Você está na página 1de 41

vivem em condições miseráveis, ou seja, a

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO renda mensal familiar não passa de metade
(Unirio 2000) Leia os excertos abaixo, tirados do salário mínimo.
da revista Veja; em seguida, responda à O desafio é tão dramático que muita gente
questões propostas. acaba dando de ombros, convencida de que
se chegou a uma situação da qual não há
TEXTO I retorno. É um erro. Neste momento, milhares
O controle dos genes envolvidos no de fundações e organizações não
processo de envelhecimento será uma das governamentais, ONGs, estão demonstrando
maiores conquistas da história da sociedade como boas idéias, um pouco de dinheiro e
humana. A grande maioria das doenças, muita disposição podem mudar essa
entre elas o câncer, o diabetes e os realidade para melhor. Se elas conseguem
problemas cardíacos, está relacionada ao realizar transformações positivas em
envelhecimento e raramente acomete os universos limitados o bom senso indica que
jovens. Em sua versão final, o controle basta copiar o exemplo apropriado. Estima-se
genético do processo de envelhecimento que só as fundações (...) estejam investindo
resultará em pessoas que se mantêm por 500 milhões de reais por ano numa infinidade
muito tempo com saúde física semelhante à de programas de cunho educacional, cultural,
de um jovem de 20 anos. Mas o corpo esportivo, de saúde, lazer e até mesmo de
humano na sua forma atual não é compatível estímulo a iniciativas governamentais bem-
com a imortalidade física. Nem é nosso sucedidas. Estão mostrando como é possível,
objetivo criar pessoas imortais. Para nós, o se não resolver o problema de milhões, pelo
importante é como se vive durante a velhice. menos prevenir o de centenas de milhares e
Não se trata de prolongar simplesmente a recuperar outros tantos.
velhice de forma indefinida, com velhos
vivendo limitadamente, mas de garantir que 1. O menino foi para Pirajuí.
as condições físicas da juventude sejam Ele ficou no internato de Pirajuí até os 17
mantidas por mais tempo. anos.
Reunindo as duas frases num só período,
através do emprego de um pronome relativo,
TEXTO II segundo o registro culto da língua, está
Com a morte da mãe, o lar correto apenas um dos períodos abaixo.
desmoronou e o menino foi internado, por Marque-o.
ordem judicial, em um orfanato da cidade de a) O menino, que foi para Pirajuí, ficou no
Pirajuí, onde ficou até os 17 anos. Quando internato até os 17 anos.
saiu, voltou para casa, reencontrou o pai e os b) O menino foi para Pirajuí em cujo internato
irmãos, mas nenhuma esperança. Vivia de ficou até os 17 anos.
biscates, trabalhou num mercado e numa c) O menino foi para Pirajuí no qual internato
borracharia, depois na lanchonete. Até que ficou até os 17 anos.
um dia atendeu um rapaz forte e espigado no d) O menino foi para Pirajuí, no qual ficou até
balcão. "Como você conseguiu ficar assim?", os 17 anos no internato.
perguntou Claudinei. "Fazendo atletismo", e) O menino foi para Pirajuí, onde ficou no
respondeu o outro, orgulhoso. No dia internato até os 17 anos.
seguinte começava a tardia carreira de
campeão. "A vida transformou o Claudinei TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
num forte", diz Jayme Netto Júnior, seu (Ufv 99) ESSAS MÃES MARAVILHOSAS E
treinador no Clube Funilense de Presidente SUAS MÁQUINAS INFANTIS
Prudente, interior de São Paulo. "Quanto
maior a pressão, maior é a sua capacidade de 1 Flávia logo percebeu que as outras
superação." moradoras do prédio, mães dos amiguinhos
do seu filho, Paulinho, seis anos, olhavam-na
TEXTO III com um ar de superioridade. Não era para
Do lado de fora dos muros da Febem, menos. Afinal o garoto até aquela idade -
a realidade da infância no Brasil é igualmente imaginem - se limitava a brincar e ir à escola.
revoltante. Segundo dados do IBGE, 40% das Andava em total descompasso com os outros
crianças brasileiras entre zero e 14 anos meninos, que já desenvolveram múltiplas e
variadas atividades desde a mais tenra idade. um torneio surdo nas costas dos filhos. Flávia
O recorde, por sinal, pertencia ao garoto passou a desconfiar de que seu filho era um
Peter, filho de uma brasileira e um ser inferior. Resolveu imitar as outras mães, e
canadense, nascido em Nova Iorque. Peter, além da natação colocou Paulinho na
tão logo veio ao mundo entrou para um curso ginástica olímpica, cursinho de artes, inglês,
de amamentação ("Como tirar o leite da mãe judô, francês, terapeuta, logopedista. Botou
em 10 lições"). A mãe descobriu numa revista até aparelho nos dentes do filho. Os
uma pesquisa feita por médicos da Califórnia amiguinhos da rua chamavam Paulinho para
informando sobre a melhor técnica de mamar brincar depois do colégio.
(chamada técnica de Lindstorm, um 13 - Não posso, tenho aula de hipismo.
psicanalista, autor da pesquisa, que para 14 - Depois do hipismo?
realizar seu trabalho mamou até os 40 anos). 15 - Vou pro caratê?
A maneira da criança mamar, afirmam os 16 - E depois do caratê?
doutores, vai determinar suas neuroses na 17 - Faço sapateado.
idade adulta. 18 - Quando poderemos brincar?
2 Uma tarde, Flávia percebeu duas 19 - Não sei. Tenho que ver na agenda.
mães cochichando sobre seu filho: que se 20 Paulinho andava com uma agenda
pode esperar de um menino que aos seis Pombo debaixo do braço. À noitinha chegava
anos só brinca e vai à escola? Flávia começou em casa mais cansado do que o pai em dia
a se sentir a última das mães. Pegou o de plantão. Nunca mais brincou. Tinha todos
marido pelo braço dizendo que os dois os brinquedos da moda, mas só para mostrar
precisavam ter uma conversa com o filho. aos amiguinhos do prédio. Paulinho dava um
3 - O que você gostaria de fazer, duro dos diabos. "Mas no futuro ele saberá
Paulinho? - perguntou o pai dando uma de nos agradecer", dizia o pai. O garoto estava
liberal que não costuma impor suas sendo preparado para ser um super-homem.
vontades. E foi ficando adulto antes do tempo, como
4 - Brincar... uma fruta que amadurece de véspera. Um
5 O pai fez uma expressão grave. dia Flávia flagrou o filho com uma gravata à
6 - Você não acha que já passou um volta do pescoço tentando dar um laço.
pouco da idade, filho? A vida não é uma Quando fez sete anos disse ao pai que a
eterna brincadeira. Você precisa começar a partir daquele dia queria receber a mesada
pensar no futuro. Pensar em coisas mais em dólar. Aos oito anos abriu o berreiro
sérias, desenvolver outras atividades. Você porque seus pais não lhe deram um cartão de
não gostaria de praticar algum esporte? crédito de presente. Com oito anos, entre
7 - Compra um time de botão pra mim. uma aula de xadrez e de sânscrito, Paulinho
8 - Botão não é esporte, filho. saiu de casa muito compenetrado. Os
9 - Arco e flecha! amiguinhos da rua perguntaram onde ele ia:
10 Os pais se entreolharam. Nenhum dos 21 - Vou ao banco.
meninos do prédio fazia curso de arco e 22 Caminhou um quarteirão até o banco,
flecha. Paulinho seria o primeiro. Os vizinhos sentou-se diante do gerente, pediu sugestões
certamente iriam julgá-lo uma criança sobre aplicações e pagou a conta de luz
anormal. Flávia deu um calção de presente como um homenzinho. A façanha do garoto
ao garoto e perguntou por que ele não fazia correu o prédio. A vizinhança começou a
natação. achá-lo um gênio. As mães dos amiguinhos
11 - Tenho medo. deixaram de olhar Flávia com superioridade.
12 Se tinha medo, então era para a Os pais, enfim, puderam sentir-se orgulhosos.
natação mesmo que ele iria entrar. Os medos "Estamos educando o menino no caminho
devem ser eliminados na infância. Paulinho certo", declarou o pai batendo no peito. Na
ainda quis argumentar. Sugeriu alpinismo. Foi festa de 11 anos, que mais parecia um
a vez de os pais tremerem. Mas o medo dos coquetel do corpo diplomático, um tio
pais é outra história. Paulinho entrou para a perguntou a Paulinho o que ele queria ser
natação. Não deu muitas alegrias aos pais. quando crescesse.
Nas competições chegava sempre em último, 23 - Criança!
e as mães dos coleguinhas continuavam 24 Paulinho cresceu. Cresceu fazendo
olhando Flávia com uma expressão superior. cursos e mais cursos. Abandonou a infância,
As mães, vocês sabem, disputam entre elas entrou na adolescência, tornou-se um jovem
alto, forte, espadaúdo. Virou Paulão. Entrou d) "Se tinha medo, então era para a natação
para a faculdade, formou-se em Economia. mesmo que ele iria entrar." (par.12)
Os pais tinham sonhos de vê-lo na Se tinha medo então, era para a natação
Presidência do Banco Central. Casou com mesmo que ele iria entrar.
uma jornalista. Paulão respirou aliviado por
sair debaixo das asas da mãe, que até às e) "Um dia Flávia flagrou o filho com uma
vésperas do casamento queria colocá-lo num gravata à volta do pescoço tentando dar um
curso de preparação matrimonial. Na lua-de- laço." (par.20)
mel, avisou à mulher que iria passar os dias Um dia, Flávia flagrou o filho com uma
em casa dedicando-se à sua tese de gravata à volta do pescoço tentando dar um
mestrado. A mulher ia e vinha do emprego e laço.
Paulão trancado no seu gabinete de estudos.
Uma tarde, o marido esqueceu de passar a TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
chave na porta. A mulher chegou, abriu e deu (Ufal 2000) Língua para inglês ver
de cara com Paulão sentado no tapete
brincando com um trenzinho. A incorporação da língua inglesa aos
(NOVAES, Carlos Eduardo. "A idiomas nativos dos mais diversos países não
cadeira do dentista & outras crônicas." 7. ed. é novidade. Traduz, no âmbito da linguagem,
São Paulo: Ática, 1997. p.15-17.) uma hegemonia que os Estados Unidos
consolidaram desde a década de 50. Com a
Glossário globalização e o encurtamento das distâncias
Caratê - luta corporal em que o indivíduo se entre as nações obtido pelo avanço dos
serve de meios naturais para atacar ou meios de comunicação, a contaminação das
defender-se. demais línguas pelo inglês ficou ainda mais
Espadaúdo - que tem ombros largos. patente.
Hipismo - esporte que compreende O fenômeno não é em si mesmo
equitação, corrida de cavalos, etc. nocivo. Pode até enriquecer um idioma ao
Logopedista - pessoa que se dedica à ciência permitir que se incorporem informações
de corrigir defeitos de pronúncia. vindas de fora que ainda não têm
Sânscrito - antiga língua sagrada e literária correspondência local. A Internet é um
da Índia. exemplo nesse sentido.
Sapateado - dança que se caracteriza por Outra coisa, porém, bem diferente, é o
bater os tacões dos sapatos no chão. uso gratuito de palavras em inglês como o
Terapeuta - pessoa que se aplica a tratar de que se verifica hoje no Brasil. A não ser pela
doenças. vocação novidadeira - e caipira - de quem se
deslumbra diante de qualquer coisa que o
2. Das alterações feitas na pontuação de aproxima do "estrangeiro", não há nenhuma
passagens do texto, aquela em que houve razão para que se diga "sale" no lugar de
sensível mudança de sentido é: liquidação, ou qualquer motivo para falar
a) "Peter tão logo veio ao mundo entrou para "off" em vez de desconto. Tais anomalias são
um curso de amamentação..." (par.1) um dos sintomas do subdesenvolvimento e
Peter, tão logo veio ao mundo, entrou para exprimem, no seu ridículo involuntário, a
um curso de amamentação. mentalidade de quem confunde modernidade
com uma temporada em Miami.
b) "A mãe descobriu numa revista uma Um país como a Alemanha, menos
pesquisa feita por médicos da Califórnia..." vulnerável à influência da colonização da
(par.1) língua inglesa, discute hoje uma reforma
A mãe descobriu, numa revista, uma ortográfica para "germanizar" expressões
pesquisa feita por médicos da Califórnia. estrangeiras, o que já é regra na França. O
risco de se cair no nacionalismo tosco e na
c) "... que se pode esperar de um menino que xenofobia é evidente.
aos seis anos só brinca e vai à escolha?" Não é preciso, porém, agir como
(par.2) Policarpo Quaresma, personagem de Lima
... que se pode esperar de um menino que, Barreto, que queria transformar o tupi em
aos seis anos, só brinca e vai à escola? língua oficial do Brasil para recuperar o
instinto de nacionalidade. No Brasil de hoje já
seria um avanço se as pessoas passassem a perfumada... Mas todas as pesadas coisas,
usar, entre outros exemplos, a palavra ela via com a cabeça rodeada por um
"entrega" em vez de "delivery". enxame de insetos enviados pela vida mais
(FOLHA DE S. PAULO - 20/10/97) fina do mundo. A brisa se insinuava entre as
flores. Ana mais adivinhava que sentia o seu
3. Em "A não ser pela vocação novidadeira e cheiro adocicado... O Jardim era tão bonito
caipira - de quem se deslumbra", a função do que ela teve medo do Inferno.
travessão duplo é 5 Era quase noite agora e tudo parecia
a) ligar grupo de palavras que se encadeiam cheio, pesado, um esquilo voou na sombra.
em coordenação. Sob os pés a terra estava fofa, Ana aspirava-a
b) indicar que o período não está concluído. com delícia. Era fascinante, e ela sentia nojo.
c) intercalar um termo que explica o que o (LISPECTOR, Clarice. "Laços de
antecede. Família". Rio de Janeiro: Sabiá, 1973, p.24-25)
d) enfatizar a carga semântica da expressão
"caipira". 4. No período "Era fascinante, e ela sentia
e) valorizar o efeito de suspense das idéias. nojo". (par.5), o uso da vírgula:

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO I. enfatiza semanticamente cada oração.


