Você está na página 1de 3

Nas ciências físicas e na engenharia, medição é a atividade de obter e comparar quantidades

físicas do mundo real em objetos e eventos. Objetos e eventos padrão são chamados de unidades
e o processo de medição dá um número relativo ao item em estudo e à unidade referenciada de
medição. Todos os instrumentos de medição estão sujeitos a diferentes graus de erro e incerteza
de medição.

Medidas como energia, peso, temperatura, tempo, altura, comprimento, área, volume,
velocidade, massa, pressão e ângulo, por exemplo, dependem de instrumentos de medição para
serem designadas com precisão.

A atividade industrial usa uma vasta gama de instrumentos para executar as medições. Esses
instrumentos podem variar desde objetos simples, tais como réguas e cronômetros, até
microscópios de elétrons e aceleradores de partículas . A instrumentação virtual é amplamente
utilizada no desenvolvimento de instrumentos de medição modernos.

Micrometro digital

Os centros de teste e medição da indústria confiam na produção de ferramentas utilizadas para


analisar, validar e verificar as medições de sistemas eletrônicos e mecânicos. Devido à crescente
necessidade de maior precisão e medição de padrões, as ferramentas envolvidas no teste e
medição da indústria estão em constante desenvolvimento para acomodar os avanços
tecnológicos. O teste de medição da indústria cria tanto para uso geral quanto ferramentas
altamente especializadas e atende principalmente as indústrias de alta tecnologia, automotiva,
comunicações e médica.

Existe um princípio científico que afirma que uma medição perfeita nunca pode ser alcançada
porque o processo de medição irá alterar em, pelo menos, algum grau o objeto a ser medido. A
indústria de teste e medição, no entanto, não é recomendado por esta entidade, pois se esforça
constantemente para uma maior precisão e para acomodar o maior uso de microtecnologia e
sistemas cada vez mais complexos. Além de um aumento quantitativo na precisão, a indústria de
teste e medição também fornece ferramentas para medir as coisas que, de outra forma, seriam
complexas demais para mensurar.

Paquimetro medição externa

Uma ferramenta comum da indústria de teste e medição é o osciloscópio, que é usado para medir
tensões e gráficos. Mais recentemente, uma ferramenta melhor para teste e medição foi
desenvolvida: o analisador lógico, que mede e exibe os sinais de um circuito digital e é capaz de
analisar os sistemas com mais canais do que o osciloscópio.
Embora muitos testes e ferramentas de medição sejam de natureza eletrônica, a indústria também
oferece alta definição de dispositivos de medição óptica e de áudio. A faixa de dispositivos
óticos dos microscópios mais familiares até os mais complexos, como espectrômetros de medida
e valores de gráficos, tais como intensidade de luz e de polarização. Testes de áudio e
ferramentas de medição variam dedes microfones altamente sensíveis até analisadores de áudio
com vários atributos gráficos de sinais de áudio.

Paquimetro medição interna

Devido à complexidade cada vez maior de medições necessárias, a indústria de teste e medição
começou recentemente uma tendência em direção aos pacotes de software. Esses pacotes
trabalham com dispositivos de teste e medição para codificar, validar e organizar os dados
recolhidos pelos dispositivos. Os pacotes de software são geralmente fornecidos para
acompanhar os dispositivos que tomam as medidas mais complicadas e fornecer uma grande
quantidade de dados que precisam ser organizados.

Entre os dispositivos de medição mais comuns na área industrial estão medidores de oxigênio e
ozônio, tacômetro, pirômetros, refratrômetros, balanças, detectores (de gás, umidade, etc),
calibradores e sistemas de controle. Para garantir que as medições estejam corretas e de acordo
com os padrões, o equipamento deve ser calibrado periodicamente. Esse período de tempo é
conhecido como intervalo de calibração. É impossível determinar com precisão quando um
dispositivo exigirá calibração.

No entanto, geralmente o manual do produto traz essa informação. Algumas das indicações
incluem o desempenho dos equipamentos, a frequência de uso, as condições de operação e
precisão necessária. O utilizador tem de calibrar o equipamento para manter a precisão do
dispositivo ao longo da vida útil, para que a margem de erro não se torne grande demais para a
leitura desejada.

Introdução
Por maior cuidado que se tenha ao efectuar
uma medição, mesmo que se utilizem
equipamentos “topo de gama” em condiç
ões ambientais bem controladas, os
resultados que se obtém virão af
ectados por diversos erros.
Nada nem ninguém é perfeito.
Como tal os resultados das medições, dos ensaios
e das análises também não podem ser per
feitos. Isto não é novidade para ninguém.
Uma das principais tarefas de um experimentador
é identificar as fontes de erro que
podem afectar o processo de medição,
e quantificar essas fontes de erro.
Essa “falta de perfeição” é
designada, actualmente, por “
incerteza
”. A palavra

erro
”, que durante largos anos foi utilizada co
m esse mesmo significado, está hoje
em dia reservada para designar o afastament
o entre o valor obtido numa medição e
o correspondente valor verdadeiro, o
qual é, em geral, desconhecido.