Você está na página 1de 41

Ê  ÊÊ

 personagem, ação, espaço, tempo em


desenvolvimento, narrador e enredo ou trama.

Ex.1: Em uma noite chuvosa do mês de agosto,


Paulo e o irmão caminhavam pela rua mal-
iluminada que conduzia à sua residência.
Subitamente foram abordados por um homem
estranho. Pararam, atemorizados, e tentaram
saber o que o homem queria, receosos de que se
tratasse de um assalto. Era, entretanto, somente
um bêbado que tentava encontrar, com
dificuldade, o caminho de sua casa.

 Ex.2: Ê 0 )%

 
      
       
!" #$ 1 %  2   

A palavra texto vem do Latim e Ela era gorda, baixa, sardenta e de


significa tecido. Ao produzir um texto, cabelos excessivamente crespos, meio
entrelaçam-se fios de idéias, como na indústria arruivados. Tinha um busto enorme, enquanto
têxtil se entrelaçam fios de linha para se fazer nós todas ainda éramos achatadas. Como se não
um tecido. É o texto, portanto, uma ampla
bastasse, enchia os dois bolsos da blusa, por
unidade com coerência de sentido, com frases
cima do busto, com balas. Mas possuía o que
relacionadas umas às outras.
qualquer criança devoradora de histórias
Inicialmente, os textos se enquadram gostaria de ter: um pai dono de livraria.
em duas categorias gerais: Pouco aproveitava. E nós menos ainda:
até para aniversário, em vez de pelo menos um
a)c texto Literário: expressa a opinião do livrinho barato, ela nos entregava em mãos um
autor, também transmitida através de cartão-postal da loja do pai. Ainda por cima era
figuras; é impregnado de subjetivismo. de paisagem do Recife mesmo, onde
Ex.: um romance, um conto, uma morávamos, com suas pontes mais do que
poesia.
vistas. Atrás escrevia com letra bordadíssima
[#c texto não-literário: preocupa-se em
palavras como ³data natalícia´ e ³saudade´.
transmitir uma mensagem de forma
mais clara e objetiva possível. Ex.: uma Mas que talento tinha para a crueldade.
notícia de jornal, uma bula de Ela toda era pura vingança, chupando balas com
Ô  %Ô $ barulho. Como essa menina devia nos odiar, nós
ÊÊ ÊÊ'( que éramos imperdoavelmente bonitinhas,
 Ê&   Ê&  esguias, altinhas, de cabelos livres. Comigo
% )*   )* % *
exerceu com calma ferocidade o seu sadismo.
+ ,* [  )* +Ô )$
[  )*-  $ Na minha ânsia de ler, eu nem notava as
humilhações a que ela me submetia: continuava
a implorar-lhe emprestados os livros que ela não
No campo da tipologia textual, lia.
encontram-se, tradicionalmente, as seguintes Até que veio para ela o magno dia de
principais categorias: começar a exercer sobre mim uma tortura
chinesa. Como casualmente, informou-me que
'./: desenvolvimento de ações, tempo possuía As reinações de Narizinho, de
em andamento. Características: ordem temporal Monteiro Lobato.
(diacronia que é sucessão cronológica); verbos Era um livro grosso, meu Deus, era um
geralmente no passado. livro para se ficar vivendo com ele, comendo-o,
dormindo-o. E, completamente acima de minhas
Narrar é contar uma história. A
posses. Disse-me que eu passasse pela sua casa
Narração é uma sequência de ações que se
desenrolam na linha do tempo, uma após outras. no dia seguinte e que ela o emprestaria.
Toda ação pressupõe a existência de um Até o dia seguinte eu me transformei na
personagem que a pratica em determinados própria esperança de alegria: eu não vivia,
nadava devagar num mar suave, as ondas me
momento e lugar. Por isso, há seis componentes
fundamentais na criação de um ato narrativo: levavam e me traziam.

c
c
å  i  it i   
  
 t   i     il   ti   l 
lit l t
   l         i    il&
i :   t&
i  
   
     i  
  å     i     il  

i   
 
    t  l       l    i  l    -   t  ( t    t 
i   i   t    li   t     R
i. i t  i l t
 i      lt   i  i t      ii 
l   il :
&

l   i  t   í        i t  li     i:
      t   t   ! 
& i

  li     t  t 

         l       i " t $+ li  i   
    t      l     li :!l t i"-t  
R
i    
í: i               t  
     li   i  i t i i   i   i   
i t  i   i t   i   i  C  
t  i$t  
i ti     l         i t t   i 
i li   '
 
l   l   
      
í   i   i li å   
    í l  
    / í    
M    i
 il t i     /i   li   
 
l  
t    il        li i        
 ii   
t   it 
t il   i li
 å  i  i t l t   # t t li t-
 
 t -
   t    
 
   i     
 i t  M it  t    t  

  t    i    t 
l : 
   ti 
li  i     t          C   
   

i  l 
 lt   i  i t M l  i  
  .i i      ti       i t  
 it   
  i     !i  t    t  *   i  i  li l 
i t"
l i  ti 

  li    il    
i     i
 t      l 
 ii i    i i  
 
 i
ti  # t t $å   
  ti  i i     i  
i l   i     t  i i i      li 
    i     l 
  t  l  
t  
  i t t C i     i  l  ii
l 
    j
   ii    l     l 
i 
l ti     

l           ii   li
i  ' li
i    i   
M   ii       
it :
l ti    i 
   j

              tj    ti  C    i,  ii   
 
i     t   * i  l      i     
# t t $i i i  t   i  li
 

    lt   i    %  l  %   t     


ii : i li t
i  tt    l   
 li   t  
l 
  
&  i            t
l &(t  íi 
 ti  t   i          å     i    i 
 
    li    ti   li  
   li :  l 
   t
   l  t   Cl i
 0i
t 1  .li
i  Cl ti  Ri 
't   i      t    2 i R

3445 
 t  
  i  ilil
i  
  
   
  l i  t  
t      i     i i   l 
o  : t t  t - l  ;t 
 i  t  
  i(li
)  tti
 /i
i   i   t    ) 
   *   
  il
i    t 
 t 
t     l    
 l
i ti  '
  
  
  it    t   
  - i t      t t 
  t   t    't        jt     i t t 
 t  + lt     il  
   
iti  i    ti 
    (
l  :   t li  
  i    t l t       
 
 
 i
 
& il , &
i    ) 
  
   
  t  
   l    t  '
  i      l       
i 
  i  jti   

 t    
t
i  i      i        i  ) 
t i    t  i t t

c
c
em uma fração da linha cronológica. É a foto de Considerado símbolo da fé, amor e
um instante. perseverança, Jesus Cristo pode ser tomado
como um dos maiores revolucionários que
A descrição pode ser estática ou mundo já conheceu. Ele provou a uma
dinâmica: a estática não envolve ação. Ex.: Um sociedade hipócrita e primitiva que um homem
carro velho e sujo. A descrição dinâmica não se faz de seus bens materiais, mas do seu
apresenta um conjunto de ações concomitantes, valor moral.
isto é, um conjunto de ações que acontecem
todas ao mesmo tempo, como uma fotografia. Em sua tênue expressão facial. Jesus
tinha um belo sorriso resplandecente. Seu
2% 3 % 0 %  ) carisma e simplicidade atraíram para si diversos
seguidores, bem como inimigos. Ele propôs
a)c Uso de impressões cromáticas (cores) e uma nova filosofia de vida, baseada no amor ao
sensações térmicas. próximo, o que contrastou com as leis do povo
judeu, baseadas no ódio aos inimigos.
Ex.: o dia transcorria amarelo, frio, ausente
do calor alegre do Sol. Diógenes Cardoso Luna.

b)c Emprego vigoroso e relevante de


palavras fortes, próprias, exatas,
concretas. â % ./ [ 

Ex.: As criaturas humanas transpareciam


um céu sereno, uma pureza de cristal.

Nota: Pureza e cristal- concretizar o que é


abstrato.
2     
c)c Utilização de frases curtas penetrantes,
dando sentido de rapidez ao texto. Um elemento clássico e imprescindível
num concerto, o clarinete, com seu timbre
Ex.: Roupa simples, vida simples, tudo aveludado, é o instrumento de sopro de maior
simples. O pessoal muito crente nas coisas extensão sonora, pelo que ocupa na banda de
do alto. música o lugar do violino na orquestra.
â % ./ -  O clarinete que possuo foi obtido após
o meu nascimento, doado como presente de
Sua estatura é alta e seu corpo, esbelto. A pele aniversário por meu bisavô, um velho músico,
morena reflete o Sol dos trópicos. Os olhos do qual carrego o nome sem tê-lo conhecido. O
negros e amendoados espalham a luz interior de clarinete é feito de madeira, possui um tubo
sua alegria de viver e jovialidade.Os traços bem predominantemente cilíndrico formado por
cinco partes dependentes entre si, em cujo
desenhados compõem uma fisionomia
encaixe prevalece a cortiça, além das chaves e
calma, que mais parece uma pintura.c anéis de junção das partes, de meta. Sua
embocadura é de marfim com dois parafusos de
regulagem, os quais fixam a palheta bucal.
João Rodolfo Araújo
(Na foto, a atriz Juliana Paes)
A  % ./ é, assim, uma escrava
 ,  4Ô Ô  +  % / sempre necessária, mas sempre submissa,
jamais emancipada. Existem gêneros narrativos,
como a epopéia, o conto, a novela, o romance,
em que a descrição pode ocupar um lugar muito
grande, e mesmo materialmente o maior, sem
deixar de ser, como vocação, um simples
auxiliar da narrativa.

  5 â  ./6 desenvolvimento de ideias,


lugar de argumentação.

c
c
Dissertar diz respeito ao         
    

 
desenvolvimento de ideias, de juízos, de        
!
"
# $  
%
 &
pensamentos, de raciocínios sobre um assunto  
  &
 !
ou tema.
O acidente nuclear ocorrido neste sábado (12)
A dissertação pode falar de na central de Fukushima 1, no nordeste do
transformações de estado, mas fala de um modo Japão, foi avaliado no nível 4 numa escala que
diferente da narração. Enquanto a finalidade da vai até 7, anunciou a Agência de Segurança
narração é o relato das transformações, o Nuclear e Industrial do Japão.
objetivo principal da dissertação é a análise e a
interpretação das transformações relatadas. O A explosão na usina foi decorrência do forte
emprego de termos abstratos e genéricos, assim terremoto de magnitude 8,9 que atingiu a costa
como o posicionamento crítico, são do país na véspera, gerando um tsunami
devastador e mais de cem fortes réplicas.
características destacadas em textos
dissertativos.
A preocupação em relação à possibilidade de
contaminação nuclear persiste, apesar de o
Ex.: O rasil é um país de crescimento
governo japonês ter tranquilizado a população
desordenado porque a sua realidade econômica em relação às consequências do desastre.
é desordenada. O acesso à riqueza está sempre
restrito ao poder da elite. Não há uma Para se ter uma ideia da dimensão do problema,
distribuição de renda justa. Seu o acidente em Three Mile Island, nos EUA, em
desenvolvimento econômico também não é bem 1979, ficou no nível 5, e o de Chernobyl, na
distribuído porque se encontra, em suas regiões, Ucrânia, em 1986, no grau 7 da INES (Escala
uma grande população muito pobre, comandada Internacional de Eventos Nucleares).
e oprimida por uma pequena parcela
Na escala, o nível 0 corresponde à ausência de
extremamente rica.
anomalias, e o 7, a um acidente grave. No nível
4, o evento já pode ser considerado um
   ./ %Ô  *  *  )  
"acidente".
Ô7% ,  - %  0 6

5$ 0-  )  +Ô )*   ) (...)


  ##6 aquela que apenas expõe fatos,
Do portal Globo.com ± acesso em 12/03/11.
informando, na maioria das vezes, como
acontece nas notícias de jornais, por exemplo.

Ex.:

5$8 ,Ô  ) -  )#6 tida como a


V   
        
principal espécie de dissertação, é aquela mais
    
exigida em provas de concursos e vestibulares,
c
uma vez que pressupõe capacidade de
elaboração e defesa de uma tese (idéia), por
meio de jogo de argumentos.

Ex.:

% %  % Ô

Entre as alternativas de definição e


diferenciação entre os conceitos de moral e
ética, tenho empregado estas: moral é o
c conjunto de deveres derivados da necessidade
de respeitar as pessoas, nos seus direitos e na
sua dignidade. Logo, a moral pertence à

c
c
i      i t i     t i         - -
i
li       t    -:!C   i t   
i
  
i  
  i $" º  -  l(       i i
l it i t i t  t -
li
i     
  
   i       l 
 

   i t l
t 
i  i ii
ti    !  i " 'i  l    i  ) ti 
 
i i    t   -
  i t  íi 7i l(íi8/  
 $"    t   it  i
li
  t  t it  t   t(t 
 l  -ti
 i i i    

l t  (l   t(t    i : i


  
lii   i
    líti
  li
i  
'
i  l  i-ti
   l  i
     l     
    
iili )   i
i l t 
tii  

    i  il  

i t i   
  
 t              i 
it  
  ( l   l   l        t i    l   

 

i t l   ii
         i
 t  t  ti      :


i     t  it   i it  
  M    t  l   t  38         ti   
i    l )i t  it   i
     t    i   ti 
 i i l t  i t  t i   t      ti t i   i)  l     
i ii li   i i    
 j   i j   l
     )  t           i   i      
         li  'i  t j 
it   t i    l  lii   

li      


i6
   t    l  líti
 
i   
  i )  líti
  j íi
 ti t i   t  i i   -

   l     i   i t  l 


t  
i  i      
 t

   i  C        i   


 t  i-ti
       =8          ti   
  t    l     i
     t  ti t i     
  t  
i -ti
 7            ti    i 
  l
 8   t l(        i     t i  

 t  t   i ' i li     i  1)   t t      


i(     t     lt    jt       i
  
i   l   ti     
  (it
i l   i
i    ti t i  1t 
    (l    
 ti   i   liit    i ii   3>> ?/ i  
i
  t  i   li  t @ it     
 
i t t    l )    i 
 lt     
t   

i t  l       íli   


          'i      

l  å
      ii
 -  (ii 
ii  

t t l      ili   


t 9  íli   
l i
  9 A8      ti     t 
 t - 
t t
   :t     i   iti    ti t i 
  l
i
t&
i   li(  Mit       t i          j  

    i         (l 
 t   i  
  l  t  
liit   il    it   i
   ti     l  - i  l   ti 

l     t  t i      i    l     -
l
   l    
i
ili  å       t t     íl     i 
i    j  l ti  t
t l
  i i  '   i titi)     i  
i    t 
     t i    
   l   t   l   t i   i  
    -ti
 0    t  l   (l         !1l" i
 t 

  
lt  t  t  it  
i        it   
iti    l  
   l 
10 ; ill  i
l  
i li  
  li t  l;   1 titt  i
l i  
 </  B8      ti     t 

c
c
 ti t i    l   iti   l   
 t     i   l   l  t
l
 
    j  t i   it (it i       
 
 i ti t i  i           <  i      
i 
   t   it  t   i t t -
l
    
   7-   t    l
  i t     l     t 
     8  (l     -  i   i  
    t    
 
i  
i    i  i Cl@ i  lit  å     it  l      

 l    =D   ti  lit /    t t i t 


li     i t     t    t   i
 li  <tili     

â  ââ  
             i t  :
 1 i
i 
   i-i   l    
  t(t  i t ti      iii  l
i 
      t;
 t &  t    t i: i t    1 i
i 
     l     títl ;
  li t 

l  1 i
i   it   títl 
  
l t     ii   
 +j   l 
i )     1 i
i 

 ) 7 
  
i t  l  :

i t   l 8


   
 Ê 9 

' i t   -  ( i     ii  6  t t


i l  
i i       6
i
   i t  t    
t:  l
&t   t i 
l

/   i   í i  t -   t l
t:   l  li
 /   
     i
  
 
t  i  t     li t    t  i i t t 
 - l  ! i
 " i      
   i  : li    t 
til   i  - i 
i íl     t   t   it   i t    li  

i t  li  li  li   li   t  <tili i t &   
t li  
  
t
     
  í    t   0i  j i  it          li t :
it  ti
i i    i   ) Mit t l;
å   t-
i
       i
i t  i  );

&    i   t    t    -  Rti);
 ii i
 (l (
i ;
.i  t ;
  å 
   i  t  
i t  ;
<  it ;
å  i t  
      - 
  t     ( i     ii  < 
  t-
i
 - iii    i t    E ! 
       i t   : 3D 9 1 t  ;
=D ADBD 9  li t ;ED9C
l  6 i
&i     l / t 
t  t t  -   i 
it   it  i   t 
l
  i-i 
til     
   )    li t  - i  l t   i
=>  A> li        t  t t  t åt  t    i t    t 

&   iii         t  (l 
l  t    l)
i i   t   i      t-ti
  Rt     i     íl  
  t  
  t t  ii 
i )i i
i i  t     i
 l)   t     
t  
   
  t   t(t  '      
 iili   
t i   i l  t t 
il i

   t  t i
   
   t  i i
i l 7    i i
i l8 (l   -
lli( t)
   t     lit   t  7  t 8  t  

l  6 (t   t
   li  
 t(t  i t t  
&

l   t(t     
 t    t   i   i t  
  t     i-i  <tili   
l  li
 
i tii  6  
i 
t i 
   
  i t    i    t(t    

c
c
O que não se deve fazer na conclusão:
- Deixar de concluir;
- Usar expressões como: Em resumo;
Concluindo, etc«
- Inserir novos argumentos ou informações;
- Usar somente a última idéia apresentada no
desenvolvimento.
 O acidente
Vale lembrar que uma boa dissertação é baseada
nuclear ocorrido neste sábado (12/03) na central
em fatos e argumentos.
de Fukushima 1, no nordeste do Japão, foi
avaliado no nível 4 numa escala que vai até 7,
./  0   ) anunciou a Agência de Segurança Nuclear e
Industrial do Japão.
As últimas tragédias naturais que
atingiram o rasil, sobretudo as dos estados de A explosão na usina foi decorrência do forte
Alagoas e Pernambuco, em junho de 2010, e da terremoto de magnitude 8,9 que atingiu a costa
região serrana carioca, em janeiro de 2011, não do país na véspera, gerando um tsunami
são um reflexo apenas das instabilidades devastador e mais de cem fortes réplicas.
climáticas e das fortes precipitações
atmosféricas que se estabeleceram sobre o país.
A preocupação em relação à possibilidade de
O problema parece estar muito mais
contaminação nuclear persiste, apesar de o
concentrado na falta de planejamento, nas
governo japonês ter tranquilizado a população
péssimas políticas públicas para a habitação,
em relação às consequências do desastre.
além, naturalmente, de fatores como o elevado
êxodo rural e a conseqüente favelização urbana.
Para se ter uma ideia da dimensão do problema,
o acidente em Three Mile Island, nos EUA, em
Diante de um desolador e lastimável
1979, ficou no nível 5, e o de Chernobyl, na
contexto amplamente divulgado pela imprensa
Ucrânia, em 1986, no grau 7 da INES (Escala
nacional e até pela internacional, pergunta-se:
Internacional de Eventos Nucleares).
:  )  + -: ,  %Ô
Na escala, o nível 0 corresponde à ausência de
/)  Ô,4 : - 
anomalias, e o 7, a um acidente grave. No nível
3 %  , ): , ,Ô
4, o evento já pode ser considerado um
"acidente".
1;#
(...)

â-  [$%ÔB%  Ô8C5$



(A)c O texto é predominantemente
 narrativo, dada a recorrência de verbos
no tempo passado
< = --+Ô  ()c Embora haja traços de um texto
dissertativo, é possível afirmar que ele
é predominantemente descritivo.
c Leia o texto abaixo e assinale a alternativa (C)c O texto é predominantemente
com uma afirmação correta: dissertativo, de espécie informativa.
Relações de causa e conseqüência e
%   %  1>4 Ô ?3)  também comparativas reforçam essa
 Ô %  * @A-/ conclusão.
(D)c O texto se enquadra no padrão
Usina foi danificada por conta do tremor de magnitude 8,9 dissertativo, já que emprega vocábulos
na véspera. Governo japonês tenta tranquilizar população, concretos e pontuais como
mas preocupação persiste.
³preocupação´ e ³contaminação´.
(E)c Há, no texto, evidências descritivas,
como relações de causa e

c
c

&
i 

        1     2   -

   3 2 
4

=c 'i    t
t  t(t  t i  - ‘  5   *
     
1åCRR; i   l: &  *  -

7'8c    


l   ti   &   56  7      *   
t(t i  )-
78c å t         ti    l 
   l `$9 %&$Ê $o'((
7C8c  títl  
i 
   t 
liit   
t: 
78c  títl  li   liit   l    t(t    l 
&
i   ti  títl    l     t    t  
78c  i  i  i   t(t  -  i( 
     t(t  
i l jt    t
i)   íi    l  i

   li t  lit 
i
l 
Ê

   ) * 
Ê  "      
 o potencial turístico de seu
Estado
 # 
&        
  +      
 
‘ 
  

‘    

  

           !`ʺ`,-.!,$/$$9 , 
        —c Åfidelidade à proposta apresentada;
—c Årelevância das informações apresentadas;
‘     
  —c Åcoerência, coesão e clareza na exposição
           das ideias;
—c atendimento às normas da língua culta;
 
—c atenção ao limite de linhas (20 a 30). 
            