(Ufc 2001) 1 Inquieta, olhou em torno. Os II. decorre de uma relação de alternância
ramos se balançavam, as sombras vacilavam entre as duas orações.
no chão. Um pardal ciscava na terra. E de III. justifica-se por separar orações
repente, com mal-estar, pareceu-lhe ter caído coordenadas com sujeitos diferentes.
numa emboscada. Fazia-se no Jardim um
trabalho secreto do qual ela começava a se A análise das assertivas nos permite afirmar
aperceber. corretamente que:
2 Nas árvores as frutas eram pretas, a) apenas I é verdadeira.
doces como mel. Havia no chão caroços b) apenas II é verdadeira.
secos cheios de circunvoluções, como c) I e II são verdadeiras.
pequenos cérebros apodrecidos. O banco d) II e III são verdadeiras.
estava manchado de sucos roxos. Com e) I e III são verdadeiras.
suavidade intensa rumorejavam as águas. No
tronco da árvore pregavam-se as luxuosas TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
patas de uma aranha. A crueza do mundo era (Unb 97) O SÉCULO
tranqüila. O assassinato era profundo. E a
morte não era o que pensávamos. E vós, arcas do futuro,
3 Ao mesmo tempo que imaginário - era Crisálidas do porvir,
um mundo de se comer com os dentes, um Quando vosso braço ousado
mundo de volumosas dálias e tulipas. Os Legislações construir
troncos eram percorridos por parasitas Levantai um templo novo,
folhudas, o abraço era macio, colado. Como a Porém não que esmague o povo,
repulsa que precedesse uma entrega - era Mas lhe seja pedestal.
fascinante, a mulher tinha nojo, e era Que ao menino dê escola,
fascinante. Ao veterano - uma esmola...
4 As árvores estavam carregadas, o A todos - luz e fanal.
mundo era tão rico que apodrecia. Quando Basta!... Eu sei que a mocidade
Ana pensou que havia crianças e homens É o Moisés no Sinai;
grandes com fome, a náusea subiu-lhe à Das mãos do Eterno recebe
garganta, como se ela estivesse grávida e As tábuas da lei! marchai!
abandonada. A moral do Jardim era outra. Quem cai na luta com glória,
Agora que o cego a guiara até ele, Tomba nos braços da História,
estremecia nos primeiros passos de um No coração do Brasil!
mundo faiscante, sombrio, onde vitórias- Moços, do topo dos Andes,
régias boiavam monstruosas. As pequenas Pirâmides vastas, grandes,
flores espalhadas na relva não lhe pareciam Vos contemplam séculos mil!
amarelas ou rosadas, mas cor de mau ouro e
escarlates. A decomposição era profunda, (Castro Alves. "O século". agosto de
1865) rudimentares, a lenha a queimar no fogão, a
água de beber a refrescar nos potes. O
Na(s) questão(ões) a seguir assinale os itens encanamento novo é um anacronismo, a
corretos e os itens errados. geladeira entre os móveis primitivos de
camaru parece sentir-se mal.
5. Analisando o texto quanto ao emprego dos 6 Não tem jardim: as zínias e os
sinais de pontuação, julgue os itens a seguir. manjericões que levantavam um muro
colorido ao pé dos estacotes, estão
(0) A pontuação do texto denota o ressequidos como ramos bentos guardados
predomínio da função emotiva da linguagem. num baú. Também não tem pomar, fora os
(1) O uso reiterado de pontos de exclamação coqueiros e as bananeiras do baixio.
contribui para reforçar o tom hiperbólico, 7 Não tem nada dos encantos
exagerado, da poesia condoreira, tradicionais do campo, como os conhecemos
característica pela qual ficou conhecido pelo mundo além. Nem sebes floridas, nem
Castro Alves. regatos arrulhantes, nem sombrios frescos de
(2) O emprego das reticências, no início da bosque - só se a gente der para chamar a
segunda estrofe, em lugar de outro sinal de caatinga de bosque.
pontuação, indica a interrupção do 8 Não, aqui não há por onde tentar a
pensamento do poeta. velha comparação, a clássica comparação
(3) O uso do travessão, nos dois últimos dos encantos do campo aos encantos da
versos da primeira estrofe, justifica-se cidade. Aqui não há encantos. Pode-se
apenas como recurso estilístico, pois afirmar com segurança que isto por aqui não
contraria as regras gramaticais. chega sequer a ser campo. É apenas sertão e
caatinga as lombadas, o horizonte redondo e
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO desnudo, o vento nordeste varrendo os
(Unirio 98) TERRA ariscos.
9 Comparo este mistério do Nordeste ao
1 Tudo tão pobre. Tudo tão longe do mistério de Israel. Aquela terra árida, aquelas
conforto e da civilização, da boa cidade com águas mornas, aqueles pedregulhos, aqueles
as suas pompas e as suas obras. Aqui, a cardos, aquelas oliveiras de parca folhagem
gente tem apenas o mínimo e até esse empoeirada - por que tanta luta por ela,
mínimo é chorado. milênios de amor, de guerra e saudade?
2 Nem paisagem tem, no sentido 10 Por que tanto suor e carinho no cultivo
tradicional de paisagem. Agora, por exemplo, daquele chão que aparentemente só dá
fins d'águas e começos de agosto, o mato já pedra, espinho e garrancho?
está todo zarolho. E o que não é zarolho é 11 Não sei. Mistério é assim: está aí e
porque já secou. Folha que resta é vermelha, ninguém sabe. Talvez a gente se sinta mais
caíram as últimas flores das catingueiras e puros, mais nus, mais lavados. E depois a
dos paus-d'arco, e não haveria mais flor gente sonha. Naquele cabeço limpo vou
nenhuma não fossem as campânulas das plantar uma árvore enorme. Naquelas duas
salsas, roxas e rasteiras. ombreiras a cavaleiro da grota dá para fazer
3 No horizonte largo tudo vai ficando um açudinho. No pé da parede caberão uns
entre sépia e cinza, salvo as manchas verdes, coqueiros e no choro da revência, quem
aqui e além, dos velhos juazeiros ou das sabe, há de dar umas leiras de melancia.
novatas algarobas. E os serrotes de pedra do Terei melancia em novembro.
Quixadá também trazem a sua nota colorida; ........................................................................
até mesmo quando o sol bate neles de ...................
chapa, tira faísca de arco-íris. 12 Aqui tudo é diferente. Você vê falar
4 E a água, a própria água, não dá em ovelhas - e evoca prados relvosos, os
impressão de fresca: nos pratos-d'água brancos carneirinhos redondos de lã. Mas as
espelhantes ela tem reflexos de aço, que dói nossas ovelhas se confundem com as cabras
nos olhos. e têm pêlo vermelho e curto de cachorro-do-
5 A casa fica num alto lavado de ventos. mato; verdade que os cordeirinhos são
Casa tão rústica, austera como um convento lindos.
pobre, as paredes caiadas, os ladrilhos 13 Sim, só comparo o Nordeste à Terra
vermelhos, o soalho areado. As instalações Santa. Homens magros, tostados, ascéticos.
A carne de bode, o queijo duro, a fruta de de várias dessas tabuletas, mantidas talvez
lavra seca, o grão cozido n'água e sal. Um numa bolsa ou caixa de couro, de forma que
poço uma lagoa é como um sol líquido, em o leitor pudesse pegar tabuleta após tabuleta
torno do qual gravitam as plantas, os homens numa ordem predeterminada. É possível que
e os bichos. Pequenas ilhas d'água cercadas os mesopotâmicos também tivessem livros
de terra por todos os lados e em redor dessas encadernados de modo parecido ao dos
ilhas a vida se concentra. nossos volumes: monumentos funerários de
14 O mais é paz, o sol, o mormaço. pedra neo-hititas representam alguns objetos
(Raquel de semelhantes a códices - talvez uma série de
Queirós) tabuletas presas umas às outras dentro de
uma capa -, mas nenhum livro desses chegou
6. O emprego dos dois pontos em "E a água, até nós.
a própria água, não dá impressão de fresca: Nem todos os livros da Mesopotâmia
nos pratos-d'água espelhantes..." (par.4) se destinavam-se a ser segurados na mão.
justifica pelo fato de o segmento seguinte Existem textos escritos em superfícies muito
expressar uma: maiores, tais como o Código de Leis da Média
a) enumeração. Assíria, encontrado em Assur e datado do
b) explicação. século XII a.C., que mede 6,2 metros
c) retificação. quadrados e traz o texto em colunas de
d) distribuição. ambos os lados. Obviamente, esse "livro" não
e) conclusão. se destinava a ser carregado, mas erguido e
consultado como obra de referência. Nesse
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO caso, o tamanho devia ter também um
(Ufjf 2002) O fragmento de texto a seguir foi significado hierárquico: uma tabuleta
selecionado do capítulo "A forma do livro", da pequena poderia sugerir um negócio privado;
obra de MANGUEL, Alberto. "Uma história da um livro de leis nesse formato tão grande
leitura." SP: Companhia das Letras, 1977. com certeza aumentava, aos olhos do leitor
mesopotâmico, a autoridade das leis.
A FORMA DO LIVRO
7. Leia de novo:
Minhas mãos, escolhendo um livro que quero
levar para a cama ou para a mesa de leitura, "Obviamente, esse 'LIVRO' não se destinava a
para o trem ou para dar de presente, ser carregado, mas erguido e consultado
examinam a forma tanto quanto o conteúdo. como obra de referência." (3Ž parágrafo)
Dependendo da ocasião e do lugar que
escolhi para ler, prefiro algo pequeno e O uso das aspas na palavra "livro", no texto,
cômodo, ou amplo e substancial. Os livros indica que:
declaram-se por meio de seus títulos, seus a) o livro mencionado não é uma obra escrita.
autores, seus lugares num catálogo ou numa b) a palavra está sendo usada com um
estante, pelas ilustrações em suas capas; sentido oposto ao usual.
declaram-se também pelo tamanho. Em c) o autor optou pela hipérbole para
diferentes momentos e em diferentes caracterizar esse tipo de exemplar.
lugares, acontece de eu esperar que certos d) a obra mencionada é estrangeira.
livros tenham determinada aparência, e, e) o sentido da palavra está sendo ajustado
como ocorre com todas as formas, esses ao presente contexto de uso.
traços cambiantes fixam uma qualidade
precisa para a definição do livro. Julgo um TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
livro por sua capa; julgo um livro por sua (Ufrs 2001) ¢Até algum tempo atrás,
forma. imaginava-se que um cérebro jovem, em sua
Desde os primórdios, os leitores exigiram plena vitalidade biológica, £fosse muito mais
livros em formatos adaptados ao uso que poderoso e criativo do que um outro já
pretendiam lhes dar. As tabuletas maduro e desgastado pela idade. A
mesopotâmicas eram geralmente blocos de matemática fornecia o maior dos
argila quadrados, às vezes oblongos, de ¤argumentos para os defensores dessa
cerca de 7,5 centímetros de largura; cabiam teoria: quase todas as grandes equações
confortavelmente na mão. Um livro consistia matemáticas foram propostas ou decifradas
por gente com menos de 30 anos. Albert "isso" (ref.9) por dois-pontos, com a
Einstein tinha apenas 26 anos "quando conseqüente substituição de "É" por "é"
apresentou sua Teoria Geral da Relatividade - (ref.10)
a mais revolucionária de todas as
elaborações matemáticas, que lhe valeu o Quais estão corretas?
Prêmio Nobel de Física, quinze anos ¦depois. a) Apenas l.
O argumento é forte, porém ele se baseia b) Apenas II.
numa idéia ultrapassada __1__ respeito da c) Apenas III.
mente humana. As novas §descobedas estão d) Apenas II e III.
mostrando que a inteligência não se e) I, II e III.
limita__2__ capacidade de raciocínio lógico,
necessária para propor ou resolver uma TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
¨complicada equação matemática. Os testes (Ufrn 2002) Palmada fora-da-
de Ql, um dos antigos parâmetros usados lei
para medir a inteligência, já não servem
©mais para avaliar a capacidade cerebral de A maioria das pessoas encara com
uma pessoa. naturalidade o gesto de bater nos filhos,
A inteligência é muito mais que ªisso. ¢¡É como se a violência física fosse um
uma soma inacreditável de fatores, que inclui instrumento legítimo (e até necessário) para
¢¢até os emocionais. Uma pessoa a educação das crianças. É um hábito ¢tão
excessivamente tímida ou muito agressiva arraigado em nossa cultura £que não é raro
terá problemas para conseguir um bom ouvirmos o argumento de que "os filhos já
emprego, __3__ na profissão ou ter bom não respeitam mais seu pais ¤porque não
relacionamento familiar, por maior que seja apanham". ¥Mas essa agressão não deveria
seu Ql. O que os novos estudos estão ser vista com tanta naturalidade, ¦já que é
mostrando ¢£no momeno é que ¢£um uma violência proibida por lei em países
cérebro jovem ¢¤tende, sim, a ser mais ¢ como Finlândia, Suécia, Dinamarca, Chipre,
¥inovador e ¢¦revolucionário. Mas, como um Letônia, Áustria, Croácia e Noruega. E eles
bom vinho ou uma boa idéia, ¢§ele também não são uma exceção. Alemanha, Inglaterra,
¢¨pode ¢©amadurecer e melhorar com o Bélgica, Itália, Irlanda, Escócia, Israel e
tempo. Basta ¢ªser estimulado. Bulgária estão caminhando na mesma
(Adaptado de: GUARACY, Thales; direção, criando leis para proibir os pais de
RAMALHO, Cristina. "Veja",19 de agosto de bater em seus filhos.
1998.) No Brasil, antes da chegada dos
portugueses, os índios não tinham o costume
8. O texto, no seu todo, pode ser lido como de castigar fisicamente as crianças. Diversos
uma resposta a uma pergunta. Assinale a relatos de padres no início da colonização
alternativa que a contém. revelam que, entre os índios, nem pai nem
a) Afinal, o que é inteligência emocional? mãe agrediam seus filhos. Foram os jesuítas
b) Por que os jovens são mais inteligentes? e os capuchinhos que introduziram o castigo
c) Que comparação se pode estabelecer físico como forma de "disciplinar" as crianças
entre inteligência emocional e raciocínio no Brasil. Durante esses 500 anos, os
lógico? menores sofreram surras aplicadas com os
d) Em que área do conhecimento ocorreu a mais inóspitos instrumentos: varas de
devida supervalorização do raciocínio lógico? marmelo e de açaí, rabo de tatu, chicote,
e) Como se pode caracterizar a inteligência a cintos, tamancos, chinelos, palmatórias e as
partir do resultado de pesquisas recentes? próprias mãos paternas e maternas, cocres
na cabeça, puxões de orelha, palmadas...
9. Quanto à pontuação no texto, são Além da covardia que está presente
propostas abaixo três modificações. no ato de bater em alguém mais fraco, a
violência não é, definitivamente, um bom
I - Colocação de vírgula depois de instrumento de disciplina. Ela perde o seu
"argumentos" (ref.3) efeito a longo prazo e a criança, aos poucos,
II -Colocação de vírgula depois de teme menos a agressão física. Com o tempo,
"descobertas" (ref.6) a tendência dos pais é ainda bater mais, na
III - Substituição do ponto-final depois de busca dos efeitos que haviam conseguido
anteriormente. O resultado desse aumento que não se deve tratar violência com
da violência pode trazer seqüelas físicas e violência). Mas eles deveriam ser advertidos
psicológicas permanentes para as crianças. caso fossem reincidentes, podendo até
Os filhos também vão se afastando perder a posse da criança. Seriam obrigados
gradualmente de seus pais, pois a agressão a participar de um programa de educação,
física, em vez de fazer a criança pensar no semelhante aos que já existem na legislação
que fez, desperta-lhe a raiva contra aquele de trânsito. Estamos conscientes de que a lei,
que a agrediu. sozinha, não seria suficiente para impedir o
Ao ser punida fisicamente, a criança comportamento violento dos pais. Somente
tem a sua auto-estima comprometida - passa um trabalho educativo poderia trazer a
a se enxergar como alguém que não tem consciência de que o amor e o carinho são
valor. Esse sentimento pode comprometer a fundamentais para formarmos cidadãos
imagem que faz de si pelo resto da vida, capazes, seres humanos de verdade.
influenciando negativamente sua atitude (PARANHOS, C. Palmada fora-da-lei.
durante a adolescência até a vida "Superinteressante", São Paulo, ano 15, n. 2,
profissional. Como a criança pode se sentir p. 90, fev. 2001.)
tranqüila quando sua segurança depende de
uma pessoa que facilmente perde o controle 10. - Ao ser punida fisicamente, a criança tem
e a agride? Ela também passa a omitir dos a sua auto-estima comprometida - passa a se
pais os seus erros, com medo da punição, e enxergar como alguém que não tem valor.
sente-se como se tivesse pago por seu erro - (4Ž parágrafo)
e acredita que por isso pode cometê-lo - Estamos conscientes de que a lei, sozinha,
novamente. não seria suficiente para impedir o
Enfim, não é preciso enumerar todos comportamento violento dos pais. (6Ž
os problemas que são causados pela parágrafo)
violência familiar. Bater nos filhos é um
atestado de fracasso dos pais, uma prova de Nos trechos acima, sobre o uso das vírgulas
que perderam o controle da situação. Por ou do travessão, é correto afirmar que
mais inofensiva que possa parecer uma a) as vírgulas não devem ser substituídas por
"pequena palmada", é importante saber que travessões, pois isso resultará em alteração
a força física empregada pelo adulto é de sentido.
necessariamente desproporcional. É verdade b) o travessão deve ser substituído por
que os castigos imoderados e cruéis estão ponto-e-vírgula.
proibidos pelo Estatuto da Criança e do c) as vírgulas não podem ser omitidas, pois
Adolescente (ECA), promulgado em 1990. isso resultará em alteração de sentido.
Mas como definir claramente o que é castigo d) o travessão pode ser substituído por dois
imoderado? Há vários casos de crianças que pontos.
morreram depois de ter sido castigadas
"cruelmente". Embora um tapa e um TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
espancamento sejam diferentes, o princípio (Ufscar 2000) O cajueiro já devia ser
que rege os dois tipos de atitude é velho quando nasci. Ele vive nas mais antigas
exatamente o mesmo: utilização da força e recordações de minha infância: belo, imenso,
do poder. no alto do morro, atrás de casa. Agora vem
Por trás da violência física está a idéia uma carta dizendo que ele caiu.
implícita de que os pais têm total direito Eu me lembro do outro cajueiro que
sobre a vida e a integridade física da criança. era menor, e morreu há muito mais tempo.
A maioria dos adultos com que tenho contato Eu me lembro dos pés de pinha, do cajá-
foram educados com surras e palmadas e manga, da grande touceira de espadas-de-
reproduzem esse modelo, pois acreditam que são-jorge (que nós chamávamos
o tapa tem a capacidade de modificar simplesmente "tala") e da alta saboneteira
comportamentos. A meu ver, a proibição por que era nossa alegria e a cobiça de toda a
lei de qualquer castigo físico eliminaria a meninada do bairro, porque fornecia
violência familiar e ajudaria a formar pessoas centenas de bolas pretas para o jogo de
melhores. A lei não precisa ter caráter gude. Lembro-me da tamareira, e de tantos
punitivo (os pais não deveriam ser presos arbustos e folhagens coloridas, lembro-me da
depois de uma palmada, a história mostra parreira que cobria o caramanchão, e dos
canteiros de flores humildes, "beijos",
violetas. Tudo sumira; mas o grande pé de TORCIDAS
fruta-pão ao lado de casa e o imenso cajueiro "Estamos todos assustados com as
lá no alto eram como árvores sagradas variadas formas de violência que assolam o
protegendo a família. Cada menino que ia país e o mundo. O comportamento das
crescendo ia aprendendo o jeito de seu torcidas organizadas é um pequeno exemplo
tronco, a cica de seu fruto, o lugar melhor do que faz o homem dito 'moderno' ou
para apoiar o pé e subir pelo cajueiro acima, 'civilizado' quando perde o controle e libera
ver de lá o telhado das casas do outro lado e seus instintos animais primitivos. A verdade é
os morros além, sentir o leve balanceio na que chegamos a este final de milênio, na era
brisa da tarde. da informática, massacrados por uma brutal
(Rubem Braga: Cajueiro. In: O VERÃO competição dentro da própria espécie. Os
E AS MULHERES. 5 ヘ ed. Rio de Janeiro: Record, valores e conceitos estão tão distorcidos que
1991, p.84-5.) a fina camada de verniz do comportamento
humano se rompe com facilidade, revelando
11. Uma das normas estabelecidas para o que não somos mais do que bípedes
uso da vírgula impõe que este sinal de primitivos da informática."
pontuação serve para separar elementos que Flávio Tallarico (Descalvado,
exercem a mesma função sintática, desde SP)
que tais elementos não venham unidos por
conjunções aditivas. Este princípio vem
formulado em muitas Gramáticas, entre as TEXTO II
quais a de Celso Cunha, GRAMÁTICA DO
PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO, e a de "Como é fascinante presenciar um estádio
Gladstone Chaves de Melo, GRAMÁTICA repleto de torcedores promovendo uma festa
FUNDAMENTAL DA LÍNGUA PORTUGUESA. colorida, cantando hinos e gritos de guerra,
Rubem Braga desobedeceu a essa norma no criando alegorias diversas. Sem isso, o
trecho: futebol perde seu brilho e os jogadores
a) O cajueiro já devia ser velho quando nasci. perdem a motivação. Quando um cão tem
b) Eu me lembro dos pés de pinha, do cajá- pulgas, não se mata o cão, eliminam-se as
manga, da grande touceira de espadas-de- pulgas."
são-jorge... Marcos Moreno (Varginha, MG)
c) Lembro-me da tamareira, e de tantos
arbustos e folhagens coloridas, lembro-me da 12. Se Marcos Moreno tivesse usado um
parreira... termo para incluir os receptores de sua
d) Tudo sumira; mas o grande pé de fruta- mensagem, a frase "Sem isso, o futebol
pão ao lado de casa e o imenso cajueiro lá no perde seu brilho, e os jogadores perdem a
alto... motivação" apresentaria a seguinte
e) ...ia aprendendo o jeito de seu tronco, a estrutura:
cica de seu fruto, o lugar melhor para apoiar a) Sem isso, o futebol, uma paixão popular,
o pé e subir pelo cajueiro acima... perde seu brilho, e os jogadores perdem a
motivação.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO b) Sem isso, o futebol perde seu brilho, e os
(Ufsm 2000) FOLHA DE S. PAULO jogadores que precisam da torcida, perdem a
Sábado, 2 de setembro de 1995 motivação.
c) Sem isso, o futebol perde, sem dúvida, o
PAINEL DO LEITOR seu brilho, e os jogadores perdem a
motivação.
Pede-se que as cartas não ultrapassem 15 d) Sem isso, leitores, o futebol perde seu
linhas e que contenham o nome completo, brilho, e os jogadores perdem a motivação.
assinatura, o endereço e se possível telefone. e) Sem isso, o futebol perde seu brilho, e os
Para atender mais leitores a FOLHA se jogadores perdem, naturalmente, a
reserva o direito de publicar trechos motivação.
representativos das cartas recebidas.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
TEXTO I (Uel 2001) A edição em DVD do filme "A
escolha de Sofia" (Versátil Home Video)
apresenta o seguinte resumo do enredo: TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Uel 2001) A cerveja
"A favorita das telas, Meryl Streep recebeu
um Oscar por interpretar a vida de Sophie A versão nacional de sexo, drogas e "rock
ZaWistowska neste envolvente drama and roll" é samba, suor e cerveja. A famosa
ambientado no Brooklin de 1947 logo após a loura gelada se configurou como a bebida
II Guerra Mundial. Kevin Kline faz o papel de número 1 quando as indústrias perceberam
seu amante dominador. A história gira em que era necessário associar um conceito que
torno da luta de Sophie, uma imigrante estimulasse as vendas. Como as marcas que
polonesa católica que vive nos EUA e que patrocinam esportes, as campanhas
havia sobrevivido a um campo de publicitárias de cerveja agregaram ao ato de
concentração nazista. O drama do casal se beber a idéia de lazer em grupo. Ao contrário
desdobra através das observações de um da pinga, ela é uma bebida para ser
amigo aspirante a escritor, Stingo (Peter compartilhada e, com isso, se traduziu como
MacNicol). Conforme o trio vai se um instrumento de alegria coletiva, uma
aproximando um do outro, Stingo descobre espécie de combustível que faz aflorar a
as verdades escondidas sobre as quais eles característica da festividade do caráter
estão encobrindo, resultando numa narrativa nacional. "Cerveja é amizade,
envolvente e emocionante." confraternização e descontração, enfim,
valores muito próximos de nós brasileiros",
O resumo apresenta problemas de clareza e define Marcos Mesquita, superintendente do
de uso da norma padrão. Sindicerv, Sindicato das Indústrias
Cervejeiras. Da década de 80 para a de 90,
13. A primeira frase do texto está pontuada os fabricantes enterraram de vez o caráter
corretamente na alternativa: artesanal da cerveja. Pequenas produtoras
foram compradas e as marcas tradicionais
a) A favorita das telas, Meryl Streep, recebeu investiram em sistemas de produção mais
um Oscar por interpretar a vida de Sophie eficientes, o que ajudou a baratear o custo do
Zawistowska, neste envolvente drama produto e aumentar o volume de vendas.
ambientado no Brooklin de 1947, logo após a Colocá-la como patrocinadora das festas de
II Guerra Mundial. carnaval foi a estratégia definitiva para alçá-
la de vez a paixão nacional. A cerveja é hoje
b) A favorita das telas Meryl Streep recebeu o produto nacional que mais contribui para as
um Oscar, por interpretar a vida de Sophie receitas públicas, cerca de R$5,5 bilhões por
Zawistowska neste envolvente drama, ano, superando os carros e o cigarro.
ambientado no Brooklin de 1947, logo após a ("Veja", Edição Especial, nŽ 1578,
II Guerra Mundial. 29/12/99.)

c) A favorita das telas Meryl Streep, recebeu 14. As aspas usadas no texto têm a função
um Oscar por interpretar a vida de Sophie de:
Zawistowska neste envolvente drama, a) Enfatizar idéias importantes.
ambientado no Brooklin de 1947 logo após a b) Isolar informações intercaladas.
II Guerra Mundial. c) Insinuar que as palavras estão sendo
usadas em outro sentido.
d) A favorita das telas, Meryl Streep, recebeu d) Delimitar expressões de origem
um Oscar; por interpretar a vida, de Sophie estrangeira.
Zawistowska neste envolvente drama e) Marcar discurso direto.
ambientado no Brooklin de 1947, logo após a
II Guerra Mundial. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Pucsp 2000) Ethos - ética em grego -
e) A favorita das telas, Meryl Streep recebeu designa a morada humana. O ser humano
um Oscar, por interpretar a vida de Sophie separa uma parte do mundo para, moldando-
Zawistowska; neste envolvente drama A ao seu jeito, construir um abrigo protetor e
ambientado no Brooklin de 1947 logo após a permanente. A ética, como morada humana,
II Guerra Mundial. não é algo pronto e construído de uma só
vez. O ser humano está sempre tornando daquele conflito, foram, aos poucos, se
habitável a casa que construiu para SI. processando, em seus habitantes, mudando-
Ético significa, portanto, tudo aquilo que lhes os hábitos e transformando suas vidas?
ajuda a tornar melhor o ambiente para que Sim, aí teria sentido, não a descrição de
seja uma morada saudável: materialmente guerra em si, mas a descrição do Recife
sustentável, psicologicamente integrada e durante aqueles anos, coisa que, ao que me
espiritualmente fecunda. consta, não teria ainda sido empreendida, a
Na ética há o permanente e o mutável. O não ser esporadicamente em depoimentos
permanente é a necessidade do ser humano isolados e em referências fugidias..."
de ter uma moradia: uma maloca indígena, (RECIFE E A 2Ž GUERRA MUNDIAL / Rostand
uma casa no campo e um apartamento na Paraíso)
cidade. TODOS estão envolvidos com a ética,
porque todos buscam uma morada Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos
permanente. parênteses (V) se for verdadeiro ou (F) se for
O mutável é o estilo com que cada grupo falso.
constrói sua morada. É sempre diferente:
rústico, colonial, moderno, de palha, de 16. Quanto ao uso de pontuação, tendo por
pedra... Embora diferente e mutável, o estilo base o texto:
está a serviço do permanente: a necessidade ( ) "...- PENSEI EU -..." está entre
de ter casa. A casa, nos seus mais diferentes travessões por se tratar de uma oração
estilos, deverá ser habitável. intercalada.
(BOFF, Leonardo. In A ÁGUIA E A ( ) Em "... AO QUE ME CONSTA ...", as
GALINHA. Petrópolis: Vozes, 1997, pp.90-91.) vírgulas representam o mesmo papel dos
travessões anteriores.
15. Observando aspectos de pontuação, ( ) Em "... TRANSFORMANDO SUAS
concordância e colocação pronominal, VIDAS?", a interrogação marca uma pergunta
podemos afirmar que: que o autor faz a si mesmo, sem visar à
resposta do interlocutor.
I. na oração "A ética, como morada humana, ( ) As reticências finais representam um
não é algo pronto e construído de uma só pensamento incompleto, uma suspensão na
vez", há um uso inadequado no que diz linha do raciocínio.
respeito à pontuação, uma vez que se usou a ( ) O parágrafo não tem nenhum ponto (.),
vírgula entre o sujeito A ÉTICA e o verbo ser o que determina erro na pontuação.
(É).
II. na oração "Na ética há o permanente e o TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
mutável", há um ERRO de concordância, uma (Cesgranrio 95) Por amor à Pátria
vez que o sujeito "o permanente e o mutável"
é composto, logo o verbo haver (HÁ) deveria 1 O que é mesmo a Pátria?
estar na terceira pessoa do plural. 2 Houve, com certeza, uma considerável
III. na oração "moldando-a ao seu jeito", o quantidade de brasileiros(as) que, na linha da
pronome pessoal do caso oblíquo átono "a" própria formação, evocaram a Pátria com
está enclítico ao verbo no gerúndio, em início critérios puramente geográficos: uma
de oração, de acordo com a norma culta. vastíssima porção de terra, delimitada,
porém, por tratados e convenções. Ainda
Assinale: bem quando acrescentaram: a Pátria é
a) se I e II estão corretas. também o Povo, milhões de homens e
b) se todas estão incorretas. mulheres que nasceram, moram, vivem,
c) se apenas III está correta. dentro desse território.
d) se I e III estão corretas. 3 Outros, numerosos, aprimoraram essa
e) se apenas II está correta. noção de Pátria e pensaram nas riquezas e
belezas naturais encerradas na vastidão da
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO terra. Então, a partir das cores da bandeira,
(Ufpe 96) "E por que não - pensei eu - tendo a decantaram o verde das florestas, o azul do
segunda guerra mundial como pano de firmamento espelhado no oceano, o amarelo
fundo, tentar descrever o Recife daquela dos metais escondidos no subsolo. Ufanaram-
época e as modificações que, por força se legitimamente do seu país ou declararam,
convictos, aos filhos jovens, que jamais hão- b) as vírgulas do 2Ž período estão separando
de ver país como este. orações intercaladas.
4 Foi o que fizeram todos quantos c) "se não partem": "se" é uma conjunção
procuraram a Pátria no quase meio milênio subordinativa condicional.
da História do Brasil, complexa e fascinante d) a última oração do parágrafo classifica-se
História de conquistas e reveses, de "sangue, como oração principal.
suor e lágrimas", mas também de esperanças e) "todo" é um pronome adjetivo indefinido.
e de realizações. Evocaram gestos heróicos,
comovedoras lendas e sugestivas tradições. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
5 Tudo isso e o formidável universo (Fatec 99) "Vestibular de verdade era no meu
humano e sacrossanto que se oculta debaixo tempo. Já estou chegando, ou já cheguei à
de tudo isso constituem a Pátria. Ela é altura da vida em que tudo de bom era no
história, é política e é religião. Por isso é mais meu tempo; meu e dos outros coroas. Acho
do que o mero território. É algo de telúrico. É inadmissível e mesmo chocante (no sentido
mais do que a justaposição de indivíduos, antigo) um coroa não ser reacionário. (...) O
mas reflete a pulsação da inenarrável história vestibular de Direito a que me submeti, na
de cada um. velha Faculdade de Direito da Bahia, tinha só
6 A Pátria é mais do que a Nação e o quatro matérias: português, latim, francês ou
Estado e vem antes deles. A Nação mais inglês e sociologia, sendo que esta não
elaborada e o Estado mais forte e poderoso, constava dos currículos do curso secundário
se não partem da noção de Pátria e não e a gente tinha de se virar por fora. Nada de
servem para dar à Pátria sua fisionomia e sua cruzinhas, múltipla escolha ou matérias que
substância interior, não têm todo o seu valor. não interessassem diretamente à carreira.
7 Por último, quero exprimir, com os Tudo escrito tão ruibarbosianamente quanto
olhos fixos na Pátria, o seu paradoxo mais possível, com citações decoradas,
estimulante. De um lado, ela é algo de preferivelmente. (...) Havia provas escritas e
acabado, que se recebe em herança. orais. A escrita já dava nervosismo, da oral
8 Por outro lado, ela nunca está muitos nunca se recuperaram inteiramente
definitivamente pronta. Está em construção e pela vida afora. (...) Quis o irônico destino,
só é digno dela quem colabora, em mutirão, uns anos mais tarde, que eu fosse professor
para ir aperfeiçoando o seu ser. da Escola de Administração da Universidade
Independente, ela precisa de quem complete Federal da Bahia e me designaram para a
a sua independência. Democrática, ela banca de português, com prova oral e tudo.
pertence a quem tutela e aprimora a Eu tinha fama de professor carrasco, que até
democracia. Livre, ela conta com quem hoje considero injustíssima, e ficava muito
salvaguarda a sua liberdade. E sobretudo, incomodado com aqueles rapazes e moças
hospitaleira, fraterna, aconchegante, cordial, pálidos e trêmulos diante de mim. Uma bela
ela reclama cidadãos e filhos que a façam vez, chegou um sem o menor sinal de
crescer mais e mais nestes atributos nervosismo, muito elegante, paletó, gravata
essenciais de concórdia, equilíbrio, harmonia, e abotoaduras vistosas. A prova oral era
que a fazem inacreditavelmente Pátria - e me bestíssima. Mandava-se o candidato ler umas
dá vontade de dizer, se me permitem criar dez linhas em voz alta (sim, porque alguns
um neologismo, inacreditavelmente Mátria. não sabiam ler) e depois se perguntava o que
9 Pensando bem, cada brasileiro, quem queria dizer uma palavra trivial ou outra, qual
quer que seja, tem o direito de esperar que era o plural de outra e assim por diante. Esse
os outros 140 milhões de brasileiros sejam, mal sabia ler, mas não perdia a pose. Não
para ele, Pátria. acertou a responder nada. Então, eu,
Dom Lucas carrasco fictício, peguei no texto uma frase
Moreira Neves em que a palavra 'for' tanto podia ser do
(adaptação) JORNAL DO BRASIL - 08/09/93 verbo 'ser' quanto do verbo 'ir'. Pronto,
pensei. Se ele distinguir qual é o verbo,
17. Observe o 6Ž parágrafo do texto e considero-o um gênio, dou quatro, ele passa
assinale a opção que contém informação e seja o que Deus quiser. '-Esse for aí, que
FALSA: verbo é esse?' Ele considerou a frase
a) "do que a nação...": o conectivo introduz longamente, como se estivesse pedindo que
idéia de comparação. resolvesse a quadratura do círculo, depois
ajeitou as abotoaduras, e me encarou fabricada, escolhida forte e arquejada em
sorridente. '-Verbo for' '-Verbo o quê?' '-Verbo rijo, própria para dever durar na água por uns
for' '-Conjugue aí o presente do indicativo vinte ou trinta anos. Nossa mãe jurou muito
desse verbo'. 'Eu fonho, tu fões, ele fõe' - contra a idéia. Seria que, ele, que nessas
recitou ele, impávido - 'Nós fomos, vós artes não vadiava, se ia propor agora para
fondes, eles fõem'. (...) Vestibular, no meu pescarias e caçadas? ¦Nosso pai nada não
tempo, era muito mais divertido do que hoje dizia. Nossa casa, no tempo, ainda era mais
e, nos dias que correm, devidamente próxima do rio, obra de nem quarto de légua:
diplomado, ele deve estar fondo para o rio por aí se estendendo grande, fundo,
quebrar." calado que sempre. Largo, de não se poder
(João Ubaldo Ribeiro, "O Verbo 'For'". ver a forma da outra beira. E esquecer não
O Estado de São Paulo, 13/setembro/98) posso, do dia em que a canoa ficou pronta.
3 Sem alegria nem cuidado, nosso pai
18. Assinale a alternativa que integra encalcou o chapéu e decidiu um adeus para a
corretamente as frases I, II e III num único gente. Nem falou outras palavras, não pegou
período: matula e trouxa, não fez nenhuma
recomendação. Nossa mãe, a gente achou
I. Havia provas escritas e orais. que ela ia ¥esbravejar, mas persistiu
II. A prova escrita já dava nervosismo. somente alva de pálida, mascou o beiço e
III. Da prova oral muitos nunca se bramou: "-Cê vai, ocê fique, você nunca
recuperaram. volte!" ©Nosso pai suspendeu a resposta.
Espiou manso para mim, me acenando de vir
a) Havia provas escritas, às quais já davam também, por uns passos. Temi a ira de nossa
nervosismo, e orais, nas quais muitos nunca mãe, mas obedeci, de vez de jeito. ¨O rumo
se recuperaram. daquilo me animava, chega que um
b) Havia provas escritas, a que já davam propósito perguntei: - "Pai, o senhor me leva
nervosismo, e orais, de que muitos nunca se junto, nessa sua canoa?" ¥Ele só retornou o
recuperaram. olhar em mim, e me £botou a bênção, com
c) Havia provas escritas, as quais já davam gesto me mandando para ¤trás. Fiz que vim,
nervosismo, e orais, as quais muitos nunca se mas ainda virei, na grota do mato, para
recuperaram. saber. Nosso pai entrou na canoa e
d) Havia provas escritas, que já davam desamarrou, pelo remar. E a canoa saiu se
nervosismo, e orais, das quais muitos nunca indo - a sombra dela por igual, feito um
se recuperaram. jacaré, comprida longa.
e) Havia provas escritas, em que já davam (Guimarães Rosa, J. FICÇÃO
nervosismo, e orais, que muitos nunca se COMPLETA.
recuperaram. Rio de Janeiro, Ed. Nova Aguilar, 1994,
p.409.)
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Puc-rio 99) A TERCEIRA MARGEM DO RIO 19. Assinale a opção em que a vírgula NÃO
poderia ser omitida, de acordo com as regras
1 Nosso pai era homem cumpridor, da norma culta da língua.
ordeiro, positivo; e sido assim desde mocinho a) "Nossa mãe era quem regia, e que ralhava
e menino, pelo que testemunharam as no diário com a gente..." (par.1)
diversas pessoas sensatas, quando indaguei b) "E esquecer não posso, do dia em que a
a informação. Do que eu mesmo me alembro, canoa ficou pronta." (par.2)
ele não figurava mais estúrdio nem mais c) "... pelo que testemunharam as diversas
triste do que os outros, conhecidos nossos. pessoas sensatas, quando indaguei a
Só quieto. Nossa mãe era quem regia, e que informação." (par.1)
ralhava ¢no diário com a gente - minha irmã, d) "Seria que, ele..." (par.2)
meu irmão e eu. Mas se deu que, certo dia, e) "Pai, o senhor me leva junto...?" (par.3)
nosso pai mandou fazer para si uma canoa.
2 Era a sério. §Encomendou a canoa TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
especial, de pau de vinhático, pequena, mal (Fei 99) "O desenvolvimento científico e
com a tabuinha da popa, como para caber tecnológico, ¢embora traga inegáveis
justo o remador. Mas teve de ser toda benefícios (pensemos nos avanços da
medicina e dos meios de comunicação, nas O continente africano, que tantas
facilidades proporcionadas pelos modernos vezes e por tanto tempo já foi o espelho
meios de transporte e pelos inúmeros sombrio e espoliado dos progressos da
aparelhos eletrodomésticos que fazem parte civilização ocidental, infelizmente continua
de nosso cotidiano), criou também novos e sujeito a um processo que, no limite, resume-
graves problemas. Chaplin denunciou a se a uma implosão civilizatória.
desumanização do trabalho no filme "Tempos Se os tempos são de globalização, o
Modernos"; alguns anos depois, a espelho de horrores africano coloca-nos
humanidade assistia atônita ao holocausto diante da antítese mais extrema, a da
nuclear em Hiroshima e Nagasaki. Descobriu- tribalização. Chegam-se ao fim do século 20
se que a ciência nem sempre é benéfica ao com o mais velho continente mergulhado em
homem: tudo depende de como ela é usada. conflitos étnicos, miséria, endemias e
Pode-se dizer que o avanço científico e estagnação econômica.
tecnológico propõe hoje três grandes desafios A situação tornou-se agora
para o século XXI: antes de mais nada, a extremamente grave, e entre Zaire e Ruanda
degradação do meio ambiente demonstra a parece inevitável uma guerra aberta. Tudo
necessidade de pesquisar novas formas de sob o olhar distante e pouco interessado das
produção, de transporte e de geração de grandes potências ocidentais. A própria ONU
energia não agressivas à natureza. Em admite não ter acesso a 600 mil refugiados
segundo lugar, temos de encontrar hutus no leste do Zaire e pediu fotos de
alternativas ao avanço da mecanização satélite para identificar onde eles estariam.
industrial, que representa uma ameaça ao Segundo a comissária da União Européia, 1
emprego de trabalhadores no mundo inteiro. milhão de pessoas podem morrer. Seria
Por fim, as recentes descobertas no campo patético, se não fosse absolutamente trágico.
da engenharia genética levantam sérias A responsabilidade do Ocidente é
questões de ordem moral: as experiências inegável. Basta lembrar o antigo nome do
com genes humanos não nos levariam a Zaire, Congo Belga, para tomar consciência
repetir em maior escala as atrocidades do passado colonialista que em muitos casos
cometidas durante a 2 ヘ Grande Guerra nos criou divisões geopolíticas e unidades de
laboratórios de Hitler? É impossível esquecer governo pouco ou nada coerentes com
as profecias de Aldous Huxley em seu tradições tribais, étnicas ou mesmo
"Admirável Mundo Novo". territoriais.
O século XX criou as bombas atômicas Infelizmente, uma parte relativamente
e os computadores; esperemos que no grande da mídia e dos governantes dos
próximo aprendamos a utilizar a tecnologia países "civilizados" retrata os conflitos como
para o bem-estar e a paz entre os homens". puramente tribais, como se o genocídio
(Carlo Roberto) africano não tivesse começado faz alguns
séculos, sob o comando de potências
20. Observe a oração: "alguns anos depois, a colonialistas.
humanidade assistia atônita ao holocausto Mais, parece evidente que a
nuclear em Hiroshima e Nagasaki". Assinale a "tribalização", ou seja, a predominância de
alternativa que justifique corretamente a fatores locais, étnicos e de disputa territorial,
pontuação da oração: nada mais é que o resultado de uma situação
a) ocorrência de um adjunto adverbial no de estagnação e fome epidêmica em que boa
início da oração parte do continente continua mergulhada em
b) ocorrência de vocativo decorrência de seus sistemas econômicos,
c) ocorrência de aposto totalmente marginalizados da globalização.
d) intercalação de uma oração subordinada Lamentavelmente, a dívida em vidas,
adverbial riqueza e cultura do Ocidente com a África
e) intercalação de uma oração coordenada tende apenas a crescer.
assindética (Adaptado da Folha de São
Paulo, 31/10/96, 1-2.)
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Puccamp 97) 21. A própria ONU admite não ter acesso a
Tribalização 600 mil refugiados hutus no leste do Zaire.
Deslocando-se o sujeito, a frase anterior está
corretamente pontuada em: Em algumas situações não têm o que dizer,
a) Admite, a própria ONU, não ter acesso a às vezes não sabem explicar e muitas vezes
600 mil refugiados hutus, no leste do Zaire. precisam "enrolar".
b) Admite a própria ONU, não ter acesso, a 6 O problema maior, entretanto, é que a
600 mil refugiados hutus no leste do Zaire. doença atinge também outras categorias
c) Admite, a própria ONU não ter acesso a profissionais.
600 mil refugiados hutus, no leste do Zaire. 7 Vejamos três exemplos retirados de
d) Admite a própria ONU: não ter acesso a bons jornais:
600 mil refugiados, hutus no leste do Zaire. 1. "A largada será no Leme. A chegada
e) Admite, a própria ONU: não ter acesso a acontecerá no mesmo local da partida."
600 mil refugiados hutus, no leste do Zaire. Cá entre nós, bastava ter escrito: "A
largada e a chegada serão no Leme."
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO 2. "O procurador encaminhou ofício à
(Ufrn 2001) 1 Ouço muito: um bom texto área criminal da Procuradoria determinando
deve ser claro e conciso. que seja investigado..."
Não há dúvida de que a clareza é a Sendo direto: "O procurador mandou
principal qualidade do texto. Ser conciso, investigar."
entretanto, é uma luta muito árdua. 3. "A posição do Governo brasileiro é
2 Ser conciso é dizer o necessário com o de que esgotem todas as possibilidades de
mínimo de palavras, sem prejudicar a clareza negociação para que se alcance uma solução
da frase. É ser objetivo e direto. pacífica."
3 E aqui está a nossa dificuldade. Nós, Enxugando a frase: "O Brasil é a favor
brasileiros, estamos habituados a falar muito de uma solução pacífica."
e dizer pouco, a escrever mais que o Exemplos não faltam, mas espaço sim.
necessário, a discursar mais para Por hoje é só. Prometo voltar ao assunto.
impressionar do que comunicar.
4 Para muitos, esse hábito começa na (DUARTE, Sérgio Nogueira. "O Caso".
escola. É só fazer uma "sessão nostalgia" e Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 16 jan.2000.
voltarmos aos bons tempos de colégio, às cad. BRASIL, p.14. [coluna LÍNGUA VIVA])
gloriosas aulas em que o professor
anunciava: "Hoje é dia de redação." Você se 22. Depois de muita briga, o tema era
lembra da "alegria" que contagiava a turma? "democraticamente imposto". (par.4)
Você se lembra de algum coleguinha que
dizia estar "inspirado"? Você se lembra de No período acima, as aspas têm por função
algum tema para a redação que tenha a) indicar que a expressão foge ao nível de
deixado toda a turma satisfeita? A verdade é linguagem em que o texto foi elaborado.
que não aceitávamos tema algum. Pedíamos b) evidenciar a intransigência típica de
outro tema. Se o professor apresentasse professor de redação.
vários temas, pedíamos "tema livre". E se c) destacar a relação sintática estabelecida
fosse tema livre, exigíamos um. Era uma entre termos semanticamente opostos.
insatisfação total. Depois de muita briga, o d) sugerir que, mesmo na democracia, ocorre
tema era "democraticamente imposto". E aí autoritarismo.
vinha aquela tradicional pergunta: "Quantas
linhas?" A resposta era ¢original: "No mínimo TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
25 linhas." Eu costumo dizer que 25 é um (Ufrs 98) "O futebol é muito maior do que a
número traumático na vida do aluno. £A criação artística"
partir daquele instante, começava um
verdadeiro drama na sua vida: "Meu reino 1 Por que cargas d'água o futebol não
pela 25ヘ linha." Valia tudo para se ¤chegar lá. Desde as tem na literatura brasileira a correspondência
ridículas letras que "engordavam" repentinamente de sua verdadeira dimensão na nossa
até a famosa "encheção de lingüiça". sociedade? Na verdade, pode-se ... (I) ... essa
5 E aqui pode estar a origem de tudo. questão ¨para todas as demais
Nós nos habituamos a "encher lingüiça". Pelo manifestações artísticas - música, cinema,
visto, há políticos que fizeram "pós- teatro e artes plásticas. De ...(II)... muito, o
graduação" no assunto. São os mestres da futebol £se infiltrou de tal forma no ¤tecido
prolixidade. Falam, falam e não dizem nada. social brasileiro que está presente no nosso
dia-a-dia de maneira sufocante. Respirarmos Longe de ti eu bebo os teus perfumes,
futebol e falamos de futebol, quer gostemos Sigo na terra de teu passo os lumes...
ou não de futebol. Ele já faz parte da própria - Tu és Eleonora...
natureza do brasileiro. Mas isso não está
devidamente expresso na poesia ou na prosa, II
nem impresso nas obras espalhadas pelas Meu coração desmaia pensativo,
galerias de arte, tampouco projetado nas Cismando em tua rosa predileta.
telas de cinema, representado devidamente Sou teu pálido amante vaporoso,
nos palcos ou ¥capturado em seu rico gestual Sou teu Romeu... teu lânguido poeta!
pelas coreografias de balé. Sonho-te às vezes virgem... seminua
2 Talvez a resposta esteja com o Roubo-te um casto beijo à luz da lua
professor, ensaísta, poeta, escritor e gênio - E tu és Julieta...
em geral, Décio Pignatari, que, ©a propósito,
me disse certa vez: "É que o futebol é muito III
maior do que a criação artística". Na volúpia das noites andaluzas
3 O que o mestre queria dizer, se O sangue ardente em minhas veias rola...
¦entendi, é que o futebol incorpora a graça do Sou D. Juan!... Donzelas amorosas,
balé, a dinâmica do cinema, a expressão do Vós conheceis-me os trenos na viola!
ser e dos movimentos das artes plásticas; ele Sobre o leito do amor teu seio brilha...
cria os mais inverossímeis personagens, tece Eu morro, se desfaço-te a mantilha...
as tramas mais insólitas que a ficção possa Tu és - Júlia, a Espanhola!...
conceber e nos §derrama um belo verso, ªao Castro Alves
menos, ... (III) ... cada partida. Assim, criou
sua própria semântica, uma linguagem que 24. A pontuação utilizada pelo poeta
dispensa as demais. (reticências, travessões e exclamações)
(Adaptado de: HELENA JR., Alberto. O destaca uma organização lingüística onde é
FUTEBOL É MUITO MAIOR DO QUE A CRIAÇÃO notória uma:
ARTÍSTICA. "Folha de São Paulo", 03 de a) seleção vocabular redundante, monótona.
setembro, 1997, p. 12, 3° caderno.) b) preocupação com uma sintaxe expressiva.
c) pontuação correta, mas inexpressiva.
23. Considere as seguintes afirmações sobre d) presença excessiva do registro coloquial.
o texto. e) objetividade advinda de uma linguagem
