ORGANIZAÇÃO DE ASSOCIAÇÕES DE PRODUTORES RURAIS De acordo com o Código Civil (Lei nº 10.

406, de 10-01-2002) PAULO FLORENCIO DA SILVA

São Paulo 2006

Governador do Estado de São Paulo Cláudio Lembo Secretário de Agricultura e Abastecimento Alberto José Macedo Filho Secretário Adjunto Carlos Nabil Ghobril Chefe de Gabinete Antonio Vagner Pereira Coordenador da Coordenadoria de Desenvolvimento dos Agronegócios Silvio Manginelli Diretor do Instituto de Cooperativismo e Associativismo Waldemar Ferreira Junior

2

1a edição - 2a tiragem

ISSN: 0102-6860

ORGANIZAÇÃO DE ASSOCIAÇÕES DE PRODUTORES RURAIS De acordo com o Código Civil (Lei nº 10.406, de 10-01-2002)

PAULO FLORENCIO DA SILVA Supervisão WALDEMAR FERREIRA JUNIOR Coordenação PAULO FLORENCIO DA SILVA CYRO GOMES DA SILVA ELAINE ZANGHERI HELIO CAVA SANCHES JOÃO BELATO LUIZA ASSIS FLEMING SILVA MARIA MAGDALENA MATTE HIRIART ODILON SOARES RAMOS

SÉRIE ORIENTAÇÃO 01/06

JUN. 2006

3

INSTITUTO DE COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO (ICA) Av. 3. 1. Série.br/ica 4 . Paulo.Água Funda . Florencio da Silva. II.3 É permitida a reprodução total ou parcial desta obra.406. Cyro Gomes da Silva.. coordenador Paulo Florencio da Silva. 2006. 3900 . Título. [et al. desde que seja citada a fonte. CDD – 302. Produtores rurais.] – São Paulo: ICA. IV.gov. III. Associações. Silva. Organização.sp. I. 01/06).codeagro. Waldemar. de 10-01-2002) / supervisor Waldemar Ferreira Junior.Organização de associações de produtores rurais de acordo com o Código Civil (Lei nº 10. Cyro Gomes da. Ferreira Junior..SP Fone/fax: (11) 5067-0370 / 5067-0371 / 5067-0372 Visite nosso site: www. Miguel Stéfano. (Série Orientação. 29 p.CEP: 04301-903 São Paulo . V. 2.

REQUERIMENTO PARA REGISTRO EM CARTÓRIO DE PESSOAS JURÍDICAS ______________________________________________ 24 ANEXO VII – DISPENSA DE PUBLICAÇÃO NO DIÁRIO OFICIAL _______________ 25 ANEXO VIII . INTRODUÇÃO ______________________________________________________ 6 ANEXO I .ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO ________________ 22 ANEXO VI .SUMÁRIO 1.ARTIGOS QUE DISCIPLINAM O ASSOCIATIVISMO NO CÓDIGO CIVIL (LEI Nº 10.QUADRO COMPARATIVO ENTRE COOPERATIVAS E ASSOCIAÇÕES _____________________________________________________ 12 ANEXO IV .MODELO DE ESTATUTO DE ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS ________________________________________________ 13 ANEXO V .406.ALGUNS ASPECTOS ADMINISTRATIVOS E FISCAIS ______________ 27 LITERATURA _________________________________________________________ 29 5 .CLASSIFICAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO ____________________________________________________ 8 ANEXO II .ROTEIRO PARA CONSTITUIÇÃO DE ASSOCIAÇÕES _____________ 26 ANEXO IX . DE 10-01-2002) * ____________________________ 9 ANEXO III .

2 1 6 . Economista. Bibliotecária do Instituto de Economia Agrícola. As associações passam a ser consideradas como uma união de pessoas sem fins econômicos e não mais como uma sociedade civil. 1. Administrador. O associativismo está disciplinado nos artigos 53 ao 61 do Novo Código e na Lei nº 11. − Sociedades. Assistente Agropecuário do Instituto de Cooperativismo e Associativismo. PRATA. 1995. Assistente Agropecuário do Instituto de Cooperativismo e Associativismo. Assistente Agropecuário do Instituto de Cooperativismo e Associativismo.127. 7 Os autores agradecem a Vandete Pereira do Nascimento Medeiros. CASTRO. de 10-01-2002). − Fundações. Assistente Agropecuário do Instituto de Cooperativismo e Associativismo.2. − Organizações Religiosas. 4 Administrador.406. INTRODUÇÃO7 1. Objetivo do Trabalho O objetivo deste trabalho é orientar os interessados na organização de associações de produtores rurais através de um roteiro prático de acordo com o Novo Código Civil Brasileiro (Lei nº 10. 5 Advogada. − Partidos Políticos. de 28-06-2005 (vide anexo II desta publicação) com as seguintes alterações: a.ORGANIZAÇÃO DE ASSOCIAÇÕES DE PRODUTORES RURAIS De acordo com o Código Civil (Lei nº 10. 3 Administradora do Instituto de Cooperativismo e Associativismo.1. pela orientação catalográfica. 6 Socióloga. Assistente Técnico de Direção do Instituto de Cooperativismo e Associativismo. de 10-01-2002) Waldemar Ferreira Junior1 Paulo Florencio da Silva2 Cyro Gomes da Silva2 Elaine Zangheri3 Helio Cava Sanches2 João Belato4 Luiza Assis Fleming Silva5 Maria Magdalena Matte Hiriart6 Odilon Soares Ramos1 1. como instrumento de organização da sociedade civil. tendo em vista que este tipo de pessoa jurídica de direito privado funciona. em muitos casos. tendo como base o trabalho de FERREIRA JUNIOR. Análise Jurídica O Novo Código Civil classifica as pessoas jurídicas de direito privado (vide anexo I desta publicação) como: − Associações.406.

b. será destinado à entidade de fins não econômicos designada no estatuto. as quotas ou frações (vide art. parágrafo único. de fins idênticos ou semelhantes. à instituição municipal. depois de deduzidas. do Novo Código Civil / anexo II desta publicação). o remanescente do seu patrimônio líquido. 7 . estadual ou federal. se for o caso. Quanto à dissolução da associação. 56. por deliberação dos associados. omisso este. ou.

