Você está na página 1de 16

APROVEITAMENTO DO BIOGÁS NA

METALURGIA

Novembro 2013
Introdução
Dejetos são considerados poluentes:
 além das alterações ocasionadas no solo e nas águas,
 têm a propriedade de produzir gases de efeitos prejudiciais à saúde humana e ao
ambiente e alterar, de maneira indesejada, as características do ar.
Tabela 1: Efetivo dos Rebanhos – Brasil – 2008 a 2012. Unidade: cabeça
Efetivo Efetivo Efetivo Efetivo Efetivo
Rebanho
2008 2009 2010 2011 2012

Bovinos 202.306.731 205.260.154 209.541.109 212.815.311 211.279.082

Suíno 36.819.017 38.045.454 5.514.253 5.510.601 5.363.185

Equino 5.542.182 5.496.817 1.184.511 1.278.075 1.261.922

Caprino 9.355.014 9.163.560 226.359 233.707 204.831

Fonte: IBGE, Pesquisa da Pecuária Municipal, 1974 a 2012, modificada.


Introdução
Biogás
gás incolor,
Biogás (fermentativo da biomassa) inodoro (impurezas),
insolúvel,
constituído principalmente de (CH4, CO2)

A utilização do biogás pode ser feita por queima direta (aquecedores,


esquentadores, fogões e caldeiras).

Poder Calorífico: pureza do biogás (impureza S).

Processo de biodigestão (Nogueira 1992):


 Teor de carbono;
 Concentração de sólidos orgânicos for alta (5%);
 Quantidade de nitrogênio na matéria orgânica;
 A relação C/N ótima situa-se entre 20 e 30.
Introdução
Tabela 2: Composição média do biogás proveniente de diferentes resíduos
orgânicos
Gás Porcentagem (%)
Metano (CH4) 40 – 75
Dióxido de Carbono (CO2) 25 – 40
Nitrogênio (N) 0,5 – 2,5
Oxigênio (O) 0,1 – 1
Ácido sulfídrico (H2S) 0,1 – 0,5
Amoníaco (NH3) 0,1 – 0,5
Monóxido de carbono (CO) 0 – 0,1
Hidrogênio (H) 1-3
Fonte: Castanon (2002), apud Salomon e Lora (2005), modificada.
Introdução
Biodigestão

Matéria bactérias anaeróbias biogás


Orgânica
biofertilizante

Biodigestor

Cria um ambiente artificial (temperatura, pH) propício ao desenvolvimento das


bactérias anaeróbias.
Operação do Biodigestor é definido por três parâmetros básicos:
• tempo de retenção de microrganismos (TRM)
• tempo de retenção de sólidos (TRS)
• tempo de retenção hidráulica (TRH-tempo para ocorrer biodigestão completa)
Introdução
Indústria siderúrgica: Minério de Ferro Aço CO2
Redução (utiliza mais Energia): injeção de combustível auxiliar (Carvão
Pulverizado)

Injeção de Reduzir o consumo de coque (ou de


combustíveis carvão vegetal);
auxiliares em
AF Aumentar a produtividade;

Diminuir o custo final do ferro gusa;

Reduzir as emissões de CO2


Objetivos
Objetivo Geral
• Analisar o comportamento químico e a produção dos gases gerados a partir do
uso de dejetos de suínos e bovinos em um biodigestor e avaliar a possibilidade
de utilização e o seu desempenho no setor siderúrgico.

Promover a análise química dos gases gerados em um biodigestor tratando dejetos


de bovinos e suínos;

Determinar o potencial brasileiro de produção;

Determinar as quantidades médias de gases oriundos da biodigestão de dejetos de


bovinos e suínos.
Metodologia
Coleta de material

A análise dos sólidos totais (peso seco, úmido e voláteis)

Serão utilizados biodigestores (batelada) sendo todos compostos pelo mesmo tipo e concentração de
dejetos e água.

Cada biodigestor é constituído de câmara única de digestão, conectada a um gasômetro.


(Selado/Plástico preto).

Foram utilizados substrato constituído de dejetos e água.

A mistura passou pelo pHmetro (pH ideal entre 6 e 8).