predominantemente denotativa.
I - As aspas são usadas no texto para
introduzir trechos citados de outro autor. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
II - O texto limita-se a lançar uma possível (Fgv 2002) O rápido e grande avanço
resposta para a pergunta feita nas linhas no observado no ambiente da produção, por
parágrafo 1. meio do surgimento de novas estratégias de
III - Segundo o texto, as manifestações manufatura, impôs mudanças profundas na
artísticas são linguagens. forma de produzir. Uma das técnicas mais
atingidas por essas mudanças é a que se
Quais estão corretas? refere ao gerenciamento de custos.
a) Apenas I Até os anos 70, as despesas diretas de
b) Apenas II mão-de-obra e material respondiam pela
c) Apenas III quase totalidade dos custos totais. Despesas
d) Apenas I e III indiretas, como qualidade, controle de
e) I, II e III produção, compras etc., representavam uma
pequena proporção desses custos. Em
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO decorrência, os métodos tradicionais de
(Cesgranrio 98) Texto: "Os Três Amores" alocação das despesas indiretas
recomendavam, por uma questão de
I simplificação, meramente ratear tais
MINH'ALMA é como a fronte sonhadora despesas, com base em critérios pouco
Do louco bardo, que Ferrara chora ... complexos.
Sou Tasso!... a primavera de teus risos Entretanto, a estrutura de custos dos
De minha vida as solidões enflora... produtos vem alterando-se muito nos últimos
tempos. Antes, as despesas indiretas juntando as mãos e os braços, como fazem
representavam apenas algo em torno de 5% os nadadores, que caem do alto, mergulhou
dos custos; hoje, já alcançam valores médios por uma coluna a seguir. Quando voltou à
superiores a 35%, havendo casos de tona trazia entre os dedos esta pérola:
empresas em que elas podem atingir 70%. 4 "Uma viúva interessante, distinta, de
Por outro lado, no passado, os custos boa família e independente de meios, deseja
de medição das despesas eram elevados, e a encontrar por esposo um homem de meia-
diversificação dos produtos, pequena. Hoje, idade, sério, instruído, e também com meios
com o avanço tecnológico, os custos de de vida, que esteja como ela cansado de,
medição estão menores e permitem viver só; resposta por carta ao escritório
apuração mais precisa. Nos tempos atuais, desta folha, com as iniciais M. R....,
também a diversidade de produtos e serviços anunciando, a fim de ser procurada essa
vem crescendo devido à tendência de se carta."
procurar atingir uma operação que atenda 5 Gentil viúva, eu não sou o homem que
aos clientes com produtos e serviços procuras, mas desejava ver-te, ou, quando
personalizados. Essas considerações menos, possuir o teu retrato, porque tu não
permitem afirmar que o sistema tradicional és qualquer pessoa, tu vales alguma cousa
de levantamento de custos tornou-se mais que o comum das mulheres. Ai de quem
inadequado. está só! dizem as sagradas letras; mas não
(Adaptado de COGAN, Samuel. São foi a religião que te inspirou esse anúncio.
Paulo: RAE - Revista de Administração de Nem motivo teológico, nem metafísico.
Empresas, volume 39, número 2, abril-junho Positivo também não, porque o positivismo é
de 1999, p. 47) infenso às segundas núpcias. Que foi então,
senão a triste, longa e aborrecida
25. No último parágrafo do texto, há uma experiência? Não queres amar; estás cansada
vírgula entre PRODUTOS e PEQUENA. Essa de viver só.
vírgula: 6 E a cláusula de ser o esposo outro
a) Está correta, já que separa o sujeito de seu aborrecido, farto de solidão, mostra que tu
verbo. não queres enganar, nem sacrificar ninguém.
b) Está incorreta por separar um substantivo Ficam desde já excluídos os sonhadores, os
do respectivo adjetivo. que amem o mistério e procurem justamente
c) Está correta, pois indica a omissão de um esta ocasião de comprar um bilhete na loteria
verbo. da vida. Que não pedes um diálogo de amor,
d) Está incorreta, pois separa do núcleo do é claro, desde que impões a cláusula da
sujeito o seu adjunto adnominal. meia-idade, zona em que as paixões
e) Está correta, pois é normal separar com arrefecem, onde as flores vão perdendo a cor
vírgula o sujeito de seu predicativo. purpúrea e o viço eterno. Não há de ser um
náufrago, à espera de uma tábua de
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO salvação, pois que exiges que também
(Fuvest 89) 17 DE JULHO possua. E há de ser instruído, para encher
com as cousas do espírito as longas noites do
1 Um dia desta semana, farto de coração, e contar (sem as mãos presas) a
vendavais, naufrágios, boatos, mentiras, tomada de Constantinopla.
polêmicas, farto de ver como se 7 Viúva dos meus pecados, quem és tu
descompõem os homens, acionistas e que sabes tantos? O teu anúncio lembra a
diretores, importadores e industriais, farto de carta de certo capitão da guarda de Nero.
mim, de ti, de todos, de um tumulto sem Rico, interessante, aborrecido, como tu,
vida, de um silêncio sem quietação, peguei escreveu um dia ao grave Sêneca,
de uma página de anúncios, e disse comigo: perguntando-lhe como se havia de curar do,
2 Eia, passemos em revista as procuras tédio que sentia, e explicava-se por figura:
e ofertas, caixeiros desempregados, pianos, "Não é a tempestade que me aflige, é o enjôo
magnésias, sabonetes, oficiais de barbeiro, do mar. "Viúva minha, o que tu queres
casas para alugar, amas-de-leite, cobradores, realmente, não é um marido, é um remédio
coqueluche, hipotecas, professores, tosses contra o enjôo. Vês que a travessia ainda é
crônicas... longa, - porque a tua idade está entre trinta e
3 E o meu espírito, estendendo e dous e trinta e oito anos, - o mar é agitado, o
navio joga muito; precisas de um preparado primeiro lugar, apenas falada; em segundo,
para matar esse mal cruel e indefinível. Não falada principalmente por pessoas não cultas,
te contentas com o remédio de Sêneca, que pois não havia "no início" do latim tais
era justamente a solidão, "a vida retirada, em pessoas cultas, como ocorreu mais tarde; 2)
que a alma acha todo o seu sossego". Tu já depois de ter sido língua de César, Cícero,
provaste esse preparado; não te fez nada. etc., o latim mudou tanto que, entre outras
Tentas outro; mas queres menos um coisas, veio a ser o francês, o italiano, o
companheiro que uma companhia. espanhol, o português, etc.
(Machado de Assis, A Semana, Ora, o que ocorreu com o latim não
1892.) ocorreu por castigo ou por azar. Ocorreu com
outras línguas, como o alemão, o inglês, o
26. Assinale a alternativa em que o período grego, o português. Na verdade, com todas
proposto está corretamente pontuado. as línguas. E continua ocorrendo. Não há
a) Neste ponto viúva amiga, é natural que lhe língua que permaneça uniforme. Todas as
perguntes, a propósito da Inglaterra como é línguas mudam. Esta é uma das poucas
que se explica, a vitória eleitoral de verdades indiscutíveis em relação às línguas,
Gladstone. sobre a qual não pode haver nenhuma
b) Neste ponto, viúva amiga, é natural que dúvida.
lhe perguntes, a propósito da Inglaterra, [...] não há razão de ordem científica
como é que se explica a vitória eleitoral de para exigir que alunos - ou outras pessoas -
Gladstone. conheçam formas arcaicas, que nunca ouvem
c) Neste ponto, viúva amiga é natural que, e que são raras mesmo nos textos escritos
lhe perguntes a propósito da Inglaterra, como mais correntes. Dito de outro modo: se temos
é que explica a vitória eleitoral, de claro que as línguas mudam, fica claro
Gladstone? também por que os falantes não conhecem
d) Neste ponto, viúva amiga, é natural, que certas formas lingüísticas: é que elas não são
lhe perguntes a propósito da Inglaterra, como mais usadas na época em que os falantes se
é que, se explica a vitória eleitoral de tornam falantes. Se não são usadas, não são
Gladstone. ouvidas. Se não são ouvidas (e ouvidas
e) Neste ponto viúva amiga, é natural que lhe muitas vezes), não podem ser aprendidas.
perguntes a propósito da Inglaterra como é, Nós nos acostumamos a pensar que
que se explica, a vitória eleitoral de há formas da língua que não são mais
Gladstone? usadas, que só os dicionários registram e, por
isso, são chamadas de arcaísmos. Mas nos
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO acostumamos também a pensar que os
(Pucmg 97) NÃO EXISTEM LÍNGUAS arcaísmos são sempre formas realmente
IMUTÁVEIS antigas. Ora, isso é um engano. Há arcaísmos
Uma das coisas que aprendemos na mais arcaicos do que outros. Há muitas
escola é que o português veio do latim. Ou formas que nós eventualmente pensamos
seja, que o português é uma língua que não que ainda são vivas, porque são ensinadas na
foi sempre o português, não foi sempre como escola e por isso são utilizadas
é. Se estudássemos um pouco mais esse tipo eventualmente, mas, na verdade, já estão
de assunto, aprenderíamos que também o mortas, ou quase, porque não são mais
latim é uma língua que veio de outras usadas regularmente. Por exemplo, quem é
línguas, e que o latim provavelmente não foi que encontra falantes reais que utilizam
a língua falada pelos primeiros seres sempre as regências de verbos como assistir,
humanos. Isto é: a) o latim não é uma língua visar, preferir, etc. como as gramáticas
totalmente pura; b) o latim também é uma mandam? O que estou sugerindo é que, de
língua que não permaneceu sempre igual a si fato, devemos considerar formas como
mesma, qualquer que seja o estágio "assistir ao jogo" como arcaísmos e,
escolhido para análise; c) as coisas não conseqüentemente, formas como assistir o
terminam com um exemplo em latim. jogo como padrões, "corretas". Simplesmente
Os fatos, grosseiramente, são da por uma razão: no português de hoje, 'ser
seguinte ordem: 1) o latim nem sempre foi o espectador de' se diz assistir, e não assistir a.
latim de Cícero, César, Virgílio, etc. Antes de [...] A questão não é, entretanto, saber
sê-lo, foi uma língua "pouco cultivada". Em se há ou não alguém com autoridade (um
gramático, por exemplo) dizendo que agora acostumamos também, a pensar que os
se pode dizer assim ou assado. Que agora arcaísmos são sempre formas realmente
falar assim ou assado está certo. O antigas. Ora, isso é um engano: há arcaísmos
argumento interessante é de outra natureza, mais arcaicos que outros.
não o de autoridade. O que estou afirmando
é que os fatos lingüísticos são esses. E que b) Nós nos acostumamos a pensar que há
contra tais fatos não adianta espernear. Se formas da língua que não são mais usadas,
nós espernearmos contra esses fatos, que só os dicionários registram e por isso,
deveríamos espernear contra todas as formas são chamadas de arcaísmos, mas nos
de mudança, inclusive as que ocorreram nos acostumamos também a pensar que os
séculos III, X, XII, XVII, etc. Por que só os fatos arcaísmos são sempre formas realmente
de hoje são ruins e devem ser desprezados? antigas. Ora, isso é um engano. Há
E tem mais: tais fatos podem ser explicados. arcaísmos, mais arcaicos do que outros.
Além de poderem ser explicados, eles
explicam, por sua vez, por que nossos alunos c) Nós nos acostumamos a pensar que há
(ou nossos vizinhos) falam como falam. Além formas da língua que não mais usadas, que
de, evidentemente, explicarem também por só os dicionários registram e, por isso, são
que nós mesmos falamos assim... Ou seja, chamados de arcaísmos. Mas nos
explicam por que falar assim não é errado, acostumamos, também, a pensar que os
mas é simplesmente falar segundo as regras arcaísmos são sempre formas realmente
da língua de hoje, do português vivo. Se antigas. Ora, isso é um engano - há
pensássemos dessa forma em relação às arcaísmos mais arcaicos do que outros.
línguas, sem defender, explícita ou
implicitamente, que as formas antigas são as d) Nós nos acostumamos a pensar, que há
únicas corretas ou, pelo menos, que são formas da língua que não são mais usadas,
melhores que as atuais, nossa pedagogia das que só os dicionários registram e por isso,
línguas mudaria. Por exemplo, todos são chamados de arcaísmos. Mas, nos
perceberíamos que gastar um tempo enorme acostumamos também a pensar que os
com regências e colocações inusitadas é, a arcaísmos são sempre formas realmente
rigor, inútil. A prova é que a maioria dos que antigas. Ora, isso é um engano. Há arcaísmos
as estudam não aprende tais formas, ou, pelo mais arcaicos do que outros.
menos, não as usa.
e) Nós nos acostumamos pensar que há
POSSENTI, Sírio. POR QUE (NÃO) ENSINAR formas da língua que não são mais usadas,
GRAMÁTICA NA ESCOLA. Campinas, SP: ALB, que só os dicionários registram e, por isso,
Mercado de Letras, 1996, p. 37-40. são chamadas de arcaísmos. Mas nos
acostumamos também a pensar, que os
27. Assinale a opção em que as alterações de arcaísmos são sempre formas realmente
pontuação propostas para o trecho em antigas. Ora, isso é um engano; há arcaísmos
destaque estejam de acordo com a norma mais arcaicos do que outros.
culta.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
NÓS NOS ACOSTUMAMOS A PENSAR QUE HÁ (Ufba 96) RESTOS DO CARNAVAL
FORMAS DA LÍNGUA QUE NÃO SÃO MAIS
USADAS, QUE SÓ OS DICIONÁRIOS 1 NÃO, não deste último carnaval. Mas
REGISTRAM E, POR ISSO, SÃO CHAMADAS DE não sei por que este me transportou para a
ARCAÍSMOS. MAS NOS ACOSTUMAMOS minha infância e para as quartas-feiras de
TAMBÉM A PENSAR QUE OS ARCAÍSMOS SÃO cinzas nas ruas mortas onde esvoaçavam
SEMPRE FORMAS REALMENTE ANTIGAS. ORA, despojos de serpentina e confete. Uma ou
ISSO É UM ENGANO. HÁ ARCAÍSMOS MAIS outra beata com um véu cobrindo a cabeça ia
ARCAICOS DO QUE OUTROS. à igreja, atravessando a rua tão
extremamente vazia que se segue ao
a) Nós nos acostumamos a pensar que há carnaval. Até que viesse o outro ano. E
formas da língua que não são mais usadas, quando a festa ia se aproximando, como
que só os dicionários registram e, por isso, explicar a agitação íntima que me tomava?
são chamados de arcaísmos. Mas, nos Como se enfim o mundo se abrisse de botão
que era em grande rosa escarlate. Como se pretendia imitar as pétalas de uma flor.
as ruas e praças do Recife enfim explicassem Boquiaberta, eu assistia pouco a pouco à
para que tinham sido feitas. Como se vozes fantasia tomando forma e se criando. Embora
humanas enfim cantassem a capacidade de de pétalas o papel crepom nem de longe
prazer que era secreta em mim. Carnaval era lembrasse, eu pensava seriamente que era
meu, meu. uma das fantasias mais belas que jamais
2 No entanto, na realidade, eu dele vira.
pouco participava. Nunca tinha ido a um baile 6 Foi quando aconteceu, por simples
infantil, nunca me haviam fantasiado. Em acaso, o inesperado: sobrou papel crepom, e
compensação deixavam-me ficar até umas muito. E a mãe de minha amiga - talvez
11 horas da noite à porta do pé da escada do atendendo a meu apelo mudo, ao meu mudo
sobrado onde morávamos, olhando ¢ávida os desespero de inveja, ou talvez por pura
outros se divertirem. Duas coisas preciosas bondade, já que sobrara papel - resolveu
eu ganhava então e economizava-as com fazer para mim também uma fantasia de rosa
¤avareza para durarem os três dias: um com o que restara de material. Naquele
lança-perfume e um saco de confete. Ah, está carnaval, pois, pela primeira vez na vida eu
se tornando difícil escrever. Porque sinto teria o que sempre quisera: ia ser ¦outra que
como ficarei de ¥coração escuro ao constatar não eu mesma.
que, mesmo me agregando tão pouco à 7 Até os preparativos já me deixavam
alegria, eu era de tal modo sedenta que um tonta de felicidade. Nunca me sentira tão
quase nada já me tornava uma menina feliz. ocupada: minuciosamente, minha amiga e eu
3 E as máscaras? Eu tinha medo, mas calculávamos tudo, embaixo da fantasia
era um medo vital e necessário porque vinha usaríamos combinação, pois se chovesse e a
de encontro à minha mais profunda suspeita fantasia se derretesse pelo menos estaríamos
de que o rosto humano também fosse uma de algum modo vestidas - à idéia de uma
espécie de máscara. À porta do meu pé de chuva que de repente nos deixasse, nos
escada, se um mascarado falava comigo, eu nossos ¨pudores femininos de oito anos, de
de súbito entrava no contato indispensável combinação na rua, morríamos previamente
com o meu mundo interior, que não era feito de vergonha - mas ah! Deus nos ajudaria!
só de duendes e príncipes encantados, mas não choveria! Quanto ao fato de minha
de pessoas com o seu mistério. Até meu fantasia só existir por causa das sobras de
susto com os mascarados, pois, era essencial outra, engoli com alguma dor meu orgulho
para mim. que sempre fora feroz, e aceitei humilde o
4 Não me fantasiavam: no meio das que o destino me dava de esmola.
preocupações com minha mãe doente, 8 Mas por que exatamente aquele
ninguém em casa tinha cabeça para carnaval carnaval, o único de fantasia, teve que ser
de criança. Mas eu pedia a uma de minhas tão melancólico? De manhã cedo no domingo
irmãs para enrolar aqueles meus cabelos eu já estava de cabelos enrolados para que
lisos que me causavam tanto desgosto e até de tarde o frisado pegasse bem. Mas os
tinha então a vaidade de possuir cabelos minutos não passavam, de tanta ansiedade.
frisados pelo menos durante três dias por Enfim, enfim! chegaram três horas da tarde:
ano. Nesses três dias, ainda, minha irmã com cuidado para não rasgar o papel, eu me
acedia ao meu sonho intenso de ser uma vesti de rosa.
moça - eu mal podia esperar pela saída de 9 Muitas coisas que me aconteceram
uma infância vulnerável - e pintava minha tão piores que estas, eu já perdoei. No
boca de batom bem forte, passando também entanto essa não posso sequer entender
ruge nas minhas faces. Então eu me sentia agora: o jogo de dados de um destino é
bonita e feminina, eu escapava da meninice. irracional? É impiedoso. Quando eu estava
5 Mas houve um carnaval diferente dos vestida de papel crepom todo armado, ainda
outros. Tão milagroso que eu não conseguia com os cabelos enrolados e ainda sem batom
acreditar que tanto me fosse dado, eu, que já e ruge - minha mãe de súbito piorou muito de
aprendera a pedir pouco. É que a mãe de saúde, um alvoroço repentino se criou em
uma amiga minha resolvera fantasiar a filha e casa e mandaram-me comprar depressa um
o nome da fantasia era no figurino Rosa. Para remédio na farmácia. Fui correndo vestida de
isso comprara folhas e folhas de papel rosa - mas o rosto ainda nu não tinha a
crepom cor-de-rosa, com as quais, suponho, ©máscara de moça que cobriria minha tão
ªexposta vida infantil - , fui correndo, bem forte..." (parágrafo 4) - Travessões
correndo, perplexa, atônita, entre marcando um comentário à parte.
serpentinas, confetes e gritos de carnaval. A
alegria dos outros me espantava. (08) "... mas ah! Deus nos ajudaria! não
10 Quando horas depois a atmosfera em choveria!" (parágrafo 7) - Exclamações
casa acalmou-se, minha irmã me penteou e marcando entusiasmo e alegria.
pintou-me. Mas alguma coisa tinha morrido
em mim. E, como nas histórias que eu havia (16) "Enfim, enfim! chegaram três horas da
lido sobre fadas que encantavam e tarde..." (parágrafo 8) - Exclamação
desencantavam pessoas, eu fora expressando sensação de alívio.
desencantada; não era mais uma rosa, era de
novo uma ¢¡simples menina. Desci até a rua (32) "... o jogo de dados de um destino é
e ali de pé eu não era uma flor, era um irracional?" (parágrafo 9) - Interrogação
palhaço pensativo de lábios encarnados. Na marcando uma pergunta a um personagem
minha £fome de sentir êxtase, às vezes imaginário.
começava a ficar alegre mas com remorso
lembrava-me do estado grave de minha mãe (64) "... enfim alguém me havia reconhecido:
e de novo eu morria. eu era, sim, uma rosa." (parágrafo 11) - Dois-
11 Só horas depois é que veio a salvação. pontos introduzindo síntese do que foi
E se depressa agarrei-me a ela é porque enunciado anteriormente.
tanto precisava me salvar. Um menino de uns
12 anos, o que para mim significava um Soma ( )
rapaz, ¢£esse menino muito bonito parou
diante de mim e, numa mistura de carinho, TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
grossura, brincadeira e sensualidade, cobriu (Ufpe 2003) Antes de mais nada, é preciso
meus cabelos, já lisos, de confete: por um esclarecer que há uma diferença bastante
instante ficamos nos defrontando, sorrindo, significativa entre responsabilidade social e
sem falar. E eu então, §mulherzinha de 8 ação social. Enquanto o primeiro compreende
anos, considerei pelo resto da noite que uma série de itens nos quais a empresa deve
enfim alguém me havia reconhecido: eu era, ter comprometimento ético, com
sim, uma rosa. fornecedores, acionistas, empregados e o
(LISPECTOR, Clarice. meio ambiente, por exemplo, o segundo se
FELICIDADE CLANDESTINA: CONTOS. 7 ed. dá exclusivamente na relação da empresa
Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991. p.31-5.) com a comunidade. Entender essas
definições é de fundamental importância
Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos para as empresas que já desenvolveram,
parênteses a soma dos itens corretos. vêm desenvolvendo ou querem desenvolver
alguma atividade na área social. (...)
28. O valor do sinal de pontuação está Há várias explicações para esse processo de
devidamente indicado em: conversão de pensamento das empresas. A
mais difundida delas é justamente a mais
(01) "E quando a festa ia se aproximando, simples e também a mais lógica: com a
como explicar a agitação íntima que me redemocratização, as relações tomaram-se
tomava?" (parágrafo 1) - Interrogação como mais transparentes. E, na era das
recurso retórico, gerando esclarecimentos. comunicações, com a sociedade tomando
conhecimento de movimentos como "Ação
(02) "Não me fantasiavam: no meio das pela Cidadania Contra a Fome e a Miséria",
preocupações com minha mãe doente, de eventos como a "Rio 92" e com o
ninguém em casa tinha cabeça para carnaval crescimento de ONGs, ao redor do Brasil,
de criança." (parágrafo 4) - Dois-pontos nasceu uma cobrança de postura. Cobrança
introduzindo uma enumeração. essa que é de todos e recai na área social,
pela percepção dos problemas, como
(04) "... minha irmã acedia ao meu sonho pobreza, fome, violência. Logo, ficaria difícil
intenso de ser uma moça - eu mal podia criar "ilhas de prosperidade" no meio dos
esperar pela saída de uma infância problemas.
vulnerável - e pintava minha boca de batom ("Jornal do Commercio": 21/07/2002.
Fragmento) Fantástico alemão, poeta ardente
Que ilumina o clarão das gotas pálidas
29. Analise os pares de enunciados a seguir. Do nobre Johannisberg! Nos teus romances
Assinale a alternativa em que, apesar da Meu coração deleita-se... Contudo,
alteração no uso da pontuação e de outros Parece-me que vou perdendo o gosto,
sinais, o sentido se mantém. (...)
(Álvares de Azevedo, "Lira dos
a) Embora a violência ainda impere, as vinte anos")
comunidades, que são desassistidas pelo
poder público, continuam buscando a paz. 30. "Fibra de amor e Deus que um sopro
Embora a violência ainda impere, as agita:" (verso 7)
comunidades que são desassistidas pelo Os dois pontos no final deste verso
poder público continuam buscando a paz. introduzem uma
a) citação.
b) O Diretor informou que, com o resultado b) explicação.
do último concurso, a contratação de novos c) enumeração.
funcionários definirá a realização de um outro d) gradação.
programa. e) concessão.
O Diretor informou que - com o resultado do
último concurso - a contratação de novos TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
funcionários definirá a realização de um outro (Uerj 2000) POÉTICA
programa.
1
c) Crianças da periferia, em Recife, podem já Que é a Poesia?
buscar a garantia de atendimento aos uma ilha
direitos, que lhes são básicos. cercada
Crianças da periferia - em Recife - podem já de palavras
buscar a garantia de atendimento aos por todos
direitos que lhes são básicos. os lados.

d) Para assegurar o desenvolvimento, das 2


comunidades menos assistidas espera-se a Que é o Poeta?
máxima participação. um homem
Para assegurar o desenvolvimento das que trabalha o poema
comunidades menos assistidas, espera-se a com o suor do seu rosto.
máxima participação. Um homem
que tem fome
e) Não teria sido bom se tivessem falado de como qualquer outro
ações repressivas, pois a garantia de homem.
atendimento aos direitos básicos é prioritária. (RICARDO, Cassiano. "Jeremias Sem-
Não; teria sido bom se tivessem falado de Chorar". Rio de Janeiro: José Oiympio, 1964.)
ações repressivas, pois a garantia de
atendimento aos direitos básicos é prioritária. 31. Nas orações do poema de Cassiano
Ricardo, observa-se o uso de:
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO a) linguagem culta
(Fuvest 2000) Ossian o bardo é triste como a b) discurso indireto livre
sombra c) pontuação inadequada
Que seus cantos povoa. O Lamartine d) inversão entre os termos
É monótono e belo como a noite,
Como a lua no mar e o som das ondas... TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
Mas pranteia uma eterna monodia, (Ufrn 99) O picadeiro do povão
Tem na lira do gênio uma só corda;
Fibra de amor e Deus que um sopro agita: "Márcia", "Você Decide" e "Ratinho
Se desmaia de amor a Deus se volta, Livre". O zap noturno não deixa dúvida: o
Se pranteia por Deus de amor suspira. esculacho popularesco toma conta da TV. O
Basta de Shakespeare. Vem tu agora, horário nobre £vira horário pobre, e a classe
média desalojada reclama. ¢Seus melhores [adaptação] GONÇALVES, Marcos
intérpretes são os críticos que despejam Augusto. O picadeiro do povão. Folha de S.
indignação iluminista sobre a grossura do Paulo, São Paulo, 15 mar. 1998. Caderno
povão na TV, o reino da anormalidade, o Brasil, p.20.
picadeiro da comunicação do grotesco.
A cultura de massas brasileira parece Vocabulário
ingressar numa nova fase, embora sempre
seja possível dizer que isso nunca deixou de zap - Mudança de um canal de TV para outro
existir: antes era o Flávio Cavalcanti, a Dercy, através do controle remoto.
o Chacrinha, o homem do sapato branco. laquê - Produto com que se vaporizam os
Mas o fato é que, se o sensacionalismo cabelos para fixar o penteado.
não mudou, mudou sua escala - e mudaram hegemônica - Superior; suprema.
as circunstâncias. ardil - Ação em que há astúcia.
Num regime de quase monopólio, nichos - Porções restritas; pequenas partes.
quando ainda pairava sobre a TV o peso de
uma política autoritária, com fortes ligações 32. Sobre o uso do sinal de pontuação, é
com o conservadorismo católico e o correto afirmar que
moralismo das senhoras de xale e laquê, foi a) as aspas (ref.3 e 4) indicam a
possível manter uma certa compostura, impropriedade da expressão.
dourar a tela com um digerível "padrão de b) a vírgula foi usada de maneira
qualidade". inadequada, na expressão O horário nobre
Hoje, a situação competitiva é outra. vira horário pobre, ...
Não apenas pela presença crescente da TV c) os dois-pontos (ref.5 e 6) marcam a
paga, mas também pela emergência, no supressão de um vocábulo.
mercado, de alternativas à hegemônica Rede d) o travessão (ref.7) poderia ser substituído
Globo. Alternativas construídas com o ardil por vírgula.
de apostar fortemente no popularesco, mas
com a salvaguarda de nichos de TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
"credibilidade". Ratinho e Boris Casoy, Márcia (Ufrs 98) UMA OUTRA EUCARISTIA
e Jô Soares.
Como na TV impera a lógica da maior 1 Em 1592, inspirado nas descrições do
audiência, a fortaleza ameaçada vê-se diante viajante Hans Staden, o alemão De Bry
do dilema: §reagir com a mesma moeda ou desenhou as cerimônias de canibalismo de
perder a liderança em alguns horários. índios brasileiros. São documentos de £alto
Um outro fator parece contribuir para valor histórico (...). Porém, não podem ser
o êxito do circo do povão na TV: o real e suas vistos como retratos exatos: o artista, sob a
conseqüências no consumo popular. A venda influência do Renascimento, mitigou a
de televisores no Brasil explodiu nos últimos violência ¢antropofágica com imagens
anos e é provável que não tenha sido idealizadas de índios, que ganharam traços e
unicamente para reposição. corpos esbeltos de europeus. As índias
É o mesmo fenômeno que ocorre na ficaram rechonchudas como as divas
música popular, com o estouro da "bunda sensuais do pintor holandês Rubens.
music" da Bahia, do sertanejo Brasil-Texas e 2 No século XX, o pintor brasileiro
dos pagodeiros do Rio e São Paulo. O Portinari trabalhou o mesmo tema. Utilizando
mercado de discos cresce por baixo e vai formas densas, rudes e nada idealizadas,
remodelando o perfil da produção. Se a Portinari evitou o ângulo do colonizador e
imagem do país na TV está cada vez mais procurou não fazer julgamentos. A
popularesca, seu fundo musical não fica Antropologia persegue a mesma coisa:
muito atrás. investigar, descrever e interpretar as culturas
Está em curso, portanto, uma em toda a sua diversidade desconcertante.
reorganização dos mercados da indústria 3 Assim, ela é capaz de revelar que o
cultural, que não deixa de atingir a própria canibalismo é uma experiência simbólica e
imprensa. Basta ver o sucesso do jornal ¥"O transcendental - jamais alimentar.
Dia" Rio de Janeiro¨ - que ganhará em breve 4 Até os anos 50, waris e kaxinawás
a concorrência de um produto similar do comiam pedaços dos corpos de seus mortos.
grupo Globo. Ainda hoje, os yanomamis misturam as
cinzas dos amigos no purê de banana. Ao erguem paredes invisíveis entre os
observar esses rituais, a Antropologia comensais. §Na Idade Média, levava-se a mão
aprendeu que, na antropofagia que chegou ao prato comum, duas ou três pessoas
ao século XX, o que há é um ato amoroso e tomavam a sopa numa só escudela, todos
religioso, destinado a ajudar a alma do morto comiam a carne na mesma travessa e
a alcançar o céu. A SUPER, ao contar toda a bebiam de uma única taça que circulava pela
história para você, pretende superar os mesa; facas e colheres, ainda inadequadas,
olhares preconceituosos, ampliar o passavam de um conviva a outro; e cada qual
conhecimento que os brasileiros têm do mergulhava seu pedaço de pão ou de carne
Brasil e estimular o respeito às culturas em saleiros e molheiras comuns. ¨Nos
indígenas. Você vai ver que o canibalismo, séculos XVII e XVIII, ao contrário, cada
para os índios, é tão digno quanto a comensal é dono de um prato, um copo, uma
eucaristia para os católicos. É sagrado. faca, uma colher, um garfo, um guardanapo e
(Adaptado de: SUPERINTERESSANTE. Agosto, um pedaço de pão. ©Tudo que é retirado das
1997, p.4.) travessas, molheiras e saleiros comuns deve
ser pego com os utensílios adequados e
33. Assinale a alternativa na qual se faz uma depositado no prato antes de ser tocado com
afirmativa incorreta sobre possíveis os próprios talheres e levado ........ boca.
alterações na pontuação do texto. ªCada conviva é encerrado numa espécie de
a) Os dois-pontos no parágrafo1 poderiam ser gaiola imaterial. ¢¡Por que tais precauções,
substituídos por ponto-e-vírgula, sem dois séculos antes de Pasteur descobrir a
acarretar erro. existência dos micróbios? ¢¢O que vem a ser
b) A vírgula no parágrafo 2 poderia ser essa sujeira que tanto se teme? ¢£Não será
substituída por dois-pontos, sem acarretar principalmente o medo do contato com o
erro. outro?
c) Os dois-pontos do parágrafo 2 poderiam (Adaptado de FLANDRIN, Jean-
ser substituídos por travessão, sem acarretar Louis. A DISTINÇÃO PELO GOSTO. In:
erro. CHARTIER, Roger (Org.) HISTÓRIA DA VIDA
d) O travessão no parágrafo 3 poderia ser PRIVADA 3: Da Renascença ao Século das
substituído por vírgula, sem acarretar o erro. Luzes. São Paulo: Companhia das Letras,
e) As vírgulas do parágrafo 4 poderiam ser 1991. p. 267-8)
substituídas por travessão, sem acarretar
erro. 34. Considere as afirmativas seguintes sobre
a pontuação do texto.
TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 2 QUESTÕES.
(Ufrs 97) ¢Quando tratavam de maneiras I - As aspas no 1Ž período indicam que se
........ mesa, os manuais de civilidade trata de palavras literais de outro autor,
medievais - ou talvez devamos dizer como se pode comprovar pela presença do
"manuais de cortesia", tendo em vista a verbo DIZER introduzindo a citação.
época - condenavam as manifestações de II - Os travessões do 3Ž período poderiam ser
gula, a agitação, a sujeira, a falta de substituídos por parênteses, sem que fosse
consideração pelos outros convivas. £Tudo alterado o sentido original da frase.
isso persiste nos séculos XVII e XVIII, porém III - No contexto, o trecho NÃO SERÁ (1Ž
novas prescrições se acrescentam ........ período) poderia ser substituído por É, e a
antigas. ¤Em geral, elas desenvolvem ........ frase terminada com ponto final, uma vez
idéia de limpeza - já presente na Idade Média que a última pergunta do texto é retórica e
-, ordenando que se usem os novos utensílios disfarça uma afirmação.
de mesa: pratos, copos, facas, colheres e
garfos individuais. ¥O emprego dos dedos é Quais são corretas?
cada vez mais proscrito, bem como a a) Apenas I
transferência dos alimentos diretamente da b) Apenas III
travessa comum para a boca. c) Apenas I e II
¦Isso evidencia não só uma obsessão d) Apenas II e III
pela limpeza, como ainda um progresso do e) I, II e III
individualismo: o prato, o copo, a faca, a
colher e o garfo individuais na verdade 35. Levando em conta as regras de
pontuação do português culto, considere as confiança em você mesmo."
possibilidades seguintes de substituição do [Eduardo Galeano. "Algumas estações
dois-pontos do (5Ž período) da palavra no inferno", In: PALAVRA, nŽ6,
9/99, p.82 (com adaptações).]
I - Ponto, seguido de maiúscula.
II - Ponto-e-vírgula, seguido de minúscula. 36. Com relação ao texto, julgue os itens a
III - Vírgula, seguida de minúscula. seguir.

