recuou, sua raiva se inflamando ao ver a tela minúscula derretendo em
sua moldura.

Ele girou sobre ela. "Você se esquece de si mesma."

"Esse retrato era tão bom quanto uma arma carregada apontada para o seu coração."
Ela apontou o dedo para o peito dele. “Coração de Ravka. E você arriscaria tudo por
quê? Sentimento estúpido? Ele pegou a mão dela antes que ela pudesse espetá-lo
novamente.

“Eu não sou um dos seus meninos para brincar e dar palestras. Eu sou seu rei.

Os olhos azuis de Zoya brilharam. Levantou o queixo como se dissesse: O que é um rei
mortal para uma rainha que pode convocar tempestades?

"Você é meu rei. E eu desejo que você continue sendo meu rei. Mesmo se você for muito
estúpido para proteger sua reivindicação ao trono.”

Talvez sim, mas ele não queria ouvir.

“Você não tinha o direito.”

“Eu jurei proteger você. Para proteger este reino. Eu tinha todo o direito. Ela puxou a
mão da dele. “E se Magnus Opjer viesse a este palácio? Ou foi convidado para um
banquete com você em Kerch? Tudo o que é preciso é um simples olhar para as pessoas
saberem…”

“Elas já sabem” - disse Nikolai, sentindo-se repentinamente cansado. "Ou eles


adivinharam. Houve sussurros desde antes de eu nascer.”

“Devemos considerar eliminá-lo.” Ele cerrou os punhos.

“Zoya, você não fará nada disso. Eu proíbo isso. E se eu achar que você agiu sem o meu
consentimento, você perderá sua classificação e poderá gastar o resto de seus dias
ensinando as crianças dos Grishas a fazerem animais das nuvens.
Por um momento, parecia que ela levantaria as mãos e levantaria uma tempestade para
derrubar o palácio inteiro.

Mas então ela fez uma reverência perfeita que ainda transmitia seu desprezo.

“Claro, moi czar.”

REI DE CICATRIZES | 81

“Você é realmente tão implacável, Zoya? Ele é um homem inocente. Seu único crime foi
amar minha mãe.”

“Não, o crime dele foi deitar com sua mãe.”

Nikolai balançou a cabeça. Deixe isso para Zoya para cortar direto na verdade. Claro,
ele não tinha como saber se alguma vez houve amor entre sua mãe e seu verdadeiro pai,
mas ele esperava que houvesse algo mais do que luxúria e arrependimento.

Ele pegou sua taça de vinho do seu tabuleiro de jantar abandonado e bebeu até a última
gota.

"Um dia você vai ultrapassar a linha e eu não vou ser tão compreensivo."

"Nesse dia você pode me bater em ferros e me jogar em suas masmorras."

Ela atravessou a sala, pegou o copo de suas mãos, e colocou-o no mesa.

"Mas esta noite é você quem usa correntes."

Sua voz era quase gentil. Nikolai soltou um suspiro.

"Após o negócio desta noite, será um alívio."

Ele destrancou seu quarto de dormir. Os servos tinham permissão de acesso para limpar
apenas sob a supervisão de Tolya e Tamar e apenas uma vez por semana.

Ele não tinha um criado pessoal e cuidava de seu próprio banho. Embora tivesse se
tornado sua prisão noturna, a sala em si era um santuário, talvez o único lugar no
palácio que realmente parecia pertencer a ele. As paredes estavam pintadas no azul
profundo do mar, e o mapa acima da lareira fora retirado da cabana que ele já havia
ocupado como Sturmhond, quando se disfarçou de corsário e navegou pelos oceanos do
mundo a bordo do Volkvolny.
Um longo copo estava apoiado em um tripé no banco de janelas. Ele não podia ver muito
através dele - as estrelas, as casas da cidade alta -, mas mesmo tendo lá, deu-lhe alguma
sensação de paz, como se ele pudesse um dia colocar seus olhos nele e ver os ombros de
uma grande mar cinzento.

"Água salgada nas veias", um dos tripulantes lhe dissera.

"Nós enlouquecemos se formos muito longos em terra."

Nikolai não enlouqueceria, pelo menos não de ser encravado no mar.

Ele nasceu para ser um rei, mesmo que seu sangue contasse uma história diferente, e
ele voltaria a ver seu país novamente. Mas primeiro ele tinha que passar a noite.

Sentou-se na beira da cama, tirou as botas e apertou os grilhões de ferro em torno de


cada um dos tornozelos, depois recostou-se. Zoya esperou e ele estava grato REI DE
CICATRIZES | 82

por isso. Era uma coisa pequena para ser o único a se acorrentar, mas permitiu que ele
mantenha o controle por um curto período de tempo.

Apenas quando Nikolai prendeu o grilhão no pulso esquerdo, ela se aproximou.

"Pronto?"

Ele assentiu. Nesses momentos, sua crueldade tornava tudo mais suportável.

Zoya nunca se entregaria a ele, nunca o envergonharia por pena. Ela puxou a fechadura
especial que David tinha manipulado. Com um zumbido súbito, três correntes
atravessaram seu corpo nos joelhos, no umbigo e nos ombros. Ele era forte quando a
besta veio sobre ele, e eles não podiam se arriscar. Ele sabia disso, deveria estar
acostumado com a experiência de contenção, e ainda tudo o que ele queria era lutar. Em
vez disso, manteve seu comportamento fácil e ofereceu seu pulso direito a Zoya.

“E quais são seus planos para a noite, querido carcereiro? Dirigir-se a um encontro
secreto?”

Zoya soltou um suspiro de descontentamento quando se inclinou para apertar o último


grilhão e verificar a segurança das fechaduras.

"Como se eu tivesse tempo."

"Eu sei que você vai em algum lugar tarde da noite, Zoya", ele cutucou.

Ele estava curioso, mas também ansioso por distração.

"Você foi vista nos jardins, embora ninguém pareça saber onde você vai."

"Eu vou a muitos lugares, Alteza. E se você continuar bisbilhotando minha vida pessoal,
eu terei algumas sugestões de onde você pode ir.”

“Por que manter seu namorico em segredo? Ele é um embaraço?”

Nikolai flexionou os dedos, tentando até mesmo respirar. Zoya virou a cabeça e a luz do
abajur pegou o crescente de sua maçã do rosto, dourando as ondas escuras de seu
cabelo. Ele nunca conseguiu ser imune à sua beleza, e ele estava feliz por seus braços
estarem acorrentados à cama ou ele poderia ter sido tentado a alcançá-la.

"Fique quieto", ela retrucou. "Você é pior do que uma criança que recebe muitos bolos."
Abençoe sua língua venenosa.

“Você poderia ficar, Zoya. Entreter-me com contos animados de sua infância.

Eu acho seu despeito muito reconfortante.”

“Por que eu não peço a Tolya para acalmar você, recitando alguma poesia?”

REI DE CICATRIZES | 83

“Aí está. Tão afiada, tão amarga. Melhor que qualquer canção de ninar.”

Quando a última fechadura clicou, sua manga deslizou para trás, revelando o punho de
prata que circulava seu pulso, pedaços de osso ou o que poderia ter sido dentes
fundidos com o metal. Ele nunca a tinha visto sem ela e nem tinha certeza se poderia ser
removido. Ele sabia um pouco sobre amplificadores. Ele até ajudou Alina a segurar as
escamas do chicote do mar, o segundo dos lendários amplificadores de Morozova. Mas
ele podia admitir que havia todo um universo que ele não conhecia.

“Diga-me uma coisa, Nazyalensky. David disse que transgredir as fronteiras do poder de
Grisha tem repercussões. Mas não é amplificador faz exatamente isso? A parem é
diferente?”

Zoya passou os dedos pelo metal, o rosto pensativo.


"Não tenho certeza se parem é tão diferente de merzost. Como merzost, a droga requer
um terrível sacrifício pelo poder que ela concede - a vontade de um Grisha. Até a vida
dela. Mas os amplificadores são outra coisa. Eles são criaturas raras, ligadas à criação
no coração do mundo, a fonte de toda a criação. Quando um amplificador desiste de sua
vida, esse é o sacrifício que o universo requer. O vínculo é forjado para sempre com o
Grisha que dá o golpe final. É uma coisa terrível, mas bonita também. Merzost é…”

Abominação. Eu sei. É uma coisa boa que eu tenha tanto carinho por mim mesmo.”

“Todos os Grisha sentem a atração em direção à merzost, a fome de ver o que


poderíamos fazer se não tivéssemos limites.”

“Até você? ”

Um pequeno sorriso tocou os lábios de Zoya.

"Especialmente eu. Poder é proteção”

Antes que Nikolai pudesse perguntar o que ela queria dizer, ela acrescentou:

“Mas o preço para esse tipo particular de poder é alto demais. Quando o Darkling tentou
criar seus próprios amplificadores, o resultado foi a Dobra. Ela ergueu o braço, o punho
brilhando à luz da lâmpada.

"Isso é o suficiente para mim."

"Os dentes de tubarão usados pelos gêmeos", ponderou Nikolai.

“Os ossos do francelho de Genya. Eu ouvi as histórias por trás de todas elas.

Mas você nunca me contou a história do amplificador que você usa.”

REI DE CICATRIZES | 84

Zoya levantou uma sobrancelha. No espaço de uma respiração, a garota contemplativa


se foi e o general distante retornou.

“O aço é ganho, Alteza. Então são histórias.” Ela se levantou.

"E eu acredito que você está me distraindo"


"Você me descobriu." Ele estava arrependido por vê-la sair, qualquer que fosse o
disfarce que ela usasse.

“Boa noite, comandante.”

“Boa noite, rei desgraçado.”

Ele não imploraria a Zoya que ficasse. Não era da sua natureza implorar a ninguém, e
esse não era o pacto que compartilhavam. Eles não se olhavam para o conforto. Eles se
mantiveram marchando. Eles se mantiveram fortes.

Então ele não encontraria outra desculpa para fazê-la falar de novo. Ele não diria a ela
que tinha medo de ficar sozinho com a coisa em que poderia se tornar, e não pediria
para ela deixar a lâmpada acesa, um pouco de mágica da criança para afastar a
escuridão. Mas ele ficou aliviado quando ela fez isso de qualquer maneira.

REI DE CICATRIZES | 85

Zoya se levantou quando o céu ainda estava escuro. Ela cuidaria dos negócios da manhã
antes de fazer a caminhada até o Grande Palácio para soltar Nikolai.

Uma semana se passou desde que chegaram à capital e, para seu alívio, o monstro do
rei não tinha mais aparições. Tamar e Nadia já estavam esperando na sala comunal do
lado de fora de seus aposentos, sentados à mesa redonda que um dia pertencera à
guarda pessoal do Darkling. Nadia ainda estava de roupão azul, mas Tamar estava de
uniforme, os braços nus, machados cintilando nos quadris.

"Relatos de mais dois ataques de khergud", disse Tamar, segurando um maço de papéis
cobertos de rabiscos apertados.

"Eu preciso de chá", disse Zoya. Como o mundo poderia estar desmoronando antes do
amanhecer? Não foi civilizado.

Ela se serviu de um copo do samovar e pegou os documentos da mão de Tamar. Havia


mais espalhados pela mesa.

“Onde eles atacaram desta vez?”

“ Três Grishas, tirados de Sikursk e mais oito ao sul de Caryeva.”

Zoya sentou-se com dificuldade. “Muitos?” Os Shu tinham usado seus depósitos de jurda
parem para desenvolver um novo tipo de guerreiro: soldados adaptados por Grisha
Fabricadores, aperfeiçoados em maior força, com asas, punhos pesados, ossos
inquebráveis e sentidos elevados.

Eles os chamavam de khergud.

"Diga a ela o resto", disse Nadia.

O olhar de Zoya se fixou em Tamar.

"Há mais?"

"Este é Ravka", disse Tamar. “Os Grisha perto de Sikursk estavam viajando disfarçados.
Ou o Shu sabia sobre a missão …”

“Ou Nina estava certa e esses novos soldados realmente podem de alguma forma farejar
Grisha” terminou Nadia.

"Nina nos avisou", disse Tamar.

"Ela avisou, não é?",Disse Zoya amargamente. “Que sorte, então, que nosso bom rei
enviou nossa principal fonte de informação sobre esses soldados Shu a milhares de
quilômetros de distância.”

“Chegou a hora” disse Tamar.

REI DE CICATRIZES | 86

“Nina estava perdida em sua dor. Vai fazer bem a ela ser útil.”

“Que consolo será quando ela for capturada e executada” retrucou Zoya.

Ela beliscou a ponta do nariz.

“Os Shu estão nos testando, avançando mais em nosso território.

Temos que recuar.”


“Com o quê?” perguntou Nadia.

"Um aviso severo?"

"Seria uma coisa se pudéssemos atacá-los em casa", disse Tamar. "Mas minhas fontes
não tiveram sorte em descobrir os locais onde estão criando e treinando os soldados
khergud."

O estômago de Zoya deu um nó quando pensou nessas bases, nos " voluntários" Grisha
que os Shu haviam viciado em parem para criar essas monstruosidades.

Ela pegou outro arquivo.

"São essas as dissecações?"

Tamar assentiu. Os corpos de dois soldados khergud foram retirados de Ketterdam e


levados de volta ao pequeno palácio para estudo. Tolya se opusera, alegando que era
errado "profanar" o corpo de um soldado caído. Mas Zoya não tinha paciência para
sentir-se bem quando o povo estava sendo roubado de dentro de suas próprias
fronteiras.

"Este metal", disse Zoya, apontando para as anotações feitas por David na margem de
um dos esboços anatômicos detalhados criados pelo Corporalki.

"O que eles estão usando para acertar os ossos. Não é só o aço Grisha.”

“É uma liga ”, disse Nadia. "Eles estão combinando aço Grisha com rutênio. É menos
maleável, mas mais durável.”

“Eu nunca ouvi falar disso antes.”

“É extremamente raro. Existem apenas alguns depósitos conhecidos em todo o mundo.”


Tamar se inclinou para frente.

“Mas os Shu estão conseguindo de algum lugar.” Zoya bateu com o dedo no arquivo.

“Encontre a fonte. Acompanhe os embarques. É assim que vamos descobrir onde os


khergud estâo sendo feito.”

Tamar passou os polegares pelos machados.

"Quando o fizermos, eu vou liderar o ataque." Zoya assentiu.

"Eu vou estar ao seu lado." Nadia sorriu.

"E eu vou estar cuidando de você." Zoya esperava que fosse em breve.

Ela estava ansiosa por uma briga.

Ela olhou para o relógio na lareira. Era hora de acordar o rei.

REI DE CICATRIZES | 87

Uma névoa fria se espalhara pelos jardins durante a noite, cobrindo as árvores e os
caminhos de pedra em um véu de nuvens. Ela passou pela floresta, debaixo de um
dossel de galhos de torção.

Eles floresceriam brancos, depois rosados, depois vermelhos como o sangue quando a
primavera chegasse, mas por enquanto eram apenas madeira cinzenta e espinhos.
Ela emergiu para as sebes bem cuidadas e extensos gramados que cercavam o Grande
Palácio, lanternas lançando luz sobre os terrenos ainda escuros em halos muzzy. O
palácio parecia uma noiva antes de seu casamento, seus terraços de pedra branca e
estátuas de ouro encobertas pela névoa.

Deveria ter sido pacífico, esta suave hora cinzenta antes do amanhecer. Mas tudo em
que ela conseguia pensar era o khergud, os zemeni, o fjerdanos, o kerch.

Todos os dias ela trabalhava com novos recrutas no Pequeno Palacio e administrava os
assuntos do Segundo Exército. Tinha crescido sob seu comando, recuperando-se
lentamente das feridas que o Darkling lhes havia infligido - feridas que tinham sido
quase golpes mortais.

Como ele pôde fazer isso? Ela ainda se perguntava.

O Darkling construiu a força do Segundo Exército ao longo de gerações, aumentando


seus números, melhorando seu treinamento, solidificando sua própria influência. Ele
havia cultivado os talentos do jovem Grisha, ajudando-os a desenvolver suas habilidades.
Ele as criou como crianças.

E quando seus filhos se comportaram mal? Quando sua tentativa de golpe fracassou e
alguns dos Grisha se atreveram a ficar com Alina Starkov contra ele? Ele os assassinou.
Sem hesitação ou remorso.

Zoya observará eles caírem. Ela quase estava entre eles. Quase, ela lembrou a si mesma
quando subiu os degraus do palácio. Mas eu sobrevivi para liderar o exército que ele
construiu e quase destruiu.

Zoya havia prometido fazer do Segundo Exército um poder para ser contado novamente.
Aprofundou-se nas fronteiras de Fjerda e dos Shu Han, atravessou as margens da Ilha
Errante e as fronteiras de Novyi Zem em busca de Grishas que quisessem aprender a
lutar e que pudessem dar sua lealdade a Ravka. Ela estava determinada a capitalizar
esse crescimento, a reunir uma força maior do que a que até mesmo o Darkling havia
criado.

Mas isso não seria suficiente. Ela pretendia encontrar uma maneira de proteger Grishas
em todo o mundo para que ninguém nunca tivesse que viver com medo ou esconder seus
dons novamente - um corpo governante com representantes de todas as nações para
responsabilizar seus países, uma garantia de direitos e de punição por alguém que
tentou aprisionar ou prejudicar sua espécie.

Para esse sonho ser algo mais do que uma fantasia agradável, Ravka teria que ser forte -
e assim também seu rei.

Enquanto Zoya percorria os corredores do Grande Palácio até os aposentos de Nikolai,


lançou um olhar a dois servos que se demoravam diante de sua porta, que os
encolheram contra a parede como anêmonas assustadas.

REI DE CICATRIZES | 88

Ela sabia o jeito que suspiravam pelo pobre rei. Ele nunca mais foi o mesmo desde a
guerra, eles sussurravam, desmaiando e enxugando os olhos sempre que ele estava
perto.

Ela não podia culpá-los. Nikolai era rico, bonito e assediado por um passado trágico.
Forragem de devaneio perfeita.

Mas com sua sorte o rei ignoraria as possíveis noivas que ela encontrara, se apaixonaria
por uma empregada doméstica comum e insistiria em se casar por amor. Era
exatamente o tipo de absurdo contrário e romântico ao qual ele era propenso.
Ela cumprimentou Tolya, pediu por uma bandeja de café da manhã, entrou no quarto do
rei e abriu as cortinas.

A luz da manhã estava pálida e rosada. Nikolai lançou-lhe um olhar sinistro do lugar
entre os travesseiros.

“Você está atrasada.”

“E você está acorrentado a uma cama. Talvez não seja a melhor hora para ser crítico.”

“É cedo demais para ameaçar um rei “ disse ele irritado.

Ela afundou ao lado dele e começou o trabalho de libertá-lo.

"Eu sou ainda mais assassina com o estômago vazio."

Zoya estava grata pela conversa. Foi sem sentido, mas encheu o silêncio da sala.

Eles voltaram para uma rotina fácil depois do quase desastre em Ivets, mas ela nunca
conseguia se acostumar com essa intimidade - a aurora tranquila, os lençóis
amarrotados, o cabelo desgrenhado que fazia Nikolai parecer menos um rei e mais um
menino precisando ser beijado.

Me distraia com contos animados de sua infância, ele disse a ela. Zoya duvidava que o
rei se divertisse com suas histórias.

Devo lhe contar sobre o velho com quem minha mãe queria se casar quando eu tinha
nove anos de idade? Devo te contar o que aconteceu no dia do meu casamento? O que
eles tentaram fazer comigo? O dano que deixei no meu rastro?

Zoya terminou a tarefa de livrá-lo de suas amarras, tomando o cuidado de tocar o


mínimo possível a pele aquecida pelo sono e depois deixou o rei se lavar e se vestir.

Um momento depois, uma batida soou na porta da sala e um criado entrou com chá
quente e uma travessa de pratos cobertos. Zoya não perdeu o olhar furtivo em sua
direção enquanto ele se afastava. Talvez ela devesse simplesmente ceder ao boato de
que ela era amante de Nikolai e deixar as pessoas falarem. Pelo menos, ela poderia
pular a caminhada antes do amanhecer do Pequeno Palácio e dormir.

Nikolai entrou na sala de estar, cabelos dourados penteados, botas brilhando,


impecavelmente vestidas como sempre.

REI DE CICATRIZES | 89

"Você parece bem descansado", disse ela amargamente.

“Eu mal dormi, e eu acordei com um torcicolo nas costas que parece que Tolya jogou
tênis com minha espinha. Mas um rei não palpita, Zoya querida. Você está comendo meu
arenque? ”

Ela colocou a última mordida em sua boca. “Não, eu comi seu arenque.

Agora…”

Antes que Zoya pudesse começar a tratar dos negócios do dia, a porta se abriu e Tamar
entrou, seguido por seu irmão, os olhos dourados cintilando, ambos totalmente armados.

"Diga-me", disse Nikolai, todos os indícios de seus modos fáceis se foram.

“Há problemas com os peregrinos acampados do lado de fora das muralhas da cidade. O
Apparat não gosta de nada que esse novo culto tenha a dizer. Ele chamou o Sacerdote
para a cidade baixa.”

Zoya ficou de pé em um instante. O Apparat deveria servir como conselheiro espiritual


do rei, mas ele era um traidor e um encrenqueiro por completo. Nikolai tomou um
rápido gole de chá e levantou-se.

“Nosso povo está em posição?” Tolya assentiu. “Temos ouvintes em trajes simples
entremeados por toda a multidão e atiradores de elite posicionados ao longo das
paredes e da encosta mais próxima. Não há muita cobertura, no entanto.”

“Você sabia que isso aconteceria?” perguntou Zoya a Nikolai enquanto ela o seguia e os
gêmeos voltavam pelos corredores do palácio.

"Eu tive um pressentimento."

"E você não fez nenhum movimento para pará-lo?"

"Como?", Disse Nikolai. “Barricando-o na capela?”

“Eu já ouvi ideias piores. Ele não tem posição.”

“Mas ele tem os meios e sabe que não vou desafiá-lo com as tropas armadas.”

Zoya franziu o cenho. “O Sacerdote deveria ter sido dissolvido há muito tempo”

Eles eram monges guerreiros, estudiosos e soldados, e não havia dúvida de que a
lealdade deles era com o Apparat, não com o rei deles.

“Infelizmente, isso teria causado motins entre as pessoas comuns e não estou
interessado em tumultos. A menos que eles envolvam dança, mas eu acredito que eles
são geralmente chamados de festas. Que tipo de festa é essa, Tamar?”

“Nós tivemos nosso pessoal circulando com os peregrinos todos os dias e respondendo.
Eles têm sido em grande parte pacíficos. Mas esta manhã um dos seus pregadores os
irritou, e o Apparat não deve ter gostado do que ouviu.”

REI DE CICATRIZES | 90

Os soldados do rei estavam esperando junto à fonte de duas águias com cavalos
adicionais a reboque.

"Nenhum soldado uniformizado passará pela parede inferior sem a minha declaração",
ordenou Nikolai. “Os Grishas só estão lá para controle de multidões, a menos que eu dê
o sinal. Mantenha os atiradores em posição, mas absolutamente ninguém é para agir
sem ordens diretas de mim, entendido?”

O rei tinha o direito de comandar suas forças como bem entendesse, e Zoya confiava nos
gêmeos para fazer o melhor uso possível de seus Ouvintes para proteger a coroa, mas o
temperamento de Zoya ainda se agitava com o fato de que eles foram colocados nessa
posição.

Nikolai gostava muito de compromisso. O Apparat havia traído todos que já foram tolos
o suficiente para confiar nele. Ele era uma cobra, e se ela tivesse o seu caminho, ele e
seus lacaios do Sacerdote teriam sido oferecidos duas escolhas após a guerra civil -
execução ou exílio.

Eles montaram e estavam indo pelos portões quando Nikolai disse: “Preciso de você
calma, Zoya. O Apparat não gosta do Triunvirato Grisha para começar"

" Eu choro."
"E sua franca hostilidade não vai ajudar. Eu sei que você não aprova a permissão do
padre para permanecer na capital."

"Claro que você deveria mantê-lo aqui. De preferência recheado acima do meu manto”

“Um pedaço de conversa, sem dúvida, mas não podemos dar ao luxo de fazer dele um
mártir. Ele tem muita influência entre as pessoas”

Zoya rangeu os dentes. “Ele é um mentiroso e um traidor. Ele foi fundamental para
depor o seu pai. Ele tentou manter Alina e eu em cativeiro sob a terra. Ele nunca lhe
deu apoio durante a guerra.”

“Tudo verdade. Se eu precisar estudar para um exame de história, eu sei a quem ir.”

Por que ele não escutaria?

“O padre é perigoso, Nikolai.”

“Ele é mais perigoso se não podemos ver o que ele está fazendo. Sua rede é de longo
alcance, e seu domínio com o povo é algo que não posso fazer nada para combater
diretamente.”

Eles passaram pelos portões e seguiram para as ruas da cidade alta.

"Deveríamos ter realizado um julgamento depois da guerra", disse Zoya.

“Tornou seus crimes conhecidos.”

“Você realmente acredita que isso teria importado? Mesmo se Alina Starkov se
levantasse da Dobra abrigada na luz do sol para denunciá-lo, o Apparat ainda
encontraria uma maneira de sobreviver. Esse é o presente dele.

Agora coloque seu rosto mais devoto, Zoya. Você é uma querida herege, mas preciso que
você pareça piedosa.”

REI DE CICATRIZES | 91

Zoya ordenou que suas feições se aproximasse de um tom de calma, mas a perspectiva
de lidar com o Apparat sempre a deixava dividida entre raiva e frustração. Nikolai
reconstruíra a capela real nos terrenos do palácio depois da guerra e a consagrara pelo
próprio Apparat - um gesto de reconciliação.

Era o local da coroação de Nikolai, onde a coroa de Lantsov havia sido colocada em sua
cabeça e a pele de urso supostamente sacra de Santo Grigori foi colocado sobre seus
ombros. Os painéis tripticos pintados dos santos haviam sido retirados dos escombros e
reformados, o ouro de suas auréolas brilhava intensamente - Ilya in Chains, Lizabeta das
Rosas. Alina foi acrescentada ao número deles com o cabelo branco e a gola de chifre,
de modo que agora 14 santos observavam o altar, reunidos como um sereno coro.

Zoya mal conseguira atravessar a coroação. Ela não pôde deixar de pensar na noite em
que a antiga capela havia caído, quando o Darkling matou a maior parte do Segundo
Exército, o mesmo Grisha que ela passou a vida alegando que iria proteger. Se não fosse
por Tolya e Tamar, a guerra terminaria naquela noite.

E Zoya podia admitir que as forças do Apparat também tinham desempenhado o seu
papel, guerreiros sagrados conhecidos como Soldados do Sol, homens e mulheres jovens
dedicados ao culto do Sankta do Sol, muitos dos quais tinham sido dotados com o seu
poder na batalha final com o Darkling na Dobra da Sombra. Esse pequeno milagre havia
cimentado o legado de Alina - e, infelizmente, reforçou o poder do Apparat também.

Era difícil não suspeitar que ele tinha algo a ver com a ponte de ossos em Ivets e a onda
de acontecimentos estranhos em toda Ravka.

Quando passaram pela ponte e entraram nas ruas da cidade baixa, Zoya pôde ouvir a
multidão do lado de fora das paredes duplas, mas foi só quando desmontaram e
alcançaram o topo das ameias que ela deu uma boa olhada no povo. reunidos abaixo.

Ela ouviu seu próprio suspiro, sentiu o choque viajar através dela como um tapa. Esses
não eram os peregrinos comuns que viajavam pelo país para homenagear seus sanktos;
eles não eram o culto ao sol que havia crescido em torno de Alina Starkov e que muitas
vezes vinham às paredes do palácio para homenageá-la.

Essas pessoas usavam preto. Os estandartes que eles levantaram estavam estampados
com o sol em um eclipse - o símbolo do Darkling. Eles vieram aqui para elogiar o homem
que havia destruído a vida de Zoya. Um jovem clérigo estava em uma rocha. Ele tinha o
cabelo longo e selvagem do Sacerdote, mas ele usava preto, não marrom. Ele era alto e
ossudo, e ela duvidava que ele pudesse ser muito mais velho que vinte.

“Começamos na escuridão”, gritou ele para a multidão que balançava, “e é para a


escuridão que voltamos. Onde mais o homem rico e o homem pobre são iguais? Onde
mais alguém é julgado apenas pela pureza de sua alma?”

“O que é essa bobagem?” exigiu Zoya.

Nikolai suspirou. “Este é o Culto do Santo Sem-Estrelas.”

“Eles adoram...” “O Darkling.”

REI DE CICATRIZES | 92

“E quantos seguidores eles têm?”

"Não temos certeza", disse Tamar. "Houve rumores de um novo culto, mas nada como
isso."

O Apparat tinha avistado o rei e estava fazendo o seu caminho ao longo das ameias.
Zoya podia ver o Sacerdote montado atrás dele, vestindo mantos com o sol dourado de
Alina - e armados com rifles de repetição.

"Melhor e melhor", murmurou Zoya.

"Sua Majestade." O Apparat se curvou profundamente. “Sinto-me honrado por você ter
tempo para me dar seu apoio. Eu raramente vejo você na capela. Eu às vezes temo que
você tenha esquecido como orar.”

“Nem um pouco ”, disse Nikolai. “Só não gosto muito de ajoelhar. Faz estragos nas
articulações. Você trouxe homens armados para as muralhas da cidade.”

"E você pode ver o porquê. Você já ouviu falar dessa blasfêmia? Esta heresia vil? Eles
querem que a igreja reconheça o Darkling como um santo!”

“Quem é esse novo clérigo para você?” Zoya disse, esforçando-se para manter o tom de
voz. “Ele era um membro do Sacerdote?”

“Ele é a forma mais baixa de traidor.” Você sabe bem, ela pensou severamente. "Então é
um sim?"

"Ele é um monge", confirmou Tamar. “Yuri Vedenen. Ele deixou o Sacerdote há um ano.
Minhas fontes não sabem por quê.”

“Podemos discutir a origem do menino outra vez”, disse Nikolai. “Se você deixar o
Sacerdote Sacerdotal solto, corre o risco de causar um banho de sangue e fazer uma
grande quantidade de novos mártires, o que apenas validará sua causa.”

“Você não pode me pedir permissão para essa heresia ...” a voz de Nikolai estava fria.
"Eu não peço nada." O rosto de cera do Apparat empalideceu ainda mais. “Perdoe-me,
Alteza. Mas você deve entender, isso não é uma questão para os reis decidirem. É uma
batalha pela própria alma de Ravka.

“Diga a seus homens que se levantem, padre. Não vou ter mais sangue derramado na
capital.”

Nikolai não esperou a resposta do Apparat, mas desceu as ameias.

"Abra os portões", ele ordenou. "O rei cavalga."

"Tem certeza de que isso é sensato?" Murmurou Tamar. “Eu ouvi a conversa neste
acampamento. Esses peregrinos não gostam de você.”

“Talvez eles simplesmente não tenham me conhecido. Fique perto.

Tolya, certifique-se de que o Sacerdote não tenha idéias. Tente mantê-los separados dos
meus soldados. Eu não preciso causar um tumulto próprio."

"Eu vou com você”, disse Zoya. Nikolai lançou-lhe um longo olhar.

"Eu sou a favor de escolhas imprudentes, Zoya, mas isso é uma matéria delicada. Você
terá que morder sua língua.”

REI DE CICATRIZES | 93

“Até sangrar.” Ela queria um olhar mais atento para as pessoas dourando a memória do
Darkling. Ela queria lembrar de cada um dos seus rostos. O portão subiu e um silêncio
desceu quando o rei saiu da cidade e entrou na multidão. Os peregrinos podem não se
importar com o jovem governante de Ravka, mas havia muitas pessoas que tinham vindo
à capital em outros negócios, para negociar ou visitar a cidade baixa.

Para eles, Nikolai Lantsov não era apenas um rei ou um herói de guerra. Ele era o
homem que havia restaurado a ordem depois do caos da guerra civil, que lhes concedeu
anos de paz, que lhes prometera prosperidade e trabalhou para vê-lo feito. Eles caíram
de joelhos. Re'b Ravka, eles gritaram.

Korol Rezni. Filho de Ravka. Rei das cicatrizes.

Nikolai ergueu a mão enluvada em saudação, o rosto sereno, a postura ereta, deslizando
do papel de comandante para a nobreza nascida num piscar de olhos. Alguns dos
peregrinos vestidos de preto se ajoelharam junto com o resto da multidão, mas alguns
permaneceram de pé, reunidos em torno de seu profeta ósseo, que se mostrava
desafiador em um afloramento de rocha.

"Traidor!", Ele gritou quando Nikolai se aproximou. "Pretendente!

Ladrao! Assassino!” Mas sua voz tremeu.

"Eu certamente tenho estado ocupado", disse Nikolai. Eles se aproximaram, forçando os
peregrinos a se afastar até que o monge ficou sozinho no topo da rocha para enfrentar
Nikolai. Talvez com menos de vinte anos, pensou Zoya. O peito estreito do monge subiu
e caiu rapidamente. Seu rosto era longo, a pele pálida, exceto por duas manchas de cor
em suas bochechas que lhe davam a aparência de um menino com febre. Seus olhos
eram um verde melancólico, em desacordo com o fervor neles.

“O que tem no queixo?”- sussurrou Zoya para Tamar.


"Eu acredito que ele está tentando criar uma barba." Ela olhou para o rosto longo dele.

"Ele teria mais sorte tentando crescer um chifre no meio da testa" O

monge bateu as mangas pretas como um corvo prestes a levantar vôo.

"Diga ao seu falso padre para fazer o que é certo e reconhecer o Sem Estrelas como um
santo."

"Eu vou considerar isso", disse Nikolai suavemente. “Mas primeiro devo pedir que você
se junte a mim para o café da manhã.”

“Eu não serei cortejado! Eu não serei subornado!”

“Sim, mas você vai tomar chá ou café?”

Um riso se levantou da multidão, a menor liberação de tensão. O

menino levantou as mãos para o céu. “A Era dos Santos chegou! Os sinais aparecem do
permafrost para o Sikurzoi! Você acha que eu vou ser influenciado por suas palavras e
comportamento amigável?”

"Não", disse Nikolai gentilmente, e desmontou.

Zoya e Tamar trocaram um olhar. Se tudo isso foi uma preparação elaborada para uma
tentativa de assassinato, então o rei estava desempenhando seu papel muito bem.

REI DE CICATRIZES | 94

"Posso me juntar a você?" O jovem monge piscou, afobado.

“Eu ... eu suponho?" Nikolai ergueu-se sobre a rocha.

“Eu não espero que você seja cortejado, subornado ou influenciado pelo meu
comportamento reconhecidamente vencedor", ele disse tão baixo que só o monge e Zoya
e Tamar podiam ouvir.

“Mas você pode ser influenciado pelo atirador que está por trás daquele pequeno
montículo...você vê isso? Excelente lugar para piqueniques -

com ordens para estourar a cabeça como um melão de verão, se eu levantar a mão
direita”

Nikolai ergueu a mão e o menino se encolheu, mas o rei apenas ajustou a lapela do
casaco.

"Eu ficaria feliz em ser martirizado"

"Você não vai ser martirizado ... Yuri, é? Você será um erro. Essa bala vai roçar meu
ombro e eu vou me certificar de cair drasticamente no chão. O

atirador confessará ser um assassino que desejou matar o rei Lantsov. Talvez ele até
diga que foi leal à causa do santo sem estrelas”

“Mas isso ... isso é absurdo,” o monge balbuciou.

“É mais absurdo do que o rei de Ravka se colocar no caminho da bala de um atirador de


elite, a fim de livrar o reino de um monge iniciante? Porque isso, meu amigo, é uma
história e tanto.”

Nikolai estendeu a mão. “Venha para o café da manhã. Minha cozinheira faz um
maravilhoso lombo de porco.”
“Eu não como carne.”

“Claro que você não come ”, disse Zoya.

“São animais que você se opõe a matar, não pessoas.”

“O Darkling...”

“Me poupe de seus sermões,” ela assobiou. "É apenas a minha lealdade ao rei que me
impede de puxar o ar do seu peito e esmagar seus pulmões como cabaças vazias."

"Eu vi ela fazer isso", disse Nikolai. "Faz um som engraçado."

"Um tipo de pop?", Disse Tamar.

"Tempo", disse Nikolai. "Mais um tipo de silenciador."

"Eu vou", disse o monge. “Mas se eu não for devolvido aos meus seguidores a salvo e
ileso, haverá sangue nas ruas.Haverá …”

“Por favor, deixe-me fazer isso” disse Zoya. "Ninguém vai sentir falta dele."

"Não seja boba", disse Nikolai. "Tenho certeza de que ele tem uma mãe. Certo, Yuri?
Bela mulher, mora em Valchenko?”

Yuri tocou a mão no peito como se o rei tivesse batido nele. Pelo visto Os espiões de
Tamar reuniram muita coisa sobre esse garoto.

REI DE CICATRIZES | 95

"Eu sei", disse Nikolai, acariciando o monge no ombro. “O mais desconcertante é


perceber que você está jogando com outras vidas além da sua.

Vamos?”

Yuri assentiu e Nikolai se virou para a multidão. "Nós vamos nos encontrar", declarou
ele, a voz crescendo. "Nós vamos conversar." Ele deu de ombros. “Talvez nós
discutamos. Mas os Ravkans precisam concordar em nada mais do que beber chá.”

Uma onda de riso passou pelo povo, ainda ajoelhada, mas agradecida agora, aliviada.

Tamar deu ao monge seu cavalo e eles voltaram pelos portões. Assim que entraram, o
Apparat correu na direção deles, ladeado por Sacerdotes.

“Nós vamos levá-lo em custódia. Tenho muitas perguntas para esse herege …”

“Yuri Vedenen é meu convidado” disse Nikolai agradavelmente.

“Insisto que esteja presente em seu interrogatório.”

“Que nome peculiar para o café da manhã.”

“Você não pode querer…”

“Tolya” disse Nikolai

“Leve nosso hóspede para a Suíte Iris e garanta que ele esteja adequadamente.
alimentado e saciado. Eu vou me juntar a você em breve.”

Eles esperaram o monge ser escoltado para longe. Ficou claro que o Apparat estava
desesperado para falar, mas antes que ele pudesse abrir a boca, Nikolai desceu do
cavalo.
"Padre", disse ele, e agora sua voz segurava o baixo e irritado temperamento mal
controlado. “Não pense que, porque deixei você viver tanto tempo, não posso mudar de
ideia. Acidentes acontecem. Mesmo para homens de fé.”

“Perdoe-me, Alteza. Mas… não se pode confiar em uma criatura como esta.”

“Por favor, vá em frente ”, disse Zoya.

"Eu gostaria de ver se um excesso de ironia pode realmente matar um homem."

"Por que o monge abandonou o Sacerdote?", Perguntou Nikolai.

"Eu não sei", admitiu o Apparat. “Ele era um estudioso, um bom aluno.

Melhor do que isso. Suas teorias eram pouco ortodoxas, mas brilhantes. Então, um ano
atrás ele desapareceu sem explicação. Até que ele reapareceu em nossa porta pregando
este absurdo evangelho.”

“Nós sabemos onde o culto se originou?”

“ Não,” disse o Apparat. Ele suspirou.

REI DE CICATRIZES | 96

"Mas acho que era inevitável que as pessoas procurassem fazer do Darkling um santo."

"Por quê?", Disse Zoya. “As pessoas comuns não tinham amor por ele.”

“Na vida, não. Na morte, um homem pode se tornar qualquer coisa. Ele possuía grande
poder e morreu grandiosamente. Às vezes isso é o suficiente.”

Não deveria ser. Depois de tudo o que ele fez.

"Muito bem", disse Nikolai. "Vamos conceder ao monge uma audiência e ver o que ele
tem a dizer"

Os olhos do Apparat se projetavam quase comicamente da cabeça.

“Você não pode querer falar com ele, emprestar tal credibilidade à sua causa! É

o cúmulo da imprudência!”

Embora Zoya pudesse ter concordado com o padre, ela ainda queria agarrar suas vestes
imundas e sacudi-lo até que ele reconhecesse que estava falando com seu rei e não com
algum suplicante. Não que ela fosse particularmente complacente quando se tratava de
Nikolai, mas era o princípio da coisa.

Nikolai permaneceu calmo, seu temperamento esquecido.

“Se acalme, padre. Não tenho intenção de ver o Darkling chamado de santo. Mas se
pudermos fazer desse menino um amigo, deveríamos, e pretendo obter todas as
informações que puder dele no processo.”

“Meus seguidores não vão gostar” disse o Apparat com falso arrependimento. “Eu,
claro, entendo a necessidade da diplomacia, mas eles podem temer a corrupção
espiritual de seu rei.”

“Que tragédia seria essa. Talvez haja uma maneira de apaziguá-los e compensar você
por este dia difícil.
O Apparat se arrepiou. “Os santos não precisam de ouro.”

Nikolai pareceu escandalizado. "Nada tão grosseiro."

"Bem", disse o Apparat, fazendo um grande show de pensamento.

“Ulyosk e Ryevost estão precisando de novas igrejas. As pessoas precisam saber que o
rei compartilha sua fé, e tal gesto ajudará a fortalecer sua fé em seu governante”

Depois de um longo momento, Nikolai inclinou o queixo. “Você terá suas igrejas.”

“Elas são as igrejas dos santos, Vossa Alteza.”

“Então, por favor, informe os santos.”

“Um rei se curva tão facilmente a um homem sem título?” Zoya perguntou enquanto se
afastavam.

Ela dissera que morderia a língua, e ela o fizera, mas deixará seu temperamento ferver.

“Você está ajudando o Apparat a construir sua rede de espiões. Você está deixando-o
mais forte.”

REI DE CICATRIZES | 97

“Em algum momento, você pode pensar em me tratar como algo diferente de um idiota.
Confie em mim, Zoya. Você pode vir a se divertir.”

“Isso é o que Tamar disse sobre o absinto.”

“E?”

“Ainda tem gosto de açúcar mergulhado em querosene. ”

Zoya olhou por cima do ombro e viu o padre observando-os dos portões da cidade, com
os olhos escuros como buracos. Nikolai podia brincar de tudo que gostava, mas cada
concessão que faziam ao Apparat parecia um passo em falso.

O velho rei, o Darkling, Alina Starkov - todos negociavam com o padre e todos pagavam
com sangue.

Zoya passou o resto do dia supervisionando um novo esquadrão de Aeros e enviando


ordens para os postos avançados ao longo da fronteira sul.

Ela esperava que as forças dos Grishas pudessem se proteger contra um possível ataque
de Shu.

Ela jantou no Salão do Golden Dome ao lado de Genya e David, ouvindo com um ouvido
os planos de Genya para a chegada de seus convidados internacionais enquanto
folheava um resumo do trabalho de David com Kuwei Yul-Bo.

O jovem Infernal estava sentado a uma mesa cercada por outros jovens Grisha. Seu
falecido pai havia criado Parem e Kuwei fizera o melhor que podia para compartilhar
seu conhecimento desse trabalho com David e os outros Fabricadores, tentando alterar
os efeitos colaterais da droga. Mas ele era menos um cientista do que um soldado.
Embora Genya o tivesse costurado um pouco, os dons de Kuwei como Infernal eram seu
maior disfarce; ninguém no Shu Han sabia de suas habilidades. Ele havia escolhido um
novo nome quando chegará ao Pequeno Palácio: Nhaban. Isso significava "fênix
crescente"

em Shu. O garoto era tão pretensioso quanto talentoso.


Depois do jantar, ela conseguiu mais uma hora de trabalho antes de se aventurar até o
Grande Palácio para prender Nikolai durante a noite e depois se retirar para seus
aposentos. Eles haviam pertencido ao Darkling.

Genya e David recusaram-se quando assumiram seus deveres no Triunvirato, mas Zoya
ocupara alegremente os quartos espaçosos. Ela estava feliz em pegar qualquer coisa
que já fora dele, e ela tinha balançado o primeiro martelo quando chegou a hora de
derrubar o velho mobiliário e refazer o espaço ao seu gosto. Um gesto. Ela não estava
prestes a deixar suas mãos ficarem calejadas e deixou o esforço real para os
trabalhadores.

Levou longos meses e consideráveis embarcações de Fabricadores para modelar os


quartos ao seu gosto, mas agora o teto abobadado mostrava um céu cheio de nuvens, e
as paredes tinham sido tratadas para parecer um mar varrido pela tempestade.

Poucas pessoas notaram o pequeno barco que havia sido pintado em um dos seis cantos,
ou a bandeira que voou com duas pequenas estrelas. E

ninguém que fizesse saberia o que isso significava.

REI DE CICATRIZES | 98

Zoya lavou-se e vestiu-se para dormir. Houve um tempo em que ela foi capaz de dormir
profundamente sob as cúpulas do Pequeno Palácio, mas isso foi antes do golpe do
Darkling. Ele havia quebrado sua crença de que nada poderia tocar esse lugar, esta casa
que já foi um paraíso.

Agora ela dormia levemente - e acordou instantaneamente ao som de uma batida na


porta do quarto. O monge, ela pensou.

Eu sabia que não deveríamos tê-lo deixado entrar no palácio.

Mas assim que Zoya deslizou o ferrolho e abriu a porta, Tamar disse: “Nikolai fugiu.”

“Impossível” protestou Zoya, embora já estivesse pegando as botas.

As sobrancelhas de Tamar levantaram-se quando Zoya jogou um casaco por cima da


camisola, teias de seda prateada que cintilavam como um relâmpago numa nuvem de
tempestade quando a luz da lâmpada tocava o tecido transparente.

"Para quem você se vestiu esta noite?", perguntou ele.

"Para mim mesma”, retrucou Zoya.

"Nós sabemos onde ele estava indo?"

"Tolya o viu voar para o oeste em direção a Balakirev."

"Alguém mais?"

"Eu acho que não. Nenhum alarme soou. Mas não podemos ter certeza.

Temos sorte de que isso não tenha acontecido no verão.”

Quando o sol nunca se põe adequadamente e qualquer um poderia ver um monstro nos
céus.

"Como?", Zoya perguntou enquanto cutucava um painel na parede e ele se abriu para
revelar um longo lance de escadas. Quando ela teve seus aposentos reformados, ela
tinha um túnel escavado para conectá-lo à rede de passagens abaixo de Os Alta.
“Essas correntes são reforçadas com aço Grisha. Se ele ficou mais forte..."

"Elas não estavam quebradas ", disse Tamar atrás dela. "Elas estavam destrancadas."

Zoya tropeçou e quase desceu as escadas. Destrancadas? Então alguém sabia o segredo
de Nikolai? Tinha procurado sabotar seu trabalho para mantê-

lo não descoberto? As implicações foram esmagadoras. Momentos depois, eles foram


empurrando para o porão do Convento de Sankta Lizabeta.

Tolya esperava nos jardins com três cavalos.

“Diga-me” disse Zoya enquanto ela e Tamar montavam.

"Ouvi o vidro quebrar", respondeu Tolya. “Quando corri para dentro, vi o rei levantar
vôo do parapeito da janela. Ninguém tinha vindo ou ido através de sua porta.”

Droga. Então o monstro de alguma forma conseguiu pegar as madeixas?

REI DE CICATRIZES | 99

Zoya chutou o cavalo a galope. Ela tinha mil perguntas, mas eles poderiam se preocupar
sobre como Nikolai tinha se libertado uma vez que eles o tivessem recuperado.

Eles cavalgaram com força sobre a ponte e pelas ruas da cidade baixa.

A um sinal para os guardas, eles trovejaram pelos portões e pelas famosas paredes
duplas de Os Alta. Quão longe Nikolai chegou? Quão longe ele iria?

Melhor que ele voasse para longe da cidade, longe de qualquer lugar densamente
povoado.

Zoya alcançou pelas correntes invisíveis que fluíam ao redor deles, cada vez mais alto,
buscando o rompimento do vento que era Nikolai. Não foi apenas o peso e o tamanho
dele, mas o próprio erro que roçou seu poder.

Merzost. Abominação. A mancha de algo monstruoso em seu sangue.

"Ele ainda está indo para o oeste", disse ela, sentindo sua presença sangrar em seus
sentidos. "Ele está em Balakirev."

Um belo lugar. Um dos lugares favoritos para Grisha visitar para passeios de trenó e
festivais em tempos melhores. Eles desaceleraram seus cavalos quando se aproximaram
da periferia da cidade e as estradas de terra deram lugar a paralelepípedos.

Balakirev dormia, as janelas escuras e as casas silenciosas. Aqui ou ali Zoya viu uma
lanterna iluminada através do vidro, uma mãe cuidando de um bebê agitado, um
funcionário trabalhando até tarde na madrugada. Ela voltou sua atenção para o céu e
gesticulou para os gêmeos avançarem.

Nikolai estava se movendo em direção ao centro da cidade. A praça principal estava


silenciosa, ladeada pelo tribunal, a prefeitura, os grandes escritórios do governador
local. Caminhos de pedra irradiavam de uma grande fonte, onde Zoya sabia que as
mulheres iriam lavar as roupas. Uma estátua de Santo Juris ficava no centro, com a
lança perfurando o coração de um grande dragão enquanto a água caía em cascata da
parte de trás das asas da fera.

Zoya sempre odiou aquela história em particular. O grande guerreiro Juris parecia um
grande valentão.

"O telhado", ela sussurrou, apontando para a prefeitura. "Eu vou ver o perímetro"
Tamar e Tolya escorregaram silenciosamente de seus cavalos, algemas na mão, e
desapareceram no prédio. Se Nikolai levantou voo, ela poderia tentar derrubá-lo ou pelo
menos rastreá-lo. Mas o amanhecer estava chegando. Eles tiveram que se mover
rapidamente. Ela esperou nas sombras, os olhos treinados nas torres da prefeitura. A
noite parecia muito quieta.

Zoya tinha a desconfortável sensação de que estava sendo vigiada, mas as lojas e
prédios ao redor da praça não mostravam sinais de vida. Bem acima, a linha de teto da
prefeitura parecia mudar.

Uma sombra partiu do telhado, asas abertas contra o céu iluminado pela lua.

Zoya ergueu as mãos e se preparou para derrubar Nikolai, mas ele circulou uma vez,
depois se acomodou no pico da torre do sino da igreja.

REI DE CICATRIZES | 100

“Droga.” Tolya e Tamar iriam subir as escadas da prefeitura apenas para descobrir que
sua presa escapou. Se Zoya tentasse subir as escadas da igreja, Nikolai poderia dar
outro salto e sumir muito antes de chegar ao topo. O

céu já estava ficando cinzento e, se ele partisse para o campo aberto, talvez nunca o
pegassem.

Não houve tempo para hesitar.

Ela olhou para os entalhes abertos no cantaria da torre do sino. Mesmo com o
amplificador, ela nunca conseguiu o controle necessário para o vôo.

Apenas Grisha corando com os efeitos de jurda parem poderia realizar essa façanha.

"Isso vai doer", ela murmurou, e girou as mãos em círculos apertados, convocando a
corrente, em seguida, arqueou os braços. A rajada a atingiu por trás, elevando-a para
cima. Levou toda a sua vontade para resistir ao desejo de cravar os braços e deixar que
o vento a levasse mais alto. Ela empurrou a mão para frente e a rajada a lançou na
direção da abertura na pedra - muito forte, muito rápido.

Não houve tempo para ajustar seu objetivo. Zoya cobriu a cabeça e o rosto, depois
grunhiu quando o ombro dela se partiu contra a borda de uma coluna. Ela caiu no chão
da torre do sino em um monte sem graça e rolou de costas, tentando se orientar. Lá,
bem acima, empoleirado no beiral, ela captou o brilho dos olhos do monstro no escuro.
Ela só conseguia distinguir sua forma.

Seu peito estava nu, as calças rasgadas penduradas nos quadris. Seus pés com garras se
curvavam sobre as vigas da torre do sino. Um rosnado baixo a alcançou, pareceu
reverberar pelas tábuas do assoalho.

Algo estava diferente esta noite. Ele era diferente. Oh Santos, ela percebeu. Ele está
com fome. No passado, Zoya demorou mais para encontrar Nikolai, localizando-o depois
que ele caçou e se alimentou.

Ele nunca matou um humano antes, ela lembrou a si mesma. Em seguida, alterada, que
sabemos. Mas ela sentia, em seus ossos, que esta noite ela era a presa. Como o inferno.
Ela se levantou e soltou um suspiro ao pulsar em seu ombro.

Ela deslocou, talvez quebrou o osso. A dor rolou através dela em uma onda que deixou
seu estômago revirando. Seu braço direito era inútil. Ela teria apenas o braço esquerdo
para convocar, mas se Adrik pudesse fazê-lo, ela também poderia.

"Nikolai", disse ela severamente. O grunhido parou, depois pegou de novo, mais baixo e
mais alto que antes. Uma mecha de medo se desenrolou em sua barriga. Era isso o que
era ser uma pequena criatura presa desamparada na floresta?

"Nikolai", ela retrucou, não deixando seu terror entrar em sua voz. Ela pensou que
poderia ser uma coisa muito ruim se ele soubesse que ela estava com medo.

"Desça aqui." O grunhido ondulou e bufou. Quase como uma risada.

Antes que ela pudesse entender, ele se lançou para ela. Zoya levantou a mão e REI DE
CICATRIZES | 101


uma rajada de vento açoitou a criatura, mas a tentativa tinha apenas metade da força de
sua habitual convocação. Isso o levou para trás e ele bateu na parede, mas com pouca
força. Ela viu o monstro registrar sua lesão, sua fraqueza. Respirou fundo, os músculos
tensos.

Quantas noites ele esperou diversão? Quanto tempo estava esperando por uma chance
de machucá-la? Ela precisava de ajuda.

“Tolya!” Ela gritou. “Tamar!” Mas eles poderiam ouvi-la a essa distância? Zoya olhou a
campainha. O monstro atacou. Ela mergulhou para a direita e gritou quando o ombro
ferido bateu nas ripas, mas levantou o outro braço com toda a força que conseguiu
reunir, implorando à tempestade que respondesse. O vento pegou a campainha e fez
balançar a casca de metal.

O badalo bateu, um clangor reverberante que estremeceu através de seu crânio e fez o
monstro rosnar. O sino tocou uma segunda vez, muito mais fracamente, antes que
diminuísse seu arco. Zoya estava suando agora, a dor tornando sua visão negra nas
bordas. Ela se arrastou para a parede.

Nikolai, o monstro, estava rondando em direção a ela em um agachamento baixo, seus


pés com garras silenciosos sobre as ripas do chão, o movimento estranhamente
inumano.

Era Nikolai e ainda não era Nikolai. As linhas elegantes de seu rosto eram as mesmas,
mas seus olhos eram negros como tinta. As sombras de suas asas pareciam pulsar e
ferver.

"Nikolai", ela disse novamente. "Eu vou ficar furiosa se você tentar me comer. E você
sabe o que eu sou quando estou brava.”

Seus lábios se abriram em um sorriso - não havia outra palavra para ele - revelando
presas agudas que brilhavam como cacos de obsidiana. O que quer que estivesse o
perseguindo não era seu rei.

"Capitão", ela tentou. "Sturmhond." Nada.

Ele se aproximou. "Sobachka", disse ela. Filhote, o apelido que ele teve quando criança,
um que ela nunca usou com ele antes. "Pare com isso." De algum lugar muito abaixo, ela
ouviu uma porta bater. Tolya? Tamar? Não importava. Eles não iam conseguir a tempo.

Zoya poderia convocar um raio, mas sem os dois braços para controlar a corrente, sabia
que o mataria. Ela levantou o braço novamente. A rajada de vento levou a criatura de
volta, mas suas garras agarraram o piso de madeira e ele se lançou para a frente, as
asas presas ao corpo, o olhar escuro focado nela.

Afastou o braço bom, com tanta força que achou que poderia ter quebrado esse osso
também. O vento caiu e as asas do monstro se abriram.

Abriu a boca e falou.

"Zoya". Ela se encolheu. O monstro não falou. Não poderia. Mas não foi nem o choque
da fala vindo dos lábios da criatura que tanto a assustou. Essa não era a voz de Nikolai;
Era macio, frio como vidro, familiar. Não. Não poderia ser. O medo estava nublando sua
mente. Os lábios da criatura se separaram. Seus dentes brilhavam. Agarrou o cabelo
dela e puxou a cabeça para trás enquanto lutava. Isso ia rasgar sua garganta. Seus
lábios roçaram a pele do pescoço dela. Mil pensamentos encheram sua mente. Ela
deveria ter REI DE CICATRIZES | 102

trazido uma arma. Ela não deveria ter confiado em seu poder. Ela não deveria ter
acreditado que não tinha medo de morrer. Ela não deveria ter acreditado que Nikolai
não iria prejudicá-la.

A porta da torre do sino se abriu e Tamar estava lá, Tolya atrás dela.

Os machados de Tamar voaram. Um se alojou no ombro da criatura e o outro na carne


de uma de suas asas. A coisa se voltou contra eles, rosnando, e as mãos de Tolya
dispararam.

Zoya assistiu, dividida entre o medo persistente e o fascínio quando as pernas da


criatura se dobraram. Ele rosnou, depois ficou em silêncio enquanto Tolya desacelerava
seu coração e deixava o monstro inconsciente.

Zoya levantou-se, segurando o braço deslocado, e olhou para a coisa nas tábuas do
assoalho enquanto suas garras recuavam, as veias escuras se retraindo e
desaparecendo, suas asas se dissolvendo em farrapos de sombra.

O rei de Ravka estava deitado no chão da torre do sino, cabelo dourado desgrenhado,
infantil e sangrando.

“Está tudo bem? perguntou Tamar.

"Sim", Zoya mentiu.

Zoya. O som de sua voz naquele momento, suave como o vidro, nem humano nem
inumano. Isso significava que o que quer que estivesse dentro dele não era o monstro
irracional que eles supunham? Não estava apenas com fome;

Havia algo de vingativo em seu desejo.

Nicolai teria acordado com o sangue dela nos lábios?

"Você sabe o que isso significa", disse Tamar.

Eles não conseguiram controlá-lo. O palácio não estava mais seguro e Nikolai não estava
mais seguro.

E agora, embaixadores, dignitários, nobres e ricos comerciantes estavam arrumando


suas melhores roupas e se preparando para viajar para Os Alta - para não falar das
princesas elegíveis e esperançosas nobres que as acompanhavam.

"Convidamos emissários de todos os países para testemunhar esse horror", disse Tolya.

Para assistir Nikolai descer em sede de sangue, para jogar audiência como um rei
tornou-se mais monstro do que homem.

Zoya dera a vida ao Segundo Exército, sonhando que poderiam construir algo melhor.
Ela acreditava que, se seu país fosse forte o suficiente, o mundo poderia mudar para sua
espécie. Agora esse sonho estava em colapso.

Zoya pensou nas histórias que Nina lhes contara sobre a prisão na Corte de Gelo. Ela
pensou no khergud emergindo dos céus para roubar Grisha da segurança de suas terras.
Ela se lembrava dos corpos espalhados pelos terrenos do Pequeno Palácio na noite do
ataque do Darkling.

REI DE CICATRIZES | 103

Ela não deixaria isso acontecer novamente. Ela recusou. Zoya respirou fundo e bateu
com o ombro no lugar, ignorando o choque de náusea que acompanhava a dor.

"Nós encontramos uma cura", disse ela.


"Ou Ravka cai."

REI DE CICATRIZES | 104

"NÃO GOSTO DE DEIXAR LEONI PARA TRÁS", disse Adrik, sua voz solene como o toque
de um sino particularmente desesperado.

"Eles não são amigáveis no convento, e ela não fala a língua." Nina e Adrik saíram do
vale, o trenó puxado para trás de suas duas montarias, um vento forte em suas costas.
Nina cavalgou de lado, suas saias pesadas se juntaram atrás dela. Ela não era muito
cavaleira para começar, e essa concessão às sensibilidades de Fjerda foi um dos
elementos mais desafiadores de seu disfarce.

Enquanto viajavam mais longe da cidade, os sussurros subiram em sua cabeça como se
em protesto. Agora que sabia que os mortos a haviam levado até Gäfvalle, o som parecia
ter ficado mais claro, as vozes altas e doces dos perdidos puxando seus pensamentos.

Ela não contou a Adrik e Leoni sobre as sepulturas na fábrica ainda. O

incidente pelo portão leste a deixou muito abalada.


"Leoni vai ficar bem", disse Nina, voltando sua atenção para Adrik.

“Ela é engenhosa e sabe como se deitar. Além disso, estaremos de volta ao meio-dia de
amanhã.”

Adrik não disse nada, e Nina acrescentou: “Tirá-la não vai te dar nenhum ponto de
vantagem.”

O frio fez a pele de Adrik rosada sob suas sardas, e ele parecia um pouco como um ator
mal-humorado cujas bochechas tinham sido pintadas para uma peça.

“Ela é uma soldado sob meu comando. Eu nunca cruzaria essa linha.”

“Ela não estará sob o seu comando quando esta missão terminar, Adrik, e é óbvio que
ela gosta de você.”

“Ela gosta?”

Ele parecia desconsolado com a notícia. Nina não estava enganada. Ela ajustou as alças
de sua mochila. "Para meu grande espanto."

“Você também gosta de mim, Zenik. Deve ser o meu ponto de vista ensolarado.”

“Adrik, se a escolha é entre receber ordens de você ou de Zoya Nazyalensky, você


sempre vai ganhar.”

Sua respiração plumou no ar frio. “Eu costumava ser completamente apaixonada por
ela.”

REI DE CICATRIZES | 105

“Não fomos todos nós? Mesmo quando ela está cortando você em duas com algumas
palavras bem escolhidas, é difícil se concentrar em qualquer coisa, mas em como ela
fica bonita fazendo isso.”

“Terrível, ”Adrik meditou. “Uma vez vi um aluno atear fogo em seu próprio cabelo
porque ele estava tão ocupado olhando para Zoya. Ela nem sequer o dispensou uma
segunda olhada.”

Nina olhou para Adrik com um olhar desdenhoso e, em sua voz desdenhosa igual a Zoya,
falou com voz arrastada: “Alguém jogue um balde naquele idiota antes que ele queime o
palácio.”

Ele estremeceu. "Isso foi muito convincente." Ele consultou seu mapa quando chegaram
a uma encruzilhada.

"Zoya foi boa o suficiente para me notar", disse ele, levando-os mais para o oeste. “Mas
havia mais do que isso. Ela foi a única que me tratou da mesma forma depois que eu
perdi meu braço.”

“Horrivelmente?”

“Ela não poderia ter me mostrado mais desprezo. Seus insultos eram muito mais fáceis
de suportar do que Nadia constantemente me preocupando.”

“Isso é o que as irmãs fazem. Eu assumo. Você era tão mãe quando todos voltaram da
Dobra.”

Ambos eram crianças mesmo. Nina tinha sido aluna na escola Grisha quando todos
foram evacuados para o orfanato em Keramzin. Mas Adrik implorou para ir com sua
irmã, lutar ao lado da deusa do sol.
Ele não estava lá quando o Darkling levou Nina e os outros estudantes como reféns.

"Eu não estava preocupado com você", disse Adrik. "Se você tivesse morrido e eu fosse o
único a deixar a escola, você pode imaginar como seria cansativo viver com a culpa?"

Nina forçou uma risada, mas sabia tudo sobre culpa. Ela sempre se perguntava por que
havia sobrevivido tanto - capturada pelos drüskelle, naufrágio, os furiosos heróis de Kaz
Brekker e a provação da parem.

Ela era a única Grisha conhecida por ter vivido depois de uma dose da droga. O que
tornara isso possível? Foi essa tensão particular de jurda parem?

Era seu desejo de irritar Jarl Brum e seus caçadores de bruxas sobrevivendo?

Chance, fortuna, destino. Ela não sabia o nome a dar. Às vezes parecia que Matthias a
mantinha neste mundo através da pura força de vontade dele.

Eu falhei com você, Matthias. Eu não era forte o suficiente para te salvar.

Passarinho vermelho, todo dia você escolhe o trabalho da vida. Todo dia você escolhe
continuar. Não há falha aqui, Nina.

"Zoya é uma líder melhor do que eu esperava", admitiu Adrik. “Mesmo que eu nunca
diga isso a ela.”

REI DE CICATRIZES | 106

“Você pode imaginar? Você também pode perguntar se ela quer se aconchegar. A
general Zoya Nazyalensky não precisa nem quer nossa aprovação.”

Eles caíram em silêncio enquanto o sol subia mais alto no céu, o trenó retumbando no
chão. Se nevasse, eles teriam que trocar os corredores, mas esperançosamente
voltariam a Gäfvalle antes que o tempo mudasse. Foi uma procissão fúnebre, e Nina não
pôde deixar de pensar que Matthias merecia mais. Algo cheio de pompa e cerimônia, um
funeral digno de um herói, mesmo que seu povo acreditasse que ele era um traidor.

Eu fui feito para te proteger. Mesmo na morte eu encontrarei um caminho.

Sua voz era clara demais agora, forte demais. Porque esta foi a sua despedida final.
Porque uma vez que Matthias estivesse no chão, ele pertenceria a Djel.

Ela não tinha certeza se poderia fazer isso. Ela não suportava a idéia de abandonar seu
corpo para a terra fria, para a escuridão. Deixe-me ir ao meu deus.

Ela desejou que Inej estivesse aqui ao seu lado, que as aparições estavam em algum
lugar em todo esse silêncio.

Nina ansiava por sua quietude, sua gentileza. Ela era grata a Adrik, mas ele não
conhecia Matthias. E ele também não conhecia Nina. Não mais.

Quando finalmente alcançaram a bifurcação do rio, montaram um acampamento, uma


simples tenda de lona forrada de peles de animais para manter o frio do lado de fora.
Fizeram uma fogueira, regaram os cavalos e sentaram-se para uma simples refeição de
chá e bacalhau salgado que Nina precisou se forçar a engolir. Se alguém passasse, Adrik
e Nina planejavam dizer que estavam a caminho de Malsk para mostrar suas
mercadorias.

O trenó foi abastecido com abundância de carregadores de rifle. Mas Nina duvidava que
eles tivessem que oferecer alguma explicação. Como grande parte de Fjerda, este lugar
era desolado e vazio, as pequenas cidades como flores, flores improváveis na neve.
Adrik pegou um frasco no bolso, despejou uma pequena quantidade de líquido preto em
um copo de cobre e o contemplou com ceticismo.

“O que é isso exatamente?”

“Eu sei que é destilado de alcatrão de pinho. Um dos pescadores disse que era bom para
combater o frio.”

Ele tomou um gole e imediatamente começou a tossir e bater no peito.

"Santos, isso é nojento."

"Talvez ele só signifique que você morra, então você não precisa se preocupar com o
frio.”

“Ou talvez eles apenas gostem de vender miséria superfaturada aos turistas.”

REI DE CICATRIZES | 107

Ele ofereceu-lhe o frasco, que Nina rapidamente recusou. Por um momento ficaram
sentados olhando as águas do rio passando. Por fim, ele disse: "Você nunca me contou
como ele morreu."

Nina não sabia o que dizer. Ou se ela queria dizer alguma coisa. Os detalhes do leilão de
Ketterdam eram desconhecidos para a maioria em Ravka, mesmo entre os Grishas, e
Nina duvidava que Adrik ficaria emocionado ao descobrir que ela estava correndo com
uma gangue de criminosos.

"Eu realmente não sei. Nós estávamos… trabalhando juntos em Ketterdam. O pior da
missão acabou. Nós pensamos que estávamos todos a salvo. Mas então Matthias
apareceu, sangrando. Ele foi baleado.”

Ele encontrou o caminho para ela, apesar do ferimento fatal, apesar da dor que ele
sentia. Por um último beijo, para um último adeus.

“Havia drüskelle na cidade, e eles certamente tinham suas razões para querer Matthias
morto. Mas todos nós tínhamos preços em nossas cabeças. As pessoas estavam famintas
por nosso sangue, e as ruas eram uma bagunça sagrada.”

Ela ainda podia ver o sangue dele manchando sua camisa, sentir a barba macia da nuca
sob as pontas dos dedos. Seu cabelo tinha começado a crescer adequadamente, grosso e
dourado.

"Ele não me dizia quem era o responsável", disse ela.

Matthias não queria sobrecarregá-la com isso. Ele sabia que ela iria atacar em sua dor.
Mas ele deveria ter entendido que o mistério de sua morte iria puni-la.

Ela pensou que sua nova missão de trabalho com os Hringsa em Fjerda, ajudar Grishas
para a liberdade, ajudaria a aliviar sua dor e sua culpa, mas ela não se sentiu melhor do
que ela se sentia no início de tudo.

"Isso me corrói por dentro."

"Eu sei que sensação." Adrik tomou outro gole de seu frasco e estremeceu com o sabor.
“A vingança foi tudo o que me levou ao final da guerra. Eu queria que o Darkling
pagasse pelo meu braço, pelas vidas dos meus amigos. Eu o queria morto.”

“E você teve o seu desejo.”

“E ainda assim meu braço não cresceu de volta. Nenhum dos meus amigos voltou à
vida.”
“Eu poderia ajudar com isso,” Nina disse, e ficou aliviada quando Adrik riu, sua risada
seca e relutante. Alguns Grishas empalidecia a qualquer menção ao seu novo poder. Ela
tinha sido uma sangradora a uma vez, sentiu o pulso do mundo batendo junto com seu
coração. Parem a mudara. Nina se sentiu como uma fraude sentada sob a cúpula
dourada do Pequeno Palácio, usando seu kefta vermelho. Ela não podia mais manipular
os vivos, ouvir o fluxo de seu sangue ou o canto de suas células. Mas os mortos faziam o
que ela pedia - e ela supunha que eles também faziam seus pedidos. Ela veio para
Gäfvalle, afinal.

REI DE CICATRIZES | 108

Nina terminou o último gole de seu chá. Ela podia sentir Adrik esperando. Ela sabia que
era a hora. Talvez colocar Matthias para descansar seria a coisa para ajudar a libertar
seu coração desse fardo. Ela só sabia que não poderia continuar assim.

Ela se levantou. "Estou pronta", disse ela, embora soubesse que não era verdade.

Eles saíram do acampamento seguindo o rio.

Conte-me uma história, Matthias.

Ela precisava ouvi-lo agora, precisava saber que alguma parte dele permaneceria com
ela.

Me fale sobre sua família.

Conte-me sobre a sua, Nina. Por que você nunca falou deles?

Porque ela nunca os conheceu. Ela cresceu em uma casa não muito diferente do
orfanato em Keramzin. Não havia registros dos pais de Nina. Ela era mais uma criança
que chegara sem documentos ou história. Keletchka, como eles chamavam - da caixa de
frutas. Ela recebera o nome de um dos clientes da casa e usava roupas doadas que
chegavam amarradas em grandes sacos e cheiravam aos produtos químicos em que
eram fervidos para garantir que estavam livres de piolhos.

Você era infeliz, Nina?

Não, Mathias.

Não era da sua natureza, mesmo assim.

Agora é, ela pensou. Qualquer faísca que tivesse queimado nela não era páreo para essa
dor.

Mas naquela época, ela não tinha sido infeliz, apesar das tarefas domésticas e das aulas
chatas e das refeições que eram em grande parte de repolho. Sempre houve barulho,
companhia e jogos para jogar. Ela havia se nomeado recepcionista oficial da casa, dando
as boas vindas aos recém-chegados, ajudando a nomear os novos bebês e oferecendo
sua boneca de pano, Feodora, para qualquer pessoa que precisasse de um amigo em sua
primeira noite nos dormitórios.

Além disso, a equipe sempre a tratava gentilmente. Venha, pequena Nina, conte-nos a
notícia, Baba Inessa diria e colocaria Nina em um banquinho na cozinha, onde ela
poderia comer uma crosta de pão e observar as mulheres em seu trabalho.

Nina tinha apenas sete anos quando conheceu seu primeiro tirano.

Seu nome era Tomek, e ele mudou tudo na casa dos fundadores. Ele não era o mais alto
ou o mais forte, ele era simplesmente o mais malvado, disposto a atacar e morder até
mesmo os menores órfãos. Se alguém tivesse um brinquedo, ele o quebraria.
REI DE CICATRIZES | 109

Quando uma criança dormia profundamente, ele os beliscava. Ele tinha todas as
maneiras e covinhas quando a equipe estava perto, mas assim que eles se iam, Tomek
cruel retornaria. Como se estivessem apenas esperando por um líder, um grupo de
valentões se uniu a ele - meninos e meninas que sempre pareciam bons o suficiente até
que eles desenvolveram gosto pelas lágrimas dos outros.

Nina fez o possível para evitá-los, mas foi como se Tomek pudesse sentir o cheiro da
felicidade dela como fumaça de uma fogueira na cozinha.

Certa manhã, logo após a festa de Sankto Nikolai, Baba Inessa deu a Nina uma laranja
para compartilhar com as outras crianças. Nina avisou-os para ficar em silêncio, mas
eles riram e gritaram até que, claro, Tomek tinha marchado para investigar e arrancado
de suas mãos.

Devolva! ela gritou quando ele cavou seus polegares na pele cerosa da laranja.

É para todos! Mas Tomek e seus amigos começaram a zombar.

Você já está gorda o suficiente, ele disse, e a empurrou com tanta força que ela caiu de
costas. Tomek tinha empurrado toda a laranja em sua boca e mordido, rindo enquanto a
polpa e o suco escorriam por seu queixo. Ele riu ainda mais quando, para grande
vergonha de Nina, ela começou a chorar.

"Veja como você está vermelha", disse Tomek, com a boca ainda cheia.

"Você parece uma maçã podre." Ele e seus amigos se aglomeraram em torno de Nina,
cutucando sua barriga, seus braços, suas pernas. "Olha como ela está podre!" Nina
estava com medo, mas mais do que tudo, ela estava com raiva.

Enrolada no chão, ela sentiu algo em seu interior, um longo e luxuoso trecho, como um
gato ansioso em direção a um raio de sol. Toda a sua falta de ar e medo apressaram para
fora dela, e era como se ela pudesse sentir os pulmões de Tomek quando eles se
expandiram, contraídos.

Ela apertou os punhos com força. “Veja como…” Tomek soluçou. Então seus amigos
soluçaram. Foi divertido. No início. Eles pararam de cutucar Nina.

Eles se entreolharam e riram, o som quebrado por pequenos bufões assustados. Eles
continuaram soluçando.

