Você está na página 1de 17

OBJETO E MÉTODO

DA FILOSOFIA
O QUE É A FILOSOFIA?
Define-se por vezes as disciplinas em termos de objeto e método:

O objeto de estudo da biologia são as propriedades dos


organismos vivos. O seu método é a observação e a elaboração
de teorias que depois são testadas, por vezes em laboratórios.

O objeto da Filosofia são os conceitos mais básicos que usamos


nas ciências, nas artes, nas religiões e no dia-a-dia. A filosofia
estuda conceitos como os seguintes: o bem moral, a arte, o
conhecimento, a verdade, a realidade, etc. O seu método é a
troca de argumentos, a discussão de ideias.
Exemplos de problemas da filosofia:
 Será que tudo é relativo?
 Será que a vida tem sentido? E se tem, qual é?
 Como se justifica a existência do Estado, das Leis, e da Polícia?
 Será que não faz diferença fazer sofrer os animais?
 Será que Deus existe realmente, ou será que os ateus têm razão e os
crentes estão enganados?

Estes problemas surgem naturalmente da nossa capacidade para


pensar, em contacto com o mundo. Outros problemas surgem da
nossa reflexão sobre as ciências, as religiões e as artes.
A filosofia é uma reflexão que surge
naturalmente. Mas nem toda a reflexão que
surge naturalmente é filosófica…

As respostas pessoais às perguntas filosóficas


não são respostas filosóficas.
Podemos e devemos partir das nossas convicções
pessoais.
Mas só começamos a fazer filosofia quando
exigimos justificações para essas convicções.
Filosofia e Ciência

• Há problemas especificamente filosóficos

• Há problemas comuns à Filosofia e às ciências

• A Ciência procura explicar o funcionamento da


realidade, usando metodologia própria
• A Filosofia procura compreender os princípios que
devem orientar a existência, usando metodologia
própria
Semelhanças
 
• Exigem ambas metodologia adequada, justificação e rigor dos conceitos
 
• Nenhuma teoria, científica ou filosófica, pode ser considerada solução
definitiva

Diferenças

• As teorias filosóficas não exigem reconhecimento e aceitação universais

• As teorias científicas exigem reconhecimento da comunidade científica

• A validação do conhecimento filosófico depende da qualidade da


argumentação

• A validação do conhecimento científico exige a demonstração


experimental 
Pode, então, dizer-se que todos os problemas filosóficos
podem vir a ser tratados no âmbito das ciências?

Não, por dois motivos:

1.º) Alguns problemas são tão gerais e fundamentais, que não


podem ser tratados por uma qualquer ciência particular (por
exemplo: o que é o conhecimento?, o que é uma ação justa?);

2.º) Um tratamento bem sucedido de um problema dentro de


uma determinada área pode gerar novos problemas (exemplo: o
sucesso da neurofisiologia na explicação do nosso
comportamento levanta a questão de se saber se os
pensamentos e os sentimentos não serão senão processos
físicos; só a filosofia pode tentar responder a esta questão).
ATITUDE FILOSÓFICA
• A atitude filosófica caracteriza-se por uma abertura ao
mundo, tornando-nos sensíveis a tudo quanto nos rodeia.
Trata-se de viver de forma empenhada as situações,
recusando fecharmo-nos em nós mesmos e,
consequentemente, a vivermos alheados daquilo que nos
cerca.

Tem origem no sentimento de admiração, isto é, na


capacidade de nos espantarmos com as coisas e os
acontecimentos da nossa experiência.
Atitude Filosófica
ATITUDE
INTERROGATIVA
O aparecimento de interrogações deriva do sentimento de admiração
que o homem sente ao confrontar-se com a realidade. No século IV
Aristóteles, designou este sentimento por espanto.

