Você está na página 1de 83

Universidade Federal do Rio de Janeiro

ESTUDO DE BOAS TÉCNICAS EXECUTIVAS


PARA OTIMIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE
FACHADA

Luis Eduardo Souza Rocha

2016
ESTUDO DE BOAS TÉCNICAS EXECUTIVAS
PARA OTIMIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE
FACHADA

Luis Eduardo Souza Rocha

Projeto de Graduação apresentado ao Curso de


Engenharia Civil da Escola Politécnica,
Universidade Federal do Rio de Janeiro, como parte
dos requisitos necessários à obtenção do título de
Engenheiro.

Orientador: Jorge dos Santos

Rio de Janeiro
Setembro/ 2016
ESTUDO DE BOAS TÉCNICAS EXECUTIVAS PARA
OTIMIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE FACHADA

Luis Eduardo Souza Rocha

PROJETO DE GRADUAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DO CURSO DE


ENGENHARIA CIVIL DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO
RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A
OBTENÇAO DO GRAU DE ENGENHEIRO CIVIL.

Examinada por:

_______________________________________________
Prof. Jorge dos Santos, D. Sc.

_______________________________________________
Prof. Ana Catarina Jorge Evangelista , D. Sc.

_______________________________________________
Prof. Willy Weisshuhn, M. Sc.

_______________________________________________
Prof. Wilson Wanderley da Silva

RIO DE JANEIRO, RJ – BRASIL


MARÇO de 2016
iii

Rocha, Luis Eduardo


Estudo de boas técnicas executivas para otimização de
revestimentos de fachada/ Luis Eduardo Souza Rocha. – Rio
de Janeiro: UFRJ/ Escola Politécnica, 2016
x, 72 p.: il.;29,7 cm.
Orientador: Jorge dos Santos
Projeto de Graduação – UFRJ/ Escola Politécnica/ Curso de
Engenharia Civil, 2016.
Referências Bibliográficas: p. 68-72.
1. Fachadas. 2. Otimização. 3. Procedimentos executivos. 4.
Patologias.
I. dos Santos, Jorge. II. Universidade Federal do Rio de
Janeiro, UFRJ, Engenharia Civil. III. Estudo de boas técnicas
executivas para otimização de revestimentos de fachada.
iv

Agradecimentos

Meus sinceros agradecimentos,

Aos meus pais, Antonio Carlos e Lilia, que sempre me apoiaram e deram o seu
melhor para que eu tivesse acesso a uma boa educação e condições de lutar pelos
meus objetivos e seguir minha vida com meus próprios passos. Além disso, me
ensinam sobre perseverança, integridade e amor a cada dia.
A minha irmã Carolina, minha eterna melhor amiga e pessoa que sempre
esteve ao meu lado. Aquela que, junto com seu marido Chrystiano, me divertem e me
inspiram a ser alguém melhor a cada dia.
A toda a minha família de forma geral, que forneceu a base para a construção
de uma sólida estrutura familiar e ensinou a importância de valores, como respeito e
serenidade.
A minha noiva Juliana, que passou comigo por todos os momentos, bons e
ruins, dessa longa caminhada, e me ajudou muito, com incentivo, paciência e tempo
dedicado a mim. Espero poder retribuir pelo resto de nossas vidas todo o apoio que
recebi durante esse tempo.
Aos meus amigos, que estiveram ao meu lado durante esse tempo, e foram
essenciais para tornar o período da faculdade mais agradável. Aos bons amigos que
fiz na UFRJ, aos amigos de sempre, amigos de longe e de perto. Obrigado por
tornarem minha vida muito mais feliz.
Aos professores de faculdade, por todo o conhecimento compartilhado. Ao
professor Jorge dos Santos, que, como orientador, muito contribuiu e que durante um
bom tempo me auxiliou para que esse trabalho fosse realizado.
À Universidade Federal do Rio de Janeiro, por fornecer o embasamento técnico
capaz de produzir profissionais de excelência.
E a Deus, o Senhor de todas as coisas, que a cada dia me encheu de saúde e
entendimento, tornando esse sonho possível.
Dedico esse trabalho a todos aqueles que, de alguma forma, contribuíram para
que eu alcançasse a conquista da graduação. A caminhada foi longa, porém todo
esforço e sacrifício necessários valeram a pena.
v

Resumo do Projeto de Graduação apresentado à Escola Politécnica/ UFRJ como parte


dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Engenheiro Civil.

ESTUDO DE BOAS TÉCNICAS EXECUTIVAS PARA


OTIMIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS DE FACHADA

Luis Eduardo Souza Rocha


Março/2016

Orientador: Jorge dos Santos

Curso: Engenharia Civil

Os revestimentos de fachadas constituem um dos elementos de grande importância


em qualquer edificação, pois, além de serem o contato direto do prédio com o meio
externo, estando expostas as intempéries, devem apresentar boas propriedades
estéticas, de vedação e de isolamento. Somado a isso, representam uma parcela
significativa no custo da obra e apresentam uma maior dificuldade construtiva em
relação aos ambientes internos. A cada dia mais, espera-se que as fachadas cumpram
bem suas funções, afim de garantir conforto aos usuários. Com isso, o processo
executivo das fachadas ganha importância, pois deve ser feito de forma a minimizar
perdas, acompanhar o cronograma da obra, apresentar um bom custo-benefício e
atender às exigências de qualidade dos materiais. Este trabalho tem por objetivo
estudar ações a serem adotadas para se otimizar os revestimentos de fachada,
reduzindo custos e garantindo bom desempenho durante a vida útil da edificação.

Palavras-chave: Fachadas, Otimização, Procedimentos executivos, Patologias.

Abstract of Undergraduate Project presented to POLI/UFRJ as a partial fulfillment of


the requirements for the degree of Engineer.
vi

STUDY OF EXECUTIVE TECHNICAL FOR FACADE


COATINGS OPTIMIZATION

Luis Eduardo Souza Rocha


September/2016

Advisor: Jorge dos Santos

Course: Civil Engineering

Facades coatings are one of the very important elements in any building, because,
besides being the direct contact of the building with the external environment, being
exposed to weather, should have good aesthetic, sealing and insulation properties.
Added to this, they represent a significant portion of the cost of the construction and
have a greater constructive difficulty in relation to internal coatings. Every day more, it
is expected that the facades perform their functions in order to ensure comfort to users.
Thus, the executive process of the facades becomes important, because it must be
done in order to minimize losses, follow the schedule, present a positive cost-effective
and achieve the requirements of quality of materials. This work aims to study actions to
be taken to optimize the facade coatings, reducing costs and ensuring good
performance over the life of edification.

Keywords: Facades, Optimization, Executive procedures, Pathologies.


vii

Sumário

1. IN TR ODUÇ ÃO ................................................................................................................ 1
1.1.IMPORTÂNCIA D O TEMA ................................................................................... 1
1.2.OBJETIVOS ...................................................................................................... 1
1.3.JU STIFIC ATIVA ................................................................................................. 2
1.4.METOD OLOGIA ................................................................................................ 2
1.5.ESTRU TUR AÇ ÃO D A MONOGR AFIA .................................................................. 2
2. F ACH AD AS: CON TEXTU ALIZAÇ ÃO .................................................................................. 4
2.1. IMPORTÂNCIA ............................................................................................... 4
2.2. ASPEC TOS HISTÓR ICOS ............................................................................... 4
2.3. FIN AL ID AD E .................................................................................................. 6
2.4. CONCEITU AÇ ÃO ........................................................................................... 7
2.5. EXECUÇ ÃO ................................................................................................... 8
3. F ACH AD AS: CL ASSIFIC AÇ ÃO ....................................................................................... 11
3.1. REVESTIMEN TO C OM P INTUR A ................................................................... 11
3.1.1.CONC EITUAÇ ÃO ..................................................................................... 11
3.1.2.SUBSTR ATO E PREPARO ....................................................................... 12
3.1.3.M ATERIAIS / EQUIPAMEN TOS ................................................................ 14
3.1.4.TÉCNICAS EXECU TIVAS ......................................................................... 14
3.1.5.VAN TAGEN S E DESVANTAGENS ............................................................ 15
3.2. REVESTIMEN TO C OM AR GAMASSA D ECOR ATIVA ....................................... 15
3.2.1.CONC EITUAÇ ÃO ..................................................................................... 15
3.2.2.SUBSTR ATO E PREPARO ....................................................................... 16
3.2.2.1. Revestimento com argamassa decorativa cimentícia............ 17
3.2.2.2. Revestimento com argamassa decorativa polimérica............ 18
3.2.3.M ATERIAIS / EQUIPAMEN TOS ................................................................ 18
3.2.4.TÉCNICAS EXECU TIVAS ......................................................................... 18
3.2.5.VAN TAGEN S E DESVANTAGENS ............................................................ 19
3.3. REVESTIMEN TOS CER ÂMIC OS .................................................................... 19
3.3.1.CONC EITUAÇ ÃO ..................................................................................... 19
3.3.2.SUBSTR ATO E PREPARO ....................................................................... 20
3.3.3.M ATERIAIS / EQUIPAMEN TOS ................................................................ 21
3.3.4.TÉCNICAS EXECU TIVAS ......................................................................... 21
3.3.5.VAN TAGEN S E DESVANTAGENS ............................................................ 22
3.4. REVESTIMEN TO C OM PL AC AS PÉTREAS .................................................... 22
3.4.1.CONC EITUAÇ ÃO ..................................................................................... 22
3.4.2.SUBSTR ATO E PREPARO ....................................................................... 23
3.4.3.M ATERIAIS / EQUIPAMEN TOS ................................................................ 23
3.4.4.TÉCNICAS EXECU TIVAS ......................................................................... 24
3.4.5.VAN TAGEN S E DESVANTAGENS ............................................................ 25
3.5. REVESTIMEN TO C OM VIDROS .................................................................... 25
3.5.1.CONC EITUAÇ ÃO ..................................................................................... 25
3.5.2.SUBSTR ATO E PREPARO ....................................................................... 26
3.5.3.M ATERIAIS / EQUIPAMEN TOS ................................................................ 26
3.5.4.TÉCNICAS EXECU TIVAS ......................................................................... 26
3.5.5.VAN TAGEN S E DESVANTAGENS ............................................................ 27
viii

3.6. COMPAR ATIVOS ......................................................................................... 27


4. F ACH AD AS: P ATOLOGIAS ............................................................................................ 29
4.1. ASPEC TOS GER AIS .................................................................................... 29
4.2. AN ÁL ISE D AS P ATOLOGIAS POR T IPO D E R EVESTIMENTO ......................... 32
4.2.1.PATOLOGIAS EM R EVESTI MENTO COM PIN TURA ................................... 32
4.2.1.1. Tipos de patologia............................................................. 32
4.2.1.2. Causas.............................................................................. 33
4.2.1.3. Tratamento......................................................................... 33
4.2.2.PATOLOGIAS EM R EVESTI MENTO COM AR GAMASSAS DEC ORATIVAS ... 34
4.2.2.1. Tipos de patologia............................................................. 34
4.2.2.2. Causas.............................................................................. 35
4.2.2.3. Tratamento......................................................................... 35
4.2.3.PATOLOGIAS EM R EVESTI MENTOS CER ÂMICOS ................................... 35
4.2.3.1. Tipos de patologia............................................................. 35
4.2.3.2. Causas.............................................................................. 35
4.2.3.3. Tratamento......................................................................... 36
4.2.4.PATOLOGIAS EM R EVESTI MENTOS DE PLAC AS PÉTREAS ..................... 36
4.2.4.1. Tipos de patologia............................................................. 36
4.2.4.2. Causas.............................................................................. 36
4.2.4.3. Tratamento......................................................................... 37
4.3. CAU SAS GER AIS ......................................................................................... 37
4.3.1.CAUSAS ASSOCIAD AS AOS MATERIAIS .................................................. 37
4.3.2.CAUSAS ASSOCIAD AS À DOSAGEM OU TRAÇ O ...................................... 37
4.3.3.CAUSAS NA ESPECIFICAÇ ÃO ................................................................. 38
4.3.4.CAUSAS DEC ORREN TES D O PROC ESSO EXECU TIVO ............................. 39
4.3.5.CAUSAS DEC ORREN TES DA AÇ ÃO DE FATOR ES EXTERNOS .................. 39
4.4. IMPAC TOS GER AD OS PAR A E MPR ESAS E CL IEN TES .................................. 40
5. TÉCNIC AS E XECU TIVAS QU E O TIMIZAM R EVESTIMENTOS DE F ACH AD AS .................. 42
5.1. CONTEXTU AL IZAÇ ÃO .................................................................................. 42
5.2. PROJETOS .................................................................................................. 43
5.3. INDU STR IAL IZAÇ ÃO ..................................................................................... 44
5.4. PLAN EJAMEN TO OPER AC ION AL (REVESTIMEN TO C OM AR GAMASSA) ........ 44
5.5. NOVAS TÉCN IC AS ....................................................................................... 47
5.5.1.AR GAMASSA C OM BOMBA ...................................................................... 47
5.5.2.FACH ADA COM R EVESTI MENTO CERÂMIC O NÃO ADERIDO ................... 48
5.5.3.SISTEMA UNITI ZAD O – REVESTI MEN TO C OM VIDRO .............................. 49
6. ESTUD O D E C ASO ....................................................................................................... 50
6.1. CAR ACTERÍSTIC AS D O E MPR EEND IMENTO ................................................ 50
6.2. REVESTIMEN TO UTILIZAD O ........................................................................ 51
6.3. DIFICULD AD ES ENCON TR AD AS .................................................................. 57
6.4. PATOLOGIAS E RETR ABALH OS ................................................................... 58
6.5. AN ÁL ISE ..................................................................................................... 63
7. CONCLUSÃO ............................................................................................................. 666
8. REFER ÊNCIAS BIBLIOGR ÁFIC AS ................................................................................. 68
ix

Lista de Figuras

Figura 1 - Camadas do revestimento de argamassa..................................................... 19


Figura 2 - Origem de problemas patológicos ................................................................. 32
Figura 3 - Instalação de fachada com revestimento cerãmico não aderido ................. 48
Figura 4 - Fachada com envidraçamento estrutural ...................................................... 52
Figura 5 - Estrutura interna da fachada ......................................................................... 52
Figura 6 - Detalhe da estrutura interna da fachada ....................................................... 53
Figura 7 - Fire stop danificado........................................................................................ 59
Figura 8 - Emenda mal feita no perfil das fachadas ...................................................... 59
Figura 9 - Emenda mal feita no perfil das fachadas ...................................................... 60
Figura 10 - Falta de parafusos nas gancheiras dinâmicas das fachadas ..................... 60
Figura 11 - Falta de acabamento no perfil das fachadas .............................................. 61
Figura 12 - Falta de aplicação de silicone estrutural em alguns vidros ........................ 61
Figura 13 - Alum ínio instalado com muita sujeira na fachada....................................... 62
Figura 14 - Painéis desalinhados na fachada ................................................................ 62
Figura 15 - Quadro sem ancoragem .............................................................................. 63

Lista de Tabelas

Tabela 1 - Atribuições dos envolvidos na execução de revestimento externo ............. 10


Tabela 2 - Sistemas para tintas e revestimentos camada fina...................................... 13
Tabela 3 – Comparativo das características dos tipos de fachada............................... 28
Tabela 4 – Origem de problemas patológicos ............................................................... 30
Tabela 5 – Comparativo referente à aspectos tecnológicos ......................................... 31
Tabela 6 – Patologias em argamassas decorativas para fachadas.............................. 34
Tabela 7 – Traços recomendados por algumas entidades normalizadoras ................ 38
Tabela 8 – Sequência logística para revestimento externo (argamassa) ..................... 46
Tabela 9 – Áreas dos pavimentos .................................................................................. 51
Tabela 10a – Método executivo para instalação das fachadas do edifício................... 54
Tabela 10b – Método executivo para instalação das fachadas do edifício................... 55
Tabela 11a – Controle tecnológico dos materiais componentes da fachada ............... 56
Tabela 11b – Controle tecnológico dos materiais componentes da fachada ............... 57
Tabela 12 – Aspectos críticos para otimização analisados no estudo de caso ............ 64
x

Lista de Siglas

ABCP – Associação Brasileira de Cimento Portland

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas

ACM – Aluminium Composite Material

CSTB – Centre Scientifique et Technique du Bâtiment

EN – European Norm

ISO – International Organization for Standardization

LEED – Leadership in Energy and Environmental Design

NBR – Norma Brasileira

PVA – Polímero Poliacetato de Vinila

PEI – Porcelain Enamel Institute

RCF – Revestimento Cerâmico de Fachadas de Edifícios


1

1. Introdução

1.1. Importância do Tema

Por muitos anos, a construção civil tem sido citada como um dos setores que
mais tem desperdício de materiais, além de ser imediatista na solução de seus
problemas, sem se ater ao planejamento, critérios de execução, logística e
industrialização de seus serviços. Esta atitude, que se pode dizer intempestiva e até
mesmo que carece do exercício da engenharia, tem levado a que todos os agentes da
cadeia produtiva percam: o investidor da construção civil, as construtoras, os
projetistas, a mão de obra direta e indireta, o fornecedor de materiais e o cliente final
que muitas vezes vê-se prejudicado com o investimento feito.
Por outro lado, o setor da Construção Civil e, particularmente, o subsetor
edificações, estão passando por um processo de evolução, motivado pelo contexto
das transformações econômicas, sociais e políticas. Essas transformações têm levado
as empresas construtoras a buscarem o aumento da qualidade das obras aliado à
redução dos custos de produção. Neste contexto, observa-se a maior valorização de
técnicas para diminuir os custos de produção e a ocorrência de falhas no produto e no
processo de execução e ainda para introduzir decisões embasadas tecnologicamente,
em substituição às empíricas, otimizando as atividades de execução.
As patologias de fachada são de grande impacto negativo tanto para os
usuários como para a construtora, uma vez que a ocorrência desta manifestação
patológica pode ocasionar, dependendo do caso, prejuízos financeiros altos, mortes e
até ferimentos de pessoas (no caso de descolamento de placas cerâmicas, por
exemplo). Devemos considerar que as causas destas patologias, envolvem inúmeros
e complexos fatores, de difícil diagnóstico.

