Você está na página 1de 14

SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS

Língua Portuguesa

FOLHA DE ROSTO ORIENTATIVA PARA PROVA OBJETIVA


LEIA AS ORIENTAÇÕES COM CALMA E ATENÇÃO!

INSTRUÇÕES GERAIS

● Atenção ao tempo de duração da prova, que já inclui o preenchimento da folha de respos-


tas.
● Cada uma das questões da prova objetiva está vinculada ao comando que imediatamente
a antecede e contém orientação necessária para resposta. Para cada questão, existe
apenas UMA resposta válida e de acordo com o gabarito.
● Faltando uma hora para o término do simulado, você receberá um e-mail para preencher
o cartão-resposta, a fim de avaliar sua posição no ranking. Basta clicar no botão vermelho
de PREENCHER GABARITO, que estará no e-mail, ou acessar a página de download da
prova. Você deve fazer o cadastro em nossa plataforma para participar do ranking. Não
se preocupe: o cadastro é grátis e muito simples de ser realizado.
– Se a sua prova for estilo Certo ou Errado (CESPE/CEBRASPE):
marque o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo
designado com o código E, caso julgue o item ERRADO. Se optar por não responder
a uma determinada questão, marque o campo “EM BRANCO”. Lembrando que, neste
estilo de banca, uma resposta errada anula uma resposta certa.
Obs.: Se não houver sinalização quanto à prova ser estilo Cespe/Cebraspe, apesar
de ser no estilo CERTO e ERRADO, você não terá questões anuladas no cartão-
resposta em caso de respostas erradas.
– Se a sua prova for estilo Múltipla Escolha:
marque o campo designado com a letra da alternativa escolhida (A, B, C, D ou E). É
preciso responder a todas as questões, pois o sistema não permite o envio do cartão
com respostas em branco.
● Uma hora após o encerramento do prazo para preencher o cartão-resposta, você receberá um
e-mail com o gabarito para conferir seus acertos e erros. Caso você seja aluno da Assinatura
Ilimitada, você receberá, com o gabarito, a prova completa comentada – uma vantagem
exclusiva para assinantes, com acesso apenas pelo e-mail e pelo ambiente do aluno.

Em caso de solicitação de recurso para alguma questão, envie para o e-mail:


treinodificil_jogofacil@grancursosonline.com.br.

2 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

TEXTO
FERNANDO MOURA

TEXTO 1

A democracia, para Norberto Bobbio, caracteriza-se pela constituição pactuada de um


conjunto de regras fundamentais que estabelecem quem está autorizado a tomar decisões
coletivas e com quais procedimentos. Essas regras são denominadas por Bobbio como uni-
versais processuais: “1) todos os cidadãos que tenham alcançado a maioridade etária, sem
distinção de raça, religião, condição econômica, sexo, devem gozar de direitos políticos […];
2) o voto de todo cidadão deve ter igual peso; 3) todos aqueles que gozam dos direitos políti-
cos devem ser livres para votar […]; 4) devem ser livres também no sentido de que devem ser
colocados em condições de escolher entre diferentes soluções […]; 5) seja para as eleições,
seja para as decisões coletivas, deve valer a regra da maioria numérica […]; 6) nenhuma
decisão tomada por maioria deve limitar os direitos da minoria […]”.
Norberto Bobbio considera que a liberdade política deve ser condição elementar para a
tomada de decisões, assim como sustenta que se deve aplicar a regra da maioria tanto para
eleições de governantes quanto para tomada de decisões por colegiados.
Para Bobbio, enquanto a liberdade é um valor para os indivíduos compreendidos isola-
damente, a igualdade é um valor para os indivíduos compreendidos na relação social: “[…] o
conceito e o valor da igualdade pressupõem, para sua aplicação, a presença de uma plurali-
dade de entes, cabendo estabelecer que tipo de relação existe entre eles […]”.
A lição de Bobbio afiança que a igualdade não é pressuposto para a aplicação do prin-
cípio da maioria e, por essa razão, a igualdade não pode justificar o princípio da maioria. O
autor exemplifica que, em muitos casos, o princípio da maioria é considerado, mas os votos
não são todos iguais: “Mesmo uma hipotética votação política com voto múltiplo (mas vigora
com frequência a regra de que, em caso de empate de votos, o voto do presidente conta por
dois) não contradiria o princípio da maioria, embora não respeitando o princípio democrático
do valor igual dos indivíduos”.
O mestre italiano assevera que a regra da maioria permite que cada cidadão possua
direito de voto proporcional à sua posição no jogo democrático, o que implica a desigualdade
de votos quando aplicada a regra da maioria para decisões coletivas.
Vanderlei Antônio Corrêa. In: https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-constitucional/a-demo-
cracia-moderna-na-concepcao-de-norberto-bobbio (com adaptações)

