Você está na página 1de 2

TEXTO COMPLEMENTAR Curso: GESTÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSOR PAULO ROGÉRIO DE LEMOS ALEXANDRE SARAMELLI

Disciplina: Professor:

Coordenador:

BC corta juro em 0,50 ponto porcentual, para 10,50% ao ano Copom faz o quarto corte consecutivo da Selic e indica que deve promover novas reduções nos próximos meses para estimular a recuperação da economia brasileira 18 de janeiro de 2012 | 20h 28 Eduardo Cucolo, da Agência Estado Texto atualizado às 20h52 BRASÍLIA - O Banco Central (BC) anunciou nesta quarta-feira, 18, o quarto corte consecutivo dos juros e indicou que deve promover novas reduções nos próximos meses para estimular a continuidade da recuperação da economia brasileira. A instituição confirmou as apostas do mercado financeiro e reduziu a taxa básica de juros (Selic) de 11% para 10,50% ao ano, por unanimidade. Agora, a expectativa da maioria dos economistas é de pelo menos mais uma redução, para 10% ao ano, na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para os dias 6 e 7 de março. Essa previsão foi reforçada não apenas pelo placar unânime, mas também pelo comunicado divulgado logo após a decisão. O BC utilizou as mesmas palavras com as quais justificou os dois últimos cortes, que também foram de 0,50 ponto. Afirmou novamente que "um ajuste moderado no nível da taxa básica é consistente com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012". Manteve também o entendimento de que o ambiente global continua "mais restritivo", em uma referência aos efeitos da crise externa. O que divide agora os analistas é a possibilidade de um último corte dos juros em abril, que levaria a taxa básica para 9,50% ao ano. Embora a maioria aposte nessa hipótese, alguns economistas dizem que há cada vez mais indicações de que o BC pode abreviar o ciclo de queda da Selic iniciado em agosto do ano passado, quando a instituição surpreendeu o mercado financeiro e se antecipou à piora no cenário externo. Cenário. Desde a última reunião do Copom, no final de novembro, houve melhora no mercado financeiro internacional e recuperação modesta da atividade econômica no Brasil. Por outro lado, a inflação acumulada em 12 meses continuou em queda. Também se espera o anúncio em breve de um corte de até R$ 70 bilhões no Orçamento federal, valor superior ao anunciado em 2011, para que o governo possa cumprir a meta de superávit das contas públicas neste ano. O aumento na economia feita pelo setor público é um dos fatores que entram na conta do BC na hora de decidir se reduz ou não a taxa básica. O estrategista-chefe do Banco WestLB, Luciano Rostagno, avalia que ainda não há dados que justifiquem encurtar o ciclo de redução da taxa básica de juros. "O ambiente externo, apesar da melhora marginal que a gente viu nesse começo de ano, ainda continua bastante incerto", afirmou. "Isso, somado à trajetória cadente da inflação, deve dar tranquilidade para o BC continuar cortando os juros."

Matemática Financeira

Paulo Rogério de Lemos

Rostagno diz ainda que todo o governo tem se mostrado bastante alinhado com o BC e feito esforços para garantir um ajuste fiscal que abre espaço para que a política monetária seja o canal de estímulo para a economia.com. pede-se: a) Diante do texto complementar apresentado. quanto a condução da política monetária atual. avalia que o ciclo de queda dos juros se aproxima do fim.htm as 9:18 do dia 19/01/2012 Considerando a matéria do Jornal O Estadão. Para ele. dependendo do cenário externo e da inflação por aqui." Texto retirado do site do Estadão: http://economia. para a economia e consequentemente as alterações que causa nas taxas de juros de todas as operações financeiras. as despesas públicas devem continuar em alta. b) O que é o COPOM . qual sua importância e quando ocorreram as próximas reuniões? Matemática Financeira Paulo Rogério de Lemos .bc-cortajuro-em-050-ponto-porcentual-para-1050-ao-ano.br/noticias/economia.0. Padovani diz ainda que o mercado de juros já indica a possibilidade de uma política monetária mais cautelosa. "Um ciclo mais longo poderia elevar o risco de o BC ter de elevar os juros mais à frente. influenciando tanto a trajetória de inflação.estadao. em função da redução dos riscos externos e dos próprios sinais emitidos pelo BC em seus últimos comunicados." Já o economista-chefe da Votorantim Corretora.99863. mesmo que o governo cumpra a meta fiscal neste ano. Roberto Padovani. sugiro que o aluno efetue uma pesquisa para se aprofundar sobre o que é e a importância da taxa Selic. "O BC pode executar mais um corte em março e deixar a porta aberta para cortar ou não os juros em abril.