1.2. Objetivos

Considerando o contexto presente, este trabalho objetiva de modo geral:


a) Estudar as características dos principais revestimentos de fachada,
apresentando informações relacionadas ao desempenho físico, executivo e
econômico, contribuindo para o conhecimento de um determinado material e
seu desempenho;
b) Identificar as patologias que mais ocorrem nos revestimentos de fachada,
apontando as causas e os possíveis tratamentos a serem feitos;
2

c) Propor técnicas de execução de fachadas que promovam a otimização dos


revestimentos e que gerem uma diminuição de patologias durante a vida útil da
construção.

1.3. Justificativa

Optou-se por abordar nesta monografia o tema de boas técnicas para


otimização de revestimento de fachadas devido a grande ocorrência de patologias e
altos custos envolvidos nesta etapa de grande importância nas obras de edificações.
As fachadas representam elemento de grande importância na construção civil, devido
ao seu papel como vedação e proteção das edificações, além de importante elemento
estético. Sendo assim, são vitais para o resultado final da obra e representam uma
parcela significativa nos custos.
Julgou-se então, desta forma, de extrema importância debater acerca das boas
práticas do projeto executivo de revestimento de fachadas abordando neste trabalho
tópicos como: materiais adequados, ensaios necessários, novas tecnologias, métodos
de execução e detalhamento do processo executivo dos principais revestimentos
existentes atualmente.
Foram abordadas também questões relativas ao desempenho das fachadas
das edificações, por se tratar de um conceito de extrema importância para se garantir
que sejam atendidas as expectativas dos usuários das edificações ao longo de uma
determinada vida útil, dentro da realidade técnica e socioeconômica do país e do
empreendimento.

1.4. Metodologia

A metodologia aplicada consiste na pesquisa bibliográfica, visando


considerações referentes aos conceitos pertinentes ao tema, sendo que o material
consultado abrange basicamente documentos acadêmicos. Um estudo de caso foi
realizado, afim de se verificar na prática os termos abordados no presente trabalho, e
dar um maior embasamento às considerações finais obtidas com o trabalho.

1.5. Estruturação da monografia

Esta monografia está estruturada de forma que no capítulo 1 há uma breve


introdução ao tema abordado, ressaltando o contexto em que se insere na atualidade
3

do país e do mercado da Construção Civil, bem como a importância de seu estudo. No


capítulo 2 é feita uma contextualização sobre o que é fachada, qual sua finalidade e
importância, os aspectos históricos, como é construída, além dos responsáveis por
desenvolvê-las e executá-las ao longo da obra. Já o capítulo 3 consiste em mostrar
como as fachadas são classificadas em função de suas características principais e
diferentes tipos de materiais utilizados, abordando possíveis possíveis peculiaridades
que existam entre as diferentes tipos de fachada com relação a projeto, estrutura, mão
de obra e aspectos executivos. O capítulo 4 trata das patologias ococrridas em cada
tipo de fachada, com suas principais causas, consequências, soluções a serem
empregadas e os danos gerados ao construtor e ao cliente. No capítulo 5 são
abordadas técnicas executivas que promovem ganho de qualidade e produtividade,
que vão desde o projeto até o fim da fase de uso da edificação. No capítulo 6 é feito
um estudo de caso, onde se verifica em um empreendimento construído os tópicos
descritos a respeito da fachada desta edificação. Por fim, no capítulo 7 são expostas
as considerações finais do autor a respeito do tema desenvolvido.
4

2. Fachadas: contextualização

2.1. Importância

A fachada ocupa uma posição de destaque no projeto e construção de um


edifício. Além de ser a parte mais importante para proteção das edificações frente aos
agentes externos, ela é um elemento chave para definir a estética, tendo participação
significativa nos custos da obra.
Em levantamento realizado com base nos dados publicados pelo GUIA DA
CONSTRUÇÃO (PINI, 2013a; PINI, 2013b) as vedações externas dos edifícios,
incluindo paredes de alvenaria, esquadrias com vidro e revestimentos convencionais
aderidos, representam entre 9 a 13 % do custo total de uma edificação no Brasil. Já
quando se trata de obras com vedações e revestimentos não convencionais tem -se
uma amplitude maior de valores em função da tipologia utilizada, com valores entre 4
e 15 %.
O desempenho das vedações de fachada ganhou ainda mais relevância devido
a maior conscientização da importância de sua participação no conforto térmico da
edificação, aliada à necessidade de se construir edifícios cada vez mais sustentáveis.
À medida que as edificações ficam mais altas, uma exigência atual de grandes centros
urbanos devido ao alto preço de uso do solo, mais expostas ficam suas fachadas, e
maior deve ser a preocupação com esse requisito de desempenho do ponto de vista
da vedação vertical.
Apesar do conceito de desempenho estar consolidado no meio acadêmico, sua
aplicação prática é bastante difícil e envolve muitos conflitos de interesse. Buscando
justamente atender melhor este requisito, surgiu em 2008 a norma de desempenho
(NBR 15575), que foi posteriormente atualizada e sofreu algumas modificações em
2013. A norma foi dividida em 6 partes, sendo a parte 4 relativa às vedações verticais
(nelas inclusas as fachadas) e abrange todos os novos edifícios residenciais, qualquer
que seja o número de pavimentos. Esta norma traz também o conceito de vida útil
variável. Através desta forma, espera-se que o requisito de desempenho seja melhor
atendido.

2.2. Aspectos históricos

Desde o renascimento italiano, quando a fachada surge associada à casa


unifamiliar, passando pelo barroco francês e pelo pitoresco inglês, até o advento da
5

arquitetura moderna, o conceito de fachada sofreu modificações consideráveis, que


repercutiram diretamente na prática de projeto.
a) Império romano e idade média: superfícies externas eram pragmáticos muros
perfurados por orifícios destinados a iluminação e ventilação; os ornamentos
superficiais e manifestações de status restringiam-se aos espaços internos.
b) Renascimento italiano: conceito de fachada como conhecemos tem seu
início dos séculos XV e XVI. Consagra-se o projeto de fachada da casa
urbana privada se estendendo a preocupação com a fachada em toda a
altura dos edifícios, e as superfícies externas ou “faces” do edifício, passam
a ser eficientes meios de transmitir o status do proprietário.
c) Barroco francês: por volta dos séculos XVI e XVII, o corpo da casa recua
com relação ao alinhamento das vias e as fachadas, antes planas ou
convexas passam a ser tridimensionais ou côncavas, tornando-se mais
complexas.
d) Pitoresco inglês: As influências da literatura e da pintura do período dos
séculos XVIII e XIX traduzem-se em formas irregulares e assimetrias nas
fachadas e são introduzidas as varandas e uso da madeira de construção.
e) Modernismo: Nos primórdios do séculos XX acentua-se a polêmica em torno
do conceito de fachada e discute-se sua importância. Novos conceitos são
introduzidos, e novas técnicas e materiais construtivos são empregados
(surgem as fachadas lisas com face em vidro), gerando radicais
transformações na concepção externa dos edifícios a partir dos anos 20.
f) De 1920 até os dias atuais: O conceito de fachada continua a ser
incessantemente discutida, sofrendo as principais modificações após os anos
60. Em 1920 surge a ideia de “fachada livre”, instituindo a autonomia da
superfície e sua independência da função estrutural, fato que abala
profundamente os modelos de representação vigentes, provocando
modificações consideráveis nas qualidades tectônicas e materiais dos
edifícios.

Segundo BARROS (2003), tem sido visível a evolução tecnológica pelas quais a
vedação vertical de edifícios passou e vem passando na últimas décadas. Inicialmente
com "status" de sistema estrutural, esteve presente em inúmeros e importantes
edifícios no início desse último século. Depois, com o desenvolvimento do concreto
armado, a partir da década de 30, assume um papel secundário, passando a uma
simples vedação, com a qual nenhuma preocupação se tinha, uma vez que todos os
seus "defeitos" seriam cobertos pelas camadas de revestimento e não mais exercia a
6

função de estrutura. Esse novo "status" perdurou durante muitos anos. A alvenaria
estrutural voltou com um elevado grau de racionalização, mas a de vedação
continuava a ser esquecida nos canteiros de obras. Foi somente a partir da década de
90 que a alvenaria de vedação passou a ser vista com "outro olhar". Sua
racionalização poderia valer a pena, não pelo que significava de custo no conjunto do
edifício, mas porque sua relação com outros subsistemas do edifício fazia com que a
sua produção racionalizada implicasse em grande redução de custos e de
desperdícios nos demais subsistemas, como esquadrias, instalações e revestimentos.

2.3. Finalidade

As principais funções da vedação vertical são proteger o homem e suas


atividades, contra a ação de agentes externos, criar ambientes com características e
funções específicas e prover privacidade (FRANCO, 1994). Para AGOPYAN (1978)
este é o subsistema do edifício constituído por elementos que definem, compartilham e
limitam espaços. Desta forma são uma barreira para os agentes externos como água e
poluição, além de controladores, como no caso da luz e do ar. Segundo BARROS et
al. (2003), este subsistema deve apresentar determinadas propriedades ou requisitos
de desempenho, que também podem ser denominados requisitos funcionais, dentre os
quais se destacam:
a) Desempenho térmico (principalmente isolação);
b) Desempenho acústico (principalmente isolação);
c) Estanqueidade à água;
d) Controle da passagem de ar;
e) Proteção e resistência contra o fogo;
f) Desempenho estrutural (estabilidade, resistências mecânicas e
deformabilidade);
g) Controle de iluminação (natural e artificial) e de raios visuais (privacidade);
h) Controle da passagem de calor (temperatura do ambiente interno);
i) Durabilidade;
j) Custos iniciais e de manutenção;
k) Padrões estéticos (conforto visual) e
l) Facilidade de limpeza e higienização
7

2.4. Conceituação

Não há nas normas técnicas oficiais descrições específicas que permitam


conceituar fachadas. A NBR 13755:1996, "Revestimento de paredes externas e
fachadas com placas cerâmicas e com utilização de argamassa colante -
procedimento" estabelece o conceito de revestimento externo como sendo o "conjunto
de camadas superpostas e intimamente ligadas, constituída pela estrutura suporte,
alvenarias, camadas sucessivas de argamassa e revestimento final, cuja função é
proteger a edificação da ação da chuva, umidade, agentes atmosféricos , desgaste
mecânico oriundo da ação conjunta do vento e partículas sólidas, bem como dar
acabamento estético.
As vedações verticais exteriores - as paredes externas - são o suporte dos
revestimentos, sofrem diferentes solicitações na sua vida útil e são constituídas pelo
substrato e a camada de revestimento, que envolvem a camada de regularização,
dependendo da situação de isolamento termo-acústico, camada de fixação e de
acabamento (FLAIN, 1995). Segundo LUCAS (1987), a classificação para os
revestimentos de vedações verticais exteriores pode ser feita quanto a estanqueidade,
ao isolamento térmico e quanto ao aspecto estético.
Os revestimentos de fachada exigem maiores cuidados por se encontrarem em
condições desfavoráveis de exposição (MEDEIROS, 1999). Em geral o processo de
tomada de decisão relacionada à especificação de fachadas não é planejado, e são
poucos os parâmetros de seleção e especificação. Por outro lado a necessidade de
imprimir uma nova mentalidade com a industrialização da construção civil está
começando a criar uma maior consciência de avaliação de desempenho, do controle
de qualidade na produção dos edifícios, adequando-se às técnicas, materiais e
sistemas de construção com redução de custos e prazos. Com este crescimento há a
necessidade de uma maior interatividade entre os envolvidos no processo de tomada
de decisão, para que as informações de desempenho e adequação possam ser
correlacionadas e corretamente utilizadas.
Para MEDEIROS (1999), raramente a escolha é baseada em critérios técnicos
confiáveis, sendo mais comum considerar somente aspectos estéticos e econômicos.
A prática usual tem sido selecionar o material de revestimento de fachada apenas
considerando a qualidade do material da camada mais externa e algumas de suas
características, facilidades de composição arquitetônica, custo e disponibilidade de
aquisição no mercado. Na verdade, vários outros critérios devem ser levados em
consideração no processo de especificação como: custos, valores culturais dos
8

usuários, disponibilidade e capacitação de mão de obra local, características do meio


ambiente, utilização de recursos da região e produtividade.
Além destes fatores deve ser considerada a importância que representa a
proteção da vedação vertical externa, sendo que a correta especificação certamente
levará a um aumento da vida útil dos revestimentos utilizados, com menor incidência
de patologias, e as funções do revestimento como proteção do substrato, higiene,
regularidade das superfícies, conforto visual e tátil estarão corretas, além das funções
do conjunto revestimento-suporte como: isolamento térmico acústico, resistência ao
fogo, aos choques e atritos a resistência à penetração de água e durabilidade.

2.5. Execução

Segundo SABBATINI (1988), para serem construídas, as fachadas levam como


referência o projeto arquitetônico da edificação (deve haver um projeto específico para
fachada, identificando qual o tipo a ser empregado, os materiais a serem utilizados,
com o respectivo detalhamento necessário, de forma a facilitar a execução), além do
projeto de esquadrias, caso exista a necessidade. Para o início do serviço de
execução, de modo geral, algumas condições devem ser atendidas, entre elas:
a) Estrutura completamente finalizada;
b) alvenarias concluídas;
c) batentes das esquadrias instalados;
d) instalações elétricas e hidráulicas nas alvenarias de fachada, quando for
o caso, concluídas;
e) ferramentas, equipamentos e materiais necessários definidos e
disponíveis;
f) equipe de operários definida;
g) andaimes ou balancins instalados.