     
 
 

  !  "    å,Ê$ 0. å,/, Ê Ê, 
Ê%`$ !,1åÊ$` $`$
#  $ %        
`/`1  -$ $`$ å,/$
  &  '& 
`,%9D Ê Ê%$

!,1 å,/,
Ê1$`Ê$9 ,
(   &      
          
   

)     *       


  

+
       

,          
  - 

.  / $ 0  


$`,&%å$1åÊ,

c
c
I ± SINONÍMIA b)c Filosofia de Descartes:_____________
c)c Região do Sul:___________________
Questão 1 (sinonímia) d)c Leis de Moisés:___________________
e)c Período de ouro:__________________
f)c Língua de cobra:__________________
(FES) Leio o texto a seguir e aponte sinônimos g)c Aspectos de macaco:______________
para as palavras em destaque: h)c Criação de abelhas:________________
i)c Praga provocada por ratos:__________
 ââ 'Êâ6 j)c Ácido de enxofre:_________________
  % , :   k)c Poder de fogo:____________________
    l)c Região das nádegas:_______________
m)c Palácio do bispo:__________________
n)c Poder da Igreja:___________________
o)c Dificuldade de dinheiro:____________
p)c Solo de pedra:____________________
q)c Cenas de amor:___________________
r)c Luzes da tardinha:_________________

Realidade aumentada é uma  % % Questão 3 (semântica e morfologia)
( ) utilizada para se alterar digitalmente Substitua a expressão destacada por um
a - % -./             # que o indivíduo tem [ ) culto adequado:
sobre a realidade. Em outras palavras, é a
 ./ a)c A saída do povo do campo:_________
          # absoluta entre realidade e mundo b)c Foi a decisão do juiz sobre o
virtual por meio de elementos  %4 %3)  caso:___________________________
#pelo computador, seja simulando c)c Ele pratica adivinhação pela
algo que não existe no mundo real, ou até mão:___________________________
mesmo alterando objetos ou pessoas. d)c O rapaz era um colecionador de
Realidade Ô # moedas:________________________
não é usada exclusivamente para o e)c Foi condenado por ser assassino da
entretenimento. O termo ³realidade aumentada´ própria mulher: __________________
foi cunhado ( ) proposta por Tom f)c Era um velho avesso ao convívio
Caudell, funcionário da oing em 1990, que social:__________________________
usou a técnica para auxiliar os operários a
realizar montagens mais + %  ( ) B'Ê'E 
da fiação em aviações. São inúmeras as 0 Ô- 6 alto/baixo, escuro/claro,
aplicações possíveis, com a )  @./ subida/descida, antes/depois, bem/mal,
                      # de locais úteis, linhas de bom/mau, egoísmo/altruísmo.
referência em espelhos retrovisores,
informações  %   ( ) Questão 4 (antonímia)
de produtos nas prateleiras, experimentar roupas
virtualmente no reflexo de um espelho, e até Apresente antônimos para os termos em
informações sobre um ponto turístico. destaque nas frases:
Um %% ( ) recente que a)c A polícia atenuou a situação:________
foi apresentado por Pattie Maes e Pranav Mistry b)c O menino é muito acanhado:_______
é o SixthSense, uma espécie ( ) c)c O aviso acirrou a confusão:_________
assistente pessoal, com um projetor e uma d)c Os operários acionaram as
câmera. Ele realiza várias funções de máquinas:______________.
identificação, como com pessoas, livros, e)c O apresentador é
produtos, e diversas outras. Uma de suas cômico:__________________.
funções mais    ( )éa 
possibilidade de se tirar fotos fazendo gestos, e 'E 2 â;#
discar um número em um teclado numérico ; Ô 4. ,?+ %   +  %  
projetado na mão. (...) - )$ F Ô  ,Ô  -G Ô
â- * Ô5C$2Ô-.= $ Ô %Ô$
 
Questão 2 (Semântica e morfologia) —c [ )   ,Ô - )
-G Ô6
Substitua a expressão grifada por Adjetivo culto 1.c lista:___________________________
correspondente: listra:___________________________
a)c Período da Idade Média:____________

c
c
=c t  : 
t i : 
Ac 
i : 8c 0 3  -    l    
 
i : i-i    t      l  ii 
Bc i lii :  i  t  ii
)
i  i i :  '  l   !R01I1J" -  t  
Ec  i : 7 l8   lt li  t   ti 
i i :  lii :
tli
  tit   tt t 
Fc i t : t
7
íi
8
i t : 8c 0 3  - ( t  t   t   
 i íi 
j  i ii
  i i

/ 0,1,å 1$
   t 
  it   t  
 'i    l   ti 
 i 
6 i l  /  i  t   t ti  t  t  
tit 
 l  
 ti i  t
 i íi it 
  
    l      t   t  
—c 02 3        
   t   7 l8  l 
 i ii
 i  t
  t   l  !'+/"
(l : 
3c

 t : 

 t : *1 RåKM1' *1 åKM1'
=c
 t ;
' i l l  

 
 t :
Ac
:
i 
(: ? $8 . 9/: 

—c 02      

 i  i ii
 i  t
(l :
3c l 7G8: 
l :  / 0`,å 1$
=c : º        
:  5   "      
            
,+ *
       l              
        ii    + 

   *4    


(l : *it t l j    l 
3
t 7  8
t 7@ l 8   $  *    
  t   
=  7 t 8   7  87  8 i it    i
i i 7L      i 
    8
#t E7@ ti
8 
t l  ti 
  t   l   / 0,å 1$
 i  : º         
3i
 l              
l tG i
:    
=/ i  líi:  1&/     i 
A'ti i    it i:  
B' 
i  i   i t:  #t F7i íi i íi 8
E ' i   i t  1 tii
 iG i i G i  t(t 
 it :  
F 'it      t ti
  

i t :
& il:  ;(t 1& ( 
H  j lit   
 lí  : 
5/  iit  it : 
4 t    : :
3> 
i i
   li( :

0`,å 1$0,å 1$

c
c
Mas quando a filha
Quer fugir de casa
Precisa descolar um ganha-pão
Filha de família se não casa
Papai, mamãe
Não dão nem um tostão...
Família êh! Família ah!
Família! oh! êh! êh! êh!
Família êh! Família ah!
Família!...
Família! Família!
Vovô, vovó, sobrinha
Árvore de porte médio, o -70 no período Família! Família!
do outono, se enche de flores, para se Janta junto todo dia
reproduzir. Nunca perde essa mania...
É o primeiro dos ipês a florir no ano, inicia a Mas quando o nenêm
floração em Junho, e pode durar até Agosto, Fica doente
conforme a árvore. Uô! Uô!
Tem vários nomes populares como Ipê-roxo-da- Procura uma farmácia de plantão
mata, Ipê-una ou Pau D'arco, entre outros. Esta O choro do nenêm é estridente
espécie se confunde bastante com outras Uô! Uô!
também de flor roxa, como a Ê   Assim não dá pra ver televisão...
   e a Ê     
 , sendo Família êh! Família ah!
considerado por alguns autores que a Ê  Família! oh! êh! êh! êh!
   e a Ê    seriam a mesma Família êh! Família ah!
espécie.(...) Família! hiá! hiá! hiá!...
Família! Família!
1 64-6-$H > -  $,H >  -I25I0
Cachorro, gato, galinha
Família! Família!
%  Ô8C58C
Vive junto todo dia
Nunca perde essa mania...
A mãe morre de medo de barata
Questão 7 Uô! Uô!
O pai vive com medo de ladrão
Retire do texto um conjunto de hipônimos Jogaram inseticida pela casa
(termos específicos que se relacionam a Uô! Uô!
determinado sentido) e o hiperônimo otaram cadeado no portão...
correspondente (termo mais geral). Utilize duas Família êh! Família ah!
canetas coloridas para separarem os termos Família!
gerais dos específicos. Família êh! Familia ah!
Família! oh! êh! êh! êh!
Família Família êh! Família ah!
Titãs Família! hiá! hiá! hiá!...
Composição: Arnaldo Antunes / Toni ellotto
-
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
______________________________________
Família! Família!
______________________________________
Papai, mamãe, titia
______________________________________
Família! Família!
______________________________________
Almoça junto todo dia
______________________________________
Nunca perde essa mania...

c
c

c

Estabeleça uma relação de sentido no contexto


com o uso dos hiperônimos e dos hipônimos.

5 (CINCO) ESTRATÉGIAS PARA EVITAR


REPETIÇÕES EM DISSERTAÇÕES
-
______________________________________ 1.c f  Ô- 3Ô #6
______________________________________
______________________________________
$  Ê;  +     3% 
______________________________________
Ô3 Ô  -   $
______________________________________
______________________________________
______________________________________ f$Ê; +    ) Ô3 Ô
______________________________________   -  $
______________________________________
______________________________________ 8$f Ô-4 - 3Ô #
______________________________________
______________________________________ $   -  %+ Ô -   
______________________________________ -[$
______________________________________
______________________________________
______________________________________ f$ -3-    - -
______________________________________ +[ %./ Ô  %Ô $
______________________________________
______________________________________ 5$fJ Ô-4 -3Ô #
______________________________________
______________________________________ $  %Ô  )  -   % %
K,/  % ?  + %    ,3 Ô$

c
c
f$ Ô* %[   -    Ê Para acabar com essas diferenças, foi criado, em
 + 3 %L: - % $ 1990, um acordo ortográfico ± que deve vigorar
no rasil a partir do ano que vem. ³A existência
$f Ô-+ ,./+ , de duas grafias oficiais acarreta problemas na
  ,, Ô## redação de documentos em tratados
internacionais e na publicação de obras de
interesse público´, defendia o filólogo Antônio
$ A  2  %   Ô 
)    Ô    +     :    Houaiss, o principal responsável pelo processo
de unificação aqui no rasil. Originalmente, o
%4 % Ô$
combinado era que todos os membros da
Comunidade dos Países de Língua Portuguesa
f$   '@   : -  (CPLP) deveriam ratificar o acordo para que ele
 - Ô   - %  Ô    M  Ô tivesse valor. Em 2004, porém, os chefes de
,$ Estado da CPLP decidiram que bastava a
aprovação de três nações para a reforma
N$  Ô- - # ortográfica entrar em vigor. O rasil, no
entanto, definiu que mudaria o jeito de escrever
º %  :   4Ô  0#   Ô  - O somente se Portugal também o fizesse (e o
 *   # / - Ô - %    ³sim´ de Lisboa às novas normas só veio no ano
 %- %.? $ passado). É importante ressaltar que a
pronúncia, o vocabulário e a sintaxe
permanecem exatamente como estão. A

novidade é a unificação da grafia de algumas
palavras.´
')%,?+ %3, POR MARIANA SGARIONI (Manual
,  da Nova Ortografia, Revista Nova Escola)

Fonte:
http://www.atica.com.br/novaortografia/manual
_nova_ortografia.pdf

Acesso em 29/03/2011

   -')%

› c c c  Embora as mudanças estabelecidas na


ortografia portuguesa por meio do mais recente
acordo sejam, em geral, simples, é interessante
c
 c observar com atenção as principais mudanças
para adequar-se a elas com maior brevidade, já
que, daqui para frente, passarão a reger
Acordo vem para unificar a ortografia oficial oficialmente nosso modo de escrita.
dos países de língua portuguesa e aproximar Vejamos, portanto, os principais
nações tópicos do Acordo, através de um exercício
direcionado e objetivo.

