Qualidade no ensino superior: O Papel da Universidade de R$ 1,99

Se repararmos na propaganda feita por algumas universidades, nos lembraremos dos comerciais de supermercados ou lojas de produtos vendidos a R$ 1,99. Precinho baratinho para que todos possam freqüentar. O sonho de todo professor seria que todos tivessem acesso à universidade, preferencialmente à públicas, pergunto: Então que tipo de profissionais certas universidades estão formando hoje? Todos passamos pelo período da alfabetização para atingirmos outros níveis de conhecimento e para isto precisamos ter uma professora alfabetizadora competente. O que tenho visto, e não raras vezes, são professores alfabetizadores que tiveram acesso à universidade sim, mas acesso a estas que são famosas por seus comerciais de “liquidação” de cursos, pessoas que tiveram acesso ao ambiente escolar e não ao conhecimento. Temos hoje em dia pedagogos e profissionais de outras áreas, sendo formados em universidades que não se preocupam nem ao menos se o aluno escreve e fala corretamente. Por que isto tem acontecido? A resposta é simples, algumas universidades entenderem a educação como produto cujo propósito é dar lucro simplesmente e desta forma não conseguiremos formar profissionais realmente competentes, reflexivos, completos. Muitos alunos que tem acesso a estas universidades são egressos da rede pública de ensino , trazem como bagagem muitas falhas em seu aprendizado, seja por falta de recursos das escolas, seja por falta de vontade de alguns profissionais. São alunos que chegam à universidade sem ao menos saber escrever direito, pois o que tinha que ser feito pela escola nos níveis de escolarização que antecedem a universidade não foi feito, mas como passaram no vestibular tem direito a freqüentar seus cursos. Se o estudante vem de um sistema falho até o ensino médio e a universidade oferece os tais cursos de R$ 1,99, ela deve ao menos fazer o que não foi feito no ensino médio, deve dar o suporte para que ao final do curso seus alunos sejam formados integralmente, que sejam cidadãos éticos e no mínimo escrevam e falem corretamente. Que sejam profissionais que possam competir no mercado de trabalho da mesma forma que os formados pelas universidades públicas. É louvável a iniciativa de tais universidades manterem cursos a preços populares, pois assim facilitamos o acesso ao ensino superior a todos, sabemos que uma mensalidade escolar pesa e muito no orçamento, mas ofertar cursos baratos sem qualidade é o mesmo que não ofertar nada ou pior ainda, é o mesmo que prometer dar uma bola e ao final entregar uma bolha de sabão.

O aluno que ingressa no ensino superior o faz cheio de sonhos, imaginando que ao final do curso ele possa progredir profissional e financeiramente e muitas vezes este sonho se vê destruído por conta do desrespeito da universidade com relação a este aluno, quando a instituição escolar que teria obrigação de forma-lo de forma completa não o faz. É necessário que ao término dos cursos tenhamos formado profissionais realmente competentes que ao freqüentar um curso de graduação adquiriram conhecimento e não termos universidades que simplesmente fornecem um diploma em 36, 48 ou 60 vezes, pois seus cursos não tem a menor qualidade. Uma universidade se faz com professores comprometidos, com ética e respeito ao ser humano, pois ensinar de qualquer forma é negar ao cidadão a possibilidade de crescimento. Sabemos que o próprio mercado de trabalho vai selecionar os profissionais depois de formados, mas sabemos também que até o profissional com formação deficiente acaba sendo absorvido por este mercado, portanto é necessária uma urgente mudança de objetivos das universidades para que a educação não seja apenas mais um produto a ser vendido e sim um bem maior a ser conquistado.

Autora: Yara R. Gonçalves Dias Consultora em Segurança especialista em escolas e condomínios.Graduada em Direito e Pedagogia, cursando último semestre do MBA em Gestão Estratégica de Segurança Empresarial. Artigo publicado no jornal Diário da Manhã, Goiânia – GO - 27/10/2009

e-mail: yara@eagleseg.com.br

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful