Você está na página 1de 15

1 IDENTIFICAÇÃO 1.

1 TÍTULO ASPECTOS DO RUÍDO URBANO NA CIDADE DE SÃO LUÍS: Mapeamento do Trecho Retorno Anil/Ribamar ao Grêmio Lítero.

1.2 AUTOR Rogério Costa Prado

1.3 FINALIDADE Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual do Maranhão como requisito para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia Mecânica.

1.4 ORIENTADOR Professor Dr. Joel Manoel Alves Filho

5

como ambulâncias. O ruído de tráfego é um grande responsável pela poluição sonora urbana. Rossi & Junior (2004). pode ser tão prejudicial quanto o industrial. 2006. 2001). Os altos níveis de pressão sonora tornam-se mais perigosos quando se trata de ruído no ambiente de trabalho devido a sua intensidade. et al 2006). e trouxeram ao homem mais comodidade e bem-estar. tempo de exposição e efeitos combinados com outros fatores de risco. falta de isolamento acústico dos motores e escapamentos. afirmam que a exposição sistemática e prolongada ao ruído traz efeitos nocivos ao organismo humano. caminhões e motos (FREITAS & NAKAMURA. 2002 apud MINISTÉRIO DA SAÚDE. Um desses prejuízos é a Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR). existe a preocupação com a questão da poluição sonora nas cidades. estando os ônibus em primeiro lugar. Segundo pesquisas realizadas. que é abordado com maior freqüência em estudos e pesquisas (MARTINS et al. devido o aumento dos níveis de poluição sonora nas grandes cidades.2 INTRODUÇÃO O avanço tecnológico e o desenvolvimento científico proporcionaram à humanidade uma melhoria na qualidade de vida. Podemos perceber isso facilmente nos cruzamentos de avenidas movimentadas. decorrente da lesão das células ciliadas do Órgão de Corti. DIAS. tudo nos leva a crer que o ruído nas vias de transito. trazendo consigo alguns efeitos prejudiciais à sua saúde. pela má conservação dos veículos automotores. seguidos por outros. Diariamente estamos expostos a elevados níveis de ruído. (FREITAS & NAKAMURA. como produtos químicos ou vibração (SILVA. Desde o século passado. o avanço da tecnologia contribuiu também para a rápida urbanização. atrito dos pneus com o asfalto. 2003). 6 . o ruído dos veículos automotores é o que mais contribui para a poluição sonora nas cidades. 2003). definida como sendo alteração irreversível e progressiva. tendo sido elaboradas algumas leis com o objetivo de controlá-la. Contudo. Dessa forma. a má conservação da pavimentação das vias públicas e as buzinas.

distúrbios gástricos (gastrite e úlcera gastroduodenal). intensidade. 1997). Com a implantação de novos processos e equipamentos de nova geração é possível manter o desenvolvimento sustentável. contudo. devido a motores. Para a secretaria do Meio Ambiente de São Paulo. além da Perda Auditiva. o trafego é considerado a maior causa do ruído nas grandes cidades. onde a via é cercada por edifícios. sirenes e até o atrito dos pneus com a pavimentação. pois paredes paralelas de residências e prédios aprisionam o ruído e constituem verdadeiras caixas de ressonância. assim como do tempo de exposição e da suscetibilidade individual (VIEIRA. do humor entre outros. estresse. 7 . 1999). sem. Os distúrbios atribuídos à exposição do ruído vão depender da freqüência. do sono. agredir o indivíduo (ALVES FILHO. em algumas situações. já se reconhece hoje que o ruído também é responsável por diversas manifestações patológicas nãoauditivas. duração e o ritmo do ruído.Segundo AZEVEDO (2004). como cefaléia. Segundo GERGES (2000). buzinas. tontura. distúrbios de atenção. é caracterizado um agravante.

3 OBJETIVOS 3. médio e grande porte. promovendo saúde e melhor qualidade de vida à população.1 OBJETIVO GERAL O objetivo geral deste trabalho consiste em verificar os níveis de ruído do trecho Retorno Anil/ Ribamar ao Grêmio Lítero. identificarem possíveis áreas de risco. Propor recomendações para redução de emissão de níveis de ruídos. onde serão especificadas áreas de risco. Identificando assim a existência ou não de poluição sonora e constatar se os parâmetros coletados estão compatíveis com os recomendados pelas legislações vigentes. através de um mapeamento acústico. 8 . A partir dos dados obtidos. Trecho Retorno Anil/Ribamar ao Grêmio Lítero. no qual há grande fluxo de veículos de pequeno. 3. elaborando o mapeamento acústico do referido trecho.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Levantar os Níveis de Pressão Sonora (NPS) da Avenida Casemiro JR. de modo a verificar as características acústicas de áreas residenciais. objetivando a implantação de uma política adequada para o controle do ruído. Contribuir com os órgãos competentes. objetivando o controle eficaz do problema. comerciais e industriais.

danceterias. O mapeamento acústico conduz informações úteis que podem ser associadas ao estudo do controle sonoro. fez surgir um macro-projeto de mapeamento a respeito dos aspectos do ruído urbano no município. O ruído é atualmente um preponderante fator de desequilíbrio ambiental. há situações onde os níveis de ruído é altíssimo. portanto. a atenção tanto do ponto de vista de saúde ocupacional bem como o bemestar da comunidade em geral merece destaque. como é o caso do ruído em indústrias. 9 . tanto por parte dos órgãos municipais. e como conseqüência trouxe consigo o aumento do nível de ruído. Devido a inexistência de dados referentes ao controle dos níveis de poluição sonora na cidade de são Luís. começou o surgimento de novas máquinas.4 JUSTIFICATIVA Com o avanço tecnológico e o desenvolvimento científico. O ruído tornou-se um grave problema para a sociedade moderna. com isso somos obrigados a tomar medidas de proteção e controle para evitarmos tal problema. e promover saúde e melhor qualidade de vida à população. tráfego e outros. quanto por órgãos estaduais. equipamentos e veículos. facilitando a elevação do índice de indivíduos com problemas no aparelho auditivo. clubes sociais. devido sua relevância.

fisiológica e mental do indivíduo a ele exposto. tendo capacidade de provocar efeitos desagradáveis e danosos ao funcionamento do aparelho auditivo humano. Aspectos psicológicos destacam-se nesses comportamentos e refletem-se na forma de irritabilidade excessiva. é importante frisar os efeitos psicológicos e sociais advindos do barulho excessivo. o ruído é usado para descrever sons indesejáveis ou desagradáveis (MINISTÉRIO DA SAÚDE. Mudanças no comportamento social e ocupacional são percebidas em indivíduos que ficam expostos por tempo demasiado a ruídos intensos. de grande complexidade. 2006). 2002). pode ser um fenômeno subjetivo que depende da suscetibilidade ou sensibilidade de cada indivíduo. impaciência. De acordo com CARMO (1999). depressão e falta de interesse social. Na Portaria 3. Segundo VIEGAS (2006). Também. Anexos 1 e 2. Além disso. ruído é qualquer fenômeno físico que se propaga em formas de ondas sonoras. Em relação à Psicoacústica. os ruídos estão classificados conforme a variação do seu nível de intensidade em função do tempo. como: 10 .214. 1999). o ruído afeta o organismo humano de várias maneiras. causando prejuízos tanto no funcionamento do sistema auditivo quanto no comprometimento da atividade física. Seu espectro sempre será uma confusa composição de harmônicas sem qualquer classificação ou ordem de composição (FERNANDES. entre outros (ALVES FILHO. 2002). enquanto o som é utilizado para descrever sensações prazerosas. originado da superposição de vários movimentos de vibração com diferentes freqüências que não apresentam relação entre si (RUSSO.5 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 5.1 RUÍDO O ruído é um sinal acústico aperiódico. de 08/06/04 do Ministério do Trabalho e Emprego. NR -15.

responsável pela captação e condução do som. As estruturas desse receptor podem em conjunto. que ocasiona vibrações mecânicas na membrana timpânica. Os ruídos contínuos não apresentam variação de intensidade perceptível. superior a um valor próximo 3 dB. • Impacto ou Impulso – apresenta-se em picos de energia sonora de duração menor que um segundo. O comportamento ondulatório deste tipo de ruído é freqüentemente definido por sua amplitude e duração. do ar. O órgão da audição é um receptor externo que possui um isolamento acústico especial que atenua os sons provenientes de nosso próprio corpo. que são transmitidas quase sem perdas do ouvido médio para o ouvido interno. discriminar cerca de 500.• Contínuo – ruído com variações de níveis que podem ser desprezíveis. o som da nossa própria voz. inclusive. ouvido médio. 5. durante o período de medição. A amplitude é medida no pico máximo.000 sons e são responsáveis pelo equilíbrio humano. Os ruídos intermitentes são os que duram segundos ou no máximo alguns minutos e podem ser repetidos. • Intermitente – ruído onde o nível se altera constantemente de um valor considerável. a duração é o tempo que a onda leva para cair 20 dB até o seu nível normal. causando a sensação da audição. são responsáveis pelo impulso elétrico nervos que são transmitidos via nervo auditivo.2 ANATOMIA DO OUVIDO HUMANO Segundo Pivioti (2002) processo auditivo começa na propagação da onda sonora através principalmente. Os efeitos mecânicos que lá ocorrem. até um valor próximo de 3 dB durante o período de observação. Aparelho auditivo: Podemos dividir o aparelho auditivo em três partes: ouvido externo. 11 .