que dá nova redação aos arts. 54. de 10-01-2002.406.1.045 a 1.1. **** Vide Lei n° 10. ** Sempre Sociedade Simples.038) Sociedade Personificada (art. e dá outras providências (anexo II desta publicação).101) Sociedade Simples (art.406. de 10-01-2002. 192 da Lei nº 11.039 a 1.092) Sociedades Coligadas (art. 8 . 44 e 2. 60 e 2.088 a 1.101) Organizações Religiosas**** Partidos Políticos**** * Vide Lei nº 11. 57.090 a 1.044) Sociedade Empresária Sociedade em Comandita Simples (art.092.986 a 996) Sociedade em Comum (art. de 22-12-2003.CLASSIFICAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS DE DIREITO PRIVADO DE ACORDO COM O CÓDIGO CIVIL (LEI N° 10. Sociedade Limitada (art.101) Sociedade em Nome Coletivo (art.1.997 a 1.991 a 996) Sociedade Cooperativa** (art.097 a 1.406.097 a 1.1.127. DE 10-01-2002) ASSOCIAÇÕES* (art.62 a 69) Sociedade não Personificada (art.ANEXO I . que altera os arts.031 da Lei n° 10.44 a 52) Sociedades (art.1. que institui o Código Civil.093 a 1.052 a 1.096) Pessoa Jurídica de Direito Privado (art.1.087) e art.981 a 1. 59.031 da Lei nº 10.089) Sociedade em Comandita por Ações*** (art.997 a 1. que institui o Código Civil. de 28-06-2005. *** Sempre Sociedade Empresária.1.039 a 1.986 a 990) Sociedade em Conta de Participação (art.825.53 a 61) Fundações (art. de 09-02-2005.1. e o art.101.1.051) (art.101) Sociedade Anônima*** (art.

eleger os administradores. o modo de constituição e funcionamento dos órgãos deliberativos e administrativos. Os associados devem ter iguais direitos. Parágrafo único. DE 10-01-2002) * Art. poderá também ocorrer se for reconhecida a existência de motivos graves. caberá sempre recurso à assembléia geral. o estatuto das associações conterá: I. entre os associados. Art. Sob pena de nulidade. os fins e a sede da associação. não podendo ela deliberar. 56. as quotas ou frações ideais referidas no parágrafo único do art. em deliberação fundamentada. Parágrafo único. X. se for o caso.406. A exclusão do associado só é admissível havendo justa causa. A convocação da assembléia geral far-se-á na forma do estatuto. Art. ou. depois de deduzidas. em primeira convocação. II. A qualidade de associado é intransmissível. 53. Art. Parágrafo único. IX. ou com menos de um terço nas convocações seguintes. VIII. os direitos e deveres dos associados. 61. na atribuição da qualidade de associado ao adquirente ou ao herdeiro. destituir os administradores. de per si. 58. as condições para a alteração das disposições estatutárias e para a dissolução. Não há. 9 . Nenhum associado poderá ser impedido de exercer direito ou função que lhe tenha sido legitimamente conferido. decretar a exclusão. 57. Para as deliberações a que se referem os incisos II e IV é exigido o voto concorde de dois terços dos presentes à assembléia especialmente convocada para esse fim. será destinado à entidade de fins não econômicos designada no estatuto. 59. Art. salvo disposição diversa do estatuto. se o estatuto não dispuser o contrário. as fontes de recursos para sua manutenção. demissão e exclusão dos associados. V. Compete privativamente à assembléia geral: VII. 55. de conformidade com o estatuto. a denominação. a transferência daquela não importará. 60. sem a maioria absoluta dos associados. a não ser nos casos e pela forma previstos na lei ou no estatuto. Se o associado for titular de quota ou fração ideal do patrimônio da associação. Art. III. Parágrafo único. Constituem-se as associações pela união de pessoas que se organizem para fins não econômicos. pela maioria absoluta dos presentes à assembléia geral especialmente convocada para esse fim.ARTIGOS QUE DISCIPLINAM O ASSOCIATIVISMO NO CÓDIGO CIVIL (LEI Nº 10. sendo este omisso. 56. Art. o remanescente do seu patrimônio líquido. mas o estatuto poderá instituir categorias com vantagens especiais. Art. Dissolvida a associação. IV. alterar o estatuto. 54. obedecido o disposto no estatuto.ANEXO II . garantido a um quinto dos associados o direito de promovê-la. VI. direitos e obrigações recíprocos. Art. Da decisão do órgão que. aprovar as contas. os requisitos para a admissão.

.. de 10 de janeiro de 2002. 57 A exclusão do associado só é admissível havendo justa causa.... de fins idênticos ou semelhantes.......... 1º Esta Lei altera os arts.. 59.101.. (revogado)" (NR) "Art.. 57.a forma de gestão administrativa e de aprovação das respectivas contas....031 da Lei nº 10. instituição nas condições indicadas neste artigo.. em que a associação tiver sede.... 54.... por deliberação dos associados. 192 da Lei nº 11. por deliberação dos associados... 2º Os arts... 57... antes da destinação do remanescente referida neste artigo... assim reconhecida em procedimento que assegure direito de defesa e de recurso. 54. e o art.406.. . de 10 de janeiro de 2002 . atualizado o respectivo valor. no Distrito Federal ou no Território.. 60 e 2..... passam a vigorar com a seguinte redação: "Art.406.. 60 e 2.127.. de 9 de fevereiro de 2005. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art... que institui o Código Civil........031 da Lei nº 10.. de 10 de janeiro de 2002 Código Civil.Código Civil e acrescenta § 5º ao art..... e dá outras providências.destituir os administradores. . 54... no seu silêncio..... Parágrafo único...omisso este..101.. 57.. * LEI Nº 11........ DE 28 DE JUNHO DE 2005 Altera os arts..... 59. 192 da Lei nº 11. do Distrito Federal ou da União... receber em restituição.... 59.." (NR) "Art.. V ....o modo de constituição e de funcionamento dos órgãos deliberativos.. no Estado.... de 9 de fevereiro de 2005.. Compete privativamente à assembléia geral: I .. VII ...031 da Lei no 10.406. as contribuições que tiverem prestado ao patrimônio da associação.. nos termos previstos no estatuto. § 2º Não existindo no Município. Art. 54... . 59....... o que remanescer do seu patrimônio se devolverá à Fazenda do Estado....... estadual ou federal.. § 1º Por cláusula do estatuto ou........... podem estes....... 10 . 60 e 2.. à instituição municipal....