O espanto é a fonte da interrogação

O homem fica maravilhado ou inquieto sempre que se depara com


fenómenos surpreendentes ou desconhecidos. Isso leva-o a refletir sobre
eles, interrogando-os e interrogando-se, com o objetivo de os
compreender.
Assim, do espanto nasce a interrogação, característica
essencial da atitude filosófica
ATITUDE CRÍTICA
É pelo facto do filósofo se interrogar a propósito de coisas
que parecem mais simples que podemos caracterizar a atitude
filosófica como uma atitude crítica

Atitude crítica implica que o filósofo ponha em causa todas as opiniões, só as


aceitando depois de racionalmente fundamentadas

o filósofo faz uma distinção entre – aparência – aquilo que as coisas parecem e
– realidade – aquilo que são as coisas, percebendo a forma como as coisas se
apresentam podem não corresponder aquilo que elas são.

DÚVIDA

O filósofo numa douta ignorância, interroga, duvida da


superficialidade das coisas e procura desenvolver uma reflexão
crítica que vá à raiz dos problemas e que os encare na sua totalidade.
A dúvida faz parte integrante desta atitude relativamente ao que
constatamos e ao modo como constatamos. Desconfiar de nós
mesmos, da nossa interpretação ingénua e primária das coisas e
admitir que elas não sejam tal como nos parecem é a postura mais
saudável quando se deseja conhecer com verdade a existência e o
significado de uma coisa qualquer.

A fecundidade filosófica da dúvida


• Inicia a discussão;
• Traduz um estado de insatisfação:
• Põe em causa;
• Não é passiva;
• Abala o saber pré-estabelecido e os preconceitos;
• É antídoto de dogmatismo;
• Conduz à reflexão;
• É libertadora;
• Permite partir para a reformulação das nossas crenças e opiniões;
• Abre novos horizontes e possibilidades de compreensão.
Estabeleça a correspondência entre as características da Filosofia e
os enunciados que as traduzem de uma forma positiva ou negativa:

A U

R A

U A

A
U

U A

R R

A R

R
A

A R
R

U
- Da lista de enunciados a seguir apresentada, assinale aqueles que são verdadeiros e falsos:

F
V
F
F
V
F
V
V
V
F
V
F
V
F
V
V

V
Problemas e questões da Filosofia

Problemas gnosiológicos/epistemológicos – sobre o


conhecimento

Problemas ontológicos – sobre a realidade

Problemas antropológicos – sobre a natureza humana

Problemas existenciais e axiológicos – sobre os valores

Problemas metafísicos - sobre os fundamentos da


realidade
Problemas
gnosiológicos/epistemológicos

Os filósofos elegem como


Os cientistas estudam um
objectivo específico: objecto de estudo o próprio
Exemplos conhecimento.
 Biologia Perguntam:
 O que é a matéria viva? O que é o conhecimento?
 Como se reproduz? O que é a verdade?
 Sociologia Podemos conhecer a verdade?
 Como se organizam os Há várias formas de apreender
grupos sociais?
a
realidade?
De onde vem o conhecimento?
Problemas Problemas
ontológicos antropológicos
As ciências sociais estudam:
Os cientistas respondem a perguntas. O ser humano e as suas
Exemplos:
manifestações culturais.
Que é a matéria?
Qual a sua constituição? Utilizam técnicas para quantificar
Que é a luz? os resultados.
Que se passou em determinado século? Têm uma preocupação descritiva.

Os filósofos problematizam a
Os filósofos formulam perguntas .
natureza do ser humano, a sua
Exemplos:
origem e o seu destino.
Que é a realidade?
Perguntam:
O que é tudo que é?
 O que é o Homem (antropos)?
Vivemos num sonho, numa ilusão?
 O que é a vida?
É possível despertar?
 Os seres humanos têm alma?
Problemas existenciais e Problemas
axiológicos metafísicos
Os cientistas, como seres humanos, podem Os cientistas perguntam:
fazer as mesmas perguntas que os filósofos •Há universos paralelos?
Como investigadores não as podem fazer •Qual a origem do
porque não lhes podem responder. Universo?
O método experimental não pode decidir se •Que «idade» tem a nossa
é preferível ser honesto ou ser desonesto. galáxia?

Os filósofos perguntam: Os filósofos perguntam:


 Que valores devem guiar a nossa Há vida depois da morte?
existência? Deus existe?
 Que é a consciência moral? A existência tem sentido?
 Por que devemos respeitar a vida? Qual a origem do bem e
 Que é o bem e que é o mal? qual a origem do mal?
 Que é o belo e que é o feio?