³A adopção de uma única ortografia entre países 1.c Enfim, o fim do Ê (que só
de língua portuguesa pode ser óptima.´ Se este existirá na transcrição de palavras
texto fosse escrito em Portugal, a frase anterior estrangeiras que o possuam. Exs.:
estaria corretíssima. Já no rasil, a letra p (nas P *ÔP  $
palavras adopção e óptima) está sobrando e 
parece um erro de digitação ± apesar de todos 
sabermos que se trata do mesmo idioma. Do â    - ) %  [ 0 % %  
ponto de vista da ortografia, existem diferenças :   0Ô    % [    Ô %Ô 
bastante relevantes na língua portuguesa. E não % ? Ô),6
apenas entre os dois países. Nas outras seis
nações que falam e escrevem o português sangue / saguim / saguão / sequencial / gueto /
(Angola, Cabo Verde, Guiné-issau, língua / linguística / frequente / frequência /
Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor- enquanto / arguir / arguição / sagui / aguentar /
Leste) ocorre o mesmo. arquitetura / sequestro / marquês

c
c
oc å   i 
 t  it   8c 4M  
 t  º  6    l  
73 7   5 5 å i 4     
 


8c  i l  l l    
        + 75   
  i
     i  
          
7 5  5  5  5  5
å $,  
  5 t
8

 i  /  t i /  -i  /  i  /
lli /
t i /
li  /
t i / il i / C  l     )5 
  )
l-i  /  i
 /  i /  -i / t - /
t -/t i / ii / i /jii  l     ;l ;

 å  - 
lt ti  
 t 
i
 l( 
  i 
i   l    4
 l 
       
 t  i(  
    i
l  (: # l -    
 4  l $

 Fc å      i 
 t     
c å   l    (ít        tG i
      7t8 i  7l8
 i 
 t       tG i
   7l8        t  
   i   i   it   i i
ti         
(:  5+ 5+   

,+ 1   
t
     (l 
 
 l  
  #  3   (ít 

Hc *    i     :
i   
8c å    i 
 t    l  
   t i     5  
t i  )4(:G 
 
   5    5
 jG  G  7    8 5 5
<  5  5 7 5
5  t

+ 5    t
    

it    :
i   l 
9c å      i     
       t   i i
ti   
   
  t   j ti   t -  
! ! 
i ti 
l 
 l 

O c /    
i  
   
l i 2 å t l i  å t tG i
         

 t  
l  t   j   l  t   j  
2    (:

I t   )  I t     /+ 7 : 7  t   i i


ti 8 

 
  (  t  (   l  (  l
 ( ; 7  t   j ti 8 NO 
C i ) C i   (  NO t  (  NO l
 (

/+   : 7  t   i i
ti 8 
$ :  lí   t li   l li   l
    li ; 7  t   j ti 8 NO 
lí   NO t lí    NO l
8c 4M         lí  

l  4
t  t; jl  [ c /    
i  
  tG i

   i(  
 t  

c
c
/+ 7 : 7  t   i i
ti 8  7   =  =
 (   t  (    l  (   l  =   =  3 =
 (  ; 7  t   j ti 8 NO    
 (  NOt (  NOl ( 
$     = 
/+   : 7  t   i i
ti 8      
li   t li   l li   l
li ; 7  t   j ti 8 NO  $ 
   i(     
li   NO t li    NO l   *3  (l    
li       

%,,0 &å 8c å    *3       i( 


t i     l     
 'l      í    l t 
       å
lt  l   '
 M  
 t t 
 li
 lt 
i     t- i 
t  ti   it 

t     
ilit  
    7  + =   =
  t           +  =  =  =
i t       í 
   i(   i    

   i
     i t )
t l
i l '
  9c #     i(  t i      l 
   *3       l t 
 '   )  i    
    
  í  l       i( 
   l t     
i 
  7   =    =
 i(  
 : 5 5  ;5  5  5     =   =  
 ;5  5  5   5 5  5 4 + =   
  5  5 75 7 5 5 * 5 * 5
 5  5  5 5  5   5  5 >c #     i(  t i   
5 5   5  5 25 ;5 25  5
 t   *3    
 5  5 +5  +5  5  5  5 l t 
  l  
5 t
  

(c C   i(       *3  7   ? =     =
i t l  i i
i   * *    =     =  
   
7  *  ) =  *  2 =  
*  2 = + * =   *=
$ 
 + 75 + * 
oc å   i
        
oc å      í       i(  í  (: * 5
t i     l i  t     l   5      

i i
i    l t  oc C    i(  +   í 
t -i t  l  i i
i  
7  = #  =   +  5 + t

   =   =  = oc C    i(       
     í  i t   l  
i i
i   5     
7   i(   lti    l  5  

     l t       t


 i i
i     + 5 + 5
5 5 5  5 @c i t   +    
  t
         
*3 
c å    *3       i( 
t i     l     
l t 
   
 t
i  t 

c
c
7    3 = ;    = ,     / *DE  
+ *    +=     =    ;7 +     <
 = +
  it i   !0i  + l "   
,+ 2   ;  *3   í  C l 2  735HE34F38 
i    
           i -it   i i t t   it i 
  i
l i  

i      l 
Ac #     i(  t i     
 i    i
l    i (ii  t 

 t5     *3     t i l  ii å  P ?
  l t 
       li  
it   t  343B  34A> 

i     i
i l  t      2  
7 *  <=     = i
  (ii  t- =E  j i   M
  =  7  = Ri   å   P ?    i  Cl 
*    =    
i li   t *i l i 
  !0i  + l " 
   

    l  t 
it    i 
Bc /   í 
   i(  75
(l t i  l  i

i t  
  i 
5  ;5  ;5 ;5 25 ;5
i  il    :li
    
í
l  
2
i 2 
 å    t  í
i 
  
  
7 7   = 7 =  ;
   l      t
 
= ; = 2  =   i  títl  Q0i  å R 7li  å  8 
;   =2  =  t =>E i  
it       2  
 i  ilt )  l    
it 
('c      *3 
  i( 
ili  i i
 i ti i  5      ' (ii    li 
i
i
 
   li
   i  
íil ilí 

t    i l&l it SSå t 
7 ;   5    5   TC  C
    i    t  2    34F3  
 l   
     
  ili        t i   
li
    i
li   iti     
ti    t  i l t

 

((c 
l    i
   i l  
 il  
li     ti      l   
 ;    i
l       

i     l  
i
ii 



i  (it&
i t    i
il 9
 í  l    ti   li  
 l    i  i l 9  /i  .    
i t
   l  ti  
i t 
  
t:  t-t  t i 
(:  l   i
  t t li   li  -  t    -t  
     :lti    it 
ti   li  2 

i 
 7i  i
8   ti   3>    
  !i i   ti "    i   
-   7  i 8    . i(   I    t  t     lt     (l  
l  líti
 l  7 i i t i i t l  ilt )
A>8  Mit    i t   2 
   i  it li
    l    j 
ÊÊ,`Ê,C`.&!, i    ili

i
l  tili   l 
 i í i 
 '  ti    ( i&
i    !0i 
   7        5     + l "     i    t  2  
 5            t
   
  t
+        5    
í  i
l    l t i 
    +    å  $   -ti  i

i t
lti 
,     5  * + 75  å ( i  iit t-
i   
        
tl 
  2  
 t i  
         t i   í l     
 i

t @    i
li   
i   
i
l titi 

c
c
 !'  t      
ti  l  #t 3 7å  '
  t  i
8
 l  ti  & &     C i    jti  t i 
 t 
2   
t     i
l i         lt ti 
t :
  t  
   
    l  3c t :  = 
  
  t t  iil    i t  t   =c A
 ili B i   i

t -   iti t 
lt "  (li
 M ti  Eít l  @ i

  
    
 2 t   li     4>   
( i    t    - i     

7'8c t 
t  t     t   
l  tl  i
    l
i  
t  
 t 

     t  
 t  ii i 
78c t i
t  t      t  
2 

 t    B
  t   
it (ii å  
7C8c t i
t  t      t  
P ? i   l- i   !0i  å " 

 t    =

t& i-i    t i   l  
78c t i
t  t      t  

i     !0i  + l "   i


l  

 t    3

i 35HE
. l  li 1lt  >H/3>/>47  t  8 
78c t i
t  t      t  

 t    A
 
 #t =7å  '
  t  i
8 
 
' i t  (ít  t 
t  t
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF     (
t :
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
7'8c
t&i  
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 78c t i 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 7C8c M-i 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 78c l&i 
78c Ii
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF #t A7å  '
  t  i
8 

FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF M          i
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF ti
t :
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
7'8c  9 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 78c  9 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 7C8c  9 
78c  i9  i
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 78c  9 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF #t B7å  '
  t  i
8 

FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 'i l     i :
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
7'8c    
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 78c    
 7i    
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF   t 8
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 7C8c  
7i  l t 8
78c  
i  
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 78c    
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 

FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF 
FFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFFF  

c
c
1 ' ;â '  uma satisfação imensa quando li críticas
unânimes na imprensa. Isso mostra que,
apesar de tantos enlatados, a nossa crítica é
< [  )  0
antenada com o passado e o presente da
Suely Amaral* humanidade e com as coisas que
Especial para a Página 3 Pedagogia & acontecem no mundo. Fantástico!
Comunicação Parabéns, Sérgio Rizzo, seus textos nunca
me decepcionam.´

P
or meio da linguagem, também Luciano Duarte.    1 4, 10 a 16
realizamos diferentes ações: transmitimos de junho 2005.
informações, tentamos convencer o outro
a fazer (ou dizer) algo, assumimos QQQQ  1  1â - Idem.
compromissos, ordenamos, pedimos, França/Itália/Portugal, 2003. Direção:
demonstramos sentimentos, construímos Manoel de Oliveira. Com: Leonor Silveira,
representações mentais sobre nosso mundo, John Malkovich, Catherine Deneuve,
enfim, pela linguagem organizamos nossa vida Stefania Sandrelli e Irene Papas. Jovem
do dia a dia, em diferentes aspectos. professora de história embarca com a filha
em um cruzeiro que vai de Lisboa a
Diferenciar que objetivo predomina em cada ombaim. 96 min. 12 anos. Cinearte 1,
situação de comunicação auxilia a compreender desde 14. Frei Caneca Unibanco
Arteplex7, 13h, 15h10, 17h20, 19h30 e
melhor o que foi dito.
21h50.c
c
As funções da linguagem estão centradas nos
elementos da comunicação. Toda comunicação
apresenta uma variedade de funções, mas elas se
apresentam hierarquizadas, sendo uma
dominante, de acordo com o enfoque que o 1./ Ô )
destinador quer dar ou do efeito que quer causar No primeiro texto, o destinador usa alguns
no recebedor. As funções da linguagem são as procedimentos que não aparecem no texto ,
seguintes: tais como, emprego de 1ª pessoa:  ,  ,
,  (eu), destaque para qualidades subjetivas
por meio de adjetivos (satisfação  ,
críticas  ,  ;  ), advérbios (
me decepcionam), uso de recursos gráficos que
indicam ênfase, como o ponto de exclamação
(fantástico!).

O efeito que resulta é o destaque para a


subjetividade do emissor, sua adesão ao
conteúdo que informa. Não é o fato, mas o
ponto de vista do emissor que está em destaque,
sua percepção dos acontecimentos. Nesse
exemplo, temos o enfoque no emissor e a
função predominante nesse texto é a  
Compare os dois textos a seguir:   ou   

1./ +  %  
No segundo texto, outros procedimentos são
colocados em destaque: uso da 3ª pessoa,
explicitado no trecho: jovem professora de
história (ela), ausência de adjetivos (a indicação
de que o filme é bom aparece na quantidade de
³Não só baseado na avaliação do Guia da
estrelinhas, quatro indica muito bom), ausência
Folha, mas também por iniciativa própria,
assisti cinco vezes a ³Um filme falado´. de expressões que indicam a opinião do
Temia que a crítica brasileira condenasse o emissor, como eu acho, eu desejo, emprego de
filme por não se convencional, mas tive um conjunto de informações que diz respeito a

c
c

i       l t i
  ( ti   &    3 
  i          i  2 t t(t t&
  jti  l  

  i  li   
      %  

j t i   ) ti            i   
i    jtii  
     
i  
l 
    t i  
 
i     t i   i  t        --- ---       

t
      l å
     
  
      1 
     
  i t -       

 7      ---"
   

&   å (l     í i       -


      & 1  .     
 t li      
   (
í
i  
 l  
   
lt   i
i  i 
``/$ !%Ê%`$ å it ) t    t     i 
+
& 
 i
i   i

i  it  -  t       li   7 
å  
  t 
ti  
i l 
i 8  l (li

    i 
i   
 E>U  
t 

i li íti

  t  
i
 il    
 
:li
 
l 
íti
t - 
& ; 
 Ê  *
2  C  lMl åt 
å t(t   t  t  ti t i 
 i   i    l  
i t  <  l   i     t
    :

       =ª   7t    


    l  
i     t   l 
 t& ili 
&8    i ti         it   l
7å  
8  lt   -  i t  
    l
  t ;   t   l 
ti t i  
  