"Dói", disse um deles, esfregando o peito. "Eu não posso parar", disse outro, dobrando o
dobro. Continuou assim, todos soluçando e gemendo durante a noite, como uma
assembléia de rãs descontentes.

Nina descobriu que podia fazer todo tipo de coisas. Ela poderia acalmar um bebê
chorando. Ela poderia aliviar sua própria dor de barriga. Ela poderia fazer o nariz de
Tomek escorrer e escorrer e escorrer até que toda a sua camisa estivesse molhada de
ranho. Às vezes ela tinha que se impedir de fazer algo muito terrível. Ela não queria ser
tirana também.

Apenas alguns meses depois, os examinadores de Grishas chegaram à casa dos


enjeitados e Nina foi levada para o Pequeno Palácio. "Tchau!" Ela gritou enquanto corria
pelos corredores, dizendo adeus. "Adeus! Escreva-me muitas cartas, por favor! E seja
legal”, avisou a Tomek.

REI DE CICATRIZES | 110


"Ela é uma criança feliz", Baba Inessa disse à mulher Grisha em seu kefta vermelho.
“Tente não tirar isso dela.”

Ninguém tem, Nina. Ninguém nunca vai.

Não tenho tanta certeza, Matthias. A guerra não tinha feito isso.

Cativeiro. Tortura. Mas a perda era algo diferente, porque ela não via fim, apenas o
horizonte distante, estendendo-se sem parar.

Nina conheceu o local assim que o viu-um bosque de árvores na margem do rio, um
lugar onde os viajantes podiam descansar e onde a água corria como se o rio estivesse
descansando também.

Aqui, ela disse a si mesma quando desmontou e desamarrou uma pá e pegou no trenó.
Aqui. Levou horas para cavar.

Adrik não podia ajudar com a tarefa, mas ele usou seu poder para evitar que o vento
rasgasse suas roupas e abrigasse a lanterna quando o céu começou a escurecer. Nina
não tinha certeza de quão profundo iria cavar, mas ela continuou até suar o casaco, até
que as mãos dela empolaram, e então até as bolhas se romperem.

Quando ela parou, ofegante, Adrik não esperou o sinal, mas começou a desamarrar a
lona do trenó. Nina se obrigou a ajudá-lo, forçou-se a afastar as caixas e equipamentos
que escondiam sua verdadeira carga.

Aqui. Matthias foi envolto em linho especialmente feito pelos Fabricadores no Pequeno
Palácio para preservá-lo da decadência, e reforçado pelo ofício de Leoni.

Nina pensou em puxar a roupa para o lado, de vislumbrar seu rosto querido mais uma
vez.

Mas ela não suportava a ideia de ver suas feições ainda e fria, sua pele cinzenta. Já era
ruim o suficiente que ela tivesse a lembrança do sangue dele em suas mãos para
sempre, a ferida sob as palmas das mãos, o coração dele ainda parado.

A morte deveria ser sua amiga e aliada, mas a morte o levará do mesmo jeito. Ela
poderia pelo menos tentar se lembrar dele como ele tinha sido.

Desajeitadamente, Nina e Adrik rolaram seu corpo da borda do carrinho. Era enorme e
pesado. Ele caiu no túmulo com um baque horrível.

Nina cobriu o rosto com as mãos. Ela nunca ficara mais agradecida pelo silêncio de
Adrik.

Deitado no poço do túmulo, o corpo de Matthias parecia uma crisálida, como se ele
estivesse no começo de algo, em vez do fim. Ele e Nina nunca trocaram presentes ou
anéis; eles não tinham posses que compartilhavam. Eles tinham sido errantes e
soldados. Mesmo assim, ela não podia deixá-lo sem nada. De seu bolso, ela pegou um
fino ramo de cinzas e deixou-o cair no túmulo, seguido por um punhado de pétalas
vermelhas murchas das tulipas que seus compatriotas colocaram em seu peito quando
se despediram em Ketterdam.

REI DE CICATRIZES | 111

"Eu sei que você nunca se importou com doces." Sua voz vacilou quando ela deixou um
punhado de doces cair de sua mão. Eles fizeram um barulho oco. “Mas dessa forma eu
estou com você e você pode guardá-los para mim quando eu vir você em seguida. Eu sei
que você não vai comê-los sozinho.”
Ela sabia o que vinha agora. Um punhado de terra. Outro. Eu amo você, ela disse a ele,
tentando não pensar no som sem graça do solo, como o estalar de estilhaços, como
rajadas súbitas de chuva. Eu te amei.

Seus olhos borrados das lágrimas. Ela não podia mais vê-lo. A terra subiu mais alto.
Haveria neve em breve, talvez até hoje à noite. Cobriria o trabalho dela, uma mortalha
funerária, branca e sem marcas. E quando a primavera chegasse, a neve derreteria e
encontraria seu caminho através do solo e levaria o espírito de Matthias para o rio, para
Djel. Ele estaria com seu deus no passado.

“Você vai levar o trenó de volta ao acampamento?” perguntou ela a Adrik.

Ainda havia coisas que ela precisava dizer, mas apenas para Matthias.

Adrik assentiu e olhou para o céu que escurecia.

"Só não demore muito. Uma tempestade está chegando.”

Bom, ela pensou. Deixe a neve chegar em breve. Deixe que isso cubra o nosso trabalho
aqui.

Nina se ajoelhou no chão frio, ouvindo os cascos do cavalo de Adrik desaparecerem. Ela
podia ouvir a pressa do rio, sentir a umidade da terra através da lã pesada de suas saias.

A água ouve e compreende. O gelo não perdoa. Palavras de fjerdanos. As palavras de


Djel.

"Matthias", ela sussurrou, em seguida, limpou a garganta e tentou novamente.

"Matthias", ela disse mais alto.

Ela queria que ele a ouvisse, precisava acreditar que ele podia. "Oh Santos, eu não
quero te deixar aqui. Eu não quero te deixar nunca”

Mas esse não era o elogio do herói que ele merecia. Ela poderia fazer isso por ele. Nina
respirou longa e trêmula.

“Matthias Helvar era um soldado e um herói. Ele me salvou do afogamento. Ele nos
manteve ambos vivos no gelo. Ele suportou um ano na pior prisão do mundo por um
crime que não cometeu. Ele me perdoou por traí-lo. Ele lutou ao meu lado, e quando ele
poderia ter me abandonado, ele deu as costas ao único país que ele conheceu em vez
disso. Por isso, ele foi marcado como um traidor. Mas ele não era. Ele acreditava que
seu país poderia ser mais do que tinha sido. Ele viveu com honra e morreu com isso
também.”

Sua voz quebrou e ela forçou a vacilação longe disso. Ela queria ser digna neste
momento. Ela queria dar isso a ele.

REI DE CICATRIZES | 112

“Ele nem sempre foi um bom homem, mas ele tinha um bom coração.

Um coração grande e forte que deveria ter continuado batendo por anos e anos.”

Pequeno pássaro vermelho, deixe-me ir. Ela enxugou as lágrimas dos olhos. Esta foi a
primeira metade de sua dívida paga.

Ela o trouxe para a terra que ele amava. Deveria haver algo para marcar este momento,
um sino para tocar, um coro para cantar para ele, algo para que ela soubesse que era
hora de dizer seu último adeus.
Mas você não terminou ainda, meu amor.

"Você e seu senso de dever", disse ela em um riso amargo. Os sussurros subiram dentro
de sua cabeça. Ela não queria ouvi-los agora, não aqui.

Ouça, Nina.

Ela não queria, mas sabia que não poderia mais se esconder deles - as vozes dos mortos,
chamando-a, descendo a montanha, atravessando a cidade, sobre o gelo. As vozes das
mulheres, das meninas, angústia em seus corações.

Algo aconteceu com eles naquele morro.

Ajude-nos, eles choraram. Nos ouça finalmente.

As palavras estavam claras agora, e elas estavam afogando a voz de Matthias.

Pare, ela disse a eles. Nos deixe em paz. Me deixe em paz.

Mas os mortos não cederam. Justiça, eles exigiram justiça. Isto não foi uma alucinação.
Não foi loucura também.

O refrão era real e eles a trouxeram aqui por um motivo. Nina esperava que sua missão
com Adrik e Leoni fosse o suficiente para começar a se curar. Não foi. Mas as garotas na
montanha não seriam negadas.

Justiça. Eles a trouxeram até aqui - e precisavam dela para ouvi-los, não o eco de um
amor que ela não podia suportar.

Nina colocou a mão em seu coração, em seguida, quando a dor dentro dela quebrou, o
gelo cedendo. Havia apenas água escura por baixo, a dor terrível de saber que ele
realmente havia desaparecido, o terrível entendimento de que ela nunca mais ouviria
sua voz.

Porque o refrão era real. Mas a voz de Matthias não era. Nunca foi.

"Você nunca esteve aqui", ela sussurrou, as lágrimas ficando duras agora. "Você nunca
esteve aqui."

Todo esse tempo, ela queria acreditar que ele ainda estava com ela, mas tinha sido sua
voz o tempo todo, falando-se através do silêncio, forçando-se a fazer o trabalho de viver
quando tudo que ela queria era deixar ir.

Adeus, Mathias.

Ninguém respondeu. Ela estava sozinha no silêncio.

REI DE CICATRIZES | 113

“NÓS PODEMOS CANCELAR,” disse Genya, caminhando perto do fogo.

"Não é tão tarde. Nós enviamos mensageiros e apenas dizemos às meninas e suas
famílias que houve uma mudança nos planos.”

Eles se reuniram na sala de guerra hoje de manhã, e Nikolai pediu café em vez de chá.
Ele desenvolveu um gosto por isso durante seus dias de universidade em Ketterdam.

No entanto, entre a exaustão e a dor de cabeça que o atormentava desde o incidente em


Balakirev na noite anterior, ele não teria se importado com algo mais forte em seu copo.

O incidente. Que generosa frase.

Tolya o havia preenchido em todos os detalhes sombrios de sua pequena exibição na


torre do sino. Ele quase assassinou uma de seus generais mais valiosos, um de seus
únicos amigos verdadeiros, a pessoa que o ajudou a dirigir este navio amaldiçoado de
um país por dois anos, que manteve seus segredos e em quem ele confiava para fazê-lo.
Sem dúvida. Ele quase matara Zoya.

"Nós diremos a eles que o rei não está bem-" continuou Genya.

“Já dissemos isso dá ultima vez", disse Tamar.

"Então, dizemos a eles que houve um surto de cólera ou um enorme vazamento de


esgoto", disse Tolya.

Tamar levantou as mãos.

“Então nossas escolhas parecem indecisas, fracas ou como se a capital estivesse


nadando em excrementos?”

Zoya ficou em silêncio durante a reunião até agora, pairando sobre o samovar de braços
cruzados. Mantendo a distância dela.

Ele sabia que precisava pedir desculpas a ela, mas pela primeira vez em sua vida
ridícula, ele estava completamente sem palavras. E antes que ele pudesse lutar com
esse fracasso em particular, havia o problema da festa que ele planejara tão habilmente
- a que o demônio dentro dele parecia disposto a estragar.

Nikolai tomou outro gole de café amargo, esperando que isso limpasse a cabeça.

"Acho que podemos ter um recurso que não tínhamos antes." Como se ela pudesse ler
seus pensamentos, o olhar de Zoya foi para o dele.

"Se você disser que quer o hediondo mastro de um monge, eu vou..."


REI DE CICATRIZES | 114

"Maravilhar-se com a minha ingenuidade? Plantar um beijo carinhoso na minha


bochecha? Coloque uma placa no meu gênio? ”

“Vou colocar uma placa na parede do palácio comemorando essa data como a manhã em
que Nikolai Lantsov abandonou seus sentidos. O menino é um lunático, um fanático. Ele
adora aos pés do homem que iniciou uma guerra civil e assassinou metade do Segundo
Exército”

“Ele adora um ideal. É algo de que todos nós somos culpados uma vez ou outra.”

Zoya se virou, mas não antes de ver a dor em seu rosto. Zoya Nazyalensky não recuou,
mas a dor fora inconfundível. Nikolai queria parar a reunião e só ... ele não sabia
exatamente o que, mas ele sabia que a resposta correta para quase matar alguém não
era tentar marcar pontos no dia seguinte.

“Então, por todos os meios”, disse Zoya, “Vamos receber um ex-membro do Sacerdote
na sala de guerra e colocar nosso futuro em suas mãos sujas.”

“Ela não é adorável quando concorda?” Nikolai perguntou, e saboreou a carranca de


Zoya. Era muito melhor do que ver aquele olhar severo e ferido e saber que ele tinha
causado isso. Mas um momento depois, ele estava se chutando enquanto Tolya escoltava
o monge para a sala de guerra e a expressão sombria de Zoya se transformou em
diversão.

"Sua Alteza", disse Yuri rigidamente. Ele era tão alto que teve que se abaixar entrando
na sala, e tão magro que parecia que podia virar de lado e se deixar levar por um vento.

“Eu fui avisado da sua língua superficial. Você fala em partir o pão, mas passei a noite
passada confinado no que equivale a uma cela... “

“A suíte Íris? Minha tia Ludmilla a decorou sozinha. Gostava excessivamente do puce
colorido, mas a célula parece um pouco generosa.”

“A cor está bem. São os guardas armados que ofendem minha sensibilidade. É assim que
você trata todos os seus convidados?”

“Tolya”, sussurrou Nikolai, “Acho que ele está chamando você de má companhia”

Ele se inclinou para trás e apoiou os cotovelos nos braços da cadeira.

“Yuri, você tem inimigos. Esses guardas estavam lá para sua proteção.

Yuri fungou.

“Meus seguidores não suportarão isso.”

E foi por isso que Nikolai mandou pão, bacalhau defumado e alguns kvas muito bons
para o povo acampado fora da cidade, mimos da coroa -

homens com barrigas cheias reclamavam menos.

Na verdade, Nikolai pretendia falar com Yuri ontem, mas os negócios da tarde levaram a
melhor sobre seu tempo. E, quanto à noite, bem, isso certamente o levou a melhor
também.

“Yuri, eu posso apresentar…”

“Não, você não pode. Desejo falar sobre o assunto do Sem Estrelas e…”
REI DE CICATRIZES | 115

Abruptamente, Yuri se endireitou. Seus olhos se arregalaram e sua mandíbula afrouxou


quando ele olhou ao redor da sala e pareceu finalmente registrar onde estava. Ele
apertou as mãos como um soprano prestes a cantar.

"Oh", o monge ofegou. “Oh. É você. É tudo de você. Eu…”

Ele se virou para os membros do Triunvirato e se curvou profundamente.

" Moi soverenyi, é uma honra." Ele se curvou pela segunda vez.

"Uma honra absoluta." Ele falou novamente. "Um sonho, na verdade."

Nikolai reprimiu um gemido. Apenas o que ele trouxe para si mesmo?

Zoya e Genya trocaram um olhar perplexo, e até David ergueu os olhos do trabalho por
tempo suficiente para franzir a testa em confusão.

"Pare com isso", disse Zoya. “Você parece uma torre de petróleo.”

“Comandante Zoya Nazyalensky,” Yuri disse em uma respiração estrangulada.

"Ontem ... eu não percebi. Pensei que você fosse apenas…”

“Um dos lacaios do rei?” Zoya ignorou os protestos de Yuri e disse: “Você percebe que
todos os membros deste Triunvirato lutaram contra o seu amado Santo sem estrelas na
guerra civil?”

“Sim, sim, claro.” O monge empurrou os óculos de armação de metal para a ponte do
nariz comprido. "Eu sei. Mas, bem, David Kostyk, o grande Fabricador que forjou o
primeiro amplificador usado pela própria Sankta Alina.”

David olhou para ele sem expressão e voltou a ler.

"Zoya Nazyalensky, que era uma dos soldados mais favorecidos do Darkling."

O lábio de Zoya se curvou.

“E então, claro, Genya Safin, a Primeira Alfaiate, que carrega as marcas da bênção do
Darkling.” Genya se encolheu.

"Bênção?"

"Eu imploro seu perdão", disse Zoya, já levantando as mãos ou para convocar uma
tempestade ou torcer o pescoço de Yuri.

Tamar alcançou seus machados.

Tolya realmente rosnou.

Nikolai bateu os dedos contra a mesa.

"É o bastante. Todos, chega. Yuri, você está invadindo um território que você não pode
começar a entender.”

Apesar de sua altura, o monge parecia pouco mais do que uma criança desajeitada que
havia quebrado o vaso favorito de sua mãe.

“Eu… Perdoe-me. Eu não quis ofender”

REI DE CICATRIZES | 116


Lentamente, Genya se levantou e o silêncio caiu ao redor dela.

“Quantos anos você tem, Yuri?”

“Dezoito anos, moi soverenyi.”

“Quando eu era um ano mais velha que você, o Darkling colocou seus monstros em mim,
criaturas nascidas do poder que você tanto venera. Eles tinham um gosto pela carne
humana. Ele teve que forçá-los a parar.”

“Então ele não foi tão cruel …”

Genya ergueu a mão e Nikolai ficou contente ao ver Yuri fechar a boca.

“O Darkling não queria que eu morresse. Ele queria que eu vivesse...assim.”

“Ele gostava de enganar” disse Nikolai em voz baixa “Para deixar um soldado assim
sobreviver.”

Genya assentiu com a menor convicção.

"Pense duas vezes antes de usar a palavra bênção, monge."

Ela se sentou e cruzou as mãos.

“Prossiga.”

“Só um momento,” David disse, colocando um dedo na página para marcar seu lugar em
seu livro.

"Qual era o seu nome?"

"Yuri Vedenen, moi soverenyi."

"Yuri Vedenen, se você perturbar minha esposa novamente, eu vou te matar onde você
está." O monge engoliu em seco.

"Sim, moi soverenyi."

"Oh, David", disse Genya, pegando sua mão. "Você nunca ameaçou assassinar alguém
por mim antes."

"Não?", Ele murmurou distraidamente, colocou um beijo em seus dedos, e continuou


lendo.

"Eu estou ... Perdoe-me, estou distraído."

Yuri se sentou, em seguida, levantou-se novamente, como se não pudesse se conter.


"Pensar que estou em quartos construídos pelo próprio Sem Estrelas."

Ele tocou os dedos nas costuras pretas que marcavam a Dobra das Sombras no mapa.

“É ... é glorioso demais contemplar. Isso é couro de vaca?”

“Rena, eu acredito”, disse Nikolai.

"Notável!"

"Espere", disse Zoya, olhos azuis.

“Você disse o próprio Sem Estrelas. Não seus ancestrais.”

Yuri saiu do mapa com um sorriso de satisfação nos lábios.


REI DE CICATRIZES | 117

"Sim eu disse. Eu sei que havia apenas um Darkling, um homem de grande poder que
falsificou sua morte muitas vezes. Uma precaução contra mentes pequenas que
poderiam ter temido seu poder extraordinário e sua longa vida.”

“E como você chegou a essa teoria?”

perguntou Nikolai. Yuri piscou.

“Não é uma teoria. Eu sei. O Darkling revelou tanto para mim em uma visão.”

As sobrancelhas de Zoya se levantaram, e Nikolai teve que lutar contra o desejo de


revirar os olhos. Em vez disso, ele segurou os dedos e disse: "Entendo.”

Mas o sorriso de Yuri se aprofundou.

"Eu sei que você me acha louco, mas já vi milagres."

E foi exatamente por isso que Nikolai o trouxe aqui. “Você disse alguma coisa no outro
dia, que a Era dos Santos estava sobre nós. O que você quis dizer?”

“De que outra forma você explica todos os milagres que acontecem em Ravka?”

“Então começou,” resmungou Zoya.

"Nós ouvimos as histórias", disse Nikolai suavemente. “Mas há explicações racionais


para essas ocorrências. Vivemos em tempos difíceis, e as pessoas são obrigadas a
procurar milagres.”

Para surpresa de Nikolai, o jovem monge sentou-se à mesa e se inclinou sobre ele, sua
expressão séria.

“Sua Alteza, sei que você não é um homem de fé. Mas as pessoas acreditam que esses
acontecimentos não são apenas fenômenos em busca de explicação. Eles acreditam que
são obra dos santos.”

“Eles são obra de Grishas”, disse Zoya.

“Possivelmente o Shu. Possivelmente seu querido amigo, o Apparat.”

“Ah” disse Yuri. “Mas algumas pessoas acreditam que todos os antigos milagres foram
obra de Grishas.”

“Então chame isso de pequena ciência e dispense toda essa superstição.”

“Isso tornaria mais fácil aceitar o divino?” Yuri perguntou, seus óculos brilhando. “Se eu
chamo esses trabalhos de 'fazer no coração do mundo', isso ajudaria? Eu também
estudei a teoria Grisha.”

Os olhos de Zoya eram duros como pedras preciosas. "Eu não estou aqui para debater
teologia com um cabo de esfregão."

Yuri sentou-se, sua expressão beatífica.

“Os santos estão voltando para Ravka. E o Sem Estrelas estará entre eles. “

REI DE CICATRIZES | 118


“O Darkling está morto” disse Genya, e Nikolai não perdeu as juntas brancas das mãos
entrelaçadas dela. "Eu vi seu corpo queimar."

Yuri lançou um olhar nervoso para David e disse: "Há alguns que acreditam que o
Darkling não morreu na Dobra e está simplesmente aguardando sua chance de voltar."

"Eu estava lá também, monge, Disse Zoya. "Eu o vi queimar em cinzas sobre uma pira
funerária alimentada pela chama Infernal"

O monge fechou os olhos brevemente, aflito. "Sim. Claro. Esse foi seu martírio e seu
corpo foi destruído. Mas o poder do Darkling era extraordinário, antigo. Pode ter
sumido, ou ainda pode viver no mundo e seu espírito com ele.”

Zoya pressionou os lábios, cruzando os braços com força contra o corpo, como se
quisesse manter afastado o frio. Nikolai não gostou do que estava ouvindo. Um
fragmento desse poder antigo ainda reside dentro de seu próprio corpo - e se a noite
passada era alguma indicação de que estava crescendo mais forte a cada dia.?

"Você acha que todos esses incidentes separados, esses supostos milagres, estão
relacionados com o Darkling?" Perguntou ele.

"Não!", Exclamou o monge. Ele se inclinou ainda mais para frente. Em um momento, seu
queixo ia fazer contato com a mesa. "Eu sei que eles são."

Ele se levantou e gesticulou para o mapa atrás deles. "Se eu puder?"

Ele olhou em volta, correndo para a direita e para a esquerda, túnicas batendo como as
asas de um pássaro enlouquecido.

"É assim que os acólitos do Darkling se parecem?" Sussurrou Zoya. "Se tivéssemos
deixado um corpo, ele estaria se revirando no túmulo."

"Ah!", Disse Yuri, encontrando as pequenas bandeiras de tecido que poderiam ser
pregadas nas peles. Os mapas estavam cheios de pequenos buracos onde ex-líderes
haviam planejado campanhas militares.

“O terremoto em Ryevost, a estátua em Tsemna, o teto de mirra em Arkesk, as paredes


sangrentas em Udova, as rosas em Adena.”

Um após o outro ele listou os supostos milagres enquanto colocava alfinetes no mapa.
Então ele se afastou.

"Eles começaram aqui, ao longo das costas, montanhas e fronteiras, mas, dia após dia,
as ocorrências se tornaram mais frequentes e se aproximaram de..."

“A dobra” disse Nikolai.

O padrão era claro, uma explosão radiante de estrelas com seu coração morto no Não-
Mar.

"Santos", respirou Zoya. "É onde ..." Genya começou.

"Sim", disse Nikolai, embora não se lembrasse muito da batalha final.

Ele já estava infectado com o monstro, lutando com ele pelo controle de sua consciência.
E ganhando com muito mais freqüência do que ele era agora.

Ele estava lúcido em longos lampejos, mesmo em seu estado transformado, e procurou
ajuda de Alina. Ele até tentou ajudar suas forças REI DE CICATRIZES | 119

naquele último confronto. Os locais milagrosos estavam se aproximando do mesmo


ponto central, o lugar onde a Dobra fora outrora, onde o Darkling fizera sua última
resistência - onde enfrentara Alina Starkov e morrera por sua mão.

Vitória. Pelo menos era assim que se parecia na época - um país unido, a possibilidade
de paz, e Nikolai de repente e rapidamente expurgou o demônio que lutará contra ele
pelo controle. Ele acreditava que a escuridão dentro dele havia sido vencida no
momento da morte do Darkling. Ele acreditava que a guerra acabara. E, no entanto, o
monstro se levantara para segurá-lo novamente.

O demônio sempre esteve lá, incomodando seus sonhos, seu companheiro constante,
aguardando seu momento? Ou algo tinha despertado isso?

Nikolai olhou para os alfinetes espalhados pelo mapa. Houve um padrão, ou foi Yuri
vendo o que ele queria? E esse zelote aparentemente inocente estava fazendo um jogo
mais profundo?

"Perdoe-me, Yuri", disse Nikolai. “Mas seu objetivo é ter o Darkling reconhecido como
um santo pela igreja ravkana. Você tem todos os motivos para tentar ligar essas
ocorrências ao Sem Estrelas.”

“ Não tenho motivos para mentir” - disse Yuri. “Há apenas alguns dias apareceu um
cartaz na Dobra, um lago de rocha negra, um sol em eclipse.”

Zoya soltou um suspiro exasperado. “Ou uma anomalia geológica.’

Yuri enfiou o dedo ossudo no mapa. “Isto não é apenas onde o Sem Estrelas passou
desta vida. É um lugar de poder antigo, o lugar onde o Darkling primeiro rompeu o
mundo e criou a Dobra.”

“Você não pode saber disso ”, disse Zoya com um aceno desdenhoso.

“Foi o assunto dos meus estudos no Sacerdote. Está tudo nos textos.”

“Quais textos? ”Ela perguntou, e Nikolai se perguntou se ela estava deliberadamente


tentando atrair o monge.

“O Livro de Alyosha. Os Salmos Sikurianos. Você pode ver isso ilustrado nos Istorii
Sankt'ya.”

“Um livro infantil?”

“Era um local sagrado ”, insistiu Yuri. "O lugar onde Sankta Feliks foi perfurado pelos
galhos de maçã, um lugar antigo de cura e poder glorioso onde os homens vieram a ser
purificados."

Nikolai endireitou-se. "Purificado do que exatamente?" Yuri abriu a boca, fechou-a.

"Eu falei mal …”

"Não, ele não", disse Tolya. “Ele está falando sobre o obisbaya. Mão é monge? ”

“Eu… eu… ”

REI DE CICATRIZES | 120

“Eu odeio admitir minha ignorância ”, disse Nikolai. "É muito mais divertido para as
pessoas descobrirem por conta própria. Mas o que exatamente é o obis ... acidentado?”

“Não faço ideia” disse Zoya.

Genya encolheu os ombros e até David sacudiu a cabeça. Para surpresa de Nikolai, foi
Tamar quem falou.

"O obisbaya", disse ela. “O Ritual do Espinho Ardente. Você sabe como o Sacerdote foi
criado pela primeira vez?”

“Essas são histórias infantis, ”disse Zoya com desdém.

"Possivelmente", admitiu Tolya.

"Conte-me uma história, então", disse Nikolai.

Tamar cruzou os braços. "Por que você não faz as honras, monge?"

Yuri hesitou, então disse: "Começa com o primeiro rei Lantsov, Yaromir o Determinado.”

Ele fechou os olhos, sua voz assumindo uma cadência mais confiante e uniforme.

“Antes dele, o território que se tornaria Ravka era pouco mais que uma coleção de
províncias em guerra lideradas por reis briguentos. Ele subjugou-os e reuniu-os sob sua
bandeira de águia dupla. Mas as invasões de Fjerda para o norte e para o sul de Shu
Han foram implacáveis e colocaram o jovem reino em constante estado de guerra”

“Parece familiar.” Nikolai conhecia essa história em suas próprias salas de aula de
infância. Ele sempre achou desanimador que Ravka estivesse em guerra desde o seu
nascimento.

“Não havia segundo exército então”, continuou Yuri. “Os soldados de Ravka lutaram e
morreram como os outros homens. Mas, como diz a lenda, Yaromir construiu um altar
no topo de uma colina em Os Alta …”

“O local da primeira capela real” disse Tolya. Yuri assentiu.

“O jovem rei orou a todos os santos que o ouviram e, no dia seguinte, um grupo de
monges chegou à sua porta e se ofereceu para lutar ao seu lado.

Eles não eram monges comuns. Quando eles entravam na batalha, podiam assumir as
formas das feras. Eles lutaram não como homens, mas como todos os tipos de criaturas -
lobo, dragão, falcão, urso. O rei ouvira histórias desses monges, mas mal acreditava que
eram verdadeiros até ver esses milagres para si mesmo.”

“Sempre com os milagres”- resmungou Zoya.

“Sim,” disse Yuri, abrindo os olhos, fervendo neles como uma marca.

"Sempre. Os monges concordaram em lutar pelo rei. Eles não pediam nem ouro nem
terra, mas apenas que um deles permaneceria sempre do lado do rei, para que Ravka
fosse para sempre dedicado à adoração dos santos. Os monges mergulharam na batalha
e mandaram os inimigos de Ravka se dispersarem, empurrando-os para trás e formando
as fronteiras que permaneceriam, mais ou menos, por milhares de anos.”

REI DE CICATRIZES | 121

A voz de Yuri se elevou, contando a história, toda a hesitação se foi.

“Mas a batalha durou tanto que, quando acabou, era hora de eles retornarem às suas
formas humanas, eles não podiam. Seu líder os levou ao local de um antigo bosque de
espinhos, e lá eles suportaram um ritual perigoso: o obisbaya. Aqueles que
sobreviveram se tornaram homens mais uma vez e seu líder tomou o seu lugar ao lado
de Yaromir. Eventualmente, o padre que ocupava o cargo mais próximo do rei recebeu o
título de Apparat, e os soldados sagrados que o cercavam se tornaram o Sacerdote.”
“Algumas pessoas afirmam que o primeiro Sacerdote foi Grisha ”, disse Tolya.

Tamar tocou os dedos no dente do tubarão no pescoço dela. “Nessa versão, os animais
que eles se tornaram eram os primeiros amplificadores.

Seus espíritos fizeram os monges com poderes mais fortes.”

Nikolai estudou Yuri. A história era estranha, sem dúvida, e provavelmente mais ficção
do que fato. Mesmo assim …

“Um ritual para purgar a besta do homem. O que exatamente isso implicou?”

Yuri empurrou os óculos para cima do nariz, o erudito confiante desaparecendo com um
único gesto.

"Não tenho certeza. Havia… textos conflitantes.”

“Você não é realmente um incendiário,você é, Yuri?”

Um sorriso tocou os lábios do monge.

“Suponho que não.”

“E, no entanto, acabou em meus portões, chamando-me de traidor e ladrão”.

Yuri, pelo menos, tinha a decência de se contorcer.

“O que te trouxe lá?”

“Os Santos. Eu acredito nisso.”

Nikolai teve suas dúvidas.

"Conte-me sobre esse ritual."

"Por quê?" Yuri perguntou, franzindo a testa.

"Eu sou um rei. Eu anseio por entretenimento. O monge puxou sua barba desgrenhada.
"Eu não sei os detalhes. Há relatos conflitantes nos textos, e eu não ... eu não sou mais
permitido..."

“Eles são textos religiosos, não são?”

Nikolai disse. “Da biblioteca dos Sacerdotes. Você não tem mais acesso.”

“Não.” A dor em sua voz era palpável.

Nikolai pensou ter entendido. Houve um tempo em que as palavras tinham sido o único
lugar em que ele poderia encontrar consolo. Nenhum livro perdeu a paciência com ele
ou lhe disse para ficar quieto. Quando seus REI DE CICATRIZES | 122

professores haviam levantado as mãos frustrados, era a biblioteca que ensinara história
militar, estratégia, química e astronomia de Nikolai.

Cada espinha tinha sido uma porta aberta sussurrando, Entre, entre.

Aqui está uma terra que você nunca viu antes. Aqui é um lugar para se esconder quando
você está com medo, para jogar quando está entediado, para descansar quando o mundo
parece indelicado.

Yuri sabia desse consolo. Ele já foi um estudioso. Talvez ele gostaria de ser um
novamente. Nikolai se levantou.
“Obrigado, Yuri. Você tem sido muito útil.”

O monge se levantou devagar. "Eu fui? Então você emprestará seu nome ao nosso
pedido, Alteza? O Apparat não pode ignorar a voz do rei. Se você pedir a ele para…”

“Vou pensar nisso, Yuri. Você fez um argumento interessante. Por enquanto, eu quero
ver você sendo escoltado de volta para seus quartos.”

“Então eu ainda sou um prisioneiro?”

“Você é um convidado bem-vindo, com quem eu não quero ter que ir muito longe. E
talvez eu possa te dar acesso a alguns materiais de leitura.” Yuri fez uma pausa, como se
não estivesse certo de ter ouvido corretamente.

"Meus... livros?"

“Talvez.”

“Isso seria ... Não, eu devo retornar aos meus companheiros de adoração fora da cidade.
Você não pode manter…”

“E você vai. Mas devemos pedir que você aproveite nossa hospitalidade por mais algum
tempo. Enquanto consideramos os méritos do seu caso.”

O queixo de Yuri se ergueu. “Para o Sem Estrelas, posso esperar uma eternidade. Mas
não jogue comigo, Alteza. Eu não vim à capital para vagabundear”

“Sexo, sim; drogas, não ”, disse Nikolai. “Desisti na minha juventude.”

Zoya revirou os olhos e Tolya arrastou Yuri porta afora e aos cuidados de dois guardas
do palácio.

Quando Yuri se foi, Nikolai levantou-se para olhar mais de perto os alfinetes no mapa.
Depois da partida do monge, o silêncio na sala parecia pesado, como se outra presença
tivesse entrado na câmara, algo velho e sem nome.

"O menino está louco", disse Zoya.

"Ele é um crente", disse Tolya. "Essas não são a mesma coisa."

"E eu prefiro um verdadeiro crente do que um homem como o Apparat", acrescentou


Genya.

"Como você pode dizer isso?", Disse Zoya. Ele adora um tirano, um assassino, o homem
que te torturou”

REI DE CICATRIZES | 123

Genya suspirou. “Podemos culpá-lo por ser atraído pela força do Darkling? Todos nós
éramos.”

“Nós não sabíamos o que ele era”

“Não sabiamos?” Genya ajustou seu tapa-olho. “Yuri é um garoto assustado à procura de
algo maior que ele para dar significado à sua vida. Há pessoas como ele em toda
Ravka.”

“Isso é o que me preocupa.” Tolya sentou-se ao lado de sua irmã, e Nikolai captou o
olhar que passou entre eles. Este não era o momento de começar a guardar segredos.
"O que foi?"

Tolya ergueu seus grandes ombros. “Pode haver algo na história de Yuri. O Sacerdote
não era sempre apenas lacaio para o Apparat. Eles eram guerreiros sagrados que
também serviam à coroa. Quando eu era mais jovem, eu não queria nada além de me
juntar a eles.”

“O que aconteceu?” Nikolai perguntou.

Ele não ficou surpreso exatamente. Tanto Tolya quanto Tamar haviam sido criados na
igreja, e ele estava bem ciente de que, se Alina Starkov não tivesse dado sua bênção a
Nikolai como rei, os gêmeos nunca teriam se comprometido como seus guardas.

"Eles não me deixavam participar", disse Tamar. "Nenhuma mulher é permitida."

Tolya assentiu. "Eu tive que questionar uma ordem sagrada que alegava querer
guerreiros, mas negaria uma lutadora como Tamar."

Tamar descansou as mãos em seus machados. “Os santos tinham um plano diferente
para nós.”

“Ah”, disse Nikolai. “Mas o que os santos planejaram agora?

Zoya, quando me livrei da propriedade de Duke Radimov em Ivets, você me encontrou


onde?”

“Uma fazenda de ganso na estrada para Varena.”

Nikolai tocou o dedo no mapa. “Um caminho do nordeste. Mas toda vez que eu me solto
do palácio, eu me dirijo para o noroeste. Cada vez que eu tomei o mesmo caminho, fui
um pouco mais longe. E se a criatura estiver tentando chegar àquele ponto na Dobra? E
se quiser estar livre de mim tanto quanto eu quero me livrar disso?”

“E se esses supostos milagres são um plano para atraí-lo do palácio?”

Disse Zoya. “Para a dobra? Por quê? Zoya levantou as mãos. "Eu não sei."

"Os 'milagres' começaram quando o demônio acordou dentro de mim.

Pode estar ligado ao poder do Darkling ou Yuri pode estar falando bobagem, mas esse
padrão é real. Algo está acontecendo e está ligado a esse ponto na Dobra das Sombras.”

“Não é seguro deixar o palácio…” protestou Zoya.

“Não há lugares seguros. Não mais” Ele provou isso a si mesmo na noite passada.

REI DE CICATRIZES | 124

“Genya vai misturar para mim, um tônico mais forte. David forjará correntes mais
grossas. Eu estou indo em peregrinação”

“Para alguma madeira espinhosa mística?” Disse Zoya. “Mesmo que existisse, a Dobra
destruiu tudo em seu caminho. Não há mais nada lá.”

Tolya falou uma longa seqüência de palavras, apenas algumas das quais Nikolai podia
identificar. Então ele disse: “A fé perdida é a raiz de uma madeira esquecida, esperando
para prosperar mais uma vez.”

Zoya estreitou os olhos. "Não concordamos com poesia durante as reuniões."

"É Ravkano liturgical ", Tolya se opôs. "É do Livro de Alyosha, que você saberia se já foi
alguma vez à igreja."

"É uma maravilha que eu tenha sobrevivido tanto tempo sem esse conhecimento."
"Tolya", interrompeu Nikolai. "Vou precisar de você para encontrar qualquer texto que
você puder no obisbaya e qualquer coisa ligada a ele. Eu não quero que Yuri seja o único
acadêmico em quem eu possa confiar.”

"Eu não sou um estudioso ", protestou Tolya.

"Você pode ter sido em outra vida", disse Nikolai.

"O que quer dizer com o único acadêmico?", disse Zoya. "Você não pode estar querendo
viajar com o monge.”

Genya se mexeu em seu assento.

"Parece que você está dando apoio ao Culto do Sem Estrelas. Não gosto da mensagem
que envia.”

"Vamos garantir que Yuri esteja disfarçado e não pretendo seguir diretamente para a
dobra", disse Nikolai. “Pode haver algo que possamos aprender nos outros locais de
milagres, e visitá-los me dará a oportunidade de caminhar entre meus súditos antes de
escolher uma noiva. Temos exércitos concentrados nas duas fronteiras, novos
pretendentes de Lantsov surgindo para reivindicar o trono. Nossos cofres estão vazios e
nossos aliados são poucos. Não posso me dar ao luxo de perder o apoio das pessoas
comuns.

Vamos resolver nos próximos dias.”

“E se tudo isso não levar a nada?” Perguntou Genya. “E se o Darkling te deixou com
essa maldição e não há respostas a serem encontradas?”

Zoya pousou os dedos na mesa. “E se Yuri descobrir a verdade sobre o monstro?”

“Então rezamos para que eu possa silenciá-lo e manter esse segredo por tempo
suficiente para garantir o futuro de Ravka. Mesmo sem um herdeiro, pode haver uma
maneira de manter o trono seguro e garantir que o país não fique vulnerável.”

“E o que exatamente é isso?”, perguntou Zoya.

"Tem certeza de que não quer tentar confiar em mim, Zoya? É

positivamente inebriante.”

REI DE CICATRIZES | 125

A ideia até ele na semana anterior, quando chegaram do conde Kirigin e haviam sido
recebidos por Trukhin e Isaak.

Zoya franziu os lábios. "Eu não gosto de nada disso. Há muito espaço para o desastre.”

Nikolai sabia disso. Eles estavam ficando sem tempo, e esta jornada para a Dobra cheira
a desespero. Ele não podia negar o medo que se agarrava a ele, a dúvida que semeava
em seu coração. E se sua mente se desvendasse a sua vontade com isso?

E se ele atacasse um de seus amigos novamente e não houvesse ninguém lá para detê-
lo? Que dano ele pode desencadear nas pessoas que ele amava? No mundo?

Nikolai não podia negar esses medos, mas ele se recusou a ceder a eles. Ele não apenas
entregaria ao monstro uma vitória.

Ele se virou para as pessoas reunidas diante dele - seus conselheiros, seus soldados, sua
família. Ele precisava que eles acreditassem, se não nos contos de Yuri, então no próprio
Nikolai, a pessoa que ele tinha sido antes do Darkling e da guerra.
Ele endireitou as lapelas do casaco de veludo e piscou.

"Não é emocionante se nada der errado." Ele sentiu o monstro recuar.

Ação. Decisão. Em momentos como esses, ele se sentia quase como o seu antigo eu. Se
essa coisa queria reivindicar sua alma, Nikolai pretendia dar uma luta muito boa - e essa
batalha começou aqui, agora, com uma recusa em abandonar qualquer parte de seu
espírito ao terror que tenta arrastá-lo para a escuridão.

Faria o que sempre fizera: atacaria e rezaria para que a esperança estivesse à espera
como as raízes da madeira de espinhos - apenas fora da vista.

REI DE CICATRIZES | 126

O CREPÚSCULO SURGIA no momento em que ela se pôs de pé. O

céu parecia mais cinzento do que púrpura, ferido como uma contusão profunda, e o ar
parecia úmido contra suas bochechas. A neve começara a cair em leve deriva. Não ficou
gentil por muito tempo.

Nina nunca tinha visto uma tempestade tão rápida. O vento soprou forte e a neve turvou
o mundo inteiro de branco. Gruzeburya. Até mesmo os Ravkanos tinham um nome para
esse vento. O Bruto. Não pelo frio que trazia, mas pelo jeito que cegava como um
bandido em uma luta suja. Nina estava dividida entre tentar seguir o som do rio de volta
ao acampamento e ter medo de que ela pudesse se aproximar demais das margens e
cair.

Ela se arrastou, apertando os olhos contra o branco. Em um determinado momento, ela


pensou ter ouvido a voz de Adrik chamando-a, vislumbrando a bandeira amarela
brilhante que eles haviam levantado acima da tenda, mas um momento depois ela
sumiu.

Estúpida, estúpida, estúpida. Ela não tinha sido feita para esses lugares. Nina não
sobreviveria a uma noite sem abrigo neste clima. Ela não teve escolha senão continuar.

Então, como um milagre, o vento aumentou, as cortinas de neve pareciam se separar e


ela viu uma forma escura à distância. O campo.

“Adrik!” Ela chorou. Mas, quando se aproximou, não viu nenhuma bandeira, nenhuma
tenda, apenas os corpos oscilantes de um bosque de árvores - e na neve diante deles,
um pequeno recuo. Ela andou em círculo. Ela havia retornado ao túmulo de Matthias.

"Muito bem, Zenik", ela suspirou. Ela tinha apenas dezoito anos de idade, então por que
ela se sentia tão cansada? Por que tudo atrás dela parecia brilhante e tudo antes dela
parecer desolado? Talvez ela não tivesse vindo aqui para enterrar Matthias e reivindicar

seu novo propósito. Talvez ela tivesse vindo aqui para o gelo, para este lugar frio e
implacável, para morrer.

Não haveria santos para cumprimentá-la em uma praia mais brilhante. Grishas não
acreditavam em vida após a morte. Quando eles morreram, eles voltaram para fazer o
coração do mundo. Foi um pensamento que lhe trouxe pouco conforto.

Nina voltou para o acampamento. Não havia nada para isso, a não ser começar a
marchar de novo. Mas antes que ela pudesse dar um passo, ela os viu - cinco formas
volumosas na neve. Lobos.

"Claro", disse ela. "Matthias, seu país pode beijar minha bunda gorda Grisha."

REI DE CICATRIZES | 127

Os lobos rondaram em torno dela em um círculo, cercando-a, cortando qualquer rota de


fuga. Baixos grunhidos retumbaram de seus peitos.

Os lobos eram sagrados para os drüskelle. Talvez eles tivessem percebido a presença de
Matthias. Ou talvez eles sentissem Nina, uma Grisha, uma inimiga. Ou talvez eles
sentissem uma boa refeição suculenta.

"Apenas vá", disse ela em Fjerdano. "Eu não quero te machucar." Eu não quero morrer.

Matthias foi forçado a lutar contra lobos durante o seu ano no Hellgate. Djel tinha um
estranho senso de humor. Nina flexionou os dedos, sentiu os punhais de osso prontos
para serem chamados. Eles trabalhariam tão bem em um animal quanto um ser humano.
Ela tirou a capa, sentindo o frio morder, mas liberando a armadura de ossos nas costas.
Ela era uma santa cercada por suas relíquias.

Dois lobos saltaram. As mãos de Nina dispararam e os fragmentos de osso voaram,


perfurando os corpos dos animais em dois golpes limpos e duros.

Os lobos gritaram e aterrissaram na neve, imóveis. O som partiu seu coração.

Pelo menos eram mortes limpas. No final, talvez isso fosse tudo que alguém poderia
esperar.

Mas os outros já estavam se aproximando. Havia algo estranho na maneira como eles se
moviam. Seus olhos brilhavam quase laranja e eles se curvaram e se contorceram como
se animados por algo mais que fome. O que estava errado com eles? Não houve tempo
para pensar.

Eles se lançaram. Nina deu um fora. Desta vez, seu objetivo era menos certo. Um lobo
caiu, mas o outro atacou, pousando nela com um peso que a fez cair na neve. Suas
mandíbulas se fecharam sobre o antebraço, a dor atravessando-a. O lobo fedia a algo
estranho. Ela gritou. Nina ouviu um grunhido alto e soube que estava prestes a morrer.
Todas aquelas palavras bonitas para Matthias. Quem vai falar por mim?

Então, em um borrão, algo se esmagou no corpo do lobo, libertando-a de seu peso. Nina
rolou, segurando o braço sangrando contra o peito, ofegando por ar.

Ela mergulhou o braço na neve, tentando limpar a ferida. O corpo dela começou a
tremer. Era como se a mordida do lobo tivesse carregado veneno.

Nina sentiu uma onda de parar o coração passar por ela. Ela via a morte ao redor - o
corpo de Matthias no chão abaixo, um cemitério ao norte, um surto de peste adiante, a
entropia da terra, a decadência em tudo.

O coro gritou dentro de sua cabeça. Ela pressionou a neve em suas bochechas,
tremendo, tentando clarear seus pensamentos, mas quando ela abriu os olhos, ela se
perguntou se o veneno havia fraturado sua mente. Dois lobos lutavam na neve - um
cinza, o outro branco e muito maior. Eles rolaram, e o lobo branco apertou as
mandíbulas sobre a garganta do cinza, mas não mordeu. Por fim, o cinza caiu e
choramingou. O lobo branco soltou-se e o lobo menor recuou, fugindo, a cauda entre as
patas.

O lobo branco se virou para Nina, com sangue no focinho. O animal era enorme e
esguio, mas não girava nem tremia como os cinzentos faziam.

Algo estava infectando-os, algo que havia entrado na corrente sanguínea de REI DE
CICATRIZES | 128

Nina, mas essa criatura se movia com a graça natural e infalível das coisas selvagens.

O lobo branco se aproximou dela. Nina se ajoelhou, estendendo as mãos para afastá-lo,
alcançando outro fragmento de osso com seu poder.

Então ela viu a cicatriz que correu ao longo de seu olho amarelo.

"Trassel?" As orelhas do lobo se contorceram.

O Lobo de Mathias? Não poderia ser. Ele uma vez disse a ela que quando um drüskelle
morreu, seus irmãos deram seu isenulf de volta à vida selvagem. Trassel veio encontrar
o garoto que ele amava, se unir a ele mesmo na morte?

"Trassel", ela disse gentilmente. O lobo inclinou a cabeça grande para o lado. Nina ouviu
as batidas dos cascos. Antes que ela pudesse entender o que estava acontecendo, uma
garota entrou na clareira.

“Volte!” Ela gritou, galopando seu cavalo entre Nina e o lobo branco.

Nina levou um momento para entender o que estava vendo - a garota alta do convento.

Desta vez ela usava calças de couro e peles, e o cabelo castanho-avermelhado dos
cabelos caía pelas costas, afastado do rosto por duas longas tranças.

Ela parecia uma rainha guerreira - uma sílfide do gelo direto da lenda de Fjerda.

Ela levantou o rifle. Trassel recuou, rosnando.

"Não!" Nina gritou. Ela jogou um pedaço de osso na garota, batendo no ombro dela.

O tiro do rifle foi largo.

"Corra!" Nina gritou para Trassel em Fjerdano. O lobo cerrou suas mandíbulas como se
estivesse em discussão. “Djel commenden!” Nina gritou.

Palavras Drüskelle. Trassel bufou uma vez, depois virou-se e correu para a tempestade,
dando-lhe um último olhar traído, como se não conseguisse acreditar que ela lhe pedisse
para abandonar uma briga.

"O que você está fazendo?" A garota alta exigiu, arrancando o dardo de osso de seu
ombro e jogando-o na neve.

Nina uivou sua raiva. O lobo de Matthias, seu encrenqueiro, seu Trassel de alguma
forma encontrou o caminho para ela, e esse amontoado desordenado o afastou. Ela
agarrou a perna da menina e puxou-a da sela.

"Hey!" A garota tentou empurrar Nina para longe, claramente surpresa com sua força.
Mas Nina foi treinada como soldado. Ela pode não ser construída como uma guerreira
fjerdana, mas ela era muito forte.

"Você o assustou!"

REI DE CICATRIZES | 129

"Isso era um lobo", a menina gritou de volta em seu rosto. “Você sabe disso, certo? Ele
já te mordeu uma vez. Só porque ele segue alguns dos seus comandos …”


“Ele não me mordeu, sua idiota. Foi o outro lobo!”

“O outro… você está fora de si? E como você conhece os comandos dos drüskelle?”

Nina encontrou lágrimas quentes escorrendo por suas bochechas. Ela pode nunca mais
ver Trassel novamente. E se Matthias o tivesse enviado para ela? Chamou ele aqui para
ajudá-la?

"Você não tinha o direito!"

"Eu não queria ..."

"Não importa o que você queria!"

Nina se aproximou dela.

“Indiferente, tola, impensada.” Ela não sabia se estava falando com essa garota ou a si
mesma e não se importava. Foi tudo demais. Ela empurrou a outra garota com força,
varreu a perna atrás do tornozelo.

"Pare com isso!" Rosnou a menina quando ela caiu. Mas Nina não pôde parar. Ela queria
ser atingida. Ela queria bater de volta. Ela agarrou a garota pelo colarinho.

Nina grunhiu quando a dor repentina tomou seu peito. Parecia um punho em volta do
coração dela. A garota levantou as mãos, algo entre terror e exultação em seus olhos de
cobre. Nina sentiu seu corpo ficar pesado; sua visão turva. Ela conhecia esse sentimento
de seu treinamento como Corporalnik.

A outra garota estava desacelerando o batimento cardíaco de Nina.

"Grisha", Nina engasgou.

"Eu não ...eu não"

Nina empurrou seu próprio poder contra a outra garota, sentiu a vida dela, sentiu sua
força vacilar. Com o último pedaço de sua força, Nina sacudiu os dedos e um pedaço de
osso voou de sua bainha em sua coxa. Atingiu a garota ao lado, não com força - ela
saltou para a neve. Mas foi o suficiente para quebrar sua concentração.

Nina cambaleou para trás, tentando recuperar o fôlego, os dedos pressionados contra o
esterno. Ela não tinha usado o poder de Sangradora durante anos. Ela esqueceu o quão
assustador poderia ser.

"Você é Grisha", disse ela. A garota levantou-se de um salto, com a faca desembainhada.

REI DE CICATRIZES | 130

"Eu não sou."

Interessante, pensou Nina. Ela tem poder, mas ela não pode controlá-

lo. Ela confia mais na lâmina.

Nina levantou as palmas das mãos para fazer as pazes.

"Eu não vou te machucar." Agora a garota não demonstrou nenhum sinal de hesitação.
Seu corpo estava solto, relaxado, como se ela se sentisse mais com o aço na mão.

"Você com certeza parecia que queria me machucar um segundo atrás."

"Bem, eu queria, mas eu voltei aos meus sentidos".

"Eu estava tentando salvar sua vida!" Por que você se importa com um lobo de qualquer
maneira? Você é pior do que os drüskelle.”

Agora, isso era algo que Nina nunca esperava ouvir.

“Esse lobo me salvou de um ataque. Eu não sei porque. Mas eu não queria que você o
machucasse.”

Essa garota era Grisha, e Nina quase a matou. "Eu ... exagerei."

A garota alta empurrou sua faca de volta em sua bainha. "Exagerar é fazer uma birra
quando alguém come o último pedaço de doce."

Ela apontou um dedo acusador para Nina. "Você estava sem de sangue."

"Para ser justa, eu considerei comer o último pedaço de doce."


"Onde está o seu casaco?"

"Eu acho que eu tirei", disse Nina, procurando uma explicação para o porquê ela
arrancaria o casaco que não envolvia revelar sua armadura óssea.

"Eu acho que eu estava ficando louca de tanta neve."

"É isso?"

Nina encontrou o casaco, já quase enterrado em flocos brancos molhados.

"Absolutamente. Pelo menos na minha aldeia.”

A outra garota esfregou sua coxa musculosa.

"E com o que você me acertou?"

"Um dardo."

REI DE CICATRIZES | 131

"Você jogou um dardo em mim?" Ela disse incrédula. "Isso é ridículo."

"Funcionou, não foi?" Um dardo feito de osso humano, mas alguns detalhes deveriam
ser evitados, e era hora de ir para a ofensiva. Nina encolheu os ombros em seu casaco
úmido.

“Você coloca os guardas para dormir no convento. É assim que você sai furtivamente.”

Toda a confiança da garota se dissolveu, o medo apagou seu fogo como uma onda de
desonestos.

“Eu não machuquei ninguém.”

“Mas você poderia. Isso é realmente um trabalho muito delicado. Você poderia colocar
alguém em coma.”


A garota parou enquanto o vento uivava ao redor deles. "Como você sabe?"

Mas Nina não falou sem pensar. O poder de Grisha era tão bom quanto uma sentença de
morte ou pior neste país.

"Minha irmã era Grisha", Nina mentiu.

"O que ... o que aconteceu com ela?"

"Isso não é uma história para o meio de uma tempestade."

A garota cerrou os punhos. Santos, ela era alta - mas construída como uma dançarina,
uma longa espiral de músculos grossos.

"Você não pode contar a ninguém o que eu sou", disse ela. "Eles vão me matar."

"Eu não vou te machucar, e eu não vou ajudar ninguém a machucar você."

O rosto da menina era cauteloso. O vento aumentou, lamentando.

“Mas nada disso importará se nós duas morrermos aqui.”

A garota alta olhou para Nina como se ela realmente tivesse enlouquecido com a neve.

"Não seja boba."

"Você está dizendo que pode encontrar o seu caminho através disso?"

REI DE CICATRIZES | 132

"Não", ela disse, acariciando o flanco de seu cavalo. “Mas Helmut pode.

Há uma cabana de caça não muito longe daqui. Mais uma vez, ela hesitou e Nina
conseguiu adivinhar os pensamentos em sua cabeça.


"Você está pensando em me deixar à mercê da neve", disse Nina.

Os olhos da garota se afastaram culpados. Então ela teve uma tendência impiedosa. De
alguma forma, isso fez Nina gostar mais dela.

“Eu posso não sobreviver. Mas eu vou. E então você pode ter certeza que eu vou dizer a
primeira pessoa que conheço sobre a Grisha Sangradora vivendo em segredo entre as
mulheres do bem."

"Eu não sou Grisha.”

"Você faz uma imitação notável.”

A menina correu uma mão enluvada através da juba do cavalo.

“Você pode cavalgar?”

“Se eu tiver que fazer isso.”

“É isso ou ir dormir na neve.”

“Eu posso cavalgar.”

A garota saltou para a sela em um único movimento suave. Ela ofereceu uma mão a
Nina e Nina se deixou ser puxada para as costas do cavalo.

"Você não gosta de pular refeições, não é?", Disse a garota com um grunhido.

"Não se eu puder evitar."

Nina colocou as mãos ao redor da cintura da garota e logo elas estavam se movendo
através dos crescentes desvios.

"Você pode ser chicoteado por usar esses comandos, sabe", disse a garota. “Djel
commenden. Isso é considerado uma blasfêmia se um drüskelle não estiver falando."


" Vou fazer orações extras hoje à noite.”

"Você nunca me contou como conhece esses comandos.”

Mais mentiras então.

"Um menino da nossa cidade serviu nas fileiras."

REI DE CICATRIZES | 133

"Qual é o nome dele?"

Nina pensou na luta na Corte de Gelo. “Lars. Eu acredito que ele passou recentemente.”
E ninguém o quer de volta.

Ele fechou um chicote e a colocou de joelhos antes que Kaz Brekker fosse chamado.

O mundo branco se estendia, congelado e sem traços. Agora que ela não estava
andando, Nina sentiu o frio mais profundamente, o peso dele pousando sobre ela. Assim
que ela começou a se perguntar se a menina sabia para onde estava indo, Nina viu uma
forma escura através da neve e o cavalo parou. A garota deslizou para baixo.

Nina seguiu, suas pernas ficaram dormentes e doloridas, e eles levaram Helmut para um
espaço abrigado ao lado do alojamento.

"Parece que não somos os únicos que tiveram essa ideia", disse ela.

Havia luzes nas janelas da pequena cabana, e ela podia ouvir vozes altas de dentro. A
outra garota torceu as rédeas em suas mãos, retirando a luva para acariciar o nariz do
cavalo.

"Eu não sabia que muitas pessoas sabiam sobre esse lugar.

Provavelmente há homens que vieram esperar a tempestade.”

Não estaremos seguros aqui. Nina pensou.

"Você tem suas saias no alforje?"


A menina puxou um cinto amarrado em torno de sua cintura, e as dobras de seu casaco
caiu em uma saia que se encaixou sobre as calças.

Nina teve que admitir que estava impressionada.

“Que outros truques você tem na manga? Ou saias, como pode ser o caso?”

Um sorriso cintilou em seus lábios.

“Alguns.”

A porta do abrigo se abriu, um homem com uma arma em silhueta contra a luz.

"Quem está aí fora?"

"Siga o meu exemplo", Nina murmurou, depois gritou: "Oh, graças a Deus. Nós
temíamos que ninguém estivesse aqui. Depressa, Inger!”

“Inger?” resmungou a garota.

Nina foi até a porta, ignorando a arma apontada para ela, esperando que o homem que a
segurava não estivesse bêbado ou irritado o suficiente para atirar em uma garota
desarmada - ou em uma garota que parecia desarmada.

REI DE CICATRIZES | 134

Nina subiu os degraus e sorriu docemente para o homem grande enquanto a menina a
seguia.

"Graças Djel encontramos abrigo para a noite."

Ela olhou por cima do ombro para o alojamento.

A sala estava lotada de homens, pelo menos dez deles, todos reunidos em volta de uma
fogueira. Nina sentiu a tensão subir através dela. Este foi um momento em que ela teria
ficado feliz em ver drüskelles, que não bebeu e que foram mantidos com um código
estrito sobre as mulheres. Não havia nada a fazer além de desabafar.

“E entre os cavalheiros para nos proteger!”

“Quem é você?” O homem disse desconfiado.


Nina passou por ele como se fosse dona do lugar.

“Não somos sortudas, Inger? Vamos para frente do fogo. E feche a porta ...”

Ela colocou a mão no peito do homem.

"Me desculpe, qual era o seu nome?"

Ele piscou. “Anders.”

“Seja bom e feche a porta, Anders.”

Elas entraram, e ela encontrou os olhares dos homens com um sorriso.

“Eu sabia que Djel guiaria nosso caminho, Inger. Certamente seu pai terá uma
recompensa saudável para todos esses bons companheiros.”

Por um momento, a garota pareceu confusa, e Nina pensou que elas poderiam estar
perdidas. Mas então seu rosto clareou.

"Sim! Sim, de fato! Meu pai é muito generoso quando se trata de minha segurança.”

“E com você prometida ao homem mais rico de Overüt.”

Nina piscou para os homens reunidos pelo fogo.

“Bem, suponho que Djel tenha concedido a vocês cavalheiros um pouco de sorte esta
noite também. Agora, qual de vocês vai ficar de guarda para nós?”

“Ficar de guarda?” disse um homem com sobrancelhas alaranjadas ao fogo.

REI DE CICATRIZES | 135


"Durante a noite."

"Docinho eu acho que você está em uma confusão"

"O pai de Lady Inger é muito generoso, mas não se pode esperar que ele dê dez mil
krydda em cada um de vocês, então vocês devem escolher quem deve ser o
beneficiário.”

“Dez mil krydda?”

“Esse foi o preço da última vez, não foi? Quando estávamos presos naquele lugar
divertido no sul. Embora, suponha agora que você está prometida ao homem mais rico
de Overüt, pode ser o dobro do preço.”

“Quem é esse noivo de quem você fala?” - perguntou o homem de barba.

“Você já ouviu falar de Bernhard Bolle, que fez fortuna em truta defumada? E Ingvar
Hals, que é dono de uma floresta do Elbjen ao Isenvee?

Bem, Lennart Bjord ergue-se acima de todos eles.”

“Lennart Bjord?” repetiu o homem de barba.

"Isso soa familiar", disse alguém junto à lareira. Nina altamente duvidou disso, já que
ela o inventou a poucos instantes atrás.

"Eu fui o primeiro a cumprimentá-las", disse o homem grande com o rifle. "É certo que
eu deveria receber a recompensa."

“Como isso é justo? Você passou pela porta!”

“Agora, não fique muito irritado,” Nina disse com uma voz de professora em sua voz
enquanto os homens começavam a debater quem pegaria o o turno.

“Lennart Bjord terá algo para todos.”

Nina e “Inger” se estabeleceram no canto, de costas para a parede enquanto os homens


discutiam.

"Isso foi patético", a menina fervilhava, apoiando os cotovelos nos joelhos e puxando a
saia sobre os dedos de suas botas.

“Eu imploro seu perdão?”

“Você nos fez parecer fracos. Toda vez que nos comportamos dessa maneira, fica mais
fácil para os homens olharem para nós e não verem nada além de suavidade.”

REI DE CICATRIZES | 136

“Não há nada errado com suavidade” disse Nina, com o temperamento desgastado.

Ela estava exausta e fria, e ela cavou o túmulo de seu amante esta noite.

"Agora eles estão olhando para nós como dois grandes sacos de dinheiro, em vez de
duas garotas vulneráveis sozinhas".

"Nós não estávamos vulneráveis. Eu tenho minha arma, minha faca.

Você tem esses dardos ridículos.”

“Você também tem doze braços escondidos naquele casaco? Nós estamos em
desvantagem.”

Nina realmente suspeitava que ela poderia ter conseguido todos eles, mas apenas se ela
pretendesse revelar seu verdadeiro poder, e isso significaria colocar essa garota no chão
esta noite também.

"Eles estão bêbados. Nós teríamos conseguido.”

“Você não entra em uma briga que não pode vencer”- respondeu Nina, irritada.

"Eu estou supondo que você teve que treinar em segredo, e que você provavelmente
nunca teve um instrutor de combate real. Ser forte não significa ser desleixada.”

A garota magra aproximou o casaco. "Eu odeio isso. Eu odeio como eles nos veem. Meu
pai é do mesmo jeito. Ele acha que uma mulher querendo lutar, caçar ou cuidar de si
mesma não é natural, que nega aos homens a chance de serem protetores.”


Nina bufou. “É realmente uma tragédia para eles. O que sua mãe pensa?”

“Minha mãe é a esposa perfeita, exceto que ela não deu a meu pai filhos. Ela faz o que
ele manda.”

A garota suspirou. Ela parecia cansada de repente, a emoção da luta e a tempestade se


foram. O cabelo dela - aquela cor extraordinária, como a floresta no outono, castanha,
vermelha e dourada - jazia úmido e enredado contra ela bochechas marrons.

"Eu não posso culpá-la. É assim que o mundo funciona. Ela está preocupada que eu me
torne uma exilada.”

“Então eles te mandaram para um convento no meio do nada?”

“Onde eu não podia meter em confusão ou constrangê-los na frente de seus amigos. Não
finja que pensa diferente. Eu vi o jeito que você olhou para mim quando nos ajudou na
clareira.”

REI DE CICATRIZES | 137

“Você estava vestido como um soldado. Eu tinha direito a uma pequena surpresa”

E ela tinha se dedicado a manter seu disfarce, não fazendo amizade com um Grisha -
alguém que poderia levá-la para mais perto da fábrica.

"No caso de você não ter notado, viajo por conta própria, ganho minha vida."

“Você é uma viúva.”

“Você não precisa soar tão grosseira.”

A garota esfregou a mão sobre a testa. "Eu sinto Muito. Isso foi sem pensar.”

Nina a estudou. Havia algo implacável em suas feições - as maçãs do rosto afiadas, o
nariz rigorosamente reto. Apenas o impulso total de seus lábios deu qualquer sugestão
de suavidade. Era um rosto desafiador, teimoso em suas linhas. Lindo.

"Nós não somos tão diferentes quanto você poderia pensar." Nina balançou a cabeça em
direção aos homens, que agora estavam lutando pelo direito a uma recompensa
generosa que nenhum deles jamais veria.

"É o medo que faz o seu pai agir como ele, o que faz os homens escreverem regras tolas
que dizem que você não pode viajar sozinho ou andar como gostaria."

A outra garota reprimiu uma risada.

“Por que eles deveriam ter medo? O mundo pertence a eles.”

“Mas pense em todas as coisas que poderíamos alcançar se pudéssemos fazer as coisas
que eles fazem.”

“Se eles estivessem verdadeiramente com medo, você não teria que ficar precisando se
enfeitar.”

Nina piscou . "Você viu meu sorriso afetado . Se eu decidir me preparar, você precisa se
sentar para isso.”

A menina sufocou um bufo. "Eu sou Hanne."

"Prazer em conhecê-la", disse Nina. "Eu sou Mila."

Ela contou incontáveis mentiras esta noite, mas de alguma forma parecia errado dar a
essa garota um nome falso.

REI DE CICATRIZES | 138

"Você realmente não quer que a gente durma, não é, Mila?"

O rosto de Hanne mostrava sabedoria.

“Não é uma chance. Você vai manter a mão na sua adaga e eu vou ficar de guarda no
primeiro turno.”

Nina tocou a mão na manga, sentiu a presença reconfortante dos ossos no forro do
tecido. Ela assistiu a cintilação do fogo.

"Descanse", ela disse a Hanne, e percebeu que estava sorrindo pela primeira vez em
meses.

REI DE CICATRIZES | 139

PREPARAÇÕES PARA O GRANDE DIA DE NIKOLAI a visita aos locais milagrosos exigiu
dias de planejamento pela equipe do rei.

As provisões tinham que ser protegidas, os veículos preparados para as mudanças


climáticas, as roupas adequadas e as cartas enviadas aos nobres e governadores das
cidades que pretendiam visitar.

Zoya se viu atacando todo mundo ainda mais do que o habitual. Ela sabia que a conversa
era que ela estava em um de seus humores, mas as vantagens da decisão incluíam
permissão para não transformar suas palavras em mel. Ela fez o trabalho dela. Ela fez
isso bem. Se seus alunos, servos e colegas Grisha não pudessem suportar algumas
respostas breves em troca, eles estavam no país errado.

Ela poderia ter sido capaz de relaxar se todos não fossem tão devagar.

Mas, por fim, os vagões foram apanhados, o treinador preparou-se e os batedores foram
enviados à frente para investigar o estado das estradas para a procissão real. O
itinerário específico para a viagem seria mantido em segredo, mas logo o pessoal de
Nikolai saberia que seu rei estava viajando e eles sairiam em força para ver seu herói de
guerra de ouro.

Zoya não sabia o que pensar das histórias do monge sobre o bosque de espinhos ou
sobre a conversa dos gêmeos sobre o Sacerdote e o obisbaya.

Parte dela disse que era tolice depositar suas esperanças em tal missão, nas divagações
de um fanático que claramente acreditavam em santos e em toda a pompa e tolice que
os acompanhava. Ela disse a si mesma que a jornada seria boa para a coroa e a posição
de Nikolai, independentemente do que encontrassem. Ela disse a si mesma que, se tudo
desse errado, eles encontrariam outra maneira de passar os próximos meses, para
apaziguar seus aliados e manter seus inimigos à distância. Ela disse a si mesma que o
verdadeiro Nikolai ainda estava no controle, não o monstro que ela tinha visto naquela
noite na torre do sino.

Mas Zoya havia sobrevivido sendo honesta consigo mesma, e ela tinha que reconhecer
que havia outro medo espreitando dentro dela - sob as ansiedades que acompanhavam
os preparativos para essa jornada, sob a provação de olhar nos olhos do demônio e ver
sua fome.
Ela estava com medo do que eles poderiam encontrar na dobra. E se os idiotas ingênuos
que adoravam o Sem Estrelas estivessem realmente certos, e essas ocorrências bizarras
anunciaram o retorno de Darkling? E se de alguma forma ele encontrasse um caminho
de volta?

"Desta vez eu estarei pronto para ele." Zoya sussurrou as palavras no escuro, sob o teto
das câmaras que o Darkling ocupou uma vez, no palácio que ele construiu do nada. Ela
não era mais uma menina ingênua, tentando REI DE CICATRIZES | 140

desesperadamente provar a si mesma em cada turno. Ela era um general com uma
longa contagem de corpos e uma memória ainda maior.

O medo é uma fênix. Palavras que Liliyana tinha falado a ela anos atrás e que Zoya
repetira para outras pessoas muitas vezes. Você pode assisti-lo queimar mil vezes e
ainda assim ele retornará.

Ela não seria governada por seu medo. Ela não tinha esse luxo. Talvez sim, ela pensou,
mas isso não impediu que você evitasse Nikolai desde aquela noite na torre do sino.
Odiava essa fragilidade em si mesma, odiava que agora mantinha Tolya ou Tamar por
perto quando estava acorrentando o rei à sua cama à noite, que mesmo em salas de
reunião ela se encontrava em guarda, como se esperasse olhar através de uma mesa de
negociações e ver seus olhos castanhos brilham negros. Seu medo era inútil,
improdutivo - e ela suspeitava que era algo que o monstro pudesse gostar.

Quando a manhã da partida finalmente chegou, ela arrumou um pequeno baú. Ao


contrário da bagagem que os criados haviam preparado para o kefta e as roupas de
viagem, esta seria trancada.

Segurava as algemas de Nikolai, reforçadas duas vezes e com um novo mecanismo de


trava que levará horas para dominar. O peso deles era reconfortante em suas mãos, mas
ela ainda respirava com mais facilidade quando Genya e David chegaram em seus
aposentos.

Zoya olhou para a pequena garrafa que Genya lhe entregou. Foi equipado com uma
rolha de vidro.

"Isso é suficiente?"

"Mais do que suficiente", disse Genya.

“Dê-lhe uma gota imediatamente antes de dormir, um segundo se tiver algum problema.
Mais do que isso e há uma boa chance de você matá-lo.”

“É bom saber. Regicídio não está na minha lista de crimes preferidos.”

Os lábios de Genya se contorceram em um sorriso. “Você está dizendo que nunca quis
matar Nikolai?”


“Oh, eu quiz. Eu só não quero que ele durma com isso.”

Genya deu-lhe outra garrafa redonda e vermelha.

“Use isso para acordá-lo de manhã. Apenas abra e coloque debaixo do nariz.”

“O que é exatamente?”

“Uma destilação de jurda e amônia. Basicamente, um estimulante de ação muito


rápida.”

“Isso não é exato,” disse David. “Utiliza…”

REI DE CICATRIZES | 141

Zoya levantou a mão. “Exato o suficiente”

Genya passou os dedos pela superfície esculpida do tronco.

“O processo não será fácil para ele. Vai ser um pouco como se afogar todas as noites e
ser revivido todas as manhãs.”

Zoya embrulhou as garrafas em algodão e colocou-as gentilmente no porta-malas, mas,


enquanto se movia para trancar a tampa, Genya pôs a mão sobre a dela.

"Nós fizemos o sedativo o mais forte possível", disse ela. "Mas nós realmente não
entendemos o que estamos tentando controlar. Zoya, você pode não estar segura com
ele.”

Zoya sabia disso melhor que ninguém. Ela viu o horror que se escondia dentro de
Nikolai muito de perto para negar isso.

"O que você sugere que eu faça?"

Para surpresa de Zoya, Genya disse:

"Eu poderia ir."


David pressionou os lábios em uma linha dura, e Zoya sabia que eles discutiram isso,
que Genya quis dizer isso.

Um nó indesejado surgiu em sua garganta, mas tudo o que ela fez foi levantar uma
sobrancelha.

"Porque você é tão boa em uma briga? Nikolai precisa de guerreiros com ele.”

“O nichevo'ya também deixou sua marca em mim, Zoya. Eu entendo a força dessa
escuridão.”

Zoya balançou a cabeça e retirou a mão, guardando a chave no bolso.

"Você não está preparada para esse tipo de luta."

Uma batida veio e eles se viraram para ver a enorme estrutura de Tolya enchendo a
porta da sala comum.

"O treinador está pronto." Ele olhou de volta por cima do ombro: "E

Tamar está atrasada!"

"Eu não estou atrasada", disse Tamar atrás dele. "Minha esposa está apenas de mau
humor."

Zoya espiou por cima do ombro de Tolya e viu Tamar segurando a mão de Nadia,
claramente tentando persuadi-la a sair da escuridão.

REI DE CICATRIZES | 142

"Eu tenho todo o direito de um mau humor", disse Nadia.

"Você está indo. Meu irmão está em algum lugar de Fjerda, e me pedem para construir
um protótipo de um submersível que não funciona para uma festa da qual não quero
participar.”

“Voltarei antes que você perceba - disse. Tamar "E eu vou lhe trazer um presente."

"É melhor que sejam novos óculos de proteção", disse Nadia.

"Eu estava pensando em algo mais romântico."

David franziu a testa. "O que é mais romântico do que óculos?"

"Estamos prontos", disse Zoya. Ela entregou a Tolya o baú.

“Genya, relate-me frequentemente sobre as respostas que recebemos dos candidatos e


os preparativos para a segurança. Vou mandar mensagens pela nossa rede na estrada.”

Ela hesitou. Ela teve a terrível vontade de abraçar Genya ... e por uma vez ela se
entregou.

Ela sentiu o olhar incrédulo de Tolya, sentiu Genya endurecer de surpresa, depois
abraçou-a de volta.

"Fique segura", sussurrou Zoya.

Ficar segura. Como se essas palavras pudessem lançar algum tipo de feitiço.

"O único perigo para mim será uma superabundância de planejamento de cardápio",
disse Genya com uma risada.

Ela recuou e Zoya ficou horrorizada e comovida ao ver as lágrimas no olho âmbar de
Genya.

“Você realmente acredita que uma cura é possível?”

“Eu tenho que acreditar. Ravka não pode suportar outra tomada de poder, outro golpe,
outra guerra. Nikolai é insuportável, mas ele é a única opção que temos.”

“Ele é um bom rei ”, disse Genya. “Eu sei a diferença. Traga-o de volta para nós por
inteiro.”

“Eu vou”- prometeu Zoya, embora não soubesse se era uma promessa que poderia
cumprir.

“E tenha cuidado, Zoya. Ravka também precisa de você.”

REI DE CICATRIZES | 143

Zoya sentiu alguma coisa formigando por trás dos olhos e correu porta afora antes que a
situação se tornasse mais sentimental do que ela pudesse suportar.

Eles viajaram em luxo, cercados por batedores e soldados que carregavam a bandeira
de duas águias.

Yuri foi mantido no treinamento, junto com Tolya enquanto vasculhavam pergaminhos
antigos e textos religiosos em busca de informações sobre o obisbaya. Outro treinador
havia se dedicado aos livros que haviam reunido nas bibliotecas do Grande Palácio e do
Pequeno Palácio - e alguns Tamar obtiveram furtivamente das catacumbas do Sacerdote
- tratados acadêmicos encadernados em couro, hinários em ruínas, até mesmo antigos
livros infantis, ilustrações do que poderia ter sido uma madeira de espinho se enrolando
nas bordas de suas páginas amareladas.

Embora Yuri tivesse torcido as mãos e protestado em tom deplorável, ele se convencera
a deixar de lado suas vestes negras para a craca marrom de um monge comum, para
poder viajar com elas anonimamente. Ele havia cedido prontamente. Yuri acreditava que
a agenda secreta desta viagem - as visitas aos locais de milagres e a dobra - era
determinar se o Sem Estrelas deveria ser feito um sankto e uma igreja construída no
local de seu martírio.

"Mas para que isso aconteça", Nikolai tinha avisado, "eu preciso saber tudo o que você
pode determinar sobre o obisbaya-o ritual, a localização da madeira de espinho, toda
essa noção de purificação.”

Os olhos de Yuri se iluminaram naquela última palavra. "Purificação", ele repetiu. “Um
retorno à crença verdadeira. A fé do povo restaurada.”

Zoya sabia que Nikolai esperava que a pesquisa do monge os levasse a um ritual que
poderia purificá-lo do monstro, mas mesmo que fossem de algum modo bem-sucedidos,
ela tinha que se perguntar onde tudo isso terminaria.

"O que você vai fazer com ele quando isso acabar?", Perguntou a Nikolai. “As pessoas
vão se revoltar imediatamente se você realmente tentar fazer do Darkling um santo.
Você poderia começar uma guerra santa e dar ao Apparat a chance perfeita de desafiá-
lo completamente - e ele fará isso sob o estandarte de Alina.”

“Encontraremos uma maneira de fazer concessões” disse Nikolai.

"Vamos preparar Yuri em uma ermida confortável para preparar um tratado sobre as
boas obras do Darkling com todos os livros que ele quiser. Vamos dizer a ele que o
assunto tem que ser colocado diante do povo. Vamos mandá-

lo para a Ilha Errante para espalhar o evangelho do Sem Estrela”

“Isso parece muito como o exílio.”

REI DE CICATRIZES | 144

“Você diz exílio, eu digo férias prolongadas.”

“Nós deveríamos mandá-lo para Ketterdam para pregar a Kaz Brekker.

e o resto daqueles réprobos”, sugeriu Zoya. Nikolai estremeceu. "Ele certamente seria
seu martírio."

O rei não tinha excursionado pelo país desde que o Darkling foi derrotado, quando ele
entrou na brecha deixada por seus pais exilados e no trono.

Em vez de permanecer na capital, como a aristocracia esperava, Nikolai foi para as


estradas e os céus, viajando sem descanso. Zoya mal conhecera o rei naquela época e
certamente não confiará nele. Ela tinha entendido que ele era a melhor esperança de
sobrevivência de seu país fraturado, e ela podia admitir que ele tinha mostrado
ingenuidade durante a guerra civil, mas ele também era um Lantsov, e seu pai havia
trazido nada além de miséria para Ravka.

Por tudo o que Zoya sabia na época, o novo rei poderia ser pouco mais do que uma
catástrofe bonita e de fala rápida em construção. Mas Nikolai tinha feito o que muitos
homens não conseguiram fazer: ele a surpreendeu.

Ele havia reforçado as fronteiras de Ravka, negociado novos empréstimos com Kerch,
restabelecido seus postos militares avançados e usado a frota que ele construiu em sua
vida secreta como o corsário Sturmhond para manter os fjerdanos bloqueados no mar.
Ele havia visitado cidades e vilas, distribuindo comida, conversando com líderes locais e
nobres, organizando cada porção de seu apelo para conquistar seu apoio e consolidar a
opinião pública a seu favor após a destruição da Dobra.

Quando ele finalmente teve De volta a Os Alta, ele criara uma nova bandeira com o sol
em ascendência atrás da dupla águia de Lantsov e foi coroado pelo Apparat na capela
real recém-construída.

Zoya sentirá os estímulos do que poderia ter sido uma esperança. Ela trabalhara duro
com o Triunvirato, tentando remontar o Segundo Exército e fazer um plano para seu
futuro. Alguns dias Zoya se sentia orgulhosa e cheia de emoção, mas em outros ela se
sentia como uma criança disfarçada de líder. Foi angustiante, emocionante saber que
eles estavam todos à beira de algo novo.

Mas agora, enquanto viajavam de cidade em cidade, Zoya entendia que a tarefa de
unificar Ravka e construir uma nova base para o Segundo Exército tinha sido a parte
fácil. Arrastar o país para o futuro estava se mostrando mais difícil.

Nikolai havia passado a vida esperando para governar e aprender como fazê-lo, mas
enquanto Nikolai ansiava por mudanças, Ravka lutou contra isso. Suas reformas no
dízimo e nas leis de propriedade da terra levaram a queixas entre a nobreza. É claro que
os servos deveriam ter direitos, eles protestaram, eventualmente. O rei foi longe demais
e se moveu muito rápido.

Zoya sabia que Nikolai estava ciente da resistência que havia crescido contra ele e
pretendia usar essa viagem para ajudar a derrotá-la.

Os dias foram dados para viajar e ganhar os plebeus através de espetáculo e presentes
de moeda ou comida. À noite, o grupo se hospedava em casas de nobres e governadores
locais e se juntava a grandes jantares que demoravam até tarde da noite. Depois das
refeições, Nikolai se prendia ao REI DE CICATRIZES | 145

chefe da casa, conversando por reformas, solicitando ajuda, alisando as penas


encrespadas pelo perigo da mudança.

Às vezes, Nikolai pedia a Zoya que se juntasse a eles quando tudo o que ela queria era
deitar-se na cama.

"Por que eu deveria me incomodar?" Ela resmungou na dacha do barão Levkin em


Kelink. "Seu charme é suficiente para levar o dia."

"Eles precisam ver o meu general", disse ele. Era verdade o suficiente.

Os nobres ainda emocionados com os contos de guerra e a força do Segundo Exército.

Mas Zoya também sabia que a presença dela - língua solta e azeda como poderia ser -
mudou a atmosfera na sala, fez a conversa parecer menos uma negociação e mais uma
troca amigável. Era outra razão pela qual Nikolai precisava desesperadamente de uma
rainha. Então ela fez o melhor possível para colocar um sorriso no rosto e ser agradável,
e ocasionalmente ofereceu uma palavra sobre as forças Grisha se alguém pensasse em
perguntar. Isso a esgotou.

"Como você faz isso?", Ela cuspiu em Nikolai uma noite enquanto saíam de uma sessão
particularmente produtiva com um duque em Grevyakin.

Ele tinha começado a conversa determinado a rejeitar a sugestão de Nikolai de usar


seus campos para o cultivo de algodão, pedindo por um retorno aos velhos hábitos. Toda
a sua casa estava cheia de madeiras camponesas e têxteis tecidos à mão, os adereços de
um tempo mais simples em que um servo podia contar para criar belos objetos para seu
mestre e, educadamente, morrer de fome em silêncio. Mas depois de duas horas e vários
copos de destilados fortes, o velho duque rugia de rir das piadas de Nikolai e
concordara em converter mais duas de suas fazendas em algodão.

Mais uma hora se passou e ele prometeu permitir que uma nova fábrica e um
descaroçador de algodão fossem construídos em sua propriedade.

"Como você muda de idéia e os faz agradecer pela experiência?" Nikolai deu de ombros.

“Ele tem um desdém nobre pelo comércio, mas gosta da ideia de si mesmo como um
grande benfeitor. Então eu simplesmente mostrei que, com
todo o tempo e dinheiro que seus trabalhadores vão economizar, eles terão mais horas
para se dedicarem ao ornamento que ele tanto ama. Sua propriedade pode se tornar um
farol para artistas e artesãos - o novo mundo sustenta o velho em vez de substituí-lo.”

“Você realmente acredita nisso?”

“Nem um pouco. Seus servos terão um gostinho de dinheiro e educação e começarão a


pensar em construir vidas e negócios próprios em vez de orar pelo patrocínio de seu
mestre. Mas então será tarde demais. O

progresso é um rio. Não pode ser chamado de volta uma vez que salta de suas
margens.”

REI DE CICATRIZES | 146

“Isso não foi o que eu quis dizer” disse Zoya, enquanto Tolya os levava para os
aposentos onde Nikolai estaria hospedado.

"Como você faz isso?" Ela acenou com a mão da coroa de sua cabeça dourada para suas
botas perfeitamente polidas.

"Dias na estrada, algumas horas de sono" Ela baixou a voz para um sussurro. “Ser
drogado todas as noites e ser anfitrião de algum tipo de mal imortal dentro de você. Mas
você ainda consegue parecer fresco e contente.

Aposto que, se o duque tivesse perguntado, você poderia ter passado mais uma hora
jogando cartas e contando histórias de guerra.”

‘É o que o trabalho exige, Zoya. A decisão não é apenas sobre vitórias militares. Não é
nem mesmo sobre estabelecer leis justas e vê-las aplicadas. É

sobre esses momentos, os homens e mulheres que escolhem colocar suas vidas e
sustento em nossas mãos.”

“Apenas admita que você precisa ser amado tanto quanto eles precisam amar você.”

“Felizmente, sou muito amável.”

“Menos assim pelo momento. Você não parece remotamente fatigado.

Não é normal.”


“Acho que o cansaço combina com você, Zoya. A palidez. As sombras abaixo dos seus
olhos. Você parece uma heroína em um romance.”

“Eu pareço uma mulher prestes a pisar no seu pé.”

“Agora, agora. Você está administrando notavelmente bem. E o sorriso ainda não te
matou.”

“Ainda.” Tamar estava esperando na porta dos quartos de Nikolai.

"Algum problema hoje à noite?" Nikolai perguntou a ela. Na sua parada anterior, Tamar
pegara um criado se esgueirando sobre os aposentos do rei e vasculhando seus
pertences, presumivelmente sob as ordens de seu mestre.

"Nada", disse ela. "Mas eu vou fazer outra busca da casa por via das dúvidas e dar uma
olhada no escritório do duque mais tarde hoje à noite."

O velho duque parecia ter sido conquistado, mas se tivesse tido contato com oponentes
de Nikolai em Ravka Oeste ou com um dos pretendentes de Lantsov, eles precisavam
saber.

Depois que Nikolai tirou as botas e se acomodou na cama embaixo de uma pintura
grotesca de Sankta Anastasia curando a peste que estava acabando, Zoya tirou a
pequena garrafa do bolso.

REI DE CICATRIZES | 147

Nikolai estremeceu. “Seja o que for que David e Genya inventaram, parece menos como
dormir do que ser socado na mandíbula.”

Zoya não disse nada. Os sedativos que eles lhe deram no passado eram poções simples
que o deixavam levemente embaçado e muitas vezes o deixavam roncando antes de
Zoya sair da sala. Mas com essa nova bebida, Nikolai caiu inconsciente no espaço de
uma respiração - e ele não parecia estar dormindo. Sua quietude era tão completa que
ela se viu pressionando os dedos na cavidade sob a mandíbula, procurando a batida
lenta de seu pulso. A dosagem dele era como vê-lo morrer todas as noites.

"Tudo o que sei é que é forte o suficiente para te calar", disse ela.

Ela levantou a garrafa, mas manteve-a fora de alcance.


“Diga-me como você administra isso. Como você sobrevive a todo esse desempenho
contente e interminável?”

“Você administra todos os dias no Pequeno Palácio, Zoya. Apesar de toda a sua raiva, sei
que você nem sempre se sente inteligente ou forte, mas dá uma boa demonstração
disso.”

Zoya jogou o cabelo para o outro lado. "Talvez. Mas sou sempre eu.

Você muda como a luz sobre a água. Esses momentos, essas interações, parecem apenas
alimentá-lo. Qual é o seu segredo?”

“O segredo…” Nikolai refletiu.

Ele estendeu a mão e ela deixou cair o frasco de prata em sua palma.

"Eu suponho que o segredo é que eu não suporto ficar sozinho." Ele abriu a mistura.
“Mas há alguns lugares onde ninguém pode ir conosco.”

Ele tocou a garrafa na língua, e Zoya a pegou da mão quando ele caiu para trás,
mergulhando no escuro antes de sua cabeça alcançar o travesseiro.

Zoya viajou com os batedores. Às vezes Nikolai andava no ônibus com Tolya e Yuri, mas
principalmente ele ficou montado em um de seus cavalos brancos, cercado por seus
guardas, Tamar seguindo uma distância discreta. Não usava a indumentária militar e a
faixa que seu pai favorecera, mas sim o casaco verde-oliva que era padrão para os
soldados do Primeiro Exército.

Ele ganhou o respeito das forças armadas, servindo na infantaria antes de se tornar um
oficial, e as medalhas que ele usava presas ao peito não eram cerimoniais, mas vencidas
em batalha.

Em todas as aldeias e cidades, Zoya observava enquanto o rei trabalhava seu tipo
particular de magia. Até o jeito que ele sentou seu cavalo mudou dependendo da
multidão que ele cumprimentou. Às vezes ele estava relaxado, à vontade na sela, o sol
dourando seu cabelo e brilhando em suas botas perfeitamente polidas enquanto sorria e
acenava para seus amados súditos. Às vezes, ele era sombrio e heróico, em pé no alto
dos palcos e nas varandas para se dirigir às multidões enquanto rezavam em suas
igrejas e se reuniam em suas praças da cidade.

REI DE CICATRIZES | 148

Embora ele e Zoya se esforçassem para esconder a urgência de sua missão, cavalgavam
todos os dias e nunca passavam mais do que uma única noite em qualquer lugar. Eles
haviam distribuído três semanas para essa jornada. O que quer que fizessem ou não
descobrissem na Dobra, voltariam à capital para se prepararem para o festival com
tempo de sobra.

Em Ryevost, onde o grande terremoto aconteceu, Nikolai enrolou até as mangas de sua
camisa para trabalhar lado a lado com os homens da cidade, movimentando escombros e
erguendo vigas. Ele estava no local onde o grande selo de pedra de Sankta Lubov se
dividira, vomitando uma maré de minúsculos beija-flores de prata que circundaram a
praça da cidade em uma nuvem zunindo por uma quinzena antes de se dispersarem. Ele
prometeu construir uma nova igreja lá, paga com ouro de Lantsov.

"E de onde virá todo o dinheiro?", Perguntou Zoya naquela noite.

“O Kerch? Minha nova noiva rica? Talvez o Apparat possa vender um retábulo de
fantasia.”

Mas ela agora via o que ele pretendia quando concedeu ao pedido do Apparat por novas
igrejas.

O Apparat conseguiria essas casas de culto, mais lugares para alojar seus espiões e
legalistas, mas o povo não pensaria no padre quando eles dissessem suas orações e
ouvissem os sinos da igreja soarem. Eles pensariam em seu rei de ouro e no sussurro do
dia em que ele iria à sua aldeia.

"Eu cresci em um lugar como este", Zoya disse quando eles entraram no remanso
sombrio seguinte. “Sem esperança. Com fome. Desespero faz as pessoas fazerem coisas
feias, e são sempre as garotas que sofrem primeiro.”

“É por isso que você pressiona tanto as novas fábricas que estamos construindo?”

Zoya deu de ombros. "É necessária uma parte de trás larga para levantar um machado
ou mover uma pedra, mas não é preciso força para puxar uma alavanca ou apertar um
botão."

Ela podia sentir o escrutínio de Nikolai. "Eu nunca soube que você tem muita simpatia
pelas pessoas comuns."

Eu já era bastante comum. Liliyana e Lada eram comuns.

“Não tem nada a ver com simpatia. Para o Grisha prosperar, precisamos de uma Ravka
forte.”

“Ah, então você está apenas sendo prática, é claro.”

Ela podia ouvir o ceticismo em sua voz, e ela não gostou nem um pouco. Mas era difícil
não olhar para aquelas ruas enlameadas, as casas cinzentas com seus telhados
empenados e alpendres inclinados, a torre REI DE CICATRIZES | 149


inclinada da igreja, e não pensar em Pachina, a cidade que ela deixara para trás. Ela se
recusou a ligar para casa.

"Você sabe o que mudou tudo na minha aldeia?"

Ela manteve os olhos na estrada, cheia de buracos e pedras quebradas da chuva da


noite anterior.

“O básico. Quando a guerra foi tão terrível que a coroa foi forçada a começar a levar
garotas e garotos para lutar.”

“Eu achei que o recrutamento era visto como uma maldição”

“Para alguns” admitiu Zoya. “Mas para outros de nós, ofereceu uma fuga, uma chance
de outra coisa além de ser a esposa de alguém e morrer no parto. Quando eu era
pequena, antes que meus poderes surgissem, sonhava em ser soldado.”

“Pequena Zoya com sua baioneta?”

Zoya fungou "Eu sempre tive o resultado de um general."

Mas sua mãe tinha visto apenas o valor da beleza de sua filha. O rosto de Zoya fora seu
dote com a tenra idade de nove anos. Se não fosse por Liliyana, ela teria sido trocada
como um novo bezerro. Mas ela poderia culpar sua mãe? Ela se lembrou das mãos cruas
de Sabina, seus olhos cansados, as linhas magras de seu corpo - perpetuamente
cansadas e sem esperança. E, no entanto, depois de todos esses anos, Zoya não
encontrou nenhum tipo de perdão para sua mãe desesperada ou seu pai fraco. Eles
podem apodrecer. Ela deu-lhe as rédeas num piscar de olhos.

Zoya e o resto do grupo de Nikolai passearam pelos campos de cevada e inspecionaram


a nova fábrica de armamentos, suportaram o canto de um coro infantil e depois
tomaram chá com o conselho local e o maestro de coro.

“Você deveria envenenar o maestro do coro por infligir essa atrocidade a nós”
resmungou Zoya.

"Eles eram adoráveis."

"Eles eram planos."

Zoya foi forçada a fazer uma pequena demonstração de convocação para o grupo de
mulheres locais e resistiu ao impulso de arrancar a peruca do magistrado da cidade.

Finalmente, eles foram autorizados a sair com o governador e ver a grande faixa de
floresta que supostamente havia sido derrubada em uma única noite. Foi uma visão
estranha. O cheiro de seiva era pesado no ar, e as árvores tinham caído em linhas
perfeitas até a crista de uma colina que dava para uma pequena capela dedicada a
Sankta Ilya em corrente. Todas as árvores estavam na mesma direção, como corpos
colocados para descansar, como se estivessem apontando para o oeste na direção da
Dobra.

Eles deixariam Yuri sair da carruagem para esticar as pernas e ver o suposto local dos
milagres, Tolya elevando-se sobre ele como a única árvore REI DE CICATRIZES | 150

que se recusara a cair. De acordo com Tolya, eles começaram a juntar um texto que
poderia muito bem ser a descrição original do obisbaya.

“Já ocorreu a você” disse Zoya, observando o monge magro falar animadamente com um
Tolya de aparência turbulenta “Que tudo isso é um engano? Que o Apparat e o monge
não são inimigos? Que ambos te queriam longe da segurança da capital, e que eles
conseguiram apenas isso para o problema deles?”

“Claro que sim”, disse Nikolai. “Mas essas exibições estão além do alcance considerável
do Apparat. Dói meu orgulho dizer isso, mas pode haver algo no trabalho aqui que é
maior do que nós dois”

“Fale por você mesmo”, ela disse.

Mas olhando para as árvores derrubadas, ela sentiu como se uma mão invisível estivesse
guiando-as, e ela não gostou.

"Eu não confio nele", disse Zoya. ‘Qualquer um deles.”

“O Apparat é um homem ambicioso, e isso significa que ele pode ser controlado.”

“E nosso amigo monge? Yuri é facilmente gerenciado também?”

“ Yuri é um verdadeiro crente. Ou isso ou ele é o maior ator que já viveu, o que eu sei
que não é possível.”

“Como você pode ter tanta certeza?”

“Porque eu consegui sorrir através daquele concerto de coral, então claramente eu sou
o maior ator que já viveu”

Nikolai cutucou seu cavalo com os calcanhares. “Para a próxima cidade, Nazyalensky.
Esperamos ou hesitamos.

Zoya ficou grata quando entraram em Adena, a última parada antes da dobra. Logo eles
teriam respostas ou eles voltariam para casa. Pelo menos, ela estaria livre da
antecipação e do medo do que eles poderiam encontrar quando chegassem ao Unsea.

A aldeia era como todas as outras, exceto pelo lindo lago que dava para o lago. Desta
vez, eles foram recebidos por uma banda desafinada e um desfile de gado e legumes
gigantes.

"Essa abóbora é tão larga quanto eu sou alto", disse Nikolai em voz baixa, enquanto
sorria e acenava.

"E duas vezes mais bonita.

"Metade tão bonita", ele protestou.

"Ah", disse Zoya, "mas a abóbora não fala".

Por fim, levantaram-se de seus assentos no coreto e dirigiram-se à igreja. Pela primeira
vez, os moradores não seguiram.
Zoya, Nikolai, Yuri e os gêmeos foram deixados para percorrer o caminho para fora da
cidade apenas com o padre local por companhia.

“Não há peregrinos?”- perguntou Tolya quando saíram da periferia da cidade.

“Os peregrinos são mantidos nos confins da aldeia”, disse o padre.

Ele era um homem mais velho com uma barba branca e óculos parecidos com os de Yuri.

“Os visitantes só podem acessar o local sob supervisão e em determinadas horas. A


catedral está sendo consertada e queremos preservar o trabalho de Sankta Lizabeta.”

REI DE CICATRIZES | 151

“É tão frágil?”, Perguntou Yuri.

"É extraordinário e não é algo para ser escolhido para lembranças."

Zoya sentiu um frio sobre ela. Algo estava diferente no ar aqui. Os insetos ficaram em
silêncio. Ela não ouviu nenhum chamado de pássaros das árvores ao redor enquanto se
moviam pelas sombras frias da floresta e mais longe da cidade. Ela encontrou o olhar de
Tamar e eles trocaram um aceno de cabeça.

Mesmo em um suposto local sagrado, o rei poderia estar em risco de assassinato.

Eles surgiram no topo de uma colina alta ao lado de uma catedral cercada por
andaimes, suas cúpulas douradas brilhando no sol do final da tarde. Uma estátua de
Sankta Lizabeta estava em frente à entrada. Uma profusão de rosas vermelhas explodiu
através da pedra, abrindo seu crânio velado. As flores caíram sobre a estátua em
profusão selvagem, cercando suas saias de mármore em um amplo círculo como uma
poça de sangue. Seu cheiro doce pulsava em uma onda espessa e melosa que parecia
brilhar com o calor do verão. O rosto de Yuri estava em êxtase.

“Eu queria acreditar. Eu acreditei, mas isso…”

Zoya percebeu que ele estava chorando. "Fique em silêncio", ela disse.

"Ou eu vou mandar você de volta para o treinador."

"Olha", disse Tolya, e ela ouviu nova reverência em sua voz.

Lágrimas negras corriam dos olhos de Lizabeta. Eles brilhavam como obsidiana, como
se tivessem congelado ali ou sido atirados em pedra.

No vale abaixo, Zoya podia apenas vislumbrar a expansão de Kribirsk ao longe e o


vislumbre das areias brancas mortas que outrora fora a Dobra Sombria além.

Eles estavam perto. Nikolai soltou um suspiro e Zoya olhou para ele bruscamente. Os
olhos dos outros estavam trancados na estátua, mas antes que Nikolai pudesse puxar a
luva de volta ao lugar, Zoya vislumbrou a veia escura em seu pulso preto, como se ...
como se o que quer que estivesse dentro dele tivesse reconhecido algo familiar aqui e
acordado.

Parte dela queria se afastar, com medo de ver o demônio emergir, mas ela era uma
soldado e não vacilaria.

"Qual foi a história de Lizabeta?", Perguntou Nikolai. Sua voz estava tensa, mas os
outros não pareciam notar.

"É bonito e trágico", disse Yuri com entusiasmo. Zoya queria derrubá-lo nas rosas.

"Todos os martírios não são construídos para parecer assim?"

Mas Yuri a ignorou ou simplesmente não ouviu. “Ela tinha apenas dezoito anos quando
os invasores chegaram à costa de Ravka oeste, pilhando e queimando todas as aldeias
que encontravam. Enquanto os homens de sua REI DE CICATRIZES | 152

cidade se encolhiam, Lizabeta enfrentou os soldados em um campo de rosas brancas e


implorou que eles mostrassem misericórdia. Quando eles a atacaram, ela caiu de joelhos
em oração, e foram as abelhas que responderam, levantando-se das flores para atacar os
soldados em um enxame. A cidade de Lizabeta foi salva.”

Zoya cruzou os braços. “Agora diga ao nosso rei como o povo recompensou a jovem
Lizabeta por esse milagre.”

“Bem”- disse Yuri, mexendo em um fio solto na manga. “Os aldeões do norte exigiram
que Lizabeta repetisse esse milagre e salvasse a cidade deles também, mas ela não
podia.” Ele limpou a garganta. “Eles a tinham atraído e esquartejado. Diziam que as
rosas ficaram vermelhas com o sangue dela.”

“E esta é a mulher que deveria estar respondendo às orações do povo.”

Zoya tirou uma rosa do caule, ignorando o suspiro horrorizado do padre local. Seu
perfume era enjoativo. Tudo sobre esse lugar colocou seus dentes no limite. Parecia que
alguma coisa a observava das cúpulas da catedral, das sombras das árvores.

“Por que todos os seus santos devem ser martirizados?”

Yuri piscou. "Porque ... porque mostra uma vontade de se sacrificar."


"Você acha que Lizabeta estava disposta a ser afastada? Como sobre Demyan quando ele
foi apedrejado até a morte? Ou Ilya, acorrentada e atirada em um rio para se afogar?”

Ela estava cansada desses milagres, cansada do medo que passava com ela diariamente,
e completamente cansada de histórias que terminavam em sofrimento para aqueles que
ousavam ser corajosos, estranhos ou fortes.

"Se eu fosse Lizabeta, eu não perderia meu tempo ouvindo as reclamações de..."

O movimento no telhado da catedral chamou a atenção de Zoya. Ela olhou para cima a
tempo de ver algo enorme correndo em sua direção.

Esmagou a estátua de Lizabeta, enviando pétalas e cacos de pedra voando.

Mãos enormes agarraram os ombros de Zoya, cavando em sua carne, levantando-a do


chão. Ela chutou seus pés, sentindo a terrível sensação de nada abaixo dela.

Zoya gritou quando foi puxada para o céu, a rosa ainda apertada na mão.

REI DE CICATRIZES | 153

"ZOYA!"

Algo a agarrou por trás - algo com asas, e por um momento Nikolai se perguntou-se de
alguma forma o demônio havia saltado de sua própria pele.

Mas não, as asas do captor eram vastas maravilhas mecânicas de engenharia que
batiam no céu conforme almejavam as alturas.

Outro soldado alado estava indo em direção a Nikolai – uma mulher negra com cabelo
preso em um topete, bíceps blindados em bandas de metal cinza. Khergud. Os Shu se
atreveu a atacar a procissão real.

Tolya e Tamar se posicionaram na frente de Nikolai, mas o alvo do soldado não era o rei,
ela estava aqui pelos guardas Sangradores do rei. Ela veio para caçar Grisha. Em um
único movimento, a khergud lançou uma rede metálica que brilhava no ar, em seguida,
caiu sobre os gêmeos com peso suficiente para derrubá-los. A khergud arrastou-os sobre
a terra, ganhando velocidade para levantá-los até o céu.

Nikolai não hesitou. Havia momentos de sutileza e momentos em que não era nada para
fazer além de cobrar. Ele correu direto para a khergud, que envolvia os corpos de Tolya
e Tamar see debatendo, grunhindo quando os fechos se conectaram.

Ele abriu fogo com as duas pistolas.

A khergud mal se encolheu, sua pele reforçada com aquela maravilhosa liga eficaz de
aço Grisha e rutênio. Nikolai resolveria esse problema mais tarde.

Ele colocou suas armas de lado, mas não diminuiu o ritmo. Brandiu seu punhal e se
lançou nas costas do khergud. A soldada resistiu com a força de um cavalo selvagem.
Nikolai lera os arquivos. Ele sabia que força e pólvora não eram páreo para esse tipo de
poder. Então precisão teria que ser.

"Eu espero que alguma parte de você ainda seja carne e sangue", Nikolai disse. Ele
apreendeu

o colar do khergud e apontou o punhal para o entalhe entre o soldado mandíbula e


garganta, rezando para a precisão enquanto ele dirigia a lâmina para casa.

REI DE CICATRIZES | 154

O khergud tropeçou, perdendo força, tentando afastar a adaga.

Nikolai não arredou, torcendo a lâmina mais forte, sentindo o sangue quente jorrar
sobre a pele de sua mão. Por fim, o soldado desmoronou.

Nikolai não esperou para ver Tolya e Tamar se libertarem; ele já estava procurando nos
céus por Zoya e seu sequestrador.

Eles estavam trancados em uma luta bem acima da terra, Zoya chutava e lutava contra o
khergud que a aprisionava. O soldado envolveu um braço maciço em volta da garganta
dela. Ele ia sufocá-la até a submissão.

Abruptamente, Zoya ficou imóvel - mas aquilo era rápido demais para ela ter perdido a
consciência. Nikolai sentiu o ar ao redor dele crepitar. O

khergud assumira que Zoya era como os outros Grisha, que não podiam convocar com
os braços amarrados. Mas Zoya Nazyalensky não era uma Aero comum.

Um raio estalou sobre as asas de metal do soldado Shu. Ele estremeceu e sacudiu. O
corpo do khergud ficou mole. Ele e Zoya mergulharam no chão.

Não não não. Nikolai correu em direção a eles, sua mente construindo e deixando de
lado planos.

Sem utilidade. Sem esperança. Não havia como chegar até ela a tempo.

Um rosnado rasgado de seu peito.


Ele pulou, o ar rajando contra seu rosto, e então a envolveu em seus braços. Impossível.
A física não permitiria ...

Nikolai vislumbrou sua própria sombra debaixo dele - muito abaixo dele, uma mancha
escura na qual sobressaiam asas que irrompiam de suas costas. O

monstro sou eu e eu sou o monstro. Ele se encolheu, como se pudesse escapar de


alguma forma, e assistiu à sombra do monstro se contorcer.

- Nikolai? - Zoya olhava para ele e tudo o que viu no rosto dela foi terror.

" Sou eu", ele tentou dizer, mas apenas um rosnado surgiu. No próximo segundo o
choque estava viajando através de seu corpo - o poder de Zoya vibrando por seus ossos.
Ele gritou, o som um grunhido irregular, e sentiu suas asas se enroscarem em si
mesmas, desaparecendo.

Ele estava caindo. Ambos iam morrer.

Zoya empurrou o braço livre para baixo e uma almofada de ar surgiu por baixo deles,
parando seu momentum com um solavanco. Eles rolaram e bateram no chão em um
pilha desajeitada. Em um fôlego, ela estava se afastando dele, braços erguidos, olhos
azuis arregalados.

Ele ergueu as mãos em um gesto de rendição. "Sou eu", ele repetiu e quando ele ouviu
as palavras saírem de seus lábios, humanos e inteiros, quis REI DE CICATRIZES | 155

chorar de gratidão. Ele nunca provou nada tão doce quanto o retorno da linguagem à
própria língua.

As narinas de Zoya se abriram. Ela voltou sua atenção para o soldado khergud que a
havia atacado, pairando sobre seu corpo, procurando um lugar para libertar seu medo.

A queda deveria tê-lo matado, mas ele já estava se levantando. Zoya voltou suas palmas
para o céu e trovão explodiu, relâmpagos brilhando na ponta dos dedos. Os fios de seu
cabelo se contorciam como um halo de serpentes em volta do próprio rosto. Ela bateu as
mãos contra o peito do soldado. Ele convulsionava enquanto sua carne se tornava
vermelha e fumaça crepitava de seu torso, seu corpo pegando fogo enquanto queimava
por dentro.

"Zoya!", Gritou Nikolai. Ele se levantou, mas não ousou tocá-la, não com esse tipo de
corrente a percorrendo. "Zoya, olhe para mim, droga."

Ela levantou a cabeça. Sua pele estava pálida, os olhos selvagens de raiva. Para
momento, ela pareceu não reconhecê-lo. Então seus lábios se separaram, seus ombros
relaxaram. Zoya afastou as mãos e o corpo carbonizado do khergud desmoronou.

Ela se sentou de joelhos e deu um longo suspiro.

O cheiro que emanava do cadáver torrado do khergud era doentio e doce. Tanto por um
interrogatório.

Tolya e Tamar haviam se libertado da rede. Eles ficaram com Yuri, que estava tremendo
tanto Nikolai pensou que ele poderia estar tendo algum tipo de apreensão. O garoto
nunca tinha visto combate? Foi uma disputa brutal, mas breve, e não era como se ele
tivesse sido um alvo. Então Nikolai percebeu…

"Você ... ele ..." balbuciou Yuri.

"Sua Alteza", disse Tolya.

Nikolai olhou para as mãos. Seus dedos ainda estavam manchados de preto,
transformados em garras. Elas rasgaram suas luvas. Nikolai respirou fundo. Um longo
momento se passou, depois outro. Por fim, as garras recuaram.

"Eu sei, Yuri", disse ele tão firmemente quanto ele conseguiu. “Mais um truque de
festa.”

“Você vai desmaiar?”

"Não. Possivelmente. Eu não sei."

"Você vai ficar bem. Todos nós iremos. ”As palavras eram tão falsas que Nikolai teve que
lutar para não rir. “Eu preciso que você fique em silêncio.

REI DE CICATRIZES | 156

Tolya, Tamar, vocês não estão feridos? ”Ambos assentiram. Nikolai se obrigou a olhar
para Zoya.

"Você não está ferida?"

Ela respirou estremecendo. Assentiu, flexionou os dedos e disse: “Poucas contusões.


Mas o padre ... ”Ela balançou o queixo para onde o homem estava deitado, onde o
sangue escorria da testa em sua barba nevada. Ele fora derrubado inconsciente por um
pedaço do véu de pedra de Lizabeta.

Nikolai se ajoelhou ao seu lado. O pulso do padre estava firme, embora ele
provavelmente tinha uma concussão ruim.

"Nenhum clamor da aldeia", disse Tamar, enquanto usava seu poder para verificar o os
sinais vitais do padre. “Sem alarme. Se alguém visse o khergud, eles teriam vindo
correndo."

Espero que o ataque tenha sido suficientemente longe da cidade para evitar aviso
prévio.

"Eu não quero tentar explicar soldados com asas mecânicas", disse Nikolai.

"Nós vamos ter que esconder os corpos."

"Dê-lhes às rosas", disse Tamar. "Vou mandar dois pilotos de volta para pegá-los depois
do pôr do sol. ”

Quando os cadáveres foram escondidos de vista nos montes de rosas vermelhas de


Lizabeta, eles encenaram a área ao redor da estátua ao seu gosto, e então Tamar trouxe
o padre de volta à consciência. Como sempre, tomar algum tipo de ação ajudou a aliviar
a tensão que atravessa Nikolai. Mas ele sabia que não podia confiar nessa ilusão de
controle.

Era um bálsamo, não uma cura. O monstro tinha emergido em plena luz do dia. E isso
permitiu que ele salvasse Zoya. Nikolai não sabia o que significava. Ele não comandou o
demônio. Ele havia forçado seu escape. Ao menos assim ele achava que havia sido.

E se isso acontecer de novo? Sua mente parecia um território inimigo.

O padre chegou com um sobressalto e depois gemeu, estendendo a mão para tocar com
os dedos para a protuberância crescente em seu templo.

"Você levou uma pancada na cabeça", disse Nikolai gentilmente.

"Havia soldados!", O padre engasgou. “No céu!” Nikolai e Tamar trocaram um olhar de
preocupação. “Um homem… ele surgiu das nuvens. Ele tinha asas! Outra veio do
telhado da catedral.”

"Eu temo que você tenha uma concussão", disse Nikolai, ajudando o padre a levantar.

REI DE CICATRIZES | 157

"Eu vi! A estátua ... Você viu, ele quebrou a estátua, nossa estátua de Sankta Lizabeta!”

"Não", disse Nikolai, e apontou para o feixe que eles conseguiram atar à saliência da
catedral. "Você não viu o raio disparando? Surgiu das vigas e te atingiu, junto com a
estátua. Você tem sorte de não ter sido morto.”

“Milagroso”, dsse Zoya secamente.

"Irmão", o padre implorou a Yuri. "Diga-me que você enxergou o que eu enxerguei!"

Yuri puxou a barba desgrenhada e Nikolai esperou. O monge não tinha parado de
encará-lo desde o ataque dos khergud. Por fim, Yuri disse: "Eu ... eu não coisa alguma
que não possuísse explicação.”

O padre deu um bufo desamparado e frustrado, e Nikolai sentiu uma pontada de culpa.

"Venha", disse ele. "Se você não está dor de cabeça, vai ficar em breve.

Vamos encontrar socorro.”

Eles caminharam de volta ao longo do caminho da floresta para a cidade, onde muitos
dos moradores ainda celebravam na praça da cidade e deixavam o padre sob seus
cuidados.

"Eu não gosto de mentir para um padre", disse Tolya enquanto montavam seus cavalos
para cavalgar para a mansão onde eles passariam a noite.

"Eu concordo", Yuri acrescentou calmamente.

"A verdade teria sido mais difícil para ele suportar", disse Tamar. "Pense em quão infeliz
ele estaria, constantemente olhando por cima do ombro e imaginando que alguma coisa
ia sair do céu e arrancá-lo do chão como um falcão agarrando um arminho.”

"Ainda é mentira", disse Tolya.

"Então você terá que fazer algum tipo de penitência", disse Nikolai, sua exasperação
crescente. Ele era grato a Tolya. Ele respeitava a fé dos gêmeos e sua importância para
eles, mas não podia se dar ao luxo de se preocupar com a consciência de Tolya quando
sua mente estava tentando processar um ataque Shu na procissão real e um demônio
que não queria mais esperar até o anoitecer.

"Você pode começar esfregando meus pés", disse Zoya ao monge.

"Isso dificilmente é um ato de santa contrição", disse Yuri.

"Você nunca viu os pés dela", disse Nikolai.

REI DE CICATRIZES | 158

Zoya jogou o cabelo por cima do ombro. “Um homem uma vez se ofereceu para assinar
uma escritura para sua casa de verão em Polvost se eu o deixasse assistir enquanto
pisava em um pilha de mirtilos ”.
"E você?", Perguntou Tamar.

"Claro que não. O Polvost é uma lixeira.”

"O padre vai ficar bem", assegurou Nikolai a Yuri. "E eu aprecio seu tato."

"Fiz o que achei certo", disse o monge, mais quieto e contido do que Nikolai já o tinha
visto, sua mandíbula inclinada em um ângulo teimoso. "Mas eu espero uma explicação,
Vossa Alteza.”

"Bem", Zoya disse enquanto assistiam Yuri sair à frente da festa, "agora o que?"

"Você quer dizer que agora criou uma fonte inestimável de informações a partir do ar?
”Havia uma ponta em sua voz que ele não estava totalmente arrependido.

Não era como se Zoya cometesse esse tipo de erro.

As costas de Zoya se endireitaram. "É possível que eu não estivesse totalmente no


controle. Eu suspeito que você está familiarizado com a sensação.”

Porque não foi apenas o ataque de khergud que a deixou inquieta. Foi a memória
daquela noite na torre do sino, de outro monstro alado. Aquele que havia mostrado suas
garras novamente hoje.

"Passando por ela", ele murmurou.

"E eu não estava falando sobre o khergud", disse Zoya, percorrendo a pequena distância
entre eles. "O que você vai fazer com o monge?"

“Tenho algumas horas para descobrir o que dizer a ele. Vou pensar em algo."

"Você tem um dom para o absurdo", disse Zoya, colocando seu cavalo em um galope. "E
todo esse país amaldiçoado parece ter gosto por isso."

Já passava do sol quando Nikolai finalmente conseguiu se aposentar do jantar e juntar-


se aos outros nos aposentos que o governador local lhes havia providenciado.

O quarto era claramente o melhor da casa, e em todos os lugares Nikolai encontrava


objetos direcionados a Sankta Lizabeta - os ladrilhos de favo de mel, rosas esculpida na
cornija de lareira, até mesmo as paredes da câmara haviam sido escavadas em cofres
para se assemelhar a uma grande colmeia.

Fogo queimava na lareira, banhando as paredes de arenito em luz dourada, o brilho


alegre de alguma forma inadequado para os eventos terríveis do dia.

REI DE CICATRIZES | 159

Tamar voltou para a catedral assim que a noite caiu para recuperar os corpos dos
kherguds e providenciar seu transporte até a capital para estudo. A relutância de Toyla
em profanar o corpo de um soldado caído diminuiu consideravelmente pela emboscada,
e Nikolai não sentia escrúpulos.

Seus guardas foram atacados. Zoya quase foi levada. Além disso, alguma parte dele
seria sempre um corsário. Se o Shu quisesse travar esse tipo de guerra, que eles
colhessem as consequências.

Tolya recebeu ordens para vigiar o monge e certificar-se de que ele não enviasse
mensagens para seus seguidores sobre o que ele tinha visto. Agora Yuri sentava-se
diante do fogo, com a aparência ainda abalada. Tolya e Tamar jogavam xadrez em uma
mesa baixa, e Zoya empoleirou-se no peitoril da janela, emoldurado pelo batente, como
se fosse ela quem voasse.
Nikolai fechou a porta, sem saber como começar. Ele pensou no corte do soldado Shu,
seu corpo aberto sobre uma mesa. Ele tinha visto arquivos de dissecação, os desenhos
detalhados processado por Fabrikators e Corporalki.

Era isso que esse problema exigia?

Alguém para cortá-lo e desmantelâ-lo? Eu faria isso de bom grado, ele pensou. E se essa
coisa poderia ser isolada e extirpada como um tumor, eu me deitaria sob o bisturi e
guiaria a mão do cirurgião eu mesmo.

Mas o monstro era mais esperto do que isso.

Foi Yuri quem falou primeiro de seu lugar no chão. "Ele fez isso com você, não foi?”

"Sim", disse Nikolai simplesmente. Ele pensou sobre quais mentiras ele poderia inventar
para apaziguar o medo e a curiosidade do monge. Mas no final, ele sabia que a verdade -
pelo menos parte dela - funcionaria da melhor forma. Yuri queria acreditar em santos e
santos exigiram martírio.

No entanto, agora que chegara a hora de falar, Nikolai não queria narrar o conto. Não
queria que fosse sua história. Pensou que a guerra estivesse no passado, e recusou-se a
permanecer lá.

Ele sacou uma garrafa de conhaque do aparador, escolheu uma cadeira e esticou suas
pernas na frente do fogo. Era uma pose de facilidade e confiança, uma que ele tinha
assumido muitas vezes. Parecia falsa.

"Durante a guerra", ele disse, puxando as luvas de suas mãos, “ fui capturado pelo
Darkling. Sem dúvida você já ouviu falar que fui torturado pelo seu Santo Sem Estrelas.”

Os olhos de Yuri caíram no traçado de linhas negras que se espalharam por cima dos
dedos e juntas de Nikolai. "Korol Rezni", ele disse baixinho. “Rei das cicatrizes. Eu ouvi
as histórias."

REI DE CICATRIZES | 160

“E atribuiu-as à propaganda real? Uma campanha de difamação contra um herói caído?”

Yuri tossiu. "Bem-"

“Entregue-me aquele conhaque”, disse Zoya. "Eu não posso tolerar esse grau de
estupidez sóbria.”

Nikolai se serviu antes de entregar a garrafa, mas sabia que zombar de Yuri não faria
bem. Não estava falando a verdade que deveria libertá-lo?

Algum tipo de tônico para a alma? Na experiência de Nikolai, a honestidade era muito
parecida com o chá de ervas - algo que as pessoas bem-intencionadas recomendam
quando estavam carentes de melhores opções.

"O Darkling teve um dom para infligir miséria", continuou ele. "Ele sabia que dor ou
prisão seria muito fácil para que eu suportasse. Então usou seu poder para me infectar
com a escuridão viva. Foi meu pagamento por ajudar a Conjuradora do Sol a escapar de
seu alcance. Eu me tornei ... eu não sei exatamente o que me tornei.”

“Parte monstro, parte homem. Ansiava por carne humana. Eu estava quase doente com
a necessidade. Por pouco. Minha própria consciência ainda vivia em mim, continuou a
lutar contra os impulsos do monstro e até mesmo reuniu o volcra para enfrentar o
Darkling na Dobra.”

Na época, Nikolai não sabia se havia algum ponto em lutar, se jamais seria ele mesmo
novamente. Ele nem sabia se o Darkling poderia ser morto.

Mas Alina conseguiu, armada com uma lâmina de sombra envolta no próprio poder do
Darkling e regado no sangue de sua própria linhagem.”

“Antes de morrer, a Conjuradora do Sol matou o Darkling e a escuridão dentro de mim


morreu com ele.” Nikolai tomou um longo gole de conhaque.

"Ou então assim eu pensei. "

Ele despencara para a terra e teria morrido se Zoya não tivesse usado o vento para
amortecer sua queda, como fez hoje. "Vários meses atrás, algo começou a tornar minha
mente inconsciente. Algumas noites eu durmo bem, algo que pode ser esperado - apenas
um monarca preguiçoso tem vida fácil.

Mas em outras noites, eu me torno o monstro. Ele me controla completamente.”

"Não completamente", disse Zoya. "Você não tomou uma vida humana."

Nikolai sentiu uma onda de gratidão por ela ser a pessoa a falar essas palavras, mas se
forçou a acrescentar: “Que nós sabemos. Os ataques estão piorando. Eles vêm com mais
frequência. Os tônicos e até as correntes que usei para mantê-lo sob controle são
soluções temporárias. Pode ser apenas uma questão de tempo antes que minha mente se
entregue à fera e às suas fomes. É

possível… ”

REI DE CICATRIZES | 161

Agora as palavras travavam uma disputa com ele, veneno em sua boca.

"É possível que a besta possa me submeter completamente e nunca mais poderei voltar
para a minha forma humana. "

Silêncio preencheu a sala, o silêncio de um funeral. Por que não jogar um pouco mais de
sujeira no caixão? “Hoje, o monstro deu um passo à frente em plena luz do dia, enquanto
eu ainda estava acordado. Isso nunca aconteceu antes."

"Foi deliberado?", Perguntou Yuri. "Você escolheu ..."

"Eu não escolhi nada. Isso simplesmente aconteceu. Eu acho que o choque que Zoya
enviou através do meu corpo me permitiu voltar a mim mesmo. ”Ele tomou um longo
gole de seu copo. "Eu não posso ter essa coisa me manipulando no campo de batalha ou
no meio de uma função de estado. A posição de Ravka é precária e a minha também. As
pessoas apenas começaram a se recuperar da guerra. Elas querem estabilidade e
liderança, não um monstro nascido de pesadelos. ”

Paz. Uma chance de recuperar, construir suas vidas sem o medo constante de batalha, a
ameaça de fome. Nesta jornada, Nikolai viu o progresso que Ravka fizera com seus
próprios olhos. Seu país não podia se dar ao luxo de ir à guerra novamente, e ele faria
tudo para garantir que eles não precisariam.

Mas se o monstro emergisse, se Nikolai revelasse esta presença escura, ele pode ser
exatamente quem coisa colocaria o país de volta no caminho da violência.

"Talvez você não dê crédito suficiente às pessoas", disse Yuri. "Não", disse Zoya de seu
poleiro. “As pessoas que ainda chamam Grishas de bruxos apesar dos anos que eles
mantiveram este país seguro? Que os impede de possuir propriedade em suas cidades
...”

"Isso é ilegal", disse Nikolai.


Zoya ergueu o copo em um brinde simulado. "Eu vou informá-los da próxima vez que
uma família Grisha for epulsa de sua casa no meio da noite. ”

"As pessoas estão sempre procurando alguém para culpar por seu sofrimento", Yuri
disse sinceramente. “Ravka viu muita discussão. É natural que ...”

Não havia nada de natural nisso.

"Yuri", disse Nikolai. “Podemos debater os preconceitos de Ravka em outra ocasião-“

“ Você me disse que veio nesta jornada para investigar os sites de milagres, a considerar
Santidade para o Darkling. Isso era verdade?”

Nikolai não pretendia responder a essa pergunta diretamente.

REI DE CICATRIZES | 162

“O Darkling pode merecer seu lugar entre os santos, mas isso não pode acontecer até
que eu esteja livre dessa aflição. ”

Yuri assentiu e assentiu novamente. Ele olhou para as mãos ossudas.

“Mas é isso algo para querer se livrar?”

Zoya soltou uma risada amarga. "Ele acha que você foi abençoado pelo Santo Sem
Estrelas.”

Yuri empurrou os óculos mais para cima em seu longo nariz. “Bênção e maldição são
palavras diferentes para a mesma coisa.”

"Você pode estar certo", disse Nikolai, forçando-se a encontrar a diplomacia que sempre
lhe servira bem. Se você ouviu as palavras de um homem, você pode aprender seus
desejos. O truque era olhar em seu coração e descobrir suas necessidades. "Mas, Yuri, o
Darkling não pode ser considerado um santo até que seu martírio seja completo.”

Os olhos de Zoya se estreitaram. Nikolai a ignorou. Ele diria o que tinha que fazer o que
devia para se livrar dessa doença. “Não foi coincidência que te trouxe para os portões
do palácio. Você estava destinado a testemunhar o último remanescente do poder do
Darkling. Você estava destinado a nos levar para o bosque de espinhos. Você deveria
libertar a ambos.”

“Eu?” Disse Yuri, sua voz sem ar, mas Nikolai podia ver que ele queria acreditar. Não
queríamos todos? Quem não queria pensar que o destino tinha um plano para si? Suas
mágoas e fracassos se transformando no prólogo de uma história grandiosa? Para um
monge se tornasse um guerreiro sagrado.

Para um bastardo se tornarum rei.

"Eu", repetiu Yuri.

Atrás dele, Zoya revirou os olhos. Nem Tolya nem Tamar pareciam felizes.

"Só você pode completar o martírio do Darkling", disse Nikolai. "Você poderia me
ajudar? Você vai ajudá-lo?”

"Eu irei,” disse Yuri. "Claro que irei. Vou levá-lo para o Bosque de Espinhos. Irei
construir uma pira santa.”

"Espere só um minuto", Zoya disse de seu poleiro. "Você está dizendo que quer colocar o
rei de Ravka em uma pira funerária?”
Yuri piscou. “Quero dizer, alguém pode espera que seja simplesmente uma pira?”

"Uma distinção reconfortante e essencial", disse Nikolai, embora ele não pudesse dizer
que ficou encantado com a possibilidade. “É isso que o obisbaya exige?”

REI DE CICATRIZES | 163

Tolya pegou uma torre e a girouna mão. "Não está totalmente claro, mas parece ser o
que a maioria dos textos aponta. ”

"Sim", disse Yuri, agora. "Há alguma sugestão de que Sankt Feliks pode de fato tem sido
um membro do Sacerdote, e há um texto para um ritual ser lido durante o processo.
Tolya e eu temos tentado garantir que o idioma está intacto. ”

As sobrancelhas de Nikolai se levantaram. “Sankt Feliks? Não foi ele cuspiu em um


galho e cozinhou a morte como um kebob sagrado?

Tolya colocou a peça de xadrez no chão. “O tempo e a tradução podem ter enlameado os
fatos. ”

"Espero que eles estejam muito turvos", disse Nikolai. “Possivelmente afundados em um
pântano."

Mas agora Tamar pegou a torre. “Ramos de Feliks são sempre mostrados grossos com
espinhos, não muito como um ramo de maçã. Poderia fazer uma espécie de sentido ”, ela
disse. "Se estamos certos sobre a localização do Bosque de Espinhos."

"Se alguma parte dele ainda existir”, acrescentou Zoya.

"Se pudermos encontrar o suficiente para construir a pira", disse Tolya.

"Depois, há a pequena questão de sobreviver às chamas", disse Zoya.

"Você vai", disse Yuri. “Você vai sobreviver, e o Santo Sem Estrelas terá seu verdadeiro
martírio. ”

"Vamos para a Dobra amanhã", disse Nikolai.

"Venha, Tolya", disse Yuri, levantando-se, seu rosto iluminado com fervor. “Eu tenho
algumas ideias sobre a tradução da terceira passagem. Nós devemos estar prontos.”

Tolya deu de ombros e desdobrou seu corpo maciço. "É um tipo de poesia."

Nikolai tomou o último gole de sua bebida. "Não é tudo?"

Tamar fez para segui-los do quarto, mas antes de sair ela se virou para Nikolai. À luz do
fogo, seus braços de bronze brilhavam, as linhas pretas de suas tatuagens de sol
escritas na pele.

"Eu sei que você disse essas coisas por causa do efeito que elas teriam no monge, mas
Tolya e eu nunca acreditamos em coincidência ”, disse ela. “Muita coisa aconteceu em
nossas vidas para nós pensarmos que a fé e o destino não desempenharam seu papel.
Eles podem estar fazendo suas partes agora também.” Ela se curvou. “Boa noite, Vossa
Alteza."

REI DE CICATRIZES | 164

Zoya saltou do seu poleiro, preparada para lhe dar uma dose durante a noite. Ele estava
aflito ao descobrir que após os acontecimentos do dia, estava ansioso para um pouco de
esquecimento.

"Destino", disse Nikolai enquanto abria a porta do seu quarto. "Fé. Eu temo que estamos
em território desconhecido, Nazyalensky. Pensei que você iria levantar um protesto mais
alto para me espetar.”

"O que há para se opor a?" Zoya perguntou, reorganizando as peças de xadrez que
gêmeos haviam deixado em desordem. “Se a madeira de espinhos se foi, nossas
esperanças desmoronam, voltamos para o palácio de mãos vazias, e passamos por essa
festa ou cúpula ou o que você quiser chamá-lo com o melhor de nossa capacidade. ”

Nikolai sentou-se na beira da cama e tirou as botas. “E se formos lá? Se o destino nos
guiou o tempo todo?”

Zoya levantou uma sobrancelha. "Então é melhor esperar que o destino pense que você
vai dar um bom rei."

Nikolai tinha sido informado de que a esperança era perigosa, havia sido advertido
muitas vezes. No entanto, nunca acreditara nisso. Esperança era o vento que vinha do
nada para impulsionar suas velas e levá-lo para casa. Se era destino ou o desespero
guiando-os para a frente, pelo menos uma vez que chegassem à Dobra, ele teria
respostas.

"Vamos mandar um treinador chamariz para Keramzin", disse ele, "e viajar disfarçados.
E se realmente pretendemos cavar um buraco no meio da Dobra, eu não quero que isso
seja feito sob a bandeira Lantsov.”

“Você acha que o Shu sabiam quem nós éramos? Um ataque ao rei ...”

"É um ato de guerra", terminou Nikolai. "Mas eles não estavam atrás de mim. Eu não
acho que eles tinham alguma ideia de quem nós éramos. Eles estavam caçando Grisha, e
encontraram três de vocês."

"Tão longe das fronteiras", disse Zoya, demorando-se na porta do quarto. "Sinto que eles
estão nos provocando ”.

Nikolai colocou as botas ao lado da cama. "Eu te devo desculpas."

“Você me deve uma safra inteira delas. Por que começar agora?”

“Eu quis dizer pela outra noite em Balakirev. Pela torre do sino. ”Ele deveria ter disse
alguma coisa antes, mas a vergonha de machucá-la foi mais profunda do que ele poderia
ter imaginado. “Zoya, me desculpe. Pelo que fiz ...

"Não foi você", disse ela com um aceno desdenhoso de sua mão. "Não seja tolo".

Mas ela ficou na porta.

REI DE CICATRIZES | 165

"Não podemos trabalhar lado a lado se você tem medo de mim."

"Eu não temo você, Nikolai."

Mas quanto tempo ele seria ele mesmo?

Zoya foi até a cama e sentou-se na esquina. Seus elegantes dedos faziam uma dobra
suave na seda azul do seu kefta. "Perguntei como você faz tudo isso, mas eu nunca
perguntei por que.”
Nikolai se encostou na cabeceira da cama e esticou as pernas, estudando seu perfil.
"Suspeito pelas mesmas razões que você."

"Duvido muito disso."

Ele esfregou as mãos sobre o rosto, tentando afastar sua fadiga. Tinha sido um dia de
muitas revelações, mas se Zoya estivesse disposta a ficar aqui sozinha com ele, no
silêncio desta sala, e se o que ele disse pode curar a brecha entre eles, então ele não ia
desperdiçar a oportunidade.

Mas como responder? Por que importava para ele o que acontecia com Ravka? Ravka
quebrada, carente e frustrante. A grande dama. A criança chorando. O homem se
afogando que iria arrastar você para baixo ao invés de ser salvo. Este país que levava
tanto e não dava nada de volta.

Talvez porque ele sabia que ele e seu país eram os mesmo. Nikolai sempre quis mais.
Mais atenção, mais carinho, algo novo. Ele tinha sido demais para seus tutores, suas
babás, os servos, sua mãe. Ninguém sabia bem o que fazer com ele. Não importa como
eles bajulavam ou que punições planejavam, ele não podia ficar parado.

Eles deram a ele livros e ele os leu em uma noite. Ele sentou-se com uma lição de física
e depois tentou soltar uma bala de canhão do telhado do palácio.

Ele desmontou um relógio ormolu inestimável e o remontou em uma engenhoca horrível


que zumbia e bipava sem intervalos definidoa, e quando sua mãe chorou pela herança
arruinada, Nikolai olhou para ela com olhos castanhos confusos e disse: "Mas ... mas
agora diz a data assim como a hora! ”

A única pessoa que poderia fazer o jovem príncipe se comportar era o irmão mais velho.
Nikolai tinha adorado Vasily, que poderia montar e empunhar um sabre, e que era
autorizado a sentar-se em funções de Estado muito depois de Nikolai ser mandado para
a cama.

Vasily era importante. Vasily seria rei um dia.

Tudo o que seu irmão fazia, Nikolai queria fazer também. Se Vasily montava, Nikolai
queria montar. Quando Vasily fez aulas de esgrima, Nikolai implorou e implorou até que
ele foi autorizado a participar. Desde Vasily começou a estudar política e geografia e as
histórias militares, Nikolai insistiu que ele estava pronto para essas lições também.

REI DE CICATRIZES | 166

Nikolai só queria a atenção de seu irmão. Mas para Vasily, Nikolai era um pouco mais do
que um pirralho constantemente balbuciando, com cabeça de esfregão, que insistia em
se agarrar ao seu casco real. Quando Vasily favorecia Nikolai com um sorriso ou um
pouco de atenção, tudo era águas calmas. Mas quanto mais Vasily ignorava seu irmão
mais novo, mais Nikolai se tornava mal comportado.

Os tutores tiveram empregos nos campos de Tsibeya. Meus nervos, eles disseram. O
silêncio vai ser bom para eles. Babás renunciaram a seus cargos para cuidar de suas
mães doentes na costa. Meus pulmões, eles explicaram. O

ar do mar será um tônico. Servos choraram, o rei se enfureceu, a rainha se deitou na


cama com nós de dor de cabeça.

Certa manhã, quando ele tinha nove anos, Nikolai chegou em sua sala de aula sentindo-
se muito animado com o rato em uma jarra que ele planejava soltar na mochila do
professor, só para descobrir que outra cadeira e escrivaninha tinham sido colocadas, e
outro menino estava sentado nelas.

"Venha conhecer Dominik", disse seu tutor enquanto o menino de cabelos escuros se
levantava e se curvava profundamente. "Ele vai ter um pouco de educação com você."

Nikolai ficou surpreso, mas encantado, como ele não tinha companheiros de sua idade
no palácio ao todo, embora ele se tornasse cada vez mais frustrado como Dominik se
encolhia toda vez que Nikolai tentava falar com ele.

"Você não precisa estar tão nervoso", sussurrou Nikolai. “Mitkin não é divertido, mas ele
às vezes conta boas histórias sobre os velhos reis e não deixa de fora as partes malditas.

"Sim, moi tsarevich."

“Você pode me chamar de Nikolai se quiser. Ou poderíamos criar novos nomes. Você
poderia ser o Dominik ... não tenho certeza. Você já fez algum feito heroico?”

"Não, moi tsarevich."

"Nikolai."

"Fiquem em silêncio, rapazes", disse Mitkin, e Dominik pulou de novo.

Mas pela primeira vez, Nikolai ficou quieto. Ele estava ocupado planejando como
poderia levar Dominik a falar mais.

Quando Mitkin saiu da sala em busca de um globo mais detalhado,Nikolai correu para a
frente da sala de aula e colocou o rato que encontrara vagando pela ala leste sob o
chapéu de pele que Mitkin deixara em sua mesa.

REI DE CICATRIZES | 167

Dominik parecia completamente aterrorizado, mas Nikolai estava excitado demais para
dar importância.

"Espere até ouvir o grito que Mitkin dá", disse Nikolai. “Ele soa como uma chaleira
escandalizada.”

O tutor Mitkin de fato gritou, e Nikolai, que pretendia sentar-se imóvel, não conseguiu
conter seu próprio riso - até que Mitkin disse a Dominik que viesse até a frente da sala e
estendesse as mãos.

O tutor pegou uma vara de bétula esbelta de sua mesa e, enquanto Nikolai assistia com
horror, Mitkin bateu nas palmas de Dominik. Dominik lançou um pequeno choramingo.

"O que você está fazendo?" Nikolai chorou. "Você deve parar!"

Nikolai chamou os guardas, gritou pelo corredor em busca de ajuda, mas Mitkin não
parou. Ele bateu na vara contra as mãos e antebraços de Dominik inúmeras vezes, até
que a carne do menino era uma massa de vergões vermelhos, e seu rosto estava
amassado e molhado de lágrimas.

Mitkin deixou a vara de lado. "Toda vez que você agir ou se comportar mal, Dominik vai
ser espancado.”

"Isso não está certo! Não é justo - o castigo deve ser meu! ”Mas ninguém elevaria a vara
a um príncipe real.

Nikolai protestou para sua mãe, seu pai, qualquer um que quisesse ouvir. Ninguém
parecia se importar. “Se você fizer o que o Tutor Mitkin lhe disser, não haverá mais
problemas ”, disse o rei.

"Ouvi aquele pequeno filhote gemendo", disse Vasily. “São apenas alguns cílios. Eu não
sabe por que você está fazendo tanto barulho. ”
No dia seguinte, Nikolai sentou-se em silêncio na cadeira. Ele quebrou o silêncio apenas
uma vez quando Mitkin saiu do quarto.

"Sinto muito pelo que aconteceu ontem", disse ele a Dominik. "Eu nunca vou deixar
acontecer de novo."

"É para isso que estou aqui, moi tsarevich. Por favor, não se sinta mal.”

"Você está aqui para aprender a ler e escrever e somar, e isso é tudo", disse Nikolai.
"Farei melhor. Eu prometo.”

Nikolai manteve sua promessa. Ele ficou em silêncio todos os dias depois disso. Ele não
se esgueirou para a cozinha para roubar pasta de amêndoa. Ele não desmontou nada
valioso, correu pelo salão do retrato, acendeu qualquer fogo. Todos ficaram
maravilhados com as mudanças forjadas no jovem príncipe e aplaudiram Tutor Mitkin
por sua ingenuidade.

O que eles não sabiam era que, em meio a toda a calma e tranquilidade, Nikolai e
Dominik ainda conseguiu se tornar amigos de alguma forma. Eles REI DE CICATRIZES
| 168

criaram seus próprios códigos para se comunicar em seus livros de lições e construiram
barcos de brinquedo com velas de trabalho que lançaram no jardim da água
abandonada, onde ninguém nunca se aventurou.

Eles trocaram títulos todos os dias, alguns grandiosos – Dominik, o Ccorajoso, Nikolai, o
Justo e alguns menos – Nikolai, o Conjurador de Aranhas. Eles aprenderam que, desde
que não incomodassem a ordem calma do palácio, ninguém se importava com o que eles
faziam, e que se eles parecessem estar trabalhando duro em seus estudos, ninguém se
preocupava em verificar se eles estavam memorizando datas ou tentando descobrir
como construir uma bomba.

Quando ele tinha doze anos, Nikolai pediu uma leitura extra em química e História
Kaelish e se retirava para a biblioteca todas as tardes para horas de estudo tranquilo.
De fato, a leitura e os ensaios tomavam pouco tempo a ele, e assim que ele os terminava
correndo, se disfarçaria de camponês grosseira e fugiria do Palácio para visitar a família
de Dominik no campo. Ele trabalhou nos campos, aprendeu a consertar carrinhos de
mão e equipamentos agrícolas, ordenhar vacas e cavalos gentis, e quando ele tinha
treze anos, ele tomou sua primeira taça de espíritos caseiros de um copo de estanho
batido.

Cada noite, ele caía na cama exausto, feliz por ter ocupação pela primeira vez em sua
vida, e nas manhãs ele apresentava a seus professores um trabalho impecável Isso os
fez pensar se talvez Nikolai se tornaria um grande estudioso.

Como o príncipe não era uma criança má; ele simplesmente não tinha nenhum dom para
ficar ocioso.

Ele estava feliz, mas ele não era cego. À família de Dominik foram concedidos privilégios
especiais por causa do status de seu filho no palácio, e ainda assim mal subsistiam com
as colheitas que colheram de sua fazenda. Ele viu a maneira como vizinhos sofriam sob
o peso dos impostos de seu rei e dos duques que possuíam suas terras.

Ele ouviu a mãe de Dominik chorar quando o filho mais velho foi levado para o Exército
e, durante um inverno particularmente ruim, ele os ouviu sussurrar sobre a criança
desaparecida do vizinho Lusha.

"O que aconteceu com o bebê de Lusha?", perguntou Dominik.

"Um khitka veio e o levou", respondeu sua mãe. Mas Nikolai e Dominik não eram mais
crianças, e eles sabiam que havia coisas mais reais que maus espíritos da floresta.

"Ela se afogou", disse Dominik a Nikolai no dia seguinte. "Ela parara de produzir leite
porque sua família está morrendo de fome. ”

Mesmo assim, as coisas poderiam ter continuado assim se Vasily não tivesse descoberto
Nikolai se esgueirando de volta para o palácio uma noite.

Ele tinha quinze anos então, e anos de escape o fizeram descuidado.

REI DE CICATRIZES | 169

“Já tomando camponesas,” disse Vasily com um sorriso de escárnio.

"Você é pior que o pai.”

"Por favor", implorou Nikolai. "Não conte a ninguém. Dominik será punido por isso. Ele
pode ser mandado embora.”

Mas Vasily não segurou a língua, e no dia seguinte, novos guardas fora postados em
todas as portas, e Dominik tinha ido embora, barrado do palácio em desgraça. Nikolai
havia encurralado Vasily na sala de desenho de lápis.

"Voce entende o que você fez? ”Ele perguntou furiosamente.

Seu irmão deu de ombros. "Seu amigo não vai conseguir estudar com seus superiores, e
você não vai conseguir ficar divagando nos campos como um plebeu. Eu te fiz um favor
e tanto.

“Sua família perderá seu salário. Eles podem não ser capazes de se alimentar sem ele.
"Ele podia ver seu próprio rosto irritado refletido nele no azul reluzente dos painéis
revestidos de ouro. "Dominik não estará isento da Convocação no próximo ano."

"Ótimo. A coroa precisa de soldados. Talvez ele aprenda qual é o seu lugar.”

Nikolai olhou para o irmão que ele uma vez tão adorado, a quem ele tentou emular em
tudo. "Você deveria ter vergonha."

Vasily ainda era mais alto que Nikolai, ainda superava ele. Ele espetou um dedo no peito
de Nikolai e disse: "Você não me diz o que devo ou não fazer, Sobachka. Eu serei um rei
e você sempre será Nikolai Ninguém.”

Mas enquanto Vasily tinha lutado com instrutores que nunca o empurraram forte demais
e que sempre fez questão de deixar o futuro rei vencer, Nikolai tinha passado seus dias
com os camponeses que não sabiam de quem é o nariz que estavam sangrando.

Nikolai agarrou o dedo de Vasily e torceu. Seu irmão gritou e caiu no chão. Ele parecia
incrivelmente pequeno.

"Um rei nunca se ajoelha, irmão."

Deixou Vasily segurando o dedo torcido e o orgulho ferido.

Mais uma vez, Nikolai jurou que faria as coisas certas com Dominik, embora isso agora
seria mais difícil. Ele começou inventando maneiras de canalizar dinheiro para sua
família a partir de amigos. Mas para fazer mais, ele precisaria de influência, algo que
seu irmão possuía simplesmente em virtude de ter nascido primeiro.

Como Nikolai não podia ser importante, ele voltou sua mente inteligente para a tarefa
de tornar-se encantador. Sua mãe era vaidosa, então ele lhe deu elogios. Ele se vestia
impecavelmente em cores que combinavam com seus gostos, e sempre que a visitava,
fazia questão de lhe trazer um pequeno REI DE CICATRIZES | 170

presente - uma caixa de doces, orquídeas da estufa. Agradou seus amigos com fofocas
divertidas, recitou pedaços de doggerel, e imitou os ministros de seu pai com precisão
surpreendente. Ele se tornou um favorito nos salões da rainha, e quando ele não
aparecia, era sabido que suas damas reclamavam: "Onde está esse menino querido?"

Com seu pai, Nikolai falou de caça e cavalo, assuntos sobre os quais não se importava
nem um pouco, mas seu pai amava. Ele elogiou a conversa espirituosa de seu pai e as
astutas observações e desenvolveu um dom para fazer o rei se sentir ao mesmo tempo
sábio e mundano.

Ele não parou com seus pais. Nikolai se apresentou aos membros do gabinete de real e
fez-lhes perguntas lisonjeiras sobre a arte de governar e finança. Ele escreveu aos
comandantes militares para elogiá-los em vitórias e perguntar sobre as estratégias que
eles implantaram. Ele se correspondia com armeiros e comandantes de navios e aplicou-
se a aprender línguas - a única coisa em que ele não se destacava particularmente - para
que pudesse abordá-

los em seus próprios idiomas.

Quando o outro irmão de Dominik foi enviado para o Fronte, Nikolai usou toda a
influência ele possuía para transferí-lo para um lugar onde a luta era leve.

E então, ele tinha considerável influência.

Ele fez isso porque gostava de aprender o quebra-cabeça de cada pessoa.

Ele fazia isso porque era bom sentir sua influência e compreensão crescerem.

Mas acima de tudo, fez isso porque sabia que precisava resgatar seu país.

Nikolai tinha que salvar Ravka de sua própria família.

Como era tradição entre os nobres, Vasily aceitou a comissão de seu oficial e tratou seu
serviço militar como simbólico. Nikolai se juntou à infantaria. Ele passou por
treinamento básico com Dominik na Poliznaya, e eles viajaram juntos para sua primeira
missão. Dominik estava lá quando Nikolai foi atingido pela sua primeira bala e Nikolai
estava lá quando Dominik caiu em Halmhend, para nunca mais se levantar.

Naquele campo de batalha, pesado com fumaça negra e o cheiro acre de pólvora,
Nikolai havia gritado por um medik, um curador Grisha, qualquer um para ajudá-los.
Mas nenhum veio. Ele não era filho de um rei, apenas mais uma voz gritando na
carnificina.

Dominik fez Nikolai prometer cuidar de sua família, garantir de que mãe saberia que ele
tinha morrido bem, e então ele disse: "Você conhece a história de Andrei Zhirov?”

"O revolucionário?"

Zhirov tinha sido um radical no tempo do avô de Nikolai.

REI DE CICATRIZES | 171

Um sorriso apareceu nos lábios manchados de sangue de Dominik.

“Quando eles tentaram enforcá-lo por traição, a corda quebrou e ele rolou na vala que
os soldados tinham cavado para seu túmulo.”
Nikolai tentou sorrir. "Eu nunca ouvi essa história."

Dominik assentiu. “Este país, Zhirov gritou. Eles não podem nem enforcar um homem
direito.”

Nikolai sacudiu a cabeça. "Isso é verdade?"

"Eu não sei", disse Dominik. Um som arquejante veio de seu peito enquanto ele lutava
para respirar. "Eu só sei que eles atiraram nele de qualquer maneira." Soldados não
choraram. Príncipes não choraram. Nikolai sabia disso. Mas as lágrimas caíram de
qualquer forma.

“Dominik, o valente. Espere um pouco mais...”

Dominik apertou a mão de Nikolai. “Este país te reclama no final, irmão.

Não se esqueça disso.”

"Não nós", disse ele. Mas Dominik já tinha ido embora.

"Eu vou fazer melhor", Nikolai prometeu, assim como ele tinha tantos anos atrás na sala
de aula de Mitkin. "Vou encontrar uma maneira."