dependendo do indivíduo. nos meios de transporte. 2006. perceptíveis pelo ouvido humano. 2004). e chegando a apresentar uma intensidade que varia entre 60 dB a 80 dB. e ouvido interno. Os sons que estão abaixo da faixa de 20 Hz são denominados de infrasons e os que estão acima da faixa de 20.PAIR é uma diminuição gradual da acuidade auditiva que afeta muitos trabalhadores expostos a ambientes de trabalho ruidosos (BARROS. sendo imperceptível pelo trabalhador afetado e pelas outras 12 . Inicialmente a PAIR não traz grandes prejuízos auditivos.000 Hz. 1998). Freqüentemente é considerada oagravo mais comum à saúde dos trabalhadores. responsável pela transdução mecano-elétrica e equilíbrio estático e dinâmico. 5. GABAS (2004) afirma que os indivíduos que têm vozes de freqüências mais altas (agudas) são percebidas muito melhor pelo ouvido humano.000 Hz a 5. entre outros (MINISTÉRIO DA SAÚDE. são aqueles produzidos por fontes cujas freqüências encontram-se entre 20 Hz até 20. a fala está compreendida numa faixa de freqüência entre 500 Hz e 2. revelou que os sons audíveis.000 Hz e menos sensível nas mais altas e mais baixas freqüências. De acordo com DIDONÉ (2004).responsável pelo acoplamento de impedâncias e ventilação.4 PERDA AUDITIVA INDUZIDA PELO RUÍDO – PAIR A Perda Auditiva Induzida pelo Ruído . são os ultra-sons. lesa a orelha de modo insidioso. Isto acontece por que o ouvido se torna mais sensível na faixa de 2. Esses limites variam conforme as condições do ouvido. sendo audíveis os níveis de pressão sonora entre 0 dB (limiar da audição tem som mais fraco em 20 μPa) e 120 dB (limiar da dor tem som máximo tolerável em 200 Pa).000 Hz. 5.3 ESPECTRO AUDÍVEL E O DECIBEL (DB) Um estudo realizado por LATRÔNICO e DRECKMANN (2003). Rossi & Junior.000 Hz. estando presente nas indústrias. isto é.

atribuindo a outras causas: falta de concentração e interesse. Do Trabalho. 1) estabelece que os sons potencialmente perigosos estão acima de 85 dB(A) e define o tempo de exposição contínua aos níveis de ruído conforme a tabela abaixo: Tempo máximo de exposição diária 8 horas 7 horas 6 horas 5 horas 4 horas 3 horas 2 horas 1 hora 30 minutos 15 minutos 7 minutos Níveis de Ruído em dB(A) 85 86 87 88 90 92 95 100 105 110 115 Tabela de Níveis permitidos de exposição contínua ao ruído.214/78. A legislação brasileira (Portaria 3. Fonte: Manual de Legislação Brasileira ATLAS. 1999). 6 METODOLOGIA 13 . NR – 15.pessoas. não exteriorizam suas dificuldades auditivas. Os indivíduos tendem a negar seus problemas. Com a evolução do quadro surgem desabilidades auditivas.214/78 do Min. anexo nº. segundo a Portaria 3. gerando insatisfação e pouca compreensão pelo trabalhador e sua família (PARAGUAY.