&l    li       it     l  t
   :i    
lt l 
    l
  t ;   t   l 
 t  ti t i   li     
 it  t   l  

 i    l    it    l 
 t(t  li
it i    l 
            tl  t&  


    i  ti t i     t
   t t    l 
 t           


 t  t   it  
   i 
t 
 
   t  t i   ti  
l  
i  t i    t  'i t t(t    
 t 
åti t(t  
t ti t i    i    
  
t:  
  í i -     
   t   t    
    t   
 l    t i l   i 
    i 
&    7j   ti    l     i8  
t t   it      t  
 t ti it   it 
 
  
      l   i i  7AD

   
tii   i      :   it   l/ BD   :   l
 

i t     t  
t t  íi
  t 8( i t    i tlit :=D
i
li

  i t l
t 
   0<    t i 
&  BD  
 

i i
i  
  tlG i
   l   l
  t BD  t i 
 l FD
 t     
ti i  
  
    
 
   l
     HD   
 t i 
  4D  
 

 
 *  *   
2  
    * 6  íl 
   ti  
      t   
t t  tlG i

t
     i  l  $
ti      t  

t t    t t   "
 i "   it  -  t   t   i   l 
i t   
  )t  
l (l      i  l t    i  6

 i
 t
     i t i t t l         

     -ti
 tj   i   t   i    -
(
lii    lit t  ' li    
li
i  (l   
     i  

c
c

t i      ti    
  7+i í
iM i8
  t i
i l
    l   

V/lC ' l -     i it i 

lt   i


  
 t 
    
   
ti         
lí  li  lit 
8 "  i   li     i  
    t  -it i
   
   - i
  t i  
l 
 t   (li    l) 
  G  it l   i        
  t   i  -  ii
    t jt 
t-   t (t i    
" 7M t   C@ 

 " 2 8


'(R
  t(t  i   ) 
li  :
 
8 " i
  i    i titi)
li
  j
   -    8"#
i  -$
      i         6 ( i ,

i     li        ,
 li   l    i
  l  it   l ,

  
      
l
&
i  #t  ,
i t      i t       i t  C i l 
,
      -  
i    -    6,"

i 
j   t  i titi)   
l l  
iili  t   8".i i  
t M 
-  
i  7 j   
   lt  t   C l<lt 0it"

l   
l  i    i 

it  
   il    i  8 -   t   
           "7
t    /  l 8 8"/ ti   íl  t 
 j      it   
i   l 

t
i t  (t i  i  'l il&
i 
l  
   t  / i 
8  i i iti  t  il $ .i i  t    i  
i 
    i  l   i t l  i   
  t  / i  t  il $ t     t  i 
/ 
i    t    i it   l  it   i  
  
 
  ; 
     t   l  l   l 
Ri 
   
  
i  / ti     íl #i  
 t i    
    l  ;i  i  ii     
 j l  l     t  t"
   t i ; t 
<i l     i  7I
ili R  8

     t  i  
 t  i    
  



       8"# i it  $
     t    it  i ii
í 
    ti  lit   -í $
 Mí - & 
"

 t  i      
i    t-   
i 
j     i i it  

c
c
C8$ No texto abaixo, identifique as funções da Que é um poeta?
linguagem: um homem
que trabalha um poema
"Gastei trinta dias para ir do Rossio Grande ao com o suor do seu rosto
coração de Marcela, não já cavalgando o corcel Um homem
do cego desejo, mas o asno da paciência, a um que tem fome
tempo manhoso e teimoso. Que, em verdade, há como qualquer outro
dois meios de granjear a vontade das mulheres: homem.
o violento, como o touro da Europa, e o
insinuativo, como o cisne de Leda e a chuva de (Cassiano Ricardo)
ouro de Dânae, três inventos do padre Zeus,
que, por estarem fora de moda, aí ficam C$ Quais as funções da linguagem
trocados no cavalo e no asno." predominantes no poema anterior?

(Machado de Assis)
CN$ Aponte os elementos que integram o
processo de comunicação em Poética, de
C5$ Descubra, nos textos a seguir, as funções de Cassiano Ricardo.
linguagem:

a) "O homem letrado e a criança eletrônica não C$ Historinha I


mais têm linguagem comum." (Rose-Marie
Muraro)

b) "O discurso comporta duas partes, pois


necessariamente importa indicar o assunto de
que se trata, e em seguida a demonstração. (...)
A primeira destas operações é a exposição; a
segunda, a prova." (Aristóteles)

c) "Amigo Americano é um filme que conta a Historinha II


história de um casal que vive feliz com o seu
filho até o dia
em que o marido suspeita estar sofrendo de
câncer."

d) "Se um dia você for embora


Ria se teu coração pedir
Chore se teu coração mandar." (Danilo Caymmi
& Ana Terra)
Qual a função da linguagem comum às duas
historinhas?
e) "Olá, como vai?
Eu vou indo e você, tudo bem?
Tudo bem, eu vou indo em pegar um lugar no
C$ (CESUPA - CESAM - COPERVES)
futuro e você?
Segundo o lingüísta Roman Jakobson,
Tudo bem, eu vou indo em busca de um sono
"dificilmente lograríamos (...) encontrar
tranqüilo..." (Paulinho da Viola)
mensagens verbais que preenchem uma única
função... A estrutura verbal de uma mensagem
depende basicamente da função predominante".
Ê 0 -  : =  C  CN
"Meu canto de morte
Poética
Guerreiros, ouvi.
Sou filho das selvas
Nas selvas cresci.
Guerreiros, descendo
Que é poesia? Da tribo tupi.
uma ilha Da tribo pujante,
cercada Que agora anda errante
de palavras Por fado inconstante.
por todos os lados Guerreiros, nasci:

c
c
/    t  t t 
  l   til  :
/ il  å t 
M
t  t  
I i   i"
 8 M'å<0 'å;å1  '0M1'  
7I  li 8     li   l ti  i 
i   
 l( 
íti
     @ ti

1 i     i t   t  

i t 
it jtii
  i i
  8IR'C101'åR'M/   l   
   
li
   ti    
   
'A7 <C/ 8
  l( 
  t   i t ili 
 i
li
  
i l       
"C t it i   iili  
i
 i -i     
8 M'C*'  '//1/   ti  
 t   i tl
t l 
 
 lit   t   li   li
  i iti   

  
 -  - :i  t  l      lit  i      
' l    t  i    t 

i til     l 
 t 
 i i t l
tit  
  :i
t i    M l   8 01M' 'RR;   t t   til 

l   l     i t i


 i
  t     t 
 i  
 t  
 
t t   l 
 
 i(     'l 
 i ; t i 
ti    
 /it  i    8C'R0/R<MMå'åR'  
it i  i
 l  l  t - 
l   t     li   i   
 t $2 tli -it  l     7lit 8  i t  
  t   
6  t  i  tli -il&
i  ti 
tli -   t "7Cl i
0i
t 8  
 
'  Cl i
0i
t  l- 
  t i t 
ti 
 l  
  l( 


i&
i 7 l  i t i 8  lt  
t -   
  
 
it  
t(t lit  i 
      
  t 
 t   t 
l t 
  t l 
  

  

`  
'B7.';C8   li 

 c
 7 lt  l   M
 t 
 l 


 i 8;
c    7 M     t 8;
CMÇ    tli å 
l 
;    t      ;   c    7  
 M    
 l t (i  l   
ítl  
      - t    it i     8;
 
   t i     li  -      c  7
 M  i   G  8;

i   l
 t 
 t 
t  

 - i
í
i    lií i    c l  li  7    i t  M l-i

 i  it  t li  - t  lit  ; t 
   l
  li     ;t  li 8;
    i t  t i  til  l  c   7   
  M  i 
l t tli  til  
  
- i   i   i it            i 8;
            l  
   
-  
  
 c  7 t M    Gt 8;

c
c
c t   7    M t 
 t i  c i7 iMiíl  it  8;
t   i 8; c i   7    t&
i  M i it 
c
i    7 ti  l  M
í  i i 8;
 l i 8; c  (  7
   i i  M t  ( 
c it  7ti   l  M it

i    ( 8;
it
t 8; c   7
i M t  i  8;
c it 7 : M it-ti
 it l i 8; c 
 7
   i
íli   it t M 
l i 
c i 7  M i  i 8; 
G  
it 8;
c t  t i  7   ili  M c  7  
M li  t  8;
t i   t i 8; c   7t  l M   i    8;
c t  7
 
lt M t i  c      t  7 t M
t i @i
8;   t l i   t i8;
c t 7   M t   tGt 8; c ti ti 7 iMti l i ti l i 8; 
c  7   M Gt  ít 8; c t 7    Mt i t
 t i 8;
c  t 7   M
 t  li t 8; c    7
  l 
 M
c ili 7li Mili t
ili t
 i 8;  t    
  8;
c i 7i Mi l i i  i 8; c il 7 i   tMíl  il t  8; 
c

7i  M

 i 

-i 8; c ii  7 t   íi
   l M ii l i 
c
li7l M
li i 
li 
i 8; ii i ii t i 8; 

c
i 7
 M


i   8; c   7   M
l t  i (  i 8;

c
 l 7
 M
 li 
 l-i 8; c  7   M    t
8;

c
i
l  7
í
l  M
i
l t i  i
i
lt  c    t 7lM   t  i 8; 
t i
i
l 8; c    7
  t  M    i 
c
i  
i i 7 i t  M
i -ti
   i 8;

i  li 8; c  t 7tG  M t i t i
8;
c
it 7
-ll M
it l i 
it l  8; c  7 iM&   -ti
8;

c
  7    i   M
 i  c  7t M  i i8;


 8; c i   i 
 7l  M  i 
c

i  7   t i  M  t

i  i 


i 8;
t


i 8; c    i  7@ l  M  lí 
c
 7
M
   
 8;  iGt 8;
c
7t M
Gt 
  8; c  i 7
it M t  i 
li i 8; 
c  til 7 M til  i  til 
i 8; c li 7 lMli
 t i li  i 8; 
c 
7M
@t 
lit 8; c  7 M i    8;
c  7  M

i   i
8; c  t 7í  M tit ti
8;
c   7lM  t l it  it8;

c
c
c t  7 t  i  t M t ( l  c 
 7 t 
  M 
t- i 
t &  8; 
ili 8;
c i 7 Mi  i i il 8; c   7      M  l i 
c i 7i Mi Gt i il 8;  l ti 8;

c i 7 Mi  i ti 8; c  7   M  it   li 8;

c i 7
 l Mi  i t  8; c  7  liM  l i   G  8;

c       7l t M    ti  c  t 7 tM  t l i   t li 8;


