Você está na página 1de 18

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA

José Crespo Gonzales

SISTEMAS BIOMEDICOS

RELATÓRIO

VIDRARIAS LABORATORIAIS

SOROCABA

2021
FELIPE CARDOZO MARTINS

NATHALIE CATHARINE CAMARGO DE MELLO MAZINI

VITÓRIA BARBOSA JERÔNIMO

VIDRARIAS LABORATORIAIS

Trabalho em grupo ministrado pela professora Rosa Maria Szarota,


Disciplina química geral
1° semestre de sistemas biomédicos
Faculdade de Tecnologia de Sorocaba, turma 2021.

Trabalho m inistrado pel o professor


Salomão Martim , na disciplina
Estagio de ali mentos, para turma
farm092 da Universi dade Nil ton
Lins.
Trabalho m inistrado pel o professor
Salomão Martim , na disciplina
Estagio de ali mentos, para turma
farm092 da Universi dade Nil ton
Lins.

SOROCABA

2021

INTRODUÇÃO

A química é um a ciência experimental e se ocupa especialmente


das transformações das substâncias, de sua composição e das
relações entre estruturas e reatividade. Os princípios fundamentais
em que a química se apoia são baseados em fatos experimentais.

Para que um profissional químico possa realizar um trabalho de


modo eficaz, ele depende da construção de aparelhos e
equipamentos com a maior precisão possível. Entre esses
equipamentos, os mais usados pelos químicos, são as vidrarias,
que recebem esse nome exatamente por serem feitas de vidro
muitas das vezes temperado. Dessa forma, as vidrarias podem ser
expostas a altas temperaturas sem serem prejudicadas
drasticamente. Cada vidraria é usada com uma finalidade
especifica.

As vidrarias de laboratórios são subdivididas em duas classes,


volumétricas e gerais.

São classificadas como volumétricas todas as vidrarias que


possibilitam a medição de reagentes geralmente no estado líquido.

As gerais por sua vez são usadas para dissolver substâncias,


preparar soluções, efetuar reações. Essas vidrarias não são
indicadas para medição, porém apresentam escala graduada para
que o técnico possa ter uma noção de quantidade.

OBJET IVO GERAL


Conhecer e saber utilizar as principais vidrarias e utensílios
utilizados em laboratório.

VIDRARIAS

PIPETA VOLUMÉTRICA: A pipeta volumétrica é um instrumento


em vidro que permite a medição e transferência rigorosa de
volumes de líquidos. É um tubo longo e estreito, com uma zona
central mais larga, aberto nas duas extremidades, marcado com
uma linha horizontal que indica o volume exato de líquido que pode
transferir.

PIPETA GRADUADA: A pipeta graduada é um instrumento em vidro


que permite a medição e transferência de volumes variáveis de
líquidos. É um tubo longo e estreito, aberto nas duas extremidades,
marcado com linhas horizontais que constituem uma escala
graduada. As pipetas graduadas utilizam-se para a transferência de
volumes variáveis de líquidos, e apresentam uma precisão inferior à
pipeta volumétrica.
TUBO DE ENSAIO: O tubo de ensaio é um recipiente de pequeno
porte, bastante utilizado para a realização de experiências com
pequenos volumes. Confeccionado em vidro ou polipropilen o, o
tubo de ensaio possui forma tubular, longa e estreita, com uma
abertura no topo e borda de maior espessura para facilitar o
transbordo do material para outro recipiente.

Tubos de ensaio com soluções em estante

BECKER: Serve para fazer reações entre soluções, dissolver


substâncias sólidas, efetuar reações de precipitação e aquecer
líquidos. O copo béquer graduado ou Becker, conhecido também
como gobelé ou copo em Portugal, é um recipiente muito utilizado
em laboratórios de química.

PROVETA: A proveta é um instrumento laboratorial de formato


cilíndrico que serve para medição de líquidos para os mais variados
fins. Pode realizar medições diversas, de acordo com o tamanho, e
sua fabricação é geralmente em plástico ou vidro.

ERLENMEYER: O balão de Erlenmeyer é um frasco de vidro ou


plástico que leva o nome do químico alemão, Emil Erlenmeyer. Sua
utilização é vasta, podendo ser usado para misturas e soluções,
mas a sua utilização mais comum é para a titulação, processo que
determina a quantidade de uma determinada substância em uma
solução.
BALÂO VOLUMÉTRICO: é um recipiente utilizado em laboratórios
científicos para preparação de líquidos em volumes muito precisos
e exatos, geralmente usado quando o volume é grande para se
medir com uma pipeta ou bureta.

BALAO DE FUNDO CHATO: Muito utilizado para destilações


químicas, pode ter diversos tamanhos e suporta volumes variados.
Sua base chata possibilita seu o apoio em superfícies planas. É
também bastante utilizado para armazenamento de líquidos e tem a
forma de uma pera com a base achatada.
BALAO DE FUNDO REDONDO: Possui o formato de uma pera e é,
em geral, acoplado a um evaporador rotativo, possuindo
basicamente a mesma função do balão de fundo chato.

BASTAO DE VIDRO: O bastão de vidro tem um aspecto de uma


haste e é particularmente utilizado para auxiliar na diluição de
soluções.
BURETA: É uma vidraria laboratorial específica para realizar a
dosagem volumétrica de um reagente em titulações. Fica disposta
verticalmente e deve ser posicionada através de um suporte. Além
disso, possui uma espécie de torneira que permite a sua abertura e
fechamento. É uma ferramenta muito exata e precisa.

DESSECADOR: Trata-se de um recipiente fechado que tem como


função realizar a secagem de certas substâncias ou mantê-las em
um ambiente livre de umidade. Possui um agente de secagem e
pode conter uma bomba de vácuo acoplada para reduzir a pressão
no seu interior.
FRASCO DE REAGENTES: Tem como função principal armazenar
soluções, reagentes e líquidos, em geral. Possui tampa rosqueável
que impe de o vazamento dos fluidos e contêm uma área de
esmaltação branca destinada as anotações sobre o conteúdo do
frasco e outras informações.

FUNIL DE BROMO OU DE SEPARAÇAO: É usado para realizar a


separação de misturas heterogêneas do tipo líquido-líquido. Depois
de uma forte agitação da mistura dentro desse funil, ela é deixada
em repouso e com o tempo, os líquidos mais densos fica totalmente
separado na parte inferior e o menos denso fica na parte superior.
O funil de separação possui uma espécie de torneira na parte de
baixo, que, ao ser aberta, escoa lentamente o líquido mais denso
para um béquer ou erlenmeyer que está posicionado na abertura
embaixo.

FUNIL ANALÍTICO: O Funil analítico de vidro é importante na


transferência de líquidos de um recipiente para o outro, evitando o
derramamento e o desperdício de fluidos e reagentes.

Funil de haste longa

CADINHO: É um recipiente em forma de pote, normalmente com


características refratárias, resistente a temperaturas elevadas, no
qual são fundidos materiais a altas temperaturas. Pode também
ser de porcelana.
CONDENSADOR: Um condensador tem como finalidade condensar
vapores gerados pelo aquecimento de líquidos em processos de
destilação simples. Eles são instrumentos que têm aplicação
exclusiva na destilação e têm como função condensar (passagem
do estado gasoso ao estado líquido) os vapores obtidos na
destilação.

Condensador de serpentina

PICNÔMETRO: Ideal para determinar a densidade de uma


substância.
com termômetro.

BICO DE BUNSEN: é um dispositivo usado para efetuar


aquecimento de soluções em laboratório. Este queimador, muito
usa do no laboratório, é formado por um tubo com orifícios laterais,
na base, por onde entra o ar, o qual se vai misturar com o gás que
entra através do tubo de borracha.

PISSETA: Normalmente utiliza-se a pisseta para se por água


destilada ou água desmineralizada e destina-se a
descontaminação, lavagem de materiais ou utensílios de laboratório
em geral e também para aplicações em outros recipientes quando a
quantidade a ser aplicada não interfere no resultado.
PIPETADOR: Esse instrumento serve justamente para proteger as
pessoas durante o manuseio de líquidos perigosos. O instrumento é
composto de pipeta graduada (cilíndrica ou volumétrica) e pipetador
(pêra de sucção).

ESPÁTULA: Utensilio destinado a transferir pequenas porções de


substancias solidas, serve basicamente como uma colher.
BALANÇA ANALÍTICA: É utilizada em laboratórios de pesquisa,
farmácias de manipulação, indústrias farmacêuticas, universidades
e controle de qualidade em geral.

SUPORTE PARA TUBO DE ENSAIO: Serve para pôr as amostras


com os tubos assim evitando quebrar o tubo ou derrubar a amostra

.
KITASSATO: É usado em filtrações a vácuo, sendo acoplado por
uma mangueira a uma trompa de água, que arrasta parte do ar da
parte inferior do kitassato, criando uma região de baixa pressão
dentro dele que provoca um processo de sucção e acelera a
filtração.

O kitassato está atrás do erlenmeyer nessa figura.

PLACAS DE PÉTRI: São mais usadas em laboratórios de Biologia


para desenvolver meios de cultura bacteriológicos, para observar a
germinação das plantas e de grãos de pólen ou o comportamento
de pequenos animais. Na Química, são utilizadas para reações em
escala reduzida e também para deixar repousar cristais e filtrados

VIDRO DE RELOGIO: É usado para pesar pequenas quantidades


de substâncias, evaporar soluções e cobrir béqueres ou outros
recipientes para não deixar o líquido ou a solução evaporar ou ser
contaminada. A Placa de Petri também pode ser usada para essas
finalidades. Ambas as vidrarias não podem ser aquecidas
diretamente.

Cristais em vidro de relógio.

CONCLUSÃO

As vidrarias são em sua maioria, instrumentos desenvolvidos de


vidro cristal ou temperado, isso para que as medidas sejam
precisas e os recipientes não tenham reação com as substâncias
contidas neles. Podemos dizer também que as vidrarias de
laboratório devem ser tratadas com todo cuidado possível,
principalmente porque o vidro utilizado é mais trabalhado que
quaisquer outros vidros, e são mais caros.

Existem também materiais de porcelana, de borracha ou plástico e


materiais que são fontes de aquecimento e também existem
algumas dessas vidrarias que são escurecidas a fim de armazenar
compostos que reagem com a luz. Então podemos observar que
cada vidraria possui sua função no laboratório assim como cada
uma se auxilia para que possa ocorrer uma boa analise sobre o
experimento a ser realizado laboratorialmente.
REFERÊNCIAS

www.infoescola.com.br

www.lojaroster.com.br/blog/vidraria-laborato rio-tipos/

https:// www.manualdaquimica.comquimicageralvidrarias-
laboratorio.htmm