3 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

Considerando as ideias e os aspectos linguísticos do Texto 1, julgue os itens que


se seguem.

1. Segundo o autor do texto, a democracia tem como característica a constituição pac-


tuada de uma série de regras fundamentais que estabelecem quem está autori-
zado a tomar decisões coletivas e com quais procedimentos, o que se denomina
regras universais processuais.

2. A liberdade política, na perspectiva de Norberto Bobbio, pode ser condição elementar


para a tomada de decisões; ademais, a regra da maioria pode ser aplicada tanto para
eleições de governantes como para tomada de decisões por colegiados.

3. Numa perspectiva metalinguística, a liberdade e a igualdade apresentam, para Bobbio,


elementos antagônicos no nível conceitual.

4. Infere-se do texto que, em votação política com voto múltiplo, por exemplo, o prin-
cípio da maioria é aplicado, por respeitar, também, o princípio democrático do valor
igual dos indivíduos.

5. Dado o emprego da partícula “se” em “(...) que se deve aplicar a regra da maioria tanto
para eleições de governantes quanto para tomada de decisões por colegiados”, não é
possível determinar, de modo preciso, o agente da locução verbal “deve aplicar”.

6. O período “O mestre italiano assevera que a regra da maioria permite que cada cidadão
possua direito de voto proporcional à sua posição no jogo democrático” poderia ser cor-
retamente reescrito da seguinte forma: “O mestre italiano abona que a regra da maioria
consente que cada um dos cidadãos possuam direito de voto proporcional a sua posi-
ção no jogo democrático”.

7. Nos trechos “(...) todos os cidadãos que tenham alcançado a maioridade etária” e “(...)
todos aqueles que gozam dos direitos políticos devem ser livres para votar”, o vocábulo
“que”, nas duas ocorrências, desempenha a função sintática de sujeito nas orações em
que se insere.

8. No texto, o emprego obrigatório das aspas evidencia a inserção de discurso alheio.

4 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

TEXTO 2

O que me tranquiliza é que tudo o que existe, existe com uma precisão absoluta. O que
for do tamanho de uma cabeça de alfinete não transborda nem uma fração de milímetro além
do tamanho de uma cabeça de alfinete. Tudo o que existe é de uma grande exatidão. Pena
é que a maior parte do que existe com essa exatidão nos é tecnicamente invisível. Apesar da
verdade ser exata e clara em si própria, quando chega até nós se torna vaga, pois é tecnica-
mente invisível. O bom é que a verdade chega a nós como um sentido secreto das coisas.
Nós terminamos adivinhando, confusos, a perfeição.
Clarice Lispector. In: A descoberta do mundo (1967).

Considerando as ideias e os aspectos linguísticos do Texto 2, julgue os itens seguintes.

9. A autora do texto apresenta um pensamento filosófico sobre a existência das coisas e


traça uma linha de raciocínio que conduz o leitor a refletir sobre o que é visível e invisível.

10. Quanto à tipologia, o texto classifica-se em narrativo, uma vez que se conta uma histó-
ria pessoal que não se baseia apenas na materialidade, mas também nos sentimentos
e na compreensão do próprio mundo do narrador-personagem.

11. O trecho “Apesar da verdade ser exata e clara em si própria, quando chega até nós se torna
vaga, pois é tecnicamente invisível” fere, em rigor, o padrão culto da língua portuguesa.

12. Sem alteração do seu sentido original e da sua correção gramatical, os dois primeiros
períodos do texto poderiam ser assim reescritos: “O que me tranquiliza é que tudo o que
existe; existe com uma precisão absoluta; aquilo que for da dimensão de uma cabeça
de alfinete não transbordará nem uma fração de milímetro além do tamanho de uma
cabeça de alfinete”.

13. Em “Nós terminamos adivinhando, confusos, a perfeição”, o termo “confusos”


tem função predicativa.

5 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

14. No trecho “Pena é que a maior parte do que existe com essa exatidão nos é tecnica-
mente invisível”, pode-se empregar a forma “existem”, sem prejuízo para a correção
gramatical e para a coerência textual.

15. Em “O que for do tamanho de uma cabeça de alfinete não transborda nem uma fração
de milímetro além do tamanho de uma cabeça de alfinete”, o verbo “transborda” está na
terceira pessoa do singular para concordar com o pronome demonstrativo “O”.

GRAMÁTICA
ELIANE FONTANA

SELFIES

1  Muita gente se irrita, e tem razão, com o uso indiscriminado dos celulares. Fossem
só para falar, já seria ruim. Mas servem também para tirar fotografias, e com isso somos
invadidos no Facebook com imagens de gatos subindo na cortina, focinhos de cachorro
farejando a câmera, pratos de torresmo, brownie e feijoada.
5 Se depender do que vejo com meus filhos — dez e 12 anos —, o tempo dos “selfies” está
de todo modo chegando ao fim. Eles já começam a achar ridícula a mania de tirar retratos de
si mesmo em qualquer ocasião. Torna-se até um motivo de preconceito para com os colegas
 “Fulaninha? Tira fotos na frente do espelho.” Hábito que pode ser compreensível, con-
tudo. Imagino alguém dedicado a melhorar sua forma física, registrando seus progressos
10 semanais. Ou apenas entregue, no início da adolescência, à descoberta de si mesmo.
 A bobeira se revela em outras situações: é o caso de quem tira um “selfie” tendo ao
fundo a torre Eiffel, ou (pior) ao lado de, sei lá, Tony Ramos ou Cauã Reymond.
 Seria apenas o registro de algo importante que nos acontece — e tudo bem. O proble-
ma fica mais complicado se pensarmos no caso das fotos de comida. Em primeiro lugar,
15 vejo em tudo isso uma espécie de degradação da experiência.
 Ou seja, é como se aquilo que vivemos de fato — uma estadia em Paris, o jantar num
restaurante — não pudesse ser vivido e sentido como aquilo que é.
 Se me entrego a tirar fotos de mim mesmo na viagem, em vez de simplesmente viajar,
posso estar fugindo das minhas próprias sensações. Desdobro o meu “self” (cabe bem a
20 palavra) em duas entidades distintas: aquela pessoa que está em Paris, e aquela que tira
a foto de quem está em Paris.
 Pode ser narcisismo, é claro. Mas o narcisismo não precisa viajar para lugar nenhum.
A complicação não surge do sujeito, surge do objeto. O que me incomoda é a torre Eiffel;
o que fazer com ela? O que fazer de minha relação com a torre Eiffel?
25  Poderia unir-me à paisagem, sentir como respiro diante daquela triunfal elevação de
ferro e nuvem, deixar que meu olhar atravesse o seu duro rendilhado que fosforesce ao

