Você está na página 1de 2

No dia e hora retro mencionadas, quando me encontrava no desempenho das minhas

funções de órgão de Policial criminal, devidamente uniformizado e identificado como


Agente de Autoridade, adstrito à zona de actuação da Divisão Policial de Oeiras XX.
Esquadra, procedi à DETENÇÃO de XXXXXX (Item Suspeito), pelos motivos e
fundamentos infra plasmados.

- FACTOS -

1. No hiato temporal acima referido quando me encontrava em patrulhamento auto


com na artéria sita em Item Local de Ocorrência, constatei que na mesma circulava a
viatura de matrícula XXXXXXXX automóvel ligeiro de passageiro, ciclomotor motociclo
(Item Envolvido), a qual era conduzida por XXXXXXXX.

2. Perante o exposto e no âmbito das minhas funções, efectuei o sinal regulamentar de


paragem ao condutor da supra citada viatura que se encontrava no exercício da
condução do veículo em apreço na via pública, através dos meios sonoros e luminosos
da viatura Policial no sentido de efectuar uma fiscalização no âmbito dos normativos
do Código da Estrada ao mesmo;

3. O condutor em apreço ao aperceber-se do sinal de paragem de imediato cessou a


marcha da viatura, tendo sido dado início à fiscalização rodoviária referida em
epígrafe;

4. Foram solicitados a XXXXXXXX, condutor do automóvel os seus documentos


pessoais bem como os da viatura;

5. Ao ser por mim fiscalizado XXXX declarou de livre e espontânea vontade exercer a
condução do citado veículo, estando o mesmo apreendido por falta da realização de
seguro de responsabilidade civil desde o dia XXXX de XXX do ano de XXXX, conforme
Auto de Apreensão de Veículo elaborado pela XXXXXXXXX, merecedor do n.º de
registo XXXX.

(cfr Auto de Apreensão Anexo)

6. De salientar que no momento da apreensão do veículo o mesmo ficou devidamente


ciente dos constantes no aludido Auto de Apreensão, no que concerne à obrigação de
o entregar quando lhe fosse exigido, bem como da PROIBIÇÃO DE UTILIZAR ou alienar
por doação, venda, ou por qualquer outra forma, enquanto o mesmo se encontra-se à
sua guarda, sob pena de incorrer no crime de Desobediência e/ou no crime de
Descaminho ou destruição de objectos colocados sob o poder público

7. Face ao versado, XXXXX ao ser fiscalizado a efetuar o uso efetivo da viatura


apreendida após ter sido notificado da sua proibição conforme o narrado em epígrafe,
incorre no crime de Desobediência e/ou no crime de Descaminho ou destruição de
objectos colocados sob o poder público, devidamente explanado no Artigo 348º e
355.º do Código Penal.
8. Perante o exposto em epígrafe FOI DADA VOZ DE DETENÇÃO ao suspeito.

- DILIGÊNCIAS -

9. Consultados os ficheiros da Polícia da Polícia de Segurança Pública, constatou-se que


nada pende sobre o ora DETIDO.

- FORMALIDADES -

10. Do facto foi dado conhecimento, via fax, ao Exm.º Sr.º Procurador Adjunto junto
dos Serviços do Ministério Público da Comarca de Lisboa – Oeste, Oeiras  , (Art.º 259.º
al. b) do C. P. P.), conforme cópia EMAIL anexo.

11. O DETIDO foi notificado na qualidade de Arguido, para o disposto no Art.º. 39º.,
Nºs 2 e 3, do Regime do Acesso ao Direito e aos Tribunais, aprovado pela Lei n.º.
34/2004, de 29 de Julho e também notificado de que nos termos do n.º 2 do Art.º383
do CPP, no sentido de, caso deseje, apresentar em Audiência testemunhas de defesa
em número não superior a sete.   

12. Por vontade expressa do DETIDO, o mesmo comunicou, não comunicou com
pessoa de sua confiança a dar conhecimento do sucedido.

- DESTINO DETIDO -

14. Em virtude da detenção ter ocorrido fora do horário de funcionamento dos


Serviços do Ministério Público da Comarca de Lisboa Oeste, Oeiras o detido foi
notificado para comparecer nos serviços acima referidos, no dia XXXXXXX, pelas
XXHXX.

- ANEXOS -

- Constituição de arguido;
- Termo de Identidade e residência;
- Notificação para comparência em tribunal;
- Declaração de Rendimentos;
- Email e comprovativo de entrega, da comunicação da detenção;
- Cópia do documento de identificação do detido;
- Cópia de Auto de Apreensão de veículo.