Você está na página 1de 41

UMBILICAIS SUBMARINOS

Equipe: Andrezza Sousa Silva


Luís Augusto
Kllydevan Felipe
Introdução
• Umbilicais submarinos são estruturas essenciais para o
funcionamento dos sistemas de produção marinho, eles
são projetados para diversas funções como transmitir
energia para o funcionamento dos equipamentos
submarinos, transportar cimento e fluidos de
manutenção ou químicos. Dentre tantas funções uma das
mais importantes é o acionamento da árvore de natal
molhada, para tanto os umbilicais devem ser
dimensionados para suportar as diversas ações externas
do ambiente a que estão submetidos.
Arranjo Submarino
• Para definir os equipamentos de produção em
subsuperfície deve-se levar em consideração a
natureza do reservatório, as condições
ambientais, aspectos de produção, monitoração
e manutenção e aspectos econômicos. E após
tais análises, são escolhidos os equipamentos de
subsuperfície ideais para cada campo.
Figura 1: Arranjo Submarino Convencional
Fonte: DRUMOND 2013.
Classificação de Dutos e
Umbilicais
• Risers
• Flowline

• Rígidos

• Flexíveis
Tabela 1: Arranjos marinho de risers e umbilicais
Configurações Condições de Uso
Catenária Simples Águas relativamente rasas
Lazy-s e Steep-s Águas moderadamente profundas
Lazy-wave e Steep-wave Águas profundas

Figura 2 - Configurações utilizadas em risers e cabos umbilicais


Fonte: CORDOVÉS 2008
Umbilicais Submarinos
• Umbilicais submarinos são estruturas
multicamadas que possuem uma extensa variação
de funções. Umbilicais de controle e serviço são
utilizados para o suprimento de fluidos de serviço,
fluidos hidráulicos, potência elétrica e sinais entre a
unidade de produção e equipamentos submarinos
de produção (em diversas aplicações os umbilicais
promovem a interligação entre equipamentos
submarinos). Dependendo dos requerimentos de
serviço, umbilicais podem conduzir facilidades
elétricas, hidráulicas ou fluidos químicos ou uma
combinação de todos esses.
• Como vimos os umbilicais são item chaves nos
sistemas de produção submarinos

Sendo assim, qual a desvantagem dos umbilicais


serem multifuncionais e essenciais?
• Como vimos os umbilicais são item chaves nos
sistemas de produção submarinos

Sendo assim, qual a desvantagem dos umbilicais


serem multifuncionais e essenciais?

A desvantagem é que eles podem representar


um significativo componente no custo de um
projeto, sendo caros tanto para fabricar como
para instalar.
• O desenvolvimento crescente em campos de
águas profundas implica na utilização de ANMs
e manifolds submarinos; os umbilicais possuem
como função primária prover controlar esses
equipamentos, desde a superfície, bem como
viabilizar a injeção de produtos químicos
necessários para a produção e escoamento do
produto, como mostrado na figura 3.
ANM

Riser
Manifold

BOP

Figura3: Umbilicais conectados a manifold e ANM


Fonte: Oil e Gás Journal
(a)Camadas que compõem
uma estrutura umbilical
típica

(b)Vista tridimensional de
uma estrutura com tubos
metálicos

(c)Mostra a vista
tridimensional de uma
estrutura com tubos
metálicos denominada IPU
(Umbilical de Produção
Integrada).
Figura 4 – Exemplos de estruturas umbilicais com tubos
metálicos (d)Apresenta a foto de um
Fonte: GONÇALVES 2009
umbilical híbrido com tubos
metálicos e cabo de
potência.
Classificação
• Quanto às solicitações cíclicas: umbilicais
estáticos e umbilicais dinâmicos;

• Quanto aos seus elementos estruturais:


umbilicais armados e umbilicais não-armados.
Quanto às solicitações
cíclicas
Umbilicais estáticos
• Uma vez instalados, permanecerão assentados no leito
marinho e, portanto, não serão submetidos a esforços
cíclicos significativos decorrentes da ação das ondas,
correntes e movimentação da UEP. Os umbilicais estáticos
são equivalentes ao trecho flowline de um duto submarino
Umbilicais dinâmicos
• Designa os umbilicais que estão diretamente conectados à
UEP e, portanto, estão sujeitos a esforços cíclicos
decorrentes da atuação direta das ondas, correntes marinhas
e movimentação da UEP. Os umbilicais dinâmicos são
equivalentes ao trecho riser de um duto submarino.
Quanto aos elementos
estruturais
Umbilicais armados
• Possuem camadas de arames dispostos de forma
circular sobre a periferia do núcleo que contém os
elementos funcionais (cabos elétricos, mangueiras,
tubos, etc.) com a exclusiva finalidade de conferir
resistência mecânica ao conjunto.

Umbilicais não-armados
• Não possuem os arames citados nos umbilicais
armados, a resistência mecânica é obtida através dos
elementos internos, no caso tubos metálicos, que além
de apresentarem função operacional, atuam como
elementos estruturais.
Principais componentes dos
umbilicais submarinos
• Corpo central
▫ É o conjunto funcional do umbilical, ou seja, a região interna
confinada pelas armaduras de tração e pela capa externa onde
estão localizados todos os elementos funcionais do umbilical;
• Armaduras de tração
▫ São as camadas estruturais metálicas utilizadas para sustentar
as cargas de tração e fornecer peso para a estabilização do
umbilical durante o lançamento e operação.
• Capa externa
▫ É a capa exterior polimérica utilizada para proteger o umbilical
contra a penetração e ação de agentes externos tais como, água
do mar, corrosão, abrasão, danos mecânicos, etc.
Componentes do corpo central

Figura 5: Cabo Umbilical Convencional


Fonte: DRUMOND 2013
Componentes do Corpo Central
• Núcleo de cabo de aço ou armadura interna
▫ É utilizado em alguns projetos de umbilicais para dar consistência
ao núcleo, servindo para suportar as camadas superiores,
auxiliando na resistência à tração do umbilical.
• Cabos elétricos de transmissão de sinais
▫ São os cabos destinados a transmitir os sinais elétricos portadores
das informações referentes às variáveis físicas de produção.
• Mangueiras poliméricas
▫ São as mangueiras destinadas a conter o fluido hidráulico para
controlar a abertura e o fechamento das válvulas da ANM e da
DHSV (ou válvulas de outro equipamento submartino).
• Mangueiras HCR
▫ São mangueiras fabricadas a partir de uma carcaça interna de aço
intertravado, conferindo resistência ao colapso
Componentes do Corpo Central
• Enchimentos
▫ São elementos inseridos entre as mangueiras com a finalidade de
preencher os espaços vazios, propiciando suporte lateral para as
mangueiras quando submetidas a esforços de compressão radial,
proporcionando também o isolamento térmico.
• Capa interna
▫ É uma capa de polímero, normalmente de polietileno, utilizada com
o intuito de proteger e manter o arranjo dos elementos do corpo
central.
• Capa externa
▫ A capa rígida feita de polímero (geralmente polietileno), e
proporciona isolamento e dá estanqueidade ao umbilical. Além de
proteger a armadura contra abrasão.
• Tubos metálicos
▫ Podem ser utilizados indistintamente em substituição às
mangueiras hidráulicas
Tabela 2: Resumo das funções dos diversos componentes de um
umbilical submarino

COMPONENTE FUNÇÃO

Armadura Interna Resiste as cargas de tração


Monitoração das variáveis físicas de
Cabos Elétricos
produção
Condução do fluido hidráulico de
Mangueiras Poliméricas
controle
Condução de produtos químicos de
Mangueiras HCR
injeção
Enchimentos Distribuição interna de cargas

Armaduras de tração Cargas de tração

Capa externa Proteção


Tipos de cabos umbilicais
• Umbilical Hidráulico Direto
• Umbilical Hidráulico Pilotado
• Umbilical Eletro-Hidráulico
• Umbilical Eletro-Hidráulico Direto
• Umbilical Eletro-Hidráulico Multiplexado
• Umbilical Óptico de Potência
Umbilical Hidráulico Direto
Tabela 3: Umbilical Hidráulico Direto.

Fonte: DRUMOND 2013


Umbilical Hidráulico Pilotado
Tabela 4: Umbilical Hidráulico Pilotado

Fonte: DRUMOND 2013


Umbilical Eletro-Hidráulico

Figura 6: Umbilical Eletro-Hidráulico.


Fonte: DRUMOND 2013

Este umbilical se caracteriza por ser um umbilical


hidráulico direto com funções de aquisição de temperatura
e pressão.
Umbilical Eletro-Hidráulico
Direto

Figura 7: Umbilical Eletro-Hidráulico Direto

Possui uma mangueira única de alta pressão que atua


as funções da ANM. São utilizadas válvulas
solenóides elétricas para liberar a pressão de
acionamento. Cada válvula solenóide possui um cabo
elétrico dedicado, e o acionamento é quase imediato.
Umbilical Eletro-Hidráulico
Multiplexado
• Um umbilical multiplexado pode
controlar vários poços e SCMs.
• O master control station (MCS) envia um
comando ao subsea electronics module
(SEM), que irá interpretar a mensagem e
energizar a válvula piloto solenóide
apropriada.
Figura 8: Estrutura do umbilical Eletro-Hidráulico Multiplexado
Tabela 5: Umbilical Eletro-Hidráulico Multiplexado

Fonte: DRUMOND 2013


Umbilical Óptico de Potência

• Possui como principais funções a distribuição de


energia e comunicação entre unidades de
produção.