6 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

sol, fazer-me diminuir entre as quatro vigas curvas daquela catedral sem clero e sem
paredes.
 Perco tempo no centro imóvel desse mecanismo, que é como o ponteiro único de
30 um relógio que tem seu mostrador na circunferência do horizonte. Grupos de turistas se
fazem e desfazem, há ruídos e crianças.
 Pego, entretanto, o meu celular: tiro uma foto de mim mesmo na torre Eiffel. O mundo
se fechou no visor do aparelho. Não por acaso eu brinco, fazendo uma careta idiota; dou
de costas para o monumento, mas estou na verdade dando as costas para a vida.
35  Não digo que quem tira a foto da cerveja deixe de tomá-la logo depois. Mas intervém
aí um segundo aspecto desse “empobrecimento da experiência”. Tomar cerveja não é o
bastante. Preciso tirar foto da cerveja. Por quê?
 Talvez porque nada exista de verdade, no mundo contemporâneo, se não for na for-
ma de anúncio, de publicidade. Não estou apenas contando aos meus seguidores do
40 Facebook que às 18h42 de sábado estava num bar tomando umas. Estou dizendo isso
a mim mesmo. Afinal, os meus seguidores do Facebook, sei disso, não estão assim tão
interessados no fato.
 Não basta a sede, não basta o prazer, não basta a vontade de beber. Tenho de cons-
tituí-la como objeto publicitário. Preciso criar a mediação, a barreira, o intervalo entre o
45 copo e a boca.
 Vejam, pergunto a meus seguidores inexistentes, “não é sensacional?”. Eis uma cer-
veja, a da foto, que nunca poderá ser tomada. A foto do celular imortaliza o banal, morrerá
ela mesma em algum arquivo que apagarei logo depois.
 Não importa; fiz meu anúncio ao mundo. Beber a cerveja continua sendo bom. Mas
50 talvez nem seja tão bom assim, porque de alguma forma a realidade não me contenta.
 A imagem engoliu minha experiência de beber; já não estou sozinho. Mesmo que
ninguém me veja, o celular roubou minha privacidade; é o meu segundo eu, é a minha
consciência, não posso andar sem ele, sabe mais do que nunca saberei, estará ligado
quando eu morrer.
55  Talvez as coisas não sejam tão desesperadoras. Imagine-se que daqui a cem anos,
depois de uma guerra atômica e de uma catástrofe climática que destruam o mundo civi-
lizado, um pesquisador recupere os “selfies” e as fotos de batata frita.
Marcelo Coelho. Disponível em: <https://m.folha.uol.com.br>

Julgue os itens com base nos aspectos morfossintáticos do texto.

16. No trecho “não basta a vontade de beber” (l. 43), o termo destacado exerce função sin-
tática de objeto direto da forma verbal “basta”.

7 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

17. Na linha 6, o pronome anafórico “Eles” tem a função coesiva de retomar o termo “meus
filhos” (l. 5).

18. No trecho “Desdobro o meu ‘self’ (cabe bem a palavra) em duas entidades distintas:
aquela pessoa...” (l. 19-20), a substituição do sinal de dois pontos por um travessão
antecedendo a palavra “aquela” mantém correta a pontuação do período.

19. Em “daqui a cem anos,” (l. 55), a substituição de “a” por “há” mantém a correção
gramatical do trecho.

20. Em “fazer-me diminuir entre as quatro vigas” (l. 27), a palavra “me” transfere ao con-
texto a ideia de reflexividade do verbo “deixar” e é sujeito da forma infinitiva.

21. No trecho “há ruídos e crianças”, o verbo “há” pode ser substituído por “existe”, sem
prejuízo para a correção gramatical e para a coerência textual.

22. A expressão “mesmo que” (l. 51) estabelece uma relação de adversidade no período
e pode ser substituída, sem prejuízo para as relações gramaticais, por “entretanto”,
“apesar de” e “ainda que”.

23. Em “O problema fica mais complicado se pensarmos no caso das fotos de comida” (l. 13
e 14) e em “Se depender do que vejo” (l. 4), as duas ocorrências da palavra “SE”, nas
duas orações, podem ser caracterizadas com a mesma função.

24. A palavra “catástrofe” (l. 56) é acentuada pela mesma regra que justifica a acentuação
dos vocábulos “ridícula” (l. 6) e “relógio” (l. 30).

25. Em “Poderia unir-me à paisagem” (l. 25), o acento grave pode ser retirado sem prejuízo
para a correção gramatical e para a coerência textual.