.................. de 10 de janeiro de 2002..II . 2......... 60.." (NR) Art. .406.... § 5º O juiz poderá autorizar a locação ou arrendamento de bens imóveis ou móveis a fim de evitar a sua deterioração......... Parágrafo único.. 28 de junho de 2005.............. 57 da Lei nº 10............ .. bem como os critérios de eleição dos administradores. 3º O art." (NR) "Art...... As associações...alterar o estatuto.... 184º da Independência e 117º da República. A convocação dos órgãos deliberativos far-se-á na forma do estatuto.... sociedades e fundações... .. de 9 de fevereiro de 2005.... 192 da Lei nº 11. de 30 de janeiro de 2004.. deverão se adaptar às disposições deste Código até 11 de janeiro de 2007.......031........... cujo quorum será o estabelecido no estatuto............101. bem como os empresários. constituídas na forma das leis anteriores...... Para as deliberações a que se referem os incisos I e II deste artigo é exigido deliberação da assembléia especialmente convocada para esse fim.......... passa a vigorar acrescido do seguinte § 5º: "Art. LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA Márcio Thomaz Bastos 11 ..... e a Lei nº 10.................. garantido a 1/5 (um quinto) dos associados o direito de promovê-la...." (NR) Art... 192... Art.......... 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação." (NR) "Art.......... 5º Revogam-se o parágrafo único do art....838. Brasília.. cujos resultados reverterão em favor da massa.

assistência técnica. Junta Comercial. do Dissolução e/ou extinção da pessoa jurídica Fonte: Instituto de Cooperativismo e Associativismo (ICA) 12 . Receita Federal. cultural e educativa aos associados.ANEXO III . É feita diretamente pela cooperativa. Prefeitura Municipal. Não há limitações. legados. bem como promover a defesa de seus interesses. Deliberação em Assembléia Geral. cultural e educativa aos cooperados. doações. Código Civil e Lei nº 5. Prestar serviços. assessorados pela associação. Cartório Civil de Títulos e Documentos. Através das quotas-partes dos cooperados. Não há formação de capital. Posto Fiscal. entre outros. INSS. Posto Fiscal (quando for o caso).764. Taxas de serviço sobre as operações dos cooperados. ASSOCIAÇÃO União de pessoas sem fins econômicos. O saldo do patrimônio reverterá ao Banco do Brasil. bem como promover a venda e a compra em comum. Contribuições dos associados. entre outros. Prestar serviços. de 16-12-1971. Receita Federal. Recomenda-se mais do que 20 (vinte) pessoas que exerçam atividades afins. Deliberação em Assembléia Geral. assistência técnica. Limitada em relação ao controle de operações e reuniões. O saldo patrimônio reverterá às instituições congêneres. subvenções e taxas de serviço.QUADRO COMPARATIVO ENTRE COOPERATIVAS E ASSOCIAÇÕES COOPERATIVA Definição Amparo legal Objetivos Sociedade simples de fins econômicos. INSS. Código Civil. Não existe um número mínimo legal. Prefeitura Municipal. N° mínimo de pessoas para constituição Área de ação Formação do capital Receita Comercialização Registro É feita diretamente pelos associados.

celebrar convênios com qualquer entidade pública ou privada. sociais e culturais de seus associados.ANEXO IV .MODELO DE ESTATUTO DE ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES RURAIS De acordo com o Código Civil (Lei n° 10. DURAÇÃO E OBJETIVO Art. que se regerá por este estatuto e pelas disposições legais aplicáveis. 6º. a associação poderá: a) adquirir.406. a assistência técnica e outros serviços necessários à produção. SEDE. Para consecução do seu objetivo. de armazenagem e outras. Podem ingressar na associação os produtores rurais. A Associação dos Produtores Rurais de ______________________ é uma união de pessoas. de 10-01-2002) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO. educacional e jurídica. parceiros e arrendatários que concordem com as disposições deste estatuto e que. desejem contribuir para a consecução dos seus objetivos. neste particular. em mandatária dos associados no que diz respeito à ecologia. 5º. proprietários. b) viabilizar o transporte. 4º. 2º. Parágrafo único. dentária. a classificação. recreativa. tecnológicas. 3º. o armazenamento. DEMISSÃO E EXCLUSÃO Art. Art. A associação terá sua sede e administração na cidade de ________ e foro jurídico na Comarca de ________________ . a industrialização. construir ou alugar os imóveis necessários às suas instalações administrativas. o beneficiamento. CAPÍTULO II DOS ASSOCIADOS SEÇÃO I DA ADMISSÃO. 13 . ao meio ambiente e à defesa do consumidor. Estado de ______________________ . O prazo de duração da associação é por tempo indeterminado e o exercício social coincidirá com o ano civil. constituindo-se. Art. sem fins econômicos. d) filiar-se à outras entidades congêneres sem perder sua individualidade e poder de decisão. 1º. Art. A admissão poderá ficar condicionada à capacidade técnica de prestação de serviços. pela ajuda mútua. e servir de assessora ou representante dos associados na comercialização de insumos e da produção. c) manter serviços de assistência médica. Art. A associação terá como objetivo a prestação de serviços que possa contribuir para o fomento e racionalização das atividades agropecuárias e a defesa das atividades econômicas.