Quais são corretas? (1) O trecho "Encontre a verdade": a verdade


a) Apenas I está na cerveja Heineken" pode ser
b) Apenas III substituído por "ENCONTRE-A": ELA ESTÁ NA
c) Apenas I e II CERVEJA HEINEKEN, sem que se alterem as
d) Apenas II e III relações de idéias e a clareza da mensagem
e) I, II e III transmitida.
(2) No segundo parágrafo, os dois pontos
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO foram usados várias vezes pelo autor como
(Unb 2000) A palavra e a recurso para estabelecer relações de sentido
publicidade consideradas verdadeiras.
(3) A vírgula foi empregada duas vezes para
Hoje em dia, a publicidade tem sob indicar a elipse do verbo SIGNIFICAR (ref.2).
sua responsabilidade o dicionário da (4) A expressão "Quem não sabe" (ref.3) tem
linguagem universal. Se ela, a publicidade, a finalidade de explicitar que TODO MUNDO
fosse Pinóquio, seu nariz daria várias voltas SABE BRILHAR, DESTACAR-SE.
ao mundo.
"Encontre a verdade": a verdade está TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
na cerveja Heineken. "Você deve apreciar a (Uel 98) Assinale, a letra correspondente à
autenticidade em todas as suas formas": a alternativa que preenche corretamente as
autenticidade está na fumaça dos cigarros lacunas da frase apresentada.
Winston. Os sapatos esportivos Converse são
"solidários" e a nova câmara Canon chama-se 37. Transpondo a frase "Na semana que vem
Rebelde: "Para que você mostre do que é eles já terão terminado o trabalho" para a voz
capaz". No novo universo da computação, a passiva, obtém-se a forma verbal,.......
empresa Oracle proclama a revolução: "A
revolução está em nosso destino". A Apple a) será terminado
propõe a liberdade: "Pense diferente". b) terminarão
Comendo hambúrgueres Burger King, você c) terminar-se-á
pode manifestar seu inconformismo: "Às d) terá sido terminado
vezes, é preciso romper as regras". Contra a e) haverão de ter terminado
inibição, Kodak, que "fotografa sem limites".
A resposta está nos cartões Dinners: "A TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
resposta correta em qualquer idioma". Os (Puccamp 95) A questão da
cartões Visa reafirmam a personalidade: "Eu descriminalização das drogas se presta a
posso". Os automóveis Rover permitem que freqüentes simplificações de caráter
"você expresse sua potência", e a empresa maniqueísta, que acabam por estreitar um
Ford bem que gostaria que "a vida fosse tão problema extremamente complexo,
bem feita" como seu modelo mais recente. permanecendo a discussão quase sempre em
Não há melhor amiga da natureza que a torno da droga que está mais em evidência.
Shell: "Nossa prioridade é a proteção do meio Vários aspectos relacionados ao
ambiente", Os perfumes Givenchy oferecem problema (abuso das chamadas drogas
"eternidade", os perfumes Dior£, "fuga"; os lícitas, como medicamentos, inalação de
lenços Hermes, "sonhos e lendas". ¤Quem solventes, etc.) ou não são discutidos, ou não
não sabe que a "chispa da vida" brilha em merecem a devida atenção. A sociedade
quem bebe Coca-Cola? Se alguém quiser parece ser pouco sensível, por exemplo, aos
saber, as fotocópias Xerox, "para problemas do alcoolismo, que representa a
compartilhar o conhecimento". Contra a primeira causa de internação da população
dúvida, os desodorantes Gillette: "Para ter adulta masculina em hospitais psiquiátricos.
Recente estudo epidemiológico realizado em
São Paulo apontou que 8% a 10% da A frase anterior, com elementos deslocados,
população adulta apresentavam problemas está corretamente pontuada em:
de abuso ou dependência de álcool. Por outro a) Não apresentam resultados, animadores
lado, a comunidade mostra-se extremamente em outros países, as experiências dessa
sensível ao uso e abuso de drogas ilícitas, natureza em curso.
como maconha, cocaína, heroína, etc. b) Em curso em outros países, as
Dois grupos mantêm acalorada experiências dessa natureza, não
discussão. O primeiro acredita que somente apresentam resultados animadores.
penalizando traficantes e usuários pode-se c) Em outros países, não apresentam
controlar o problema, atitude essa centrada, resultados animadores - as experiências
evidentemente, em aspectos repressivos. dessa natureza em curso.
Essa corrente atingiu o seu maior d) Em outros países as experiências dessa
momento logo após o movimento militar de natureza, em curso, não apresentam,
1964. Seus representantes acreditam, por resultados animadores.
exemplo, que "no fim da linha" usuários e) Não apresentam, as experiências dessa
fazem sempre um pequeno comércio, o que, natureza em curso em outros países,
no fundo, os igualaria aos traficantes, resultados animadores.
dificultando o papel da Justiça. Como solução,
apontam, com freqüência, para os TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
reconhecidamente muito dependentes, (Ufv 2002) PARÂMETROS CURRICULARES
programas extensos a serem desenvolvidos NACIONAIS - PCNs
em fazendas de recuperação, transformando
o tratamento em um programa agrário. 1 Na perspectiva de uma didática
Na outra ponta, um grupo "neoliberal" voltada para a produção e interpretação de
busca uma solução nas regras do mercado. textos, a atividade metalingüística deve ser
Seus integrantes acreditam que, liberando e instrumento de apoio para a discussão dos
taxando essas drogas através de impostos, aspectos da língua que o professor seleciona
poderiam neutralizar seu comércio, seu uso e e ordena no curso do ensino-aprendizagem.
seu abuso. As experiências dessa natureza 2 Assim, não se justifica tratar o ensino
em curso em outros países não apresentam gramatical desarticulado das práticas de
resultados animadores. linguagem. É o caso, por exemplo, da
Como uma terceira opção, pode-se gramática que, ensinada de forma
olhar a questão considerando diversos descontextualizada, tornou-se emblemática
ângulos. O usuário eventual não necessita de de um conteúdo estritamente escolar, do tipo
tratamento, deve ser apenas alertado para os que só serve para ir bem na prova e passar
riscos. O dependente deve ser tratado, e, de ano - uma prática pedagógica que vai da
para isso, a descriminalização do usuário é metalíngua para a língua por meio de
fundamental, pois facilitaria muito seu pedido exemplificação, exercícios de
de ajuda. O traficante e o produtor devem ser reconhecimento e memorização de
penalizados. Quanto ao argumento de que terminologia. Em função disso, discute-se se
usuários vendem parte do produto: é fruto de há ou não necessidade de ensinar gramática.
desconhecimento de como se dão as relações Mas essa é uma falsa questão: a questão
e as trocas entre eles. verdadeira é o que, para que e como ensiná-
Duplamente penalizados, pela doença la.
(dependência) e pela lei, os usuários 3 Deve-se ter claro, na seleção dos
aguardam melhores projetos, que cuidem conteúdos de análise lingüística, que a
não só dos aspectos legais, mas também dos referência não pode ser a gramática
aspectos de saúde que são inerentes ao tradicional. A preocupação não é reconstruir
problema. com os alunos o quadro descritivo constante
(Adaptado de Marcos P. T. Ferraz, dos manuais de gramática escolar (por
Folha de São Paulo) exemplo, o estudo ordenado das classes de
palavras com suas múltiplas subdivisões, a
38. As experiências dessa natureza em curso construção de paradigmas morfológicos,
em outros países não apresentam resultados como as conjugações verbais estudadas de
animadores. um fôlego em todas as suas formas
temporais e modais, ou de pontos de variedades, por mais prestígio que uma delas
gramática, como todas as regras de possa ter. Ainda se ignora um princípio
concordância, com suas exceções elementar relativo ao desenvolvimento da
reconhecidas). linguagem: o domínio de outras modalidades
4 O que deve ser ensinado não de fala e dos padrões de escrita (e mesmo de
responde às imposições de organização outras línguas) não se faz por substituição,
clássica de conteúdos na gramática escolar, mas por extensão da competência lingüística
mas aos aspectos que precisam ser e pela construção ativa de subsistemas
tematizados em função das necessidades gramaticais sobre o sistema já adquirido.
apresentadas pelos alunos nas atividades de 9 No ensino-aprendizagem de diferentes
produção, leitura e escuta de textos. padrões de fala e escrita, o que se almeja
5 O modo de ensinar, por sua vez, não não é levar os alunos a falar certo, mas
reproduz a clássica metodologia de definição, permitir-lhes a escolha da forma de fala a
classificação e exercitação, mas corresponde utilizar, considerando as características e
a uma prática que parte da reflexão condições do contexto de produção, ou seja,
produzida pelos alunos mediante a utilização é saber adequar os recursos expressivos, a
de uma terminologia simples e se aproxima, variedade de língua e o estilo às diferentes
progressivamente, pela mediação do situações comunicativas: saber coordenar
professor, do conhecimento gramatical satisfatoriamente o que fala ou escreve e
produzido. Isso implica, muitas vezes, chegar como fazê-lo; saber que modo de expressão
a resultados diferentes daqueles obtidos pela é pertinente em função de sua intenção
gramática tradicional, cuja descrição, em enunciativa - dado o contexto e os
muitos aspectos, não corresponde aos usos interlocutores a quem o texto se dirige. A
atuais da linguagem, o que coloca a questão não é de erro, mas de adequação às
necessidade de busca de apoio em outros circunstâncias de uso, de utilização adequada
materiais e fontes. da linguagem.
6 [...] não se pode mais insistir na idéia (BRASIL, Ministério da Educação e do
de que o modelo de correção estabelecido Desporto. "Parâmetros curriculares
pela gramática tradicional seja o nível padrão nacionais". Brasília: MEC/SEF, 1998.
de língua ou que corresponda à variedade Fragmentos, p. 28, 29 e 31.)
lingüística de prestígio. Há, isso sim, muito
preconceito decorrente do valor atribuído às 39. Assinale a alternativa em que a
variedades padrão e ao estigma associado às presença/ausência da(s) vírgula(s) implica
variedades não-padrão, consideradas mudança substancial de sentido:
inferiores ou erradas pela gramática. Essas a) Precisamos nos livrar de vários mitos, para
diferenças não são imediatamente melhor trabalhar a escrita e a língua padrão. /
reconhecidas e, quando são, não são objeto Precisamos nos livrar de vários mitos para
de avaliação negativa. melhor trabalhar a escrita e a língua padrão.
7 Para cumprir bem a função de ensinar b) Os professores, que têm preocupação com
a escrita e a língua padrão, a escola precisa a prática pedagógica, estão atentos ao que
livrar-se de vários mitos: o de que existe uma precisa ser tematizado. / Os professores que
forma "correta" de falar, o de que a fala de têm preocupação com a prática pedagógica
uma região é melhor do que a de outras, o de estão atentos ao que precisa ser tematizado.
que a fala "correta" é a que se aproxima da c) Por uma falsa questão, discute-se se há
língua escrita, o de que o brasileiro fala mal o necessidade de ensinar gramática na
português, o de que o português é uma escola. / Por uma falsa questão discute-se se
língua difícil, o de que é preciso "consertar" a há necessidade de ensinar gramática na
fala do aluno para evitar que ele escreva escola.
errado. d) O modo de ensinar, na escola, deve
8 Essas crenças insustentáveis corresponder a uma prática de reflexão. / O
produziram uma prática de mutilação cultural modo de ensinar na escola deve
que, além de desvalorizar a fala que corresponder a uma prática de reflexão.
identifica o aluno a sua comunidade, como se e) O Brasil vem, de há muito, necessitando
esta fosse formada de incapazes, denota de uma reforma no ensino. / O Brasil vem de
desconhecimento de que a escrita de uma há muito necessitando de uma reforma no
língua não corresponde a nenhuma de suas ensino.
idioma. Escreve-se "Egito", e não "Egipto",
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO mas "egípcio", e não "egício", e daí? Escreve-
(Ufmg 98) Já que não basta ficarem se "muito", mas em geral se fala "muinto".
mexendo toda hora no valor e no nome do Segundo, porque, quando as reformas se
dinheiro? Nos juros, no crédito, nas alíquotas regem pela obsessão de fazer coincidir a fala
de importação, no câmbio, na Ufir e nas com a escrita, como é o caso das reformas da
regras do imposto de renda? Já não basta Língua Portuguesa, estão correndo atrás do
mudarem as formas da Lua, as marés, a inalcançável. A pronúncia muda no tempo e
direção dos ventos e o mapa da Europa? E as no espaço. A flor que já foi "azálea" está
regras das campanhas eleitorais, o virando "azaléa" e não se pode dizer que
ministério, o comprimento das saias, a esteja errado o que todo o povo vem
largura das gravatas? Não basta os consagrando. "Poder" se pronuncia "poder"
deputados mudarem de partido, homens no Sul do Brasil e "puder" no Brasil do
virarem mulher, mulheres virarem homem e Nordeste. Querer que a grafia coincida
os economistas virarem lobisomem, quando sempre com a pronúncia é como correr atrás
saem do Banco Central e ingressam na banca do arco-íris, e a comparação não é fortuita,
privada? pois uma língua é uma coisa bela, mutável e
Já não basta os prefeitos, como misteriosa como um arco-íris.
imperadores romanos, tentarem mudar o Acresce que a atual reforma, além de
nome de avenidas cruciais, como a Vieira vã, é frívola. Sua justificativa é unificar as
Souto, no Rio de Janeiro, ou se lançarem à grafias do Português do Brasil e de Portugal.
aventura maluca de destruir largos pedaços Ora, no meio do caminho percebeu-se que
da cidade para rasgar avenidas, como em seria uma violência fazer um português
São Paulo? Já não basta mudarem toda hora escrever "fato" quando fala "facto", ou
as teorias sobre o que engorda e o que "recepção" quando fala "receção", da mesma
emagrece? Não basta mudarem a capital forma como seria cruel fazer um brasileiro
federal, o número de estados, o número de escrever "facto" ou "receção" (que ele só
municípios e até o nome do país, que já foi conhece, e bem, com dois ss, no sentido de
Estados Unidos do Brasil e depois virou inferno astral da economia). Deixou-se,
República Federativa do Brasil? então, que cada um continuasse a escrever
Não, não basta. Lá vêm eles de novo, como está acostumado, no que se fez bem,
querendo mudar as regras de escrever o mas, se a reforma era para unificar e não
idioma. "Minha pátria é a língua portuguesa", unifica, para que então fazê-la? Unifica um
escreveu Fernando Pessoa pela pena de um pouco, responderão os defensores da
de seus heterônimos, Bernardo Soares, autor reforma. Mas, se é só um pouco, o que
do "Livro do Desassossego". adianta? Aliás, para que unificar? O último
Desassossegados estamos. Querem mexer argumento dos propugnadores da reforma é
na pátria. Quando mexem no modo de que, afinal, ela é pequena - mexe com a
escrever o idioma, põem a mão num espaço grafia de 600, entre as cerca de 110.000
íntimo e sagrado como a terra de onde se palavras da Língua Portuguesa, ou apenas
vem, o clima a que se acostumou, o pão que 0,54% do total. Se é tão pequena, volta a
se come. pergunta: para que fazê-la?
Aprovou-se recentemente no Senado Fala-se que a reforma simplifica o
mais uma reforma ortográfica da Língua idioma e, assim, torna mais fácil seu ensino.
Portuguesa. É a terceira nos últimos 52 anos, Engano. A representação escrita da língua é
depois das de 1943 e 1971 - muita reforma, um bem que percorre as gerações, passando
para pouco tempo. Uma pessoa hoje com 60 de uma à outra, e será tão mais bem
anos aprendeu a escrever "idéa", depois, em transmitida quanto mais estável for, ou, pelo
1943, mudou para "idéia", ficou feliz em 1971 menos, quanto menos interferências
porque "idéia" passou incólume, mas agora arbitrárias sofrer. Não se mexa assim na
vai escrever "ideia", sem acento. língua. O preço disso é banalizá-la como já
Reformas ortográficas são quase fizeram com a moeda, no Brasil.
sempre um exercício vão, por dois motivos.
Primeiro, porque tentam banhar de lógica o (Roberto Pompeu de Toledo - VEJA, 24.05.95.
que, por natureza, possui extensas zonas Texto adaptado pela equipe de Língua
infensas à lógica, como é o caso de um Portuguesa da COPEVE/UFMG.)
quando os grasnados de aves marinhas
40. Em todas as alternativas, as afirmações romperam o silêncio dos mares e dos céus.
que acompanham as frases do texto são As aves da anunciação, que voavam
pertinentes, EXCETO em barulhentas por entre mastros e velas,
a) Querer que a grafia coincida sempre com a chamavam-se FURA-BUXOS. Após quase um
pronúncia é como correr atrás do arco-íris, e século de navegação atlântica, o surgimento
a comparação não é fortuita, pois uma língua dessa gaivota era tido como indício de que,
é uma coisa bela, mutável e misteriosa como muito em breve, algum marinheiro de olhar
um arco-íris. aguçado haveria de gritar a frase mais
O articulador "pois" e a vírgula que o aguardada pelos homens que se fazem ao
precede podem ser substituídos por dois mar: "Terra à vista!"
pontos, sem que se altere a relação entre as (BUENO, Eduardo. "A Viagem do
idéias. Descobrimento:" a verdadeira história da
b) Já não basta ficarem mexendo toda hora expedição de Cabral, 1999, p.7.)
no valor e no nome do dinheiro?
A frase utiliza recursos da linguagem 41. Observe o período a seguir e assinale a(s)
coloquial. proposição(ões) em que o mesmo foi
c) (...) seria cruel fazer um brasileiro escrever reescrito CORRETAMENTE.
"facto" ou "receção" (que ele só conhece, e
bem, com dois ss, no sentido de inferno ... Após quase um século de navegação
astral da economia). atlântica, o surgimento dessa gaivota era tido
O articulador "que" remate a dois termos como indício de que, muito em breve, algum
antecedentes. marinheiro de olhar aguçado haveria de
d) E as regras das campanhas eleitorais, o gritar a frase mais aguardada pelos homens
ministério, o comprimento das saias, a que se fazem ao mar: "Terra à vista!"
largura das gravatas?
O paralelismo entre elementos não afins 01. A frase mais aguardada pelos homens
cria uma enumeração inusitada. que se fazem ao mar é: "Terra à vista!" Após
quase um século de navegação atlântica, o
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO surgimento dessa gaivota, era tida como
(Ufsc 2000) UM MORRO AO FINAL DA indício de que, muito em breve, algum
PÁSCOA marinheiro de olhar, aguçado, haveria de
gritá-la.
Como tapetes flutuantes, elas
surgiram de repente, em "muita quantidade", 02. "Terra à vista!" Algum marinheiro de
balançando nas águas translúcidas de um olhar aguçado haveria de gritar, muito em
mar que refletia as cores do entardecer. Os breve, a frase mais aguardada pelos homens
marujos as reconheceram de imediato, antes que se fazem ao mar. O surgimento dessa
que sumissem no horizonte: chamavam-se gaivota era tido como indício de tal fato, após
BOTELHOS as grandes algas que dançavam quase um século de navegação atlântica.
nas ondulações formadas pelo avanço da
frota imponente. Pouco mais tarde, mas 04. Após quase um século, de navegação
ainda antes da escuridão se estendesse atlântica, o surgimento dessa gaivota era,
sobre a amplitude do oceano, outra espécie tido como indício de que, muito em breve,
de planta marinha iria lamber o casco das algum marinheiro haveria de gritar "Terra à
naves, alimentando a expectativa e vista", de olhar aguçado, a frase mais
desafiando os conhecimentos daqueles aguardada pelos homens que se fazem ao
homens temerários o bastante para navegar mar.
por águas desconhecidas. Desta vez eram
RABOS-DE-ASNO: um emaranhado de ervas 08. O surgimento dessa gaivota, após quase
felpudas "que nascem pelos penedos do um século de navegação atlântica, era tido
mar". Para marinheiros experimentados, sua como indício de que, muito breve , algum
presença era sinal claro das proximidade de marinheiro de olhar, aguçado haveria de
terra. gritar, a frase, mais aguardada pelos homens
Se ainda restassem dúvidas, elas que se fazem do mar: "Terra à vista".
acabariam no alvorecer do dia seguinte,
16. O surgimento dessa gaivota era tido, poesias, crônicas, contos, fábulas, etc.,
após quase um século de navegação, como sempre de acordo com o modelo a ser
indício de que muito em breve, algum seguido);
marinheiro de olhar aguçado haveria de c) O texto transformado em objeto de
gritar: "Terra à vista!", a frase mais uma fixação de sentidos. Os sentidos que o
aguardada pelos homens que se fazem ao professor ou algum outro leitor privilegiado
mar. tenha dado ao texto passam a ser os sentidos
do texto. Ao aluno, em sua leitura do texto,
32. Após quase um século de navegação, cabe descobrir tais sentidos previamente
atlântica, o surgimento dessa gaivota era definidos. Lê melhor quem mais se aproximar
tido, como indício de que muito, em breve, dos sentidos que já se atribuíram ao texto.
algum marinheiro de olhar aguçado, Não se trata de o aluno (leitor) construir
haveriam de gritar a frase mais aguardada : sentidos do texto a partir das pistas que este
"Terra à vista!" pelos homens que se fazem, lhe fornece associadas à experiência vivida
ao mar. por ele próprio, mas se trata de o aluno
"redescobrir" a leitura desejada, num
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO exercício de adivinhações que não mobiliza a
(Pucmg 97) AS PRÁTICAS história de vida do leitor (que inclui também
ESCOLARES DE LEITURA outras leituras), mas mobiliza apenas sua
Na escola, tal como a conhecemos, a experiência escolar, que sempre lhe disse
leitura de textos nunca deixou de estar que deve 'aproximar-se' do já dado para
presente, em qualquer das disciplinas que melhor se safar da tarefa.
nela se ministram (técnicas ou não). Mas é no Em resumo, estes três tipos de
interior daquela disciplina que teria a própria práticas não respondem a qualquer interesse
leitura como seu objeto de estudos (as aulas do próprio leitor: são exercícios de leitura
de língua e literatura) que esta prática é mais cujos objetivos são para ele
surpreendente. Nas aulas de português, a incompreensíveis. Afinal, para que aprender a
presença da leitura tem tido um objetivo ler em voz alta, se pretendo ser torneiro
muito particular: o da transformação do texto mecânico, eletricista, projetista, ou o que
que se lê em modelo, isto por diferentes seja? Para que escrever sobre este tema, se
caminhos: sobre ele já escreveu o autor que acabo de
a) O texto transformado em objeto de ler e nada tenho de diferente para dizer? Para
uma leitura vozeada (ou da oralização do que aprender a escrever poesias, crônicas,
texto escrito), em que se lê para 'provar' que contos, se não farei nada disso depois? Para
se sabe ler. Recomendava-se, em geral, que que ler o texto que estou lendo, se não
o próprio professor fizesse uma leitura em houvesse estas perguntas de interpretação
voz alta do texto, e depois solicitasse que que tenho que responder para me ver
seus alunos lessem o texto: aluno por aluno "aprovado" em português?
(às vezes sadicamente, aquele aluno que o Não se trata de leituras de sujeitos
professor percebe estar com a alma vagando que, querendo aprender, vão em busca de
longe da sala de aula) vão lendo partes do textos e, cheios de perguntas próprias, sobre
texto. Lê melhor aquele que melhor se eles se debruçam em busca de respostas. O
aproxima do modelo de leitura dado: a leitura que poderia ser uma oportunidade de
do professor. Evidentemente, trata-se hoje de encontros de sujeitos torna-se um meio de
uma prática felizmente já ausente das aulas estimular operações mentais (especialmente
contemporâneas; da memória), e não um meio de, operando
b) O texto transformado em objeto de mentalmente, produzir sentidos e,
uma imitação. A leitura nada mais é do que a conseqüentemente, construir categorias de
motivação para a produção de outros textos compreensão da realidade vivida a partir das
pelo aluno. Com ela, dois resultados podem informações e opiniões dadas pelo autor do
ser perseguidos: ou que o aluno escreva texto lido.
outro texto tratando do mesmo tema (ainda
que tal tema lhe seja distante) ou que o aluno GERALDI, João Wanderley. LINGUAGEM E
tome o texto como modelo formal para ENSINO: EXERCÍCIO DE MILITÂNCIA e
escrever, sobre outro tema, mas na forma do divulgação. Campinas, SP: Mercado de Letras
texto lido (e os alunos então escrevem - ALB, 1996, p.118-120.
letra x representa a combinação de dois
42. Assinale a alternativa em que as fonemas.
alterações de pontuação propostas para o
trecho a seguir estejam de acordo com a TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
norma culta. (Ufrs 96) TER CEM ANOS, SER CENTENÁRIA