8 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

GRAMÁTICA
CLAITON NATAL

ESCUTATÓRIA

1  Sempre vejo anunciados cursos de oratória. Nunca vi anunciado curso de escutató-


ria. Todo mundo quer aprender a falar. Ninguém quer aprender a ouvir. Pensei em ofere-
cer um curso de escutatória. Mas acho que ninguém vai se matricular.
 Escutar é complicado e sutil. Diz o Alberto Caeiro que “não é bastante não ser cego
5 para ver as árvores e as flores. É preciso também não ter filosofia nenhuma”. Filosofia
é um monte de ideias, dentro da cabeça, sobre como são as coisas. Aí a gente que não
é cego abre os olhos. Diante de nós, fora da cabeça, nos campos e matas, estão as ár-
vores e as flores. Ver é colocar dentro da cabeça aquilo que existe fora. O cego não vê
porque as janelas dele estão fechadas. O que está fora não consegue entrar. A gente não
10 é cego. As árvores e as flores entram. Mas – coitadinhas delas – entram e caem num
mar de ideias. São misturadas nas palavras da filosofia que mora em nós. Perdem a sua
simplicidade de existir. Ficam outras coisas. Então, o que vemos não são as árvores e as
flores. Para se ver é preciso que a cabeça esteja vazia.
 Faz muito tempo, nunca me esqueci. Eu ia de ônibus. Atrás, duas mulheres conver-
15 savam. Uma delas contava para a amiga os seus sofrimentos. (Contou-me uma amiga,
nordestina, que o jogo que as mulheres do Nordeste gostam de fazer quando conversam
umas com as outras é comparar sofrimentos. Quanto maior o sofrimento, mais bonitas são
a mulher e a sua vida. Conversar é a arte de produzir-se literariamente como mulher de
sofrimentos. Acho que foi lá que a ópera foi inventada. A alma é uma literatura. É nisso que
20 se baseia a psicanálise...) Voltando ao ônibus. Falavam de sofrimentos. Uma delas contava
do marido hospitalizado, dos médicos, dos exames complicados, das injeções na veia – a
enfermeira nunca acertava –, dos vômitos e das urinas. Era um relato comovente de dor. Até
que o relato chegou ao fim, esperando, evidentemente, o aplauso, a admiração, uma pala-
vra de acolhimento na alma da outra que, supostamente, ouvia. Mas o que a sofredora ouviu
25 foi o seguinte: “Mas isso não é nada...” A segunda iniciou, então, uma história de sofrimentos
incomparavelmente mais terríveis e dignos de uma ópera que os sofrimentos da primeira.
 Parafraseio o Alberto Caeiro: “Não é bastante ter ouvidos para se ouvir o que é dito. É
preciso também que haja silêncio dentro da alma.” Daí a dificuldade: a gente não aguenta
ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor, sem misturar o que ele diz com
30 aquilo que a gente tem a dizer. Como se aquilo que ele diz não fosse digno de descan-
sada consideração e precisasse ser complementado por aquilo que a gente tem a dizer,
que é muito melhor. No fundo somos todos iguais às duas mulheres do ônibus. Certo es-
tava Lichtenberg – citado por Murilo Mendes: “Há quem não ouça até que lhe cortem as

9 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

orelhas.” Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil da nossa


35 arrogância e vaidade: no fundo, somos os mais bonitos...
Rubem Alves.

26. No último período do primeiro parágrafo, a fim de que o período obedeça às regras de
colocação pronominal, o pronome pode ser empregado nas seguintes posições: se vai
matricular e vai matricular-se.

27. Na linha 4, o vocábulo “que” classifica-se como conjunção e introduz o sujeito da oração
“Diz o Alberto Caeiro”.

28. Mantêm-se a correção gramatical e o sentido original do período ao se substituir o


conectivo “porque” (l. 9) por qualquer um dos seguintes termos: porquanto, visto que,
uma vez que.

29. O emprego da vírgula imediatamente após o segundo travessão (l. 22) justifica-se pela
mesma regra gramatical da empregada imediatamente “aplauso” (l. 23).

30. Nas linhas 28, 29 e 30, o elemento “que” possui, em todas as ocorrências, a proprie-
dade de retomar palavras ou expressões que o antecedem.

31. No trecho “No fundo somos todos iguais às duas mulheres do ônibus” (l. 32), a retirada
do sinal indicativo de crase no vocábulo “às” prejudicaria a correção gramatical do texto.

