Você está na página 1de 50

DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS:

DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS:

Resíduos:

Restos das atividades humanas considerados indesejáveis ou descartáveis. Encontrados em estado sólido, semi-sólido e semi-líquido.

Classificação:

Natureza física: seco ou molhado. Composição química: matéria orgânica ou inorgânica. Riscos potenciais ao meio ambiente: perigosos, não inertes e inertes.

De acordo com a NBR-10 004 da ABNT os resíduos são classificados em :

-

Classe 1: Perigosos . Apresentam riscos ao meio ambiente ou à saúde pública e exigem

tratamento e disposição especiais.

Classe 2: Não Inerte. São os resíduos com

características do lixo doméstico.

Classe 3: Inertes. São os resíduos que não se degradam ou não se decompõem em contato com o solo. Ex: Entulho.

ORIGEM DOS RESÍDUOS

Domiciliar: restos de alimentos, papel/fraldas higiênicas, embalagens, etc. Comercial: papel, plástico, embalagens resíduos de asseio dos funcionários. Público: resíduos de varrição das vias públicas, limpeza de galerias,

córregos,

podas de árvores,corpos de animais, limpeza de feiras livres, etc Hospitalar: resíduos sépticos (agulhas, luvas, algodões, seringas, órgãos e tecidos humanos, animais usados em testes, bandagens, remédios vencidos,

sangue coagulado, filmes de Raio X, etc).

Portos, Aeroportos, Terminais Rodo e Ferroviários: Resíduos sépticos (materiais de higiene, asseio pessoal, restos de alimentos) podem veicular doenças provenientes de outras cidades.

Industrial: bastante variado (cinzas,lodos, óleos, resíduos alcalinos/ácidos,

Plásticos, papéis, madeiras, fibras, borrachas, metais, escórias, vidros , etc

Agrícola: embalagens de fetilizantes e defensivos agrícolas, rações,

restos de Colheitas.

Entulho: resíduo de construção civil (restos de obras e demolições, solos de escavações diversas, restos de tintas, etc).

Responsabilidade pelo gerenciamento de resíduos:

Domiciliar / Comercial / Público = Prefeitura do município gerador.

Serviços de Saúde/Industrial/Portos e terminais/Agrícolas/Entulhos:

Próprios Geradores.

Gerenciamento de Resíduos

Para que ocorra um gerenciamento possibilitando a correta administração

e total cuidado com possíveis danos é indispensável conhecimento dos

Parâmetros e descrição do tipo de resíduo.

Taxa de geração por habitante, Composição física, densidade aparente,

Umidade, teor de materiais combustíveis e incombustíveis, poder

calorífico, Composição química, teor de matéria orgânica.

Somente assim podemos identificar o dimensionamento das instalações e os Equipamentos necessários, um ponto de partida para aproveitamento de alguns dos resíduos e para compostagem, tipo de disposição, transporte e tratamento necessário,Tecnologia a ser aplicada, avaliação de sistemas de incineração e disposição final.

Destinação Final dos resíduos gerados

Em sua maioria os resíduos são despejados em LIXÕES que não passam de

terrenos sem medidas de proteção ao meio ambiente ou saúde pública, locali-

zados em meio a população a céu aberto.

Há também os ATERROS CONTROLADOS, preferíveis aos lixões porém,

devido somente administram os resíduos de forma a não causar danos a saúde

pública e reduzir riscos de acidentes, não têm tratamento no solo para que o resíduo não polua os lençóis d’água o que compromete a qualidade da água da região da sua localização.

Alguns municípios que há gerenciamento existem os ATERROS SANITÁRIOS, que se trata de um amplo espaço, estruturado em sua engenharia de forma a com- dicionar os resíduos, de forma segura em termos de poluição ambiental e saúde

pública.

Outras formas de disposição final

dos resíduos

Compactação

Trituração

Incineração

Reciclagem

Compostagem

Destinação de resíduos:

Após a coleta em seu gerador, seja feita por caminhões transportadores, varredores, coletores seletivos, etc, este parte para seu destino final que nem sempre é o mais apropriado, mas que deveriam seguir os seguintes padrões:

Recicláveis diretos: Vidros, Metais, Plásticos e Papeis que não foram

utilizados para higiene pessoal, seguiriam para cooperativas recicladoras, diminuindo assim o volume deste resíduo e gerando mais empregos com condições dignas, reduzindo a mão de obra dos catadores que acabam

desencadeando doenças e epidemias, provenientes deste contato direto

com resíduos sem tratamento algum.

Recicláveis indiretos: restos da alimentação humana e animal. Estes se devidamente separados e armazenados, também não devem ir ao aterro, pois se coletados até horas de seu descarte e condicionado correta- mente pode ser transformado em adubo, ração animal, etc.

Recicláveis de construção civil: em sua maioria os produtos descartados em uma obra pode ser reaproveitado, desta forma a dupla troca deveria

Ocorrer, o governo passava a se responsabilizar pela coleta destes resíduos

e os mesmos seriam utilizados na construção de moradias de baixo custo.

Resíduos hospitalares: Devem seguir para incineração evitando risco de

qualquer tipo de contaminação.

Resíduos provocados pela falta de consciência humana: todos estes são Coletados em vias publicas, galerias etc, impossível de serem

completamente separados, geram volume bastante grande de material. A

concientização seria um bom passo neste ponto.

Aterro Sanitário

É um processo utilizado na disposição de resíduos sólidos no solo particularmente lixo domiciliar que, fundamentado

em critério de engenharia e normas operacionais

especificas permite um confinamento seguro em termos de controle de poluição Ambiental e proteção a saúde pública.

Atualmente a cidade de São Paulo produz cerca de 40 mil toneladas de lixo por dia.

Para a disposição deste lixo primeiramente há uma coleta

seletiva para os resíduos recicláveis e o restante é enviado

para os aterros.

Operação

Descarga

Compactação

Cobertura

Célula de lixo

Vantagens

Processo de baixo custo;

Recuperação de áreas degradadas;

Flexibilidade de operação;

Não requer pessoal altamente especializado.

Desvantagens

Longa imobilização do terreno;

Necessidade de grandes áreas;

Necessidade de material de cobertura;

Dependência das condições climáticas.

Critérios para a implantação de

um aterro sanitário

Escolha do local

Identificação da

origem da propriedade

Tamanho da área

Localização

Caracteristicas topograficas

Tipo de solo

Conhecimentos das

águas subterrâneas

Levantamentos

preliminares

Escolha do método construtivo

Método da trincheira: Apropriada para terrenos planos ou pouco inclinados.

Método da rampa: Apropriado para área

plana, seca e com tipo de solo adequado

para servir de cobertura.

Método da área: Apropriado para zonas

baixas, onde dificilmente o solo local pode

ser utilizado como cobertura.

Exemplo de método de rampa

Exemplo de método de rampa

Depois da escolha do método construtivo, devem ser construídas vias de acesso para facilitar a

Depois da escolha do método construtivo, devem ser

construídas vias de acesso para facilitar a movimentação de resíduos no aterro.

Um bom aterro é o que se mantém em boas condições de operação e tráfego, até mesmo em dias chuvosos.

Delineamento do projeto e discussão com a

comunidade:

Antes de iniciar o projeto executivo é preciso lançar as idéias

básicas, a concepção geral do aterro. Após esta fase é

fundamental que se informe a comunidade sobre o que é um aterro, as medidas de proteção e controle da poluição.

é fundamental que se informe a comunidade sobre o que é um aterro, as medidas de

INSTALAÇÕES DE APOIO:

PORTARIA

CERCAS

BALANÇA RODOVIÁRIA

SEDE ADMINISTRATIVA, VESTIÁRIO, SANITÁRIO E REFEITÓRIO

SETOR DE OFICINA DE MANUTENÇÃO

ALMOXERIFADO

INSTALAÇÃO DE SERVIÇOS BÁSICOS

OBRAS DE DRENAGEM

Drenagem de águas pluviais

Drenagem de chorume

Drenagem de biogás

DRENAGEM DE ÁGUAS

PLUVIAIS

DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Dreno em local com lixo aterrado.
DRENAGEM DE ÁGUAS PLUVIAIS Dreno em local com lixo aterrado.

Dreno em local com lixo aterrado.

Dreno em local sem lixo aterrado.

Dreno em local sem lixo aterrado.

Disposição final da água pluvial

Disposição final da água pluvial
Disposição final da água pluvial

DRENAGEM DE BIOGÁS

Sistema para drenar os gases provenientes da

decomposição do lixo.

Medida tomada para evitar futuros

problemas ambientais.

Os drenos são colocados em vários

pontos do aterro.

• Medida tomada para evitar futuros problemas ambientais. • Os drenos são colocados em vários pontos
Tubulação de drenagem forçada de biogás.

Tubulação de drenagem forçada de biogás.

DRENAGEM DE CHORUME

Chorume: é o líquido que escoa de locais de disposição final de lixo. É resultado da umidade presente nos resíduos, da água gerada durante a

decomposição dos

mesmos e também das chuvas que percolam através da massa do material descartado.

gerada durante a decomposição dos mesmos e também das chuvas que percolam através da massa do

GERAÇÃO DO CHORUME

Evapotranspiração

Precipitação

Escoamento

GERAÇÃO DO CHORUME Evapotranspiração Precipitação Escoamento superficial LIXO SISTEMA DE COLETA DE CHORUME

superficial

GERAÇÃO DO CHORUME Evapotranspiração Precipitação Escoamento superficial LIXO SISTEMA DE COLETA DE CHORUME

LIXO

GERAÇÃO DO CHORUME Evapotranspiração Precipitação Escoamento superficial LIXO SISTEMA DE COLETA DE CHORUME

SISTEMA DE COLETA DE CHORUME

ÍONS QUE PODEM SER ENCONTRADOS NO CHORUME E POSSÍVEIS ORIGENS

 

Íons

Origens

Na

+ , K + , Ca 2+, Mg 2+

Material orgânico, entulhos de construção, cascas de ovos

PO

4 3- , NO 3 - , CO 3 2

Material orgânico

Cu 2+ ,Fe 2+ ,Sn 2+ ,

Material eletrônico, latas, tampas de garrafas

Hg 2+ , Mn 2+

Pilhas comuns e alcalinas, lâmpadas fluorescentes, fungicidas,

tintas, amaciantes, produtos farmacêuticos, interruptores.

Ni

2+ ,Cd 2+ , Pb 2+

Baterias recarregáveis (celular, telefones sem fio, automóveis), plásticos, ligas metálicas, pigmentos, papeis, vidro, cerâmica, inseticidas, embalagens.

Al

3+

Latas descartáveis, utensílios domésticos, cosméticos, embalagens laminadas em geral.

Cl

- , Br - , Ag +

Tubos de PVC, negativos de filmes de raio-X

As 3+ , Sb 3+ , Cr 3+

Embalagens de tintas, vernizes, solventes orgânicos

PROBLEMAS CAUSADOS AO

SER HUMANO

Hg: Distúrbios renais, neurológicos, efeitos mutagênicos, alteração no metabolismo e

deficiência nos órgãos sensoriais

Cd : Dores reumáticas,osteoporose, disfunção renal.

Pb : Perda da memória, dor de cabeça,

irritabilidade, tremores musculares, lentidão de

raciocínio, alucinação, anemia, depressão e paralisia.

FORMAS DE TRATAMENTO

Tratamentos biológicos:

- Lodo ativado;

- Lagoa de estabilização e aeração;

- Digestor anaeróbico.

Recirculação ou irrigação;

Tratamentos químicos;

Estação de tratamento de esgoto.

Lagoas de chorume
Lagoas de chorume

Lagoas de chorume

SISTEMA DE

MONITORIZAÇÃO

Acompanhamento da evolução de um determinado processo para a realização de

alterações.

O principal sistema de controle ambiental refere-se ao acompanhamento dos líquidos

percolados.

Deve-se fazer coletas frequentes das águas

para acompanhamento.

Piezômetro: sistema de monitorização do nível de chorume.

Piezômetro: sistema de monitorização do nível de chorume.

Queima do chorume:

 Queima do chorume:

Beneficiamento do gás

Aquecedores a gás nas residências;

Combustível para veículos.

- Dificuldades: pH, temperatura,sólidos voláteis,

substâncias inibidoras, impurezas corrosivas.

Geração de energia elétrica

Tratado de kyoto (MDL)

- Nove aterros registrados: SP, RJ,ES e BA;

- Projetos:33 municípios (US$ 979 mil);

- São Paulo:14 mil Kw/h para 14 mil casas.

Venda pela concessionária; Uso em escolas e hospitais; Benefício à comunidade.

FECHAMENTO DO ATERRO

É de acordo com a vida útil e com a capacidade de armazenamento de resíduos.

Deve-se se continuar com a drenagem, com

as vias de acesso e com a monitorização, ate

a estabilização da massa de resíduos.

A área deve ser destinada futuramente a

parques e campos de praticas esportivas;

grandes construções devem ser evitadas.

VOCÊ SABIA?

Material

Tempo de degradação

Tempo indeterminado 5 anos 1 a 2 anos 10 mil á 1 milhão de anos
Tempo indeterminado
5 anos
1 a 2 anos
10 mil á 1 milhão de anos
Mais de 1000 anos
3 meses á vários anos
Mais de cem anos

Borracha

Chiclete

Cigarro

Vidro

Lata de alumínio

Papel

Plástico

Restos orgânicos

2 á 12 meses

FOTOS

FOTOS Pesagem da quantidade de lixo.

Pesagem da quantidade de lixo.

Colocação da manta para a proteção do solo contra contaminações do lixo

Colocação da manta para a proteção do solo contra contaminações do lixo

Disposição e compactação do lixo

Disposição e compactação do lixo

Retirada de terra para cobrir o lixo

Retirada de terra para cobrir o lixo

Chegada do chorume “novo”

Chegada do chorume “novo”

Bomba que leva o chorume a lagoa

Bomba que leva o chorume a lagoa

O aterro Bandeirantes “troca” com a Sabesp um caminhão de chorume por um caminhão de

O aterro Bandeirantes “troca” com a Sabesp um caminhão de chorume por um caminhão de lodo.

Mercado de tratamento de resíduos

Aterro classe II e III: 83%

Aterro classe I:

Co-processamento:

Incineração:

Outros:

6%

9%

1%

1%

BIBLIOGRAFIA

D´Almeida,M.L.O;Vilhena A.Lixo municipal: Manual de

Gerenciamento Integrado - 2 ed. São Paulo: IPT/ CEMPRE, 2000.

370p.

http://www.braval.com.br

http://www.resol.com.br

http://pessoas.hsw.br