Você está na página 1de 2

EPISTEMOLOGIA DA PSICOLOGIA - Graduação em Psicologia

Prof. Dr. Marco Antonio Chabbouh Junior


Aluna: Dayana de Lima Araújo
Mat.: 21003159
Turma: Psicologia turma 101 Vespertino/Noturno
 
AVALIAÇÃO P2 - Valor 4,5
QUESTÕES:
Para a resposta das questões a seguir, considere que cada uma deve ser
estruturada de maneira dissertativa, isto é, em um texto coerente com
Introdução, Desenvolvimento e Conclusão.
 
1. A ontologia (metafísica) aristotélica se constitui de maneira absolutamente
distinta da defendida por seu professor Platão. O princípio da dissenção entre os
dois é o argumento do Terceiro Homem. Entretanto, é correto dizer que o
estagirita passou boa parte de sua obra na constituição de uma argumentação
contra a Teoria platônica das Formas. O resultado da dissenção é o de uma
realidade mais simples do que a do grande filósofo de Atenas: não há mais dois
mundos, sensível e inteligível, mas apenas um mundo; toda investigação teórica
deve, consequentemente, partir desse mundo único. O abandono da Teoria das
Formas, sem dúvida, é teoricamente mais econômico, porém traz desafios
complexos para a Epistemologia de Aristóteles. Disserte sobre a teoria da ciência
e do conhecimento aristotélica. Em seu texto, explique, na comparação com
Platão, (i) a obrigatoriedade de uma nova teoria do conhecimento necessário; (ii)
a imperativa constituição de uma discussão sobre a universalidade e (iii) a
consequente doutrina aristotélica da faculdade da sensação como semelhança
em seu De Anima (2,5).
 R: De acordo com Platão o conhecimento só era pelos sentidos da racionalidade, (o
conhecimento do pensamento), e que o conhecimento dos sentidos não era valido.
Mas Aristóteles depois discordou disso chegando com a sua nova teoria de que para
se ter o conhecimento necessário é preciso também outras maneiras diferentes de
buscá-los( racional, empíricos, práticos e sensoriais), trazendo assim uma nova teoria
da busca pelo conhecimento. Então entendo que Aristóteles quis mostrar que a ciência
é o conhecimento universal das coisas, não só do âmbito racional do que sejam, mas
um conjunto de conhecimentos para se chegar a um conhecimento elevado das coisas
como são e para que servem, existem e se transformem, sem deixar de ser o que são
da sua natureza. Ele mostra isso com a teoria de diferentes níveis de conhecimento
para se chegar á totalidade do conhecimento pelo estudo tanto racional, como dos
sentidos, tanto práticos como específicos. Na aula o professor deu um exemplo da
maçã, que se pode nascer verde e depois ficar vermelha e mesmo assim não deixa de
ser a maçã, tanto quanto se pode plantar sua semente, crescer a arvore e nascer
novamente a maçã, sua mudança de semelhança não á faz deixar de ser o que é.
2. O pensamento aristotélico e, com ele, a noção clássica de ciência, foi o padrão
da universidade europeia do século XII até o início da Idade Moderna. Alguns
eventos sociais, políticos e científicos fizeram com que, processualmente, o
pensamento do estagirita fosse sendo colocado a prova. De maneira especial, a
gênese da Mecânica Clássica e a filosofia de Immanuel Kant desafiaram a
proposta de produção metafísica e estabeleceram um novo padrão de
conhecimento científico. Explique como a física de Newton e a filosofia de Kant
estabeleceram as bases para a formação de uma psicologia experimental em
Wilhelm Wundt. Em sua exposição, apresente (I) os motivos do fim da noção de
ciência como conhecimento pelos princípios; (II) o significado de uma crítica à
possibilidade da psicologia como metafísica e (III) ao menos duas das críticas de
Kant a possibilidade de constituição de uma psicologia como ciência (2,0).
R: Podemos começar a falar desde a perspectiva histórica do começo das grandes
navegações, onde foi descoberto a América, depois veio Lutero e as reformas
protestantes, Galileu e Copérnico que mudou a história mostrando que a terra não era
mais o centro do mundo e sim o sol, através de estudos e provas cientificas,
reconhecendo a crise aristotélica. Então Newton trouxe o estudo da lei da gravidade e
de que o conhecimento não seria dedutivo porque para ele o conhecimento precisava
ser estudado e provado como chegou naquele resultado, Kant por sua vez possibilitou
a emancipação da psicologia da filosofia, veio com seu criticismo falando que o estudo
da psicologia não poderia ser dada como o estudo de um objeto, pelo fato de não ser
possível isolar o objeto da psicologia, e que não podemos matematizar a psicologia
porque fenômenos psicológicos não são possíveis de expressar dessa maneira,
dizendo que fenômenos psicológicos são unidimensionais, tratando da realidade e
existência das coisas com o estudo mais da parte racionalista, mostrando que a teoria
da metafisica expunha o conhecimento além do físico, de acordo com a moralidade.
Então Wundt funda a universidade, monta o laboratório e começa com seus
experimentos em pessoas na terceira pessoa, provando que seria possível sim estudar
o sentimento do ser e seus sentidos através do relato de sentidos e sentimentos que o
próprio ser descreveu. Ele também funda a primeira revista de psicologia e escreve
livro até hoje influente para o estudo da psicologia.