7º. e) solicitar. 9º. ciente de que este recurso sempre será analisado pela Assembléia Geral. 10. Art. a partir do momento em que completar ___ meses como associado. g) demitir-se da associação quando lhe convier. discutindo e votando os assuntos que nelas se tratarem. para o bom nome e para o progresso da associação. pelas obrigações contraídas pela associação. porém o mesmo permanecerá responsável pelas obrigações financeiras assumidas até a data da demissão. Art. São direitos do associado: a) gozar de todas as vantagens e benefícios que a associação venha a conceder. d) contribuir. com o compromisso de sigilo junto a terceiros. § 3º A exclusão considerar-se-á definitiva se o associado não tiver recorrido da penalidade no prazo previsto no § 1º deste artigo. A exclusão será aplicada pela Diretoria ao associado que infringir qualquer disposição legal ou estatutária. DEVERES E RESPONSABILIDADES Art. mediante carta dirigida ao Presidente que não poderá negar-lhe a solicitação. assim como para todos os demais associados. c) participar das reuniões da Assembléia Geral. São deveres do associado: a) observar as disposições legais e estatutárias. esclarecimentos e informações sobre as atividades da associação. SEÇÃO II DOS DIREITOS. por incapacidade civil não suprida ou ainda por deixar de atender aos requisitos exigidos para a sua admissão ou permanência na associação. 8º. § 4º A exclusão do associado ocorrerá também por morte. Os associados não responderão. depois do infrator ter sido notificado por escrito. e sugerir medidas para o seu próprio aperfeiçoamento e desenvolvimento. c) manter em dia as suas contribuições. por todos os meios ao seu alcance.Art. O associado que aceitar estabelecer relação empregatícia com a associação perderá o direito de votar e ser votado até que sejam aprovadas as contas do exercício em que deixar este emprego. § 2º O recurso terá efeito suspensivo até a realização da primeira Assembléia Geral. Parágrafo único. Art. sempre que necessário. b) votar e ser votado para membro da Diretoria ou do Conselho Fiscal. ainda que subsidiariamente. a qualquer tempo. bem como as deliberações regularmente tomadas pela Diretoria e pela Assembléia Geral. § 1º O associado poderá recorrer no prazo de 30 (trinta) dias contados da data do recebimento da notificação. salvo aquelas deliberadas em Assembléia Geral e na forma em que o forem. b) respeitar os compromissos assumidos para com a associação. A demissão do associado dar-se-á a seu próprio pedido. f) convocar a Assembléia Geral e dela participar. nos termos e nas condições previstas neste estatuto. d) consultar todos os livros e documentos da associação. 11. 14 .

nova convocação será feita com antecedência mínima de 10 (dez) dias e. § 1º Para efeito de verificação de quorum. O patrimônio da associação será constituído: a) pelos bens de sua propriedade. Art. é o órgão supremo da associação e dentro dos limites legais. Cada associado terá direito a um só voto.CAPÍTULO III DO PATRIMÔNIO Art. 17. poderá tomar toda e qualquer decisão de interesse da entidade e suas deliberações vinculam e obrigam a todos. Ordinária ou Extraordinária. seguida da expressão “Convocação da Assembléia Geral” Ordinária ou Extraordinária. c) pelas contribuições dos próprios associados. ainda que ausentes ou discordantes. sendo vedada a representação. poderá também ser convocada pelos demais Membros da Diretoria. Art. A denominação da associação. pelo Conselho Fiscal ou ainda por 1/5 (um quinto) dos associados em pleno gozo dos direitos estatutários. § 2º Não havendo quorum para instalação da Assembléia. Art. 15. A Assembléia Geral dos associados. Parágrafo único. Art. seguidas dos respectivos números de matrícula apostas no livro de presença. e deste estatuto. 12. 18. d) pelo resultado positivo proveniente da prestação de serviço a seus associados. no decorrer do primeiro trimestre. Se ocorrerem motivos graves ou urgentes. 13. 14. definidas em Assembléia Geral. e extraordinariamente sempre que for julgado conveniente. se ainda assim não houver quorum para sua instalação será admitida a intenção de dissolver a associação. salvo deliberação em contrário pela Assembléia Geral. após solicitação não atendida. conforme o caso. bem como de pessoas físicas. b) pelos auxílios. Dos editais de convocação das Assembléias Gerais deverão constar: I. afixando-se os editais de convocação em locais visíveis das dependências mais freqüentadas pelos associados e transmitidos aos mesmos através de circulares. 15 . Art. o número de associados presentes em cada convocação se fará por suas assinaturas. e a votação será pelo voto secreto. nacional ou estrangeira. e na falta ou ausência do Presidente. CAPÍTULO IV DOS ÓRGÃOS DA ASSOCIAÇÃO SEÇÃO I DA ASSEMBLÉIA GERAL Art. doações ou subvenções provenientes de qualquer entidade pública ou particular. 16. podendo ser estabelecidas em bens ou espécies. A Assembléia será convocada e dirigida pelo Presidente da associação. A Assembléia será realizada ordinariamente uma vez por ano. A Assembléia Geral será convocada com a antecedência mínima de 10 (dez) dias.

