Você está na página 1de 13

A

 Teoria  Contratualista    
John  Locke    

Dois  Tratados  Sobre  o  Governo  (1690)


 
Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
1.  CONDIÇÃO  NATURAL  DA  HUMANIDADE:  
ESTADO  DE  NATUREZA  

§  Segundo   Locke,   antes   da   existência   de   um   poder  


polí>co   o   homem   vivia   num   estado   de   natureza  
governado  pela  LEI  NATURAL.    

§  Porém,   contrariamente   a   Hobbes,   Locke  


considera   que   a   natureza   é   pródiga   (há   bens   em  
abundância),   logo,   NÃO   HÁ   GUERRA   (conflito),  
nem  luta  pela  sobrevivência.  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
2.  IDEALIZAÇÃO  DE  UM  ESTADO  DE  NATUREZA  
PACÍFICO  
 

§  Segundo   Locke,   os   homens   não   são   naturalmente  


egoístas   mas   capazes   de   COOPERAR:   sabem   que   os  
outros   homens   são   úteis   (auxílio)   e   cada   um   deles  
percebe  a  vantagem  que  possui  se  houver  cooperação  
e  entreajuda  como  regra  geral.  
§  LÓGICA   DE   RETRIBUIÇÃO:   a   regra   é   colaborar  
racionalmente,  ciente  das  vantagens.  
§  CONFLITUOSIDADE   EPISÓDICA:   há   a   possibilidade   de  
conflito  que  é  a  excepção    

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
3.  OS  DIREITOS  NATURAIS  NO  ESTADO  DE  NATUREZA  

§  Segundo   Locke,   os   homens   são   IGUAIS   por   natureza:   os  


direitos   naturais   são   atribuídos   por   Deus,   logo,   são  
inalienáveis  (intransmissíveis)  e  absolutos.    

§  NÃO   É   UM   ESTADO   DE   LICENCIOSIDADE:   os   homens  


vivem   juntos,   LIVRES   e   IGUAIS,   sem   um   superior,   mas  
estão  sujeitos  aos  ditames  da  LEI  NATURAL  (obediência)  
§  Os  homens  vivem  de  acordo  com  a  lei  natural  que  é  a  
sua  razão,  pois  ela  é  que  conhece  as  leis  e  os  direitos  
naturais.  
Texto  nº1  -­‐  Locke  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
3.  OS  DIREITOS  NATURAIS  NO  ESTADO  DE  NATUREZA  

A  lei  natural  de  Locke  reconhece  os  seguintes  direitos:  


§  Direito  à  VIDA  
§  Direito  à  LIBERDADE.  
§  Direito   à   PROPRIEDADE   (deriva   do   facto   de   todos  
os  homens  nascerem  proprietários  

(...)  todo  o  homem  tem  uma  propriedade  na  sua  própria  pessoa:  a  
esta   ninguém   tem   direito   senão   ele.   O   trabalho   de   seu   corpo,   e   de  
suas  mãos,  é  propriamente  seu.  Por  isso,  tudo  aquilo  que  ele  Hra  do  
estado  que  a  natureza  lhe  deu,  empregou  para  isso  o  seu  trabalho,  e  
ajuntou-­‐lhe   alguma   coisa   que   é   sua   própria,   por   onde   faz   esse  
objecto  propriedade  sua  (…)  
LOCKE,  J.  (1999)  Ensaio  Sobre  a  Verdadeira  Origem,  Extensão  e  Fim  Do  Governo  Civil.  Lisboa:  Edições  70  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
4.  LEI  NATURAL  VS.  LEI  DIVINA  VS.  LEI  POSITIVA  

-­‐  É  dada  pela  NATUREZA.  


-­‐  É  RACIONAL  (descoberta  apenas  pela  razão  e  porque  
agir  contra  a  lei  natural  é  agir  contra  a  razão).  
LEI  NATURAL  
-­‐  É  UNIVERSAL,  porque  é  comum  a  todas  as  pessoas;  
-­‐  É  independente  das  convenções  humanas,  pois  não  
depende  do  sígo  e  da  época  em  que  as  pessoas  vivem.  

-­‐   Revelada  por  Deus,  através  dos  profetas  e  escrituras.  