textos e dissertações da Internet. pesquisa de artigos. registrados em Nível Sonoro Contínuo Equivalente. uma das ferramentas mais importantes no diagnóstico dos dados. o horário. tarde e noite.A metodologia empregada consiste inicialmente numa revisão bibliográfica. Respectivamente. monografias e outros que foram usados para a realização de estudos sobre o RUÍDO. 6.2 CRITÉRIOS PARA A COLETA DOS DADOS Os dados serão coletados após a realização de cada dia de medição.3 CRITÉRIOS DE ANÁLISE DOS DADOS Os dados serão analisados utilizando a estatística.1 CRITÉRIOS PARA A ESCOLHA DOS LOCAIS E PONTOS DE MEDIÇÕES Serão selecionados pontos aleatórios para as medições dos níveis de pressão sonora de forma a abranger diversos pontos na Avenida Casemiro JR. além do nível de pressão sonora existente. o tipo de utilização da zona.4 CRITÉRIOS DE CLASSIFICÃO DAS MEDIÇÕES As medidas serão efetuadas em pontos estratégicos do local selecionado. bem como as possíveis fontes de ruído existente no ambiente. 11:30 às 13:00 e 18:00 às 19:30. nos horários das 7:00 às 8:30. para cada ponto. 14 . feitas nos turnos da manhã. juntamente com aplicação de software. Sendo registrado. 6. Os níveis de pressão sonora serão medidos em escala dB(A). 6. o tempo de medição. cujo objetivo principal é estudar e analisar a influência do estímulo sonoro sobre o indivíduo e identificar a existência ou não de poluição sonora e constatar se os parâmetros coletados estão compatíveis com os recomendados pelas legislações vigentes. . 6. O intuito é realizar o mapeamento acústico do local selecionado.

a fim de ser diariamente calibrado antes e após as medições diárias. equipado com áudio calibrador. da Brüel & Kjaer. como preceitua a norma. resultados encontrados serão confrontados com critérios estabelecidos pelas normas nacionais. onde as conclusões sobre a situação serão 6.Os emitidas. com a utilização de um programa estatístico para a análise dos dados.5 MATERIAIS UTILIZADOS Os níveis de ruído serão adquiridos com a utilização de um medidor de nível de pressão sonora modelo BK2260. Os dados adquiridos serão compilados numa base de dados e processados em um microcomputador. 7 CRONOGRAMA 15 .

Influência da Composição do Tráfego Sobre o Ruído gerado por Rodovias. Joel M. 2004. J. 1997. A. P. O ruído no ambiente de trabalho: sua influência nos aspectos biopsicossociais do trabalhador.ATIVIDADES Pesquisa Bibliográfica Aprendizagem de manuseio do Ago X Set X 2009 Out Nov Dez X equipamento de medição X Escolha dos pontos de medição X Entrega do Projeto de Monografia Realização das medições Coleta de dados do instrumento Tabulação dos dados Análise dos resultados Discussão dos resultados Análise do Trabalho Digitação da Monografia Normalização e Revisão do Texto Apresentação da Monografia X X X X X X X X X X X X X X X X X X 8 REFERÊNCIAS ALVES FILHO. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública). . Efeito de produtos químicos e ruído na gênese da perda auditiva ocupacional. SC. M. AZEVEDO. 2002. UFSC. M. (Dissertação de Mestrado) Florianópolis. FIOCRUZ. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis. de. 16 . ALVES FILHO.

br/library/teses/2b1 ee8b062132ce46e79499c815d20f2. Disponível em: http://www. 2006.guiatrabalhista.fiocruz.pdf Acesso em 19 ago. 2009. J. .. CORRENTE. Monografia (Especialização em Audiologia Clínica) CEFAC.cefac. 5ª ed. 2009. de. 1998. Pedro Alcino Bervian. CORDEIRO. NBR -10152. PAIR seus efeitos e suas Leis. Goiânia. – Armando Luiz Cervo.cefac. Efeitos do ruído ambiental no organismo Humano e suas manifestações auditivas. São Paulo: Pearson Pretince Hall.com. E. Saúde Pública. Dez/1987. Análise e Proposta de Prevenção. DIDONÉ. Ministério da saúde.pdf Acesso em 15 ago. 63-68.pdf Acesso em: 20 ago. Disponível em: http://www. 45p.br/library/teses/21fae0db36328b9dd331d5041200 2a0d. n. CERVO. Janete A. SC. BARROS E. v. Disponível em: http://www. jan. 1. Cad. A. Armando Luiz. Monografia (Especialização em Audiologia Clínica) CEFAC. 2009.. O. Rio de Janeiro. Florianópolis.br/legislacao /nr/nr15. pp. 2006. p. Associação entre perda auditiva induzida pelo ruído e zumbidos. UFSC.br/pdf/azevedoapmm. 2004. Metodologia Científica. 22. 137. BRASIL. R. C. G. 156p.htm Acesso em 09 ago. CARMO. I. Atividades e operações insalubres.. Disponível em: http://www. 17 . C. teses.cict.Perda Auditiva dos Motoristas de Ônibus por Exposição ao Ruído: Medição. 55p. 1999. Ministério do Trabalho e do Emprego Norma Regulamentadora nº 15.Rio de Janeiro. BRASIL. 2002. L. GONÇALVES. DIAS. BRASIL. Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR). Níveis de ruído para conforto acústico. Rio de Janeiro. A. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. 2009.