Normalmente são feitas com o auxílio de andaimes e/ou balancins (utilizados


para grandes alturas). Em alguns casos, dependendo do material a ser empregado,
pode-se utilizar gruas que transportam o material até o seu lugar de fixação na
fachada. A construtora que realiza a obra é a responsável pela execução da fachada,
podendo esse serviço ser terceirizado ou não. Os projetos são feitos, geralmente, pelo
arquiteto ou empresa responsável por fazer a arquitetura da edificação
(COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO, 2006).
Principais atribuições de responsabilidade na fase de projeto:
Compete ao projetista:
9

a) solicitar todas as informações técnicas necessárias (à administração da obra e


aos fornecedores de insumos) para execução de um projeto que atenda às
expectativas do cliente;
b) fazer o projeto dentro das diretrizes fixadas pela construtora e pelos demais
projetistas (estrutura, vedação, etc.); e
c) definir através de indicação clara os intervalos aceitáveis para os parâmetros
especificados no projeto.

Compete à administração da obra/construtora:


a) fornecer ao projetista todas as informações técnicas relevantes sobre os
procedimentos e controles normalmente utilizados pela construtora, bem
como todos os projetos (estrutura, arquitetura, vedações, etc.) necessários;
b) definir o sistema de produção: produção no canteiro ou argamassa
industrializada, fornecimentos em silos ou em sacos, central de produção ou
argamassadeiras nos andares, entre outros; e
c) efetuar análise crítica do projeto, discutir e apontar necessidade de
modificações ou adequações em função, entre outras coisas, do sistema de
produção.

Compete ao fabricante de argamassa e/ou aos fornecedores de insumos:


a) fornecer as informações técnicas sobre o desempenho e características
tecnológicas sobre seus produtos.

Compete à mão de obra:


a) por intermédio da equipe técnica da obra fornecer informações ao projetista
que contribuam com a construtibilidade e produtividade da obra.

A Tabela 1 apresenta um resumo das atribuições de cada envolvido na


construção de uma fachada, durante a fase de projeto.
10

Tabela 1 - Atribuições dos envolvidos na execução de revestimento externo

Fonte: Comunidade da Construção – Manual de Revestimento de Fachada, 2006


11

3. Fachadas: classificação

As fachadas podem ser classificadas de diferentes formas. Entre elas, quanto a


densidade superficial da vedação, em função do momento em que o acabamento é
incorporado à ela, com relação aos materiais utilizados para seu acabamento, entre
outras . Os revestimentos das fachadas mais usuais no Brasil são, os quais as
superfícies levam apenas revestimento de argamassas e acabamento final (pintura,
textura, etc) ou com revestimentos cerâmicos. Entretanto, nos últimos anos fachadas
com acabamento em vidro têm ganhado mais destaque, muito por causa de seu
desempenho econômico e por questões ambientais (BARROS et al., 2003) .
Não há entretanto, um critério formal regulado por normas técnicas oficiais
emitidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para classificação de
fachadas. Com isso, a classificação utilizada via de regra é feita simplesmente com
base nos tipos de fachadas mais comumente encontradas no Brasil, que constituem a
base para estudos sobre a efeciência e eficácia dos métodos executivos e dos
materias utilizados.

3.1. Revestimento com Pintura

3.1.1. Conceituação

Segundo a norma brasileira, NBR 12554, as tintas são: “[...] produtos compostos
de veículo, pigmentos, aditivos e solventes que, quando aplicados sobre um substrato,
se convertem em película sólida, dada a evaporação do solvente e/ou reação química,
com a finalidade de decoração,proteção e outras.”
Em outras palavras, tinta é o produto que, ao ser aplicado em forma de uma fina
camada sobre uma superfície, proporciona cor, segurança ou informação à mesma.
Mais especificamente, tinta é a substancia que ao ser aplicada em forma de camada
sobre um substrato se converte em um filme, garantindo a cor, informação ou
segurança desejadas.
Para se fazer a escolha de uma tinta, há a necessidade de conhecer os tipos
que o mercado oferece, além de suas aplicações, pois atualmente existe um tipo de
tinta adequada a cada tipo de substrato. Recentemente, houve um aumento na oferta
de produtos com maior durabilidade e menor manutenção das cores, como algumas
tintas acrílicas por exemplo, que são impermeabilizantes e agem contra a incidência
de água direta, sendo indicadas para áreas externas, pois são resistentes às
12

intempéries (FAGUNDES NETO, 2001). Como passaram a ser produzida à base de


resina 100% acrílica (mais elástica e resistente que as tintas acrílicas estirenadas),
esta tinta acompanha o trabalho de contração e dilatação do reboco, diminuindo as
possibilidades de ocorrer fissuras.
As tintas podem ser classificadas em: tintas vinílicas (PVA), acrílicas (PVAC),
esmaltes e vernizes, sendo que as acrílicas e o PVA são à base de água, podendo ser
aplicadas em fachadas e compondo o grupo das tintas látex (FAGUNDES NETO,
2001).
As propriedades de uma tinta devem ser:
a) capacidade de manter sua cor original, sem desbotar;
b) capacidade de resistir às intempéries;
c) facilidade de manutenção e conservação;
d) impermeabilidade;
e) transpirabilidade.

3.1.2. Substrato e Preparo

Para o desenvolvimento das cores são utilizados pigmentos orgânicos, com


tonalidades mais intensas e menor durabilidade, que são mais resistentes em tintas
compostas com resinas à base de solvente (que tem a capacidade de refletir as luzes
ultravioletas); e pigmentos inorgânicos, que proporcionam cores mais duráveis, porém
menos vivas, e desbotam com maior facilidade. Na Tabela 2 são descritos os sistemas
que podem ser utilizados para a realização de um revestimento camada fina ou para
tinta látex.
13

Tabela 2 - Sistemas para tintas e revestimentos camada fina

Fonte: UEMOTO, Kai Loh

As condições locais são de grande importância, pois essas características irão


definir as propriedades necessárias das tintas, assim como de utilização de aditivos,
que podem ser divididos em hidrofugantes e hidrorepelentes, produtos estes indicados
na aplicação sobre superfícies porosas expostas à umidade constante (UEMOTO,
2002).
Rendimento, estabilidade, facilidade de aplicação e cobertura, resistência à
intempéries, são características de uma tinta de qualidade. Entretanto, o resultado não
é garantido se a base ou o substrato não tenham sido executados de maneira
adequada. O substrato deve sempre receber um selador, que confere maior aderência
às tintas. Quando o substrato é muito absorvente, sem o uso de selador, a resina da
primeira mão de tinta é absorvida, deixando o fundo do produto utilizado sem
consistência. Alguns controles em relação às técnicas de pintura, são: uniformidade do
filme, espessura a diluição e as condições climáticas no momento da aplicação, entre
outros.
Em fachadas, é comum a utilização de látex acrílico liso ou texturizado, segundo
a FAGUNDES NETO (2001), estando disponíveis os sistemas epóxi poliuretano, que
14

tem um custo por metro quadrado mais baixo, além de algumas tintas poliuretânicas
serem resistentes à pichação, podendo ser limpas mais facilmente com solventes
como xileno.
Infiltrações de água internas vindas de lajes, condutores, entre outros, afetam a
durabilidade deste revestimento nas fachadas no caso de uso de tintas acrílicas. Desta
forma, a melhor opção são as tintas à base de PVA, onde a superfície continuará mais
porosa, permitindo a evaporação da água.

3.1.3. Materiais / Equipamentos

Ter o material de trabalho adequado e em bom estado de conservação é


importante não somente por propriciar as condições adequadas à execução do
serviço, como por ajudar também a evitar problemas de execução relativos a
equipamentos deficientes (UEMOTO, 2002). Os materiais utilizados no serviço de
pintura de fachadas são basicamente os mesmos que são usados em serviços de
pintura interna. Para o preparo de superfícies, são utilizados:
a) espátula;
b) desempenadeira;
c) lixa.

Já para a execução da pintura, os materiais devem ser escolhidos de acordo


com o tipo de substrato existente, e, no caso de diferentes tamanhos, a escolha se dá
por conta da área a ser revestida. Os principais materiais são:
a) pincél – somente para retoque em uma pequena área
b) rolo lã de carneiro – recomendado para tinta látex
c) rolo de espuma rígida – recomendado para texturas

Além desses, existem ainda os materiais de auxílio, como as bandejas e


mexedores.

3.1.4. Técnicas Executivas

Os detalhes construtivos são de grande importância para a durabilidade do


revestimento e algumas prevenções podem ser destacadas:
a) Beirais – oferecem proteção, principalmente no caso de tintas minerais,
contra chuvas ácidas,
b) Peitoril - o emprego de pingadeiras protegem as tintas;
15

c) Rufos e platibandas - a platibanda deve ser pintada no lado interno, para


evitar infiltrações;
d) Frisos – frisos profundos não permitem a completa aplicação do
revestimento
e) Rodapé – não deve ser pintado até o solo, devendo ser criado um rodapé
com pedra ou chapisco, permitindo a transpiração de umidade e
infiltrações de água.

Na aplicação deve ser considerada a umidade do ar, que deve estar abaixo de
85% e a temperatura maior que a 4ºC. Em relação à aderência e a viscosidade, deve
ser observado que quando as tintas são diluídas, o tempo de armazenagem diminui.

Segundo Fagundes Neto (2001), a tinta à base de água custa em média 40%
mais que à base de solvente. Quanto à resina à base de água, o valor sobe para 70%
a mais do que à base de solvente, entretanto a substituição do solvente pela água é
uma tendência mundial e positiva, pois a agressão ambiental provocada pela
fabricação e manipulação dos materiais é reduzida.

3.1.5. Vantagens e Desvantagens

A grande vantagem deste tipo de revestimento de fachada é a facilidade de


execução e obtenção de mão de obra, uma vez que a pintura é um método largamente
difundido na construção civil. Soma-se a isso, o baixo custo deste revestimento, que
se torna um atrativo em especial em obras de edificações de padrão médio e baixo.
A desvantagem é a manutenção constante que deve ser feita, visto que a pintura
é bastante afetada com a ação da chuva, que confere, em pouco tempo (poucos
anos), um aspecto feio e sujo à fachada da edificação.

3.2. Revestimento com Argamassa Decorativa

3.2.1. Conceituação

As argamassas decorativas são conhecidas no mercado com vários nomes


como “texturizados” ou “texturados”, reboco chapiscado, camada fina, lavado ou
raspado, monocamada, travertino ou imitação de mármore ou até como reboco
acamurçado. É grande a utilização deste tipo de revestimento, sendo um dos mais
16

tradicionais no Brasil. Esses revestimentos dispensam pintura, além de proporcionar


efeitos e texturas variados.
O projeto de dimensionamento de fachadas revestidas com argamassas
contempla o preparo do substrato, a limpeza , o chapisco, as juntas de controle e os
pontos de tensão, onde serão posicionadas as telas metálicas. A resistência à tração
aos 28 dias, à flexão aos 7 dias, à absorção de água e ao crescimento dos fungos, as
movimentações térmicas e as cargas atuantes, devem ser definidas para acertar a
escolha da argamassa . As movimentações térmicas que existem na fachada geram a
necessidade de argamassas com boa resistência de aderência à base.

3.2.2. Substrato e Preparo

Segundo BARROS (2001), se o coeficiente de dilatação do emboço for muito


diferente da argamassa, as tensões na interface serão muito grandes e surgirão
patologias. Ainda segundo a autora, a argamassa deve ser compatível com o
substrato, e a cura por um ou dois dias combate a retração por secagem. A retração
também é aumentada quando se utiliza um alto teor de finos. O uso de retentores de
água melhoram a trabalhabilidade e a hidratação do cimento, aumentando a
plasticidade e minimizando a retração.
A definição de detalhes construtivos, como juntas, pingadeiras e telas contra
fissuras evita o maior número de erros na obra. Dimensionar os equipamentos,
controlar os ensaios e visitar a obra também são atitudes que ajudam a melhorar a
qualidade do serviço. Onde existem os rebaixos de fachada, os blocos de vedação
devem ser maiores, evitando assim que a espessura do revestimento seja aumentada.
As manifestações patológicas nas argamassas têm diferentes origens como:
fatores externos ao revestimento, incorreta aplicação do revestimento, qualidade e tipo
do material empregado, preparação da argamassa.
A insolação, chuvas, umidade do ar, diferentes temperaturas, exigem atenção no
momento da aplicação, pois dependendo da época do ano o substrato vai reter água
de maneiras diferentes, que podem gerar patologias futuras. A incorreta aplicação
manual da argamassa pode gerar vazios no meio do emboço, que levam ao
surgimento de fissuras. As fissuras também podem ser evitadas com execução de
reforços do revestimento, com telas metálicas galvanizadas, nas regiões de maiores
tensões da interface alvenaria-estrutura, como pavimentos sobre pilotis e últimos
andares do edifício.
17

3.2.2.1. Revestimento com argamassa decorativa cimentícia

São revestimentos que utilizam cimento branco, areia, pigmentos e aditivos.


Exigem, em geral emboço sarrafeado e escarificado, traço uniforme em toda a área e
base curada antes da aplicação. O substrato deve estar limpo e isento de materiais
que prejudiquem a aderência. O tempo médio para utilização da argamassa misturada
é de 2 horas. Os efeitos de textura, ondulações, ranhuras, obedecem a uma técnica e
são realizados com brocha, vassoura, lâmina de serra, desempenadeira de aço entre
outros.
Os revestimentos com argamassa decorativa cimentícia podem ser divididos em:

a) Monocamada
Conhecida como monocapa, é uma argamassa cimentícia para acabamentos de
fachadas, sobre bases com controle de prumo e planicidade, além de critérios de
controle sobre a retração de secagem dos elementos das alvenarias (blocos de
concreto e cerâmicos), e obedece à Norma Européia EN-0698 e a certificações do
CSTB referentes a argamassas monocamada para revestimentos externos, segundo o
fabricante QUARTZOLIT-WEBER (2003).
O produto aceita sobreposição de camadas, permite a execução de detalhes
decorativos como molduras, além de junção de duas cores no mesmo plano. As bases
indicadas para aplicação são blocos de concreto curados, blocos cerâmicos lisos ou
com reentrâncias na superfície inferiores a 3 mm, superfícies de concreto imprimadas
com chapisco rolado, argamassas de emboço.

b) Granito Lavado (Fulget)


Granito lavado ou fulget, pertence à família de massas, onde se inclui a massa
de quartzo, a granilha, sendo sua base cimentícia, com adições minerais, cal óxido de
ferros e pigmentos. Conhecidos também como banho de areia ou chuva de granizo,
tem grande uso em fachadas. Os nomes não possuem uma padronização e normas
que regulamentem a fabricação das massas. Nestas massas há uma adição de grãos
de diferentes pedras (mármores, granitos naturais, calcáreos, arenitos, quartzos, etc.)
ao cimento, resultando no fulget ou granito lavado. Corantes podem ser utilizados para
aumentar a gama de cores (FULTEC REVESTIMENTOS LTDA, 2003).

c) Camada Fina
Os revestimentos do tipo camada fina são formados por minerais de consistente
granulometria controlada e requerem aderência adequada mas com valores ainda não
18

previstos em norma brasileira. Sua aplicação requer mão-de-obra bem treinada e o


controle da execução dos serviços é fundamental para garantir o resultado desejado
As principais propriedades de um revestimento argamassado de camada fina
incluem: capacidade de conferir cor estável; capacidade de resistir às intempéries;
facilidade de manutenção e conservação; impermeabilidade e transpirabilidade.

3.2.2.2. Revestimento com argamassa decorativa polimérica

São revestimentos à base de resina sintética. Utilizam em geral resinas acrílicas,


minérios de baixas granulometrias, substâncias metálicas e pigmentos orgânicos e
inorgânicos. A espessura do revestimento é em torno de 1 a 3 mm, sendo que é
necessária a aplicação de fundo, isento de minerais, mas com as mesmas
características e cor do acabamento.