32. Sem prejuízo dos sentidos e da correção gramatical do texto, o trecho “Há quem não
ouça até que lhe cortem as orelhas” (l. 33 e 34) poderia ser reescrito da seguinte
maneira: Há quem não ouça até que cortem as suas orelhas.

33. A inserção de uma vírgula imediatamente após “de ouvir” (l. 34) mantém a correção
gramatical do trecho.

34. Na linha 8, a substituição da forma verbal “existe” por há mantém a correção e a


coerência do trecho.

35. A alteração da forma verbal “mora” (l. 11) para o plural – moram – não comprome-
teria a correção gramatical do período em que tal forma aparece, mas modificaria
seu sentido original.

10 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

REDAÇÃO OFICIAL
LUCAS LEMOS

Solicitamos a liberação dos materiais genéticos necessários para análise do processo


de exame de DNA.

Considerando que o trecho de texto apresentado anteriormente seja parte de um docu-


mento oficial hipotético (Xx/2020) enviado à ANVISA pela empresa particular, também hipo-
tética, Lemos Ltda., julgue os itens a seguir à luz do disposto no Manual de Redação da
Presidência da República (MRPR) sobre a redação oficial.

36. O seguinte trecho seria adequado, quanto à concisão, à clareza e à correção, para
constar em documento de resposta à solicitação feita pela empresa Lemos.
Segue o documento de liberação dos produtos mencionados no documento Xx/2020
enviado a esta Agência.

37. O local e a data de emissão do documento de resposta à solicitação da Lemos deverão


ser alinhados à esquerda, podendo ter o seguinte formato: BsB, 30/12/2020.

38. Informações como o nome do órgão ou setor expedidor e o endereço postal devem
constar no cabeçalho ou no rodapé do documento de resposta ao documento da Lemos,
sendo insuficiente sua menção apenas no envelope de endereçamento.

39. No fecho do documento que for utilizado pela ANVISA para responder ao expediente da
Lemos, deve-se empregar o termo “Respeitosamente”.

40. Situação hipotética: A Lemos enviou seu documento a uma autoridade incompetente
para apreciar a solicitação nele constante e, por isso, a pessoa que o recebeu deve
encaminhá-lo ao setor competente para as devidas providências.
Assertiva: Nessa situação, o encaminhamento deverá ser feito por meio de ofício de
encaminhamento.

41. O seguinte parágrafo de conclusão para o documento a ser enviado à Lemos não aten-
derá às recomendações constantes no MRPR quanto à concordância do pronome
possessivo:
Colocamo-nos à vossa disposição para o esclarecimento de eventuais dúvidas.

11 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

42. Situação hipotética: O responsável pelo atendimento da demanda da Lemos deve


reportar-se ao diretor-presidente da ANVISA, em documento interno, para dirimir dúvi-
das antes de responder definitivamente à solicitação da empresa.
Assertiva: Nessa situação, deve ser empregado, nesse documento interno, o vocativo
“Excelentíssimo Senhor Diretor-presidente”, uma vez que tal comunicação dirige-se ao
ocupante do cargo de maior hierarquia na agência.

43. Ao final do documento a ser enviado em resposta à Lemos, deverão constar a assina-
tura, o nome e o cargo do emissor do documento.

44. O documento enviado pela Lemos é uma mensagem.

45. Sabendo-se que redação oficial é a maneira pela qual o poder público redige atos nor-
mativos e comunicações e que o MRPR dispõe sobre o padrão de documentos adotado
por órgãos do Poder Executivo, é correto inferir que a Lemos pode adotar padrão pró-
prio para suas comunicações com a ANVISA.

12 www.grancursosonline.com.br
SIMULADO PREPARATÓRIO PARA CONCURSOS
Língua Portuguesa

FOLHA DE RESPOSTAS

1. 16. 31.

2. 17. 32.

3. 18. 33.

4. 19. 34.

5. 20. 35.

6. 21. 36.

7. 22. 37.

8. 23. 38.

9. 24. 39.

10. 25. 40.

11. 26. 41.

12. 27. 42.

13. 28. 43.

14. 29. 44.

15. 30. 45.

13 www.grancursosonline.com.br