Você está na página 1de 47

Orientação metodológica

para elaboração de
monografia
Fábio Portela Lopes de Almeida
Apresentação da
disciplina

• O plano de curso
A avaliação: a introdução da
monografia
• Média de aprovação: nota 5.0/10.0
A pesquisa jurídica
• Relevância atual da pesquisa em
direito:
Formação acadêmica de
pesquisadores
• Relevância: solução de
problemas teóricos e de ordem
prática
O rábula e o jurista
A pesquisa jurídica

• Pesquisa científica e
aprofundamento de estudo
• O diferencial da pesquisa
científica: investigação de um
problema a partir de uma
metodologia sistemática.
Características da pesquisa
científica contemporânea

• Interdisciplinaridade
Independência com relação à
jurisprudência e à “melhor
doutrina”
• Caráter crítico
Compilação não é pesquisa
científica!!
As modalidades de
pesquisa científica

• Relatório
Artigo
• Monografia
Relatório de
conclusão
• Conceito: Modalidade de trabalho sem
valor de pesquisa acadêmica, orientada
para a formulação de um relatório sobre
alguma atividade jurídica.
Relatório de atividades extracurriculares
(estágios, audiências, participação em
grupos de pesquisa, monitoria).
• Utilizado como Trabalho de Conclusão de
Curso em algumas faculdades
particulares.
Artigo científico
• Tem por objetivo condensar, em poucas páginas, uma
pesquisa científica consolidada e desenvolvida a partir de
um marco teórico.
Facilidades: tem menor extensão e independe de defesa
perante banca examinadora.
• Desvantagens:
• Demanda bastante tempo de reflexão a respeito do
tema e seleção mais acurada da bibliografia a ser
citada. Há o risco de ser superficial ou de ser mera
repetição do que já foi escrito sobre o tema.
Tem menos valor acadêmico que a monografia, para os
interessados em seguir na carreira acadêmica.
• Extensão: de 15 a 30 laudas.
Modalidades de pesquisa
previstas na ABNT