Ele havia testemunhado mil mortes desde então. Seus pesadelos tinham sido
atormentados por inúmeros outros campos de batalha. E ainda assim foi essa promessa
para Dominik que assombrava suas horas de vigília. Mas como ele explica isso para
Zoya?

Ainda sentada pacientemente na esquina da cama, ainda mantendo distância.

Ele olhou para o teto de favo de mel, soltou um longo suspiro. "Eu acho que posso
consertar,” disse ele por fim. "Sempre soube que Ravka está quebrada, e vi como isso
quebra as pessoas em troca. As guerras nunca cessam.

O problema nunca para. Mas eu não posso deixar de acreditar que, de alguma forma, eu
vou encontrar uma maneira de superar todos os reis que vieram antes e tornar este país
direito. "Ele balançou a cabeça e riu. "É o auge da arrogância."

"Eu não esperaria menos de você", disse Zoya, mas sua voz não era cruel.

"Por que você mandou Nina embora?”

"O quê?" A pergunta pegou-o de surpresa - ainda mais a maneira rápida, sem fôlego
como Zoya pronunciara as palavras, como se as expulsasse de seus lábios.

Ela não olhou para ele. “Nós quase a perdemos antes. Nós mal a tínhamos de volta e
você a colocou em perigo novamente.”

REI DE CICATRIZES | 172

"Ela é um soldado", disse ele. “Você fez dela uma, Zoya. Sentar ociosa no palácio com
nada além de sua dor para ocupar sua mente não era bom para ela.”

"Mas ela estava segura."

"E toda essa segurança a estava matando." Nikolai observou Zoya com cuidado. "Pode
me perdoar por mandá-la embora?

"Eu não sei."

"Eu não vou pedir para você me perdoar pelo que aconteceu na torre do sino."
"Você falou", disse ela lentamente. “Aquela noite em Balakirev. Você disse meu nome.”

"Mas ..." Nikolai endireitou-se. A besta nunca havia possuído linguagem antes, não
quando ele tinha sido infectado durante a guerra, e tanto quanto ele sabia, não agora
que o monstro havia retornado. Quando o Darkling o infectou, mesmo nos momentos em
que Nikolai fora capaz de recuperar uma fração de sua consciência, ele não havia
conseguido ler, não conseguira se comunicar.

Foi um dos mais elementos dolorosos de sua transformação. “Talvez seja uma coisa boa.
Talvez minha consciência estava tentando encontrar um caminho.

Hoje-"

Ela balançou a cabeça. "Você não soou como você."

“Bem, dessa forma—”

"Você soou como ele."

Ele fez uma pausa. "Estou tentado a dizer que foi o medo ou a sua imaginação levando a
melhor de você ...” Ela o encarou. "Mas eu prefiro não ser esbofeteado."

"Eu sei que não faz sentido. Pode ter sido o medo ou a luta, mas eu realmente acreditei
que você queria me matar. Você não estava apenas com fome. Você estava ansioso.”

Zoya cerrou os punhos contra as coxas. "Você gostou de me assustar."

Ele queria dizer que ele não teria machucado ela, que teria detido a coisa dentro dele
antes que pudesse. Mas ele se recusou a proferir qualquer uma daquela mentiras sem
honra.

"É possível?", perguntou em vez disso. "Poderia a consciência do Darkling ter de alguma
forma sobrevivido com o seu poder?

"Espero que não." Ela abriu os punhos. "Espero que haja uma madeira de espinho
esperando sob as areias da Fenda. Espero que toda essa fala de rituais mágicos e padres
guerreiros se revele mais do que apenas um conto fantasioso. Mas se não houver cura e
se essa coisa em você é mais do que REI DE CICATRIZES | 173

apenas uma maldição que o Darkling deixou para trás, se ele está tentando usar você
para encontrar um caminho de volta para este mundo ... "

Ela encarou seus olhos azuis ferozes à luz do abajur. Ele sentiu a profundeza da perda
dentro dela, a dor que ela trabalhava tão duro para esconder. "Vou colocar uma bala no
seu cérebro antes de permitir que isso aconteça, Nikolai.”

Os homens que tinham governado Ravka tinham amado o poder mais do que amavam
seu povo. Foi uma doença. Nikolai sabia disso, e jurou que não seria esse tipo de líder,
que não iria sucumbir. E, no entanto, ele nunca tinha certeza que quando chegasse a
hora, poderia se afastar e desistir do trono, a coisa pela qual ele lutou tanto e por muito
tempo.

E se ele se tornasse mais monstro que homem significaria que ele havia falhado. Então
ele deixaria de lado sua dúvida e seus desejos. Tentaria ser melhor. E a mulher à sua
frente se certificaria de que ele protegesse Ravka.

Mesmo de si mesmo.

Ele pegou a mão dela e pousou um beijo nos nós dos dedos. "Minha implacável Zoya
implacável, vou carregar a arma eu mesmo.”

REI DE CICATRIZES | 174

NINA E HANNE PASSARAM COCILHANDO, ombros pressionados juntos, fazendo um


show do ato de dormir enquanto seus "guardas" ficavam parados. Quando ambos
estavam em perigo de ceder à exaustão, eles fizeram perguntas uns aos outros: doce,
livro favorito, passatempo favorito. Nina aprendeu que Hanne amava creme - pães
recheados com creme de baunilha; tinha um gosto secreto pelos horríveis romances
populares em Ketterdam, quanto mais vulgar melhor, embora as traduções fossem
difíceis de encontrar; e que ela gostava de… costurar.

“Costura?” Nina sussurrou incrédula, lembrando o jeito que Hanne tinha entrado na
clareira na noite anterior, com o rifle pronto. "Eu pensei em você gostava de caçar e
brigar e ... ”Ela franziu o nariz. "Natureza."

"É uma habilidade útil", disse Hanne defensivamente. "Quem fez as meias de seu
marido?”

"Eu fiz, é claro", Nina mentiu. Embora os soldados devessem aprender agulha e linha,
ela nunca conseguiu. Ela sempre ia embora com buracos em suas meias. "Mas eu não
gostei. A Boa Mãe deve aprovar.”

Hanne encostou a cabeça na parede. Seu cabelo formou ondas em grossos e rosados
ondas marrons. "Você pensaria isso, não é? Mas aparentemente o bordado é para
senhoras e costureiras e deve ser relegado aos servos. Assim como tricotar e cozinhar.”

"Você pode cozinhar?", Disse Nina. "Você tem minha atenção."

De manhã, Nina sorriu para os homens que ali estavam e insistiu que eles se certifiquem
de visitar a casa de Lennart Bjord a caminho de Overüt.

"Por que não podemos acompanhá-las agora?", perguntou o homem de barba.

"Nós ficaríamos felizes, é claro", disse Nina com os dentes cerrados.


Para surpresa de Nina, Hanne entrou na conversa: "Nós não achamos que você gostaria
de parar conosco para fazer nossa penitência com as Mulheres do Bem. Mas que
maravilha! Eu entendo que as irmãs estão felizes em realizar o skad em qualquer
visitante do sexo masculino por apenas uma pequena taxa.”

Nina havia lido sobre o skad. Era um símbolo da masculinidade fjerdana mas também
ocasionalmente uma sentença de morte. Era necessário REI DE CICATRIZES | 175

um mês de voto de celibato e ritual de purificação com soda cáustica para limpar o
espírito.

O homem barbudo empalideceu. "Nós vamos levá-lo para os arredores de Gäfvalle, mas
então temos deveres ... uh ... em outro lugar.”

"Sim", acrescentou o homem com as sobrancelhas. "Muitos deveres."

"Onde exatamente encontraremos a casa de Lennart Bjord?", outro perguntou enquanto


seguia-as para fora. Uma espessa camada de neve cobria o chão, embora Nina já podia
ver algumas delas derretendo com o sol nascente. O vento forte diminuíra para uma
brisa suave. Brüt deve ter se cansado.

"Basta ir para a praça principal em Overüt", disse Nina. "É a casa mais grandiosa na
avenida.”

"Olhe para aquele com as maiores empenas", acrescentou Hanne. “O

mais imponente da cidade.”

"Esse é o seu cavalo?", elle disse. "Onde está a sua cela?"

"Deve ter sido perdida na neve", disse Nina, feliz por Hanne cavalgou em pelo e eles não
tinham a sela de um homem para explicar. "Vamos apenas levá-

lo até Gäfvalle".

Quando estavam bem fora da vista da cabana, montaram o cavalo de Hanne.

“Skad?” Nina perguntou, descansando as mãos levemente na cintura magra de Hanne


até suas coxas se unirem.

Hanne olhou por cima do ombro e lançou a Nina um sorriso surpreendentemente


perverso.

"Minha educação religiosa deve ser boa para alguma coisa."

Eles circularam de volta para o acampamento, e agora que a neve tinha parado elas não
tinham nenhum problema em avistar a bandeira amarela e a tenda de Adrik.

Ele acenou, e Nina sabia do alívio por ela havia sobrevivido à tempestade era real,
mesmo quando ele fez um grande show de parecer indignado com as calças de Hanne.

"Eu pensei que os zemeni não se importavam com essas coisas", Hanne resmungou.

“Sua esposa é zemeni. Ele é Kaelish, e ele está preocupado porque você estava por
conta própria. Na verdade ... o que você estava fazendo aqui ontem?”

REI DE CICATRIZES | 176

Hanne inclinou o rosto para o céu, fechando os olhos. “Eu precisava andar. Quando o
tempo está prestes a piorar é o melhor momento. Os campos estão vazios então.”

"Você não terá problemas para passar uma noite longe do convento?"

“Eu me ofereci para buscar água fresca. A avó vai ficar feliz por ela não tem que dizer
ao meu pai que sua filha morreu de exposição no meio de uma tempestade."

"E os seus amigos? Eles não vieram com você?”

Hanne manteve o olhar no horizonte branco. “É um jogo para eles. Um jeito um tanto
infantil de vestir-se, uma chance de ser ousada. Para mim ...”

Ela encolheu os ombros.

Era a sobrevivência. Havia algo solitário em Hanne. Nina não podia fingir que realmente
entendessem isso. Ela adorava companhia, barulho, a agitação de uma sala lotada.

Mas uma garota assim? Ficar preso para sempre no convento, assistido pelas irmãs, e
constantemente forçada a realizar a feminilidade piedosa dos Fjerdanos? Era
pensamento desanimado. Mesmo assim, a presença de Hanne no convento significava
que ela poderia ser uma fonte de informações sobre a fábrica. Embora ela fosse apenas
uma novata, ela tinha que ter ouvido sobre as visitas das Damas da Primavera na
montanha.

"Cavalgue conosco um pouco mais", disse Nina para Hanne enquanto montava em seu
próprio cavalo.

Hanne parecia que queria fugir, mas Nina sabia que a outra garota não queria arriscar
ofendê-la quando ainda estava desesperada para garantir o silêncio de Nina.

"Vamos", Nina pediu gentilmente. "Eu não vou mantê-la por muito tempo."

Eles estabeleceram um ritmo moderado, Adrik seguindo-os com o trenó.

“Quantos anos você tem, afinal?” Nina perguntou.

A mandíbula de Hanne, seu perfil afiado contra o céu prateado.

"Dezenove. E sim, o que é velho para uma novata.”

Então Nina estava certa; eles eram quase da mesma idade. "Você não está pronta para
votos. ”Hanne deu um breve movimento de sua cabeça. "Mas você não pode ir para
casa."

Ela sacudiu a cabeça. "Então o que?"

Hanne não disse nada, seu olhar fixo na neve. Ela não queria falar ou talvez ela achasse
que já tinha falado demais.

REI DE CICATRIZES | 177

Nina lhe deu um olhar de lado. "Eu posso dizer que você ansia por uma última chance
de andar antes de voltar.

"É tão óbvio?"

“Eu posso ver isso na maneira como seus olhos se desviam para o horizonte, a maneira
como você segura o-“

Nina hesitou, depois acrescentou: “O truque para atuar é acreditar na mentira você
mesma, pelo menos um pouco. Atuar começa no corpo. Se você quiser convencer
qualquer um de qualquer coisa, você começa com a maneira como o corpo se move. Diz
mil histórias antes de abrir sua boca. ”

“E que histórias eu estou contando?”

"Tem certeza que você quer saber?" Era uma coisa enxergar a verdade sobre alguém.
Era outro para falar de volta para eles.

"Vá em frente", disse Hanne, mas suas mãos estavam apertadas nas rédeas.

"Você é forte, mas tem medo de alguém ver isso, então você se debruça e tenta tornar-se
menor. Você está apenas à vontade quando acha que ninguém está assistindo. Mas então
... ”Ela estendeu a mão e bateu na coxa de Hanne.

"Então você é gloriosa."

Hanne lançou-lhe um olhar cauteloso. "Eu sei o que pareço."

Você? Nina teria gostado de dizer a Hanne que ela poderia passear em Os Alta, todos os
seis pés dela, com seu cabelo de castanha-de-menta-mergulhado-em-morango e seus
olhos de moedas de cobre, e mil cortesãos riquenhos escreviam canções em nome de
sua beleza. Nina pode ser a primeira. Mas isso levaria a algumas perguntas.

Pelo menos ela poderia oferecer algo a Hanne. "Eu não vou contar a ninguém o que você
é."

Os olhos de Hanne ficaram duros. "Por quê? Eles te recompensariam.

Informar sobre Grisha carrega um peso de prata. Por que você seria desse tipo?”

Eu não estou sendo gentil. Estou ganhando sua confiança. Mas eu não vou sentenciá-la à
morte se posso ajudar.

"Porque você mergulhou para salvar minha vida quando você poderia ter passado", Nina
disse, em seguida, deu o salto. "E porque eu não acredito que o poder Grisha te faz má.”

"É um pecado", sussurrou Hanne. “É veneno. Se eu pudesse me livrar disso, eu faria.”

"Eu entendo", disse Nina, embora cada parte dela quisesse protestar.

"Mas você não pode. Então a questão é se você quer odiar o que você é e REI DE
CICATRIZES | 178

colocar a si mesmo em maior risco de descoberta, ou aceitar essa coisa dentro de você e
aprender a controlá-la. "

Ou abandonar este país completamente depravado.

"E se ... e se eu apenas torná-lo mais forte?"

"Eu não acho que funciona assim", disse Nina. "Mas eu sei que se Grisha não usam seu
poder, eventualmente eles começam a adoecer. ”

Hanne engoliu em seco. “Eu gosto de usá-lo. Eu me odeio o tempo todo, mas eu só quero
fazer novamente."

"Há alguns", disse Nina com cautela, "que acreditam que tal poder é um presente de
Djel e não algum tipo de calamidade.”

"Esses são os sussurros de hereges e pagãos." Quando Nina não respondeu, Hanne
disse: "Você nunca me contou o que aconteceu com sua irmã".

“Ela aprendeu a conter seu poder e encontrou a felicidade. Ela é casada agora e mora
na fronteira com o seu belo marido.”

"Mesmo?"

Não, na verdade não. Qualquer irmã minha seria uma Sangradora travando uma guerra
em seu governo ignorante e míope. "Sim", mentiu Nina.

“Eu me lembro muito das lições que ela recebeu. Houve alguma preocupação de que eu
poderia ter uma latente… Corrupção, e então eu fui ensinada ao lado dela. Posso ajudá-
la a aprender a controlar seu poder também.

"Por que você já tomaria tal risco?"

Porque eu pretendo te bombear por informações enquanto eu faço isso e coloco algum
sentido em você ao mesmo tempo. Afinal, Nina tinha conseguido passar por um Fjerdan
de cabeça grossa. Talvez ela provasse ter talento para isso.

"Porque alguém fez o mesmo pela minha irmã", disse ela. "É o mínimo que eu posso
fazer. Mas vamos precisar de um pretexto para passarmos tempo juntos no convento.
Como

você se sente sobre aprender zemeni?”

"Meus pais prefeririam continuar a trabalhar no meu Kerch."

"Eu não conheço Kerch", mentiu Nina.

"Eu não quero lhe pagar uma dívida", protestou Hanne.

Ela tem medo do poder dela, Nina pensou. Mas eu posso tirar esse medo.

REI DE CICATRIZES | 179

"Nós vamos encontrar uma maneira de você fazer as pazes comigo", disse ela.
"Promessa. Agora vá, faça um último passeio antes que a próxima neve chegue.”

Hanne pareceu surpresa, quase incrédula. Então ela cravou os calcanhares nos flancos
do cavalo e decolou em um galope duro, corpo baixo, rosto voltado para o vento, como
se ela e o animal fossem um, uma criatura híbrida nascida da natureza. Quão poucas
pessoas tinham sido gentis com Hanne que ela ficaria tão surpresa com um pequeno
gesto de generosidade?

Exceto que você não está sendo generosa, Nina lembrou a si mesma como ela urgiu sua
próprio montaria adiante. Você não está sendo gentil. Ela ia usar Hanne. Se ela pudesse
ajudá-la no processo, que assim seja. Mas o dever de Nina era para as meninas perdidas
na montanha, as mulheres em seus túmulos. Justiça.

Tudo o que Nina podia fazer era jogar uma corda nessa garota. Hanne teria que ser a
única para aproveitá-lo.

Uma hora depois, Nina e Adrik entraram nos estábulos do convento.

Eles estiveram longe uma noite, mas para Nina parecia como se uma longa temporada
tivesse passado. A mente dela sentia-se sobrecarregada de emoção e novas informações.
Mathias, Trassel, Hanne.

As mulheres enterradas na fábrica. As marcas de punção latejavam em seu antebraço.

Ela foi atacada por lobos, pelo amor de Deus. Ela precisava de um banho quente, um
prato de waffles e cerca de doze horas de sono.
Leoni acenou quando os viu. Ela estava empoleirada em um banquinho baixo em um
sombrio canto dos estábulos, escondida dos olhos curiosos dos transeuntes por um
alguns dos caixotes que Nina e Adrik tinham deixado para trás. Ela montou um pequeno
fogão de acampamento, e o espaço ao seu redor estava cheio de potes e frascos de vidro
que ela deve ter sido usado para testar as amostras de água. "Eu pensei que você
estaria de volta mais cedo", disse ela com um sorriso.

Adrik levou o cavalo a uma baia. "Nina decidiu ter uma aventura."

"Uma boa?", perguntou Leoni.

"Uma informativa”, disse Nina. "Há quanto tempo você está nisso?"

"A noite toda", admitiu Leoni. Ela não parecia bem.

"Vamos para a cidade almoçar", disse Nina. "Eu não posso lidar com outra refeição de
cogumelo do convento.”

Leoni se levantou e apoiou a mão na parede. "Eu-" Seus olhos reviraram em sua cabeça
e ela balançou bruscamente.

REI DE CICATRIZES | 180

"Leoni!" Nina chorou quando ela e Adrik correram para o lado dela, apenas conseguindo
alcançá-la antes que ela desmaiasse. Eles a deitaram suavemente de volta ao lado do
fogão de acampamento.

Ela estava encharcada de suor e sua pele parecia fogo.

Os olhos de Leoni se abriram. "Isso foi inesperado", disse ela, e então ela teve a ousadia
de sorrir.

"Não é hora de estar de bom humor", disse Adrik. “Seu pulso está acelerado e você está
queimando.”

"Eu não estou morta, no entanto."

"Pare de olhar pelo lado positivo e me diga quando isso começou."

"Eu acho que eu estraguei o teste", disse Leoni, sua voz fraca. "Eu estava tentando
puxar os poluentes das amostras, isolá-los. Eu posso ter absorvido alguns no meu corpo.
Eu lhe disse que os venenos são um trabalho complicado.”

"Vou levá-lo de volta aos dormitórios", disse Nina. “Eu posso pegar água limpa—”

"Não. Não quero que as Damas da Primavera suspeitem.”

"Podemos cuidar dela aqui", disse Adrik. “Coloque-a atrás do trenó. Eu posso fazer fogo
e preparar água limpa para o chá. ”

"Há uma tintura de carvão no meu kit", disse Leoni. “Adicione algumas gotas. Isto vai
absorver as toxinas.”

Nina arrumou uma cama de cobertores para Leoni fora da vista do pátio principal e
tentou deixá-la confortável lá.

"Há algo mais", disse Leoni enquanto se deitava.

Nina não gostava da coloração acinzentada da pele ou do jeito que suas pálpebras
tremiam. “Apenas descanse. Isto pode esperar."

"A Bem-vindo veio me ver."


"O que aconteceu?" Adrik disse, ajoelhado ao lado dela com uma xícara fumegante de
chá.

“Aqui, tente tomar um gole. Será que um dos noviciados falou sobre nos ver no bosque?”

"Não, um deles morreu." Nina ficou quieta. “A garota que caiu do cavalo?”

"Eu não percebi que seus ferimentos eram tão graves", disse Adrik.

"Eles não eram", disse Leoni, bebendo lentamente. “Eu acho que foi o rio. Ela esteve na
água por um tempo, e tinha uma ferida aberta.”

REI DE CICATRIZES | 181

"Todos os Santos", disse Adrik. "O que diabos eles estão fazendo naquela fábrica?"

"Eu não sei, mas ..." Nina hesitou, então prosseguiu. "Mas há sepulturas por toda aquela
montanha. Atrás do reservatório, por todo o pátio da fábrica.

Eu senti-os em todos os lugares.

"O quê?", Disse Adrik. "Por que você não nos contou? Como você sabe?"

Os olhos de Leoni se fecharam. Seu pulso acelerado parecia ter diminuído um pouco –
um bom sinal.

“Há mais água limpa?”, Perguntou Nina. “Devemos tentar aliviar a febre.

E você vai ver se há algum carbólico no seu kit?”

"Por quê?" Adrik perguntou como ele buscou seu cantil e o desinfetante.

"Ela está ferida?

"Não, eu sou. Eu fui mordida por um lobo na noite passada.”

"Claro que você foi.”

Nina tirou o casaco, revelando sua manga rasgada e ensanguentada.

"Espere", disse Adrik. "Você está falando sério?" Ele sentou-se ao lado de Leoni e
esfregou suas têmporas com os dedos.

“Um soldado envenenado, outro atacado por lobos. Esta missão está indo de vento em
polpa.”

Nina puxou um pedaço de pano do trenó e o rasgou em dois. Ela usou uma metade para
fazer uma compressa para Leoni e outra para limpar e atar a ferida no braço dela.

“Então aquela garota Hanne te salvou de um ataque de lobo?” Adrik perguntou.

"Algo assim." Nina não estava pronta para falar sobre Trassel. A última coisa de que ela
precisava era do ceticismo de Adrik. "Eu acho que é possível que houvesse parem na
mordida."

"O que?"

Nina olhou para Leoni, cujas pálpebras tremeram. "Eu não posso ter certeza, mas os
lobos não estavam se comportando normalmente. Parecia parem.”

“Então seu vício—”


Nina sacudiu a cabeça. "Estou bem até agora." Isso não era inteiramente verdade.
Mesmo a sugestão de parem era suficiente para fazê-la sentir a atração daquela fome
animal.

Mas a beira da necessidade parecia mais maçante do que ela esperava.

REI DE CICATRIZES | 182

"Santos", disse Adrik, inclinando-se para a frente. "Se está na água e Leoni estava
dosada com isso ...”

“Leoni não está agindo como uma Grisha exposto a parem. Ela estaria arranhando as
paredes, desesperada por outra dose. Nina sabia disso muito bem. “

“Mas seus outros sintomas são semelhantes à exposição, e parem suficiente pode matar
alguém sem poderes gregos, como o noviciado ”.

"Não foi parem", Leoni murmurou. "Eu não acho."

"Eu pensei que você estava descansando.”

"Eu estou", disse Leoni. "Há algo corrosivo na água."

"Você pode beber mais um pouco de chá?", perguntou Adrik.

Ela assentiu e conseguiu empurrar até os cotovelos. "Eu ainda não o isolei. Por que você
não nos contou sobre as sepulturas quando as encontrou, Nina?”

"Você tem certeza que não quer voltar a dormir?" Nina perguntou, então suspirou.

Ela olhou para a compressa dobrada em suas mãos. "Eu não sei porque.

eu acho que... Eles me levaram para a entrada leste.”

"Quem te levou?"

Nina limpou a garganta e acariciou delicadamente a testa de Leoni com o pano. "Eu ouvi
os mortos ... falarem. Eu os ouvi todo o caminho de volta até Elling.”

"Tudo bem", disse Leoni com cautela. "O que exatamente eles disseram?"

"Eles precisam da nossa ajuda." Minha ajuda.

"Os mortos", repetiu Adrik. "Precisam da nossa ajuda."

"Eu percebo que pareço estar maluca, mas precisamos entrar nessa fábrica. E acho que
conheço alguém que pode ajudar.”

Nina trouxe Leoni de volta para os dormitórios antes do anoitecer e conseguiu que ela
ficasse em na cama. Sua febre havia passado e ela já estava se sentindo melhor - mais
uma prova que qualquer coisa que ela encontrou na água não era parem. Então, o que
estava errado com aqueles lobos e o que havia na mordida deles? E o que matou o
noviço?

Ela pegou um prato de restos de comida na floresta e colocou-os na base de uma árvore
na tola esperança de que Trassel pudesse encontrar seu caminho para ela novamente.
Eles provavelmente foram comidos por algum roedor ingrato.

REI DE CICATRIZES | 183


De pé na borda da floresta, Nina olhou para a fábrica, suas luzes como ouro brilhante no
crepúsculo crescente, as janelas da ala leste escuras. Ela pensou nas raízes tortuosas
das cinzas de Djel, esculpidas nas paredes do reservatório.

Há veneno neste lugar. Ela quase podia sentir o gosto amargo em sua língua. Mas até
que profundeza ele vai?

Na manhã seguinte, Nina teve o prazer de encontrar uma intimação para a casa da Boa
Mãe.

O correiro nha sido deslizado para baixo da porta deles. Nina foi se encontrar com ela e
Hanne depois de orações matinais para discutir a possibilidade de aulas de idiomas.
Então Hanne queria aprender mais sobre seus dons Grisha - mesmo que fosse apenas
para controlá-los.

Claro, Adrik tinha sido cauteloso com o plano dela.

"É melhor usarmos nosso tempo para reunir inteligência aqui e nas cidades vizinhas ”,
reclamou ele. “Fjerda está se preparando para algo. Com a informação certa, nossas
forças podem ser capazes de embarcar um vagão ou remessa ou fechar este lugar por
completo, mas não se os Fjerdanos perceberem nossas atividades e moverem suas
operações. Você não sabe como é fácil arruinar seu disfarce, Nina. Este é um jogo
perigoso.

Nina queria gritar. Ela tinha sido uma espiã para Zoya Nazyalensky na Ilha Errante. Ela
passou um ano sozinha em Ketterdam fazendo trabalhos para Kaz.

Café da manhã. Ela se infiltrou na Corte de Gelo como uma garota do Menagerie. Ela
podia seja nova neste jogo em particular, mas ela jogara com altos riscos muitas vezes.

"Eu posso administrar isso, Adrik", disse ela tão calmamente quanto podia. "Você sabe
que ela é nosso melhor ativo possível. Podemos descobrir o que está acontecendo
naquela fábrica. Nós não precisamos de outra pessoa para fazer isso. ”

“O que nós realmente sabemos sobre essa garota?”

"Ela é Grisha e ela é miserável. Não estamos aqui para salvar as pessoas exatamente
como ela?”

"Pelo que você me disse, ela não quer resgate."

"Talvez ela mude a ideia. E enquanto isso, posso ter acesso ao resto do convento. ”Nina
e Leoni foram esquartejadas em um quarto adjacente às cozinhas e trancado da maior
parte do edifício e dos dormitórios. "As Damas da Primavera são os únicos permitidos na
fábrica. Eu posso realmente ser capaz de descobrir uma maneira de nos levar para
dentro.”

REI DE CICATRIZES | 184

"Você não tomará nenhuma ação sem a minha declaração", disse Adrik.

“E primeiro você tem que vencer a Boa Mãe.”

Nina deixou Adrik e Leoni nos estábulos e atravessou o pátio até a capela, passando
pela pesada porta coberta por seus elaborados nós de galhos cinzentos. O aroma doce e
argiloso das paredes de madeira a envolveu, e ela separou um momento para deixar
seus olhos se ajustarem à escuridão. O ar estava frio e parado, os bancos iluminados
pelo brilho das lanternas e luz fraca de algumas janelas delgadas bem acima do
transepto.

Não havia altar, nenhuma cena pintada de santos; uma enorme árvore se estendia
através da abside da capela, suas raízes se estendiam até a primeira fila de bancos.
Cinza de Djel, alimentada pela Boa Primavera.

As orações de quem você ouve? Nina se perguntou. Você ouve as palavras de soldados?
De Fjerdanos Grishas trancados nas células do Jarl Brum? Os sussurros em sua cabeça
pareciam suspirar - arrependida? Com saudade? Ela não sabia. Ela alisou as saias e
correram pelo corredor lateral até o escritório da Boa Mãe.

"Enke Jandersdat", a mulher mais velha disse quando Nina entrou, dirigindo-se a ela
pelo título de viúva. “Hanne me diz que você está disposta a oferecer aulas em zemeni.
Espero que você perceba que o convento não pode fornecer as taxas de um tutor.”

Hanne permaneceu em silêncio, vestida com seu avental azul-claro e blusa branca
alisada, os olhos em seus chinelos de feltro impraticáveis. Seu cabelo castanho
avermelhado tinha sido perfeitamente trançados e torcidos em uma coroa apertada em
sua cabeça. O uniforme não se adequava a ela. Nina teve o desejo de pegar os pinos das
tranças de Hanne e ver seu cabelo glorioso solto novamente.

"Claro", disse Nina. “Eu não exigiria pagamento. Tudo que eu peço é que você permita
que nós disfrutemos de sua hospitalidade um pouco mais e, se você tiver algumas
panelas de cobre, meus empregadores poderiam aproveitar o empréstimo. ”Leoni tinha
certeza de que poderia continuar com seus experimentos com segurança agora que ela
sabia com o que estava lidando, mas os instrumentos de cobre seriam uma ajuda.

"Parece uma oferta muito generosa", disse a Boa Mãe, seus lábios pressionados em uma
linha suspeita.

"Você me pegou", disse Nina, e viu os olhos de Hanne se arregalarem.

Santos, se Hanne pretendia continuar vivendo neste país miserável, ela iria precisar de
um educação sobre engano. Talvez um estágio em Ketterdam. Nina não tinha sido pega
em coisa alguma, mas ela poderia dizer isto à Boa Mãe, que pensou que ela tinha algum
tipo de ângulo escondido, então ela pretendia dar-lhe um. “A verdade é que não posso
continuar meu trabalho como um guia por REI DE CICATRIZES | 185

muito mais tempo. A viagem é uma dificuldade, e em algum momento eu preciso buscar
uma posição mais permanente para me sustentar. ”

"Nós não contratamos fora do fim—"

“Oh não, claro, eu entendo. Mas uma referência da Boa Mãe de Gäfvalle significaria
muito para outros Fjerdanos procurando um professor para suas crianças."

A Boa Mãe se preparou, erguendo o queixo. A piedade era pouca defesa contra
bajulação. "Bem. Eu posso ver como isso pode ser um benefício. Vamos ver o quanto
bem você pode fazer com a nossa Hanne. É um pouco tarde para ela estar aprendendo
um novo idioma. Mas para ser franca, é um alívio vê-la interessada em qualquer coisa
que não envolva um brincadeira enlameada na floresta.”

A Boa Mãe escoltou-os para uma sala vazia e disse que elas estavam livres para
trabalhar até a hora do almoço. "Eu espero que você mantenha o seu outro trabalho,
Hanne. Seu pai não vai gostar se você se tornar um fardo para esta instituição."

"Sim, Boa Mãe", ela respondeu respeitosamente. Mas quando a mulher mais velha
partiu, Hanne lançou um olhar preto para a porta e caiu em uma das mesas.

"Ela concordou com as lições", disse Nina. "Poderia ser pior."

“Ela me considera um de seus fracassos. Solteira aos dezenove anos, sem perspectivas e
nenhum sinal de uma verdadeira vocação para Djel. ”
"Todas as Damas da Primavera deveriam ser vocacionadas?" Nina perguntou enquanto
ela pegava um pedaço de giz e começou a conjugar um verbo zemeni na lousa que
cobria mais de uma parede.

"Eu não sei. Algumas dizem que são, afirmam ter visões. Mas eu não tenho certeza que
Djel está interessado em garotas como eu. Você realmente quer desistir de sua vida
como uma guia?"

"Não", disse Nina, tentando manter suas letras de giz retas. "Eu não estou pronto para
viver em um só lugar ainda. ”

Somente quando ela disse as palavras ela percebeu que pode ser verdade. Ela estava
inquieta em Ravka e agora se perguntava se estaria inquieta em qualquer lugar em que
tentasse se acomodar.

Nina pegou um maço de papéis do bolso. "Estes são lições zemeni rudimentares. Você
precisará copiá-las em seu caderno para que pareçamos que somos realmente fazendo
algum trabalho. ”

"Você quer dizer que eu realmente vou ter que aprender Zemeni?"

REI DE CICATRIZES | 186

"Um pouco. Você não tem que ser bom nisso. ”Ela gesticulou para o quadro. "Bem
comece com este verbo: bes adawa. ”Ela levantou as mãos e plantou as pernas no
primeira postura cada Grisha foi ensinado. "Lutar."

A lição durou duas horas. Nina começou apenas como sua própria educação tinha
começado no Pequeno Palácio: ensinando Hanne a usar seu poder de Sangradora em si
mesma.

“Você já tentou alguma vez?” Nina perguntou.

“Não… não tenho certeza. Às vezes, quando não consigo dormir, penso no meu coração
desacelerando ...”

Nina estremeceu. "Você tem sorte de não ter entrado em coma."

Nina falou sobre técnicas de respiração rudimentares e posturas de combate básicas.

Ela fez com que Hanne abrandasse seu próprio coração, e então corresse. Ela tocou
apenas brevemente sobre a teoria de Grisha e como os amplificadores funcionavam, e
ela se orientou bem longe de qualquer conversa sobre jurda parem.

"Como você sabe de tudo isso?", perguntou Hanne. Suas bochechas estavam coradas
devido ao uso de seu poder, e seu cabelo escapou de suas tranças para enrolar em suas
têmporas. "Você realmente aprendeu tudo com o professor da sua irmã?” Nina virou as
costas para apagar o tabuleiro e esconder sua expressão. Isso foi possível, a expressão
desapareceu.

Você não sabe como é fácil arruinar seu disfarce, Nina. Ela podia apenas imaginar a
cantiga de Adrik. 3

"Sim", ela disse. “Eu prestei muita atenção. Mas você também tem talento natural. Você
está pegando o trabalho muito rapidamente. ”Isso pelo menos era verdade. Hanne tinha
uma facilidade com o poder dela que era algo especial. Mas seu rosto estava
perturbado. "O que é?” Nina perguntou.

"Aquela palavra. Talento natural. Hanne passou o dedo sobre uma das folhas onde
rabiscava a conjugação de outro verbo zemeni. Sua caligrafia era trágica. “Quando eu
era mais jovem, meu pai me levou para todos os lugares.
Andar. Caçar. Isto era pouco ortodoxo, mas ele ansiava por um filho, e eu acho que ele
acreditava que não haveria prejuízo. Eu amei. Luta, equitação, corrida livre. Mas
quando fiquei mais velha e era hora de me apresentar na corte… eu não conseguia me
livrar disso. ”

E por que você deveria? Nina pensou. Ela não tem muito amor por cavalos e preferiu
não correr em qualquer lugar a menos que fosse perseguida, mas pelo menos a ela fora
permitido essas oportunidades.

Hanne cruzou os braços, os ombros curvados, parecendo que queria desaparecer em si


mesma. “Não natural, eles me ligaram. O corpo de uma REI DE CICATRIZES | 187

mulher deve ser suave, mas a meu era duro. Uma dama deve dar passos pequenos e
graciosos, mas eu pisava forte. Era motivo de riso. ”Hanne olhou para o teto.

"Meu pai se culpou por me corromper. Eu não conseguia cantar ou pintar, mas podia
limpar um veado e as cordas um arco. Eu poderia construir um abrigo. Tudo que eu
queria era fugir para as árvores. Dormir sob as estrelas.”

"Isso soa ... bem, isso parece horrível", admitiu Nina. "Mas eu acho que posso entender
o apelo ”.

“Eu tentei mudar. Eu realmente tentei. ”Hanne encolheu os ombros. "Eu falhei. Se eu
falhar de novo ...”

Seu olhar era sombrio e Nina se perguntou que futuro perverso ela estava imaginando.

"O que acontece se você falhar novamente?"

“A escola deveria me tornar apresentável. Bom material de casamento.

Se a Boa Mãe não pode me consertar, eu nunca vou poder ir para casa, nunca serei
apresentada na Corte. Isso deveria ter acontecido há dois anos.”

"Seria tão ruim não voltar?"

“E nunca mais ver meus pais? Viver como um exilado?

"São essas as escolhas?"

“Eu acho um jeito de me encaixar, ou faço votos e vivo o resto da minha vida aqui fora,
em serviço para Djel entre as Mulheres do Bem. ”Ela franziu o cenho. "Eu queria ser um
Infernal em vez de uma Sangradora. "Isso é ridículo", disse Nina sem pensar, seu
orgulho eriçado. Como era possível querer ser uma Conjuradora em vez de Corporalki?
Todo mundo sabe que somos a melhor ordem. "Quero dizer ... por que alguém iria
querer ser um Infernal?"

Os olhos brilhantes de Hanne brilharam como se a tivessem desafiado.

"Então eu poderia derreter a Corte de Gelo de dentro para fora. Lave toda a grande
confusão no mar.”

Palavras perigosas. E talvez Nina devesse ter fingido estar escandalizada.

Em vez disso, ela sorriu. “A maior poça do mundo.”

“Exatamente,” disse Hanne, retornando seu sorriso, aquela borda perversa enrolando
seus lábios. De repente, Nina queria contar tudo a Hanne.

Meus amigos e eu fizemos um buraco na muralha da Corte de Gelo! Nós roubamos um


tanque Fjerdano! Todos os Santos, ela queria se gabar?
Nina balançou a cabeça. Esta é uma chance de ganhar sua confiança, ela disse para si
mesma. Aproveite-a.

REI DE CICATRIZES | 188

Ela sentou-se à mesa ao lado de Hanne e disse: "Se você pudesse ir a qualquer lugar,
Fazer qualquer coisa, o que você escolheria para si?”

"Novyi Zem", disse Hanne instantaneamente. "Eu conseguiria um emprego, ganharia


meu próprio dinheiro, contrataria a mim mesma como franco-atiradora.”

"Você é tão bom assim?"

"Sou", disse Hanne sem um sinal de hesitação. “Penso sobre isso toda vez em que me
supero. Apenas desaparecer. Fazer todo mundo acreditar que eu estava perdido em uma
tempestade ou que fui levada pelo rio.

Ideia bestial. Venha para Ravka.

“Então por que não fazer isso? Por que não ir embora?”

Hanne olhou para ela, chocada. "Eu não poderia fazer isso com meus pais. Não
conseguiria envergonhá-los dessa maneira.”

Nina quase evitou revirar os olhos. Fjerdanos e sua honra. "Claro que não ”, ela disse
rapidamente. Mas ela não pôde deixar de pensar em Hanne andando na clareira, rifle
levantado, tranças soltas, uma guerreira nata. Havia ouro nela, Nina podia ver, o brilho
esmaecido por anos de ser dito que havia algo errado no jeito que ela foi feita. Aqueles
vislumbres da verdadeira Hanne, a Hanne que era como severia ser, estava levando-a à
distração.

Você não está aqui para fazer uma nova amiga, Zenik, ela se repreendeu. Você está aqui
para obter informações.

"E se a Boa Mãe te expulsar?" ela perguntou.

"Ela não vai. Meu pai é um doador generoso.”

"E se ela te pegar saltitando em calças masculinas?" Nina cutucou.

"Ela não vai."

“Se meus amigos e eu tivéssemos sido menos generosos, ela poderia ter feito isso.”

Agora Hanne se recostou e sorriu com facilidade. Aí está você, pensou Nina. “Teria sido
sua palavra contra a minha. Eu estaria ordenadamente vestida no meu avental e atrás
das paredes do convento antes de você bater na porta da Boa Mãe.

Interessante. Nina colocou toda a condescendência que ela poderia invocar em seu tom
e disse: "Claro que você teria."

Hanne endireitou-se e apontou o dedo para a superfície da mesa.

"Conheço cada passo que range neste lugar. Sei exatamente onde o cozinheiro esconde
a chave para a porta da cozinha oeste, e tenho pinafores e muda de roupa guardada em
todos os lugares da capela para o telhado. Eu não sou pega.”

REI DE CICATRIZES | 189


Nina levantou as mãos para fazer as pazes. "Eu só acho que você pode considerar ter
mais cuidado.”

"Diz a menina me ensinando habilidades de Grisha nos corredores de Djel."

"Talvez eu tenha menos a perder do que você."

Hanne levantou uma sobrancelha. "Ou talvez você apenas pense que é melhor em ser
ousada.”

Experimente-me, pensou Nina. Mas tudo o que ela disse foi: “De volta ao trabalho.
Vamos ver se você pode fazer meu coração disparar.”

REI DE CICATRIZES | 190

Zoya passara pouco tempo em Kribirsk desde a guerra.

Não houve muita causa, e o lugar guardava muitas lembranças ruins.

Nos dias em que Ravka tinha sido separada de sua costa oeste pela Dobra das Sombras,
Kribirsk servia como o último lugar de segurança, uma cidade onde os comerciantes e
viajantes ousados equipavam-se para viagens e onde os soldados podem passar uma
última noite bebendo seu terror ou pagando por conforto nos braços de um amante
antes de embarcarem em um sandskiff e serem lançados na escuridão não natural da
dobra. Muitos nunca retornaram.

Kribirsk tinha sido um porto, mas agora o território escuro conhecido como o Não-Mar
era passado e Kribirsk era apenas mais uma pequena cidade com pouco para oferecer,
mas uma triste história.

Vestígios da antiga glória da cidade permaneciam - a cadeia e os quartéis, o edifício que


já abrigou oficiais do Primeiro Exército e onde o triunvirato encontrara-se pela primeira
vez com o novo rei de Ravka. Mas o acampamento que se alastrava com lendas e cavalos
e soldados não existia mais. Era dito que você uma pessoa ainda poderia encontrar balas
não gastas no pó, e ocasionalmente restos de seda do pavilhão negro onde o Darkling
tivera uma vez sua corte.

Embora a escuridão da Dobra e os monstros que a povoaram se foram, as areias


permaneceram, e o terreno em mutação poderia ser complicado para a navegação de
vagões. Comerciantes atravessando Ravka ainda vinham às docas para reservar
passagem em sandskiffs, mas agora guardas eram contratados para proteger a carga de
saqueadores e ladrões, não da ameaça dos volcra devoradores de carne que antes
aterrorizavam viajantes.

Os monstros tinham desaparecido, e tudo o que restou foi um longo e estéril trecho de
areia cinzenta, estranho em seu vazio. Nada poderia crescer no terreno sem vida que o
poder do Darkling tinha deixado para trás. Os negócios de Kribirsk eram os mesmos que
sempre foram: estalagens, bordéis, costureiras – apenas havia menos deles.

REI DE CICATRIZES | 191

Apenas a igreja mudara. O simples prédio branco com sua cúpula azul já havia sido
dedicado a Sankt Vladimir. Agora um sol dourado ardente pairava sobre a entrada, um
sinal de que o prédio havia sido reconsagrado para Sankta Alina da Dobra.

Levou muito tempo para Zoya pensar em Alina como algo diferente de uma rival. Ela se
ressentiu dos presentes da menina órfã, invejou sua posição com o Darkling. Ela não
entendia o que significava poder ou o preço que qualquer um deles seriam forçados a
pagar por isso.

Depois da guerra, Alina escolheu uma vida de paz e anonimato, comprado com a farsa
de sua morte, mas seu nome e sua lenda só cresceram.

Zoya ficou surpresa ao descobrir que gostava de ver nome de Alina em igrejas, gostava
de ouvir falar em orações. Ravka tinha dado muito de seu amor a homens como o
Darkling, o Apparat, até os reis Lantsov. Eles deviam um pouco disso a uma menina órfã
sem senso de moda.

Embora o símbolo que coroava a entrada da igreja tivesse mudado, suas paredes
externas continuaram as mesmas. Eles estavam cobertos dos nomes dos mortos, vítimas
do assassinato feito por Darkling em Novokribirsk, cidade irmã de Kribirsk, a cidade
que, uma vez, se estendia por quase toda a Dobra.

Sol e tempo tinham liquidado o roteiro pintado de modo que seria quase ilegível para
quem não guardasse o nomes dos perdidos em seus corações.

Um dia essas palavras desaparecerão por completo, pensou Zoya. As pessoas que
lamentam que os mortos também partiriam. Eu partirei. Quem vai se lembrar deles
então? Zoya sabia que, se caminhasse até o canto sudoeste, encontraria nomes de
Liliyana Garin e sua ala. Mas ela não faria essa caminhada, não traçar aquelas letras
desajeitadas com as pontas dos dedos.

Depois de todo esse tempo, ela ainda não encontrara um fim para sua dor. Era um
escuridão, um lugar que ecoava no qual ela uma vez lançou uma pedra, certa de que iria
bater fundo e ela iria parar de doer. Em vez disso, continuou caindo. Ela esqueceu da
pedra, esqueceu-se do poço, às vezes por dias ou mesmo semanas a um certo tempo.

Então ela pensaria no nome de Liliyana, ou seu olho pararia no pequeno barco pintado
na parede do quarto, a bandeira de duas estrelas congelada ao vento. Ela se sentaria
para escrever uma carta e perceba que ela não tinha ninguém para escrever, e o silêncio
que a cercava se tornava o silêncio do poço, da pedra ainda caindo.

Não, ela não iria até aquele canto da igreja. Ela não correria os dedos por aqueles
nomes. Hoje não. Zoya cutucou os flancos do cavalo com os calcanhares e direcionou
sua montaria de volta para a cidade.

REI DE CICATRIZES | 192

Zoya, Tamar e Nikolai fixaram residência em uma pensão discreta chamada o Naufrágio,
que foi construído para parecer um grande navio encalhado.

Zoya lembrou-se de estava cheia de soldados e mercadores em seu auge e do terrível


acordeonista que tinha jogado de manhã até a noite no alpendre para atrair os viajantes
da estrada. Pelo menos ele estava muito longe agora.

Tolya estava alojado do outro lado da rua com o monge. Juntos, os gêmeos eram muito
atentos, e esta parada particular no itinerário real estava sendo mantida em segredo.
Eles enviaram a grande carruagem de ouro e suas tropas brilhantes para Keramzin. Lá,
a comitiva seria bem recebida pelo casal que dirigia o orfanato e quem eles sabiam
poderia ser confiável com os segredos da coroa.

Zoya encontrou seu banho morno e a refeição de esquilo e nabo cozido pouco apetitoso,
mas ela estava cansada demais para reclamar. Ela dormiu e sonhou com monstros.
De manhã, acordou Nikolai com a garrafa vermelha de estimulante, e eles se instalaram
em sua sala de estar para enfrentar os negócios do dia. Mais tarde, eles poderiam
encontrar uma antiga madeira de espinho enterrada nas areias, mas Ravka exigia
atenção constante, e nesta manhã isso significava que as questões de estado não podiam
esperar.

Zoya passou algumas horas examinando sua correspondência. Ela enviou a Genya e
David uma missiva codificada com os fundamentos do ataque e das instruções do
khergud para dobrar as surtidas que patrulham os céus ao redor de Os Alta. A capital foi
exposta, e ela odiava pensar o que poderia acontecer se o khergud atacasse a Escola
Grisha.

Qualquer ataque ao Pequeno Palácio seria considerado um ato aberto de guerra, e ela
duvidava que o Shu ousasse, mas Zoya não pretendia testar suas chances.

Ela enviou cartas semelhantes para Grisha estacionados em Ravka, com instruções para
ser vigilante noite e dia e solicita que os tenentes do primeiro exército posicionassem
soldados adicionais em torres e vigias altas. Teria sido mais conveniente ter os Grisha
nos postos de vigília fazendo os pedidos diretamente, mas protocolo era protocolo.
Alguma parte dela sempre se ressentiria com essa dança, mas esses gestos existiam
para preservar a dignidade das pessoas envolvidas.

Os Grisha não queriam ser vulnerável, e o Primeiro Exército queria manter sua
autoridade.

Depois que Nikolai tomou o café da manhã, eles trabalharam lado a lado, em grande
parte em silêncio, consultando apenas ocasionalmente um ao outro.

REI DE CICATRIZES | 193

“Uma das fontes de Tamar afirma que há rumores de que um membro da guarda da
realeza Shu quer desertar - disse Zoya, lendo o arquivo que Tamar lhe deixara.”

“Um membro do Tavgharad? Isso seria o golpe e tanto.”

Zoya assentiu. "O banquete será a oportunidade perfeita para fazer contato.”

"Você está dizendo que o minha besteira de Festival do Outono foi uma ideia brilhante
depois de tudo?”

“Eu não disse nada disso. Mas vamos ter certeza de que você tem muito tempo para
flertar com a princesa Shu e que Tolya e Tamar têm a chance de interagir com o guarda
Real."

“Para a perspectiva desse tipo de inteligência, eu certamente posso desenvolver uma


paixão para o jogo do khatuur.”

"E se forem apenas doze cordas e não dezoito?"

"Vou me esforçar para esconder o meu desdém."

Zoya deixou o arquivo de lado e disse: “Você teria mais uma requisição para Pensky?
Soldados em Arkesk para vigílias? ”Ele era o general do Primeiro Exército que Zoya
lidava na maioria das vezes. "Eu acho que eles poderiam ser particularmente
vulneráveis ao ataque khergud."

"Por que você não escreve a ele você mesms?"

"Porque eu enviei a ele dois pedidos de tropas no último mês, então seria melhor se este
requerimento viesse de você.”
Nikolai grunhiu, uma caneta entre os dentes, depois a soltou e disse: "Eu vou escrever
para Pensky. Mas isso significa que devemos realocar os Grishas perto de Halmhend? E
você pode me requisitar um guardanapo? Eu derramei chá em todo esta nota para o
embaixador Kaelish.”

Zoya enviou dois guardanapos flutuando sobre a mesa lateral e os jogou em um pilha ao
lado do cotovelo de Nikolai. Ela estava grata pelo silêncio esta manhã, era fácil retornar
à rotina.

Houve momentos como este, quando eles trabalharam lado a lado, quando o ritmo entre
eles era tão fácil que sua mente se tornaria traidora. Ela olharia o tufo de cabeça
dourada de Nikolai curvando-se sobre alguma correspondência ou seus longos dedos
rasgando em um rolo e ela gostaria de saber o que seria como quando ele finalmente se
casasse, quando ele pertencesse a outra pessoa, e ela perdesse esses momentos de paz.

Zoya ainda seria a general de Nikolai, mas sabia que seria diferente. Ele teria alguém
para provocar e se apoiar e discutir sobre a ofensiva. Ela fez homens se apaixonarem
por ela antes, quando ela era jovem e cruel e gostava REI DE CICATRIZES | 194

de testar seu poder. Zoya não desejou; ela foi desejada. E era assim que ela gostava.

Era irritante admitir que ela não tinha certeza se podia fazer Nikolai a querer, e mais
irritante pensar que uma parte dela queria tentar, para saber se ele era tão imune a sua
beleza quanto parecia, para saber se alguém como ele, cheio de esperança e esforço
leve e otimista, poderia amar alguém como ela.

Mas mesmo quando sua mente jogava esses jogos indelicados, Zoya sabia que era
melhor não deixá-lo ir longe demais.

Suas cuidadosas relações com o Primeiro Exército, seu monitoramento de Grishas em


todo Ravka, deixava perfeitamente claro que, mesmo que Nikolai tivesse o caminho
como algo mais do que um comandante capaz -

Ravka nunca aceitaria uma rainha Grisha.

Alina tinha sido diferente, uma santa, estimada pelo povo, um símbolo de esperança
para o futuro. Mas para o povo comum de Ravka, Zoya sempre será a bruxa de cabelos
negros que governava as tempestades. Perigosa. Não confiável. Eles nunca desistiriam
de seu precioso filho de ouro para uma menina nascida de raios e trovões e sangue
comum.

E eu não teria outro jeito. Uma coroa era boa, e sentimento feito por mover melodramas,
mas Zoya aprendera o poder do medo há muito tempo.

Uma batida na porta atraiu Zoya de seu devaneio, e ela encontrou Tamar e Tolya no
corredor - seus uniformes escondidos sob pesados casacos indefinidos - enquadrando
Yuri, seu rosto sério meio escondido por um lenço.

Todos eles viajariam para a Dobra disfarçada: casacos de gola alta e mantos grosseiros
de camponeses.

"Por que nunca podemos nos disfarçar de pessoas ricas?” questionou, tirando o manto
medonho que Tamar lhe trouxera e prendendo-o sobre o kefta.

"Um comerciante de seda e sua modelo glamourosa?", perguntou Nikolai.

"Sim. Vou até bancar o comerciante. Você pode ser minha bela musa.”

"Zoya, você acabou de me chamar de bonito?"

"Tudo parte do ato, Vossa Alteza."


Ele apertou o coração no desespero fingido e se virou para os outros.

"Vamos realizar nossa primeira viagem lentamente. Sabemos exatamente para onde
estamos indo? A dobra não tem muitos marcos. ”

"Os seguidores do Santo Sem estrelas estarão esperando", disse o monge, praticamente
dançando. “Eles sabem onde ele caiu. Eles lembram."

REI DE CICATRIZES | 195

"Eles fazem isso?", retrucou Zoya. "Eu não me lembro de nenhum deles estar lá. Se eles
tivessem, lembrar-se-iam de todos os nomes dos mortos, não apenas do seu precioso
Darkling.

"Eu estava nas docas secas mais cedo", disse Tamar rapidamente. "Fala-se de um novo
acampamento aproximadamente dez milhas a oeste. ”

"Eu te disse", disse Yuri.

Nikolai deve ter percebido o desejo de Zoya de arrancar todos os ossos do corpo do
monge, porque ele se colocou entre eles e disse: "Então é aí que vamos começar. Yuri,
você permanecerá conosco e não interagirá com os peregrinos ”.

"Mas-"

“Eu não quero que você seja reconhecido. Eu não quero nenhum de nós reconhecido.
Lembre-se do que está em jogo aqui. ”Ele colocou a mão no ombro de Yuri e
descaradamente acrescentou: "A alma de uma nação".

Pelo menos, se Zoya vomitasse, estaria nessa capa horrível.

Um bote havia sido preparado para eles nas docas secas - uma embarcação larga e
plana com trilhos rígidos de trenó projetados para suportar o peso da carga sobre as
areias. Esses velhos veículos foram construídos para o silêncio desde que o som havia
arriscado chamar a atenção dos volcras - e eram construídas de forma barata desde que
eles eram tão frequentemente destruídos.

O esquife era pouco mais que uma plataforma com uma vela. Dois Aeros júnior estavam
prontos para o mastro, parecendo ansiosos e ridiculamente jovens em seus keftas azuis.
Era uma tarefa fácil para os alunos, preparando-se para se formar - longe dos combates,
mas onde eles poderiam praticar seus idiomas e ter a sensação de seguir comandos.

Tolya ficou na proa. Na popa, Zoya e Yuri ladeavam Nikolai. Tamar ficou de guarda no
outro lado do monge, no caso de ele se sentir obrigado a tentar comungar com seus
companheiros fanáticos.

Zoya manteve seu xale para cima, mas observou os Conjuradodes de perto enquanto
eles levantavam os braços e convocavam correntes de ar para impulsionar as velas. Foi
difícil não pensar nos seus primeiros dias de Segundo Exército, do terror de sua
primeira travessia, cercada por escuridão, prendendo a respiração e esperando para
ouvir o grito do volcra, a aba de suas asas como quando eles viessem em busca de
presas.

"Eles estão desviando à esquerda", ela murmurou para Nikolai quando o barco avançou
sobre a areia.

"Eles estão fazendo o melhor que podem, Zoya."

REI DE CICATRIZES | 196


O melhor deles não vai mantê-los vivos, ela queria latir. “Eu assisti a meus amigos
morrerem nessas areias. O mínimo que esses jovens idiotas podem fazer é aprender a
pilotar um esquife vazio através delas.”

Santos, ela odiava estar aqui. Quase três anos se passaram desde a destruição da Dobra,
mas uma estranha quietude permanecia em suas fronteiras, a quietude de um campo de
batalha onde bons soldados haviam caído. O esquiva de vidro que o Darkling havia
usado para entrar na Dobra há muito tempo fora saqueado e desmantelado, mas os
destroços de outros navios estavam espalhados pelos muitos quilômetros da Dobra.

Algumas pessoas trataram os mastros quebrados e cascos quebrados como santuários


para os mortos.

Mas outros haviam varrido o que podiam deles - madeira, lona, qualquer
carga que os esquifes perdidos haviam carregado.

E, no entanto, enquanto viajavam mais profundamente nas areias cinzentas, Zoya se


perguntou se o silencioso vibrante nas bordas do Não-Mar tinha sido pura imaginação,
os fantasmas de seu passado nublando sua visão.

Porque conforme eles viajaram mais para o oeste, a Dobra se tornou viva.

Onde quer que ela olhasse, ela via altares dedicados à Santa Sol. Empresas
desorganizadas brotaram como varíola sobre as areias: pousadas e restaurantes,
capelas, vendedores ambulantes vendendo curas sagradas, pedaços de ossos de Alina,
pérolas de seu kokoshnik, restos de seu kefta. Isso fez a pele de Zoya se arrepiar.

"Eles sempre gostaram mais de nós mortos", disse ela. “Ninguém sabe o que fazer com
um santo vivo ”.

Mas o olhar de Nikolai foi treinado no horizonte. "O que é isso?"

Mais à frente, Zoya podia ver uma mancha escura. Parecia uma sombra projetada por
um banco de nuvens pesadas, mas o céu acima estava claro. "Um lago?"

"Não", disse Yuri. "Um milagre."

Zoya pensou em empurrá-lo sobre o corrimão. “Se eu apontasse para uma torneira com
vazamento, você diria que foi um milagre.”

No entanto, à medida que se aproximavam, Zoya viu que a forma no horizonte não era
um corpo de água, mas um disco preto brilhante de pedra, pelo menos uma milha de
diâmetro, perfeitamente redondo e brilhante como um espelho.

Uma aldeia de tendas e abrigos improvisados tinha crescido em torno do círculo de


pedra. Não havia sinais da Santa Sol aqui, nem ícones dourados ou imagens de Alina
com seus cabelos brancos e colar de chifres. Zoya viu apenas REI DE CICATRIZES |
197

banners negros pintados com os dois círculos representando o sol no eclipse. O

símbolo do Darkling.

"Este é o lugar onde o Não Estrelado caiu", disse Yuri, reverência em sua voz.

Foi aqui? Zoya não podia ter certeza. A batalha foi uma lembrança de chamas violetas e
medo. Harshaw sangrando no chão, o céu cheio de volcras.

"Séculos antes", prosseguiu Yuri, "o Não-Estrelado estava neste mesmo lugar e desafiou
as regras que ligavam o universo. Só ele se atreveu a tentar criar os experimentos dos
Ossos de Ilya Morozova. Só ele olhou para as estrelas e exigiu mais. ”

"Ele ousou", disse Zoya. "E o resultado de seu fracasso foi uma lágrima no mundo."

"A Dobra das Sombras”, disse Nikolai. “O único lugar onde seu poder se tornou sem
significado. Os santos amam um pouco da ironia dramática ”.

Zoya cortou a mão pelo ar em irritação. “Não os santos. Isso não foi retribuição divina."

Yuri virou os olhos suplicantes para ela. "Como você pode ter certeza?

Como você pode sabe que a Dobra não foi um desafio que os Santos colocaram diante do
Darkling? ”

“Você mesmo disse. Ele desafiou as regras que ligam o universo, que governam nosso
poder. Ele violou a ordem natural.”

"Mas quem criou a ordem natural?", insistiu Yuri. “Quem é responsável pela fabricação
no coração do mundo?”

Como ela invejava a certeza desse menino, suas visões, sua crença ridícula de que a dor
tinha um propósito, que os santos tinham algum tipo de plano.

“Por que tem que ser um quem?” exigiu Zoya. “Talvez seja simplesmente assim o mundo
funciona, como funciona. O que importa é que quando os Grishas estendem seu poder,
há um preço. A lição é construída em todas as nossas histórias, até mesmo nos contos
narrados a pequenas crianças otkazat'sya como você.

Yuri balançou a cabeça teimosamente. “O Herege Negro escolheu este lugar com
cuidado. Tem que haver uma razão.”

"Talvez ele tenha gostado da vista", ela disparou de volta.

“Ainda assim ...,”disse Nikolai.

Ela plantou as mãos nos quadris. "Você também não."

"Há lugares como este em todo Ravka", disse ele, a voz aplacando.

"Locais que serviram deuses antigos e novos santos, que foram construídos e REI DE
CICATRIZES | 198

arruinados e reconstruídos, porque as pessoas voltaram para eles de novo e de novo


para adorar. ”Nikolai encolheu os ombros. "Talvez eles estejam atraídos pelo poder."

"Ou bom tempo ou materiais de construção baratos", disse Zoya, exasperada.

Ela teve o suficiente. Assim que o esquife parou, ela saltou do corrimão.

"Certifique-se de Yuri fica aqui", ouviu Nikolai instruir os gêmeos quando ele pulou
depois dela.

"Bem-vindo, companheiros peregrinos!", disse um homem vestindo vestes negras e um


beatífico sorriso.

"Obrigada", disse Zoya. Nikolai lançou-lhe um olhar de aviso de que ela felizmente
desconsiderou. "Você está no comando aqui?"

"Eu sou apenas mais um entre os fiéis".

"E você colocou sua fé no Darkling?"

"No Santo Sem Estrelas." O peregrino gesticulou para o reluzente disco de pedra. Não
mostrava imperfeições, mais negro que qualquer noite. “Eis os sinais de seu retorno."

Zoya ignorou o arrepio que lhe subiu pela espinha. "E você pode me dizer por que o
adora?”

O homem sorriu de novo, claramente entusiasmado com a oportunidade. “Ele amava


Ravka. Ele queria apenas nos fortalecer e nos salvar dos reis fracos ”.

“Reis fracos”, refletiu Nikolai. "Quase tão irritante quanto chá fraco."

Mas Zoya não estava com humor para o absurdo. "Ele amava Ravka", ela repetiu. “E o
que é Ravka? Quem é Ravka?”

“ Todos nós. Camponeses e príncipes também.”


"Claro. O Darkling amava minha tia que morreu ao lado de incontáveis civis inocentes
em Novokribirsk para que ele pudesse mostrar ao mundo seu poder?”

“Deixe-os em paz,” Nikolai murmurou, colocando a mão no braço dela.

Ela o sacudiu. “Ele amava a garota que ele forçou a cometer esses assassinatos? E sobre
a garota que ele jogou na cama do velho rei para seus próprios propósitos, então
mutilada quando ela se atreveu a desafiá-lo? Ou a mulher que ele cegou por falhar
oferecer-lhe devoção inabalável? ”

Quem falaria por Liliyana, por Genya e Alina e Baghra se ela não falasse?

Quem vai falar por mim?

REI DE CICATRIZES | 199

Mas o peregrino permaneceu inabalável, seu sorriso firme, gentil, enlouquecedor.

“Grandes homens são frequentemente vítimas das mentiras contadas por seus inimigos.
Quais Santos que andaram entre nós que não enfrentaram dificuldades nesta vida? Nós
fomos ensinados a temer a escuridão ...”

"Uma lição que você não aprendeu."

"Mas somos todos iguais no escuro", disse o peregrino. "Homem rico, pobre homem."

"Um homem rico pode se dar ao luxo de manter as luzes acesas", disse Nikolai
suavemente. Ele deu um puxão forte em no braço de Zoya, arrastando-a de volta para o
esquife e longe dos peregrinos.

"Solte-me", ela fervia. “Onde está o santuário da minha tia? Para Santa Harshaw? Para
Sergei ou Marie ou Fedyor? Quem irá adorá-los e acender velas em seus nomes? ”Ela
sentiu o formigamento indesejado de lágrimas nas costas de sua garganta e engoliu-os.
Essas pessoas não mereciam suas lágrimas, apenas sua ira.

"Zoya", Nikolai sussurrou. “Se você continuar chamando a atenção, podemos ser
reconhecidos. ”

Ele estava certo; ela sabia disso. Mas esse lugar, vendo aquele símbolo naqueles
banners ... Foi tudo demais. Ela virou-se para Nikolai. “Por que eles o amam?"

"Eles amam a força", disse ele. “Morar em Ravka significa viver com medo por um longo
tempo. Ele lhes deu esperança.”

"Então temos que dar-lhes algo mais."

"Nós vamos, Zoya." Ele inclinou a cabeça para o lado. "Eu não gosto quando você olha
para mim desse jeito. Como se você tivesse parado de acreditar.”

"Todas aquelas vidas perdidas, tudo pelo que trabalhamos, e esses idiotas estão tão
prontos para reescrever a história.” Ela balançou a cabeça, desejando poder apagar as
memórias, arrancá-las para sempre.

"Você não sabe, Nikolai. A batalha na fiação da Roda. Vendo o braço de Adrik arrancado
de seu corpo. Seu sangue ... encharcou o convés. Nós não conseguimos limpá-lo. As
pessoas que perdemos aqui. Nessas areias. Você não lembra. Você era o demônio então.
Mas eu lembro de tudo.”

"Eu me lembro o suficiente", disse ele, e havia um tom em sua voz que ela não tinha
ouvido antes. Ele colocou as mãos nos ombros dela, apertando com força. "Eu lembro,
Zoya, e eu prometo que não vou deixar o mundo esquecer. Mas eu preciso que você
volte para mim. Eu preciso da minha general ao meu lado agora.”

REI DE CICATRIZES | 200

Zoya respirou com dificuldade, tentando encontrar alguma calma, impedir as imagens
de irromperem. Não olhe para trás. Não olhe para mim.

Ela viu a xícara de chá de Liliyana, sentada no balcão de sua loja, inspirando o aroma
quente de laranja da bergamota.

Ela não conseguia respirar. Sua cabeça estava pesada e borrada quando ela deixou
Nikolai puxá-la para o esquife. Os Aeros Júnior já haviam deixado o cargo para
conseguir uma vista melhor da a pedra negra. Nenhuma disciplina.

Nikolai sinalizou para os gêmeos. “Tolya, Tamar, encurrale esses Aeros e traga-os de
volta aqui. Em seguida, tome lados opostos deste grande e brilhante monumento e
vistorie o perímetro. Descubra o que você pode sobre quando apareceu e quantas
pessoas Venha ao site todos os dias. Precisamos lidar com eles se realmente quisermos
cavar nas proximidades. Zoya e eu vamos levar o esquife mais a oeste com Yuri. Vamos
nos reunir novamente para decidir os próximos passos em uma hora. ”

"Eu posso ajudar", Yuri protestou, observando Tolya e Tamar saltando para o areias. "Eu
posso falar com os peregrinos"

"Você vai ficar com a gente. Vamos viajar um pouco mais e decidir o que fazer. Não
sabemos como vamos cavar aqui sem que essas pessoas se envolvam. ”

Yuri empurrou os óculos pelo nariz comprido e Zoya queria quebrá-los, ambos."Talvez
devêssemos envolvê-los", disse ele. "Ou podemos estatar que somos estudiosos
procurando por relíquias da batalha para um museu ...”

"Isso só pode incendiá-los", disse Nikolai. "Eles alegarão que o local é sagrado e não
pode ser tocado, ou eles vão querer cavar-se para localizar objetos para seus altares.”

Zoya não se importava com o que os peregrinos queriam. Se ela tivesse que olhar para
eles e seus banners pretos outro minuto, pensava que poderia perder a cabeça.

Ela levantou as mangas, sentindo o peso do amplificador em seu pulso.

“Bastante politicagem. Chega de diplomacia. Eles querem escuridão?

Vou dar para eles."

“Zoya—” avisou Nikolai.

Mas a raiva dela havia irrompido e ela podia sentir a tempestade subir.

Tudo o necessário foi a mais simples torção de seus pulsos e as areias deslocadas,
formando ondulações e então dunas, subindo cada vez mais alto.

Ela viu Genya encolhida em seu xale preto, seus braços grossos com cicatrizes.

Ela viu Harshaw morto na areia, seu cabelo vermelho como uma bandeira caída. As
narinas de Zoya estavam cheias do cheiro de bergamota e sangue.

O vento uivou, como se estivesse compartilhando de sua raiva.

REI DE CICATRIZES | 201


"Zoya, pare com isso", Nikolai assobiou.

Os peregrinos gritaram um para o outro, abrigando-se, amontoando-se juntos. Ela


gostou do medo deles. Ela deixou a areia formar formas, um sol brilhante, o rosto de
uma mulher - o rosto de Liliyana, apesar de ninguém saber disso. O vento gritou e as
areias ergueram-se num maremoto, bloqueando o sol e mergulhando o acampamento
em Trevas.

Os peregrinos se dispersaram e correram.

"O seu querido santo", disse ela com uma satisfação sombria.

“Chega, Zoya,” disse Nikolai na sombra profunda que seu poder lançara.

"Isso é uma ordem."

Ela deixou as areias caírem. Uma onda de tontura a atingiu, e por um momento o mundo
pareceu cintilar e entortar. Seus joelhos se dobraram e ela caiu com força no convés do
esquife, assustado com a onda de náusea que a dominara.

Nikolai segurou o braço dela. "E você ...?" E então ele pareceu tropeçar também, olhos
rolando de volta em sua cabeça.

"Nikolai?"

Yuri vomitou sobre o corrimão.

"O que acabou de acontecer?" Ela disse, empurrando para seus pés. "Por que -" Mas as
palavras morreram em seus lábios.

Zoya se virou em um círculo lento. O acampamento de peregrinos tinha ido embora, as


tendas, a pedra reluzente. O céu azul tinha sangrado até um crepúsculo cinzento.

“Onde estão Tolya e Tamar?”, Disse Nikolai.

Tolya, Tamar, os Aeros, todos que estavam perto do esquife haviam desaparecido
também.

"Onde estão eles?", disse Yuri. "O que aconteceu com eles? O que você fez?"

"Eu não fiz nada!" Zoya protestou. “Foi uma pequena tempestade.

Ninguém estava em qualquer perigo.”

"Estou tendo algum tipo de episódio?", disse Nikolai, olhando para a distância. "Ou você
está vendo isso também?"

Zoya se virou para o oeste. Acima deles apareceu um palácio forjado a partir da mesma
areia cor de osso como a Dobra. Mas era menos um palácio do que uma cidade, um
enorme estrutura que se erguia em arcos e picos, nuvens rodopiando em torno de suas
maiores torres.

REI DE CICATRIZES | 202

Havia algo em sua construção, em sua escala arrebatadora, que a lembrava da ponte em
Ivets. Um grito soou de algum lugar à distância. Volcra, pensou Zoya, embora ela
soubesse que não poderia ser.

"É um milagre", disse Yuri, caindo de joelhos.

Outro grito soou, depois outro, e um estrondo de trovão seguiu conforme formas escuras
pareciam se desprender do palácio, movendo-se em direção a eles com incrível rapidez.
"Não é um milagre", disse Nikolai, sacando seus revólveres. "É uma armadilha."

REI DE CICATRIZES | 203

REI DE CICATRIZES | 204


Nikolai tinha visto muitas coisas surpreendentes - os pôneis de neblina da fronteira


zemeni, que diziam ser tão rápidos que, quando corriam, ficavam invisíveis; uma
serpente do mar se debatendo através do gelo do norte; o mundo desenfreando diante
dele enquanto ele andava os ventos com as asas de um monstro em suas costas, mas
seus olhos não conseguiam entender o que ele via mergulhando em sua direção no céu.

Yuri estava de joelhos, rezando. Zoya tinha os braços levantados e Nikolai já sentia a
areia batendo ao redor do esquife quando ela convocava o vento para sua defesa.

Assim que ele ouviu aquele grito no ar, Nikolai sacou seus revólveres e se preparou para
enfrentar o volcra. Ele esperava monstros da sombra ou alguma nova personificação do
poder do Darkling. Inferno, talvez alguma parte dele tivesse esperado o próprio
Darkling, o Santo Não-Estrelado ressuscitado, viesse a atormentar a todos eles com
carisma e má intenção.

Em vez disso ele viu ... abelhas, uma vasta faixa delas, movendo-se através de um céu a
cor de mingau, mudando e agrupando-se no que poderia ter sido a forma de um mulher.
Atrás do enxame, um grotesco saltou sobre a areia, um corpo massivo que continuava se
formando e se reformando - duas cabeças, depois três; mil braços; um corcunda de
costas com uma espinha que se contorcia em cumes sinuosos; dez, vinte, trinta longos,
finas pernas se movendo em tandem. As formas eram humanas um momento, o animal
póximo grosso com pêlos e ranger de dentes. E lá, circulando bem alto, uma
monstruosidade, asas largas e escamas brilhando ...

"Zoya, diga algo rancoroso."

"Por quê?" ela perguntou fracamente.

"Porque eu tenho quase certeza que estou alucinando, e nos meus sonhos você é muito
mais agradável."

"Você é um idiota, Nikolai."

"Não é o seu melhor trabalho."

"Sinto muito, não posso oferecer um melhor jogo de palavras agora.

Pareço estar paralisada com medo."

REI DE CICATRIZES | 205


Sua voz tremia - e se Zoya, implacável e inabalável, estava assustada, então tudo o que
ele via era real: as abelhas, o grotesco e sim, impossível, mas não obstante, o dragão,
grande em tamanho, suas asas coriáceas arqueadas, suas escamas brilhando em preto,
verde, azul, dourado na luz cinzenta.

"Zoya, o que você fez para nos trazer aqui, esta seria a hora de desfazer isso."

"Se eu pudesse, eu faria", ela rosnou, em seguida, lançou uma parede de vento para
cima.

As abelhas atacaram, como a água se abrindo em volta de uma rocha em um riacho,


zumbido enchendo as orelhas de Nikolai.

"Faça alguma coisa!", Disse Zoya.

"Como o quê?"

"Você tem armas!"

"Eu não vou atirar nas abelhas."