"Em resumo, estes três tipos de práticas não 1 Porto Alegre está ficando assim,
respondem a qualquer interesse do próprio quando e onde menos se espera aparece um
leitor: são exercícios de leitura cujos centenário. [...] ¢Bem, £nós sabemos que
objetivos são para ele incompreensíveis." uma ¦cidade centenária é muito mais que
uma ¢¡cidade de cem anos, uma cidade onde
a) Em resumo, estes três tipos de práticas meramente vivem figuras e centenários de
não respondem, a qualquer interesse do cem anos. ¥Esta, basta deixá-la§ vagar ao
próprio leitor: são exercícios de leitura, cujos sabor do ©calendário, ¨que mal ou bem corre
objetivos são, para ele, incompreensíveis. ¢¨; ªaquela, porém, precisa muito mais.
b) Em resumo: estes três tipos de práticas Precisa, ¤por exemplo, da ¢£vibração que ¢
não respondem a qualquer interesse do ¥só acomete os dispostos a segurar o tempo
próprio leitor - são exercícios de leitura cujos pelos cabelos e impor-lhe¢¢ um ritmo, para
objetivos são, para ele, incompreensíveis. fazer história, consistência, com a matéria-
c) Em resumo, estes três tipos de práticas, prima trivial, dispersão.
não respondem a qualquer interesse do 2 Com seus mais de duzentos anos de
próprio leitor - são exercícios de leitura cujos existência, Porto Alegre se candidata ¢¦agora
objetivos são para ele, incompreensíveis. à honraria de ser centenária. Coisas,
d) Em resumo; estes três tipos de práticas ambientes, filhos ilustres, artistas,
não respondem a qualquer interesse, do instituições, ruas porto-alegrenses estão
próprio leitor: são exercícios de leitura cujos fazendo ¢¤acontecer, ¢§ao longo dos anos, a
objetivos são para ele incompreensíveis. cidade -¢© este silencioso depósito de
e) Em resumo, estes três tipos de práticas sucessivas camadas de heroísmo, covardia,
não respondem a qualquer interesse, do ousadia, destempero, fracasso, vitórias,
próprio leitor. São exercícios de leitura, cujos esperanças, desinteresses, contrariedades, e
objetivos são para ele, incompreensíveis. desejos, em combinações díspares,¢ª
humanas.
TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Fischer, L.A. TER CEM ANOS,
(Ufmt 96) Na(s) questão(ões) a seguir julgue SER CENTENÁRIA. Porto & Vírgula, Porto
os itens e escreva nos parênteses (V) se for Alegre, n° 26 agosto/1994, p.1)
verdadeiro ou (F) se for falso.
44. Observe as seguintes possibilidades de
43. De acordo com o texto alteração na pontuação do texto.

O estudioso americano Edward Peters, autor I - Substituição do ponto-e-vírgula (ref. 17)


do livro TORTURA, tem uma explicação por ponto.
definitiva para mostrar como e porque a II - Substituição do travessão na (ref. 18) por
prática se perpetua em determinadas vírgula.
sociedades: "O futuro da tortura depende do III - Supressão da segunda vírgula na (ref.
que a sociedade faz com o torturador." 19).
(O poder da pauleira e do choque -
"Veja", 01/11/95) Quais delas acarretariam erro?
a) Apenas I
Julgue os itens. b) Apenas II
c) Apenas III
( ) As vírgulas estão adequadamente d) Apenas I e II
empregadas: separam um aposto dos demais e) Apenas I e III
termos.
( ) A última oração do período é 45. (Pucpr 2003) Texto:
subordinada substantiva completiva nominal.
( ) No vocábulo "explicação" (linha 2) a "Enquanto o pai procurava uma solução para
o conflito, no seu quarto, no sótão, estava o 47. (Fuvest 95) "A ferida foi reconhecida
filho dormindo, tranqüilo, em paz consigo e grave."
com o mundo. Para ele, não havia mais (MACHADO DE ASSIS, 'A causa
problema: tudo tinha sido resolvido com a secreta')
conversa que tivera com a mãe."
A transposição da frase acima para a voz
Observe as seguintes afirmações: ativa está corretamente indicada em:
a) Reconheceu-se a ferida como grave.
1. O texto está pontuado corretamente. b) Reconheceu-se uma grave ferida.
2. O texto contém uma ambigüidade c) Reconheceram a gravidade da ferida.
relacionada ao termo "no seu quarto". d) Reconheceu-se que era uma ferida grave.
3. Caso se retire a vírgula colocada após a e) Reconheceram como grave a ferida.
palavra "dormindo", esta passa a ser a
referência para a palavra "tranqüilo" e não 48. (Fuvest 90) Assinale a alternativa que
mais a palavra "filho". está com a pontuação correta.
4. Os "dois pontos" colocados após a palavra a) Citando o dito da rainha de Navarra,
"problema" podem ser substituídos por ocorre-me que entre nosso povo, quando
"ponto" sem maiores prejuízos para o uma pessoa vê outra pessoa arrufada,
significado do enunciado. costuma perguntar-lhe: "Gentes, quem
5. O "ponto" e os "dois pontos" que aparecem matou seus cachorrinhos?"
no enunciado podem ser substituídos por b) Citando o dito, da rainha de Navarra,
"vírgula", continuando, mesmo assim, o texto ocorre-me que entre nosso povo quando,
corretamente pontuado. uma pessoa vê outra pessoa arrufada
costuma perguntar-lhe: "Gentes, quem
Das afirmações acima, pode-se dizer que matou seus cachorrinhos?"
NÃO está correta ou NÃO estão corretas: c) Citando, o dito da rainha de Navarra,
a) somente a 5ヘ ocorre-me que entre nosso povo, quando
b) somente a 1ヘ uma pessoa vê outra pessoa arrufada
c) somente a 3ヘ costuma perguntar-lhe: "Gentes quem matou
d) a 4ヘ e a 5ヘ seus cachorrinhos?"
e) a 1ヘ e a 2ヘ d) Citando o dito da rainha de Navarra,
ocorre-me que entre nosso povo, quando
46. (Fuvest 95) Considere os períodos I, II e uma pessoa vê outra pessoa arrufada,
III, pontuados por duas maneiras diferentes. costuma perguntar-lhe: "Gentes quem matou
seus cachorrinhos?"
I - Ouvi dizer de certa cantora que era um e) Citando o dito, da rainha de Navarra,
elefante que engolira um rouxinol. ocorre-me, que, entre nosso povo, quando
Ouvi dizer de certa cantora, que era um uma pessoa, vê outra pessoa arrufada,
elefante, que engolira um rouxinol. costuma perguntar-lhe: "Gentes, quem
II - A versão apresentada à imprensa é matou seus cachorrinhos?"
evidentemente falsa.
A versão apresentada à imprensa é, 49. (Fuvest 96) Das frases adiantes, a única
evidentemente, falsa. inteiramente de acordo com as normas
III - Os freios do Buick guincham nas rodas e gramaticais é:
os pneumáticos deslizam rente à calçada. a) Os votos e as sentenças do ministro, por
Os freios do Buick guincham nas rodas, e mais que se os vejam de prismas diversos,
os pneumáticos deslizam rente à calçada. atestam cultura jurídica indiscutível.
b) Soltam rojões contra o gabinete do
Com pontuação diferente ocorre alteração de ministro e depois se cotizam para pagar os
sentido somente em: vidros que as explosões dos rojões
a) I. quebraram.
b) II. c) O maestro diz que lhe dói os ouvidos
c) III. quando escuta uma nova desafinada.
d) I e II. d) Deve haver uma lei geral e devem haver
e) II e III. leis especiais.
e) Nós é que, senhor Presidente, não
podemos concordar com tal ilegalidade. no Metrô que conheço de vista e de chapéu.
d) Eu conheço uma garota aqui do bairro, de
50. (Ufes 96) "Diz um conhecido provérbio vista e de chapéu, que encontrei no Metrô,
nos países orientais que para se caminhar mil quando vinha da cidade para o bairro.
milhas é preciso dar o primeiro passo." e) Uma tarde destas, vindo da cidade para o
Jan/Fev. 95 Tendência Brás, encontrei no Metrô uma garota aqui do
bairro, a qual conheço de vista e de chapéu.
O texto está corretamente pontuado em:
53. (Puccamp 95) Ainda não foram
a) Diz um conhecido provérbio, nos países anunciadas as novas diretrizes para a
orientais, que para se caminhar mil milhas, é negociação salarial.
preciso dar o primeiro passo.
b) Diz um conhecido provérbio nos países A voz passiva analítica está corretamente
orientais, que, para se caminhar mil milhas é transposta para a voz passiva sintética em:
preciso, dar o primeiro passo. a) Ainda não se anunciou as novas diretrizes
c) Diz um conhecido provérbio nos países para a negociação salarial.
orientais, que para se caminhar mil milhas, é b) As novas diretrizes para a negociação
preciso dar o primeiro passo. salarial não se tinha ainda anunciado.
d) Diz um conhecido provérbio, nos países c) Ainda não se anunciaram as novas
orientais, que, para se caminhar mil milhas, é diretrizes para a negociação salarial.
preciso dar o primeiro passo. d) Anunciar-se-á as novas diretrizes para a
e) Diz, um conhecido provérbio nos países negociação salarial, ainda não feito.
orientais, que para se caminhar mil milhas, é e) Ainda não tinham anunciado as novas
preciso dar o primeiro passo. diretrizes para a negociação salarial.