• Tese
Dissertação
• Monografia
Tese (Doutorado)
• Documento que representa o
resultado de um trabalho
experimental ou exposição de um
conteúdo científico de tema único e
bem delimitado.
Deve ser elaborado com base em
investigação original, constituindo-
se em real contribuição. Visa a
obtenção do titulo de Doutor.
Dissertação
• (Mestrado)
É um documento que representa o resultado
de um trabalho experimental ou exposição
de um estudo científico retrospectivo, de
tema único e bem delimitado em sua
extensão, com o objetivo de reunir, analisar
e interpretar informações.
Deve evidenciar o conhecimento de
literatura existente sobre o assunto e a
capacidade de sistematização do candidato.
É feito sob a orientação de um orientador
(doutor), visando a obtenção do titulo de
Mestre.
Monografia (Graduação e
Especialização)
Documento que representa o resultado de um estudo,
devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que
deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo,
estudo independente, curso, programa e outros ministrados.
Na graduação, deve ser feito sob a coordenação de um
orientador (preferencialmente, mestre ou especialista) -
exigência inexistente no caso da especialização.
• Uma monografia consiste em pesquisa na qual o estudante
aborda UM problema relacionado ao ramo de estudos em que
pretende se formar.
Vantagem: Tem relevância acadêmica para quem pretende
seguir na pós-graduação (Mestrado/Doutorado), pois mostra
maturidade de pesquisa.
Extensão: de 40 a 70 laudas.
A escolha do
orientador
• Não é obrigatória na monografia
de especialização.
Afinidade intelectual relacionada
ao objeto da pesquisa, não
admiração pela profissão jurídica
do orientador.
• Disponibilidade de tempo.
Aspectos metodológicos da
pesquisa jurídica
• O objetivo principal da adoção da
metodologia é estabelecer uma
diretriz para a pesquisa científica,
possibilitando o controle dos seus
resultados.
• Os elementos metodológicos
devem constar da Introdução do
trabalho monográfico e devem ser
seguidos ao longo do texto.
Aspectos metodológicos da
pesquisa jurídica
• Tema e delimitação do tema
Justificativa do tema
• A formulação do problema
• A hipótese
Objetivos gerais e específicos
• Marco teórico
Metodologia
O tema da pesquisa
• Escolha do tema:
Deve ser feita pelo aluno, não
pelo orientador. Este é escolhido
em função do tema.
• Fatores a serem considerados:
• Interesse.
Evitar a duplicidade (repetir
estudos já efetuados), fazendo
uma pesquisa bibliográfica
preliminar.
• Exeqüibilidade.
O tema da pesquisa
• Delimitação do tema: o tema da
pesquisa ser delimitado, para
tornar a pesquisa o mais viável
possível.
• Exemplo de delimitação: “a
discussão jurídica acerca da
possibilidade do aborto de
anencéfalo na ADPF 54”, e não “o
aborto na modernidade ocidental”
• O tema deve ser compatível com
suas possibilidades efetivas de
pesquisa.
O tema da pesqusa
• Formas de delimitação temática:
No tempo e no espaço (ex: o exercício da
liberdade religiosa no Rio de Janeiro durante a
década de 1940);
• Por autor (ex: o fundamento da coerção no
pensamento de Hans Kelsen);
• Por caso específico (ex: as cotas raciais no
processo de admissão de estudantes
universitários: o caso da UnB)
Por estudo comparado (ex: a compreensão
jurisprudencial da união estável no direito
brasileiro e no direito espanhol durante a
década de 1990);
• Por comparação entre autores (ex: o instituto
da posse no pensamento de Savigny e Ihering).
A justificativa do tema
• Deve-se justificar a razão da escolha do
tema, sua importância e os motivos
(teóricos/práticos) que levaram o aluno a
optar por ele.
Deve-se buscar enfatizar:
• O estágio em que a teoria a respeito
do tema se encontra;
• Contribuições teóricas da pesquisa;
• Importância do tema;
• Possibilidade de influenciar a
modificação da realidade;
• A descoberta de soluções para casos
concretos.
O problema de
• pesquisa
O problema é a pergunta a ser respondida com
o trabalho monográfico.
• Deve ser formulado em forma de pergunta, que
envolvam dificuldades de ordem teórica ou
práticas para as quais o pesquisador deve
buscar uma resposta.
• O problema orienta todo o processo de
pesquisa.
• É necessário fazer uma revisão bibliográfica
preliminar, para saber quais os problemas
relevantes a serem discutidos.
• Se dividem em problemas centrais e
secundários.
A formulação do
problema
• Exemplos:
• Até que ponto o aumento nos índices de
criminalidade infantil masculina em
Brasília, em 2005, está diretamente
relacionado com o aumento do índice de
desemprego?
• A pena de morte leva à diminuição da
criminalidade?
• As cotas em processos de admissão para
universidades públicas violam o princípio
da isonomia?
A hipótese
• É uma suposição inicial que se faz sobre
a formulação inicial do problema criado
(respostas provisórias).
• É provisória! A pesquisa pode confirmar
ou refutar a suposição inicial.
• Se divide em hipóteses centrais
(resposta parcial ao problema central) e
secundárias (respostas parciais aos
problemas secundários).
A hipótese
• Características:
• Consistência lógica
• Verificabilidade
• Simplicidade
• Relevância
• Apoio Teórico
• Clareza

Os objetivos
Buscam responder aos seguintes
questionamentos:
• Objetivo central:
• Relacionado ao problema e à hipótese
central.
• Como responder ao problema central?
• Como refutar/confirmar a hipótese central?
• Objetivos específicos:
• Relacionado ao problema e à hipótese
secundária.
• Como responder a cada problema
secundário?
• Como refutar/confirmar as hipóteses
secundárias?
Embasamento teórico
• Marco teórico:
• É o referencial teórico da pesquisa: é a
teoria a partir da qual o pesquisador
desenvolverá toda a sua pesquisa.
• Fornece os conceitos e termos operacionais
que possibilitam a compreensão da
realidade jurídica pesquisada.
• É essencial para a pesquisa, pois é a partir
do marco teórico que se avalia a coerência
dos resultados com os pressupostos teóricos
adotados e se a perspectiva teórica adotada
é compatível com o problema analisado.
Embasamento teórico
• Revisão bibliográfica
• É a discussão dos autores e
percepções teóricas divergentes
e convergentes a respeito do
tema da pesquisa, que
possibilitam situar o trabalho no
interior de uma determinada
discussão teorética.
Metodologia
• O aluno deve apontar as opções metodológicas que
utilizará na linha de raciocínio lógico que acompanhará o
desenvolvimento da pesquisa.
• Senso comum, indutivismo e falsificacionismo: breves
apontamentos sobre teoria da ciência.
• Tipologia dos métodos:
• Método indutivo: parte dos fenômenos particulares
para fundamentar leis e teorias gerais capazes de os
explicar.
• Método dedutivo: parte das teorias para predizer
fenômenos particulares, observáveis.
• Método histórico: busca explicar, a partir do passado,
como evoluiu historicamente o objeto da pesquisa.
• Método comparativo: busca comparar como uma
determinada instituição se desenvolveu em outros
países/cidades/povos, para mostrar similaridades e
diferenças.
• Método de estudo de caso: parte do estudo mais
profundo possível sobre um caso concreto.
Técnicas de pesquisa
• Documentação direta
• Pesquisa de campo, laboratório,
entrevista.
• Documentação indireta
• Pesquisa documental (fontes
primárias): arquivos públicos, fontes
não escritas, arquivos particulares
• Pesquisa bibliográfica (fontes
secundárias): publicações avulsas,
boletins, jornais, livros...
A estrutura da
monografia

• A monografia se divide em três


partes principais:
• Introdução
• Desenvolvimento
• Conclusão
A Introdução da
monografia
• A introdução da monografia deve apresentar o
seguinte conteúdo:
• Indicação dos objetivos da pesquisa;
• Os problemas e hipóteses correlatas;
• A metodologia utilizada, inclusive a
indicação do marco teórico utilizado;
• A divisão do trabalho em capítulos e os
motivos da adoção da estrutura;
• Argumentos principais a serem
apresentados no trabalho;
• Considerações finais preliminares e
impressões iniciais do Autor.
O desenvolvimento da
• monografia
O desenvolvimento da monografia deve
seguir, em linhas gerais, as seguintes
partes:
1. Argumentação crítica sobre o
objeto de investigação, tendo em
vista os resultados obtidos;
• 2. Relato sobre os dados coletados
(jurisprudência, legislação,
entrevistas, bibliografia, etc.) e sua
análise crítica;
• 3. Análise do problema;
• 4. Comprovação/refutação das
hipóteses.
A conclusão da
monografia
• A conclusão deve restabelecer os
raciocínios e argumentos mais
relevantes expostos nos vários
capítulos da monografia.
A conclusão não pode extrapolar os
raciocínios desenvolvidos no
desenvolvimento.
• Na conclusão, é possível indicar
possíveis caminhos de pesquisa a
partir do trabalho efetuado.
Cuidados na redação da
• monografia
Cuidado ao tratar da história de um instituto: não
o faça apenas para mostrar uma suposta erudição.
Uma monografia não é um manual! Não adote
estruturas próprias dos manuais dos cursos de
direito.
• A linguagem adotada deve ser clara, objetiva e
precisa. Evite texto rebuscado, cheio de
“juridiquês”.
• Revise o texto quando terminado.
Escreva, de preferência, na terceira pessoa
(impessoal).
• Evite frases longas!
Não faça uma compilação acrítica da
jurisprudência e da doutrina. O propósito da
monografia é problematizar uma questão, e não
simplesmente mostrar o que os outros pensam
sobre um assunto.
A (temida) ABNT
• A configuração da página
Tamanho A4 (210 mm x 297
mm)
• Sem moldura!!! Papel BRANCO!!
• Impressão somente no anverso
Margens:
• Superior e esquerda: 3 cm
Inferior e direita: 2 cm
A (temida) ABNT
• O texto
Fonte: Times New Roman 12
• Espaçamento: 1,5 entre as linhas
• Notas de rodapé, legendas e citações
com mais de três linhas:
Fonte Times New Roman 10
• Espaçamento simples entre as linhas
• Recuo de 4 cm da margem esquerda
Parágrafos: recuo de 4 cm da margem
esquerda
• Alinhamento: justificado
Numeração das páginas: em algarismos
arábicos (1, 2, 3...), no canto superior
direito.
A (temida) ABNT
• Sistemas de citação:
Citação indireta (livre): é a redação de
um texto baseado na obra do autor
mencionado, mas escrita de maneira
livre, como uma paráfrase do
pensamento do autor.
• Citação direta (textual): é a transcrição
textual de parte da obra do autor
referido. As citações com menos de 4
linhas devem ser transcritas entre aspas,
no interior do próprio texto. As citações
com mais de 4 linhas devem ser
destacadas do texto, seguindo o recuo do
parágrafo.
A (temida) ABNT
• As referências bibliográficas:
• Sistema numérico
No sistema numérico a indicação é feita por
uma numeração única e consecutiva, em
algarismos arábicos, remetendo à lista de
referências ao final do trabalho, na mesma
ordem em que aparecem no texto.
• Embora não seja recomendado, é comum ver
trabalhos que utilizam uma variação do
sistema numérico, colocando a lista de
referências na nota de rodapé. Mas, segundo
a ABNT, esse sistema só pode ser utilizado se
não for utilizada nota explicativa.
Quando a obra for citada pela primeira vez no
trabalho, a referência deve ser completa.
Caso seja citada mais de uma vez, deve-se
utilizar as seguintes expressões latinas: idem
ou id. (para citar outra obra do mesmo autor),
op. cit. (na obra citada, para citar a mesma
obra em outra circunstância).
A (temida) ABNT
• As referências bibliográficas:
• Sistema autor-data

• No sistema autor-data, a indicação


da fonte é feita pelo sobrenome de
cada autor, seguido pela data de
publicação do documento e pelo
número de páginas. A referência
completa da obra aparece na lista
de referências bibliográficas ao
final do trabalho.
A (temida) ABNT
• Principais formatos de referência bibliográfica:
Livros
• AUTOR. Título: subtítulo. Tradutor ou Atualizador.
Edição. Local (cidade): Editora, data.
• PIRES, Maria Coeli Simões. Direito adquirido e
ordem pública. Belo Horizonte: Del Rey, 2005.
• Artigo em obra coletiva
AUTOR do artigo. Título do artigo. In: AUTOR da
obra coletiva. Título: subtítulo. Tradutor ou
Atualizador. Edição. Local (cidade): Editora, data.
páginas onde o artigo se encontra.
• ESTEVES, Antônio Joaquim. A investigação-ação.
In: PINTO, José Madureira; SILVA, Augusto Santos
(Org.). Metodologia das ciências sociais. 8. ed.
Porto: Afrontamento, 1986. pp. 251-278.
A (temida) ABNT
• Texto em meio eletrônico
AUTOR. Título do texto. Disponível em:
<endereço eletrônico> Acesso em: data de
acesso.
• GORDILLO, Agustín. Reforma administrativa del
Estado. Disponível em: <www.gordillo.com>
Acesso em: 28 jul. 2002.
• Teses, dissertações e monografias
AUTOR. Título. Número de páginas.
Discriminação do tipo de trabalho científico -
instituição, cidade, ano de publicação.
• ARAÚJO, Florivaldo Dutra de. Conflitos coletivos
e negociação coletiva na função pública. 1998.
462 f. Tese (Doutorado em Direito
Administativo) - Faculdade de Direito,
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte, 1998.
A (temida) ABNT
• Legislação
NOME DO PAÍS, ESTADO OU MUNICÍPIO
(jurisdição). Título (Decreto, Lei, Medida
Provisória, etc.) numeração. Data (dia,
mês, ano). Dados da Publicação que
transcreveu a norma referida.
• BRASIL. Decreto-Lei n. 199, de 25 de
fevereiro de 1967. Diário Oficial. Rio de
Janeiro, 27.02.1967, p. 2348. Ratificado em
08.03.1963.
• Em meio eletrônico:
• MINAS GERAIS. Projeto de lei n. 1570, de
11 de dezembro de 1997. Disponível em:
<www.almg.gov.br/materiaemtramitacao>
Acesso em: 20 jan. 2003.
A (temida) ABNT
• Jurisprudência
NOME DO PAÍS, ESTADO OU MUNICÍPIO (jurisdição).
Nome da corte ou tribunal (órgão competente).
Título (natureza da decisão - apelação cível ou
criminal, habeas corpus, Recurso Extraordinário,
etc.) e numeração. Partes envolvidas (se houver).
Nome do relator. Data (dia, mês, ano). Indicação
da publicação.
• BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso
Especial n. 21355. Relator: Ministro Francisco
Peçanha Martins. Diário de Justiça da União.
Brasília, 27 jun. 1994. p. 16953.
• Em meio eletrônico:
• MINAS GERAIS. Tribunal de Justiça. Ação Popular.
Processo n. 1.0000.00.3346414-5/000(1). Relator:
Desembargador Brandão Teixeira. 16 abr. 2004.
Disponível em: <
http://www.tjmg.gov.br/frames/m_jurisprudencia.html
> Acesso em 16 maio 2004.
A (temida) ABNT
• Publicações periódicas
AUTOR. Título do artigo ou matéria.
Título do periódico. Local de
publicação (cidade), numeração do
volume/ano, fascículo ou número,
paginação inicial-final, data ou
intervalo de publicação, mês e ano.
• LOPES, Luís Simões. O Estatuto dos
funcionários civis da União. Revista
forense. Rio de Janeiro, n. 38, p. 18-
25, abr. 1939.
A (temida) ABNT
• Elementos pré-textuais obrigatórios da monografia
Capa: deve conter o nome do autor; título;
subtítulo (se houver); local da instituição onde
será apresentado; ano de entrega.
• Folha de rosto: Contém os seguintes elementos:
a) nome do autor; b) título; c) subtítulo (se
houver, deve ser evidenciado através do sinal de
dois pontos); d) natureza (monografia,
dissetação, tese e outros) e objetivo (aprovação
em disciplina, grau pretendido e outros), nome
da instituição a que é submetido, área de
concentração; e) nome do orientador e, se for o
caso, do coorientador; f) local da instituição e g)
ano da entrega.
Folha de aprovação: contém autor, título e
subtítulo se houver, local e data de aprovação,
nome, assinatura e instituição dos membros
componentes da banca examinadora.
A (temida) ABNT
• Elementos pré-textuais obrigatórios da
monografia
Resumo na língua vernácula: deve ser um
texto claro e conciso, não redigido na
forma de tópicos. Precisa ser objetivo e
não passar de 500 palavras. Abaixo do
resumo, devem ser explicitadas as
palavras-chave.
• Sumário: consiste na enumeração das
principais divisões, seções e outras partes
do trabalho, na mesma seqüência em que
aparecem.
• Elementos pré-textuais optativos:
Listas de ilustração (tabelas, gráficos),
listas de abreviatura e siglas, listas de
notações e símbolos;
• Epígrafe, agradecimento, resumo na língua
estrangeira.
A (temida) ABNT
• Elementos textuais obrigatórios da monografia
Introdução: nela deve constar a delimitação do
tema, o objeto da pesquisa, seus objetivos, o
marco teórico, hipóteses e demais elementos
necessários para situar o tema.
• Desenvolvimento: parte principal do trabalho
monográfico, deve conter a exposição ordenada e
pormenorizada do assunto, dividindo-se em
capítulos e subcapítulos.
Conclusão: parte final da monografia, apresenta
conclusões correspondentes aos objetivos ou
hipóteses enunciadas na introdução.
A (temida) ABNT
• Elementos pós-textuais da monografia
Referências (obrigatório): conjunto padronizado de
informações retiradas do material informacional consultado.
• Apêndice (opcional): texto utilizado quando o autor pretende
complementar sua argumentação. São identificados por letras
maiúsculas e travessão, seguido do título. Ex.: APÊNDICE A -
Relatório de entrevistas realizadas com os membros da
comunidade do Varjão (DF).
• Anexo (opcional): texto ou documento não elaborado pelo
autor para comprovar ou ilustrar. São identificados por letras
maiúsculas e travessão, seguido do título. Ex.: ANEXO A -
Representação gráfica das áreas de concentração da
criminalidade no Distrito Federal
• Glossário (opcional): lista alfabética de expressões técnicas de
uso restrito, utilizadas no texto e suas respectivas definições.