"Então atire naquela coisa."

Nikolai abriu fogo contra o grotesco. Suas balas atingiram seu corpo em movimento -
cabeça, um braço, outro braço, um peito distendido. Agora que a coisa estava mais
perto, ele garras vislumbradas, maxilas grossas de caninos, a densa pele marrom do que
parecia como um urso. Todas as suas balas foram absorvidas no corpo do grotesco,
então emergiram um segundo depois, como se a carne se contorcesse simplesmente os
cuspisse.

Bem acima, o dragão rugiu e espalhou suas enormes asas. Uma fonte de chama
irrompeu da boca da besta e explodiu em direção a eles.

As mãos de Zoya dispararam para cima e uma cúpula de ar se formou sobre suas
cabeças. As chamas atingiram a barreira. Nikolai podia sentir o calor chamuscando suas
sobrancelhas.

A explosão cedeu e o dragão gritou de novo, girando acima deles.

"Acho que é justo dizer que estamos desarmados", disse Nikolai.

"Abaixem seus braços", disse o grotesco em um coro de vozes de um cem bocas.

"Em um momento", respondeu Nikolai. "Estou achando muito reconfortante agora. Yuri,
saia de seus malditos joelhos e pelo menos tente parecer que você pode lutar.

"Você não entende", disse Yuri, com os olhos cheios de lágrimas.

"Isso está inteiramente correto."

"Vou levantar as areias novamente", disse Zoya. “Se eu trazer uma tempestade grande o
suficiente, nós vamos ter cobertura para chegar ... em REI DE CICATRIZES | 206

algum lugar. Você precisará trabalhar as velas; eu não serei capaz de controlar a
tempestade e dirigir o esquife. ”

"Faça isso", disse Nikolai, olhando as linhas. Eles estm primitivos na melhor das
hipóteses, mas ele tinha gerido mares mais rochosos do que estes.

Ele abriu fogo, tentando emprestar cobertura a Zoya enquanto ela passava os braços
para frente e as areias da Dobra - ou onde quer que estivessem - ergueram-se com um
baque. Não houve sutileza agora, não há necessidade de mascarar suas ações para
enganar os peregrinos. Em vez disso, a tempestade veio a vida com um começo como
um homem acordando de um sonho ruim, uma súbito muralha de força que empurrava
as criaturas para trás, as areias formando uma parede rodopiante para esconder a fuga
do esquife.

Nikolai guardou os revólveres e pegou as linhas, soltando a vela. A tela estalou,


enchendo de ar, dirigindo-os para o leste e de volta para o que ele esperava que ainda
eram as fronteiras da dobra. O que quer que essas criaturas fossem, o poder tinha que
ser amarrado a este lugar.

De repente, o chão abaixo deles pareceu se dobrar. O esquife listado precariamente


estibordo quando um de seus corredores se afastou da areia.

Zoya e Yuri perderam o equilíbrio, mas Zoya não vacilou. Mesmo de costas, ela manteve
os ventos em movimento. Nikolai segurou firme as linhas, tentando usar a tempestade
para impulsionar o esquife. Mas o chão estava batendo como um animal selvagem, como
se as areias abaixo deles tinham vida.

O esquife inclinou-se mais alto no seu único corredor. "Nós estamos indo!" Nikolai
gritou. Ele tinha a estranha sensação de que uma mão gigante estava inclinada
deliberadamente para arrastá-los para as areias.

Eles desembarcaram em uma pilha sem cerimônia. Nikolai ficou de pé em um instante


agarrando Zoya e Yuri para rolar todos eles para a segurança.

Mas o esquife bateu inofensivamente para o outro lado, e as areias instantaneamente se


acalmaram.

Sem a tempestade de Zoya, os céus estavam limpos de novo. Uma forma emergiu da
areia diante deles, depois outra, depois outra - um regimento de soldados de areia.

Eles estavam sem rosto, mas seus uniformes eram elaboradamente detalhados. Eles se
pareciam com as pinturas de antigos soldados ravkanos, o exército de Yaromir, o
Determinado, vestido com peles e bronze, mas tudo isso feito na areia. Zoya levantou as
mãos e enviou uma rajada de vento forte batendo nas fileiras do soldados, mas eles
ficaram sólidos e imóveis.

"O que são eles?", Perguntou Zoya.

Os soldados continuaram a emergir em uma onda ondulante, um exército que se


estendia para o horizonte, onde o castelo ainda se erguia.

REI DE CICATRIZES | 207

"Acho que estamos mostrando o quanto somos superados", disse Nikolai.

"Por quem?"

Os soldados de areia avançaram como um só, e o som era como a explosão de uma
espingarda. Zoya e Nikolai ficaram de costas um para o outro cercados. Ao lado deles,
Yuri permaneceu de joelhos, o rosto cheio de uma espécie de euforia maníaca.

"Eu não sei como lutar contra isso", disse Zoya. Ela de alguma forma estabilizou sua voz,
mas ele podia ouvir o medo de qualquer maneira. “Esta é a parte em que morremos
bem?"

O dragão estava girando no alto. Se essas criaturas quisessem Nikolai morto, eles
escolheram um meio elaborado de fazer acontecer, então outra coisa teve queestar em
jogo - espero que algo que lhe permitiria negociar a segurança de Zoya e Yuri.
“Não, esta é a parte em que o rei de Ravka se entrega, e o amor que nunca tivemos em
vidas se transforma em em baladas e músicas. ”

"Nikolai", retrucou Zoya, "não se atreva."

“Me dê outra opção, Nazyalensky. Um de nós precisa sobreviver a isso ”.

ele baixou a voz. “Volte para a capital e comande os Grishas.” Assumindo que ela
poderia até mesmo voltar para Os Alta daqui.

Ele jogou seus revólveres na areia e levantou as mãos, examinando as filas de soldados
de areia, as figuras no céu, o corpo montanhoso da grotesca criatura pairando atrás de
suas fileiras. "Eu não tenho certeza de quem eu estou me entregando a—"

O dragão virou-se bruscamente no ar e mergulhou para eles. Talvez eles pretendessem


matá-lo, afinal.

"Zoya, desça!" Nikolai gritou, pulando para ela.

"Como o inferno", ela murmurou, e jogou-o na areia, preparando-se para a queda com os
pés plantados e os braços levantados.

O dragão soltou o fogo e Zoya soltou a tempestade. Por um momento eles pareciam
iguais - uma cascata dourada de chamas, fustigada por uma parede de vento.

Então Zoya passou os braços em um laço e os jogou para os lados como um condutor
concluindo uma sinfonia. Por um momento Nikolai não entendeu, mas depois as chamas
desmoronaram. O dragão recuou, um chiado ofegante emergindo de sua garganta. Zoya
roubara-lhe o fôlego; ela baniu o ar do fogo, privando

De combustível, e deixou o dragão ofegante.

REI DE CICATRIZES | 208

Nikolai pulou para suas armas, pronto para aproveitar a oportunidade que ela ofereceu,
mas antes que ele pudesse mirar, o dragão soltou um rugido ensurdecedor. Suas
mandíbulas se abriram e fogo jorrou adiante. Desta vez a chama queimou azul, mais
brilhante e mais quente que antes, quente o suficiente para derreter pedra - ou areia.

“Zoya!” Gritou Nikolai, mas Zoya já tinha levantado as mãos para levantá-los
novamente, dirigindo um vento gelado contra o ataque do dragão.

Um fogo azul iluminou seu rosto. Seu cabelo subiu como uma coroa preta em volta da
cabeça, e seus olhos ardiam cobalto como se ela também tivesse queimado com o fogo
do dragão.

Zoya gritou quando as chamas do dragão bateram contra a força de seu poder.

Ela cerrou os dentes e Nikolai viu gotas de suor na testa. Ele abriu fogo contra o dragão,
mas suas balas pareciam derreter antes mesmo de chegarem perto das escamas da
criatura. Gelo cristalizado no esquife caído, revestia as mãos de Nikolai e as fileiras dos
soldados de areia em torno deles.

E então Zoya entrou em colapso. Ela caiu de joelhos e a tempestade de inverno


evaporou, deixando apenas uma casca fina de gelo derretendo em seu rastro.

Nikolai estava de pé, tropeçando em direção a ela, certo de que ele estava prestes a vê-
la consumida pela chama. Mas o dragão retirou o fogo. Pairou no ar,assistindo.

"Zoya", disse Nikolai como ele ficou de joelhos ao lado dela, pegando-a em seu braços
antes que ela pudesse cair. Sua pele estava brilhando com a luz do poder Grisha, mas
seu nariz estava sangrando e ela estava tremendo.

O dragão pousou diante deles, dobrando suas vastas asas. Talvez quisesse brincar com
sua comida.

"Fique para trás", disse Nikolai, embora não tivesse como impedir que o animal
avançasse. Suas armas eram tão boas quanto brinquedos. Yuri ainda estava de joelhos,
balançando como um bêbado que não conseguia decidir se valeria a pena tentar ficar
em pé.

"O rei menino", disse o dragão, rondando para a frente, a cauda açoitando o ar. Esta era
voz era um estrondo baixo, como um trovão em um pico distante. “O herói de guerra. O
príncipe com um demônio enrolado dentro em seu coração.”

Nikolai não tinha certeza se ele era mais espantado que a criatura pudesse falar ou que
soubesse o que os havia trazido a esta maldita jornada.

O dragão se inclinou para frente. Seus olhos eram grandes e prateados, suas pupilas
negras como fendas.

REI DE CICATRIZES | 209

“Se eu quisesse machucá-la, ela seria cinzas, garoto. Vocês todos.”

"Com certeza parecia que você queria machucá-la", disse Nikolai. "Ou é assim que sua
espécie diz um alô amistoso?

O dragão roncou o que poderia ter sido uma risada. "Eu queria ver o que ela poderia
fazer."

Zoya lançou um uivo de pura angústia. Foi um som tão desesperado, tão cru, Nikolai mal
podia acreditar que vinha da boca da general.

"O que é isso?" Ele implorou, seu braço apertando ao redor dela enquanto ele a examina
seu corpo procurando por feridas, por sangue.

Mas ela o expulsou, esbarrando na areia, outro gemido de raiva e dor arrancado de seu
peito. "Para os santos, Zoya, o que há de errado?"

Ela pegou algo que cintilou em sua mão e o agarrou a seu peito, ela soluça como nada
que ele tinha ouvido antes. Levou um momento para forçar seus dedos se abrem.
Embalado em sua palma, ele viu as metades quebradas de sua pulseira de prata. Seu
amplificador havia quebrado.

"Não", ela soluçou. "Não."

"Sim", sibilou o dragão.

"Juris, pare com isso", disse uma mulher, saindo de entre as fileiras de soldados.

Ela usava um vestido de rosas florescendo que floresceu e morreu em vinhas enroladas
em torno de seu corpo. Seu cabelo dourado era uma massa agitada de abelhas que
enxameavam e agrupavam em torno de seu rosto radiante. “Você conseguiu sua batalha.
Eles sabem o que lhes aconteceu.”

"A primeira excitação que tivemos em anos, Elizaveta, e você parece determinada a
negar-me a minha diversão. Muito bem."

O dragão deu de ombros e depois, perante os olhos confusos de Nikolai, parecia mudar
e encolher, tornando-se um homem imponente, sua cota de malha finamente trabalhada
que brilhava como escamas negras. Os soldados de areia se separaram para revelar a
criatura grotesca, seu corpo ainda se transformando, que agora os encarava nos olhos,
como se fosse melhor absorver cada centímetro deles.

"O que é isso?" Nikolai exigiu. "Quem é você?"

“As pessoas não oram por santos?” perguntou o homem chamado Juris.

"Finalmente", chorou Yuri, ainda ajoelhada. "Finalmente."

"Venham", disse Elizaveta, estendendo a mão, as abelhas zumbindo suavemente ao


redor dela em um zumbido que era quase reconfortante.

"Vamos explicar tudo."

REI DE CICATRIZES | 210

Mas a mente de Nikolai já havia saltado de um abismo para um território absurdo.

Sankta Lizabeta, que foi martirizada em um campo de rosas. Sankt Juris, quem…

"Você matou o dragão", disse Nikolai. "É ... é em todas as histórias."

"Às vezes, as histórias são complicadas quanto aos detalhes", disse Juris com um
reluzente sorriso. “Venha menino rei. É hora de conversarmos.”

REI DE CICATRIZES | 211


ISAAK ESTAVA TENTANDO COM TODAS AS FORÇAS não suar seu uniforme, e o
esforço só estava fazendo ele suar mais. Não era tanto a dor de transformação que o
incomodou, mas a proximidade de Genya Safin enquanto ela passava seus dedos sobre
as linhas de seu nariz e testa. Ele havia sido sequestrado com ela por quase dois dias em
uma sala de prática normalmente ocupada por Corparalki. Não havia janelas, e sua
única porta era sempre vigiada por um dos gêmeos.

A luz para o trabalho cuidadoso de Genya veio da vasta clarabóia acima, o vidrotão claro
que só poderia ser feito por Grishas.

Isaak tinha pouco a fazer senão ficar o mais imóvel possível, olhar para Genya e deixar
sua mente vagar pelo caminho que o trouxe a esta incompreensível situação. Começou
com a passagem do pai? Com o rascunho?

Tinha começado durante a campanha do norte, quando ele serviu sob Nikolai Lantsov?
Nele o príncipe tinha passado dos dezoito anos, apenas alguns meses mais velho que o
próprio Isaak.

Isaak passara a admirar seu comandante, não apenas por sua bravura, mas pela
maneira que ele poderia contornar uma situação crítica através de seu pensamento
rápido. Ele nunca esqueceu um nome, nunca deixou de perguntar depois de um parente
doente ou o progresso de uma ferida de cura.

Após a batalha de Halmhend, o príncipe visitou a enfermaria para falar com os feridos.
Ele passara horas ali, conversando ao lado da cama de cada soldado, encantando cada
enfermeira, elevando os espíritos. Quando ele se sentou ao lado do berço de Isaak,
encheu seu copo de água, e até mesmo levantou o copo até os lábios de Isaak, para que
pudesse nbeber, Isaak tinha ficado tão sobrecarregado que ele teve que se lembrar
como exatamente se engole água.

Eles falaram sobre a infância de Isaak, suas irmãs e Isaak se encontrou contando ao
príncipe tudo sobre seu pai, que tinha sido um tutor na casa do barão Velchik. Isaak não
falava da morte de seu pai há anos e nunca havia contado a alguém sobre como sua vida
mudou na sequência dessa tragédia, como sua família tinha sido forçado a deixar a
propriedade do barão e fixar residência em uma pequeno quarto de aluguel acima de
uma loja de costureiras, onde sua mãe fizera o melhor para alimentar e vestir Isaak e
suas irmãs, pegando em um pedaço de papel.

REI DE CICATRIZES | 212

O príncipe elogiou o dom de Isaak pelas línguas e sugeriu que ele cultivasse o talento
agora que era hora de Isaak sair do Fronte.

"Eu não tenho certeza se é algo que minha família pode pagar", admitiu Isaak com
alguma vergonha. “Mas eu certamente considerarei, Sua Alteza.”

Ele voltou para casa e começou a procurar trabalho assim que pôde.

Meses se passaram quando Isaak assumiu trabalhos estranhos e esperou que seu corpo
se curasse para que pudesse voltar à ativa e pagar a família tão desesperadamente
necessitada.

Então, uma noite, ele chegou em casa e encontrou sua mãe esperando por ele com uma
carta. Ele passou um longo dia limpando estrume, pelo qual ganhou seis ovos, que ele
carregou para casa gentilmente embalados nas dobras de sua camisa. Ele quase largou
todos eles quando viu que a carta na mão de sua mãe estava estampada com a cera azul-
clara do selo de duas águias do príncipe.

Caro Isaak

Encantado em ver nós dois sobrevivemos à minha liderança. Se você quiser sair de sua
aldeia e fazer a árdua jornada para Os Alta, há um emprego esperando por você na
guarda real no Grande Palácio. Isso exigirá uma grande parte de disciplina, pés juntos e
não parecer entediado através dos mais eventos cansativos o homem pode conceber,
abrindo portas e mantendo os seus botões brilhantes, então eu não te culpo se você
preferir literalmente qualquer outra ocupação.

Mas se você tiver coragem de enfrentar tais horrores, você também vai encontrar meus
próprios professores felizes em te educar nas línguas de sua escolha. Espero que você
selecione Shu, Kerch e Zemeni, como eles são línguas que melhor podem servir um
príncipe ou um rei, mas você é certamente bem-vindo para satisfazer o seu gosto pela
poesia Kaelish. Eu o fiz, e meu estômago está doendo desde então.

Com os melhores cumprimentos, Nikolai Lantsov,

Grão-duque de Udova,

Príncipe de Ravka, etc.

A mãe e as irmãs de Isaak se reuniram para tocar o papel fino e pesado e pressionar os
dedos no traçado do selo de cera. Sua mãe chorou tanto porque seu filho estava
partindo e porque o príncipe tinha feito esta tão grande honra.

Posições na guarda do palácio eram geralmente reservadas para os heróis de guerra e


filhos de nobres menores.

Quanto a Isaak, ele passou o resto da semana remendando buracos no teto que seu
senhorio se recusou a consertar, e quando o trabalho foi feito, REI DE CICATRIZES |
213

beijou sua mãe e suas irmãs bebês e prometeu que ele iria escrever para eles quantas
vezes fosse capaz. Ele colocou suas botas do exército e seu casaco muito corajoso e
partiu para a capital.

Isaak tinha gostado de seu trabalho no palácio, a tranquilidade de Os Alta depois do


caos da guerra e as dificuldades do lar, o prazer de aprender idiomas em suas horas
vagas. Com os salários que ele mandava para casa todo mês, sua família conseguiu se
mudar para uma cabana aconchegante com um jardim grande o suficiente para cultivar
vegetais, e uma varanda de frente para a janela onde sua mãe poderia costurá-la ao sol.

Nem sempre foi fácil. Ele conhecia pouco mais que os limites de sua pequena cidade e a
rotina do exército, e ele não tinha certeza do que achou mais intimidante: os pratos com
sua filigrana dourada, as damas em suas jóias, ou simplesmente a visão de soldados do
Segundo Exército em seus keftas vermelho, azul e roxo movendo-se sobre as terras. Mas
com o tempo ele encontrou seu lugar e se adaptou ao ritmo e exigências da vida do
palácio.

Quando o Darkling encenou sua ataque ao trono, Isaak pegou em armas para apoiar o
nome Lantsov. E quando o príncipe Nikolai se tornou rei Nikolai, ele ficou em pé na
capela recém-reconstruída e assistiu a seu rei coroado com orgulho em seu coração.

A vida continuara. Isaak tornou-se fluente em Shu, Zemeni, Kerch e Suli.

Ele ganhou pagamento extra trabalhando como tradutor para a coroa, e apesar das
advertências de seu rei, Isaak desenvolveu um gosto pela poesia de todos os tipos.

Então a convocação chegou. Isaak estava de plantão na entrada do ala sul quando
Tamar Kir-Bataar o procurou. Isaak tinha estado confuso e mais do que um pouco
assustado. Não era todo dia que se era convocado perante o Triunvirato Grisha - embora
ele estivesse aliviado ao descobrir que Zoya Nazyalensky ainda estava viajando com o
rei, então ele poderia pelo menos evitar seu olhar contundente de desdém. Ela podia
murchar as bolas de um homem apenas levantando uma sobrancelha.

Ele passou pouco tempo no Pequeno Palácio e nunca se aventurou além do Hall
Dourado, mas Tamar o escoltou pelas vastas portas duplas estampadas com as flechas
amontoadas do Triunvirato e corredores tortuosos até uma pequena sala forrada em
elaborados mapas de Ravka e do mundo.

Genya Safin e David Kostyk estavam lá, junto com o gêmeo de Tamar, Tolya, que era tão
alto a cabeça quase roçava o teto e com quem Isaak ocasionalmente trocava volumes de
versos. Ele ficou surpreso ao ver os dois gêmeos - pelo menos em geral, pode-se contar
que algum deles esteja na companhia do rei.

REI DE CICATRIZES | 214

- Capitão Andreyev, você não senta? - perguntou Genya Safin. Para o seu espanto, ela lhe
serviu chá e perguntou por sua saúde, e só então disse as palavras que mudariam o
curso de sua vida: "O rei está ausente.”

A história que se seguiu tinha sido estranha, e Isaak sabia que ele estava sendo
informado apenas os detalhes mais básicos: o rei Nikolai e a comandante Nazyalensky
haviam viajado com os Bataars quando desapareceram das areias do Não-Mar.

Embora os gêmeos tivessem pesquisado tão extensamente quanto a discrição permitiria,


eles não encontraram nenhum sinal deles.

"Nós ainda não sabemos se o rei está precisando de resgate ou além dele", Genya disse.
"Mas sabemos que se nossos inimigos souberem do desaparecimento do rei, eles
certamente aproveitarão nossa vulnerabilidade.

Não há uma linha clara de sucessão para o trono de Ravka, e é essencial que ninguém
descubra que estamos sem governante até que o rei possa ser encontrado ou uma
estratégia colocada em prática. ”

"É claro", Isaak murmurou, pensando no pânico que criaria entre as pessoas.

Genya respirou fundo. "Mas em duas semanas, dezessete princesas, nobres, e senhoras
de valor chegarão em Os Alta, rodeados por seus funcionários e retentores, todos eles
na esperança de encontrar Nikolai Lantsov e tornar-se arainha de Ravka. Infelizmente,
estamos sem monarca. É

por isso que precisamos de você."

"Eu?"

"Para desempenhar o papel do rei."


Isaak sorriu porque não conseguia pensar em outra maneira de responder. Embora ele
não entendeu a piada, ele estava disposto a jogar junto.

Mas Genya Safin não devolveu seu sorriso.

“Foi um plano de contingência que o próprio rei concebeu para o caso de ser ferido ou
... incapacitado ", ela disse gentilmente," embora não tivéssemos razão para pensar que
precisaria agir tão cedo ou com tão pouca preparação.

Você estava na lista dele de candidatos. Você tem aproximadamente a altura certa. Você
pode falar várias línguas. Eu acredito que posso adaptá-lo para se parecer o suficiente
como o rei que você será capaz de enganar até mesmo os guardas que o vigiaram por
anos ”.

"Sentado ainda pelo menos", disse Tolya.

"Correto", disse Genya. “Parecer com Nikolai será apenas o primeiro desafio. Conversar
como ele, andando como ele e todo o resto ... bem, isso seria por sua conta."

REI DE CICATRIZES | 215

"Eu ... você não pode ter a intenção de que eu finja ser ele", disse Isaak.

Era iimpensável. Absurdo.

"Nós podemos", disse Tolya, seus braços maciços cruzados. "Nós temos.”

“Certamente o processo poderia ser adiado. Se o rei está destinado a escolher um


rainha-"

"As noivas podem ser adiadas", disse Tamar. “Mas há assuntos de interesse da
segurança nacional que não pode. Temos inteligência sugerindo que um membro do
Tavgharad pode estar pronto para desertar. Esta pode ser nossa única chance de fazer
contato com ela e aprenda os locais de valiosos recursos militares Shu. ”

Tavgharad. A tradução estrita era punho pétreo, mas Isaak conhecia a palavra, se
referia aos soldados de elite que guardavam e serviam a família real Shu. Se um deles
estava disposto a se tornar traidor, não havia como dizer que tipo informação poderia
ser colhido.

Tamar Kir-Bataar olhou para ele com olhos dourados e disse: “O país precisa de você. ”

Mas foi Genya com a boca cheia de cicatrizes que o balançou quando ela acrescentou:
"E o mesmo acontece com o seu rei".

Isaak disse sim. Claro que ele havia dito sim. Era seu dever como soldado e pelo menos
ele poderia fazer pelo rei que tinha feito tanto por ele e sua família.

Então começou - as lições de comportamento, de elocução, de como se sentar e ficar de


pé corretamente. Não era só a obrigação de fingir ser um homem de riqueza e modos;
ele teve que fingir ser um rei. E não apenas um rei, mas um menino rei que se tornou
uma lenda. Nikolai era tudo o que Isaak não era. Confiante, assegurado, cosmopolita.

O único dom de Isaak era uma facilidade com a linguagem - e até mesmo isto se tornou
uma espécie de responsabilidade, já que ele falava Shu melhor que o rei e tinha um
sotaque zemeniano mais limpo.

Mas o mais estranho de todos esses processos foi o tempo que ele passou aqui, abaixo
desta cúpula de vidro, suando através de suas roupas na presença de Genya Safin com
seu único olho de cor âmbar e seu cabelo do pôr-do-sol.
Embora Isaak soubesse que ela estava apenas realizando uma tarefa, era difícil não
sentir que ela o estava estudando, esbanjando sua atenção, e ele se encontrou um pouco
apaixonado po ela.

Era uma paixão boba. Ela estava claramente apaixonada por David Kostyk, o Fabrikator
brilhante que sentou-se silenciosamente em muitas das suas sessões, lendo pilhas de
documentos e rabiscando em uma tabuleta gigante de papel de desenho.

REI DE CICATRIZES | 216

Mas seu gosto aparente por homens despretensiosos o fazia gostar ainda mais dela.
Uma de suas cicatrizes puxaram o canto esquerdo de sua boca ligeiramente para baixo,
e ele se pegava sonhando em beijá-la lá. Ele foi rapidamente trazido de volta para
realidade pela cutucada afiada de seu dedo em seu ombro.

"Sente-se em linha reta, Isaak,” ela diria, ou "Você está bloqueando minha luz, Isaak".

Às vezes os outros vinham ler para ele de um livro sobre a história de Kerch ou
questioná-lo em rotas comerciais enquanto Genya trabalhava. Outras vezes eles
conversaram sobre estratégia, e esperava-se que ele não fizesse nada além de se sentar
ali como um pedaço de argila.

"Podemos expulsá-lo do palácio pelos túneis depois de escurecer", Tamar disse, girando
um de seus machados de uma maneira que fez Isaak suar ainda mais ", então encenaria
o retorno do rei de sua peregrinação na manhã seguinte. Parecerá que ele acabou de
fazer uma parada na propriedade do conde Kirigin.

"Como explicamos a ausência de Zoya?", perguntou Tolya.

Genya se recostou para examinar o trabalho que estava fazendo no queixo de Isaak.
"Bem, dizemos que ela ficou para trás para viajar até Os Kervo. ”Ela esfregou os olhos e
alcançou por sua xícara de chá. "Eu não entendo isso. Ninguém simplesmente
desaparece.”

“Deixe que Nikolai faça o impossível”, disse Tolya.

"Talvez ele só queria férias", disse Tamar.

Tolya resmungou. “Talvez Zoya finalmente tenha ficado doente dele e o tenha enterrado
sob uma pilha de areia. ”Mas Genya não riu. "Ou talvez isso foi o Apparat está fazendo e
ele está de volta no negócio de encenar golpes.”

"Se esse é o caso", disse David, "ele virá atrás de nós."

“Obrigado meu amor. Isso é muito encorajador.

Tamar diminuiu a velocidade de seu machado. “Se o Apparat orquestrou isso, espero
que ele faça um movimento para expor o desaparecimento do rei agora.”

“De qualquer maneira”, disse Tolya, “nós vamos ter que mantê-lo longe de Isaak. O
padre é muito sagaz para não perceber que o rei ... não é ele mesmo.”

Genya caiu em uma cadeira e descansou a cabeça nas mãos. Isaak nunca a vira parecer
tão derrotada, e isso machucou seu coração. “Quem estamos enganando? Isto não vai
funcionar. ”

"Vai", disse Tamar. "Tem que funcionar.”

REI DE CICATRIZES | 217


"Ele já é quase idêntico ao rei", disse David, olhando para a face de Isaak. "Eu diria que
é o seu melhor trabalho."

Genya jogou fora o elogio com um aceno de mão. "Não é só as características. É o jeito
que Nikolai as utiliza, a inclinação de sua boca, o balanço de cabeça. Podemos enganar
os convidados, talvez até alguns dos cortesãos, mas os funcionários? Os ministros reais?
Pessoas que o veem todos os dias, que jantam com ele e dançam com ele? Esqueça. Isso
é sem esperança.”

"Sinto muito", disse Isaak. Ele odiava pensar que ele estava falhando seu país e suarei,
bem como a talentosa garota antes dele.

Genya levantou as mãos. "É o que eu quero dizer. Nikolai nunca baixaria sua cabeça
desse jeito ou peça desculpas com tanta sinceridade. ”

"Sinto muito", disse Isaak novamente sem pensar, e então estremeceu.

"Estamos sem opções", disse Tamar. "Nós cancelamos a festa e corremos o risco da
ausência de Nikolai ser descoberta, ou corremos esse risco. ”

"E se formos descobertos?", perguntou Tolya.

"Eu nem sei ao certo do que seríamos culpados", considerou David. "É

representar um rei uma traição se você está fazendo isso para o benefício do rei? ”

Isaak engoliu em seco. Traição. Ele nem tinha pensado nisso.

“Nós poderíamos estar entregando ao Apparat uma maneira fácil de eliminar todos as
lideranças Grisha em um único movimento ”, disse Tamar.

Genya soltou um suspiro. "Isaak, eu sei que você está fazendo o seu melhor, mas nós
pedimos muito de você. Isso foi uma loucura desde o começo.”

Isaak odiava ver essas pessoas corajosas perdendo a esperança. Ele lembrou-se de
Nikolai Lantsov empoleirado ao lado de sua cama de enfermaria, pensou no sorriso de
sua mãe e em nas bochechas gordas das irmãs da última vez que ele voltou para casa.

Ele se inclinou para trás, colocou um braço por cima da cadeira e disse com toda
arrogância fácil e arrastada que ele poderia invocar: “Genya, meu amor, garrafa de
conhaque. Não se pode esperar que tolere esta desgraça quando estou sóbrio. ”

Eles olhavam para ele.

David bateu um dedo manchado de tinta nos lábios. "Melhor."

"Melhor?", gritou Genya, batendo palmas de alegria. "Foi perfeito! Faça novamente."

REI DE CICATRIZES | 218

Isaak sentiu um momento de pânico, depois arqueou uma sobrancelha.

"Você está dando as ordens agora? Espero que isso signifique que posso me dar um
cochilo real.”

Tamar sorriu. Tolya gritou. Genya se inclinou e deu um beijo enorme na bochecha de
Isaak - e Isaak fez o que Nikolai Lantsov nunca teria feito.

Ele corou.

REI DE CICATRIZES | 219

O ESQUIFE FOI ABANDONADO, e as areias levavam Nikolai, Zoya e Yuri até o grande
palácio, as dunas deslizando sob seus pés de uma maneira que fazia o estômago de
Nikolai se contrai. Ele se orgulhava de se adaptar facilmente, mas era uma coisa
implementar uma nova tecnologia, adotar um novo combustível, ou se atrever a usar
camisa de manga longa no jantar sem colete. Era bem diferente ver a sua compreensão
do mundo natural se despedaçar em uma tarde.

"Você parece doente, menino rei", roncou Juris, que havia retomado sua forma de
dragão.

“Um novo meio de transporte. Eu não suponho que você consideraria nos levar suas
costas."

O dragão bufou. "Só se você quiser retribuir o favor."

Nikolai teve que esticar o pescoço para ver o palácio quando se aproximaram. Ele nunca
vira uma estrutura tão vasta. Teria tomado um regimento de engenheiros trabalhando
por mil anos para imaginar tal criação, imagine para vê-la construída.

Os palácios e torres estavam agrupados em torno de três torres principais: uma de


pedra negra, uma que parecia âmbar brilhante, e uma dos que só poderia ser feita de
ossos. Mas havia algo errado sobre o lugar. Ele não viu sinais de vida, pássaros
circulando, movimento nas muitas janelas, sem figuras cruzando as inúmeras pontes.
Tinha a forma de uma cidade, mas parecia uma tumba.

"Não há mais ninguém aqui?", ele perguntou.

"Ninguém", disse o grotesco inconstante em um coro de vozes de barítono pontuado


pelo rugido de um urso. "Não por quase quatrocentos anos."

Quatrocentos anos? Nikolai olhou para Zoya, mas seu olhar era distante, a mão apertada
em torno de seu pulso esquerdo nu.

A areia subiu, elevando-os mais alto, e Nikolai viu que as três torres cercado de uma
estrutura abobadada, uma massa de terraços e palácios e cachoeiras de areia em
cascata que brilhava no crepúsculo cinzento.

Eles passaram por baixo de um grande arco e em uma ampla câmara circular, suas
paredes brilhando com mica. A areia sob seus pés se tornou REI DE CICATRIZES | 220

pedra e uma mesa redonda nascia do chão, seu centro era um geodo leitoso.

Elizaveta gesticulou para que eles se sentarem nas cadeiras de pedra que surgiram ao
lado dele.

"Temo que não possamos lhe oferecer comida ou bebida", disse ela.

"Nós vamos nos contentar com respostas", disse Nikolai.

Yuri se ajoelhou no chão de pedra, a cabeça baixa, tagarelando no que Nikolai pensou
era liturgia Ravkana, já que ele só poderia entender ma palavra ocasional - prometido,
predito, trevas.

"Por favor, pare com isso", disse Elizaveta, suas abelhas cantarolando em aflição. "E por
favor, sente-se.”

“Deixe-a em paz. Ele está se abaixando e aproveitando ”, disse Juris. Ele dobrou suas
asas e se acomodaram no chão a uma boa distância de Yuri. "Por onde começamos?”

"O costume dita que comecemos com quem diabos é você?"

"Eu pensei que nós já cobrimos isso, menino rei."

"Sim. Mas santidade requer martírio. Vocês todos parecem muito vivos.

A menos que esta seja a vida após a morte, caso em que estou muito mal vestido. Ou
vestido demais. Eu suponho que depende da sua ideia de paraíso.”

"Ele sempre fala tanto assim?" Juris perguntou a Zoya, mas ela não disse nada, só olhou
para a extensão plana do céu sem cor acima deles.

"Todos nós morremos uma vez ou outra e renascemos", disse Elizaveta.

“Às vezes não exatamente como nós éramos. Você pode nos chamar do que gosta,
Grisha, Santos- ”

"Relíquias", disse Juris.

Elizaveta franziu os lábios. "Eu não me importo com o termo nem um pouco."

Yuri soltou um pequeno soluço em êxtase. "Tudo é como foi prometido", ele balbuciou.
"Todos me disseram para esperar por ...”

Elizaveta enviou uma videira enrolada sobre o ombro como um braço reconfortante.
"Isso já basta,” ela disse gentilmente. "Você está aqui agora e precisa se acalmar."

Yuri agarrou a videira, pressionando o rosto nas folhas, chorando. Muito para o grande
erudito.

"Onde estamos exatamente?" Nikolai perguntou.

"Na Dobra das Sombras", disse uma das bocas da criatura grotesca que tinha
apresentou-se como Grigori. Sankt Grigori. Se Nikolai se lembrar REI DE CICATRIZES
| 221

corretamente, ele foi dilacerado por ursos, embora isso dificilmente explicasse sua
condição atual. "Uma versão dela. Nenhum de nós pode escapar.”
"Isso importa?", Disse Zoya. “Por que nos trazer aqui? O que vocês querem?"

Juris virou os olhos fendidos para ela, a cauda se movendo em uma longa e sinuosa
carranca voltada ao chão. “Veja como a pequena bruxa chora.

Como se ela soubesse o que tinha perdido ou o que ela tem a ganhar.”

Nikolai esperava ver os olhos de Zoya iluminados com raiva, mas ela apenas continuou a
olhar fixamente para o céu. Vendo-a assim, desprovida da ardente e perigosa energia
que sempre a animava, era mais perturbador do que qualquer um dos bizarros pontos
turísticos que eles encontraram.

O que havia de errado com ela? O amplificador significava tanto? Ela ainda era forte
sem isso. Ela seria forte com os dois braços amarrados atrás das costas e uma bolsa de
bolas de chumbo empurrando-a para baixo.

"Eu gostaria que pudéssemos ter trazido você para outro lugar, jovem Zoya", disse
Elizaveta.

“Nós tínhamos o poder antes da palavra que Grisha sempre sussurrava, quando o
extraordinário ainda era chamado de milagre e magia. Nós vivemos vidas por tanto
tempo que elas superariam a história de Ravka. Mas este lugar, este lugar em particular
na Dobra, sempre foi sagrado, um local sagrado onde o nosso poder estava no seu ápice
e onde estávamos mais profundamente ligados à atividade do coração do mundo. Aqui
tudo era possível. E aqui nós fomos presos quando o Darkling criou a Dobra ”.

“Como?” perguntou Zoya, uma centelha de interesse finalmente entrando em seus


olhos.

“Estamos entrelaçados no tecido do mundo de uma forma que nenhum outro Grisha
está, os fios apertados por anos e o uso de nosso poder. Quando o Darkling adulterou
com a ordem natural do mundo, fomos atraídos para cá e, quando sua experiência com
merzost falhou, estávamos presos dentro dos limites da Dobra."

"Não podemos deixar este lugar", disse Grigori. “Não podemos assumir a forma física
qualquer lugar exceto aqui."

"Forma física", Juris zombou, e bateu o rabo. "Nós não comemos. Nós não dormimos.
Não me lembro o que é suar, sentir fome ou sonhar. Eu cortaria minha asa esquerda só
para ouvir meu estômago rosnar ou saborear o vinho novamente ou mijar em uma
janela."

“Você precisa ser tão vulgar?” - disse Elizaveta, cansada.

"Necessito", disse Juris. “Fazer você infeliz é meu único entretenimento.”

REI DE CICATRIZES | 222

Grigori estabeleceu-se na forma do que pareciam três cabeças de urso no topo do corpo
de um único homem enorme e dobrou dois conjuntos de armas.

“Nós suportamos este crepúsculo sem fim porque acreditávamos que nosso purgatório
terminaria com a morte do Darkling. Ele tinha muitos inimigos, e esperávamos que ele
tivesse uma vida curta. Mas ele viveu.”

"E continuou vivo", resmungou Juris.

"Ele sobreviveu e se tornou quase tão poderoso quanto um de nós", disse Grigori.

O dragão bufou. "Não lisonjeie-o."


"Bem, como um de nós em nossa juventude", emendou Elizaveta. “Então finalmente o
chegou o tempo no qual a dobra foi destruída e o Darkling foi morto. E ainda assim
nossas amarras não se romperam. Nós permanecemos prisioneiros. Porque o poder do
Darkling remanece. Em você."

As sobrancelhas de Nikolai se levantaram. “Então, naturalmente, devo morrer. Isso tudo


é muito civilizado, mas se você queria me matar, por que não terminar o serviço durante
a batalha?”

Juris bufou de novo, com vapor saindo de suas enormes narinas. "Isso dificilmente foi
uma batalha."

“Então, durante aquele delicioso coquetel onde você nos perseguiu e tentou atear fogo
no meu cabelo dourado.”

“Nós não podemos te matar, menino rei. Por um lado, sabemos que a agitação que
causaria no seu país, e nós não queremos ver mais pessoas morrerem se não for
necessário. Além disso, mesmo em sua morte, o poder pode sobreviver. Não, a maldição
de Darkling deve ser queimada de você.”

" Obisbaya", disse Nikolai. "O Espinho Ardente"

Elizaveta assentiu. "Então você conhece o antigo ritual."

"É verdade, então", gritou Yuri. "Tudo isso. Este é o local da madeira de espinhos de
onde o primeiro Sacerdote veio.”

"Parabéns, Yuri", disse Nikolai. "Parece que você conseguiu me colocar em um pira.”

“Uma pira,” perguntou Grigori.

"Não pira", disse Elizaveta. “A madeira de espinhos é mais velha do que todos nós, mais
velha do que a primeira magia. É a madeira da qual os primeiros altares foram feitos e
de que as paredes do pequeno palácio foram construídas. Eu posso levantá-lo das raízes
que sobrevivem abaixo da Dobra para começar o ritual, mas então será seu trabalho
convocar o monstro de dentro e matá-lo.”

REI DE CICATRIZES | 223

"Você criou esses milagres", disse Zoya. “A ponte, as rosas, o terremoto, as estátuas
sangrentas, a pedra negra, todos eles, para nos trazer aqui.

"A Era dos Santos", declarou Yuri. "Assim como ele prometeu."

A videira de Elizaveta enrolou-se um pouco mais em torno dos ombros do monge. "Nosso
o poder ainda pode alcançar além dos limites da Dobra, mas somente nos lugares onde
ainda somos adorados ”.

"O poder de um Grisha não depende da fé", disse Zoya com raiva.

“Tem tanta certeza, bruxinha?” perguntou Juris.

Zoya olhou diretamente para ele, seu olhar inabalável, e Nikolai sabia que ela estava
planejando mil punições para o dragão. Ele sentiu uma onda de alívio na promessa de
retribuição em seus olhos.

Mas ele não podia se dar ao luxo de discorrerem sobre a mecânica do poder Grisha.

"Você diz que quer que eu invoce o monstro, mas a coisa dentro de mim não segue
ordens."
“Então você deve ensiná-la a seguir”, disse Juris.

Elizaveta apertou as mãos e rosas floresceram sobre seus pulsos, envolvendo seus
dedos. “Uma vez que os espinhos se levantem, eles perfurarão seu corpo. Se você não
vencer a sombra dentro de você, eles vão queimar você de dentro para fora.”

Bastante parecido com Sankt Feliks dos ramos da maça enfim. De repente, a pira não
parecia tão ruim. "Graças a Deus que eu não tenho cócegas."

"Quais são as chances de ele sobreviver?", perguntou Zoya.

Rosas floresciam sobre os ombros de Elizaveta. “Como Juris disse, não temos o desejo
de desestabilizar Ravka.”

"Isso não é uma resposta."

"É ... perigoso", admitiu Elizaveta. "Existem meios que podemos usar para prepará-lo
para a prova, mas não posso prometer que você sairá ileso.”

"Ou que você vai mesmo”, disse Juris.

Elizaveta suspirou. "É necessário colocar isso na perpectiva menos favorável?"

"É melhor que eles saibam."

Nikolai se moveu na cadeira de pedra. Não foi feita pelo conforto. "Então depois que
você me espeta e me assa e eu luto com meus demônios reais, o que acontece? ”

REI DE CICATRIZES | 224

“O poder do Darkling será erradicado de uma vez por todas. Os limites do Não-Mar vão
se quebrar. A vida retornará à Dobra e seremos livres.”

"Livre para fazer o que exatamente?", perguntou Zoya. Era a pergunta certa. Ela pode
estar lamentando seu amplificador perdido, mas ela seria sempre uma general. E talvez
Nikolai estivesse desesperado demais por uma cura para pensar como um rei. Talvez
poder do tipo que eles haviam acabado de testemunhar deveria ser contido.

"Você não sabe bruxinha?", perguntou Juris. “O grande poder sempre tem um preço.”

Elizaveta deu um único aceno de cabeça. “Quando deixamos os limites da Dobra,


seremos mortais mais uma vez.”

"Mortal?", perguntou Zoya.

“Otkazat'sya, você diria. Sem poder Grisha. Humanos que viverão vidas breves e mortes
permanentes ”.

Os olhos de Zoya se estreitaram. "Por que você desistiria de tal poder?"

"Não pense que é uma escolha fácil", disse Elizaveta, alguma amargura em sua voz.
“Nós gastamos centenas de anos debatendo sobre isso. Mas não podemos continuar
desta maneira. Isto é o que o universo exige para nos libertarmos desta meia vida."

"Uma eternidade é suficiente", disse Juris. “Eu quero andar pelo mundo mais uma vez.
Volte para as margens da minha terra natal. Talvez me apaixonar novamente. Quero
nadar no mar e deitar-me ao sol. Eu quero envelhecer e morrer e passar por reinos que
jamais explorei.”

"Você deveria entender", disse Grigori. "Não é apenas a sua vida em risco, mas o seu
país também. Se falharmos, se você não puder suportar o ritual, poderemos criar outra
lágrima no mundo e fazer com que este lugar arruinado transborde em suas costas. ”

"Mas isso pode acontecer de qualquer maneira", disse Elizaveta. “Tudo está conectado,
atrelado à atividade no coração do mundo. Conforme o poder dentro de você fica mais
forte, não há como saber que tipo de reação em cadeia pode desencadear.”

"Você vai querer discutir isso", disse Grigori. “Mas faça suas escolhas rapidamente.
Merzost é imprevisível, e a cada dia que se passa o monstro dentro de você se torna
mais forte e poderoso."

"Não há nada para discutir", disse Nikolai. Eles tiveram suas respostas e o tempo era
curto. "Quando começamos?

REI DE CICATRIZES | 225

Nessa noite, Nina ficou acordada quando a respiração de Leoni se tornou profunda. O
sono veio para ela, mas ela trançou o cabelo no escuro e esperou ouvir sons de atividade
vagueando pela janela estreita acima de sua cama. Certa o suficiente, pouco depois da
meia-noite, ela ouviu vozes baixas e um carrinho sendo carregado.

Nina ficou na ponta dos pés e viu lanternas acesas na lavanderia e as Dmasda Primavera
carregando pilhas do que ela assumiu ser roupas embrulhadas em papel e barbante.

Nina correu para o refeitório do convento - um lugar com um horário rigoroso que ela
sabia que Hanne sempre podia contar estar vazio em horários específicos. Se uma
noviça infeliz estava procurando um local seguro para esconder roupas, esse seria um
lugar óbvio para isso. Ela ficou de joelhos e fez o seu caminho ao redor do perímetro do
salão, batendo levemente os nós dos dedos contra as telhas de ardósia do chão.

Ela quase perdeu a esperança quando sua batida retornou um estranho barulho oco.

Ela enfiou os dedos sob o ladrilho e puxou-o para cima. Botas militares, calças, dois
chapéus, um cinturão de armas e - graças aos santos -

um avental azul e blusa branca. Nina puxou-os sobre suas roupas, prendeu suas tranças
em um coroa bagunçada, e deslizou para as cozinhas, onde uma longa pesquisa revelou
o a chave do cozinheiro embaixo de uma lata de farinha.

No momento em que ela destrancou a porta da cozinha e conseguiu chegar ao quintal,


as Domas da Primavera estavam fechando as portas do vagão.

Nina sabia onde elas estavam indo, então ela não se incomodou com a estrada, cortando
através das árvores e tomando uma rota mais direta para a entrada principal do antigo
forte em vez disso.

Ela também sabia que estava sendo imprudente. Ela deveria ter incluído Adrik e Leoni
em seus planos. Ela deveria ter esperado para realizar mais reconhecimento. Mas aqui
estava a realidade: eles não podiam ficar muito em Gäfvalle mais sem levantar
suspeitas.

As mulheres do poço podem pegar seu acesso ao forte a qualquer momento. E, se Nina
fosse honesta consigo mesma, ela precisava agir. Ela precisava saber por que aqueles
sussurros a trouxeram para este lugar e o que aconteceu naquela colina. Os mortos não
falaram com Adrik ou Leoni.

Eles chamaram Nina e ela pretendia responder.

Ela estabeleceu um ritmo acelerado, abrindo caminho entre as árvores, verificando sua
direção contra as luzes da fábrica à distância.

REI DE CICATRIZES | 226

Apesar da tristeza e raiva que ela levou para Fjerda, ela podia admitir que ela gostava
de viajar neste país. Ela gostava de ver o comum negócios de Fjerdanos, lembrando que
eles eram pessoas e não monstros, que a maioria deles ansiava por prosperidade e paz,
uma boa refeição, uma cama quente para dormir à noite.

Mas ela também conhecia os preconceitos que muitos deles carregavam, eles ainda
acreditavam que Grishas merecem ser queimados em uma pira. E ela nunca poderia
esquecer o que o governo fjerdano era capaz, o sofrimento que ela suportou nas mãos
dos drüskelle, que a havia deixado faminta no porão de um navio, os pesadelos das celas
Grisha na Corte de Gelo, onde Jarl Brum tentou transformar seu tipo em armas.

Nina chegou às rochas com vista para a entrada principal a tempo de ver o carro do
convento chega e os portões se abrirem. Ela tropeçou descendo a encosta até a estrada,
deslizando sobre os calcanhares e quase perdendo o equilíbrio completamente.

A forma do corpo que Genya havia lhe dado ainda parecia estranha, e ela nunca teve um
talento para furtividade.

Movendo-se pelas sombras das árvores que ladeavam a estrada, ela viu a última das
Donzelas da Primavera passarem através das portas, sobrecarregadas com suas pilhas
de roupas. Só então ela pisou na estrada e correu para as portas, sem fôlego.

"Eu sinto muito", disse ela. "Eu fiquei para trás."

"Esse é o seu problema", disse o guarda. "Você sabe o quão pesadas essas portas são?
Você pode esperar aqui por suas irmãs.”

"Mas... mas... você não entende... eu tive que... eu tive que fazer o necessário"

Nina sussurrou em tom de grande agonia.


"O quê?"

"Eu tive que parar... para me aliviar."

O guarda parecia instantaneamente angustiado. Abençoados os fjerdanos e seu peculiar


pudor.

"Eu tive que urinar." Nina demorou na palavra. "Nas árvores."

"Isso... isso não é da minha conta", ele cuspiu.

Nina forçou lágrimas aos olhos. "Mas eu tive que ir.", ela chorou. "E

elas vão ficar muito bravas."

"Oh, no bom nome de Djel, não chore!"

"Eu sinto muito," Nina soluçou. "Eu só não quero que gri-gri gritem novamente."

"Ok, ok!" Disse o guarda apressadamente, destrancando os ferrolhos e arrastando a


porta aberta para conduzi-la para dentro. “Apenas pare com isso!”

"Obrigada, obrigada", disse Nina, curvando-se e choramingando até a porta se fechar


atrás dela. Ela limpou o nariz e deu uma boa olhada ao redor. A fábrica estava quieta, já
fechada para a noite.

Em algum lugar, ela sabia que os homens estariam jogando cartas ou se acomodando
para dormir. Outros estariam mantendo o relógio.

Nina se apressou pela entrada que levava a uma vasta câmara central cheia de
maquinaria pesada, volumosa e silenciosa no luar aguado das janelas.

REI DE CICATRIZES | 227

A próxima sala revelou enormes cubas, mas era impossível dizer o que elas poderiam
conter. Ela colocou a mão contra o lado de um delas. Ainda quente.

Eles estavam fundindo metais aqui? Misturando corantes?

A sala ao lado continha a resposta: pilhas limpas e sem fim, grossas, em forma de bala
cilindros do tamanho de abóboras -fileira após fileira de munição para tanques. Estavam
realmente só estão fazendo munições aqui em cima? Foram os venenos no rio junto à
algum subproduto corrosivo das linhas de montagem? Mas se sim, por que a mordida do
lobo enviou um raio através do sangue dela? Não entendia.

Nina não sabia onde ir em seguida. A fábrica parecia muito maior agora que ela estava
dentro dela. Ela gostaria de ter o dom de Inej para o trabalho espião ou o dom de Kaz
para ser intrigante, mas ela só parecia ter o dom de Jesper para decisões ruins.

Ela sabia que a ala leste estava desocupada e em mau estado, por isso as Damas da
Primavera tinham provavelmente se dirigido para a ala oeste, o coração doméstico do
forte, onde os soldados comeriam, seriam alojados e treinariam quando não estivessem
operando na fábrica.

Se ela fosse Inej, ela poderia subir nos beirais e provavelmente recolher algumas
excelentes informações. Mas ela não era uma pequena sombra silenciosa com um dom
para trabalho com facas.

Não era tarde para voltar. Ela confirmou que esta era uma fábrica de munições, um alvo
militar para os bombardeiros de Ravka se a guerra viesse.
Mas os sussurros não tinham parado de sussurrar e não queriam que ela saísse. Ela
fechou os olhos e escutou, deixando-os guiar seus passos para a direita, para o silêncio
escuro da ala oriental abandonada.

Cada parte dela protestou que ela estava perdendo seu tempo enquanto ela fazia seu
caminho pelo corredor. Esta ala da fábrica estava deserta. Ela não viu lanternas
iluminado nas janelas ao anoitecer, e o telhado do canto mais distante estava caído onde
deu lugar a neve ou tempo e nunca foi reparado.

Mas as vozes a atraíram.

Mais perto, eles sussurravam, vozes jovens e velhas.

Elas tinham uma qualidade diferente agora, mais claro, mais alto, a memória de sua dor
vibrando através de cada palavra.

A escuridão era tão completa que ela teve que se alinhar ao longo das paredes, os dedos
se arrastando sobre o tijolo desigual, esperando que ela não tropeçasse em algum
pedaço negligenciado de maquinaria e terra. Ela pensou naquele telhado arruinado.

Se houvesse algum tipo de acidente na fábrica que levou a ala a ser abandonada?

Eram aqueles túmulos que ela sentiu? As mulheres tinham trabalhado a linha aqui e sido
enterradas na montanha? Se assim fosse, ela não encontraria nada além da velha
miséria neste lugar.

Então ela ouviu - um gemido alto e fino que arrepiou os cabelos em seus braços.

Para o momento, ela não tinha certeza se o som estava em sua cabeça ou tinha vindo de
em algum lugar mais profundo na ala leste. Ela estava muito bem familiarizada com o
morto para acreditar em fantasmas.

Importa de onde vem? Ela pensou, coração acelerado.

REI DE CICATRIZES | 228

O que seria uma criança está fazendo na ala arruinada de uma antiga fábrica?

Ela se forçou a continuar se movendo ao longo da parede, ouvindo, ignorando o som


irregular de sua própria respiração.

Por fim, viu uma luz fraca sob uma porta à frente. Ela fez uma pausa. E

se havia soldados do outro lado da porta, ela não tinha como justificar a presença lá. Ela
estava muito longe do corpo principal do prédio para fingir que ela simplesmente se
perdeu.

Ela ouviu um barulho atrás dela e viu o círculo de uma lanterna se aproximando.

Nina se pressionou contra a parede, esperando ver um uniforme do soldado. Em vez


disso, a lamparina captou o perfil de uma mulher vestida com o avental de Dama da
Primavera, tranças empilhadas em cima de sua cabeça.

O que ela estava fazendo longe das outras?

Quando a Dama da Primavera empurrou a porta, Nina vislumbrou outra escuridão no


corredor, a escuridão era pesada entre as lanternas colocadas em intervalos distantes.

Nina reuniu sua coragem e olhou para dentro. Ela seguiu tão perto quanto poderia se
atrever, seu coração batendo forte em seu peito quando os sons começaram a flutuar de
volta para ela da escuridão à frente - os murmúrios baixos das vozes das mulheres,
alguém cantando o que soava como uma canção de ninar, e depois um doce, estridente
som de prazer.

Um bebê rindo.

Os sussurros na cabeça de Nina se levantaram de novo, menos irritados do que o desejo.

Silêncio agora, eles disseram, calados.

A Dama da Primavera passou por um arco em… um dormitório. Nina afundou nas
sombras pelo arco, não acreditando muito no que ela viu diante dela.

Mulheres e meninas deitavam-se em camas estreitas enquanto as Damas da Primavera


se moviam.

Além deles, Nina vislumbrou uma fileira de berços. O quarto era diferente, nu, a ruína
empoeirada da ala da fábrica se desfez de equipamentos.

As janelas foram cobertas de preto - para evitar que a luz da lâmpada vazasse para fora
e não levantasse questões.

Uma garota que não podia ter mais de dezesseis anos estava sendo conduzida no
comprimento do corredor por uma dama de primavera. Seus pés estavam nus e ela
usava um vestido cinza claro que se estendia sobre a barriga saliente.

"Eu não posso", ela gemeu. Ela parecia indizivelmente frágil, o impulso de seu estômago
em desacordo com os botões afiados e ângulos de seus ossos.

"Você pode", disse a Donzela, sua voz firme enquanto levava a menina pelo cotovelo.

"Ela precisa comer", disse outra das mulheres do convento. “Pulou o café da manhã."

A Dama grunhiu. "Você sabe que não deve fazer isso."

"Eu não estou com fome", ofegou a garota entre respirações pesadas.

“Nós podemos caminhar para ajudar o bebê a vir. O açúcar vai te dar energia durante o
parto."

REI DE CICATRIZES | 229

A garota começou a chorar. "Eu não preciso de açúcar. Você sabe do que eu preciso.”

Um tremor passou por Nina quando o entendimento veio.

Ela reconheceu o desespero, aquela fome profunda que afundou seus dentes. Ela sabia
da necessidade que transformou tudo o que você sempre quis, amigos, comida, amor -
cinzas, até que tudo que você pudesse lembrar de si mesmo era o desejo pela droga.

O corpo desperdiçado, as cavidades escuras sob os olhos – isso - a garota era viciada. E
isso significava que ela devia ser Grisha.

Nina olhou a fileira de camas para as mulheres e meninas. A mais nova parecia ter cerca
de quinze anos, a mais velha poderia ter seus trinta anos, mas a devastação da droga
tornou difícil dizer. Alguns embalavam pequenas saliências embaixo de suas cobertores
finos, outros curvados sobre estômagos altos e protuberantes. Algumas não estavam
grávidas - ou poderiam não estar mostrando ainda.

Nina sentiu o corpo tremer, ouviu o trovão de seu batimento cardíaco em seus ouvidos.

O que é esse lugar? Quem eram essas mulheres?


Ajude-nos.

Estas poderiam ser as vozes que ela ouviu? Mas nenhuma das mulheres estavam
olhando para Nina. Foram os mortos que a convocaram.

Justiça.

A porta atrás de Nina se abriu novamente e, como um, os pacientes em suas camas
viraram a cabeça como flores procurando o sol.

"Ela está aqui!", Gritou uma delas enquanto a Madre entrava. Ela estava empurrando
um carrinho.

As mulheres começaram a se levantar de suas camas, mas a Madre deu um grunhido


curto, afiado “Fique quieta!”

Eles afundaram-se obedientemente contra os travesseiros. "Aqui não haverá pressa ou


empurrão. Você receberá sua injeção quando chegarmos em você."

Nina olhou para as fileiras de seringas no carrinho e o líquido avermelhado dentro


delas.

Ela não tinha certeza o que era, mas ela sentiu a atração da droga, poderia jurar que ela
sentiu no ar. Um ano atrás, ela teria arranhado seu caminho para aquelas seringas sem
um segundo pensamento para se revelar.

Ela lutou muito para se libertar do vício e aprendeu que usar seu novo poder ajudava.
Agora ela se concentrou naquele poder, na corrente daquele frio e silencioso rio.

Ela precisava de todo o sentido e calma que ela poderia convocar porque nenhum dos o
que ela via fazia sentido.

Grishas sob a influência de drogas estavam além de poderosos. Eles poderiam realizar
coisas que eram inimagináveis mesmo com as mais amplificadores extraordinários.

Jarl Brum tentou fazer experimentos Grishas com a droga na esperança de transformá-
las em armas para serem usadas contra Ravka - mas sempre sob condições
cuidadosamente controladas. Seus cativos Grishas tinham sido confinados a celas
especialmente construídas que os proibiam de usar seu poder, e a droga tinha sido
misturada com um sedativo para tentar fazer os prisioneiros mais compatíveis.

REI DE CICATRIZES | 230

Essas mulheres não estavam nem em restrições.

A Madre mudou a linha, entregando seringas para as irmãs, que injetou a mistura
laranja nos braços que esperavam. Nina ouviu alguns soluços, um baixo gemido
contente, resmungou: “Ela sempre começa nesse final. Não é justo”

A moça grávida que estava caminhando pelo corredor disse: “Por favor.

Só um pouco."

“Não tão cedo antes do bebê chegar. Isso pode colocar vocês dois em risco. ”

A garota começou a chorar. “Mas você nunca dá para as mães antes que os bebês vem."

"Então você só não vai ter que engravidar de novo, não vai?"

A garota chorou mais e Nina não sabia se era fome de drogas ou pavor com o que a
Dama estava sugerindo que fez a menina cobrir o rosto e chorar.
As mulheres caíram em suas camas, flexionando os dedos ao lado do corpo. O fogo nas
lanternas saltaram. Uma rajada de vento mudou uma pilha de lençóis. Névoa recolheu o
lençol na cama de uma garota - ela deveria ser uma Hidro.

Mas elas eram todas dóceis, não davam único sinal de desafio.

Grishas drogados não se comportam dessa maneira. Era um estimulante.

A droga tinha sido combinada com outra substância? Foi isso que tinha envenenado os
lobos? Se de alguma forma Nina conseguisse roubar uma seringa, Leoni seria capaz de
discernir que nova atrocidade os Fjerdanos haviam inventado? E como as garotas
tinham sobrevivido por tempo suficiente com a droga para ter filhos, talvez vários
filhos?

Um bebê começou a chorar em um dos minúsculos berços. Uma Dama pegou uma
garrafa do fundo do carrinho e pegou o bebê, acalmando-o. "Ai está, querida” - ela
sussurrou.

Nina empurrou de volta contra a parede, com medo de que suas pernas cedessem.

Não poderia ser. Mas se as mães estivessem ingerindo a droga… então os bebês também
estariam.

Eles nasceriam viciados nas coisas. Perfeitos Grishas escravos.

Nina estremeceu. Trabalho Escravo? Alguém mais? Havia outras bases que foram dadas
a estas experiências?

Por que eu acho que esses pesadelos pararam na Corte de Gelo? Como eu pude ser tão
ingênua?

Seu olhar caiu sobre uma mulher deitada atordoada, o rosto quase tão pálido quanto o
travesseiro.

Uma jovem garota deitada na cama ao lado dela. Nina agarrou a parede para se firmar.
Ela as reconheceu. A mãe e a filha das docas de Elling.

Birgir as tinha enviado aqui. Nina desejou que ela o tivesse matado mais devagar.

Foi isso que se tornou das mulheres Grishas que não tinham chegado a casa segura em
Elling? Elas estavam nesta sala agora?

Meninas desaparecem de Kejerut. Não apenas meninas. Grishas.

Um sino soou em algum lugar da fábrica. A Madre bateu palmas, e várias das Damas se
reuniram para segui-la.

REI DE CICATRIZES | 231

"Tenha uma boa noite, Marit", disse ela a uma das mulheres uniformizadas como ela à
esquerda. "Teremos uma mudança para aliviar você amanhã à noite."

Nina deslizou atrás delas quando saíram do dormitório. Ela manteve a máscara,
tentando se firmar e pensar na tarefa a seguir - sair da fábrica.

Mas sua mente parecia fraturada e selvagem, cheia de imagens daquela sala.

Ajude-nos. As vozes dos mortos. A dor dos vivos.

À frente, ela podia ver as Damas se aproximando dos guardas na entrada principal da
porta.
“A sua retardatária encontrou você?” Ela ouviu um dos guardas perguntar.

Bem.

"Que retardatária?"

"Eu não sei, tranças, avental. Parecia a mesma que o resto de vocês.”

"Do que você está falando? Estamos todas muito cansadas e ...”

"Alinhe para uma contagem de cabeças."

"Isso é estritamente necessário?"

"Alinhe."

Nina não esperou para ouvir o resto. Ela partiu em uma corrida, de volta pelo corredor
em direção à ala leste, tentando manter seus passos leves. A entrada principal não era
mais uma opção. Se os guardas descobrissem que uma Donzela extra tinha entrado... -

Um sino começou a soar, diferente do último, alto e estridente. Um alarme.

Luzes se acenderam ao redor dela, o brilho repentino cegando.

Ela não iria voltar pelo dormitório até o portão leste.

Nina deslizou por trás de um monte de máquinas empoeiradas enquanto dois guardas
passavam, armas ao pronto.

Ela olhou para cima. Várias das janelas estavam quebradas, mas como chegar a elas? E
o que estava do outro lado?

Não havia tempo para debater o assunto. Agora os guardas e a Madre sabiam que uma
Dama traiçoeira ou alguém vestida em um avental do convento tinha se infiltrado na
fabrica. Nina tinha que descer a montanha e voltar para o convento antes que alguém
encontrasse sua cama vazia.

Ela subiu em cima do antigo equipamento e alcançou a borda da janela, lutando para se
levantar. Ela conseguiu colocar o pé entre dois tijolos e apertar o corpo no parapeito de
pedra.

Através do vidro quebrado, ela podia ver as luzes cintilantes da cidade à distância,
manchas de neve no chão da floresta muito abaixo.

Ela ouviu passos e viu outro esquadrão de soldados armados atravessando a ala leste
com botas pesadas.

"Bloqueie o perímetro", dizia um deles. "Vamos pesquisar em uma grade e trabalhar


nosso caminho de volta para o salão central.”

"Como sabemos que alguém está aqui?", reclamou outro.

Se eles olhassem para cima... mas eles continuaram, a conversa desaparecendo.

Nina deu uma última olhada pela janela.

"Sem luto", ela sussurrou, e se lançou através do vidro quebrado.

REI DE CICATRIZES | 232

Ela caiu rápido e bateu no chão com força. Seu ombro e quadril gritaram com a força do
impacto, mas Nina reprimiu qualquer som enquanto descia a encosta, incapaz de parar
sua fuga. Ela caiu na linha das árvores, atingiu a base de uma pinheiro, e forçou-se a
empurrar a seus pés.

Ela se obrigou a demorar um pouco para se orientar, depois correu, esquivando-se das
árvores, mantendo as mãos para tentar afastar os ramos cortantes, tentando ignorar a
dor do lado dela.

Ela tinha que voltar para o convento e entrar antes que a Madre voltasse. Se ela não o
fizesse, Leoni e Adrik seriam levados de surpresa, e todas as suas disfarces seriam
queimados.

Ela chegou a um córrego e correu através de sapatos que chiavam nos baixios, depois
mergulhou na próxima colina.

Lá, o convento - suas janelas ainda estavam escuras, embora ela pudesse ver lanternas
nos estábulos, o pátio da capela, o prato de restos que ela deixara para Trassel.

Nina correu, perdeu o equilíbrio, endireitou-se, meio caindo agora, tentando descer a
montanha. Quando ela alcançou a borda das árvores, ela desacelerou, inclinando-se
para o Sul para que ela pudesse evitar os estábulos.

Ela ouviu o som de cascos e olhou ao longo da estrada. Ela viu o vagão, o motorista
chicoteando seus cavalos com força.

A Madre estava retornando da fábrica, e Nina sabia que elas estariam vasculhando os
quartos em questão de minutos.

Nina tirou os sapatos enlameados, deslizou para dentro da cozinha, trancou a porta e
enfiou a chave embaixo da lata de farinha. Ela correu para seu quarto, já arrastando
suas roupas arruinadas sobre a cabeça dela.

"O que está acontecendo?" Leoni perguntou grogue como Nina tropeçou no quarto e
apressadamente fechou a porta atrás dela.

"Nada", sussurrou Nina. "Finja estar dormindo."

"Por quê?"

Nina ouviu portas batendo e vozes na entrada do convento. Ela arrancou as roupas dela,
enxugou o rosto e as mãos com o interior da blusa e enfiou a bagunça ensopada no baú
ao pé da cama. "Eu estive aqui a noite toda."

"Oh, Nina", gemeu Leoni. "Por favor, me diga que você estava apenas começando o
lanche da meia-noite. ”

"Sim", disse Nina, balançando em um trilho noturno. "Um muito lamacento."

Nina se jogou sob as cobertas assim que a porta se abriu e se acendeu do corredor
inundou a sala. Nina fingiu estar acordada.

Duas Damas invadiram o interior, com o farfalhar de pina fores. Nina podia ouvir vozes
nos dormitórios acima deles, o barulho de portas se abrindo e garotas sendo acordadas
do seu sono. Pelo menos não somos as únicas sob suspeita, pensou Nina. Talvez elas
achem que um estudante escapou para visitar um soldado na fábrica do quartel.

"O que está acontecendo?", Perguntou Leoni.

"Fique em silêncio", retrucou uma das Dams. Ela levantou a lanterna, lançando seu
olhar ao redor do quarto.

Nina a viu no mesmo momento em que a Damaa da Primavera fez -

uma mancha de lama o chão perto da base da cama dela.


A Donzela da Primavera entregou a sua companheira a lanterna e abriu a caixa,
remexendo dentro. Ela tirou a camisa e a blusa sujas.

REI DE CICATRIZES | 233

"Por que você tem um uniforme do noviciado?", Perguntou a Donzela.

"E por que está coberto de lama? Eu vou chamar a Madre."

"Não há necessidade." A Madre estava na porta, a face redonda severa, mãos cobriam a
lã azul-escura de seu avental. “Explique-se, Enke Jandersdat.”

Nina abriu a boca, mas antes que ela pudesse dizer uma palavra, Hanne apareceu atrás
da Madre. "As roupas são minhas."

"O quê?"

"Elas são minhas", repetiu Hanne, parecendo pálida e perdida, com o cabelo caindo em
ondas grossas e avermelhadas sobre os ombros. "Eu fui andar quando eu não deveria e
ganhei uma queda do meu cavalo.”

A mulher estreitou os olhos. "Por que você as escondeu aqui?"

“Eu sabia que minhas roupas sujas seriam descobertas no meu quarto, então planejei
lavá-las eu mesma.”

"E de alguma forma a viúva Jandersdat não notou uma pilha de roupas enlameadas em
seu baú?”

"Mila disse que iria escondê-las para mim até que eu pudesse pega-las."

A Madre olhou para o avental sujo. "A lama parece fresca."

“Eu fui andar apenas esta manhã. Você vai ver que as roupas do meu tamanho cabem
em Mila. É minha culpa, não dela.”

“Isso é verdade?” A Madre perguntou a Nina.

Nina olhou para Hanne.

"É?", perguntou.

Nina assentiu.

A Madre bufou frustrado. "Terminem a procura", ela instruiu as Damas. “Hanne, não
posso começar a expressar minha decepção. Eu vou ter que escrever para o seu pai
imediatamente.”

"Eu entendo, Senhora", disse Hanne, sua miséria clara. Não foi desempenho. Ela havia
arriscado seu futuro no convento para salvar Nina.

"E você, Enke Jandersdat", disse a Madre. “Seu papel aqui é instruir Hanne na língua
zemeni, não permitir seus comportamentos errados. Ou eu terei que reconsiderar todo
esse arranjo. ”

"Sim, Madre", disse Nina, contrita, e viu a mulher empurrar Hanne pelo corredor,
fechando a porta atrás dela.

E se jogou de volta nos travesseiros. "Por favor, me diga o que você viu dentro da fábrica
valeu a pena. ”

Nina se deitou, a adrenalina ainda inundando seu corpo. "Valeu a pena"


Mas ela viu o olhar nos olhos de Hanne quando a Madre a levou embora - ela ia querer
respostas.

Nina pensou na punição que Hanne tomaria, que carta para o pai pode significar. Ela
devia Hanne - talvez a vida dela. Ela certamente devia ela a verdade.

Ajude-nos.

Mas não havia como Nina dar isso a ela.

REI DE CICATRIZES | 234

Zoya tinha pensado que eles seriam levados a novas salas que serviriam como seus
aposentos. Em vez disso, Juris e Grigori partiram e, com uma onda da mão de Elizaveta,
a mesa e as cadeiras caíram no chão.

Um momento depois, novas paredes se erguiam ao redor deles. A areia torceu e


arqueou, formando três portas em torno de uma câmara central -

tudo isso sem vida, sol-lixiviada e osso velho.

Zoya não tinha certeza de quanto mais disso poderia suportar. O

mundo parecia tinha sido aberto.

"Eu gostaria que pudéssemos oferecer acomodações mais confortáveis", disse Elizaveta.
“Mas este é um lugar de poucos confortos. Descanse, se puder.”

O quarto de Zoya parecia um quarto de dormir em um castelo antigo: janelas


pontiagudas, pesadas cadeiras de encosto de couro que estavam diante de uma enorme
lareira, uma enorme cama de dossel pendurado com cortinas de veludo. E, no entanto,
não havia vidro nas janelas.

Tudo sem couro, sem veludo. Era areia fina, cada item, cada superfície forjado na
mesma tonalidade de troncos. O fogo que queimou na grelha cintilou azul como as
horríveis chamas do dragão. Era uma sala fantasma. A mão de Zoya foi para o pulso
dela. Ela precisava falar com Nikolai.

Ela abriu a porta - embora fosse difícil até pensar nisso como uma porta quando não
existia momentos antes.

Nikolai estava no arco de uma câmara idêntica à dela.

"É como olhar para um esboço de algo grandioso", disse ele, virando-se lentamente para
ver seus novos aposentos. Ele passou a mão sobre o manto de areia cinza. “Luxuoso em
seus detalhes, mas desprovido de qualquer coisa que realmente faria você querer ficar
aqui."

"Isso é um erro", disse Zoya.

Sua cabeça doía. Seu coração doía. Ela tinha que ficar com os dedos vagando
continuamente até o pulso dela. Mas ela precisava pensar claramente.

Havia coisas maiores em jogo do que o que ela havia perdido. Sempre tinha.

"Onde está Yuri?", Ele perguntou.

“Provavelmente orando em algum lugar. Nikolai, isso é uma barganha que queremos
realmente fazer?"

"Viemos aqui por uma cura e agora nos foi oferecido uma."

"Você poderia morrer."

“Um risco que há muito estamos dispostos a aceitar. Na verdade, acredito que você se
ofereceu para colocar uma bala na minha cabeça há não muito tempo.

"Temos menos de três semanas antes da festa em Os Alta", protestou ela.

"Então eu vou ter que dominar o monstro nesse tempo."

REI DE CICATRIZES | 235

“Você viu o que eles podem fazer. E se nós quebrarmos os limites do Mar e soltá-los em
Ravka? Você está disposto a fazer essa aposta?”

Nikolai passou as mãos pelos cabelos. "Eu não sei."

"E ainda assim você concordou em dançar no primeiro momento, perguntando como um
menino em um campo de futebol."

"Eu fiz."

E ele não soou remotamente por isso. "Não podemos confiar neles.

Nós realmente não sabemos quem eles são. ”

"Eu entendi aquilo. Assim como você entende, essa é a escolha que devemos fazer. Por
que você está lutando contra isso, Zoya?”

Zoya encostou a cabeça na borda da janela e olhou para o nada além. Os santos estavam
olhando para essa mesma visão vazia de centenas de anos?

“Se esses são os santos”, disse ela, “então, para quem estamos orando por todo esse
tempo?”

"Você reza?" Nikolai não conseguiu esconder sua surpresa.

"Eu rezavaa. Quando eu era jovem. Eles nunca responderam.”

"Nós vamos conseguir outro."

"Outro ...?" Levou um momento para entender o que ele queria dizer.