23. das peças contábeis e do parecer do Conselho Fiscal. A Mesa da Assembléia será constituída pelos membros da Diretoria ou. IV. § 1º Transmitida a direção dos trabalhos. Nas Assembléias Gerais em que forem discutidos os balanços das contas. O número de associados existentes na data da sua expedição para efeito de cálculo do quorum de instalação.II. VI. contudo. em especial: a) apreciar e votar o relatório da gestão. As deliberações das Assembléias Gerais somente poderão versar sobre os assuntos constantes do edital de convocação. pelos membros do Conselho Fiscal. b) eleger e empossar os membros da Diretoria e do Conselho Fiscal. Parágrafo único. mas não ficarão privados de tomar parte nos respectivos debates. 19. não poderão votar nas decisões sobre assuntos que a eles se refiram de maneira direta ou indireta. Os ocupantes de cargos eletivos. contado o prazo da data em que a Assembléia tiver sido realizada. demais Diretores e Conselheiros Fiscais deixarão a Mesa. DA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA Art. o qual. entre os quais os de prestação de contas. 22. dolo. lavrada em livro próprio. solicitará ao Plenário que indique um associado para coordenar os debates e a votação da matéria. A ordem do dia dos trabalhos com as devidas especificações. o edital será assinado. o Presidente da associação. 16 . Art. balanço e contas da Diretoria e o parecer do Conselho Fiscal. bem como quaisquer outros associados. § 2º O Presidente da Assembléia indicado escolherá. por uma comissão de 5 (cinco) associados designados pela Assembléia e ainda por quem mais quiser assiná-la. um Secretário “ad-hoc” para auxiliar o Secretário da Assembléia na redação das decisões a serem incluídas na ata. III. No caso da convocação ser feita por associados. A seqüência ordinal das convocações. Parágrafo único. Art. aprovada e assinada ao final dos trabalhos pelos membros da Diretoria e do Conselho Fiscal presentes. em suas faltas ou impedimentos. Art. 20. c) estabelecer o valor da contribuição anual dos associados. Quando a Assembléia não tiver sido convocada pelo Presidente. salvo motivo justificado. assim como o endereço do local de sua realização. em cada convocação. Compete à Assembléia Geral Ordinária. A assinatura do responsável pela convocação. permanecendo. a Mesa será constituída por 4 (quatro) associados. V. O dia e a hora da reunião. § 1º O que ocorrer na Assembléia Geral deverá constar em ata circunstanciada. d) conceder títulos honoríficos para pessoas físicas ou jurídicas que tenham prestado serviços relevantes à associação. Art. pelos 4 (quatro) primeiros signatários do documento que a solicitou. § 2º Prescreve em 3 (três) anos a ação para anular as deliberações da Assembléia Geral viciadas de erro. será sempre o da sede da associação. entre os associados presentes. 21. no mínimo. fraude ou simulação. ou tomadas com violação da Lei ou do estatuto. o Presidente. no recinto à disposição da Assembléia para os esclarecimentos que lhes forem solicitados. logo após a leitura do relatório da Diretoria. escolhidos na ocasião.

a qualquer tempo. bem como quaisquer programas próprios de investimentos. uma hora após a primeira. O quorum de instalação da Assembléia Geral Extraordinária será idêntico ao que consta no artigo 23. deverá ser convocada uma Assembléia Geral para o devido preenchimento do(s) cargo(s) vago(s). SEÇÃO II DA DIRETORIA Art. Vice-Presidente. na forma dos artigos 16 e 17 deste estatuto. DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA Art. Parágrafo único. 27. c) outros assuntos de interesse da associação. Compete à Diretoria. A associação será administrada por uma Diretoria composta pelos cargos de Presidente. Secretário e Tesoureiro. 24. eleitos pela Assembléia Geral para um mandato de no máximo 4 (quatro) anos. Parágrafo único. todos associados em pleno gozo de seus direitos estatutários. nos termos e nas condições previstas neste estatuto. e de _________________ (estabelecer um número mínimo de associados para o quorum) em segunda convocação. Art. Compete à Assembléia Geral Extraordinária. c) propor à Assembléia Geral o valor da contribuição anual dos associados e fixar as taxas destinadas a cobrir as despesas operacionais e outras. 26. 25. Art. Parágrafo único. orientar e controlar todas as atividades e serviços da associação. algum cargo da Diretoria. § 2º As deliberações serão tomadas pela maioria de votos dos associados presentes com o direito de votar. em especial: a) deliberar sobre a dissolução voluntária da associação e.§ 1º O quorum de instalação da Assembléia Geral Ordinária será de 2/3 (dois terços) do número de associados em primeira convocação. neste caso. Nos impedimentos superiores a 90 (noventa) dias ou vagando. Será exigido o voto concorde de 2/3 (dois terços) dos associados presentes para as deliberações tomadas em Assembléia Geral Extraordinária. sendo permitida a reeleição por apenas mais um mandato. a Assembléia Geral Extraordinária designará administradores e conselheiros fiscais até a posse dos novos. 28. deste estatuto. 17 . b) analisar e aprovar os planos de atividades e respectivos orçamentos. cuja eleição se efetuará no prazo máximo de 30 (trinta) dias. nomear os liquidantes e votar as respectivas contas. Art. em especial: a) estabelecer normas. Ocorrendo destituição que possa comprometer a regularidade da administração e fiscalização da associação. b) decidir sobre a mudança do objetivo e sobre a reforma do estatuto. parágrafo 1º. É competência da Assembléia Geral Extraordinária deliberar sobre a destituição dos Diretores e dos Membros do Conselho Fiscal.

entre outras. bem como o parecer do Conselho Fiscal. relatórios e outros documentos análogos. 33. k) nomear. Art. dentre os associados. j) apresentar à Assembléia Geral Ordinária o relatório e as contas de sua gestão. Art. 18 . tendo sob sua responsabilidade os respectivos livros. Ao Secretário cabem. por qualquer outro de seus membros ou ainda por solicitação do Conselho Fiscal. ceder direitos e constituir mandatários. § 2º Será lavrada ata de cada reunião em livro próprio que será assinada por todos os presentes e com a indicação das resoluções deliberadas. sendo que as decisões serão tomadas pela maioria de votos dos Diretores presentes. parágrafos 1º e 2º. bem como o parecer do Conselho Fiscal. entre outras. 31. § 1º A Diretoria considerar-se-á reunida com a participação mínima de 3 (três) de seus membros. Art. Art. bem como aqueles que deixarem de ser associados ou que venham a se tornar inelegíveis8. i) deliberar sobre a convocação da Assembléia Geral. alienar ou onerar bens móveis. b) elaborar ou mandar elaborar a correspondência. b) autorizar os pagamentos e verificar frequentemente o saldo de caixa. § 3º Perderá o cargo o Diretor que sem justificativa faltar a 3 (três) reuniões consecutivas ou a 5 (cinco) alternadas. 29. entre outras. Art.d) contrair obrigações. Ao Presidente cabem. e) adquirir. do Código Civil. f) deliberar sobre a admissão. 1. Ao tesoureiro cabem. em juízo e fora dele. d) apresentar relatório da gestão e balanço anuais à Assembléia Geral. A Diretoria reunir-se-á ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente sempre que for convocada pelo seu Presidente. através de contatos assíduos com os demais membros da Diretoria e com o Gerente. as seguintes atribuições: a) supervisionar as atividades da associação. transigir. as seguintes atribuições: a) lavrar ou mandar lavrar as atas das reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral. c) substituir o Vice-Presidente nas suas ausências ou impedimentos por prazos inferiores a 90 (noventa) dias. 32. Ao Vice-Presidente cabe interessar-se e acompanhar permanentemente o trabalho do Presidente.011. substituindo-o nas suas ausências ou impedimentos por prazos inferiores a 90 (noventa) dias. h) zelar pelo cumprimento das disposições legais e estatutárias e pelas deliberações tomadas pela Assembléia Geral. se houver. adquirir. 30. alienar ou onerar bens imóveis com expressa autorização da Assembléia Geral. g) indicar o Banco ou os Bancos nos quais deverão ser feitos depósitos do numerário disponível e fixar o limite máximo que poderá ser mantido em caixa. e) representar a associação ativa e passivamente. demissão ou exclusão de associados. c) convocar e presidir as reuniões da Diretoria e da Assembléia Geral. as seguintes atribuições: 8 Vide art. responsáveis pelos departamentos que forem criados.

