Você está na página 1de 13

Aula 11: INTEGRAÇÃO

Regra dos Trapézios


Índice

• INTEGRAÇÃO
• FÓRMULA DOS TRAPÉZIOS (Simples e Composta)
• ERRO DE TRUNCAMENTO (Simples e Composta)
• EXEMPLOS
INTEGRAÇÃO
Se uma função 𝑓(𝑥) é contínua em um intervalo [𝑎, 𝑏] e sua primitiva 𝐹(𝑥) é conhecida,
então a integral definida desta função neste intervalo é dada por:
𝑏
න 𝑓 𝑥 𝑑𝑥 = 𝐹 𝑏 − 𝐹(𝑎) (𝟓. 𝟏)
𝑎
onde 𝐹′ 𝑥 = 𝑓(𝑥).

Entretanto, em alguns casos, o valor desta primitiva 𝐹(𝑥) não é conhecido ou de fácil
obtenção, o que dificulta ou mesmo impossibilita o cálculo desta integral.

Por outro lado, em situações práticas, nem sempre se tem a função a ser integrada por
uma fórmula analítica, e sim por meio de tabela de pontos, o que torna inviável a
utilização da equação (5.1).

Para se calcular o valor da integral definida de 𝑓(𝑥), nas duas situações citadas acima,
torna-se necessária a utilização de métodos numéricos.
REGRA DOS TRAPÉZIOS (Simples)
Para a determinação da regra dos trapézios, é utilizado o polinômio de Gregory-Newton do
1º grau, ou seja, uma reta:

𝑏 𝑏
𝒉
𝐼 = න 𝑓 𝑥 𝑑𝑥 ≅ න 𝑃1 𝑥 𝑑𝑥 = (𝒚𝟎 + 𝒚𝟏 )
𝑎 𝑎 𝟐
que é a fórmula dos trapézios ou regra dos trapézios,
na qual 𝑦0 = 𝑓(𝑥0 ) e 𝑦1 = 𝑓(𝑥1 ).
ERRO DE TRUNCAMENTO
A diferença entre a integral exata de 𝑓(𝑥) (área sob a curva 𝑓(𝑥) ) e a integral
aproximada (trapézio) é o erro de integração.

O erro de integração é devido ao erro de truncamento cometido na aproximação da


função integranda pelo polinômio de Gregory-Newton.
−𝒉𝟑 ′′
𝑬= 𝒇 𝜺
𝟏𝟐
onde ℎ = 𝑏 − 𝑎 e 𝑎 ≤ 𝜀 ≤ 𝑏.

É interessante notar que nesta fórmula de erro, se 𝑓 ′′ > 0, então a fórmula dos trapézios
dá um valor de integral por excesso; mas, se 𝑓 ′′ < 0, resulta um valor de integral por
falta.
REGRA DOS TRAPÉZIOS
Exemplo 1: Calcular, pela regra dos trapézios e, depois, analiticamente, o valor de:
4
𝐼 = ‫׬‬2 𝑥 3 𝑑𝑥. Comparar os resultados.
REGRA DOS TRAPÉZIOS (Fórmula Composta)
Uma forma que se tem de melhorar o resultado obtido utilizando-se a regra dos
trapézios é subdividindo o intervalo [𝑎, 𝑏] em 𝑛 subintervalos de amplitude ℎ e a cada
subintervalo aplicar-se a regra dos trapézios.
REGRA DOS TRAPÉZIOS (Fórmula Composta)

ℎ ℎ ℎ
𝐼 = 𝑦0 + 𝑦1 + 𝑦1 + 𝑦2 + ⋯ + 𝑦𝑛−1 + 𝑦𝑛
2 2 2
𝒉
𝑰 = 𝒚𝟎 + 𝟐𝒚𝟏 + 𝟐𝒚𝟐 + ⋯ + 𝟐𝒚𝒏−𝟏 + 𝒚𝒏
𝟐
ERRO DE TRUNCAMENTO (Fórmula Composta)

O erro total cometido é a soma dos erros cometidos na aplicação da fórmula dos
trapézios a cada subintervalo.
𝐸 = 𝐸0 + 𝐸1 + 𝐸2 + ⋯ + 𝐸𝑛−1
onde 𝐸𝑖 é o erro cometido na aplicação da regra dos trapézios no intervalo cujos
extremos são 𝑥𝑖 e 𝑥𝑖+1 . Pode-se mostrar que a última equação pode ser reescrita como:

𝑏−𝑎 3
𝐸=− 𝑓 ′′ 𝜀 , 𝑎≤𝜀≤𝑏 (5.11)
12𝑛2

Pode-se notar em (5.11) que, ao se subdividir o intervalo [𝑎, 𝑏] em um grande número de


subintervalos, o erro cometido tende a se tornar pequeno, pois o erro é inversamente
proporcional ao quadrado de 𝑛.
REGRA DOS TRAPÉZIOS (Fórmula Composta)
Exemplo 2: Calcular a integral do Exemplo 1 utilizando a regra dos trapézios composta
e subdividindo o intervalo de integração em 5 subintervalos. Comparar os resultados.
4
Relembrando: 𝐼 = ‫׬‬2 𝑥 3 𝑑𝑥.
INTEGRAÇÃO (REGRA DOS TRAPÉZIOS)
Exercícios de Fixação: Resolver os exercícios das páginas 213 e 214.
Professor: Ronald Ramos Alves
ronald.alves@unifacs.br