  ( l8; c t l 7 l M t l l it  t li 8;
c i
 i
 7i  M i

l t  c li 7 
M li i  li li 8;
i
 i 8; c i 7 M tG i i G i 8;
c i
ti 7i(Mi
ti  i i
ti l i 8;  c i  i 7  M í i
 i 
i 8;
c i 7i lMi i
l8; c it 7 M it l i  it ili 8;
c l t i 7
lt Mi l t i  l
l t 8;  c t 7 t 
t M tG i  t  i 8; 
c lit 7 Mlit  i   lit 8; c (i7  
i M (ít  (i  8;
c l  l i 7t Mi 
l i  t l i 8; c  l 7 ti M l  i  l t l i 8;
c 
 7  M 

  c  t  7      i t  M  t l i 

iti
8;  t  i 8;
c 
i  7 ii    M i 
i  c i 7
 M t i i t i 8;

t 
i 8; c  l   li 7
i  M t  l 
 l 
c  i   i  7l 
  M  i
Gi  .l i  li8;

lt  i 8; c  li 7it  M  li i   lí 
c    l  7  M  l  í
  lití 8;
 l
 li 8; c  t  7 i MM  t@i i t  8;
c  7i MM  t@i 
li8; c   t 7  í it M  t l i 
c t  7   i  M  Gt    tli8;
t Gt 8; c  7 8 7l  M   i 
c i
7 Mi

 i
 8;   t (8;
c i  7i     M i t i  c  t 7 ii M t   i  tti 8;
i  i 8; c  7 l MG i 8;
c it 7l Mit l i it  i 8; c i
 7 l  í it  M i
l i 
c   7 i M  -i  G i
8; ii t i 8;
c   7: i
  i   M  i  c i 7 Mi 
i 8;
 l
8; c i 7 iM i it  i
 t8;
c    7   M   i
    c i 7 iM i tG i
 i  8;
  l i 8; c 
i  7       M tl
i 
i

i 8;

c
c
c  i 7i lM iti
8; c i  i 7 ti     M i G 
c i 7   Mi  i i  i 8; ilí  i( l8;

c i 7t  t Míi


i  8; c
l i7
l M
l i 
l í 8;

c   7i Mil  i    í
8; c
i 7 t M i
i i ti
i 8;

c         t  7
   t- i  M c
l  7  it  
lti  M i í
l 

     t l i 8;
it í
l 8;

c ti
7li    Míti
itíi 8; c
l 
l 7
 M
l 
l i  8;

c t t 7 tMt i t t  i 8; c


l  7

l   M
l íi


c t i7 i Mt i


i t i i 8;   i
l 8;

c t
 7
l  M  t
 il t
 c
i7
 M
i l8;

i
t
8; c
7i8 7
i   t  M
 
 

c t
7 t  í
i Mt
l i t


i 8;

i 8;

c tl 7  l   it@
i  M tl   c
ii 7
iM
ii  
ii l i 8; 

tl
i tl-  8; c

i7
M

ii
 8;

c t  7  ii   M t


 t i  c
lt  7 t  
lti  M i
lt 
t

i 8; i
i
lt 8;

c t   7
l  t t  M t Gt  c
 7i87
 M
: i

 í 8;
t- i
t  t t 8; c
 i7
  M
 ilí  8;
c t   7l  l
li  M t   i  c 
i7-
i M
ít 
i  8;
t G i 8; c iit7i87 Miit  iit  8;
c ( 7t  M(  i ( ili 8; c i7 iMi  l 8;
c (  (  7
 
  M ( il  c  7M
 t i  í 8;
(  i 8; c i7i lMi l&
i iit t8;
c (il 7 i M(il   (il  8; c til7i87til Mtilit tili 8; 
c  7 i lM l i    8 c t t  7
 t 
   M t t  
t t 8;
`    
c   7i  M l i   l  
i 8;
c  i7
 M  i
lt   í
l 8;
c  7
t-M í 
 í 8;
c i 7   M i l&
i  it 
c  7i8    7  M  i   í 
í 8;
 8;
c l  7
i     M  @l 
c i
 7       M  -i


t@l 8;
 l-i
 i íi
8;
c ii7 l M ii
i  íi
8;
c i7-Mili  ii 8;
c  i 7   M  í
l   i  
c ili7il Mili  ili l8;
 i
lt 8;
c li7 M-li
li
it li t8;

c
c
c   7   M  i   i   c ti7 t i it M tii
 tilí  8; 

i 8; c ti7 M ti
l   ti 8; 
c  t 7i  M t  t i
i 8;  c t  7 i t    t  M t
 
c  i7i87 i M ii  i íi
8;  t i 8;
c  7 M
 t í  í 8; c   t7i87  M  ti   ti 8;
c  it 7 l ti    M it 8; c 
7i8 7 :
 M 
í  
 
c  7    M
 tí     8; 
i 8;

c  i7  M í  i


i 8; c i 7  i  M i
 t  i 

c  i 7i87 M i l  i
íi 8; i l8;

c i i7  Mi i í  8; c (i ( 7( M( l i  (  8;

c l ti7l   l Ml ti: i l t li 8;  c i i7 t Mi l i- i 8;

c l  7 l M t íl   ltíl  8; c ili7l Milí


l ili
lt 8; 

c l
7i87lMl
i l:
i 8; c i 7 Ci Mi l i i  ili 8;

c i i7it  Mi i i í i 8; c 


i  7
i  M 
i l i 

c lti 7    M lti


l  
i li íti
8;

lti l 8; c  7   í MG i


 l ti 8;

c
l7i87 l M
lit 
li 8; c  7i87 M í  l8;

c  i 7  
i  M  í  c tl 7i87t  l Mtl: i
tl i 8; 

  t8; c t i7t  i MtG i


t ii
8; 

c i7t t  M i  t  i


i t8; c t (i
7  Mt (i
 i t (i 8;

c  i7 M ii


 8; c t iti7t i Mt iti
lt t iti
lt 8; 

c  i7i lM i   it i 8; c l


i7l Ml
í l
ít 8;

c 7i8   7- M t   i


  c  i7 M í  i
i 8;
í8; c i 7i87i  Mi i
lt i í
l 8;
c   l7i8 7 l M   li   c it i7i Mit i it ii
it l8; 
  ii
8; c  t  7    j  M  l- l 
c t 7i87 Mt ii
t l 8;   - l 8;
c i
i7i(Mi
i
lt i
i 8; c  7 M
í  í 8
c l i7l Ml i- i l í
i8; c t
  t i ;
c l i7it Ml li l i
ll 8; c   ti   li ;
c li 7
 MliGt li i 8; c   í /íl
;
c  l7 87  M l   li 8; c 
i i
 l  i ;
c  ii7 ii M i & it  ií
i 8; c i l(l í  (  i l;
c   7i8     7 t  M   l  c i- i ilí
l ili
lt i l i ; 
  :   i
l 8; c i  ili  
i l i   í íi ílí

c i
7i87 iM i
 i
i  8; G i
;

c
c
c  l tí  í  ltl: i
 


#t 3 

'i l  lt ti  
t-  

 &
i 
t   t  
 t   
i   i ii
  

7'8c  i M lt 
  

78c  tit

i  M     

l 
7C8c t

i  M     
lii   
78c  li i  M       
    
78c lt

i  M    

(
i  t i 

 
 

#t = 

7<./C8 Rl
i  
l  11
  1  
t l
  
 &
i   t   
i ii
   i( l ti    

 

C l 1 C l 11 
 
38c t  t78i t i  
=8c
i
 li 78 it  
A8c  -i
78i
ii  
B8c 
it  78 i i  
E8c t @  78il   
F8c    78  i  
 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

c
c
$/º`-, 9  l     
i  
!        jti   t  - i  
  ii
  
 (l :   it 
t t t    

'
 ii   ti
   
i t  i  t

t i   i íi   ; 
i   å%1`$ 9
    i  (  
i tii
  it   t   i
  :  ti   ) :ltil   
      ti
íi  ti    i  (l : ii
 i t t  t il t
 
- i  
j   't l t    `,9 , 9 /    li   


i        l   l    t  t l
   l )  t 
 i i     ti
: t ti  jti  l 
- i    
j   i t ji  (l :   
 t

  i  ti   l  !,åE%å9 , 9 /   l    li 
C           lt )  )  t l
    t  l  l ) 
l   t  t     
    i  
1 
t
      lí   - i   (l :  -   
t   t t    
 t t     lt   l  l t  t
 
 t  t    j       åÊ`E9 , 9 C tt   t  j 
 i   t      j  
l    ti
l
    i   i

   l   i    
  l      l     t   l  
Cl ii
    l     - 
il        M  i     i i  
t l t t     l     lí   i t ji)
   l    ( ) 
 t  t  i
lí   t       
 ) t  í it 

l    ti
i         (l : å  , ' M i , < , #  ,


t íti
' t   ti
 t  ,

l    l   -  1,`&,,C$ . t:
7   M    l i  M t 8   j   <'R;  l  M @ i  ;i(i  Cl  
t       å    l i   t t   
t i    t& =    l /
t    l )  t    l     l  M @ i  ;i(i   t  M i 

t(t            t  Cl t0i 9. t l :it <.C =>>A
 t  i l
il    t  c c
    l    
  O     O  
* i
@
i   t    ti
  t    O O O c
l i i) 

t íti
 
l 
  ti
i    t
  i
i i  c c c


t íti

 
l  l  :
%-Ê$åÊ/,9-it  
l  
c
      i   t  
 
t -  ti t   t    í it  ! !
V  c   " c c #$# " c
  ) 

it  il i
   líti
 
t

c
(l : 

i  '  -i   
i 
   
i  t
 ! !
$`ÊC, 9
l    i   l     #$ # c c    c c c
    t i   i t i    
 
 c c
c c
%
t ti   t
    å  cc
(l :             c
$EÊ/, 9
l   

t íti
    c cc
c  c
 li   jti        
 c c c  c

c c


t íti
 t ti 
(l :  i  li      t   
c  cc c c cc
i t it   l t
 c c
c
  
cc
`,å,1 9 l     
   c
 titi    7t ti 8    
  c cc ccc
t i    i
   c c
c c  cc


 c
(l :     il  t    i  t   c  c c cc c c
l t
 %&

c c c
 ! c 
c
/`-, 9  l    (   )  & % &
t  
t  t 
l   ti
l '  
c 
c ( 
c
(l :      ti i t
  
c  
c   
c

c
c
) )
   
c    c c *  cc
c
"cc    c 
! cc  c  c
 #$ c     c c  c
  
 c c c %c &cc c
#c c cc
c
` 
c 
 cc  c c
%c  c

 cc

c c  
c  + 
c
+  c   
c  c 
  
c  
c 
c  c

$
   
c  c cc C`$9D`,1GåÊ!$ å
c R'/10
cc&
c c  c
c 
 ,
cc c 
 c c
 !,åÊ Ê,0Ê6`!,

 c#$ cc
 R  ti   ili  -  t-ti

c lit  i i í
i 
   å  
Y    
        0it t  +j   i   i t 
  c   t  :
c 
âc ccc 
c'
c `$å$!,å$
 cc 
V R  ti 
c

Ycc c  cc VR li 9å t li 
c 
V cc   c   cc V i i 
c 7-
l W1W8
cc  cc V /i li 
c 
V -M  i 
Vcc cc

c VM  i 7-
l WW8
   cc   c   cc 
c 

R  
cc c cc
c

   cc  cc
 it  iti
  
c
R  ti   ili  t i í
i  35AF 
 cc   c   cc
  li
    /i  -ti
 
c /    I  l  M  l   
c Rit  åit i   i    
 
Y   
       c
  i  lit  i  t- 3553    
 
c li
    M i  t    
( c c 
c

c cc C   
  lit   M
    'i
c   li
    Ml t  

Y c  c  c   cc t lit 'líi ' 
c ' 
t  i   t l  t t &
  t  iti t   t    &   å 
 c  cc  cå  cc
 il    G     ) 
 
c
 i +j   (i     ):
 cc  cc  c c
c 3$C`$9D`,1GåÊ!$
 c c  cc  cå   c 

 

c
c
 (Ê&Ê 2 críticos, sua importância se deve ao fato de ter
sido ele o   Ô Ô em
terras brasileiras. É dele também o primeiro
 Ô 
å i-. li/ t i i/t  manifesto romântico sobre o rasil, escrito na
 Revista Niterói. Veja um fragmento do seu
; , ³Ensaio sobre a história da literatura
lt0 
ti   l l  brasileira´:

Ê % 
 i libtái     i  ³Não, oh! rasil! No meio do geral
 merecimento tu não deves ficar imóvel e
 tranqüilo, como o colono sem ambição e sem
esperança. O germe da civilização, depositado
EE em teu seio pela Europa, não tem dado ainda
todos os frutos que deveria dar, vícios radicais
têm tolhido o seu desenvolvimento. Tu afastaste
NA PRIMEIRA GERAÇÃO: Como o próprio
do teu colo a mão estranha que te sufocava,
nome já sugere, encontramos um forte
%  Ô e uma grande aversão à respira livremente, respira e cultiva as ciências,
influência portuguesa (ou seja, lusofobia). as artes, as letras, as indústrias, e combate tudo
Como já vimos, o nacionalismo foi uma das o que entrevá-las pode.´
principais características românticas, através
dele há uma valorização da pátria, dos heróis
Veja agora um dos textos mais conhecidos
nacionais e do passado histórico.
dessa primeira geração romântica:
Veja os principais autores dessa primeira 2./03 
geração: 
Minha terra tem palmeiras,
R1(
Onde canta o Sabiá,
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá,
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Gonçalves de Magalhães Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar ± sozinho, à noite ±
Mais prazer encontro eu lá,
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá,
Sem qu¶inda aviste as palmeiras,
Gonçalves Dias
Onde canta o Sabiá.
Gonçalves Dias
Enquanto Gonçalves de Magalhães é

considerado o introdutor do Romantismo
brasileiro, a Gonçalves Dias atribui-se a sua 
consolidação.
A produção literária de . )    . )  â  é a grande figura desse
, 4/  é considerada fraca por muitos primeiro momento, trabalhou em sua vasta

c
c
obra com todos os temas iniciais do , Ô6Ô 
Romantismo. Veja sua imagem:


Gonçalves Dias escreveu poesias líricas
fiéis às características românticas; poesias
medievais, escritas em português arcaico e
poesias nacionalistas como essa que você
acabou de ver. Mas é na  % ./  0 ./
 + , 3,  que Gonçalves Dias se
destaca, sendo considerado por muitos, o maior
poeta indianista da literatura brasileira. O poema Retrato de Gonçalves Dias.
A% Ô é um dos seus textos indianistas
mais famosos. ³I-Juca Pirama´ significa aquele Por ocasião da elaboração da antologia poética
que vai morrer. Este texto conta a história de um da fase romântica, elaborada por Manuel
índio tupi que iria ser sacrificado pelos andeira, Onestaldo de Pennafort gentilmente
Timbiras, outro povo indígena, mas pensando escreveu a nota que segue, retirada daquela obra
no pai que era cego e que dele dependia implora e aqui transcrita:
para não morrer. Os Timbiras achando-o
covarde acabam por soltá-lo. Veja agora, " A poesia "Ainda uma vez --adeus,--" bem
prestando muita atenção no ritmo, um como as poesias "Palinódia e "Retratação" --
fragmento do conhecidíssimo trecho Canto da foram inspiradas por Ana Amélia Ferreira do
Morte: Vale, cunhada do Dr. Teófilo Leal, ex-
condiscípulo do poeta em Portugal e seu grande
2  amigo.

" Gonçalves Dias viu-a pela primeira vez em


Meu canto de morte, 1846 no Maranhão. Era uma menina quase, e o
Guerreiros, ouvi: poeta, fascinado pela sua beleza e graça juvenil,
Sou filho das selvas, escreveu para ela as poesias "Seus olhos" e
Nas selvas cresci; "Leviana". Vindo para o Rio, é possível que
Guerreiros, descendo essa primeira impressão tenha desaparecido do
Da tribo tupi. seu espírito. Mais tarde, porém, em 1851,
Da tribo pujante, voltando a S. Luís, viu-a de novo, e já então a
Que agora anda errante menina e moça de 46 se fizera mulher, no pleno
Por fado inconstante, esplendor da sua beleza desabrochada. O
encantamento de outrora se transformou em
Guerreiros, nasci: paixão ardente, e, correspondido com a mesma
Sou bravo, sou forte, intensidade de sentimento, o poeta, vencendo a
Sou filho do Norte; timidez, pediu-a em casamento à família.
Meu canto de morte,
Guerreiros ouvi (...) " A família da linda Don`Ana -- como lhe
Gonçalves Dias chamavam -- tinha o poeta em grande estima e
admiração. Mais forte, porém, do que tudo era
naquele tempo no Maranhão o preconceito de
 raça e casta. E foi em nome desse preconceito
que a família recusou o seu consentimento.

" Por seu lado o poeta, colocado diante das duas
alternativas: renunciar ao amor ou à amizade,


c
 c
  i 
ii
 l   t  l      t t   t  t 
(
i 
:l  l l   # li  l   t 
l  í i  t  i  ti  å
i i li,
t lR :
i t t  i l  ií
il
        t    li   
   
   t    i 
 l  
(   
t        t   
0 
 lit  
i 
  t  ti  
      
i   Y   i   i 
t   
t    l , ;  t-i  i 
   t ti;
" i t l t  i  
 M     (t  
t    l:  X'   
 i
   å :lti 
   

i t íli 
 


i t  ;itl  :
  t - 

    t    #ii  iii,
 
i) i  i   
i t  '
 íli     t  t 
  t 
/
  t     t  t   i 

i )  
    t   i 

  jti   l     
  +ii; i   
     i      < &  i  li  tl  ,
 ti  
    0i   
 l  it t   

     t- i ) + t l t t ;


R t t  i 
   t i i 
" . i í   0i   j i :li
 
t t  l i 

 t  t   t      


i( 
  t-
   ti l  l il  
i   l
l t  i     t 
  t t   
i  l 
 /
    l      l  t  i   
   i   l  
t   l M t $å 

$
  i    i      i  l  i  t t t $

G   j t   t   "'i     it t G  t 
 "  i  

i   ;     t $
 i i      t 
i  
  /i  li  t   
  i  " /i t l i 
  ii  t 
 l   ,

/
$ 5  < 
å   i i,
 2l t
   i $
t   i 
 itj , i   # i i;
C    t- i t  M l t l 
#  
i  t  C ) t 
  t   i  t  ;
  
Mit  i,C  @ i   M l  t lti,
 t l   t  
*  
     /
'  l ti,
,lti,   
 ( t:li
  
C   l  l  
    t ili  < l  i
t- i ,
 i l  t    i 
 
å       t   ; l
ií
i 
it t
   
 
 i,  
   t 
 l lí i   t Mi  i   t$

c
 c
/ 0 
jli  
C  l Y lt i t,
 i;     #ti  
 
#itY
 i   CY 
  i l$
# i  l i   t    t ;
;Y  ;   /t  i( i  i 
i   
 
t   C   ti
i 
#  
it i     &
i   l
i   l i 
l t i   , H/

H    tti 


0i     t  
#  i   j ;   tj   
å  t  l  t  
l i  i li;
'  t it   t t     t  t 
å 
;  t  i 
  i     i
i   å 
i    
å t
i t j : ,i   i,
/
iiit 
+i l i  t  ,  H/

H 6 t    Y  ,


 í t 
; t ; i- i  + lt 
    
 tí i  l    # 
   
-,
0 t 
l i    iti  i
t 
#  ti
ii; t t i- i  t 
"l -li7ii 8  # (  t t 
"/
 -  i  " / 
i t,
å   ti  
    i, H/

H iti tYil 


   t-
   ;
; t 
t ti      ,  t    
; t il      +i 
t tli,
 it   
      i  i- i 
i   t l,    l  it 
; i     $   ltiit 
  il    $ ; -  li,
; t  jt  i   
;   , H/

H 'Y t   ;


å    i ii 
  i,*   
   i 
ti 
å  l  
  ; lt  t  ;
#       å  t  (t  
å   lt  t , (t  i 
'  i i , lt: i t  
 i 
#    t  / l  ',
M ti i 
iiY 
l 
i    i,  H/

H 0  - li 


M  Y l 
  
Y    t     

c
c
Com sangue escritos; - e então 
Confio que te comovas, 
Que a minha dor te apiade & )  @ ) foi o maior representante
Que chores, não de saudade, do Mal do século, seguido de2 Ô  
Nem de amor, - de compaixão. [ . Há ainda nesse período outros autores, 
como6
"&  ' 

A: 1  

 ; 'â  ( é


também conhecida como Ô %.
Nela, as características românticas são levadas
às últimas consequências. A angústia, a dor, o
escapismo, a infância e a morte tornam-se a
temática central. Daí a expressão Mal do século.
Veja os principais autores dessa segunda
geração:
e 1, F , que
também levaram ao extremo as características
8R2(
românticas.
—c Álvares de Azevedo Contam as más línguas que os jovens
—c Casimiro de Abreu poetas dessa geração, basicamente estudantes de
Direito do Largo São Francisco, em São Paulo,
Veja as imagens abaixo:
amavam umas festinhas. Até aí tudo normal,
qual o jovem que não gosta? Mas sabe onde
aconteciam essas festinhas? Nos cemitérios da
cidade. Conta-se que numa dessas festas, no
cemitério da Consolação, os jovens coroaram
uma prostituta como a Rainha dos Mortos, com
caixão e tudo mais que uma rainha tinha direito,
mas no final da festa, qual não foi a surpresa dos
jovens? A pobre infeliz, realmente, tinha
morrido de tanto medo. Coincidência ou não,
Casimiro de Abreu todos os autores mais significativos desse
período morreram antes dos 24 anos de idade.
rincadeiras à parte, veja agora um dos textos
mais conhecidos dessa segunda geração
romântica:

;  Ô  Ô4/

Se eu morresse amanhã, viria ao menos


Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!
Quanta glória pressinto em meu futuro,
& )  @ )  Que aurora de porvir e que manhã!


c
c
  
   
    i 
  
/   ,78 
Ll ' 
 Ci
 t@
i    t'
l i l 
 R   
i i  i 
å$1,`,I!$/$,  l  t 
i 
        i ,

 C tiM    
 /  $   
# i  i  l   
+. $< 
Gl i    C tt
'i  l
i -i     ,+   *    
 ? . $< 5 ;
 "         +
'l 7t &il i8  t 
     5      
<
 l t t7 l ,8 +  =   5     
/    l i     
%i      j l 
 C i     i i ii
ti    t t
          ti   ili 
;       il 
i titl  lt  ti  !    l
li   l  l      -
l "  
   i l&
i   
 
 t &l     
it  0 C 'l Mt    t 
'l   it   t   M l ' tG i  Ll   '   i
 i t   t   
 t  i  #  t   
     i li
   t  t    ti 
M l  i j t l  35EA
å  i 
  t 
/l i
   it i  
C  t  C -i 9
  t   34B=  *   i  l     i 
 i l     
lt   Ll  
'  8     $ 
  l 
 tti  
 i #  ,
l t      i    t &  t '
i  t ti l&   
    ii    t     i  
  
M l i     
  i li t   ti t l  t t  å    
Mi    t i
l    t    l i i l 
 '
t
i  -  t   i
     ii 


   ii/ #i( t $`  !$-$å
å R
i t    l     '  i    
it     i   
å
 lt    i l t   ti  íti
 ' il  C li    
.i j       t    t    $=
  