LEI  DIVINA   -­‐   Aplica-­‐se  àqueles  a  quem  Deus  a  escolheu  revelar.  
(Deus  é  a  origem  da  lei  natural  e  da  lei  divina)  

-­‐ É   convencional,   pois   é   aplicada   apenas   nos   sígos   em  


LEI  POSITIVA  
que  essa  convenção  foi  estabelecida.  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
           No  estado  de  natureza  todas  as  pessoas  possuem:      
§  O   DIREITO   DE   AJUIZAR   POR   SI   que   acções   estão   ou  
não  de  acordo  com  a  lei  natural  (não  há  autoridade).  
§  O   DIREITO   DE   SE   DEFENDER   daqueles   que   tentarem  
interferir  nos  seus  direitos  e  violar  a  lei  natural.  
§  O   DIREITO   DE   DECIDIR   E   APLICAR   A   PENA  
APROPRIADA  para  aqueles  que  violam  a  lei  natural.  

Concepção  ANTROPOLÓGICA  OPTIMISTA:  os  homens  são  


naturalmente   capazes   de   se   darem   bem,   porque   são  
seres   racionais   e,   por   isso,   capazes   de   compreender   e   agir  
segundo  a  lei  natural  (estado  de  inocência).  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
5.  ORIGEM  DO  ESTADO  OU  SOCIEDADE  CIVIL  

ACORDO  ou  CONTRATO  MÚTUO  


(consen=mento)  

§  O   poder   exercido   sobre   as   pessoas   só   é   legí>mo   se  


>ver   o   seu   CONSENTIMENTO   –   cria-­‐se   um  
mandato  de  confiança  (Trust).  
§  O   poder   polí>co   teve   origem   num   ACORDO   ou  
CONTRATO  entre  pessoas  livres  que  decidem  unir-­‐
se  para  cons>tuir  a  sociedade  civil.    

Texto nº2 - Locke

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
6.  O  QUE  É  O  CONSENTIMENTO  TÁCITO?  

Ø  A   par>r   do   momento   em   que   usufruímos   das  


vantagens   de   viver   numa   sociedade   civil,   estamos   a  
dar   o   nosso   consengmento   tácito,   ou   seja,   não   é  
preciso   que   ninguém   nos   pergunte   expressamente  
se   aceitamos   viver   numa   sociedade   civil.   Caso  
contrário,   teríamos   de   recusar   os   bene`cios   do  
estado  e  de  viver  à  margem  da  sociedade.  
Ex.  Se  alguém  pede  protecção  à  polícia  quando  se  sente  
ameaçado,   está   tacitamente   a   consen>r   que   a   polícia  
tenha  poder  sobre  si  também.  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
7.  UM  ESTADO  DEMOCRÁTICO  

A  SOBERANIA  RESIDE  NO  POVO    


 a  vontade  do  povo  tem  prioridade  sobre  a  autoridade  polígca.  

§  O   governo   é   servidor   da   vontade   dos   cidadãos  


que   consen>ram   confiar-­‐lhe   a   defesa   dos   seus  
direitos  e  interesses.    
§  Sempre  que  o  estado  age  traindo  essa  confiança,  
jus>fica-­‐se  a  desobediência  e  a  rebelião.    
§  O   contrato   social   pode   ser   revogado   caso   os  
governantes  não  respeitem  os  direitos  naturais.  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
8.   PARA   QUE   FIM   O   HOMEM   ABANDONA   O  
ESTADO  DE  NATUREZA  E  SUJEITA-­‐SE  AO  ESTADO?  
PRESERVAR  A  PROPRIEDADE    
(VIDA  E  LIBERDADE)  

1)  A  luta  pela  propriedade  privada  que  faz  com  que  o  


ser   humano   abandone   o   estado   natural:   a  
acumulação   de   bens   origina   as   primeiras  
desigualdades   económicas   (uns   possuem   muito   e  
outros  quase  nada)  e  os  conflitos  de  interesses.  
2)  Há  sempre  quem,  movido  pela  ganância,  interesse  
ou  ignorância,  se  recuse  a  observar  a  lei  natural.  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
8.   O   PODER   POLÍTICO   GARANTE   AS   SEGUINTES  
CONDIÇÕES:    

A   –   Uma   LEI   estabelecida,   conhecida   e   aceite   por  


consengmento,   que   sirva   de   padrão   comum   para  
decidir   os   desacordos   sobre   aspectos   par>culares   de  
aplicação  da  lei  natural.  

B   –   Um   JUIZ   IMPARCIAL   com   autoridade   para   decidir  


segundo   a   lei,   evitando   que   haja   juízes   em   causa  
própria,  parciais  e  injustos.  

C  –  Um  PODER  suficientemente  forte  para  EXECUTAR  A  


LEI  e  fazer  cumprir  as  sentenças  justas.  
Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes  
Realizado  por:    
Joana  Inês  Pontes  

Dimensão  ético-­‐política  |  Teoria  Contratualista  de  Locke  |  10º  ano  |  Joana  Inês  Pontes