cefac. A. Bras. 12p.. A. Universidade Federal de Santa Catarina. Samir Nagi Yousri. Luz. MAURI. Atlas S. Acesso 18 ago. de Otorrinolaringol. 2009. / .br/library/ teses/1565f80d879b2ef53634d25e0a4f29f7. São Paulo. BEVILACQUA. S. C. 467-473. Rev. COSTA FILHO O. n. GABAS. Análise Experimental do ruído no Habitáculo de Ônibus Urbano na Cidade de Curitiba. MARCONI. Y. H. 2003.C.A. 51ª edição. J. A. pp 09-14. 2004. 1999. L. F.br/Intranet/ professores/adm/download/apostilas/063638. v..10.FERNANDES. GERGES. – São Luís. MARTINS. T. . Perda Auditiva Induzida por Ruído em Consultório Odontológico. 2003. – UFSC. MANUAL DE LEGISLAÇÃO BRASILEIRA ATLAS. p.utfpr. 2009. Segurança e Medicina do Trabalho. M. MACHADO.. Saúde Rev. 5. 2002. 1319. LAKATOS.pdf Acesso em 15 ago. Piracicaba. Ronilson dos Santos da. G. Ed. T. ÊNIO MÁRIO e DRECKMANN. GLÁUCIA C.edu. Fundamentos de metodologia científica. 2 ed. Marina de Andrade.doc FREITAS. R. 2003. 2ª tiragem. Acústica e Ruídos. jul-ago. v. F. K. Eva Maria. São Paulo. 18 em São Luis – Maranhão. Disponível em: http://www.Curitiba.. NAKAMURA. 2000. Monografia (Especialização em Audiologia Clínica) CEFAC. Controle do Ruído de uma Máquina de Beneficiamento de Madeira.md. Perda Auditiva Induzida por Ruído em Motoristas de Ônibus com Motor Dianteiro. Florianópolis. A. 315 p. 2006. pp 22-28. 67. São Paulo: Atlas. Dissertação de Mestrado. Disponível em:www. Mapeamento dos níveis de ruído no ambiente do terminal de integração COHAB/COHATRAC Ronilson dos Santos da Luz. 2008. ALVARENGA. Perda auditiva em motoristas e cobradores de ônibus. Ruído – Fundamentos e controles.3M Soluções para Saúde Ocupacional e Segurança Ambiental: Programa de Conservação Auditiva. PARAGUAY. 3M do BRASIL. C. 2001. p. Blumenau. LATRÔNICO.

2.Knobel.pdf Acesso em 12 ago.157178. 2007.br/library/teses/c77ca764e1494a1e1 f764e7cc9a35c4d.pdf Acesso em 15 ago. Disponível em: http://www. .1999. . . 2. M. seus efeitos e medidas preventivas. Mamédio Antônio.br/library/ teses/1565f80d879b2ef53634d25e0a4f29f7. M.C. Debson Eurico P. abr-jun 2004. 2006. F. Belo Horizonte.2. p. I. O Impacto do Ruído Urbano Sobre a Audição de Operadores de Tráfego. Trab.P.cefac. – São 19 . Junior. M. Med. Ruído e Perda Auditiva. M.Aspectos do Ruído na Cidade de São Luís: Mapeamento do Trecho Retorno da Forquilha-Retorno do são Cristóvão. In: Acústica e Psicoacústica aplicadas à Fonoaudiologia. Monografia (Especialização em Audiologia Clínica) CEFAC. São Paulo: Lovise. Rossi.Aspectos do Ruído na Cidade de São Luís: Mapeamento do Trecho Retorno da Alpha Veículos-Retorno da UEMA. p. 43p.” Som Útil e Som Prejudicial” Unicamp 2002 Campinas S. 1999. v. I. São Luis-Ma. . L. n.P. de ruído no ambiente de uma serralheria / Mamédio Antônio Rodrigues Júnior. São Luis-Ma.S. Rezende.. Disponível em: http://www. 2006. RUSSO.. 2009. C.cefac. Pivioti. VIEIRA. Rev. Recife. IX Seminário de Divulgação Científica-CNPq/ UEMA. Rodrigues Júnior. Ruídos. Bras. 29p. Mapeamento dos níveis Luís. 2009.ed. SANTOS. R.G. VIEGAS. 126132.Recife. Carlos Cesar S. IX Seminário de Divulgação Científica-CNPq/ UEMA..

Interesses relacionados