Você está na página 1de 2

REGULAMENTAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS – AS AGÊNCIAS

A regulação dos serviços públicos se dá (na sociedade capitalista), considerando as
especificidades e necessidades de cada sociedade, especialmente em relação aos monopólios, à alocação de produtos naturais produtores de energia (água, ar, óleo, gás);

A regulação destina-se especialmente a atividades econômicas de interesse coletivo (os
serviços públicos);

Monopólios causam problemas como: injustiça, ineficiência, preços altos; Monopólios naturais – quando a tecnologia de produção e distribuição fica praticamente
restrita a uma empresa. Ex. energia e telefonia; (citação p.83, 84).

No Brasil, monopólios públicos passaram a monopólios privados; Visando evitar os efeitos desastrosos desses monopólios, foram criadas autarquias para
regular e fiscalizar a produção privada dessa atividade econômica de interesse coletivo;

Visam: reduzir queda da eficiência, evitar seletividade no fornecimento, abusos de
preços, poluição e garantir segurança no trabalho.

É indispensável a presença do Estado no que se refere aos monopólios naturais (quando
sob a iniciativa privada), no sentido de regulamentar o preço e a qualidade do serviço, por exemplo.

“Se um governo é (honesto e inteligente)

capaz de bem regulamentar, poderia também ser capaz de bem administrar e dirigir a empresa sozinho”.(paradoxo)

Três modos distintos da atuação reguladora pelo poder público:
–individualização do direito com a decisão judicial; –criação de normas genéricas e impessoais; –criação de relações jurídicas específicas.

Inicialmente o poder legislativo tem o poder soberano (estabelece a lei) e o executivo
teria aqui, inicialmente, um poder subalterno, uma vez que sua atividade, neste caso, é determinada por lei. Fazer cumprir contratos em que há vontades concorrente e não uma vontade geral. ( Ler itens 1,2...p. 85,86). “A relação entre usuário e concessionário do serviço público não é de colaboração (vereinbarung), mas também não é uma relação contratual...”.

Não há aqui interesses (contrapostos) negociáveis, em busca da maximização de
vantagens individuais.

Não há da parte do usuário liberdade de escolha de mercado, mas, sim, necessidade. O usuário necessita dessa escolha para sua inserção nas relações sociais. A relação de mercado supõe concorrência, o que afasta afasta dois pilares do Estado: o serviço público com vinculação de recursos, enrijecendo a liberdade de iniciativa
econômica e o jogo dos mecanismos de mercado;

89).88) •Um bem necessário ao indivíduo.648/98 (sobre a reestruturação da Eletrobrás. é agora um bem de mercado.o poder público com intervenções unilaterais a partir do comando do Estado. onde estarão definidos os direitos dos agentes econômicos e dos consumidores. AGÊNCIAS (4. regulado por uma instituição fiscalizadora de unidades privadas de produção. LER artigo 10º da lei 9. •A produção está na razão da satisfação do consumidor. as agências vão buscar uma disposição estável dos recurso alocados pela produção privada de bens de interesse coletivo” (p. •A natureza da agência reguladora é caracterizada pelo seu sistema específico de direitos de propriedade. Apesar disso verificou-se aumentos reais acima da inflação.) •“No Seu papel fiscalizador. p. de valor de troca. Preocupação de regular a liberdade de iniciativa e concorrência no setor elétrico. (LER item 5. A pessoa-cidadão é submetida à pessoa-consumidor. Impedir repasses de determinados custos e limitar o aumento de preços deste serviço essencial. .