Os biodigestores foram instalados dentro de uma caixa adaptada a um aquecedor ( 34°C)

A determinação do volume de biogás através da medição do deslocamento vertical do gasômetro.


( Vol = h * Área secção transversal)

O gás produzido foi coletado em ampolas de para a realização de testes no ORSAT


Metodologia
Metodologia

Figura 1. Orsat

Função: analisar de gases e


determinar a composição e peso
molecular de gases.
Método: método volumétrico
envolvendo absorção e oxidação
seletivas

Fonte: Própria
Resultados e Discussão
Tabela 4: Capacidade de produção de biogás de diferentes tipos de dejetos.

Produção diária Produção de biogás


Dejetos
(kg/animal) (m³/ton)
Bovinos 15 270
Suínos 2,25 560
Fonte: BARRERA (1993), modificada.
Tempo = 52 dias
Literatura – 0,27 m³/kg de dejetos de bovinos
Experimento – 0,18m³/kg dejetos de bovinos

População bovina (2012) = 211 milhões de cabeças:

Literatura – 854x106 m3/dia

A produção foi inferior à esperada pela bibliografia, devido a vazamentos,


preenchimento total do gasômetro e coletado para análises.
Resultados e Discussão
Tabela 5: Resultado das análises do Orsat

Gás Porcentagem (%)


Metano (CH4) 74
Dióxido de Carbono (CO2) 7
Oxigênio (O) 11
Monóxido de carbono (CO) 7

De acordo com simulações feitas - determinou que a porcentagem de CH4


necessária ao biogás, para que esse possa ser utilizado como combustível
auxiliar é de 64% da composição.
Projetos
Conclusão
Podemos concluir através deste estudo que a utilização do biogás é
subestimada, e que o Brasil tem um grande potencial para a geração desta
energia, embora o país ainda não utilize esse potencial.
Considerando média percentual da quantidade de metano nos gases
produzidos, que foi de 74%, conclui-se que o biogás tem a composição
necessária para ser utilizado de maneira eficiente como combustível auxiliar
em alto-forno.
A utilização do biogás como combustíveis auxiliares em altos-fornos tem, é
uma alternativa viável para a substituição de importação de carvão para o
país.
Logística de transporte ainda deve ser melhor estudada.
Usando este novo modelo é esperado uma contribuição para a redução da
emissão de gases de efeito estufa (CO2 e CH4).
Agradecimentos

• DEAMB
• Laboratório de Saneamento Ambiental
• Redemat
Referências Bibliográfica
AMARAL, C. M. C.; AMARAL, L. A.; JÚNIOR, J. L.; NASCIMENTO, A. A.; FERREIRA, D. S.;
MACHADO, M. R. F., Biodigestão Anaeróbia de Dejetos de Bovinos Leiteiros Submetidos a
Diferentes Tempos de Retenção Hidráulica. Ciência Rural, Santa Maria, v.34, n.6, p.1897-
1902, nov- dez 2004.

ASSENHEIMER, A. Tratamento de Dejetos Bovinos em Sistema Intensivo de Produção de


Leite com Aeração Mecânica. 2007. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade
Estadual do Oeste do Paraná, PR, 2007.

ASSIS, P. S. Injeção de Materiais Pulverizados Em Altos-Fornos. 1. ed. São Paulo: ABM-


Associação Brasileira de Metalurgia e Materiais, 1993. v. 100. 298 p.

ASSIS, P.S.; MARTINS, W.B.; JÚNIOR, A.M. Aspectos técnicos relativos a simulação de
injeção de materiais diversos em ventaneiras de altos-fornos. In: Congresso Nacional De
Engenharia Mecânica, CONEM-2002. João Pessoa, Paraíba: agosto de 2002. 12p.

BACKES, G. M. Avaliação do Processo de Digestão Anaeróbia na Geração de Energia a Partir


de Dejetos Suínos e Bovinos de Leite com Suplementação de Glicerina Residual Bruta Oriunda
da Produção de Biodiesel. 2011. Dissertação (Mestrado em Ambiente e Desenvolvimento) –
Centro Universitário UNIVATES, RS, 2011.