visando-o e mantendo-o sob sua responsabilidade. CAPÍTULO V DA CONTABILIDADE Art. no Banco ou Bancos designados pela Diretoria. g) substituir o Secretário nas suas ausências ou impedimentos por prazos inferiores a 90 (noventa) dias. Art. A contabilidade da associação obedecerá às disposições legais e normas vigentes. por normas estabelecidas pela Diretoria e aprovado em Assembléia Geral. Art. d) zelar para que a contabilidade da associação seja mantida em ordem e em dia. celebração de contratos de qualquer natureza. SEÇÃO III DO CONSELHO FISCAL Art. na forma dos artigos 16 e 17 deste estatuto. será sempre necessária a assinatura de 2 (dois) Diretores. A administração da associação será fiscalizada assídua e minuciosamente por um Conselho Fiscal constituído de 3 (três) membros efetivos e no mínimo 2 (dois) suplentes. § 3º Perderá o cargo o Conselheiro Fiscal que sem justificativa faltar a 3 (três) reuniões consecutivas ou a 5 (cinco) alternadas. § 2º Será lavrada ata de cada reunião em livro próprio que será assinada por todos os presentes e com a indicação das resoluções deliberadas. Art. 36. cedência de direitos e constituição de mandatários. sempre que possível. bem como todos os demais registros obrigatórios. 38. § 1º O Conselho considerar-se-á reunido com a participação mínima de 3 (três) de seus membros.a) arrecadar as receitas e depositar o numerário disponível. Ocorrendo 3 (três) ou mais vagas no Conselho Fiscal. O regimento interno será constituído com base neste estatuto. eleitos anualmente pela Assembléia Geral. 19 . e) zelar pelo recolhimento das obrigações fiscais. previdenciárias. a Diretoria ou o restante dos seus membros convocará a Assembléia Geral para o devido preenchimento dos cargos. sendo permitida a reeleição por apenas mais um mandato. tributárias. 37. f) verificar e visar os documentos de receita e despesa. Parágrafo único. b) proceder exclusivamente através de cheques bancários aos pagamentos autorizados pelo Presidente. devendo ser mantida em perfeita ordem. Para movimentação bancária. 35. entre outras de responsabilidade da associação. bem como aqueles que deixarem de ser associados ou que venham a se tornar inelegíveis. c) proceder ou mandar proceder à escrituração do livro auxiliar de caixa. e o balanço geral será levantado a 31 de dezembro de cada ano. sendo que as decisões serão tomadas pela maioria de votos dos Conselheiros presentes. As contas. 34. serão apuradas segundo a natureza das operações e serviços. todos associados em pleno gozo de seus direitos estatutários.

§ 2º Se ainda assim não houver nenhuma instituição à qual a associação possa destinar o remanescente do patrimônio. A associação deverá ter: a) livro de matrícula de associados. Art. d) livro de atas da Assembléia Geral. se for o caso. CAPÍTULO VII DA DISSOLUÇÃO Art. Em caso de dissolução e liquidados os compromissos assumidos. ele terá direito de receber em restituição com a devida atualização o valor das quotas deduzidas do patrimônio líquido. mantenedores ou associados sob nenhuma forma ou pretexto. e em atividade para ser aplicada nas mesmas finalidades da associação dissolvida. Art. o remanescente será destinado a outra(s) instituição(ões) fora do município nas condições indicadas no “caput” deste artigo. aplicando integralmente o "superávit" eventualmente verificado em seus exercícios financeiros no sustento de suas obras e atividades. A associação não distribuirá dividendos de espécie alguma. observado o disposto na alínea “a” do artigo 24 e parágrafo único do artigo 26 deste estatuto. Os mandatos da Diretoria e do Conselho Fiscal perdurarão até a realização da Assembléia Geral Ordinária correspondente ao seu término. Art. antes da destinação do remanescente referida neste artigo.CAPÍTULO VI DOS LIVROS Art. A associação será dissolvida por vontade manifestada em Assembléia Geral Extraordinária expressamente convocada para esse efeito. este será encaminhado à Fazenda do Estado. § 1º Não havendo instituição congênere no município sede da associação. 41. cujo montante faça parte de fração ideal do patrimônio da associação. É vedada a remuneração dos cargos de Diretoria e do Conselho Fiscal. a parte remanescente do patrimônio líquido depois de deduzida as quotas e frações ideais. § 3º Se o associado tiver contribuído com bens ou em espécie. c) livro de atas de reunião do Conselho Fiscal. 42. 39. 20 . a título de lucro ou participação no seu resultado. será doada a instituição congênere sediada no município. 44. e) livro de presença dos associados em Assembléia. f) outros livros fiscais e contábeis exigidos pela legislação em vigor e/ou regimento interno. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. bem como no desenvolvimento de suas finalidades sociais. b) livro de atas de reunião da Diretoria. legalmente constituída. nem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas. 40. bonificações ou vantagens a dirigentes. 43.