Silli / ?  i    
   ' il   t  
 C li 
M i   l         l  8     $   
  it  l j i  l      
    
t 
 t  l   l i it   (l  l  t    ii      
 t li 
 t    t  j l 



 l i t   C ' ilt  t 
 R  ti 
 t   tt    t  
     l  t  l   
' i  l t   i- l tG i
   ti t l ' l  

t       i  li
l 
C         
l  
jt       
t      
 :ti  lí i
 
  li C li 
i i     
         -  
 
ti
 i G i
 
M
 -        t
íti
       -ti
 /    
i 
i 
i i( 

c
c
t   l
li  t it    i 
/ t 

 $ ,-`$
'  ii   t 
   i l&
i   i 8   $ - t  l  i

i 
i li  t tíi
 
Mt  Ll   '  '  
t-  
0  ti ;     i G i
   t@ i
   ii   t    
i   l   
i t  t    t  0  C  i
t i   t / AA   
    6 A  2 8    A '
-J`,å  1%Ê     t -       34     l-
'i l&
i lit  i Ll '  l
i ti  
i     
t& lit lt  l  títi
å    
   D 4  .  
 
   t  i i    
    t- A *  &   i
li    - i
 ti  lit  i    i  t it    
  *  
 &
i  
it   t(t l t  
i 

         t íi


   
 i    -ti
   lí i
  i  l  C    i it   t
i   t 
 t(t  

 i   it      li i     A  '  .4&    t


 t ti
 t li     ii  ' li  
$   
  > 7    i i
i i  li
 t -     
 "1 7 * ?
   "@  > i l    
 
C   Mt    t t  t   i 
  t   i    i l&
i     t 
 i
i l t   ii  ' ) t   `1`$$`Ê

t l  i t i 0 C 



lt   t       t 
  t   it@ i
  i     l    t 
lt @ ti
 Mt  i   C     ii   
i   8     $  -
i   i  ti t l  -     t   ili   i t t l t  
     
 i   i     i
t     i        li  å  t(t    t  i t   
 ii    

i&
i  lit  i    
ti   il    lit  
t  
i      ii   t  8       / l  t lí i
tíi  
$ 7 i l&
i C  - i  l  ilt  i ( i t     t   :li
:!/ 
  lit   Mt  í  t   ti t l    ii 
t        t 
i li  6  
     
l i  '  ii       i  
 $ '  A : t&    
@ ti
  

 
6   li    
 :    i  
$  '    7    l    
   l     
B 7

 7 *   --- i "
 '  7  *  
    li   i i
i i   
i  
 C   <
i     lí i
     t 
 
j t  tít      -ti

 6 l  it 

t íti
   ti 
il
  t     i t       
t 
t i)å t   l i  
å      t  -
   C  ti    
i  7li 
@ ti
 
t    i 
i t  t li   
l
i ti     t  i )8 
    t  l    
 ili  t     
  i  t-t i

  t   t li íti
  j   t t 
 
j t      < (l  -  t  
   i    -ti

  .  A 7  t  
  
*  :

'i

i  ti i  l it l 

 -ti
t      
. <  *   3A * 

 ti t   t  ! 
    <---
 "ilt  i (l  
/       7   
il
  t  ti
 jtii 
  
  <
 -ti
6 l Ll ' 

c
c
   l
 t 
i   i    l   
    
tíi
ii
l 

ili  j 
l  i @
i   t 
lli 

  ti t    it   


   ti i
i  

     @ ti
 ili      lit t  @ ti
6 
 
; 
 (l  i t    
it )    C l t S t 
.  2
lC 0  
 
  
 ií
i  t  '    
     t- i    
lit t 
  j t  t 
    >    lit   t t      
   *  
i :
$ !  *< 
    --- E
   &   
A  <
        *<
.      
6 >   * i i     ti t   

. 
    7 7  it  i 8i  t t  
$     <3---4
li
 t   ll  t  l 
   j t
    l 

  t t  
i  t 
Ll ' j  l   
li
  l '   i  t 
åt 
 t    t   t 


t íti
 
it í it 
 i
i i  ii  t li i t 
 
i iili   li il   
lí i
li  j   i   
  i i  i i  i li    C%å$$`Ê
å     t 8   $  
j   i   t  
 i    i t i -ti

t -  i t  i :  it  
 
-  ; ; l   l  í it ;

t  
  liit
titi    j  l  i 
j 
  t i
 t i li 
  
    l  t 
  
  i i 
ti


 j   t  li 

i

i&
i (li
     
i        t   l) 
l  t 
i   
jti  tit-ti
  :lti   
it    
i      t 
l
i  t   t  lit    
! lit t"!  ti "   
lit 
i
 t  il i 7 8    t  t-   lit  i  -

 t7;@ t 8  ii 
it li 
it  i t t t   

l
 i t i   i
t i / 
   i !   t"  
l
i i t  t
  t  
  l  :
 ; t  
i   
(l    l tG i
  i i  
t      i  t   6  ! t 
  t  i   t -
 i  i-i  t t  i    *   
 ii  
-l 
  it l   R  +&    t  - i   
 it l i) li
  
;    ti t t- i  9it - 

t i  ti lit -
lí i
   
i i t 
ltt -  
t 
li
l  tt
 78"
 t  l 9 t i  t lit 9
-l   t  
 9 i  
( i&
i    9- i  it j  ' it   i    
  ) 
å   /   (l i : í it i i
    -ti

 t
i l t  i  t t 
  
/
   *        
i t t 
 9  
$    73---4 t it 9 i    l   l 

'!
i "  j t  i!
i " 
  t   
 i    i i i  '     t   t 
ti  

c
c
os mesmos: a irrealização do desejo amoroso, o liberalismo e da poesia social e libertária. Esse
conflito entre o eu e o mundo, a fuga para a período era também chamado de condoreiro. E
morte. Tudo tangido por um prosaísmo de onde vem essa palavra?
mundano. Objetos do cotidiano do poeta, como O condor é uma ave que consegue voar
um charuto, um cachimbo, o vestido de chita, acima da Cordilheira dos Andes, assim como
um cigarro sarrento, ganham direito à existência eram os ideais dessa geração. Os poetas
poética. condoreiros tinham ideais tão elevados que,
semelhantes ao vôo da ave,podiam alcançar
grandes alturas.
O poeta foge para o estereótipo de um mundo O grande poeta desse período é 2
real, ou seja, um mundo que existe, mas que de  ) , que tinha como temas principais: a
fato não é o seu. Sabe-se que Álvares de %) /, a  -M[ % e o Ô K %.
Azevedo era um filho de família rica que nunca Veja sua imagem:
passou por privações materiais. Por isso, ao
tentar figurar a realidade das classes menos
favorecidas (como nos poemas em que fala do
amor a uma lavadeira ou do poeta sem
dinheiro), opera, em outros moldes, uma
idealização semelhante à da primeira parte. Em
outras palavras, quando o poeta tenta romper
com o misticismo da primeira parte, cai numa
idealização às avessas, pois ainda se encontra
preso às formas impostas pela estética
romântica.

Por sua poesia abolicionista, de denúncia das


injustiças e repudio pela escravatura, Castro
2 Ô  [ é outro importante autor
desse momento. Emsua obra destacaram-se o Alves até hoje é conhecido como o -  
pessimismo característico do mal do século e o %).
saudosismo, não só da terra da terra natal, mas Veja um fragmento de um de seus textos mais
também da infância. Foi um dos poetas mais famosos:
populares do Romantismo, principalmente pela
linguagem fácil e pelo lirismo ingênuo de seus ') ' , 
poemas.Veja um fragmento de seu texto mais
famoso: µStamos em pleno mar... Do firmamento
Os astros saltam como espumas de ouro...

O mar em troca acende as ardentias
Meus oito anos
Constelações do líquido tesouro (...)
Oh! Que saudades que tenho Era um sonho dantesco...O tombadilho
Da aurora da minha vida, Que das luzernas avermelha o brilho,
Da minha infância querida Em sangue a se banhar.
Que os anos não trazem mais! Tinir de ferros...estalar do açoite...
Que amor, que sonhos, que flores, Legiões de homens negros como a noite,
Horrendos a dançar...
Naquelas tardes fagueiras Negras mulheres, suspendendo às tetas
À sombra das bananeiras, Magras crianças, cujas bocas pretas
Debaixo dos laranjais! (...) Rega o sangue das mães:
Casimiro de Abreu Outras, moças...nuas e espantadas,
No turbilhão de espectros arrastadas,
Em ânsia e mágoa vãs(...)
Ê2  ( Levantai-vos, heróis do Novo Mundo...
Andrada! arranca este pendão dos ares!
Colombo! fecha a porta de teus mares!

E
Castro Alves
para concluirmos temos a
Ê2   5(
S'Ê 2,marcada pelo
aprofundamento do espírito nacionalista, do

c
c
2) 22# Nesses versos de Castro
Alves estão presentes as seguintes
características da poesia romântica:

a) O sentimento nacionalista, a exaltação da


paisagem tropical e a versificação com metros
variados.
b) A defesa da causa abolicionista, o fascínio
pelos largos espaços naturais e a preferência
por versos brancos.
c) A repulsa pelo amor carnal, o recolhimento
em ambientes intimistas e uma linguagem
bastante coloquial.
d) A consagração do amor na morte, o apego
aos cenários noturnos e o culto de símbolos do
Cristianismo.
e) O conflito entre os anseios e o destino, a
idealização da natureza e a variação de tons
emotivos na linguagem.

3)1 F;Ê# Nesta estrofe de ³Mocidade e


Castro Alves Morte´, de Castro Alves,reúnem-se, como numa
espécie de súmula, vários dos temas e aspectos
mais característicos de sua poesia. São eles:
Não se esqueça de que: o Romantismo,
em nosso país, foi o movimento responsável a) Identificação com a natureza,
pela manifestação de uma literatura condoreirismo, erotismo franco, exotismo.
genuinamente brasileira. b) Aspiração de amor e morte, titanismo,
 sensualismo, exotismo.
B2E2 ; c) Sensualismo, aspiração de absoluto,
nacionalismo, orientalismo.
1)2T'U # Poemas como ³I ± Juca d) Personificação da natureza, hipérboles,
Pirama´, ³Canto do Piaga´ e sensualismo velado, exotismo.
³Marabá´são representativos de certo momento e) Aspiração de amor e morte,
da Literatura rasileira. condoreirismo, hipérboles, orientalismo.
Trata-se:
a) Da poesia épica árcade;
4)1#
b) Da primeira geração romântica;
c) Da terceira geração romântica
Valente na guerra
d) Da primeira geração modernista;
Quem há, como eu sou?
e) Da segunda geração romântica.
Quem vibra o tacape
Com mais valentia?
As questões que se seguem tomam por base os Quem golpes daria
versos abaixo: Fatais como eu dou?
_ Guerreiros, ouvi-me;
Oh! Eu quero viver, beber perfumes _ Quem há, como eu sou?
Na flor silvestre, que embalsama os ares;
Ver minh¶ alma adejar pelo infinito, A estrofe transcrita faz parte do poema ³O
Qual branca vela n¶ amplidão dos mares. Canto do Guerreiro´, de Gonçalves Dias.
No seio da mulher há tanto aroma ... Tendo-se em vista o indianismo romântico:
Nos seus beijos de fogo há tanta vida ...
_ Árabe errante, vou dormir à tarde a) Pode-se considerar a estrofe como expressão
verdadeira da realidade indígena.
À sombra fresca da palmeira erguida.
b) Pode-se considerar a estrofe como uma
Mas uma voz responde-me sombria:
imagem idealizada do índio.
Terás o sono sob a lájea fria. c) Pode-se considerar a estrofe como uma
verdadeira expressão épica do condoreirismo.
d) Pode-se considerar a estrofe como uma falsa
imagem do índio, típica do misticismo.

c
c
8 
i   t 
    
i  í i tíi
 li  
il  i i
 it  































































c
c


c
 c