Sem perceber isso, Zoya deixou a mão voltar ao lugar onde o amplificador tinha estado.
Ela se forçou a soltar seu pulso. "Você não pode me pegar outro", ela disse, sua voz
grossa de desprezo.

Bom. Melhor que a auto piedade.

"Não funciona dessa maneira. Eu usei aquele amplificador, aqueles ossos, desde que eu
tinha treze anos de idade.”

“Zoya, eu não acredito em milagres. Eu não sei quem são esses santos.

Tudo o que sei é que eles são a última esperança que temos”

Ela apertou os olhos fechados. Elizaveta podia ser tão gentil quanto ela gostava. Isto não
mudou o fato de que eles foram sequestrados.

“Somos prisioneiros aqui, Nikolai. Nós não sabemos o que eles podem nos pedir.”

"A primeira coisa será banir seu orgulho."

Nikolai e Zoya saltaram. Juris estava na porta. Ele estava em forma humana mas a
forma do dragão parecia permanecer sobre ele.

“Venha, Zoya Nazyalensky, pequena bruxa da tempestade. Está na hora."

"Para quê?" Zoya disse, sentindo raiva acender dentro dela - familiar, bem vinda, muito
mais útil que o luto.

"Para a sua primeira aula", disse ele. "O menino rei não é o único com algo para
aprender.”

Zoya não queria ir com o dragão, mas se obrigou a segui-lo pelos corredores sinuosos do
palácio louco.

Ela disse a si mesma que poderia aprender mais sobre o ritual que Nikolai deveria
suportar e determinar a verdadeira natureza dos santos e seus motivos. A voz mais forte
dentro dela dizia que se ela conhecesse Juris, ela poderia encontrar uma maneira de
castigá-lo pelo que ele tinha tirado dela.

Ela estava muito consciente de seu pulso batendo sob a pele de seu pulso nu. Parecia
nua, vulnerável e totalmente errado. Ainda assim, tanto quanto ela gostaria de ter seus
pensamentos de vingança, o caminho que eles estavam tomando requeria toda a atenção
dela.

REI DE CICATRIZES | 236


O palácio era vasto e embora algumas salas individuais parecessem ter características
específicas, a maioria dos corredores, escadas e passagens foram feitos da mesmo
cintilante, incolor areia.

Isso não ajudava, não importava onde você estivesse dentro da estrutura massiva, você
sempre teria a mesma visão: uma vasta extensão cinzenta de nada.

"Eu posso sentir sua raiva, bruxa da tempestade", disse Juris. "Faz o ar crepitar."

"Essa palavra é ofensiva", disse ela de costas, acalmada pelo pensamento de empurra-lo
pelo longo lance de escadas.

“Eu posso te chamar do jeito que você quiser. No meu tempo, a bruxa era a palavra que
os homens usavam para as mulheres, para evita-las. Eu acho que te descreve muito
bem.”

"Então talvez você deva seguir seu próprio conselho e me evitar."

"Acho que não", disse Juris. “Uma das únicas alegrias que me resta é cortejar o perigo, e
a dobra oferece poucas oportunidades para isso.”

Será que ele iria continuar até mesmo se ela o empurrasse, ou apenas conjuraria asas e
flutuaria suavemente? para o fundo da escada?

“Quantos anos você tem, afinal?”

"Eu esqueci há muito tempo."

Juris parecia ser um homem de cerca de quarenta anos. Ele era tão grande quanto
Tolya, talvez maior, e Zoya pôde imaginar ele cortando uma figura assustadora com
apenas uma espada em sua mão. Ela podia ver um rendilhado de escamas sobre o couro
cabeludo raspado, como se o dragão dele e as características tivessem penetrado em
seu corpo humano.

Sua curiosidade levou a melhor sobre ela. "Você prefere a sua forma humana?"

"Eu não tenho preferência. Eu sou humano e dragão sempre. Quando eu quiser ler,
argumentar, beber vinho, tomo a forma de um homem. Quando eu quiser voar e ser livre
de incômodo humano, eu sou um dragão.”

"E quando você luta?"

Ele olhou por cima do ombro e seus olhos brilharam em prata, as pupilas cortando
quando ele sorriu, seus dentes levemente longos demais e predatórios para sua boca
humana. "Eu posso lutar melhor que você em qualquer forma.”

"Eu duvido disso", disse ela com mais confiança do que sentia. Se ela ainda tivesse seu
amplificador, não teria havido hesitação.

“Não esqueça que eu fui um guerreiro na minha primeira vida.”

Zoya levantou uma sobrancelha inexpressiva. “Sankt Juris que matou o dragão foi
realmente um Grisha que fez dele seu amplificador?”

Ela conhecia bem a história; cada criança Ravkan conhecia - o guerreiro que tinha ido
até uma fera e lutou contra ela, antes de finalmente vencê-los. Mas agora ela tinha que
se perguntar quanto era lenda e quanto foi fato.

Juris franziu o cenho e continuou descendo as escadas.

"Amplificador. Como aquela patética bugiganga que você se agarrava tão


desesperadamente? Quando eu matei o dragão, tomei sua forma e ele pegou a minha.
Nós nos tornamos um. Nos velhos tempos, era assim que era.
O que você prática agora é uma corrupção, a forma mais fraca de fazer o coração do
mundo."

REI DE CICATRIZES | 237

Nos velhos tempos. Havia verdade, então, nas histórias do Espinho Ardente?

vvSe esses monges não fossem homens comuns, mas Grisha que tomara as formas de
bestas para guerrear melhor contra os inimigos de Ravka?

Por que tanto os Grisha teóricos e os eruditos religiosos entenderam isso errado?

Zoya não sabia.

A mente cansada e maltratada não conseguia entender.

Eles entraram em uma enorme câmara que parecia ao mesmo tempo uma caverna e
grande salão de um antigo castelo forjado em pedra negra. Uma crista pendurada em
uma parede acima de uma lareira alta o suficiente para Zoya ficar em pé. A crista
mostrava três estrelas de seis pontas e era de alguma família, embora Zoya não
reconhecesse sua iconografia bem o suficiente para identificar qual o nome, pois Juris já
havia reivindicado.

Uma parede foi deixada inteiramente aberta aos elementos, o amplo horizonte de areia
morta visível além. A saliência irregular fez Zoya semtir um pouco como se ela estivesse
olhando para o mundo através da abertura de uma caverna. Ou a boca de um animal
cuja barriga ela cometeu o erro de vagar.

“O que você quer de mim?” Ela perguntou.

“Quando eu passar para o mundo mortal, minha magia irá comigo, mas meu
conhecimento não. Você vai carregá-lo.”

"Que honra", disse ela sem entusiasmo.

“Todas as regras que os Grisha criou, que você vive, as cores que você veste. VocêVocê
acha que você tem treinado para se tornar mais forte, quando você realmente tem
treinado para limitar seu poder.”

Zoya sacudiu a cabeça. Primeiro este lagarto gigante roubou-a o amplificador que ela
ganhou com seu próprio sangue, e agora ele estava insultando o treinamento que ela
dedicou sua vida toda. Ela levou sua educação no Pequeno Palácio à sério, a teoria que
ela leu na biblioteca, as poses e técnicas que ela tinha aprendido na cabana de Baghra à
beira do lago.

Ela praticou e aprimorou suas habilidades; forjou seu talento bruto em algo mais. Houve
outro Etherealki que tinha começado com uma habilidade mais natural, mas nenhum
funcionou tão bem.

"Você pode dizer isso, mas eu sei que o treinamento me fez uma melhor Aero. ”

"Sim, mas isso fez você um Grisha melhor?"

"Não é isso que eu acabei de dizer?"

“Não é bem assim. Mas eu comecei em ignorância tão profunda quanto a sua e - assim
como você - com nada além do vento selvagem na ponta dos meus dedos.”

“Você era um Aero?” - perguntou Zoya surpresa.

"Não havia nome para o que eu era."


"Mas você poderia convocar?" Ela empurrou.

"Eu poderia. Eu fazia. Foi mais uma arma no meu arsenal.”

"Em que guerra?"

“Em incontáveis guerras. Eu era herói para alguns. Outros teriam me chamado de
invasor, bárbaro; saqueador de templos. Eu tentei ser um bom homem. Pelo menos, isso
é do que eu me lembro. Como os homens gostavam de contar seus feitos.”

"Nem todos nós somos tão nobres quanto ao seu rei."

REI DE CICATRIZES | 238

Zoya percorreu o perímetro da sala. Havia pouco para olhar. Outro que não fossem as
armas coletadas na parede, tudo era pedra negra - o manto da grande lareira onde a
chama azul pulou e dançou, as decorações em cima, a Crista na parede.

"Se você espera que eu represente Nikolai por sua bondade, você vai tem que esperar
um pouco.”

"E se eu disser que Ravka precisa de um governante mais impiedoso?"

"Eu diria que soa como a desculpa de um homem implacável."

"Quem disse alguma coisa sobre homens?"

Qual o jogo dessa criatura?

“Você deseja que eu roube o trono do meu rei? Você confunde minhas ambições. ”

Juris soltou uma risada. “Eu não confundo nada. Você realmente acredita que você
estava destinada a passar sua vida em serviço? Você não pode me dizer que você não
contemplou o que significaria ser uma rainha ”.

Zoya pegou um pequeno cavalo de ágata no suporte da lareira, um dos rebanhos de


centenas que fluíram sobre a pedra. Foi assim que Juris passou sua eternidade?

Usando o fogo para formar pequenos lembretes de outra vida?

“Como se uma rainha não vivesse sua vida em serviço também. Eu sirvo aos Grisha. Eu
sirvo a Ravka.”

"Ravka." Ele rolou o R em um grunhido. “Você serve uma nação de fantasmas. Todos
aqueles que você falhou. Todos aqueles que você continuará a falhar até você se tornar
o que você esta destinada a ser."

Todos aqueles que você falhou. O que ele sabia sobre alguma coisa?

Zoya estabeleceu o cavalo e esfregou os braços. Ela não gostou do jeito que o dragão
falou. Suas palavras sacudiram dentro dela, a fez pensar naquela pedra caindo, naquele
poço vazio, aquela cavidade sem fim.

Não olhe para trás, Liliyana a avisou uma vez. Não olhe para mim.

Zoya não tinha escutado então, mas ela aprendeu a prestar atenção naqueles palavras.

“Termine sua história, meu velho, ou me liberte para encontrar um copo de vinho e uma
cesta."

“Você não encontrará vinho aqui, bruxinha. Não dormirá também.


Nenhuma pausa para esquecimento."

Zoya fez um gesto de desprezo. “Então me liberte para achar companhia mais
interessante. ”

Juris deu de ombros. “Há pouco mais para contar. Uma fera voraz veio à nossa terra
queimando tudo em seu caminho, devorando todos aqueles que ousaram se opor a isso
”.

À toa, Zoya tocou o dedo na bola de uma maça na parede. Juris tinha as armas com ele
quando eles estavam presos na dobra.

"Eu sempre achei que o dragão era uma metáfora ”.

Juris parecia quase ofendido. "Para quê?"

"Religião pagã, invasores estrangeiros, os perigos do mundo moderno."

“Às vezes um dragão é apenas um dragão, Zoya Nazyalensky, e eu posso garantir à você
que nenhuma metáfora jamais matou tantos.”

“Você nunca ouviu Tolya recitar poesia. Então o grande guerreiro foi ao encontro do
Dragão em seu covil?”

"Só então. Você pode imaginar o meu terror?”

REI DE CICATRIZES | 239

"Eu tenho um pressentimento." Ela nunca iria esquecer sua primeira visão de Juris com
o suas vastas asas espalhadas - e ela queria saber como ele superou a fera. "O que você
fez?"

“O que todos os homens assustados fazem. A noite antes de eu conhecer o dragão, eu


caí de joelhos e rezei ”.

"Qual é o Santo para qual reza?"

“Eu nunca reivindiquei um Santo, Zoya. Esse é apenas o nome que um mundo
desesperado deu-me. Naquela noite eu não era nada mais do que um homem assustado,
um garoto que mal tinha dezoito. Eu rezei para o deus do céu que tinha vigiado a minha
família, o deus das tempestades que regavam os campos e se alimentavam de
marinheiros descuidados. Talvez seja esse deus que cuida de mim ainda. Tudo que sei é
algo respondido. Quando eu enfrentei o dragão e ele soprou fogo, os ventos subiram ao
meu comando. Eu fui capaz de arrancar o fôlego, assim como você tentou fazer comigo.
Duas vezes nos confrontamos e duas vezes recuamos para ver nossas feridas. Mas no
terceiro encontro, eu dei a ele um sopro fatal."

Juris terminou triunfo. Ela não lhe faria a cortesia de parecer impressionada.

Mas ele a surpreendeu dizendo: “Talvez eu devesse ter me sentido triunfante. Isto era o
que eu esperava. Mas quando o dragão caiu, eu não sentia nada além de
arrependimento.”

Juris encostou seu grande corpo contra a parede de basalto. “O

dragão foi o primeiro verdadeiro desafio que eu já conheci para um guerreiro, a única
criatura capaz de me encontrar como um igual no campo. Eu não pude deixar de
respeitá-lo. Quando ele afundou as mandíbulas em mim, eu sabia que ele se sentia assim
como eu. O dragão e eu éramos os mesmos, conectados no coração da criação, nascido
dos elementos e diferente de qualquer outro ”.
"Como chamados para ficar", ela disse suavemente. Ela conhecia o sentimento de
parentesco, de ferocidade. Se ela fechasse os olhos, sentiria o gelo em suas bochechas,
veria sangue na neve. "Mas no final, você o matou."

“Nós dois morremos naquele dia, Zoya. Eu tenho suas memórias e ele tem as minhas.
Nós vivemos mil vidas juntos. Foi o mesmo com Grigori e o grande urso, Elizaveta e suas
abelhas. Você nunca parou para pensar como é possível que alguns Grisha são seus
próprios amplificadores?”

Zoya não tinha realmente. Grisha que nasceram amplificadores eram raros e muitas
vezes serviram como Examinadores, usando suas habilidades para testar a presença do
poder de Grisha em crianças.

O Darkling tinha sido ele mesmo um amplificador, assim como sua mãe. Esta foi uma das
teorias de por que ele tinha sido tão poderoso.

"Não", ela admitiu.

“Eles estão conectados ao fazer o coração do mundo. No tempo antes a palavra Grisha
já havia sido falada, as linhas que nos separavam de outras criaturas eram menos
firmes. Nós não tiramos a vida de um animal, desistimos de uma parte de nós mesmos
em troca. Mas em algum lugar ao longo do caminho, Grisha começaram a matar,
reivindicando um pedaço do poder da criação sem dar nada de nós mesmos. Esta é a
tradição patética dos seus amplificadores ”.

"Eu deveria sentir vergonha por reivindicar um amplificador?", Disse Zoya.

REI DE CICATRIZES | 240

Ele não tinha direito a esses julgamentos. Quantas vezes Zoya chorou?

Quantas orações fúteis ela tinha falado, incapaz de se livrar daquela crença teimosa e
estúpida de que alguém respondia?

Deve ser fácil ponderar o universo, ficar seguro em seu palácio, longe das relações
mesquinhas e brutais do homem. Talvez você não se lembre do que é ser impotente. Eu
lembro."

"Talvez sim", disse Juris. "Mas você ainda chorou pelo tigre."

Zoya congelou. Ele não sabia. Ninguém sabia o que ela tinha feito naquela noite, o que
ela tinha visto. "O que você quer dizer?"

“Quando você está amarrado a todas as coisas, não há limite para o que você pode
saber. O momento em que a pulseira caiu do seu pulso, eu vi tudo. A jovem Zoya
sangrando na neve, coração cheio de valor. Zoya da cidade perdida. Zoya do jardim.
Você não poderia protegê-los, e você não pode protegê-los agora, nem você e nem seu
rei monstro.”

Não olhe para mim. O poço dentro dela não tinha fundo. Ela jogou uma pedra na
escuridão e ela caiu com ela, sem parar. Ela precisava sair dessa quarto, para fugir de
Juris. "Nós terminamos aqui?"

"Ainda não começamos. Diga-me, bruxa da tempestade, quando você matou o tigre, você
não sentiu o espírito se movendo através de você, sentiu o que toma a forma de sua
raiva?”

Zoya não queria falar daquela noite. O dragão sabia coisas que ele não podia conhecer.
Ela se forçou a rir. "Você está dizendo que eu poderia ter me tornado um tigre?"

"Talvez. Mas você é fraca, então quem pode ter certeza?”


Zoya franziu os lábios. Ela se manteve imóvel, embora a raiva dentro dela saltasse.

"Você quer me incitar? Vai demorar mais do que o desprezo de um homem velho.”

“Você mostrou coragem quando lutamos - engenhosidade, coragem. E

você ainda perdeu. Você continuará perdendo até abrir a porta.”

Ele se virou de repente e se lançou em direção a ela, seu corpo ficando maior, apagando-
se enquanto a luz de suas asas se espalharam. Suas enormes mandíbulas se separaram
e a chama floresceu em algum lugar dentro dele.

Zoya jogou os braços sobre a cabeça, encolhida.

Abruptamente as chamas inclinaram e Juris ficou olhando para ela em sua forma
humana.

"Eu escolhi uma fraca?" Ele disse em desgosto.

Mas agora foi a vez de Zoya sorrir. "Ou talvez apenas uma garota que sabe como parece
uma.”

Zoya se levantou e empurrou as mãos para a frente. A tempestade trovejou em direção a


ele, um tiro direto de vento e ira que bateu em Juris e enviou-o caindo, patinando ao
longo do chão de pedra lisa e para a direita fora da boca da caverna.

Fraca. Uma fração da força que ela comandou com o amplificador. Mas ele rolou sobre a
borda e desapareceu, a surpresa em seu rosto como um bálsamo para o coração de
Zoya.

Um momento depois, o dragão levantou-se em asas gigantes. “Eu quebrei sua vontade
quando tomei sua bugiganga boba?”

Ele tinha? Sem seu amplificador, convocar seu poder era como pegar alguma coisa e
julgar mal a distância, sentindo seus dedos se fecharem por REI DE CICATRIZES | 241

cima de nada além de ar. Ela sempre foi poderosa, mas foi a vida do tigre que deu sua
verdadeira força. E agora foi embora. O que ela era, quem era ela sem isso?

Se algum dia eles se livrassem desse lugar, como ela deveria retornar a ele?

"Escolha uma arma", disse Juris.

"Estou muito cansada para isso."

“Dê-me uma luta digna e você pode se esconder onde quiser. Escolha um arma."

"Eu sou a arma." Ou ela tinha sido. "Eu não preciso de um porrete ou uma lâmina."

"Muito bem", disse Juris, mudando suavemente para sua forma humana. "Eu escolherei
uma para você.” Ele pegou uma espada da parede e a jogou para ela.

Ela pegou desajeitadamente com as duas mãos. Era pesado demais.

Mas ela não tinha tempo para pensar. Ele já estava pulando em sua direção, uma
enorme espada em sua mãos.

"Qual é o sentido disso?", Ela perguntou quando ele atingiu sua lâmina com um golpe
que reverberou em seus braços. "Eu nunca fui boa em esgrima."

"Você passou sua vida escolhendo apenas os caminhos em que você sabia que poderia
exercer. Isso te fez preguiçosa.”
Zoya fez uma careta e tentou se lembrar de sua educação há muito tempo com Botkin
Yul-Erdene. Eles usaram facas e espadas e até pegaram o alvo para praticar com
pistolas. Zoya tinha gostado de tudo isso, particularmente combate corpo à corpo, mas
ela tinha pouco motivo para praticar suas habilidades desde então. Qual o ponto de usar
os punhos quando ela poderia comandar uma tempestade?

"Não é ruim", disse ele quando ela conseguiu se esquivar de um de seus impulsos. “Usar
o seu poder se tornou muito fácil para você. Quando você luta dessa maneira, você tem
que se concentrar tão inteiramente em sobreviver que você para de pensar em todo o
resto. Você não pode se preocupar com o que veio antes ou o que acontece a seguir, o
que foi perdido ou o que você pode ganhar. Só existe esse momento.”

"Que vantagem é essa?", Disse Zoya. "Não é melhor ser capaz de prever o que vem a
seguir?

"Quando sua mente está livre, a porta se abre."

"Que porta?"

"A porta para entrar no coração do mundo."

Zoya fez uma finta certa e se aproximou para negar a Juris a vantagem de seu longo
alcance.

"Isso já é o que eu faço quando eu convoco", ela disse, suor começando a escorrer de
sua testa. "Isso é o que todos os Grisha fazem quando usamos nosso poder."

"A tempestade ainda está fora de você, algo que você recebe e protege contra tudo de
uma vez. Ele uiva do lado de fora da porta. Ele sacode as janelas." ele falou.

"Isso não faz sentido."

REI DE CICATRIZES | 242

“Deixe a tempestade entrar, Zoya. Não convoque. Não alcance isso.

Deixe chegar até você. Deixe guiar seus movimentos. Me dê uma luta apropriada.”

Zoya grunhiu quando a lâmina dele bateu na dela. Ela já estava sem fôlego, seus braços
doendo com o peso de sua arma. "Eu não sou forte o suficiente para bater em você sem
usar meu poder ”.

“Você não usa isto. Você é isso. A tempestade está em seus ossos.”

"Pare. De. Falar. Bobagem.” - rosnou ela.

Não era justo. Ele estava forçando-a a jogar um jogo que ela não poderia ganhar. E Zoya
sempre vencia.

Muito bem. Se ele queria que ela lutasse sem convocar, ela iria, e ela seria melhor que
ele também. Então Juris poderia pendurar sua grande e feia cabeça da vergonha.

Ela cobraria ele, e cederia à emoção da luta, o desafio, e ignorou a dor que arrepiou
seus braços quando sua lâmina encontrou a dela de novo e de novo. Ela era menor e
mais leve, então ela manteve de pé e ficou bem dentro de sua guarda.

Sua lâmina assobiou contra a carne do braço dela, e ela sentiu a dor como uma
queimadura.

Zoya sabia que estava sangrando, mas não se importou. Ela só queria saber se ele
poderia sangrar também.
Atacar. Reagir. Atacar. Reagir. Reagir. Reagir.

Seu coração batia como um trovão. Em seu sangue ela sentiu o rugido do vento. Ela
podia sentir seu corpo se mover, o ar passando por ela, através dela. Seu sangue foi
carregado com um relâmpago. Ela trouxe sua espada para baixo e nela sentiu a força do
furacão, arrancando árvores por suas raízes, imparável.

A lâmina de Juris se quebrou.

"Ai está ela", disse ele com o sorriso de seu dragão.

Zoya ficou tremendo de olhos arregalados. Ela sentiu sua força dupla, tripla, a força de
um redemoinho em seus membros. Não deveria ter sido possível, mas ela não podia
negar o que ela sentiu - ou o que ela fez. A prova estava na arma quebrada a seus pés.
Ela flexionou a mão em torno do aperto de sua espada.

A tempestade está em seus ossos.

"Eu vejo que finalmente tenho sua atenção", disse o dragão.

Ela olhou para ele. Ele roubou seu amplificador, quebrou uma parte dela. Ela
recompensaria por isso - e ele a ajudaria a aprender a fazê-lo.

“Tem mais?” Ela perguntou.

"Muito mais", disse Juris.

Zoya recuou para a posição de combate e ergueu a lâmina - leve como o ar nas mãos
dela.

"Então é melhor você arranjar uma nova espada."

REI DE CICATRIZES | 243

Adrik estava furioso - ainda triste, mas furioso.

"O que você estava pensando?" Ele exigiu na manhã seguinte.

Eles andaram para a parte sul da cidade, com Leoni e o trenó a reboque,
ostensivamente, para tentar fazer vendas para caçadores locais. Mas eles pararam só
para que Adrik tivesse privacidade de deixar Nina saber o quão desastrosamente, ela se
comportou. “Eu te dei ordens diretas. Você não deveria se envolver, certamente não por
conta própria. E se você tivesse sido capturada?”
"Eu não fui."

Leoni se encostou no carrinho. "Se Hanne não tivesse intervindo para ajudar, você teria.
Agora você está em dívida com essa garota.”

“Eu já estava em dívida com ela. E você esqueceu que ela é Grisha? Ela não vai falar.
Não a menos que ela queira se colocar em perigo.”

Adrik olhou para a fábrica que se erguia sobre o vale. “Devemos destruir esse lugar.
Seria uma piedade.”

"Não", disse Nina. "Tem que haver uma maneira de tirar as meninas."

Adrik olhou para ela com sua expressão deprimente e de vela derretida.

"Você sabe o que o parem faz. Eles não voltarão disso. Eles são tão bons quanto mortos.”

"Pare de ser tão cabeça fria", Nina replicou. "Eu voltei disso."

“De uma dose. Você está nos dizendo que essas garotas foram medicadas por meses.”

“Não com parem comuns. Os Fjerdanos estão tentando algo novo, algo diferente. É por
isso que Leoni ficou doente, mas não teve uma reação real. É

por isso que o meu vício não voltou novamente. ”

"Nina..."

Ela agarrou o braço dele. “O Segundo Exército sabe mais agora do que quando eu levei
parem, Adrik. Eles fizeram progressos em um antídoto. É

possível que os Fabricadores e Curandeiros no Pequeno Palácio pudessem ajudá-los.”

Adrik sacudiu o aperto dela. “Você entende o que você fez, Nina? Até se eles decidiram
ontem à noite que não foi nada mais do que um pouco de falta de comunicação, eles vão
aumentar a segurança nessa fábrica. Eles podem denunciar a violação seus superiores.
Precisamos deixar esta cidade enquanto ainda podemos ou corremos o risco
comprometendo toda a rede Hringsa e qualquer chance que Ravka tenha de agir na
informação que você conseguiu.

Você nem sequer recebeu uma amostra da droga que eles desenvolvido."

Ela não teve a chance - e ela ficou muito abalada para pensar com clareza. Mas ela não
ia fazer as meninas na montanha pagarem por seu erro.

"Eu não vou fazer isso, Adrik. Você pode me deixar aqui. Diga ao rei que eu desertei.”

“Essas mulheres vão morrer. Você pode fazer qualquer final feliz se quiser, mas você
sabe que é verdade. Não me peça para sacrificar a esperança dos vivos pelo conforto
dos mortos.”

REI DE CICATRIZES | 244

"Não estamos aqui apenas para recrutar soldados"

O olhar azul de Adrik se aguçou. “Estamos aqui sob ordens do rei. Nós estamos aqui
para salvar o futuro do nosso povo. Ravka não vai sobreviver sem mais soldados, e os
Grishas não sobreviverão sem Ravka. Eu vi o segundo exército dizimado pelo Darkling.
Eu sei o que nós perdemos e quanto mais nós podemos perder. Temos que preservar a
rede. Devemos isso a todos os Grisha que vivem com medo."

"Eu não posso deixá-los para trás, Adrik. Eu não vou.”


Eles me trouxeram aqui. Eles eram a razão pela qual ela finalmente foi capaz de colocar
Matthias para descansar. As vozes dos mortos tinha chamado ela de volta à vida com sua
necessidade. Ela não falharia com eles.

"Leoni", ela suplicou. "Se fosse você lá em cima, alguém que você amasse..."

Leoni sentou-se num tronco de árvore caído e olhou para o forte.

“Leoni”, disse Adrik, “nós temos uma missão. Nós não podemos comprometer isso.

"Vocês dois ficarem quietos", disse Leoni. "Eu não vou ser puxada de um jeito ou de
outro porque você diz isso. Ela fechou os olhos, virou o rosto para o sol de inverno.

Após um longo tempo, ela disse, “Eu te disse que eu quase morri quando criança, mas
eu nunca te disse que era beber água envenenada. O curandeiro zowa que me ajudou
morreu para salvar minha vida. Ela morreu tirando o veneno do meu corpo.”

Leoni abriu seus olhos, um sorriso triste em seus lábios. “Como eu te disse, os venenos
são um trabalho complicado.”

“Então agora eu uso duas joias.” Ela tocou as mãos nas pedras de ouro tecidas. Nas
reviravoltas do cabelo dela à esquerda. “Topázio para força, para minha mãe que me
deu vida e me criou para ser uma lutadora.” Ela virou a cabeça ligeiramente e iluminou
as três pedras roxas em suas torções à direita.

“Ametista para Aditi Hilli, a Fabricante que me devolveu a vida quando eu era
descuidado e poderia perdi. ”

"Hilli?", Disse Adrik. "Você estava relacionado?"

"Não. Eu peguei o nome da família dela, e eu jurei que eu honraria o sacrifício dela, que
eu faria algo da vida que ela me deu.” Ela balançou o queixo para a fabrica. "Se não
estamos aqui para as meninas naquela ala, então o que
estamos fazendo aqui?"

Adrik suspirou. “Você sabe que este é o meu comando. Nós não colocamos coisas em um
voto."

Leoni sorriu, aquele brilhante sorriso de mil nascimentos. Adrik respirou fundo como se
ele tivesse levado um soco no estômago.

"Eu sei", disse ela. “Mas também conheço você; que lutou ao lado de Alina Starkov. Você
teve seu braço arrancado por um demônio sombrio e continuou lutando. Você não veio a
este país para se proteger, Adrik.”

"Leoni", disse Nina. "Você já comeu waffles da Kerch?"

Leoni arqueou as sobrancelhas. "Eu não."

"Bem, eu vou fazer você uma pilha tão alta que você tem que superar isso."

"Eu não sabia que você poderia cozinhar."

"Eu não posso. Nem um pouco. Mas sou muito boa em convencer as pessoas a cozinhar
para mim."

REI DE CICATRIZES | 245

Adrik puxou a manga presa no lugar. “Vocês duss são impossíveis. E

culpadss de insubordinação.”

Leoni apenas sorriu mais. "Somos esplêndidss e você sabe disso."

"Tudo bem", Adrik bufou. "Como vocês duss estão tão determinadas a comprometer
nossa missão, como vamos transportar um monte de crianças e grávidas para fora desta
tragédia de cidade e levá-los para um porto no meio da noite?"

Nina olhou para a montanha, para a estrada da fábrica pendendo como uma longa e
gananciosa língua, na guarita em sua base - a primeira linha de segurança para os
soldados trabalhando acima. Ela se lembrou das lições que aprendeu em Ketterdam,
quando ela não correu com soldados ligados pela honra, mas com mentirosos, bandidos
e ladrões.

Sempre acerte onde a marca não está olhando.

"Fácil", disse ela. “Nós fazemos isso no meio do dia. E nós garantimos que eles nos
verão chegando.”

Nina não tinha certeza de que Hanne iria aparecer na próxima aula – ou porque a Madre
pode proibi-la ou porque ela não queria falar com Nina novamente. Mas ela decidiu ir
para a sala de aula de qualquer maneira.

No caminho, ela passou pela cozinha procurando por restos frescos e foi até o madeiras
para definir outro prato para Trassel. Nina levou um momento para reunir os
pensamentos, grata pelo silêncio das árvores, respirando o cheiro de seiva, o ar ainda
fresco com neve caída. Ela poderia admitir que sua incursão na fábrica foi uma
catástrofe, mas isso não mudou o que estava acontecendo na montanha ou a
oportunidade que ela recebeu. Ela sentiu como se estivesse no início de algo maior do
que os horrores naquele morro, que havia mais do que ela pretendia fazer.
“Mas o quê?” Ela murmurou.

"Enke Jandersdat?"

Nina quase saltou para o galho mais próximo. Uma jovem estava em pé na borda das
árvores, mãos puxando nervosamente as saias de seu avental azul pálido.

Nina levou um longo tempo para perceber que ela tinha visto a noviciada antes – vestida
como um soldado fjerdan nas margens do rio. Ela tinha ouvido Nina falar Ravkan?

"Sim", disse Nina.

"Eu não queria assustar você."

"Um pouco de emoção é bom para mim", disse Nina, como se ela não tivesse
recentemente pulado de uma janela e fugido de uma montanha por sua vida. A menina
tinha cabelos loiros e pele da cor de um novo pêssego. Ela não parecia cautelosa,
apenas nervosa.

“Eu queria agradecer a você e aos comerciantes do Zemen por não dizerem nada
sobre… O que você viu no rio. Mesmo depois do que aconteceu com Grette.”

Grette ... Ela deve estar falando da garota que morreu de exposição à água.

"Foi tragédia o suficiente", disse Nina.

A garota estremeceu, como se a morte tivesse chegado perto demais.

"Sua mãe veio para recolher seu corpo. Foi terrível. Mas se a família dela soubesse
como ela conseguiu esses ferimentos? A vergonha-"

REI DE CICATRIZES | 246

"Eu entendo", disse Nina, então se aventurou: "Você vai sair de novo?"

"Claro que não", disse a menina com sinceridade, quase suplicante.

"Nunca mais."

Nina acreditou nela.

"Diga-me", disse Nina, "foi a ideia de Hanne roubar os uniformes?"

Isso era essencial para o plano de Nina. Quanto mais ela entendesse, melhor. E ela
poderia admitir que ela também estava curiosa.

A garota ficou mordiscando com o lábio inferior. "É ele…"

"Eu não vou contar para Madre. Se eu falasse agora, ela se perguntaria por que eu
segurei minha língua por tanto tempo. Não faria bem a ninguém.”

O pensamento pareceu colocar a garota à vontade. "Hanne... Hanne assume riscos mas
ela não deveria.” Um pequeno sorriso puxou seus lábios.

“Mas pode ser difícil não querer segui-la."

"Você sai com ela frequentemente?"

"Só quando ela nos deixa."

"Muito a chance de um pouco de liberdade."


"Não é só isso", disse a garota. "Hanne ... Às vezes as pessoas enviam para o convento
em busca ajuda, e a Madre não lhes concederá ajuda - pelo o bem e razões adequadas, é
claro. ”

"Claro. Que tipo de gente?"

"Famílias que não podem pagar um par extra de mãos quando alguém adoece."

As bochechas da garota coraram. “Mulheres solteiras que se… meteram em problemas."

"E Hanne vai até elas?" Nina perguntou, surpresa. Aquela garota selvagem e magra com
um rifle nas costas e uma adaga no quadril? Era difícil imaginar.

"Oh sim", disse a garota. “Ela tem um presente para isso. Ela cuidou de mais de um caso
sem esperança de volta do Mar e até mesmo ajudou a entregar bebês - um que se virou
na barriga da mãe dela.”

Ela é uma curandeira, Nina percebeu. Ela está usando seu poder e ela nem sequer sabe.
Ela se lembrou de Hanne dizendo dos outros noviciados, é um jogo para eles. Um pouco
infantil de vestir-se, uma chance de ser ousado.

Nina tinha pensado que ela tinha entendido, mas ela não tinha realmente.

"Se você tivesse contado sobre nós", a garota disse, "Hanne teria que parar o... Bem...”

"Eu não vou dizer uma palavra", disse Nina. "Eu não acredito que Djel poderia
desaprovar tal bondade."

"Não", disse a menina pensativa. "Eu também não."

"Sinto muito pela sua amiga Grette."

"Eu também." A menina arrancou um cacho de agulhas de pinheiro de um galho.

"Às vezes ... eu acho que Gäfvalle não nos quer aqui."

"O convento?"

Ela balançou a cabeça, os olhos distantes. "Meninas ... qualquer uma de nós."

Nina queria ir mais longe, mas um sino começou a soar dentro da capela.

A garota fez uma reverência rápida. "Que Djel te guarde, Enke Jandersdat", ela disse, e
correu para suas aulas.

REI DE CICATRIZES | 247

Nina se apressou depois. Se Hanne decidisse vir para a aula, Nina não queria estar
atrasada. Adrik já havia mandado uma mensagem para a rede Hringsa em Hjar para ter
certeza que um navio estaria esperando - supondo que eles conseguissem as mulheres
fora da fábrica. Mas se Hanne não viesse hoje, Nina teria que procurá-la fora e
encontrar um caminho de volta para suas boas graças. Ela precisava de Hanne para o
plano que ela tinha em mente, e, se ela fosse honesta consigo mesma, não gostava muito
da ideia de Hanne está com raiva dela.

Ela havia escrito metade da lição do dia no vocabulário zemeni no bordo e estava
começando a sentir como o esforço todo foi inútil, quando Hanne apareceu na porta da
sala de aula. Nina não estava preparada para a raiva irradiando dela. Ela ficou em fúria
silenciosa enquanto Nina agarrava o giz nas mãos e tentou pensar em algo conciliatório
para dizer. Os olhos de cobre de Hanne parecia faíscas vivas contra suas bochechas,
mas Nina sabia por experiência que você é linda quando está com raiva, nunca foi um
ótimo lugar para começar.

"Eu não achava que você viria", ela começou.

“A Madre diz que eu posso continuar minhas lições, já que ela não me quer deixar
ociosa.”

"Isso é vence-"

"Eu não disse que queria continuar", Hanne sussurrou furiosamente. "O

que você está fazendo na fábrica? Eu quero a verdade."

E eu gostaria de poder dar a você. Tudo isso. Mas apesar do que ela aprendeu com a
garota na floresta, ela não confiava tanto em Hanne. Ainda não.

Nina fez um gesto para ela e fechou a porta. Ela se inclinou contra ela.

Ela passou ontem à noite pensando em como responder às perguntas de Hanne.

"Você se lembra a irmã que eu te falei? ”Nina perguntou. “Aquele que se casou e mora
no sul?

Hanne assentiu.

"Ela foi pega."

Os punhos de Hanne se agruparam. "Mas você disse-"

"Eu não sei como isso aconteceu, mas ela foi pega usando seu poder Grisha, e ela foi
levada pelo drüskelle.”

“O que aconteceu com o marido dela?”

“Ele também foi levado. E morto por abrigar seus segredos. Eu acho que eles trouxeram
Thyra aqui.”

"Eles trouxeram sua irmã para uma fábrica de munições?"

“A fábrica é apenas parte da história. Soldados estão mantendo garotas Grisha na parte
abandonada do forte. Eles estão experimentando nelas. Madre está ajudando, junto com
algumas das Domas da Primavera. ”

Hanne cruzou os braços. "Eles não fariam isso. Grisha descobertos são levados para a
Corte de Gelo para julgamento.”

Julgamentos em que nunca foram encontrados inocentes, em que eles sempre foram
condenado à morte. Mas as sentenças raramente foram realizadas. Em vez disso, Jarl
Brum tinha secretamente aprisionado aqueles Grishas e submetido-os a doses de parem.

REI DE CICATRIZES | 248

"Não cubra seus ouvidos e finja que você não sabe do que os homens são capazes,
Hanne Diga-me uma coisa: Meninas e mulheres desapareceram de Kejerut? De
Gäfvalle? De todas as cidades do rio?”

"Está faltando?" Hanne zombou.

“Como eles explicaram os desaparecimentos?” Nina insistiu. "Doença?

Uma decisão repentina de fazer uma viagem? Animais selvagens? Brigands?”


“Todas essas coisas acontecem. É como é viver aqui. Fjerda tem maneiras difíceis.” Sua
voz era defensiva, mas também orgulhosa.

Ainda assim, Nina não achou que ela tivesse imaginado a ligeira hesitação, o rápido
lampejo de medo no rosto de Hanne.

"Você viu a Corte de Gelo, Hanne."

"O que isso tem a ver com alguma coisa?"

“Você realmente acredita que foi construído por mãos humanas? E se fosse Grisha? E se
Fjerda precisar de Grisha tanto quanto os odeia? ”

E como Nina pensou nas novas armas que os militares fjerdenos estavam
desenvolvendo, o salto repentino no seu progresso. Como se estivessem trabalhando
com Fabricadores. Talvez eles não conseguiram equiparar parem, mas certamente
encontraram novas maneiras para explorar escravos Grisha.

Hanne mordeu o lábio e olhou pela janela da sala de aula. Ela tinha um conhecimento de
sardas sobre a ponte do nariz, não douradas como as de Adrik, mas rosadas, cor de
caqui maduro.

"Havia uma menina aqui", ela disse hesitante, "Ellinor, uma noviciada.

Ela sempre manteve para si mesma. Certa manhã, ela acabara de sair. As irmãs nos
disse que ela garantiu uma oferta de casamento e foi para Djerholm. Mas quando eu
entrei na mata para cavalgar naquele dia, vi a Madre. Ela estava queimando as coisas de
Ellinor.”

Nina estremeceu. Ellinor estava naquela ala? Ou ela já estava em um túmulo na


montanha?

"E uma mulher que viveu entre aqui e Kejerut", disse Hanne lentamente, como se
lutando contra as palavras. “Sylvi Winther. Ela ... ela acabara de passar por um mau de
doença. Ela estava se saindo bem. Ela e o marido acabaram de fazer as malas e foram
embora.”

Teria sido uma das mulheres que Hanne cuidava em segredo? Ela tinha calvagado uma
tarde fria e bateu à sua porta, apenas para encontrar Sylvi e o marido dela sumidos?

“Eu sei que você foi ensinado a odiar Grisha, Hanne... a se odiar. Mas o que Madre e os
soldados estão fazendo para essas mulheres é imperdoável."

Hanne não parecia mais zangada. Ela parecia doente e assustada. "E o que nós
deveríamos fazer sobre isso?

Nina pensou em Matthias deitado sangrando em seus braços. Ela pensou em meninas
forradas como bonecos disformes na escuridão do velho forte. Ela pensou no caminho ao
ver Hanne encolher os ombros como se pudesse se tornar invisível.

"Salve-os", disse Nina. "Salve todos eles."

REI DE CICATRIZES | 249

Isaak sentou-se no trono ravkano - esculpido pelo lendário Fabricante Eldeni Duda de
Tsibeyan Ouro, para os traseiros de inúmeras gerações de Lantsovs. Tudo o que ele
conseguia pensar era o quanto ele precisava ir ao banheiro.

Foram duas horas de apresentações, discursos e presentes da chegada das delegações.

Ele poderia dizer que muitos dos presentes na sala do trono superaquecida estava
enfraquecida e fraca por ficar de pé e entediada pela processo. Mas Isaak estaria bem
acordado mesmo sem a ameaçadora presença de Tolya Yul-Bataar à sua esquerda e
Tamar Kir-Bataar à sua direita.

Não era esperado que ele fizesse muito mais do que dizer "obrigado"

quando lhe deram um elegante par de novos revólveres de Novyi Zem ou uma caixa
cheia de pedras preciosas dos pássaros de Kerch. Mas apesar da pretensão de presentes
e flertes, Isaak sabia que inimigos espreitavam entre esta sala cheia de aliados. Quem
era um potencial para o rei? Quem queria fazer mal a ele?

Isaak sorriu para os rostos da delegação fjerdana - todos altos, loiros e régios, seus
corpos esguios arrumados em branco brilhante e cinza pálido, como se tivessem deriva
do gelo. Ele aceitou seus presentes de pérolas do mar e lembrou-se das duas balas de
Fjerdan que haviam sido retiradas de sua coxa depois de Halmhend.

Os Fjerdanos havia apoiado o Darkling na guerra civil. Eles foram pelo menos
parcialmente responsáveis pela morte do irmão mais velho do rei, Vasily. Cada membro
de cada delegação havia sido avaliada, mas ainda haviam riscos. Pelo menos o trabalho
de Isaak como um guarda o preparara para tais ameaças.

A festa da Shu era inteiramente feminina. Princesa Ehri Kir-Taban usava seda esmeralda
bordadas com folhas de prata, seu longo cabelo escuro preso com pentes preenchidos
com joias. Ela era conhecida como a menos linda, mas a mais amada das cinco irmãs
reais. O Tavgharad marchou atrás de sua carga, expressões fixadas em um olhar duro e
vazio que Isaak dominara durante seu próprio mandato como guarda do palácio. Mas
estes não eram soldados comuns. Eles eram combatentes de elite, treinados desde a
infância para servir a dinastia Taban. Eles usavam uniformes pretos, o bico de um falcão
aberto em um grito estavam esculpido em granada na dragonas esquerda, quadradas
pretas em um ângulo agudo sobre o cabelo bem preso.

Tamar havia dito que um deles pretendia atacar.

REI DE CICATRIZES | 250

Mas qual? Isaak se perguntou, examinando seus rostos. Eles pareciam falcões com suas
bocas de popa e olhos dourados reluzentes. Por que um deles voltariam as costas para o
seu país e traem as mulheres que eles foi treinados para proteger? Será que um deles
realmente pretendia desertar ou era algum tipo de armadilha para o rei?

A princesa cambaleou ligeiramente em sua reverência, um leve brilho de suor em seu


lábio superior, e Isaak viu o rosto do guarda diretamente atrás dela endurecer ainda
mais. Ele sabia que não deveria, mas sentia pela princesa enquanto ela fez uma
reverência e deu-lhe um sorriso trêmulo. Ele tinha tido o menor sabor de o que
significava ser da realeza, e ele não gostou nada disso.

Isaak não tinha realmente entendido o que significaria usar o rosto do rei, andar em
seus sapatos. Tolya e Tamar tinham levado Isaak para fora do palácio na noite anterior
para a propriedade do famoso conde Kirigin. Ele teria gostado de ver as terras do
infame pântano dourado, mas ao amanhecer, com Isaak agora vestido com o casaco
verde-oliva monótono que o rei Nikolai favorecia, eles o colocaram no topo de uma
requintado castrado branco, e a festa havia voltado para a cidade para um passeio para
a capital.

Eles se juntaram a um grupo de guardas e soldados em vestimenta militar - a comitiva


do rei - e esse foi o primeiro teste de Isaak. Mas não havia feito mais que cumprimentá-
lo. Ele estava seguramente escondido entre os gêmeos de Bataar e uma tripulação de
soldados Grisha, incluindo a esposa de Tamar, Nadia, enquanto eles cavalgaram pelo
campo e voltaram pela cidade baixa.

Ele tinha sido lembrado da primeira vez que ele tinha visto Os Alta, tanto por sua
agitação e tamanho. Não parecia diferente agora que ele estava vendo através dos olhos
de um rei.

"Pare com isso", sussurrou Tolya.

"O quê?"

"Olhando para tudo como uma espécie de caipira de olhos arregalados", disse Tamar.

"Você deve olhar o mundo como se fosse seu."

"Porque você é o rei, e você faz", acrescentou Tolya.

"Como se eu fosse o dono", repetiu Isaak.

"Você poderia encomendar esta cidade e todos os edifícios em que estava ou queima-
los."

Isso deveria fazê-lo se sentir melhor? “Eu deveria esperar que alguém pare-me?"

"Alguém pode tentar", disse Tamar. "E ele provavelmente seria enforcado por isso."

Isaak estremeceu.

"Pelo menos ele pode sentar um cavalo.", resmungou Tolya.

REI DE CICATRIZES | 251

Mas Isaak conseguiu errar também, porque um rei não saltaria do seu cavalo e levaria
sua montaria para os estábulos. Um rei jogaria as rédeas para ele com um sorriso e um
bob na cabeça e um "Muito obrigado, Klimint ”ou“

Como está sua tosse, Lyov?”

Porque é claro, Nikolai Lantsov, sabia os nomes de todos os servos do palácio. Se ele
tivesse sido um soberano preguiçoso isso pode ter sido mais fácil.
O jeito que todos olhavam para Isaak o assustavam. Isaak tinha sido um ninguém, um
nada do Exército e depois guarda do palácio. Na cidade baixa, as pessoas tinham
dirigido-se a ele com respeito ou ressentimento quando viram seu uniforme. Ele lembrou
de seu orgulho ao colocar o branco e o ouro pela primeira vez, a experiência bizarra de
pessoas saindo de seu caminho ou oferecendo-lhe um copo grátis dos kvas, enquanto
outros cuspiam na rua e xingavam quando viu Isaak e seus companheiros passarem.

Não tinha sido nada assim. Ele tinha olhado para o rei do jeito que essas pessoas
fizeram - cheio de gratidão aberta e admiração? E os outros, que olhavam para o rei com
desconfiança e, às vezes, medo absoluto?

"Por que eles olham assim?" Ele sussurrou. "O que eles esperam ver?"

"Você não é mais um homem", disse Tamar. “Você é um exército. Você é a Águia dupla.
Você é tudo de Ravka. Claro que as pessoas olham fixamente.”

"E elas?" Isaak disse, balançando a cabeça em direção a uma das janelas onde garotas
se empoleiraram, vestidas com seus melhores vestidos, cabelo enrolado, bochechas e
lábios corados. "O rei não é... ele não é um para brincar com plebeias, não é?"

"Não", disse Tolya. "Nikolai não é homem para tirar proveito de sua posição."

“Então o que elas esperam ganhar?”

Tamar riu. "Você leu os velhos contos dos príncipes se apaixonando por plebeias, e reis
levando rainhas camponesas. Nikolai está sem noiva. Você pode culpá-las por esperar
que um delas pudesse chamar sua atenção? Que ele não caia instantaneamente e
inequivocamente apaixonada pela beleza de uma garota ou pela curva de seu pescoço
ou seu cabelo ruivo, como os reis das histórias costumam fazer?”

"Você não precisa ser tão boa em estudar tudo o que a cidade baixa tem a oferecer",
disse Nadia, azeda.

Tamar não deu desculpas, apenas deu um sorriso que enviou o sangue correndo para as
bochechas de Nadia. "Eu posso ler os produtos berrantes, mas reconheço qualidade
quando eu a vejo.”

Agora Isaak olhou para a sala do trono lotado e se perguntou se ele poderia correr de
volta para os estábulos, pegar o cavalo branco e cavalgar até que ele fosse capturado.

Tolya deu ao trono o empurrão mais leve de seu dedo, e Isaak percebeu que era seu
tempo para falar.

REI DE CICATRIZES | 252

Ele se levantou. "Meus amigos -" Sua voz falhou, e ele viu Genya fechar os olhos como
se estivesse com dor. Ele limpou a garganta e tentou novamente.

"Meus amigos", ele começou em Ravkan, repetindo-se em Shu, Zemeni e Fjerdan. "Eu os
recebo em Ravka e obrigado por dar esse pequeno passo em direção a uma paz que
espero que seja rentável e frutuoso para todos nós.

Neste momento, não somos nações; nós somos amigos que vão comer juntos...” Isaak fez
uma pausa, assim como ele tinha sido instruído e deixou um pouco do sorriso rabugento
de Nikolai tocar seus lábios. “E bebermos juntos.

Deixe essa noite marcar o começo de uma nova era.” E deixe-me passar o jantar sem
engasgar com uma costeleta de cordeiro ou causar uma guerra.”

Isaak assentiu, as portas dos dois lados do trono se abriram e a multidão se separaram
para deixá-lo passar.
Ele nem tinha entrado na sala de jantar antes do desastre. Os homens de pé abriam as
portas, e Isaak, focado em como suas mãos estavam suadas dentro das luvas, fez o que
ele tinha sido treinado para fazer e tinha feito por anos-ele deu um passo para o lado,
escorregando a atenção, tinha sido ensinado a ele por seus anciãos, juntamente com o
método de brilhar suas botas adequadamente para costurar em um botão, já que
“nenhum servo precisa ser incomodado pelos gostos de nós. ”

Os guardas sempre davam lugar àqueles de status mais alto, e em um palácio, quase
todos eram de status mais alto - incluindo muitos dos servos mais valorizados. Mas
ninguém era de status mais alto que o rei de Ravka.

Isaak sentiu o suspiro, tanto quanto ele ouviu e teve a súbita sensação de que o chão
havia se dissolvido embaixo dele, que ele iria cair e se manter caindo até que ele atingiu
o chão duro. Em que ponto, Genya estaria acima dele.

"Sua Alteza?", Perguntou a princesa Shu, que entraria na sala de jantar primeiro desde
que sua delegação havia dado suas apresentações por último.

Ela parecia quase como em pânico como ele se sentia.

O primeiro impulso de Isaak foi procurar alguém na sala, qualquer um, para ajudá-lo,
para lhe dizer o que fazer. Não entre em pânico. Os reis não entram em pânico. Mas
você não é um rei.

Ainda há tempo para pular uma janela.

Ele esboçou uma reverência superficial e usou os segundos que ganhou para colocar um
sorriso em seu rosto. "Hoje à noite, eu sou primeiro um anfitrião e depois um rei."

"Claro", disse a princesa, embora parecesse completamente desorientada.

O resto dos convidados passou, alguns parecendo divertidos, outros satisfeitos, outros
desaprovando. Isaak ficou ali parado e manteve o sorriso colado, o queixo levantou como
se tudo isso fosse um teste para a próxima rainha de Ravka.

REI DE CICATRIZES | 253

Quando o último dos dignitários estrangeiros encheu o salão, Genya e David entraram.
Genya parecia serena, mas ele podia ver a tensão em torno dos cantos de sua boca.
David parecia distraído como sempre.

"Não precisa se preocupar", disse Genya. "Você está maravilhosamente bem."

David franziu a testa, o rosto pensativo. "Então, quando você disse isso é um fiasco"

"É uma figura de linguagem."

"Mas-"

"Fique em silêncio, David."

"Isso é ruim?" Sussurrou Isaak miseravelmente.

Genya ofereceu-lhe uma aproximação frágil de um sorriso. “Na melhor das hipóteses,
nossos visitantes acha que Nikolai é excêntrico e, na pior das hipóteses, insano ”.

Tudo sobre uma pequena quebra de etiqueta? Isaak fez o seu melhor para não mostrar
sua angústia quando ele se sentou e a refeição começou.

Havia mil regras para lembrar-se de quando era jantar formal, mas eles se esquivaram
de muitos deles esta primeira noite, servindo seus convidados uma festa camponesa
Ravkan, completa com violinos e danças.

A noite transcorreu sem intercorrências e Isaak agradeceu a todos os seus santos por
isso, embora houvesse outro momento tenso quando o embaixador de Fjerda falou da
extradição de Nina Zenik.

Genya foi rápida em responder que a garota Grisha estava em uma missão comercial
para Kerch por quase dois anos.

"Uma história improvável", disse o embaixador em tom de deboche.

Genya enfiou Isaak por baixo da mesa e sorriu amável ao embaixador.

“Meu estômago está cheio demais para digerir a diplomacia. Pelo menos espere pelo
sorvete.”

Em um ponto Tolya inclinou a cabeça para o ouvido de Isaak e murmurou: "Coma, vossa
Alteza."

"Tudo tem gosto de desgraça", ele sussurrou.

"Então adicione sal."

Isaak conseguiu mastigar e engolir algumas mordidas, e logo, para o seu grande
espanto, o jantar acabou.

Os convidados se dispersaram para seus aposentos, e Tolya e Tamar o levaram pelo


corredor, pelas passagens traseiras reservadas para o rei, para os quartos da realeza.

Mas assim que eles estavam prestes a entrar, Tolya colocou sua mão enorme no peito de
Isaak.

REI DE CICATRIZES | 254

"Espere." Ele perfurou o ar. "Você cheira isso?"

Tamar levantou o nariz, aproximando-se cautelosamente da porta.

"Alho", disse ela.

"Gás de Arsine." Ela sinalizou um guarda. “Busque um Aero e David Kostyk. A porta está
manipulada.”

"Gás venenoso?", Perguntou Isaak enquanto os gêmeos o levavam para longe das
câmaras do rei.

Tolya deu um tapinha nas costas dele. "Parabéns", disse ele com um sorriso sombrio.

"Você deve estar convencido se alguém já está tentando te matar."


REI DE CICATRIZES | 255

Nikolai estava lutando para se aclimatar aos seus aposentos, de estranha mistura de
areia e pedra. Eles podem ter sido bem equipados se o conjunto de quartos antiquados
em seu próprio palácio se não fosse pela falta de cor, junto a textura do uniforme.

Era um lugar visto de longe através do nevoeiro. A exceção era sua cama: um
caramanchão absurdamente romântico de rosas vermelhas que ele supunha ser o
trabalho de Elizaveta.

Ele deitou-se sobre ele, determinado a descansar, mas não conseguiu dormir.

Se ele fizesse, o monstro surgiria? Será que tentaria caça-lo neste lugar estéril?

Nikolai estava profundamente cansado e, no entanto, era como se o corpo dele tivesse
perdido qualquer sensação de tempo. Tinha sido tarde da manhã quando eles partiram
para a Dobra, mas neste crepúsculo permanente, ele não tinha certeza se os dias ou as
horas haviam passado.

Ele tinha o bom senso do tempo escapando dele.

Nós não comemos. Nós não dormimos. Não me lembro o que é suar ou ter fome ou
sonhar. Os santos - ou o que quer que fossem – tinham sidos preso aqui por centenas de
anos. Como eles não perderam a cabeça?

Nikolai fechou os olhos. Mesmo que ele não conseguisse dormir, ele poderia tentar
controlar mente. O demônio roeu constantemente em seu senso de controle, e a bizarro
experiência de ser arrancado de sua realidade e empurrado para este não estava
ajudando.

Mas ele era um rei e tinha o futuro de um país a considerar.

Tolya e Tamar tinham visto Nikolai e Zoya desaparecerem com Yuri na tempestade de
areia. O que eles fariam? Realizar uma pesquisa e criar uma reportagem de capa
daqueles Aeros júnior em algum lugar que eles não pudessem contar histórias?
Os gêmeos iriam levar a palavra de seu desaparecimento de volta para Genya e David....
Depois disso, a sua imaginação lhe falhou.

Que curso de ação eles escolheriam? Se ele tivesse apenas teve a oportunidade de
trabalhar com Isaak ou um dos outros candidatos para o seu stand-in, eles podem ter
tido uma opção. Mas tentar tal coisa com tão pouco tempo para preparar?

Bem, Nikolai pode ter sido tolo o suficiente por tentar, mas Genya e os outros eram
sensatos demais para cortejar esse tipo de desastre.

Ainda havia tempo para salvar o festival, sua influência com o Kerch, tudo isso - se os
santos cumprissem suas promessas. E se Nikolai sobreviveu ao Espinho Ardente; então
ele poderia pelo menos dar a Ravka uma chance de lutar.

REI DE CICATRIZES | 256

Ele estaria nele mesmo novamente. Sua mente pertenceria apenas a ele.

Ele teria que encontrar uma noiva imediatamente, fazer a aliança que Zoya tinha
empurrado tanto. Casamento com uma estranha. Uma performance de civilidade sem
verdade ou companhia. Ele estaria agindo pelo resto de sua vida.

Ele suspirou. Esse lugar estava deixando-o melancólico.

Nikolai se endireitou. Ele ouviu um barulho do lado de fora, um suave bufar. Quando ele
abriu a porta, ele não viu nada - até que ele olhou para baixo: Um filhote de urso estava
puxando gentilmente em suas calças com pequenas garras brilhantes. Sua pele era
grossa e brilhante, e onde suas pernas traseiras deveriam estar, ele tinha duas rodas,
cujos raios pareci distintamente como ossos dos dedos. O efeito foi encantador e bizarro.

O filhote puxou novamente, e Nikolai seguiu, entrando no centro da câmara. Foi só


então que ele viu Grigori, seu corpo volumoso e inconstante encolhido contra a parede.

"Perdoe-me", disse Grigori, três bocas falando desta vez, aparecendo vagamente e
depois se dissolvendo. “Estamos sozinhos há muito tempo aqui e não fico confortável em
espaços fechados.”

Nikolai apontou para as paredes de areia cinza. "Você não poderia simplesmente mudá-
los?"

“Eles são seus quartos agora. Isso parece... rude.”

O urso que farejava girou em torno do perímetro, esbarrando nas portas para os
aposentos de Zoya e Yuri.

"Seu servo é encantador."

“Eu acho a criação calmante, e eu sei o quanto é mais fácil para otkazat'sya
testemunhar o monstruoso em formas particulares ”.

Nikolai fez uma pausa, sem saber qual protocolo era esperado em torno de um santo. "É
aquele por quem você está se escondendo no canto?”

"Sim."

"Por favor, não faça isso na minha presença. Há rumores de que eu tenho um presente
para o monstruoso eu mesmo.”

As muitas cabeças de Grigori riram baixinho, um júri rindo de Grigoris.

"Não posso mais controlar a forma que tomo. Eu já fui apenas eu e o urso, mas agora o
pensamento entra em minha mente e meu corpo corre para encontrá-

lo. É exaustivo.”

Grigori encolheu-se e, por um momento, Nikolai vislumbrou a forma de um homem com


olhos suaves e cabelos escuros encaracolados. Ele usava as peles de um urso em volta
dos ombros, e a cabeça do urso como um manto ...

mas depois o urso se moveu, e era como se o homem e animal fossem um,
permanecendo juntos.

"Eu não sei se devo mencionar isso", disse Nikolai. "Mas eu disse a pele do urso que te
matou está na abóbada da capela real em Os Alta. Eu usei na minha coroação.”

"Receio que seus padres tenham vendido uma falsificação", disse Grigori, a imagem do
manto cintilando sobre os ombros novamente. "Esse urso nunca morreu, tanto quanto
eu nunca realmente morri.”

"Tornou-se seu amplificador?"

"É mais complicado do que isso", disse Grigori ao se dividir novamente em um corpo
maior, uma maré de pernas e braços.

REI DE CICATRIZES | 257

“Eu acho que lembro da sua história. Você era um curador.” Um jovem curador,
renomado por suas curas dos casos mais sem esperança. Ele curou o filho de um nobre
afligido com alguma praga, e médico do nobre, provavelmente com medo que ele estava
prestes a perder o emprego, acusara Grigori de traficar magia negra.

Grigori fora enviado para a floresta para ser despedaçado por feras, mas ele formou
uma lira dos ossos daqueles que haviam invadido a floresta antes e tocou uma canção
tão reconfortante que os ursos da floresta tinham se deitado a seus pés.

No dia seguinte, quando Grigori saiu da floresta ileso, os nobres soldados amarraram
suas mãos e o mandaram de volta para a floresta. Incapaz de tocar lira, Grigori foi
atacado pelos próprios ursos que tinham dormido a seus pés a noite antes.

Leitura sangrenta para um jovem príncipe. Era uma maravilha que Nikolai tinha
dormido em todas quando criança.

"Eu era um curador", disse Grigori, e suas muitas pernas dobraram como se ele pudesse
descansar muitos queixos sobre eles. “Mas eu fiz coisas que talvez não devesse ter feito.
Eu fiz bebês para mães que não tinham nenhum. Eu fiz noivas para homens que
desejavam elas. Eu fiz um grande soldado, de doze pés de altura com punhos como
pedras, para proteger o castelo do conde.”

"O material das histórias infantis", disse Nikolai, lembrando dos contos de sua babá
sobre bruxas e golems de gengibre.

"Agora sim. Então... eu não tinha nenhum cuidado com os limites que governavam meu
poder. Merzost era uma atração muito grande. Eu pensei pouco sobre se eu deveria
fazer alguma coisa, mas somente se eu pudesse.”

"Esse tipo de poder é imprevisível", disse Nikolai, citando David.

Grigori riu novamente, o som triste e murmurado como uma nova safra de cabeças
agrupadas juntas, suas expressões pesarosas.

“A morte é fácil. Mas e nascimento? Ressurreição? O trabalho de criação pertence ao


Primeiro Criador sozinho. Eu trafeguei no merzost e perdi o controle do meu próprio
formulário. Então eu tornei-me um eremita, pelo menos por um tempo. Eventualmente,
claro, as pessoas me procuraram, ansiosos para aprender meus segredos,
independentemente de quão perturbados eles estavam pela maneira que eu olhava.
Somos sempre atraídos pela atração do poder, não importando o custo. Eles me
chamavam de Marcador Corporal, e eu peguei centenas de estudantes ao longo do
tempo, eu os ensinei como usar seus dons para a cura e para o combate. Eles saíram
para o mundo e todos eles deram o meu nome, ou uma forma disso. ”

"Grisha", disse Nikolai em surpresa. Grigori havia treinado os primeiros curandeiros e


ouvintes, o primeiro Corporalki. "Foi aí que tudo começou?"

"Talvez", disse Grigori. “Ou talvez seja apenas outra história. Foi tudo tão longo, sua
forma inteira parecia afundar, um urso adormecido, um homem cansado, o peso de sua
prisão se instalando sobre ele. Você não vai ver muito de mim em seu tempo aqui. Eu
não gosto de ser olhado, e acho difícil dobrar meu eremita. Mas se houver alguma coisa
que você precisa, por favor, não hesite em vir a minha torre. Sei que não é um lugar
acolhedor, mas garanto-lhe que é bem-vindo.”

"Obrigado", disse Nikolai, embora pudesse admitir que tinha pouco desejo de entrar em
uma torre feita de osso e cartilagem.

REI DE CICATRIZES | 258

“Elizaveta pode ser uma professora dura, mas espero que você não seja influenciado de
seu objetivo. Há muita coisa em jogo no seu sucesso. Para todos nós."

"O que você vai fazer quando estiver livre da dobra?"

"Você está tão certo de que vai suportar o julgamento?"

“Eu gosto de apostar em mim sempre que posso. Mas geralmente com o de dinheiro de
outras pessoas."

A forma abatida de Grigori parecia recuperar parte de sua estrutura, brotando uma
nova coluna curva e uma série de braços cruzados. Ele parecia uma árvore estranha,
inclinando-se em direção ao sol.

“Quando meu poder se for, quando eu me tornar mortal, eu vou assumir uma forma
estável. Ou talvez eu morra. De qualquer maneira, eu serei livre.”

"Então eu farei o meu melhor para todos nós."

Agora Grigori se inclinou para a frente, um coro de cabeças humanas com olhos
escuros, mandíbulas, como focinhos cheios de dentes pontudos de animais. Nikolai teve
que se forçar a não dar a volta.

“Você deve, meu amigo. Tudo está conectado. O mundo está mudando e assim é poder
Grisha. Se a dobra continuar a existir, ela não permanecera á mesma”

Nikolai também sentira isso, essa corrida para a mudança. Fronteiras estavam
mudando; armas estavam evoluindo. Era impossível saber o que viria a seguir. “Yuri
afirma que estamos prestes a entrar em uma Era dos Santos. ”

Grigori suspirou e o som soprou pela câmara. "Você sabe por que o monstro dentro de
você acordou? Por que o poder do Darkling foi capaz de emergir depois de todo esse
tempo? Tudo começou com o parem. Fez coisas possíveis que nunca deveriam . Alterou
os limites do poder Grisha.

" Parem?"

"Se a droga tivesse sido erradicada"


"Nós tentamos."

Os dentes das muitas bocas de Grigori ficaram mais longos. "Você não.

Você tentou alterá-lo, dobrá-lo à sua vontade. Essa é a atração do poder ”.

Nikolai não podia negar isso. Ele sabia que se eles não encontrassem uma maneira de
aproveitar o poder de parem, em algum tempo outro país se aproveitaria, mesmo sem o
conhecimento de Kuwei para guiá-los. Mas então os experimentos de Ravka...

"Eu ajudei a acordar o demônio.”

As cabeças de Grigori assentiram. “Estamos todos conectados, rei Nikolai. Grisha, a


Dobra, o poder dentro de você. A dobra é uma ferida que pode nunca curar. Mas talvez
não fosse por isso. Lembre-se disso quando enfrentar seu julgamento.”

Nikolai sentiu que deveria dizer algo profundo, colocar a mão sobre seu coração, fazer
um voto solene. Ele foi salvo de tais exibições por Yuri, que entrou na câmara do
corredor. Então o monge não tinha estado em silêncio resmungando salmos em seu
quarto.

"Santo Grigori", disse ele com uma profunda reverência, seus óculos brilhando como
moedas.

"Me perdoe. Eu não queria interromper.”

"De jeito nenhum", disse o Marcador de Corpos, mas Nikolai já podia vê-

lo encolhendo-se, as mãos emergindo de seu próprio torso para puxá-lo pelo REI DE
CICATRIZES | 259

corredor, como se estivesse pastoreando para se afastar do interesse de olhos curiosos.


“Boa sorte para você, Rei Nikolai.” ele disse, e foi embora.

"Eu... eu não quis ofender", gaguejou Yuri.

"Temo que ele pense que é o único a ofender."

“Sua forma é desconcertante, sim, mas ele é um santo, um ser divino”.

“Somos treinados para entender o comum, temer a diferença, mesmo que isso seja
diferença divina.” Nikolai bateu palmas. "Agora, estamos prontos para descobrir como
me matar?

“Oh, Sua Alteza, não, não. Certamente não. Mas eu tenho algumas reflexões sobre o
ritual, e Elizaveta - " Ele hesitou sobre o nome dela como se até mesmo o discurso fosse
um ritual sagrado. “Elizaveta deseja começar seu treinamento.”

"Ela mandou uma mensagem para você?"

"Eu devo acompanhá-lo", disse Yuri com orgulho.

"Muito bem", disse Nikolai, endireitando as algemas. "Vamos pegar Zoya."

Yuri limpou a garganta. "Comandante Nazyalensky não foi solicitada."

"Ela raramente é, mas eu gostaria que ela estivesse lá do mesmo jeito."

Yuri franziu a testa, mas Nikolai sabia que ele não iria contradizer seu rei nisso. "Agora
só temos que encontrar ela."

Ele sentiu um puxão na perna da calça e olhou para baixo. O filhote de urso estavam lá.
Yuri soltou um pequeno grito.

"Ele é amigável", disse Nikolai. "Eu espero."

Nikolai e Yuri seguiram o urso pelo corredor, e enquanto se moviam, as paredes


pareciam ondular, como se em resposta à sua passagem. Mais uma vez Nikolai teve o
sensação de algo que era realista, mas sem vida. Não havia nada a fazer senão
continuar. Seu mundo havia deslizado e ele podia se adaptar ou enlouquecer.

Eles viajaram através de passagens sinuosas e em uma ponte longa e estreita que os
levou a outra das enormes torres - o domínio de Juris. A torre foi escavada da pedra
preta irregular e deu a impressão de ruínas antigas do castelo que ele tinha visto na Ilha
Errante. Sua massa estava cheia de cavernas, e seu pico parecia uma garra, abrindo
caminho em direção ao céu.

Ele podia ver que Yuri estava pouco à vontade quando atravessaram a ponte.

"É isso que você não gosta sobre altura ou que você não aprova a comandante
Nazyalensky? ”

"Sua Alteza, eu nunca diria que não aprovo."

“Responda o suficiente. Por que você não gosta dela?” Zoya não aspirava à simpatia.
Isto era uma das suas qualidades mais agradáveis. Ainda assim, ele queria saber.

"Essas coisas que ela disse aos peregrinos ..." Yuri balançou a cabeça.

"Eu não entendo sua raiva. Os crimes do Darkling são muitos, mas ela foi uma das suas
favoritas. ”

Não era algo que Zoya gostasse de discutir. Ela gostava de queimar seu passado como
uma banana de dinamite.

"O que você acha que alimenta a raiva dela?", Disse Nikolai.

"Ódio?"

REI DE CICATRIZES | 260

"De um tipo. Todos os combustíveis queimam de forma diferente.

Alguns mais rápidos, alguns mais quentes. O ódio é um tipo de combustível.

Mas ódio que começou como devoção? Isso se torna outro tipo de chama."

Yuri passou a mão ossuda sobre as roupas ásperas. “Eu li as histórias. Eu sei que ele fez
coisas más, mas...”

"Os livros não contam toda a história."

“Eu sei, claro, sim. Sim. Mas eu acho ... eu acho que não discordo inteiramente seus
motivos.”

"E os métodos dele?"

"Eles eram extremos", admitiu Yuri. “Mas talvez… talvez em alguns casos... necessário?"

"Yuri, se você quiser manter sua cabeça presa ao seu corpo, eu recomendo nunca dizer
isso na audiência da Comandante Nazyalensky. Mas você não está totalmente errado ”.

Yuri piscou. "Eu não estou?"


“O Darkling queria a paz. Um Ravka mais forte. Um refúgio para os Grishas. Essas são
todas as coisas que eu gostaria de ver na minha corte.”

"Sim", disse Yuri. "Exatamente! Ele não era um bom homem, mas ele era um homem de
visão-"

Nikolai levantou a mão. Ele duvidou que a mente de Yuri pudesse ser mudada, mas se
ele adorava o Darkling, ele deveria pelo menos fazê-lo com os olhos abertos - e aqui
haviam limites para quão justo Nikolai poderia ser.

“Há uma diferença entre visão e ilusão. O Darkling alegou servir Ravka, mas isso deixou
de ser verdade quando Ravka falhou em servi-lo. Ele alegou amar o Grisha, mas esse
amor dissolveu quando eles não o escolheram como seu mestre. Ele quebrou suas
próprias regras e ele quase quebrou uma nação no processo. ”

Yuri ficou preocupado com o lábio.

"Vá em frente", disse Nikolai. "Eu posso ver que você tem mais a dizer."

Yuri empurrou seus óculos. “Se seu pai ... Se o antigo rei não tivesse sido tão ...”

"Fraco? Venal? Incompetente?"

"Bem-"

“Não tenho nenhum prazer em admitir os erros do meu pai. Ou do pai dele. Ou o seu pai
antes dele. Houve bons reis de Lantsov e maus. Reis deram a Ravka seus caminhos, mas
matou quase dois mil homens por heresia. Ivan o Dourado construiu escolas e museus,
mas não conseguiu segurar o Sikurzoi contra o Shu. Meu pai ... eu gostaria de ter
orgulho do meu pai. A linha Lantsov é dita ser descendente do pássaro de fogo, mas
somos apenas homens e frequentemente homens muito fracos. Eu não posso mudar o
que meus antepassados fizeram. Eu só posso esperar para reparar alguns dos danos e
nos colocar em um curso diferente. ”

"E o seu filho?"

Nikolai sorriu. "Eu posso ter tido uma juventude selvagem, mas também tive cautela."

Yuri corou. “Eu quis dizer seus futuros filhos e filhas. Você tem tanta certeza que eles
serão adequado para governar?”

Nikolai riu ao passar por baixo de um arco e entrar na torre de Juris.

"Assim você não é apenas herege, mas radical?”

"Claro que não, alteza!"

REI DE CICATRIZES | 261

"Tudo bem, Yuri", disse ele. "Há uma razão pela qual eu fortaleci o local dos
governadores e coloquei mais poder nas mãos de suas assembleias. Ravka não pode
sempre precisar de um monarca. Mas a mudança leva tempo.”

E isso pode não ser possível. Ele quis dizer o que ele disse para Zoya.

Ravkanos foram atraídos por figuras de poder, por força. Eles nunca tinham sido
autorizados a aprender maneiras de governar para si porque as decisões sempre foram
tomadas deles por reis, Darklings, generais, padres. Com o tempo isso pode mudar.

Ou talvez eu morrerei neste ritual e o país será mergulhado no caos.