C.G. quando for o caso. ASSOCIADOS PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA NOME: R.P. NOME: R. C. Se a Assembléia Geral Ordinária não for realizada no devido prazo após o exercício. ADVOGADO Nº OAB . ou de acordo com a legislação em vigor quando a capacidade de seus órgãos for insuficiente para tanto.F. (Assinatura) NOME: R.F. C.P. (Assinatura) NOME: R.G. Art.P. C.F. 21 . C.P.P. C.P. a responsabilidade dos Diretores e Conselheiros Fiscais permanecerá até a realização da primeira Assembléia Geral para prestação de contas e eleição de nova Diretoria e Conselho Fiscal. C.G. (Assinatura) NOME: R.G.G.F.F.P.S. ouvidas as entidades ou órgãos competentes. _________________________ (Localidade e data) (Assinatura) (Assinatura) SECRETÁRIO DA ASSEMBLÉIA NOME: R. (Assinatura) (Assinatura) PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NOME: R. Os casos omissos serão resolvidos pela Assembléia Geral.G.F.G.P.Parágrafo único.F. 45.

o valor da contribuição de cada associado para o primeiro exercício.ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL DE CONSTITUIÇÃO (Modelo) Aos ___ dias do mês de __________. E assim foi feito. do ano de _____. o (a) Presidente da Assembléia determinou que se procedesse à eleição dos membros dos órgãos da associação. de ambos os órgãos. Como nada mais houvesse a ser tratado.ANEXO V . 1° e 2° Secretários: ____________________. já foram devidamente qualificados no corpo da presente ata e receberam a posse de seus respectivos cargos através do Presidente da Assembléia que.P.G. Vale ressaltar que todos os eleitos. participando ainda da Mesa as seguintes pessoas: _________________________________ (nome / função). para secretariar os trabalhos e lavrar a presente ata.F. C. nos termos da legislação em vigor. _______________. artigo por artigo. lida e achada conforme. cujas cópias foram distribuídas previamente para cada um dos interessados. 22 . VicePresidente: ____________________. Na seqüência. o mesmo foi aprovado por todos os presentes. com sede e administração em _______________ (localidade). lavrei a presente ata que. Para a Diretoria foram eleitos os seguintes associados: Presidente ____________________. 1° e 2° Tesoureiros: ____________________. o Presidente da associação deu por encerrado os trabalhos.G. contém as assinaturas dos associados fundadores. Submetido à votação. por unanimidade. Para o Conselho Fiscal foram eleitos como membros efetivos os associados ____________________. C. que convidou a mim. Estado de _______________. as seguintes pessoas: _____________________________________________________________________ (nome por extenso / nacionalidade / idade / estado civil / RG / CPF / profissão / residência). que terá como objetivo _______________________________________________ (resumo dos objetivos descritos no estatuto). ainda. ________________________________________ (localidade). o (a) Presidente da Assembléia solicitou que o projeto de estatuto. fosse lido. transmitiu a condução dos trabalhos ao Presidente eleito da associação que agradeceu a colaboração de seu antecessor até aquele instante e declarou definitivamente constituída a ASSOCIAÇÃO ___ _________________________________________________________________________ . reuniram-se em Assembléia Geral com a finalidade de constituir uma Associação de Produtores Rurais. aproveitando o momento. e eu. todos com mandato até ___ de __________ de 20 ___.P. _________________________ (Localidade e data) SECRETÁRIO DA ASSEMBLÉIA NOME: R. ____________________. e como membros suplentes os associados ____________________. às _____ horas. criada ao abrigo do Código Civil Brasileiro.F. A Assembléia deliberou. Estado de _______________. PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA NOME: R. Em seguida. Foi aclamado para presidir a Assembléia o (a) Senhor(a) _______________. todos com mandato até ___ de _____________ de 20 ___. explicado e debatido. que é prova da livre vontade de cada um em constituir esta associação. que servi de Secretário da Assembléia. fixar em R$ __________ (indicar a quantia também por extenso).

P.P.P. C.F. 23 .F. C.F.G. C. ADVOGADO Nº OAB . (Assinatura) NOME: R.S. C.P.P. NOME: R.G. (Assinatura) (Assinatura) PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO NOME: R.P.F.G.ASSOCIADOS (Assinatura) NOME: R.G.G.F. (Assinatura) NOME: R. C.

A união de pessoas denominada ___________________________________ _______________________________________________________. ______________________________________________________________________ (nome) residente à ______________________________________________.Sª que se digne a determinar o registro e arquivamento do estatuto e da ata de constituição de acordo com a legislação em vigor. requer a V. 24 . com sede e foro neste Município.ANEXO VI . _____ de _________________ de 20 ____. Deferimento * Localidade. Escrivão do Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas. Sr. Sr.REQUERIMENTO PARA REGISTRO EM CARTÓRIO DE PESSOAS JURÍDICAS Ilmo. _________________________ (reconhecer firma) * Data da apresentação deste requerimento ao referido Cartório. Nestes Termos P. à Rua ________________________. representada neste ato por seu Presidente.

compromisso ou contrato. rubricando o oficial as folhas em que estiver impresso o contrato. LEI Nº 9. 1º. compromisso ou estatuto. a competente certidão do registro." Art. 121. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. de 31 de dezembro de 1973 passa a ter a seguinte redação: "Art. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO Nelson Jobim 25 . 121 da Lei nº 6. Revogam-se as disposições em contrário. para efeito de registro público. 3º. O art. Para o registro serão apresentadas duas vias do estatuto. nas duas vias. Art. lançando o oficial. DE 9 DE MAIO DE 1995 Dispensa a publicação de atos constitutivos de pessoa jurídica. 2º. livro e folha. Uma das vias será entregue ao representante e a outra arquivada em cartório.042. Brasília. 9 de maio de 1995. 174º da Independência e 107º da República. pelas quais far-se-á o registro mediante petição do representante legal da sociedade. com o respectivo número de ordem.015.ANEXO VII – DISPENSA DE PUBLICAÇÃO NO DIÁRIO OFICIAL A Lei abaixo dispensa a publicação do extrato do estatuto no Diário Oficial do Estado.