3.2.3. Materiais / Equipamentos

Os materiais constituíntes da argamassa, de acordo com a ABCP (2013), são o


cimento Portland, cal hidratada, água, areia e aditivos. O traço utilizado para o preparo
vai depender de alguns parâmetros que queira se alcançar, usando assim uma
dosagem maior de um ou outro elemneto, de acordo com suas propriedades.
Para a elevação das alvenarias e execução do revestimento devem estar
disponíveis todos os equipamentos e ferramentas necessárias para o assentamento
de blocos cerâmicos, incluindo colher de pedreiro, linha de nylon, lápis de carpinteiro,
trena, bisnaga, linha, esticadores de linha, réguas de alumínio, prumo de face,
escantilhões, broxa, nível de bolha e nível de mangueira, esquadros, furadeira elétrica,
pistola finca-pinos, entre outros.

3.2.4. Técnicas Executivas

O método consiste no levantamento convencional de parede de blocos


cerâmicos procedida das etapas de chapisco, emboço e reboco.
Na fase de elevação da alvenaria, tem-se as etapas de marcação da primeira
fiada, assentamento e encunhamento, nessa ordem.
A execução do revestimento externo em argamassa deve seguir atividades que
incluem: verificação das condições para início dos serviços, montagem de balancins,
preparo da base, locação e descida dos prumos, mapeamento, reprojeto,
taliscamento, aplicação da argamassa e execução do acabamento. (ABCP, 2003).
19

A Figura 1 retrata a composição de uma fachada com camada de emboço e


reboco e como a mesma se constitui quando essas camadas são substituídas por
massa única.

Figura 1 - Camadas do revestimento de argamassa.

Fonte: MACIEL et. Al. (1998)

3.2.5. Vantagens e Desvantagens

Revestimentos de argamassa bem executados revelam vantagens já


consagradas por dezenas de milhares de obras executadas por todo o país para todos
os tipos de edifícios. São elas: insumos acessíveis nas mais variadas regiões, grande
disponibilidade de mão de obra para execução, baixos custos comerciais, facilidade de
execução e controle, e possibilidade de ser empregado sem aplicação de outro
acabamento.
Como principais desvantagens, a velocidade de execução lenta quando
comparado a outros revestimentos, grande desperdício de material, grande volume de
entulho gerado, sua aplicação gera em via de regra um canteiro de obras sujo.

3.3. Revestimentos Cerâmicos

3.3.1. Conceituação

Revestimento Cerâmico de Fachadas de Edifícios (RCF) é o conjunto monolítico


de camadas (inclusive o emboço de substrato) aderidas à base suporte da fachada do
edifício (alvenaria ou estrutura), cuja capa exterior é constituída de placas cerâmicas,
20

assentadas e rejuntadas com argamassa ou material adesivo (MEDEIROS,1999). Os


revestimentos cerâmicos devem servir como proteção dos elementos de vedação,
apresentando um desempenho adequado que devem ser considerados nas etapas de
projeto e produção. Os principais requisitos relacionados à função vedação e proteção
dos revestimentos cerâmicos destinados às fachadas, de acordo com MEDEIROS
(1999) são:
a) manter suas propriedades ao longo da vida útil da edificação;
b) proteger a estrutura de vedação contra a ação do intemperismo;
c) auxiliar no isolamento térmico e acústico;
d) proteção da fachada contra radiação solar;
e) proteger o edifício contra os efeitos da eletricidade estática;
f) permitir troca de vapor de água do meio interno e externo;
g) ser compatível com outros materiais da fachada;
h) proteger contra danos físicos exteriores;
i) proteger contra o vandalismo; e
j) facilitar a manutenção.

3.3.2. Substrato e Preparo

O revestimento cerâmico é um material que conserva bem sua aparência inicial


resistindo ao tempo. Bastam lavagens periódicas para mantê-lo. Entretanto, o uso de
placas cerâmicas porosas em regiões poluídas deve ser considerado, já que a
freqüência de limpeza e manutenção será aumentada.
As pastilhas cerâmicas apresentam características próprias, com o diferentes
níveis de resistência à gretagem ou ao choque térmico. Tendo medidas individuais a
partir de 2,5 cm x 2,5 cm, são unidas por papel ou pontos de cola de PVC para formar
placas.
As argamassas de assentamento são diferentes, próprias para fazer o
assentamento e o rejuntamento ao mesmo tempo.
Disponíveis em diversas cores, texturas e padrões, os revestimentos cerâmicos
podem apresentar formatos que vão desde pastilhas até placas com várias medidas,
e, segundo D´ONÓFRIO (2002), a especificação correta leva em conta as
propriedades dos materiais usados - placa cerâmica, argamassas de assentamento e
de rejuntamento, as características do ambiente onde o revestimento será aplicado e o
clima. Além destes fatores o substrato deve ser adequadamente executado, ter um
bom projeto de assentamento, com mão de obra qualificada para o trabalho,
supervisão técnica permanente durante a fase de execução e o atendimento às
21

normas técnicas referentes a todas as etapas do processo. É um sistema que


depende do desempenho individual de cada componente.

3.3.3. Materiais / Equipamentos

Os materiais necessários para o revestimento cerâmico são a argamassa


colante, que varia suas especificações de acordo com o tamanho das peças a serem
coladas, e a a própria peça cerâmica, que pode ser pastilha, azulejo, mármore, entre
outros vários, variando em suas dimensões, tonalidades e regularidade superficial.
Para a emenda entre as peças, deve ser usado massa de rejunte.
Os equipamentos utilizados para a colocação das peças são os mesmos citados
no item de revestimentos argamassados, como colher de pedreiro e espátula, além de
niveladores e espaçadores, que são colocados entre as peças, antes do rejuntamento.
Para o trabalho na fachada, de igual forma aos outros tipos de revestimento, são
utilizados andaimes, jaús ou balancins.

3.3.4. Técnicas Executivas

O tamanho das peças interfere na escolha do processo de fixação. Placas com


dimensões de até 20 x 20 cm podem ser assentadas com argamassa, entretanto
placas com dimensões maiores que 20 x 20 cm devem ser fixadas com inserts
metálicos, da mesma forma que as fachadas revestidas com placas pétreas. As peças
devem apresentar baixos índices de absorção de água e expansão por umidade, além
de exigirem o verso com forma cônica, para assegurar melhor adesão à argamassa de
assentamento. Não é necessário ter o índice de resistência à abrasão (PEI) alto e o
índice de resistência a manchas deve ser entre 4 e 5 (boa e máxima facilidade
remoção de manchas).
A argamassa colante deve ser flexível. Devido a elasticidade e a flexibilidade,
este material corresponde às deformações originadas pelo movimento natural da
estrutura. Cerâmicas para fachadas devem ser assentadas com argamassa do tipo AC
II, flexível, própria para uso em céu aberto. Esta argamassa traz a garantia do não
descolamento, de melhor adesão e proporciona maior tempo em aberto para o
assentamento da cerâmica depois de a argamassa já ter sido estendida na superfície
(D´ONÓFRIO, 2002).
As juntas estruturais devem ser previstas com materiais elásticos (neoprene, ou
mástique), a cada plano de 3 m de altura por 5 m de largura, ainda segundo
D´ONÓFRIO. As juntas protegem contra infiltração, dão estabilidade ao conjunto e
22

devem ficar aparentes, devendo ser arrematadas por selantes de poliuretano. O


silicone não é recomendado porque absorve a água da chuva (ARMANI, 2003).
O rejuntamento também deve ter características especiais quando aplicados em
fachadas, devendo ser impermeável, antimofo, lavável e flexível, com estabilidade de
cores e proteção contra raios ultravioleta, além de aditivo retentor de água. A
observação das normas técnicas no momento da especificação estabelece parâmetros
relacionados ao desempenho e segurança. Nelas são descritas as mais diversas
condições de uso: intempéries, água, sal, atrito, agentes químicos, entre outros. O uso
de materiais certificados confere maior garantia das propriedades das placas
cerâmicas, e as normas ISO 13006 e ISO 10545 correspondem a metodologias de
ensaio e especificação, a fim de garantir que as propriedades correspondam às
exigências normativas.

3.3.5. Vantagens e Desvantagens

Os revestimentos cerâmicos oferecem boa resistência às intempéries, tem


grande vida útil, protegem contra infiltrações externas, apresentam bom conforto
térmico, facilidade de manutenção e limpeza, facilidade de controle do material na
obra, grande versatilidade em decorrência da diversidade de materiais no mercado e
maior uniformização do serviço de assentamento.
Em contrapartida, seu preço aumenta proporcionalmente com a qualidade da
cerâmica empregada, é necessário maior controle na produção, com observância das
juntas de dilatação e rejuntamento das peças.

3.4. Revestimento com Placas Pétreas

3.4.1. Conceituação

Graças à beleza e durabilidade as rochas são utilizadas como matéria prima na


construção civil há milhares de anos, além do efeito estético que resulta na valorização
do empreendimento. Entretanto a sua correta utilização em fachadas exige um critério
rigoroso na escolha da rochas já que elas tem características físicas, mecânicas e
químicas variáveis, dependendo da jazida de origem e do tipo de rocha. Fatores como
a durabilidade, a logística (existência de jazidas próximas da construção), cultura (boa
aceitação em algumas regiões litorâneas, por exemplo), o efeito estético (a opção por
uma pedra com superfície polida, flamejada, entre outros tipos de acabamento
superficial), devem ser observados no momento da especificação.
23

Devem ser considerados também o grau de poluição atmosférica, pois a


poluição, fezes de pássaros, chuvas e fuligem são agentes que mudam o PH da
superfície do revestimento, demandando lavagens periódicas.

3.4.2. Substrato e Preparo

As dilatações e contrações devidas ao calor podem provocar fissuras em


algumas pedras (CIOCCHI, 2002). A análise destes fatores contribuirá para otimizar o
desempenho e reduzir as patologias e prejuízos.
O projetista de fachadas deve conhecer as propriedades das pedras, pois este
conhecimento vem auxiliar na redução de problemas como fissuras, desplacamento,
fratura e colapso na fachada. FERREIRA (1995) coloca que a resistência de uma
placa de granito pode ser reduzida, conforme o tipo de acabamento de sua superfície.
Um acabamento muito utilizado, o flameado, produz microfissuras na pedra, chegando
algumas vezes a quase 3 mm de profundidade, com a redução na resistência à flexão
de aproximadamente 30% em relação ao material polido. O apicoamento e outros
acabamentos similares também geram a diminuição da resistência do material. Já o
polimento da pedra , pode prover um melhor fechamento dos poros, ajuda a proteger a
superfície da fachada da deterioração causada pelos agentes químicos presentes na
atmosfera. Ainda segundo o autor, a pedra, sendo permeável, pode permitir que a
água flua através dela, principalmente quando usada em placas muito finas. A textura
da pedra, além do alinhamento de microfissuras, pode afetar sua resistência e
durabilidade.
A direção na qual a pedra se rompe (plano de corrida), é outro elemento
importante. Para a aplicação em fachadas, recomenda-se que as placas sejam
produzidas a partir da serrada de blocos no sentido paralelo ao plano da pedra. Dessa
forma, o plano da pedra estará paralelo à parede e sua resistência será maior às
cargas horizontais, decorrentes das pressões internas da construção e do vento.
O projeto de estrutura deve levar em consideração as cargas atuantes do
revestimento. Se em um projeto não foram consideradas as cargas de um
revestimento, este não pode influenciar na estrutura.

3.4.3. Materiais / Equipamentos

Os materiais utilizados para esse revestimento, além da própria placa de pedra,


são a argamassa colante ou os inserts metálicos de sustentação, dependendo de qual
técnica executiva será adotada.
24

Os equipamentos não diferem muito dos outros tipos de revestimentos utilizados


normalmente, exceção feita à pistola usada para colocar os inserts.

3.4.4. Técnicas Executivas

As dimensões das juntas estão relacionadas com fatores como as propriedades


físico-mecânica da rocha, sistema de fixação e efeito estético desejado. BARROS
(2002) diz ser este o local onde ocorre a absorção das variações de expansão e
contração das placas. Ainda segundo a revista, as cores das placas devem ser
consideradas no dimensionamento das juntas. Os tons mais escuros demandam
espaçamento maior, e entre placas de cores claras o espaçamento pode ser menor. A
durabilidade e resistência também estão relacionadas com o sistema de fixação das
mesmas. Segundo MARANHÃO 2002, as placas pétreas podem ser divididas em dois
grupos segundo o tipo de fixação: aderentes e não aderentes.
O primeiro grupo segundo o autor, engloba todas as técnicas construtivas cuja
fixação das placas dá-se por meio de um contato direto entre a placa de rocha e o
substrato, sendo que a fixação dá-se por aderência física ou adesão química,
dependendo da técnica adotada. Já o segundo grupo, caracteriza-se por não haver
contato rocha-substrato, sendo as placas sustentadas mecanicamente por dispositivos
metálicos fixadas em seu dorso ou em suas laterais.
O assentamento com argamassas deve ter um controle de qualidade rigoroso
para evitar descolamentos, quedas e deformações, e suportam placas de espessura
de 2 a 3 cm. A verificação da quantidade de água na argamassa ou a qualidade da
areia são alguns dos fatores importantes. A NBR 13707 limita o uso do processo de
assentamento tradicional em edifícios de até 15 m de altura, sem restrições quanto às
dimensões das placas de rocha. A partir de 1980 começou no Brasil a substituição
gradativa do sistema tradicional de assentamento com argamassa por fixação com
inserts metálicos, e esta técnica é mais comum nos grandes centros, onde se tem
maior facilidade de profissionais e empresas especializadas na execução de projetos
bem detalhados (FLAIN, 2002). Os inserts metálicos devem ser, preferencialmente,
em aço inoxidável e são ancorados na estrutura do edifício, suportando o peso da
placa superior e travando a placa inferior, absorvendo as tensões provenientes da
dilatação térmica, uma vez que a estrutura e as placas trabalham de forma
independente.
MARTINS (2003) explica que as pedras fixadas com inserts devem ter juntas de
dilatação, com dimensões entre 6 e 10 mm, em função do tamanho e da espessura da
placa e das dimensões horizontais e verticais da edificação. Prevista em projeto, essa
25

folga absorverá as tensões provenientes da diferença no coeficiente de dilatação


térmica da estrutura e do revestimento. Ainda segundo o autor, com a utilização dos
inserts metálicos, afasta-se o revestimento da estrutura, criando um espaço que
evitará o contato direto entre ambos. A placa pode molhar, mas a ventilação permitirá
que seque mais rapidamente, além do conforto interno do edifício ser melhorado com
o isolamento térmo-acústico criado por este espaço.

3.4.5. Vantagens e Desvantagens

O uso de placas pétreas em fachadas confere uma ótima estética, devido à


beleza do material, além de proporcionar uma grande resistência à ação do meio
ambiente, das intempéries.
Por outro lado, é preciso uma mão de obra mais qualificada para trabalhar com
esse tipo de material, gera um peso maior à estrutura do edifício e apresenta um custo
mais elevado, quando comparado aos revestimentos cerâmicos.

3.5. Revestimento com Vidros

3.5.1. Conceituação

O desempenho térmico das edificações com fachada em vidro depende


basicamente do vidro utilizado. Em geral, podem ser refletivos, com baixa absorção
térmica, para garantir o conforto ao usuário. Podem ser utilizados, também, os vidros
duplos (insulados), que são ainda mais eficientes no comportamento técnico. O fato de
o vidro utilizado nas fachadas ser laminado, já contribui significativamente para o
isolamento acústico.
Atualmente, o vidro tem sido parte integrante e fundamental do projeto
arquitetônico. Faz parte da estética (visual externo), tem forte influência no
temperatura interna, na economia (redução de custos com ar condicionado) e na
segurança (fechamento da fachada) de qualquer edifício. Para tanto se deve fazer a
escolha adequada do vidro em função das necessidades do projeto.
Para atender aos parâmetros técnicos requeridos no projeto de arquitetura, o
vidro apresenta diversas características, podendo atingir uma gama de composições.
Essa variação ocorre devido à cor, espessura, reflexibilidade, película e da eventual
utilização de câmaras internas.
26

Existem no mercado diversos vidros com características técnicas específicas


para cada uso. São eles: vidro refletivo, vidro temperado, vidro laminado, vidro
aramado e vidro duplo.