Ele deixou Ravka imperdoavelmente vulnerável. Havia ministros que poderiam governar
em seu lugar, mas ele não deixou nenhuma ordem de sucessão clara. Ele não tinha
herdeiro. Ele não tinha esposa para dar um passo à frente como símbolo de rali. E quem
iria protegê-la de qualquer maneira, essa garota imaginária com quem ele iria se casar?

A resposta era óbvia: Zoya

Nazyalensky poderia fazer o trabalho, supondo que ela pudesse se livrar desse
purgatório.

Ele faria dela sua primeira ministra e protetora do reino, não apenas a comandante das
forças Grisha. Se Nikolai morresse antes de seu herdeiro chegar à maioridade, ela
estaria lá para vigiar Ravka e a linha de sucessão. As pessoas tinham chegado a confiar
nela, tanto quanto eles poderiam confiar em um Grisha. E apesar do seu coração
vingativo, ele passou a confiar nela. Ela estava amadurecendo em uma líder firme e
confiante.

Ou não, ele pensou enquanto o filhote de urso os levava para o santuário interno de
Juris. Com a presença de dois lutadores travados em combate. Os dentes de Zoya
estavam à mostra e ela empunhavam machados gêmeos do tipo Tamar, embora
parecessem mais velhos e menos refinados. Juris estava se apoiando nela com uma
enorme espada larga.

Yuri puxou nervosamente seu pedaço de barba. "Isso não parece nada seguro."

"Para qualquer um deles", disse Nikolai.

Nuvens de tempestade se juntaram em torno dos lutadores e um trovão sacudiu o chão.

O urso rolou para longe, as patinhas seguraram as orelhas como se estivessem fugindo
do som.

Por um momento, por mais improvável que parecesse, eles pareciam equilibrados. Mas
Nikolai sabia que os talentos de Zoya não estavam neste tipo de guerra, e com certeza,
não quando Juris ficou de pé, Zoya cometeu o erro de tentar se mover com ele.

“Guarde seu flanco!” Nikolai gritou.

Juris virou-se bruscamente e baixou a espada em um arco arrebatador.

Zoya levantou os machados e eles pareceram brilhar com fogo azul.

Como as lâminas atenderam ao impulso da espada de Juris, o raio estalou das lâminas
do machado e o grande guerreiro rugiu, fumaça saindo de sua armadura de escala
negra.

O que Zoya acabara de fazer? E como ela resistiu ao poder do Juris?

"Bom!" Juris disse quando se afastaram. Ele revirou os ombros como se ser sido cozido
vivo fosse uma experiência comum. Talvez por um antigo dragão era.

REI DE CICATRIZES | 262

O cabelo de Zoya estava úmido de suor, a camisa grudada na pele e o sorriso era pura
alegria - um sorriso que ele nunca tinha visto antes.

Nikolai encontrou seu humor azedando.

Ele limpou a garganta. "Se você acabou de tentar dividir minha general em dois, eu
tenho necessidade dela.”
Zoya girou, enxugando o suor da testa com a manga. "O que é isso?"

Seus olhos estavam tão azuis que pareciam brilhar.

“Nós fomos convocados por Elizaveta. Eu quero você lá para aprender sobre o ritual."

O dragão bufou. “O tempo dela é melhor gasto comigo. A ponte de espinho é um


caminho que você anda sozinho, menino rei.”

"Mas é um caminho muito árduo", disse Nikolai. "Quem vai levar meus lanches?"

Juris balançou a cabeça e se virou para Zoya, que já havia pendurado seus machados na
parede. "Você desperdiça seu tempo com ninharias."

"O futuro do meu país não é um pouco".

"Rei e país não são os mesmos."

Zoya desenrolou as mangas, apertando os botões no pulso. "Perto o suficiente."

As asas de Juris se espalharam enquanto seu corpo se expandia para sua forma de
dragão. Nikolai foi forçado a manter um comportamento calmo, apesar do terror primal
a visão criada nele. Era assim que ele parecia quando o monstro se levantou?

Novamente Juris bufou, desta vez do enorme focinho e com força suficiente para enviar
um redemoinho por toda a câmara. “Você vai ver a tempo. Quando ele envelhecer e você
crescer apenas mais poderoso ”.

Zoya levantou o ombro em um encolher de ombros desinteressado. "E

você vai se tornar pó no chão, então você nem estará aqui para se gabar disso.”

O dragão voou em um mau humor. Nikolai deu-lhe um aceno alegre, mas as palavras de
Juris perseguiram os pensamentos de Nikolai enquanto ele recuava pelos corredores
com Zoya e Yuri. Ele estava preocupado que eles poderiam perder o seu caminho, mas a
ondulação das paredes pareciam estar dirigindo-os, e eles logo se encontraram em outra
ponte, um que Nikolai esperava que levaria à torre de Elizaveta.

Nikolai sabia que os Grishas tinham uma vida longa e que quanto maior o poder deles,
mais eles sobreviveriam. Quantos anos Zoya poderia viver para proteger Ravka e a
Linha Lantsov? Ela poderia pastorear Ravka sabiamente, ou ela sucumbiria a loucura da
eternidade do jeito que o Darkling tinha feito?

E as pessoas de Ravka iriam aceitá-la? Ou com o tempo, eles a considerariam


antinatural?

Ele estaria morto antes desses problemas estarem além de seu cuidado ou controle, mas
isso não era um pensamento alegre.

Yuri parou de andar tão abruptamente que Nikolai quase correu para ele. "Oh ..." ele
disse. "Oh"

A torre de Elizaveta apareceu diante deles, seus painéis âmbar brilhando dourados na
luz estranha e plana da dobra. Nikolai podia ver as formas de insetos gigantes
congelados dentro de cada painel, e toda a estrutura parecia cantarolar como uma
grande colmeia.

"Sankta", Yuri sussurrou exultante.

REI DE CICATRIZES | 263


Ele não mostrou tanta veneração pelo dragão, Nikolai observou, mas Juris dera a
impressão de um covil de fera. Este lugar parecia um templo aterrorizante e santo.

"Você estava errado sobre a pira", disse Zoya para Yuri. “Nós realmente sabemos
alguma coisa sobre o que esse ritual requer?

"Só que isso é perigoso", disse Yuri.

"E aqui eu pensei que o rei teria apenas que comer doces e executar um monólogo."

"Eu já preparei algumas seleções", disse Nikolai.

Ao se aproximarem, os painéis da flecha se deslocaram e se organizaram para criar uma


entrada. No interior, o ar cheirava a rosas e mel, e tudo brilhava com a luz amanteigada
da hora dourada antes do pôr do sol. E ainda não havia pôr do sol aqui.

A própria Elizaveta parecia ouro, rodeada de abelhas e libélulas, as rosas de seu vestido
florescendo e morrendo e florescendo novamente.

"Bem-vindo", ela disse calorosamente. Se ela ficou surpresa ou descontente ao ver Zoya,
ela não mostrou nenhum sinal disso. Em vez disso, ela sorriu para todos eles. "Meu rei,
devemos ver se podemos fazer o monstro vir quando ligamos?

Nikolai fez uma reverência e Elizaveta apontou para uma mesa onde havia uma pequena
panela de barro.

“Quando chegar a hora do ritual, vou levantar a madeira de espinho das areias da
Dobra.” Enquanto falava, ela agitou os dedos, e um ramo de ferro espinhoso emergiu do
solo do pote. “Quando estiver madura, seus espinhos serão tão longos como um cutelo.
Você vai ligar para o monstro, e quando sair, você vai dirigir um espinho através de
ambos os seus corações.

"Como é que ele deve sobreviver a isso?", Perguntou Zoya.

A pequena árvore de espinho pareceu inchar, seus picos se alongando.

“Cabe ao rei. Podemos praticar ajudando-o a convocar e controlar o monstro, mas a luta
será só dele. Se sua vontade for forte o suficiente, ele irá sobreviver. Se não, o monstro
irá reivindicá-lo.”

Nikolai descobriu que ele estava esfregando a mão sobre o peito e se forçou a parar.
"Minha vontade?"

“O julgamento é tanto físico quanto mental. Destina-se a separar o homem da besta e


besta do homem. A dor será diferente de tudo que você já conheceu, mas pior será
enfrentar o monstro. ”

“O que exatamente é isso?” Perguntou Nikolai.

Desta vez, o sorriso de Elizaveta foi piedoso, como se ela pudesse sentir o medo que
Nikolai carregava dentro dele, a raiva e confusão que o atormentavam desde que o
demônio se apoderara.

“Um remanescente do poder do Darkling. Uma lasca de sua intenção e ambição


próprias. Além disso, não tenho certeza. O monstro não quer ser expulso. Ele tentará
confundi-lo para impedir que você complete o ritual usando o espinho. Se isso acontecer,
ele o levará completamente. Você acha que pode ganhar? ”ela perguntou gentilmente.

"Nós vencemos o Darkling uma vez antes."

"Alina venceu", corrigiu Zoya.

Uma expressão de desgosto cruzou o rosto de Elizaveta. "A Santa do Sol", ela zombou.
“Como as pessoas estão desesperadas por milagres. Quão baixos eles se rebaixarão.”
REI DE CICATRIZES | 264

Nikolai viu os olhos de Zoya se estreitarem e colocou a mão no braço dela. Eles não
estavam aqui para defender o legado de Alina.

"Mas não é o Darkling que você vai enfrentar", continuou Elizaveta. A árvore de espinho
foi para cima. A panela quebrou quando as raízes da árvore romperam a argila. "Não
exatamente. Esta é uma criatura animada pelo Darkling, assim como animava seus
soldados-sombra, o nichevo'ya. Mas tem vivido dentro de você por mais de três anos. Ele
compartilhou seus pensamentos e desejos, e vai usa-los contra você. Ele estará lutando
por sua vida tão certo quanto você está lutando pela sua.”

Nikolai supôs que ele deveria ser intimidado. Um homem sábio provavelmente pensaria
duas vezes em ser empalado por um espinho gigante, mas ele não sentiu nada além de
antecipação. A ideia de que isso era uma coisa que ele poderia enfrentar e conquistar,
ou mesmo ser destruído por, era muito mais fácil de aceitar do que a noção de um
pesadelo que ele teria que ter para sempre.

Havia partes de si mesmo que ele desprezava - a infinita ambição, e Alina notou com
tanta exatidão - e se Elizaveta estivesse certa, o monstro traria essas armas e pior ainda
na luta contra ele.

Então deixe isso. Ele sabia que seu desejo pela vida seria maior no final.

"Quando chegar a hora", jurou Nikolai, "estarei pronto".

De repente, a árvore pulou da mesa, seu talo espesso e pulsante, seus espinhos como
adagas de ferro. Ele atirou Nikolai no chão e o rei parou de respirar ao vera ponta letal
de um longo espinho posicionado diretamente acima de seu coração.

"Espero que sim", disse Elizaveta. "Nós esperamos uma eternidade para você, Nikolai
Lantsov. Seria uma pena se você falhasse conosco agora.”

Nikolai trocou um olhar com Zoya. Yuri estava olhando para Elizaveta com adoração
nua. Útil como sempre.

"Tenho quase certeza de que você está tentando me assustar", disse Nikolai, estendendo
a mão para tocar a ponta do espinho. "Não sei porquê, mas posso sugerir uma aranha
vestindo um terno?"

“Por que um terno?” - perguntou Zoya franzindo a testa. "Por que não apenas uma
aranha?"

“Onde ele conseguiu o terno? Como ele prendeu os botões? Por que ele se sente a
necessidade de se vestir para a ocasião?

Elizaveta estava estudando eles. Ela sacudiu os dedos e a árvore de espinho recuou. "Eu
tinha a intenção de torturar o monge para forçar sua escuridão à tona" ela disse
contemplativamente. "Mas é melhor ir direto ao assunto."

Ela ergueu a mão e o chão se ergueu em torno de Zoya, envolvendo-a em brilhante


painéis de âmbar.

Zoya gritou, o rosto assustado antes que seus instintos se apoderassem.

Ela jogou as mãos para fora, batendo as paredes luminosas com a força do poder dela.
Uma substância dourada começou a subir de seus pés, enchendo a câmara.

Nikolai pegou Zoya, mas a madeira espinhosa cresceu entre eles em um selvagem,
emaranhado impenetrável. Havia espinhos ao redor dele, uma parede de cinza mortal de
espigões.
"Pare com isso, Elizaveta", ele gritou, embora ele não pudesse mais ver a Santa.

REI DE CICATRIZES | 265

Ele ouviu Zoya gritar.

"Eu sei que você não vai matá-la", disse ele, embora não soubesse disso.

"Juris precisa dela."

Elizaveta apareceu do bosque cercada por uma flor de rosas. "Você acha que me
importo com o que o Juris precisa? É a liberdade que eu preciso. E se perder dela vai
fazer você agir, isso parece um preço pequeno. ”

Nikolai se lançou para ela, mas Elizaveta desapareceu na madeira de espinho. Ele pulou
sobre os arbustos, ignorando a dor quando os espinhos apontaram para ele através de
sua roupas. Eles eram perversamente afiados, afundando em sua carne como dentes.

"Você terá que voar, meu rei", disse a voz de Elizaveta. "Ou você nunca será livre, e nem
nós vamos”.

Os gritos de Zoya aumentaram.

De algum lugar no mato, Yuri gritou: “Oh não! Por favor, você não deve.

Eu imploro-lhe.”

Nikolai forçou seus olhos fechados. Vamos, seu bastardo, ele implorou ao monstro.

Você quer espalhar suas asas? Esta é sua chance. Eu vou deixar você morder aquela
Santa como um agradecimento.

Mas se o monstro estivesse ouvindo, deveria estar rindo também.

Qualquer coisa escura residia dentro dele não tinha interesse em jogar este jogo.

A Santa não vai machucá-la, disse Nikolai a si mesmo. É uma manobra.

E então os gritos de Zoya pararam.

Yuri estava soluçando.

"Zoya?" Nikolai gritou. "Zoya!"

Ele se lançou contra o bosque farpado. "Zoya!" Ele gritou, mas surgiu como um
grunhido.

Desta vez, ele sentiu a criatura dentro dele arrastar o seu caminho para a superfície
como se as suas garras raspavam contra sua cavidade torácica.

Não. Ele não queria isso, não queria dar o controle ao monstro.

Mas outra voz dentro dele sibilou, sim.

Lembre-se, ele disse a si mesmo, lembre-se de quem você é.

Ele sentiu suas garras emergirem, sentiu seus dentes crescerem.

Eu sou Nikolai Lantsov, corsário e rei.

Ele gritou quando as asas explodiram em suas costas e ele se levantou sobre o espinho
de madeira, na caverna alta da torre. Recorde-se quem você é.
Elizaveta olhou para ele, o rosto triunfante. Yuri chorou. Ao lado deles Zoya flutuava em
um sarcófago de ouro, como um anjo preso em âmbar, os olhos fechados.

Ele não reconheceu o som que saiu de sua garganta enquanto arremessava seu corpo na
prisão de Zoya. Ele bateu com um baque surdo, mas não se mexeu.

Ele se virou para Elizaveta, rosnando. Eu sou o monstro e o monstro sou eu.

Ele podia sentir o demônio lutando pelo controle, mesmo quando isso lhe dava força.
Mas Elizaveta apenas sorriu, gentil, beneficente. Com um aceno de mão, o âmbar das
paredes que continham Zoya desmoronaram e a madeira de espinho murchava no chão.

REI DE CICATRIZES | 266

Ele agarrou o corpo inerte de Zoya antes que ele caísse. Ela estava coberta de seiva de
ouro. Elizaveta fechou o punho e Zoya começou a tossir.

Ela abriu os olhos, os cílios grossos com resina, piscou em confusão, então seu rosto
inundou com terror e ela começou a se debater em seus braços.

Ele queria acalmá-la. Ele queria... O cheiro do medo dela misturado com a seiva. Isso o
fez se sentir bêbado. Isso o fez sentir fome.

Tudo o que ele queria era cavar suas garras em sua carne. Tudo o que ele queria era
consumir ela.

Lembre-se, ele exigiu. Recorde-se quem você é.

Nikolai Lantsov. Regente de Ravka. Corsário. Soldado. Segundo filho de um desgraçado


rei.

Um rugido de puro apetite roncou através dele enquanto Zoya tentava se afastar, seus
movimentos atrofiados pelo peso da seiva.

Lembre-se de quem ela é. Zoya sentada ao lado dele escrevendo correspondência. Zoya
encarando uma nova safra de estudantes. Zoya segurando-o nos limites de um treinador
enquanto ele tremia e tremia e esperava que o monstro o deixasse.

Ele se agarrou firmemente à lembrança daquela sensação, daquele terrível tremor.

Vá, ele exigiu. Vai.

De má vontade, hesitante, o monstro afundou de volta em qualquer lugar escuro que


residia, deixando o gosto acre de algo queimando na boca de Nikolai.

Ele desabou, tremendo, de joelhos.

Ele não suportava olhar o rosto de Zoya e ver o desgosto ali. Não haverih como voltar
disso. Ele sentiu as mãos dela em seus ombros e forçou-se para encontrar seu olhar.

Ela estava radiante.

"Você fez isso", disse ela. "Você ligou para ele e depois mandou-o embora."

"Você quase foi morta", disse ele, incrédulo.

Ela sorriu largamente. "Mas eu não fui."

Elizaveta bateu na mesa. "Então eu estou perdoado, Aero?"

"Isso depende de como é difícil tirar essa coisa do meu cabelo."


Elizaveta levantou as mãos e a seiva deslizou de Zoya em regatos dourados, retornando
ao chão, onde se solidificou.

Yuri enxugou as lágrimas do rosto. “Will… a Comandante Nazyalensky tem que suportar
essa provação toda vez? ”

"Eu vou fazer isso se for preciso."

Elizaveta encolheu os ombros. "Esperemos que não."

Zoya ofereceu-lhe a mão. "Você abriu a porta."

Nikolai deixou que ela o ajudasse a ficar de pé, obrigando-se a celebrar com os outros.

Mas ele sentiu a vontade do monstro, e ele se perguntou, quando chegasse a hora, se
ele seria capaz de igualar sua ferocidade.

Ele abriu a porta.

Ele duvidou que seria tão fácil de fechar da próxima vez.

REI DE CICATRIZES | 267

Ele fez isso por três dias de festas, jantares e reuniões, e ninguém tentou assassiná-lo
novamente. Foi um pouco como estar na frente. Você sobreviveu por uma hora e depois
por outra hora. Você esperava passar pelo dia. De noite, Isaak caiu na cama e ficou
olhando para o teto, com o coração acelerado, pensando nas muitas coisas que fizera de
errado e nas muitas outras coisas que estava fadado a fazer de errado amanhã.

Hoje, eles iriam aproveitar a manhã de barco no lago ao lado do Pequeno Palácio e
depois iriam fazer piquenique em suas margens.

"Nós organizamos para você passar um tempo com a princesa Shu antes do almoço",
Tamar disse a ele.

"E eu... faço o que com ela?"


"Seja charmoso. Pergunte a ela sobre seus guardas e há quanto tempo ela os conhece.
Consiga-nos qualquer informação que puder.”

"Você e Tolya não podem se relacionar com o Tavgharad sobre suas infâncias Shu ou
algo assim?"

Os gêmeos trocaram um olhar. "Somos piores do que os Ravkanos para eles", disse
Tamar. "Nós tínhamos um pai Shu, mas usamos as tatuagens do Santo Sol e servimos a
um rei estrangeiro".

"Por que você escolheu servir para Ravka?"

"Nós não escolhemos", disse Tamar.

Tolya colocou a mão no coração. “Nós escolhemos Alina. Nós escolhemos Nikolai. Tudo
isso” ele apontou para o terreno do palácio “não significa nada.”

Isaak não sabia o que dizer sobre isso. Ele se considerava um patriota, mas podia
admitir que, ao contrário do rei, Ravka nunca fora particularmente gentil com ele.

“Converse com a princesa Ehri”, disse Tamar. "Faça ela falar."

"Hipoteticamente, se eu não tivesse um carisma natural e fosse um presente para uma


conversa espirituosa, como eu faria isso?"

Tamar revirou os olhos, mas Tolya disse: “Cumprimente-a. Expresse sua admiração pela
cultura Shu. Você pode considerar recitar...”

"Oh, pelo amor de Deus, Tolya, essa é a última coisa que ele deve fazer."

Tamar se ajoelhou na frente de Isaak. “Apenas escute ela. Faça perguntas. As mulheres
não querem ser seduzidas. Eles querem ser vistas e ouvidas. Você não pode fazer
nenhuma dessas coisas se estiver pensando em estratégias para conquistá-la ou recitar
a Quarta Epopeia de Kregi.”

"Não há Quarta Epopeia de Kregi", rosnou Tolya. "O terceiro foi inacabado pelo poeta
Elaan."

"Então é definitivamente o que ele deveria recitar."

REI DE CICATRIZES | 268

Por que o pensamento de uma conversa simples fez o coração de Isaak chacoalhar?
Possivelmente porque ele nunca foi bom em conversar com garotas - além de suas
irmãs. Mas discutir com Belka e Petya sobre o preço da fita estava longe de fazer
conversa fiada com a realeza. E ele deveria, de alguma forma, roubar informações de
uma princesa? Tentou se lembrar de que agora era bonito - um fato que o surpreendeu
toda vez que se via no espelho. Ele não tinha sido feio antes, apenas não notável - cabelo
castanho arrumado que se enrolava se ele o deixasse longo por muito tempo, feições
regulares o suficiente, dentes inferiores ligeiramente tortos. Sua mãe lhe disse que ele
era bonito, mas ela também disse a sua irmã que ela tinha uma linda voz, e esse
definitivamente não era o caso.

Agora Isaak tentava olhar à vontade enquanto se reclinava em um divã almofadado na


barcaça real, tentando sua melhor aproximação do desleixo descontraído de Nikolai. Ele
passou muitos anos em posição de sentido. Diante dele, corcundas e barcaças
elegantemente decoradas pontilhavam o lago como nenúfares, estandartes estalando,
toldos listrados em azul rubro e dourado.

O lago estava muito frio para nadar, mas os Hidros haviam aquecido sua superfície de
modo que a névoa subia da água em nuvens densas, que Squallers manipulavam em
símbolos de vários países e famílias de pé. Isaak havia se permitido alguns goles de um
minúsculo copo de vinho de damasco em forma de sino para tentar acalmar seus nervos,
mas ainda permanecia alerta, ouvindo a conversa enquanto um dos embaixadores de
Fjerda perguntava se eles poderiam fazer um tour pela escola Grisha.

"Claro que você pode", disse Genya. "Seria nosso grande prazer."

Isaak não achava que imaginava a corrente de excitação que passava entre o
embaixador e outro membro de sua delegação.

Genya alisou as saias e acrescentou: “Mas temo que você considere chato. Os
estudantes estão atualmente viajando com seus professores como parte de suas
instruções”.

"Todos eles?"

"Sim", disse Genya. “Achamos que o trabalho no campo é tão benéfico para a educação
de uma criança. E devo dizer que não sinto muito pela paz e tranquilidade. Jovens
Grisha podem ser bastante animados, como você pode imaginar. Nós não queremos que
eles fiquem no caminho com os novos amigos importantes que estão visitando.”

Isaak nunca conhecera os alunos Grisha. Eles foram mantidos ocupados, e a escola
estava isolada o suficiente do resto do palácio que eles teriam dificuldade em chegar a
qualquer lugar sem aviso prévio. Não, eles foram movidos por sua segurança. E os
fjerdanos sabiam disso.

"Você evacuou todos eles?", O embaixador perguntou friamente.

"Evacuar? " Disse Genya com uma risada divertida. "Isso implicaria que haveria algum
tipo de ameaça." Ela tocou o embaixador no joelho de brincadeira. "Uma ameaça! Para
um grupo de crianças que poderiam atear fogo a essa barca e parar o coração de todos
com a mão.” Ela enxugou os olhos.

"Isso é tão engraçado."

Isaak virou-se para Genya enquanto os fjerdans caminhavam até o parapeito da chalupa
para apreciar a vista e, possivelmente, agitar-se. "Você enviou os estudantes para
protegê-los?"

"Claro", disse Genya, toda alegria desapareceu. “Você acha que manteríamos um dos
maiores recursos de Ravka aqui quando uma bomba ou REI DE CICATRIZES | 269

gás venenoso pudesse eliminar toda uma nova geração de Grisha em instantes?

Mas um Fjerdan temeroso é menos propenso a agir, e eu apenas aprecio a ideia deles
terem sonhos ruins sobre um grupo de crianças em idade escolar”.

Isaak deu uma leve sacudida de cabeça. “Ouvir falar é como observar um marinheiro
que conhece a forma secreta de uma baía, todos os lugares onde as tempestades
atingem e os pontos rochosos onde os navios encalham. Você navega por essas águas
com tanta segurança.”

Genya ficou quieta por um longo tempo. "Eu fui jogada na água cedo", disse ela. “O
Darkling me deu a rainha de Ravka como um presente quando eu era apenas uma
garotinha, uma coisa bonita que poderia ser útil para ela.”

"Então você conheceu o rei quando menino?"

“Eu vi ele e seu irmão de passagem. Eu era uma serva querida, mas uma serva mesmo
assim. Eles eram muito altos.” Ela brincou com um dos seus brincos de topázio. “Os
empregados domésticos costumavam chamá-los de duas dores de cabeça. Como eu
invejava eles, o jeito que eles eram livres para correr e brincar e criar problemas.”

"Mas para ser um favorito da rainha", disse Isaak. "Isso deve ter sido uma grande
honra?"

Genya colocou uma fatia de ameixa em sua boca. “Por um tempo, eu fui a boneca da
rainha. Ela me vestia com roupas adoráveis e penteava meu cabelo e me deixava dormir
ao pé da cama e se sentar ao lado dela nas refeições. Eu assisti os tubarões e aprendi.
Quando fiquei mais velha e tive a infelicidade de pegar o olho do velho rei...” Genya
passou os dedos devagar em um guardanapo de linho, os restos da ameixa manchando o
tecido. “Eu me convenci de que o sofrimento que sofri foi uma honra porque eu era o
soldado do Darkling e sua espiã. Ele confiava em mim acima de todos os outros, e um
dia todos saberiam o bem que eu fizera a ele. Ele não poderia ter conseguido seu golpe
tão facilmente sem a informação que eu lhe dei.”

Isaak olhou para ela. "Você está confessando a traição", ele sussurrou.

"Doce Isaak", disse ela com um sorriso. “Nikolai Lantsov me perdoou há muito tempo e,
naquele momento, conquistou minha lealdade para sempre. O

Darkling me jogou na água, depois me viu se afogar para servir a seus propósitos.”

“Então ele era tão cruel quanto as histórias dizem?”

"Cruel? Ah sim. Mas ele não me deixou às predações do rei para me punir. Ele apenas
nunca considerou minha miséria. O que era a angústia de uma garota se isso poderia
ajudá-lo a ganhar um império? Ele estava jogando um jogo longo e complicado. Foi só
quando me atrevi a pensar por mim mesma, quando interferi em seu grande plano, que
ele colocou seus monstros em mim e...”

Um alto splash soou de algum lugar no lago. Eles ficaram a tempo de ver uma onda de
seda amarela afundando sob a superfície perto de uma barca lotada de membros da
delegação de Kerch. Uma das filhas do comerciante havia caído na água e estava
afundando rapidamente.

"Entre" sussurrou Genya furiosamente. "Vá salvá-la."

"Há Grishas..."

"Nikolai não esperaria pelo Grisha."

Ela estava certa, mas... "Eu não sei nadar."

"Por favor, me diga que você quer dizer isso metaforicamente."

"Receio que não", disse ele, em pânico subindo.

REI DE CICATRIZES | 270

"Por que você não me contou?"

"Nunca surgiu!"

"Apenas pule", disse Genya. “E não se atreva a se debater. Afunde o mais rápido que
puder e faremos o resto.”

Isaak não podia acreditar que ela estava falando sério, mas uma olhada em sua
expressão deixou claro que não era brincadeira. Bem, ele pensou enquanto saltava para
o corrimão e se lançava na água com o que ele esperava que fosse um pouco de graça,
pelo menos se eu me afogar, eu não terei que sentar durante o jantar.
A água estava muito fria e, quando ele afundou, tudo no corpo de Isaak exigia que ele se
movesse, lutasse, fizesse alguma coisa para voltar ao calor e ao ar. Não bata. Ele
permaneceu imóvel, a dor crescendo em seus pulmões quando o pânico começou a se
instalar. Ele olhou para cima, para a luz fraca da luz na superfície. Parecia
impossivelmente distante, o lago escuro e silencioso ao seu redor, um céu infinito e sem
estrelas. Um lugar podre para morrer . É

isso? ele se perguntou. Eu realmente vou me afogar para preservar a reputação do rei
como um herói?

Então Nadia segurou o braço dele. Ela estava cercada por uma bolha de ar que ela havia
criado e que dois Hidros ao lado dela estavam se lançando para frente. Ela o puxou para
o círculo de ar e ele respirou fundo, ofegante.

"Vamos", disse ela. Ele sentiu a correnteza ao seu redor se movendo, arrastando-os
como um rio correndo rápido.

Um feixe de seda amarela surgiu na água à sua frente. A garota, Birgitta Schenck, não
estava se movendo. Seus olhos estavam fechados e seu cabelo estava espalhado ao
redor do rosto como uma coroa. Oh Santos, ela estava morta?

“Agarre-a” disse Nadia, e assim que a mão dele se fechou sobre o pulso dela, eles
estavam entrando na água novamente.

Eles surgiram no lado oposto da pequena ilha no centro do lago, longe das embarcações
de prazer. Tolya e Tamar estavam esperando. Elas puxaram Birgitta para os degraus de
um dos pavilhões de prática e começaram o trabalho de tentar reanimá-la.

"Por favor, me diga que ela está viva", disse Isaak.

"Há um pulso", respondeu Tolya. "Mas há água em seus pulmões."

Um momento depois, Birgitta tossiu, espelindo água do lago de seus lábios.

"Dispersar", ordenou Tolya.

"Seja encantador", disse Tamar, desaparecendo com os outros na névoa.

"Você é um herói."

Isaak se inclinou sobre a garota, tentando lembrar que seria o rosto do rei que ela veria.
“Senhorita Schenck?” Ele disse. “Birgitta? Você está bem?”

Seus longos cílios tremularam. Ela olhou para ele com olhos verdes atordoados e
começou a chorar.

Bem. Talvez ser bonito não fosse uma cura para tudo.

"Você quase se afogou", disse ele. “Você tem razão para estar emocionada. Venha,
devemos aquecê-la.”

Isaak também se sentia congelado e exausto, mas se forçou a fazer o que achava que
ficaria melhor. Ele deslizou o braço por baixo das pernas da garota e a ergueu em seus
braços. Todos os Santos, ela era pesada. Era muita seda realmente necessária?

REI DE CICATRIZES | 271

Ela encostou a cabeça no peito dele, e Isaak atravessou a ilha, os dentes batendo, as
botas rangendo, até que emergiram das árvores na margem oposta da ilha.

Todos olhavam para a água como se fossem resgatadores ao redor do barco Kerch e os
Grisha Hidros puxaram o lago em feixes de água que pairavam acima da superfície.

Alguém viu Isaak e Birgitta e gritou: "Lá estão eles!"

"Ela está certa como chuva!" Isaak chamou. “Mas duas vezes mais úmido. Poderíamos
usar roupas secas e chá quente.”

A multidão explodiu em aplausos. Isaak largou Birgitta antes que seus braços cedessem,
depositando-a na areia como uma pilha de roupa suja. Ele se curvou e conseguiu
impedir que seus dentes batessem o suficiente para beijar sua mão.

Ele tinha se graduado de pequenas violações de etiqueta para quase conseguir que ele e
outra pessoa se afogassem. Talvez amanhã ele consiga incendiar o palácio.

Birgitta Schenck e Isaak foram empurrados para a barcaça real, envoltos em cobertores
e dosados com conhaque quente enquanto os empregados esfregavam as mãos. Mas não
foi até ele voltar aos aposentos de Nikolai e mergulhar em uma banheira fumegante na
enorme banheira do rei, que Isaak finalmente começou a se sentir quente novamente.

Genya e os outros haviam permanecido em conversas intensas na sala de estar,


enquanto Isaak fora deixado de molho em paz. Ele ia perder essa banheira quando o rei
retornasse. O resto ele poderia fazer sem. Ele ficou no banho até que a água ficou fria e
ele começou a ficar enrrugado. Ele particularmente não queria enfrentar as pessoas que
esperavam na porta ao lado, mas ele se forçou a sair da banheira e se secou com um dos
longos lençóis de banho de linho.

Nikolai não usava criado particular, o que havia sido um alívio para Isaak; ele não tinha
ninguém ajudá-lo a se vestir desde que ele era criança.

Vestiu as calças e botas macias do rei, a camisa e os suspensórios, o casaco justo


bordado com a águia de Lantsov. Ele podia admitir que as roupas não eram uma parte
ruim do negócio também. Elas haviam sido construídas meticulosamente e eram tão
confortáveis quanto elegantes. Quando Isaak ajustou seu casaco, seus dedos tocaram
em algo no bolso direito. Ele estava sempre encontrando coisas escondidas nos bolsos
das roupas do rei - uma nota que o rei havia rabiscado para si mesmo ou um esboço do
que poderia ser uma nova invenção, uma pequena conta de prata. Desta vez ele puxou
um pequeno fio de seu casaco. Tinha sido moldado na forma de um veleiro. Ele colocou
na vaidade do rei.

"Achamos que isso pode realmente ser bom", disse Tamar quando Isaak entrou na sala
de estar.

Ele se juntou a elas pelo fogo, feliz pelo calor. "Então eu deveria tentar me afogar mais
vezes?"

"Não foi o ideal", disse Genya, servindo-lhe uma xícara de chá. “Você perdeu sua chance
de conversar com a princesa Ehri. Mas nós fizemos o melhor possível e o rei parecia um
herói.”

"O transporte foi um toque agradável", disse Tamar.

REI DE CICATRIZES | 272

“Muito heróico”, disse Tolya, “como um príncipe fora dos poemas épicos. E assim Ivan, o
Cabelo Dourado, levou-a através do...”

"Continue recitando poesia e eu pessoalmente vou te afogar no lago", disse Tamar.


Tolya fez uma careta e murmurou "É um clássico" em seu chá.

Isaak não concordou, mas ele duvidou que esta era a hora de debater a poesia.

Genya cutucou David, e ele olhou para cima do tratado que estava lendo.

“Nós traçamos o dispositivo de gatilho usado para perfurar a porta do rei com gás
arsino. É mais provável que seja Fjerdan.”

"Eles serão presos?", Perguntou Isaak.

Tamar parecia quase confuso. "Claro que não. Não é algo que possamos realmente
provar e, de certa forma, isso é uma boa notícia.”

"Claro", disse Isaak. Ele coçou a orelha. "Exatamente como são boas notícias?"

“Nós já suspeitamos que os Fjerdans não vieram jogar. Se fosse o Kerch ou o Shu,
teríamos motivos reais para nos preocupar. Isso significa que os Shu ainda estão abertos
para uma aliança. Estávamos curiosos para ver quem poderia tentar a vida do rei.”

"Sem arriscar o rei?" Isaak perguntou, surpreso com a borda amarga em sua voz.

Tolya descansou uma mão gigante no ombro dele. "Nós nunca deixaríamos o mal chegar
a você, Isaak."

"Eu sei", disse Isaak. Mas ele fez? E ele poderia realmente reclamar? Era muito do
soldado ser dispensável. O trabalho de um guarda para se colocar entre o governante e
o mal. Não era exatamente isso que ele estava fazendo agora?

Tamar recostou-se na cadeira e cruzou as pernas compridas. "Eu procurei nas câmaras
dos guardas de Shu."

"Eles são nossos convidados", protestou Tolya.

"Eles são nossos inimigos", disse Tamar.

"E potenciais aliados", disse Genya. "Isso não faria eles loucos."

“Nós fomos cautelosos. Mas havia pouco a aprender. Os poucos jornais que encontrei
eram mantidos em código, e duvido que qualquer membro do Tavgharad fosse tolo o
suficiente para colocar detalhes condenatórios no papel.”

"E o Kerch fez uma tentativa em nossos laboratórios", disse Tolya.

David olhou para cima de sua leitura, assustado. "Eles entraram?"

“Nós deixamos eles irem até os workshops dos Fabricadores.”

"Oh", disse David, perdendo o interesse.

"Não estamos preocupados com isso?", Perguntou Isaak.

“O trabalho real acontece em outro lugar”, disse Tamar. “Nós até plantamos algumas
plantas falsas para eles encontrarem. Tudo isso deve ajudar a preparar o terreno para
nossa performance no Pântano Dourado ”.

"Estamos indo para o pântano dourado?", Perguntou Isaak, incapaz de esconder sua
excitação.

"Infelizmente", disse Tolya.

Genya enfiou os pés com chinelos embaixo dela. "Vamos usar o lago do conde Kirigin
para mostrar ao Kerch nosso protótipo dos izmars'ya." Um olhar passou entre os outros
que Isaak não entendeu, mas isso não era novidade. Ele REI DE CICATRIZES | 273

assumiu que alguém diria a ele exatamente o que era um izmars’ya, então ele poderia
concordar sabiamente sobre o assunto quando chegasse a hora.

“Você estará trabalhando”, acrescentou Tamar. "Não estará experimentando os


entretenimentos do Kirigin."

"Claro", disse Isaak. Mas ele podia pelo menos ter um vislumbre do que todo esse
estardalhaço era.

Genya empurrou um maço de papéis para ele. “Aqui estão as notas para o jantar hoje à
noite. Não se espera que você faça um discurso, mas esse será um assunto mais formal,
então você precisará fazer o melhor para parecer tranquilo. Amanhã é a caçada.”

"Eu posso caçar pelo menos", disse Isaak com alívio.

“Não como um cavalheiro caça. Mas Nikolai nunca foi muito para o esporte de qualquer
maneira. Ele gosta muito de raposas. A caçada é apenas uma desculpa para andar e
conhecer os esperançosos. Lembre-se de espalhar sua conversa uniformemente entre
eles. Vamos ver os detalhes hoje à noite depois do jantar.”

Eles saíram e Isaak deixou a cabeça cair para trás, olhando para o teto dourado. Ele se
sentia cansado e inquieto. Ele olhou para as anotações sobre os talheres e como comer
ostras e as jogou de lado. Ele precisava limpar a cabeça.

Assim que ele abriu a porta, Tolya estava lá. "Tem algo errado?"

"Eu só quero dar um passeio."

Tolya recuou alguns passos enquanto Isaak caminhava pelo corredor, mas ainda era
inquietante saber que ele estava sendo vigiado. Havia rumores de que Nikolai havia
fugido da universidade para perseguir uma vida de aventura em alto mar como o
corsário Sturmhond. Uma história ridícula, mas Isaak podia entender o impulso. Quem
não escolheria esse tipo de liberdade sobre esse desempenho constante? Passou pela
galeria de retratos, ignorando as pinturas de inúmeros reis e rainhas de Lantsov, e
entrou no conservatório.

Era o lugar favorito de Isaak no Grande Palácio. A sala de teto alto percorria metade do
comprimento da ala sul. A luz do sol passava por paredes feitas inteiramente de painéis
de vidro, e canos de vapor aqueciam o piso de ladrilhos vermelhos. Os caminhos
tortuosos do jardim de inverno estavam cobertos de árvores frutíferas em vasos e
palmeiras altas, arbustos floridos que transbordavam as passarelas e cercas vivas
aparadas em arcos e treliças escalonadas. Um riacho artificial fluía pelo centro da sala,
estreitando-se e alargando-se para formar lagos com lírios e piscinas refletoras.

Uma garota estava sentada em uma das lagoas - não, não uma garota, uma princesa.
Ehri Kir-Taban. Filha do Céu. Os Shu geralmente carregavam os nomes de um ou ambos
os pais, mas a família real levava o nome da primeira rainha Shu e fundadora da dinastia
Taban. Havia guardas de Ravkan e Shu Tavgharad estacionados no perímetro da sala.
Ele deveria ter notado eles mais cedo, mas ele estava muito preocupado. Distração era
algo que nem um guarda nem um rei podiam pagar.

Então essa foi a sua chance. Ele poderia compensar sua falta de reunião com a princesa
e tentar reunir as informações necessárias para Genya e os outros. Seja charmoso.
Certo. Encantador.

Mas antes que ele pudesse decidir sobre uma boa linha de abertura, a princesa levantou
a cabeça.

Ela se levantou apressadamente e fez uma reverência. "Sua Alteza."

"Eu não queria me intrometer em sua paz", disse ele em Shu.


REI DE CICATRIZES | 274

“Eu sou uma convidada aqui. Não pode haver intrusão.” Ela olhou para os guardas.
"Você gostaria... você se importaria de sentar e conversar um pouco?"

Lá. Eu nem precisei perguntar. E ainda assim ele queria virar e correr de volta pela
porta. Mas dizer não agora seria visto como um desprezo. Além disso, Tolya poderia
muito bem bloquear a porta e se recusar a deixá-lo passar.

Isaak sentou-se ao lado dela na rocha larga ao lado da lagoa. O ar cheirava a doce flor
de laranjeira, e o baixo borrifar de peixe brincando na água era reconfortante. Poderia
ter sido um lugar agradável para descansar, se não fosse pelos guardas encarando as
portas. Isaak jurou que quando ele estivesse com o rosto para trás e voltasse ao
trabalho, ele tentaria parecer um pouco mais amigável.

"Obrigado por se juntar a mim", disse Ehri.

"O prazer é meu."

"Dificilmente isso", ela murmurou com um pequeno sorriso. "Sem dúvida você veio aqui
para ficar sozinho ,tão sozinha quanto sempre pode ser, assim como eu fiz."

"Mas se você deseja ficar sozinha, por que me convidar para acompanhá-

la?"

"Eu devo ser vista fazendo um esforço ou os guardas vão reportar de volta para minha
irmã, e então eu nunca vou ouvir o final disso."

"Sua irmã?"

"Makhi Kir-Taban, Nascida do Céu, nossa princesa mais celestial que herdará a coroa e
governará com sabedoria e justiça por muitos anos."

"E o que você vai fazer?", Perguntou Isaak. Uma mulher quer ser ouvida.

"Casar com você, é claro."

"É claro", disse Isaak, desejando não se contorcer. "Mas se você não fosse se casar
comigo?"

Com isso, ela parecia quase em pânico, como se a pergunta não fosse a que havia sido
escrita para ela, e ela não tinha certeza de quão honesta deveria ser. Isaak poderia
simpatizar. "Por favor", disse ele gentilmente, tanto para deixá-la à vontade quanto
porque ele achava que estava genuinamente curioso.

"Eu gostaria de saber."

Ela passou o polegar sobre a seda do vestido. "Eu suponho que, se eu não tivesse
nascido Taban, eu gostaria de ser um soldado... talvez até um membro do Tavgharad."

"Sério?" Ele não pôde deixar de rir. Era muito absurdo contemplar um guarda fingindo
ser um príncipe falando com uma princesa que queria ser uma guarda real.

Ela franziu a testa ligeiramente. "Não é gentil rir."

Instantaneamente, Isaak ficou sério. "Eu não quis insultar você. Eu fiquei surpreso.
Servir na guarda real é um chamado muito nobre. E permitiria alguma medida de
liberdade, embora até os guardas tenham deveres”.

"Sim, mas eles não são forçados a posar e se enfeitar apenas para serem vendidos como
bens móveis." Ela empalideceu, percebendo o que ela disse.

"Perdoe-me, eu não quis dizer... Seria minha maior honra."

"Não se desculpe. Por favor. Eu pedi sua honestidade. Não espero que todas as mulheres
que eu conheço estejam ansiosas para se casar comigo.”

Um vinco apareceu entre as sobrancelhas dela. "Você não faz?"

REI DE CICATRIZES | 275

Droga. Outro passo em falso. Isaak piscou. “Não a princípio.” Essa foi uma resposta
muito mais Nikolai, embora a princesa parecesse um pouco desapontada.

"Você pode fazer isso para mim", disse Ehri. “Eu fui honesta com você; agora talvez você
compartilhe um segredo comigo. É apenas justo.”

Eu não sou o rei de Ravka, apenas um humilde grunhido tentando não transpirar em
suas roupas extravagantes. Não, essa definitivamente não foi a resposta correta. Isaak
supôs que deveria dizer algo paquerador, mas não tinha certeza de quais segredos
pertenciam a ele e que pertenciam ao rei .

"Muito bem. Meu segredo é que queria ficar sozinho, mas ainda estou gostando da sua
companhia. Tem sido uma manhã difícil.”

"Tem?"

"Uma menina quase se afogou."

Ehri soltou um bufo sem graça. "É culpa dela se jogar no lago."

"Perdão?"

"Eu apostaria o meu melhor machado que não havia nada acidental sobre o seu
mergulho na água."

"Seu melhor machado?"

Ehri colocou uma mecha de cabelo escuro atrás da orelha. "Eu sou uma ávida
colecionadora."

Uma princesa que queria ser guarda do palácio e gostava de armas. Ela era pelo menos
interessante.

"Como você pode ter tanta certeza que a garota Schenck pulou?", Ele perguntou.

"Porque os meus próprios conselheiros sugeriram que eu fizesse a mesma coisa na noite
passada."

Isaak ficou olhando. "Você está dizendo que ela arriscou a própria vida apenas para..."

“Receber o aviso de um rei e dar a ele a chance de ser herói?” Ehri fungou e alisou a
seda de seu vestido. "Um gambito razoável, mas não aquele que eu estava preparada
para fazer."

Ele a estudou. “Não quando você poderia simplesmente esperar por um rei pensativo
passar por perto e encontrar você parecendo uma pintura de seda verde com flores no
cabelo?” Seus olhos dourados se afastaram culposamente.

"Quanto tempo você estava esperando, esperando que eu passasse por aqui?"

Ela mordeu o lábio. “Duas horas e doze minutos. Dar ou pegar."


Ele estava chateado e satisfeito por ela ter sido realmente franca. "Essa borda de pedra
não pode ser muito confortável."

"Eu me arrependo de dizer que não consigo mais sentir minhas nádegas."

Ao ouvir isso, Isaak desatou a rir e depois se conteve. Essa não foi a risada de Nikolai.
Ele viu um dos guardas do palácio inclinar a cabeça para o lado. Trukhin. Isaak havia
trabalhado incontáveis turnos ao redor do palácio.

Ele tinha todos os motivos para reconhecer a risada de Isaak.

Todos os Santos, Isaak já estava cansado dessa farsa. Mas a princesa lhe proporcionara
uma abertura.

"Se você não consegue administrar um curto período sentada em uma rocha, não vejo
como você pode esperar para preencher o papel de guarda em pé por horas".

"Então graças a Deus eu nasci real."

REI DE CICATRIZES | 276

"Confesso que sei pouco do Tavgharad", disse Isaak, esperando que sua voz soasse
natural. "Eles são retirados de famílias nobres?"

"Eles não são tirados de qualquer lugar", disse Ehri, uma mordida surpreendente em
sua voz. “Eles vêm de todas as cidades e aldeias onde eles testam e treinam e esperam
ser escolhidos. Não há maior honra.”

"Do que defendendo você?" Ele não conseguia manter o sorriso de sua voz.

Ehri mordeu o lábio. “A linha Taban. Eu sou uma das joias menores da coroa.”

Isaak achou isso difícil de acreditar. Ela era muito bonita. Ele não podia imaginar como
seriam suas irmãs se ela fosse simples.

Ele pressionou. “Deve ser uma vida difícil, mesmo que seja gratificante.

Eles deixam suas famílias para trás, como fazem os Grisha?”

Ela endureceu um pouco. "Eles estão felizes em fazê-lo." Ela arrastou a mão sobre a
água. "Eu acho que é mais difícil para os gêmeos."

"Gêmeos?"

"Eles são muito comuns entre as pessoas." Ela balançou a cabeça em direção a Tolya.
"Como o Keb-Bataar."

“É uma palavra interessante, kebben. Nós não temos um como isso em Ravkan.” Isso
pode significar um parente ou gêmeo próximo, mas também alguém ligado ao seu
coração.

Ehri fechou os olhos e recitou: “Todos lamentam a primeira florada.

Quem vai chorar pelo resto que cai?”

Isaak não pôde deixar de sorrir. Parecia que o conselho de Tolya seria útil depois de
tudo. "Vou continuar a cantar para você, muito tempo depois que a primavera acabar."

“Você sabe disso?” Ehri disse surpresa.

"Eu aprendi quando eu estava estudando Shu pela primeira vez." Era um poema
simplesmente intitulado "Kebben'a", e houve um debate considerável sobre se o título
deveria ser traduzido como My Dear ou My Kin ou My Only.

"É um poema antigo, muito fora de moda, mas descreve bem o espírito do kebben. "

"Acredito que foi feito para ser uma musica", disse Isaak. "Já me disseram que você toca
o khatuur? "

Ela juntou as mãos em suas sedas, sua expressão se contraindo novamente. "Sim", ela
disse secamente. O que ele fez de errado?

"Eu encontrei..." ele se atrapalhou, com medo de que ele estivesse prestes a estragar
tudo horrivelmente. "Descobri que esta posição, esta vida de exibição, pode tirar o sabor
de muitas coisas que eu já gostei."

Por um momento Ehri pareceu assustada, até mesmo amedrontada, então algo acendeu
em seus olhos e ela se inclinou para frente. "Eu sei", ela sussurrou. "Pelo menos se
fôssemos guardas, poderíamos passar o dia fazendo algo mais emocionante."

"Nós poderíamos ir a cavalo."

"Comer com nossos dedos."

Ehri abaixou o queixo e sussurrou: "Arrotar".

"Com fervor."

"Nós poderíamos... oh querido", disse Ehri. "Eu acho que nós temos companhia."

REI DE CICATRIZES | 277

E com certeza, descendo pelos dois caminhos do jardim, viu os esperançosos e seus
acompanhantes se aproximando como um bando de aves de rapina lindamente vestidas.
"Alguém deve ter relatado que estávamos em conversa privada."

“Talvez todos eles se joguem na lagoa para chamar sua atenção,”

sussurrou Ehri, e Isaak teve que resistir ao impulso de rir novamente.

“O que diverte o rei?” Perguntou a princesa fjerdana quando se aproximou, seu leque
formado para parecer um elegante jato de gelo.

"Muitas coisas, devo confessar", disse Isaak. "O rei é um homem simples."

Não era verdade, mas tão pouco era nestes dias.


REI DE CICATRIZES | 278

Nina sabia que tirar a mulher do pequeno forte não ia ser um desafio pequeno. A
segurança seria mais apertada graças a sua pequena façanha, mas eles poderiam pelo
menos ter esperança que os soldados pensassem que a violação foi o resultado de uma
noviça fazendo uma brincadeira ou tentando se encontrar com um soldado, não o
trabalho de um espião Ravkano.

Quando Nina se reuniu com Leoni e Adrik para planejar, eles mantiveram suas
discussões em Zemeni e fez questão de falar bem longe do convento, sob a capa de uma
de suas excursões para vender os dispositivos de carregamento. Eles realmente fizeram
vendas para alguns dos pescadores locais que estavam tentando caçar para terem peles
e carne agora que os peixes pareciam estar morrendo. Eles teriam que reabastecer em
breve.

Naquela manhã, Nina tinha visto um flash de pele branca aparecendo e desaparecendo
através das árvores enquanto eles viajavam para fora da cidade.

Ela se afastou de Adrik e Leoni e entrou na floresta o mais silenciosamente que pôde.
Lá, ela viu Trassel, rondando as margens mais distantes do rio. Seu coração estava em
sua garganta quando ela vislumbrou as outras formas na floresta. Lobos cinzentos. Mas
estes animais não pareciam ter os olhos laranja e corpos esguios daqueles que ela
encontrou no gelo. Toda vez que um deles se movia em direção à água, Trassel bateria
suas mandíbulas e os lobos cinzentos iriam mais longe para as árvores.

Ele está os pastoreando, percebeu. Ele está mantendo-os longe do rio envenenado.

Ela queria ficar e assistir, para ver se ele a deixaria se aproximar – Mesmo se ele
continuasse a virar o nariz para os restos na cozinha. Mas Adrik e Leoni estavam
esperando. E também estavam as garotas no topo da montanha. Relutantemente, ela
deixou Trassel para trás e voltou para o trenó.

O plano parecia bastante simples: tirar as mulheres e seus bebês e atravessar o posto de
controle na base da colina antes que alguém soubesse que os prisioneiros estavam
desaparecidos.

REI DE CICATRIZES | 279


Leoni não gostou muito de saber que precisaria de explosivos. “Eu mal tenho
treinamento em pós explosivos", disse ela ao reembalar suas mercadorias," e os fusíveis
são quase sempre problemas ”.

"Precisamos de uma distração", disse Nina. “Uma vez que ficarmos claros, as bombas
começarão um incêndio na parte ativa da fábrica que se espalhará para a maternidade.
Pelo tempo que o fogo será extinto e eles perceberem que não há corpos para encontrar,
as garotas estarão a caminho de Hjar.” Lá, um baleeiro contratado por membros do
Hringsa estaria esperando para levá-los a Ravka. Na verdade, a tripulação estaria
esperando fugitivos Grisha, não uma maré de mulheres jovens e crianças viciadas no
que Leoni suspeitava ser Parem artificial ou algo muito parecido. Mas Nina encontraria
alguma maneira de explicar. “Não podemos dizer às garotas quem somos. Não se nós as
quisermos dóceis ”.

Leoni parecia desconfortável. "Elas não deveriam ter uma escolha nisso?"

“Parem tira a escolha. Tudo o que eles estarão pensando é quando a próxima remessa
virá. Se quisermos que elas nos acompanhem em silêncio, elas não podem saber que
estamos levando-as para longe de seu suprimento.

Nós deveríamos tentar adquirir alguma jurda comum para elas também. Pode ajudar
com a retirada. ”

Adrik olhou a estrada. “O que acontece quando elas perceberem que a próxima remessa
não vem? “

"Leoni, você poderia criar um sedativo leve o suficiente para mantê-los maleáveis, mas
seguro o suficiente para as mães que ainda estão carregando os bebês? “

"Estamos realmente falando sobre sedar mulheres grávidas?" Adrik perguntou. "E se
conseguirmos a dose errada? “

"Eu também não gosto disso, mas eu sei o que é estar nas garras disso. “

"Eu posso fazer isso", disse Leoni. "Eu acho. Mas… ” Ela olhou para o nó que ela estava
amarrando. “E se elas não voltarem disso? Nós poderíamos estar as condenando para
uma viagem horrível, talvez até a morte. “

Nina lembrou-se da agonia de sua batalha com Parem muito bem. Ela implorou pela
morte, orou por isso. Sem Matthias, ela não tinha certeza se poderia ter segurado. E
essa foi apenas a primeira luta. O que ela teria feito sem Inej para dar o seu propósito?
Ou Jesper para fazê-la rir? Até aquele bastardo Kaz fez sua parte, implacável até o fim.
Ela precisava de todos eles para mantê-la naqueles dias longos e implacáveis enquanto
ela lutava para voltar a si mesma. Estas mulheres ficariam sem família ou amigos em
uma terra estrangeira. Elas teriam que aprender a se apoiar uma na outra. Se elas
sobreviveram.

REI DE CICATRIZES | 280

Nina olhou para Leoni, para Adrik. "Eu não vou fingir que estou pensando direito. Vendo
aquelas mulheres, aquelas garotas desse jeito... Eu entendo o que Parem faz. Eu estive
nessa guerra. Eu sei o que eu teria escolhido. “

"E você está disposta a fazer essa escolha por elas?", Disse Adrik.

"Nós todos temos que estar dispostos."

Leoni respirou fundo. "Eu não gostaria de viver sob o controle de outra pessoa. Eu não
ia querer condenar meu filho a uma vida daquela. ”

"Adrik?" Nina perguntou.


“Eu te disse o que eu acho, Nina. Estamos arriscando nossas vidas e as vidas de outros
Grisha para entregar o que eu suspeito que será um navio cheio de cadáveres para
Ravka. Mas eu não vou virar as costas para elas. Se nada der certo, eu vou ter algo novo
para reclamar pelo resto dos meus dias. ”

"Você é bem-vindo", disse Nina.

Adrik deu-lhe uma pequena reverência. “Mas como vamos convencer as mães ou os
guardas que um homem de um braço só e duas mulheres têm alguma coisa para estar
lá? "

“Podemos conseguir um uniforme e encher sua manga. Leoni e eu podemos vestir


roupas das Damas da Primavera“

"Você acha que eles não perceberão que eu mal consigo falar Fjerdano e que eu estou
tentando dirigir uma equipe de cavalos com uma mão? “

"Hanne vai ajudar."

"Tem certeza?", Perguntou Leoni. “Eu a vi enfrentar na outra noite. Ela tem estado sob o
polegar da Madre há muito tempo. “

Não apenas a Madre. Os pais dela. Todos de Fjerda. Mas Hanne ainda mentiu por Nina.
Ela desafiou os ditadores do convento para ajudar as pessoas que precisavam dela. Ela
ainda conseguiu manter viva a parte feroz de seu coração neste lugar miserável.

Adrik recostou-se no carrinho. "Se ela descobrir que somos Grisha—"

" Ela é Grisha."

“E ela se odeia. Não pense que ela não vai virar esse ódio para nós.

Mesmo se passarmos por isso sem revelar quem realmente somos, ela será a única a
enfrentar as consequências quando tivermos ido. " Nina se mexeu desconfortavelmente
e Adrik ergueu as sobrancelhas. “Você acha que ela vai com a gente. Oh, Zenik. Eu
pensei que Leoni era a otimista. ”

"Hanne não pertence aqui." Mesmo que ela conseguisse manter seus poderes em
segredo, Fjerda quebraria o espírito de Hanne eventualmente.

REI DE CICATRIZES | 281

Nina não achou que ela pudesse suportar aquela baixa em particular nesta guerra.

Adrik a estudou. “Não nos faça a única opção, Nina. Não é algo que Hanne vai perdoar.

Ela pode não me perdoar, Nina pensou, mas pelo menos vai sobreviver.

Quando Nina chegou na sala de aula no outro dia, ela se assustou em encontrar não
somente Hanne esperando, mas uma das Damas da Primavera.

“Kori do Well gostaria de aprender também, “ Hanne disse devagar.

Nina tentou parecer encantada. “Outro estudante! Excelente. Você tem algum
conhecimento do Zemeni? “
"Não", disse Kori com mau humor. Claramente, ela não ficou emocionada por estar
presa a esse dever. E claramente a Madre pensou que Nina e Hanne não deviam ser
deixadas sozinhas.

"Então, vamos começar no começo. Vamos começar com o verbo orar. “

Hanne revirou os olhos e Nina achou difícil não rir. Se este fosse o pior desafio que
enfrentariam nos próximos dias, Nina contaria com muita sorte de fato.

Mas enquanto ela estava caminhando com Hanne e Kori para vocabulário mais básico -
cadeira, escrivaninha, janela, céu, garota, nuvem -

uma batida veio e uma noviça colocou sua cabeça pela porta. Foi a garota bochechuda
que se aproximou de Nina na floresta, uma das noviças que tinha cavalgado com Hanne
como um soldado Fjerdani.

A garota fez uma reverência para Kori, que perguntou, "O que é isso?"

“A Madre me mandou buscar você, Hanne, “disse a noviça. "Seu pai está aqui. “

Todo o corpo de Hanne pareceu dobrar como uma flor murchando de repente em uma
geada. Nina a tinha visto assustada, brava, mas isso era algo novo e indesejável, como
se todo o fogo que a animara tivesse subitamente e abruptamente barrado.

Até mesmo Kori parecia preocupado quando ela disse "Vá em frente, então", para
Hanne.

Hanne fechou o livro de exercícios e se levantou. Nina sabia que ela não deveria, mas
enquanto Hanne passou, ela agarrou a mão dela e apertou-a com força. Hanne olhou
para a Dama da Primavera, que estava observando-as com os olhos apertados, depois
apertou de volta.

"Tudo vai ficar bem", sussurrou Nina. " Adawe." O primeiro verbo que ela ensinou

REI DE CICATRIZES | 282

Hanne. Luta.

A espinha de Hanne se endireitou um pouco. Ela soltou a mão de Nina, mas a noviça
acrescentou "Ele deseja conhecê-la também, Enke Jandersdat. "

Boa. Se o pai de Hanne quisesse conhecer a professora de sua filha, ela faria seu melhor
para lidar e pacificá-lo. Talvez ela pudesse ajudar Hanne a resistir a essa tempestade.
Ela se levantou.

" Adawesi", disse Hanne, lábios carnudos curvados em um sorriso. Nós lutamos.

Quando chegaram à capela, a noviça as conduziu por um longo corredor e Nina


percebeu que elas estavam indo para o mesmo escritório onde ela e Hanne haviam se
encontrado com a Madre para discutir as aulas de idiomas.

A Madre esperava em sua mesa, assim como antes, e um homem alto de comportamento
militar estava junto à janela, as mãos cruzadas atrás das costas. Uma cicatriz vermelha
corria ao longo da base do crânio pálido. Nina sentiu algo frio se desenrolar em sua
barriga.

“Madre, “ disse Hanne, curvando-se profundamente. “Min fadder. “

Nina sabia quem seria antes de se virar. Mas não havia nada que ela pudesse fazer para
parar o terror que se apoderou dela quando ela olhou mais uma vez para os olhos azuis
frios de Jarl Brum.
A última vez que Nina encontrou Jarl Brum, ele tentou a aprisionar e escravizar. Ela
estava mergulhada na sua primeira e única dose de Jurda Parem quando ela enfrentou
ele e sua drüskelle no porto de Djerholm. Ela queria assassiná-lo, e ela poderia fazer
com apenas um pensamento. Mas Mathias tinha implorado para ela mostrar
misericórdia, e ela o fez. Ela deixou Brum e seus homens vivos, embora em um último
ato mesquinho, ela arrancou o couro cabeludo da cabeça dele. Alguém aparentemente
costurou de volta.

Nina fez uma reverência baixa, treinando os olhos no chão, tentando roubar um
momento para reunir sua inteligência e esconder seu medo. Junte seus pedaços, Zenik,
ela ordenou a si mesma. Brum tinha visto através de seu desajeitado disfarce quando ela
o conheceu na Corte de Gelo, mas agora ela foi talhada pela mestra, Genya Safin. Seus
ossos e corpo tinham sido alterados, e ela sabia o seu sotaque da língua fjerdana era
imaculado. Ela se lembrou do que ela disse a Hanne, que o desempenho começava no
corpo, e agora Nina precisava dar o desempenho de sua vida. Em vez de esconder o
medo, ela iria usá-lo. Era seu asco que ela precisava ocultar.

Quando ela se levantou da reverência, ela não era Nina Zenik; ela era Mila Jandersdat,
uma menina cujo meio de vida pode muito bem depender do favor de Jarl Brum.

REI DE CICATRIZES | 283

Mas o foco de Brum estava em Hanne. Seu rosto suavizou quando ele olhou para a sua
filha.

"Hanne", disse ele, dando um passo à frente e abraçando-a. "Você está parecendo…
saudável ”.

Hanne se curvou um pouco mais. "Obrigado, papai."

"Nossa forma suavizaria se você deixasse de andar tanto."

"Eu sinto muito, papai."

Ele suspirou. "Eu sei que você sente." Seu olhar mudou para Nina, que inclinou a cabeça
e virou os olhos para o chão com humildade. “E este é sua nova professora? Ela é jovem
o suficiente para ser um estudante aqui. “

"Ela está servindo de guia para os comerciantes Zemenis que chegaram na semana
passada" disse Hanne.

“Assim a Madre me diz “ disse Brum, indo em direção a Nina. "Uma estranha chega com
dois estrangeiros, e apenas alguns dias depois a segurança na fábrica é violada. Uma
coincidência improvável. “

Nina olhou para ele com o que ela esperava que fosse um desalento perplexo. Brum
pegou a ponta do queixo e inclinou seu rosto para cima.

Quem quer que tivesse costurado a pele de volta à cabeça, o fizera com considerável
habilidade, mas seu cabelo dourado se foi e não havia como esconder a cicatriz que
circulava seu crânio como a cauda gorda e rosada de um rato. Um curandeiro Grisha ou
Tailor poderia ter feito desaparecer isso, mas é claro que ele teria que deixar um deles
perto de sua cabeça. Nina queria encontrar seu olhar incisivo com um brilho próprio.
Em vez disso, ela permitiu seus olhos encherem de lágrimas.

Brum franziu a testa. "Quantos anos você tem?"

"Dezoito, senhor."

"Você ficou viúva jovem."


"Eu tenho tido azar."

Seu lábio se curvou ligeiramente. "Por que você treme tanto?"

"Eu tive poucos motivos para estar na presença de grandes homens."

As sobrancelhas de Brum se levantaram, mas ela não perdeu o brilho de satisfação em


seus olhos. Então era isso que o Comandante Brum gostava: lisonja, timidez, medo.
Quando ela conheceu ele, ela tinha sido ousada e paqueradora. Agora ela entendeu seu
erro.

"Onde você aprendeu Zemeni?", Ele perguntou.

REI DE CICATRIZES | 284

“Meu marido administrava uma pequena empresa que transportava produtos


congelados e peixe. Ele negociava frequentemente com o Zemeni. Eu tinha talento para
isso e assumi as comunicações ”.

"E como ele morreu?"

"Perdido para as águas." Uma lágrima rolou por sua bochecha. Nina não poderia ter
pedido por melhor hora.

Os olhos de Brum acompanharam seu progresso quase avidamente.

"Uma vergonha." Ele soltou o queixo de Nina e recuou. "Eu vou querer questionar os
comerciantes Zemenis", disse ele a Madre.

"E as minhas lições, papai?", Perguntou Hanne.

"Suas lições", disse Brum, pensativo. "Sim, eu acho que a influência de uma garota com
maneiras do campo pode ser bom para você, Hanne. Você pode continuar.“

Nina afundou em outra reverência. "Obrigado, senhor", disse ela, olhando para ele
através de cílios molhados. "É uma honra. "

Enquanto Brum e Hanne saíram da sala para conversar em particular, Nina fez uma
reverencia a Madre e virou-se para ir embora.

"Eu sei o que você está fazendo", disse a Madre.

Nina congelou com a mão na maçaneta. "O que você quer dizer?"

"Comandante Brum é feliz casado com uma mulher de nascimento nobre."

Nina piscou e quase caiu na gargalhada. "Por que isso me preocuparia?"

Os olhos da Madre viraram fendas. “Eu duvido que isso te preocuparia.

Eu sabia que havia mais em seus motivos do que uma simples posição de ensino ”.

"Eu só quero ganhar a vida."

A Madre riu incrédula. “Você quer conseguir um provedor rico. Você pode ter o bom
comandante enganado com os olhos arregalados e o lábio bambo, mas você não é uma
mulher honesta. “

E você é o pior tipo de hipócrita, Nina pensou, raiva queimando. Esta mulher tinha
dosado meninas e mulheres com Parem - ou algo equivalente.

Ela colocou seu pequeno avental piedoso e andou pelos corredores da fábrica com sua
droga amaldiçoada, ajudando os soldados a fazer escravos. Quando essas meninas
desaparecerem, eu vou ter certeza que Jarl Brum te culpe.

Então vamos ver como você gosta da atenção do bom comandante.

Mas tudo o que ela disse foi "O comandante Brum tem idade suficiente para ser meu
pai".

REI DE CICATRIZES | 285

"E sábio o suficiente para resistir ao seu fascínio desajeitado, eu garanto.

Mas eu estarei assistindo."

Nina balançou a cabeça com uma preocupação falsa. “Você ficou enclausurada aqui por
muito tempo, Madre, se seus pensamentos se voltam tão prontamente ao pecado. “

"Como você ousa-"

Nina afofou as saias primordialmente sobre os dedos dos pés. "Eu não tenho certeza se
é uma atmosfera totalmente saudável para uma garota como Hanne. Uma vergonha, ”
Nina disse quando se virou para ir. "Mas eu vou orar por você."

Deixou a Madre com bochechas vermelhas e cuspindo.

Por mais que Nina gostasse de enganar a Madre, ela ficou feliz com as suspeitas da
mulher. Qual é a maneira mais fácil de roubar a carteira de um homem? Kaz Brekker
explicara uma vez. Diga a ele que você vai roubar o relógio dele. Se aquela velha de
boca azeda pensava que o objetivo de Nina era tornar-se amante de um homem rico,
então ela se distrairia do plano real deles.

E se Brum estiver blefando? E se ele souber exatamente quem sou? Nina tinha sido
enganada por Brum uma vez antes e quase perdeu sua vida no processo. Desta vez, ela
seria mais cautelosa. Quando ela se emaranhasse com Jarl Brum novamente, ela não
pretendia deixá-lo de pé.

Mas ela não estava preparada para a tempestade que a aguardava na sala de aula.

"O que foi isso?" Hanne protestou. Kori estava longe de ser encontrada, e Hanne andava
de um lado para o outro, o seu vestido ondulando atrás dela.

“Tremendo como uma folha em uma tempestade. Chorando como algum tipo de criança
assustada. Isso não foi você. “

Nina sentiu uma súbita onda de raiva. O que ela viu no forte, o choque de encontrar
Brum de novo, os crimes da Madre, tudo isso era demais. "Você mal me conhece” ela
retrucou.

"Eu sei que você é corajosa o suficiente para querer ajudar sua irmã e imprudente o
suficiente para invadir uma fortaleza militar para fazê-lo. Eu sei que você é inteligente o
suficiente para enganar uma sala cheia de caçadores bêbados e generosa o suficiente
para ajudar um amigo desesperado. Ou é tudo atuação também? “

Nina cerrou os punhos. "Eu estou tentando ter certeza de que eu sobreviverei, que nós
duas sobreviveremos. Seu pai ... eu conheço sua reputação. Ele é um homem implacável.

"Ele teve que ser."

REI DE CICATRIZES | 286


Nina queria gritar. Como Hanne, feroz e espirituosa, poderia ser filha de Brum? E por
que ela não podia ver o que ele era? “Se ele soubesse que você era Grisha, o que ele
faria? “

Hanne se virou para a janela. "Eu não sei. "

"E se ele soubesse que eu estava tentando ajudá-la?"

Hanne deu de ombros. "Eu não sei", ela repetiu.

Você sabe, Nina pensou. Você sabe o que aquele bastardo fanático faria, mas você está
com muito medo de admitir isso.

Nina queria pegá-la pelos ombros e sacudi-la. Ela queria puxar Hanne para um cavalo e
andar até chegarem à costa. Mas ela não conseguia pensar em nada daquilo, não se eles
estavam indo libertar as meninas no forte. Adawesi.

Nós lutamos. E Nina sabia que lutar significava usar todas as ferramentas à sua
disposição - até mesmo a culpa de Hanne.

“Você deve isso ao seu pai manter esse segredo. ” Nina se sentiu mal dizendo aquelas
palavras, conscientes do efeito que teriam. Hanne não devia nada a Brum, mas Nina se
forçou a continuar. “Se ele soubesse que você era Grisha, isso o colocaria em uma
posição impossível. Sua reputação e sua carreira estariam em tremendo risco."

Hanne caiu na mesa e colocou a cabeça entre as mãos. "Você acha que eu não percebo
isso? “

Nina se agachou diante dela. "Hanne, olhe para mim." Nina esperou, e finalmente
Hanne olhou para cima. Seus olhos vibrantes estavam secos, mas angustiados, e Nina
sabia que essa dor não era para si mesma, mas para o constrangimento que ela causaria
ao pai. "Este país… este país faz coisas terríveis às suas mulheres e aos seus homens.
Seu pai pensa desse jeito porque foi criado para pensar assim. Mas eu não posso ajudá-
lo. Eu não posso consertá-lo. Eu posso ajudar minha irmã. Posso te ajudar. E farei o que
for preciso para tornar isso possível. Se isso significa bater meus cílios para seu pai e
convencê-lo de que sou um modelo de mulher de Fjerdana eu farei isso. ”

"É nojento. Você olhou para o meu pai como se ele fosse uma encarnação de Djel. ”

"Eu olhei para o seu pai do jeito que ele quer ser olhado, como um herói."

Hanne passou o polegar calejado pelo comprimento da velha escrivaninha de madeira.


"É o que você faz comigo?

"Não", disse Nina, e isso, pelo menos, era a verdade. Ela havia dito a Hanne inúmeras
mentiras, mas ela nunca se sentiu lisonjeada, nunca a manipulou dessa maneira.
"Quando eu disse que você era talentosa, eu quis dizer isso. Quando eu disse que você
era gloriosa, eu quis dizer isso também. “

REI DE CICATRIZES | 287

Hanne encontrou seu olhar, e por um momento, Nina sentiu como se eles não
estivessem presos a sala de aula ou mesmo neste país. Eles estavam em algum lugar
melhor. Eles estavam em algum lugar livre. "Nosso primeiro trabalho é sempre
sobreviver", disse ela. "Eu não vou me desculpar por isso. “

Os lábios de Hanne se contraíram. "Você sempre esteve tão segura de si mesma?"

Nina deu de ombros. "Sim."


"E seu marido não se queixou?"

"Ele reclamou", disse Nina - e de repente ela teve que desviar o olhar, porque não era
algum comerciante fictício que veio à mente, mas Matthias com sua propriedade estrita
e seu olhar desaprovador e seu coração amoroso e generoso. "Ele reclamava o tempo
todo ”.

"Ele era rápido com a raiva?" Hanne perguntou.

Nina balançou a cabeça e pressionou as palmas das mãos nos olhos, incapaz de parar as
lágrimas que vieram, não querendo. Santos, ela estava cansada. "Não. Nem sempre
concordávamos. “ Ela sorriu, saboreando sal em seus lábios. “Na verdade, quase nunca
concordamos. Mas ele me amava. E eu o amava. “

Hanne alcançou a mesa e deixou seus dedos roçarem a mão de Nina. "Eu não tinha o
direito de perguntar. “

"Tudo bem", disse Nina. “A dor ainda me pega de surpresa. É um pouco sorrateira. “

Hanne se inclinou para trás, estudando-a. "Eu nunca conheci ninguém como você."

Nina sabia que deveria baixar a cabeça, fazer algum comentário sobre refrear sua
ousadia de espírito, demonstrar que ela dava a mínima para os modos fjerdanos. Em vez
disso, ela fungou e disse "Claro que você não conheceu. Eu sou espetacular. “

Hanne riu. "Eu cortaria um polegar para um dedal da sua confiança."