• Controla uma ou duas BCS (Bomba Centrífuga


Submersa) além de controlar o sistema de
separação vertical anular.
Figura 9: Umbilical Óptico de Potência.
Fonte: DRUMOND 2013
Composições típicas de umbilicais
• Na Bacia de Campos, principal área de produção offshore
de petróleo da Petrobras, são utilizadas duas
configurações básicas para atender as ANMs de poços
satélites, uma para os poços de produção e outra para
poços de injeção.
▫ Poços de produção: são utilizados umbilicais compostos
de 9 mangueiras hidráulicas de diâmetro interno 3/8” + 3
mangueiras HCR de diâmetro interno ½” + cabo elétrico de
3 pares de 2,5 mm².
▫ Poços de injeção: são utilizados umbilicais compostos de
5 mangueiras hidráulicas de diâmetro interno de 3/8” + 1
cabo elétrico de 3 pares de 2,5 mm².
Falhas de umbilicais
• As falhas em cabos umbilicais podem
ocorrer devido a, principalmente, dois
fatores:
▫ Deficiências fabris e;

▫ Deficiências de manuseio.
Quais os principais danos causados por
falhas em umbilicais?
Quais os principais danos causados por
falhas em umbilicais?

• Vazamento de fluidos

• Dano ao meio ambiente

• Imobilização de sistemas de
operação

• Descontrole
Tabela 6: Principais Não Conformidades Ocorridas em Umbilicais Identificadas em
Diferentes Fornecedores

Fonte: DRUMOND 2013


Falhas de umbilicais
• Falhas de umbilicais podem resultar em
perdas parciais ou totais de produção,
resultando em severas consequências
econômicas.
Uso de umbilicais com tubos de
aços para controle e injeção em
ALTERNATIVAS:
substituição às estruturas
convencionais que utilizam
mangueiras termoplásticas e
mangueiras HCR
Instalação dos Umbilicais
Submarinos
• Na instalação, o umbilical fica submetido à
solicitações axissimétricas, variações de curvatura e
a outras solicitações que são decorrentes do
processo de instalação
• A instalação ocorre em águas consideradas rasas,
profundas ou ultraprofundas, sujeitas a condições
meteorológicas e marinhas.
• Os equipamentos submarinos são instalados no
fundo do mar através de embarcações dotadas de
Remotely Operated Vehicles – ROV, robôs que
auxiliam no posicionamento e integridade destes
equipamentos.
Figura 10: Embarcação Pipe Laying Support Vessels (PLSV)
Fonte: www.oceanica.ufrj.br
Figura 11: Remotely Operated Vehicles (ROV)
Fonte: http: www.mbari.org
Conclusão
Os umbilicais submarinos são complexos em
diversos sentidos, são estruturas multifuncionais de
importância vital aos sistemas de produção submarino.
Desde o projeto do sistema de produção até a
instalação do mesmo é feito um planejamento para
saber quais tipos de umbilicais serão usados.
Por ser multifuncional o projeto de um umbilical
submarino envolve a seleção de material, as condições
ambientais que estes cabos estarão submetidos, a
profundidade da lâmina d’água, a sua função no
sistema, quantas funções cada cabo umbilical poderá
ter, e tantos outros elementos.
Referencias
• GONÇALVES, A.; A. ANÁLISES GLOBAL E LOCAL DE
UMBILICAIS COM TUBOS DE AÇO. 2009. 171f. Tese (Mestrado em
Engenharia Oceânica). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro.
• CORDOVÉS, D.; C., S. ANÁLISE DE CONFIABILIDADE
ESTRUTURAL DE CABOS UMBILICAIS. 2008. 149f. Tese (Mestrado em
Engenharia). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São
Paulo.
• DRUMOND, G.; P. ESTUDO DE MATERIAL ALTERNATIVO PARA
FABRICAÇÃO DE MANGUEIRAS HIDRÁULICAS DE UMBILICAL
SUBMARINO. 2013. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro.
• SILVA, J.; L. ANÁLISE ESTRUTURAL AXISSIMÉTRICA DE
CABOS UMBILICAIS E LINHAS FLEXÍVEIS. 2006. Universidade
Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
• Projeto Submarino. Disponível em: http://www.maxwell.lambda.el
e.puc-rio.br/21206/21206_3.PDF. Acesso em: 07 de março de 2014.