3.5.2. Substrato e Preparo

A especificação de vidros refletivos requer estudos de suas características de


desempenho e de elementos como a transmissão de luz, calor, refletividade, cor do
vidro, região em que se localiza a obra e a finalidade da edificação. Sem esses dados,
há riscos de o projeto resultar em problemas como a claridade desconfortável ou o
aquecimento dos ambientes internos, ou ainda a quebra de vidros devido ao estresse
térmico causado pela alta absorção de energia.
Os vidros são fixados em estruturas de alumínio, que podem ser tanto visíveis do
lado de fora da edificação quanto somente por dentro do prédio.

3.5.3. Materiais / Equipamentos

Os materiais utilizados para revestimento com vidro são as ferramentas de


fixação, o silicone utilizado e os componentes do sistema quadro de alumínio – pele de
vidro.

3.5.4. Técnicas Executivas

Como não existem normas técnicas específicas para execução de fachadas em


alumínio, devem ser consultadas normas que se apliquem a este tipo de projeto.
Parâmetros para elaboração de normas para colagem de painéis de vidros e alumínio
composto vêm sendo discutidos e serão tratados na revisão da norma NBR
10821:2000, que abordará o item Fachadas. Com isso, uma das normas mais
comumente usadas é a NBR 7199:1989 – Projeto, execução e aplicação dos vidros na
construção civil.
Dependendo do sistema a ser utilizado e da empresa responsável, a técnica de
execução pode variar. Mas de uma forma geral, as cortinas de vidro são executadas
com o fixamento peça por peça, nos painéis metálicos. Cada peça é erguida a partir
do chão, geralmente com o auxílio da grua, até o seu posicionamento correto na
fachada.
27

A fixação dos vidros pode ser de forma mecânica, através de perfis U, que são
colocados internamente ao perfil metálico. Podem também ser fixados perfis dos
quadros de alumínio com o uso de silicone, ficando a estrutura oculta, na face interna.
Outra forma de execução é através do sistema unitizado, em que os componetes
são todos montados na indústria, chegando ao campo painéis e vidros já prontos para
serem colocados em suas posições definitivas.

3.5.5. Vantagens e Desvantagens

Em comparação com outros materiais, a cortina de vidro possui uma vantagem


significativa: o seu peso leve. Isso significa redução do peso do edifício, o que implica
em redução dos custos com sistemas estruturais e fundações, devido a redução da
carga estrutural do prédio. Quanto maior for o edifício, mais significativa será
mudança.
Além disso, outra característica incomparável das paredes de vidro são a de
oferecer transparência e permeabilidade da iluminação natural para o interior do
ambiente. Com isso, o aumento da iluminação natural implica na redução do consumo
energético com iluminação artificial durante o dia.
Entretanto, a cortina de vidro também tem certa limitação. Uma delas é a grande
área de vidro utilizada, uma vez que grandes planos de fachada de vidro podem
causar muita reflexão e ofuscamento para pessoas fora do edifício.
Outro fator que representa uma desvantagem é seu alto custo, tanto de
instalação, que requer mão de obra especializada, quanto de manutenção, que é
bastante trabalhosa e, consequentemente, mais cara também.

3.6. Comparativos

A Tabela 3, mostra um resumo das principais características de cada tipo de


revestimento externo abordado, destacando quais as principais vantagens e
desvantagens conferidas por eles durante a obra e a vida útil da edificação.
28

Tabela 3 – Comparativo das características dos tipos de fachada


Tipo de revestimento Critério Vantagens Desvantagens
material leve - não faz peso na aspecto sujo depois de um certo
Qualidade
estrutura tempo
necessidade de manutenção
Custo baixo custo de execução
constante
Pintura facilidade de execução,
aspecto final menos
Produtividade facilidade de obtenção de mão
padronizado
de obra
pequena resistência às necessidade de manutenção
Durabilidade
intempéries constante
não confere muita beleza
Qualidade material de fácil obtenção
estética
Custo baixo custo de execução não há
facilidade de execução, canteiro de obra mais sujo e
Argamassa decorativa
Produtividade facilidade de obtenção de mão bagunçado, grande desperdício
de obra de material
pequena resistência às
Durabilidade menos resistente às intempéries
intempéries
beleza estética, grande
peso um pouco maior na
Qualidade variedade de materiais
estrutura
disponíveis
custo de instalação mais alto que
Custo baixa manutenção necessária
outros revestimentos
Cerâmica
aspecto mais padronizado da
instalação mais demorada do
Produtividade fachada, facilidade de controle
que em outros revestimentos
do material
dificuldade de reposição de
Durabilidade alta durabilidade e resistência
peças idênticas
facilidade de limpeza, ótima
Qualidade aumenta o peso na estrutura
beleza estética
Custo baixa manutenção necessária alto custo de instalação
aspecto mais padronizado da
Placas pétreas instalação mais demorada do
Produtividade fachada, facilidade de controle
que em outros revestimentos
do material
altíssima durabilidade e dificuldade de reposição de
Durabilidade
resistência peças idênticas
ótima beleza estética,
dificuldade de reposição em
Qualidade proporciona boa iluminação
caso de trincas ou arranhões
natural
redução do custo do sistema
Custo alto custo de instalação
estrutural
Vidro
execução padronizada e rápida,
necessidade de mão de obra
Produtividade pouquíssimo desperdício de
específica
material
grande durabilidade e
Durabilidade difiícil manutenção
resistência
Fonte: O autor - 2016
29

4. Fachadas: Patologias

4.1. Aspectos Gerais

Os revestimentos da fachada devem apresentar as propriedades para os fins a


que se destinam, que são a proteção e vedação da edificação contra a ação de
agentes externos agressivos, quanto ao efeito estético e de valorização patrimonial,
compatíveis com a nobreza e custo elevado do material.
As falhas de execução de uma fachada no seu conjunto podem acontecer, e as
consequências, chamadas patologias, tendem a aparecer, interferindo diretamente na
durabilidade, impermeabilidade, nos riscos de quedas acidentais de placas e nos
custos de manutenção da edificação. Além destes aspectos há outro intangível
relacionado a imagem da construtora no mercado. As fachadas de um
empreendimento é a parte mais visível do mesmo, fazendo com que a patologia seja
percebida quando surge, durante o agravamento do seu quadro, durante o tratamento
para correção da anomalia e posteriormente após a anomalia ser tratada.
Uma boa definição de patologia, segundo Chaves (2010), é a de que patologias
são todas as manifestações que, ao longo da vida útil de determinado edifício,
prejudicam o seu desempenho.
As patologias são estudadas para diagnosticar as prováveis causas, sendo que
geralmente não ocorrem devido a uma única razão. A ocorrência se deve a algum
procedimento inadequado durante o processo construtivo, ou seja, planejamento,
projeto, materiais e componentes, execução e uso, que gera uma alteração no
desempenho de um componente ou elemento da edificação.
Para CAMPANTE (2001), as manifestações patológicas podem ser entendidas
como situações nas quais, em determinado momento da sua vida útil, deixam de
apresentar o desempenho esperado, ou seja, não mais cumprem funções para os
quais foram projetados, deixando de atender às necessidades dos usuários. O autor
se refere aos revestimentos cerâmicos, mas o conceito pode ser estendido aos
diferentes materiais apresentados neste trabalho.
Os problemas patológicos ocorrem com diferentes formas de manifestação, e
podem ter origem em diferentes fatores pois existe nos processos construtivos uma
grande complexidade dos sistemas envolvidos. É preciso conhecer as características
dos materiais, sua adequação de uso ao local, correto posicionamento de juntas,
utilização de mão de obra treinada, controle do uso dos materiais no canteiro, para
prevenir o surgimento de manifestações patológicas.
30

Os revestimentos nem sempre são avaliados criteriosamente, sendo que a


maioria dos problemas apresentados tem origem nas fases iniciais (elaboração de
projeto ou execução), apresentando depois da sua aplicação problemas patológicos
que comprometem aspectos como segurança e habitabilidade, com a degradação em
curto espaço de tempo, podendo comprometer até o uso das edificações. A Tabela 4
exemplifica a necessidade de utilização de projeto para a diminuição de patologias em
revestimentos externos, e apresenta o percentual de problemas originados a cada
etapa da execução da fachada.

Tabela 4 – Origem de problemas patológicos

Fonte: Abrantes, V – REVISTA TÉCHNE 14 (1995)

Já a Tabela 5, apresenta uma comparação referente à aspectos tecnológicos,


entre revestimenos externos.
31

Tabela 5 – Comparativo referente à aspectos tecnológicos

Fonte: CAMPANTE, 2001

Com a análise das patologias, podem ser sugeridos reparos, quando o


revestimento ou parte dele não apresenta o desempenho previsto. Os problemas são
identificados pelas mudanças estruturais ou de função na parte afetada ou no edifício,
avisando o surgimento de defeitos. O estudo das patologias também procura definir
procedimentos que diminuam ou até evitem a ocorrência das patologias. Neste
trabalho as patologias estarão sendo somente relacionadas de maneira global.
A Figura 2 sintetiza a ocorrência das patologias em fachadas de edificações.
32

Figura 2 – Origem de problemas patológicos


Fonte: Patologias de Revestimentos de Fachadas – Prof. Poliana Tatiana da Silva Gratão

4.2. Análise das Patologias por Tipo de Revestimento

4.2.1. Patologias em Revestimento com Pintura

4.2.1.1. Tipos de patologias

Entre os tipos mais comuns, destacam-se:


a) Eflorecências: manchas esbranquiçadas que surgem na superfícies pintada.
b) Desagregação: é a destruição da pintura, que se esfarela e destaca-se da
superfície junto com partes do reboco.
c) Descascamentos: pode ocorrer quando a pintura for executada sobre
caiação, sem que se tenha preparado a superfície. Qualquer tinta aplicada
sobre caiação está sujeita a descascar rapidamente.
d) Manchas: causadas por pingos de chuva que, ao molharem a pintura recém
executada, trazem à superfície os materiais solúveis da tinta, surgindo as
manchas.
e) Enrugamento: é a formação de uma película ou ondulação sobre a
superfície.
f) Trincas: aberturas ou rasgos, causadas, de modo geral por movimentos da
estrutura.
g) Crateras: depressões na última cama da pintura.
33

h) Bolhas: em paredes externas, geralmente são causadas pelo uso da massa


corrida PVA, produto geralmente indicado para áreas internas.
i) Fissuras: entre outras causas, podem ser provocadas por tempo insuficiente
de hidratação da cal antes da aplicação de reboco ou devido a camada de
massa fina estar muito espessa.

4.2.1.2. Causas

Diferentes fatores levam aos problemas citados no item anterior, sendo os mais
recorrentes:
a) Tinta aplicada sobre o reboco úmido, ainda não curado completamente. A
secagem do reboco acontece por eliminação de água sob forma de vapor,
que arrasta materiais alcalinos solúveis do interior para a superfície pintada,
onde se deposita, causando manchas.
b) Falta de preparo adequado da superfície que vai receber a pintura. Todas as
imperfeições devem ser corrigidas antes e a superfície deve estar seca para
receber a pintura.
c) Água de chuva molhando a pintura recém executada.
d) Camada de tinta muito espessa, devido a aplicação em excesso do produto,
seja em uma ou mais demãos, quando a temperatura no momento da pintura
se encontra elevada ou, ainda, quando se utiliza solvente diverso da
aguarrás como diluente de esmalte sintético.
e) Movimentação da estrutura
f) Presença de água, graxa ou óleo na superfície a ser pintada, e também
quando a tinta é diluída com materiais não recomendados como gasolina e
querosene.
g) Uso de tinta inadequada, recomendada para ambientes internos, por
exemplo

4.2.1.3. Tratamento

Melhor do que tratar essas patologias, seria evitá-las, preparando corretamente


a superfície antes da pintura, corrigindo suas imperfeições e realizando o serviço
quando a mesma estivesse totalmente seca.
De qualquer forma, a correção desses problemas varia de acordo com o caso
ocorrido. No caso de manchas, uma simples lavagem já é o bastante para eliminá-las.
Nos outros casos, recomenda-se a remoção da tinta aplicada na área afetada, com
34

espátula, e a pintura refeita com os devidos cuidados para que os problemas não
aconteçam novamente. (NETO – REVISTA TÉCHNE, 2001)

4.2.2. Patologias em Revestimento com Argamassas Decorativas

4.2.2.1. Tipos de patologias

A Tabela 6 mostra patologias que ocorrem em argamassas decorativas em


assentamento de fachadas, com suas respectivas causas.

Tabela 6 – Patologias em argamassas decorativas para fachadas

Fonte: BAUER, 2001 - Revista Construção São Paulo


35

4.2.2.2. Causas

As principais causas de patologias atreladas ao processo de revestimentos com


argamassa em fachadas estão descritas na Tabela 6, mostrada anteriormente no item
4.2.2.1.

4.2.2.3. Tratamento

Podem ocorrer no revestimento fissuras muito superficiais e quase


imperceptíveis, cuja reparação poderá ser preferível abdicar, para evitar a ocorrência
de manchas e diferenças do aspecto final resultante.
No entanto, fissuras e descolamentos que colocam em risco a durabilidade e
funções do revestimento deverão ter suas causas apuradas e corrigidas.
De acordo com VEIGA e FARIA (1990), os principais métodos de correção de
fissuras são a bandagem, a tela metálica e a selagem.
Já para os casos de descolamentos, depois de eliminada a causa do problema,
deve ser feito o corte e extração do revestimento descolado, o tratamento da
superfície exposta, e a posterior aplicação de revestimento tão semlhante quanto
possível ao anterior, nas zonas expostas.

4.2.3. Patologias em Revestimentos Cerâmicos

4.2.3.1. Tipos de patologias

Entre os tipos mais comuns, destacam-se:


a) Descolamento;
b) Estufamento;
c) Manchas;
d) Esmagamento;
e) Eflorescência;
f) Trincas.

4.2.3.2. Causas

Diversos fatores podem causar patologias em revestimentos cerâmicos, sendo


eles:
a) Variações de temperatura – descolamento e trincas;
36

b) Aunsência de juntas de dilatação – descolamento;


c) Retração e compressão da argamassa de assentamento, quando esta é
muito espessa para regularizar desnivelamento da base – estufamento;
d) Problemas na produção do revestimento – manchas;
e) Falta de impermeabilização da base – manchas;
f) Sobrecargas de peso após assentamento – esmagamento;
g) Retração ou dilatação da peça – trincas;
h) Ausência de detalhes construtivos.

4.2.3.3. Tratamento

Após identificar as causas, de forma semelhante a outros tipos de revestimentos,


o tratamento deve ser feito, em primeiro lugar, retirando as placas que apresentam
problema. A superfície então deve receber as devidas correções, para que a falha não
ocorra novamente, e novas placas cerâmicas reposicionadas em substituição às
anteriores, seguindo o procedimento executivo correto.