Nina limpou as lágrimas e apertou a mão de Hanne, sentiu a pressão quente da palma
da mão, os calos dos dedos. Mãos que poderiam costurar.

Estirar um arco. Acalmar uma criança doente. Foi bom ter esse pequeno conforto -
mesmo que também parecesse como se ela estivesse roubando.

"Fico feliz por ter te conhecido você, Hanne", disse Nina.

"Você quer dizer isso?"

Ela assentiu, surpresa com o quanto ela fez. Hanne pode não ser alta ou imprudente
com suas palavras, ela pode inclinar a cabeça para seu pai e para a REI DE
CICATRIZES | 288

Madre, mas ela nunca deixará Fjerda quebrá-la. Apesar de suas reverências e suas falas
sobre honra da família, ela permaneceu desafiadora.

Hanne suspirou. "Bom. Porque meu pai quer que você se junte a nós para o jantar hoje à
noite depois que ele visitar a fábrica. “

"Quando ele volta para a capital?"

"Amanhã de manhã." O olhar de Hanne era firme, sabendo. "Você está planejando
alguma coisa."

"Sim", disse Nina. “Você sabia que eu faria. Eu não vou agir até que ele vá embora. Mas
eu vou precisar da sua ajuda. ”

"O que você quer que eu faça?"

Um bom negócio. E nada disso será fácil. "Eu quero que você se torne quem o seu pai
sempre esperaava que você fosse. “

REI DE CICATRIZES | 289

Nikolai estava ficando melhor em chamar o monstro, mas seu humor parecia estar
piorando. Ele estava mais quieto e mais distante no final de cada visita com Elizaveta,
embora tenha sido Zoya quem teve que enfrentar um afogamento. Até agora eles não
achavam que Elizaveta tivesse qualquer intenção real de matá-la, mas o monstro ainda
parecia acreditar que a ameaça era real - um fato que não se encaixava bem com Zoya.
Graças às suas aulas com Juris, ela suspeitava que poderia romper as paredes âmbar
com o Santo ereto ao redor dela, e quando a seiva começou a subir em torno de suas
pernas, era difícil não tentar. Mas ela não estava lá para provar sua força, apenas para
ajudar Nikolai a fazer o monstro surgir.

De general do exército Grisha para isca para um monstro. Não foi uma posição que ela
gostou, e apenas o progresso que ela fez no covil de Juris manteve seu temperamento de
conseguir o melhor dela.

Hoje, ela chegou à torre de Elizaveta cedo. Yuri e Nikolai ainda não tinham aparecido, e
a própria Santa estava longe de ser encontrada. Ou ela estava? A grande câmara de
ouro cantarolou com o som de insetos. Se Juris fosse ser acreditado, eles eram todos
dela.

Seis lados na câmara. Seis lados para cada painel âmbar que preencheu
suas paredes altas. Por isso, o Pequeno Palácio foi construído em uma estrutura
hexagonal? Zoya tinha visto a forma repetida nos edifícios Grisha, seus túmulos, seus
locais de treinamento. Tudo começou com a colmeia de Elizaveta? Haviam túneis em
cada uma das seis paredes. Zoya se perguntou a onde eles levavam.

"Você era um de seus alunos, não era?"

Zoya saltou ao som da voz de Elizaveta. A Santa ficou ao lado da mesa onde a árvore de
espinhos que ela fez crescer ainda estava esparramada sobre a superfície.

Zoya sabia que Elizaveta queria dizer o Darkling, embora estudante não fosse a palavra
certa. Adoradora ou acolita teria sido mais preciso. “Eu era soldado no Segundo
Exército e sob seu comando. ”

Elizaveta lançou-lhe um olhar. "Você não precisa brincar comigo, Zoya.

Eu sabia ele também. ”A surpresa de Zoya deve ter se mostrado, porque REI DE
CICATRIZES | 290

Elizaveta disse “Oh sim, todos nós cruzamos caminhos com ele uma vez ou outra. Eu o
conheci quando ele tinha apenas começado seu serviço aos reis Ravkanos. Quando eu
ainda estava na minha juventude. “

Zoya sentiu um arrepio ao imaginar quão antiga Elizaveta deveria ser. A conexão dela
com a fabricação no coração do mundo lhe garantia a eternidade.

Ela estava realmente pronta para rejeitar isso?

"Ele sabia o que você era?", Perguntou Zoya em seu lugar. "O que você poderia fazer?"

"Não", disse Elizaveta. “Eu mal fiz. Mas ele sabia que eu tinha grande poder, e ele era
atraído para isso. ”

Ele sempre foi. O Darkling valorizava o poder acima de qualquer outra característica.
Zoya às vezes se preocupava se ela poderia ser muito igual.

"Considere-se com sorte", disse ela. “Se ele soubesse a extensão de seus dons, ele teria
perseguido você até que ele pudesse usá-los para si mesmo.

Elizaveta riu. “Você me subestima, jovem Zoya. “

“Ou você o subestima. “

A santa deu um cético aceno de cabeça. "Possivelmente."

“Como ele era então? “ Zoya não resistiu em perguntar.

"Arrogante. Idealista. Lindo.” Elizaveta sorriu tristemente, seus dedos se arrastando na


espinha da árvore de espinho. Ele se enrolou para encontrá-la como um gato arqueando
as costas. "Eu encontrei ele muitas vezes ao longo dos anos, e ele adotou muitas formas
para esconder seu verdadeiro eu. Mas os rostos que ele escolhia eram sempre
adoráveis. Ele era vaidoso. “

“Ou inteligente. As pessoas valorizam a beleza. Eles não podem evitar responder a isso.

"Você saberia", disse Elizaveta. "Os contos de fadas não são verdadeiros, são? Eles
prometem que bondade ou gentileza vai fazer você amável, mas você não é boa ou
gentil. “
Zoya encolheu os ombros. "Devo desejar ser? "

"Seu rei valoriza essas coisas."

E Zoya deve buscar sua aprovação? Fingir ser algo diferente? “Meu rei valoriza minha
lealdade e minha capacidade de liderar um exército. Ele terá sua esposa para sorrir e
simpatizar e abraçar os órfãos. “

"Você desistiria dele tão prontamente?"

Agora as sobrancelhas de Zoya se ergueram de surpresa. "Ele não é meu para manter."

REI DE CICATRIZES | 291

“Há uma razão para eu usar você e não o monge para provocar seu demônio. ”

“O rei lutaria para salvar qualquer um - princesa ou camponesa. ”

“E isso é tudo que existe? Eu vejo o jeito que os olhos dele te seguem. “

Algo em Zoya estava satisfeito com isso? Algo tolo e orgulhoso?

"Homens tem me observado toda a minha vida. Não vale a pena anotar. “

“Zoya cuidadosa e jovem. Uma coisa é ser olhada por um simples homem, outra coisa é
chamar a atenção de um rei. “

A atenção era fácil de encontrar. Os homens olhavam para ela e queriam acreditar que
viam bondade sob sua armadura, uma menina amável, uma garota gentil que emergiria
se apenas fosse dada a chance. Mas o mundo era cruel para meninas gentis, e ela
sempre apreciou que Nikolai não pediu isso a ela. Por que ele iria? Nikolai falou de
parcerias e aliados, mas ele era um romântico. Ele queria amor de um tipo que Zoya não
poderia dar e nunca receberia. Talvez o pensamento doesse, mas aquela picada de dor, a
sensação desconfortável de que algo tinha sido perdido, pertencia a uma menina, não
um soldado.

Zoya olhou para baixo de um dos túneis. Parecia mais escuro que os outros. O cheiro de
mel e seiva que emanava dele não estava certo, doçura perfurada pela mancha de
podridão. Pode ter sido a imaginação dela, mas as abelhas até pareciam diferentes aqui,
menos o zumbido de insetos ocupados do que de preguiçosos, o zumbido das moscas sob
os mortos no campo de batalha.

"O que há lá embaixo?", Perguntou Zoya. "O que há de errado com eles?"

"As abelhas são cada parte de mim", disse Elizaveta. “Todo triunfo, toda tristeza. Esta
parte da colmeia está cansada. Está cansada da vida. Essa amargura vai se espalhar
para o resto da colmeia até que toda a existência perca seu sabor. É por isso que eu
devo deixar a Dobra, por isso eu vou levar uma vida mortal. “

"Você está realmente pronta para desistir de seu poder?", Perguntou Zoya. Ela não
conseguia entendê-la.

Elizaveta assentiu para a câmara escura. “A maioria de nós pode esconder nossas
maiores mágoas e anseios. É como nós sobrevivemos a cada dia. Nós fingimos que a dor
não está lá, que somos feitos de cicatrizes em vez de feridas. A colmeia não me dá o luxo
dessa mentira. Eu não posso continuar desse jeito. Nenhum de nós pode.“

A videira espinhosa enrolada sob a mão de Elizaveta de repente brotou flores brancas
que ficaram rosa e depois vermelho sangue diante dos olhos de Zoya.

REI DE CICATRIZES | 292


"Quince?", ela perguntou, pensando nos contos de bestas e donzelas que ela tinha
ouvido quando criança, de Sankt Feliks e seus ramos de maçã. O que Juris disse? Às
vezes as histórias surgem nos detalhes.

Elizaveta assentiu. “A maioria das mulheres sofre espinhos por causa das flores. Mas nós
que manejamos o poder nos adornamos em flores para esconder a dor de nossos
espinhos. “

Seja mais doce. Seja mais gentil. Sorria quando estiver sofrendo. Zoya ignorou essas
lições, frequentemente para seu dano. Ela era toda espinhos.

“Seu rei está atrasado, “ disse Elizaveta.

Zoya percebeu que não sentia muito. Ela não queria se afogar hoje.

Juris sentiu o humor de Zoya quando ela entrou na caverna.

"Você foi ver Elizaveta", disse ele, deixando de lado o pequeno cavalo de obsidiana que
ele estava esculpindo para adicionar ao seu rebanho. "Eu posso sentir o cheiro em
você."

Zoya assentiu com a cabeça, pegando os machados que ela gostara. Ela gostou do peso
e equilíbrio deles, e eles a lembraram de Tamar. Ela estava com saudades de casa? Ela
perdeu a noção do tempo aqui. Sem comida. Sem descanso. Horas viraram dias. “Todos
estão tão preocupados com o nome de suas feridas e com o cuidado delas”, disse ela. "É
cansativo."

Juris deu um grunhido evasivo. "Nenhuma arma hoje."

Zoya franziu o cenho. Ela estava ansiosa para trabalhar sua melancolia com um pouco
de combate. "Então o que?"

"Eu esperava que agora você estaria mais adiante."

Zoya plantou os punhos nos quadris. "Estou fazendo de forma brilhante."

“Você ainda pode apenas invocar o vento. Água e fogo também devem estar em seu
comando."

"O poder Grisha não funciona dessa maneira."

"Você acha que um dragão não pode controlar o fogo?"

Então Juris estava afirmando ser um Infernal, bem como um Aero? "E

eu suponho você é um Hidro também?

“A água é o meu elemento mais fraco, confesso. Eu venho de uma ilha muito molhada.
Eu nunca gostei de chuva. “

REI DE CICATRIZES | 293

"Você está dizendo que eu poderia convocar de todas as ordens?"

"O que nós tínhamos brincado, se não é esse o nosso objetivo?"

Não parecia possível, mas em pouco tempo Juris mostrou a ela que os limites do poder
dos Grisha eram mais flexíveis do que ela jamais acreditara.
Nós não somos todas as coisas? Eram palavras que ela lembrava há muito tempo, dos
escritos de Ilya Morozova, um dos Grisha mais poderosos já conhecidos. Ele tinha
teorizado que não deveria haver ordens Grisha, sem divisões entre os poderes - se a
ciência fosse pequena o suficiente. Se toda a matéria pudesse ser dividida nas mesmas
partes pequenas, então um Grisha talentoso o suficiente deveria ser capaz de manipular
essas partes. Morozova esperava que criar e combinar amplificadores fosse o caminho
para maior poder Grisha. Mas e se houvesse outro caminho?

"Mostre-me."

Juris se mexeu, seus ossos se quebraram e se formaram novamente enquanto ele se


transformava em sua forma de dragão. "Suba." Zoya hesitou, olhando para a enorme
fera diante dela. "Isto não é uma oferta que faço a qualquer um, bruxa da tempestade. “

"E se um mau humor te atingir e você decidir me expulsar de suas costas?" Zoya
perguntou enquanto colocava as mãos nas escamas do seu pescoço. Eles eram afiados e
frio ao toque.

"Então eu fiz você forte o suficiente para sobreviver à queda."

"Tranquilizador." Ela apertou a bota em seu flanco e se atracou no cume do pescoço.


Não foi confortável. Dragões não foram feitos para cavalgar.

"Segure-se", ele disse.

"Oh, é isso que eu deveria..." Zoya engasgou e apertou firme enquanto as asas de Juris
bateram uma vez, duas vezes, e ele se lançou no céu incolor.

O vento correu contra o rosto dela, levantando seu cabelo, fazendo seus olhos
lacrimejarem. Ela tinha voado antes, tinha viajado nas engenhocas voadoras de Nikolai.
Isso foi nada como isso. Ela podia sentir cada mudança que Juris fazia com as correntes
enquanto ele cavalgava o vento, os movimentos dos músculos sob suas escamas, até a
maneira como seus pulmões expandiam a cada respiração. Ela podia sentir a força de
uma debandada no corpo sob ela, o poder de um mar agitado pela tempestade.

Não havia nada para ver na Dobra dos Santos. Era tudo terra estéril e horizonte plano.
Talvez isso fosse enlouquecedor para Juris - voar por milhas e ainda ir a lugar algum.
Mas Zoya não se importava. Ela poderia ficar assim para sempre com nada além de céu
e areia em volta dela. Ela riu, seu coração pulando. Esta foi a magia que ela foi
prometida quando criança, o sonho que REI DE CICATRIZES | 294

todos esses contos de fadas tinham oferecido e nunca entregue. Ela queria que a garota
que ela era pudesse ter vivido isto.

"Abra a porta, Zoya." As palavras do dragão retumbaram através de seu corpo. "Abra
seus olhos."

"Não há nada para ver!" Mas isso não era inteiramente verdade. À frente, ela
vislumbrou uma mancha irregular na paisagem. Ela sabia instantaneamente o que era.
"Volte, ”ela exigiu. "Eu quero voltar."

"Você sabe que não pode."

" Volte." A força da tempestade encheu seus ossos, e ela tentou mover a cabeça do
dragão.

"Zoya da cidade perdida", disse ele. "Abra a porta. "

O dragão mergulhou e planou nas ruínas de Novokribirsk.

Parecia caindo. Zoya era a pedra, e não havia fundo no poço, sem fim para o vazio
dentro dela. Não olhe para mim.

O passado veio correndo para ela. Porque agora? Por causa da conversa de Elizaveta
sobre feridas? As provocações do Juris? O tormento de ser afogado a cada dia enquanto
Nikolai ficou mais distante? Ela não queria pensar em Liliyana ou tudo o que ela havia
perdido. Tinha apenas o vento e a escuridão diante dela, o céu cinzento morto acima
dela, as ruínas de uma cidade perdida abaixo.

E ainda assim era a lembrança do rosto de sua mãe que enchia a mente de Zoya.

A beleza de Sabina tinha sido surpreendente, o tipo que parava tanto homens quanto
mulheres na rua. Mas ela fez um mau negócio. Ela se casou por amor – um garoto bonito
de Suli com ombros largos e poucas perspectivas. Por um tempo, eles eram pobres, mas
felizes, e então eram apenas pobres.

Enquanto eles passavam fome e lutavam, o afeto entre eles também foi desperdiçado.
Longos dias de trabalho e longos meses de inverno gastavam a beleza e o espírito de
Sabina. Ela tinha pouco amor para dar à filha que ela deu à luz.

Zoya trabalhou duro pelo afeto de sua mãe. Ela sempre foi a primeira em suas aulas,
sempre se certificava de comer apenas metade do jantar e dava a Sabina o resto. Ela
ficou em silêncio quando sua mãe reclamou de dores de cabeça, e ela roubou pêssegos
para Sabina dos pomares do duque.

"Você pode ser chicoteada por isso", sua mãe disse com desaprovação.

Mas ela comeu os pêssegos um após o outro, suspirando contente, até o estômago dela
virar e ela vomitou todos ao lado da pilha de lenha.

REI DE CICATRIZES | 295

Tudo mudou quando Zoya chamou a atenção de Valentin Grankin, um rico fabricante de
carruagens da Stelt. Ele era o homem mais rico por mais de cem quilômetros, viúvo
duas vezes e sessenta e três anos de idade.

Zoya tinha nove anos. Ela não queria ser noiva, mas não queria desagradar sua mãe,
que a acariciou e arrulhou para ela como nunca tinha feito antes. Pela primeira vez,
Sabina parecia feliz. Ela cantou na cozinha e cozinhou refeições elaboradas com os
presentes de carne e legumes que Valentin Grankin enviou.

Na noite anterior ao casamento, Sabina fez bolos de laranja e pôs kokoshnik de pérola
elaborada e pouco de renda de ouro no vestido de noiva que o noivo de Zoya tinha
fornecido. Zoya não pretendia chorar, mas não conseguira parar.

Tia Liliyana veio de Novokribirsk para a cerimônia – ou então Zoya tinha pensado até
ouvir sua tia implorando a Sabina que reconsiderasse.

Liliyana era mais jovem que Sabina e raramente falava. Ela tinha saído de casa com uma
rara fanfarra e enfrentou a jornada mortal através da Dobra das Sombras para fazer
uma vida para si mesma na cidade de Novokribirsk.

Foi um bom lugar para uma mulher sozinha, onde propriedades baratas poderiam ser
adquiridas e empregadores estavam tão desesperados por trabalhadores que de bom
grado ofereceram cargos as mulheres que em outro momento seria reservado para os
homens.

"Ele não vai machucá-la, Liliyana", disse Sabina bruscamente quando Zoya se sentou na
mesa da cozinha, os pés descalços roçando as ripas de madeira do chão, o círculo
perfeito de seu bolo de laranja intocado, não preparado no prato diante dela. "Ele disse
que iria esperar ela sangrar. “
"Devo aplaudi-lo?" Liliyana exigiu. "Como você vai protegê-la se ele mudar de ideia?
Você está vendendo sua própria filha. “

“Somos todos comprados e vendidos. Pelo menos Zoya vai ter um preço que lhe dará
uma vida fácil. “

"Logo ela terá idade suficiente para ser um soldado... "

“E então o que? Nós vamos viver do seu salário escasso? Ela vai servir até que ela seja
morta ou ferida para que então ela possa viver sozinha e pobre como você? “

"Eu vivo bem o suficiente."

"Você acha que eu não vejo seus sapatos amarrados com barbante?"

“Melhor ser uma mulher sozinha do que uma mulher amarrada a um velho que não
consegue cuidar de uma mulher da sua idade. E foi a minha escolha a fazer. Daqui a
alguns anos Zoya terá idade suficiente para tomar suas próprias decisões. “

REI DE CICATRIZES | 296

"Em alguns anos Valentin Grankin terá encontrado outra garota bonita para ocupar seus
interesses ”.

"Bom!" Retrucou Liliyana.

"Saia da minha casa", Sabina tinha fervido. "Eu não quero ver você em lugar algum
perto da igreja amanhã. Volte para seus quartos solitários e suas latas de chá vazias e
deixe minha filha sozinha. “

Liliyana tinha ido embora e Zoya correu para o quarto dela e enterrou o rosto nos seus
cobertores, tentando não pensar nas palavras que sua mãe havia dito ou nas imagens
que elas conjuraram, rezando com todo o fervor em seu coração que Liliyana voltasse,
que os santos a salvassem, mesmo enquanto ela encharcava o travesseiro com lágrimas.

Na manhã seguinte, Sabina resmungou com raiva sobre o rosto manchado de Zoya
enquanto ela a vestia com o pequeno vestido de ouro e os atendentes vieram para levar
a noiva para a Igreja.

Mas tia Liliyana estava esperando no altar ao lado de um padre desorientado. Ela
recusou-se a ceder.

“Alguém faça algo sobre essa louca! ”, Gritou Sabina. "Ela não é minha irmã! “

Os homens de Valentin Grankin tinham tomado Liliyana, arrastando-a pelo corredor.

"Devasso!" Liliyana gritou para Grankin. "Degenerada!", ela gritou para Sabina. Então
ela virou os olhos condenados para as pessoas reunidas da cidade. "Vocês todos são
testemunhas disso! Ela é uma criança!

"Fique em silêncio", rosnou Valentin Grankin, e quando Liliyana não ficou, ele levantou a
pesada bengala e quebrou-a contra o crânio.

Liliyana cuspiu na cara dele.

Ele bateu nela novamente. Desta vez, seus olhos reviraram em sua cabeça.

"Pare com isso!", Gritou Zoya, lutando nos braços de sua mãe. "Pare!"

"Criminoso", ofegou Liliyana. "Sujo."

Grankin levantou a bengala novamente. Zoya entendeu então que sua tia ia ser
assassinada em frente ao altar da igreja e ninguém iria impedi-lo. Porque Valentin
Grankin era um homem rico e respeitado. Porque Liliyana Garin não era absolutamente
ninguém.

Zoya gritou, o som arrancando dela, um grito de um animal. Uma rajada de vento
selvagem bateu em Valentin Grankin, derrubando-o no chão. Sua bengala caiu com um
barulho. Zoya apertou as mãos, o medo e a raiva jorrando dela em uma inundação. Uma
parede agitada de vento entrou em REI DE CICATRIZES | 297

erupção ao redor dela e explodiu nos beirais da igreja, soprando o telhado de suas
amarras com um estalo ensurdecedor. Um trovão roncou através de um céu sem nuvens.

Os convidados do casamento berravam em terror. A mãe de Zoya olhou para sua filha
com olhos assustados, segurando o banco atrás dela como se ela pudesse entrar em
colapso sem o seu apoio.

Liliyana, com uma das mãos pressionada a cabeça ensanguentada, gritou "Você não
pode vendê-la agora! Ela é Grisha. É contra a lei. Ela é propriedade do rei e vai para a
escola para treinar. “

Mas ninguém estava olhando para Liliyana. Todos estavam encarando Zoya.

Zoya correu para sua tia. Ela não tinha certeza do que tinha feito ou o que significava,
apenas que ela queria estar tão longe desta igreja e destas pessoas e do odioso homem
no chão quanto ela poderia conseguir.

"Vocês vão nos deixar em paz! ", ela gritou para ninguém, para todos.

"Vocês nos deixarão ir!"

Valentin Grankin choramingou quando Zoya e Liliyana passaram correndo por ele. Zoya
olhou para ele e sibilou.

Foi Liliyana que levou Zoya, ainda vestida com seu traje de casamento, para Os Alta.
Elas não tinham dinheiro para hospedarias, então elas dormiam em valas e se
acomodavam em abrigos, tremendo no frio. "Imagine que estamos em um navio",
Liliyana dizia, "e as ondas estão nos balançando para dormir. Você pode ouvir os
mastros rangendo? Nós podemos usar as estrelas para navegar. ”

"Para onde estamos indo?", Perguntou Zoya, certa de que poderia ouvir alguma coisa
farfalhando na floresta.

“Para uma ilha coberta de flores, onde a água nos riachos é doce como mel. Siga essas
duas estrelas e nos leve para o porto. “

Toda noite, elas viajavam para algum lugar novo: um litoral onde as focas prateadas
latiam nas margens, uma gruta de joias onde foram recebidos pelo senhor das
profundezas - até que finalmente chegaram à capital e fizeram o longo caminho até os
portões do palácio.

Elas estavam imundas àquela altura, com o cabelo emaranhado, o vestido dourado de
casamento de Zoya rasgado e coberto de poeira. Liliyana ignorou os desprezos dos
guardas enquanto ela fez seu pedido, e ela manteve as costas retas como ela estava com
Zoya fora dos portões. Elas esperaram e esperaram, e esperaram mais um pouco,
tremendo de frio, até que finalmente um jovem em um kefta roxo e uma mulher mais
velha vestida de vermelho desceu aos portões.

REI DE CICATRIZES | 298


"De que vilarejo você é?", perguntou a mulher.

"Pachina", respondeu Liliyana.

Os estranhos murmuraram um para o outro por um momento, sobre testes e quando os


últimos Examinadores tinham viajado por essas partes.

Então a mulher tinha empurrado a manga de Zoya para cima e colocou a palma da mão
na pele nua do braço. Zoya sentiu uma onda de poder correr através dela. Vento sacudiu
os portões do palácio e açoitou através das árvores.

"Ah", a mulher disse em um longo suspiro. “Que presente chegou a nossa porta de
entrada parecendo tão desarrumado? Venha, nós vamos te alimentar e aquecer. “

Zoya agarrou a mão de Liliyana, pronta para começar sua nova aventura juntas, mas sua
tia se ajoelhou e disse gentilmente, "Eu não posso ir mais longe com você, pequena
Zoya. “

"Por que não?"

“Eu preciso ir para casa para cuidar das minhas galinhas. Você não quer que elas
fiquem com frio, quer? Além disso, “ disse ela, alisando o cabelo longe do rosto de Zoya,
“Este é onde você pertence. Aqui eles vão ver a joia que está dentro de você, não apenas
os seus lindos olhos."

"Para os seus problemas", disse o jovem, e colocou uma moeda na palma de Liliyana.

"Você vai ficar bem?" Zoya perguntou a ela.

"Eu ficarei bem. Eu estarei melhor do que bem sabendo que você está segura. Vá agora,
eu posso ouvir as galinhas cacarejando. Elas estão muito zangadas comigo.” Liliyana
beijou as duas bochechas de Zoya. “Não olhe para trás, Zoya. Não olhe para mim ou
para sua mãe ou Pachina. Seu futuro está esperando.“

Mas Zoya olhou para trás de qualquer maneira, esperando por um último vislumbre de
sua tia acenando através daqueles portões imponentes. As árvores haviam lotado o
caminho. Se Liliyana ainda estava lá, Zoya não podia vê-la.

Naquele mesmo dia, seu treinamento havia começado. Ela recebeu um quarto no
Pequeno Palácio, começou as aulas de linguagem e leitura, começou a aprender Shu,
estudou com a desgraçada miserável de uma mulher conhecida apenas como Baghra na
cabana à beira do lago. Ela escrevia toda semana para sua tia e todas as semanas
recebia uma longa e nova carta de volta com desenhos de galinhas nos cantos e contos
do interessantes de comerciantes que passaram por Novokribirsk.

REI DE CICATRIZES | 299

Por lei, os pais dos alunos da Grisha recebiam uma quantia, uma taxa para os manter em
conforto. Quando Zoya soube disso, pediu ao tesoureiro que enviasse dinheiro para sua
tia em Novokribirsk.

"Liliyana Garin é minha tutora", ela disse a ele.

"Seus pais estão mortos, então?"

Zoya lançou-lhe um longo olhar e disse "Ainda não".

Mesmo aos dez anos ela tinha um comando tão frio em seus olhos que ele simplesmente
colocou sua caneta no papel e disse "Vou precisar de um endereço e seu nome
completo."

Levaria seis anos para que Zoya fizesse sua primeira travessia na Dobra das Sombras,
como um Aero júnior no segundo exército. Os Grishas ao redor dela estavam tremendo,
alguns até chorando quando entraram na escuridão, mas Zoya não mostrava medo, nem
mesmo no escuro, onde ninguém a veria tremer. Quando eles chegaram em
Novokribirsk, ela desceu do esquife, jogou o cabelo por cima do ombro, e disse "Eu vou
encontrar um banho quente e uma boa refeição."

Foi só uma vez que ela saiu das docas e deixou seus companheiros para trás que ela
começou uma corrida, seu coração se levantando, carregando-a com os pés leves sobre
os paralelepípedos da pequena loja de esquina de Liliyana.

Ela irrompeu pela porta, alarmando o único cliente de Liliyana, e Liliyana tinha saído do
quarto dos fundos, limpando as mãos no avental e dizendo, "O que está causando tanta
confusão -?"

Quando ela viu Zoya, ela apertou as mãos ao coração como se pudesse saltar do peito
dela. "Minha garota", disse ela. "Minha garota brilhante." E

então Zoya foi abraçar apertado sua tia.

Elas fecharam a loja e Liliyana preparou o jantar e apresentou Zoya para a criança que
ela pegou quando os pais não conseguiram voltar de sua última travessia - uma menina
magricela de nariz arrebitado chamada Lada, que exigiu que Zoya a ajudasse a
desenhar o Pequeno Palácio em detalhes extensos.

Elas descascaram avelãs pelo fogo e discutiu as personalidades das galinhas e toda a
fofoca do bairro. Zoya havia contado à tia sobre seus professores, seus amigos, seus
aposentos. Ela deu presentes a Liliyana de botas de pele de bezerro, luvas forradas de
pele e um espelho dourado caro.

“O que vou fazer com isso? Olha meu rosto velho? ”, Disse Liliyana.

“Envie para sua mãe como uma oferta de paz.

"É um presente para você", respondeu Zoya. "Então você pode olhar para isso todas as
manhãs e ver a pessoa mais linda que eu já conheci. ”

REI DE CICATRIZES | 300

Quando o Darkling usou Alina para ganhar controle da Dobra e expandi-la, ele destruiu
Novokribirsk para mostrar poder aos inimigos. A escuridão consumiu a cidade,
transformando suas construções em poeira e suas pessoas em presas para os monstros
não naturais que vagavam pelas profundezas.

Na esteira do desastre, todas as travessias haviam cessado e demorou semanas para


notícias das vítimas chegar a Kribirsk. O Segundo Exército estava no caos, a Invocadora
do Sol havia desaparecido ou sido morta, e o Darkling foi dito que surgiu em algum
lugar em Ravka Oeste. Mas Zoya não se importou. Ela só podia pensar em Liliyana. Ela
estará sentada em sua pequena loja com Lada e as galinhas, ela disse a si mesma. Tudo
ficará bem.

Zoya esperou e rezou para todos os santos, retornando às docas secas de Kribirsk dia
após dia, implorando por notícias. E finalmente, quando ninguém iria ajudá-la, ela
comandou um pequeno esquife por conta própria e entrou na Dobra sem ninguém para
protegê-la.
Ela sabia que, se o Volcra a encontrasse, ela morreria. Ela não tinha luz nem fogo com o
qual lutar contra eles. Ela não tinha armas além de seu poder.

Mas ela tomou o pequeno esquife e entrou no escuro sozinha, em silêncio. Ela viajou
longas milhas aos restos quebrados de Novokribirsk. Metade da cidade se foi, engolida
pela escuridão que atingiu todo o caminho até a fonte na praça principal.

Zoya correu para a loja da tia e não encontrou ninguém lá. A porta estava destrancada.
As galinhas grasnaram no quintal. Uma xícara de chá de bergamota, a favorita de
Liliyana, estava no balcão, há muito tempo ficou frio.

O resto da cidade estava quieto. Um cachorro latiu em algum lugar, uma criança chorou.
Ela não conseguiu encontrar nenhuma palavra de Liliyana ou de sua protegida até que
finalmente viu o mesmo cliente que ela encontrou há muito tempo na loja de sua tia.

“Liliyana Garin? Você a ela? Ela está viva? “

O rosto do antigo cliente empalideceu. “Eu… Ela tentou me ajudar quando a escuridão
veio. Ela me empurrou para fora do caminho para que eu pudesse correr. Se não fosse
por ela... “

Zoya soltou um soluço, não querendo mais ouvir. Brava Liliyana. É claro que ela havia
corrido para as docas quando os gritos começaram, pronta para ajudar. Por que você
não pôde ser uma covarde desta vez? Zoya não pôde deixar de imaginar a mancha
escura da dobra sangrando sobre a cidade, os monstros descendo do ar com seus dentes
e garras, gritando enquanto eles separavam sua tia. Toda sua bondade não significava
nada, sua generosidade, seu coração amoroso. Ela não tinha sido nada além de carne
para eles. Ela significava menos ainda para o Darkling, o homem que tinha
desencadeado seus horrores apenas para mostrar um ponto, o homem que ela tinha tão
bem adorado.

REI DE CICATRIZES | 301

"Ela deveria ter deixado você morrer", Zoya cuspiu no antigo cliente, e virou-se de volta.
Ela encontrou uma rua tranquila, encolhida contra um muro baixo de pedra, e chorou
como ela não fazia desde criança.

"Sorria, menina linda", disse um estranho passando. "Ainda estamos vivos! Ainda há
esperança!"

Ela pegou o ar de seus pulmões e o deixou de joelhos. "Sorria", ela comandou enquanto
seus olhos lacrimejavam e seu rosto ficou vermelho.

"Sorria para mim. Conte-me novamente sobre a esperança. ”

Zoya o deixou no chão, ofegando.

Ela fez a travessia mais uma vez, silenciosa e despercebida em seu ofício, de volta para
Kribirsk e os remanescentes do acampamento dos Grisha. Lá, ela aprendeu que o
Darkling levantou sua bandeira e chamou seus Grishas leais para ele. Membros do
Segundo Exército estavam desertando, reunindo-se ao lado do Darkling ou voltando
para Os Alta para tentar montar uma campanha contra ele.

Zoya roubara um cavalo e cavalgara durante a noite até a capital. Ela iria encontrar o
Darkling. Ela iria destruí-lo. Ela tiraria seu sonho de governar Ravka, mesmo que ela
tivesse que liderar o Segundo Exército.

Zoya nunca contou a Alina os detalhes de por que escolhera lutar ao seu lado, por que
ela se voltou contra o homem que ela reverenciara. Não importava. Ela ficou ombro a
ombro com a Santa do Sol. Eles lutaram e venceram. Eles assistiram o Darkling
queimar.
"E ainda a ferida sangra", disse o dragão. “Você nunca será verdadeiramente forte até
que feche. “

"Eu não quero que isso cure", Zoya disse com raiva, suas bochechas molhadas de
lágrimas. Abaixo, ela viu a versão do Novokribirsk que existia neste mundo crepuscular,
uma cicatriz negra através das areias. "Eu preciso disso."

A ferida era um lembrete de sua estupidez, de quão prontamente ela estava disposta a
colocar sua fé na promessa de força e segurança do Darkling, da facilidade com que ela
desistiu de seu poder para ele - e ninguém precisou forçá-la a ir em um corredor para
fazê-la fazer isso. Ela fez de bom grado. Você e eu vamos mudar o mundo, ele disse a
ela. E ela tinha sido tola o suficiente para acreditar nele.

“Zoya da cidade perdida. Zoya do coração partido. Você poderia ser muito mais.“

"Por que você não veio?" Ela soluçou, surpresa com as lágrimas frescas que veio a seus
olhos. Ela acreditou neles há muito tempo. "Por que você não a salvou? Todos eles?"

REI DE CICATRIZES | 302

"Nós não sabíamos o que ele pretendia."

"Você deveria ter tentado!"

Ela sempre seria aquela garota chorando em seu travesseiro, sussurrando preces que
ninguém responderia. Ela sempre seria aquela criança vestida de ouro sendo levada
como um animal para abate. Foi o poder que a salvou naquele dia na igreja, e foi nisso
que ela aprendeu a se apoiar, a cultivar.

Mas não foi o suficiente para salvar Liliyana. Depois da guerra, ela foi em busca de
Lada, esperando que a criança tivesse sobrevivido. Ela não encontrou nenhum traço.
Zoya nunca saberia o que aconteceu aquela garota de olhos brilhantes e rosto de pug.

"Você pode nos perdoar?" Juris perguntou. “Por ser tolo? Por ser frágil?

Por ser falível apesar de nossas grandes potências? Você pode perdoar você mesma? “

Por amar o Darkling. Por segui-lo. Por falhar em salvar Liliyana. Por não proteger o
Segundo Exército. A lista de seus crimes era muito longa.

Zoya, o dragão rugiu. Era menos uma palavra falada do que um pensamento que entrou
em sua cabeça, uma sensação de eternidade. Abra a porta. Conecte seu passado ao seu
futuro.

Zoya descansou a cabeça no pescoço do dragão e sentiu a força fluir através dela. Ela
ouviu seu coração batendo com o dele, lento e implacável, e abaixo dele, um som mais
profundo, mais baixo, que tocou tudo, o som do universo, a fabricação no coração do
mundo. Ela queria poder ser forte o suficiente para isso, mas o que quer que Juris
desejasse dela, ela não conseguia encontrar o caminho para isso.

Você é a condutora, Zoya. Você vai trazer os Grishas de volta para o que eles deveriam
estar antes que o tempo e a tragédia corrompessem seu poder. Mas só se você puder
abrir a porta.

Por que eu? ela imaginou.

Porque você escolheu esse caminho. Porque o seu rei confia em você.

Juris bateu suas asas e voltou para o palácio. Porque você é forte o suficiente para
sobreviver a queda.

REI DE CICATRIZES | 303

Isaak passou à informação que ele havia colhido de sua conversa com Ehri, embora uma
parte dele se sentisse um pouco suja ao fazê-lo. Ele compartilhou todos os detalhes
sobre o Tavgharad e, com certeza, as fontes de Tamar tinham sido capazes de aprender
que um deles, um jovem recruta chamado Mayu Kir-Kaat, tinha um irmão gêmeo que
também serviu no exército de Shu.

"Ele estava com um regimento em Koba", disse Tamar. “Mas ninguém parece ser capaz
de encontrá-lo. “

"Isso é bom ou ruim?" Isaak queria saber.

"Bom para nós. Ruim para o nosso guarda Tavgharad ”, disse Tamar.

"Nós rastreamos remessas de rutênio para Koba. Se o irmão dela foi convocado para o
programa Khergud, ela pode não estar feliz com isso. Muitos candidatos não sobrevivem
e aqueles que o fazem ficam muito mudados. ”

Isaak não sabia muito sobre os soldados Kherguds, só rumores que eles estavam em
algum lugar entre o homem e uma máquina de matar. “ Então, se esse guarda Mayu é o
desertor ”, ele disse, “ você iniciará contato? ”

"Não vai ser fácil", disse Tolya. “Os guardas Shu raramente estão sozinhos. Mas vamos
focar nisso. ”

Tamar concordou. "Precisamos de você no seu melhor para o seu encontro com o
Kerch."

E ainda nenhuma preparação poderia ter aprontado Isaak para o seu desastroso
encontro com Hiram Schenck.

Isaak começou a noite emocionado por visitar o Pântano Dourado, imaginando que
deboche louco ele poderia testemunhar e se ele iria ver as adegas de vinho do Conde
Kirigin. Eles saíram com apenas alguns soldados, os gêmeos e Hiram Schenck e seus
guardas. Apesar do frio da noite, Schenck tinha estado tonto.

"Isso é muito emocionante, Vossa Alteza", disse ele. “Um momento fortuito para nossos
dois países. ” Ele tinha a mesma cor avermelhada e cabelos ruivos de suas filhas.

"De fato", disse Isaak. Foi uma palavra muito útil.


A condessa cumprimentou-os nos jardins de sua mansão cintilante, vestida em um
casaco carmim vibrante, as lapelas cravejadas de rubis do tamanho de ovos de fraque.

"Prazer em ter você!" Ele disse em Ravkan. "Bem-vindo ao meu pequeno refúgio."

REI DE CICATRIZES | 304

"Obrigado por sua hospitalidade", disse Isaak, conforme as instruções.

“Nós sabíamos que poderíamos contar com a sua discrição. ”

"Sempre", disse Kirigin. “Uma necessidade de arte e sedução também.

Eu mandei todos os meus convidados embora, e os jardins são seus. Quando você
terminar com sua festa, espero que venham se recuperar no meu humilde lar e
compartilhar uma xícara de algo aquecido. " Então ele limpou a garganta e abaixou a
voz dele. “Mandei um convite ao Comandante Nazyalensky para minha festa de outono
semana que vem. Eu me pergunto se a Vossa Alteza pode considerar incentivá-la a vir? “

"Claro", disse Isaak. "Ela não está atualmente na capital, mas tenho certeza que ela
ficará feliz em participar da diversão. ”

Kirigin piscou. "Ela iria?"

"Talvez devêssemos seguir nosso caminho, Vossa Alteza", interveio Tolya, afastando
Isaak do conde, que olhava para ele estranhamente. "Eles estarão esperando por nós no
lago."

"Eu disse alguma coisa errada?" Ele sussurrou para Tolya enquanto desciam um
caminho de cascalho iluminado por tochas.

"Zoya Nazyalensky não estará feliz em se juntar ao Conde Kirigin para nada", disse
Tolya.

Tamar deu-lhe ao guia um piscar de olhos. "Menor de toda a diversão."

Genya e David esperavam nas margens de um lago totalmente sombrio.

Eles embarcaram em um pequeno barco à vela, um membro da Marinha Real de Ravka


ao leme. A noite estava parada e, assim, um Aero permaneceu no mastro, levantou as
mãos e encheu a vela com o vento. Acima deles, o céu noturno estava iluminado por
fogos de artifício lançados de algum lugar nos terrenos de Kirigin. Isaak se perguntou
para quem eles eram se todos os seus convidados se foram, mas criaram uma atmosfera
encantadora.

O barco parou, balançando suavemente. Ele podia ver uma variedade de outras
embarcações ancoradas não muito longe, suas velas iluminadas por lanternas. Ninguém
parecia estar a bordo.

"Como você sabe", disse Isaak em Kerch, recitando o discurso que Genya e Tolya haviam
preparado para ele, “Eu nunca me contentei em ficar confinado à terra. Eu tenho
viajado pelos céus. Eu cavalguei o mar. Mas então comecei a me perguntar, por que a
fronteira que está abaixo das ondas que eu amo tanto deveria está fechada para nós? E
então nasceu "- ele varreu seu braço dramaticamente para o porto -" o izmars'ya! ”

A água ao lado do veleiro começou a espumar e a subir. O que parecia ser a parte de
trás de uma besta de prata apareceu na superfície. Isaak sufocou um suspiro. Ele
desejou que os outros houvessem o preparado para o tamanho da coisa. Ele ofuscou o
veleiro.

Schenck agarrou o corrimão, tentando absorver tudo. "Incrível", disse ele "Pensar que
ficou abaixo de nós o tempo todo. Agora vamos ver o que isso pode fazer.”

"Claro", disse Isaak, e levantou a mão para dar o sinal.

REI DE CICATRIZES | 305

O izmars’ya desceu novamente, desaparecendo sob a superfície. Tudo estava quieto, o


único som dos fogos de artifício que pontilham o céu como cascatas de luz.

Então um estrondo alto soou muito perto. A água ao lado dos barcos mais próximos
explodiu em uma pluma maciça. A escuna de aparência elegante rachou a estibordo e
desmoronou, as luzes das lanternas pegando em suas velas e colocando-as em chamas.
O barco começou a afundar, tomando água a um ritmo alarmante, como se alguém
tivesse aberto o casco.

Estrondo. Outro barco desmoronou - este um enorme galeão velho.

Outro - um arrumado tosquiador. Mesmo que estas embarcações estivessem tripuladas e


tivessem tentado montar algum tipo de defesa, não havia nada para atirar. Não havia
sinal do izmars'ya, apenas a superfície calma do lago.

Um calafrio percorreu Isaak que não tinha nada a ver com a noite fria ou a névoa
sombria ao redor do lago. Então foi por isso que os Kerch estavam tão ansiosos por
esses navios submarinos. Eles poderiam atacar a qualquer momento sem risco para si
mesmos - um inimigo invisível. Foi um pensamento assustador.

Schenck estava batendo palmas e gritando. "Estupendo! Melhor do que eu poderia ter
imaginado. O Conselho ficará emocionado. Quanto tempo dura o alcance? Misseis
podem romper um casco de aço? Que tipo de combustível precisaremos? “

Isaak não sabia como responder. Ninguém o havia preparado para esse tipo de
interrogação. Ele pensou que eles apenas ofereceriam uma demonstração e depois se
retirariam a casa de Kirigin para se aquecer.

"Tudo no devido tempo", disse Isaak - ou teria dito. Mas ele não tinha conseguido a
primeira palavra quando o izmars'ya violou as águas ao lado do veleiro com um rugido
ensurdecedor. Seu flanco de metal bateu no veleiro, empurrando Isaak e os outros para
o convés. Hiram Schenck gritou.

O casco do izmars'ya tinha se aberto e o corpo interior do navio estava visível. Estava
enchendo de água enquanto os tripulantes gritavam e tentavam subir pelas paredes de
metal. Houve outro som alto enquanto o seu tanque de combustível explodiu em
gigantescas nuvens de chamas. Isaak ouviu um gemido alto, seguido por outro e depois
outro, enquanto os mísseis de izmars'ya disparavam para o céu noturno, juntando-se aos
fogos de artifício do Kirigin.

Um míssil solitário roçou um dos mastros do veleiro, partindo-o em dois. Isaak empurrou
Hiram Schenck para o lado antes que pudesse colidir no comerciante.

"Tire-nos daqui!", gritou o capitão, e o Aero encheu o restante das velas com o vento,
levando-as rapidamente para a praia.

O resto do desastre foi um borrão: soldados encharcados, a histeria de Hiram Schenck,


Conde Kirigin chamando "Então você não vai ficar para o jantar?" dos degraus de sua
casa enquanto sua festa batia em retirada para o palácio.

REI DE CICATRIZES | 306


Quando eles finalmente entraram na sala de estar do rei e Isaak tirou seu casaco
molhado, ele estava preparado para uma longa noite de estratégias e recriminações. Em
vez disso, Tamar se jogou no sofá e começou a rir. Tolya pegou David em um braço e
Genya no outro e os girou ao redor.

“Brilhante” ofegou Genya, batendo no ombro de Tolya, para que ele a colocasse para
baixo. "Um desempenho digno da própria raposa inteligente. "

"O jeito que Schenck gritou", cantou Tamar. "Eu acho que ele pode ter se molhado."

"Eu quase fiz o mesmo", disse Tolya. “Era para o míssil ter atingido o mastro?"

"Claro que sim" disse David com firmeza “Você disse que queria um espetáculo.”

Genya deu um beijo em sua bochecha e repetiu, "Brilhante. "

Isaak olhou para eles. "Então... isso não foi um desastre?"

"Foi um triunfo", disse Tamar.

"Eu vi", disse Isaak.

"Oh, Isaak", disse Genya. "Eu sinto muito. Nós não tínhamos certeza de que você
poderia fingir surpresa real. ”

“Nós precisávamos que sua reação fosse natural”, disse Tamar.

O rosto de Tolya estava contido. "Nós só tivemos uma chance para acertar isso."

Isaak sentou-se no sofá. "Droga."

"Sentimos muito", disse Genya, agachando-se em seu joelho e olhando para ele
implorando. "Verdadeiramente."

“Você pode nos perdoar? ” Perguntou Tolya.

"Eu estava tão empolgado", disse Isaak. Ele tirou a bota esquerda e assistiu o derrame
do que parecia ser meio lago no tapete. “Finalmente algo deu errado e eu não tive nada
a ver com isso. “

REI DE CICATRIZES | 307

A noite antes do ritual, Nikolai sentou-se com Zoya na frente do fogo em seus aposentos.
Yuri se retirou cedo para orar.

O fogo na lareira era totalmente desnecessário. A Dobra não estava nem quente nem
frio - o tempo exigiria algum tipo de mudança em punição a monotonia deste lugar. Mas
as chamas eram tudo que elas tinham para entretenimento, e Nikolai estava precisando
desesperadamente de distração.

Ele insistiu que estava pronto para o ritual. Elizaveta queria atrasar por mais alguns
dias para que ele pudesse solidificar seu controle, mas Nikolai não estava disposto a
arriscar. Ele precisava voltar para a capital. Mas foi mais que isso. Ele podia sentir o
monstro ficando mais forte a cada dia, e ele suspeitava que tinha se tornado mais fácil
fazer seu demônio subir porque queria esticar suas asas. Poderia provar a possibilidade
de liberdade.

"Só um pouco mais", dissera Elizaveta.

Mas Nikolai se manteve firme. "Amanhã," ele disse a ela. Ou o que quer que seja
passado amanhã neste lugar amaldiçoado.

Ele nunca desejara dormir mais, por algum alivio dos pensamentos do desafio que viria.
Ele podia sentir o monstro esperando. De alguma forma ele sabia que amanhã eles iriam
se enfrentar, e estaria feito. A antecipação era mais assustadora que o fato que ele iria
enfiar um espinho no peito daqui a poucas horas. Nikolai ansiava uma taça de vinho
desesperadamente. Não, deixe a taça. Ele queria a garrafa toda.

Mas não havia vinho para beber. Nenhum alimento para encher um prato. Ele estava
com fome e ainda assim seu estômago não roncou. Ele estava com sede e ainda sua boca
nunca estava seca.

Nikolai observou Zoya observando as chamas. Ela flexionou os dedos e faíscas saltaram.
Ele ainda não conseguia entender o que Juris lhe ensinara nesse tempo curto. Ela usava
as mesmas roupas que usava na manhã em que desapareceu, embora o manto grosseiro
tivesse sido descartado há muito tempo. Ele estava grato pela familiaridade da profunda
seda azul de seu kefta.

Ela se sentou com um joelho dobrado, uma bochecha apoiada contra ele.

Nikolai percebeu que nunca a viu tão à vontade. Na corte, Zoya sempre se movia com
graça, seus passos suaves, seu olhar afiado e implacável como a REI DE CICATRIZES |
308

lâmina de uma faca. Mas ele percebia agora que era a graça de uma atriz no palco. Ela
sempre esteve atuando, sempre em guarda. Mesmo com ele.

Nikolai soltou uma risada assustada, e ela olhou para ele. "O que é isso?"

Ele balançou sua cabeça. "Eu acho que estou com ciúmes."

"Sobre o que?"

"Um dragão."

"Não deixe Juris ouvir isso. Ele pensa o suficiente de si mesmo. “

"Ele deveria. Ele pode voar e respirar fogo, e ele provavelmente tem pilhas de ouro
escondidas em algum lugar. “

“Esse é um clichê injusto. Poderia muito bem ser joias. “

"E ele fez você parecer assim."

Zoya levantou uma sobrancelha. "Como o que exatamente?"

"Confortável."

As costas de Zoya se endireitaram e ele sentiu um arrependimento tremendo ao ver sua


armadura se trancar de volta no lugar.

Depois de um minuto, ela perguntou, "O que você acha que vai acontecer quando
deixarmos este lugar? "

"Esperançosamente muitas coisas não estarão em chamas. "

Zoya suspirou. “David e Kuwei ficaram desacompanhados por muito tempo. Por tudo
sabemos que eles explodiriam metade da capital. “

"Isso é preocupantemente plausível", admitiu Nikolai. Ele esfregou a mão sobre a sua
cabeça. Vinho tinto. Vinho branco. Aquela bebida feita com cerejas fermentadas que ele
experimentou no Club do Corvo. Qualquer coisa por um pouco de descanso, uma noite
de descanso real. Nem mesmo a mistura de dormir de Genya funcionou aqui. Apenas fez
sua mente ficar lenta. "Eu não sei o que encontraremos. Eu nem sei quem vou ser
amanhã. “

“Você será quem você sempre foi destinado a ser. O rei de Ravka. “

Talvez, ele pensou. Ou talvez seja deixado para você colocar Ravka em ordem.

Ele tirou um documento dobrado do bolso e colocou-o ao lado da mão dela.

Ela pegou e virou, franzindo a testa para o selo de cera que ele tinha impressionado com
o anel de sinete. "O que é isso?"

"Não se preocupe, eu não te escrevi uma carta de amor." Ela virou o rosto para o fogo.
Até mesmo a menção de amor era demais para as sensibilidades implacáveis de Zoya?
“Esta é uma ordem real declarando você REI DE CICATRIZES | 309

protetora de Ravka e fazendo você comandante do Primeiro e do Segundo Exército. ”

Ela olhou para ele. "Você perdeu sua inteligência completamente? "

"Estou tentando fazer a coisa responsável. Eu acho que isso está me dando indigestão. “

Zoya jogou a carta no chão como se o papel tivesse queimado seus dedos.
"Você não pensa que vai sobreviver amanhã. “

"As esperanças de Ravka não deveriam viver e morrer comigo."

"Então você as está fixando em mim em vez disso? "

“Você é uma das Grishas mais poderosas que o mundo já conheceu, Zoya. E se alguém
pode proteger Ravka, é você. “

"E se eu disser que não quero o emprego? "

“Nós dois sabemos melhor. E eu mencionei que a posição vem com algumas safiras
verdadeiramente espetaculares? ” Nikolai descansou as mãos nos joelhos. “Se os
gêmeos e o Triunvirato não conseguirem esconder o nosso desaparecimento, Ravka
pode já estar em turbulência. Nós dois sabemos que é possível que eu não sobreviva ao
ritual e alguém terá que restaurar a ordem.

Todo homem e mulher que afirma ter um pouco de sangue Lantsov vai fazer uma oferta
para o trono, e nossos inimigos vão aproveitar a chance de separar o país. Escolha um
dos pretendentes para voltar, o mais inteligente ou o mais charmoso ou – “

"O mais facilmente controlável? "

"Entende? Você foi feita para isso. Reúna os Grishas. Tente salvar nosso povo.“

Zoya olhou para o fogo, sua expressão perturbada. “Por que é tão fácil para você
contemplar sua morte? “

"Eu prefiro olhar para uma coisa diretamente do que deixá-la me pegar de surpresa."
Ele sorriu. "Não me diga que você vai sentir minha falta. "

Zoya desviou o olhar novamente. "Eu suponho que o mundo seria menos interessante
sem você nele. Eu não me deixaria ser afogada em âmbar para qualquer um, você sabe."

"Estou tocado", disse ele. E ele estava. Foi o mais parecido com um elogio que ela já deu
a ele.

Ela puxou uma corrente fina do pescoço de seu kefta e puxou-a sobre ela cabeça. A
chave que ela usou para suas algemas. Ela balançou isto no dedo dela. "Nós nunca mais
precisaremos disso depois de amanhã. ”

Ele tomou isso dela, sentindo o peso disso na palma da mão. O metal estava quente na
sua pele. Ele não tinha perdido a cerimônia noturna, mas ele REI DE CICATRIZES |
310

sentia falta de ter uma desculpa para falar com ela todas as noites e todas as manhãs.
Ele supôs que isso estar no fim agora também.

Nikolai hesitou. Ele não estava ansioso para estragar sua boa vontade.

"Seu amplificador... ” A mão de Zoya se contraiu, e ele sabia que ela estava resistindo à
vontade de tocar seu pulso nu. "Você vai me dizer como você conseguiu? "

"Por que isso Importa? "

"Eu não sei porque." Mas ele queria saber. Ele queria sentar aqui e escutar ela falar. Por
todo o tempo que passaram juntos, Zoya ainda era um mistério para ele. Esta pode ser
sua última chance de desvendá-la.

Ela alisou a seda de seu kefta sobre os joelhos. Ele pensou que ela não poderia não falar,
sentar-se ali, silenciosa como uma pedra, até ele desistir de esperar. Zoya era
perfeitamente capaz disso. Mas finalmente ela disse, “Eu tinha treze anos. Eu estive no
Pequeno Palacio por quase cinco anos. O

Darkling levou um grupo de Grisha para Tsibeya. Havia rumores de que os tigres
brancos de Ilmisk haviam retornado, e ele suspeitava que pelo menos um deles fosse um
amplificador. ”

“Perto do permafrost? ”

“Um pouco mais ao sul. Eu era a mais nova do grupo e tão orgulhosa de ser escolhida
para ir. Eu já estava meio apaixonado por ele. Eu vivia para os raros momentos em que
ele aparecia na escola. “ Ela balançou a cabeça. “Eu era a melhor e queria que ele visse
isso… Os Grisha mais velhos estavam todos na disputa pelo amplificador. Eram eles que
rastreariam os tigres e veriam quem ganharia o direito de matar. Eles seguiram uma
fêmea por quase uma semana e encurralou-a na floresta perto de Chernast, mas ela de
alguma forma escapou de seu alcance. “

Zoya envolveu seus braços ao redor de suas pernas. “Ela deixou seus filhotes.
Abandonou os três deles. Os homens do Darkling os prenderam em uma gaiola para que
os Grishas pudessem disputar sobre quem mais merecia os dentes. A noite toda
podíamos ouvir a mãe rondando o perímetro do acampamento, rosnando e uivando.
Meus amigos falavam sobre ir no escuro para persegui-la. Eu sabia que eles eram todos
barulhentos, mas eu não conseguia parar de pensar nos filhotes. Então, quando o
acampamento estava dormindo, eu criei uma distração para os guardas, derrubando
uma das barracas com uma rajada de vento, e eu libertei os filhotes da gaiola. Eles eram
tão pequenos ”, disse ela com o menor dos sorrisos. "Eles não podiam realmente correr,
só rolar um pouco, tropeçar, neles mesmos. Eu apenas os mantive afastados do
acampamento. Santos, eu estava com medo. “ Seus olhos estavam longe agora, como se
estivessem olhando para aquela noite longínqua.

"Estávamos ainda à vista das tochas quando percebi que não estava sozinha. ”

"A mãe?"

REI DE CICATRIZES | 311

Ela balançou a cabeça. “Um macho. Eu não sei porque, mas ele foi direto para os
filhotes. Eu entrei em pânico. Eu deveria ter lutado, usado meu poder, mas tudo que eu
conseguia pensar foi cobrir seus corpos com os meus. Quando o macho atacou, suas
garras rasgaram meu casaco e meu kefta até a pele das minhas costas. ” Zoya cerrou os
punhos. “Mas eu protegi esses filhotes. Eu lembro... eu lembro que eu tinha fechado
meus olhos espremidos, e quando eu os abri a neve parecia preta no luar. Ela virou o
rosto para o fogo. “Estava manchado com meu sangue. Eu podia sentir os filhotes se
contorcendo contra mim, uivando seu terror, suas pequenas garras afiadas como
agulhas. Isso foi o que me trouxe de volta ao senso - aquelas minúsculas, viciosas,
pequenas pontinhas. Eu juntei a última das minhas forças e convoquei a rajada mais
poderosa que pude. Eu abri meus braços e mandei o macho voando. Foi quando o
Darkling e seus guardas vieram correndo. Eu acho que estava gritando. “

"Eles mataram o tigre?"

“Ele já estava morto. Ele atingiu uma árvore quando eu o joguei. Isso quebrou o seu
pescoço. Os filhotes escaparam. “

Zoya levantou-se. Ela virou as costas para ele e, para sua surpresa, encolheu os ombros
e a seda de seu kefta desceu de seus ombros, deixando-o acumular em seus quadris. Um
indesejado raio de desejo passou por ele, e então ele viu - ao longo da pele lisa de suas
costas havia oito longas cicatrizes franzidas.

“Os outros Grishas ficaram furiosos”, ela disse, “mas eu matei o tigre branco. O
amplificador só poderia pertencer a mim. Então eles enfaixaram minhas feridas e eu
reivindiquei os dentes do tigre para o meu pulso. Ele me deixou com isso. “

A luz do fogo pegou a superfície perolada das cicatrizes. Foi um milagre que ela tivesse
sobrevivido.

“Você nunca os curou? Costurou? “

Ela puxou o kefta de volta para os ombros e prendeu os fechos. "Ele deixou sua marca
em mim e eu nele. Nós causamos dano um ao outro. Merece ser lembrado. "

"E o Darkling não lhe negou o amplificador, apesar do que você fez? "

“Teria sido uma punição justa, mas não. Um amplificador tão poderoso era muito raro
para desperdiçar. Eles colocaram a corrente em mim, prenderam os dentes do gato
velho à prata, então eu nunca poderia removê-lo.

É assim que todos os amplificadores mais potentes são moldados. ”

Ela olhou para fora da moldura aberta da janela para a extensão cinza e plana do céu. “
Quando tudo acabou, o Darkling me levou para sua tenda e disse, 'Então, Zoya, você
libertou os filhotes de tigre. Você fez a coisa altruísta.

E ainda assim de alguma forma você é aquela que terminou o dia com maior REI DE
CICATRIZES | 312

poder. Mais do que qualquer um dos apostadores que esperaram pacientemente a sua
vez. O que você diz sobre isso? ‘

“Sua desaprovação foi mais dolorosa do que qualquer ferida das garras de um tigre.
Alguma parte de mim sempre temeu que ele me mandasse embora, me banisse para
sempre do Pequeno Palácio. Eu disse a ele que sentia muito.

“Mas o Darkling me viu claramente mesmo então. ‘É realmente isso que você deseja
dizer? ‘ Ele perguntou."

Zoya empurrou uma mecha escura do cabelo atrás da orelha. “Então eu disse a ele a
verdade. Eu coloquei meu queixo para cima e disse, ‘Eles podem todos se enforcarem.
Foi o meu sangue na neve. “

Nikolai reprimiu uma risada e um sorriso apareceu nos lábios de Zoya.

Diminuiu quase instantaneamente, substituído por uma expressão preocupada. “Isso o


agradou. Ele me disse que era um trabalho bem feito. E

então ele disse... ‘Cuidado com o poder, Zoya. Não há quantidade que possa fazê-los
amar você. '”

O peso das palavras assentou sobre Nikolai. É isso que todos nós estamos procurando?
Era isso ele havia caçado em todos os livros da biblioteca? Em suas viagens inquietas?
Em sua busca infindável para aproveitar e depois manter o trono? "Era amor que você
queria, Zoya? “

Ela balançou a cabeça lentamente. "Acho que não. Eu queria força.

Segurança. Eu nunca queria me sentir desamparada novamente. “

“De novo?“ Era impossível conceber Zoya como algo menos do que poderoso.

Mas tudo o que ela disse foi, "Quando Juris quebrou essa corrente, foi como se ele
tivesse rasgado um membro do meu corpo. Você não pode imaginar isso. “
Ele não podia. E ele não podia imaginar que palavras lhe trariam conforto. "O que
aconteceu com os filhotes? "

Zoya passou o dedo pelo parapeito da janela, a areia caindo dela em uma reluzente
cascata. "Ele me disse... O Darkling disse que por causa do meu cheiro neles, a mãe
deles não os criaria. ” A voz dela tremeu ligeiramente. "Ele disse que eu os condenei tão
certamente quanto se eu tivesse levado uma faca para suas gargantas. Que ela os
deixaria morrer na neve. Mas eu não acredito nisso, você acredita? “

Seu rosto estava composto, mas seus olhos estavam implorando. Nikolai sentiu como se
ele estivesse olhando para a menina que ela era naquela noite fria e sangrenta.

"Não", disse ele. "Eu não acredito nisso."

REI DE CICATRIZES | 313

"Bom", ela disse. "Bom..." Ela deu um puxão firme em seu punho, parecendo voltar a ela
mesma. “Todo amante que eu tive perguntou sobre essas cicatrizes. Eu fiz uma nova
história para cada um deles. ”

Ele descobriu que não queria pensar nos amantes de Zoya. "E o que eu fiz c ganhar a
verdade?"

“Me ofereceu um país e enfrentou a morte iminente? ”

"É importante ter padrões, Nazyalensky."

Zoya inclinou o queixo na direção da ordem selada que ainda estava no chão. "Não é
tarde demais para queimar isso. “

Nikolai pensou na superfície lisa de suas costas listradas por aquelas cicatrizes
enrugadas. Ele pensou na teimosa inclinação do queixo dela. Ele a imaginou encolhida
na neve, arriscando sua posição com o mentor que ela adorava, arriscando sua própria
vida para salvar esses filhotes.

"Quanto mais eu sei de você", ele disse, "mais eu tenho certeza que você é exatamente o
que Ravka precisa. “

Naquele momento, ele desejou que as coisas fossem diferentes. Que ele não pudesse
morrer amanhã. Que ele pudesse ser liderado pelo seu coração em vez de dever.

Porque Zoya não era gentil e não era fácil.

Mas ela já era uma rainha.


REI DE CICATRIZES | 314

Nina nunca sentou por um jantar tão longo, estranho. Um dos quartos mais bonitos fora
da capela foi arrumado com uma refeição privada para Brum, sua filha, e sua professora
de linguagem. A comida foi uma melhoria marcada em comparação com a simples do
convento: polpa grelhada servido com mexilhões, brotos de repolho e creme, enguia
defumada, cogumelos em conserva e alho-poró refogado. Nina dobrou dois minúsculos
ovos de codorna nas saias, para o caso de Trassel ter gosto pelas coisas boas, e se viu
imaginando se poderiam terminar com biscoitos de amêndoa açucarados. Um poderia
planejar uma espionagem violenta e ainda esperar pela sobremesa.

Brum havia questionado Adrik e Leoni naquela tarde e, aparentemente, as respostas o


satisfizeram. Nina esperava que Adrik se recusasse a continuar com o plano deles agora
que eles estavam enfrentando o escrutínio do comandante drüskelle, mas ele a
surpreendeu.

"Eu sempre imaginei que morreria jovem", disse Adrik, sombrio como sempre. “Por que
não fazer isso empurrando minha bota na bunda desse assassino? “

Naquela noite, ela era Nina Zenik, sentada em frente ao seu maior inimigo. O antigo
mentor de Matthias e o arquiteto de alguns dos piores crimes contra seu povo. Mas ela
também era Mila Jandersdat, uma menina pobre jantando com aqueles acima de seu
status, tudo enquanto assistia a sua amiga sofrer.

E Hanne era sua amiga. Ela pensou em Hanne se esgueirando para longe do convento
para entregar uma criança indesejada. Ela pensou nela agachada no pescoço de seu
cavalo, correndo pelos campos, nela em pé na sala de aula, mãos levantadas em posição
de luta, bochechas coradas. Uma guerreira nascida. Ela tinha uma selvagem, generosa
faixa que poderia virar algo mágico se fosse apenas permitido florescer. Isso pode
acontecer em Ravka.

Definitivamente não ia acontecer nessa mesa.

Brum sujeitou Hanne a perguntas intermináveis sobre suas aulas de comportamento e


seus planos para o próximo ano.

“Sua mãe e eu sentimos sua falta, Hanne. Você já passou muito tempo longe de
Djerholm. “

"Eu também sinto sua falta, papai. "

REI DE CICATRIZES | 315


“Se você deixasse de lado essas atividades impróprias e se aplicasse, eu sei que você
seria bem-vinda de volta a corte. Basta pensar em como seria bom para todos estarmos
juntos novamente. “

"Sim, papai. "

"Eu não gosto da ideia de você ficar aqui fora, especialmente com influência estrangeira
invadindo essas pequenas cidades. A Madre me contou que uma noviça foi pega com um
ícone de algum Santo pagão debaixo do travesseiro. Você pertence a Corte de Gelo. “

"Sim, papai."

As tentativas de Hanne para discutir seus estudos foram rejeitadas com o aceno de uma
mão. “Você sempre foi inteligente, Hanne. Mas isso não lhe trará um marido poderoso. “

“Ele não desejaria uma esposa com quem pudesse discutir política e assuntos do
Estado? "

Brum suspirou. “Um homem que passa o dia inteiro cuidando dos negócios do país não
quer conversar sobre essas coisas com sua esposa. Ele deseja ser acalmado, entretido,
lembrar das coisas mais gentis neste mundo, as coisas que nós lutamos tão duro para
proteger. “

Nina sufocou uma brincadeira. Ela não tinha certeza de que seria capaz de manter esse
excelente jantar.

Enquanto a discussão entre Hanne e seu pai ficou mais quente, ela discretamente se
desculpou. Brum estava hospedado na fábrica, e eles iriam segurar o ataque até ele sair
de manhã.

Nina usou o banheiro, depois verificou os bolsos do casaco que Brum deixara
cuidadosamente dobrado na cadeira da sala de estar. Ela encontrou uma carta cheia de
conversas sobre "O pequeno Lantsov" e alguém chamado Vadik Demidov. Ela fez o
melhor para guardar o resto da informação na memória, mas ela não podia se dar ao
luxo de ir embora da mesa longa.

Nina apagou a vela e saiu da sala de estar. Jarl Brum estava de pé no corredor mal
iluminado.

"Oh!", ela gritou, deixando a mão flutuar para o decote de seu vestido.

"Você me assustou."

"Você se perdeu no caminho de volta do banheiro? "

"Não, senhor", disse ela, acrescentando uma pitada de falta de ar em sua voz. "Eu vi que
as velas estavam queimando e parei para apagá-las. “

"Isso não é trabalho dos empregados, Enke Jandersdat? "

"Por favor, me chame de Mila."

REI DE CICATRIZES | 316

Brum olhou para ela na escuridão. "Isso não seria inteiramente adequado."

Como os Fjerdanos amavam suas correções, mas ela começou a se perguntar se eles
adoravam fazer suas regras simplesmente pela emoção de quebrá-las.

"Perdoe-me", disse ela, caindo em uma reverência desnecessariamente profunda. "Eu


não quis ofender. Receio que meus modos do campo tenham te desagradado. ”
Brum colocou o dedo sob o queixo dela, mas ele foi gentil dessa vez enquanto ele a
levantava e inclinava seu rosto para cima. "De modo nenhum.

Eu os acho refrescantes. Você vai aprender o ritmo na companhia de seus apostadores


no tempo certo. ”

Nina baixou os olhos. "Se eu tiver a sorte de ter motivos para isso. "

Brum a estudou. "Eu parto amanhã de manhã, mas muitas vezes volto a Gäfvalle para
garantir que a fábrica de munição esteja funcionando sem problemas.” E supervisionar
seus experimentos, Nina pensou com um raio de raiva. "Estou ansioso para ver como as
lições de Hanne progridem. ”

"Eu não tenho uma posição permanente aqui", disse Nina, torcendo as mãos. "Eu não
tenho certeza de quanto tempo a Madre vai tolerar a minha presença. "

Brum colocou a mão sobre a dela e ela se acalmou. “Coisinha tão nervosa. A Madre
sempre terá um lugar para você se eu disser isso. “

Nina olhou para ele com todo o espanto que ela poderia reunir. Ela apertou sua mão
firmemente. "Obrigado, senhor", disse ela fervorosamente.

"Obrigado."

Eles se juntaram a Hanne na sala de jantar para se despedirem.

Assim que o pai se foi, Hanne caiu contra a parede, aliviada. “Graças a Djel isso acabou.
Você conseguiu o que precisava? “

Nina levantou a bolha de cera de vela quente que ela pressionou contra o anel de sinete
de Brum para formar uma impressão perfeita de seu selo. "Eu consegui. O resto é com
você. "

Adrik estava certo sobre o problema de entrar na fábrica. Mesmo com o selo de Brum
em uma ordem militar, não havia como os guardas da entrada leste libertar as mulheres
e meninas sem um convincente soldado Fjerdano encarregado.

Hanne não saiu da cama na manhã seguinte, alegando que a comida rica do jantar da
noite anterior não tinha concordado com ela.

REI DE CICATRIZES | 317

A Madre não tinha muita paciência para isso. “Nossos deveres não incluem uma garota
mimada com um estômago frágil. “

"Claro, Madre", Hanne concordou. "Enke Jandersdat pode cuidar de mim. "

Então ela se debruçou do lado da cama e vomitou.

A Madre apertou a manga contra o nariz para evitar o cheiro. "Bem.

Deixe que ela esvazie seu balde doente e limpe sua bagunça. “

"Talvez o emético de Leoni tenha funcionado bem demais", disse Nina assim que
estavam sozinhas juntas, a porta firmemente fechada.

Hanne gemeu e se jogou de volta em seus travesseiros, parecendo nitidamente verde.


Nina sentou-se na cama e segurou um frasco de vidro efervescente nos lábios de Hanne.
"Aqui, isso vai ajudar. Leoni é tão bom em tônicos quanto eméticos. “
"Espero que sim", disse Hanne.

Nina limpou a enfermaria enquanto Hanne descansava, então a fez comer alguns pães
simples e um ovo. "Você vai precisar da sua força."

Hanne se apoiou na cama, empurrando um travesseiro atrás das costas.

Ela deixou seu cabelo solto em uma cascata castanho-avermelhado ao redor de seus
ombros, e Nina tinha o desejo de enrolar um dos cachos grossos ao redor do dedo dela.

"Eu não sei se posso fazer isso", disse Hanne. "Eu nunca tentei adaptar nada antes. "

Nina abriu as cortinas para deixar entrar o máximo de luz solar possível.

O quarto de Hanne estava no segundo andar, então elas não precisavam se preocupar
com olhares indiscretos. "É apenas outra maneira de manipular o corpo ”.

"Você já viu isso?"

"Só uma vez", mentiu Nina. Todo o seu rosto e corpo foram adaptados para serem
totalmente irreconhecíveis. Ela até tentou fazer algumas vezes.

"E se eu não puder trazer de volta depois de fazer isso? "

"Então, vamos encontrar alguém que possa", ela prometeu. Mesmo que eu tenha que te
arrastar a Ravka para isto. "Mas eu realmente não acho que isso seja um problema.
Você apenas vai fazer mudanças muito pequenas. ”

Nina se sentou na frente de Hanne e levantou um espelho que ela poliu com perfeição.

Hanne olhou para si mesma no vidro. "Por onde eu começo? "

“Vamos tentar o queixo. Vamos bagunçar o nariz quando você pegar o jeito. Eu não
quero que você acidentalmente deixe uma passagem para REI DE CICATRIZES | 318

respiração. " Os olhos de Hanne alargaram. "Estou brincando!", Disse Nina.

Na maioria das vezes.

Hanne firmou a respiração e pressionou os dedos suavemente no lado esquerdo da sua


própria mandíbula.

"Concentre-se nas células da pele", disse Nina. "Pense na direção que você quer que
elas se mexam. ”

"Isso é aterrorizante", sussurrou Hanne quando a linha de sua mandíbula lentamente


começou a mudar.

“Mais aterrorizante do que a Madre quando ela pega alguém se divertindo? "

Um pequeno sorriso enrolou os lábios de Hanne, e ela pareceu relaxar um pouco. "Nem
de perto. “

O trabalho levou horas enquanto Hanne reforçava sua linha do queixo, dando a ele um
formato quadrado, em seguida, acrescentou peso à testa, e finalmente ampliou o nariz.
Nina sentou enrolada ao lado de Hanne na cama estreita, observando-a progredir no
espelho, oferecendo sugestões e incentivo.

Periodicamente, ela sairia do quarto para pegar xícaras de caldo e fingir esvaziar bacias,
mantendo a ilusão que Hanne ainda estava doente.

Finalmente chegou a hora do toque final.


“Tem