51. (Fei 95) Assinalar a alternativa cujo 54. (Uel 94) Os períodos a seguir apresentam
período dispensa o uso de vírgula: diferenças de pontuação. Assinale a
a) Nesse trabalho ficou patente a alternativa que corresponde ao período de
competência dos jovens frente à nova pontuação correta.
situação. a) Seria inaceitável acreditar que as notas
b) O autor busca um meio capaz de gerar um passadas para a relação definitiva não
conjunto potencialmente infinito de formas correspondiam ao mérito dos alunos.
com suas propriedades típicas. b) Seria inaceitável acreditar, que as notas
c) Apreensivo ora se voltava para a janela ora passadas para a relação definitiva não
examinava o documento. correspondiam ao mérito dos alunos.
d) Suas palavras embora gentis continham c) Seria inaceitável, acreditar que as notas,
um fundo de ironia. passadas para a relação definitiva, não
e) Tudo isto é muito válido mas tem seus correspondiam ao mérito dos alunos.
inconvenientes. d) Seria inaceitável acreditar, que as notas
passadas, para a relação definitiva, não
52. (Ita 96) Assinale a opção que melhor correspondiam ao mérito dos alunos.
reestrutura - gramatical e estilisticamente - o e) Seria inaceitável, acreditar que as notas
seguinte grupo de frases: passadas para a relação definitiva não
Uma tarde destas eu vinha da cidade para o correspondiam, ao mérito dos alunos.
Brás. Então encontrei no Metrô uma garota
aqui do bairro. E eu conheço essa garota de 55. (Uel 94) Os períodos a seguir apresentam
vista e de chapéu. diferenças de pontuação. Assinale a
a) Ao vir da cidade para o Brás uma tarde alternativa que corresponde ao período de
destas, encontrei no Metrô uma garota aqui pontuação correta.
do bairro que conheço de vista e de chapéu. a) O carteiro conversador amável não gosta
b) Uma tarde destas, quando eu vinha da de livros, tornam pesada a carga, matinal, e
cidade para o Brás de chapéu, no Metrô aqui não são, mais úteis, que as cartas.
do bairro encontrei uma garota, a qual b) O carteiro, conversador, amável, não gosta
conheço de vista. de livros, tornam pesada a carga, matinal e
c) Ao vir da cidade para o Brás uma tarde não são mais úteis: que as cartas.
destas, encontrei, aqui do bairro, uma garota c) O carteiro, conversador amável, não gosta
de livros: tornam pesada a carga matinal e
não são mais úteis que as cartas. 58. (Uel 95) Os períodos a seguir apresentam
d) O carteiro, conversador amável, não gosta diferenças de pontuação. Assinale a letra que
de livros, tornam pesada: a carga matinal e corresponde ao período de pontuação
não são mais úteis que as cartas. correta.
e) O carteiro, conversador amável não gosta: a) Não é necessário de fato que ele
de livros, tornam pesada a carga, matinal, e compareça pessoalmente, um seu
não são mais úteis que as cartas. representante, legal, devidamente
credenciado, poderá tomar, todas as
56. (Udesc 96) Indique a alternativa em que a providências.
justificativa de emprego da vírgula está b) Não é necessário, de fato, que, ele,
INCORRETA. compareça pessoalmente, um seu
a) "E isso não é para admirar, pois o dinheiro representante legal devidamente
representa realmente o denominador comum credenciado poderá tomar: todas as
de tudo que tem valor material nesta vida providências.
(...)" - A vírgula foi empregada para assinalar c) Não é necessário, de fato que ele
o limite entre orações subordinadas. compareça pessoalmente; um seu
b) "E contudo não há coisa mais limitada do representante, legal devidamente,
que o dinheiro, a riqueza." - A vírgula foi credenciado, poderá tomar todas as
empregada para isolar expressões de igual providências.
função sintática. d) Não é necessário, de fato, que ele
c) "Pois que ele só nos vale até certo ponto, compareça pessoalmente; um seu
ou seja, até se chocar com os limites dessa representante legal, devidamente
coisa intransponível que se chama a natureza credenciado, poderá tomar todas as
humana. - As duas vírgulas marcam a providências.
inserção de uma expressão explicativa. e) Não é necessário de fato que ele
d) "A roda da grã-finagem internacional, que compareça, pessoalmente; um seu
também se chama o café-society ou os idle- representante, legal, devidamente
rich, os riscos ociosos." - A vírgula antes de credenciado poderá tomar, todas as
QUE se justifica porque marca o início de uma providências.
oração adjetiva explicativa.
e) "Se você perde a perna num acidente, o 59. (Mackenzie 96) Os trechos a seguir
dinheiro lhe dará a melhor perna artificial do tiveram sinais de pontuação suprimidos e
mundo - mas ARTIFICIAL." - A vírgula marca a alterados. Aponte aquele cuja pontuação
posição antecipada da oração subordinada permaneceu gramaticalmente correta.
em relação à oração principal. a) "A idéia do ministro extraordinário dos
Esportes, Édson Arantes do Nascimento, o
57. (Uel 95) Os períodos a seguir apresentam Pelé de colocar na cadeia 'os meninos' que
diferenças de pontuação. Assinale a letra que participam de brigas entre torcidas
corresponde ao período de pontuação organizadas é para ficar no jargão esportivo,
correta. uma 'bola fora'."
a) Seria oportuno afirmar que nem todos são b) "Parece que, o Pelé do milésimo gol, que
capazes de uma resposta adequada a tantas pedia escola para 'esses meninos,' também
perguntas feitas pelos examinadores. era bem mais sábio do que o que hoje lhes
b) Seria oportuno afirmar, que nem todos são propõe 'cadeia'."
capazes de uma resposta, adequada a tantas c) "Os otimistas olham e dizem: Ah, está
perguntas feitas pelos examinadores. meio cheio. Mas os pessimistas, vêem o
c) Seria oportuno, afirmar que nem todos são mesmo copo, a mesma quantidade de água e
capazes, de uma resposta adequada a tantas acham que está meio vazio."
perguntas feitas pelos examinadores. d) "A pesquisa, descrita na edição de hoje da
d) Seria oportuno afirmar que, nem todos são revista científica britânica 'Nature', é mais um
capazes de uma resposta adequada, a tantas dado na busca pelos cientistas de
perguntas feitas pelos examinadores. compreender os mecanismos moleculares da
e) Seria oportuno, afirmar que nem todos são embriogênese, ou seja, a formação e
capazes de uma resposta adequada a tantas desenvolvimento dos seres vivos."
perguntas feitas, pelos examinadores. e) "Como os bens públicos não podem ser
penhorados os precatórios entram em ordem assustadora entre as mulheres,
cronológica no orçamento do governo." contaminadas em sua maioria, pela via
sexual ou por meio de drogas injetáveis."
60. (Ita 98) Assinale a opção cujas frases b) "Os especialistas em Aids alertam, embora
estão correta e adequadamente pontuadas. a doença nunca tenha sido prerrogativa do
sexo masculino; ela avança de forma
I. Quase tudo como as medalhas tem duas assustadora, entre as mulheres
faces a idéia de amizade: opõe-se à de ódio; contaminadas, em sua maioria pela via
a de curiosidade, à de indiferença. sexual ou por meio de drogas injetáveis."
II. Quase tudo como as medalhas, tem duas c) "Os especialistas em Aids alertam: embora
faces a idéia de amizade; opõe-se à de ódio; a doença nunca tenha sido prerrogativa do
a de curiosidade à de indiferença. sexo masculino, ela avança, de forma
III. Quase tudo, como as medalhas, tem duas assustadora entre as mulheres
faces: a idéia de amizade opõe-se à de ódio; contaminadas, em sua maioria, pela via
a de curiosidade, à de indiferença. sexual ou por meio de drogas injetáveis."
IV. Além de vidas humanas, o bem supremo d) "Os especialistas em Aids alertam: embora
está em jogo no conflito Israel/palestinos: a doença nunca tenha sido prerrogativa do
outro valor inestimável, a democracia. sexo masculino, ela avança de forma
V Além de vidas humanas, o bem supremo assustadora entre as mulheres,
está em jogo: no conflito Israel/palestinos, contaminadas, em sua maioria, pela via
outro valor inestimável - a democracia. sexual ou por meio de drogas injetáveis."
VI. Além de vidas humanas, o bem supremo, e) "Os especialistas em Aids alertam, embora
está em jogo no conflito Israel/palestinos a doença nunca tenha sido prerrogativa do
outro valor inestimável: a democracia. sexo masculino: ela avança, de forma
assustadora, entre as mulheres
a) I e IV. contaminadas, em sua maioria pela via
b) II e V. sexual, ou por meio de drogas injetáveis."
c) III e VI.
d) I e VI. 63. (Uel 97) Assinale a frase em que a
e) III e IV. pontuação está correta.
a) Estudou muito; não pôde porém, fazer a
61. (Fuvest 98) Os sinais de Pontuação foram prova.
bem utilizados em: b) Dizia o velhinho "Vivam tranqüilamente a
a) Nesse instante, muito pálido, macérrimo, juventude meus filhos".
Prudente de Morais entrou no Catete, sentou- c) O homem que é um ser racional domina a
se e, seco, declarou ao silêncio atônito dos natureza.
que o contemplavam: "Voltei." d) O tempo para a prova terminou; vocês
b) "Mãe onde estão os nossos: os parentes, podem, porém, continuar.
os amigos e os vizinhos?" Mãe, não e) É importante, que se conscientizem do que
respondia. deve ser feito.
c) Os estados, que ainda devem ao governo,
não poderão obter financiamentos, mas os 64. (Uel 97) Os períodos a seguir apresentam
estados que já resgataram suas dívidas ainda diferenças de pontuação. Assinale a letra que
terão créditos. corresponde ao período de pontuação
d) Ao permitir a apreensão, de jornais e correta.
revistas, o projeto, retira do leitor o direito a a) Ninguém ignora, que a melhor preparação
ser informado pelo veículo que ele escolheu. para um bom desempenho profissional está
e) Assim, passa-se a permitir, condenações na dedicação ao estudo.
absurdas, desproporcionais aos danos b) Ninguém ignora que a melhor preparação
causados. para um bom desempenho profissional está
na dedicação ao estudo.
62. (Ita 97) Assinale a opção que corresponde c) Ninguém ignora que, a melhor preparação
ao período com a melhor pontuação: para um bom desempenho profissional está
a) "Os especialistas em Aids alertam, embora na dedicação, ao estudo.
a doença nunca tenha sido prerrogativa do d) Ninguém ignora que a melhor preparação,
sexo masculino; ela avança de forma para um bom desempenho profissional está,
na dedicação ao estudo. Com a mudança de pontuação, houve
e) Ninguém ignora, que a melhor preparação alteração de sentido:
para um bom, desempenho profissional está a) somente em I.
na dedicação, ao estudo. b) somente em I e I I.
c) somente em I e III.
d) somente em II e III.
65. (Uel 98) Os períodos a seguir apresentam e) em, I, II e III.
diferenças de pontuação. Assinale , na folha
de respostas, a letra que corresponde ao 67. (Uel 99) A frase pontuada de maneira
período de pontuação correta. correta é:
a) Escolheram dentre os exemplares, mais a) Revendo suas promessas, concluiu que
antigos, os que eram mais baratos, apesar de ele, como sempre, não estava sendo sincero.
terem se encantado com um romance inglês, b) Revendo suas promessas, concluiu que ele
do século XIX. como sempre, não estava sendo, sincero.
b) Escolheram dentre os exemplares mais c) Revendo suas promessas concluiu: que ele
antigos os que eram mais baratos; apesar, de como, sempre, não estava sendo sincero.
terem se encantado com um romance inglês, d) Revendo suas promessas concluiu, que ele
do século XIX. como sempre, não estava sendo sincero.
c) Escolheram - dentre os exemplares, mais e) Revendo suas promessas, concluiu, que
antigos - os que eram mais baratos, apesar, ele como sempre não estava sendo, sincero.
de terem se encantado com um romance
inglês do século XIX. 68. (Ufes 99) Levando-se em conta que a
d) Escolheram dentre os exemplares mais pontuação é um dos recursos da língua
antigos, os que eram mais baratos - apesar escrita para a produção de sentido, pode-se
de terem se encantado com um romance afirmar que a interpretação CONTRARIA o
inglês do século XIX. sentido do texto em
e) Escolheram, dentre os exemplares mais
antigos, os que eram mais baratos, apesar de 1) O acusado não confessou o crime
terem se encantado com um romance inglês demonstrando sangue-frio.
do século XIX. Significa que o acusado não demonstrou
sangue-frio quando confessou o crime.
66. (Uel 98) Leia com atenção as frases a
seguir, pontuadas de duas maneiras 2) O acusado não confessou o crime,
diferentes. demonstrando sangue-frio.
Significa que o acusado, ao não confessar o
I. O lixo proveniente de hospitais tem de ter crime, demonstrou sangue-frio.
um tratamento diferente do que tem
recebido. 3) Os clientes que estavam descontentes
O lixo, proveniente de hospitais, tem de ter com o novo sistema de cobrança solicitaram
um tratamento diferente do que tem o retorno ao sistema antigo.
recebido. Significa que todos os clientes estavam
II. As últimas declarações do presidente da descontentes com o novo sistema de
entidade, na esperança de conseguir mais cobrança e solicitaram o retorno ao sistema
doações, têm sido dramáticas quanto ao antigo.
futuro das crianças carentes.
As últimas declarações do presidente da 4) Os clientes, que estavam descontentes
entidade - na esperança de conseguir mais com o novo sistema de cobrança, solicitaram
doações - têm sido dramáticas quanto ao o retorno ao sistema antigo.
futuro das crianças carentes. Significa que apenas alguns clientes - aqueles
III. A água, de que precisamos em grande que estavam descontentes com o novo
quantidade, só é devidamente consumida em sistema de cobrança - solicitaram o retorno
dietas. ao sistema antigo.
A água de que precisamos em grande
quantidade só é devidamente consumida em 5) O pedreiro mal-humorado empilhou os
dietas. tijolos sobre o piso.
Significa que o pedreiro que empilhou os
tijolos sobre o piso é habitualmente mal- privilégio de nos entendermos facilmente de
humorado. extremo a extremo do Brasil, devemo-lo à
língua portuguesa.
6) O pedreiro, mal-humorado, empilhou os e) A língua portuguesa é, que nos prendeu
tijolos sobre o piso. através dos séculos da formação; ela é que
Significa que o pedreiro que empilhou os assiste, ao nosso desenvolvimento e à nossa
tijolos sobre o piso estava expansão.
momentaneamente mal-humorado.
71. (Fgv 2002) Assinale a alternativa correta
a) 1 e 2. quanto ao uso da vírgula.
b) 3 e 4. a) A gentil atendente, anotou meu recado.
c) 1, 2, 3 e 4. b) Observem por exemplo, o número de
d) 1, 2, 5 e 6. acidentes nas estradas.
e) 3, 4, 5 e 6. c) Aqueles objetos eram, na ocasião, meros
acessórios.
69. (Ita 2000) Assinale a opção em que o d) O chefe da equipe deve promover, bom
emprego da vírgula está em desacordo com convívio, entre seus auxiliares.
as prescrições das regras gramaticais da e) Encerrado o espetáculo, saíram os artistas,
norma culta: e o público.
a) Com a vigência da nova lei, as instituições
puderam usar processos alternativos ao 72. (Fuvest 2002) As aspas marcam o uso de
vestibular convencional, baseado, uma palavra ou expressão de variedade
principalmente na avaliação dos conteúdos. lingüística diversa da que foi usada no
(FOLHA DE S. PAULO, 24/8/1999.) restante da frase em:
b) Elevar-se é uma aspiração humana a que a a) Essa visão desemboca na busca ilimitada
música, essa arte próxima do divino, assiste do lucro, na apologia do empresário privado
com uma harmonia quase celestial. (BRAVO! como o "grande herói" contemporâneo.
- 7/1998.) b) Pude ver a obra de Machado de Assis de
c) Estamos começando a mudar, mas ainda vários ângulos, sem participar de nenhuma
pagamos um preço alto por isso. (ISTO É, visão "oficialesca".
5/11/1997.) c) Nas recentes discussões sobre os
d) Medicamentos de última geração, aliás, "fundamentos" da economia brasileira, o
são apenas coadjuvantes no tratamento dos governo deu ênfase ao equilíbrio fiscal.
males do sono. (ÉPOCA, 3/8/1998.) d) O prêmio Darwin, que "homenageia"
e) Acho impossível, e mesmo raso, analisar o mortes estúpidas, foi instituído em 1993.
que é o teatro infantil fora de um contexto e) Em fazendas de Minas e Santa Catarina,
social. (O ESTADO DE S. PAULO, 4/7/1999.) quem aprecia o campo pode curtir o frio,
ouvindo "causos" à beira da fogueira.
70. (Ufpe 2001) Os enunciados a seguir são
fragmentos do livro "A língua portuguesa e a 73. (Ufv 2001) Assinale a alternativa em que
unidade do Brasil", de Barbosa Lima Sobrinho a presença/ausência da(s) vírgula(s) acarreta
(Nova Fronteira, 2000). Em uma das alteração semântica:
alternativas, a pontuação foi modificada, a) A sociedade seria talvez mais feliz se fosse
tornando-se INCORRETA. Assinale-a. menos egoísta. / A sociedade seria, talvez,
a) A língua literária, quando se torna mais feliz se fosse menos egoísta.
excessivamente livresca, ou aristocrática, b) Na Holanda, houve a liberação geral do
perde sua função natural. uso do tóxico! / Na Holanda houve a liberação
b) Nenhum povo cometeria, hoje, o erro de geral do uso do tóxico!
restringir ainda mais o campo de ação de um c) O Governo tem, na Colômbia, um problema
determinado idioma, quando a tendência é imenso com o narcotráfico. / O Governo tem
para alargar as fronteiras. na Colômbia um problema imenso com o
c) De qualquer modo, porém, o que convém é narcotráfico.
não perder terreno, isto é, não reduzir o d) O traficante, que é viciado, precisa de
número de pessoas que o utilizam como polícia e de família. / O traficante que é
idioma comum. viciado precisa de polícia e de família.
d) A conclusão, pois, é de que, se temos o e) Que a sociedade seja mais altruísta, e os
jovens mais felizes! / Que a sociedade seja ( ) Ainda que, desatento, o aluno alcançou
mais altruísta e os jovens mais felizes! nota suficiente, para a aprovação.
( ) Passaram-se dias e dias e ninguém
74. (Pucpr 2001) Observe o enunciado e voltou para esclarecer a situação.
preencha os parênteses com os sinais de
pontuação adequados: 77. (Fuvest 91) Assinalar a alternativa em
que a acentuação e a pontuação estejam
"A partir daquele dia ( ) o filho assumia corretas:
várias responsabilidades familiares ( ) a de a) Multidão, cujo amor cobicei, até à morte,
levar o irmão à escola ( ) a de buscar a mãe era assim que eu me vingava, às vezes, de ti,
na loja ( ) a de fazer todas as compras do deixava burburinhar em volta do meu corpo a
dia." gente humana sem a ouvir como o Prometeu
de Esquilo fazia aos seus verdugos.
O espaços foram preenchidos, na seqüência, b) Multidão cujo amor cobicei até à morte,
com: era assim que eu me vingava as vezes de ti,
a) ponto-e-vírgula / vírgula / vírgula / vírgula deixava burburinhar, em volta do meu corpo,
b) vírgula / dois pontos / dois pontos / vírgula a gente humana sem a ouvir, como o
c) ponto-e-vírgula / ponto-e-vírgula / ponto-e- Prometeu de Ésquilo, fazia aos seus
vírgula / ponto-e-vírgula verdugos.
d) vírgula / dois pontos / ponto-e-vírgula / c) Multidão, cujo amor cobicei até à morte;
ponto-e-vírgula era assim que eu me vingava as vezes de ti;
e) dois pontos / ponto-e-vírgula / vírgula / deixava burburinhar em volta do meu corpo a
vírgula gente humana; sem a ouvir como o Prometeu
de Esquilo fazia aos seus verdugos.
75. (Ufal 99) Assinale como VERDADEIRAS as d) Multidão, cujo amor cobicei até à morte,
frases que apresentam PONTUAÇÃO correta e era assim que eu me vingava às vezes de ti;
como FALSAS aquelas em que isso não deixava burburinhar em volta do meu corpo a
ocorre. gente humana, sem a ouvir, como o
Prometeu de Ésquilo fazia aos seus verdugos.
( ) Por que tanta pressa? indagou o e) Multidão, cujo amor cobicei até à morte,
menino. Ao que o colega respondeu: - O era assim que eu me vingava, às vêzes, de ti,
tempo é que voa. deixava burburinhar em volta do meu corpo,
( ) Conselhos, repreensões, ajuda, nada o a gente humana, sem a ouvir, como o
demoveu, daquele intento que, aliás, só o 'Prometeu de Ésquilo fazia aos seus
prejudicou. verdugos.
( ) Por mais que nos pareça estranho, ele
se dá o direito, de afirmar para os amigos, 78. (Ita 96) Assinale a opção que melhor
que recomeçará a obra interrompida. reestrutura - gramatical e estilisticamente - o
( ) Ninguém a não ser a mãe, seria capaz seguinte grupo de frases:
de interpretar a atitude do filho, como A eutanásia é uma prática (O. Principal). Pela
resposta aos que o acusaram, injustamente. eutanásia busca-se ou visa-se abreviar a vida
( ) Que beleza! Foi esta a exclamação de pessoas enfermas. Na eutanásia, o
irônica, do pai ao surpreender a criança, abreviar deve ser sem dor e sofrimento e os
praticando uma travessura. enfermos ter que ser incuráveis. A igreja
condena essa prática.
76. (Ufal 2000) Assinale como VERDADEIRAS, a) A eutanásia, condenada pela Igreja, é uma
as frases em que a PONTUAÇÃO está correta prática pela qual se busca abreviar - sem dor
e como FALSAS aquelas em que isso não e sofrimento - a vida de enfermos
ocorre. reconhecidamente incuráveis.
( ) Ninguém duvida, de que ele se sairá b) A eutanásia que visa abreviar a vida de
bem. enfermos, sem dor e sofrimento e desde que
( ) Por maiores que tenham sido seus sejam incuráveis, é uma prática condenada
esforços, os resultados parecem ter sido pela Igreja.
insatisfatórios. c) Condenada pela Igreja, a eutanásia é uma
( ) Você será capaz de tal ação? prática onde se visa abreviar, sem dor e
perguntou? ela à amiga. sofrimento, a vida de enfermos
reconhecidamente incuráveis.
d) A eutanásia - prática pela qual se busca
abreviar, sem dor e sofrimento, a vida de
enfermos decididamente incuráveis - é
condenada pela Igreja.
e) A eutanásia, que é condenada pela Igreja,
é uma prática em que, sem dor e sofrimento,
se visa abreviar a vida dos enfermos que
sejam definitivamente incuráveis.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO


(Fuvest 2000) A explosão dos computadores
pessoais, as "infovias", as grandes redes - a
lnternet e a World Wide Web - atropelaram o
mundo. Tornaram as leis antiquadas,
reformularam a economia, reordenaram
prioridades, redefiniram os locais de trabalho,
desafiaram constituições, mudaram o
conceito de realidade e obrigaram as pessoas
a ficar sentadas, durante longos períodos de
tempo, diante de telas de computadores,
enquanto o CD-Rom trabalha. Não há dúvida
de que vivemos a revolução da informação e,
diz o professor do MIT, Nicholas Negroponte,
revoluções não são sutis.
(Jornal do Brasil, 13/02/96)

79. As aspas foram usadas em "infovias" pela


mesma razão por que foram usadas em:
a) Mesmo quando a punição foi confirmada, o
"Alemão", seu apelido no Grêmio, não
esmoreceu.
b) ...fica fácil entender por que há cada vez
mais pessoas preconizando a "fujimorização"
do Brasil.
c) O Paralamas, que normalmente sai
"carregado" de prêmios, só venceu em
edição.
d) A renda média "per capita" da América
latina baixou para 25% em 1995.
e) A torcida gritava "olé" a cada toque de
seus jogadores.
GABARITO 27. [C]

28. 01 + 04 + 08 + 16 + 64 = 93
1. [B]
29. [B]
2. [D]
30. [B]
3. [D]
31. [A]
4. [E]
32. [D]
5. Item correto: 1
Itens errados: 0, 2 e 3 33. [B]

6. [B] 34. [D]

7. [E] 35. [C]

8. [E] 36. F F F F

9. [C] 37. [D]

10. [D] 38. [E]

11. [C] 39. [B]

12. [D] 40. [C]

13. [A] 41. F V F F F F

14. [E] 42. [B]

15. [C] 43. V F F

16. V V V V F 44. [C]

17. Anulada pela CESGRANRIO 45. [A]

18. [D] 46. [D]

19. [E] 47. [E]

20. [A] 48. [A]

21. [A] 49. [E]

22. [C] 50. [D]

23. [D] 51. [B]

24. [B] 52. [E]

25. [C] 53. [C]

26. [B] 54. [A]


55. [C]

56. [A]

57. [A]

58. [D]

59. [D]

60. [C]

61. [A]

62. [D]

63. [D]

64. [B]

65. [E]

66. [C]

67. [A]

68. [B]

69. [A]

70. [E]

71. [C]

72. [E]

73. [D]

74. [D]

75. V F F F F

76. F V F F F

77. [D]

78. [A]

79. [B]