4.2.4. Patologias em Revestimentos de Placas Pétreas

4.2.4.1. Tipos de patologias

Nos revestimentos com pedras, as patologias podem ser evitadas ou


minimizadas, na maioria dos casos, , se na fase de projeto forem definidos os
materiais mais adequados e as técnicas de execução mais apropriadas.
FLAIN (1995), relacionou as principais patologias observadas em visita à
canteiros de obras:
a) Manchas
b) Fissuras
c) Quebras nos cantos das placas
d) Descontinuidade no rejuntamento, juntas desalinhadas

4.2.4.2. Causas

As manchas em placas pétreas podem surgir devido à má utilização do selante


de rejuntamento, devido à percolação da água através de possíveis detalhes
construtivos existentes ou devido à reconstituição de quebras. Também podem
37

aparecer na forma de respingos de tinta ou outro produto, como consequência de


outros serviços mal executados (em geral instalação de esquadrias).
Fissuras podem aparecer devido à falta de juntas coletivas, ou nos locais dos
rasgos para afixação das placas.
Quebras acontecem pelo mau uso do balancim, quando o mesmo não está
protegido, ou qualquer outro equipamento de trabalho que possa vir a bater na placa
durante a execução, causando a quebra.

4.2.4.3. Tratamento

Sempre que possível, deve se evitar trocar a placa quando essa apresenta
alguma deficiência, uma vez que as placas pétreas são caras em geral, além de
apresentarem um grau de dificuldade de instalação e acesso relativamente elevado.
Com isso, o tratamento das patologias geralmente passa por um polimento para
cobrir as fissuras, ou, no caso de peças quebradas, o local pode ser disfarçado com
rejunte ou recolado com massa específica, com posterior polimento.
Existem ainda algumas substâncias químicas que podem ser aplicadas à peça
para a remoção de manchas, porém o resultado, dependendo do tamanho da mancha
existente, nem sempre é muito satisfatório.
Em última caso, a placa danificada deve ser substituída por uma nova, com os
devidos cuidados para que a patologia não ocorra novamente.

4.3. Causas Gerais

4.3.1. Causas associadas aos materiais

O mercado atual tem passado por um crescente surgimento de novos materiais,


portanto nem sempre esses são testados em conformidade com os requisitos e
critérios de desempenho, consequentemente, há um aumento nas patologias de
fachadas. A busca pelo menor preço, a incorreta aplicação e o mau entendimento
pelas características dos materiais também tem sido um aliado das manifestações
patológicas (ANTUNES, 2010).

4.3.2. Causas associadas à dosagem ou traço

De acordo com CARAZEK (2010), um ponto de partida para dosagem de


argamassas adequadas segue os traços recomendados em normas como visto na
38

Tabela 7. Esses traços pré-fixados são necessários, pois os materiais constituintes da


argamassa diferem muito de uma região para outra, podendo gerar argamassas de
comportamento inadequado.

Tabela 7 – Traços recomendados por algumas entidade s normalizadoras

Fonte: CARAZEK, 2010

A granulometria dos agregados influencia uma boa dosagem na argamassa, ou


seja, uma dosagem inadequada dos agregados desconsidera a influência da
granulometria, textura e forma dos grãos e uma adequada distribuição granulométrica.
As dosagens do cimento empregadas nas argamassas devem ser apropriadas a
situações particulares de aplicação. O proporcionamento adequado do teor de cimento
proporciona melhoras significativas na resistência mecânica e, na capacidade de
aderência ao suporte. No entanto, uma dosagem desajustada deste constituinte,
poderá ter fortes implicações em características relacionadas com a durabilidade dos
revestimentos, como a retração plástica, e a permeabilidade ao vapor de água.
(ANTUNES, 2010).

4.3.3. Causas na especificação

As manifestações patológicas decorrentes da má especificação resultam


normalmente de omissões e/ou equívocos. Geralmente a decorrênc ia dessas
patologias é resultante da falta de leitura, ou até mesmo da ausência de projeto
construtivo de fachadas (ANTUNES, 2010). Os projetos construtivos visam incorporar
processos e métodos construtivos na sua concepção. Graças as suas proximidades
com os processos construtivos e de sua interface com outros subsistemas, como as
estruturas e sistemas prediais, esses projetos passam a possuir um valor
extraordinário na execução de uma obra, além de contribuírem para o desempenho do
edifício como um todo (MANESHI e MELHADO, 2008).
39

Em projeto de revestimento de fachadas é importante seguir algumas diretrizes


para a diminuição de manifestações patológicas (MEDEIROS e SABBATINI, 1999):
a) Definição do tipo de revestimento;
b) Especificação do padrão e qualidade dos serviços;
c) Especificação da argamassa;
d) Especificação das técnicas mais adequadas para execução;
e) Definição dos detalhes arquitetônicos e construtivos;
f) Especificação das condições para o início dos serviços e para o seu
recebimento.

4.3.4. Causas decorrentes do processo executivo

Problemas de qualidade final nos revestimentos de fachadas têm causado


transtornos para construtoras, seja pelo retrabalho ou pela insatisfação do consumidor
final. As causas dessas manifestações patológicas não estão apenas na qualidade do
material argamassa, mas também no reflexo do processo construtivo e, no processo
executivo (MOURA, MASUERO, BONIN e CASTRO, 2006-2007).
Durante a execução de argamassa, as falhas são decorrentes da variação de
mão-de-obra. Em se tratando da projeção da argamassa sobre a base, caso a
aplicação seja manual, a influência da habilidade do operário é muito grande, sendo
susceptíveis à falhas pela uniformidade da energia de aplicação empregada e,
consequentemente, pela aderência incompleta à base (ANTUNES, 2010).
Problemas em processo executivos, anteriores ao da execução da argamassa,
também geram manifestações patológicas, tais como o assentamento de blocos no
qual seu produto final apresenta paredes desaprumadas, exigindo espessuras de
argamassas exageradas, ocasionando a retração da argamassa (ANTUNES, 2010).
O processo executivo de placas cerâmicas deve seguir a NBR 13.755 (ABNT,
1996), pois o assentamento correto de placas cerâmicas impede a ocorrência de
patologias, como o desplacamento.

4.3.5. Causas decorrentes da ação de fatores externos

As fachadas, por estarem expostas ao meio ambiente e, às ações atmosféricas,


apresentam uma probabilidade maior de deteriorar durante a sua vida útil, podendo
causar comportamento diversos nos materiais, provocando variações físicas e/ou
químicas. Entre os fatores externos com maior influência em deterioração da fachada
estão a umidade e, as variações climáticas (ANTUNES, 2010).
40

A umidade presente nas fachadas é uma grande incidência dos problemas


relacionados à infiltração, independente da idade das construções. As variações do
teor de umidade provocam movimentações de dois tipos: irreversíveis e reversíveis.
As movimentações irreversíveis são aquelas que ocorrem geralmente logo após a
fabricação do material e originam-se da perda ou ganho de água até que se atinja a
umidade higroscópica de equilíbrio. As variações reversíveis ocorrem por variações de
teor de umidade do material ao longo do tempo, ficando delimitadas a certo intervalo
mesmo no caso de secar-se ou saturar-se completamente (CAMPOS, 2009).
Já as variações climáticas se constituem num dos principais fatores de
degradação de fachadas, com aspectos como choque térmico, efeito de vento e,
chuvas de agravantes. Uma das principais alterações físicas provocadas pela
temperatura é a variação dimensional por dilatação ou contração, que é responsável
por gerar tensões, que levam ao aparecimento de deformações e fissuras (ANTUNES,
2010).

4.4. Impactos Gerados para Empresas e Clientes

Segundo SOUZA e RIPPER (1998), Os impactos gerados pelas patologias em


fachadas podem assumir os mais diferentes níveis, que vão desde problemas
estéticos até situações gravíssimas, como o caso de morte de pessoas.
Problemas como manchas, estufamento, bolhas e eflorescências proporcionam
inconvenientes visuais às edificações, uma vez que as deixa com um aspecto não
ideal. Entretanto, não impedem o uso da edificação.
Patologias um pouco mais graves são vistas em fissuras ou trincas, que
dependendo do tamanho, podem demandar um reparo mais urgente e podem fazer
com que certa parte da edificação tenha seu uso parcialmente interrompido (como
janelas, por exemplo).
Casos de descolamento e quebras, em especial em placas cerâmicas ou pétreas
ou placas de vidro, representam a pior das patologias e podem gerar os maiores riscos
aos usuários. Por se tratarem de materiais pesados, seus descolamentos e
consequente quedas da fachada podem ferir, machucar ou até mesmo matar uma
pessoa que seja atingida. Por isso, fachadas com esses tipos de revestimentos devem
sempre receber atenção especial a qualquer sintoma de patologias que possam surgir
ao longo dos anos (SOUZA e RIPPER, 1998).
As construtoras devem ser responsáveis por problemas ocasionados devido à
má execução do revestimento, escolhas erradas de materiais ou até mesmo falhas de
projeto, assumindo o prejuízo de reparos, ou até mesmo indenizações, com qualquer
41

dano que seja causado ao cliente ou a qualquer pessoa que seja afetada por tal
problema.
Já os proprietários são os responsáveis por fazer a manutenção e conservação
da fachada. Neste contexto é importante ressaltar que para a conservação dos
revestimentos de fachadas é fundamental para preservar os aspectos estéticos
relacionados à imagem dos prédios, bem como por questões econômicas, uma vez
que a conservação das fachadas em boas condições reduz os gastos com
recuperação. Com isso, a manutenção de fachadas prevê, entre outras coisas,
operações de limpeza, que podem adotar uma série de procedimentos dependentes
do tipo de revestimento ou dano existente na fachada. No caso de patologias gerados
por fatores externos, ou falta de conservação, são os próprios que devem arcar com
os prejuízos ocorridos.
42

5. Técnicas Executivas que Otimizam Revestimentos de


Fachadas

5.1. Contextualização

Nos últimos anos, o setor da construção civil vem passando por profundas
transformações. As empresas estão sendo induzidas ao desenvolvimento ou à
incorporação de inovações para manter a competitividade. Em todas as áreas da
construção civil hoje em dia, há uma crescente demanda por um melhor desempenho
e eficiência dos materiais e de tudo que envolve uma edificação, fazendo com que
algumas construtoras percebessem que teriam que investir em uma nova forma de
construir: racional, eficiente e de custo mais baixo.
Entretanto, o emprego de produtos, métodos e sistemas construtivos inovadores
acabam esbarrando na falta de interesse dos próprios empresários da construção civil
no Brasil em investir em infraestrutura e treinamento da mão de obra e conhecer a
fundo as potencialidades apresentadas por essas novidades (CALÇADA, 2014). Ainda
segundo CALÇADA (2014), as inovações acabam sendo inseridas a partir de
tecnologias anteriormente já utilizadas e testadas por projetistas e construtores . Não
há uma mudança drástica nos processos, e, como consequência, ainda é um pouco
difícil perceber muitas inovações incrementais no ramo da construção civil.
Com o objetivo de alcançar maior produtividade, novas técnicas construtivas,
novos materiais, equipamentos, gestão dos processos e industrialização e
mecanização, são alguns dos recursos que podem ser utilizados pelo segmento para
alcançar a excelência. Essas alterações impactam diretamente na mão de obra, que,
necessariamente, passa a ter que ser mais qualificada. Deve-se considerar que esses
processos tornam o setor bem mais eficiente.
A autonomia proporcionada pela utilização dessas novas técnicas gera maior
controle e maior qualidade aos seus produtos, dinamizando o tempo e os recursos
aplicados. Aos poucos, é possível que o setor modifique o paradigma da construção
artesanal e grande absorção de mão de obra não qualificada. Acelerar o processo de
inovação tecnológica, expandindo seu conhecimento e utilização para todas as
empresas, é um dos grandes desafios atuais do segmento.
Tomando por base todo o ciclo de vida de uma edificação, e sua fachada, que
engloba o projeto, construção e uso, algumas boas práticas executivas que promovem
ganho de qualidade e produtividade na construção de fachadas, e que evitem as
patologias, podem ser adotadas, nas diferentes etapas do processo.
43

5.2. Projetos

A elaboração do projeto de revestimento é fundamental para obtenção de um


desempenho satisfatório ao longo do tempo, refletindo no aumento da qualidade e
produtividade, redução das falhas, desperdícios e custos. Tem como finalidade a
determinação dos materiais, geometria, juntas, reforços, acabamentos, procedimento
de execução e controle.
Porém, para que este objetivo seja realmente alcançado, é necessário que o
projeto de revestimento externo apresente um conjunto de informações relativas às
características do revestimento e da sua forma de produção.
O subsistema revestimento deve estar inserido no contexto amplo da edificação
e principalmente estar relacionado aos outros subsistemas que o envolvem –
estrutura, vedações, instalações e arquitetura (COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO,
2002). Uma vez que a concepção desses projetos considere as interferências com o
revestimento externo, consegue-se otimizar tanto o projeto de revestimento externo
quanto a execução do sistema.
Apesar de o enfoque se voltar para a produção, detalhar o acabamento externo
ajuda a evitar as patologias que podem ser tornar onerosas para as construtoras.
Segundo FRANCO (2008), como grande parte das patologias em fachadas são
decorrentes de falhas durante a execução, é comum atribuir a responsabilidade à
baixa qualificação da mão de obra. Entretanto, deve-se entender que muitas das
vezes a mão de obra não sabe ou não tem dados suficientes para executar o serviço.
Quando se trata de revestimentos convencionais, como cerâmicas,
revestimentos argamassados, pinturas e pedras assentadas, o projeto deve descrever
todas as interferências existentes na fachada, possíveis zonas de estrangulamento
causado por tensões excessivas, locais de enrijecimentos ou reforços de base,
dimensionamento e posicionamento de juntas de movimentação, traços, forma de
assentamento. Já quando o sistema de revestimento é pouco ou menos usual, como
fachadas em cortina de vidro, por exemplo, é preciso detalhar ainda mais todas as
etapas construtivas (FRANCO, 2008).
Além disso, o projeto para revestimentos de fachadas deve contemplar questões
como compra e especificações de materiais, para que estes estejam de acordo com as
situações de uso previstas, bem como tratar do planejamento de armazenamento e
transporte de materiais, afim de que não haja perda de produtividade por questões
meramente de logística.
44

5.3. Industrialização

A industrialização dos materiais utlizados e todos os seus componentes é uma


outra prática de otimização da produção que vêm sendo cada vez mais adotada, em
especial nos grandes centros urbanos. Porém, é importante ressaltar que cidades com
menor acesso às indústrias de produção ainda não conseguem se beneficiar muito
dessa prática, uma vez que o custo de um produto produzido fora do canteiro acaba
ficando mais caro para chegar até o local da obra, o que muitas vezes não compensa
(MILLEN, 2012).
O investimento em tecnologia nas obras, com a mecanização da produção,
permite:
a) um maior controle tecnológico dos materiais a serem utilizados, podendo
haver mais rigidez quanto ao cumprimento dos padrões de qualidade e
desempenho, evitando patologias futuras.
b) uma obra mais limpa e organizada, com a otimização do espaço físico dentro
do canteiro.
c) maior velocidade de montagem e execução da fachada, uma vez que o
produto final já chega pronto, ou quase pronto.
d) maior facilidade de controle da execução, que gera um menor risco de
problemas devido à falhas da mão de obra.

Nesse contexto, estão inseridas na produção em fábrica as argamassas, para


fachadas com revestimentos em argamassa decorativa, ou para revestimentos
cerâmicos, que chegam à obra já prontas para serem aplicadas à superfície.
Além disso, componentes de vedação externa que chegam a obra na forma de
kits, como painés de revestimentos cerãmicos, placas cimentícias e, principalmente,
películas de vidro, também ganham mais espaço, pois conferem rápida montagem,
com a diminuição do trabalho artesanal (e consequente maior padrão estético às
fachadas).

5.4. Planejamento Operacional (Revestimento com argamassa)

O planejamento operacional da execução de uma fachada é uma das principais


práticas necessárias para se otimizar o processo de produção do revestimento
externo. Ele agiliza a execução e evita retrabalhos, garantindo que ao final a fachada
esteja aprovada.
45

Independente do tipo de revestimento utilizado, é necessário estabelecer uma


programação, passo a passo, em função das peculiaridades de cada obra, do projeto,
da diversidade dos materiais a serem aplicados e da fachada a ser executada, com
detalhes que possam orientar a equipe executante e contribuir para a eficácia do
revestimento.
Nesse planejamento poderão ser consideradas as características físicas e
operacionais da obra, tais como:
a) Escolha e contratação dos recursos;
b) Seleção e treinamento da equipe;
c) Logística do sistema;
d) Plano de ataque.

O desenho da fachada do edifício deve ser estudado minuciosamente a fim de


definir a posição dos jahús, área de fachada a ser revestida, o tempo de execução dos
serviços com base nos índices de produtividade e os equipamentos e ferramentas a
serem transportados para cada etapa de execução. Deve-se determinar as atividades
para cada etapa de subida e descida dos balancins, visando garantir a qualidade do
serviço em análise (CEOTTO et. al., 2005).
Nos revestimentos em argamassa, que são os mais utilizados no Brasil, esse
planejamento operacional já é normalmente feito pelas construtoras responsáveis.
Este planejamento deve incluir as etapas de execução: instalação do arame de prumo,
antes dos andaimes; instalação dos balancins, com suas respectivas numerações e a
logística executiva que definirá a sequência de execução das atividades necessárias
em cada subida e descida dos andaimes (balancins) até que a fachada esteja
finalizada.
A Tabela 8, mostra um resumo do procedimento de execução do revestimento
externo (com argamassa), de forma geral, com os materiais e equipamentos
necessários.
46

Tabela 8 – Sequência logística para revestimento externo (argamassa)

Fonte: Comunidade da Construção – Manual de Revestimento de Fachada, 2006


47

5.5. Novas Técnicas

Além de práticas relacionadas ao planejamento logístico, confecção de projetos


detalhados, e investimentos em tecnologia e automação, algumas técnicas de
execução de fachadas relativamente novas, ou pouco usuais, vêm sendo utilizadas
com mais frequência ultimamente, como solução para otimização do processo
produtivo.

5.5.1. Argamassa com bomba

Os sistemas de projeção mecânica de argamassa para revestimento no Brasil


utilizam dois tipos diferentes de equipamentos, o projetor com recipiente acoplado e a
bomba de argamassa. Algumas empresas construtoras têm testado o uso da bomba
de argamassa para a produção de revestimento de fachada.
As bombas de argamassa são equipamentos mais sofisticados que os projetores
com recipiente acoplado. Normalmente é utilizado um misturador de argamassa
integrado ou disposto de forma que o material saia do misturador direto para a bomba.
A argamassa fresca é conduzida pela bomba continuamente através do mangote até a
pistola, onde é projetada por ar comprimido. Já o custo de aquisição ou aluguel desse
equipamento é significativamente maior que dos projetores com recipiente acoplado,
exigindo maior aproveitamento do equipamento para que o sistema seja mais rentável.
Os sistemas com bomba de argamassa, pela maior produtividade na etapa de
aplicação do material, são incompatíveis com os balancins manuais. O uso de
andaime fachadeiro é uma boa opção, permite acesso rápido a várias partes da
fachada.
As bombas exigem alguns cuidados. Ao iniciar o uso, o mangote deve ser
lubrificado e a pressão do ar regulada. Ao término do uso, o equipamento deve ser
limpo. Esse equipamento exige ainda argamassa bombeável e projetável. O maior
controle necessário para a produção desse tipo de argamassa, faz muitas empresas
optarem por argamassas industrializadas específicas. Já a seqüência de produção de
revestimento com projeção mecânica de argamassa desde a preparação da base até
o acabamento final não muda muito em relação ao sistema convencional.
48

5.5.2. Fachada com Revestimento Cerâmico Não aderido

O sistema de fachadas ventiladas KeraGail tem como conceito a utilização de


revestimentos não aderidos ao corpo das edificações, fazendo uso de subestrutura de
fixação. O revestimento é composto por painéis cerâmicos extrudados em grandes
dimensões. Ranhuras presentes na face posterior das placas permitem o encaixe em
perfis de alumínio pré-perfurados, ocultando a subestrutura de fixação sem causar
interferência estética nas fachadas (SILVA, 2012).
O sistema cria uma câmara de ventilação entre o revestimento e a vedação do
edifício. Devido ao aquecimento do ar nesse espaço, ocorre o "efeito de cham iné" que
gera uma ventilação contínua. Pontes térmicas e problemas de condensação são
eliminados, proporcionando maior conforto térmico à edifícação.
A Figura 3 mostra um exemplo do uso desse sistema de revestimento de
fachada.

Figura 3- Instalação de fachada com revestimento cerãmico não aderido


Fonte: Silva, 2012

A instalação do sistema construtivo é realizada de acordo com um projeto


executivo que considera as particularidades da obra, em especial das fachadas, e do
local de implantação. Os painéis são produzidos em dimensões modulares adaptadas
a cada empreendimento.
A estrutura de fixação é dimensionada considerando os dados específicos de
projeto, a localização do empreendimento, as cargas de vento atuantes, as distâncias
entre pontos de apoio das placas, o distanciamento do revestimento em relação à
parede, entre outros aspectos.
49

5.5.3. Sistema Unitizado – revestimento com Vidro

Pele de vidro, structural glazing e, mais recentemente, os módulos unitizados e a


fachada suspensa expressam a evolução tecnológica dos sistemas de fechamento das
edificações, mais acentuadamente nos últimos dez anos.
O sistema unitizado, consiste em fachadas modulares compostas por painéis
formados por perfis de alumínio tipo macho e fêmea e vidros laminados, colados com
silicone estrutural na própria estrutura da esquadria - structural glazing. O produto é
comercialmente denominado "Offset Wall".
A fachada é então formada por painéis independentes estruturados com o vidro,
fixados por meio de ancoragens reguláveis. A fixação pode ser mecânica ou utilizar
silicone. O sistema de montagem é mecanizado. È formado por colunas e travessas e
dispensa a subestrutura para conter o vidro. Os painéis são totalmente pré-fabricados,
o que aumenta o controle tecnológico e garante maior qualidade de fechamento à
fachada.
No sistema unitizado, a coluna é dividida em duas partes e, conseqüentemente,
a esquadria configura-se em módulos. O processo de instalação também diferencia
este sistema: a montagem dos módulos é feita pelo lado interno do edifício. A
vantagem é que o vidro é colado com silicone estrutural na própria estrutura da
esquadria, gerando, automaticamente, dois ganhos de custo: no volume de alumínio
utilizado e na mão de obra necessária, pois é dispensada a etapa de requadração, que
corresponde ao recebimento do vidro colado.
50

6. Estudo de Caso

Atualmente, o vidro tem sido parte integrante e fundamental do projeto


arquitetônico. Faz parte da estética (visual externo), tem forte influência no
temperatura interna, na economia (redução de custos com ar condicionado) e na
segurança (fechamento da fachada) de qualquer edifício.
O sistema unitizado de montagem para fachadas em vidro surgiu como uma
melhoria ao sistema structural glazing, pois permite melhor controle tecnológico e
fechamento da fachada. No entanto, por se tratar de uma tecnologia relativamente
nova, ainda é pouco usual no Brasil, em especial no Rio de Janeiro.
Para análise de uma situação real de obra e estudo de caso foi realizada uma
visita à construção de um prédio comercial, com revestimento de fachada em
structural glazing. Dessa forma, foi possível analisar todo o processo construtivo dessa
fachada e identificar possíveis melhorias e soluções de otimização e racionalização
que a opção de sistema unitizado traria para este tipo de edificação.
O empreendimento em questão é de responsabilidade da construtora “A”. Os
dados fornecidos foram obtidos com a ajuda do engenheiro da empresa João Victor
Charles Leopoldo.

6.1. Características do Empreendimento

O empreendimento em questão consiste em dois edifícios comerciais e localiza-


se em Jacarepaguá, cidade do Rio de Janeiro. Este empreendimento fez parte do
complexo olímpico do Rio de Janeiro, sendo ocupado pelo Centro de Mídia durante os
Jogos Olímpicos. Posteriormente será lançado como Empreendimento Corporativo de
salas comerciais. A fachada deste edifício consiste em perfis metálicos com painéis de
vidro.
Foi escolhido um desses dois edifícios para o estudo de caso voltado para
fachadas. O mesmo é composto por um embasamento, contendo 2° e 1° subsolos,
Térreo, Mezanino, Garagem 1, PUC (pavimento de uso comum) e uma torre de 17
pavimentos, além de uma cobertura, totalizando 82.731,76 m² com altura total de
82,26 m.
51

Tabela 9 – Áreas dos pavimentos

Fonte: O autor - 2016

Destaca-se que o prédio possui Certificação Leed Silver. A certificação LEED


(Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema internacional de
certificação e orientação ambiental para edificações, utilizado em 143 países, e
baseia-se na avaliação de alguns pré-requisitos, recebendo pontos para cada um
deles.

6.2. Revestimento Utilizado

Neste empreendimento optou-se por fachada cortina, que consiste em uma


fachada de esquadria estruturada em perfis de alumínio e posteriormente envidraçada.
Dentre as opções para fachada cortina, optou-se pelo Structural Glazing.
O Structural Glazing (ou envidraçamento estrutural) é um tipo de esquadria em
que os vidros são colados nos caixilhos através da aplicação de silicone estrutural,
não aparecendo externamente o perfil de alumínio. É o tipo de Fachada-Cortina mais
utilizada atualmente, por possuir melhores características técnicas e estéticas quando
comparada a tradicional Pele de Vidro. A Figura 4 mostra a fachada do edifício já
executada, enquanto as Figuras 5 e 6 apresentam vistas da parte interna da fachada,
mostrando detalhes da estrutura utilizada.
52

Figura 4 - Fachada com envidraçamento estrutural

Fonte: João Victor Charles Leopoldo - 2016

Figura 5 - Estrutura interna da fachada

Fonte: João Victor Charles Leopoldo – 2016


53

Figura 6 - Detalhe da estrutura interna da fachada


Fonte: João Victor Charles Leopoldo - 2016

O tempo de execução das fachadas do edifício em questão foi de 10 meses


(maio/2015 a fevereiro/2016), sendo executadas um total de 24 fachadas. Os
revestimentos utilizados foram:
a) Vidro laminado de controle solar prata;
b) Vidro laminado de controle solar low cinza;
c) ACM grafite;
d) ACM branco.

O método executivo com a respectiva sequência executiva para a construção da


fachada foram organizados nas Tabelas 10a e 10b. Nelas, além do detalhamento de
todas as etapas construtivas, constam todas as verificações e interferências inerentes
a cada uma delas.
Nas Tabelas 11a e 11b, dentre os itens a serem verificados, existe uma lista de
diretrizes de armazenamento de materiais elaborado pela empresa (LT.MAT.000.A)
que deve ser observada ao início da obra, além de formulários de controle e aceitação
dos processos construtivos que devem ser verificados ao final das duas etapas de
execução da fachada, etapa de instalação das ancoragens e instalação da fachada
cortina (FT.VED.004.B e FT.VED.004.A respectivamente).
54

Tabela 10a – Método executivo para instalação das fachadas do edifício

Fonte: Construtora A
55

Tabela 10b – Método executivo para instalação das fachadas do edifício

Fonte: Construtora A
56

Os materiais utilizados na fachada passaram por controle tecnológico, sendo os


ensaios dos chumbadores de responsabilidade da própria construtora Método e os
ensaios das esquadrias e silicone de responsabilidade das empresas fornecedoras. As
Tabelas 11a e 11b apresentam um resumo dos ensaios realizados nos materiais.

Tabela 11a – Controle tecnológico dos materiais componentes da fachada

Fonte: Construtora A
57

Tabela 11b – Controle tecnológico dos materiais componentes da fachada

Fonte: Construtora A

Destaca-se que não foram realizados ensaios de processos e ensaios de


produto acabado.

6.3. Dificuldades Encontradas

Ao contrário do que foi visto no capítulo 5, como boa prática para execução de
revestimento de fachadas, a construtora A, apesar de possuir um bom procedimento
para a execução do serviço (apresentado nas Tabelas 10a e 10b), não possuía um
projeto de detalhamento adequado para a execução das fachadas, fato es se que
acabou gerando erros de execução por desconhecimento.
Além disso, houve falha no planejamento inicial, impactando em atraso no
cronograma da obra. Com isso, o tempo de execução do serviço de fachada teve que
ser diminuído afim de se manter a data de entrega original. Com os serviços sendo
realizados com mais pressa, houve falha no acompanhamento por parte dos
responsáveis da empresa A, que não conseguiram verificar todas as etapas de
execução ao longo da obra.
A falta do processo de mecanização também prejudicou, uma vez que alguns
problemas detectados se deram por falha de mão de obra, enquanto que se o
processo de instalação fosse menos manual, esses problemas seriam dirimidos.
O mau treinamento da mão de obra da empresa terceirizada responsável pela
execução da fachada, ou a falta do mesmo, prejudicaram o andamento do serviço.
Após o término da execução da fachada, com os devidos reparos nos pontos
onde foram encontradas falhas, ainda assim foram encontrados problemas de
estanqueidade. Foram localizadas 2 quinas com falha na vedação. Tais falhas foram
reparadas imediatamente após localizadas.
58

6.4. Patologias e Retrabalhos

Para verificação dos serviços de execução da obra das fachadas, assim como a
qualidade dos materiais utilizados na mesma, foi contratada uma empresa
especializada em consultoria de projetos com alumínio. A empresa, contratada pela
construtora A, apontou as falhas relacionadas a fabricação e instalação das
esquadrias e indicou ações de correção ou reposição de materiais e/ou serviç os que
pudessem ser realizados de forma a garantir o bom desempenho.
A vistoria foi realizada em março/2016 e foram notados alguns problemas, sendo
os principais, com suas devidas recomendações (feitas pela empresa de vistoria):
a) Falha em grauteamento de ancoragens
Recomendação: execução de formas de madeira para novo grauteamento

b) Falha no nivelamento das travessas


Recomendação: ajuste dos desnivelamentos com aperto dos parafusos de
ajuste interior ao prédio

c) Vidro instalados invertidos


Recomendação: retirar os vidros e reinstalá-los na posição correta

d) Vidros quebrados
Recomendação: substituição dos vidros

e) ACM mal instalados


Recomendação: reinstalá-los da forma correta

f) Espaçamento entre painéis


Recomendação: por ter sido detectado durante a instalação, no mesmo
momento foi reexecutado

g) Painéis instalados fora de prumo


Recomendação: conferência nos níveis de colocação dos painéis e
reinstalação dos mesmos
59

h) Fire stop danificado


Recomendação: trocar o fire stop danificado por outro novo para garantir o
isolamento

Figura 7 - Fire stop danificado


Fonte: Construtora A

i) Emendas mal feitas no perfil das fachadas


Recomendação: retirar o perfil e trocar por outro, se for preciso fazer emenda e
mesma deve ficar no eixo da junta dos painéis

Figura 8 - Emenda mal feita no perfil das fachadas


Fonte: Construtora A
60

Figura 9 - Emenda mal feita no perfil das fachadas


Fonte: Construtora A

j) Falta de parafusos nas gancheiras dinâmicas


Recomendação: fazer revisão nos andares e colocar parafuso para evitar
desníveis nos painéis por falta de travamento

Figura 10 - Falta de parafusos nas gancheiras dinâmicas das fachadas


Fonte: Construtora A
61

k) Falta de acabamento no perfil das fachadas


Recomendação:colocar arremate para fazer vedação para evitar passagens de
luz e vazamentos de água

Figura 11 - Falta de acabamento no perfil das fachadas


Fonte: Construtora A

l) Falta de aplicação de silicone estrutural em alguns vidros


Recomendação: aplicação do silicone

Figura 12 - Falta de aplicação de silicone estrutural em alguns vidros


Fonte: Construtora A
62

m) Alumínio instalado com muita sujeira


Recomendação: limpeza das estruturas de alumínio

Figura 13 - Alumínio instalado com muita sujeira na fachada


Fonte: Construtora A

n) Painéis desalinhados
Recomendação: conferir níveis de colocação dos painéis para melhorar a
instalação

Figura 14 - Painéis desalinhados na fachada


Fonte: Construtora A
63

o) Quadros sem ancoragem


Recomendação: executar a ancoragem

Figura 15 - Quadro sem ancoragem


Fonte: Construtora A

6.5. Análise

De acordo com as informações passadas por engenheiros da construtora A, os


problemas citados no item 6.4 foram causados por falhas de execução e displicência
da mão de obra responsável pela realização do serviço.
Cabe observar que a empresa realizou todos os testes necessários afim de
garantir a qualidade dos materiais empregados (vide Tabelas 11a e 11b) e planejou
um procedimento executivo correto, porém falhou na execução, por não ter um projeto
executivo de detalhamento, e na fiscalização. Houve falha também no
acompanhamento do andamento do serviço, permitindo que problemas ocorressem
ainda durante a fase de execução, o que acabou gerando retrabalho, desperdício de
materiais, perda de tempo e custos extras (custo com reparos) não previstos
originalmente.
Houveram alguns problemas na fiscalização e na parte de projetos, que
permitiram a má execução do serviço. Entretanto, se o método executivo escolhido
tivesse uma maior preocupação com a otimização e com práticas que levam a uma
64

melhor produtividade, como a introdução de tecnologia e industrialização dos


componentes da fachada por exemplo, os resultados poderiam ser diferentes.
Nesse contexto, a gestão da qualidade da empresa não foi considerada
satisfatória, uma vez que nenhuma atividade coordenada para controlar e possibilitar a
melhoria dos serviços de execução foi vista.
Com base no que foi descrito no capítulo 5, alguns aspectos, considerados
críticos para a otimização dos revestimentos de fachada, foram analisados durante a
construção do empreendimento em estudo. A Tabela 12 faz uma correlação desses
aspectos críticos estudados e sua aplicação ou não pela empresa A, com as devidas
consequências geradas.

Tabela 12 – Aspectos críticos para otimização analisados no estudo de caso

Aspectos críticos para


Análise Resultado
otimização
A empresa escolheu como
Escolha do revestimento externo um material
Ok
revestimento propício, com boa estético e boa
qualidade
Processo de planejamento

Não foi apresentado um


Houveram falhas de
Projeto executivo detalhamento adequado á mão de
execução
obra executante
Execução teve que
O cronograma estava bem definido ser acelerada,
Definição do
no início da obra, porém não foi causando
cronograma
respeitado dificuldades de
acompanhamento
Sua execução foi
O plano de ataque foi definido no prejudicada pela
Plano de ataque
início da obra falha no
cronograma
Treinamento da mão Mão de obra não foi treinada Houveram falhas de
Acompanhamento

de obra corretamente execução


Falhas de execução
Fiscalização dos não foram
Faltou acompanhamento
serviços observadas durante
a fase construtiva
Tecnologia

Processo manuais,
Industrialização na Não houve um grande investimento
com perda de
construção na mecanização do processo
tempo e retrabalho

Fonte: O autor – 2016


65

Logo, entende-se que, para a otimização da construção da fachada, um bom


procedimento executivo em teoria por si só não garante um resultado satisfatório.
Evidentemente, deve-se planejar e estudar quais os melhores métodos a serem
empregados de acordo com cada tipo de obra, seu espaço físico, sua disponibilidade
de equipamentos e de revestimentos utilizados, porém, se não houver, durante a
execução, um acompanhamento que garanta a correta execução do que foi proposto,
erros podem e devem acontecer, gerando consequências indesejáveis, como as já
citadas anteriormente.
No caso específico desse empreendimento, com fachadas revestidas em cortina
de vidro, a edificação se beneficiaria com um sistema de montagem com maior
mecanização, como é o caso do sistema unitizado de fachadas em cortina de vidro.
Esse sistema, elimina alguns componentes do revestimento, proporcionando maior
facilidade no controle e também na execução, uma vez que o processo de montagem
dos painéis de vidro, com seus módulos unitizados prontos para fixação, é feito de
forma mais simples. Desta forma, é reduzida a probabilidade de surgimento de
patologias, ou qualquer outro problema que venha a gerar retrabalho e perda de
qualidade e desempenho do revestimento.
66

7. Conclusão

Já é sabido que existem no mundo diversos tipos de revestimentos que podem


ser empregados para vedação de uma edificação, tanto interna quanto externa. Cada
um desses revestimentos possui seu próprio método de execução ideal, que deve ser
compatível com o ambiente “in loco” em que se apresenta a obra, e com a
possibilidade de uso dos equipamentos e materiais necessários. De todo modo, o que
deve ser sempre buscado na execução de uma fachada, é a minimização do
desperdício de material e o melhor aproveitamento do tempo, ou seja, sem atrasos na
entrega da obra, e, consequentemente, sem comprometer o orçamento estipulado.
Tudo isso, é claro, de forma que o revestimento externo atenda às necessidades e
qualidades esperadas para a edificação, como uma boa estética, boas propriedades
de vedação (conformo térmico e luminoso, por exemplo) e boa relação de custo-
benefício.
Boas técnicas executivas, que otimizem a construção da fachada, no entanto,
não se constituem apenas nos procedimentos executivos utilizados, e sim uma série
de ações a serem tomadas desde o início do projeto do revestimento, ainda em sua
concepção, até o fim da fase executiva.
Essas boas práticas podem ser tomadas com base em três diferentes fases de
uma obra, consideradas os pilares de todo o processo construtivo. Na fase de
planejamento, a escolha dos materiais a serem utilizados, o correto detalhamento de
todo o projeto de execução e a definição do cronograma de execução do revestimento,
junto com o seu plano de ataque, são de vital importância para o bom andamento da
obra.
Já durante a execução propriamente dita, é preciso garantir a correta execução
daquilo que foi planejado. Isso se dá através de um bom acompanhamento e uma boa
fiscalização dos serviços, afim de impedir a execução errada de qualquer componente
do revestimento utilizado (evita retrabalho e perda de tempo). Além disso, é
necessário que a mão de obra executante esteja devidamente treinada e atualizada
sobre quais os procedimentos executivos que serão tomados.
Somado a isso, é cada vez mais importante o processo de industrialização na
construção civil. Com isso, para uma otimização do processo construtivo de
revestimentos de fachada, a produção dos revestimentos a serem utilizados, ou parte
de seus componentes, fora do canteiro de obra, nas indústrias de produção, é uma
excelente prática a ser adotada. Essa mecanização dos procedimentos executivos
67

permite uma construção mais acelerada e menos desperdícios, com os materiais


apresentando melhores resultados de desempenho e qualidade.
Nesse contexto, novas técnicas que praticam a industrialização na construção
civil, devem ganhar mais espaço, em substituição a processos arcaicos e obsoletos,
comumente utilizados no Brasil. Da mesma forma, as boas práticas de gerenciamento
e acompanhamento, já citadas, devem sempre ser utilizadas para que se busque a
constante otimização do processo construtivo de revestimentos de fachadas.

Sugestão para um próximo trabalho:


A utilização da ferramenta FMEA (Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos)
para prevenção de problemas que ocorrem durante a execução de revestimentos na
construção civil.
68

8. Referências Bibliográficas

ABNT NBR 12554:2011. Tintas para edificações não industriais – Terminologia.

ABNT NBR 13707:1996. Projeto de revestimento de paredes e estruturas com placas


de rocha.

ABNT NBR 13755:1996. Revestimento de paredes externas e fachadas com placas


cerâmicas e com utilização de argamassa colante - procedimento.

ABNT NBR 15575-4:2013. Edificações habitacionais - Desempenho - Parte 4:


Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas.

ABRANTES, V. 1995. Construção em bom português. p.27-31. Revista Téchne, São


Paulo, edição 14, p.27-31, jan/fev 1995.

AGOPYAN, Vahan. Elementos de vedação vertical: Observações sobre características


que afetam o desempenho. São Paulo, 1978. Dissertação (Mestrado) – Escola
Politécnica, Universidade de São Paulo.

ANTUNES, G. R. Estudo de Manifestações em Revestimentos de Fachada em Brasília


– Sistematização da Incidência de Casos. Dissertação (Mestrado) - Universidade de
Brasília. Brasília, 2010.

ARMANI, 2003. Revestimento do futuro: cerâmica, Revista Projeto Design, Rio de


Janeiro, edição 278, abril de 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND (ABCP). Manual de


revestimento de argamassa. São Paulo, 2003.

BARROS, Mércia M. B. 2001. Argamassa de qualidade. Revista Construção São


Paulo, São Paulo, edição 2787, julho de 2001.

BARROS, Mércia M. B. Inovação Tecnológica – Tecnologia e gestão de Produção na


Construção Civil, Nov. 2003, PCC - USP.
http://gepetgp.pcc.usp.br/Inova%C3%A7%C3%A3oTecnol%C3%B3gica-v12.htm
69

Acesso em: 02/06/2016.

BARROS, Mércia M. B., FRANCO L.S., SABBATINI F. H., CARDOSO F.F. (2003),
Vedações Verticais – Conceitos Básicos.
http://pcc2435.pcc.usp.br/pdf/PCC2435-aula18_cap1_revisado.pdf
Acesso em: 02/06/2016.

CALÇADA, P. A. B. - Estudos dos processos produtivos na construção civil


objetivando ganhos de qualidade e produtividade, Rio de Janeiro, 2014.

CAMPANTE, EDMILSON FREITAS Metodologia para diagnóstico, prevenção e


recuperação de manifestações patológicas em revestimentos cerâmicos de fac hada.
São Paulo, 2001 – Tese (Doutorado) – Escola Politécnica da Universidade de São
Paulo

CARAZEK, H.; Argamassa. Livro: Materiais de Construção Civil e Princípios de


Ciência e Engenharia de materiais. Goiânia, 2010.

CEOTTO, L.H., BANDUK, R.C., NAKAKURA, E.H., 2005. Revestimentos de


argamassas: boas práticas em projeto, execução e avaliação". In: Recomendações
Técnicas Habitare, v.1, 1. ed., Porto Alegre, RS, ANTAC.

CHAVES, A. M. V. A. Patologia e reabilitação de revestimentos de fachada.


Engenhariacivil.com – “Engenharia civil na internet”, 2010.

CIOCCHI, Luiz Carlos. 2002. Pedra por pedra. p.36-40. Revista Téchne, São Paulo,
edição 61, p.36-40,abr. 2002

COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO: site de construção civil. Manual de Revestimento


de Fachada. Salvador, 2006 - Disponível em: 04/08/2016
http://www.comunidadedaconstrucao.com.br/upload/ativos/280/anexo/ativosmanu.pdf.
Acesso em: 04/08/2016.

COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO: site de construção civil. Manual de Revestimento


de Argamassa. Salvador, 2002 – Acesso em 05/09/2016.
70

COZZA, Eric. 1996. Atire a primeira pedra. p. 35-38. Revista Téchne, São Paulo,
edição 22, p. 35-38, maio/junho 1996.

D’ONÓFRIO, Luiz Roberto. 2003. Até debaixo d’água, Revista Projeto Design, Rio de
Janeiro, edição 270, agosto de 2002.

FAGUNDES NETO, Jerônimo Cabral Pereira - Proposta de método para investigação


de manifestações patológicas em sistemas de pinturas de fachada. Dissertação. São
Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 2007

FAGUNDES NETO, Jerônimo Cabral Pereira. 2001. Cor e proteção na lata. p.38-41.
Revista Téchne, São Paulo, edição 56, p.38-41, nov. 2001.

FERREIRA, Luis Sérgio de Oliveira. 1995. Fachadas com pedras. Revista Téchne,
São Paulo, edição 15, março/abril 1995

FLAIN, ELEANA PATTA. Tecnologia de produção de revestimentos de fachadas de


edifícios com placas pétreas. São Paulo, 1995. Dissertação (Mestrado) – Escola
Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia Civil.

FRANCO, LUIZ SÉRGIO. Qualidade e produtividade na Construção Civil: alvenarias


de vedação. São Paulo, EPUSP/ITQC, 1994. (Curso do Instituto Brasileiro de
Tecnologia e Qualidade da Construção – ITQC e Escola Politécnica da Universidade
de São Paulo.

FRANCO, LUIZ SÉRGIO . Gestão de Projetos e da Construção de Edifícios em


Alvenaria Estrutural. Belo Horizonte, 2008.

FULTEC REVESTIMENTOS LTDA. Informações Técnicas e Orientações Básicas,


2003

GUIA DA CONSTRUÇÃO: revista mensal de construção civil. São Paulo: Editora Pini,
n.144, julho de 2013.

GUIA DA CONSTRUÇÃO: revista mensal de construção civil. São Paulo: Editora Pini,
n.146, setembro de 2013.
71

IBRATIN TINTAS E REVESTIMENTOS. Manual técnico.

LUCAS, J.A. DE CARVALHO. Revestimentos para acabamentos interiores de paredes


de alvenaria de blocos de betão celular autoclavado. Lisboa, LNEC, 1987.v.1
(Relatório 109/87).

MACIEL, L. L.; BARROS, M. M. S. B.; SABBATINI, F.H.. Recomendações para a


execução de revestimentos de argamassa para paredes de vedação internas e
exteriores e tetos. EPUSP-PCC. São Paulo, 1998

MARANHÃO, FLÁVIO LEAL Patologias em revestimentos aderentes com placas de


rocha – São Paulo, 2002 – Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica da
Universidade de São Paulo

MARTINS, Adauto. 2003. Pedras no revestimento de fachadas, Revista Finestra, São


Paulo, edição 33, maio de 2003.

MASUERO, A. B.; BONIN, L.C.; FRANKE, L. T. L.; Problemas e Oportunidades de


melhoria no processo de produção de revestimento de fachada em argamassa:
Diagnóstico, Implementação de melhoria e Reavaliação. 2007. MOSMAM
INCORPORAÇÕES LTDA. 16p. Porto Alegre - RS.

MEDEIROS, JONAS SILVESTRE. Tecnologia e projeto de revestimentos cerâmicos


de fachadas de edifícios - São Paulo, 1999 – Tese (Doutorado) Escola Politécnica,
Universidade de São Paulo.

MEDEIROS, J. S.; SABBATINI, F. H.; Tecnologia e projeto de revestimentos


cerâmicos de fachadas de edifícios. 1999. Boletim técnico: BT/PCC/246. EPUSP, 28p.
São Paulo - SP.

MELHADO, S. B.; MANESCHI, K.; Escopo de projeto para produção de vedações


verticais e revestimentos de fachada. 2008. VIII Workshop Brasileiro: Gestão do
Processo de Projetos na Construção de Edifícios. São Paulo - SP. MOURA, C. B.;

MILLEN, E. B. 2012. Fachadas Montadas. p.175-179. Revista Téchne, São Paulo,


edição 179, fev/2012.
72

QUARTZOLIT-WEBER. O Guia Weber - Ficha de produto – Topral Monocapa;


Problemas e soluções – Como assentar revestimentos em fachadas com segurança
p.62, 2003.

SABBATINI, FERNANDO HENRIQUE et al. Recomendações para execução de


revestimentos de argamassas para paredes e tetos. São Paulo, EPUSP/PCC, 1988

SILVA, Fernando Benigno. 2012. Fachadas com revstimento cerâmico não aderido.
Revista Téchne, São Paulo, edição 15, p.58-62, julho de 2012.

SOUZA, Vicente Custódio Moreira de; RIPPER, Thomaz. Patologia, recuperação e


reforço de estruturas de concreto. São Paulo: PINI, 1998.

UEMOTO, Kai Loh - Projeto, Execução e Inspeção de Pinturas. 1. ed. São Paulo: Tula
Melo, 2002.

VEIGA, M.R.; FARIA, P. – Curso de especialização sobre revestimentos de paredes.


Cap. 2, p. 40-173. Lisboa, 1990.