3 vias (vide anexo IV desta publicação) assinadas ao vivo por todos os associados e. Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS). * Inscrição Estadual só quando movimentar mercadorias. c. registro do estatuto e ata da Assembléia Geral de Constituição em Cartório Civil de Títulos e Documentos . Local: Unidade do Ministério da Fazenda.3 vias (vide anexo V desta publicação) assinadas ao vivo por todos os associados e.inss. com as assinaturas dos fundadores. ao final. observando-se uma forma legível de identificação das respectivas assinaturas) ou que constem da ata. 3. obtenção de inscrição na Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Receita Estadual / Posto Fiscal). rubricada e assinada com firma reconhecida. d.ANEXO VIII . presidente da Assembléia. pelo presidente da associação. b.gov. Consulte: www. secretário da assembléia e advogado com registro na OAB. obtenção de inscrição no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). registro na Prefeitura Municipal. ao final.receita.fazenda.br 6. Consulte: www.1 via (vide anexo VI desta publicação).gov. secretário da Assembléia e advogado com registro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). rubricada e assinada com firma reconhecida. pelo presidente da associação. obtenção de inscrição na Secretaria da Receita Federal – Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) – que só é possível através da internet. cópia do registro de presenças (livro ou lista. 4. realização da Assembléia Geral de Constituição da Associação. 26 . Local: Posto Fiscal ou Coletoria da Fazenda do Estado localizada no município ou na região.fazenda. 2. Local: Delegacia Regional do Trabalho. e. ata de constituição . elaboração e discussão do projeto de estatuto.ROTEIRO PARA CONSTITUIÇÃO DE ASSOCIAÇÕES 1. cópia autenticada do Registro Geral (RG). requerimento do presidente da associação .br 5.documentos necessários: a. Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) e comprovante de residência do presidente da associação.br 7. estatuto . Consulte: www.gov.sp.

CONTROLES INTERNOS COMUMENTE EXISTENTES − − − − − − − − Proposta de admissão de associados. Cadastro dos associados. não se diferenciam das demais entidades ou empresas.: Outras obrigações poderão surgir de acordo com o tipo de operação que a associação executar.ALGUNS ASPECTOS ADMINISTRATIVOS E FISCAIS 1. 4. OBRIGAÇÕES FISCAIS Para efeitos legais de fiscalização e controle. Controle de anuidades e jóias de admissão. OBRIGAÇÕES SOCIAIS E TRABALHISTAS As associações. OBS. com recolhimento do ISS junto à Prefeitura do município sede. Por isso deverão cumprir todas as obrigações que envolvem a relação empregador/empregado. Livro caixa. b. Carteira de associado. 2.ANEXO IX . mantendo atualizado para efeito de recolhimento do ISS. sendo que a associação apenas irá auxiliá-los na organização e controle desses produtos desde a sua produção até a distribuição nos mercados consumidores. com apresentação anual obrigatória na Receita Federal. Contas a pagar. Exemplo: 27 . Contas a receber. Outros controles segundo a sua atividade e necessidade. na qualidade de empregadoras. − Emitir e controlar as notas fiscais de prestação de serviços. − Livro de registro de notas fiscais de prestação de serviços. quando da organização de eventos e outros. se a associação prestar serviços aos associados. a associação deverá cumprir as seguintes exigências: − Manter livros atualizados para facilitar o preenchimento da Declaração de Isenção de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ). O produto deverá ser transportado da propriedade até o local comum da venda com nota de produtor. quando incidir. − Efetuar controle de numerários (caixa e Bancos). onde deverão ser obedecidos os seguintes procedimentos: a. COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS A comercialização dos produtos será feita em nome de cada produtor. A venda será efetuada aos consumidores pelo próprio produtor. 3.

Para isso. devendo a mesma emitir notas fiscais de prestação de serviços. Sobre esse valor poderá incidir o ISS. Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e Programa de Integração Social (PIS). relacionando todos os itens que não foram comercializados. A Associação não efetuará nenhum registro da comercialização feita pelo produtor. equivalente à alíquota estabelecida por lei. Apresentar a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS). outra nota de produtor deverá ser emitida.− − − − − − Recolher INSS. Caso haja sobra dos produtos levados para vender. a data em que deverá ser efetuado o recolhimento. Recolhimento das contribuições sindicais do(s) funcionário(s). seu retorno à propriedade do produtor deverá ser legalmente documentado. 28 . Esse recolhimento deverá ser feito no município de origem do produto (onde ele foi produzido). O Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) deverá ser recolhido pelo produtor através de guia de recolhimento própria. mas poderá cobrar taxa de prestação de serviços aos referidos. incidente no valor do produto vendido. verificando no Posto Fiscal. ou Coletoria.

São Paulo: Saraiva. 4. Waldemar. Maria Helena. rev. CASTRO. 2002. PRATA.604. ed. 38 p. 29 . 16).LITERATURA DINIZ. 8. Organização de associações. Lúcia Helena Miranda de. Edna Meigger. São Paulo: ICA. 1526 p. 1995. de acordo com o Código Civil (Lei nº 10. FERREIRA JUNIOR. (Série Orientação. de 10-1-2002). aum. ed. atual. Código civil anotado.

além de elaborar programas e projetos de desenvolvimento que subsidiem as políticas para o setor.br/ica SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 30 .sp. direito. reflexão e pesquisa no âmbito do associativismo. O ICA tem por objetivo assessorar as cooperativas e associações nos aspectos organizacionais. de consumo. órgão de extensão e pesquisa na área de economia. Miguel Stéfano. cooperativismo agrícola. 3900 . administração e sociologia com ênfase para o setor cooperativista e associativista.codeagro. Série Estudos e Pesquisas e Série Orientação compõem as publicações do Instituto de Cooperativismo e Associativismo (ICA).SP Fone/fax: (11) 5067-0370 / 5067-0371 / 5067-0372 Visite nosso site: www. INSTITUTO DE COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO (ICA) Av.gov. habitacional e educacional.CEP 04301-903 São Paulo . econômico. educacional e administrativo. de trabalho.Texto para Reflexão. Tratam-se de publicações que têm como objetivo divulgar artigos técnicos de orientação.

31 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful