Você está na página 1de 6

Instituto de Pesquisa em Som, Imagem e Texto Ltda.

1 /06
Laboratório de Perícias Ricardo Molina de Figueiredo

SOLICITANTE: REDE GLOBO DE TELEVISÃO

I) MATERIAL QUESTIONADO

Dois arquivos de vídeo enviados pelo solicitante, idênticos aos encontrados nos sites

www.youtube.com/watch?v=IZEaxdlxpvu e www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/817575-veja-
video-do-tumulto-em-que-jose-serra-é-atingido-no-rio.shtml

II) OBJETIVOS PERICIAIS

Com base nas imagens esclarecer se o candidato José Serra teria sido atingido por
algum objeto e em que momento.

III) DISCUSSÃO

A análise das imagens revela que cada uma das gravações capturou eventos totalmente
distintos. O vídeo no site www.youtube.com/watch?v=IZEaxdlxpvu mostra o momento no
qual o candidato é atingido por um objeto, cuja forma e características de impacto indicam
ser uma pequena bola de papel. A sequência de frames na figura 01 mostra a trajetória
do objeto "bolinha de papel" (doravante chamaremos esta situação de "evento bolinha de
papel"). Como se pode verificar na figura 01, o objeto atinge a cabeça do candidato na
parte posterior e, após o impacto, volta, por reflexão. Este fenômeno ocorre em função do
pequeno peso e da consistência elástica do material, fatores que diminuem transferência
mais efetiva de energia, levando a "bolinha" a ter energia suficiente para rebater e, após o
impacto, percorrer a trajetória oposta.

Já o vídeo no site www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/817575-veja-video-do-


tumulto-em-que-jose-serra-é-atingido-no-rio.shtml retrata um evento bem diferente. Neste
vídeo, as imagens mostram o candidato sendo atingido, na região frontal-parietal direita
por um objeto, cujo formato é semelhante ao de um rolo de fita, do tipo crepe ou
transparente, formato largo (doravante chamaremos esta situação de "evento fita"). A
Instituto de Pesquisa em Som, Imagem e Texto Ltda.
2 /06
Laboratório de Perícias Ricardo Molina de Figueiredo

forma do objeto é, inequivocamente, a de um rolo de fita, estando seus contornos bem


definidos. É possível visualizar a parte externa (na qual estaria enrolada a fita) e o cilindro
central, geralmente de papelão rígido ou plástico.

Ressalte-se que não há como confundir o "evento bolinha de papel" com o "evento fita",
visto que ocorrem em momentos diferentes. Tal constatação pode ser feita facilmente,
com base nos seguintes elementos:

EVENTO "BOLINHA DE PAPEL" EVENTO "FITA"

o candidato está em região ensolarada o candidato está na sombra


o candidato está com os braços levantados o candidato está com os braços abaixados
a "bolinha de papel" atinge a parte posterior a "fita" atinge a parte fronto-parietal direita
da cabeça
o objeto é disforme e elástico o objeto é rígido e tem forma definida (como
um rolo de fita)

O fato de a filmagem não mostrar a trajetória do objeto no evento "fita" está dentro das
expectativas. Com efeito, o celular usado na captação das imagens, captura poucos
frames por segundo, como se pode depreender do intervalo de quase 500 ms entre
frames consecutivos. Assim, supondo que o objeto se deslocasse a cerca de 40 km/h, o
que equivaleria a 11.11 m/s, a definição "espacial" do celular usado seria de
aproximadamente 5.6 m, ou seja, como o celular só capta um frame a cada 500 ms, seria
impossível captar qualquer imagem da trajetória do objeto que atingiu o candidato à
distância em que se encontrava o repórter da Folha que realizou as imagens. No
momento em que o objeto "fita" impacta a cabeça do candidato, a velocidade cai para
zero e, assim, foi possível capturar a imagem, ainda que com equipamento pouco
sofisticado em termos de definição e velocidade de captura.

A possibilidade de o objeto "fita", visto no vídeo ora comentado, ser um artefato digital
aleatório pode, para efeitos práticos, ser descartada. O objeto tem contorno bem definido,
os reflexos de luz que emite são compatíveis com a direção da iluminação e, além disso,
a maior parte do objeto "fita" encontra-se entre a cabeça do candidato e a objetiva do
Instituto de Pesquisa em Som, Imagem e Texto Ltda.
3 /06
Laboratório de Perícias Ricardo Molina de Figueiredo

celular, aspectos demonstrados na figura 03. A probabilidade de um repentino arranjo


aleatório de pixels formar uma imagem geométrica (especialmente com formas
arredondadas) tão bem definida pode ser, na prática, descartada.

IV) CONCLUSÕES

1) Os dois vídeos analisados retratam situações totalmente distintas, separadas no tempo


e no espaço.

2) O vídeo em www.youtube.com/watch?v=IZEaxdlxpvu mostra um objeto leve e


disforme, semelhante a uma bolinha de papel atingindo a parte posterior da cabeça do
candidato. O candidato aparentemente não tem reação alguma e continua com os braços
levantados e caminhando em direção à rua.

3) O vídeo em www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/817575-veja-video-do-
tumulto-em-que-jose-serra-é-atingido-no-rio.shtml mostra outro momento, no qual o
candidato é atingido na região fronto-parietal direita por um objeto semelhante a um rolo
de fita larga (crepe ou assemelhada). Alguns momentos depois o candidato leva a mão à
cabeça próximo ao ponto no qual o objeto o atingiu.

4) A possibilidade de o objeto "fita" ser um artefato digital aleatório pode ser na prática
descartada, em função dos seguintes aspectos: (a) o objeto tem contornos bem definidos;
(b) o objeto encontra-se, em sua maior parte entre a cabeça do candidato e a objetiva da
câmera (celular), não podendo, pois, ser um efeito de iluminação que se originasse da
região atrás do candidato; (c) a região mais iluminada do objeto é compatível com a
direção de onde se origina a luz.

Campinas, 22 de outubro de 2010

Prof. Dr. Ricardo Molina de Figueiredo


Instituto de Pesquisa em Som, Imagem e Texto Ltda.
4 /06
Laboratório de Perícias Ricardo Molina de Figueiredo

Figura 01. Sequência de frames do vídeo em www.youtube.com/watch?v=IZEaxdlxpvu, no qual se vê o


evento "bolinha de papel". Fica claro que trata-se de um objeto leve e elástico (daí a reflexão e retorno).
Instituto de Pesquisa em Som, Imagem e Texto Ltda.
5 /06
Laboratório de Perícias Ricardo Molina de Figueiredo

Figura 02. Sequência de frames do vídeo em www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/817575-veja-


video-do-tumulto-em-que-jose-serra-é-atingido-no-rio.shtml. no qual se vê o evento "fita". Na região
assinalada (elipse vermelha tracejada) vê-se, com clareza, um objeto, cuja forma e dimensões são
compatíveis com um rolo de fita larga (crepe ou assemelhada), atingindo a região fronto-parietal da
cabeça do candidato. Observe-se que em momento posterior, o candidato coloca a mão na cabeça na
mesma região em que foi atingido.
Instituto de Pesquisa em Som, Imagem e Texto Ltda.
6 /06
Laboratório de Perícias Ricardo Molina de Figueiredo

luz

Figura 03.Nesta figura vemos em detalhe o objeto que atingiu a cabeça do candidato José
Serra. No quadro à direita, para facilitar a visualização, demarcamos a linha de topo da cabeça
(pontilhado azul), a parte do círculo externo inferior do objeto "fita" que se encontra mais à
direita em relação ao topo da cabeça do candidato (pontilhado vermelho) e o círculo interno
correspondente ao carretel (pontilhado amarelo). Observe-se que a maior parte do objeto
encontra-se entre a cabeça do candidato e a objetiva do celular que captou as imagens. Não há
como, portanto, atribuir a imagem vista a um efeito eventualmente causado por algo que
estivesse "atrás" do candidato. Observe-se também que a parte mais iluminada do objeto é
compatível com a direção da iluminação neste local e momento (indicada pela seta). Atribuir o
evento a um efeito digital aleatório não parece razoável, em função dos argumentos acima
expostos.

Interesses relacionados